SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
Baixar para ler offline
ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOÃO CRUZ

Assunto: Movimento Literário Trovadorismo em Portugal
Tema: Traços do Trovadorismo Português na Literatura
Alunos e números: Allyne de Mattos Alves,

Nº 02

Ana Carolina Borges Cruz,

Nº 03

Ana Paula Sales,

Nº 05

Thalita Dias dos Santos,

Nº 35

Tifany de Araújo Rodrigues Alves,

Nº 36

Wallace Sampaio de Mello,

Nº39

Série: 1º ano A – Ensino Médio
Professora: Maria Piedade Teodoro da Silva
Disciplina: Língua Portuguesa

Jacareí, 12 de novembro de 2013
II. INTRODUÇÃO

O estudo em questão intenciona a divulgar o Movimento Literário Trovadorismo,
principalmente, para a sala de aula dos alunos do 1ºanoA da Escola Estadual Professor
João

Cruz,

além

de

mostrar

sua

influencia

nos

dias

de

hoje.

A pesquisa foi desenvolvida com base nas seguintes questões: “O que foi o
Trovadorismo, e quais são as influencias das manifestações literárias nos dias de hoje?” e
“Quais

são

as

características

centrais

no

sistema

Literário

Trovadorismo?”.

O Trovadorismo é um período, tipicamente medieval, que se estende do século XII ao
início do século XV, quando Portugal começa sua aventura marítima que reflete os ideias
da sociedade feudal (sociedade de caráter, separada em estamentos é conhecida por sua
rigidez social) organizada a partir das relações de vassalagem (pacto existente entre
nobres e reis, pacto de honra e de fidelidade), uma extremada entre nobres e reis, e as
lutas da Reconquista (movimento de efetiva retomada dos territórios na Península Ibérica,
no

século

XV).

O Movimento Literário Trovadorismo se desenvolveu em plena Idade Média, no período
em que Portugal estava em processo de formação, e quanto ao poderio do Império
Romano, estava quase no fim. Portugal encontrava-se ocupado com as Cruzadas e
guerras

entre

várias

dinastias

das

quais

ainda

existem.

Quando as guerras acabam, e o condado portucalense se torna independente, surge
assim o primeiro Movimento Literário, o Trovadorismo.
II. TROVADORISMO, MAIS QUE UM MOVIMENTO LITERÁRIO, UM MODO DE
EXPRESSÃO

1. Origens

A palavra “trovador” origina-se do francês “trouver”, que significa “achar”, “encontrar”, pois
se dizia que o poeta achava a música adequada ao poema e o cantava acompanhado de
instrumentos

musicais.

O Trovadorismo é o primeiro Movimento Literário na história da Literatura Portuguesa.
Teve origem no sul da França no ano de 1189, permanecendo até 1198, suas cantigas
concebiam o amor como um culto, e servia para endeusar a mulher e idealizá-la, lamentar
a

ausência

da

pessoa

amada

ou

criticar

alguém.

O marco inicial da literatura trovadoresca foi a “Cantiga da Garvaia”, escrita por Paio
Soares de Taveirão, em dialeto galaico – português, língua utilizada pelos trovadores,
ainda em formação.
A época do Movimento Literário Trovadorismo, ainda se caracteriza pelo aparecimento e
cultivo das Novelas de Cavalaria, que chegavam a Portugal no século XIII, durante o
reinado de Afonso III. O meio de circulação desse modelo era a fidalguia (a classe da
nobreza) e a realeza (dignidade de rei ou rainha), a matéria cavalheiresca pode ser
dividida em três ciclos, são eles: Ciclo Asturiano: acontece em torno do Rei Arthur e seus
cavaleiros; Ciclo Carolíngio: acontece e torno de Carlos Magno e os doze pares da
França e Ciclo Clássico: relativo aos temas greco–latinos, narram a grande Tróia e as
aventuras de Alexandre, o Grande.

2. Cantigas trovadorescas

Os textos poéticos da primeira época medieval eram acompanhados por instrumentos
musicais, e normalmente, cantados em caro, passando a serem chamadas de cantigas.
Podem-se reconhecer dois grandes grupos de cantigas: as cantigas líricas e as cantigas
satíricas.
As cantigas líricas se subdividem em cantigas de amor que era uma maneira provençal, o
eu lírico declarava seu amor por uma dama da corte, enquanto as cantigas de amigo que
se originam da própria Península Ibérica como expressão de sentido popular, se
caracterizavam

por

ser

o

eu

lírico

feminino.

Exemplo de cantiga de amor, de Bernal de Bonaval:

A dona que eu am'e tenho por senhor
amostrade-mi-a, Deus, se vos em prazer for,
se nomdade-mi-a morte.
A que tenh'eu por lume d'estes olhos meus
e por que choram sempre, amostrade-mi-a Deus,
se nomdade-mi-a morte.
Ai, Deus! quimi-afezestes mais ca mim amar,
mostrade-mi-a u possa com ela falar,
se nomdade-mi-a morte. (Disponível em
http://cantigas.fcsh.unl.pt/cantiga.asp?cdcant=1083&pv=sim > Acesso em 28 de outubro
de 2013)

Exemplo de cantiga de amigo, de D. Diniz

"Ai flores, ai flores do verde pino,
se sabedes novas do meu amigo!
ai Deus, e u é?
Ai flores, ai flores do verde ramo,
se sabedes novas do meu amado!
ai Deus, e u é?
Se sabedes novas do meu amigo,
aquel que mentiu do que pôs comigo!
ai Deus, e u é?
Se sabedes novas do meu amado,
aquel que mentiu do que mi há jurado!
ai Deus, e u é?" (Disponível em http://ler.literaturas.pro.br/index.jsp?conteudo=385>
Acesso em 28 de outubro de 2013)

As cantigas satíricas se subdividem em cantigas de escárnio, que são sátiras indiretas e
exploravam palavras e construções ambíguas, já as cantigas de maldizer, são satíricas
diretas com nominal da pessoa ironizada, além de explorar temas que abordavam o
adultério

e

os

amores

interesseiros.

Exemplo de cantiga de escárnio, de Joan Garcia de Gilhade
Ai dona fea! Foste-vos queixar
Que vos nunca louv'en meu trobar
Mais ora quero fazer un cantar
En que vos loarei toda via;
E vedes como vos quero loar:
Dona fea, velha e sandia!
Ai dona fea! Se Deus mi pardon!
E pois have des tan gran coraçon
Que vos eu loeen esta razon,
Vos quero já loar toda via;
E vedes qual será a loaçon:
Dona fea, velha e sandia!
Dona fea, nunca vos eu loei
En meu trobar, pero muito trobei;
Mais ora já en bom cantar farei
En que vos loarei toda via;
E direi-vos como vos loarei:
Dona fea, velha e sandia! (Disponível em
http://cantigas.fcsh.unl.pt/cantiga.asp?cdcant=1411&pv=sim> Acesso em 28 de outubro
de 2013)
Exemplo de cantiga de maldizer, por Pero Garcia Burgalês.
Rui Queimado morreu com amor
em seus cantares, par Santa Maria,
por uma dona que gran bem queria;
e, por se meter por mais trobador,
por que lh' ela non quiso bem fazer,
feze-s' el em seus cantares morrer,
mais resurgiu depois, ao tercer dia! (Disponível em
http://cantigas.fcsh.unl.pt/cantiga.asp?cdcant=1411&pv=sim > Acesso em 28 de outubro
de 2013)
Cantigas de Amor.

O trovador assume o eulírico, feminino: é a mulher

homem quem fala.
Objeto.

O trovador assume o eulírico, masculino: é o

Sujeito.

Cantigas de Amigo.

quem fala.

Feminino: a dama, a

Masculino: o amigo.

“senhor”.
Caracterização do sujeito.

Louça (formosa), velida

enlouquecido, aflito,

(bela), loada (louvada), leda

sofredor.

(alegre), fremosa (formosa).

Idealização da mulher pelas

Mentiroso, traidor, fremoso,

qualidades físicas morais,

Caracterização do objeto.

Cativo, coitado,

etc.

sociais, etc.
Expressão dos sentimentos.

Expressa a coita (dor)

Expressa os sentimentos de

amorosa do trovador por

uma mulher que sofre por

amar uma mulher

sentir saudades do amigo

inacessível e a quem rende

(namorado).

vassalagem amorosa.
Cenário.

O campo (fonte, flores,

corte.
Origem.

A natureza e o ambiente da

aves), o mar e a casa.

É de origem provençal.

Teve origem em território
galaico-português.

Cantigas de escárnio.

Cantigas de maldizer.

Cantiga de caráter satírico, em que o

Cantiga de caráter satírico, em que o

ataque se processa indiretamente, por

ataque se processa diretamente. Criticava

intermédio da ironia e do sarcasmo.

pessoas, costumes ou acontecimentos,
Criticava pessoas, costumes e

citando o nome da pessoa ou pessoas

acontecimentos, sem revelar o nome da

visadas.

pessoa ou pessoas visadas.
(MAIA, 2005)

3. Novelas de Cavalaria e outros gêneros

As Novelas de Cavalaria, surgidas durante o Movimento Literário Trovadorismo, são
traduzidas do francês e do inglês, e seu caráter é tipicamente medieval. São narrativas
ficcionais de acontecimentos históricos, relatos de combate, e aventuras de cavaleiros
medievais, enfrentando provações físicas e morais em nome da honra e do amor.
Nasceram das poesias de temas guerreiros, e deixaram de ser expressas de ser cantadas
para

serem

lidas.

Serviam como verdadeira divulgação das Cruzadas, como maneira de auxiliar na
população

ao

movimento.

As novelas agradavam a todos positivamente e influenciavam muito no comportamento e
na rotina da população nessa época. Dentre as novelas que mais percorriam os meios
portugueses, estavam as novelas: “Amandis de Gaula” e “A Demanda do Santo Graal”.
Penetraram em Portugal no século XIII, durante o reinado de Afonso III. Seu meio de
circulação era a fidalguia (classe da nobreza) e a realeza (dignidade de rei e rainha), a
matéria cavalheiresca pode ser dividida em três ciclos, são eles: Ciclo Asturiano: Tendo o
Rei Arthur e seus cavaleiros como protagonistas; Ciclo Carolíngio: Em torno de Carlos
Magno e os doze pares da França; Ciclo Clássico: Referente a novelas e temas grecolatinos. Tendo-se em conta a Literatura Portuguesa, é contraditória essa divisão, pois
somente o ciclo asturiano deixou sua passagem em Portugal. Os demais ciclos, embora
conhecidos, passaram somente em forma de poesia e, também, por não haver
conhecimento

de

alguma

novela

do

ciclo

carolíngio

ou

clássico.

Floresceram também, nesse período: Os cronicões: livros de crônica que deram início à
historiografia portuguesa; As hagiografias: vidas de santos e Os livros de linhagem:
relações de nomes, geralmente de fidalgos (nobres), com a intenção de estabelecer graus
de parentesco a fim de evitar casamentos entre parentes próximos e diminuir as duvidas
no caso de herança.
Trecho da novela de cavalaria A Demanda do Santo Graal:
Véspera de Pinticoste foi grande gente assüada em Camaalot, assi que podera homem i
veer mui gram gente, muitos cavaleiros e muitas donas mui bem guisadas. El-rei, que era
ende mui ledo, honrou-os muito e feze-os mui bem servir; e toda rem que entendeo per
que

aquela

corte

seeria

mais

viçosa

e

mais

leda,

todo

o

fez

fazer.

Aquel dia que vos eu digo, direitamente quando queriam poer as mesas – esto era ora de
noa – aveeo que üa donzela chegou i, mui fremosa e mui bem vestida. E entrou no paaço
a pee, como mandadeira. Ela começou a catar de üa parte e da outra, pelo paaço; e
perguntavam-na
–

Eu

que
–

demando

disse

ela

–

por

Dom

demandava.
Lançarot

do

Lago.

É

aqui?

– Si, donzela – disse üu cavaleiro. Veede-lo: stá aaquela freesta, falando com Dom
Gualvam.(Disponível

em

http://lerliteratura.blogspot.com.br/2010/03/prosa-medieval-

novelas-de-cavalaria.html>Acesso

dia

24

de

novembro

de

2013)

4. Influencia do Trovadorismo nos dias de hoje

Atualmente, ainda se percebe a influencia da literatura trovadoresca em poemas e letras
de músicas contemporâneas. As cantigas de amor se caracterizam pelo eu lírico
masculino, presente em várias músicas nos dias de hoje, elogios que ele dirige a dama,
exaltando características físicas da amada, ele se apresenta como alguém que sofre por
um amor impossível ou não correspondido, o que está presente na música Os amantes,
do

compositor

Luiz

Ayrão,

Qualquer dia, qualquer hora
A gente se encontra
Seja onde for
Pra falar de amor

Pra matar a saudade da felicidade
Dos instantes que juntos passamos

interpretado

pelo

cantor

brasileiro

Daniel.
E promessas juramos
Reviver os momentos de sonhos e de paixão,
Das palavras loucas, vindas do coração

Meu amor
Ah! Se eu pudesse te abraçar agora
Poder parar o tempo nessa hora
Pra nunca mais eu ver você partir

Qualquer dia, qualquer hora
A gente se encontra
Seja onde for
Pra falar de amor

Pra matar a saudade da felicidade
Dos instantes que juntos passamos
E promessas juramos
Reviver os momentos de sonhos e de paixão,
Das palavras loucas, vindas do coração

Meu amor
Ah! Se eu pudesse te abraçar agora
Poder parar o tempo nessa hora
Pra nunca mais eu ver você partir (Disponível em http://guiadoestudante.abril.com.br>
Acesso em 28 de outubro de 2013).
Já as cantigas de amigo apresentam um eu lírico que é a própria mulher abandonada,
que lamenta a ausência do ser amado e fala da saudade de seu amado, como, na música
O Meu Amor, do cantor e compositor brasileiro Chico Buarque de Holanda.

O meu amor tem um jeito manso que é só seu
E que me deixa louca quando me beija a boca
A minha pele toda fica arrepiada
E me beija com calma e fundo
Até minh'alma se sentir beijada
O meu amor tem um jeito manso que é só seu
Que rouba os meus sentidos, viola os meus ouvidos
Com tantos segredos lindos e indecentes
Depois brinca comigo, ri do meu umbigo
E me crava os dentes
Eu sou sua menina, viu? E ele é o meu rapaz
Meu corpo é testemunha do bem que ele me faz
O meu amor tem um jeito manso que é só seu
Que me deixa maluca, quando me roça a nuca
E quase me machuca com a barba mal feita
E de pousar as coxas entre as minhas coxas
Quando ele se deita
O meu amor tem um jeito manso que é só seu
De me fazer rodeios, de me beijar os seios
Me beijar o ventre e me deixar em brasa
Desfruta do meu corpo como se o meu corpo
Fosse a sua casa
Eu sou sua menina, viu? E ele é o meu rapaz
Meu corpo é testemunha do bem que ele me faz. Disponível em
http://guiadoestudante.abril.com.br> Acesso em 28 de outubro de 2013).

As cantigas satíricas também influenciam a música a contemporânea, as cantigas de
escárnio fazem uma critica indireta sem mencionar uma pessoa específica, isso está
presente na música Pra que discutir com madame, do intérprete e compositor brasileiro
João Gilberto, como no verso que o eu lírico critica a “madame”, pelas coisas que ela faz,
sendo preconceituosa com o samba e apresentando um comportamento esnobe no ponto
de

vista

do

eu

lírico.
Madame diz que a raça não melhora
Que a vida piora por causa do samba,
Madame diz o que samba tem pecado
Que o samba é coitado e devia acabar,
Madame diz que o samba tem cachaça, mistura de raça mistura de cor,
Madame diz que o samba democrata, é música barata sem nenhum valor,
Vamos acabar com o samba, madame não gosta que ninguém sambe
Vive dizendo que samba é vexame
Pra que discutir com madame.
No carnaval que vem também concorro
Meu bloco de morro vai cantar ópera
E na Avenida entre mil apertos
Vocês vão ver gente cantando concerto
Madame tem um parafuso a menos
Só fala veneno meu Deus que horror
O samba brasileiro democrata
Brasileiro na batata é que tem valor. (Disponível em http://guiadoestudante.abril.com.br>
Acesso em 28 de outubro de 2013)

Nos dias atuais ainda temos muitas marcas das novelas de cavalaria, adaptadas para os
cinemas e em livros; Dentre elas estão A saga O Rei Arthur e os Cavaleiros da Távola
Redonda, que envolve o Ciclo Arturiano. Criada pelo romancista inglês Thomas Malory.
Conta a historia de Arthur que um dia tirou a espada Excalibur da pedra e se tornou rei e
comandou uma das maiores sagas contadas em livros da história. Outro filme norte
americano adaptado das Novelas de cavalaria é Excalibu , dirigido por John Boorman,
baseado nos textos de Thomas Malory e roteiro de Rospo Pallenberg. O filme é baseado
na lenda inglesa do rei Arthur e os Cavaleiros da Távola Redonda, escrita por Sir Thomas
Malory, mais, especificamente, sobre a espada do rei, a Excalibur, além do filme Lancelot
baseado nas lendárias aventuras do Rei Arthur e do melhor cavaleiro da Távola Redonda,
Lancelot.
III. CONSIDERAÇÕES FINAIS

O Movimento Literário Trovadorismo se manifestou na Idade Média, período que ocorreu
o fim do Império Romano devido as invasões bárbaras, e se estendeu até o século XV,
quando se deu a época do Renascimento. Podemos dizer que o Trovadorismo foi a
primeira manifestação literária da Língua Portuguesa, compreendido entre 1189 e 1434.
Nessa época Portugal estava em processo de consolidação do estado português.
Enquanto o mundo estava em pleno Feudalismo, e o Teocentrismo dominava o planeta.
Os textos do Trovadorismo eram acompanhados de vários instrumentos musicais, dentre
eles, viola, lira, harpa, flauta, alaúde e pandeiro, estes textos geralmente eram cantados
em coro, por isso são chamados de cantigas, e eram feitos pelos trovadores para serem
cantados em feiras, festas e castelos nos últimos séculos da Idade Média.
As cantigas podem ser classificadas em dois grandes grupos: cantigas líricas e cantigas
satíricas. As líricas se subdividem em cantigas de amor e de amigo; as satíricas em
cantigas

de

escárnio

e

maldizer.

Nessa época também floresceram as novelas de cavalaria, onde havia sempre a
presença de heróis cavaleiros, que passavam por situações perigosíssimas para defender
o bem e vencer o mal. A origem do cavaleiro herói das novelas é feudal e nos remete às
Cruzadas, ele está diretamente envolvido na luta em defesa da Europa Ocidental, contra
os

inimigos

da

cristandade.

Geralmente, as novelas de cavalaria não apresentavam uma autoria. Elas circulavam pela
Europa como propaganda das Cruzadas, para estimular a fé cristã e ganhar o apoio da
população ao movimento. As novelas eram tidas em alto apreço e foi muito grande a sua
influência

sobre

os

hábitos

e

os

costumes

da

população

da

época.
IV. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Barreto, Ricardo Gonçalves. Ser Protagonista. São Paulo: Edições SM, 2010.
Goulart, Audemaro Taranto. Estudo Dirigido de Gramática Histórica e Teoria da Literatura.
São Paulo: Editora do Brasil, 1974.
Maia, João Domingues. Português. São Paulo: Ática, 2008.
Nicola, José. Português Ensino Médio. São Paulo: Scipione, 2011.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Olhos d'água autora-resumo-análise
Olhos d'água   autora-resumo-análiseOlhos d'água   autora-resumo-análise
Olhos d'água autora-resumo-análise
Josi Motta
 
Questões sobre negrinha
Questões sobre negrinhaQuestões sobre negrinha
Questões sobre negrinha
ma.no.el.ne.ves
 
Periodo composto por_coordenacao
Periodo composto por_coordenacaoPeriodo composto por_coordenacao
Periodo composto por_coordenacao
Cassandra Cruz
 

Mais procurados (20)

Simbolismo teoria
Simbolismo teoriaSimbolismo teoria
Simbolismo teoria
 
O QUINZE, de Rachel de Queiroz
O QUINZE, de Rachel de QueirozO QUINZE, de Rachel de Queiroz
O QUINZE, de Rachel de Queiroz
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Romantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasilRomantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasil
 
A Última Crônica - análise
A Última Crônica - análiseA Última Crônica - análise
A Última Crônica - análise
 
Teoria literária
Teoria literáriaTeoria literária
Teoria literária
 
O quinze, de Rachel de Queiroz - análise
O quinze, de Rachel de Queiroz - análiseO quinze, de Rachel de Queiroz - análise
O quinze, de Rachel de Queiroz - análise
 
Olhos d'água autora-resumo-análise
Olhos d'água   autora-resumo-análiseOlhos d'água   autora-resumo-análise
Olhos d'água autora-resumo-análise
 
Questões sobre negrinha
Questões sobre negrinhaQuestões sobre negrinha
Questões sobre negrinha
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Apresentação lendas
Apresentação lendasApresentação lendas
Apresentação lendas
 
Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordel
 
Periodo composto por_coordenacao
Periodo composto por_coordenacaoPeriodo composto por_coordenacao
Periodo composto por_coordenacao
 
Gêneros Literários
Gêneros Literários Gêneros Literários
Gêneros Literários
 
Barroco
Barroco Barroco
Barroco
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
 
Iracema slide pronto
Iracema   slide prontoIracema   slide pronto
Iracema slide pronto
 
Figuras fonéticas
Figuras fonéticasFiguras fonéticas
Figuras fonéticas
 
Uso da vírgula
Uso da vírgulaUso da vírgula
Uso da vírgula
 

Semelhante a Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013

Trovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismoTrovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismo
rosangelajoao
 

Semelhante a Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013 (20)

Movimento Literário Trovadorismo
Movimento Literário TrovadorismoMovimento Literário Trovadorismo
Movimento Literário Trovadorismo
 
Trovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismoTrovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo trabalho 1
Trovadorismo trabalho 1Trovadorismo trabalho 1
Trovadorismo trabalho 1
 
Aula 3_Trovadorismo.pptx
Aula 3_Trovadorismo.pptxAula 3_Trovadorismo.pptx
Aula 3_Trovadorismo.pptx
 
Aula 01 introdução e trovadorismo
Aula 01   introdução e trovadorismoAula 01   introdução e trovadorismo
Aula 01 introdução e trovadorismo
 
Movimentos literários
Movimentos literáriosMovimentos literários
Movimentos literários
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Apoesiatrovadoresca.pdf
Apoesiatrovadoresca.pdfApoesiatrovadoresca.pdf
Apoesiatrovadoresca.pdf
 
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo II
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo IIExrcícios de t rovadorismo e humanismo II
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo II
 
1._Poesia_Trovadoresca.pdf
1._Poesia_Trovadoresca.pdf1._Poesia_Trovadoresca.pdf
1._Poesia_Trovadoresca.pdf
 
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portuguesesHerança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo
Exrcícios de t rovadorismo e humanismoExrcícios de t rovadorismo e humanismo
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo
 
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da hora
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da horaLiteratura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da hora
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da hora
 
O trovadorismo
O trovadorismoO trovadorismo
O trovadorismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo - aula.pdf
Trovadorismo - aula.pdfTrovadorismo - aula.pdf
Trovadorismo - aula.pdf
 

Mais de Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP

Mais de Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP (20)

Diferenças entre cartum charge e tira
Diferenças entre cartum charge e tiraDiferenças entre cartum charge e tira
Diferenças entre cartum charge e tira
 
Classe gramatical 2014
Classe gramatical 2014Classe gramatical 2014
Classe gramatical 2014
 
Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015
Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015
Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015
 
Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
 
A hora da_estrela
A hora da_estrelaA hora da_estrela
A hora da_estrela
 
O retrato real da sociedade burguesa no século XIX pela percepção do Movimen...
O retrato real da sociedade burguesa  no século XIX pela percepção do Movimen...O retrato real da sociedade burguesa  no século XIX pela percepção do Movimen...
O retrato real da sociedade burguesa no século XIX pela percepção do Movimen...
 
REALISMO E NATURALISMO
REALISMO E NATURALISMOREALISMO E NATURALISMO
REALISMO E NATURALISMO
 
A máscara da ópera em dom casmurro
A máscara da ópera em dom casmurroA máscara da ópera em dom casmurro
A máscara da ópera em dom casmurro
 
Iracema de alencar
Iracema de alencarIracema de alencar
Iracema de alencar
 
Sintaxe do periodo simples
Sintaxe do periodo simplesSintaxe do periodo simples
Sintaxe do periodo simples
 
Orações subordinadas adverbiais 2014
Orações subordinadas adverbiais 2014Orações subordinadas adverbiais 2014
Orações subordinadas adverbiais 2014
 
Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014
 
Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014
 
Orações subordinadas substantivas 2014
Orações subordinadas substantivas 2014Orações subordinadas substantivas 2014
Orações subordinadas substantivas 2014
 
Gentileza gera gentileza (1)
Gentileza gera gentileza  (1)Gentileza gera gentileza  (1)
Gentileza gera gentileza (1)
 
Movimento Literário Barroco do 1º ANO D
Movimento Literário Barroco do 1º ANO DMovimento Literário Barroco do 1º ANO D
Movimento Literário Barroco do 1º ANO D
 
Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
 
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
 
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
 
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
 

Último

AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 

Último (20)

AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 

Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013

  • 1. ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOÃO CRUZ Assunto: Movimento Literário Trovadorismo em Portugal Tema: Traços do Trovadorismo Português na Literatura Alunos e números: Allyne de Mattos Alves, Nº 02 Ana Carolina Borges Cruz, Nº 03 Ana Paula Sales, Nº 05 Thalita Dias dos Santos, Nº 35 Tifany de Araújo Rodrigues Alves, Nº 36 Wallace Sampaio de Mello, Nº39 Série: 1º ano A – Ensino Médio Professora: Maria Piedade Teodoro da Silva Disciplina: Língua Portuguesa Jacareí, 12 de novembro de 2013
  • 2. II. INTRODUÇÃO O estudo em questão intenciona a divulgar o Movimento Literário Trovadorismo, principalmente, para a sala de aula dos alunos do 1ºanoA da Escola Estadual Professor João Cruz, além de mostrar sua influencia nos dias de hoje. A pesquisa foi desenvolvida com base nas seguintes questões: “O que foi o Trovadorismo, e quais são as influencias das manifestações literárias nos dias de hoje?” e “Quais são as características centrais no sistema Literário Trovadorismo?”. O Trovadorismo é um período, tipicamente medieval, que se estende do século XII ao início do século XV, quando Portugal começa sua aventura marítima que reflete os ideias da sociedade feudal (sociedade de caráter, separada em estamentos é conhecida por sua rigidez social) organizada a partir das relações de vassalagem (pacto existente entre nobres e reis, pacto de honra e de fidelidade), uma extremada entre nobres e reis, e as lutas da Reconquista (movimento de efetiva retomada dos territórios na Península Ibérica, no século XV). O Movimento Literário Trovadorismo se desenvolveu em plena Idade Média, no período em que Portugal estava em processo de formação, e quanto ao poderio do Império Romano, estava quase no fim. Portugal encontrava-se ocupado com as Cruzadas e guerras entre várias dinastias das quais ainda existem. Quando as guerras acabam, e o condado portucalense se torna independente, surge assim o primeiro Movimento Literário, o Trovadorismo.
  • 3. II. TROVADORISMO, MAIS QUE UM MOVIMENTO LITERÁRIO, UM MODO DE EXPRESSÃO 1. Origens A palavra “trovador” origina-se do francês “trouver”, que significa “achar”, “encontrar”, pois se dizia que o poeta achava a música adequada ao poema e o cantava acompanhado de instrumentos musicais. O Trovadorismo é o primeiro Movimento Literário na história da Literatura Portuguesa. Teve origem no sul da França no ano de 1189, permanecendo até 1198, suas cantigas concebiam o amor como um culto, e servia para endeusar a mulher e idealizá-la, lamentar a ausência da pessoa amada ou criticar alguém. O marco inicial da literatura trovadoresca foi a “Cantiga da Garvaia”, escrita por Paio Soares de Taveirão, em dialeto galaico – português, língua utilizada pelos trovadores, ainda em formação. A época do Movimento Literário Trovadorismo, ainda se caracteriza pelo aparecimento e cultivo das Novelas de Cavalaria, que chegavam a Portugal no século XIII, durante o reinado de Afonso III. O meio de circulação desse modelo era a fidalguia (a classe da nobreza) e a realeza (dignidade de rei ou rainha), a matéria cavalheiresca pode ser dividida em três ciclos, são eles: Ciclo Asturiano: acontece em torno do Rei Arthur e seus cavaleiros; Ciclo Carolíngio: acontece e torno de Carlos Magno e os doze pares da França e Ciclo Clássico: relativo aos temas greco–latinos, narram a grande Tróia e as aventuras de Alexandre, o Grande. 2. Cantigas trovadorescas Os textos poéticos da primeira época medieval eram acompanhados por instrumentos musicais, e normalmente, cantados em caro, passando a serem chamadas de cantigas. Podem-se reconhecer dois grandes grupos de cantigas: as cantigas líricas e as cantigas
  • 4. satíricas. As cantigas líricas se subdividem em cantigas de amor que era uma maneira provençal, o eu lírico declarava seu amor por uma dama da corte, enquanto as cantigas de amigo que se originam da própria Península Ibérica como expressão de sentido popular, se caracterizavam por ser o eu lírico feminino. Exemplo de cantiga de amor, de Bernal de Bonaval: A dona que eu am'e tenho por senhor amostrade-mi-a, Deus, se vos em prazer for, se nomdade-mi-a morte. A que tenh'eu por lume d'estes olhos meus e por que choram sempre, amostrade-mi-a Deus, se nomdade-mi-a morte. Ai, Deus! quimi-afezestes mais ca mim amar, mostrade-mi-a u possa com ela falar, se nomdade-mi-a morte. (Disponível em http://cantigas.fcsh.unl.pt/cantiga.asp?cdcant=1083&pv=sim > Acesso em 28 de outubro de 2013) Exemplo de cantiga de amigo, de D. Diniz "Ai flores, ai flores do verde pino, se sabedes novas do meu amigo! ai Deus, e u é? Ai flores, ai flores do verde ramo, se sabedes novas do meu amado! ai Deus, e u é? Se sabedes novas do meu amigo, aquel que mentiu do que pôs comigo! ai Deus, e u é? Se sabedes novas do meu amado, aquel que mentiu do que mi há jurado!
  • 5. ai Deus, e u é?" (Disponível em http://ler.literaturas.pro.br/index.jsp?conteudo=385> Acesso em 28 de outubro de 2013) As cantigas satíricas se subdividem em cantigas de escárnio, que são sátiras indiretas e exploravam palavras e construções ambíguas, já as cantigas de maldizer, são satíricas diretas com nominal da pessoa ironizada, além de explorar temas que abordavam o adultério e os amores interesseiros. Exemplo de cantiga de escárnio, de Joan Garcia de Gilhade Ai dona fea! Foste-vos queixar Que vos nunca louv'en meu trobar Mais ora quero fazer un cantar En que vos loarei toda via; E vedes como vos quero loar: Dona fea, velha e sandia! Ai dona fea! Se Deus mi pardon! E pois have des tan gran coraçon Que vos eu loeen esta razon, Vos quero já loar toda via; E vedes qual será a loaçon: Dona fea, velha e sandia! Dona fea, nunca vos eu loei En meu trobar, pero muito trobei; Mais ora já en bom cantar farei En que vos loarei toda via; E direi-vos como vos loarei: Dona fea, velha e sandia! (Disponível em http://cantigas.fcsh.unl.pt/cantiga.asp?cdcant=1411&pv=sim> Acesso em 28 de outubro de 2013) Exemplo de cantiga de maldizer, por Pero Garcia Burgalês. Rui Queimado morreu com amor em seus cantares, par Santa Maria,
  • 6. por uma dona que gran bem queria; e, por se meter por mais trobador, por que lh' ela non quiso bem fazer, feze-s' el em seus cantares morrer, mais resurgiu depois, ao tercer dia! (Disponível em http://cantigas.fcsh.unl.pt/cantiga.asp?cdcant=1411&pv=sim > Acesso em 28 de outubro de 2013) Cantigas de Amor. O trovador assume o eulírico, feminino: é a mulher homem quem fala. Objeto. O trovador assume o eulírico, masculino: é o Sujeito. Cantigas de Amigo. quem fala. Feminino: a dama, a Masculino: o amigo. “senhor”. Caracterização do sujeito. Louça (formosa), velida enlouquecido, aflito, (bela), loada (louvada), leda sofredor. (alegre), fremosa (formosa). Idealização da mulher pelas Mentiroso, traidor, fremoso, qualidades físicas morais, Caracterização do objeto. Cativo, coitado, etc. sociais, etc. Expressão dos sentimentos. Expressa a coita (dor) Expressa os sentimentos de amorosa do trovador por uma mulher que sofre por amar uma mulher sentir saudades do amigo inacessível e a quem rende (namorado). vassalagem amorosa. Cenário. O campo (fonte, flores, corte. Origem. A natureza e o ambiente da aves), o mar e a casa. É de origem provençal. Teve origem em território galaico-português. Cantigas de escárnio. Cantigas de maldizer. Cantiga de caráter satírico, em que o Cantiga de caráter satírico, em que o ataque se processa indiretamente, por ataque se processa diretamente. Criticava intermédio da ironia e do sarcasmo. pessoas, costumes ou acontecimentos,
  • 7. Criticava pessoas, costumes e citando o nome da pessoa ou pessoas acontecimentos, sem revelar o nome da visadas. pessoa ou pessoas visadas. (MAIA, 2005) 3. Novelas de Cavalaria e outros gêneros As Novelas de Cavalaria, surgidas durante o Movimento Literário Trovadorismo, são traduzidas do francês e do inglês, e seu caráter é tipicamente medieval. São narrativas ficcionais de acontecimentos históricos, relatos de combate, e aventuras de cavaleiros medievais, enfrentando provações físicas e morais em nome da honra e do amor. Nasceram das poesias de temas guerreiros, e deixaram de ser expressas de ser cantadas para serem lidas. Serviam como verdadeira divulgação das Cruzadas, como maneira de auxiliar na população ao movimento. As novelas agradavam a todos positivamente e influenciavam muito no comportamento e na rotina da população nessa época. Dentre as novelas que mais percorriam os meios portugueses, estavam as novelas: “Amandis de Gaula” e “A Demanda do Santo Graal”. Penetraram em Portugal no século XIII, durante o reinado de Afonso III. Seu meio de circulação era a fidalguia (classe da nobreza) e a realeza (dignidade de rei e rainha), a matéria cavalheiresca pode ser dividida em três ciclos, são eles: Ciclo Asturiano: Tendo o Rei Arthur e seus cavaleiros como protagonistas; Ciclo Carolíngio: Em torno de Carlos Magno e os doze pares da França; Ciclo Clássico: Referente a novelas e temas grecolatinos. Tendo-se em conta a Literatura Portuguesa, é contraditória essa divisão, pois somente o ciclo asturiano deixou sua passagem em Portugal. Os demais ciclos, embora conhecidos, passaram somente em forma de poesia e, também, por não haver conhecimento de alguma novela do ciclo carolíngio ou clássico. Floresceram também, nesse período: Os cronicões: livros de crônica que deram início à historiografia portuguesa; As hagiografias: vidas de santos e Os livros de linhagem: relações de nomes, geralmente de fidalgos (nobres), com a intenção de estabelecer graus de parentesco a fim de evitar casamentos entre parentes próximos e diminuir as duvidas no caso de herança.
  • 8. Trecho da novela de cavalaria A Demanda do Santo Graal: Véspera de Pinticoste foi grande gente assüada em Camaalot, assi que podera homem i veer mui gram gente, muitos cavaleiros e muitas donas mui bem guisadas. El-rei, que era ende mui ledo, honrou-os muito e feze-os mui bem servir; e toda rem que entendeo per que aquela corte seeria mais viçosa e mais leda, todo o fez fazer. Aquel dia que vos eu digo, direitamente quando queriam poer as mesas – esto era ora de noa – aveeo que üa donzela chegou i, mui fremosa e mui bem vestida. E entrou no paaço a pee, como mandadeira. Ela começou a catar de üa parte e da outra, pelo paaço; e perguntavam-na – Eu que – demando disse ela – por Dom demandava. Lançarot do Lago. É aqui? – Si, donzela – disse üu cavaleiro. Veede-lo: stá aaquela freesta, falando com Dom Gualvam.(Disponível em http://lerliteratura.blogspot.com.br/2010/03/prosa-medieval- novelas-de-cavalaria.html>Acesso dia 24 de novembro de 2013) 4. Influencia do Trovadorismo nos dias de hoje Atualmente, ainda se percebe a influencia da literatura trovadoresca em poemas e letras de músicas contemporâneas. As cantigas de amor se caracterizam pelo eu lírico masculino, presente em várias músicas nos dias de hoje, elogios que ele dirige a dama, exaltando características físicas da amada, ele se apresenta como alguém que sofre por um amor impossível ou não correspondido, o que está presente na música Os amantes, do compositor Luiz Ayrão, Qualquer dia, qualquer hora A gente se encontra Seja onde for Pra falar de amor Pra matar a saudade da felicidade Dos instantes que juntos passamos interpretado pelo cantor brasileiro Daniel.
  • 9. E promessas juramos Reviver os momentos de sonhos e de paixão, Das palavras loucas, vindas do coração Meu amor Ah! Se eu pudesse te abraçar agora Poder parar o tempo nessa hora Pra nunca mais eu ver você partir Qualquer dia, qualquer hora A gente se encontra Seja onde for Pra falar de amor Pra matar a saudade da felicidade Dos instantes que juntos passamos E promessas juramos Reviver os momentos de sonhos e de paixão, Das palavras loucas, vindas do coração Meu amor Ah! Se eu pudesse te abraçar agora Poder parar o tempo nessa hora Pra nunca mais eu ver você partir (Disponível em http://guiadoestudante.abril.com.br> Acesso em 28 de outubro de 2013). Já as cantigas de amigo apresentam um eu lírico que é a própria mulher abandonada, que lamenta a ausência do ser amado e fala da saudade de seu amado, como, na música O Meu Amor, do cantor e compositor brasileiro Chico Buarque de Holanda. O meu amor tem um jeito manso que é só seu E que me deixa louca quando me beija a boca A minha pele toda fica arrepiada
  • 10. E me beija com calma e fundo Até minh'alma se sentir beijada O meu amor tem um jeito manso que é só seu Que rouba os meus sentidos, viola os meus ouvidos Com tantos segredos lindos e indecentes Depois brinca comigo, ri do meu umbigo E me crava os dentes Eu sou sua menina, viu? E ele é o meu rapaz Meu corpo é testemunha do bem que ele me faz O meu amor tem um jeito manso que é só seu Que me deixa maluca, quando me roça a nuca E quase me machuca com a barba mal feita E de pousar as coxas entre as minhas coxas Quando ele se deita O meu amor tem um jeito manso que é só seu De me fazer rodeios, de me beijar os seios Me beijar o ventre e me deixar em brasa Desfruta do meu corpo como se o meu corpo Fosse a sua casa Eu sou sua menina, viu? E ele é o meu rapaz Meu corpo é testemunha do bem que ele me faz. Disponível em http://guiadoestudante.abril.com.br> Acesso em 28 de outubro de 2013). As cantigas satíricas também influenciam a música a contemporânea, as cantigas de escárnio fazem uma critica indireta sem mencionar uma pessoa específica, isso está presente na música Pra que discutir com madame, do intérprete e compositor brasileiro João Gilberto, como no verso que o eu lírico critica a “madame”, pelas coisas que ela faz, sendo preconceituosa com o samba e apresentando um comportamento esnobe no ponto de vista do eu lírico.
  • 11. Madame diz que a raça não melhora Que a vida piora por causa do samba, Madame diz o que samba tem pecado Que o samba é coitado e devia acabar, Madame diz que o samba tem cachaça, mistura de raça mistura de cor, Madame diz que o samba democrata, é música barata sem nenhum valor, Vamos acabar com o samba, madame não gosta que ninguém sambe Vive dizendo que samba é vexame Pra que discutir com madame. No carnaval que vem também concorro Meu bloco de morro vai cantar ópera E na Avenida entre mil apertos Vocês vão ver gente cantando concerto Madame tem um parafuso a menos Só fala veneno meu Deus que horror O samba brasileiro democrata Brasileiro na batata é que tem valor. (Disponível em http://guiadoestudante.abril.com.br> Acesso em 28 de outubro de 2013) Nos dias atuais ainda temos muitas marcas das novelas de cavalaria, adaptadas para os cinemas e em livros; Dentre elas estão A saga O Rei Arthur e os Cavaleiros da Távola Redonda, que envolve o Ciclo Arturiano. Criada pelo romancista inglês Thomas Malory. Conta a historia de Arthur que um dia tirou a espada Excalibur da pedra e se tornou rei e comandou uma das maiores sagas contadas em livros da história. Outro filme norte americano adaptado das Novelas de cavalaria é Excalibu , dirigido por John Boorman, baseado nos textos de Thomas Malory e roteiro de Rospo Pallenberg. O filme é baseado na lenda inglesa do rei Arthur e os Cavaleiros da Távola Redonda, escrita por Sir Thomas Malory, mais, especificamente, sobre a espada do rei, a Excalibur, além do filme Lancelot baseado nas lendárias aventuras do Rei Arthur e do melhor cavaleiro da Távola Redonda, Lancelot.
  • 12. III. CONSIDERAÇÕES FINAIS O Movimento Literário Trovadorismo se manifestou na Idade Média, período que ocorreu o fim do Império Romano devido as invasões bárbaras, e se estendeu até o século XV, quando se deu a época do Renascimento. Podemos dizer que o Trovadorismo foi a primeira manifestação literária da Língua Portuguesa, compreendido entre 1189 e 1434. Nessa época Portugal estava em processo de consolidação do estado português. Enquanto o mundo estava em pleno Feudalismo, e o Teocentrismo dominava o planeta. Os textos do Trovadorismo eram acompanhados de vários instrumentos musicais, dentre eles, viola, lira, harpa, flauta, alaúde e pandeiro, estes textos geralmente eram cantados em coro, por isso são chamados de cantigas, e eram feitos pelos trovadores para serem cantados em feiras, festas e castelos nos últimos séculos da Idade Média. As cantigas podem ser classificadas em dois grandes grupos: cantigas líricas e cantigas satíricas. As líricas se subdividem em cantigas de amor e de amigo; as satíricas em cantigas de escárnio e maldizer. Nessa época também floresceram as novelas de cavalaria, onde havia sempre a presença de heróis cavaleiros, que passavam por situações perigosíssimas para defender o bem e vencer o mal. A origem do cavaleiro herói das novelas é feudal e nos remete às Cruzadas, ele está diretamente envolvido na luta em defesa da Europa Ocidental, contra os inimigos da cristandade. Geralmente, as novelas de cavalaria não apresentavam uma autoria. Elas circulavam pela Europa como propaganda das Cruzadas, para estimular a fé cristã e ganhar o apoio da população ao movimento. As novelas eram tidas em alto apreço e foi muito grande a sua influência sobre os hábitos e os costumes da população da época.
  • 13. IV. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Barreto, Ricardo Gonçalves. Ser Protagonista. São Paulo: Edições SM, 2010. Goulart, Audemaro Taranto. Estudo Dirigido de Gramática Histórica e Teoria da Literatura. São Paulo: Editora do Brasil, 1974. Maia, João Domingues. Português. São Paulo: Ática, 2008. Nicola, José. Português Ensino Médio. São Paulo: Scipione, 2011.