SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 50
INTRODUÇÃO
   Órgão localizado no abdomen superior
    encontrando-se em íntima relação topográfica
    com estômago, intestino, fígado e baço.
   Anatomicamente é dividido em três partes:
    cabeça que é a porção mais volumosa estando
    em contato com o duodeno; corpo que é a
    porção intermediária e cauda que é sua porção
    final encontrando-se próxima ao baço
   O pâncreas é uma glândula que tem duas funções
    principais.

       Secreção exócrina produzindo o suco pancreático rico
        em proteínas (enzimas) são essenciais no processo de
        digestão.

       Função endócrina produzindo hormônios

            Os principais são a insulina e o glucagon.
CÂNCER DO PÂNCREAS

MORTALIDADE
   Responsável por 4% das mortes por câncer, no
    Brasil. Nos Estados Unidos, é a quinta causa
    de morte por câncer
INCIDÊNCIA
   Responsável por cerca de 2% de todos os tipos de
    câncer, no Brasil.

   Apresenta a segunda maior incidência dentre os
    tumores malignos do tubo digestivo, sendo
    superado apenas pelo tumor colorretal.

   São estimados, no mundo, 185.000 novos casos
    por anos
ETIOLOGIA
   Desconhecida
    A absoluta maioria origina-se nos ductos que
    transportam o suco pancreático
    adenocarcinomas (90%)

   Um outro tipo mais raro é aquele que tem
    origem nas chamadas ilhotas pancreáticas, que
    são células produtoras de hormônios como a
    insulina.
   Tendem a invadir e infiltrar estruturas
    adjacentes como o estômago ou duodeno.

   Metástase.

   Os órgãos mais freqüentemente envolvidos são
    o fígado, os pulmões e, algumas vezes, os
    ossos.
FACTORES DE RISCO
   Idade.

   Tabagismo (duas a três vezes mais freqüente
    entre os fumantes).

   Diabetes (duas vezes mais que pessoas não
    diabéticas).

   Dieta (ricas em gorduras e pobres em frutas e
    vegetais).
   Pancreatite crônica

   Cirurgia do trato gastrintestinal

   Herança (Neoplasia pancreático familiar)

   Exposições ocupacionais
CLASSIFICAÇÃO
   Tumores Malignos
       Adenocarcinoma ductal
       Cistoadenocarcinoma mucinoso
       Carcinoma de células acinares
       Carcinoma de células grandes inclassificável
       Carcinoma de células pequenas
       Pancreatoblastoma

   Tumores com potencial maligno inconstante
       Tumor hipersecretor de mucina do ducto externo
       Cistoadenoma mucinoso
       Neoplasia papilar cistica

   Tumor Benigno
       Cistoadenoma seroso
SINTOMAS
   Doença silenciosa  raramente causa sintomas
    precocemente.

   A sintomatologia depende da localização e tamanho
    do tumor.

       Icterícia; Coluria; Acolia
       Dor
       Náuseas
       Inapetência
       perda de peso
       fraqueza.
DIAGNÓSTICO
   Clínica

   Ultrasonografia abdominal

   Tomografia computadorizada

   Ressonância nuclear magnética

   Angiografía
   Colangiopancreatografia retrograda endoscópica

   Ultrasonografía endoscópica

   Marcadores Tumorais (CA 19-9; CA 494;
    Elastasa imuno-reativa; relação testosterona-
    dihdrotesostrona; Oncoproteinas)

   Laparoscopia

   Biópsia
CLASSIFICAÇÃO TNM
   Tumor primário
      TX  Tumor primário não pode ser avaliado

      T0  Não tem evidencia do tumor primario

      T1  Tumor limitado ao pâncreas

         T1a  Tumor < 2 cm de diâmetro maior

         T1b  Tumor > 2 cm de diâmetro maior

      T2  Tumor com metástase a: duodeno, ducto

       biliar, tecidos peripancreáticos
      T3  Tumor com metástase a: estômago, baço,

       cólon, grandes vasos adjacentes
   Gânglios linfáticos regionais
       NX  Gânglios linfáticos regionais não avaliáveis
       N0  Não apresenta metástase dos gânglios
        linfáticos regionais
       N1  Metástase dos gânglios linfáticos regionais

   Metástase a distância
       MX  Presença de metástase a distância não pode
        ser avaliada
       M0  Não tem metástase a distância
       M1  metástase a distância
CLASSIFICAÇÃO POR
            GRUPOS
   Estágio I  T1, N0, M0
                T2, N0, M0

   Estágio II  T3, N0, M0

   Estágio III  Qualquer T, N1, M0

   Estágio IV  Qualquer T, Qualquer N, M1
TRATAMENTO
   Doença de difícil controle.

   Pode ser curada somente se diagnosticada em
    fase precoce.

   Nas fases mais avançadas, o tratamento é
    sintomático.
   A escolha do tratamento depende: do tipo,
    da localização, tamanho, extensão
    (estadiamento), idade e condição clínica
    do paciente.
MODALIDADES DE TRATAMENTO
   Cirurgias:
       Gastroduodenopancreatectomia (Cirurgia de
        Whipple).
       Pancreatectomia corpo-caudal.

   Radioterapia

   Quimioterapia
PREVALÊNCIA
   < 10 por 1 milhão de habitantes

    Insulinomas, Gastrinomas e PET não
    funcionantes são os mais comuns.

       Incidência de três novos casos por 1 milhão de
        habitantes
INSULINOMAS
   Tumor endócrino pancreático mais comum

   Incidência  1 caso por 1 milhão de pessoas
    por ano

   Pâncreas (100%), localizam-se na mesma
    proporção na cabeça, corpo ou cauda

   Malignidade 5-15%
   Clínica 
       Sintomas hipoglicêmicos
       Sintomas neuropsiquiátricos
       Alteração Visual
       Incoerência
       Transtornos do comportamento
       Sintomas adrenérgicos:
            Palpitações
            Sudorese
            Tremor (por neuroglucopenia)
   Diagnóstico 
       Hospitalização para observação dos sintomas da
        hipoglicemia

       Amostras de glicemia, insulina e péptido C

   Tratamento 
       Dieta fracionada

       Diazóxido

       Cirurgia
SINDROME DE ZOLLINGER-
           ELLISON (GASTRINOMAS)
   Tumor endócrino liberador de gastrina localizado no
    pâncreas (30%) ou duodeno (60%).

   Idade: 35 a 65 anos

   Mais comum em homens (60%)

    20-25% apresenta-se como parte do MEN1  Síndrome
    de neoplasia endócrina múltipla do tipo 1
   Sinais e sintomas:

       Úlcera péptica
            Dor abdominal (sintomas mais comum >80%)
            >85% úlceras no duodeno, jejuno ou estômago

       Doença de refluxo esofágico
            Azia 20%

       Diarréia
            60 a 70%
            Pode preceder a ulceração péptica 10-20%
   Diagnóstico clínico 

       Úlcera péptica recorrente, sem cura com o tratamento.

       Várias úlceras ou situadas em locais incomuns

       Sem associação com H. pylori

       Diarréia secretória crônica

       Tumor pancreático

       Historia Familiar ou pessoal de cálculos renais ou
        endocrinopatias
   Diagnóstico laboratorial 

       Achado laboratorial de hipercalcemia,
        hipergastrinemia ou hipersecreção de ácido gástrico

       Deve-se obter nível sérico de gastrina (paciente em
        jejum)

       pH do estômago (paciente em jejum)

       Teste de secretina e produção basal de ácido
   Diagnóstico por imagem 

       Cintigrafía de receptores da somatostatina (SRS)
        usando tomografia computadorizada de emissão de
        fótons.

       Identifica 60% dos gastrinomas primários

       Mais do 90% das metástases hepáticas  prónóstico
   Tratamento  controle da hipersecreção de
    ácido gástrico e para o próprio gastrinoma

       Inibidores da bomba de prótons

       Antagonistas dos receptores do H2
       Gastrectomia total

       Vagotomia seletiva

       Agentes quimioterápicos (estreptozocina, 5-
        fluorouracil e doxorrubicina)
GLUCAGONOMAS
   Aspectos fundamentais:

       Eritema migratório necrolítico (70-90%), em
        virilhas e nádegas

       Diabete Melito ou intolerância à glicose (40-90%)

       Anemia (30-85%)

       Hipoaminoacidemia (80-90%)
   Tromboembolia (10-25%)

       Diarréia (15-30%)

       Distúrbios psiquiátricos (=20%)


   Mais freqüente na cauda pancreática (>50%)

   45-80% metástase hepáticas
   Diagnóstico 

       Clínica
       Demostração de niveis plasmáticos elevados de
        gucagón (N: 150-200 pg/ml)

   Tratamento
       Octreotide (subcutáneo)  análogo sintético da
        somatostatina
       Cirúrgica
       Quimioterapía
       Quimioembolização
VIPOMAS
   Síndrome De Verner-Morrison, cólera pancreática e
    síndrome WDHA.

   80 a 90% situam-se no pâncreas

   Crianças com menos de 10 anos

   Decorrente de ganglioneuromas ou
    ganglioneuroblastomas em locais extrapancreáticos.

   50-75% cauda do pâncreas

   Secretam VIP e peptídeo histidina metionina
   Clínica 
     Diarréia aquosa intensa e de       Rubor
       grande volume( >3 l/dia),
       persiste durante o jejum, de      Hiperglicemia
       natureza secretória.
                                         Hipercalcemia
       Hipopotassemia
                                         Esteatorréia
       Desidratação

       Hipocloridria o Acloridria
   Diagnóstico 

       Clínica

   Tratamento 
       Octreotide
       Cirúrgica
       Quimioterapia
       Quimioembolização
SOMATOSTATINOMAS

   Pâncreas (60%)
       60-80% na cabeça do pâncreas

   Duodeno/Jejuno (40%)

   70-92% já terão feito metástase

   Associados com corpúsculos de psamoma
   Clínica 
       Diabetes Melito
       Doença da vesícula biliar
       Diarréia
       Esteatorréia
       Perda de peso
   Os sintomas ocorrem 3 a 4 vezes mais em
    pacientes com somatostatinomas pancreáticos.
   Freqüentemente associado a pacientes com
    doença de Von Recklinghausen
   Diagnóstico 
       Casual por laparotomia exploratória para
        colecistectomia ou durante uma endoscopia
       Aumento das concentrações plasmáticas e tumorais
        de imunorreatividade similar à somatostatina

   Tratamento 
       Octreotide
       Cirurgia
       Quimioterapia
       Quimioembolização
GRFOMAS
   Pulmão 54%
   Pâncreas 30%
       Ocorrem em combinação com ZES e associados
        com MEN 1
   Clínica  Acromegalia e queixa abdominal

   Diagnóstico  pela clínica, sem tumor
    pituitario ou com hiperprolactinemia

   Tratamento  Octreotide
TUMORES ENDÓCRINOS
PANCREÁTICOS NÃO-FUNCIONAIS
           (PET)
   Não secretam peptídeos

   Clínica 
       Dor abdominal
       Hepatoesplenomegalia
       Caquexia
       Icterícia
       Assintomáticos (20%)
   Diagnóstico 
       Por sintomas ou sinais de metástase
       Nível plasmático elevado de cromogranina A ou
       Polipeptídeo pancreático

   Tratamento 
       Cirurgia
       Quimioterapia
       Quimioembolização
ACTHOMAS E OUTROS TUMORES
     ENDÓCRINOS PANCREÁTICOS
              RAROS

   PET que secretam ACTH (4-16%) das causas
    de síndrome de Cushing ectópica

   PET que produz Hipercalcemia paraneoplásica

   PET causador de síndrome carcinóide
TUMOR                SINDROME            SINAIS OU SINTOMAS
                                                  PRINCIPAIS
GASTRINOMA         S. Zollinger-Ellison      Dor abdominal, Diarréia
                                             Sintomas esofágicos
INSULINOMA         Insulinoma                Sintomas Hiperglicêmicos

GLUCAGONOMA        Glucagonoma               Dermatite, Diabetes
                                             Perda de peso
VIPOMA             Verner-Morrison           Diarréia aquosa intensa
                   Cólera Pancreática WDHA   Hipopotasemia
                                             Acloridria
SOMATOSTATINOMA Somatostatinoma              Diabete Melito, diarréia
                                             Colelitíase
GFROMA             GRFoma                    Acromegalia

ACTHOMA            ACTHoma                   Síndrome de Cushing

NÃO-FUNCIONAL      PPoma não-funcional       Perda de peso
                                             Massa abdominal
TUMOR        LOCALIZAÇÃO       MALIGNIDADE   HORMÔNIO
                 (%)               (%)           CAUSADOR DA
                                                 SINDROME
GASTRINOMA       Pâncreas: 30      60-90         Gastrina
                 Duodeno: 60
INSULINOMA       Pâncreas= 100     5-15          Insulina

GLUCAGONOMA      Pâncreas= 100     60            Glucagon

VIPOMA           Pâncreas = 90     80            VIP

SOMATOSTATINO Pâncreas 56          60            Somatostatina
MA            Duodeno/jejuno 44
GFROMA           Pâncreas 30       30            GRF
                 Pulmão 54
ACTHOMA          Pâncreas = 4-16   >95           ACTH

NÃO-FUNCIONAL    Pâncreas = 100    60-90         Nenhum
BIBLIOGRAFIA
   Tratado de Medicina Interna  CECIL
   CANCER Princípios e Prática de Oncología 
    DeVita
   Gastroenterología  RESTREPO
   Gastroenterología  Hani-Gutierrez-Alvarado
   Apodaca-Torrez FR, Triviño T, Lobo EJ,
    Goldenberg A, Figueira A. Insulinomas do
    pâncreas: diagnóstico e tratamento

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Câncer de esôfago
Câncer de esôfagoCâncer de esôfago
Câncer de esôfagokalinine
 
50 fisiopatologia da desnutrição dos pacientes com câncer de estômago, cólo...
50   fisiopatologia da desnutrição dos pacientes com câncer de estômago, cólo...50   fisiopatologia da desnutrição dos pacientes com câncer de estômago, cólo...
50 fisiopatologia da desnutrição dos pacientes com câncer de estômago, cólo...ONCOcare
 
Câncer gástrico
Câncer gástricoCâncer gástrico
Câncer gástricokalinine
 
Câncer de Estômago
Câncer de EstômagoCâncer de Estômago
Câncer de EstômagoOncoguia
 
Protocolo De Tumor De Esôfago
Protocolo De Tumor De EsôfagoProtocolo De Tumor De Esôfago
Protocolo De Tumor De EsôfagoVagner
 
Sobrafo 2009 cancer de prostata - carlos f pinto
Sobrafo 2009   cancer de prostata - carlos f pintoSobrafo 2009   cancer de prostata - carlos f pinto
Sobrafo 2009 cancer de prostata - carlos f pintoCarlos Frederico Pinto
 
Tratamento Cirúrgico dos Tumores Periampulares
Tratamento Cirúrgico dos Tumores PeriampularesTratamento Cirúrgico dos Tumores Periampulares
Tratamento Cirúrgico dos Tumores PeriampularesOzimo Gama
 
Diagnóstico por imagem no abdome agudo não traumático
Diagnóstico por imagem no abdome agudo não traumáticoDiagnóstico por imagem no abdome agudo não traumático
Diagnóstico por imagem no abdome agudo não traumáticoBruna Cesário
 
Aspectos Clínicos e Raiológicos no Câncer Gástrico
Aspectos Clínicos e Raiológicos no Câncer GástricoAspectos Clínicos e Raiológicos no Câncer Gástrico
Aspectos Clínicos e Raiológicos no Câncer GástricoBrenda Lahlou
 
Tumores benignos do fígado
Tumores benignos do fígadoTumores benignos do fígado
Tumores benignos do fígadogabrielrb87
 
Anatomia clínico cirúrgica de pâncreas e vias biliares
Anatomia clínico cirúrgica de pâncreas e vias biliaresAnatomia clínico cirúrgica de pâncreas e vias biliares
Anatomia clínico cirúrgica de pâncreas e vias biliaresEverton Cazzo
 
Câncer de Vesicula biliar
Câncer de Vesicula biliarCâncer de Vesicula biliar
Câncer de Vesicula biliarOncoguia
 

Mais procurados (20)

Câncer de esôfago
Câncer de esôfagoCâncer de esôfago
Câncer de esôfago
 
Câncer de Ovário
Câncer de OvárioCâncer de Ovário
Câncer de Ovário
 
Câncer de estômago
Câncer de estômagoCâncer de estômago
Câncer de estômago
 
50 fisiopatologia da desnutrição dos pacientes com câncer de estômago, cólo...
50   fisiopatologia da desnutrição dos pacientes com câncer de estômago, cólo...50   fisiopatologia da desnutrição dos pacientes com câncer de estômago, cólo...
50 fisiopatologia da desnutrição dos pacientes com câncer de estômago, cólo...
 
Câncer gástrico
Câncer gástricoCâncer gástrico
Câncer gástrico
 
Neoplasias Periampulares
Neoplasias PeriampularesNeoplasias Periampulares
Neoplasias Periampulares
 
Câncer de Estômago
Câncer de EstômagoCâncer de Estômago
Câncer de Estômago
 
Protocolo De Tumor De Esôfago
Protocolo De Tumor De EsôfagoProtocolo De Tumor De Esôfago
Protocolo De Tumor De Esôfago
 
Cancer Colorretal
Cancer ColorretalCancer Colorretal
Cancer Colorretal
 
Sobrafo 2009 cancer de prostata - carlos f pinto
Sobrafo 2009   cancer de prostata - carlos f pintoSobrafo 2009   cancer de prostata - carlos f pinto
Sobrafo 2009 cancer de prostata - carlos f pinto
 
Tratamento Cirúrgico dos Tumores Periampulares
Tratamento Cirúrgico dos Tumores PeriampularesTratamento Cirúrgico dos Tumores Periampulares
Tratamento Cirúrgico dos Tumores Periampulares
 
Abdome agudo
Abdome agudoAbdome agudo
Abdome agudo
 
Diagnóstico por imagem no abdome agudo não traumático
Diagnóstico por imagem no abdome agudo não traumáticoDiagnóstico por imagem no abdome agudo não traumático
Diagnóstico por imagem no abdome agudo não traumático
 
Aspectos Clínicos e Raiológicos no Câncer Gástrico
Aspectos Clínicos e Raiológicos no Câncer GástricoAspectos Clínicos e Raiológicos no Câncer Gástrico
Aspectos Clínicos e Raiológicos no Câncer Gástrico
 
Pancreatite aguda
Pancreatite agudaPancreatite aguda
Pancreatite aguda
 
Tumores benignos do fígado
Tumores benignos do fígadoTumores benignos do fígado
Tumores benignos do fígado
 
Anatomia clínico cirúrgica de pâncreas e vias biliares
Anatomia clínico cirúrgica de pâncreas e vias biliaresAnatomia clínico cirúrgica de pâncreas e vias biliares
Anatomia clínico cirúrgica de pâncreas e vias biliares
 
Apresentação câncer de estômago
Apresentação câncer de estômagoApresentação câncer de estômago
Apresentação câncer de estômago
 
Câncer de Vesicula biliar
Câncer de Vesicula biliarCâncer de Vesicula biliar
Câncer de Vesicula biliar
 
Hepatocarcinoma critérios de milão e barcelona
Hepatocarcinoma  critérios de milão e barcelonaHepatocarcinoma  critérios de milão e barcelona
Hepatocarcinoma critérios de milão e barcelona
 

Destaque

Destaque (15)

Cancer de pancreas
Cancer de pancreasCancer de pancreas
Cancer de pancreas
 
Tumores del pancreas
Tumores del pancreasTumores del pancreas
Tumores del pancreas
 
Tumores de pancreas
Tumores de pancreasTumores de pancreas
Tumores de pancreas
 
14 neoadjuvância adenocarcinoma de cabeça de pâncreas
14   neoadjuvância adenocarcinoma de cabeça de pâncreas14   neoadjuvância adenocarcinoma de cabeça de pâncreas
14 neoadjuvância adenocarcinoma de cabeça de pâncreas
 
Medresumos 2016 omf - digestório
Medresumos 2016   omf - digestórioMedresumos 2016   omf - digestório
Medresumos 2016 omf - digestório
 
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso ClínicoApresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
 
Uretrocistografia Miccional e Retrógrada
Uretrocistografia Miccional e RetrógradaUretrocistografia Miccional e Retrógrada
Uretrocistografia Miccional e Retrógrada
 
CANCER DE PANCREAS, COLANGIOCARCINOMA PRESENTACION
CANCER DE PANCREAS, COLANGIOCARCINOMA PRESENTACIONCANCER DE PANCREAS, COLANGIOCARCINOMA PRESENTACION
CANCER DE PANCREAS, COLANGIOCARCINOMA PRESENTACION
 
Cáncer pancreático
Cáncer pancreáticoCáncer pancreático
Cáncer pancreático
 
Pâncreas
PâncreasPâncreas
Pâncreas
 
Radiologianota10 uretrocistografia retrógrada e miccional
Radiologianota10 uretrocistografia retrógrada e miccionalRadiologianota10 uretrocistografia retrógrada e miccional
Radiologianota10 uretrocistografia retrógrada e miccional
 
Cancer de pancreas
Cancer de pancreasCancer de pancreas
Cancer de pancreas
 
Cancer De Pancreas
Cancer De PancreasCancer De Pancreas
Cancer De Pancreas
 
CáNcer De PáNcreas
CáNcer De PáNcreasCáNcer De PáNcreas
CáNcer De PáNcreas
 
URETROCISTOGRAFIA
URETROCISTOGRAFIAURETROCISTOGRAFIA
URETROCISTOGRAFIA
 

Semelhante a Tumores do pâncreas atualizado

Semelhante a Tumores do pâncreas atualizado (20)

Tne tgi
Tne tgiTne tgi
Tne tgi
 
Cancer estomago, coloretal
Cancer estomago, coloretalCancer estomago, coloretal
Cancer estomago, coloretal
 
Pancreatite
PancreatitePancreatite
Pancreatite
 
Carcinoma Urotelial da bexiga
Carcinoma Urotelial da bexigaCarcinoma Urotelial da bexiga
Carcinoma Urotelial da bexiga
 
Distúrbios pancreáticos
Distúrbios pancreáticosDistúrbios pancreáticos
Distúrbios pancreáticos
 
Ppt0000037
Ppt0000037Ppt0000037
Ppt0000037
 
Tumores hepáticos
Tumores hepáticosTumores hepáticos
Tumores hepáticos
 
13 semiol-esof
13 semiol-esof13 semiol-esof
13 semiol-esof
 
Neoplasia de Estômago
Neoplasia de EstômagoNeoplasia de Estômago
Neoplasia de Estômago
 
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e PâncreasAssistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
 
Neoplasias fígado
Neoplasias fígadoNeoplasias fígado
Neoplasias fígado
 
Tumores do estômago
Tumores do estômagoTumores do estômago
Tumores do estômago
 
Aula de Câncer de Ovário
Aula de Câncer de OvárioAula de Câncer de Ovário
Aula de Câncer de Ovário
 
Patologias da Bexiga
Patologias da BexigaPatologias da Bexiga
Patologias da Bexiga
 
Ca colorretal completo
Ca colorretal   completoCa colorretal   completo
Ca colorretal completo
 
Tumores da bexiga
Tumores da bexigaTumores da bexiga
Tumores da bexiga
 
Pancreatite Aguda - Clínica Cirúrgica
Pancreatite Aguda - Clínica CirúrgicaPancreatite Aguda - Clínica Cirúrgica
Pancreatite Aguda - Clínica Cirúrgica
 
Tratamento Cirúrgico do Colangiocarcinoma
Tratamento Cirúrgico do ColangiocarcinomaTratamento Cirúrgico do Colangiocarcinoma
Tratamento Cirúrgico do Colangiocarcinoma
 
Avaliação Imaginológica de Massas Adrenais
Avaliação Imaginológica de Massas AdrenaisAvaliação Imaginológica de Massas Adrenais
Avaliação Imaginológica de Massas Adrenais
 
Aula de Câncer de Tireoide
Aula de Câncer de Tireoide Aula de Câncer de Tireoide
Aula de Câncer de Tireoide
 

Mais de kalinine

Massacabecapancreas
MassacabecapancreasMassacabecapancreas
Massacabecapancreaskalinine
 
Ictericaobstrutiva
IctericaobstrutivaIctericaobstrutiva
Ictericaobstrutivakalinine
 
Dcdiverticular
DcdiverticularDcdiverticular
Dcdiverticularkalinine
 
Câncer colo retal
Câncer colo retalCâncer colo retal
Câncer colo retalkalinine
 
Ca de estômago
Ca de estômagoCa de estômago
Ca de estômagokalinine
 
Apendicite aguda ufop
Apendicite aguda ufopApendicite aguda ufop
Apendicite aguda ufopkalinine
 

Mais de kalinine (7)

Massacabecapancreas
MassacabecapancreasMassacabecapancreas
Massacabecapancreas
 
Inca
IncaInca
Inca
 
Ictericaobstrutiva
IctericaobstrutivaIctericaobstrutiva
Ictericaobstrutiva
 
Dcdiverticular
DcdiverticularDcdiverticular
Dcdiverticular
 
Câncer colo retal
Câncer colo retalCâncer colo retal
Câncer colo retal
 
Ca de estômago
Ca de estômagoCa de estômago
Ca de estômago
 
Apendicite aguda ufop
Apendicite aguda ufopApendicite aguda ufop
Apendicite aguda ufop
 

Tumores do pâncreas atualizado

  • 1.
  • 2. INTRODUÇÃO  Órgão localizado no abdomen superior encontrando-se em íntima relação topográfica com estômago, intestino, fígado e baço.  Anatomicamente é dividido em três partes: cabeça que é a porção mais volumosa estando em contato com o duodeno; corpo que é a porção intermediária e cauda que é sua porção final encontrando-se próxima ao baço
  • 3.
  • 4.
  • 5. O pâncreas é uma glândula que tem duas funções principais.  Secreção exócrina produzindo o suco pancreático rico em proteínas (enzimas) são essenciais no processo de digestão.  Função endócrina produzindo hormônios  Os principais são a insulina e o glucagon.
  • 6. CÂNCER DO PÂNCREAS MORTALIDADE  Responsável por 4% das mortes por câncer, no Brasil. Nos Estados Unidos, é a quinta causa de morte por câncer
  • 7. INCIDÊNCIA  Responsável por cerca de 2% de todos os tipos de câncer, no Brasil.  Apresenta a segunda maior incidência dentre os tumores malignos do tubo digestivo, sendo superado apenas pelo tumor colorretal.  São estimados, no mundo, 185.000 novos casos por anos
  • 8. ETIOLOGIA  Desconhecida  A absoluta maioria origina-se nos ductos que transportam o suco pancreático adenocarcinomas (90%)  Um outro tipo mais raro é aquele que tem origem nas chamadas ilhotas pancreáticas, que são células produtoras de hormônios como a insulina.
  • 9. Tendem a invadir e infiltrar estruturas adjacentes como o estômago ou duodeno.  Metástase.  Os órgãos mais freqüentemente envolvidos são o fígado, os pulmões e, algumas vezes, os ossos.
  • 10. FACTORES DE RISCO  Idade.  Tabagismo (duas a três vezes mais freqüente entre os fumantes).  Diabetes (duas vezes mais que pessoas não diabéticas).  Dieta (ricas em gorduras e pobres em frutas e vegetais).
  • 11. Pancreatite crônica  Cirurgia do trato gastrintestinal  Herança (Neoplasia pancreático familiar)  Exposições ocupacionais
  • 12.
  • 13. CLASSIFICAÇÃO  Tumores Malignos  Adenocarcinoma ductal  Cistoadenocarcinoma mucinoso  Carcinoma de células acinares  Carcinoma de células grandes inclassificável  Carcinoma de células pequenas  Pancreatoblastoma  Tumores com potencial maligno inconstante  Tumor hipersecretor de mucina do ducto externo  Cistoadenoma mucinoso  Neoplasia papilar cistica  Tumor Benigno  Cistoadenoma seroso
  • 14. SINTOMAS  Doença silenciosa  raramente causa sintomas precocemente.  A sintomatologia depende da localização e tamanho do tumor.  Icterícia; Coluria; Acolia  Dor  Náuseas  Inapetência  perda de peso  fraqueza.
  • 15. DIAGNÓSTICO  Clínica  Ultrasonografia abdominal  Tomografia computadorizada  Ressonância nuclear magnética  Angiografía
  • 16. Colangiopancreatografia retrograda endoscópica  Ultrasonografía endoscópica  Marcadores Tumorais (CA 19-9; CA 494; Elastasa imuno-reativa; relação testosterona- dihdrotesostrona; Oncoproteinas)  Laparoscopia  Biópsia
  • 17. CLASSIFICAÇÃO TNM  Tumor primário  TX  Tumor primário não pode ser avaliado  T0  Não tem evidencia do tumor primario  T1  Tumor limitado ao pâncreas  T1a  Tumor < 2 cm de diâmetro maior  T1b  Tumor > 2 cm de diâmetro maior  T2  Tumor com metástase a: duodeno, ducto biliar, tecidos peripancreáticos  T3  Tumor com metástase a: estômago, baço, cólon, grandes vasos adjacentes
  • 18. Gânglios linfáticos regionais  NX  Gânglios linfáticos regionais não avaliáveis  N0  Não apresenta metástase dos gânglios linfáticos regionais  N1  Metástase dos gânglios linfáticos regionais  Metástase a distância  MX  Presença de metástase a distância não pode ser avaliada  M0  Não tem metástase a distância  M1  metástase a distância
  • 19. CLASSIFICAÇÃO POR GRUPOS  Estágio I  T1, N0, M0 T2, N0, M0  Estágio II  T3, N0, M0  Estágio III  Qualquer T, N1, M0  Estágio IV  Qualquer T, Qualquer N, M1
  • 20. TRATAMENTO  Doença de difícil controle.  Pode ser curada somente se diagnosticada em fase precoce.  Nas fases mais avançadas, o tratamento é sintomático.
  • 21. A escolha do tratamento depende: do tipo, da localização, tamanho, extensão (estadiamento), idade e condição clínica do paciente.
  • 22. MODALIDADES DE TRATAMENTO  Cirurgias:  Gastroduodenopancreatectomia (Cirurgia de Whipple).  Pancreatectomia corpo-caudal.  Radioterapia  Quimioterapia
  • 23.
  • 24. PREVALÊNCIA  < 10 por 1 milhão de habitantes  Insulinomas, Gastrinomas e PET não funcionantes são os mais comuns.  Incidência de três novos casos por 1 milhão de habitantes
  • 25. INSULINOMAS  Tumor endócrino pancreático mais comum  Incidência  1 caso por 1 milhão de pessoas por ano  Pâncreas (100%), localizam-se na mesma proporção na cabeça, corpo ou cauda  Malignidade 5-15%
  • 26. Clínica   Sintomas hipoglicêmicos  Sintomas neuropsiquiátricos  Alteração Visual  Incoerência  Transtornos do comportamento  Sintomas adrenérgicos:  Palpitações  Sudorese  Tremor (por neuroglucopenia)
  • 27. Diagnóstico   Hospitalização para observação dos sintomas da hipoglicemia  Amostras de glicemia, insulina e péptido C  Tratamento   Dieta fracionada  Diazóxido  Cirurgia
  • 28.
  • 29. SINDROME DE ZOLLINGER- ELLISON (GASTRINOMAS)  Tumor endócrino liberador de gastrina localizado no pâncreas (30%) ou duodeno (60%).  Idade: 35 a 65 anos  Mais comum em homens (60%)  20-25% apresenta-se como parte do MEN1  Síndrome de neoplasia endócrina múltipla do tipo 1
  • 30. Sinais e sintomas:  Úlcera péptica  Dor abdominal (sintomas mais comum >80%)  >85% úlceras no duodeno, jejuno ou estômago  Doença de refluxo esofágico  Azia 20%  Diarréia  60 a 70%  Pode preceder a ulceração péptica 10-20%
  • 31. Diagnóstico clínico   Úlcera péptica recorrente, sem cura com o tratamento.  Várias úlceras ou situadas em locais incomuns  Sem associação com H. pylori  Diarréia secretória crônica  Tumor pancreático  Historia Familiar ou pessoal de cálculos renais ou endocrinopatias
  • 32. Diagnóstico laboratorial   Achado laboratorial de hipercalcemia, hipergastrinemia ou hipersecreção de ácido gástrico  Deve-se obter nível sérico de gastrina (paciente em jejum)  pH do estômago (paciente em jejum)  Teste de secretina e produção basal de ácido
  • 33. Diagnóstico por imagem   Cintigrafía de receptores da somatostatina (SRS) usando tomografia computadorizada de emissão de fótons.  Identifica 60% dos gastrinomas primários  Mais do 90% das metástases hepáticas  prónóstico
  • 34. Tratamento  controle da hipersecreção de ácido gástrico e para o próprio gastrinoma  Inibidores da bomba de prótons  Antagonistas dos receptores do H2  Gastrectomia total  Vagotomia seletiva  Agentes quimioterápicos (estreptozocina, 5- fluorouracil e doxorrubicina)
  • 35. GLUCAGONOMAS  Aspectos fundamentais:  Eritema migratório necrolítico (70-90%), em virilhas e nádegas  Diabete Melito ou intolerância à glicose (40-90%)  Anemia (30-85%)  Hipoaminoacidemia (80-90%)
  • 36. Tromboembolia (10-25%)  Diarréia (15-30%)  Distúrbios psiquiátricos (=20%)  Mais freqüente na cauda pancreática (>50%)  45-80% metástase hepáticas
  • 37. Diagnóstico   Clínica  Demostração de niveis plasmáticos elevados de gucagón (N: 150-200 pg/ml)  Tratamento  Octreotide (subcutáneo)  análogo sintético da somatostatina  Cirúrgica  Quimioterapía  Quimioembolização
  • 38. VIPOMAS  Síndrome De Verner-Morrison, cólera pancreática e síndrome WDHA.  80 a 90% situam-se no pâncreas  Crianças com menos de 10 anos  Decorrente de ganglioneuromas ou ganglioneuroblastomas em locais extrapancreáticos.  50-75% cauda do pâncreas  Secretam VIP e peptídeo histidina metionina
  • 39. Clínica   Diarréia aquosa intensa e de  Rubor grande volume( >3 l/dia), persiste durante o jejum, de  Hiperglicemia natureza secretória.  Hipercalcemia  Hipopotassemia  Esteatorréia  Desidratação  Hipocloridria o Acloridria
  • 40. Diagnóstico   Clínica  Tratamento   Octreotide  Cirúrgica  Quimioterapia  Quimioembolização
  • 41. SOMATOSTATINOMAS  Pâncreas (60%)  60-80% na cabeça do pâncreas  Duodeno/Jejuno (40%)  70-92% já terão feito metástase  Associados com corpúsculos de psamoma
  • 42. Clínica   Diabetes Melito  Doença da vesícula biliar  Diarréia  Esteatorréia  Perda de peso  Os sintomas ocorrem 3 a 4 vezes mais em pacientes com somatostatinomas pancreáticos.  Freqüentemente associado a pacientes com doença de Von Recklinghausen
  • 43. Diagnóstico   Casual por laparotomia exploratória para colecistectomia ou durante uma endoscopia  Aumento das concentrações plasmáticas e tumorais de imunorreatividade similar à somatostatina  Tratamento   Octreotide  Cirurgia  Quimioterapia  Quimioembolização
  • 44. GRFOMAS  Pulmão 54%  Pâncreas 30%  Ocorrem em combinação com ZES e associados com MEN 1  Clínica  Acromegalia e queixa abdominal  Diagnóstico  pela clínica, sem tumor pituitario ou com hiperprolactinemia  Tratamento  Octreotide
  • 45. TUMORES ENDÓCRINOS PANCREÁTICOS NÃO-FUNCIONAIS (PET)  Não secretam peptídeos  Clínica   Dor abdominal  Hepatoesplenomegalia  Caquexia  Icterícia  Assintomáticos (20%)
  • 46. Diagnóstico   Por sintomas ou sinais de metástase  Nível plasmático elevado de cromogranina A ou  Polipeptídeo pancreático  Tratamento   Cirurgia  Quimioterapia  Quimioembolização
  • 47. ACTHOMAS E OUTROS TUMORES ENDÓCRINOS PANCREÁTICOS RAROS  PET que secretam ACTH (4-16%) das causas de síndrome de Cushing ectópica  PET que produz Hipercalcemia paraneoplásica  PET causador de síndrome carcinóide
  • 48. TUMOR SINDROME SINAIS OU SINTOMAS PRINCIPAIS GASTRINOMA S. Zollinger-Ellison Dor abdominal, Diarréia Sintomas esofágicos INSULINOMA Insulinoma Sintomas Hiperglicêmicos GLUCAGONOMA Glucagonoma Dermatite, Diabetes Perda de peso VIPOMA Verner-Morrison Diarréia aquosa intensa Cólera Pancreática WDHA Hipopotasemia Acloridria SOMATOSTATINOMA Somatostatinoma Diabete Melito, diarréia Colelitíase GFROMA GRFoma Acromegalia ACTHOMA ACTHoma Síndrome de Cushing NÃO-FUNCIONAL PPoma não-funcional Perda de peso Massa abdominal
  • 49. TUMOR LOCALIZAÇÃO MALIGNIDADE HORMÔNIO (%) (%) CAUSADOR DA SINDROME GASTRINOMA Pâncreas: 30 60-90 Gastrina Duodeno: 60 INSULINOMA Pâncreas= 100 5-15 Insulina GLUCAGONOMA Pâncreas= 100 60 Glucagon VIPOMA Pâncreas = 90 80 VIP SOMATOSTATINO Pâncreas 56 60 Somatostatina MA Duodeno/jejuno 44 GFROMA Pâncreas 30 30 GRF Pulmão 54 ACTHOMA Pâncreas = 4-16 >95 ACTH NÃO-FUNCIONAL Pâncreas = 100 60-90 Nenhum
  • 50. BIBLIOGRAFIA  Tratado de Medicina Interna  CECIL  CANCER Princípios e Prática de Oncología  DeVita  Gastroenterología  RESTREPO  Gastroenterología  Hani-Gutierrez-Alvarado  Apodaca-Torrez FR, Triviño T, Lobo EJ, Goldenberg A, Figueira A. Insulinomas do pâncreas: diagnóstico e tratamento