SlideShare uma empresa Scribd logo
ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOÃO CRUZ

Assunto: Movimento Literário Classicismo
Tema: Movimento Literário Classicismo: o homem em seu ápice artístico
Alunos e números: Laryssa Prudencio Cruz- nº 17.
Matheus de Paula Félix - nº 28.
Nicole Gonçalves Pintor - nº 31.
Pedro Henrique Martins - nº 32.
Série: 1º ano D - Ensino Médio
Professora: Maria Piedade Teodoro da Silva
Disciplina: Língua Portuguesa

Jacareí, 12 de novembro de 2013.
I. INTRODUÇÃO

O assunto que será abordado durante esta pesquisa é sobre um movimento literário
chamado Classicismo que ocorreu no século XVI, na Europa. Ao longo desse estudo, a
intenção é buscar responder "O que é Classicismo?" e "Qual foi a importância para a
literatura nesse movimento?". Essas são perguntas de extrema importância para a
compreensão do assunto. O objetivo, então, é esclarecer o que é Classicismo e qual foi e é
sua importância nos tempos atuais, para o desenvolvimento da literatura brasileira.
Classicismo é o nome que se dá a literatura produzida durante a vigência do Renascimento,
transformação poética, econômica e cultural que atingiu sua plenitude nos séculos XV e XVI.
Época marcada por fatos decisivos, como, as navegações e o descobrimento, no final do
século XV. Portugal, nos séculos XV e XVI, vive um momento de glória e desenvolvimento.
Esse contexto, então, propícia o surgimento do Movimento Literário Classicismo que
recupera temas e formas da antiguidade greco-romana, como, soneto.
II. CLASSICISMO: O HOMEM COMO CENTRO DO UNIVERSO

1. Origem

O Movimento Literário Classicismo é uma continuação do Movimento Literário Humanismo,
pelo

fato

de

que

ambos

voltam

-

se

para

a

capacidade

humana.

Nessa época, surgem as imitações de obras greco-romanas que foi uma renovação literária;
por isso o nome de Classicismo que surge na época do Renascimento, considerado a “Nova
Era” para a arte, pois os artistas usam de seu próprio engenho pessoal para criar suas artes
inspiradas no homem. Essa proposta surgiu, principalmente, na Itália (Florença) e depois se
estende

por

outros

países

da

Europa.

O Movimento Literário Classicismo, logo, oferecia á Europa do século XV e XVI, uma
perspectiva

que

valoriza

o

ser

humano

como

agente

do

conhecimento.

Ao recolocar o Homem ao centro do Universo, o Renascimento estimula as pesquisas e
experiências científicas desenvolvendo o estudo do corpo humano, diversas novidades no
mundo da ciência são descobertas e assim, o renascimento distancia- se cada vez mais da
Idade Média. O cientista renascentista apoia-se na ideia de observação da realidade como
base

do

conhecimento.

Isso

sim

inaugura

a

ciência

moderna.

Histórias bíblicas e da mitologia grega e romana foram usadas como inspiração na época do
Renascimento, para criação de quadros, pinturas, esculturas, desenhos e artesanato, dentre
outros. O Classicismo baseia-se na recriação de obras, que na época, considerava cópia,
mas sim recriação, apoiando-se sempre na separação de sentimento e razão.
2. Classicismo em Portugal

A renovação literária poética em Portugal foi trazida da Itália por Sá de Miranda, no ano de
1527, era o chamado estilo novo em Portugal mais conhecido como "Doce estilo novo". A
literatura portuguesa e a arte teve seu destaque no século XVI, marcado pela obra humanista
de Gil Vicente, e como máxima expressão do Renascimento com obras de Luís Vaz de
Camões. O contorno definitivo da língua portuguesa também foi iniciado no século XVI,
assim formando o período do português moderno. Em Portugal, o momento histórico vivido
pela Dinastia de Avis facilita a entrada das novas mudanças vindas da Itália. No final do
século XV é introduzida a imprensa, autores humanistas começaram a ser lidos. O final do
século XVI Portugal sofre uma queda econômica e politica. Em 1580 a península ibérica sob
o domínio espanhol marca o fim do classicismo quinhentista, assim iniciando-se o Movimento
Literário Barroco.

3. Luís Vaz de Camões: poeta épico e lírico

3.1. Camões épico

Escritor representativo que escreveu peças literárias , além de poesias líricas (redondilhas e
sonetos) e a poesia épica , principal obra dessa época "Os Lusíadas", nela apresenta mitos
e histórias, o eu lírico coloca os navegadores portugueses como heróis superiores aos heróis
das epopeias clássicas Odisseia e Eneida, que foram grandes modelos dos poemas épicos
para Camões. Essa obra de Camões é considerada a epopeia portuguesa na qual defende a
fé única no Deus cristão. Ela é centrada no fato do descobrimento do caminho marítimo para
Índia pelos portugueses e, para isso Camões inventou uma fábula mitológica na qual os
deuses eram como se fossem humanos.
As principais características de “Os Lusíadas”: constituído por dez partes, chamadas
de cantos que possui um número variável de estrofes (em média, 110); as estâncias (estrofe)
são oitavas, tendo, portanto, oito versos; a rima é cruzada nos seis primeiros versos e
emparelhada nos dois últimos (ab ab ab cc); cada verso é constituído por dez sílabas
métricas (decassilábico), na sua maioria heroica (acentuadas nas sextas e décimas sílabas).
A obra de camões é dividida em quatro planos que vão se entrelaçando no decorrer da
história são eles:
 Plano da Viagem com a narração dosacontecimentos ocorridos durante a viagem entr
e Lisboa e Calecut.
 Plano da História de Portugal com o relato dos
fatos marcantes da História de Portugal.
 Plano da Mitologia que permite e favorece a evoluçãoda ação.A mitologia constitui,por
isso, a intriga da obra.
 Plano do Poetacomm as considerações e as opiniões do autor expressas, nomeadam
ente, no início e no fim dos Cantos.
Segue abaixo um exemplo de epopeia que camões utilizava em “Os Lusíadas”.
“As armas e os Barões assinalados
Que, da Ocidental praia Lusitana
Por mares nunca de antes navegados
Passaram ainda além da Taprobana,
Em perigos e guerras esforçados,
mais do que prometia a força humana,
E entre gente remota edificaram
novo Reino, que tanto sublimaram;” (Camões, Luís de. Os lusíadas, Lisboa Imprensa
Nacional, 193.).
3.2. Camões lírico

Camões utiliza, nos poemas, tanto a medida velha (redondilha) quanto medida nova
(decassílabos); os temas mais importantes são o neoplatonismo amoroso, a reflexão
filosófica e a natureza. O exemplo a seguir comprova essa temática camoniana recorrente
até os dias de hoje:

Transforma-se o amador na cousa amada,
Por virtude de muito imaginar;
Não tenho logo mais que desejar;
Pois em mim tenho a parte desejada.
Se nela está minha alma transformada,
Que mais deseja o corpo de alcançar?
Em se somente pode descansar,
Pois consigo tal alma esta liada.
Mas esta linda e pura semideia,
Que, como o acidente em seu sujeito,
Assim com a alma minha se conforma.
Está no pensamento como ideia;
[E] o vivo e puro amor de que sou feito,
Como a matéria simples busca a forma.” (Camões, Luís Vaz de. Rimas. Texto estabelecido
e prefaciado por Álvaro J. Da Costa Pimpão. Universidade de Coimbra, 1953. P. 135)
A poesia lírica é centrada na objetividade reveladora do mundo interior. Camões em sua
poesia lírica utiliza como recurso estilístico a sonoridade das palavras. Soneto contém 14
versos que são dispostos em 4 estrofes; 2 quartetos e 2 tercetos. Também existe outro tipo
de soneto que é o petraquianos que contém rimas no sistema abba, cddc, dcd.
Na poesia lírica, Camões descreve que o amor só vale a pena quando é complexo, um
sentimento que entusiasma o homem, Camões retrata que o amor deve ser sentido, provado,
não pode ficar somente no pensamento.
Nesse poema Camões questiona o que é o amor?
Amar é um fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer.
É um não querer mais que bem querer;
É um andar solitário entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É um cuidar que ganha em se perder.
É quere estar preso por vontade;
É servir a quem vence o vencedor;
É ter com quem nos mata a lealdade.
Mas como causar pode seu favor,
Nos corações humana amizade;
Se tão contrario a si é o mesmo amor?
Na poesia lírica, Camões descreve que o amor só vale a pena quando é complexo, um
sentimento que entusiasma o homem, Camões descreve que o amor deve ser sentido,
provado, não pode ficar somente no pensamento.
IV. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Realizamos a pesquisa com facilidade e parceria, já que todos participaram empenhando a
favor do êxito para se conseguir responder as perguntas de pesquisa, assim atingir os
objetivos estabelecidos; para isso foi feito muitas leituras, analise, e discussões de diferentes
opiniões sobre o tema.
Concluímos que podemos explicar o Movimento Literário Classicismo como uma tendência
artística e literária que resgata formas e valores greco-romanos da Antiguidade Clássica,
especialmente a cultura grega entre os séculos VI a.C e IV a.C. Essa retomada acontece
várias vezes ao longo da história ocidental, inclusive na Idade Média; porém é mais intensa
do século XIV ao XVI na Itália, chegando, em seguida, à Portugal. Nas Artes Plásticas, na
Literatura e no Teatro, o Movimento Literário Classicismo coincide com o Renascimento. Na
Música adquire certas características próprias e se manifesta, posteriormente, a partir de
meados do século XVIII. Gostamos da experiência, pois podemos aprofundar nossos
conhecimentos de uma forma descontraída e interativa.
V. REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS

CADORE, Luís Agostinho, Curso Prático de Português. São Paulo: Ática, 1998.
SARMENTO, Leila Luar & TUFANO, Douglas. Português. São Paulo: Moderna, 2004.
TERRA, Ernani & NICOLA, José de. Curso Prático de Língua, Literatura e Redação. São
Paulo: Scipione, 1997.
BARRETO, Ricardo Gonçalves. Português ensino médio Ser Protagonista, São Paulo:
editora SM, 2010.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Humanismo e Classicismo
Humanismo e ClassicismoHumanismo e Classicismo
Humanismo e Classicismo
CrisBiagio
 
Classicismo videoaula
Classicismo  videoaulaClassicismo  videoaula
Classicismo videoaula
ADRIANA BORDINHÃO VICIOLI
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Dani Bertollo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Ana Paula Brisolar
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Gislaine Silva
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Adeildo Júnior
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Marta Morais
 
Classicismo
Classicismo Classicismo
Classicismo
PATRICIA VIANA
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Francisco
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
guesta61019
 
Mapa Resumo classicismo
Mapa Resumo classicismoMapa Resumo classicismo
Mapa Resumo classicismo
Julimac
 
Renascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e ClassicismoRenascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e Classicismo
Teresa Pombo
 
Aula classicismo
Aula classicismoAula classicismo
Aula classicismo
Thani Almeida
 
Renascimento, Classicismo e Humanismo
Renascimento, Classicismo e HumanismoRenascimento, Classicismo e Humanismo
Renascimento, Classicismo e Humanismo
complementoindirecto
 
RENASCIMENTO E CLASSICISMO
RENASCIMENTO E CLASSICISMORENASCIMENTO E CLASSICISMO
RENASCIMENTO E CLASSICISMO
gabrielle gaby
 
Português - Renascimento ou Classicismo
Português - Renascimento ou ClassicismoPortuguês - Renascimento ou Classicismo
Português - Renascimento ou Classicismo
Luana D'Luna
 
Classicismo rev
Classicismo revClassicismo rev
Classicismo rev
Marcos Azevedo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Simone Giglio
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Ana Paula Brisolar
 

Mais procurados (20)

Humanismo e Classicismo
Humanismo e ClassicismoHumanismo e Classicismo
Humanismo e Classicismo
 
Classicismo videoaula
Classicismo  videoaulaClassicismo  videoaula
Classicismo videoaula
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Classicismo
Classicismo Classicismo
Classicismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Mapa Resumo classicismo
Mapa Resumo classicismoMapa Resumo classicismo
Mapa Resumo classicismo
 
Renascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e ClassicismoRenascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e Classicismo
 
Aula classicismo
Aula classicismoAula classicismo
Aula classicismo
 
Renascimento, Classicismo e Humanismo
Renascimento, Classicismo e HumanismoRenascimento, Classicismo e Humanismo
Renascimento, Classicismo e Humanismo
 
RENASCIMENTO E CLASSICISMO
RENASCIMENTO E CLASSICISMORENASCIMENTO E CLASSICISMO
RENASCIMENTO E CLASSICISMO
 
Português - Renascimento ou Classicismo
Português - Renascimento ou ClassicismoPortuguês - Renascimento ou Classicismo
Português - Renascimento ou Classicismo
 
Classicismo rev
Classicismo revClassicismo rev
Classicismo rev
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 

Destaque

Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Andrezza Cameski
 
falando do fim
falando do fimfalando do fim
falando do fim
Jose Moraes
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Quinhentismo-Humanismo
Quinhentismo-HumanismoQuinhentismo-Humanismo
Quinhentismo-Humanismo
Adriel Henrique
 
Classicismo ou quinhentismo
Classicismo ou quinhentismoClassicismo ou quinhentismo
Classicismo ou quinhentismo
Ronaldo Assis
 
Desertificação 9º2
Desertificação 9º2Desertificação 9º2
Desertificação 9º2
Mayjö .
 
How Does Desertification Effect Africa
How Does Desertification Effect AfricaHow Does Desertification Effect Africa
How Does Desertification Effect Africa
guestbba18e65
 
Desertification
DesertificationDesertification
Desertification
Ilenya Dimech
 
Desertificaçao- 9º1
Desertificaçao- 9º1Desertificaçao- 9º1
Desertificaçao- 9º1
Mayjö .
 
A desertificação
A desertificaçãoA desertificação
A desertificação
brunopereira1
 
Renascimento, Classicismo e Humanismo
Renascimento, Classicismo e HumanismoRenascimento, Classicismo e Humanismo
Renascimento, Classicismo e Humanismo
complementoindirecto
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
Faell Vasconcelos
 

Destaque (12)

Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
falando do fim
falando do fimfalando do fim
falando do fim
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Quinhentismo-Humanismo
Quinhentismo-HumanismoQuinhentismo-Humanismo
Quinhentismo-Humanismo
 
Classicismo ou quinhentismo
Classicismo ou quinhentismoClassicismo ou quinhentismo
Classicismo ou quinhentismo
 
Desertificação 9º2
Desertificação 9º2Desertificação 9º2
Desertificação 9º2
 
How Does Desertification Effect Africa
How Does Desertification Effect AfricaHow Does Desertification Effect Africa
How Does Desertification Effect Africa
 
Desertification
DesertificationDesertification
Desertification
 
Desertificaçao- 9º1
Desertificaçao- 9º1Desertificaçao- 9º1
Desertificaçao- 9º1
 
A desertificação
A desertificaçãoA desertificação
A desertificação
 
Renascimento, Classicismo e Humanismo
Renascimento, Classicismo e HumanismoRenascimento, Classicismo e Humanismo
Renascimento, Classicismo e Humanismo
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 

Semelhante a Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013

Seminário de língua portuguesa.rtf
Seminário de língua portuguesa.rtfSeminário de língua portuguesa.rtf
Seminário de língua portuguesa.rtf
anigoncalves
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
José Ferreira
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
António Cunha
 
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURAliteratura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
mariasantos1451
 
Luís de camões
Luís de camõesLuís de camões
Luís de camões
Ana Helena
 
Trovadorismo ao Barroco
Trovadorismo ao BarrocoTrovadorismo ao Barroco
Trovadorismo ao Barroco
Portal do Vestibulando
 
O renascimento ou classicismo 1º ano
O renascimento ou classicismo  1º anoO renascimento ou classicismo  1º ano
O renascimento ou classicismo 1º ano
Colégio Santa Luzia
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
Likaa
 
Escolas literárias .pdf
Escolas literárias   .pdfEscolas literárias   .pdf
Escolas literárias .pdf
CindiaAianaFariaLima1
 
Camões - contextualização
Camões - contextualizaçãoCamões - contextualização
Camões - contextualização
Rosalina Simão Nunes
 
Resumo de literatura
Resumo de literaturaResumo de literatura
Resumo de literatura
Nádia França
 
História da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universalHistória da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universal
heleira02
 
Movimentos Literários
Movimentos LiteráriosMovimentos Literários
Movimentos Literários
Gabriel Andrade
 
CLASSICISMO
CLASSICISMOCLASSICISMO
CLASSICISMO
marianna65
 
Ft21 Lusiadas Textos Introdutorios
Ft21 Lusiadas Textos IntrodutoriosFt21 Lusiadas Textos Introdutorios
Ft21 Lusiadas Textos Introdutorios
Fernanda Soares
 
Aula 03 classicismo
Aula 03   classicismoAula 03   classicismo
Aula 03 classicismo
Jonatas Carlos
 
Os lusiadas
Os lusiadasOs lusiadas
Os lusiadas
Nataly Silva
 
Renascimento e Classicismo
Renascimento e ClassicismoRenascimento e Classicismo
Renascimento e Classicismo
Colégio Estadual Felipe Cassiano
 
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao Barroco
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao  Barroco Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao  Barroco
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao Barroco
Nivaldo Marques
 
Literatura em portugal
Literatura em portugalLiteratura em portugal
Literatura em portugal
Sinziana Socol
 

Semelhante a Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013 (20)

Seminário de língua portuguesa.rtf
Seminário de língua portuguesa.rtfSeminário de língua portuguesa.rtf
Seminário de língua portuguesa.rtf
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURAliteratura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
 
Luís de camões
Luís de camõesLuís de camões
Luís de camões
 
Trovadorismo ao Barroco
Trovadorismo ao BarrocoTrovadorismo ao Barroco
Trovadorismo ao Barroco
 
O renascimento ou classicismo 1º ano
O renascimento ou classicismo  1º anoO renascimento ou classicismo  1º ano
O renascimento ou classicismo 1º ano
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Escolas literárias .pdf
Escolas literárias   .pdfEscolas literárias   .pdf
Escolas literárias .pdf
 
Camões - contextualização
Camões - contextualizaçãoCamões - contextualização
Camões - contextualização
 
Resumo de literatura
Resumo de literaturaResumo de literatura
Resumo de literatura
 
História da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universalHistória da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universal
 
Movimentos Literários
Movimentos LiteráriosMovimentos Literários
Movimentos Literários
 
CLASSICISMO
CLASSICISMOCLASSICISMO
CLASSICISMO
 
Ft21 Lusiadas Textos Introdutorios
Ft21 Lusiadas Textos IntrodutoriosFt21 Lusiadas Textos Introdutorios
Ft21 Lusiadas Textos Introdutorios
 
Aula 03 classicismo
Aula 03   classicismoAula 03   classicismo
Aula 03 classicismo
 
Os lusiadas
Os lusiadasOs lusiadas
Os lusiadas
 
Renascimento e Classicismo
Renascimento e ClassicismoRenascimento e Classicismo
Renascimento e Classicismo
 
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao Barroco
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao  Barroco Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao  Barroco
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao Barroco
 
Literatura em portugal
Literatura em portugalLiteratura em portugal
Literatura em portugal
 

Mais de Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP

Diferenças entre cartum charge e tira
Diferenças entre cartum charge e tiraDiferenças entre cartum charge e tira
Diferenças entre cartum charge e tira
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Classe gramatical 2014
Classe gramatical 2014Classe gramatical 2014
Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015
Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015
Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
A hora da_estrela
A hora da_estrelaA hora da_estrela
O retrato real da sociedade burguesa no século XIX pela percepção do Movimen...
O retrato real da sociedade burguesa  no século XIX pela percepção do Movimen...O retrato real da sociedade burguesa  no século XIX pela percepção do Movimen...
O retrato real da sociedade burguesa no século XIX pela percepção do Movimen...
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
REALISMO E NATURALISMO
REALISMO E NATURALISMOREALISMO E NATURALISMO
A máscara da ópera em dom casmurro
A máscara da ópera em dom casmurroA máscara da ópera em dom casmurro
A máscara da ópera em dom casmurro
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Iracema de alencar
Iracema de alencarIracema de alencar
Sintaxe do periodo simples
Sintaxe do periodo simplesSintaxe do periodo simples
Orações subordinadas adverbiais 2014
Orações subordinadas adverbiais 2014Orações subordinadas adverbiais 2014
Orações subordinadas adverbiais 2014
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Orações subordinadas substantivas 2014
Orações subordinadas substantivas 2014Orações subordinadas substantivas 2014
Orações subordinadas substantivas 2014
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Gentileza gera gentileza (1)
Gentileza gera gentileza  (1)Gentileza gera gentileza  (1)
Gentileza gera gentileza (1)
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Movimento literário Trovadorismo 1º ano D 2013
Movimento literário Trovadorismo 1º ano D 2013Movimento literário Trovadorismo 1º ano D 2013
Movimento literário Trovadorismo 1º ano D 2013
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Movimento Literário Barroco do 1º ANO D
Movimento Literário Barroco do 1º ANO DMovimento Literário Barroco do 1º ANO D
Movimento Literário Barroco do 1º ANO D
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 

Mais de Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP (20)

Diferenças entre cartum charge e tira
Diferenças entre cartum charge e tiraDiferenças entre cartum charge e tira
Diferenças entre cartum charge e tira
 
Classe gramatical 2014
Classe gramatical 2014Classe gramatical 2014
Classe gramatical 2014
 
Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015
Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015
Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015
 
Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
 
A hora da_estrela
A hora da_estrelaA hora da_estrela
A hora da_estrela
 
O retrato real da sociedade burguesa no século XIX pela percepção do Movimen...
O retrato real da sociedade burguesa  no século XIX pela percepção do Movimen...O retrato real da sociedade burguesa  no século XIX pela percepção do Movimen...
O retrato real da sociedade burguesa no século XIX pela percepção do Movimen...
 
REALISMO E NATURALISMO
REALISMO E NATURALISMOREALISMO E NATURALISMO
REALISMO E NATURALISMO
 
A máscara da ópera em dom casmurro
A máscara da ópera em dom casmurroA máscara da ópera em dom casmurro
A máscara da ópera em dom casmurro
 
Iracema de alencar
Iracema de alencarIracema de alencar
Iracema de alencar
 
Sintaxe do periodo simples
Sintaxe do periodo simplesSintaxe do periodo simples
Sintaxe do periodo simples
 
Orações subordinadas adverbiais 2014
Orações subordinadas adverbiais 2014Orações subordinadas adverbiais 2014
Orações subordinadas adverbiais 2014
 
Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014
 
Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014
 
Orações subordinadas substantivas 2014
Orações subordinadas substantivas 2014Orações subordinadas substantivas 2014
Orações subordinadas substantivas 2014
 
Gentileza gera gentileza (1)
Gentileza gera gentileza  (1)Gentileza gera gentileza  (1)
Gentileza gera gentileza (1)
 
Movimento literário Trovadorismo 1º ano D 2013
Movimento literário Trovadorismo 1º ano D 2013Movimento literário Trovadorismo 1º ano D 2013
Movimento literário Trovadorismo 1º ano D 2013
 
Movimento Literário Barroco do 1º ANO D
Movimento Literário Barroco do 1º ANO DMovimento Literário Barroco do 1º ANO D
Movimento Literário Barroco do 1º ANO D
 
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
 
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
 
Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
 

Último

Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
marcos oliveira
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 

Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013

  • 1. ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOÃO CRUZ Assunto: Movimento Literário Classicismo Tema: Movimento Literário Classicismo: o homem em seu ápice artístico Alunos e números: Laryssa Prudencio Cruz- nº 17. Matheus de Paula Félix - nº 28. Nicole Gonçalves Pintor - nº 31. Pedro Henrique Martins - nº 32. Série: 1º ano D - Ensino Médio Professora: Maria Piedade Teodoro da Silva Disciplina: Língua Portuguesa Jacareí, 12 de novembro de 2013.
  • 2. I. INTRODUÇÃO O assunto que será abordado durante esta pesquisa é sobre um movimento literário chamado Classicismo que ocorreu no século XVI, na Europa. Ao longo desse estudo, a intenção é buscar responder "O que é Classicismo?" e "Qual foi a importância para a literatura nesse movimento?". Essas são perguntas de extrema importância para a compreensão do assunto. O objetivo, então, é esclarecer o que é Classicismo e qual foi e é sua importância nos tempos atuais, para o desenvolvimento da literatura brasileira. Classicismo é o nome que se dá a literatura produzida durante a vigência do Renascimento, transformação poética, econômica e cultural que atingiu sua plenitude nos séculos XV e XVI. Época marcada por fatos decisivos, como, as navegações e o descobrimento, no final do século XV. Portugal, nos séculos XV e XVI, vive um momento de glória e desenvolvimento. Esse contexto, então, propícia o surgimento do Movimento Literário Classicismo que recupera temas e formas da antiguidade greco-romana, como, soneto.
  • 3. II. CLASSICISMO: O HOMEM COMO CENTRO DO UNIVERSO 1. Origem O Movimento Literário Classicismo é uma continuação do Movimento Literário Humanismo, pelo fato de que ambos voltam - se para a capacidade humana. Nessa época, surgem as imitações de obras greco-romanas que foi uma renovação literária; por isso o nome de Classicismo que surge na época do Renascimento, considerado a “Nova Era” para a arte, pois os artistas usam de seu próprio engenho pessoal para criar suas artes inspiradas no homem. Essa proposta surgiu, principalmente, na Itália (Florença) e depois se estende por outros países da Europa. O Movimento Literário Classicismo, logo, oferecia á Europa do século XV e XVI, uma perspectiva que valoriza o ser humano como agente do conhecimento. Ao recolocar o Homem ao centro do Universo, o Renascimento estimula as pesquisas e experiências científicas desenvolvendo o estudo do corpo humano, diversas novidades no mundo da ciência são descobertas e assim, o renascimento distancia- se cada vez mais da Idade Média. O cientista renascentista apoia-se na ideia de observação da realidade como base do conhecimento. Isso sim inaugura a ciência moderna. Histórias bíblicas e da mitologia grega e romana foram usadas como inspiração na época do Renascimento, para criação de quadros, pinturas, esculturas, desenhos e artesanato, dentre outros. O Classicismo baseia-se na recriação de obras, que na época, considerava cópia, mas sim recriação, apoiando-se sempre na separação de sentimento e razão.
  • 4. 2. Classicismo em Portugal A renovação literária poética em Portugal foi trazida da Itália por Sá de Miranda, no ano de 1527, era o chamado estilo novo em Portugal mais conhecido como "Doce estilo novo". A literatura portuguesa e a arte teve seu destaque no século XVI, marcado pela obra humanista de Gil Vicente, e como máxima expressão do Renascimento com obras de Luís Vaz de Camões. O contorno definitivo da língua portuguesa também foi iniciado no século XVI, assim formando o período do português moderno. Em Portugal, o momento histórico vivido pela Dinastia de Avis facilita a entrada das novas mudanças vindas da Itália. No final do século XV é introduzida a imprensa, autores humanistas começaram a ser lidos. O final do século XVI Portugal sofre uma queda econômica e politica. Em 1580 a península ibérica sob o domínio espanhol marca o fim do classicismo quinhentista, assim iniciando-se o Movimento Literário Barroco. 3. Luís Vaz de Camões: poeta épico e lírico 3.1. Camões épico Escritor representativo que escreveu peças literárias , além de poesias líricas (redondilhas e sonetos) e a poesia épica , principal obra dessa época "Os Lusíadas", nela apresenta mitos e histórias, o eu lírico coloca os navegadores portugueses como heróis superiores aos heróis das epopeias clássicas Odisseia e Eneida, que foram grandes modelos dos poemas épicos para Camões. Essa obra de Camões é considerada a epopeia portuguesa na qual defende a fé única no Deus cristão. Ela é centrada no fato do descobrimento do caminho marítimo para Índia pelos portugueses e, para isso Camões inventou uma fábula mitológica na qual os deuses eram como se fossem humanos. As principais características de “Os Lusíadas”: constituído por dez partes, chamadas de cantos que possui um número variável de estrofes (em média, 110); as estâncias (estrofe)
  • 5. são oitavas, tendo, portanto, oito versos; a rima é cruzada nos seis primeiros versos e emparelhada nos dois últimos (ab ab ab cc); cada verso é constituído por dez sílabas métricas (decassilábico), na sua maioria heroica (acentuadas nas sextas e décimas sílabas). A obra de camões é dividida em quatro planos que vão se entrelaçando no decorrer da história são eles:  Plano da Viagem com a narração dosacontecimentos ocorridos durante a viagem entr e Lisboa e Calecut.  Plano da História de Portugal com o relato dos fatos marcantes da História de Portugal.  Plano da Mitologia que permite e favorece a evoluçãoda ação.A mitologia constitui,por isso, a intriga da obra.  Plano do Poetacomm as considerações e as opiniões do autor expressas, nomeadam ente, no início e no fim dos Cantos. Segue abaixo um exemplo de epopeia que camões utilizava em “Os Lusíadas”. “As armas e os Barões assinalados Que, da Ocidental praia Lusitana Por mares nunca de antes navegados Passaram ainda além da Taprobana, Em perigos e guerras esforçados, mais do que prometia a força humana, E entre gente remota edificaram novo Reino, que tanto sublimaram;” (Camões, Luís de. Os lusíadas, Lisboa Imprensa Nacional, 193.).
  • 6. 3.2. Camões lírico Camões utiliza, nos poemas, tanto a medida velha (redondilha) quanto medida nova (decassílabos); os temas mais importantes são o neoplatonismo amoroso, a reflexão filosófica e a natureza. O exemplo a seguir comprova essa temática camoniana recorrente até os dias de hoje: Transforma-se o amador na cousa amada, Por virtude de muito imaginar; Não tenho logo mais que desejar; Pois em mim tenho a parte desejada. Se nela está minha alma transformada, Que mais deseja o corpo de alcançar? Em se somente pode descansar, Pois consigo tal alma esta liada. Mas esta linda e pura semideia, Que, como o acidente em seu sujeito, Assim com a alma minha se conforma. Está no pensamento como ideia; [E] o vivo e puro amor de que sou feito, Como a matéria simples busca a forma.” (Camões, Luís Vaz de. Rimas. Texto estabelecido e prefaciado por Álvaro J. Da Costa Pimpão. Universidade de Coimbra, 1953. P. 135) A poesia lírica é centrada na objetividade reveladora do mundo interior. Camões em sua poesia lírica utiliza como recurso estilístico a sonoridade das palavras. Soneto contém 14 versos que são dispostos em 4 estrofes; 2 quartetos e 2 tercetos. Também existe outro tipo de soneto que é o petraquianos que contém rimas no sistema abba, cddc, dcd. Na poesia lírica, Camões descreve que o amor só vale a pena quando é complexo, um
  • 7. sentimento que entusiasma o homem, Camões retrata que o amor deve ser sentido, provado, não pode ficar somente no pensamento. Nesse poema Camões questiona o que é o amor? Amar é um fogo que arde sem se ver; É ferida que dói e não se sente; É um contentamento descontente; É dor que desatina sem doer. É um não querer mais que bem querer; É um andar solitário entre a gente; É nunca contentar-se de contente; É um cuidar que ganha em se perder. É quere estar preso por vontade; É servir a quem vence o vencedor; É ter com quem nos mata a lealdade. Mas como causar pode seu favor, Nos corações humana amizade; Se tão contrario a si é o mesmo amor? Na poesia lírica, Camões descreve que o amor só vale a pena quando é complexo, um sentimento que entusiasma o homem, Camões descreve que o amor deve ser sentido, provado, não pode ficar somente no pensamento.
  • 8. IV. CONSIDERAÇÕES FINAIS Realizamos a pesquisa com facilidade e parceria, já que todos participaram empenhando a favor do êxito para se conseguir responder as perguntas de pesquisa, assim atingir os objetivos estabelecidos; para isso foi feito muitas leituras, analise, e discussões de diferentes opiniões sobre o tema. Concluímos que podemos explicar o Movimento Literário Classicismo como uma tendência artística e literária que resgata formas e valores greco-romanos da Antiguidade Clássica, especialmente a cultura grega entre os séculos VI a.C e IV a.C. Essa retomada acontece várias vezes ao longo da história ocidental, inclusive na Idade Média; porém é mais intensa do século XIV ao XVI na Itália, chegando, em seguida, à Portugal. Nas Artes Plásticas, na Literatura e no Teatro, o Movimento Literário Classicismo coincide com o Renascimento. Na Música adquire certas características próprias e se manifesta, posteriormente, a partir de meados do século XVIII. Gostamos da experiência, pois podemos aprofundar nossos conhecimentos de uma forma descontraída e interativa.
  • 9. V. REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS CADORE, Luís Agostinho, Curso Prático de Português. São Paulo: Ática, 1998. SARMENTO, Leila Luar & TUFANO, Douglas. Português. São Paulo: Moderna, 2004. TERRA, Ernani & NICOLA, José de. Curso Prático de Língua, Literatura e Redação. São Paulo: Scipione, 1997. BARRETO, Ricardo Gonçalves. Português ensino médio Ser Protagonista, São Paulo: editora SM, 2010.