SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 77
2ª FASE2ª FASE
MODERNISTAMODERNISTA
1930-19451930-1945
POESIAPOESIA
CONTEXTO HISTÓRICO
 CRISE CAFEEIRA EM 1929 (CAFÉ-COM-LEITE)
 REVOLUÇÃO DE 1930 (VARGAS GOVERNO PROVISÓRIO
 ASCENSÃO DO PARTIDO NAZIFACISTA
 DITADURA DE GETÚLIO EM 1937-1945
2ª GUERRA MUNDIAL
 BOMBA ATÔMICA (FINAL DA GUERRA FRIA)
ATENÇÃO!
 A geração de 30 não precisou ser
combativa como a de 22. Eles já
encontraram uma linguagem poética
modernista estruturada.
 O Modernismo já estava dinamicamente
incorporado às práticas literárias
brasileiras, sendo assim os modernistas
de 30 estão mais voltados ao drama do
mundo e ao desconcerto do capitalismo.
ATENÇÃO!
NÃO FOI COMBATIVA, FOI
CONSTRUTIVA!
PREOCUPAÇÃO DE ASSUMIR
UMA POSTURA SÉRIA COM
RELAÇÃO AO MUNDO!
Novo Retrato do Modernismo
PROSA
•Influenciados pela repercursão da Semana de
Arte Moderna – 1922;
•Novo olhar: posicionamento crítico, construtivo
e politico;
•Surgimento dos romances regionalistas (com
destaque para zona rural da Região Nordeste);
Novo Retrato do Modernismo
•Modernismo neorrealista (retoma
características e moldes realistas e naturalistas)
•Escritores amadurecidos em relação às
Gerações anteriores, porém ingênuos, pois
acreditavam que a simples denúncia da realidade
social mudaria o comportamento da sociedade;
Produção literária do período:Produção literária do período:
PROSAPROSA
Diferentemente da primeira fase, em queDiferentemente da primeira fase, em que
reinou a poesia, agora a prosa de ficçãoreinou a poesia, agora a prosa de ficção
ocupa lugar de maior destaque, sobretudoocupa lugar de maior destaque, sobretudo
pela estréia de muitos escritores.pela estréia de muitos escritores.
Prosa RegionalistaProsa Regionalista
Examinada em conjunto, a prosa divide-se em:Examinada em conjunto, a prosa divide-se em:
Prosa UrbanaProsa Urbana
Prosa IntimistaProsa Intimista
Prosa RegionalistaProsa Regionalista
Busca de traços peculiares de nossaBusca de traços peculiares de nossa
Realidade, trazida pelos românticos.Realidade, trazida pelos românticos.
Uso de uma linguagem muito maisUso de uma linguagem muito mais
próxima à fala brasileirapróxima à fala brasileira.
Influência das idéias socialistasInfluência das idéias socialistas.
A região nordeste, marcada por contrastesA região nordeste, marcada por contrastes
sociais mais chocantes, forneceu materialsociais mais chocantes, forneceu material
para grande parte da prosa: seca, cangaço epara grande parte da prosa: seca, cangaço e
misticismo são motivações para essa fase.misticismo são motivações para essa fase.
Muito conhecida como “Literatura do Nordeste”.Muito conhecida como “Literatura do Nordeste”.
Prosa RegionalistaProsa Regionalista
OBRA INAUGURALOBRA INAUGURAL
““A bagaceiraA bagaceira” de José” de José
Américo de Almeida,Américo de Almeida,
publicada em 1928.publicada em 1928.
Rachel de Queiroz José Lins do Rego Jorge Amado
Graciliano Ramos
IMPORTANTESIMPORTANTES
REGIONALISTASREGIONALISTAS
Prosa UrbanaProsa Urbana
As grandes cidades, com seus tipos eAs grandes cidades, com seus tipos e
problemas característicos,problemas característicos,
seriam a temática de Érico Veríssimo –seriam a temática de Érico Veríssimo –
pelo menos no começopelo menos no começo
de sua carreira, ede sua carreira, e
de Marques Rabelo,de Marques Rabelo,
entre outros.entre outros.
Prosa IntimistaProsa Intimista
Novidade surgida na segunda faseNovidade surgida na segunda fase
do Modernismo.do Modernismo.
A teoria psicanalítica de Freud extensamenteA teoria psicanalítica de Freud extensamente
divulgada, incorporando as sugestões dedivulgada, incorporando as sugestões de
psicanálise em que alguns autores preocupam-sepsicanálise em que alguns autores preocupam-se
em desvendar o mundo interior de suas personagens,em desvendar o mundo interior de suas personagens,
analisando angústias e conflitos internos.analisando angústias e conflitos internos.
Também chamada “prosa deTambém chamada “prosa de
sondagem psicológica”.sondagem psicológica”.
Prosa IntimistaProsa Intimista
Lúcio CardosoLúcio Cardoso
PRINCIPAIS AUTORESPRINCIPAIS AUTORES
Dyonélio Machado
Cornélio Pena (Fronteira)Cornélio Pena (Fronteira) Otávio de FariaOtávio de Faria
Principais Autores na Prosa
•José Américo de Almeida
• Rachel de Queiroz
•Graciliano Ramos
• Erico Verissimo
• Jose Lins do Rego
•Jorge Amado.
JOSÉ AMÉRICO DE ALMEIDA
•Inaugurou a temática social;
•Exerceu grande influência política na Paraíba
(Governador do estado);
•Visão do homem nordestino entregue ao sabor
das ingratas condições climáticas;
JOSÉ AMÉRICO DE ALMEIDA
“BAGACEIRA”
•Marco do Romance de 30;
•Linguagem culta e urbana misturada com outras
variedades linguísticas;
•Denuncia uma sociedade opressiva e marcada
pela exploração dos retirantes nos engenhos de
cana-de-açúcar.
JOSÉ AMÉRICO DE ALMEIDA
“BAGACEIRA”
•Obra pioneira na abordagem do problema da seca
e dos retirantes;
•O título: representa o “bagaço da cana” e as
pessoas “transformadas em bagaço” após a ação
exploratória em que eram submetidas;
JOSÉ AMÉRICO DE ALMEIDA
“BAGACEIRA”
Plano Social
Plano Individual
P. 36 da apostila
Rachel de Queiroz
•Boa formação intelectual;
•Primeira dama da academia;
1910-2003
Rachel de Queiroz
“Os quinze”
•Discorreu sobre a seca de 1915;
•Linguagem coloquial, mesmo em personagens
bem-formados, como Conceição;
RACHEL DE QUEIROZ
“Os quinze”
Plano Social
Plano Individual
P. 37 da apostila
Graciliano Ramos
“Vidas Secas”
•Fabiano: desloca-se pelo agreste com sua família;
•Sinhá Vitória: carrega a utópica esperança de um dia
dormer em uma cama (representação da dignidade
feminine);
•Filhos: (menino mais novo e menino mais velho): mundo
de descobertas, mas destino incerto;
•Cachorra baleia: conciência afetiva.
GRACILIANO RAMOS
“Vidas Secas”
Plano Regional
Plano universal
P. 38 da apostila
José Lins do Rego
“Menino de Engenho”
•Santa Rosa: engenho da família (obsoleto pelo
aparecimento da usina canavieira);
•Carlinhos: passa a infância acompanhando o engenho do
avô, transparece nostalgia (elementos biográficos);
•Outros romances: “Doidinho” (reatrata Carlinhos no
internato e “Banguê” retrata Carlinhos com 24 anos,
formado em direito, retornado para o Engenho Santa Rosa;
Características na Poesia
 Iniciou com o livro Alguma Poesia, de Carlos
Drummond de Andrade.
 Aprofundou os ideais e propostas da 1ª fase.
 Verso livre.
 Poesia sintética.
 Questionamento da Realidade.
 Busca o “eu-indivíduo” e o seu “estar no
mundo”.
 Investigação do papel do artista.
 Metalinguagem.
Corrente mais intimista e espiritualizada.
Evidencia-se a fragilidade do Eu.
Autores da segunda geração
modernista – poesia 1930
Cecília Meireles
Mário Quintana
Murilo Mendes
Vinicius de Moraes
Carlos Drummond de Andrade
Jorge de Lima
CECÍLIA MEIRELES
Características:
• Escreve obras em poesia, prosa
e também traduções.
• Influência simbolista (neo-simbolismo).
• Uso de lirismo (TEMPO)
• Ceticismo e melancolia (solidão, saudade)
• Musicalidade como apoio para seus lamentos.
• Versos curtos e com ritmo.
• Jogo de imagens, sons e cores.
• Subjetivismo.
Corrente espiritualista do Modernismo.
IMPORTANTE, GENTE!
SONHO, FANTASIA
X
SOLIDÃO, PADECIMENTO
A realidade não é EXPLICADA, é VIVIDA
Linguagem simbólica, sugestiva
NEOSSIMBOLISTA
Figuras sensoriais
Transitoriedade da vida
Não se descuidou da métrica
Em “”Espectro” – forte influência simbolista
Em “Viagem” sua poesia tomou força
ATENÇÃO!
“Romanceiro da Inconfidência”
Resgate do romance - Redondilhas
ROMANCEIRO – Canto, Trovadores
Não se limita ao FATO, mas a coragem,
valentia, traição, sonhos...
Pungia a Marília, a bela,
negro sonho atormentado:
voava seu corpo longe,
longe por alheio prado.
Procurava o amor perdido,
a antiga fala do amado.
Mas o oráculo dos sonhos
dizia a seu corpo alado:
“Ah, volta, volta, Marília,
tira-te desse cuidado,
que teu pastor não se lembra
de nenhum tempo passado...”
E ela, dormindo, gemia:
“Só se estivesse alienado!”
Entre lágrimas se erguia
seu claro rosto acordado.
Volvia os olhos em roda,
e logo, de cada lado,
piedosas vozes discretas
davam-lhe o mesmo recado:
“Não chores tanto, Marília,
por esse amor acabado:
que esperavas que fizesse
o teu pastor desgraçado,
tão distante, tão sozinho,
em tão lamentoso estado?”
A bela, porém, gemia:
“Só se estivesse alienado!”
(...)
ROMANCEIRO DA
INCONFIDÊNCIA
Motivo
Eu canto porque o instante existe
E a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste :sou poeta.
Irmão das coisas fugidas,
Não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias no vento.
Se desmorono ou se edifico,
Se permaneço ou me desfaço,
Não sei, não sei. Não sei se fico ou passo.
Sei que canto.E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
-mais nada.
Retrato
Eu não tinha este rosto de hoje, /
assim calmo, assim triste, assim
magro, / nem estes olhos tão
vazios, / nem o lábio amargo.
Eu não tinha estas mãos sem força, /
tão paradas e frias e mortas; / eu
não tinha este coração / que nem
se mostra.
Eu não dei por esta mudança, / tão
simples, tão certa, tão fácil:
- Em que espelho ficou perdida a
minha face?
Lua Adversa
Tenho fases,como a lua
fases de andar escondida,
fases de vir para a rua...
Perdição da minha vida!
Tenho fases de ser tua,
tenho outra de ser sozinha.
Fases que vão e que vêm
no secreto calendário
que um astrólogo arbitrário
inventou para meu uso.
E roda a melancolia
Seu interminável fuso!
Não me encontro com ninguém
(tenho fases, como a lua...)
No dia de alguém ser meu
não é dia de eu ser sua...
E, quando chega esse dia,
o outro desapareceu...
Canção
Pus o meu sonho num navio
e o navio em cima do mar;
- depois, abri o mar com as
mãos,
para o meu sonho naufragar
Minhas mãos ainda estão
molhadas
do azul das ondas entreabertas,
e a cor que escorre de meus
dedos
colore as areias desertas.
O vento vem vindo de longe,
a noite se curva de frio;
debaixo da água vai morrendo
meu sonho, dentro de um
navio...
MÁRIO QUINTANA
 RUA DOS CATAVENTOS - Melancolia, morte, solidão, infância e
amor, às vezes com um tom irônico.
 POÉTICA DESENCANTADA COM O MUNDO – É DIFÍCIL
DETECTAR AS CAUSAS DAS TRISTEZAS
 Linguagem vaga, imprecisa e rica
VERTENTE ESPIRITUAL – HERANÇA SIMBOLISTA DE CECÍLIA
 SUBJETIVISMO – INDIVIDUALISMO
POETA NÃO SE LIGA AO CONTEXTO, MAS AS COISAS AO SEU
REDOR
NÃO EXISTE PREOCUPAÇÃO SOCIAL
A RUA DOS CATAVENTOS
Da vez primeira em que me assassinaram,
Perdi um jeito de sorrir que eu tinha.
Depois, a cada vez que me mataram,
Foram levando qualquer coisa minha.
Hoje, dos meu cadáveres eu sou
O mais desnudo, o que não tem mais nada.
Arde um toco de Vela amarelada,
Como único bem que me ficou.
Vinde! Corvos, chacais, ladrões de estrada!
Pois dessa mão avaramente adunca
Não haverão de arracar a luz sagrada!
Aves da noite! Asas do horror! Voejai!
Que a luz trêmula e triste como um aí
A luz de um morto não se apaga nunca!
POEMINHA DO CONTRA
Todos estes que aí estão
Atravancando o meu caminho,
Eles passarão.
Eu passarinho!
HORROR
Com os seus OO de espanto, seus RR
guturais, seu hirto H, HORROR é uma palavra
de cabelos em pé, assustada da própria
significação.
A arte de viver
A arte de viver é simplesmente a arte de
conviver ... simplesmente, disse eu? Mas
como é difícil!
Cartaz para uma Feira do Livro
Os verdadeiros analfabetos são os que
aprenderam a ler e não leem.
Murilo Mendes
• Poema-piada, sátiras, temas político-sociais
• Humor e ironia como crítica
• Apesar de ser modernista, teve um estilo próprio,
aproximando-se do Surrealismo europeu.
• Explora os estados de consciência do ser humano
através do jogo de imagens.
• Poeta complexo de difícil interpretação.
LINHAS PARALELAS
Um presidente resolve
Construir uma boa escola
Numa vila bem distante.
Mas ninguém vai nessa escola:
Não tem estrada pra lá.
Depois ele resolveu
Construir uma estrada boa
Numa outra vila do Estado.
Ninguém se muda pra lá
Porque lá não tem escola
Minha terra tem macieiras
da Califórnia
onde cantam gaturamos
de Veneza.
Os poetas da minha terra
são pretos que vivem em
torres de ametista,
os sargentos do exército
são monistas, cubistas,
os filósofos são polacos
vendendo a prestações.
A gente não pode dormir
com os oradores e os
pernilongos.
Eu morro sufocado
em terra estrangeira.
Nossas flores são mais
bonitas
nossas frutas mais gostosas
mas custam cem mil réis a
dúzia.
Ai quem me dera chupar
uma carambola de verdade
e ouvir um sabiá com
certidão de idade!
CANÇÃO DO
EXÍLIO
OS DOIS LADOS
Deste lado tem meu corpo
Tem o sonho
Tem a minha namorada na janela
Tem as ruas gritando de luzes e movimentos
Tem meu amor tão lento
Tem meu anjo da guarda
Que às vezes se esquece de me guardar
Tem o mundo batendo na minha memória
Tem o caminho pro trabalho.
Do outro lado tem outras vidas vivendo da minha vida
Tem pensamento sérios me esperando na sala de visitas
Tem a minha noiva definitiva me esperando com flores na mão,
Tem a morte, as colunas da ordem e da desordem.
PERÍODO DE MUDANÇA!!!!
• CRISE METAFÍSICA
• ARTE RELIGIOSA E FILOSÓFICA
CATOLICISMO
• “Tempo e eternidade” – Jorge de Lima – movimento
religioso.
• Logo após, fundem-se com o engajamento social
POEMA ESPIRITUAL
Eu me sinto um fragmento de Deus
Como sou um resto de raiz
Um pouco de água dos mares
O braço desgarrado de uma constelação.
A matéria pensa por ordem de Deus,
Transforma-se e evolui por ordem de Deus.
A matéria variada e bela
É uma das formas visíveis do invisível.
Cristo, dos filhos do homem és o perfeito.
Na Igreja há pernas, seios, ventres e cabelos
Em toda a parte, até nos altares.
Há grandes forças de matéria na terra no mar e no ar
Que se entrelaçam e se casam reproduzindo
Mil versões dos pensamentos divinos.
A matéria é forte e absoluta, sem ela não há poesia
VINÍCIUS DE MORAES
“POETINHA”
Características
• 1ª fase: Colégio Jesuítico
• Transcendental e místico
• Espiritualidade - NEOSSIMBOLISTA.
• Versos mais longos, melancólicos, linguagem
complexa
• 2ª fase: “Cinco elegias”
• Proximidade com o mundo material
• Preocupação social
• Linguagem coloquial, dia – mas...SONETO
• “3ª fase”
• Versos mais curtos; sonetos; às vezes um modelo
de Camões; versos decassílabos e alexandrinos.
• Dá vazão ao erotismo e lirismo – mais conhecido
• Não existe preconceitos ou tabus
• SAUDADE, PAIXÃO, DESEJO, SEPARAÇÃO
• No aspecto social, sua literatura aparece como
OPOSIÇÃO À VIOLÊNCIA
Contras as desigualdades da guerra
MÚSICAS A PARTIR DA DÉCADA DE 50
Soneto do amor total
Amo-te, meu amor... não cante
o humano coração com mais verdade...
Amo-te como amigo e como amante
numa sempre diversa realidade.
Amo-te enfim, de um calmo amor prestante
e te amo além, presente na saudade.
Amo-te, enfim, com grande liberdade
dentro da eternidade e a cada instante
Amo-te como um bicho, simplesmente,
de um amor sem mistério e sem virtude
com um desejo maciço e permanente.
E de te amar assim, muito e amiúde,
é que um dia em teu corpo de repente
Hei de morrer de amar mais do que pude.
SONETO DE FIDELIDADE
De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.
Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento
E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama
Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.
Rosa de Hiroshima
Pensem nas crianças
Mudas telepáticas
Pensem nas meninas
Cegas inexatas
Pensem nas mulheres
Rotas alteradas
Pensem nas feridas
Como rosas cálidas
Mas oh não se esqueçam
Da rosa da rosa
Da rosa de Hiroshima
A rosa hereditária
A rosa radioativa
Estúpida e inválida
A rosa com cirrose
A anti-rosa atômica
Sem cor sem perfume
Sem rosa sem nada
Carlos Drummond de Andrade
• Maior poeta do século XX.
• Sua poesia pode ser dividida em 4 fases:
• Irônica
• Social
• Metafísica
• Retrospectiva
FASE IRÔNICA (GAUCHE)
 Semana de 22
 Desajustado com o mundo
 Ironia, coloquialismo, humor
 Isolamento
 Individualismo, SUBJETIVO
 Reflexão existencial
FASE SOCIAL
 Estado Novo e 2ª guerra mundial
 Problemas sociais – alienado na primeira fase
 “A rosa do povo”
FASE METAFÍSICA (FILOSÓFICA)
 A partir da década de 40, desencantou-se com os
problemas sociais.
Pessimismo
Preocupação formal, versos regulares
 Vida, morte, tempo, velhice, amor, infância, poesia
FASE RETROSPECTIVA
 Retorna a ironia e humor
 Aprofundam-se temas como a infância em Minas,
amor, morte, família, amigos.
 IRÔNICO, MAS POÉTICO
NO MEIO DO CAMINHO
No meio do caminho tinha uma pedra
Tinha uma pedra no meio do caminho
Tinha uma pedra
No meio do caminho tinha uma pedra
Nunca me esquecerei desse acontecimento
Na vida de minhas retinas tão fatigadas.
Nunca me esquecerei que no meio do
caminho
Tinha uma pedra
Tinha uma pedra no meio do caminho
No meio do caminho tinha uma pedra.
POEMA DE SETE FACES
Quando nasci, um anjo torto
desses que vivem na sombra
disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.
As casas espiam os homens
que correm atrás de mulheres.
A tarde talvez fosse azul,
não houvesse tantos desejos.
O bonde passa cheio de pernas:
pernas brancas pretas amarelas.
Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu
coração.
Porém meus olhos
não perguntam nada.
O homem atrás do bigode
é sério, simples e forte.
Quase não conversa.
Tem poucos, raros amigos
o homem atrás dos óculos e do bigode.
Meu Deus, por que me abandonaste
se sabias que eu não era Deus,
se sabias que eu era fraco.
Mundo mundo vasto mundo
se eu me chamasse Raimundo
seria uma rima, não seria uma solução.
Mundo mundo vasto mundo,
mais vasto é meu coração.
Eu não devia te dizer
mas essa lua
mas esse conhaque
botam a gente comovido como o diabo
NOSSO TEMPO
Esse é tempo de partido,
tempo de homens partidos.
Em vão percorremos volumes,
viajamos e nos colorimos.
A hora pressentida esmigalha-se em pó na rua.
Os homens pedem carne. Fogo. Sapatos.
As leis não bastam. Os lírios não nascem
da lei. Meu nome é tumulto, e escreve-se
na pedra.
Visito os fatos, não te encontro.
Onde te ocultas, precária síntese,
penhor de meu sono, luz
dormindo acesa na varanda?
Miúdas certezas de empréstimos, nenhum beijo
sobe ao ombro para contar-me
a cidade dos homens completos (...)
Temas típicos
 O INDIVÍDUO – “Um eu todo retorcido”, desajeitado,
tímido, torturado.
 A TERRA NATAL – Relação com o lugar de origem.
 FAMÍLIA – O indivíduo interroga sem alegria e
sentimentalismo a família que existe dentro de si.
 OS AMIGOS – Mário de Andrade, Manuel Bandeira, Charles
Chaplin, Machado de Assis.
 CHOQUE SOCIAL – O espaço social onde se expressa
o indivíduo e onde ele se limita frente os outros.
 O AMOR – Nada de romântico ou sentimental, o amor é
uma amarga forma de conhecimento dos outros e de si.
 A POESIA – Fazer poética está presente.
 POEMAS-PIADA – Jogo com palavras (inocência)
 EXISTÊNCIA – Questão do estar-no-mundo.
A Bruxa
Nesta cidade do Rio,
estou sozinho no quarto
estou sozinho na |América,
Precisava de um amigo,
Desses calados, distantes,
Que lêem versos de Horácio
Mas secretamente influem
Na vida, no amor, na carne.
Estou só, não tenho amigo,
E a essa hora tardia
Como procurar amigo?
O indivíduo
Confidência do Itabirano
Alguns anos vivi em Itabira.
Principalmente nasci em Itabira.
Por isso sou triste, orgulhoso: de ferro.
Noventa por cento de ferros nas calçadas,
Oitenta por cento de ferro nas almas.
E esse alheamento do que na vida é porosidade e
comunicação.
A TERRA NATAL
Infância
Meu pai montava a cavalo, ia para o campo.
Minha mãe ficava sentada cosendo.
|Meu irmão pequeno dormia.
Eu sozinho menino entre mangueiras
lia a comprida história de Robinson Crusoé
Comprida história que não acaba mais.
Lá longe meu pai campeava
no mato sem fim da fazenda.
E eu não sabia que minha história
era mais bonita que a de Robinson Crusoé.
A FAMÍLIA
JORGE DE LIMA
 Alagoano ligado à política
 Versos parnasianos – imaginário Surrealista
 Poesia social paralela a uma poesia religiosa
 Poesia social – Cor local
Menino branco – imagens de negros
Denúncias das desigualdades sociais
Essa negra Fulô!!
Ora, se deu que chegou
(isso já faz muito tempo)
no bangüê dum meu avô
uma negra bonitinha,
chamada negra Fulô.
Essa negra Fulô!
Essa negra Fulô!
Ó Fulô! Ó Fulô!
(Era a fala da Sinhá)
— Vai forrar a minha cama
pentear os meus cabelos,
vem ajudar a tirar
a minha roupa, Fulô!
Essa negra Fulô!
Essa negrinha Fulô!
ficou logo pra mucama
pra vigiar a Sinhá,
pra engomar pro Sinhô!
Essa negra Fulô!
Essa negra Fulô!
Ó Fulô! Ó Fulô!
(Era a fala da Sinhá)
vem me ajudar, ó Fulô,
vem abanar o meu corpo
que eu estou suada, Fulô!
vem coçar minha coceira,
vem me catar cafuné,
vem balançar minha rede,
vem me contar uma história,
que eu estou com sono, Fulô!
Essa negra Fulô!
A segunda Guerra Mundial, a
ditadura no país, as perseguições
políticas, entre inúmeros problemas,
acentuaram a preocupação com o ser
humano, no plano social e individual.
Temas principais: preocupação
social e política, espiritualidade,
metafísica, questionamento
existencial.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geraçãoO romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geração
Antonio Minharro
 

Mais procurados (20)

Segunda geração modernista
Segunda geração modernistaSegunda geração modernista
Segunda geração modernista
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
 
2 Fase Modernista- ROMANCE DE 30
2 Fase Modernista- ROMANCE DE 302 Fase Modernista- ROMANCE DE 30
2 Fase Modernista- ROMANCE DE 30
 
2ª fase modernista (prosa)
2ª fase modernista (prosa)2ª fase modernista (prosa)
2ª fase modernista (prosa)
 
Literatura contemporânea
Literatura contemporâneaLiteratura contemporânea
Literatura contemporânea
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
O romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geraçãoO romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geração
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
 
Modernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geraçãoModernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geração
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
 
A geração de 45
A geração de 45A geração de 45
A geração de 45
 
1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo
 
Poesia marginal e tropicalismo
Poesia marginal e tropicalismoPoesia marginal e tropicalismo
Poesia marginal e tropicalismo
 
Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 

Semelhante a Modernismo 2 fase (geração de 30)

Modernismono brasil ii fase
Modernismono brasil ii faseModernismono brasil ii fase
Modernismono brasil ii fase
rillaryalvesj
 
MODERNISMO escola literária mais recente.ppt
MODERNISMO escola literária mais recente.pptMODERNISMO escola literária mais recente.ppt
MODERNISMO escola literária mais recente.ppt
AssisTeixeira2
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
Zenia Ferreira
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
Marcos Souza
 
Pré modernismo walbea
Pré   modernismo walbeaPré   modernismo walbea
Pré modernismo walbea
Miuria Goes
 

Semelhante a Modernismo 2 fase (geração de 30) (20)

Modernismo segunda fase
Modernismo segunda faseModernismo segunda fase
Modernismo segunda fase
 
Modernismo 2a. geração
Modernismo   2a. geraçãoModernismo   2a. geração
Modernismo 2a. geração
 
Modernismo e mail
Modernismo e mailModernismo e mail
Modernismo e mail
 
M O D E R N I S M
M O D E R N I S MM O D E R N I S M
M O D E R N I S M
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
2 tempo modernista
2 tempo modernista2 tempo modernista
2 tempo modernista
 
Modernismo ii fase
Modernismo ii faseModernismo ii fase
Modernismo ii fase
 
Panorama do modernismo no brasil
Panorama do modernismo no brasilPanorama do modernismo no brasil
Panorama do modernismo no brasil
 
Modernismono brasil ii fase
Modernismono brasil ii faseModernismono brasil ii fase
Modernismono brasil ii fase
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
MODERNISMO escola literária mais recente.ppt
MODERNISMO escola literária mais recente.pptMODERNISMO escola literária mais recente.ppt
MODERNISMO escola literária mais recente.ppt
 
O modernismo no brasil
O modernismo no brasilO modernismo no brasil
O modernismo no brasil
 
01 modernismo - 1a fase - 3o ano
01   modernismo - 1a fase - 3o ano01   modernismo - 1a fase - 3o ano
01 modernismo - 1a fase - 3o ano
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
 
pr-modernismo-slides-140331142604-phpapp01.pdf
pr-modernismo-slides-140331142604-phpapp01.pdfpr-modernismo-slides-140331142604-phpapp01.pdf
pr-modernismo-slides-140331142604-phpapp01.pdf
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
Prosa e poema de 30
Prosa e poema de 30 Prosa e poema de 30
Prosa e poema de 30
 
Pré modernismo walbea
Pré   modernismo walbeaPré   modernismo walbea
Pré modernismo walbea
 
Segunda geração do modernismo
Segunda geração do modernismoSegunda geração do modernismo
Segunda geração do modernismo
 
Modernismo Segunda Fase Brasil
Modernismo Segunda Fase BrasilModernismo Segunda Fase Brasil
Modernismo Segunda Fase Brasil
 

Último

Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
sfwsoficial
 

Último (20)

Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 

Modernismo 2 fase (geração de 30)

  • 2. CONTEXTO HISTÓRICO  CRISE CAFEEIRA EM 1929 (CAFÉ-COM-LEITE)  REVOLUÇÃO DE 1930 (VARGAS GOVERNO PROVISÓRIO  ASCENSÃO DO PARTIDO NAZIFACISTA  DITADURA DE GETÚLIO EM 1937-1945 2ª GUERRA MUNDIAL  BOMBA ATÔMICA (FINAL DA GUERRA FRIA)
  • 3. ATENÇÃO!  A geração de 30 não precisou ser combativa como a de 22. Eles já encontraram uma linguagem poética modernista estruturada.  O Modernismo já estava dinamicamente incorporado às práticas literárias brasileiras, sendo assim os modernistas de 30 estão mais voltados ao drama do mundo e ao desconcerto do capitalismo.
  • 4. ATENÇÃO! NÃO FOI COMBATIVA, FOI CONSTRUTIVA! PREOCUPAÇÃO DE ASSUMIR UMA POSTURA SÉRIA COM RELAÇÃO AO MUNDO!
  • 5. Novo Retrato do Modernismo PROSA •Influenciados pela repercursão da Semana de Arte Moderna – 1922; •Novo olhar: posicionamento crítico, construtivo e politico; •Surgimento dos romances regionalistas (com destaque para zona rural da Região Nordeste);
  • 6. Novo Retrato do Modernismo •Modernismo neorrealista (retoma características e moldes realistas e naturalistas) •Escritores amadurecidos em relação às Gerações anteriores, porém ingênuos, pois acreditavam que a simples denúncia da realidade social mudaria o comportamento da sociedade;
  • 7. Produção literária do período:Produção literária do período: PROSAPROSA Diferentemente da primeira fase, em queDiferentemente da primeira fase, em que reinou a poesia, agora a prosa de ficçãoreinou a poesia, agora a prosa de ficção ocupa lugar de maior destaque, sobretudoocupa lugar de maior destaque, sobretudo pela estréia de muitos escritores.pela estréia de muitos escritores. Prosa RegionalistaProsa Regionalista Examinada em conjunto, a prosa divide-se em:Examinada em conjunto, a prosa divide-se em: Prosa UrbanaProsa Urbana Prosa IntimistaProsa Intimista
  • 8. Prosa RegionalistaProsa Regionalista Busca de traços peculiares de nossaBusca de traços peculiares de nossa Realidade, trazida pelos românticos.Realidade, trazida pelos românticos. Uso de uma linguagem muito maisUso de uma linguagem muito mais próxima à fala brasileirapróxima à fala brasileira. Influência das idéias socialistasInfluência das idéias socialistas. A região nordeste, marcada por contrastesA região nordeste, marcada por contrastes sociais mais chocantes, forneceu materialsociais mais chocantes, forneceu material para grande parte da prosa: seca, cangaço epara grande parte da prosa: seca, cangaço e misticismo são motivações para essa fase.misticismo são motivações para essa fase. Muito conhecida como “Literatura do Nordeste”.Muito conhecida como “Literatura do Nordeste”.
  • 9. Prosa RegionalistaProsa Regionalista OBRA INAUGURALOBRA INAUGURAL ““A bagaceiraA bagaceira” de José” de José Américo de Almeida,Américo de Almeida, publicada em 1928.publicada em 1928. Rachel de Queiroz José Lins do Rego Jorge Amado Graciliano Ramos IMPORTANTESIMPORTANTES REGIONALISTASREGIONALISTAS
  • 10. Prosa UrbanaProsa Urbana As grandes cidades, com seus tipos eAs grandes cidades, com seus tipos e problemas característicos,problemas característicos, seriam a temática de Érico Veríssimo –seriam a temática de Érico Veríssimo – pelo menos no começopelo menos no começo de sua carreira, ede sua carreira, e de Marques Rabelo,de Marques Rabelo, entre outros.entre outros.
  • 11. Prosa IntimistaProsa Intimista Novidade surgida na segunda faseNovidade surgida na segunda fase do Modernismo.do Modernismo. A teoria psicanalítica de Freud extensamenteA teoria psicanalítica de Freud extensamente divulgada, incorporando as sugestões dedivulgada, incorporando as sugestões de psicanálise em que alguns autores preocupam-sepsicanálise em que alguns autores preocupam-se em desvendar o mundo interior de suas personagens,em desvendar o mundo interior de suas personagens, analisando angústias e conflitos internos.analisando angústias e conflitos internos. Também chamada “prosa deTambém chamada “prosa de sondagem psicológica”.sondagem psicológica”.
  • 12. Prosa IntimistaProsa Intimista Lúcio CardosoLúcio Cardoso PRINCIPAIS AUTORESPRINCIPAIS AUTORES Dyonélio Machado Cornélio Pena (Fronteira)Cornélio Pena (Fronteira) Otávio de FariaOtávio de Faria
  • 13. Principais Autores na Prosa •José Américo de Almeida • Rachel de Queiroz •Graciliano Ramos • Erico Verissimo • Jose Lins do Rego •Jorge Amado.
  • 14. JOSÉ AMÉRICO DE ALMEIDA •Inaugurou a temática social; •Exerceu grande influência política na Paraíba (Governador do estado); •Visão do homem nordestino entregue ao sabor das ingratas condições climáticas;
  • 15. JOSÉ AMÉRICO DE ALMEIDA “BAGACEIRA” •Marco do Romance de 30; •Linguagem culta e urbana misturada com outras variedades linguísticas; •Denuncia uma sociedade opressiva e marcada pela exploração dos retirantes nos engenhos de cana-de-açúcar.
  • 16. JOSÉ AMÉRICO DE ALMEIDA “BAGACEIRA” •Obra pioneira na abordagem do problema da seca e dos retirantes; •O título: representa o “bagaço da cana” e as pessoas “transformadas em bagaço” após a ação exploratória em que eram submetidas;
  • 17. JOSÉ AMÉRICO DE ALMEIDA “BAGACEIRA” Plano Social Plano Individual P. 36 da apostila
  • 18. Rachel de Queiroz •Boa formação intelectual; •Primeira dama da academia; 1910-2003
  • 19. Rachel de Queiroz “Os quinze” •Discorreu sobre a seca de 1915; •Linguagem coloquial, mesmo em personagens bem-formados, como Conceição;
  • 20. RACHEL DE QUEIROZ “Os quinze” Plano Social Plano Individual P. 37 da apostila
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24. Graciliano Ramos “Vidas Secas” •Fabiano: desloca-se pelo agreste com sua família; •Sinhá Vitória: carrega a utópica esperança de um dia dormer em uma cama (representação da dignidade feminine); •Filhos: (menino mais novo e menino mais velho): mundo de descobertas, mas destino incerto; •Cachorra baleia: conciência afetiva.
  • 25. GRACILIANO RAMOS “Vidas Secas” Plano Regional Plano universal P. 38 da apostila
  • 26.
  • 27. José Lins do Rego “Menino de Engenho” •Santa Rosa: engenho da família (obsoleto pelo aparecimento da usina canavieira); •Carlinhos: passa a infância acompanhando o engenho do avô, transparece nostalgia (elementos biográficos); •Outros romances: “Doidinho” (reatrata Carlinhos no internato e “Banguê” retrata Carlinhos com 24 anos, formado em direito, retornado para o Engenho Santa Rosa;
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33. Características na Poesia  Iniciou com o livro Alguma Poesia, de Carlos Drummond de Andrade.  Aprofundou os ideais e propostas da 1ª fase.  Verso livre.  Poesia sintética.  Questionamento da Realidade.  Busca o “eu-indivíduo” e o seu “estar no mundo”.  Investigação do papel do artista.  Metalinguagem. Corrente mais intimista e espiritualizada. Evidencia-se a fragilidade do Eu.
  • 34. Autores da segunda geração modernista – poesia 1930 Cecília Meireles Mário Quintana Murilo Mendes Vinicius de Moraes Carlos Drummond de Andrade Jorge de Lima
  • 35. CECÍLIA MEIRELES Características: • Escreve obras em poesia, prosa e também traduções. • Influência simbolista (neo-simbolismo). • Uso de lirismo (TEMPO) • Ceticismo e melancolia (solidão, saudade) • Musicalidade como apoio para seus lamentos. • Versos curtos e com ritmo. • Jogo de imagens, sons e cores. • Subjetivismo. Corrente espiritualista do Modernismo.
  • 36. IMPORTANTE, GENTE! SONHO, FANTASIA X SOLIDÃO, PADECIMENTO A realidade não é EXPLICADA, é VIVIDA Linguagem simbólica, sugestiva NEOSSIMBOLISTA Figuras sensoriais Transitoriedade da vida Não se descuidou da métrica
  • 37. Em “”Espectro” – forte influência simbolista Em “Viagem” sua poesia tomou força ATENÇÃO! “Romanceiro da Inconfidência” Resgate do romance - Redondilhas ROMANCEIRO – Canto, Trovadores Não se limita ao FATO, mas a coragem, valentia, traição, sonhos...
  • 38. Pungia a Marília, a bela, negro sonho atormentado: voava seu corpo longe, longe por alheio prado. Procurava o amor perdido, a antiga fala do amado. Mas o oráculo dos sonhos dizia a seu corpo alado: “Ah, volta, volta, Marília, tira-te desse cuidado, que teu pastor não se lembra de nenhum tempo passado...” E ela, dormindo, gemia: “Só se estivesse alienado!” Entre lágrimas se erguia seu claro rosto acordado. Volvia os olhos em roda, e logo, de cada lado, piedosas vozes discretas davam-lhe o mesmo recado: “Não chores tanto, Marília, por esse amor acabado: que esperavas que fizesse o teu pastor desgraçado, tão distante, tão sozinho, em tão lamentoso estado?” A bela, porém, gemia: “Só se estivesse alienado!” (...) ROMANCEIRO DA INCONFIDÊNCIA
  • 39. Motivo Eu canto porque o instante existe E a minha vida está completa. Não sou alegre nem sou triste :sou poeta. Irmão das coisas fugidas, Não sinto gozo nem tormento. Atravesso noites e dias no vento. Se desmorono ou se edifico, Se permaneço ou me desfaço, Não sei, não sei. Não sei se fico ou passo. Sei que canto.E a canção é tudo. Tem sangue eterno a asa ritmada. E um dia sei que estarei mudo: -mais nada.
  • 40. Retrato Eu não tinha este rosto de hoje, / assim calmo, assim triste, assim magro, / nem estes olhos tão vazios, / nem o lábio amargo. Eu não tinha estas mãos sem força, / tão paradas e frias e mortas; / eu não tinha este coração / que nem se mostra. Eu não dei por esta mudança, / tão simples, tão certa, tão fácil: - Em que espelho ficou perdida a minha face?
  • 41. Lua Adversa Tenho fases,como a lua fases de andar escondida, fases de vir para a rua... Perdição da minha vida! Tenho fases de ser tua, tenho outra de ser sozinha.
  • 42. Fases que vão e que vêm no secreto calendário que um astrólogo arbitrário inventou para meu uso. E roda a melancolia Seu interminável fuso! Não me encontro com ninguém (tenho fases, como a lua...) No dia de alguém ser meu não é dia de eu ser sua... E, quando chega esse dia, o outro desapareceu...
  • 43. Canção Pus o meu sonho num navio e o navio em cima do mar; - depois, abri o mar com as mãos, para o meu sonho naufragar Minhas mãos ainda estão molhadas do azul das ondas entreabertas, e a cor que escorre de meus dedos colore as areias desertas. O vento vem vindo de longe, a noite se curva de frio; debaixo da água vai morrendo meu sonho, dentro de um navio...
  • 44. MÁRIO QUINTANA  RUA DOS CATAVENTOS - Melancolia, morte, solidão, infância e amor, às vezes com um tom irônico.  POÉTICA DESENCANTADA COM O MUNDO – É DIFÍCIL DETECTAR AS CAUSAS DAS TRISTEZAS  Linguagem vaga, imprecisa e rica VERTENTE ESPIRITUAL – HERANÇA SIMBOLISTA DE CECÍLIA  SUBJETIVISMO – INDIVIDUALISMO POETA NÃO SE LIGA AO CONTEXTO, MAS AS COISAS AO SEU REDOR NÃO EXISTE PREOCUPAÇÃO SOCIAL
  • 45. A RUA DOS CATAVENTOS Da vez primeira em que me assassinaram, Perdi um jeito de sorrir que eu tinha. Depois, a cada vez que me mataram, Foram levando qualquer coisa minha. Hoje, dos meu cadáveres eu sou O mais desnudo, o que não tem mais nada. Arde um toco de Vela amarelada, Como único bem que me ficou. Vinde! Corvos, chacais, ladrões de estrada! Pois dessa mão avaramente adunca Não haverão de arracar a luz sagrada! Aves da noite! Asas do horror! Voejai! Que a luz trêmula e triste como um aí A luz de um morto não se apaga nunca!
  • 46. POEMINHA DO CONTRA Todos estes que aí estão Atravancando o meu caminho, Eles passarão. Eu passarinho! HORROR Com os seus OO de espanto, seus RR guturais, seu hirto H, HORROR é uma palavra de cabelos em pé, assustada da própria significação.
  • 47. A arte de viver A arte de viver é simplesmente a arte de conviver ... simplesmente, disse eu? Mas como é difícil! Cartaz para uma Feira do Livro Os verdadeiros analfabetos são os que aprenderam a ler e não leem.
  • 48. Murilo Mendes • Poema-piada, sátiras, temas político-sociais • Humor e ironia como crítica • Apesar de ser modernista, teve um estilo próprio, aproximando-se do Surrealismo europeu. • Explora os estados de consciência do ser humano através do jogo de imagens. • Poeta complexo de difícil interpretação.
  • 49. LINHAS PARALELAS Um presidente resolve Construir uma boa escola Numa vila bem distante. Mas ninguém vai nessa escola: Não tem estrada pra lá. Depois ele resolveu Construir uma estrada boa Numa outra vila do Estado. Ninguém se muda pra lá Porque lá não tem escola
  • 50. Minha terra tem macieiras da Califórnia onde cantam gaturamos de Veneza. Os poetas da minha terra são pretos que vivem em torres de ametista, os sargentos do exército são monistas, cubistas, os filósofos são polacos vendendo a prestações. A gente não pode dormir com os oradores e os pernilongos. Eu morro sufocado em terra estrangeira. Nossas flores são mais bonitas nossas frutas mais gostosas mas custam cem mil réis a dúzia. Ai quem me dera chupar uma carambola de verdade e ouvir um sabiá com certidão de idade! CANÇÃO DO EXÍLIO
  • 51. OS DOIS LADOS Deste lado tem meu corpo Tem o sonho Tem a minha namorada na janela Tem as ruas gritando de luzes e movimentos Tem meu amor tão lento Tem meu anjo da guarda Que às vezes se esquece de me guardar Tem o mundo batendo na minha memória Tem o caminho pro trabalho. Do outro lado tem outras vidas vivendo da minha vida Tem pensamento sérios me esperando na sala de visitas Tem a minha noiva definitiva me esperando com flores na mão, Tem a morte, as colunas da ordem e da desordem.
  • 52. PERÍODO DE MUDANÇA!!!! • CRISE METAFÍSICA • ARTE RELIGIOSA E FILOSÓFICA CATOLICISMO • “Tempo e eternidade” – Jorge de Lima – movimento religioso. • Logo após, fundem-se com o engajamento social
  • 53. POEMA ESPIRITUAL Eu me sinto um fragmento de Deus Como sou um resto de raiz Um pouco de água dos mares O braço desgarrado de uma constelação. A matéria pensa por ordem de Deus, Transforma-se e evolui por ordem de Deus. A matéria variada e bela É uma das formas visíveis do invisível. Cristo, dos filhos do homem és o perfeito. Na Igreja há pernas, seios, ventres e cabelos Em toda a parte, até nos altares. Há grandes forças de matéria na terra no mar e no ar Que se entrelaçam e se casam reproduzindo Mil versões dos pensamentos divinos. A matéria é forte e absoluta, sem ela não há poesia
  • 55. Características • 1ª fase: Colégio Jesuítico • Transcendental e místico • Espiritualidade - NEOSSIMBOLISTA. • Versos mais longos, melancólicos, linguagem complexa • 2ª fase: “Cinco elegias” • Proximidade com o mundo material • Preocupação social • Linguagem coloquial, dia – mas...SONETO
  • 56. • “3ª fase” • Versos mais curtos; sonetos; às vezes um modelo de Camões; versos decassílabos e alexandrinos. • Dá vazão ao erotismo e lirismo – mais conhecido • Não existe preconceitos ou tabus • SAUDADE, PAIXÃO, DESEJO, SEPARAÇÃO • No aspecto social, sua literatura aparece como OPOSIÇÃO À VIOLÊNCIA Contras as desigualdades da guerra MÚSICAS A PARTIR DA DÉCADA DE 50
  • 57. Soneto do amor total Amo-te, meu amor... não cante o humano coração com mais verdade... Amo-te como amigo e como amante numa sempre diversa realidade. Amo-te enfim, de um calmo amor prestante e te amo além, presente na saudade. Amo-te, enfim, com grande liberdade dentro da eternidade e a cada instante
  • 58. Amo-te como um bicho, simplesmente, de um amor sem mistério e sem virtude com um desejo maciço e permanente. E de te amar assim, muito e amiúde, é que um dia em teu corpo de repente Hei de morrer de amar mais do que pude.
  • 59. SONETO DE FIDELIDADE De tudo ao meu amor serei atento Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto Que mesmo em face do maior encanto Dele se encante mais meu pensamento. Quero vivê-lo em cada vão momento E em seu louvor hei de espalhar meu canto E rir meu riso e derramar meu pranto Ao seu pesar ou seu contentamento
  • 60. E assim, quando mais tarde me procure Quem sabe a morte, angústia de quem vive Quem sabe a solidão, fim de quem ama Eu possa me dizer do amor (que tive): Que não seja imortal, posto que é chama Mas que seja infinito enquanto dure.
  • 61. Rosa de Hiroshima Pensem nas crianças Mudas telepáticas Pensem nas meninas Cegas inexatas Pensem nas mulheres Rotas alteradas Pensem nas feridas Como rosas cálidas Mas oh não se esqueçam Da rosa da rosa Da rosa de Hiroshima A rosa hereditária A rosa radioativa Estúpida e inválida A rosa com cirrose A anti-rosa atômica Sem cor sem perfume Sem rosa sem nada
  • 62. Carlos Drummond de Andrade • Maior poeta do século XX. • Sua poesia pode ser dividida em 4 fases: • Irônica • Social • Metafísica • Retrospectiva
  • 63. FASE IRÔNICA (GAUCHE)  Semana de 22  Desajustado com o mundo  Ironia, coloquialismo, humor  Isolamento  Individualismo, SUBJETIVO  Reflexão existencial FASE SOCIAL  Estado Novo e 2ª guerra mundial  Problemas sociais – alienado na primeira fase  “A rosa do povo”
  • 64. FASE METAFÍSICA (FILOSÓFICA)  A partir da década de 40, desencantou-se com os problemas sociais. Pessimismo Preocupação formal, versos regulares  Vida, morte, tempo, velhice, amor, infância, poesia FASE RETROSPECTIVA  Retorna a ironia e humor  Aprofundam-se temas como a infância em Minas, amor, morte, família, amigos.  IRÔNICO, MAS POÉTICO
  • 65. NO MEIO DO CAMINHO No meio do caminho tinha uma pedra Tinha uma pedra no meio do caminho Tinha uma pedra No meio do caminho tinha uma pedra Nunca me esquecerei desse acontecimento Na vida de minhas retinas tão fatigadas. Nunca me esquecerei que no meio do caminho Tinha uma pedra Tinha uma pedra no meio do caminho No meio do caminho tinha uma pedra.
  • 66. POEMA DE SETE FACES Quando nasci, um anjo torto desses que vivem na sombra disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida. As casas espiam os homens que correm atrás de mulheres. A tarde talvez fosse azul, não houvesse tantos desejos. O bonde passa cheio de pernas: pernas brancas pretas amarelas. Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração. Porém meus olhos não perguntam nada. O homem atrás do bigode é sério, simples e forte. Quase não conversa. Tem poucos, raros amigos o homem atrás dos óculos e do bigode.
  • 67. Meu Deus, por que me abandonaste se sabias que eu não era Deus, se sabias que eu era fraco. Mundo mundo vasto mundo se eu me chamasse Raimundo seria uma rima, não seria uma solução. Mundo mundo vasto mundo, mais vasto é meu coração. Eu não devia te dizer mas essa lua mas esse conhaque botam a gente comovido como o diabo
  • 68. NOSSO TEMPO Esse é tempo de partido, tempo de homens partidos. Em vão percorremos volumes, viajamos e nos colorimos. A hora pressentida esmigalha-se em pó na rua. Os homens pedem carne. Fogo. Sapatos. As leis não bastam. Os lírios não nascem da lei. Meu nome é tumulto, e escreve-se na pedra. Visito os fatos, não te encontro. Onde te ocultas, precária síntese, penhor de meu sono, luz dormindo acesa na varanda? Miúdas certezas de empréstimos, nenhum beijo sobe ao ombro para contar-me a cidade dos homens completos (...)
  • 69. Temas típicos  O INDIVÍDUO – “Um eu todo retorcido”, desajeitado, tímido, torturado.  A TERRA NATAL – Relação com o lugar de origem.  FAMÍLIA – O indivíduo interroga sem alegria e sentimentalismo a família que existe dentro de si.  OS AMIGOS – Mário de Andrade, Manuel Bandeira, Charles Chaplin, Machado de Assis.
  • 70.  CHOQUE SOCIAL – O espaço social onde se expressa o indivíduo e onde ele se limita frente os outros.  O AMOR – Nada de romântico ou sentimental, o amor é uma amarga forma de conhecimento dos outros e de si.  A POESIA – Fazer poética está presente.  POEMAS-PIADA – Jogo com palavras (inocência)  EXISTÊNCIA – Questão do estar-no-mundo.
  • 71. A Bruxa Nesta cidade do Rio, estou sozinho no quarto estou sozinho na |América, Precisava de um amigo, Desses calados, distantes, Que lêem versos de Horácio Mas secretamente influem Na vida, no amor, na carne. Estou só, não tenho amigo, E a essa hora tardia Como procurar amigo? O indivíduo
  • 72. Confidência do Itabirano Alguns anos vivi em Itabira. Principalmente nasci em Itabira. Por isso sou triste, orgulhoso: de ferro. Noventa por cento de ferros nas calçadas, Oitenta por cento de ferro nas almas. E esse alheamento do que na vida é porosidade e comunicação. A TERRA NATAL
  • 73. Infância Meu pai montava a cavalo, ia para o campo. Minha mãe ficava sentada cosendo. |Meu irmão pequeno dormia. Eu sozinho menino entre mangueiras lia a comprida história de Robinson Crusoé Comprida história que não acaba mais. Lá longe meu pai campeava no mato sem fim da fazenda. E eu não sabia que minha história era mais bonita que a de Robinson Crusoé. A FAMÍLIA
  • 74. JORGE DE LIMA  Alagoano ligado à política  Versos parnasianos – imaginário Surrealista  Poesia social paralela a uma poesia religiosa  Poesia social – Cor local Menino branco – imagens de negros Denúncias das desigualdades sociais
  • 75. Essa negra Fulô!! Ora, se deu que chegou (isso já faz muito tempo) no bangüê dum meu avô uma negra bonitinha, chamada negra Fulô. Essa negra Fulô! Essa negra Fulô! Ó Fulô! Ó Fulô! (Era a fala da Sinhá) — Vai forrar a minha cama pentear os meus cabelos, vem ajudar a tirar a minha roupa, Fulô! Essa negra Fulô!
  • 76. Essa negrinha Fulô! ficou logo pra mucama pra vigiar a Sinhá, pra engomar pro Sinhô! Essa negra Fulô! Essa negra Fulô! Ó Fulô! Ó Fulô! (Era a fala da Sinhá) vem me ajudar, ó Fulô, vem abanar o meu corpo que eu estou suada, Fulô! vem coçar minha coceira, vem me catar cafuné, vem balançar minha rede, vem me contar uma história, que eu estou com sono, Fulô! Essa negra Fulô!
  • 77. A segunda Guerra Mundial, a ditadura no país, as perseguições políticas, entre inúmeros problemas, acentuaram a preocupação com o ser humano, no plano social e individual. Temas principais: preocupação social e política, espiritualidade, metafísica, questionamento existencial.