SlideShare uma empresa Scribd logo
ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOÃO CRUZ 
Título: O retrato real da sociedade burguesa no século 
XIX pela percepção do Movimento Literário Realismo 
no Brasil 
Disciplina: Língua Portuguesa 
Professor: Maria Piedade Teodoro da Silva 
Alunos: João Pedro Ferreira Nº 20 
Yasmym de Oliveira Bicudo Nº39 
Série: 2º ano do ensino médio B 
Jacareí 
2014 
Sumario 
1. INTRODUÇÃO .........................................................................3 
1 
1
2. O RETRATO DO MOVIMENTO LITERÁRIO REALISMO........4 
O Contexto histórico na Europa e no 
Brasil..................................................................................4 
Movimento Literário Realismo ..........................................4 
2.3 Características do Movimento Literário Realismo 
no Brasil ...................................................................................5 
2.4 Machado de Assis: grande representante do Realismo 
brasileiro .................................................................................6 
2.5 Estilo machadiano de escrever...........................................6 
2.6 Obras representativas de Machado ...................................7 
2.6.1 Memórias Póstumas de Brás Cubas........................................7 
2.6.2 Dom Casmurro .........................................................................8 
3. CONSIDERAÇÕES FINAIS ......................................................9 
4. REFERÊNCIAS ........................................................................10 
5. ANEXO .....................................................................................11 
1. INTRODUÇÃO 
O Movimento Literário Realismo foi uma manifestação artística e 
literária que surgiu na metade do século XIX. Esse período literário foi 
2 
2
marcado pela preocupação de retratar de forma real a sociedade burguesa 
do século XIX com suas preocupações e problemas. Esse movimento 
literário importa-se com o fato de ser uma manifestação carregada de temas 
sociais e de buscar discutir o comportamento do ser humano. A pesquisa, 
então, busca desenvolver a temática O retrato real da sociedade burguesa 
no século XIX pela percepção do Movimento Literário Realismo e assim 
atender a exigência do Currículo do Estado de São Paulo, além de mostrar 
aos alunos a importância do Movimento Literário Realismo dentro do 
contexto social e cultural a partir dos meados do século XIX no Brasil, porém, 
destacando a figura relevante de Machado de Assis, considerado como um 
escritor de todos os tempos. 
O artigo, portanto, intenciona responder questões sobre as principais 
características do Movimento Literário Realismo no Brasil, além de atentar 
para o estilo e obras machadianas. 
Quanto à expectativa, na conclusão do artigo, espera-se que, com 
esse trabalho, não só os leitores como o grupo aprendam sobre o Movimento 
Literário Realismo, e que consigam compreender seu contexto de produção 
para conhecer melhor Machado de Assis, um dos principais autores da 
literatura realista brasileira. 
2. O RETRATO DO MOVIMENTO LITERARIO REALISMO 
2.1 O contexto histórico na Europa e no Brasil 
Em meados do século XIX, ocorreu no Brasil uma forte reação à 
estética romântica. Artistas e escritores passavam a buscar uma linguagem 
3 
3
capaz de abordar de modo mais “real” a vida cotidiana de ricos e pobres. Os 
últimos anos do século XIX, foi marcado por vários acontecimentos 
importantes nas esferas política e social do país. A segunda metade do 
século XIX foi um período marcado por muitos acontecimentos importantes. 
Entre esses acontecimentos, destacam-se a segunda Revolução Industrial e 
o surgimento do movimento operário. A industrialização entra em uma nova 
fase, caracterizada por inovações que levaram os historiadores a classificá-la 
como Segunda Revolução Industrial. 
Enquanto no Brasil, os movimentos sociais giram em torno da 
Abolição da Escravatura e o prenúncio das manifestações á favor da 
Proclamação da República. 
2.2 Movimento Literário Realismo 
O Movimento Literário Realismo possuia um forte caráter ideológico, 
marcado por uma linguagem política e de denúncia dos problemas sociais 
como, por exemplo, miséria, pobreza, exploração, corrupção entre outros. 
Uma das correntes do Realismo foi o Naturalismo, na qual a objetividade 
está presente, porém sem o conteúdo ideológico. Com uma linguagem clara, 
os artistas e escritores realistas iam diretamente ao foco da questão, 
reagindo, desta forma, ao subjetivismo do Romantismo. 
Os escritores pertencentes ao Realismo faziam parte de segmentos 
sociais que tiveram sua origem na burguesia e nas camadas médias da 
sociedade. Tal fato reflete a tendência dessa mesma burguesia em assumir o 
comando das discussões estéticas e políticas de seu tempo. Um dos mais 
importantes autores brasileiros é Machado de Assis. 
2.3 Características do Movimento Literário Realismo no Brasil 
4 
4
O excessivo subjetivismo romântico é substituído pela descrição da realidade 
(e da relação do homem com a sociedade). 
Influência de movimentos políticos (socialismo, comunismo, anarquismo etc.). 
Naquele tempo contava apenas uns quinze ou 
dezesseis anos; era talvez a mais atrevida criatura 
da nossa raça, e, com certeza, a mais voluntariosa. 
Não digo que já lhe coubesse a primazia da beleza, 
entre as mocinhas do tempo, porque isto não é 
romance, em que o autor sobredoura a realidade e 
fecha os olhos às sardas e espinhas; mas também 
não digo que lhe maculasse o rosto nenhuma sarda 
ou espinha, não. Era bonita, fresca, saía das mãos 
da natureza, cheia daquele feitiço, precário e eterno, 
que o indivíduo passa a outro indivíduo, para os fins 
secretos da criação. Era isto Virgília, e era clara, 
muito clara, faceira, ignorante, pueril, cheia de uns 
ímpetos misteriosos; muita preguiça e alguma 
devoção, - devoção, ou talvez medo; creio que medo. 
(ASSIS, 1889) 
A ciência se afirma como único método para se conhecer, efetivamente, a 
realidade. 
Supõe tu um campo de batatas e duas tribos famintas. As 
batatas apenas chegam para alimentar uma das tribos, que 
assim adquire forças para transpor a montanha e ir à outra 
vertente, onde há batatas em abundância; mas, se as duas 
tribos dividirem em paz as batatas do campo, não chegam a 
nutrir-se suficientemente e morrem de inanição. A paz, nesse 
caso, é a destruição; a guerra é a conservação. Uma das 
tribos extermina a outra e recolhe os despojos. (...) a ao 
vencido, ódio ou compaixão; ao vencedor, as batatas. Teoria 
5 
5
do Humanitismo (Quincas Borba) (ASSIS, 1898) 
Novos campos do conhecimento (como a sociologia e a psicologia) influenciam a 
literatura. 
ENQUANTO uma chora, outra ri; é a lei do mundo, meu rico 
senhor; é a perfeição universal. Tudo chorando seria 
monótono, tudo rindo cansativo; mas uma boa distribuição de 
lágrimas e polcas, soluços e sarabandas, acaba por trazer à 
alma do mundo a variedade necessária, e faz-se o equilíbrio 
da vida... QUINCAS BORBA 
CAPÍTULO XLV (ASSIS, 1898) 
O "eu" literário não será mais fruto da espontaneidade ou da emotividade, como 
no Romantismo, mas de uma reflexão muitas vezes aguda e sempre consciente 
dos limites que a sociedade impõe ao homem - e das angústias e insatisfações daí 
decorrentes. "Cada qual sabe amar a seu modo; o modo, pouco importa; o 
essencial é que saiba amar." (ASSIS); " A vida é cheia de obrigações que a 
gente cumpre por mais vontade que tenha de as infringir deslavadamente."; 
" Esta é a grande vantagem da morte, que, se não deixa boca para rir, 
também não deixa olhos para chorar[...]" 
2.4 Machado de Assis: grande representante do Realismo brasileiro 
No Brasil, o principal representante da prosa realista é o carioca 
José Maria Machado de Assis. Os romances da fase “madura” do escritor 
são considerados realistas, pois desmascaram os interesses que estão por 
trás das relações sociais e analisam seus personagens de um ponto de vista 
psicológico; porém, Machado vai além disso. É um escritor que desafiou a 
tradição, trazendo inovações que fazem de sua obra um marco na literatura 
brasileira e ocidental. Ele usava e abusava da narrativa minuciosa, narrativa 
na qual, contém muitos detalhes. A grande transformação ns literatura 
6 
6
machadiana, ocorreu com a publicação de Memórias póstumas de Brás 
Cubas, obra de 1881, marco inicial do Realismo literário no Brasil. Escrito de 
forma inovadora, Memórias póstumas traz a figura inusitada do defunto Brás 
Cubas a relatar episódios de sua vida. 
Logo na abertura do romance, momento em que o narrador-personagem 
faz suas considerações sobre o modo como irá contar a sua 
sua história, evidencia-se uma das tônicas da escrista realista de Machado 
de Assis a ironia. 
2.5 O estilo machadiano de escrever 
A complexidade de suas obras se reflete na caracterização psicológica de 
suas personagens e no retrato criado para a sociedade da época. A 
paisagem preferida é a humana, expressa através de sutilezas que dão 
originalidade ao trabalho. Os temas comuns são: o adultério, o casamento, 
visto como forma de comércio ou troca de favores, a exploração do homem 
pelo próprio homem. As mulheres são o ponto forte da criação machadiana. 
A figura feminina representa mulheres sedutoras, adúlteras, fatais e 
dominadoras. Elas estão presentes também em seus contos, cerca de quase 
duzentos. As obras apresentam peculiaridades que denotam a preocupação 
consciente do escritor com a linguagem. 
2.6 Obras representativas de Machado 
Teatro Conto Romance Poesi 
a 
7 
7
Desencanto,1861 Contos 
Fluminenses, 
1866 
Ressurreição, 
1872 
Falen 
as, 
1870 
Queda que as 
mulheres têm 
pelos Tolos, 1861 
Várias 
Histórias, 
1896 
A mão e a 
Luva, 1874 
Os Deuses de 
Casaca, 1861 
História da 
Meia Noite, 
1873 
Quincas 
Borba, 1891 
2.6.1 Memórias Póstumas de Brás Cubas 
A personagem principal é Brás Cubas, que, assim como Bentinho de 
Dom Casmurro, decide escrever sua autobiografia. O problema é que Brás 
Cubas está morto. Ora, um romance ter um defunto como narrador não é 
nada realista. Livre da opinião alheia, o falecido Brás Cubas sente-se à 
vontade para contar episódios nada edificantes de sua trajetória. Um deles é 
o relacionamento amoroso com Marcela, que o amou “durante quinze meses 
e onze contos de réis”. Com isso, Machado desconstrói a visão idealizada do 
amor, fazendo uma sátira aos romances românticos do tipo “água com 
açúcar”. 
Ocorre-me uma reflexão imoral, que é ao 
mesmo tempo uma correção de estilo. 
8 
8
Cuido haver dito, no capítulo XIV,Marcela 
morria de amores pelo Xavier. Não morria, 
vivia. 
Viver não é a mesma coisa que 
morrer; assim o afirmam todos o joalheiros 
deste mundo, gente muito vista na 
gramática. Bons joalheiros, que seria do 
amor se não fossem os vossos dixes e 
fiados? Um terço ou um quinto do universal 
comércio dos corações. Esta é a reflexão 
imoral que eu pretendia fazer, a qual é ainda 
mais obscura do que imoral, porque não se 
entende bem o que eu quero dizer. O que eu 
quero dizer é que a mais bela testa do mundo 
não fica menos bela, se a cingir um diadema 
de pedras finas; nem menos bela, nem 
menos amada. Marcela, por exemplo, que era 
bem bonita, 
Marcela amou-me....(ASSIS, 1881). 
2.6.2 Dom Casmurro 
Dom Casmurro é um romance escrito por Machado de Assis, em 
1899, que foi publicado pela Livraria Garnier. Para retratar a história, 
Machado de Assis usou várias ferramentas literárias que deixou a obra 
interessante do ponto de vista literário. O sucesso do livro se deu no uso dele 
para a criação de outras obras e adaptações como filmes e peças de teatros. 
Houve até vários estudos sobre os temas abordados no livro, desde estudos 
psicólogos e psicanalistas até por movimentos feministas. Além disso, Dom 
Casmurro influenciou diversos escritores famosos , considerado assim como 
uma das obras mais importante da literatura brasileira. 
Não consultes dicionários. Casmurro não 
9 
9
está aqui no sentido que eles lhe dão, mas no 
que lhe pôs o vulgo de homem calado e 
metido consigo. Dom veio por ironia, para 
atribuir-me fumos de fidalgo. Tudo por estar 
cochilando! Também não achei melhor 
título para a minha narração - se não tiver 
outro daqui até ao fim do livro, vai 
este mesmo. O meu poeta do trem ficará 
sabendo que não lhe guardo 
rancor. E com pequeno esforço, 
sendo o título seu, poderá cuidar que a obra é 
sua. Há livros que apenas terão isso dos seus 
autores; alguns nem tanto.(ASSIS, 1899). 
3. CONSIDERAÇÕES FINAIS 
Esse trabalho teve como objetivo esclarecer as questões que foram 
propostas no inicio, e buscar passar conhecimento aos alunos (a) diante 
desse trabalho para que almejem sempre mais sobre o Movimento Literário 
Realismo e seus principais autores. 
Ao concluirmos o trabalho tivemos uma percepção do Movimento 
Literário Realismo, seu contexto histórico e suas origens revolucionárias, 
tanto na Europa quanto no Brasil. Assim, como o conhecimento sobre o 
talentoso autor José Maria Machado de Assis algumas obras como, 
Memórias Póstumas de Brás Cubas e Dom Casmurro, além de conhecer seu 
estilo Machadiano de escrever, que era um estilo revolucionário na epoca e 
creio que ainda é, pois com suas obras levava o leitor ao mundo “novo”, que 
digamos que ninguém conhecia, talvez vivessem nele mas não enxergassem 
o que realmente passava dentre eles, como a exploração do homem pelo 
próprio homem entre outros. 
10 
10
4. REFERÊNCIAS 
; ASSIS, Machado de. Dom Casmurro, 1899 
; ASSIS, Machado de. Memória Póstumas de Brás Cubas, 1881 
; Disponível em <http://www.webartigos.com/artigos/o-realismo-em-portugal- 
e-no-brasil/40058/> acesso em 27/11/2014 às 11:40. 
; Disponível em <http://aprovadonovestibular.com/realismo-autores-obras- 
caracteristicas.html> acesso em 16/11/2014 às 07:30 
; Disponível em <http://www.suapesquisa.com/machadodeassis/> 
acesso em 23112014 às 10:20 
; Disponível<http://www.mundovestibular.com.br/articles/235/1/Conte 
udo-Enem-Os-Movimentos-Literarios/Paacutegina1.html> acesso 
em 23112014 às 10:36 
; Disponível<http://educacao.globo.com/literatura/assunto/moviment 
os-literarios.html> acesso em 28112014 às 10:36 
11 
11
5. ANEXO 
Machado de Assis. 
- “A vida sem luta é um mar morto no centro do organismo universal.” 
Machado de Assis 
12 
-“Botas...as botas apertadas são uma das maiores venturas da terra, porque, 
fazendo doer os pés, dão azo ao prazer de as descalçar.” 
12
Machado de Assis 
13 
13

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Recursos EstilíSticos
Recursos EstilíSticosRecursos EstilíSticos
Recursos EstilíSticos
Catarina_gomes
 
Análise do poema viajar Perder Países
Análise do poema viajar Perder PaísesAnálise do poema viajar Perder Países
Análise do poema viajar Perder Países
Ricardo Santos
 
Pontuação
PontuaçãoPontuação
Pontuação
Ana Arminda Moreira
 
Coesao textual 1
Coesao textual 1Coesao textual 1
Coesao textual 1
Catarina Labisa
 
Relação entre as palavras
Relação entre as palavrasRelação entre as palavras
Relação entre as palavras
nelsonalves70
 
Estruturas textuais em o rio da minha aldeia
Estruturas textuais em o rio da minha aldeiaEstruturas textuais em o rio da minha aldeia
Estruturas textuais em o rio da minha aldeia
Aires Jones
 
Fernando pessoa ortónimo
Fernando pessoa ortónimoFernando pessoa ortónimo
Fernando pessoa ortónimo
Raquel Martins
 
Metrificação
MetrificaçãoMetrificação
Termos da oração
Termos da oraçãoTermos da oração
Termos da oração
ma.no.el.ne.ves
 
Cantigas
CantigasCantigas
Intertextos
IntertextosIntertextos
Intertextos
António Fraga
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
José Antonio Ferreira da Silva
 
Semântica: dêixis e anáfora
Semântica: dêixis e anáforaSemântica: dêixis e anáfora
Semântica: dêixis e anáfora
vinivs
 
Figuras de-linguagem
Figuras de-linguagemFiguras de-linguagem
Figuras de-linguagem
Bovary16
 
Elementos da narrativa
Elementos da narrativaElementos da narrativa
Elementos da narrativa
ma.no.el.ne.ves
 
Ficha informativa_ Recursos Expressivos
Ficha informativa_ Recursos ExpressivosFicha informativa_ Recursos Expressivos
Ficha informativa_ Recursos Expressivos
Raquel Antunes
 
Pp intertextualidade1
Pp intertextualidade1Pp intertextualidade1
Pp intertextualidade1
telasnorte1
 
Recursos Estilísticos
Recursos EstilísticosRecursos Estilísticos
Recursos Estilísticos
Rosalina Simão Nunes
 
Condessa de Gouvarinho e Raquel Cohen-Maias
Condessa de Gouvarinho e Raquel Cohen-MaiasCondessa de Gouvarinho e Raquel Cohen-Maias
Condessa de Gouvarinho e Raquel Cohen-Maias
nanasimao
 
Prosa x poema x soneto
Prosa x poema x sonetoProsa x poema x soneto
Prosa x poema x soneto
Valeria Nunes
 

Mais procurados (20)

Recursos EstilíSticos
Recursos EstilíSticosRecursos EstilíSticos
Recursos EstilíSticos
 
Análise do poema viajar Perder Países
Análise do poema viajar Perder PaísesAnálise do poema viajar Perder Países
Análise do poema viajar Perder Países
 
Pontuação
PontuaçãoPontuação
Pontuação
 
Coesao textual 1
Coesao textual 1Coesao textual 1
Coesao textual 1
 
Relação entre as palavras
Relação entre as palavrasRelação entre as palavras
Relação entre as palavras
 
Estruturas textuais em o rio da minha aldeia
Estruturas textuais em o rio da minha aldeiaEstruturas textuais em o rio da minha aldeia
Estruturas textuais em o rio da minha aldeia
 
Fernando pessoa ortónimo
Fernando pessoa ortónimoFernando pessoa ortónimo
Fernando pessoa ortónimo
 
Metrificação
MetrificaçãoMetrificação
Metrificação
 
Termos da oração
Termos da oraçãoTermos da oração
Termos da oração
 
Cantigas
CantigasCantigas
Cantigas
 
Intertextos
IntertextosIntertextos
Intertextos
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Semântica: dêixis e anáfora
Semântica: dêixis e anáforaSemântica: dêixis e anáfora
Semântica: dêixis e anáfora
 
Figuras de-linguagem
Figuras de-linguagemFiguras de-linguagem
Figuras de-linguagem
 
Elementos da narrativa
Elementos da narrativaElementos da narrativa
Elementos da narrativa
 
Ficha informativa_ Recursos Expressivos
Ficha informativa_ Recursos ExpressivosFicha informativa_ Recursos Expressivos
Ficha informativa_ Recursos Expressivos
 
Pp intertextualidade1
Pp intertextualidade1Pp intertextualidade1
Pp intertextualidade1
 
Recursos Estilísticos
Recursos EstilísticosRecursos Estilísticos
Recursos Estilísticos
 
Condessa de Gouvarinho e Raquel Cohen-Maias
Condessa de Gouvarinho e Raquel Cohen-MaiasCondessa de Gouvarinho e Raquel Cohen-Maias
Condessa de Gouvarinho e Raquel Cohen-Maias
 
Prosa x poema x soneto
Prosa x poema x sonetoProsa x poema x soneto
Prosa x poema x soneto
 

Semelhante a O retrato real da sociedade burguesa no século XIX pela percepção do Movimento Literário Realismo no Brasil

Movimento Literário Realismo
Movimento Literário RealismoMovimento Literário Realismo
Movimento Literário Realismo
David Souza
 
Higor e beatriz trabalho de portugues - Movimento Literario Realismo
Higor e beatriz trabalho de portugues - Movimento Literario RealismoHigor e beatriz trabalho de portugues - Movimento Literario Realismo
Higor e beatriz trabalho de portugues - Movimento Literario Realismo
Higor Souza Sant'Ana
 
Alunas: Caroline Segall e Gabriela Rovani
 Alunas: Caroline Segall e Gabriela Rovani  Alunas: Caroline Segall e Gabriela Rovani
Alunas: Caroline Segall e Gabriela Rovani
Carol Segall
 
Movimento Literário Realismo
Movimento Literário Realismo Movimento Literário Realismo
Movimento Literário Realismo
Luiz Fernando
 
Realismo: Retrato da sociedade brasileira com base em obras Machadianas.
Realismo: Retrato da sociedade brasileira com base em obras Machadianas.Realismo: Retrato da sociedade brasileira com base em obras Machadianas.
Realismo: Retrato da sociedade brasileira com base em obras Machadianas.
Jose Denilson Figueira
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Salete Costa
 
webnode
webnodewebnode
webnode
pauloyjosiele
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
ANDRESSASILVADESOUSA
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
AliceEmanuelladeOliv
 
realismo-naturalismo resumo slides.ppt
realismo-naturalismo resumo slides.pptrealismo-naturalismo resumo slides.ppt
realismo-naturalismo resumo slides.ppt
Carlos100coliCoimbra
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
LeandroBolivar1
 
Movimento Literário Realismo: Realismo, movimento literário compromissado em ...
Movimento Literário Realismo: Realismo, movimento literário compromissado em ...Movimento Literário Realismo: Realismo, movimento literário compromissado em ...
Movimento Literário Realismo: Realismo, movimento literário compromissado em ...
Dafne Beatriz Santos
 
Aula machado de assis
Aula   machado de assisAula   machado de assis
Aula machado de assis
Abrahão Costa de Freitas
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
RealismoRealismo
Machado de Assis: pioneiro na descoberta da alma humana
Machado de Assis: pioneiro na descoberta da alma humana Machado de Assis: pioneiro na descoberta da alma humana
Machado de Assis: pioneiro na descoberta da alma humana
Natalia Salgado
 
Realismo
RealismoRealismo
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Amanda Resende
 
A cartomante - conto de misterio.pptx
A cartomante - conto de misterio.pptxA cartomante - conto de misterio.pptx
A cartomante - conto de misterio.pptx
ProfGihAlves
 
Movimento Literário Realismo no Brasil
Movimento Literário Realismo no BrasilMovimento Literário Realismo no Brasil
Movimento Literário Realismo no Brasil
RuanGBA
 

Semelhante a O retrato real da sociedade burguesa no século XIX pela percepção do Movimento Literário Realismo no Brasil (20)

Movimento Literário Realismo
Movimento Literário RealismoMovimento Literário Realismo
Movimento Literário Realismo
 
Higor e beatriz trabalho de portugues - Movimento Literario Realismo
Higor e beatriz trabalho de portugues - Movimento Literario RealismoHigor e beatriz trabalho de portugues - Movimento Literario Realismo
Higor e beatriz trabalho de portugues - Movimento Literario Realismo
 
Alunas: Caroline Segall e Gabriela Rovani
 Alunas: Caroline Segall e Gabriela Rovani  Alunas: Caroline Segall e Gabriela Rovani
Alunas: Caroline Segall e Gabriela Rovani
 
Movimento Literário Realismo
Movimento Literário Realismo Movimento Literário Realismo
Movimento Literário Realismo
 
Realismo: Retrato da sociedade brasileira com base em obras Machadianas.
Realismo: Retrato da sociedade brasileira com base em obras Machadianas.Realismo: Retrato da sociedade brasileira com base em obras Machadianas.
Realismo: Retrato da sociedade brasileira com base em obras Machadianas.
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
webnode
webnodewebnode
webnode
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
 
realismo-naturalismo resumo slides.ppt
realismo-naturalismo resumo slides.pptrealismo-naturalismo resumo slides.ppt
realismo-naturalismo resumo slides.ppt
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
 
Movimento Literário Realismo: Realismo, movimento literário compromissado em ...
Movimento Literário Realismo: Realismo, movimento literário compromissado em ...Movimento Literário Realismo: Realismo, movimento literário compromissado em ...
Movimento Literário Realismo: Realismo, movimento literário compromissado em ...
 
Aula machado de assis
Aula   machado de assisAula   machado de assis
Aula machado de assis
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Machado de Assis: pioneiro na descoberta da alma humana
Machado de Assis: pioneiro na descoberta da alma humana Machado de Assis: pioneiro na descoberta da alma humana
Machado de Assis: pioneiro na descoberta da alma humana
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
A cartomante - conto de misterio.pptx
A cartomante - conto de misterio.pptxA cartomante - conto de misterio.pptx
A cartomante - conto de misterio.pptx
 
Movimento Literário Realismo no Brasil
Movimento Literário Realismo no BrasilMovimento Literário Realismo no Brasil
Movimento Literário Realismo no Brasil
 

Mais de Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP

Diferenças entre cartum charge e tira
Diferenças entre cartum charge e tiraDiferenças entre cartum charge e tira
Diferenças entre cartum charge e tira
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Classe gramatical 2014
Classe gramatical 2014Classe gramatical 2014
Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015
Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015
Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
A hora da_estrela
A hora da_estrelaA hora da_estrela
REALISMO E NATURALISMO
REALISMO E NATURALISMOREALISMO E NATURALISMO
A máscara da ópera em dom casmurro
A máscara da ópera em dom casmurroA máscara da ópera em dom casmurro
A máscara da ópera em dom casmurro
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Iracema de alencar
Iracema de alencarIracema de alencar
Sintaxe do periodo simples
Sintaxe do periodo simplesSintaxe do periodo simples
Orações subordinadas adverbiais 2014
Orações subordinadas adverbiais 2014Orações subordinadas adverbiais 2014
Orações subordinadas adverbiais 2014
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Orações subordinadas substantivas 2014
Orações subordinadas substantivas 2014Orações subordinadas substantivas 2014
Orações subordinadas substantivas 2014
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Gentileza gera gentileza (1)
Gentileza gera gentileza  (1)Gentileza gera gentileza  (1)
Gentileza gera gentileza (1)
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Movimento literário Trovadorismo 1º ano D 2013
Movimento literário Trovadorismo 1º ano D 2013Movimento literário Trovadorismo 1º ano D 2013
Movimento literário Trovadorismo 1º ano D 2013
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Movimento Literário Barroco do 1º ANO D
Movimento Literário Barroco do 1º ANO DMovimento Literário Barroco do 1º ANO D
Movimento Literário Barroco do 1º ANO D
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 

Mais de Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP (20)

Diferenças entre cartum charge e tira
Diferenças entre cartum charge e tiraDiferenças entre cartum charge e tira
Diferenças entre cartum charge e tira
 
Classe gramatical 2014
Classe gramatical 2014Classe gramatical 2014
Classe gramatical 2014
 
Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015
Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015
Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015
 
Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
 
A hora da_estrela
A hora da_estrelaA hora da_estrela
A hora da_estrela
 
REALISMO E NATURALISMO
REALISMO E NATURALISMOREALISMO E NATURALISMO
REALISMO E NATURALISMO
 
A máscara da ópera em dom casmurro
A máscara da ópera em dom casmurroA máscara da ópera em dom casmurro
A máscara da ópera em dom casmurro
 
Iracema de alencar
Iracema de alencarIracema de alencar
Iracema de alencar
 
Sintaxe do periodo simples
Sintaxe do periodo simplesSintaxe do periodo simples
Sintaxe do periodo simples
 
Orações subordinadas adverbiais 2014
Orações subordinadas adverbiais 2014Orações subordinadas adverbiais 2014
Orações subordinadas adverbiais 2014
 
Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014
 
Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014
 
Orações subordinadas substantivas 2014
Orações subordinadas substantivas 2014Orações subordinadas substantivas 2014
Orações subordinadas substantivas 2014
 
Gentileza gera gentileza (1)
Gentileza gera gentileza  (1)Gentileza gera gentileza  (1)
Gentileza gera gentileza (1)
 
Movimento literário Trovadorismo 1º ano D 2013
Movimento literário Trovadorismo 1º ano D 2013Movimento literário Trovadorismo 1º ano D 2013
Movimento literário Trovadorismo 1º ano D 2013
 
Movimento Literário Barroco do 1º ANO D
Movimento Literário Barroco do 1º ANO DMovimento Literário Barroco do 1º ANO D
Movimento Literário Barroco do 1º ANO D
 
Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
 
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
 
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
 
Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
 

Último

apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
marcos oliveira
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 

Último (20)

apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 

O retrato real da sociedade burguesa no século XIX pela percepção do Movimento Literário Realismo no Brasil

  • 1. ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOÃO CRUZ Título: O retrato real da sociedade burguesa no século XIX pela percepção do Movimento Literário Realismo no Brasil Disciplina: Língua Portuguesa Professor: Maria Piedade Teodoro da Silva Alunos: João Pedro Ferreira Nº 20 Yasmym de Oliveira Bicudo Nº39 Série: 2º ano do ensino médio B Jacareí 2014 Sumario 1. INTRODUÇÃO .........................................................................3 1 1
  • 2. 2. O RETRATO DO MOVIMENTO LITERÁRIO REALISMO........4 O Contexto histórico na Europa e no Brasil..................................................................................4 Movimento Literário Realismo ..........................................4 2.3 Características do Movimento Literário Realismo no Brasil ...................................................................................5 2.4 Machado de Assis: grande representante do Realismo brasileiro .................................................................................6 2.5 Estilo machadiano de escrever...........................................6 2.6 Obras representativas de Machado ...................................7 2.6.1 Memórias Póstumas de Brás Cubas........................................7 2.6.2 Dom Casmurro .........................................................................8 3. CONSIDERAÇÕES FINAIS ......................................................9 4. REFERÊNCIAS ........................................................................10 5. ANEXO .....................................................................................11 1. INTRODUÇÃO O Movimento Literário Realismo foi uma manifestação artística e literária que surgiu na metade do século XIX. Esse período literário foi 2 2
  • 3. marcado pela preocupação de retratar de forma real a sociedade burguesa do século XIX com suas preocupações e problemas. Esse movimento literário importa-se com o fato de ser uma manifestação carregada de temas sociais e de buscar discutir o comportamento do ser humano. A pesquisa, então, busca desenvolver a temática O retrato real da sociedade burguesa no século XIX pela percepção do Movimento Literário Realismo e assim atender a exigência do Currículo do Estado de São Paulo, além de mostrar aos alunos a importância do Movimento Literário Realismo dentro do contexto social e cultural a partir dos meados do século XIX no Brasil, porém, destacando a figura relevante de Machado de Assis, considerado como um escritor de todos os tempos. O artigo, portanto, intenciona responder questões sobre as principais características do Movimento Literário Realismo no Brasil, além de atentar para o estilo e obras machadianas. Quanto à expectativa, na conclusão do artigo, espera-se que, com esse trabalho, não só os leitores como o grupo aprendam sobre o Movimento Literário Realismo, e que consigam compreender seu contexto de produção para conhecer melhor Machado de Assis, um dos principais autores da literatura realista brasileira. 2. O RETRATO DO MOVIMENTO LITERARIO REALISMO 2.1 O contexto histórico na Europa e no Brasil Em meados do século XIX, ocorreu no Brasil uma forte reação à estética romântica. Artistas e escritores passavam a buscar uma linguagem 3 3
  • 4. capaz de abordar de modo mais “real” a vida cotidiana de ricos e pobres. Os últimos anos do século XIX, foi marcado por vários acontecimentos importantes nas esferas política e social do país. A segunda metade do século XIX foi um período marcado por muitos acontecimentos importantes. Entre esses acontecimentos, destacam-se a segunda Revolução Industrial e o surgimento do movimento operário. A industrialização entra em uma nova fase, caracterizada por inovações que levaram os historiadores a classificá-la como Segunda Revolução Industrial. Enquanto no Brasil, os movimentos sociais giram em torno da Abolição da Escravatura e o prenúncio das manifestações á favor da Proclamação da República. 2.2 Movimento Literário Realismo O Movimento Literário Realismo possuia um forte caráter ideológico, marcado por uma linguagem política e de denúncia dos problemas sociais como, por exemplo, miséria, pobreza, exploração, corrupção entre outros. Uma das correntes do Realismo foi o Naturalismo, na qual a objetividade está presente, porém sem o conteúdo ideológico. Com uma linguagem clara, os artistas e escritores realistas iam diretamente ao foco da questão, reagindo, desta forma, ao subjetivismo do Romantismo. Os escritores pertencentes ao Realismo faziam parte de segmentos sociais que tiveram sua origem na burguesia e nas camadas médias da sociedade. Tal fato reflete a tendência dessa mesma burguesia em assumir o comando das discussões estéticas e políticas de seu tempo. Um dos mais importantes autores brasileiros é Machado de Assis. 2.3 Características do Movimento Literário Realismo no Brasil 4 4
  • 5. O excessivo subjetivismo romântico é substituído pela descrição da realidade (e da relação do homem com a sociedade). Influência de movimentos políticos (socialismo, comunismo, anarquismo etc.). Naquele tempo contava apenas uns quinze ou dezesseis anos; era talvez a mais atrevida criatura da nossa raça, e, com certeza, a mais voluntariosa. Não digo que já lhe coubesse a primazia da beleza, entre as mocinhas do tempo, porque isto não é romance, em que o autor sobredoura a realidade e fecha os olhos às sardas e espinhas; mas também não digo que lhe maculasse o rosto nenhuma sarda ou espinha, não. Era bonita, fresca, saía das mãos da natureza, cheia daquele feitiço, precário e eterno, que o indivíduo passa a outro indivíduo, para os fins secretos da criação. Era isto Virgília, e era clara, muito clara, faceira, ignorante, pueril, cheia de uns ímpetos misteriosos; muita preguiça e alguma devoção, - devoção, ou talvez medo; creio que medo. (ASSIS, 1889) A ciência se afirma como único método para se conhecer, efetivamente, a realidade. Supõe tu um campo de batatas e duas tribos famintas. As batatas apenas chegam para alimentar uma das tribos, que assim adquire forças para transpor a montanha e ir à outra vertente, onde há batatas em abundância; mas, se as duas tribos dividirem em paz as batatas do campo, não chegam a nutrir-se suficientemente e morrem de inanição. A paz, nesse caso, é a destruição; a guerra é a conservação. Uma das tribos extermina a outra e recolhe os despojos. (...) a ao vencido, ódio ou compaixão; ao vencedor, as batatas. Teoria 5 5
  • 6. do Humanitismo (Quincas Borba) (ASSIS, 1898) Novos campos do conhecimento (como a sociologia e a psicologia) influenciam a literatura. ENQUANTO uma chora, outra ri; é a lei do mundo, meu rico senhor; é a perfeição universal. Tudo chorando seria monótono, tudo rindo cansativo; mas uma boa distribuição de lágrimas e polcas, soluços e sarabandas, acaba por trazer à alma do mundo a variedade necessária, e faz-se o equilíbrio da vida... QUINCAS BORBA CAPÍTULO XLV (ASSIS, 1898) O "eu" literário não será mais fruto da espontaneidade ou da emotividade, como no Romantismo, mas de uma reflexão muitas vezes aguda e sempre consciente dos limites que a sociedade impõe ao homem - e das angústias e insatisfações daí decorrentes. "Cada qual sabe amar a seu modo; o modo, pouco importa; o essencial é que saiba amar." (ASSIS); " A vida é cheia de obrigações que a gente cumpre por mais vontade que tenha de as infringir deslavadamente."; " Esta é a grande vantagem da morte, que, se não deixa boca para rir, também não deixa olhos para chorar[...]" 2.4 Machado de Assis: grande representante do Realismo brasileiro No Brasil, o principal representante da prosa realista é o carioca José Maria Machado de Assis. Os romances da fase “madura” do escritor são considerados realistas, pois desmascaram os interesses que estão por trás das relações sociais e analisam seus personagens de um ponto de vista psicológico; porém, Machado vai além disso. É um escritor que desafiou a tradição, trazendo inovações que fazem de sua obra um marco na literatura brasileira e ocidental. Ele usava e abusava da narrativa minuciosa, narrativa na qual, contém muitos detalhes. A grande transformação ns literatura 6 6
  • 7. machadiana, ocorreu com a publicação de Memórias póstumas de Brás Cubas, obra de 1881, marco inicial do Realismo literário no Brasil. Escrito de forma inovadora, Memórias póstumas traz a figura inusitada do defunto Brás Cubas a relatar episódios de sua vida. Logo na abertura do romance, momento em que o narrador-personagem faz suas considerações sobre o modo como irá contar a sua sua história, evidencia-se uma das tônicas da escrista realista de Machado de Assis a ironia. 2.5 O estilo machadiano de escrever A complexidade de suas obras se reflete na caracterização psicológica de suas personagens e no retrato criado para a sociedade da época. A paisagem preferida é a humana, expressa através de sutilezas que dão originalidade ao trabalho. Os temas comuns são: o adultério, o casamento, visto como forma de comércio ou troca de favores, a exploração do homem pelo próprio homem. As mulheres são o ponto forte da criação machadiana. A figura feminina representa mulheres sedutoras, adúlteras, fatais e dominadoras. Elas estão presentes também em seus contos, cerca de quase duzentos. As obras apresentam peculiaridades que denotam a preocupação consciente do escritor com a linguagem. 2.6 Obras representativas de Machado Teatro Conto Romance Poesi a 7 7
  • 8. Desencanto,1861 Contos Fluminenses, 1866 Ressurreição, 1872 Falen as, 1870 Queda que as mulheres têm pelos Tolos, 1861 Várias Histórias, 1896 A mão e a Luva, 1874 Os Deuses de Casaca, 1861 História da Meia Noite, 1873 Quincas Borba, 1891 2.6.1 Memórias Póstumas de Brás Cubas A personagem principal é Brás Cubas, que, assim como Bentinho de Dom Casmurro, decide escrever sua autobiografia. O problema é que Brás Cubas está morto. Ora, um romance ter um defunto como narrador não é nada realista. Livre da opinião alheia, o falecido Brás Cubas sente-se à vontade para contar episódios nada edificantes de sua trajetória. Um deles é o relacionamento amoroso com Marcela, que o amou “durante quinze meses e onze contos de réis”. Com isso, Machado desconstrói a visão idealizada do amor, fazendo uma sátira aos romances românticos do tipo “água com açúcar”. Ocorre-me uma reflexão imoral, que é ao mesmo tempo uma correção de estilo. 8 8
  • 9. Cuido haver dito, no capítulo XIV,Marcela morria de amores pelo Xavier. Não morria, vivia. Viver não é a mesma coisa que morrer; assim o afirmam todos o joalheiros deste mundo, gente muito vista na gramática. Bons joalheiros, que seria do amor se não fossem os vossos dixes e fiados? Um terço ou um quinto do universal comércio dos corações. Esta é a reflexão imoral que eu pretendia fazer, a qual é ainda mais obscura do que imoral, porque não se entende bem o que eu quero dizer. O que eu quero dizer é que a mais bela testa do mundo não fica menos bela, se a cingir um diadema de pedras finas; nem menos bela, nem menos amada. Marcela, por exemplo, que era bem bonita, Marcela amou-me....(ASSIS, 1881). 2.6.2 Dom Casmurro Dom Casmurro é um romance escrito por Machado de Assis, em 1899, que foi publicado pela Livraria Garnier. Para retratar a história, Machado de Assis usou várias ferramentas literárias que deixou a obra interessante do ponto de vista literário. O sucesso do livro se deu no uso dele para a criação de outras obras e adaptações como filmes e peças de teatros. Houve até vários estudos sobre os temas abordados no livro, desde estudos psicólogos e psicanalistas até por movimentos feministas. Além disso, Dom Casmurro influenciou diversos escritores famosos , considerado assim como uma das obras mais importante da literatura brasileira. Não consultes dicionários. Casmurro não 9 9
  • 10. está aqui no sentido que eles lhe dão, mas no que lhe pôs o vulgo de homem calado e metido consigo. Dom veio por ironia, para atribuir-me fumos de fidalgo. Tudo por estar cochilando! Também não achei melhor título para a minha narração - se não tiver outro daqui até ao fim do livro, vai este mesmo. O meu poeta do trem ficará sabendo que não lhe guardo rancor. E com pequeno esforço, sendo o título seu, poderá cuidar que a obra é sua. Há livros que apenas terão isso dos seus autores; alguns nem tanto.(ASSIS, 1899). 3. CONSIDERAÇÕES FINAIS Esse trabalho teve como objetivo esclarecer as questões que foram propostas no inicio, e buscar passar conhecimento aos alunos (a) diante desse trabalho para que almejem sempre mais sobre o Movimento Literário Realismo e seus principais autores. Ao concluirmos o trabalho tivemos uma percepção do Movimento Literário Realismo, seu contexto histórico e suas origens revolucionárias, tanto na Europa quanto no Brasil. Assim, como o conhecimento sobre o talentoso autor José Maria Machado de Assis algumas obras como, Memórias Póstumas de Brás Cubas e Dom Casmurro, além de conhecer seu estilo Machadiano de escrever, que era um estilo revolucionário na epoca e creio que ainda é, pois com suas obras levava o leitor ao mundo “novo”, que digamos que ninguém conhecia, talvez vivessem nele mas não enxergassem o que realmente passava dentre eles, como a exploração do homem pelo próprio homem entre outros. 10 10
  • 11. 4. REFERÊNCIAS ; ASSIS, Machado de. Dom Casmurro, 1899 ; ASSIS, Machado de. Memória Póstumas de Brás Cubas, 1881 ; Disponível em <http://www.webartigos.com/artigos/o-realismo-em-portugal- e-no-brasil/40058/> acesso em 27/11/2014 às 11:40. ; Disponível em <http://aprovadonovestibular.com/realismo-autores-obras- caracteristicas.html> acesso em 16/11/2014 às 07:30 ; Disponível em <http://www.suapesquisa.com/machadodeassis/> acesso em 23112014 às 10:20 ; Disponível<http://www.mundovestibular.com.br/articles/235/1/Conte udo-Enem-Os-Movimentos-Literarios/Paacutegina1.html> acesso em 23112014 às 10:36 ; Disponível<http://educacao.globo.com/literatura/assunto/moviment os-literarios.html> acesso em 28112014 às 10:36 11 11
  • 12. 5. ANEXO Machado de Assis. - “A vida sem luta é um mar morto no centro do organismo universal.” Machado de Assis 12 -“Botas...as botas apertadas são uma das maiores venturas da terra, porque, fazendo doer os pés, dão azo ao prazer de as descalçar.” 12