Movimento Literário Realismo

313 visualizações

Publicada em

E um artigo de divulgação científica sobre o Movimento Literário Realismo, dando ênfase no Machado de Assis.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
313
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Movimento Literário Realismo

  1. 1. ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOÃO CRUZ. Título: Importância de Machado de Assis no Movimento Literário Realismo brasileiro. Disciplina: Língua Portuguesa. Professora: Maria Piedade Teodoro da Silva. Alunos: Ana Carolina Borges Cruz Nº 3 Ana Paula Sales Nº 4 David Ferreira de Souza Nº 14 Série: 2º Ano do Ensino Médio A Jacareí 2014.
  2. 2. SUMÁRIO 1.INTRODUÇÃO................................................................................................ 3 2. O REALISMO BRASILEIRO ......................................................................... 5 2.1 Movimento literário e o contexto histórico................................................... 5 2.1.1 Realismo crítica ao Romantismo.............................................................. 6 2.1.2 Valorização do Realismo.......................................................................... 7 2.2 Movimento Literário Realismo no Brasil...................................................... 8 2.3 Ênfase de Machado de Assis..................................................................... 10 2.3.1 Quem é Machado de Assis? .................................................................. 10 2.3.2 A importância de Machado de Assis no Realismo nacional.................... 11 3. CONSIDERAÇÕES FINAIS.......................................................................... 13 4. REFERÊNCIA............................................................................................... 14
  3. 3. 1.INTRODUÇÃO O trabalho a seguir apresentará a importância de Machado de Assis no Movimento Literário Realismo brasileiro, com intuito de responder as seguintes questões de pesquisa "Destacar a importância de Machado de Assis no Movimento Literário Realismo brasileiro" e "Mostrar as características realistas nas obras machadianas", que serão respondidas no desenvolver do trabalho com base no tema “A chegada do Movimento Literário Realismo na sociedade brasileira no século XIX e importância de Machado de Assis na literatura nacional”. O objetivo deste trabalho, então, é apresentar a proposta sugerida pela professora de Língua Portuguesa, Maria Piedade Teodoro da Silva, em relação ao Movimento Literário Realismo, destacando sua importância na chegada ao Brasil e expondo as criticas contra o Movimento Literário Romantismo.
  4. 4. 2. O REALISMO BRASILEIRO 2.1 Movimento Literário Realismo e o contexto histórico Entende-se por o Movimento Literário Realismo um estilo de escrita que toma a realidade como princípio orientador de criação artística por meio da palavra. Neste sentido, o Realismo pode ser percebido em texto de qualquer época, desde as primeiras manifestações da humanidade até hoje; mas, como movimento relativamente organizado, começou na segunda metade do século XIX, na França, difundindo-se por todos os países da Europa, com oposição declarada, ou não, ao sentimento romântico. O movimento realista, portanto, correspondeu à ascensão da pequena burguesia. O pensamento filosófico que exerceu mais influência no surgimento do realismo foi o positivismo. Ao contrário do gosto da alta burguesia, interessada no jogo vazio das formas artísticas a "arte pela arte", motivou-a uma arte voltada a solução dos problemas sociais, isto é, uma arte "engajada" de compromissos, que se colocava também contra o tradicionalismo romântico e procurava incorporar os descobrimentos científicos de seu tempo. O Naturalismo é uma espécie de prolongamento do realismo. Não chegaram a ser movimentos literários distintos, tanto é que muitos autores são simultaneamente realistas e naturalistas, sendo o naturalismo cronologicamente posterior ao realismo. Para muitos, o Realismo representava uma alternativa do que era visto como um isolamento ou mesmo um elitismo da vanguarda ponto de vista que ganhou apoio a partir da adoção do realismo socialista como a forma oficial de arte da União Soviética. Contudo, outras vozes insistiam em que a vanguarda possuía um papel a exercer no desenvolvimento de um realismo moderno adequado às condições do século XX. O Realismo Moderno tem como seus principais autores Edward Carr e Hans Morgenthau. Estes teóricos interligam seus postulados com as premissas do realismo Clássico, sendo este pilar de sustentação da vertente moderna da tradição realista.
  5. 5. Realismo não só foi moldado como uma importante escola e períodos da história da literatura, mas também foi uma constante de toda a literatura, a sua primeira formulação teórica foi o princípio da Poética de Aristóteles. Em geral, os realistas retratavam temas e situações em contextos contemporâneos do cotidiano, e tentaram descrever indivíduos de todas as classes sociais de uma maneira similar. O idealismo clássico, o emocionalíssimo romântico e drama foram evitados de forma igual, e muitas vezes os sórdidos ou não cuidados elementos de temas não foram suavizados ou omitidos. O Realismo social enfatiza a representação da classe trabalhadora, e os tratam com a mesma seriedade que as outras classes de arte, mas o realismo, como prevenção a artificialidade, no tratamento das relações humanas e as emoções também eram um objetivo do realismo. Tratamentos de assuntos de uma maneira heroica ou sentimental foram igualmente rejeitados. 2.1.1 Realismo crítica ao Romantismo O Movimento Literário Realismo teve início pela crítica ao Movimento Literário Romantismo, aproximadamente em 1860 pelos portugueses. No Brasil esse movimento chegou no século XIX pelos acontecimentos marcados no país, tais como Abolição da escravatura. No Brasil, o principal representante da prosa realista é o escritor Machado de Assis. Os romances da fase mais experiente do escritor são considerados realistas, pois desmascaram os relacionamentos em que interesses sócias estão presentes, e também o conto machadiano dessa época vem sendo analisado pelo lado psicológico. Com essa fase realista Machado de Assis foi considerado o maior escritor brasileiro de todos os tempos, pela crítica ao Romantismo. O escritor brasileiro, foi introdutor do realismo no Brasil, com a publicação da obra “Memórias Póstumas de Brás Cubas” em 1881, tendo presente evidentes característica escritas de maneira realista, a ironia.
  6. 6. As características objetivas dentro do Realismo brasileiro são como a negação do Romantismo, o materialismo substituído pelo sentimento, e a presença da própria realidade. Esse movimento era usado como critica a burguesia e seu comportamento; o Romantismo, logo, teve no Realismo senão um fenômeno opositor, pelo menos um fenômeno contestador da forma de o “Romantismo” ver e expor o mundo. No Realismo o herói, ou melhor, a personagem de destaque, principal, era sempre uma figura que retratava alguma realidade, seguindo o fervor da exatidão, ou seja, toda descrição deveria ser exata quando se comparada com a realidade. A realidade deveria ser retratada tal como era, sem visões românticas ou com fundo de moral. Daí as constantes críticas a instituições, quer políticas, quer religiosas. Em países como a França, por exemplo, o Romantismo teve uma importância fundamental em um maior entendimento de sua sociedade. O Realismo, como fenômeno literário teve início a partir de uma série de desagravos e debates principalmente em torno do esgotamento do Romantismo, mas também gerados por questões disciplinares impostas aos alunos da Universidade de Coimbra. Esses alunos que protestavam liam as mais recentes obras literárias de então, que estavam repletas de ideias liberais, logo uma disciplina clerical não era por eles admitida. Foi por isso que, na cerimônia solene de distribuição das premiações acadêmicas de 1862, mal o reitor iniciou o discurso com as palavras sacramentais “Mocidade acadêmica”, a citada mocidade acadêmica lhe voltou às costas, saiu em bloco da sala e foi para o Pátio dos Gerais protestar. 2.1.2 Valorização do Realismo Em meados do século XIX, ocorreu na Europa uma forte reação à estética romântica. Artistas e escritores passavam a buscar uma linguagem capaz de abordar de modo mais “real” a vida cotidiana de ricos e pobres. Cenas comuns, em que pessoas anônimas trabalhavam ou se relacionavam entre si, começaram a aparecer em textos literários e em diversas formas de arte, sobretudo na pintura. As características da literatura realista se contrapõem com as românticas. As
  7. 7. características da literatura realista se contrapõem com as românticas. Os cenários passaram a ser urbanos e o ambiente social passou a ser valorizado ao invés do natural. O amor e o casamento, os quais eram elementos de felicidade no Romantismo, transformaram-se em convenções sociais de aparência. Não houve uma idealização da figura masculina como herói e sim uma exposição do homem que trabalha e que luta para sair de uma condição medíocre. O próprio nome deste período fala a respeito de sua característica mais marcante: a realidade. A contemporaneidade é um atributo dos autores do Realismo que se preocupavam com o momento histórico, com o momento presente da sociedade em seus contextos políticos e econômicos. O Realismo representa uma reação ao subjetivismo do romantismo. Sua radicalização rumo à objetividade sem conteúdo ideológico leva ao naturalismo. Muitas vezes realismo e naturalismo se confundem. A linguagem no Realismo é mais simples, sem preocupações estéticas exacerbadas, de modo a abranger um público maior. O início da literatura realista se dá com a publicação de Madame Bovary de Gustave Flaubert, na França, o qual é um espelho da realidade burguesa da época retratado na figura de uma mulher de classe média. No Brasil, Machado de Assis inicia os ideais do Realismo com Memórias Póstumas de Brás Cubas, o qual se trata de um romance psicológico, cuja personagem principal é Brás Cubas, um defunto-autor que expõe ao leitor suas experiências pessoais. (Publicado em 1881, o livro aborda as experiências de um filho abastado da elite brasileira do século XIX, Brás Cubas. Começa pela sua morte, descreve a cena do enterro, dos delírios antes de morrer, até retornar a sua infância, quando a narrativa segue de forma mais ou menos linear – interrompida apenas por comentários digressivos do narrador.) 2.2 Movimento Literário Realismo no Brasil Na segunda metade do século XIX, o Brasil passou por mudanças políticas e sociais marcantes. O tráfico de escravos foi extinto e a abolição da escravatura ocorreu em 1888. A falta da mão-de-obra escrava foi substituída pelo trabalho dos
  8. 8. imigrantes europeus. Por causa do preconceito e da qualificação europeia para o trabalho assalariado, o negro foi marginalizado socialmente. A economia açucareira estava em decadência, enquanto o eixo econômico deslocava-se para o Rio de Janeiro, devido ao crescimento do comércio cafeeiro nessa evolução na indústria trouxe tecnologia às empreitadas do governo: a primeira estrada de ferro foi construída em 1954 (ligava o Porto de Mauá à raiz da Serra da Estrela) e logo depois, a Estrada de Ferro Central do Brasil. Em 1889 foi proclamada a República pelo partido burguês Republicano Paulista (PRP), com a posse do primeiro presidente, o marechal Deodoro da Fonseca. Em meio às questões sociais, econômicas e políticas pelas quais o Brasil passava, a literatura reagia contra as propostas românticas com o surgimento do Realismo sob influência do Positivismo. O Positivismo, chegado da França, era uma corrente filosófica que tinha como fundamento analisar a realidade. Logo, as produções literárias do Realismo no Brasil, como o próprio nome já diz, estão voltadas à realidade brasileira. Podemos apontar algumas características da literatura realista em oposição à romântica: os cenários (focados em centros urbanos); a natureza não mais vista como reflexo dos sentimentos, mas dando vazão ao ambiente social; o amor visto de maneira irônica, sem exaltações, o casamento realizado para fins de ascensão social; o trabalho como parte da vida cotidiana das personagens. O Realismo no Brasil pode ser dividido entre as produções em prosa e poesia, nas quais se destacam os autores: Aluísio Azevedo, Raul Pompéia e Machado de Assis. O Realismo no Brasil tem como marco inicial a obra Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881), de Machado de Assis. O Brasil, durante o período de passagem do Romantismo para o Realismo, sofreu inúmeras mudanças. O Realismo encontrou no Brasil uma realidade propícia para a ascensão da literatura, já que escritores como Castro Alves e José de Alencar haviam preparado o terreno. O país havia vivenciado fatos importantes como a Guerra do Paraguai (1864 – 1870), a campanha abolicionista, o fortalecimento da economia agrária.
  9. 9. É, nesse contexto, que surge um dos mais importantes escritores de nossa literatura: Machado de Assis. 2.3 Ênfase de Machado de Assis 2.3.1 Quem é Machado de Assis? Machado de Assis nasceu na cidade do Rio de Janeiro, era mestiço e de origem humilde. Cresceu sob os cuidados da madrasta Maria Inês, pois assim como a mãe, a portuguesa Maria Leopoldina, seu pai, o mulato Francisco José de Assis, morreu cedo. Apesar de ter frequentado escola pública e começado a trabalhar desde cedo, alcançou boa posição como funcionário público, cargo que lhe proporcionou tranquilidade financeira. Casado com Carolina Xavier de Novais, Machado de Assis dedicou-se à literatura e produziu a melhor prosa brasileira do século XIX. Machado revela-se mais maduro a partir da publicação de Memórias póstumas de Brás Cubas (1881); essa marca a segunda etapa de sua produção. O escritor desenvolve uma ironia feroz, retrata um humor velado e amargo em relação àquilo que retrata. Joaquim Maria Machado de Assis nasceu pobre e doente, tinha epilepsia. Neto de escravos alforriados, foi criado no morro do Livramento, no Rio de Janeiro. Ajudava a família como podia, não tendo frequentado regularmente a escola. Sua instrução veio por conta própria, devido ao interesse que tinha em todos os tipos de leitura. Aos 16 anos empregou-se como aprendiz numa tipografia e publicou os primeiros versos no jornal “A Marmota”. Na década de 1870, publicou os poemas “Falenas” e “Americanas”; além dos “Contos Fluminenses” e “Histórias da meia-noite”. O público e a crítica consagraram seus méritos de escritor. Em 1873, o escritor foi nomeado primeiro oficial da secretaria de Estado do Ministério da Agricultura, Comércio e Obras públicas. Anos
  10. 10. depois foi nomeado diretor geral do Ministério da Viação, o que garantiu a sua estabilidade financeira. Nos anos de 1980, o escritor inaugurando o Realismo na literatura brasileira. Os romances “Memórias póstumas de Brás Cubas”; “Quincas Borba”; “Dom Casmurro” e os contos “Papéis avulsos”; “Histórias sem data”, “Várias histórias” e “Páginas recolhidas”, entre outros, revelam o autor em sua plenitude. O espírito crítico, a grande ironia, o pessimismo e uma profunda reflexão sobre a sociedade brasileira são as suas marcas mais características. O Maior escritor de todos os tempos, Machado de Assis escreveu romances, além de ter sido importante no jornalismo. A grande transformação na literatura machadiana, ocorreu com a publicação de Memórias póstumas de Brás Cubas, obra de 1881, marco inicial do Realismo literário no Brasil. Escrito de forma inovadora se comparado a romances anteriores publicados no país, Memórias póstumas traz a figura inusitada do defunto Brás Cubas a relatar episódios de sua Vida. 2.3.2 A importância de Machado de Assis no Realismo nacional O Realismo encontrou no Brasil uma realidade propícia para a ascensão da literatura, já que escritores como Castro Alves e José de Alencar haviam preparado o terreno. O país havia vivenciado fatos importantes como a Guerra do Paraguai (1864 – 1870), a campanha abolicionista, o fortalecimento da economia agrária. É nesse contexto que surge um dos mais importantes escritores de nossa literatura: Machado de Assis (1839 – 1908). Machado de Assis nasceu na cidade do Rio de Janeiro, era mestiço e de origem humilde. Cresceu sob os cuidados da madrasta Maria Inês, pois assim como a mãe, a portuguesa Maria Leopoldina, seu pai, o mulato Francisco José de Assis, morreu cedo. Apesar de ter frequentado escola pública e começado a trabalhar desde cedo, alcançou boa posição como funcionário público, cargo que lhe proporcionou tranquilidade financeira. Casado com Carolina Xavier de Novais, Machado de Assis dedicou-se à literatura e produziu a melhor prosa brasileira do século XIX. O escritor compôs cerca de duzentos contos. Os romances e contos anteriores à década de 1880 revelam influências
  11. 11. românticas, assim como Ressurreição (1872), A mão e a luva (1874), Helena (1876), Iaiá Garcia (1878), Contos Fluminenses (1870) e Histórias da meia-noite (1873). Machado revela-se mais maduro a partir da publicação de Memórias póstumas de Brás Cubas (1881); essa marca a segunda etapa de sua produção. O escritor desenvolve uma ironia feroz, retrata um humor velado e amargo em relação àquilo que retrata. Nessa nova fase incluem-se os romances Quincas Borba (1891), Dom Casmurro (1899), Esaú e Jacó (1904) e Memorial de Aires (1908). Entre seus inúmeros contos estão: “O alienista”, “A cartomante”, “Missa do galo”, “Uns braços”, “O espelho”, “Cantiga de esponsais”, “Teoria do medalhão”, “A causa secreta”. Machado de Assis produziu uma obra inovadora, que vem conquistando consecutivas gerações de leitores. Este último capítulo é todo de negativas. Não alcancei a celebridade do emplasto, não fui ministro, não fui califa, não conheci o casamento. Verdade é que, ao lado dessas faltas, coube-me a boa fortuna de não comprar o pão com o suor do meu rosto. Mais; não padeci a morte de D. Plácida, nem a semidemência do Quincas Borba. Somadas umas coisas e outras, qualquer pessoa imaginará que não houve míngua nem sobra, e conseguintemente que saí quite com a vida. E imaginará mal; porque ao chegar a este outro lado do mistério, achei-me com um pequeno saldo, que é a derradeira negativa deste capítulo de negativas: — Não tive filhos, não transmiti a nenhuma criatura o legado da nossa miséria. (ASSIS,1881) Ao passo que D. Evarista, em lágrimas, vinha buscando o Rio de Janeiro, Simão Bacamarte estudava por todos os lados de uma certa ideia arrojada e nova, própria a alargar as bases da psicologia. Todo o tempo que lhe sobrava dos cuidados da Casa Verde, era pouco para andar na rua, ou de casa em casa, conversando as gentes, sobre trinta mil assuntos, e virgulando as faltas de um olhar que metia medo aos mais heroicos. (ASSIS,1890) Príamo julga-se o mais infeliz dos homens, por beijar a mão daquele que lhe matou o filho. Homero é que relata isto, e é um bom autor,
  12. 12. não obstante conta-lo em verso, mas há narrações exatas em verso, e até mau verso. Compara tu a situação de Príamo com a minha; eu acabava de louvar virtudes do homem que recebera defunto aqueles olhos... É impossível que alguém Homero não tirasse da minha situação muito melhor efeito, ou quando menos, igual. Nem digas que nos faltam Homeros, pela causa apontadas em Camões; não, senhor, faltam-nos, é certo, mas é porque os Príamos procuram a sombra e o silêncio. As lágrimas se as têm, são enxugadas atrás da porta, para que as caras apareçam limpas e serenas; os discursos são antes de alegria que de melancolia, e tudo passa como se Aquiles não matasse Heitor. (ASSIS,1889)
  13. 13. 3. CONSIDERAÇÕES FINAIS De certa maneira, o Brasil acompanha a série de transformações que ocorreram na Europa e que desencadearam o abandono progressivo da estética romântica e a ascensão do realismo. Esse movimento vem como término de um movimento que preservava a literatura por meio de contos vinculados ao sentimentalismo. O movimento literário Realismo vem por meio de críticas a sociedade burguesa, deixando de lado o pensamento idealizado para novos pensamentos que dão prioridade a verdades. No Brasil, o principal representante da prosa realista é o Machado de Assis. Os romances da fase “madura” do escritor são considerados realistas, pois desmascaram os interesses que estão por trás das relações sociais e analisam seus personagens de um ponto de vista psicológico, relembramos algumas críticas do Movimento Literário Realismo, Machado vai além disso, é um escritor que desafiou a tradição, trazendo inovações que fazem de sua obra um marco na literatura brasileira e ocidental.
  14. 14. 4. REFERÊNCIA BARRETO, Ricardo Gonçalves. - Português, 2º ano: ensino médio. - Ed.1,2010. São Paulo. DESCONHECIDO. História de Machado de Assis. Disponível em: <pt.wikipedia.org/wiki/Machado_de_Assis#Cr.C3.ADtica >. Acesso em: 4 de dez. 2014. ASSIS, Machado de. Memórias Póstumas de Brás Cubas. São Paulo: Klick, 1999. ASSIS, Machado de. O Alienista. São Paulo: Ática, 1984. ASSIS, Machado de. Dom Casmurro. São Paulo: Ática, 1983.

×