Modernismo brasileiro 1ª geração

25.871 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
9 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
25.871
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
973
Comentários
0
Gostaram
9
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Modernismo brasileiro 1ª geração

  1. 1. MODERNISMO Primeira geração 1922 a 1930 Prof.ª.: Carol Loçasso
  2. 2. OUSADIA E INOVAÇÃO
  3. 3. “ A Gare” Tarsila do Amaral 1925
  4. 4. Canto de regresso à pátria Oswald de Andrade Minha terra tem palmares Onde gorjeia o mar Os passarinhos daqui Não cantam como os de lá Minha terra tem mais rosas E quase que mais amores Minha terra tem mais ouro Minha terra tem mais terra Ouro terra amor e rosas Eu quero tudo de lá Não permita Deus que eu morra Sem que volte para lá Não permita Deus que eu morra Sem que volte pra São Paulo Sem que veja a Rua 15 E o progresso de São Paulo
  5. 5. A exposição de Anita Malfatti <ul><li>Principal antecedente da Semana da Arte Moderna. </li></ul><ul><li>Arte julgada “esquisita” por Lobato. </li></ul><ul><li>Propagação da arte vanguardista. </li></ul><ul><li>Eixo cultural muda do Rio para São Paulo. </li></ul>
  6. 6. PARANOIA E MISTIFICAÇÃO <ul><li>“ Há duas espécies de artistas. Uma composta dos que veem normalmente as coisas e em consequência disso fazem arte pura, guardados os eternos ritmos da vida, e adotando para a concretização das emoções estéticas os processos clássicos dos grandes mestre.” </li></ul>
  7. 7. <ul><li>“ A outra espécie é formada pelos que veem anormalmente a natureza, e interpretam-na à luz das teorias efêmeras, sob a sugestão estrábica de escolas rebeldes, surgidas cá e lá como furúnculos da cultura excessiva.” </li></ul><ul><li>Monteiro Lobato </li></ul>
  8. 8. A Semana de Arte Moderna de 1922
  9. 9. <ul><li>Centenário da Independência política do Brasil. </li></ul><ul><li>Mecenato paulista. </li></ul><ul><li>O espanto do público. </li></ul><ul><li>A apresentação de Menotti del Pecchia e de Villa-Lobos. </li></ul><ul><li>Mário de Andrade publicou “Pauliceia desvairada”. </li></ul><ul><li>Oswald de Andrade publicou “Memórias sentimentais de João Miramar”. </li></ul><ul><li>Manuel Bandeira apresentou “O ritmo dissoluto” </li></ul>
  10. 10. O projeto literário da primeira geração modernista <ul><li>Inovação linguística. </li></ul><ul><li>Culto ao progresso. </li></ul><ul><li>Autenticidade da obra de arte. </li></ul><ul><li>Publicação de “Klaxon”. </li></ul><ul><li>Modernismo toma conta do centro político e econômico do país. </li></ul><ul><li>Não havia apoio popular. </li></ul>
  11. 11. Os sapos <ul><li>(...) </li></ul><ul><li>O sapo-tanoeiro, </li></ul><ul><li>Parnasiano aguado, </li></ul><ul><li>Diz: - &quot;Meu [cancioneiro </li></ul><ul><li>É bem martelado. </li></ul><ul><li>Vede como primo Em comer os hiatos! Que arte! E nunca rimo Os termos cognatos. O meu verso é bom Frumento sem joio. Faço rimas com Consoantes de apoio. </li></ul><ul><li>Vai por cinquenta anos Que lhes dei a norma: Reduzi sem danos A fôrmas a forma. Clame a saparia Em críticas céticas: Não há mais poesia, Mas há artes poéticas...&quot; Urra o sapo-boi: - &quot;Meu pai foi rei!&quot;- &quot;Foi!&quot; - &quot;Não foi!&quot; - &quot;Foi!&quot; - &quot;Não [foi!&quot;. </li></ul><ul><li>(...) </li></ul><ul><li>Manuel Bandeira </li></ul>
  12. 12. Os manifestos: <ul><li>1924 – Manifesto pau-brasil (Oswald de Andrade). </li></ul><ul><li>1928 – Manifesto antropófago (Oswald de Andrade) </li></ul><ul><li>1929 – Manifesto do verde-amarelismo (Menotti del Piccha) </li></ul>
  13. 13. AUTORES DA PRIMEIRA GERAÇÃO MODERNISTA
  14. 14. Oswald de Andrade
  15. 15. <ul><li>Poesia: </li></ul><ul><li>Ironia </li></ul><ul><li>Humor </li></ul><ul><li>Crítica e imenso amor ao país </li></ul><ul><li>Irreverência e concisão. </li></ul><ul><li>Linguagem simples e ágil (também na prosa) </li></ul><ul><li>Prosa: </li></ul><ul><li> Linguagem cinematográfica. </li></ul>
  16. 16. <ul><li>BRASIL </li></ul><ul><li>O Zé Pereira chegou de caravela </li></ul><ul><li>E perguntou pro guarani da mata virgem </li></ul><ul><li>Sois cristão? </li></ul><ul><li>Não. Sou bravo, sou forte, sou filho da Morte </li></ul><ul><li>Teterê tetê Quizá Quizá Quecê! </li></ul><ul><li>Lá longe a onça resmungava Uu! ua! uu! </li></ul><ul><li>O negro zonzo saído da fornalha </li></ul><ul><li>Tomou a palavra e respondeu </li></ul><ul><li>Sim pela graça de Deus </li></ul><ul><li>Canhem Babá Canhem Babá Cum Cum! </li></ul><ul><li>E fizeram o Carnaval. </li></ul>
  17. 17. Mário de Andrade
  18. 18. <ul><li>Poesia </li></ul><ul><li> Apego a São Paulo </li></ul><ul><li> Defesa dos falares regionais </li></ul><ul><li> Reflexão sobre nacionalismo </li></ul><ul><li> Obsessão pela língua “brasileira” </li></ul><ul><li> Liberdade formal </li></ul><ul><li>Prosa </li></ul><ul><li> ” Amar, verbo intransitivo” </li></ul><ul><li> ” Macunaíma” </li></ul>
  19. 19. <ul><li>INSPIRAÇÃO </li></ul><ul><li>São Paulo! comoção de minha vida... </li></ul><ul><li>Os meus amores são flores feitas de original!... </li></ul><ul><li>Arlequinal!... Trajes de losangos... Cinza e ouro... </li></ul><ul><li>Luz e bruma... Forno e inverno morno... </li></ul><ul><li>Elegâncias sutis sem escândalos, sem ciúmes... </li></ul><ul><li>Perfumes de Paris... Arys! </li></ul><ul><li>Bofetada líricas do Trianon... Algodoal!... </li></ul><ul><li>São Paulo! comoção de minha vida... </li></ul><ul><li>Galicismo a berrar nos desertos da América! </li></ul>
  20. 20. Manuel Bandeira
  21. 21. <ul><li>Melancolia </li></ul><ul><li> Proximidade com a morte </li></ul><ul><li> Simplicidade linguística </li></ul><ul><li> Descrição do cotidiano </li></ul><ul><li> Evocação do passado </li></ul><ul><li>Morte como libertação </li></ul>
  22. 22. <ul><li>TESTAMENTO </li></ul><ul><li>(...) </li></ul><ul><li>Criou-me, desde eu menino, </li></ul><ul><li>Para arquiteto meu pai. </li></ul><ul><li>Foi-se-me um dia a saúde... </li></ul><ul><li>Fiz-me arquiteto? Não pude! </li></ul><ul><li>Sou poeta menor, perdoai! </li></ul><ul><li>(...) </li></ul>
  23. 23. Alcântara Machado
  24. 24. <ul><li>Prosa urbana </li></ul><ul><li>Inovação com reprodução do falar do imigrante italiano </li></ul><ul><li>Cotidiano retratado </li></ul><ul><li>Caricata </li></ul>
  25. 25. ISSO É O MODERNISMO!!!

×