SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
Peneiradoras de trigo, de
Gustave Coubert, 1819-1877.
Revolução Industrial, fortalecimento da burguesia como classe
dominante.
As ideias avançadas do cientificismo
e do materialismo europeu
contaminam a elite brasileira.
Opõem-se ao idealismo e ao
espiritualismo romântico, pois nada
que não pudesse ser visto, medido e
examinado deveria merecer atenção.
Surge a civilização industrial, massas trabalhadoras e os sindicatos.
Movimento que luta por uma retratação do mundo mais objetiva,
menos fantasiosa, com uma visão e interpretação racional.
A investigação da sociedade e dos caracteres individuais é feita “de dentro
para fora”, isto é, por meio de uma análise psicológica capaz de
abranger toda sua complexidade, utilizando entre outros recursos a ironia,
que sugere e aponta, em vez de afirmar.
Ataca os fundamentos ideológicos da sociedade burguesa e suas instituições:
o casamento, o clero, a escravidão do homem ao trabalho como meio de
“vencer na vida”, os ricos e pobres – os marginais – as prostitutas – os
operários.
O Positivismo (o primado da ciência);
Evolucionismo (leis biológicas);
Determinismo (instinto, raça, hereditariedade);
Impassibilidade – contenção emocional – (busca-se uma explicação
lógica e científica para o comportamento);
Personagens esféricas – (opõe-se às personagens românticas, pois são
imprevisíveis, dinâmicas e têm profundidade psicológica);
Materialismo – (realidade Material);
Objetivismo – (verdade exata);
Predomínio das Sensações – (realista, sensorial e sexual);
Temas contemporâneos – (crítica social, burguesia, contra o
clero, contra o capitalismo selvagem);
Narrativa lenta – (pormenores na ação);
Preocupação formal – correção gramatical; predomínio de
denotação.
O Romantismo não mais representa os
anseios da sociedade do século XIX, a
qual amadurecia, trazendo novos
hábitos de vida.
Solicitações materiais ou ideológicas da Revolução Industrial, nos países
desenvolvidos. Não em Portugal que era arcaico (até feudal). Mas os
burgueses progressistas importaram da França as teorias positivistas do
século XIX.
O barco desaparecido (1890), de
José Júlio Sousa Pinto.
A literatura, nutrida dessas novas concepções, abandona o
Romantismo e renova os conceitos sobre poesia, romance, crítica
e filosofia.
O pagamento dos ceifeiros, de Léon Lhermitte, 1882.
Foi um protesto da geração de intelectuais que por volta de 1865,
formou-se em Coimbra contra o exagero Romântico.
Pinheiro Chagas – poeta romântico – publica Poema da Mocidade.
Castilho faz referências irônicas aos moços de Coimbra.
LISBOA
Antônio Feliciano de Castilho
(Passado)
Romantismo em agonia.
COIMBRÃ
Antero de Quental
(Presente)
Realismo, a nova ideia.
Antero de Quental responde a Castilho com um
folheto intitulado BOM SENSO E BOM GOSTO,
iniciando assim, uma luta entre eles.
Os princípios defendidos pela nova geração consolidaram-se na série de
Conferências do Cassino Lisbonense, palestras em que os jovens
expunham ideias novas a respeito de literatura e da vida política e
cultural do país.
Após a quinta conferência,
autoridades proibiram a atuação do
grupo, alegando ofensa aos
princípios políticos e religiosos da
nação portuguesa. Mas os moços de
Coimbra já tinham se firmado como
a geração de 70 ou geração realista.
Universidade de Coimbra
Século XVIII
José Maria Eça de Queirós nasceu em 1845 em
Póvoa do Varzim e morreu em 1900 em Paris.
Eça de Queirós é o maior romancista e prosador da literatura
portuguesa na segunda metade do século XIX.
Realismo tem início
efetivo no país em 1875,
quando Eça de Queirós
lançou O Crime do Padre
Amaro, primeira obra com
características realistas.
O Crime do Padre Amaro (1875);
O Primo Basílio (1878);
O Mandarim (1879);
Os Maias (1888);
A Ilustre Casa de Ramires (1900);
A Cidade e as Serras (1901)entre outras.
Academia Brasileira de Letras – permite que o escritor passe a ser
socialmente conhecido, gerando o academicismo, o qual ajustava-se
aos ideais da classe dominante.
No Brasil, o Realismo, o Naturalismo e o Parnasianismo são
simultâneos e não sucessivos.
Morro do Livramento
Rio de Janeiro, 1839.
A literatura passa a ser aceita pelos setores instruídos das classes
dominantes e das camadas médias.
A figura mais expressiva da corrente realista foi Machado de Assis,
pela excelência da obra que determinou um salto qualitativo que
marcou a maturação das nossas letras.
Foi um indivíduo excepcional: mulato, de origem humilde, conseguiu
estudar e trabalhar como tipógrafo na Imprensa Nacional. Escreveu desde
muito jovem para diversos jornais e revistas do Rio de Janeiro.
Graças à originalidade de seus textos e à fina percepção sobre o ser
humano, Machado de Assis tornou-se um dos escritores mais admirados de
seu tempo.
Joaquim Maria Machado de Assis, nasceu
no Morro do Livramento no Rio de Janeiro.
O Realismo inaugura-se em 1881, Com Memórias Póstumas de Brás
Cubas de MACHADO DE ASSIS. O Naturalismo aparece também em
1881, com O Mulato de Aluísio de Azevedo e o Parnasianismo, em 1882
com o livro de poemas Fanfarras, de Teófilo Dias.
Cena da obra
Memórias Póstumas
de Brás Cubas
Machado de Assis é o grande representante do Realismo no Brasil e
considerado o “O analista da alma humana”.
Na poesia – discreta, sem arrebatamentos, reflexiva e densa, mas quase
carente de emoções e vibração.
No romance – “não quis fazer romance de costumes” os romances são
de observação psicológica e o interesse como móvel principal das ações
humanas.
Em “Dom Casmurro”
Machado de Assis criou a
personagem olhos de ressaca:
CAPITU.
• Ruptura com a narrativa linear: não segue um fio lógico ou cronológico
e sim um ordenamento interior.
• Organização metalingüística do discurso narrativo: Machado assume a
posição de quem escreve e ao mesmo tempo se vê escrevendo. O narrador
comenta com o leitor a própria escritura do romance.
• O universalismo: seu interesse jamais recaiu sobre a cor local e buscou o
universal, a essência e aparência humana na sociedade de seu tempo.
A ironia, humor negro e o pessimismo: são marcas de Machado de
Assis que revelam sempre uma visão desencantada da vida e do
homem.
O psicologismo: os acontecimentos exteriores são considerados
somente à medida que revelam o interior.
As influências: de uma formação clássica e
seguiu a ironia de Voltaire e o humor dos
ingleses.
Os grandes arquétipos: (modelo de ser vivo,
padrão exemplar) aparecem com relativa
freqüência nas obras machadianas.
Cena da obra Memórias Póstumas de Brás Cubas
Um Realismo mais extremo (exacerbado).
Buscou analisar o comportamento humano ressaltando os aspectos
instintivos e biológicos.
Fez do romance um laboratório da vida e
do homem um caso animalesco.
Preferiu temas degradantes da condição
humana com taras, vícios, sedução,
homossexualismo.
Aproximou o homem ao animal – zoomorfismo.
Determinismo = raça, meio e momento.
A investigação da sociedade e dos caracteres individuais ocorre “de
fora para dentro.”
Na teoria de O romance experimental
de Émile Zola, o escritor sintetiza os
fundamentos do Naturalismo, ao propor a
substituição do “estudo do homem
abstrato e metafísico pelo do homem
natural, sujeito a leis físico-químicas e
determinado pela influência do meio”.
Jornalista e desenhista caricaturista escreveu romances, contos,
operetas e revistas teatrais.
O MULATO (1881) – obra de início do Naturalismo.
Aluísio Tancredo Gonçalves de Azevedo nasceu
dia 14 de abril de 1857, em São Luís do
Maranhão.
Tem linguagem coloquial simples e direta. O romance “ O Mulato“ é
considerado o marco inicial do Naturalismo que trata do preconceito
racial e crítica à igreja.
No romance social tem o poder de dar vida aos agrupamentos
humanos.
Os protagonistas são vistos “de fora” e o drama é apenas um fatalismo
(sorte inevitável). Nada psicológico.
Obra marcante no Naturalismo.
João Romão – português ambicioso.
Bertoleza – escrava fugida, dona de uma quitanda e umas
economias.
Amasiam-se e a escrava agora, trabalha como uma louca
para João.
Primeiro, três casas e depois... o cortiço
cresce como larvas.
Senhor Miranda – Classe elevada mora
vizinho do cortiço num sobrado e ainda é
pai da bela Zulmira.
No cortiço Carapicus (flores espinhosas)
tem-se tipos como:
Machona – desencaminhada pelas
companhias.
Rita Baiana – mulata faceira, amigada
com Firmo (malandro, valentão).
Jerônimo e sua mulher – portugueses
recém chegados.
Raul d’Ávila Pompéia nasceu a 12 de abril
de 1863, em Jacuacanga, Angra dos Reis,
Rio de Janeiro.
Estudou direito, militou nos movimentos abolicionistas, colaborou na
Gazeta de Notícias, envolveu-se em diversas polêmicas (até num duelo
com Olavo Bilac) e suicidou-se numa noite de Natal aos 32 anos.
Elaborado a partir das recomendações do autor.
Estilo realista ao apresentar problemas como homossexualismo, teorias
científicas, dependência e outros.
Traz como subtítulo:“Crônicas de Saudades”.
Riqueza de vocabulário, impressionismo isto é, não retrata a realidade
diretamente, mas sim, a impressão que essa produz no seu espírito.
Desenhos sobre o Ateneu pelo próprio autor.
Resumo da Obra: Sérgio é recebido por Aristarco, diretor do colégio,
retratado por vários aspectos negativos; casado com D. Ema, mulher que
Sérgio se apaixonou platonicamente.
É relatado o excesso de autoridade, as travessuras e os sofrimentos
findando-se com o incêndio do colégio provocado pelo revoltado
Américo.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt

Literaturas sobre realismo (2)
Literaturas sobre realismo (2)Literaturas sobre realismo (2)
Literaturas sobre realismo (2)
Equipemundi2014
 
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
Silmara Braz
 

Semelhante a realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt (20)

Literaturas sobre realismo (2)
Literaturas sobre realismo (2)Literaturas sobre realismo (2)
Literaturas sobre realismo (2)
 
REALISMO.ppt
REALISMO.pptREALISMO.ppt
REALISMO.ppt
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Trabalho portugues realismo naturalismo
Trabalho portugues realismo naturalismoTrabalho portugues realismo naturalismo
Trabalho portugues realismo naturalismo
 
Realismo
Realismo Realismo
Realismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Realismo e naturalismo no brasil completo
Realismo e naturalismo no brasil completoRealismo e naturalismo no brasil completo
Realismo e naturalismo no brasil completo
 
O Realismo E O Simbolismo
O Realismo E O SimbolismoO Realismo E O Simbolismo
O Realismo E O Simbolismo
 
Realismo (3)
Realismo (3)Realismo (3)
Realismo (3)
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Romantismo,realismo
Romantismo,realismoRomantismo,realismo
Romantismo,realismo
 
Romantismo,realismo
Romantismo,realismoRomantismo,realismo
Romantismo,realismo
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
 
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
O retrato real da sociedade burguesa no século XIX pela percepção do Movimen...
O retrato real da sociedade burguesa  no século XIX pela percepção do Movimen...O retrato real da sociedade burguesa  no século XIX pela percepção do Movimen...
O retrato real da sociedade burguesa no século XIX pela percepção do Movimen...
 
Realismo 2 ano
Realismo 2 anoRealismo 2 ano
Realismo 2 ano
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
 

Último

Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 

Último (20)

Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptxSanta Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 

realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt

  • 1. Peneiradoras de trigo, de Gustave Coubert, 1819-1877. Revolução Industrial, fortalecimento da burguesia como classe dominante. As ideias avançadas do cientificismo e do materialismo europeu contaminam a elite brasileira. Opõem-se ao idealismo e ao espiritualismo romântico, pois nada que não pudesse ser visto, medido e examinado deveria merecer atenção.
  • 2. Surge a civilização industrial, massas trabalhadoras e os sindicatos. Movimento que luta por uma retratação do mundo mais objetiva, menos fantasiosa, com uma visão e interpretação racional.
  • 3. A investigação da sociedade e dos caracteres individuais é feita “de dentro para fora”, isto é, por meio de uma análise psicológica capaz de abranger toda sua complexidade, utilizando entre outros recursos a ironia, que sugere e aponta, em vez de afirmar. Ataca os fundamentos ideológicos da sociedade burguesa e suas instituições: o casamento, o clero, a escravidão do homem ao trabalho como meio de “vencer na vida”, os ricos e pobres – os marginais – as prostitutas – os operários.
  • 4. O Positivismo (o primado da ciência); Evolucionismo (leis biológicas); Determinismo (instinto, raça, hereditariedade); Impassibilidade – contenção emocional – (busca-se uma explicação lógica e científica para o comportamento); Personagens esféricas – (opõe-se às personagens românticas, pois são imprevisíveis, dinâmicas e têm profundidade psicológica); Materialismo – (realidade Material);
  • 5. Objetivismo – (verdade exata); Predomínio das Sensações – (realista, sensorial e sexual); Temas contemporâneos – (crítica social, burguesia, contra o clero, contra o capitalismo selvagem); Narrativa lenta – (pormenores na ação); Preocupação formal – correção gramatical; predomínio de denotação.
  • 6. O Romantismo não mais representa os anseios da sociedade do século XIX, a qual amadurecia, trazendo novos hábitos de vida. Solicitações materiais ou ideológicas da Revolução Industrial, nos países desenvolvidos. Não em Portugal que era arcaico (até feudal). Mas os burgueses progressistas importaram da França as teorias positivistas do século XIX. O barco desaparecido (1890), de José Júlio Sousa Pinto.
  • 7. A literatura, nutrida dessas novas concepções, abandona o Romantismo e renova os conceitos sobre poesia, romance, crítica e filosofia. O pagamento dos ceifeiros, de Léon Lhermitte, 1882.
  • 8. Foi um protesto da geração de intelectuais que por volta de 1865, formou-se em Coimbra contra o exagero Romântico. Pinheiro Chagas – poeta romântico – publica Poema da Mocidade. Castilho faz referências irônicas aos moços de Coimbra. LISBOA Antônio Feliciano de Castilho (Passado) Romantismo em agonia. COIMBRÃ Antero de Quental (Presente) Realismo, a nova ideia.
  • 9. Antero de Quental responde a Castilho com um folheto intitulado BOM SENSO E BOM GOSTO, iniciando assim, uma luta entre eles.
  • 10. Os princípios defendidos pela nova geração consolidaram-se na série de Conferências do Cassino Lisbonense, palestras em que os jovens expunham ideias novas a respeito de literatura e da vida política e cultural do país. Após a quinta conferência, autoridades proibiram a atuação do grupo, alegando ofensa aos princípios políticos e religiosos da nação portuguesa. Mas os moços de Coimbra já tinham se firmado como a geração de 70 ou geração realista. Universidade de Coimbra Século XVIII
  • 11. José Maria Eça de Queirós nasceu em 1845 em Póvoa do Varzim e morreu em 1900 em Paris. Eça de Queirós é o maior romancista e prosador da literatura portuguesa na segunda metade do século XIX.
  • 12. Realismo tem início efetivo no país em 1875, quando Eça de Queirós lançou O Crime do Padre Amaro, primeira obra com características realistas.
  • 13. O Crime do Padre Amaro (1875); O Primo Basílio (1878); O Mandarim (1879); Os Maias (1888); A Ilustre Casa de Ramires (1900); A Cidade e as Serras (1901)entre outras.
  • 14. Academia Brasileira de Letras – permite que o escritor passe a ser socialmente conhecido, gerando o academicismo, o qual ajustava-se aos ideais da classe dominante. No Brasil, o Realismo, o Naturalismo e o Parnasianismo são simultâneos e não sucessivos. Morro do Livramento Rio de Janeiro, 1839.
  • 15. A literatura passa a ser aceita pelos setores instruídos das classes dominantes e das camadas médias. A figura mais expressiva da corrente realista foi Machado de Assis, pela excelência da obra que determinou um salto qualitativo que marcou a maturação das nossas letras.
  • 16. Foi um indivíduo excepcional: mulato, de origem humilde, conseguiu estudar e trabalhar como tipógrafo na Imprensa Nacional. Escreveu desde muito jovem para diversos jornais e revistas do Rio de Janeiro. Graças à originalidade de seus textos e à fina percepção sobre o ser humano, Machado de Assis tornou-se um dos escritores mais admirados de seu tempo. Joaquim Maria Machado de Assis, nasceu no Morro do Livramento no Rio de Janeiro.
  • 17. O Realismo inaugura-se em 1881, Com Memórias Póstumas de Brás Cubas de MACHADO DE ASSIS. O Naturalismo aparece também em 1881, com O Mulato de Aluísio de Azevedo e o Parnasianismo, em 1882 com o livro de poemas Fanfarras, de Teófilo Dias. Cena da obra Memórias Póstumas de Brás Cubas
  • 18. Machado de Assis é o grande representante do Realismo no Brasil e considerado o “O analista da alma humana”. Na poesia – discreta, sem arrebatamentos, reflexiva e densa, mas quase carente de emoções e vibração. No romance – “não quis fazer romance de costumes” os romances são de observação psicológica e o interesse como móvel principal das ações humanas.
  • 19. Em “Dom Casmurro” Machado de Assis criou a personagem olhos de ressaca: CAPITU.
  • 20. • Ruptura com a narrativa linear: não segue um fio lógico ou cronológico e sim um ordenamento interior. • Organização metalingüística do discurso narrativo: Machado assume a posição de quem escreve e ao mesmo tempo se vê escrevendo. O narrador comenta com o leitor a própria escritura do romance. • O universalismo: seu interesse jamais recaiu sobre a cor local e buscou o universal, a essência e aparência humana na sociedade de seu tempo.
  • 21. A ironia, humor negro e o pessimismo: são marcas de Machado de Assis que revelam sempre uma visão desencantada da vida e do homem. O psicologismo: os acontecimentos exteriores são considerados somente à medida que revelam o interior. As influências: de uma formação clássica e seguiu a ironia de Voltaire e o humor dos ingleses. Os grandes arquétipos: (modelo de ser vivo, padrão exemplar) aparecem com relativa freqüência nas obras machadianas. Cena da obra Memórias Póstumas de Brás Cubas
  • 22. Um Realismo mais extremo (exacerbado). Buscou analisar o comportamento humano ressaltando os aspectos instintivos e biológicos.
  • 23. Fez do romance um laboratório da vida e do homem um caso animalesco. Preferiu temas degradantes da condição humana com taras, vícios, sedução, homossexualismo.
  • 24. Aproximou o homem ao animal – zoomorfismo. Determinismo = raça, meio e momento. A investigação da sociedade e dos caracteres individuais ocorre “de fora para dentro.” Na teoria de O romance experimental de Émile Zola, o escritor sintetiza os fundamentos do Naturalismo, ao propor a substituição do “estudo do homem abstrato e metafísico pelo do homem natural, sujeito a leis físico-químicas e determinado pela influência do meio”.
  • 25. Jornalista e desenhista caricaturista escreveu romances, contos, operetas e revistas teatrais. O MULATO (1881) – obra de início do Naturalismo. Aluísio Tancredo Gonçalves de Azevedo nasceu dia 14 de abril de 1857, em São Luís do Maranhão.
  • 26. Tem linguagem coloquial simples e direta. O romance “ O Mulato“ é considerado o marco inicial do Naturalismo que trata do preconceito racial e crítica à igreja.
  • 27. No romance social tem o poder de dar vida aos agrupamentos humanos. Os protagonistas são vistos “de fora” e o drama é apenas um fatalismo (sorte inevitável). Nada psicológico. Obra marcante no Naturalismo.
  • 28. João Romão – português ambicioso. Bertoleza – escrava fugida, dona de uma quitanda e umas economias. Amasiam-se e a escrava agora, trabalha como uma louca para João. Primeiro, três casas e depois... o cortiço cresce como larvas. Senhor Miranda – Classe elevada mora vizinho do cortiço num sobrado e ainda é pai da bela Zulmira.
  • 29. No cortiço Carapicus (flores espinhosas) tem-se tipos como: Machona – desencaminhada pelas companhias. Rita Baiana – mulata faceira, amigada com Firmo (malandro, valentão). Jerônimo e sua mulher – portugueses recém chegados.
  • 30. Raul d’Ávila Pompéia nasceu a 12 de abril de 1863, em Jacuacanga, Angra dos Reis, Rio de Janeiro. Estudou direito, militou nos movimentos abolicionistas, colaborou na Gazeta de Notícias, envolveu-se em diversas polêmicas (até num duelo com Olavo Bilac) e suicidou-se numa noite de Natal aos 32 anos.
  • 31. Elaborado a partir das recomendações do autor. Estilo realista ao apresentar problemas como homossexualismo, teorias científicas, dependência e outros. Traz como subtítulo:“Crônicas de Saudades”. Riqueza de vocabulário, impressionismo isto é, não retrata a realidade diretamente, mas sim, a impressão que essa produz no seu espírito. Desenhos sobre o Ateneu pelo próprio autor.
  • 32. Resumo da Obra: Sérgio é recebido por Aristarco, diretor do colégio, retratado por vários aspectos negativos; casado com D. Ema, mulher que Sérgio se apaixonou platonicamente. É relatado o excesso de autoridade, as travessuras e os sofrimentos findando-se com o incêndio do colégio provocado pelo revoltado Américo.