SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
LITERATURA Arcadismo
Arcadismo
Arcadismo VIDA CAMPESTRE RESTAURAÇÃO DO EQUILÍBRIO ANTIGUIDADE CLÁSSICA ILUMINISMO USO DA RAZÃO APROVEITAR A VIDA SENTIMENTOS UNIVERSAIS LÍRA ANTROPOCENTRISMO                X TEOCENTRISMO HOMEM NÃO SABE SE APROVEITA A VIDA OU SE SEGUE DEUS.  AMBIENTE SOMBRIO EXESSO, EXAEIRO SONETO
Arcadismo PRINCIPAIS CONVENÇÕES DA POESIA ARCÁDICA FUGERE URBEM  (FUGIR DA CIDADE) AUREA MEDIOCRITAS  EQUILÍBRIO  CARPIE DIEM  APROVEITAR O MOMENTO PERSONAGENS MITOLÓGICOS BULCOLISMO E PASTORISMO  (VIDA NO CAMPO) LOCUS AMOENIS (LUGAR AMENO)- IDEALIZAÇÃO DA NATUREZA
Arcadismo PRINCIPAIS POETAS TOMAS ANTÔNIO GONZAGA, o Dirceu foi um jurista, poeta e ativista político  luso-brasileiro. Considerado o mais proeminente dos poetas árcades, é ainda hoje estudado em escolas e universidades por seu "Marília de Dirceu" (versos notadamente árcades feitos para sua amada). DIZEM AS MÁS LINGUAS... TOMÁS ERA UM INCONFIDENTE E ISSO NÃO ERA ACEITO PELA FAMILIA DA MOÇA (MARÍLIA) POR QUEM ELE AMAVA. ELE TINHA QUARENTA ANOS ENQUANTO ELA QUINZE. E NAS LIRAS ELE PEDE PARA QUE ELA DECIDA LOGO SE VAI FICAR COM ELE JÁ QUE SUA VIDA JÁ NÃO ESTAVA MUITO NO INICIO. MARÍLIA DIRCEU
Arcadismo PRINCIPAIS POETAS CLAUDIO MANUEL, Glauceste Satúrnio  foi um jurista e poeta do Brasil Colônia.inspirava em sua musa Nise. Destacou-se pela sua obra poética e pelo seu envolvimento na Inconfidência Mineira. Foi também advogado de prestígio, fazendeiro abastado, cidadão ilustre, pensador de mente aberta e mecenas do Aleijadinho. Glauceste/alceste NISE
Arcadismo LÍRAS Repara, como cheia de ternuraEntre as asas ao filho essa ave aquenta,Como aquela esgravata a terra dura,E os seus assim sustenta;Como se encoleriza,E salta sem receio a todo o vulto,Que junto deles pisa.Que gosto não terá a esposa amante,Quando der ao filhinho o peito brando,E refletir então no seu semblante!Quando, Marília, quandoDisser consigo: "É esta"De teu querido pai a mesma barba,"A mesma boca, e testa." Enquanto pasta alegre o manso gado,Minha bela Marília, nos sentemosÀ sombra deste cedro levantado.Um pouco meditemosNa regular beleza,Que em tudo quanto vive, nos descobreA sábia natureza.Atende, como aquela vaca pretaO novilhinho seu dos mais separa,E o lambe, enquanto chupa a lisa teta.Atende mais, ó cara,Como a ruiva cadelaSuporta que lhe morda o filho o corpo,E salte em cima dela.
Arcadismo LÍRAS  (análise) Líra(Enquanto pasta alegre o manso gado) Linguagem simples, menos rebuscada O eu lírico convida marília a aproveitar a natureza “Enquanto pasta alegre o manso gado”               cenário campeste “Na regular beleza”	 equilíbrio “A sábia natureza”     natureza sábia Segunda  e terceira estrofe descreve a vida de uma mãe e o filho da natureza (vaca e novilhinho) demonstrando a paciência dela por sua cria Na última estrofe, o eu-lírico mostra que quando marília pegar o filho sentirá nele as mesmas características do pai (dirceu)
Arcadismo soneto Olha, Marília, as flautas dos pastoresQue bem que soam, como estão cadentes!Olha o Tejo a sorrir-se! Olha, não sentesOs Zéfiros brincar por entre flores? Vê como ali beijando-se os AmoresIncitam nossos ósculos ardentes!Ei-las de planta em planta as inocentes,As vagas borboletas de mil cores. Naquele arbusto o rouxinol suspira,Ora nas folgas a abelhinha pára,Ora nos ares sussurando gira: Que alegre campo! Que amanhã tão clara!Mas ah! Tudo o que vês, se eu te não vira,Mais tristeza que a morte me causara. Cenário campestre Eu lírico convida marília a observar a natureza como o rio tejo.  Antiguidade clássica “Os Zéfiros” Demontra como é a natureza Na última estrofe há uma característica pré romântica Aonde, caso o eu lirico não visse essa beleza da natureza sua morte seria mais triste.
Arcadismo Características pré-românticas CLAUDIO MANUEL, Glauceste Satúrnio O cenário continua sendo o campo mais de outra forma. Sempre é cobrado em questão qual a caracteristica pré romântica presente no texto e na maioria das vezes é sempre a mesma resposta de acordo com o texto. É necessário falar que o cenário é o campo, mas agora diferente dos textos árcades.  O campo é retratado mostrando o seu lado feio sendo o eu lírico demonstrando a sua amada  como é feia a natureza sem o amor dela, é uma forma mais centralizada nele do que universal.
Arcadismo soneto Este é o rio, a montanha é esta,Estes os troncos, estes os rochedos;São estes inda os mesmos arvoredos;Esta é a mesma rústica floresta.Tudo cheio de horror se manifesta,Rio, montanha, troncos, e penedos;Que de amor nos suavíssimos enredosFoi cena alegre, e urna é já funesta.Oh quão lembrado estou de haver subidoAquele monte, e as vezes, que baixandoDeixei do pranto o vale umedecido!Tudo me está a memória retratando;Que da mesma saudade o infame ruídoVem as mortas espécies despertando. Cenário campestre Uso de pronomes demonstrativos  Toda a natureza horrorosa  Lembrande de quando esta (a natureza) era bela Sentimento de saudade
Arcadismo soneto Grato silêncio, trémulo arvoredo,Sombra propícia aos crimes e aos amores,Hoje serei feliz! --- Longe, temores,Longe, fantasmas, ilusões do medo.Sabei, amigos Zéfiros, que cedoEntre os braços de Nise, entre estas flores,Furtivas glórias, tácitos favores,Hei-de enfim possuir: porém segredo!Nas asas frouxos ais, brandos queixumesNão leveis, não façais isto patente,Quem nem quero que o saiba o pai dos numes:Cale-se o caso a Joveomnipotente,Porque, se ele o souber, terá ciúmes,Vibrará contra mim seu raio ardente. “Grato silêncio, trémulo arvoredo” Cenário campestre “Longe, temores,Longe, fantasmas, ilusões do medo.” Longe da vida na cidade
Arcadismo ARCADISMO X ROMANTISMO TEXTOS SIMPLES REVOLUÃO BURGUESA CARACTERISTICAS SUBJETIVAS RUPTURA COM O MODELO CLÁSSICO USO DA EMOÇÃO VIDA CAMPESTRE RESTAURAÇÃO DO EQUILÍBRIO ANTIGUIDADE CLÁSSICA ILUMINISMO USO DA RAZÃO APROVEITAR A VIDA SENTIMENTOS UNIVERSAIS LÍRA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
eeadolpho
 
Os Gêneros Literários
Os Gêneros LiteráriosOs Gêneros Literários
Os Gêneros Literários
7 de Setembro
 

Mais procurados (20)

Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Período simples e período composto
Período simples e período compostoPeríodo simples e período composto
Período simples e período composto
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
 
A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: PoesiaA Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Prosa romântica
Prosa românticaProsa romântica
Prosa romântica
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
 
Os Gêneros Literários
Os Gêneros LiteráriosOs Gêneros Literários
Os Gêneros Literários
 
2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo
 
Romantismo poesia - 3ª geração
Romantismo   poesia - 3ª geraçãoRomantismo   poesia - 3ª geração
Romantismo poesia - 3ª geração
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
 

Semelhante a Arcadismo

Poesia romântica brasileira
Poesia romântica brasileiraPoesia romântica brasileira
Poesia romântica brasileira
Seduc/AM
 
Segunda geração da poesia romântica
Segunda geração da poesia românticaSegunda geração da poesia romântica
Segunda geração da poesia romântica
ma.no.el.ne.ves
 
Poesia de Almeida Garret
Poesia de Almeida GarretPoesia de Almeida Garret
Poesia de Almeida Garret
becresforte
 

Semelhante a Arcadismo (20)

Arcadismo aula 5
Arcadismo   aula 5Arcadismo   aula 5
Arcadismo aula 5
 
Marília de Dirceu
Marília de DirceuMarília de Dirceu
Marília de Dirceu
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Aula - Gêneros líricos e épicos na Literatura Brasileira
Aula - Gêneros líricos e épicos na Literatura BrasileiraAula - Gêneros líricos e épicos na Literatura Brasileira
Aula - Gêneros líricos e épicos na Literatura Brasileira
 
Espumas flutuantes
Espumas flutuantesEspumas flutuantes
Espumas flutuantes
 
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
 
Romantismo gênero lírico
Romantismo gênero líricoRomantismo gênero lírico
Romantismo gênero lírico
 
Homenagem a Francisco Neves de Macedo
Homenagem a Francisco Neves de MacedoHomenagem a Francisco Neves de Macedo
Homenagem a Francisco Neves de Macedo
 
Poesia romântica brasileira
Poesia romântica brasileiraPoesia romântica brasileira
Poesia romântica brasileira
 
Contemp novembro__19
Contemp  novembro__19Contemp  novembro__19
Contemp novembro__19
 
Memento Mori V Noite De Poesia Arádia Raymon
Memento Mori   V Noite De Poesia   Arádia RaymonMemento Mori   V Noite De Poesia   Arádia Raymon
Memento Mori V Noite De Poesia Arádia Raymon
 
Segunda geração da poesia romântica
Segunda geração da poesia românticaSegunda geração da poesia romântica
Segunda geração da poesia romântica
 
Contemp setembro__10
Contemp  setembro__10Contemp  setembro__10
Contemp setembro__10
 
Contemp agosto__07
Contemp  agosto__07Contemp  agosto__07
Contemp agosto__07
 
Simbolismo vers ---o final
Simbolismo vers ---o finalSimbolismo vers ---o final
Simbolismo vers ---o final
 
Poetas parnasianos e simbolistas
Poetas parnasianos e simbolistasPoetas parnasianos e simbolistas
Poetas parnasianos e simbolistas
 
Poesia de Almeida Garret
Poesia de Almeida GarretPoesia de Almeida Garret
Poesia de Almeida Garret
 
Romantismo no brasil
Romantismo no brasilRomantismo no brasil
Romantismo no brasil
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 

Mais de Slides de Tudo (9)

Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Matematica
MatematicaMatematica
Matematica
 
Evolução e sistemática
Evolução e sistemática Evolução e sistemática
Evolução e sistemática
 
Quimica reações quimicas
Quimica  reações quimicasQuimica  reações quimicas
Quimica reações quimicas
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
 
Independencia dos Estados Unidos
Independencia dos Estados UnidosIndependencia dos Estados Unidos
Independencia dos Estados Unidos
 
Hidrostática - Física
Hidrostática - FísicaHidrostática - Física
Hidrostática - Física
 
Biologia- Virus
Biologia- VirusBiologia- Virus
Biologia- Virus
 
Historia revoluçoes nativistas
Historia revoluçoes nativistasHistoria revoluçoes nativistas
Historia revoluçoes nativistas
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
azulassessoria9
 

Último (20)

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 

Arcadismo

  • 3. Arcadismo VIDA CAMPESTRE RESTAURAÇÃO DO EQUILÍBRIO ANTIGUIDADE CLÁSSICA ILUMINISMO USO DA RAZÃO APROVEITAR A VIDA SENTIMENTOS UNIVERSAIS LÍRA ANTROPOCENTRISMO X TEOCENTRISMO HOMEM NÃO SABE SE APROVEITA A VIDA OU SE SEGUE DEUS. AMBIENTE SOMBRIO EXESSO, EXAEIRO SONETO
  • 4. Arcadismo PRINCIPAIS CONVENÇÕES DA POESIA ARCÁDICA FUGERE URBEM (FUGIR DA CIDADE) AUREA MEDIOCRITAS EQUILÍBRIO CARPIE DIEM APROVEITAR O MOMENTO PERSONAGENS MITOLÓGICOS BULCOLISMO E PASTORISMO (VIDA NO CAMPO) LOCUS AMOENIS (LUGAR AMENO)- IDEALIZAÇÃO DA NATUREZA
  • 5. Arcadismo PRINCIPAIS POETAS TOMAS ANTÔNIO GONZAGA, o Dirceu foi um jurista, poeta e ativista político luso-brasileiro. Considerado o mais proeminente dos poetas árcades, é ainda hoje estudado em escolas e universidades por seu "Marília de Dirceu" (versos notadamente árcades feitos para sua amada). DIZEM AS MÁS LINGUAS... TOMÁS ERA UM INCONFIDENTE E ISSO NÃO ERA ACEITO PELA FAMILIA DA MOÇA (MARÍLIA) POR QUEM ELE AMAVA. ELE TINHA QUARENTA ANOS ENQUANTO ELA QUINZE. E NAS LIRAS ELE PEDE PARA QUE ELA DECIDA LOGO SE VAI FICAR COM ELE JÁ QUE SUA VIDA JÁ NÃO ESTAVA MUITO NO INICIO. MARÍLIA DIRCEU
  • 6. Arcadismo PRINCIPAIS POETAS CLAUDIO MANUEL, Glauceste Satúrnio  foi um jurista e poeta do Brasil Colônia.inspirava em sua musa Nise. Destacou-se pela sua obra poética e pelo seu envolvimento na Inconfidência Mineira. Foi também advogado de prestígio, fazendeiro abastado, cidadão ilustre, pensador de mente aberta e mecenas do Aleijadinho. Glauceste/alceste NISE
  • 7. Arcadismo LÍRAS Repara, como cheia de ternuraEntre as asas ao filho essa ave aquenta,Como aquela esgravata a terra dura,E os seus assim sustenta;Como se encoleriza,E salta sem receio a todo o vulto,Que junto deles pisa.Que gosto não terá a esposa amante,Quando der ao filhinho o peito brando,E refletir então no seu semblante!Quando, Marília, quandoDisser consigo: "É esta"De teu querido pai a mesma barba,"A mesma boca, e testa." Enquanto pasta alegre o manso gado,Minha bela Marília, nos sentemosÀ sombra deste cedro levantado.Um pouco meditemosNa regular beleza,Que em tudo quanto vive, nos descobreA sábia natureza.Atende, como aquela vaca pretaO novilhinho seu dos mais separa,E o lambe, enquanto chupa a lisa teta.Atende mais, ó cara,Como a ruiva cadelaSuporta que lhe morda o filho o corpo,E salte em cima dela.
  • 8. Arcadismo LÍRAS (análise) Líra(Enquanto pasta alegre o manso gado) Linguagem simples, menos rebuscada O eu lírico convida marília a aproveitar a natureza “Enquanto pasta alegre o manso gado” cenário campeste “Na regular beleza” equilíbrio “A sábia natureza” natureza sábia Segunda e terceira estrofe descreve a vida de uma mãe e o filho da natureza (vaca e novilhinho) demonstrando a paciência dela por sua cria Na última estrofe, o eu-lírico mostra que quando marília pegar o filho sentirá nele as mesmas características do pai (dirceu)
  • 9. Arcadismo soneto Olha, Marília, as flautas dos pastoresQue bem que soam, como estão cadentes!Olha o Tejo a sorrir-se! Olha, não sentesOs Zéfiros brincar por entre flores? Vê como ali beijando-se os AmoresIncitam nossos ósculos ardentes!Ei-las de planta em planta as inocentes,As vagas borboletas de mil cores. Naquele arbusto o rouxinol suspira,Ora nas folgas a abelhinha pára,Ora nos ares sussurando gira: Que alegre campo! Que amanhã tão clara!Mas ah! Tudo o que vês, se eu te não vira,Mais tristeza que a morte me causara. Cenário campestre Eu lírico convida marília a observar a natureza como o rio tejo. Antiguidade clássica “Os Zéfiros” Demontra como é a natureza Na última estrofe há uma característica pré romântica Aonde, caso o eu lirico não visse essa beleza da natureza sua morte seria mais triste.
  • 10. Arcadismo Características pré-românticas CLAUDIO MANUEL, Glauceste Satúrnio O cenário continua sendo o campo mais de outra forma. Sempre é cobrado em questão qual a caracteristica pré romântica presente no texto e na maioria das vezes é sempre a mesma resposta de acordo com o texto. É necessário falar que o cenário é o campo, mas agora diferente dos textos árcades. O campo é retratado mostrando o seu lado feio sendo o eu lírico demonstrando a sua amada como é feia a natureza sem o amor dela, é uma forma mais centralizada nele do que universal.
  • 11. Arcadismo soneto Este é o rio, a montanha é esta,Estes os troncos, estes os rochedos;São estes inda os mesmos arvoredos;Esta é a mesma rústica floresta.Tudo cheio de horror se manifesta,Rio, montanha, troncos, e penedos;Que de amor nos suavíssimos enredosFoi cena alegre, e urna é já funesta.Oh quão lembrado estou de haver subidoAquele monte, e as vezes, que baixandoDeixei do pranto o vale umedecido!Tudo me está a memória retratando;Que da mesma saudade o infame ruídoVem as mortas espécies despertando. Cenário campestre Uso de pronomes demonstrativos Toda a natureza horrorosa Lembrande de quando esta (a natureza) era bela Sentimento de saudade
  • 12. Arcadismo soneto Grato silêncio, trémulo arvoredo,Sombra propícia aos crimes e aos amores,Hoje serei feliz! --- Longe, temores,Longe, fantasmas, ilusões do medo.Sabei, amigos Zéfiros, que cedoEntre os braços de Nise, entre estas flores,Furtivas glórias, tácitos favores,Hei-de enfim possuir: porém segredo!Nas asas frouxos ais, brandos queixumesNão leveis, não façais isto patente,Quem nem quero que o saiba o pai dos numes:Cale-se o caso a Joveomnipotente,Porque, se ele o souber, terá ciúmes,Vibrará contra mim seu raio ardente. “Grato silêncio, trémulo arvoredo” Cenário campestre “Longe, temores,Longe, fantasmas, ilusões do medo.” Longe da vida na cidade
  • 13. Arcadismo ARCADISMO X ROMANTISMO TEXTOS SIMPLES REVOLUÃO BURGUESA CARACTERISTICAS SUBJETIVAS RUPTURA COM O MODELO CLÁSSICO USO DA EMOÇÃO VIDA CAMPESTRE RESTAURAÇÃO DO EQUILÍBRIO ANTIGUIDADE CLÁSSICA ILUMINISMO USO DA RAZÃO APROVEITAR A VIDA SENTIMENTOS UNIVERSAIS LÍRA