SlideShare uma empresa Scribd logo
CRF ITINERANTE – PETRÓPOLIS
PALESTRANTE
TANIA MARIA LEMOS MOUÇO
Palestrante
Tania Maria Lemos Mouço
Farmacêutica, graduada em Farmácia e Bioquímica pela Universidade
Federal Fluminense.
Mestre em Ciências Biológicas pelo Instituto de Biofísica Prof. Carlos
Chagas Filho da Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Especialista em Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica pelo Instituto
Racine.Racine.
Conselheira efetiva do CRF/RJ - mandato 2010-2013
Membro do grupo GESEFERJ
Docente das disciplinas de Atenção farmacêutica e Prática Médica na
Universidade do Grande Rio (UNIGRANRIO).
Coordenadora do Projeto Atenção Farmacêutica a pacientes diabéticos e
hipertensos atendidos no Ambulatório Médico Multidisciplinar Jamil Sabrá
da UNIGRANRIO.
Declaro não haver nenhum conflito de interesse
nesta apresentação
Tania Maria Lemos Mouço
Atenção Farmacêutica
Surge na década de 1990 como o “retorno às origens”
Baseia-se em:
Anamnese
Análise
OrientaçãoOrientação
Seguimento farmacoterapêutico
2002
Mudança do currículo de habilitações para
GENERALISTA
Atenção farmacêutica no Brasil...
Proposta do Consenso Brasileiro de Atenção
farmacêutica – em 2002
É o modelo de prática farmacêutica (macro-
componentes) desenvolvida no contexto da
Assistência Farmacêutica.
Castro,L.L.C et al.evolução da pesquisa em atenção farmacêutica
no Brasil: um estudo descritivo 1999-2003,2006
Serviços Farmacêuticos
Código de Ética – Resolução CFF 417/04
Resolução CFF 499/08
RDC ANVSA 44/09
A proposta dos serviços farmacêuticos possibilitaráA proposta dos serviços farmacêuticos possibilitará
interação direta do farmacêutico com o usuários, visando
a farmacoterapia racional e melhoria da qualidade de
vida.
Diabetes mellitus: Conceito
(CID-10: E10 a E14)
Diabetes mellitus (DM) é um grupo heterogêneo de
distúrbios metabólicos, decorrente de defeitos na
secreção da insulina, na ação da insulina ou em ambos,
tendo como resultado a HIPERGLICEMIA.tendo como resultado a HIPERGLICEMIA.
Fonte: Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes
2009/SBD 3ª edição – pg. 13
EPIDEMIOLOGIA DO DM NO MUNDO
BR
12,1%
Ações da Insulina
Padrões de Secreção da Insulina
Importância dos Estudos sobre DM
Principal causa de amputações de membros inferiores
Principal causa de cegueira adquirida
Cerca de 26% dos pacientes em programas de diálise
6ª causa mais frequente de internação hospitalar
30% a 50% das causas de cardiopatia isquêmica, IC, AVE e30% a 50% das causas de cardiopatia isquêmica, IC, AVE e
HÁ
30% dos pacientes em unidades coronárias intensivas com
dor precordial
Fonte: Diretrizes da Sociedade Brasileira de
Diabetes 2009/SBD 3ª edição – pg. 9
Estudos em DM no mundo
DCCT (Diabetes Control and Complications Trial)
UKPDS (United Kingdom Prospective Diabetes study)
VADT (Veterans Affairs Diabetes Trial)
ACCORD (Action to Control Cardiovascular Risk in
Diabetes Study Group)
ADVANCE (The Advance Collaborative Group)
DM: Critérios Clínicos para o Diagnóstico
Sinais e sintomas
Poliúria
Polifagia
PolidpsiaPolidpsia
Fonte: Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes
2009/SBD 3ª edição
DM: Critérios Laboratoriais para o Diagnóstico
-
-
Glicemias (mg/dL)
Casual
Tolerância à glicose
diminuída
Categorias
Glicemia Normal < 100< 100< 100< 100
> 100 e <126
Jejum (8h) 2h após 75g de glicose
<140
≥ 140 e < 200
≥≥≥≥ 126 *Diabetes Mellitus ≥≥≥≥ 200
≥≥≥≥ 200*
com sintomas
• § Exceto DMG
• * Valores que devem ser confirmados, OMS- 1999
GJ ALTERADA (Pré-diabetes): > 100 e <126
Fonte: Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes
2009/SBD 3ª edição
Classificação Etiológica do DM
TIPO 1
5% -10% dos casos
Destruição das células beta
(auto-imune e idiopático)
Aparecimento em crianças e
TIPO 2
90% - 95% dos casos –
qualquer idade
Resistência do tecido alvo
ou ↓ da secreção deAparecimento em crianças e
jovens (LADA- no adulto)
Tendência a ceto-acidose
ou ↓ da secreção de
insulina (80% são obesos)
História familiar frequente
(Fonte: OMS, 1999; Diabetes Care,
2009; 32(suppl.1): S62 )
Classificação Etiológica do DM
Outros Tipos De DM
MODY (Maturity Onset
Diabetes of the Young),
Defeitos genéticos na ação
da insulina
DM Gestacional(DMG)
3 a 14% das gestações
Intolerância à glicose com
início na gestação.da insulina
Doenças do pâncreas
Diabetes induzido
Infecções causadas por vírus
Síndromes genéticas
início na gestação.
63% das mulheres podem
evoluir para DM 2 (após 5
a 16 anos)
(Fonte: OMS, 1999; Diabetes Care,
2009; 32(suppl.1): S62 )
OBESIDADE: fator de risco para DM 2
(Diabesidade Revista Época 23/01/2010)
Outros Fatores de Risco para DM 2
Idade > 40 anos
História familiar de DM (pais, filhos e irmãos)
Índice de massa corpórea (IMC) > 25 kg/m²
Sedentarismo
HDL-c baixo e triglicerídeos aumentados
HTAHTA
Doença coronariana
DM gestacional prévio
Macrossomia ou história de abortos de repetição ou
mortalidade peri-natal
Uso de medicamentos hiperglicemiantes
DMG: fatores de risco
Idade acima de 35 anos
Sobrepeso ou ganho de peso excessivo na gravidez
atual
História familiar
Baixa estatura (< 1,50 m)
Crescimento fetal excessivo, polidrâmnio, HTA ou pré-
eclâmpsia
Malformações congênitas e abortamentos de repetição,
macrossomia
SOP
Monitoramento da DM
A cada 3 a 5 anos para indivíduos com 45 anos ou mais
A cada 1 a 3 anos quando houver:
história de DM gestacional
evidências de 2 ou mais componentes da síndrome pluri-
metabólica (Obesidade central, hipertensão arterial emetabólica (Obesidade central, hipertensão arterial e
diabetes)
presença de 2 ou mais fatores de risco.
Uma vez por ano ou mais frequentemente quando:
glicemia de jejum alterada ou tolerância à glicose
diminuída (mais frequentemente quando a suspeita é de
DM tipo 1)
houver complicações relacionadas com o DM.
DMG: diagnóstico
Grávidas com e sem fatores de risco
GJ e após TOTG com 75 mg de glicose
(Início da gravidez e entre 24ª - 28ª semana)
Rastreamento Positivo: GJ > 85 mg/dLRastreamento Positivo: GJ > 85 mg/dL
DIAGNÓSTICO DE DMG
GJ ≥ 110 mg/dL
GPP ≥ 140 mg/dL
Fonte: Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2009/SBD 3ª
edição
MACROVASCULARESMACROVASCULARES
MICROVASCULARES
Alterações metabólicas
http://www.emv.fmb.unesp.br/
COMPLICAÇÕES MICROVASCULARES
Retinopatia Diabética (RD) Nefropatia Diabética (ND)
A RD é 25 vezes mais comum
em pessoas com DM, após 20
anos de doença
90% DM 1 e 60% DM 2
Mau controle glicêmico e HTA
10 % dos diabéticos tipo 2
IR em 5 a 10 anos após o
diagnóstico de DM.90% DM 1 e 60% DM 2 diagnóstico de DM.
Apresentam macro-
albuminúria
Neuropatia Diabética (ND)
Neuropatia sensitiva: responsável pela perda da
sensibilidade protetora.
Neuropatia motora: responsável por alterações
morfológicas: dedos em garra, sobrecargasmorfológicas: dedos em garra, sobrecargas
metatársicas, Hallux valgus, deformidade de Charcot,
etc.
Neuropatia autônoma (sistema nervoso vegetativo):
alterações CV, TGI, TGU
PÉ DIABÉTICO
“Infecção, ulceração e/ou
destruição dos tecidos moles
associados a alterações
neurológicas e vários graus de
DAP nos membros inferiores”.
Verificar a presença de:
fraturas, joanetes, arcos
plantares planos ou altos,
sinais de cirurgias anteriores e
dedos em martelo
Impacto do controle da glicemia e
pressão arterial sobre complicações
Fonte: Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes
2009/SBD 3ª edição
NÃO FARMACOLÓGICOS
FARMACOLÓGICOS
Tratamentos não Farmacológicos
MUDANÇAS NO ESTILO DE VIDA (MEV)
ALIMENTAÇÃO
EXERCÍCIOS FÍSICOS
Tratamentos Farmacológicos Orais
Tratamentos Farmacológicos Orais :
Inibidores da DDP - IV
NOMES
GENÉRICOS
NOMES COMERCIAIS
SULFONILURÉIAS
Clorpropamida Diabinese
Glibenclamida Daonil, Diaben, Gliben, Euglucon,
Lisaglucon
Glipizida Minidiab
Gliclazida Diamicron MR, Azukon MR
Glimepirida Amaryl, Glimepil, Glimesec, Azulix
METGLINIDAS
NOMES
GENÉRICOS
NOMES COMERCIAIS
GLINIDAS
Repaglinida Novonorm, Prandin, Gluconorm
Nateglinida Starlix
BIGUANIDAS
NOME GENÉRICO NOMES COMERCIAIS
METFORMINAMETFORMINA
Metformina Glifage, Glifage XR, Dimefor,
Glucoformin
GLITAZONAS
NOMES
GENÉRICOS
NOMES COMERCIAIS
TIAZOLIDINEDIONAS (GLITAZONAS)
Rosiglitazona Avandia
Pioglitazona Actos
INIBIDORES das α- Glicosidases
NOMES
GENÉRICOS
NOMES COMERCIAIS
ACARBOSEACARBOSE
Acarbose Glucobay, Aglucose
INIBIDORES DA DPP-IV
NOMES
GENÉRICOS
NOMES COMERCIAIS
INIBIDORES DA DPP-IVINIBIDORES DA DPP-IV
Sitagliptina Januvia
Vildagliptina Galvus
Tratamentos Farmacológicos sub-
cutâneos: Análogos do GLP-1
Cartucho de
Monstro-de-gila
(Heloderma suspectum)
Cartucho de
BYETTA®
ANÁLOGOS DO GLP-1
NOMES
GENÉRICOS
NOMES COMERCIAIS
ANÁLOGOS DO GLP-1ANÁLOGOS DO GLP-1
Exenatida Byetta
Liraglutida Victoza (Europa)
COMBINAÇÕES DE DROGAS
NOMES GENÉRICOS NOMES COMERCIAIS
COMBINAÇÕES DE DROGAS
Metformina + Glibenclamida GlucovanceMetformina + Glibenclamida Glucovance
Metformina + Nateglinida Starform
Metformina + Rosiglitazona Avandamet
Metformina + Vildagliptina Galvus-Met
Classe
terapêutica
Mecanismo primário
de ação
Possíveis eventos
adversos
Comentários
Sulfoniluréias Secretagogo de
insulina
Hipoglicemia
Ganho de peso
Glimepirida, gliclazida e glipizida
são opções preferenciais
Glinidas Secretagogo de
insulina de curta
duração
Hipoglicemia Estimula a secreção pancreática
de insulina
Duração da ação: após 1-2 horas
Análogos do Estímulo à produção Sintomas Redução de peso
Fonte: Diretrizes da Sociedade Brasileira de
Diabetes 2009/SBD 3ª edição
Análogos do
GLP-1
(exenatida)
Estímulo à produção
de insulina, inibição
da secreção de
glucagon e aumento
da saciedade
Sintomas
gastrintestinais
Redução de peso
Indicada para tratamento
combinado com sulfoniluréia,
metformina ou glitazona
Inibidores da
DPP-4
(sitagliptina e
vildagliptina)
Restauração dos
níveis de GLP-1 e de
GIP
Efeitos adversos
não clinicamente
significantes
Ausência de ganho de peso;
Incidência bastante reduzida de
hipoglicemias
Medicamentos
Redução de
glicemia de jejum
(mg/dL)
Redução da
A1c
(%)
Efeito sobre
peso corporal
Sulfoniluréias
Glinidas
60-70 1,5-2,0 Aumento
Metformina 60-70 1,5-2,0 Diminuição (?)Metformina 60-70 1,5-2,0 Diminuição (?)
Acarbose 20-30 0,7-1,0 Sem efeito
Tiazolidinedionas 35-40 1,0-1,2 Aumento
Fonte: Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2009/SBD
3ª edição
Critérios para escolha do Antidiabético
Oral
Considerar:
NECESSIDADE, EFETIVIDADE, SEGURANÇA E
COMODIDADE DE USO
Valores de GJ, GPP e A1c
Idade, peso
Duração do diabetes
Complicações, transtornos metabólicos, doenças associadas
Interações medicamentosas, reações adversas e contra-
indicações
Fonte: Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes
2009/SBD 3ª edição
Secreção Pancreática de Insulina e
Escolha dos Medicamentos
Fonte: Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2009/SBD 3ª edição
Fonte: Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes
2009/SBD 3ª edição
HIPOGLICEMIANTES INTERAÇÃO COM: EFEITOS
Biguanidas Fenitoína
Redução do efeito
hipoglicemiante
Hipoglicemiantes orais
Isoniazida
Corticosteróides
Redução do efeito
hipoglicemiante
Insulinas Anticoncepcionais orais Risco de hiperglicemia
Sulfoniluréias
Barbitúricos DIPIRONA Enalapril
Furosemida Genfibrozila
Corticoesteróides Hormônios
tireodianos Isoniazida Nifedipina
Rifampicina
Redução do efeito
hipoglicemiante
Rifampicina
Sulfoniluréias SALICILATOS
Risco de hipoglicemia quando
utilizadas altas doses de
salicilatos
Biguanidas ETANOL
Hipoglicemia e acidose lática
com risco de anorexia profunda
e morte
Hipoglicemiantes orais Glucometacina Anticoagulantes orais
Aumento do efeito
hipoglicemiante
Insulinas Andrógenos Anfetaminas Redução da glicemia
Hipoglicemiantes orais Orlistat Redução da glicemia
Insulinas
Leonard Thompson
1º paciente a usar a insulina em 1922
Estrutura tridimensional
da molécula de insulina
http://en.wikipedia.org/wiki/Leonard_Thompson_
(diabetic)
Tratamentos Farmacológicos sub-
cutâneos: Insulinas disponíveis
Ação Ultra-Rápida: Lispro, Asparte
evitam a hiperglicemia pós-prandial
Arq Bras Endrocrinol Metab 2008;52/2
Tratamentos Farmacológicos sub-
cutâneos: Insulinas disponíveis
Rápida: Insulina Regular, aplicada ao acordar e no
final da tarde
Intermediária: NPH, manutenção dos níveis deIntermediária: NPH, manutenção dos níveis de
insulina “normais” durante todo o dia
Arq Bras Endrocrinol Metab 2008;52/2
Tratamentos Farmacológicos sub-
cutâneos: Insulinas disponíveis
Ação Longa: Glargina/Basal e Insulina Ultra-lenta:
períodos pré-prandiais e de jejum;
Arq Bras Endrocrinol Metab 2008;52/2
Farmacocinética das Insulinas
Fonte: Arq Bras Endocrinol Metab vol.52 no.2 São Paulo Mar. 2008
Orientações para o armazenamento
e transporte de Insulina
Não expor a insulina ao Sol e ao calor excessivo
Não armazenar na porta da geladeira e nem congelar
Não transportar com gelo
Em viagem, não colocar a insulina na bagagemEm viagem, não colocar a insulina na bagagem
Não agitar violentamente o frasco de insulina
Validade: 2 anos, refrigerada a 2°- 8°C, 30 dias na
caneta ou no reservatório de insulina nas Bombas.
Em temperatura ambiente 15-30ºC descartar após 30
dias
Locais e dispositivos para aplicar
Insulinas
BRAÇOS
(parte externa e superior)
http://images.google.com.br/imgres?imgurl
=http://www.walterminicucci.com.br
(parte externa e superior)
COXAS
(parte anterior e lateral)
REGIÂO ABDOMINAL
REGIÃO GLÚTEA
http://www.saude.rio.rj.gov.br/media/locais.
pdf
Etapas para aplicação da insulina
Auto-aplicação com seringa
FAÇA ASSIMFAÇA ASSIM
http://www.youtube.com/
watch?v=YBS_B9I8W54
Como monitorar o tratamento da
hiperglicemia?
Automonitorização das glicemias
Monitoramento contínuo da glicose
Dosar Hemoglobina Glicada (A1c)
Correspondência entre níveis de
A1C e níveis médios de glicemia
Nível de A1C Estudo DCCT Estudo ADAG
4 65 68
5 100 97
6 135 126
6.5 Meta - SBD 152 140
7 Meta - ADA 170 154
8 205 183
9 240 212
10 275 240
11 310 269
12 345 298
Fonte: Posicionamento Oficial 3a. Edição 2009 – Grupo
Interdisciplinar de Padronização da Hemoglobina Glicada - A1C
A1c e Glicemia Média Estimada
Calculadora automática no link:
http://professional.diabetes.org/gluco
secalculator.aspx
http://www.diabetes.org.br
Alvos do tratamento do DM 1
Horário Glicemia (mg/dL)
Pré-prandial 70-130
1 hora pós-prandial 100-180
2 horas pós-prandial 80-150
Fonte: Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes
2009/SBD 3ª edição
Parâmetros ideais para o DM 2
Glicose
plasmática
(mg/dL)
A1c
%
Colesterol
(mg/dL)
Triglicérides
(mg/dL)
PA
(mmHg)
IMC
(kg/m²)
Jejum 110 Total <200Jejum 110
2 horas pós-
prandial 140
< 7
Total <200
HDL-c >45 LDL-
c <100
<150
Sistólica <135
Diastólica <80
20-25
Fonte: Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes
2009/SBD 3ª edição
Considerações Clínicas Especiais
Disfunção renal: evitar METFORMINA (creatinina >1,4mg/dL em
mulheres e >1,5mg/dL em homens)
CLORPROPAMIDA e glibenclamida (a melhor opção), usando doses menores.
Disfunção hepática: evitar METFORMINA e GLIPIZIDA
Considerar GLICLAZIDA ou GLIBENCLAMIDA (sempre iniciar com doses
menores do que as usuais).
Consumo excessivo de álcool: evitar CLORPROPAMIDA (efeito
antabuse-símile) e METFORMINA (risco de acidose láctica, se houver
disfunção hepática).disfunção hepática).
Pacientes idosos: evitar CLORPROPAMIDA e GLIBENCLAMIDA
(maior risco de hipoglicemia).
Considerar GLICLAZIDA, GLIPIZIDA ou GLIMEPIRIDA. ACARBOSE pode ser útil
nos pacientes com hipoglicemias frequentes. METFORMINA também pode ser
usada nos pacientes obesos, monitorando-se a função renal.
Gravidez e lactação: nunca usar agentes hipoglicemiantes orais,
somente INSULINA.
OBS: SUSPENDER METFORMINA antes de procedimentos
contrastados
DADOS DA CIDADE
DE PETRÓPOLIS
O município
é constituído
de 5 distritos:
Petrópolis,Petrópolis,
Cascatinha,
Itaipava,
Pedro do Rio
e Posse
Nascimentos – 4.079 pessoas
Óbitos – 2.563 pessoas
(Fonte: IBGE,Estatística do Registro Civil de 2008. Rio
de Janeiro: IBGE, 2009)
Serviços de Saúde 2005
Estabelecimentos de Saúde
total
140 estabelecimentos
Estabelecimentos de Saúde
SUS
77 estabelecimentos
Leitos para internação em
Estabelecimentos de Saúde
total
1.415 leitos
Leitos para internação em
Estabelecimentos de Saúde
205 leitos
Estabelecimentos de Saúde
público total
Leitos para internação em
Estabelecimentos de Saúde
privado total
1.210 leitos
Leitos para internação em
Estabelecimentos de Saúde
privado SUS
1.018 leitos
http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1
Estimativa da População 2009
População estimada 315.119 pessoas
Morbidades Hospitalares 2008
Óbitos hospitalares – Homens 551 óbitos
Óbitos hospitalares – Mulheres 440 óbitos
Óbitos hospitalares – doenças infecciosas e parasitárias 144 óbitosÓbitos hospitalares – doenças infecciosas e parasitárias 144 óbitos
Óbitos hospitalares – causas externas de morbidade e
mortalidade
1 óbito
http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1
Estatísticas do Cadastro Central de Empresas
2007
Número de unidades locais 9.571 Unidades
Pessoal ocupado total 74.868 Pessoas
http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1
Preocupações com a saúde
Lei nº 6549 de 30 de abril de 2008
Institui a Semana de Conscientização sobre os
riscos do infarto, hipertensão e diabetes, noriscos do infarto, hipertensão e diabetes, no
âmbito do Município de Petrópolis:
comemorado na última semana do mês de
setembro
Implantação do Serviço de
AtenFar aos diabéticos
Ouvir as perguntas com atenção
Estimula o paciente a encontrar as respostas
Informar com palavras simplesInformar com palavras simples
Evitar expressões negativas
Fazer a síntese da conversa e pedir ao indivíduo para
repetir a informação
Manifestar disponibilidade
Necessidades dos Cuidados
Farmacêuticos
Altos custos
controle metabólico
tratamento das complicações
Incapacitações e encurtamento de vida útil
cegueira, amputações
Morte prematura (cardiopatias)
Atendimento Farmacêutico
Agendamento
Entrevista
Preenchimento da Ficha
Farmacoterapêutica
Estudo de Caso Intervenção farmacêutica
Acompanhamento
1. Identificação do paciente ou representante legal
Nome:__________________________________________________Idade: _____________
Endereço: ________________________________________________________________
Telefone: ___________________________ Registro: ____________________
CPF: _________________________ Identidade: _________________________
2. Declaro para os devidos fins que eu, __________________________________________,
e/ou pelo menos um de meus familiares abaixo assinado fomos esclarecidos(as), de maneira
clara e compreensível, pelo(a) Dr(a) _______________________________, CRF nº _______
a proposta de seguimento farmacoterapêutico.
Declaro estar ciente, informado(a) e entender que o objetivo desse atendimento é orientar
usuários de medicamentos em relação ao uso correto, cuidados na administração e guarda
AUTORIZAÇÃO PARA
SEGUIMENTO FARMACOTERAPÊUTICO
Termo de Consentimento Livre EsclarecidoTermo de Consentimento Livre EsclarecidoTermo de Consentimento Livre EsclarecidoTermo de Consentimento Livre Esclarecido
usuários de medicamentos em relação ao uso correto, cuidados na administração e guarda
domiciliar dos mesmos, bem como para conhecer o significado do uso de medicamentos a
fim de alcançar e obter o melhor resultado no meu tratamento.
Declaro estar ciente que minha participação no atendimento é voluntária, portanto não sou
obrigado(a) a participar e posso desistir no momento que quiser.
Declaro que autorizo a utilização de material e documentação sem identificações pessoais,
relativos à minha patologia, para integrar artigos científicos publicados, ou apresentações em
congressos, palestras, aulas, reuniões científicas ou outro meio de divulgação técnico
científica que vise aprofundar o conhecimento de minha patologia, pelos demais profissionais
de saúde.
Declaro que tive a oportunidade de fazer perguntas e todas elas foram respondidas inteira e
satisfatoriamente.
Declaro ainda que estou satisfeito(a) com as informações recebidas e que compreendo o
objetivo desse atendimento. Dou o meu consentimento para que o mesmo seja realizado. A
presente declaração foi lida e compreendida em todos os seus termos.
Rio de Janeiro,______ de __________________ de _________ . Hora_____: _____
______________________________ _______________________________________
Assinatura do Farmacêutico Assinatura do Usuário ou Responsável
Educação em saúde
Dieta: plano alimentar compatível com a
Elementos principais no
tratamento do paciente diabético
Dieta: plano alimentar compatível com a
realidade do paciente
Exercício físico
Tratamento medicamentoso
(MURILLO,FERNÁNDEZ-LLIMÓS, VALLS, 2004.)
PROTOCOLO DE ATENDIMENTO EM ATENÇÃO FARMACÊUTICA
Data: _____/_____/_______ Anamnese feita por: __________________________________
1. Identificação do Paciente:
NOME: ________________________________________________ Prontuário: _____________
Telefone ou outro meio de contato:________________________________________________
Data Nasc:____/____/____ Idade: _______ anos Gênero: Masc ( ) Fem ( )
Peso: _______ Kg Altura: _________ m IMC: ________ Kg/m2
Cintura: ______ cm Quadril: ________cm RCQ _______ PA: _________( )S ( ) D ( ) Em pé
Escolaridade: ___________________________________________________
Atividade profissional:_____________________________________________
Horário de trabalho: ______________________________________________
Onde mora (cidade/bairro): ________________________________________
Com quem mora?________________________________________________
Alguém ajuda a tomar os medicamentos? ( ) Não ( ) Sim
Quem? ________________________________________________________
2. PROBLEMA(S) DE SAÚDE
Problema de saúde/queixa Início Diagnóstico Situação
Nota:
Início: data aproximada de início doproblema ou queixa / Diag - Diagnóstico: M (médico) SDM
(sem diagnóstico médico) Q (queixa) Sit - Situação: C = controlado, NC= não controlado
3. M E D IC AM E N TO S E M U S O (RE G UL AR E S O U E S P O R ÁD IC O S )
(pre scrito s o u nã o p re scrito s p o r m é d ico )
M ed icam e n to :
No m e co m ercia l:
No m e g en é rico :
1. Q ue m p re scre ve u ?
2. P a ra qu e u tiliza ?
3. D e sde q ua n d o u sa ?
4. C om o u sa ?
5. A té qu a nd o va i usa r?
6. A p rese n ta a lg u m a dificu lda d e p a ra u sar?
7. A lgu m p ro b le m a com ad m inistra çã o d o me d icam e n to ?
8. O bse rvaçõ e s re le va n te s:
9. Fa le um po u co so bre co m o é pa ra vo cê fa zer uso de m e d ica m e ntos?
4. HÁBITOS DE VIDA
Alimentação:
Quantas refeições faz por dia?
Descreva a característica das refeições:
1. Fuma? ( ) Não ( ) Sim
Se não: Já fumou antes? ( ) Não ( ) Sim. Há quanto tempo parou?
____________________________________________________
Se sim. Quantos cigarros fuma por dia?
____________________________________________________
2. Consome bebida alcoólica? ( ) Não ( ) Sim
Se não: Já bebeu com regularidade antes? ? ( ) Não ( ) Sim.
Há quanto tempo parou? __________________________________________________________
3. Tem costume de beber:
Café? Quantas vezes por dia?
_______________________________________________________________________________
Chá? Qual? Quantas vezes por dia?
4. Pratica exercício físico? ( ) Não ( ) Sim
Que exercício? __________________________________________________________________
Com que regularidade? Quantas vezes por semana?
_______________________________________________________________________________
5.ANAMNESECOMPLEMENTAR(Avaliaçãodossistemas: crânio-caudal)
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
6. INTERVENÇÃO FARMACÊUTICA
Quanto aos medicamentos: Por escrito para: ( ) Paciente ( ) Médico ( ) Outros ( ) Oral
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
Em relação a hábitos de vida: Por escrito para: ( ) Paciente ( ) Médico ( ) Outros ( ) OralEm relação a hábitos de vida: Por escrito para: ( ) Paciente ( ) Médico ( ) Outros ( ) Oral
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
MEDICAMENTOS DOSE HORÁRIOS SUGERIDOS
TABELA DE ORIENTAÇÃO
FARMACÊUTICA
Manter níveis glicêmicos próximos a normalidade
Controle do tabaco, peso, colesterol e hipertensão
arterial sistêmica
Objetivos a serem alcançadosObjetivos a serem alcançados
após o atendimentoapós o atendimento
arterial sistêmica
Prevenir o risco das complicações
Integração a equipe de saúde
(MURILLO,FERNÁNDEZ-LLIMÓS, VALLS, 2004.)
Plano de Cuidados:
Relação Paciente-Farmacêutico-
Médico
IMPORTANTE ASSINAR O TCLE
Auto-monitoramento da glicemiaAuto-monitoramento da glicemia
Alimentação
Exercícios Físicos
Exames de Rotina
PARÂMETRO META PERIODICIDADE
Plano alimentar Alimentação saudável
IMC > 18,5 e < <25kg/m2
ou perda de peso
Verificar e orientar a cada
consulta
Atividade física > 30 min/d ou
> 1h/dia (perda/manutenção
de peso)
Verificar e orientar a cada
consulta
Fumo Não fumar Verificar e orientar a cada
consulta
Hemoglobina glicada (A1C) <7% A cada 3 meses até alcançarHemoglobina glicada (A1C) <7% A cada 3 meses até alcançar
controle; depois, a cada 6
meses
Glicemia de jejum 90-130 mg/dL Mensal
Colesterol LDL <100 mg/dL Anual
Colesterol HDL >40 mg/dL Anual
Triglicerídeos <150 mg/dL Anual
Pressão arterial <130/80 mmHg A cada consulta
Vacinação*
* Vacina pneumocócica:
Influenza Vacinação anual (Uma vez,
depois reforço após 65 anos).
Condições clínicas para o tratamento
imediato com insulina
(sem outro medicamento)
Emagrecimento rápido e inexplicado
Hiperglicemia grave (> 270 mg/dL), cetonúria e
cetonemia
Doença renal
Infecção
Cirurgia
Fase aguda de AVC, IAM, pacientes criticamente
enfermos
OBRIGADA!!!
e-mail: taniamlemos@hotmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hiperdia No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Hiperdia No Caminho da Enfermagem Lucas FontesHiperdia No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Hiperdia No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Lucas Fontes
 
DIABETES
DIABETESDIABETES
Atendimento e cuidados com pacientes diabéticos
Atendimento e cuidados com pacientes diabéticosAtendimento e cuidados com pacientes diabéticos
Atendimento e cuidados com pacientes diabéticos
Oyara Mello
 
Hipertensão arterial e diabetes mellitus
Hipertensão arterial e diabetes mellitusHipertensão arterial e diabetes mellitus
Hipertensão arterial e diabetes mellitus
LUNATH
 
Aula de diabetes
Aula de diabetesAula de diabetes
Aula de diabetes
Ellen Santos
 
Hipertensão o que é isso?
Hipertensão o que é isso?Hipertensão o que é isso?
Hipertensão o que é isso?
Professor Robson
 
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
Maycon Silva
 
Hipertensão arterial powerpoint
Hipertensão arterial   powerpoint Hipertensão arterial   powerpoint
Hipertensão arterial powerpoint
AnaRitaPinheiro
 
Fisiologia diabetes mellitus
Fisiologia diabetes mellitusFisiologia diabetes mellitus
Fisiologia diabetes mellitus
Eduarda P.
 
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Diabetes mellitus
Fernanda Marinho
 
Farmacos anti hipertensivos
Farmacos anti hipertensivosFarmacos anti hipertensivos
Farmacos anti hipertensivos
Rosangela Helena Sizilio
 
Teste de glicemia capilar slide
Teste de glicemia capilar   slideTeste de glicemia capilar   slide
Teste de glicemia capilar slide
Renata Nobre
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
Marco Enomoto
 
Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
Hipertensão Arterial e Diabetes MellitusHipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
guest30e4af
 
SLIDES - DIABETES CAPACITAÇÃO.pptx
SLIDES - DIABETES CAPACITAÇÃO.pptxSLIDES - DIABETES CAPACITAÇÃO.pptx
SLIDES - DIABETES CAPACITAÇÃO.pptx
DiegoSousa419733
 
Apresentação diabetes mellitus
Apresentação diabetes mellitusApresentação diabetes mellitus
Apresentação diabetes mellitus
Sérgio Franco - CDPI
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
Mel Medina
 
Hipertensão Arterial
Hipertensão ArterialHipertensão Arterial
Hipertensão Arterial
Walquiria Dutra
 
Diabetes Tipo 1
Diabetes Tipo 1Diabetes Tipo 1

Mais procurados (20)

Hiperdia No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Hiperdia No Caminho da Enfermagem Lucas FontesHiperdia No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Hiperdia No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
 
DIABETES
DIABETESDIABETES
DIABETES
 
Atendimento e cuidados com pacientes diabéticos
Atendimento e cuidados com pacientes diabéticosAtendimento e cuidados com pacientes diabéticos
Atendimento e cuidados com pacientes diabéticos
 
Hipertensão arterial e diabetes mellitus
Hipertensão arterial e diabetes mellitusHipertensão arterial e diabetes mellitus
Hipertensão arterial e diabetes mellitus
 
Aula de diabetes
Aula de diabetesAula de diabetes
Aula de diabetes
 
Hipertensão o que é isso?
Hipertensão o que é isso?Hipertensão o que é isso?
Hipertensão o que é isso?
 
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
 
Hipertensão arterial powerpoint
Hipertensão arterial   powerpoint Hipertensão arterial   powerpoint
Hipertensão arterial powerpoint
 
Fisiologia diabetes mellitus
Fisiologia diabetes mellitusFisiologia diabetes mellitus
Fisiologia diabetes mellitus
 
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Diabetes mellitus
 
Farmacos anti hipertensivos
Farmacos anti hipertensivosFarmacos anti hipertensivos
Farmacos anti hipertensivos
 
Teste de glicemia capilar slide
Teste de glicemia capilar   slideTeste de glicemia capilar   slide
Teste de glicemia capilar slide
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
Hipertensão Arterial e Diabetes MellitusHipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
SLIDES - DIABETES CAPACITAÇÃO.pptx
SLIDES - DIABETES CAPACITAÇÃO.pptxSLIDES - DIABETES CAPACITAÇÃO.pptx
SLIDES - DIABETES CAPACITAÇÃO.pptx
 
Apresentação diabetes mellitus
Apresentação diabetes mellitusApresentação diabetes mellitus
Apresentação diabetes mellitus
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Hipertensão Arterial
Hipertensão ArterialHipertensão Arterial
Hipertensão Arterial
 
Diabetes Tipo 1
Diabetes Tipo 1Diabetes Tipo 1
Diabetes Tipo 1
 

Destaque

Alimentação saudável para hipertensos e di abéticos
Alimentação saudável para hipertensos e di abéticosAlimentação saudável para hipertensos e di abéticos
Alimentação saudável para hipertensos e di abéticos
Jéssica Angelo
 
Nutrição e diabetes
Nutrição e diabetesNutrição e diabetes
Nutrição e diabetes
FACULDADE ESTACIO DE SÁ
 
A Diabetes e a Alimentação
A Diabetes e a AlimentaçãoA Diabetes e a Alimentação
A Diabetes e a Alimentação
Michele Pó
 
Alimentação / Diabetes
Alimentação / DiabetesAlimentação / Diabetes
Alimentação / Diabetes
antognony
 
Diabetes ApresentaçãO
Diabetes ApresentaçãODiabetes ApresentaçãO
Diabetes ApresentaçãO
Jose Eduardo
 
Doença de legg calvé -perthers
Doença de legg calvé -perthersDoença de legg calvé -perthers
Doença de legg calvé -perthers
Marcella Reis Goulart
 
Palestra sobre diabetes ASSODIBAR 2015
Palestra sobre diabetes ASSODIBAR 2015Palestra sobre diabetes ASSODIBAR 2015
Palestra sobre diabetes ASSODIBAR 2015
Forte de Coimbra
 
Pancreatite
PancreatitePancreatite
Alimento medicina
Alimento medicinaAlimento medicina
Alimento medicina
NutriMistura
 
Brochura saude oral_e_alimentacao
Brochura saude oral_e_alimentacaoBrochura saude oral_e_alimentacao
Brochura saude oral_e_alimentacao
projectopes
 
ó Açucar, deixa te de farinhas!
ó Açucar, deixa te de farinhas!ó Açucar, deixa te de farinhas!
ó Açucar, deixa te de farinhas!
nathp
 
Dietae diabetes
Dietae diabetesDietae diabetes
Dietae diabetes
saudefieb
 
Voce e o que vc come
Voce e o que vc comeVoce e o que vc come
Voce e o que vc come
NutriMistura
 
Repensando a saúde
Repensando a saúdeRepensando a saúde
Repensando a saúde
Walquíria Domingues
 
Comorbidades psicológicas à hipertensão
Comorbidades psicológicas à hipertensãoComorbidades psicológicas à hipertensão
Comorbidades psicológicas à hipertensão
Talita Papas
 
Suplementos
SuplementosSuplementos
Suplementos
Ronaldozhode
 
O que se esconde dentro dos alimentos
O que se esconde dentro dos alimentosO que se esconde dentro dos alimentos
O que se esconde dentro dos alimentos
Sil Metelo
 
Saúde e Alimentação
Saúde e AlimentaçãoSaúde e Alimentação
Saúde e Alimentação
Sinduscon-GO
 
Alimentação e saúde
Alimentação e saúdeAlimentação e saúde
Alimentação e saúde
Grazielle Ribeiro
 
Guia alimentacao equilibrada
Guia alimentacao equilibradaGuia alimentacao equilibrada
Guia alimentacao equilibrada
barbiebruxadoleste
 

Destaque (20)

Alimentação saudável para hipertensos e di abéticos
Alimentação saudável para hipertensos e di abéticosAlimentação saudável para hipertensos e di abéticos
Alimentação saudável para hipertensos e di abéticos
 
Nutrição e diabetes
Nutrição e diabetesNutrição e diabetes
Nutrição e diabetes
 
A Diabetes e a Alimentação
A Diabetes e a AlimentaçãoA Diabetes e a Alimentação
A Diabetes e a Alimentação
 
Alimentação / Diabetes
Alimentação / DiabetesAlimentação / Diabetes
Alimentação / Diabetes
 
Diabetes ApresentaçãO
Diabetes ApresentaçãODiabetes ApresentaçãO
Diabetes ApresentaçãO
 
Doença de legg calvé -perthers
Doença de legg calvé -perthersDoença de legg calvé -perthers
Doença de legg calvé -perthers
 
Palestra sobre diabetes ASSODIBAR 2015
Palestra sobre diabetes ASSODIBAR 2015Palestra sobre diabetes ASSODIBAR 2015
Palestra sobre diabetes ASSODIBAR 2015
 
Pancreatite
PancreatitePancreatite
Pancreatite
 
Alimento medicina
Alimento medicinaAlimento medicina
Alimento medicina
 
Brochura saude oral_e_alimentacao
Brochura saude oral_e_alimentacaoBrochura saude oral_e_alimentacao
Brochura saude oral_e_alimentacao
 
ó Açucar, deixa te de farinhas!
ó Açucar, deixa te de farinhas!ó Açucar, deixa te de farinhas!
ó Açucar, deixa te de farinhas!
 
Dietae diabetes
Dietae diabetesDietae diabetes
Dietae diabetes
 
Voce e o que vc come
Voce e o que vc comeVoce e o que vc come
Voce e o que vc come
 
Repensando a saúde
Repensando a saúdeRepensando a saúde
Repensando a saúde
 
Comorbidades psicológicas à hipertensão
Comorbidades psicológicas à hipertensãoComorbidades psicológicas à hipertensão
Comorbidades psicológicas à hipertensão
 
Suplementos
SuplementosSuplementos
Suplementos
 
O que se esconde dentro dos alimentos
O que se esconde dentro dos alimentosO que se esconde dentro dos alimentos
O que se esconde dentro dos alimentos
 
Saúde e Alimentação
Saúde e AlimentaçãoSaúde e Alimentação
Saúde e Alimentação
 
Alimentação e saúde
Alimentação e saúdeAlimentação e saúde
Alimentação e saúde
 
Guia alimentacao equilibrada
Guia alimentacao equilibradaGuia alimentacao equilibrada
Guia alimentacao equilibrada
 

Semelhante a Palestra sobre diabetes mellitus

Cuidados farmacêuticos no diabetes
Cuidados farmacêuticos no diabetesCuidados farmacêuticos no diabetes
Cuidados farmacêuticos no diabetes
adrianomedico
 
E-book Diabetes mellitus tipo 2 no ambulatório.pdf
E-book Diabetes mellitus tipo 2 no ambulatório.pdfE-book Diabetes mellitus tipo 2 no ambulatório.pdf
E-book Diabetes mellitus tipo 2 no ambulatório.pdf
suziemartins
 
Síndrome Metabólica na Infância
Síndrome Metabólica na InfânciaSíndrome Metabólica na Infância
Diabetes no Idoso
Diabetes no IdosoDiabetes no Idoso
Diabetes no Idoso
Amanda Thomé
 
diabetes
diabetesdiabetes
diabetes
Rogerio Troian
 
HAS e DM- Saúde do idoso.pdf
HAS e DM- Saúde do idoso.pdfHAS e DM- Saúde do idoso.pdf
HAS e DM- Saúde do idoso.pdf
Amanda Fernandes Carvalho
 
Fisiopatologia e dietoterapia no Diabetes Mellitus no adulto e em pediatria
Fisiopatologia e dietoterapia no Diabetes Mellitus no adulto e em pediatriaFisiopatologia e dietoterapia no Diabetes Mellitus no adulto e em pediatria
Fisiopatologia e dietoterapia no Diabetes Mellitus no adulto e em pediatria
Emília Delesderrier Franco
 
Pré diabetes
Pré diabetesPré diabetes
Pré diabetes
Elighieri
 
Pré diabetes
Pré diabetesPré diabetes
Pré diabetes
Elighieri
 
Pré diabetes
Pré diabetesPré diabetes
Pré diabetes
Elighieri
 
Curso 50 ic
Curso 50 icCurso 50 ic
Curso 50 ic
Multiperfileventos
 
10 pé diabético importancia controlo glicemico
10 pé diabético   importancia controlo glicemico10 pé diabético   importancia controlo glicemico
10 pé diabético importancia controlo glicemico
António Bandarra
 
DCNT - DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSIVEIS.pptx
DCNT - DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSIVEIS.pptxDCNT - DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSIVEIS.pptx
DCNT - DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSIVEIS.pptx
LarissaNunes853369
 
Fitoterapia no Controle das Diabetes Lasi 2014
Fitoterapia no Controle das Diabetes Lasi 2014Fitoterapia no Controle das Diabetes Lasi 2014
Fitoterapia no Controle das Diabetes Lasi 2014
Felipe Galdiano
 
Aula Síndrome Metabólica Paab VI
Aula Síndrome Metabólica Paab VIAula Síndrome Metabólica Paab VI
Aula Síndrome Metabólica Paab VI
Professor Robson
 
Tratamento do Diabetes Mellitus
Tratamento do Diabetes MellitusTratamento do Diabetes Mellitus
Tratamento do Diabetes Mellitus
Liga Acadêmica de Diabetes
 
Recém-nascido de mãe diabética
Recém-nascido de mãe diabéticaRecém-nascido de mãe diabética
Recém-nascido de mãe diabética
Centro Universitário Ages
 
Diabetes Mellitus.pptx
Diabetes Mellitus.pptxDiabetes Mellitus.pptx
Diabetes Mellitus.pptx
CarlaFMboa
 
Vivendo Rio
Vivendo RioVivendo Rio
Vivendo Rio
Pela Vidda - RJ
 
Chanell Sildes 20233.pptxdjgvshvdhkfbdhkfbhfkdbfkhdbfkhvdfkhdvfdkhfvhdfv
Chanell Sildes 20233.pptxdjgvshvdhkfbdhkfbhfkdbfkhdbfkhvdfkhdvfdkhfvhdfvChanell Sildes 20233.pptxdjgvshvdhkfbdhkfbhfkdbfkhdbfkhvdfkhdvfdkhfvhdfv
Chanell Sildes 20233.pptxdjgvshvdhkfbdhkfbhfkdbfkhdbfkhvdfkhdvfdkhfvhdfv
JeftacioMateus
 

Semelhante a Palestra sobre diabetes mellitus (20)

Cuidados farmacêuticos no diabetes
Cuidados farmacêuticos no diabetesCuidados farmacêuticos no diabetes
Cuidados farmacêuticos no diabetes
 
E-book Diabetes mellitus tipo 2 no ambulatório.pdf
E-book Diabetes mellitus tipo 2 no ambulatório.pdfE-book Diabetes mellitus tipo 2 no ambulatório.pdf
E-book Diabetes mellitus tipo 2 no ambulatório.pdf
 
Síndrome Metabólica na Infância
Síndrome Metabólica na InfânciaSíndrome Metabólica na Infância
Síndrome Metabólica na Infância
 
Diabetes no Idoso
Diabetes no IdosoDiabetes no Idoso
Diabetes no Idoso
 
diabetes
diabetesdiabetes
diabetes
 
HAS e DM- Saúde do idoso.pdf
HAS e DM- Saúde do idoso.pdfHAS e DM- Saúde do idoso.pdf
HAS e DM- Saúde do idoso.pdf
 
Fisiopatologia e dietoterapia no Diabetes Mellitus no adulto e em pediatria
Fisiopatologia e dietoterapia no Diabetes Mellitus no adulto e em pediatriaFisiopatologia e dietoterapia no Diabetes Mellitus no adulto e em pediatria
Fisiopatologia e dietoterapia no Diabetes Mellitus no adulto e em pediatria
 
Pré diabetes
Pré diabetesPré diabetes
Pré diabetes
 
Pré diabetes
Pré diabetesPré diabetes
Pré diabetes
 
Pré diabetes
Pré diabetesPré diabetes
Pré diabetes
 
Curso 50 ic
Curso 50 icCurso 50 ic
Curso 50 ic
 
10 pé diabético importancia controlo glicemico
10 pé diabético   importancia controlo glicemico10 pé diabético   importancia controlo glicemico
10 pé diabético importancia controlo glicemico
 
DCNT - DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSIVEIS.pptx
DCNT - DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSIVEIS.pptxDCNT - DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSIVEIS.pptx
DCNT - DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSIVEIS.pptx
 
Fitoterapia no Controle das Diabetes Lasi 2014
Fitoterapia no Controle das Diabetes Lasi 2014Fitoterapia no Controle das Diabetes Lasi 2014
Fitoterapia no Controle das Diabetes Lasi 2014
 
Aula Síndrome Metabólica Paab VI
Aula Síndrome Metabólica Paab VIAula Síndrome Metabólica Paab VI
Aula Síndrome Metabólica Paab VI
 
Tratamento do Diabetes Mellitus
Tratamento do Diabetes MellitusTratamento do Diabetes Mellitus
Tratamento do Diabetes Mellitus
 
Recém-nascido de mãe diabética
Recém-nascido de mãe diabéticaRecém-nascido de mãe diabética
Recém-nascido de mãe diabética
 
Diabetes Mellitus.pptx
Diabetes Mellitus.pptxDiabetes Mellitus.pptx
Diabetes Mellitus.pptx
 
Vivendo Rio
Vivendo RioVivendo Rio
Vivendo Rio
 
Chanell Sildes 20233.pptxdjgvshvdhkfbdhkfbhfkdbfkhdbfkhvdfkhdvfdkhfvhdfv
Chanell Sildes 20233.pptxdjgvshvdhkfbdhkfbhfkdbfkhdbfkhvdfkhdvfdkhfvhdfvChanell Sildes 20233.pptxdjgvshvdhkfbdhkfbhfkdbfkhdbfkhvdfkhdvfdkhfvhdfv
Chanell Sildes 20233.pptxdjgvshvdhkfbdhkfbhfkdbfkhdbfkhvdfkhdvfdkhfvhdfv
 

Mais de adrianomedico

Um processo de terapia para a gagueira
Um processo de terapia para a gagueiraUm processo de terapia para a gagueira
Um processo de terapia para a gagueira
adrianomedico
 
Um ensaio sobre a gagueira
Um ensaio sobre a gagueiraUm ensaio sobre a gagueira
Um ensaio sobre a gagueira
adrianomedico
 
Tratamento farmacológico da gagueira
Tratamento farmacológico da gagueiraTratamento farmacológico da gagueira
Tratamento farmacológico da gagueira
adrianomedico
 
Seu filho gagueja.
Seu filho gagueja.Seu filho gagueja.
Seu filho gagueja.
adrianomedico
 
Saiba mais sobre a gagueira infantil
Saiba mais sobre a gagueira infantilSaiba mais sobre a gagueira infantil
Saiba mais sobre a gagueira infantil
adrianomedico
 
Problemas na fala atrapalham carreira de reis e plebeus
Problemas na fala atrapalham carreira de reis e plebeusProblemas na fala atrapalham carreira de reis e plebeus
Problemas na fala atrapalham carreira de reis e plebeus
adrianomedico
 
Perfil de sujeitos gagos que participam de comunidades virtuais como apoio so...
Perfil de sujeitos gagos que participam de comunidades virtuais como apoio so...Perfil de sujeitos gagos que participam de comunidades virtuais como apoio so...
Perfil de sujeitos gagos que participam de comunidades virtuais como apoio so...
adrianomedico
 
Para quem a escola gagueja
Para quem a escola gaguejaPara quem a escola gagueja
Para quem a escola gagueja
adrianomedico
 
Genes da gagueira
Genes da gagueiraGenes da gagueira
Genes da gagueira
adrianomedico
 
Gagueira tem tratamento
Gagueira tem tratamentoGagueira tem tratamento
Gagueira tem tratamento
adrianomedico
 
Gagueira não tem graça, tem tratamento
Gagueira não tem graça, tem tratamentoGagueira não tem graça, tem tratamento
Gagueira não tem graça, tem tratamento
adrianomedico
 
Gagueira não é emocional
Gagueira não é emocionalGagueira não é emocional
Gagueira não é emocional
adrianomedico
 
Gagueira infantil
Gagueira infantilGagueira infantil
Gagueira infantil
adrianomedico
 
Gagueira e núcleos da base
Gagueira e núcleos da baseGagueira e núcleos da base
Gagueira e núcleos da base
adrianomedico
 
Gagueira e disfluência geral
Gagueira e disfluência   geralGagueira e disfluência   geral
Gagueira e disfluência geral
adrianomedico
 
Gagueira e dificuldade de aprendizagem
Gagueira e dificuldade de aprendizagemGagueira e dificuldade de aprendizagem
Gagueira e dificuldade de aprendizagem
adrianomedico
 
Gagueira estudo molecular dos genes g
Gagueira   estudo molecular dos genes gGagueira   estudo molecular dos genes g
Gagueira estudo molecular dos genes g
adrianomedico
 
Gagueira disfluência
Gagueira   disfluênciaGagueira   disfluência
Gagueira disfluênciaadrianomedico
 
Gagueira até onde é normal
Gagueira   até onde é normalGagueira   até onde é normal
Gagueira até onde é normal
adrianomedico
 
Gagueira a teoria na prática
Gagueira   a teoria na práticaGagueira   a teoria na prática
Gagueira a teoria na prática
adrianomedico
 

Mais de adrianomedico (20)

Um processo de terapia para a gagueira
Um processo de terapia para a gagueiraUm processo de terapia para a gagueira
Um processo de terapia para a gagueira
 
Um ensaio sobre a gagueira
Um ensaio sobre a gagueiraUm ensaio sobre a gagueira
Um ensaio sobre a gagueira
 
Tratamento farmacológico da gagueira
Tratamento farmacológico da gagueiraTratamento farmacológico da gagueira
Tratamento farmacológico da gagueira
 
Seu filho gagueja.
Seu filho gagueja.Seu filho gagueja.
Seu filho gagueja.
 
Saiba mais sobre a gagueira infantil
Saiba mais sobre a gagueira infantilSaiba mais sobre a gagueira infantil
Saiba mais sobre a gagueira infantil
 
Problemas na fala atrapalham carreira de reis e plebeus
Problemas na fala atrapalham carreira de reis e plebeusProblemas na fala atrapalham carreira de reis e plebeus
Problemas na fala atrapalham carreira de reis e plebeus
 
Perfil de sujeitos gagos que participam de comunidades virtuais como apoio so...
Perfil de sujeitos gagos que participam de comunidades virtuais como apoio so...Perfil de sujeitos gagos que participam de comunidades virtuais como apoio so...
Perfil de sujeitos gagos que participam de comunidades virtuais como apoio so...
 
Para quem a escola gagueja
Para quem a escola gaguejaPara quem a escola gagueja
Para quem a escola gagueja
 
Genes da gagueira
Genes da gagueiraGenes da gagueira
Genes da gagueira
 
Gagueira tem tratamento
Gagueira tem tratamentoGagueira tem tratamento
Gagueira tem tratamento
 
Gagueira não tem graça, tem tratamento
Gagueira não tem graça, tem tratamentoGagueira não tem graça, tem tratamento
Gagueira não tem graça, tem tratamento
 
Gagueira não é emocional
Gagueira não é emocionalGagueira não é emocional
Gagueira não é emocional
 
Gagueira infantil
Gagueira infantilGagueira infantil
Gagueira infantil
 
Gagueira e núcleos da base
Gagueira e núcleos da baseGagueira e núcleos da base
Gagueira e núcleos da base
 
Gagueira e disfluência geral
Gagueira e disfluência   geralGagueira e disfluência   geral
Gagueira e disfluência geral
 
Gagueira e dificuldade de aprendizagem
Gagueira e dificuldade de aprendizagemGagueira e dificuldade de aprendizagem
Gagueira e dificuldade de aprendizagem
 
Gagueira estudo molecular dos genes g
Gagueira   estudo molecular dos genes gGagueira   estudo molecular dos genes g
Gagueira estudo molecular dos genes g
 
Gagueira disfluência
Gagueira   disfluênciaGagueira   disfluência
Gagueira disfluência
 
Gagueira até onde é normal
Gagueira   até onde é normalGagueira   até onde é normal
Gagueira até onde é normal
 
Gagueira a teoria na prática
Gagueira   a teoria na práticaGagueira   a teoria na prática
Gagueira a teoria na prática
 

Palestra sobre diabetes mellitus

  • 1. CRF ITINERANTE – PETRÓPOLIS PALESTRANTE TANIA MARIA LEMOS MOUÇO
  • 2. Palestrante Tania Maria Lemos Mouço Farmacêutica, graduada em Farmácia e Bioquímica pela Universidade Federal Fluminense. Mestre em Ciências Biológicas pelo Instituto de Biofísica Prof. Carlos Chagas Filho da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Especialista em Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica pelo Instituto Racine.Racine. Conselheira efetiva do CRF/RJ - mandato 2010-2013 Membro do grupo GESEFERJ Docente das disciplinas de Atenção farmacêutica e Prática Médica na Universidade do Grande Rio (UNIGRANRIO). Coordenadora do Projeto Atenção Farmacêutica a pacientes diabéticos e hipertensos atendidos no Ambulatório Médico Multidisciplinar Jamil Sabrá da UNIGRANRIO.
  • 3. Declaro não haver nenhum conflito de interesse nesta apresentação Tania Maria Lemos Mouço
  • 4. Atenção Farmacêutica Surge na década de 1990 como o “retorno às origens” Baseia-se em: Anamnese Análise OrientaçãoOrientação Seguimento farmacoterapêutico 2002 Mudança do currículo de habilitações para GENERALISTA
  • 5. Atenção farmacêutica no Brasil... Proposta do Consenso Brasileiro de Atenção farmacêutica – em 2002 É o modelo de prática farmacêutica (macro- componentes) desenvolvida no contexto da Assistência Farmacêutica. Castro,L.L.C et al.evolução da pesquisa em atenção farmacêutica no Brasil: um estudo descritivo 1999-2003,2006
  • 6. Serviços Farmacêuticos Código de Ética – Resolução CFF 417/04 Resolução CFF 499/08 RDC ANVSA 44/09 A proposta dos serviços farmacêuticos possibilitaráA proposta dos serviços farmacêuticos possibilitará interação direta do farmacêutico com o usuários, visando a farmacoterapia racional e melhoria da qualidade de vida.
  • 7. Diabetes mellitus: Conceito (CID-10: E10 a E14) Diabetes mellitus (DM) é um grupo heterogêneo de distúrbios metabólicos, decorrente de defeitos na secreção da insulina, na ação da insulina ou em ambos, tendo como resultado a HIPERGLICEMIA.tendo como resultado a HIPERGLICEMIA. Fonte: Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2009/SBD 3ª edição – pg. 13
  • 8. EPIDEMIOLOGIA DO DM NO MUNDO BR 12,1%
  • 10. Padrões de Secreção da Insulina
  • 11. Importância dos Estudos sobre DM Principal causa de amputações de membros inferiores Principal causa de cegueira adquirida Cerca de 26% dos pacientes em programas de diálise 6ª causa mais frequente de internação hospitalar 30% a 50% das causas de cardiopatia isquêmica, IC, AVE e30% a 50% das causas de cardiopatia isquêmica, IC, AVE e HÁ 30% dos pacientes em unidades coronárias intensivas com dor precordial Fonte: Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2009/SBD 3ª edição – pg. 9
  • 12. Estudos em DM no mundo DCCT (Diabetes Control and Complications Trial) UKPDS (United Kingdom Prospective Diabetes study) VADT (Veterans Affairs Diabetes Trial) ACCORD (Action to Control Cardiovascular Risk in Diabetes Study Group) ADVANCE (The Advance Collaborative Group)
  • 13. DM: Critérios Clínicos para o Diagnóstico Sinais e sintomas Poliúria Polifagia PolidpsiaPolidpsia Fonte: Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2009/SBD 3ª edição
  • 14. DM: Critérios Laboratoriais para o Diagnóstico - - Glicemias (mg/dL) Casual Tolerância à glicose diminuída Categorias Glicemia Normal < 100< 100< 100< 100 > 100 e <126 Jejum (8h) 2h após 75g de glicose <140 ≥ 140 e < 200 ≥≥≥≥ 126 *Diabetes Mellitus ≥≥≥≥ 200 ≥≥≥≥ 200* com sintomas • § Exceto DMG • * Valores que devem ser confirmados, OMS- 1999 GJ ALTERADA (Pré-diabetes): > 100 e <126 Fonte: Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2009/SBD 3ª edição
  • 15. Classificação Etiológica do DM TIPO 1 5% -10% dos casos Destruição das células beta (auto-imune e idiopático) Aparecimento em crianças e TIPO 2 90% - 95% dos casos – qualquer idade Resistência do tecido alvo ou ↓ da secreção deAparecimento em crianças e jovens (LADA- no adulto) Tendência a ceto-acidose ou ↓ da secreção de insulina (80% são obesos) História familiar frequente (Fonte: OMS, 1999; Diabetes Care, 2009; 32(suppl.1): S62 )
  • 16. Classificação Etiológica do DM Outros Tipos De DM MODY (Maturity Onset Diabetes of the Young), Defeitos genéticos na ação da insulina DM Gestacional(DMG) 3 a 14% das gestações Intolerância à glicose com início na gestação.da insulina Doenças do pâncreas Diabetes induzido Infecções causadas por vírus Síndromes genéticas início na gestação. 63% das mulheres podem evoluir para DM 2 (após 5 a 16 anos) (Fonte: OMS, 1999; Diabetes Care, 2009; 32(suppl.1): S62 )
  • 17. OBESIDADE: fator de risco para DM 2 (Diabesidade Revista Época 23/01/2010)
  • 18. Outros Fatores de Risco para DM 2 Idade > 40 anos História familiar de DM (pais, filhos e irmãos) Índice de massa corpórea (IMC) > 25 kg/m² Sedentarismo HDL-c baixo e triglicerídeos aumentados HTAHTA Doença coronariana DM gestacional prévio Macrossomia ou história de abortos de repetição ou mortalidade peri-natal Uso de medicamentos hiperglicemiantes
  • 19. DMG: fatores de risco Idade acima de 35 anos Sobrepeso ou ganho de peso excessivo na gravidez atual História familiar Baixa estatura (< 1,50 m) Crescimento fetal excessivo, polidrâmnio, HTA ou pré- eclâmpsia Malformações congênitas e abortamentos de repetição, macrossomia SOP
  • 20. Monitoramento da DM A cada 3 a 5 anos para indivíduos com 45 anos ou mais A cada 1 a 3 anos quando houver: história de DM gestacional evidências de 2 ou mais componentes da síndrome pluri- metabólica (Obesidade central, hipertensão arterial emetabólica (Obesidade central, hipertensão arterial e diabetes) presença de 2 ou mais fatores de risco. Uma vez por ano ou mais frequentemente quando: glicemia de jejum alterada ou tolerância à glicose diminuída (mais frequentemente quando a suspeita é de DM tipo 1) houver complicações relacionadas com o DM.
  • 21. DMG: diagnóstico Grávidas com e sem fatores de risco GJ e após TOTG com 75 mg de glicose (Início da gravidez e entre 24ª - 28ª semana) Rastreamento Positivo: GJ > 85 mg/dLRastreamento Positivo: GJ > 85 mg/dL DIAGNÓSTICO DE DMG GJ ≥ 110 mg/dL GPP ≥ 140 mg/dL Fonte: Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2009/SBD 3ª edição
  • 24. COMPLICAÇÕES MICROVASCULARES Retinopatia Diabética (RD) Nefropatia Diabética (ND) A RD é 25 vezes mais comum em pessoas com DM, após 20 anos de doença 90% DM 1 e 60% DM 2 Mau controle glicêmico e HTA 10 % dos diabéticos tipo 2 IR em 5 a 10 anos após o diagnóstico de DM.90% DM 1 e 60% DM 2 diagnóstico de DM. Apresentam macro- albuminúria
  • 25. Neuropatia Diabética (ND) Neuropatia sensitiva: responsável pela perda da sensibilidade protetora. Neuropatia motora: responsável por alterações morfológicas: dedos em garra, sobrecargasmorfológicas: dedos em garra, sobrecargas metatársicas, Hallux valgus, deformidade de Charcot, etc. Neuropatia autônoma (sistema nervoso vegetativo): alterações CV, TGI, TGU
  • 26. PÉ DIABÉTICO “Infecção, ulceração e/ou destruição dos tecidos moles associados a alterações neurológicas e vários graus de DAP nos membros inferiores”. Verificar a presença de: fraturas, joanetes, arcos plantares planos ou altos, sinais de cirurgias anteriores e dedos em martelo
  • 27. Impacto do controle da glicemia e pressão arterial sobre complicações Fonte: Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2009/SBD 3ª edição
  • 29. Tratamentos não Farmacológicos MUDANÇAS NO ESTILO DE VIDA (MEV) ALIMENTAÇÃO EXERCÍCIOS FÍSICOS
  • 31. Tratamentos Farmacológicos Orais : Inibidores da DDP - IV
  • 32. NOMES GENÉRICOS NOMES COMERCIAIS SULFONILURÉIAS Clorpropamida Diabinese Glibenclamida Daonil, Diaben, Gliben, Euglucon, Lisaglucon Glipizida Minidiab Gliclazida Diamicron MR, Azukon MR Glimepirida Amaryl, Glimepil, Glimesec, Azulix
  • 34. BIGUANIDAS NOME GENÉRICO NOMES COMERCIAIS METFORMINAMETFORMINA Metformina Glifage, Glifage XR, Dimefor, Glucoformin
  • 36. INIBIDORES das α- Glicosidases NOMES GENÉRICOS NOMES COMERCIAIS ACARBOSEACARBOSE Acarbose Glucobay, Aglucose
  • 37. INIBIDORES DA DPP-IV NOMES GENÉRICOS NOMES COMERCIAIS INIBIDORES DA DPP-IVINIBIDORES DA DPP-IV Sitagliptina Januvia Vildagliptina Galvus
  • 38. Tratamentos Farmacológicos sub- cutâneos: Análogos do GLP-1 Cartucho de Monstro-de-gila (Heloderma suspectum) Cartucho de BYETTA®
  • 39. ANÁLOGOS DO GLP-1 NOMES GENÉRICOS NOMES COMERCIAIS ANÁLOGOS DO GLP-1ANÁLOGOS DO GLP-1 Exenatida Byetta Liraglutida Victoza (Europa)
  • 40. COMBINAÇÕES DE DROGAS NOMES GENÉRICOS NOMES COMERCIAIS COMBINAÇÕES DE DROGAS Metformina + Glibenclamida GlucovanceMetformina + Glibenclamida Glucovance Metformina + Nateglinida Starform Metformina + Rosiglitazona Avandamet Metformina + Vildagliptina Galvus-Met
  • 41. Classe terapêutica Mecanismo primário de ação Possíveis eventos adversos Comentários Sulfoniluréias Secretagogo de insulina Hipoglicemia Ganho de peso Glimepirida, gliclazida e glipizida são opções preferenciais Glinidas Secretagogo de insulina de curta duração Hipoglicemia Estimula a secreção pancreática de insulina Duração da ação: após 1-2 horas Análogos do Estímulo à produção Sintomas Redução de peso Fonte: Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2009/SBD 3ª edição Análogos do GLP-1 (exenatida) Estímulo à produção de insulina, inibição da secreção de glucagon e aumento da saciedade Sintomas gastrintestinais Redução de peso Indicada para tratamento combinado com sulfoniluréia, metformina ou glitazona Inibidores da DPP-4 (sitagliptina e vildagliptina) Restauração dos níveis de GLP-1 e de GIP Efeitos adversos não clinicamente significantes Ausência de ganho de peso; Incidência bastante reduzida de hipoglicemias
  • 42. Medicamentos Redução de glicemia de jejum (mg/dL) Redução da A1c (%) Efeito sobre peso corporal Sulfoniluréias Glinidas 60-70 1,5-2,0 Aumento Metformina 60-70 1,5-2,0 Diminuição (?)Metformina 60-70 1,5-2,0 Diminuição (?) Acarbose 20-30 0,7-1,0 Sem efeito Tiazolidinedionas 35-40 1,0-1,2 Aumento Fonte: Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2009/SBD 3ª edição
  • 43. Critérios para escolha do Antidiabético Oral Considerar: NECESSIDADE, EFETIVIDADE, SEGURANÇA E COMODIDADE DE USO Valores de GJ, GPP e A1c Idade, peso Duração do diabetes Complicações, transtornos metabólicos, doenças associadas Interações medicamentosas, reações adversas e contra- indicações Fonte: Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2009/SBD 3ª edição
  • 44. Secreção Pancreática de Insulina e Escolha dos Medicamentos Fonte: Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2009/SBD 3ª edição
  • 45. Fonte: Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2009/SBD 3ª edição
  • 46. HIPOGLICEMIANTES INTERAÇÃO COM: EFEITOS Biguanidas Fenitoína Redução do efeito hipoglicemiante Hipoglicemiantes orais Isoniazida Corticosteróides Redução do efeito hipoglicemiante Insulinas Anticoncepcionais orais Risco de hiperglicemia Sulfoniluréias Barbitúricos DIPIRONA Enalapril Furosemida Genfibrozila Corticoesteróides Hormônios tireodianos Isoniazida Nifedipina Rifampicina Redução do efeito hipoglicemiante Rifampicina Sulfoniluréias SALICILATOS Risco de hipoglicemia quando utilizadas altas doses de salicilatos Biguanidas ETANOL Hipoglicemia e acidose lática com risco de anorexia profunda e morte Hipoglicemiantes orais Glucometacina Anticoagulantes orais Aumento do efeito hipoglicemiante Insulinas Andrógenos Anfetaminas Redução da glicemia Hipoglicemiantes orais Orlistat Redução da glicemia
  • 47. Insulinas Leonard Thompson 1º paciente a usar a insulina em 1922 Estrutura tridimensional da molécula de insulina http://en.wikipedia.org/wiki/Leonard_Thompson_ (diabetic)
  • 48. Tratamentos Farmacológicos sub- cutâneos: Insulinas disponíveis Ação Ultra-Rápida: Lispro, Asparte evitam a hiperglicemia pós-prandial Arq Bras Endrocrinol Metab 2008;52/2
  • 49. Tratamentos Farmacológicos sub- cutâneos: Insulinas disponíveis Rápida: Insulina Regular, aplicada ao acordar e no final da tarde Intermediária: NPH, manutenção dos níveis deIntermediária: NPH, manutenção dos níveis de insulina “normais” durante todo o dia Arq Bras Endrocrinol Metab 2008;52/2
  • 50. Tratamentos Farmacológicos sub- cutâneos: Insulinas disponíveis Ação Longa: Glargina/Basal e Insulina Ultra-lenta: períodos pré-prandiais e de jejum; Arq Bras Endrocrinol Metab 2008;52/2
  • 51. Farmacocinética das Insulinas Fonte: Arq Bras Endocrinol Metab vol.52 no.2 São Paulo Mar. 2008
  • 52. Orientações para o armazenamento e transporte de Insulina Não expor a insulina ao Sol e ao calor excessivo Não armazenar na porta da geladeira e nem congelar Não transportar com gelo Em viagem, não colocar a insulina na bagagemEm viagem, não colocar a insulina na bagagem Não agitar violentamente o frasco de insulina Validade: 2 anos, refrigerada a 2°- 8°C, 30 dias na caneta ou no reservatório de insulina nas Bombas. Em temperatura ambiente 15-30ºC descartar após 30 dias
  • 53. Locais e dispositivos para aplicar Insulinas BRAÇOS (parte externa e superior) http://images.google.com.br/imgres?imgurl =http://www.walterminicucci.com.br (parte externa e superior) COXAS (parte anterior e lateral) REGIÂO ABDOMINAL REGIÃO GLÚTEA http://www.saude.rio.rj.gov.br/media/locais. pdf
  • 54. Etapas para aplicação da insulina
  • 55. Auto-aplicação com seringa FAÇA ASSIMFAÇA ASSIM http://www.youtube.com/ watch?v=YBS_B9I8W54
  • 56. Como monitorar o tratamento da hiperglicemia? Automonitorização das glicemias Monitoramento contínuo da glicose Dosar Hemoglobina Glicada (A1c)
  • 57. Correspondência entre níveis de A1C e níveis médios de glicemia Nível de A1C Estudo DCCT Estudo ADAG 4 65 68 5 100 97 6 135 126 6.5 Meta - SBD 152 140 7 Meta - ADA 170 154 8 205 183 9 240 212 10 275 240 11 310 269 12 345 298 Fonte: Posicionamento Oficial 3a. Edição 2009 – Grupo Interdisciplinar de Padronização da Hemoglobina Glicada - A1C
  • 58. A1c e Glicemia Média Estimada Calculadora automática no link: http://professional.diabetes.org/gluco secalculator.aspx http://www.diabetes.org.br
  • 59. Alvos do tratamento do DM 1 Horário Glicemia (mg/dL) Pré-prandial 70-130 1 hora pós-prandial 100-180 2 horas pós-prandial 80-150 Fonte: Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2009/SBD 3ª edição
  • 60. Parâmetros ideais para o DM 2 Glicose plasmática (mg/dL) A1c % Colesterol (mg/dL) Triglicérides (mg/dL) PA (mmHg) IMC (kg/m²) Jejum 110 Total <200Jejum 110 2 horas pós- prandial 140 < 7 Total <200 HDL-c >45 LDL- c <100 <150 Sistólica <135 Diastólica <80 20-25 Fonte: Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2009/SBD 3ª edição
  • 61. Considerações Clínicas Especiais Disfunção renal: evitar METFORMINA (creatinina >1,4mg/dL em mulheres e >1,5mg/dL em homens) CLORPROPAMIDA e glibenclamida (a melhor opção), usando doses menores. Disfunção hepática: evitar METFORMINA e GLIPIZIDA Considerar GLICLAZIDA ou GLIBENCLAMIDA (sempre iniciar com doses menores do que as usuais). Consumo excessivo de álcool: evitar CLORPROPAMIDA (efeito antabuse-símile) e METFORMINA (risco de acidose láctica, se houver disfunção hepática).disfunção hepática). Pacientes idosos: evitar CLORPROPAMIDA e GLIBENCLAMIDA (maior risco de hipoglicemia). Considerar GLICLAZIDA, GLIPIZIDA ou GLIMEPIRIDA. ACARBOSE pode ser útil nos pacientes com hipoglicemias frequentes. METFORMINA também pode ser usada nos pacientes obesos, monitorando-se a função renal. Gravidez e lactação: nunca usar agentes hipoglicemiantes orais, somente INSULINA. OBS: SUSPENDER METFORMINA antes de procedimentos contrastados
  • 62.
  • 63. DADOS DA CIDADE DE PETRÓPOLIS O município é constituído de 5 distritos: Petrópolis,Petrópolis, Cascatinha, Itaipava, Pedro do Rio e Posse Nascimentos – 4.079 pessoas Óbitos – 2.563 pessoas (Fonte: IBGE,Estatística do Registro Civil de 2008. Rio de Janeiro: IBGE, 2009)
  • 64. Serviços de Saúde 2005 Estabelecimentos de Saúde total 140 estabelecimentos Estabelecimentos de Saúde SUS 77 estabelecimentos Leitos para internação em Estabelecimentos de Saúde total 1.415 leitos Leitos para internação em Estabelecimentos de Saúde 205 leitos Estabelecimentos de Saúde público total Leitos para internação em Estabelecimentos de Saúde privado total 1.210 leitos Leitos para internação em Estabelecimentos de Saúde privado SUS 1.018 leitos http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1
  • 65. Estimativa da População 2009 População estimada 315.119 pessoas Morbidades Hospitalares 2008 Óbitos hospitalares – Homens 551 óbitos Óbitos hospitalares – Mulheres 440 óbitos Óbitos hospitalares – doenças infecciosas e parasitárias 144 óbitosÓbitos hospitalares – doenças infecciosas e parasitárias 144 óbitos Óbitos hospitalares – causas externas de morbidade e mortalidade 1 óbito http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1
  • 66. Estatísticas do Cadastro Central de Empresas 2007 Número de unidades locais 9.571 Unidades Pessoal ocupado total 74.868 Pessoas http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1
  • 67. Preocupações com a saúde Lei nº 6549 de 30 de abril de 2008 Institui a Semana de Conscientização sobre os riscos do infarto, hipertensão e diabetes, noriscos do infarto, hipertensão e diabetes, no âmbito do Município de Petrópolis: comemorado na última semana do mês de setembro
  • 68. Implantação do Serviço de AtenFar aos diabéticos Ouvir as perguntas com atenção Estimula o paciente a encontrar as respostas Informar com palavras simplesInformar com palavras simples Evitar expressões negativas Fazer a síntese da conversa e pedir ao indivíduo para repetir a informação Manifestar disponibilidade
  • 69. Necessidades dos Cuidados Farmacêuticos Altos custos controle metabólico tratamento das complicações Incapacitações e encurtamento de vida útil cegueira, amputações Morte prematura (cardiopatias)
  • 70. Atendimento Farmacêutico Agendamento Entrevista Preenchimento da Ficha Farmacoterapêutica Estudo de Caso Intervenção farmacêutica Acompanhamento
  • 71. 1. Identificação do paciente ou representante legal Nome:__________________________________________________Idade: _____________ Endereço: ________________________________________________________________ Telefone: ___________________________ Registro: ____________________ CPF: _________________________ Identidade: _________________________ 2. Declaro para os devidos fins que eu, __________________________________________, e/ou pelo menos um de meus familiares abaixo assinado fomos esclarecidos(as), de maneira clara e compreensível, pelo(a) Dr(a) _______________________________, CRF nº _______ a proposta de seguimento farmacoterapêutico. Declaro estar ciente, informado(a) e entender que o objetivo desse atendimento é orientar usuários de medicamentos em relação ao uso correto, cuidados na administração e guarda AUTORIZAÇÃO PARA SEGUIMENTO FARMACOTERAPÊUTICO Termo de Consentimento Livre EsclarecidoTermo de Consentimento Livre EsclarecidoTermo de Consentimento Livre EsclarecidoTermo de Consentimento Livre Esclarecido usuários de medicamentos em relação ao uso correto, cuidados na administração e guarda domiciliar dos mesmos, bem como para conhecer o significado do uso de medicamentos a fim de alcançar e obter o melhor resultado no meu tratamento. Declaro estar ciente que minha participação no atendimento é voluntária, portanto não sou obrigado(a) a participar e posso desistir no momento que quiser. Declaro que autorizo a utilização de material e documentação sem identificações pessoais, relativos à minha patologia, para integrar artigos científicos publicados, ou apresentações em congressos, palestras, aulas, reuniões científicas ou outro meio de divulgação técnico científica que vise aprofundar o conhecimento de minha patologia, pelos demais profissionais de saúde. Declaro que tive a oportunidade de fazer perguntas e todas elas foram respondidas inteira e satisfatoriamente. Declaro ainda que estou satisfeito(a) com as informações recebidas e que compreendo o objetivo desse atendimento. Dou o meu consentimento para que o mesmo seja realizado. A presente declaração foi lida e compreendida em todos os seus termos. Rio de Janeiro,______ de __________________ de _________ . Hora_____: _____ ______________________________ _______________________________________ Assinatura do Farmacêutico Assinatura do Usuário ou Responsável
  • 72. Educação em saúde Dieta: plano alimentar compatível com a Elementos principais no tratamento do paciente diabético Dieta: plano alimentar compatível com a realidade do paciente Exercício físico Tratamento medicamentoso (MURILLO,FERNÁNDEZ-LLIMÓS, VALLS, 2004.)
  • 73. PROTOCOLO DE ATENDIMENTO EM ATENÇÃO FARMACÊUTICA Data: _____/_____/_______ Anamnese feita por: __________________________________ 1. Identificação do Paciente: NOME: ________________________________________________ Prontuário: _____________ Telefone ou outro meio de contato:________________________________________________ Data Nasc:____/____/____ Idade: _______ anos Gênero: Masc ( ) Fem ( ) Peso: _______ Kg Altura: _________ m IMC: ________ Kg/m2 Cintura: ______ cm Quadril: ________cm RCQ _______ PA: _________( )S ( ) D ( ) Em pé Escolaridade: ___________________________________________________ Atividade profissional:_____________________________________________ Horário de trabalho: ______________________________________________ Onde mora (cidade/bairro): ________________________________________ Com quem mora?________________________________________________ Alguém ajuda a tomar os medicamentos? ( ) Não ( ) Sim Quem? ________________________________________________________
  • 74. 2. PROBLEMA(S) DE SAÚDE Problema de saúde/queixa Início Diagnóstico Situação Nota: Início: data aproximada de início doproblema ou queixa / Diag - Diagnóstico: M (médico) SDM (sem diagnóstico médico) Q (queixa) Sit - Situação: C = controlado, NC= não controlado
  • 75. 3. M E D IC AM E N TO S E M U S O (RE G UL AR E S O U E S P O R ÁD IC O S ) (pre scrito s o u nã o p re scrito s p o r m é d ico ) M ed icam e n to : No m e co m ercia l: No m e g en é rico : 1. Q ue m p re scre ve u ? 2. P a ra qu e u tiliza ? 3. D e sde q ua n d o u sa ? 4. C om o u sa ? 5. A té qu a nd o va i usa r? 6. A p rese n ta a lg u m a dificu lda d e p a ra u sar? 7. A lgu m p ro b le m a com ad m inistra çã o d o me d icam e n to ? 8. O bse rvaçõ e s re le va n te s: 9. Fa le um po u co so bre co m o é pa ra vo cê fa zer uso de m e d ica m e ntos?
  • 76. 4. HÁBITOS DE VIDA Alimentação: Quantas refeições faz por dia? Descreva a característica das refeições: 1. Fuma? ( ) Não ( ) Sim Se não: Já fumou antes? ( ) Não ( ) Sim. Há quanto tempo parou? ____________________________________________________ Se sim. Quantos cigarros fuma por dia? ____________________________________________________ 2. Consome bebida alcoólica? ( ) Não ( ) Sim Se não: Já bebeu com regularidade antes? ? ( ) Não ( ) Sim. Há quanto tempo parou? __________________________________________________________ 3. Tem costume de beber: Café? Quantas vezes por dia? _______________________________________________________________________________ Chá? Qual? Quantas vezes por dia? 4. Pratica exercício físico? ( ) Não ( ) Sim Que exercício? __________________________________________________________________ Com que regularidade? Quantas vezes por semana? _______________________________________________________________________________
  • 78. 6. INTERVENÇÃO FARMACÊUTICA Quanto aos medicamentos: Por escrito para: ( ) Paciente ( ) Médico ( ) Outros ( ) Oral ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________ Em relação a hábitos de vida: Por escrito para: ( ) Paciente ( ) Médico ( ) Outros ( ) OralEm relação a hábitos de vida: Por escrito para: ( ) Paciente ( ) Médico ( ) Outros ( ) Oral ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________
  • 79. MEDICAMENTOS DOSE HORÁRIOS SUGERIDOS TABELA DE ORIENTAÇÃO FARMACÊUTICA
  • 80. Manter níveis glicêmicos próximos a normalidade Controle do tabaco, peso, colesterol e hipertensão arterial sistêmica Objetivos a serem alcançadosObjetivos a serem alcançados após o atendimentoapós o atendimento arterial sistêmica Prevenir o risco das complicações Integração a equipe de saúde (MURILLO,FERNÁNDEZ-LLIMÓS, VALLS, 2004.)
  • 81. Plano de Cuidados: Relação Paciente-Farmacêutico- Médico IMPORTANTE ASSINAR O TCLE Auto-monitoramento da glicemiaAuto-monitoramento da glicemia Alimentação Exercícios Físicos Exames de Rotina
  • 82. PARÂMETRO META PERIODICIDADE Plano alimentar Alimentação saudável IMC > 18,5 e < <25kg/m2 ou perda de peso Verificar e orientar a cada consulta Atividade física > 30 min/d ou > 1h/dia (perda/manutenção de peso) Verificar e orientar a cada consulta Fumo Não fumar Verificar e orientar a cada consulta Hemoglobina glicada (A1C) <7% A cada 3 meses até alcançarHemoglobina glicada (A1C) <7% A cada 3 meses até alcançar controle; depois, a cada 6 meses Glicemia de jejum 90-130 mg/dL Mensal Colesterol LDL <100 mg/dL Anual Colesterol HDL >40 mg/dL Anual Triglicerídeos <150 mg/dL Anual Pressão arterial <130/80 mmHg A cada consulta Vacinação* * Vacina pneumocócica: Influenza Vacinação anual (Uma vez, depois reforço após 65 anos).
  • 83. Condições clínicas para o tratamento imediato com insulina (sem outro medicamento) Emagrecimento rápido e inexplicado Hiperglicemia grave (> 270 mg/dL), cetonúria e cetonemia Doença renal Infecção Cirurgia Fase aguda de AVC, IAM, pacientes criticamente enfermos