SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 39
MINAS GERAIS
BRUMA
25JAN2019
DINHO
270 PESSOAS MORTAS
11 DESAPARECIDAS
12 MILHÕES DE M³ DE
REJEITOS DESPEJADOS
A Constituição Brasileira determina em seu artigo 5º a garantia a
inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à segurança e à
propriedade; no artigo 21, planejar e promover a defesa
permanente contra as calamidades públicas, especialmente a
seca e as inundações; no artigo 22, que compete privativamente
à União legislar sobre defesa territorial, aeroespacial, marítima,
defesa civil e mobilização nacional; e o artigo 148 § 3º prevê a
abertura de crédito extraordinário somente para as despesas
imprevisíveis e urgentes, como as decorrentes de guerra,
comoção interna ou calamidade pública. (BRASIL, 1988)
ESTRUTURA
ORGANIZACIONAL
SINPDEC
CONDEC
SECRETARIA ESPECIAL DE POLÍTICAS REGIONAIS
MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL
Desenvolvimento Social, Cidades,
Planejamento, Saúde, etc.
Fundo Especial para Calamidades
Públicas (FUNCAP)
SUPERMINISTÉRIO DO
DESENVOLVIMENTO REGIONAL
CEDEC
COMPDEC Coordenadoria Municipal de Proteção
e Defesa Civil
Coordenadoria Estadual de Defesa Civil
Plano de Contingência
primeira resposta em caso
de desastre
Coronel PM Rodrigo Sousa Rodrigues
ISSO É COISA
DE POLÍCIA?
O QUE É
DEFESA
CIVIL?
Conjunto de ações preventivas, de socorro,
assistenciais e recuperativas destinadas a
evitar desastres e minimizar seus impactos
para a população e restabelecer a
normalidade social (BRASIL, 2010).
AÇÕES PREVENTIVAS
Atividades que tendem a evitar o impacto adverso de ameaças e
meios empregados para minimizar os desastres ambientais,
tecnológicos (UNISDR, 2009, p. 25).
Por exemplo: Mapeamento das
áreas de risco, campanhas
educativas para alertar as
comunidades, desassoreamento
dos rios, preservação das matas
ciliares, limpeza de esgotos e
bueiros, contenção de barrancos
entre outras medidas.
MITIGAÇÃO PARA EMERGÊNCIAS
E DESASTRES
Medidas estruturais e não estruturais empreendidas para limitar
o impacto adverso das ameaças naturais e tecnológicas, e da
degradação ambiental (UNISDR, 2009, p.21).
Por exemplo: Uso de lonas para conter a umidade do
solo; emprego de barricadas em ribanceiras;
construção de canaletas para vazão da água de
chuva.
PREPARAÇÃO PARA
EMERGÊNCIAS E DESASTRES
Atividades e medidas tomadas antecipadamente para
assegurar una resposta eficaz ante o impacto de ameaças,
incluindo a emissão oportuna e efetiva de sistemas de
alerta antecipado e a evacuação temporal da população, e
propriedades da área ameaçada. (UNISDR, 2009, p. 24).
 Planejamento de Contingências.
 Capacitação Básica em Proteção e Defesa Civil.
 Reserva de Equipamentos e de Suprimentos.
 Desenvolvimento de Rotinas para a Comunicação de Riscos.
 Capacitações e Treinamentos.
 Exercícios Simulados de Campo.
AÇÕES DURANTE
UM DESASTRE
Prestação de serviços de emergência e de assistência pública durante ou
imediatamente após a ocorrência de um desastre, com o propósito de salvar vidas,
reduzir impactos sobre a saúde, garantir a segurança pública e satisfazer
necessidades básicas de subsistência da população afetada (UNISDR, 2009, p. 28).
SOCORRO
ASSISTÊNCIA
ÀS VÍTIMAS
SERVIÇOS
ESSENCIAIS
RESPOSTA
AÇÕES
PÓS- DESASTRE
Ações de caráter definitivo destinadas a restabelecer o cenário destruído pelo desastre, como a
reconstrução ou recuperação de unidades habitacionais, infraestrutura pública, sistema de
abastecimento de água, açudes, pequenas barragens, estradas vicinais, prédios públicos e
comunitários, cursos d’água, contenção de encostas, entre outras estabelecidas pelo ministério
da integração nacional (BRASIL, 2010).
AÇÕES
PÓS- DESASTRE
PSICOSSOCIAL
ECONÔMICA
RECONSTRUÇÃO
RECUPERAÇÃO
QUAIS SÃO AS CONSEQUÊNCIAS DA CIDADE
NÃO TER UMA DEFESA CIVIL?
• O município fica desprovido de ações de prevenção,
mitigação, preparação da comunidade para o
enfrentamento dos desastres.
• As comunidades não têm conhecimento de que residem
em área de risco, ficando totalmente vulneráveis aos
desastres.
• Não recebe recursos federais destinados à reconstrução
de áreas atingidas por desastres.
• Perde a oportunidade de pleitear recursos por
intermédio do plano de contingência.
• Fica desprovido de socorro e assistência imediata na
primeira resposta.
• Não desenvolve mecanismos de monitoramento da
evolução dos desastres e proteção da comunidade.
• Não planeja a coordenação da resposta dos órgãos em
socorro e assistência à comunidade atingida.
QUEM É O RESPONSÁVEL
PELA CRIAÇÃO
DA DEFESA CIVIL NO
MUNICÍPIO?
A Coordenadoria Estadual de Defesa Civil de Minas
Gerais (Cedec/MG) oferece o suporte necessário
para essa ação administrativa do prefeito, oferece
também cursos gratuitos para capacitação de seus
servidores.
http://www.defesacivil.mg.gov.br/
ATOS PARA FORMALIZAÇÃO
DA COMPDEC
> Projeto de Lei de criação da Compdec;
> Ofício à Câmara municipal encaminhando
o Projeto de Lei;
> Decreto de Regulamentação da Lei que
cria a Compdec;
> Portaria de Nomeação dos membros da
Compdec;
> Portaria de Nomeação dos membros do
Conselho municipal de Proteção e Defesa
Civil;
COMO FUNCIONA
A COORDENADORIA
MUNICIPAL DE PROTEÇÃO
E DEFESA CIVIL?
Depois de instalada deve iniciar o mapeamento das
áreas de risco do município, implantar um
programa de monitoramento, e cadastrar as
famílias, todas as pessoas que estejam em áreas de
risco.
É importante que a prefeitura divulgue para a
população a existência da Compdec, identifique
com uniformes ou coletes a equipe e promova uma
comunicação sobre a necessidade da comunidade
atuar em cooperação quando a Defesa Civil estiver
trabalhando.
A CAPACITAÇÃO E
TREINAMENTO SÃO
FUNDAMENTAIS
PARA SALVAR VIDAS
A Cedec/MG possui uma Diretoria de Ensino com o
objetivo de capacitar todos os agentes municipais
de Proteção e Defesa Civil que serão os
responsáveis pelas ações de Proteção e Defesa Civil
nos municípios.
IDENTIFICAR AS
ÁREAS
DE RISCO É O
PRIMEIRO
PASSO PARA UMA
DEFESA CIVIL
EFICAZ
Quando a Defesa Civil Municipal
identifica e faz o mapeamento
das áreas de risco do município,
facilita a visualização dos perigos
que cada região apresenta e
indica o que deve ser feito para
evitá-los. O mais importante,
conhecendo essas informações,
a Defesa Civil poderá envolver e
informar à população que reside
nessas áreas como se prevenir
e, caso necessário, como agir em
uma emergência.
Os Mapeamentos de áreas de risco
devem ser elaborados por uma
equipe multidisciplinar em
conjunto com os moradores das
localidades.
Com o intuito de verificar com mais
precisão os locais de risco no
município, devem ser criados
mapas específicos, sendo que, com
a representação gráfica clara, se
consegue uma rápida identificação
de todas as características
necessárias à execução de planos
posteriores.
UM PLANO DE AÇÃO
ELABORADO E TREINADO
ANTES DO ACIDENTE
PODE EVITAR
UMA TRAGÉDIA.
É muito importante que a Compdec possua
um plano antecipado de ação, ou melhor,
um plano de contingência a partir de uma
determinada hipótese de desastre.
Por exemplo: inundação, deslizamento,
rompimento de barragem, acidente
envolvendo carga contendo produtos
perigosos, estiagem prolongada (seca), etc.
No plano de contingência, estarão bem
explicadas todas as ações e medidas que os
órgãos e as pessoas envolvidas no
atendimento aos atingidos pelo desastre
devem fazer. Após a confecção do plano,
ele deve ser difundido e as equipes
técnicas treinadas sempre.
a - Existência da documentação: lei de criação da coordenadoria, decreto de
regulamentação da lei e a portaria de nomeação dos membros;
b - Agentes capacitados em cursos de Proteção e Defesa Civil;
c - Mapeamento das áreas de risco do município;
d - Plano de contingência que contemple no mínimo: sistema de monitorização,
alerta e alarme definido; cadastro de recursos humanos e logísticos e a forma de
acioná-los (contatos); cadastro dos locais de abrigos e definição clara das
missões dos setores e órgãos envolvidos;
e - Existência de uniforme/ colete de identificação para os membros da Compdec;
f - Comprovação de campanhas educativas com a comunidade;
g - Criação de Núcleos de Proteção e Defesa Civil (Nupdec) nas áreas de risco
mapeadas e programa de treinamento continuado com os voluntários;
h - Estudo estatístico dos desastres dos últimos anos.
A Compdec sempre
deverá contemplar
os seguintes quesitos:
Quando consideramos que risco é a relação entre
ameaças e vulnerabilidades, podemos concluir
que se intervirmos sobre um ou outro, estamos
reduzindo o risco, certo?
Obrigado!
REFERÊNCIAS
BRASIL. Lei nº 12.608de 10 de abril de 2012.Institui a Política
Nacional de Proteção e Defesa Civil -PNPDEC; dispõe sobre o
Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil -SINPDEC e o
Conselho Nacional de Proteção e Defesa Civil -CONPDEC;
autoriza a criação de sistema de informações e monitoramento de
desastres; altera as Leis nos 12.340, de 1o de dezembro de 2010,
10.257, de 10 de julho de 2001, 6.766, de 19 de dezembro de
1979, 8.239, de 4 de outubro de 1991, e 9.394, de 20 de
dezembro de 1996; e dá outras providências. Brasília,
2012.BRASIL. Decreto nº 7257de 4 de agosto de 2010.
Regulamenta a Medida Provisória nº 494 de 2 de julho de 2010,
para dispor sobre o Sistema Nacional de Defesa Civil -SINDEC,
sobre o reconhecimento de situação de emergência e estado de
calamidade pública, sobre as transferências de recursos para
ações de socorro, assistência às vítimas, restabelecimento de
serviços essenciais e reconstrução nas áreas atingidas por
desastre, e dá outras providências. Brasília, 2010. 9 p.
ESTRATÉGIA INTERNACIONAL PARA REDUCCIÓN DE
DESASTRES DE LAS NACIONES UNIDAS (UNISDR).
Terminología sobre reducción del riesgo de desastres. Ginebra,
Suiza: UNISDR, 2009. Disponível em: <http://www.unisdr.org/
publications/>. Acesso em: 20 ago. 2016.
Cb PM Almeida
Março de2020

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Projeto Defesa Civil nas Escolas
Projeto Defesa Civil nas EscolasProjeto Defesa Civil nas Escolas
Projeto Defesa Civil nas EscolasDiego Rocha
 
Módulo 2 - A Defesa Civil e os Desastres Naturais
Módulo 2 - A Defesa Civil e os Desastres NaturaisMódulo 2 - A Defesa Civil e os Desastres Naturais
Módulo 2 - A Defesa Civil e os Desastres NaturaisPortal Voluntários Online
 
PROGRAMA ESTADUAL DE PREVENÇÃO DE DESASTRES NATURAIS E DE REDUÇÃO DE RISCOS G...
PROGRAMA ESTADUAL DE PREVENÇÃO DE DESASTRES NATURAIS E DE REDUÇÃO DE RISCOS G...PROGRAMA ESTADUAL DE PREVENÇÃO DE DESASTRES NATURAIS E DE REDUÇÃO DE RISCOS G...
PROGRAMA ESTADUAL DE PREVENÇÃO DE DESASTRES NATURAIS E DE REDUÇÃO DE RISCOS G...Maria José Brollo
 
Diagnóstico das comdec do estado do espírito santo
Diagnóstico das comdec do estado do espírito santoDiagnóstico das comdec do estado do espírito santo
Diagnóstico das comdec do estado do espírito santoHerbert de Carvalho
 
Manual de-planejamento-contra-emergencias
Manual de-planejamento-contra-emergenciasManual de-planejamento-contra-emergencias
Manual de-planejamento-contra-emergenciasco100za
 
Manual de defesa civil vol ii
Manual de defesa civil vol iiManual de defesa civil vol ii
Manual de defesa civil vol iiVagner Gavioli
 
Glossário da protecção civil
Glossário da protecção civilGlossário da protecção civil
Glossário da protecção civilcscacoete
 
A atuação do serviço geológico do brasil (1)
A atuação do serviço geológico do brasil (1)A atuação do serviço geológico do brasil (1)
A atuação do serviço geológico do brasil (1)CARLA KARINA FREITAS
 
Brigada militar bombeirod
Brigada militar bombeirodBrigada militar bombeirod
Brigada militar bombeirodDaniel Vieira
 
Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais
Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres NaturaisPlano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais
Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres NaturaisPalácio do Planalto
 
Manual de gerenciamento de desastres
Manual de gerenciamento de desastresManual de gerenciamento de desastres
Manual de gerenciamento de desastresAdalberto Henrique
 

Mais procurados (18)

Projeto Defesa Civil nas Escolas
Projeto Defesa Civil nas EscolasProjeto Defesa Civil nas Escolas
Projeto Defesa Civil nas Escolas
 
2 sipdec pnpdec
2 sipdec pnpdec2 sipdec pnpdec
2 sipdec pnpdec
 
Módulo 2 - A Defesa Civil e os Desastres Naturais
Módulo 2 - A Defesa Civil e os Desastres NaturaisMódulo 2 - A Defesa Civil e os Desastres Naturais
Módulo 2 - A Defesa Civil e os Desastres Naturais
 
Meio Ambiente, Proteção e Defesa Civil
Meio Ambiente, Proteção e Defesa CivilMeio Ambiente, Proteção e Defesa Civil
Meio Ambiente, Proteção e Defesa Civil
 
PROGRAMA ESTADUAL DE PREVENÇÃO DE DESASTRES NATURAIS E DE REDUÇÃO DE RISCOS G...
PROGRAMA ESTADUAL DE PREVENÇÃO DE DESASTRES NATURAIS E DE REDUÇÃO DE RISCOS G...PROGRAMA ESTADUAL DE PREVENÇÃO DE DESASTRES NATURAIS E DE REDUÇÃO DE RISCOS G...
PROGRAMA ESTADUAL DE PREVENÇÃO DE DESASTRES NATURAIS E DE REDUÇÃO DE RISCOS G...
 
Diagnóstico das comdec do estado do espírito santo
Diagnóstico das comdec do estado do espírito santoDiagnóstico das comdec do estado do espírito santo
Diagnóstico das comdec do estado do espírito santo
 
Plano municipal de emergência de proteção civil de Baião – parte IV
Plano municipal de emergência de proteção civil de Baião – parte IVPlano municipal de emergência de proteção civil de Baião – parte IV
Plano municipal de emergência de proteção civil de Baião – parte IV
 
Manual de-planejamento-contra-emergencias
Manual de-planejamento-contra-emergenciasManual de-planejamento-contra-emergencias
Manual de-planejamento-contra-emergencias
 
Manual de defesa civil vol ii
Manual de defesa civil vol iiManual de defesa civil vol ii
Manual de defesa civil vol ii
 
Glossário da protecção civil
Glossário da protecção civilGlossário da protecção civil
Glossário da protecção civil
 
Sindec
SindecSindec
Sindec
 
A atuação do serviço geológico do brasil (1)
A atuação do serviço geológico do brasil (1)A atuação do serviço geológico do brasil (1)
A atuação do serviço geológico do brasil (1)
 
Brigada militar bombeirod
Brigada militar bombeirodBrigada militar bombeirod
Brigada militar bombeirod
 
Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais
Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres NaturaisPlano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais
Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais
 
Apostila legislacao ambiental
Apostila legislacao ambientalApostila legislacao ambiental
Apostila legislacao ambiental
 
Comdec taio
Comdec taioComdec taio
Comdec taio
 
Manual de gerenciamento de desastres
Manual de gerenciamento de desastresManual de gerenciamento de desastres
Manual de gerenciamento de desastres
 
TAC casas históricas no centro de Florianópolis
TAC casas históricas no centro de FlorianópolisTAC casas históricas no centro de Florianópolis
TAC casas históricas no centro de Florianópolis
 

Semelhante a Defesa Civil: estrutura, funções e importância para a prevenção de desastres

Plano Municipal de Defesa Civil - em busca da resiliência
Plano Municipal de Defesa Civil - em busca da resiliênciaPlano Municipal de Defesa Civil - em busca da resiliência
Plano Municipal de Defesa Civil - em busca da resiliênciaCepam
 
20180420 DW Debate:Importância da Cartografia de risco na ausência dos PDMs
20180420 DW Debate:Importância da Cartografia de risco na ausência dos PDMs20180420 DW Debate:Importância da Cartografia de risco na ausência dos PDMs
20180420 DW Debate:Importância da Cartografia de risco na ausência dos PDMsDevelopment Workshop Angola
 
Cedec dia meteorológico mundial
Cedec dia meteorológico mundialCedec dia meteorológico mundial
Cedec dia meteorológico mundialAnderson Passos
 
Instalação e Funcionamento de NUPDEC.ppt
Instalação e Funcionamento de NUPDEC.pptInstalação e Funcionamento de NUPDEC.ppt
Instalação e Funcionamento de NUPDEC.pptEmersonRibeiro97
 
AP Contigencias Calamidades.pdf
AP Contigencias Calamidades.pdfAP Contigencias Calamidades.pdf
AP Contigencias Calamidades.pdfIncioFrana2
 
Apresentação redec 4 evento 07-12-2012
Apresentação redec 4   evento 07-12-2012Apresentação redec 4   evento 07-12-2012
Apresentação redec 4 evento 07-12-2012Dafmet Ufpel
 
Administracao de desastres
Administracao de desastresAdministracao de desastres
Administracao de desastresJb Alves
 

Semelhante a Defesa Civil: estrutura, funções e importância para a prevenção de desastres (12)

Palestrante Tenente-Coronel PM Walter Nyakas - CEDEC/SP
Palestrante Tenente-Coronel PM Walter Nyakas - CEDEC/SPPalestrante Tenente-Coronel PM Walter Nyakas - CEDEC/SP
Palestrante Tenente-Coronel PM Walter Nyakas - CEDEC/SP
 
protecção civil.pdf
protecção civil.pdfprotecção civil.pdf
protecção civil.pdf
 
Plano Municipal de Defesa Civil - em busca da resiliência
Plano Municipal de Defesa Civil - em busca da resiliênciaPlano Municipal de Defesa Civil - em busca da resiliência
Plano Municipal de Defesa Civil - em busca da resiliência
 
20180420 DW Debate:Importância da Cartografia de risco na ausência dos PDMs
20180420 DW Debate:Importância da Cartografia de risco na ausência dos PDMs20180420 DW Debate:Importância da Cartografia de risco na ausência dos PDMs
20180420 DW Debate:Importância da Cartografia de risco na ausência dos PDMs
 
Cedec dia meteorológico mundial
Cedec dia meteorológico mundialCedec dia meteorológico mundial
Cedec dia meteorológico mundial
 
Instalação e Funcionamento de NUPDEC.ppt
Instalação e Funcionamento de NUPDEC.pptInstalação e Funcionamento de NUPDEC.ppt
Instalação e Funcionamento de NUPDEC.ppt
 
AP Contigencias Calamidades.pdf
AP Contigencias Calamidades.pdfAP Contigencias Calamidades.pdf
AP Contigencias Calamidades.pdf
 
O que é apell
O que é apellO que é apell
O que é apell
 
Apresentação redec 4 evento 07-12-2012
Apresentação redec 4   evento 07-12-2012Apresentação redec 4   evento 07-12-2012
Apresentação redec 4 evento 07-12-2012
 
01. introdução
01. introdução01. introdução
01. introdução
 
Administracao de desastres
Administracao de desastresAdministracao de desastres
Administracao de desastres
 
Noções de defesa civil
Noções de defesa civilNoções de defesa civil
Noções de defesa civil
 

Mais de Rafael Almeida

ORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDA
ORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDAORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDA
ORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDARafael Almeida
 
FENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIA
FENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIAFENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIA
FENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIARafael Almeida
 
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISEINSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISERafael Almeida
 
PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL
PSICOLOGIA ORGANIZACIONALPSICOLOGIA ORGANIZACIONAL
PSICOLOGIA ORGANIZACIONALRafael Almeida
 
Aconselhamento Cristão nas questões pessoais
Aconselhamento Cristão nas questões pessoaisAconselhamento Cristão nas questões pessoais
Aconselhamento Cristão nas questões pessoaisRafael Almeida
 
PSICOLOGIA DA CRIATIVIDADE
PSICOLOGIA DA CRIATIVIDADEPSICOLOGIA DA CRIATIVIDADE
PSICOLOGIA DA CRIATIVIDADERafael Almeida
 
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRERPRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRERRafael Almeida
 
Ansiedade, Depressão & superação
Ansiedade, Depressão & superaçãoAnsiedade, Depressão & superação
Ansiedade, Depressão & superaçãoRafael Almeida
 
Estresse e Alcoolismo na Atividade Policial
Estresse e Alcoolismo na Atividade PolicialEstresse e Alcoolismo na Atividade Policial
Estresse e Alcoolismo na Atividade PolicialRafael Almeida
 
EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...
EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...
EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...Rafael Almeida
 
RELAÇÕES INTERPESSOAIS
RELAÇÕES INTERPESSOAISRELAÇÕES INTERPESSOAIS
RELAÇÕES INTERPESSOAISRafael Almeida
 
ORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZUL
ORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZULORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZUL
ORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZULRafael Almeida
 
Comunicação organizacional
Comunicação organizacionalComunicação organizacional
Comunicação organizacionalRafael Almeida
 
Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...
Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...
Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...Rafael Almeida
 
Depressão: Quando a fraqueza ganha força!
Depressão: Quando a fraqueza ganha força!Depressão: Quando a fraqueza ganha força!
Depressão: Quando a fraqueza ganha força!Rafael Almeida
 

Mais de Rafael Almeida (20)

EDUCAÇÃO EMOCIONAL
EDUCAÇÃO EMOCIONALEDUCAÇÃO EMOCIONAL
EDUCAÇÃO EMOCIONAL
 
ORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDA
ORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDAORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDA
ORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDA
 
FENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIA
FENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIAFENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIA
FENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIA
 
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISEINSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
 
FENOMENOLOGIA
FENOMENOLOGIA FENOMENOLOGIA
FENOMENOLOGIA
 
LIDERANÇA
LIDERANÇALIDERANÇA
LIDERANÇA
 
PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL
PSICOLOGIA ORGANIZACIONALPSICOLOGIA ORGANIZACIONAL
PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL
 
Aconselhamento Cristão nas questões pessoais
Aconselhamento Cristão nas questões pessoaisAconselhamento Cristão nas questões pessoais
Aconselhamento Cristão nas questões pessoais
 
PSICOLOGIA DA CRIATIVIDADE
PSICOLOGIA DA CRIATIVIDADEPSICOLOGIA DA CRIATIVIDADE
PSICOLOGIA DA CRIATIVIDADE
 
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRERPRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
 
Ansiedade, Depressão & superação
Ansiedade, Depressão & superaçãoAnsiedade, Depressão & superação
Ansiedade, Depressão & superação
 
Estresse e Alcoolismo na Atividade Policial
Estresse e Alcoolismo na Atividade PolicialEstresse e Alcoolismo na Atividade Policial
Estresse e Alcoolismo na Atividade Policial
 
MOTIVAÇÃO
MOTIVAÇÃOMOTIVAÇÃO
MOTIVAÇÃO
 
EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...
EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...
EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...
 
RELAÇÕES INTERPESSOAIS
RELAÇÕES INTERPESSOAISRELAÇÕES INTERPESSOAIS
RELAÇÕES INTERPESSOAIS
 
ORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZUL
ORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZULORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZUL
ORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZUL
 
Comunicação organizacional
Comunicação organizacionalComunicação organizacional
Comunicação organizacional
 
Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...
Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...
Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...
 
Depressão: Quando a fraqueza ganha força!
Depressão: Quando a fraqueza ganha força!Depressão: Quando a fraqueza ganha força!
Depressão: Quando a fraqueza ganha força!
 
Linguagem
LinguagemLinguagem
Linguagem
 

Defesa Civil: estrutura, funções e importância para a prevenção de desastres

  • 2. BRUMA 25JAN2019 DINHO 270 PESSOAS MORTAS 11 DESAPARECIDAS 12 MILHÕES DE M³ DE REJEITOS DESPEJADOS
  • 3. A Constituição Brasileira determina em seu artigo 5º a garantia a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à segurança e à propriedade; no artigo 21, planejar e promover a defesa permanente contra as calamidades públicas, especialmente a seca e as inundações; no artigo 22, que compete privativamente à União legislar sobre defesa territorial, aeroespacial, marítima, defesa civil e mobilização nacional; e o artigo 148 § 3º prevê a abertura de crédito extraordinário somente para as despesas imprevisíveis e urgentes, como as decorrentes de guerra, comoção interna ou calamidade pública. (BRASIL, 1988)
  • 4. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL SINPDEC CONDEC SECRETARIA ESPECIAL DE POLÍTICAS REGIONAIS MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL Desenvolvimento Social, Cidades, Planejamento, Saúde, etc. Fundo Especial para Calamidades Públicas (FUNCAP) SUPERMINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL
  • 5. CEDEC COMPDEC Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil Coordenadoria Estadual de Defesa Civil Plano de Contingência primeira resposta em caso de desastre Coronel PM Rodrigo Sousa Rodrigues
  • 6. ISSO É COISA DE POLÍCIA?
  • 7.
  • 9. Conjunto de ações preventivas, de socorro, assistenciais e recuperativas destinadas a evitar desastres e minimizar seus impactos para a população e restabelecer a normalidade social (BRASIL, 2010).
  • 10. AÇÕES PREVENTIVAS Atividades que tendem a evitar o impacto adverso de ameaças e meios empregados para minimizar os desastres ambientais, tecnológicos (UNISDR, 2009, p. 25). Por exemplo: Mapeamento das áreas de risco, campanhas educativas para alertar as comunidades, desassoreamento dos rios, preservação das matas ciliares, limpeza de esgotos e bueiros, contenção de barrancos entre outras medidas.
  • 11. MITIGAÇÃO PARA EMERGÊNCIAS E DESASTRES Medidas estruturais e não estruturais empreendidas para limitar o impacto adverso das ameaças naturais e tecnológicas, e da degradação ambiental (UNISDR, 2009, p.21). Por exemplo: Uso de lonas para conter a umidade do solo; emprego de barricadas em ribanceiras; construção de canaletas para vazão da água de chuva.
  • 12. PREPARAÇÃO PARA EMERGÊNCIAS E DESASTRES Atividades e medidas tomadas antecipadamente para assegurar una resposta eficaz ante o impacto de ameaças, incluindo a emissão oportuna e efetiva de sistemas de alerta antecipado e a evacuação temporal da população, e propriedades da área ameaçada. (UNISDR, 2009, p. 24).
  • 13.  Planejamento de Contingências.  Capacitação Básica em Proteção e Defesa Civil.  Reserva de Equipamentos e de Suprimentos.  Desenvolvimento de Rotinas para a Comunicação de Riscos.  Capacitações e Treinamentos.  Exercícios Simulados de Campo.
  • 14. AÇÕES DURANTE UM DESASTRE Prestação de serviços de emergência e de assistência pública durante ou imediatamente após a ocorrência de um desastre, com o propósito de salvar vidas, reduzir impactos sobre a saúde, garantir a segurança pública e satisfazer necessidades básicas de subsistência da população afetada (UNISDR, 2009, p. 28).
  • 16. AÇÕES PÓS- DESASTRE Ações de caráter definitivo destinadas a restabelecer o cenário destruído pelo desastre, como a reconstrução ou recuperação de unidades habitacionais, infraestrutura pública, sistema de abastecimento de água, açudes, pequenas barragens, estradas vicinais, prédios públicos e comunitários, cursos d’água, contenção de encostas, entre outras estabelecidas pelo ministério da integração nacional (BRASIL, 2010).
  • 18. QUAIS SÃO AS CONSEQUÊNCIAS DA CIDADE NÃO TER UMA DEFESA CIVIL?
  • 19. • O município fica desprovido de ações de prevenção, mitigação, preparação da comunidade para o enfrentamento dos desastres. • As comunidades não têm conhecimento de que residem em área de risco, ficando totalmente vulneráveis aos desastres. • Não recebe recursos federais destinados à reconstrução de áreas atingidas por desastres. • Perde a oportunidade de pleitear recursos por intermédio do plano de contingência. • Fica desprovido de socorro e assistência imediata na primeira resposta. • Não desenvolve mecanismos de monitoramento da evolução dos desastres e proteção da comunidade. • Não planeja a coordenação da resposta dos órgãos em socorro e assistência à comunidade atingida.
  • 20. QUEM É O RESPONSÁVEL PELA CRIAÇÃO DA DEFESA CIVIL NO MUNICÍPIO?
  • 21. A Coordenadoria Estadual de Defesa Civil de Minas Gerais (Cedec/MG) oferece o suporte necessário para essa ação administrativa do prefeito, oferece também cursos gratuitos para capacitação de seus servidores. http://www.defesacivil.mg.gov.br/
  • 23. > Projeto de Lei de criação da Compdec; > Ofício à Câmara municipal encaminhando o Projeto de Lei; > Decreto de Regulamentação da Lei que cria a Compdec; > Portaria de Nomeação dos membros da Compdec; > Portaria de Nomeação dos membros do Conselho municipal de Proteção e Defesa Civil;
  • 24. COMO FUNCIONA A COORDENADORIA MUNICIPAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL?
  • 25. Depois de instalada deve iniciar o mapeamento das áreas de risco do município, implantar um programa de monitoramento, e cadastrar as famílias, todas as pessoas que estejam em áreas de risco. É importante que a prefeitura divulgue para a população a existência da Compdec, identifique com uniformes ou coletes a equipe e promova uma comunicação sobre a necessidade da comunidade atuar em cooperação quando a Defesa Civil estiver trabalhando.
  • 26. A CAPACITAÇÃO E TREINAMENTO SÃO FUNDAMENTAIS PARA SALVAR VIDAS
  • 27. A Cedec/MG possui uma Diretoria de Ensino com o objetivo de capacitar todos os agentes municipais de Proteção e Defesa Civil que serão os responsáveis pelas ações de Proteção e Defesa Civil nos municípios.
  • 28. IDENTIFICAR AS ÁREAS DE RISCO É O PRIMEIRO PASSO PARA UMA DEFESA CIVIL EFICAZ
  • 29. Quando a Defesa Civil Municipal identifica e faz o mapeamento das áreas de risco do município, facilita a visualização dos perigos que cada região apresenta e indica o que deve ser feito para evitá-los. O mais importante, conhecendo essas informações, a Defesa Civil poderá envolver e informar à população que reside nessas áreas como se prevenir e, caso necessário, como agir em uma emergência.
  • 30. Os Mapeamentos de áreas de risco devem ser elaborados por uma equipe multidisciplinar em conjunto com os moradores das localidades. Com o intuito de verificar com mais precisão os locais de risco no município, devem ser criados mapas específicos, sendo que, com a representação gráfica clara, se consegue uma rápida identificação de todas as características necessárias à execução de planos posteriores.
  • 31. UM PLANO DE AÇÃO ELABORADO E TREINADO ANTES DO ACIDENTE PODE EVITAR UMA TRAGÉDIA.
  • 32. É muito importante que a Compdec possua um plano antecipado de ação, ou melhor, um plano de contingência a partir de uma determinada hipótese de desastre. Por exemplo: inundação, deslizamento, rompimento de barragem, acidente envolvendo carga contendo produtos perigosos, estiagem prolongada (seca), etc. No plano de contingência, estarão bem explicadas todas as ações e medidas que os órgãos e as pessoas envolvidas no atendimento aos atingidos pelo desastre devem fazer. Após a confecção do plano, ele deve ser difundido e as equipes técnicas treinadas sempre.
  • 33. a - Existência da documentação: lei de criação da coordenadoria, decreto de regulamentação da lei e a portaria de nomeação dos membros; b - Agentes capacitados em cursos de Proteção e Defesa Civil; c - Mapeamento das áreas de risco do município; d - Plano de contingência que contemple no mínimo: sistema de monitorização, alerta e alarme definido; cadastro de recursos humanos e logísticos e a forma de acioná-los (contatos); cadastro dos locais de abrigos e definição clara das missões dos setores e órgãos envolvidos; e - Existência de uniforme/ colete de identificação para os membros da Compdec; f - Comprovação de campanhas educativas com a comunidade; g - Criação de Núcleos de Proteção e Defesa Civil (Nupdec) nas áreas de risco mapeadas e programa de treinamento continuado com os voluntários; h - Estudo estatístico dos desastres dos últimos anos. A Compdec sempre deverá contemplar os seguintes quesitos:
  • 34.
  • 35. Quando consideramos que risco é a relação entre ameaças e vulnerabilidades, podemos concluir que se intervirmos sobre um ou outro, estamos reduzindo o risco, certo?
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39. Obrigado! REFERÊNCIAS BRASIL. Lei nº 12.608de 10 de abril de 2012.Institui a Política Nacional de Proteção e Defesa Civil -PNPDEC; dispõe sobre o Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil -SINPDEC e o Conselho Nacional de Proteção e Defesa Civil -CONPDEC; autoriza a criação de sistema de informações e monitoramento de desastres; altera as Leis nos 12.340, de 1o de dezembro de 2010, 10.257, de 10 de julho de 2001, 6.766, de 19 de dezembro de 1979, 8.239, de 4 de outubro de 1991, e 9.394, de 20 de dezembro de 1996; e dá outras providências. Brasília, 2012.BRASIL. Decreto nº 7257de 4 de agosto de 2010. Regulamenta a Medida Provisória nº 494 de 2 de julho de 2010, para dispor sobre o Sistema Nacional de Defesa Civil -SINDEC, sobre o reconhecimento de situação de emergência e estado de calamidade pública, sobre as transferências de recursos para ações de socorro, assistência às vítimas, restabelecimento de serviços essenciais e reconstrução nas áreas atingidas por desastre, e dá outras providências. Brasília, 2010. 9 p. ESTRATÉGIA INTERNACIONAL PARA REDUCCIÓN DE DESASTRES DE LAS NACIONES UNIDAS (UNISDR). Terminología sobre reducción del riesgo de desastres. Ginebra, Suiza: UNISDR, 2009. Disponível em: <http://www.unisdr.org/ publications/>. Acesso em: 20 ago. 2016. Cb PM Almeida Março de2020