SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
Baixar para ler offline
Psicologia do AprendizadoPsicologia do Aprendizado
LinguagemLinguagem
Professora Cleonice
Por Rafael Almeida e Rafaela SantosPor Rafael Almeida e Rafaela Santos
4º Período Psicologia4º Período Psicologia
CONCEITOCONCEITO
Sistema organizado de símbolos, complexo, extenso e com
propriedades particulares, que desempenha uma função de
codificação, estruturação e consolidação dos dados sensoriais,
transmitindo-lhe um determinado sentido ou significado e
permitindo ao homem comunicar as suas experiências e
transmitir os seus saberes. É, portanto, um sistema de troca detransmitir os seus saberes. É, portanto, um sistema de troca de
informações.
CARACTERÍSTICAS FUNDAMENTAIS
. Transmissível e traduzível.. Transmissível e traduzível.
. Fenômeno social.. Fenômeno social.
. Organização racional.. Organização racional.
. Dá forma ao conteúdo do. Dá forma ao conteúdo do
pensamento.pensamento.
. Dá forma ao conteúdo do. Dá forma ao conteúdo do
pensamento.pensamento.
. Possui ação estruturante. Possui ação estruturante
sobre a inteligência.sobre a inteligência.
Para determinar se o homem é o único a utilizar a linguagem, devemos
primeiro esclarecer o que entendemos por linguagem. Se definirmos a
linguagem como a capacidade de comunicação, podemos dizer então que
existem vários animais que se comunicam. No entanto, a linguagem humana é
extremamente flexível e criativa, apoiada em regras gramáticas. Será se esse
sistema também existe em outros animais?
O caso da abelha e o caso dos
macacos
Por que os
Bebês não nascem
Falando?Falando?
OsOs bebêsbebês humanoshumanos nascemnascem antesantes dede seusseus cérebroscérebros estaremestarem completamentecompletamente
formadosformados.. SeSe permanecêssemospermanecêssemos dentrodentro dada barrigabarriga dada nossanossa mãemãe atéaté osos 1818
meses,meses, nasceríamosnasceríamos falandofalando..
VÍDEO
,
VÍDEO
UmaUma criançacriança nãonão podepode inventarinventar umauma
língualíngua aa partirpartir dodo nadanada.. EstarEstar expostoexposto aoao
usouso dada língualíngua é,é, pois,pois, oo requisitorequisito mínimomínimo
necessárionecessário parapara aa aquisiçãoaquisição dada
linguagemlinguagem..
1 – Os bebês emitem todos os sons da
linguagem humana.
2 – Balbuciam, Começam por imitando
a si mesma, em longos e intermináveis
monólogos.
3 – As diferenças de sons se tornam
acentuadas e correspondem a estados
de alegria, de cólera ou de indiferença.
4 – Surgem as primeiras palavras.
5 – A criança pergunta como se chama uma coisa e mais
tarde o porque. Ex: Por que a laranja chama laranja e o limão
não chama verde?
6 – O desenvolvimento da linguagem é tal que a criança esta
em condições de ser compreendida pelo adulto.
O processo de aquisição daO processo de aquisição da
linguagem dura vários anos elinguagem dura vários anos e
depende muito do ambiente.depende muito do ambiente.depende muito do ambiente.depende muito do ambiente.
COMUNICAÇÃOCOMUNICAÇÃODo latim “Do latim “communiscommunis”, significa comum”, significa comum
Intercâmbio de informação entre sujeitos ou objetosIntercâmbio de informação entre sujeitos ou objetosIntercâmbio de informação entre sujeitos ou objetosIntercâmbio de informação entre sujeitos ou objetos
COMUNICARCOMUNICAR éé tornartornar comum,comum, podendopodendo serser
umum atoato dede mãomão única,única, comocomo TRANSMITIRTRANSMITIR
(um(um emissoremissor transmitetransmite umauma informaçãoinformação aa umum
receptor),receptor), ouou dede mãomão dupla,dupla, comocomo
COMPARTILHARCOMPARTILHAR (emissores(emissores ee receptoresreceptores
constroemconstroem oo saber,saber, aa informação,informação, ee aa
transmitem)transmitem).. ComunicaçãoComunicação éé aa transmissãotransmissãotransmitem)transmitem).. ComunicaçãoComunicação éé aa transmissãotransmissão
dede umum códigocódigo descodificáveldescodificável.. ServeServe parapara
partilharpartilhar emoção,emoção, sentimento,sentimento, informaçãoinformação..
EXPRESSÃO CORPORAL
TOM DE VOZ
COMUNICAÇÃO VERBAL
Comunicação sinestésica
Expressão
A linguagem gestual
possibilita ao
expectador a noção
do fato acontecido, é
como se os gestos
corporal
como se os gestos
despertassem a
imaginação do
expectador (aquele
que espera algo),
possibilitando assim
a perfeita
comunicação entre o
emissor e receptador.
Tom deTom de vozvoz
É considerado objeto de distinção na
comunicação.
Se observarmos a interação de
adultos com bebês, notaremos que a
maioria tende a alterar sua voz em
um tom meigo e amigável para com
as crianças.
Tom de voz expressivo é
aquele que não se mantém em um
mesmo ritmo, antes se altera de
acordo com a interação proposta.
Comunicação verbal
Palavra = termo, vocábulo.
Os homens encontraram uma forma de
associar um som ou objeto a um gesto ou
ação. Assim nasceu o signo, que é qualquer
coisa que faça referência a outra coisa,coisa que faça referência a outra coisa,
dando-lhe uma significação. Os signos
podem ser representados por símbolos e
sinais.
A atribuição de significados a determinados
signos é a base da linguagem.
LINGUAGEM E OLINGUAGEM E O
CONSTRUTIVISMOCONSTRUTIVISMO
O conhecimento se constitui pela
interação do indivíduo com o meio
físico e social, com o simbolismo
humano, com o mundo dashumano, com o mundo das
relações sociais; e se constitui por
força de sua ação e não por
qualquer dotação prévia, na
bagagem hereditária ou no meio,
de tal modo que podemos afirmar
que antes da ação não há
psiquismo nem consciência e,
muito menos, pensamento.
•• LINGUAGEMLINGUAGEM EE OO PROCESSOPROCESSO DEDE “APRENDER“APRENDER AA APRENDER”,APRENDER”,
•• PIAGETPIAGET:: SUSTENTAÇÃOSUSTENTAÇÃO ÀÀ ESCOLAESCOLA ATIVAATIVA NONO PROCESSOPROCESSO DEDE
APRENDIZADOAPRENDIZADO DADA LINGUAGEMLINGUAGEM -- RESPEITORESPEITO ÀÀ ATIVIDADEATIVIDADE DODO ALUNO,ALUNO,
COOPERAÇÃOCOOPERAÇÃO EE SOLIDARIEDADE,SOLIDARIEDADE, AUTONOMIA,AUTONOMIA, IMPORTÂNCIAIMPORTÂNCIA DODO
TRABALHOTRABALHO EMEM GRUPOGRUPO..
•• APRENDIZAGEMAPRENDIZAGEM:: PROCESSOPROCESSO DEDE CONSTITIÇÃOCONSTITIÇÃO DASDAS ESTRUTURASESTRUTURAS
OPERATÓRIASOPERATÓRIAS DODO PENSAMENTO,PENSAMENTO, QUEQUE DEVEMDEVEM ATINGIRATINGIR CERTOCERTO NÍVELNÍVEL
DEDE DESENVOLVDESENVOLV.. PARAPARA QUEQUE OSOS ALUNOSALUNOS APRENDAMAPRENDAM..
•• FORMAÇÃOFORMAÇÃO DEDE PROFESSORESPROFESSORES:: CONSTRUIRCONSTRUIR CONHECIMENTOSCONHECIMENTOS.. ÉÉ
COMPARTILHANDOCOMPARTILHANDO SUASSUAS EXPERIÊNCIASEXPERIÊNCIAS COMCOM OSOS OUTROS,OUTROS, QUEQUE OSOS
PROFESSORESPROFESSORES PODEMPODEM QUESTIONAR,QUESTIONAR, REFLETIRREFLETIR EE CONSTRUIRCONSTRUIR AA
PRÁTICAPRÁTICA PEDAGÓGICAPEDAGÓGICA NOSNOS MOLDESMOLDES CONSTRUTIVISTAS,CONSTRUTIVISTAS, (FOSNOT,(FOSNOT,
19981998))
ENSINO DAENSINO DA
LINGUAGEMLINGUAGEM
•• AA ESCOLAESCOLA FAZFAZ AA MEDIAÇÃOMEDIAÇÃO ENTREENTRE OSOS CONTEÚDOSCONTEÚDOS
HISTORICAMENTEHISTORICAMENTE PRODUZIDOSPRODUZIDOS PELAPELA HUMANIDADEHUMANIDADE EE OO
ALUNO,ALUNO, PROCURANDOPROCURANDO FORMASFORMAS PARAPARA QUEQUE ESSESESSES
CONHECIMENTOSCONHECIMENTOS SEJAMSEJAM APROPRIADOSAPROPRIADOS PELOSPELOS INDIVÍDUOS,INDIVÍDUOS,
CONTRIBUINDOCONTRIBUINDO PARAPARA AA FORMAÇÃOFORMAÇÃO DEDE NOVASNOVAS GERAÇÕESGERAÇÕES DEDE
SERESSERES HUMANOSHUMANOS..
•• ENSINOENSINO LINGUAGEMLINGUAGEM:: PAPELPAPEL CENTRALCENTRAL NONO SISTEMASISTEMA DEDE
ORGANIZAÇÃOORGANIZAÇÃO DADA VIDAVIDA DADA CRIANÇA,CRIANÇA, DETERMINANDODETERMINANDO SEUSEU
DESENVOLVIMENTODESENVOLVIMENTO PSÍQUICO,PSÍQUICO, POISPOIS CONSTITUICONSTITUI UMUM MEIOMEIO
SISTEMATIZADOSISTEMATIZADO DEDE TRANSMISSÃOTRANSMISSÃO DADA EXPERIÊNCIAEXPERIÊNCIA SOCIALSOCIAL..
LINGUAGEMLINGUAGEMLINGUAGEMLINGUAGEM
INTERAÇÃO COM O SIMBÓLICOINTERAÇÃO COM O SIMBÓLICO
Para Vygotsky, o que nos
torna humanos é a
capacidade de utilizar
instrumentos simbólicos
para complementar nossa
atividade, que tem bases
biológicas.
Em um pequeno artigoEm um pequeno artigo
sobre o jogo infantil, diz
que as formas tipicamente
humanas de pensar
surgem, por exemplo,
quando uma criança pega
um cabo de vassoura e o
transforma em um cavalo,
ou em um fuzil, ou em
uma árvore.
OsOs chimpanzés,chimpanzés, porpor maismais inteligentesinteligentes queque
sejam,sejam, podempodem nono máximomáximo utilizarutilizar oo cabocabo dede
vassouravassoura parapara derrubarderrubar bananas,bananas, porpor exemplo,exemplo,
ee jamaisjamais parapara criarcriar umauma situaçãosituação imagináriaimaginária.. OO
queque nosnos tornatorna humanos,humanos, segundosegundo VygotskyVygotsky,, éé
nossanossa capacidadecapacidade dede imaginarimaginar..
QuandoQuando aprendemosaprendemos aa linguagemlinguagem específicaespecífica dede
nossonosso meiomeio sociocultural,sociocultural, transformamostransformamos
radicalmenteradicalmente osos rumosrumos dede nossonosso própriopróprio
nossonosso meiomeio sociocultural,sociocultural, transformamostransformamos
radicalmenteradicalmente osos rumosrumos dede nossonosso própriopróprio
desenvolvimentodesenvolvimento..
LINGUAGEMLINGUAGEM
E INTERPRETAÇÃOE INTERPRETAÇÃO
LINGUAGEMLINGUAGEM
E AS FORMAS DE PERCEPÇÃOE AS FORMAS DE PERCEPÇÃO
Dizem que quem conta um conto, aumenta um ponto, então vejam como seria
a versão da fábula de Chapeuzinho Vermelho na imprensa brasileira
Jornal Nacional
William Bonner:
‘Boa noite. Uma menina chegou a ser devorada por um lobo na noite de ontem…
Fátima Bernardes:
‘…mas a atuação de um caçador evitou a tragédia.
Programa da Hebe
‘…que gracinha, gente! Vocês não vão acreditar, mas essa menina linda aqui foi
retirada viva da barriga de um lobo, não é mesmo?’
Cidade Alerta
Datena:Datena:
‘…onde é que a gente vai parar, cadê as autoridades? Cadê as autoridades? A
menina ia pra casa da vovozinha a pé! Não tem transporte público! Não tem
transporte público! E foi devorada viva… um lobo, um lobo safado. Põe na tela,
primo! Porque eu falo mesmo, não tenho medo de lobo, não tenho medo de lobo,
não!
Superpop
Luciana Gimenez:
‘Geeente! Eu tô aqui com a ex-mulher do lenhador e ela diz que ele é alcoólatra,
agressivo e que não paga pensão aos filhos há mais de um ano. Abafa o caso!’
Globo Repórter
Chamada do programa - imagine a voz do Sérgio Chapelin:
‘Tara? Fetiche? Violência? O que leva alguém a comer, na mesma noite, uma
idosa e uma adolescente? O Globo Repórter conversou com psicólogos,
antropólogos e com amigos e parentes do Lobo, em busca da resposta. E uma
revelação: casos semelhantes acontecem dentro dos próprios lares das vítimas,
que silenciam por medo. Hoje, no Globo Repórter.
Discovery Channel
Vamos determinar se é possível uma pessoa ser engolida viva e sobreviver.
Revista VejaRevista Veja
Lula sabia das intenções do Lobo.
Revista Cláudia
Como chegar à casa da vovozinha sem se deixar enganar pelos lobos no
caminho.
Revista Nova
Dez maneiras de levar um lobo à loucura na cama!
Revista Isto
ÉGravações revelam que lobo foi assessor de político influente.
Revista Playboy
Ensaio fotográfico do mês seguinte:
‘ Veja o que só o lobo viu’.
Revista Vip
As 100 mais sexies – desvendamos a adolescente mais gostosa do Brasil!
Revista G Magazine
Ensaio com o lenhador
‘O lenhador mostra o machado’.
Revista CarasRevista Caras
Ensaio fotográfico com a Chapeuzinho na semana seguinte:
Na banheira de hidromassagem, Chapeuzinho fala a CARAS: ‘Até ser devorada,
eu não dava valor pra muitas coisas na vida. Hoje, sou outra pessoa.’
Revista Superinteressante
Lobo Mau: mito ou verdade?
Revista Tititi
Lenhador e Chapeuzinho flagrados em clima romântico em jantar no Rio.
Folha de São Paulo
Legenda da foto: ‘Chapeuzinho, à direita, aperta a mão de seu salvador’. Na
matéria, box com um zoólogo explicando os hábitos alimentares dos lobos e um
imenso infográfico mostrando como Chapeuzinho foi devorada e depois salva pelo
lenhador.
O Estado de São Paulo
Lobo que devorou menina seria filiado ao PT.
O Globo
Petrobrás apóia ONG do lenhador ligado ao PT, que matou um lobo para salvar
menor de idade carente.menor de idade carente.
O Dia
Lenhador desempregado tem dia de herói
Extra
Promoção do mês: junte 20 selos mais 19,90 e troque por uma capa vermelha
igual a da Chapeuzinho!
Meia hora
Sangue e tragédia na casa da vovó. Lenhador passou o rodo e mandou lobo
pedófilo pro saco!
OBRIGADO!OBRIGADO!
Referências Bibliográficas:Referências Bibliográficas:
BELTRÃO, Luiz e QUIRINO, Newton de Oliveira. Subsídios para uma teoria daBELTRÃO, Luiz e QUIRINO, Newton de Oliveira. Subsídios para uma teoria da
comunicação de massa. São Paulo:comunicação de massa. São Paulo: SummusSummus, 1986. P. 21 a 24., 1986. P. 21 a 24.
BORDENAVE, JuanBORDENAVE, Juan DíazDíaz. O que é comunicação. S. Paulo: Brasiliense, 2002. O que é comunicação. S. Paulo: Brasiliense, 2002
(27a. ed.). P. 12 a 29 e 35 a 41.(27a. ed.). P. 12 a 29 e 35 a 41.
GIOVANNINI,GIOVANNINI, GiovaniGiovani. Evolução na comunicação. Rio: Nova Fronteira, 1984.. Evolução na comunicação. Rio: Nova Fronteira, 1984.
P. 23 a 83.P. 23 a 83.
Artigos relacionados Bloom (1970 in STILLINGS, 1987) eArtigos relacionados Bloom (1970 in STILLINGS, 1987) e BowermanBowerman (1973 in(1973 in
STILLINGS,STILLINGS, 1987).1987).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Alfabetização e linguagem_2014
Alfabetização e linguagem_2014Alfabetização e linguagem_2014
Alfabetização e linguagem_2014Naysa Taboada
 
Oficina: Por uma compreensão do letramento visual e seus suportes - Profª Dra...
Oficina: Por uma compreensão do letramento visual e seus suportes - Profª Dra...Oficina: Por uma compreensão do letramento visual e seus suportes - Profª Dra...
Oficina: Por uma compreensão do letramento visual e seus suportes - Profª Dra...Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
A linguagem oral e as crianças
A linguagem oral e as criançasA linguagem oral e as crianças
A linguagem oral e as criançasDarlyane Barros
 
Processo de aquisição da leitura e escrita
Processo de aquisição da leitura e escritaProcesso de aquisição da leitura e escrita
Processo de aquisição da leitura e escritaequipeanosiniciais
 
Apresentação processos e objetivos da alfabetização ciman 2013
Apresentação   processos e objetivos da alfabetização ciman  2013Apresentação   processos e objetivos da alfabetização ciman  2013
Apresentação processos e objetivos da alfabetização ciman 2013J. C.
 
Fundamentos teóricos e metodológicos da alfabetização e do
Fundamentos teóricos e metodológicos da alfabetização e doFundamentos teóricos e metodológicos da alfabetização e do
Fundamentos teóricos e metodológicos da alfabetização e doSolange Mendes
 
Oralidae, escrita e mídia
Oralidae, escrita e mídiaOralidae, escrita e mídia
Oralidae, escrita e mídiaizoldaferreira
 
Ensino de português para surdos: O que a linguística aplicada tem a nos ensinar?
Ensino de português para surdos: O que a linguística aplicada tem a nos ensinar?Ensino de português para surdos: O que a linguística aplicada tem a nos ensinar?
Ensino de português para surdos: O que a linguística aplicada tem a nos ensinar?Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Teoria e prática da alfabetização
Teoria e prática da alfabetizaçãoTeoria e prática da alfabetização
Teoria e prática da alfabetizaçãoNoemia Meneguelly
 
Linguagem oral e escrita
Linguagem oral e escrita Linguagem oral e escrita
Linguagem oral e escrita Luiza Souza
 
A comunicacao formal_e_a_informal (1)
A comunicacao formal_e_a_informal (1)A comunicacao formal_e_a_informal (1)
A comunicacao formal_e_a_informal (1)mileidesabino
 
Teoria gerativa e_aquisicao_da_linguagem
Teoria gerativa e_aquisicao_da_linguagemTeoria gerativa e_aquisicao_da_linguagem
Teoria gerativa e_aquisicao_da_linguagemJanaine_jls
 

Mais procurados (18)

1 linguagem oral e escrita na educação infantil
1  linguagem oral e escrita na educação infantil1  linguagem oral e escrita na educação infantil
1 linguagem oral e escrita na educação infantil
 
ALFABETIZAÇÃO
ALFABETIZAÇÃOALFABETIZAÇÃO
ALFABETIZAÇÃO
 
Alfabetização e linguagem_2014
Alfabetização e linguagem_2014Alfabetização e linguagem_2014
Alfabetização e linguagem_2014
 
Https
HttpsHttps
Https
 
Oficina: Por uma compreensão do letramento visual e seus suportes - Profª Dra...
Oficina: Por uma compreensão do letramento visual e seus suportes - Profª Dra...Oficina: Por uma compreensão do letramento visual e seus suportes - Profª Dra...
Oficina: Por uma compreensão do letramento visual e seus suportes - Profª Dra...
 
A linguagem oral e as crianças
A linguagem oral e as criançasA linguagem oral e as crianças
A linguagem oral e as crianças
 
Projeto Gestar II
Projeto Gestar IIProjeto Gestar II
Projeto Gestar II
 
Processo de aquisição da leitura e escrita
Processo de aquisição da leitura e escritaProcesso de aquisição da leitura e escrita
Processo de aquisição da leitura e escrita
 
Apresentação processos e objetivos da alfabetização ciman 2013
Apresentação   processos e objetivos da alfabetização ciman  2013Apresentação   processos e objetivos da alfabetização ciman  2013
Apresentação processos e objetivos da alfabetização ciman 2013
 
Generos textuais
Generos textuaisGeneros textuais
Generos textuais
 
Fundamentos teóricos e metodológicos da alfabetização e do
Fundamentos teóricos e metodológicos da alfabetização e doFundamentos teóricos e metodológicos da alfabetização e do
Fundamentos teóricos e metodológicos da alfabetização e do
 
Oralidae, escrita e mídia
Oralidae, escrita e mídiaOralidae, escrita e mídia
Oralidae, escrita e mídia
 
Ensino de português para surdos: O que a linguística aplicada tem a nos ensinar?
Ensino de português para surdos: O que a linguística aplicada tem a nos ensinar?Ensino de português para surdos: O que a linguística aplicada tem a nos ensinar?
Ensino de português para surdos: O que a linguística aplicada tem a nos ensinar?
 
Teoria e prática da alfabetização
Teoria e prática da alfabetizaçãoTeoria e prática da alfabetização
Teoria e prática da alfabetização
 
Linguagem oral e escrita
Linguagem oral e escrita Linguagem oral e escrita
Linguagem oral e escrita
 
Letramento E Surdez
Letramento E SurdezLetramento E Surdez
Letramento E Surdez
 
A comunicacao formal_e_a_informal (1)
A comunicacao formal_e_a_informal (1)A comunicacao formal_e_a_informal (1)
A comunicacao formal_e_a_informal (1)
 
Teoria gerativa e_aquisicao_da_linguagem
Teoria gerativa e_aquisicao_da_linguagemTeoria gerativa e_aquisicao_da_linguagem
Teoria gerativa e_aquisicao_da_linguagem
 

Destaque

Aula 4 cultura e comunicação simbólica
Aula 4  cultura e comunicação simbólicaAula 4  cultura e comunicação simbólica
Aula 4 cultura e comunicação simbólicaLudmila Moura
 
TCC AS CONCEPÇÕES DE LÍNGUAGEM: Diagnóstico para proposta de intervenção no c...
TCC AS CONCEPÇÕES DE LÍNGUAGEM: Diagnóstico para proposta de intervenção no c...TCC AS CONCEPÇÕES DE LÍNGUAGEM: Diagnóstico para proposta de intervenção no c...
TCC AS CONCEPÇÕES DE LÍNGUAGEM: Diagnóstico para proposta de intervenção no c...Joyce Nascimento
 
Linguagem e Pensamento
Linguagem e PensamentoLinguagem e Pensamento
Linguagem e PensamentoJorge Barbosa
 
Psicologia função simbólica e desenvolvimento da linguagem
Psicologia  função simbólica e desenvolvimento da linguagemPsicologia  função simbólica e desenvolvimento da linguagem
Psicologia função simbólica e desenvolvimento da linguagempsicomania
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem   slideFiguras de linguagem   slide
Figuras de linguagem slideJaciara Mota
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem slideFiguras de linguagem slide
Figuras de linguagem slideIvana Bastos
 
Estado, Governo e Políticas Públicas na Educação
Estado, Governo e Políticas Públicas na EducaçãoEstado, Governo e Políticas Públicas na Educação
Estado, Governo e Políticas Públicas na EducaçãoRalf Siebiger
 

Destaque (8)

Pensamento e linguagem
Pensamento e linguagemPensamento e linguagem
Pensamento e linguagem
 
Aula 4 cultura e comunicação simbólica
Aula 4  cultura e comunicação simbólicaAula 4  cultura e comunicação simbólica
Aula 4 cultura e comunicação simbólica
 
TCC AS CONCEPÇÕES DE LÍNGUAGEM: Diagnóstico para proposta de intervenção no c...
TCC AS CONCEPÇÕES DE LÍNGUAGEM: Diagnóstico para proposta de intervenção no c...TCC AS CONCEPÇÕES DE LÍNGUAGEM: Diagnóstico para proposta de intervenção no c...
TCC AS CONCEPÇÕES DE LÍNGUAGEM: Diagnóstico para proposta de intervenção no c...
 
Linguagem e Pensamento
Linguagem e PensamentoLinguagem e Pensamento
Linguagem e Pensamento
 
Psicologia função simbólica e desenvolvimento da linguagem
Psicologia  função simbólica e desenvolvimento da linguagemPsicologia  função simbólica e desenvolvimento da linguagem
Psicologia função simbólica e desenvolvimento da linguagem
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem   slideFiguras de linguagem   slide
Figuras de linguagem slide
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem slideFiguras de linguagem slide
Figuras de linguagem slide
 
Estado, Governo e Políticas Públicas na Educação
Estado, Governo e Políticas Públicas na EducaçãoEstado, Governo e Políticas Públicas na Educação
Estado, Governo e Políticas Públicas na Educação
 

Semelhante a Linguagem

Resumo completo analise textual aulas 1 10
Resumo completo analise textual aulas 1 10Resumo completo analise textual aulas 1 10
Resumo completo analise textual aulas 1 10Janair E Edvonaldo
 
Características comunicativas e linguísticas
Características comunicativas e linguísticasCaracterísticas comunicativas e linguísticas
Características comunicativas e linguísticasDiana Sousa
 
Aula 1 _ Escrita e fala de Poder Sensorial.pptx
Aula 1 _ Escrita e fala de Poder Sensorial.pptxAula 1 _ Escrita e fala de Poder Sensorial.pptx
Aula 1 _ Escrita e fala de Poder Sensorial.pptxGIACOMONERONE
 
ufcd_9835 comunicação interpessoal e instituicional.pdf
ufcd_9835 comunicação interpessoal e instituicional.pdfufcd_9835 comunicação interpessoal e instituicional.pdf
ufcd_9835 comunicação interpessoal e instituicional.pdfClaudiaBrito73
 
Aprender a aprender: o papel da linguagem
Aprender a aprender: o papel da linguagem Aprender a aprender: o papel da linguagem
Aprender a aprender: o papel da linguagem Andreia Campos
 
Palestra com os CREIS - PMJP
Palestra com os CREIS - PMJPPalestra com os CREIS - PMJP
Palestra com os CREIS - PMJPceciliaconserva
 
Aprender a aprender: o papel da linguagem
Aprender a aprender: o papel da linguagem Aprender a aprender: o papel da linguagem
Aprender a aprender: o papel da linguagem Andreia Campos
 
Desenvolvimento da motricidade, da linguagem e da cognição
Desenvolvimento da motricidade, da linguagem e da cogniçãoDesenvolvimento da motricidade, da linguagem e da cognição
Desenvolvimento da motricidade, da linguagem e da cogniçãoMaria Bárbara Floriano
 
1 ¬ aula apostila
1 ¬ aula apostila1 ¬ aula apostila
1 ¬ aula apostilacaiomguerra
 
Apresentação comunicação oral
Apresentação comunicação oralApresentação comunicação oral
Apresentação comunicação oralSonia Amaral
 
Projeto interdisciplinar pronto
Projeto interdisciplinar prontoProjeto interdisciplinar pronto
Projeto interdisciplinar prontogrupodisseia
 
Psicolinguística: algumas teorias sobre a aquisição da linguagem
Psicolinguística: algumas teorias sobre a aquisição da linguagem Psicolinguística: algumas teorias sobre a aquisição da linguagem
Psicolinguística: algumas teorias sobre a aquisição da linguagem Wagner da Matta
 

Semelhante a Linguagem (20)

Podcast e a oralidade
Podcast e a oralidadePodcast e a oralidade
Podcast e a oralidade
 
Resumo completo analise textual aulas 1 10
Resumo completo analise textual aulas 1 10Resumo completo analise textual aulas 1 10
Resumo completo analise textual aulas 1 10
 
Características comunicativas e linguísticas
Características comunicativas e linguísticasCaracterísticas comunicativas e linguísticas
Características comunicativas e linguísticas
 
A linguagem do amor
A linguagem do amorA linguagem do amor
A linguagem do amor
 
Aula 1 _ Escrita e fala de Poder Sensorial.pptx
Aula 1 _ Escrita e fala de Poder Sensorial.pptxAula 1 _ Escrita e fala de Poder Sensorial.pptx
Aula 1 _ Escrita e fala de Poder Sensorial.pptx
 
ufcd_9835 comunicação interpessoal e instituicional.pdf
ufcd_9835 comunicação interpessoal e instituicional.pdfufcd_9835 comunicação interpessoal e instituicional.pdf
ufcd_9835 comunicação interpessoal e instituicional.pdf
 
Aprender a aprender: o papel da linguagem
Aprender a aprender: o papel da linguagem Aprender a aprender: o papel da linguagem
Aprender a aprender: o papel da linguagem
 
Recursos visuais na prática pedagógica - Cultura e pedagogia surda
Recursos visuais na prática pedagógica - Cultura e pedagogia surdaRecursos visuais na prática pedagógica - Cultura e pedagogia surda
Recursos visuais na prática pedagógica - Cultura e pedagogia surda
 
Apts
AptsApts
Apts
 
Palestra com os CREIS - PMJP
Palestra com os CREIS - PMJPPalestra com os CREIS - PMJP
Palestra com os CREIS - PMJP
 
Aprender a aprender: o papel da linguagem
Aprender a aprender: o papel da linguagem Aprender a aprender: o papel da linguagem
Aprender a aprender: o papel da linguagem
 
Mini curso comunicação (apresentação)
Mini curso comunicação (apresentação)Mini curso comunicação (apresentação)
Mini curso comunicação (apresentação)
 
Desenvolvimento da motricidade, da linguagem e da cognição
Desenvolvimento da motricidade, da linguagem e da cogniçãoDesenvolvimento da motricidade, da linguagem e da cognição
Desenvolvimento da motricidade, da linguagem e da cognição
 
Linguagem E Sociedade
Linguagem E SociedadeLinguagem E Sociedade
Linguagem E Sociedade
 
1 ¬ aula apostila
1 ¬ aula apostila1 ¬ aula apostila
1 ¬ aula apostila
 
Apresentação comunicação oral
Apresentação comunicação oralApresentação comunicação oral
Apresentação comunicação oral
 
O poder das palavras
O poder das palavrasO poder das palavras
O poder das palavras
 
Teorico (4)
Teorico (4)Teorico (4)
Teorico (4)
 
Projeto interdisciplinar pronto
Projeto interdisciplinar prontoProjeto interdisciplinar pronto
Projeto interdisciplinar pronto
 
Psicolinguística: algumas teorias sobre a aquisição da linguagem
Psicolinguística: algumas teorias sobre a aquisição da linguagem Psicolinguística: algumas teorias sobre a aquisição da linguagem
Psicolinguística: algumas teorias sobre a aquisição da linguagem
 

Mais de Rafael Almeida

ORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDA
ORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDAORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDA
ORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDARafael Almeida
 
FENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIA
FENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIAFENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIA
FENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIARafael Almeida
 
Defesa civil volume II
Defesa civil volume IIDefesa civil volume II
Defesa civil volume IIRafael Almeida
 
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISEINSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISERafael Almeida
 
PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL
PSICOLOGIA ORGANIZACIONALPSICOLOGIA ORGANIZACIONAL
PSICOLOGIA ORGANIZACIONALRafael Almeida
 
Aconselhamento Cristão nas questões pessoais
Aconselhamento Cristão nas questões pessoaisAconselhamento Cristão nas questões pessoais
Aconselhamento Cristão nas questões pessoaisRafael Almeida
 
PSICOLOGIA DA CRIATIVIDADE
PSICOLOGIA DA CRIATIVIDADEPSICOLOGIA DA CRIATIVIDADE
PSICOLOGIA DA CRIATIVIDADERafael Almeida
 
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRERPRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRERRafael Almeida
 
Ansiedade, Depressão & superação
Ansiedade, Depressão & superaçãoAnsiedade, Depressão & superação
Ansiedade, Depressão & superaçãoRafael Almeida
 
Estresse e Alcoolismo na Atividade Policial
Estresse e Alcoolismo na Atividade PolicialEstresse e Alcoolismo na Atividade Policial
Estresse e Alcoolismo na Atividade PolicialRafael Almeida
 
EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...
EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...
EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...Rafael Almeida
 
RELAÇÕES INTERPESSOAIS
RELAÇÕES INTERPESSOAISRELAÇÕES INTERPESSOAIS
RELAÇÕES INTERPESSOAISRafael Almeida
 
ORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZUL
ORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZULORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZUL
ORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZULRafael Almeida
 
Comunicação organizacional
Comunicação organizacionalComunicação organizacional
Comunicação organizacionalRafael Almeida
 
Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...
Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...
Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...Rafael Almeida
 

Mais de Rafael Almeida (20)

EDUCAÇÃO EMOCIONAL
EDUCAÇÃO EMOCIONALEDUCAÇÃO EMOCIONAL
EDUCAÇÃO EMOCIONAL
 
ORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDA
ORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDAORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDA
ORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDA
 
FENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIA
FENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIAFENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIA
FENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIA
 
Defesa civil volume II
Defesa civil volume IIDefesa civil volume II
Defesa civil volume II
 
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISEINSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
 
DEFESA CIVIL
DEFESA CIVILDEFESA CIVIL
DEFESA CIVIL
 
FENOMENOLOGIA
FENOMENOLOGIA FENOMENOLOGIA
FENOMENOLOGIA
 
LIDERANÇA
LIDERANÇALIDERANÇA
LIDERANÇA
 
PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL
PSICOLOGIA ORGANIZACIONALPSICOLOGIA ORGANIZACIONAL
PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL
 
Aconselhamento Cristão nas questões pessoais
Aconselhamento Cristão nas questões pessoaisAconselhamento Cristão nas questões pessoais
Aconselhamento Cristão nas questões pessoais
 
PSICOLOGIA DA CRIATIVIDADE
PSICOLOGIA DA CRIATIVIDADEPSICOLOGIA DA CRIATIVIDADE
PSICOLOGIA DA CRIATIVIDADE
 
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRERPRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
 
Ansiedade, Depressão & superação
Ansiedade, Depressão & superaçãoAnsiedade, Depressão & superação
Ansiedade, Depressão & superação
 
Estresse e Alcoolismo na Atividade Policial
Estresse e Alcoolismo na Atividade PolicialEstresse e Alcoolismo na Atividade Policial
Estresse e Alcoolismo na Atividade Policial
 
MOTIVAÇÃO
MOTIVAÇÃOMOTIVAÇÃO
MOTIVAÇÃO
 
EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...
EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...
EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...
 
RELAÇÕES INTERPESSOAIS
RELAÇÕES INTERPESSOAISRELAÇÕES INTERPESSOAIS
RELAÇÕES INTERPESSOAIS
 
ORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZUL
ORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZULORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZUL
ORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZUL
 
Comunicação organizacional
Comunicação organizacionalComunicação organizacional
Comunicação organizacional
 
Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...
Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...
Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...
 

Último

Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 

Último (20)

Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 

Linguagem

  • 1. Psicologia do AprendizadoPsicologia do Aprendizado LinguagemLinguagem Professora Cleonice Por Rafael Almeida e Rafaela SantosPor Rafael Almeida e Rafaela Santos 4º Período Psicologia4º Período Psicologia
  • 2. CONCEITOCONCEITO Sistema organizado de símbolos, complexo, extenso e com propriedades particulares, que desempenha uma função de codificação, estruturação e consolidação dos dados sensoriais, transmitindo-lhe um determinado sentido ou significado e permitindo ao homem comunicar as suas experiências e transmitir os seus saberes. É, portanto, um sistema de troca detransmitir os seus saberes. É, portanto, um sistema de troca de informações.
  • 3. CARACTERÍSTICAS FUNDAMENTAIS . Transmissível e traduzível.. Transmissível e traduzível. . Fenômeno social.. Fenômeno social. . Organização racional.. Organização racional. . Dá forma ao conteúdo do. Dá forma ao conteúdo do pensamento.pensamento. . Dá forma ao conteúdo do. Dá forma ao conteúdo do pensamento.pensamento. . Possui ação estruturante. Possui ação estruturante sobre a inteligência.sobre a inteligência.
  • 4. Para determinar se o homem é o único a utilizar a linguagem, devemos primeiro esclarecer o que entendemos por linguagem. Se definirmos a linguagem como a capacidade de comunicação, podemos dizer então que existem vários animais que se comunicam. No entanto, a linguagem humana é extremamente flexível e criativa, apoiada em regras gramáticas. Será se esse sistema também existe em outros animais? O caso da abelha e o caso dos macacos
  • 5. Por que os Bebês não nascem Falando?Falando? OsOs bebêsbebês humanoshumanos nascemnascem antesantes dede seusseus cérebroscérebros estaremestarem completamentecompletamente formadosformados.. SeSe permanecêssemospermanecêssemos dentrodentro dada barrigabarriga dada nossanossa mãemãe atéaté osos 1818 meses,meses, nasceríamosnasceríamos falandofalando..
  • 7. UmaUma criançacriança nãonão podepode inventarinventar umauma língualíngua aa partirpartir dodo nadanada.. EstarEstar expostoexposto aoao usouso dada língualíngua é,é, pois,pois, oo requisitorequisito mínimomínimo necessárionecessário parapara aa aquisiçãoaquisição dada linguagemlinguagem.. 1 – Os bebês emitem todos os sons da linguagem humana. 2 – Balbuciam, Começam por imitando a si mesma, em longos e intermináveis monólogos. 3 – As diferenças de sons se tornam acentuadas e correspondem a estados de alegria, de cólera ou de indiferença. 4 – Surgem as primeiras palavras.
  • 8. 5 – A criança pergunta como se chama uma coisa e mais tarde o porque. Ex: Por que a laranja chama laranja e o limão não chama verde? 6 – O desenvolvimento da linguagem é tal que a criança esta em condições de ser compreendida pelo adulto. O processo de aquisição daO processo de aquisição da linguagem dura vários anos elinguagem dura vários anos e depende muito do ambiente.depende muito do ambiente.depende muito do ambiente.depende muito do ambiente.
  • 9. COMUNICAÇÃOCOMUNICAÇÃODo latim “Do latim “communiscommunis”, significa comum”, significa comum Intercâmbio de informação entre sujeitos ou objetosIntercâmbio de informação entre sujeitos ou objetosIntercâmbio de informação entre sujeitos ou objetosIntercâmbio de informação entre sujeitos ou objetos
  • 10. COMUNICARCOMUNICAR éé tornartornar comum,comum, podendopodendo serser umum atoato dede mãomão única,única, comocomo TRANSMITIRTRANSMITIR (um(um emissoremissor transmitetransmite umauma informaçãoinformação aa umum receptor),receptor), ouou dede mãomão dupla,dupla, comocomo COMPARTILHARCOMPARTILHAR (emissores(emissores ee receptoresreceptores constroemconstroem oo saber,saber, aa informação,informação, ee aa transmitem)transmitem).. ComunicaçãoComunicação éé aa transmissãotransmissãotransmitem)transmitem).. ComunicaçãoComunicação éé aa transmissãotransmissão dede umum códigocódigo descodificáveldescodificável.. ServeServe parapara partilharpartilhar emoção,emoção, sentimento,sentimento, informaçãoinformação..
  • 11. EXPRESSÃO CORPORAL TOM DE VOZ COMUNICAÇÃO VERBAL Comunicação sinestésica
  • 12. Expressão A linguagem gestual possibilita ao expectador a noção do fato acontecido, é como se os gestos corporal como se os gestos despertassem a imaginação do expectador (aquele que espera algo), possibilitando assim a perfeita comunicação entre o emissor e receptador.
  • 13. Tom deTom de vozvoz É considerado objeto de distinção na comunicação. Se observarmos a interação de adultos com bebês, notaremos que a maioria tende a alterar sua voz em um tom meigo e amigável para com as crianças. Tom de voz expressivo é aquele que não se mantém em um mesmo ritmo, antes se altera de acordo com a interação proposta.
  • 14. Comunicação verbal Palavra = termo, vocábulo. Os homens encontraram uma forma de associar um som ou objeto a um gesto ou ação. Assim nasceu o signo, que é qualquer coisa que faça referência a outra coisa,coisa que faça referência a outra coisa, dando-lhe uma significação. Os signos podem ser representados por símbolos e sinais. A atribuição de significados a determinados signos é a base da linguagem.
  • 15. LINGUAGEM E OLINGUAGEM E O CONSTRUTIVISMOCONSTRUTIVISMO O conhecimento se constitui pela interação do indivíduo com o meio físico e social, com o simbolismo humano, com o mundo dashumano, com o mundo das relações sociais; e se constitui por força de sua ação e não por qualquer dotação prévia, na bagagem hereditária ou no meio, de tal modo que podemos afirmar que antes da ação não há psiquismo nem consciência e, muito menos, pensamento.
  • 16. •• LINGUAGEMLINGUAGEM EE OO PROCESSOPROCESSO DEDE “APRENDER“APRENDER AA APRENDER”,APRENDER”, •• PIAGETPIAGET:: SUSTENTAÇÃOSUSTENTAÇÃO ÀÀ ESCOLAESCOLA ATIVAATIVA NONO PROCESSOPROCESSO DEDE APRENDIZADOAPRENDIZADO DADA LINGUAGEMLINGUAGEM -- RESPEITORESPEITO ÀÀ ATIVIDADEATIVIDADE DODO ALUNO,ALUNO, COOPERAÇÃOCOOPERAÇÃO EE SOLIDARIEDADE,SOLIDARIEDADE, AUTONOMIA,AUTONOMIA, IMPORTÂNCIAIMPORTÂNCIA DODO TRABALHOTRABALHO EMEM GRUPOGRUPO.. •• APRENDIZAGEMAPRENDIZAGEM:: PROCESSOPROCESSO DEDE CONSTITIÇÃOCONSTITIÇÃO DASDAS ESTRUTURASESTRUTURAS OPERATÓRIASOPERATÓRIAS DODO PENSAMENTO,PENSAMENTO, QUEQUE DEVEMDEVEM ATINGIRATINGIR CERTOCERTO NÍVELNÍVEL DEDE DESENVOLVDESENVOLV.. PARAPARA QUEQUE OSOS ALUNOSALUNOS APRENDAMAPRENDAM.. •• FORMAÇÃOFORMAÇÃO DEDE PROFESSORESPROFESSORES:: CONSTRUIRCONSTRUIR CONHECIMENTOSCONHECIMENTOS.. ÉÉ COMPARTILHANDOCOMPARTILHANDO SUASSUAS EXPERIÊNCIASEXPERIÊNCIAS COMCOM OSOS OUTROS,OUTROS, QUEQUE OSOS PROFESSORESPROFESSORES PODEMPODEM QUESTIONAR,QUESTIONAR, REFLETIRREFLETIR EE CONSTRUIRCONSTRUIR AA PRÁTICAPRÁTICA PEDAGÓGICAPEDAGÓGICA NOSNOS MOLDESMOLDES CONSTRUTIVISTAS,CONSTRUTIVISTAS, (FOSNOT,(FOSNOT, 19981998))
  • 18.
  • 19. •• AA ESCOLAESCOLA FAZFAZ AA MEDIAÇÃOMEDIAÇÃO ENTREENTRE OSOS CONTEÚDOSCONTEÚDOS HISTORICAMENTEHISTORICAMENTE PRODUZIDOSPRODUZIDOS PELAPELA HUMANIDADEHUMANIDADE EE OO ALUNO,ALUNO, PROCURANDOPROCURANDO FORMASFORMAS PARAPARA QUEQUE ESSESESSES CONHECIMENTOSCONHECIMENTOS SEJAMSEJAM APROPRIADOSAPROPRIADOS PELOSPELOS INDIVÍDUOS,INDIVÍDUOS, CONTRIBUINDOCONTRIBUINDO PARAPARA AA FORMAÇÃOFORMAÇÃO DEDE NOVASNOVAS GERAÇÕESGERAÇÕES DEDE SERESSERES HUMANOSHUMANOS.. •• ENSINOENSINO LINGUAGEMLINGUAGEM:: PAPELPAPEL CENTRALCENTRAL NONO SISTEMASISTEMA DEDE ORGANIZAÇÃOORGANIZAÇÃO DADA VIDAVIDA DADA CRIANÇA,CRIANÇA, DETERMINANDODETERMINANDO SEUSEU DESENVOLVIMENTODESENVOLVIMENTO PSÍQUICO,PSÍQUICO, POISPOIS CONSTITUICONSTITUI UMUM MEIOMEIO SISTEMATIZADOSISTEMATIZADO DEDE TRANSMISSÃOTRANSMISSÃO DADA EXPERIÊNCIAEXPERIÊNCIA SOCIALSOCIAL..
  • 20. LINGUAGEMLINGUAGEMLINGUAGEMLINGUAGEM INTERAÇÃO COM O SIMBÓLICOINTERAÇÃO COM O SIMBÓLICO
  • 21. Para Vygotsky, o que nos torna humanos é a capacidade de utilizar instrumentos simbólicos para complementar nossa atividade, que tem bases biológicas. Em um pequeno artigoEm um pequeno artigo sobre o jogo infantil, diz que as formas tipicamente humanas de pensar surgem, por exemplo, quando uma criança pega um cabo de vassoura e o transforma em um cavalo, ou em um fuzil, ou em uma árvore.
  • 22. OsOs chimpanzés,chimpanzés, porpor maismais inteligentesinteligentes queque sejam,sejam, podempodem nono máximomáximo utilizarutilizar oo cabocabo dede vassouravassoura parapara derrubarderrubar bananas,bananas, porpor exemplo,exemplo, ee jamaisjamais parapara criarcriar umauma situaçãosituação imagináriaimaginária.. OO queque nosnos tornatorna humanos,humanos, segundosegundo VygotskyVygotsky,, éé nossanossa capacidadecapacidade dede imaginarimaginar.. QuandoQuando aprendemosaprendemos aa linguagemlinguagem específicaespecífica dede nossonosso meiomeio sociocultural,sociocultural, transformamostransformamos radicalmenteradicalmente osos rumosrumos dede nossonosso própriopróprio nossonosso meiomeio sociocultural,sociocultural, transformamostransformamos radicalmenteradicalmente osos rumosrumos dede nossonosso própriopróprio desenvolvimentodesenvolvimento..
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29. LINGUAGEMLINGUAGEM E AS FORMAS DE PERCEPÇÃOE AS FORMAS DE PERCEPÇÃO Dizem que quem conta um conto, aumenta um ponto, então vejam como seria a versão da fábula de Chapeuzinho Vermelho na imprensa brasileira
  • 30. Jornal Nacional William Bonner: ‘Boa noite. Uma menina chegou a ser devorada por um lobo na noite de ontem… Fátima Bernardes: ‘…mas a atuação de um caçador evitou a tragédia. Programa da Hebe ‘…que gracinha, gente! Vocês não vão acreditar, mas essa menina linda aqui foi retirada viva da barriga de um lobo, não é mesmo?’ Cidade Alerta Datena:Datena: ‘…onde é que a gente vai parar, cadê as autoridades? Cadê as autoridades? A menina ia pra casa da vovozinha a pé! Não tem transporte público! Não tem transporte público! E foi devorada viva… um lobo, um lobo safado. Põe na tela, primo! Porque eu falo mesmo, não tenho medo de lobo, não tenho medo de lobo, não! Superpop Luciana Gimenez: ‘Geeente! Eu tô aqui com a ex-mulher do lenhador e ela diz que ele é alcoólatra, agressivo e que não paga pensão aos filhos há mais de um ano. Abafa o caso!’
  • 31. Globo Repórter Chamada do programa - imagine a voz do Sérgio Chapelin: ‘Tara? Fetiche? Violência? O que leva alguém a comer, na mesma noite, uma idosa e uma adolescente? O Globo Repórter conversou com psicólogos, antropólogos e com amigos e parentes do Lobo, em busca da resposta. E uma revelação: casos semelhantes acontecem dentro dos próprios lares das vítimas, que silenciam por medo. Hoje, no Globo Repórter. Discovery Channel Vamos determinar se é possível uma pessoa ser engolida viva e sobreviver. Revista VejaRevista Veja Lula sabia das intenções do Lobo. Revista Cláudia Como chegar à casa da vovozinha sem se deixar enganar pelos lobos no caminho. Revista Nova Dez maneiras de levar um lobo à loucura na cama! Revista Isto ÉGravações revelam que lobo foi assessor de político influente.
  • 32. Revista Playboy Ensaio fotográfico do mês seguinte: ‘ Veja o que só o lobo viu’. Revista Vip As 100 mais sexies – desvendamos a adolescente mais gostosa do Brasil! Revista G Magazine Ensaio com o lenhador ‘O lenhador mostra o machado’. Revista CarasRevista Caras Ensaio fotográfico com a Chapeuzinho na semana seguinte: Na banheira de hidromassagem, Chapeuzinho fala a CARAS: ‘Até ser devorada, eu não dava valor pra muitas coisas na vida. Hoje, sou outra pessoa.’ Revista Superinteressante Lobo Mau: mito ou verdade? Revista Tititi Lenhador e Chapeuzinho flagrados em clima romântico em jantar no Rio.
  • 33. Folha de São Paulo Legenda da foto: ‘Chapeuzinho, à direita, aperta a mão de seu salvador’. Na matéria, box com um zoólogo explicando os hábitos alimentares dos lobos e um imenso infográfico mostrando como Chapeuzinho foi devorada e depois salva pelo lenhador. O Estado de São Paulo Lobo que devorou menina seria filiado ao PT. O Globo Petrobrás apóia ONG do lenhador ligado ao PT, que matou um lobo para salvar menor de idade carente.menor de idade carente. O Dia Lenhador desempregado tem dia de herói Extra Promoção do mês: junte 20 selos mais 19,90 e troque por uma capa vermelha igual a da Chapeuzinho! Meia hora Sangue e tragédia na casa da vovó. Lenhador passou o rodo e mandou lobo pedófilo pro saco!
  • 34. OBRIGADO!OBRIGADO! Referências Bibliográficas:Referências Bibliográficas: BELTRÃO, Luiz e QUIRINO, Newton de Oliveira. Subsídios para uma teoria daBELTRÃO, Luiz e QUIRINO, Newton de Oliveira. Subsídios para uma teoria da comunicação de massa. São Paulo:comunicação de massa. São Paulo: SummusSummus, 1986. P. 21 a 24., 1986. P. 21 a 24. BORDENAVE, JuanBORDENAVE, Juan DíazDíaz. O que é comunicação. S. Paulo: Brasiliense, 2002. O que é comunicação. S. Paulo: Brasiliense, 2002 (27a. ed.). P. 12 a 29 e 35 a 41.(27a. ed.). P. 12 a 29 e 35 a 41. GIOVANNINI,GIOVANNINI, GiovaniGiovani. Evolução na comunicação. Rio: Nova Fronteira, 1984.. Evolução na comunicação. Rio: Nova Fronteira, 1984. P. 23 a 83.P. 23 a 83. Artigos relacionados Bloom (1970 in STILLINGS, 1987) eArtigos relacionados Bloom (1970 in STILLINGS, 1987) e BowermanBowerman (1973 in(1973 in STILLINGS,STILLINGS, 1987).1987).