SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 51
Por Rafael Almeida
Psicólogo Clínico
CRP04/45541
• Afeta 9,3% da população brasileira;
• 7,7% das mulheres;
• 5,1%, estão deprimidas;
• Entre os homens, o número cai para 3,6%.
(OMS)
MAS O QUE É
Estado de humor desconfortável,
apreensão negativa em relação ao
futuro, inquietação interna
desagradável.
Inclui manifestações somáticas e
manifestações psíquicas”.
(Dalgalarrondo 2008)
Do ponto de vista fisiológico,
a ansiedade tem uma grande
função benéfica.
Ela faz parte de um mecanismo
cerebral que serve para nos
preparar para um ataque ou para
nos defender de algum perigo
percebido, seja ele real ou
imaginado.
Ela faz parte de um mecanismo
cerebral que serve para nos
preparar para um ataque ou para
nos defender de algum perigo
percebido, seja ele real ou
imaginado.
•
•
•
O QUE TE DEIXA
Sentimentos de ansiedade podem
ser causados por muitas coisas e
variam de acordo com o que você
está preocupado e como você age
quando você se sente apreensivo.
Dependem de muitos fatores,
como genes, vivência e aprendizado.
Uma pesquisa perguntou a adultos
do Reino Unido o que os torna mais
ansiosos.
(Fonte: YouGov Plc abril 2014)
SUSTENTO – AQUISIÇÕES MATERIAIS – ESTABILIDADE FINANCEIRA – PERSPECTIVA DE FUTURO
HORAS TRABALHADAS – CARGO/FUNÇÃO– MEDO DO DESEMPREGO
RELACIONAMENTOS INTERPESSOAIS
*Dos entrevistados com
55 anos ou mais.
*Dos entrevistados com
De 18-24 anos.
ESTUDANTES – CONCEPÇÃO DE PRODUTIVIDADE
• Nos últimos dez anos o número de
pessoas com depressão aumentou
18,4%, isso corresponde a 322 milhões
de indivíduos, ou 4,4% da população da
Terra;
• No Brasil, 5,8% dos habitantes (maior
taxa do continente latino-americano)
sofrem com o problema;
• Estudo do Departamento de Saúde
Mental da Faculdade de Medicina de
Ribeirão Preto (FMRP) da USP publicado
em 2018 apontou que a população
brasileira vive episódios de depressão e
de ansiedade em todo o país.
(*dados da OMS e FMRP)
MAS O QUE É
Pode ser chamada de doença das emoções.
Distúrbio de humor que envolve distúrbios emocionais,
cognitivos e de comportamento caracterizado por vários
graus de: tristeza, decepção, solidão, desespero, insegurança
ou culpa. Esses sentimentos, podem ser muito intensos, por
um longo período de tempo. Em um nível mais grave, a
desesperança pode tornar-se tão intensa que leva a
pensamentos suicidas recorrentes.
Mais de 300 milhões de pessoas
em todo o mundo sofrem de
depressão.
Cerca de 800 mil pessoas morrem
por suicídio a cada ano - sendo
essa a segunda principal causa de
morte entre pessoas com idade
entre 15 e 29 anos.
Embora existam tratamentos
eficazes conhecidos para
depressão, menos da metade das
pessoas afetadas no mundo (em
muitos países, menos de 10%)
recebe tais tratamentos.
Estima-se que nos próximos 10 anos, a
depressão seja a doença mais comum do
mundo, afetando mais pessoas do que
qualquer outro problema de saúde,
incluindo câncer e doenças cardíacas.
A Depressão é mais comum do que
outras doenças que são mais temidas
pela população, como a AIDS ou o
câncer.
A depressão é uma doença. Há
uma série de evidências que
mostram alterações químicas no
cérebro do indivíduo deprimido,
principalmente com relação aos
neurotransmissores (serotonina,
noradrenalina e, em menor
proporção, dopamina), substâncias
que transmitem impulsos nervosos
entre as células.
Ocorrem ainda outros processos
dentro das células nervosas. Ao
contrário do que normalmente
se pensa, os fatores psicológicos
e sociais muitas vezes são
consequência e não causa da
depressão.
A prevalência da depressão é
estimada em 19% da população,
o que significa que
aproximadamente uma em cada
cinco pessoas no mundo
apresentam o problema em
algum momento da vida.
(*site do Ministério da Saúde)
Diferença entre tristeza e depressão
Depressão é uma sensação constante de tristeza
sem causa definida podendo se estender a um
longo prazo ou ser recorrente.
Afeta o indivíduo nas esferas emocionais,
cognitivas e comportamentais. Tende a ser
incapacitante.
Tristeza é uma reação do organismo vivo a perdas e
frustrações, depende de causa clara; não sendo de
longa duração.
A perda de alguém por morte é chamado luto e o
sentimento vivenciado é o pesar.
Depressão é sinal de
fraqueza;
Depressão é evidência de
loucura;
Depressão é pecado;
Pessoas que creem em Deus
não tem Depressão.
SOBRE A DOR
EXISTENCIAL
Para Freud a angústia é
um mecanismo de
defesa que se organiza a
partir do conflito que o
ego enfrenta ao tentar
lidar com três instâncias:
os desejos do id, as
imposições do superego
e as exigências da
realidade.
“O homem (...) está irremediavelmente perdido, caiu do
lugar que lhe é próprio sem conseguir encontrá-lo
novamente, e o busca por toda parte com inquietação e
sem êxito, mergulhado em trevas impenetráveis”.
Condenado a viver uma continua tensão entre razão e paixões, ele
percebe no seu íntimo que não pode “estar em paz com a
primeira, sem estar em guerra com as outras, permanentemente
dividido, em conflito consigo mesmo.
O suicídio é um drama pessoal
que transcorre num palco de
relações interpessoais, em um
ambiente social, político e
cultural.
PENSAMENTO
PLANO
TENTA-
TIVA
DE
SUICÍDIO
ATENDIDOS EM
PRONTO-SOCORRO
17
De cada 100 habitantes
5
3
1
AO LONGO DA VIDA . . .
Não existe uma única explicação e nem
uma classificação de grupos.
Vários fatores associados:
Fatores psicológicos;
Fatores sociais;
Fatores ambientais;
Fatores familiares;
Fatores culturais;
Fatores genéticos.
• Problemas interpessoais
(discussão com esposa,
namorado, filhos);
• Rejeição (separação);
• Perdas (luto, status);
• Problemas com o trabalho
(demissão, aposentadoria,
dificuldades financeiras);
• Mudanças na sociedade
(políticas e econômicas);
• Vergonha (falência, vícios).
Fatores Familiares
Fatores
sociodemográficos
e ambientais
• Desemprego;
• Perda de status
socioeconômico;
• Profissão;
• Migração;
• Sexo;
• Idade;
• Estado civil.
• Quem fala não faz;
• Quem quer se matar, se mata;
• Suicídios ocorrem sem avisos;
• A melhora após a crise
significa que o risco passou;
• Nem todos os suicídios podem ser evitados;
• Uma vez suicida, sempre suicida.
A angustia
adolescente
Adolescência produz mudanças
incompreendidas e significativas na vida
do sujeito que não sabe o que é.
Período de fragilização emocional e
desligamento gradual das figuras
parentais. Mudanças corporais soam
como invasões.
O adolescente poderá, então, vir a investir
em novas referências, ou seja,
redimensionar suas identificações.
Os objetos antes definidos, passam a ser
desinvestidos, para investir na dúvida
que os novos objetos representam.
A confusão que se instala no período de
instabilidade é fundamental para que o
Sujeito se descubra.
A passagem da predominância da vida
Infantil para uma vida adulta
corresponde ao próprio processo de
subjetivação.
Quando a transação narcísica é bem-
sucedida, a eleição de novos objetos para
investimento libidinal permite que o
adolescente se aproprie de uma
identidade.
A angústia é algo que comporta
uma presença cujo conteúdo não
pode ser acessado por si só e é
marcado, fundamentalmente, por
uma incapacidade de
simbolização.
Nos casos de automutilação é
atribuída uma importância à dor
corporal, lugar onde o sofrimento
psíquico dirige-se.
Essa conversão é essencial à
formação do sintoma.
O terror da automutilação é diferenciado entre o ato
e a passagem ao ato.
Se a dor e a angústia de um jovem o conduz ao
ato, a automutilação então significa, simboliza.
É a aflição que flutua na falta de um
Objeto.
É o luto pelo corpo infantil.
O corpo relaciona-se com o
olhar do outro.
A Psicanálise é uma clínica da
fala. Quem adoece e sofre é,
antes de tudo, um sujeito em
sua singularidade, e não um
corpo.
Fazer falar como condição de
escuta, de remanejamento de
efeitos de sofrimento, até
onde for possível.
Em casos de automutilação considera-se não o acontecimento
em si, mas o impacto sobre o psiquismo e como ele é
processado.
Junto a outros profissionais da
área de saúde, o terapeuta não
considera a dor exclusivamente
pelos cortes que são feitos, ou
pelos cabelos arrancados e
unhas roídas, mas sim todos os
pacientes no limite, no quão
insuportável é sua dor, buscando
auxiliá-los no desejo
fundamental de falar.
Experiência que passa pela
interrogação, deciframento e
elaboração do que é subjetivo.
filha
escola
desajuste
isolamento
angústia
vazio
incompreensão
terapia
elaboração
mudança
Porque, como imagina em sua alma,
assim ele é.
(Pv 23:07)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Como cuidar da minha saúde mental?
Como cuidar da minha saúde mental?Como cuidar da minha saúde mental?
Como cuidar da minha saúde mental?
 
Palestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio originalPalestra sobre suicídio original
Palestra sobre suicídio original
 
Ansiedade na infância
Ansiedade  na  infânciaAnsiedade  na  infância
Ansiedade na infância
 
Ansiedade
AnsiedadeAnsiedade
Ansiedade
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
Mitos e verdades - setembro amarelo
Mitos e verdades  -  setembro amareloMitos e verdades  -  setembro amarelo
Mitos e verdades - setembro amarelo
 
A Depressão
A DepressãoA Depressão
A Depressão
 
Ansiedade
AnsiedadeAnsiedade
Ansiedade
 
Transtornos ansiosos
Transtornos ansiososTranstornos ansiosos
Transtornos ansiosos
 
Transtornos ansiosos na infância e adolescência
Transtornos ansiosos na infância e adolescênciaTranstornos ansiosos na infância e adolescência
Transtornos ansiosos na infância e adolescência
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
 
Não se mate você não morre
Não se mate você não morreNão se mate você não morre
Não se mate você não morre
 
saude mental
saude mental saude mental
saude mental
 
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELOAESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
 
Depressão e Suicício
Depressão e SuicícioDepressão e Suicício
Depressão e Suicício
 
Setembro Amarelo.pptx
Setembro Amarelo.pptxSetembro Amarelo.pptx
Setembro Amarelo.pptx
 
Ansiedade
AnsiedadeAnsiedade
Ansiedade
 
AULA ABP SETEMBRO AMARELO Miriam Gorender
AULA ABP SETEMBRO AMARELO Miriam GorenderAULA ABP SETEMBRO AMARELO Miriam Gorender
AULA ABP SETEMBRO AMARELO Miriam Gorender
 
Síndrome de burnout
Síndrome de burnoutSíndrome de burnout
Síndrome de burnout
 
Ansiedade
AnsiedadeAnsiedade
Ansiedade
 

Semelhante a Fatores de risco e sinais de depressão e ansiedade

Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxSetembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxTelma Lima
 
02 adolescência e suicídio
02 adolescência e suicídio02 adolescência e suicídio
02 adolescência e suicídioGraça Martins
 
Aula 7.Suicídio e Luto.pptx
Aula 7.Suicídio e Luto.pptxAula 7.Suicídio e Luto.pptx
Aula 7.Suicídio e Luto.pptxIaraFarias10
 
SetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
SetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxSetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
SetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxLourdesGomes14
 
PALESTRA PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxDDDDDDDDDDDDDD
PALESTRA PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxDDDDDDDDDDDDDDPALESTRA PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxDDDDDDDDDDDDDD
PALESTRA PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxDDDDDDDDDDDDDDLevy932163
 
Suicídio - Uma Epidemia Silenciosa
Suicídio - Uma Epidemia SilenciosaSuicídio - Uma Epidemia Silenciosa
Suicídio - Uma Epidemia SilenciosaCEENA_SS
 
Influências emocionais no câncer de mama - Cartilha informativa.pptx
Influências emocionais no câncer de mama - Cartilha informativa.pptxInfluências emocionais no câncer de mama - Cartilha informativa.pptx
Influências emocionais no câncer de mama - Cartilha informativa.pptxGilson Tavares
 
Influências emocionais no câncer de mama - Cartilha Informativa.ppt
Influências emocionais no câncer de mama - Cartilha Informativa.pptInfluências emocionais no câncer de mama - Cartilha Informativa.ppt
Influências emocionais no câncer de mama - Cartilha Informativa.pptGilson Tavares
 
A depressao-e-uma-doenca-que-se-trata
A depressao-e-uma-doenca-que-se-trataA depressao-e-uma-doenca-que-se-trata
A depressao-e-uma-doenca-que-se-trataCosmo Palasio
 
Influências emocionais no câncer de mama cartilha informativa
Influências emocionais no câncer de mama   cartilha informativaInfluências emocionais no câncer de mama   cartilha informativa
Influências emocionais no câncer de mama cartilha informativaGilson Tavares
 
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxcrismiglioranza
 
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxMariaClaraFernandes25
 
Setembro amarelo – em favor da VIDA.pdf
Setembro amarelo – em favor da VIDA.pdfSetembro amarelo – em favor da VIDA.pdf
Setembro amarelo – em favor da VIDA.pdfELIZETEPERESCARDOSO
 
SETEMBRO AMARELO SUICIDIO.pdf
SETEMBRO AMARELO SUICIDIO.pdfSETEMBRO AMARELO SUICIDIO.pdf
SETEMBRO AMARELO SUICIDIO.pdfBruno Barbosa
 

Semelhante a Fatores de risco e sinais de depressão e ansiedade (20)

Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxSetembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
 
Doenças da alma
Doenças da almaDoenças da alma
Doenças da alma
 
02 adolescência e suicídio
02 adolescência e suicídio02 adolescência e suicídio
02 adolescência e suicídio
 
Aula 7.Suicídio e Luto.pptx
Aula 7.Suicídio e Luto.pptxAula 7.Suicídio e Luto.pptx
Aula 7.Suicídio e Luto.pptx
 
Suicídio: Atenção na Prevenção
Suicídio: Atenção na Prevenção   Suicídio: Atenção na Prevenção
Suicídio: Atenção na Prevenção
 
SetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
SetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxSetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
SetembroAmarelo_Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
 
Doenças da alma
Doenças da alma Doenças da alma
Doenças da alma
 
PALESTRA PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxDDDDDDDDDDDDDD
PALESTRA PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxDDDDDDDDDDDDDDPALESTRA PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxDDDDDDDDDDDDDD
PALESTRA PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.pptxDDDDDDDDDDDDDD
 
Suicídio - Uma Epidemia Silenciosa
Suicídio - Uma Epidemia SilenciosaSuicídio - Uma Epidemia Silenciosa
Suicídio - Uma Epidemia Silenciosa
 
Influências emocionais no câncer de mama - Cartilha informativa.pptx
Influências emocionais no câncer de mama - Cartilha informativa.pptxInfluências emocionais no câncer de mama - Cartilha informativa.pptx
Influências emocionais no câncer de mama - Cartilha informativa.pptx
 
Influências emocionais no câncer de mama - Cartilha Informativa.ppt
Influências emocionais no câncer de mama - Cartilha Informativa.pptInfluências emocionais no câncer de mama - Cartilha Informativa.ppt
Influências emocionais no câncer de mama - Cartilha Informativa.ppt
 
A depressao-e-uma-doenca-que-se-trata
A depressao-e-uma-doenca-que-se-trataA depressao-e-uma-doenca-que-se-trata
A depressao-e-uma-doenca-que-se-trata
 
Suicídio.pptx
Suicídio.pptxSuicídio.pptx
Suicídio.pptx
 
Influências emocionais no câncer de mama cartilha informativa
Influências emocionais no câncer de mama   cartilha informativaInfluências emocionais no câncer de mama   cartilha informativa
Influências emocionais no câncer de mama cartilha informativa
 
Apresentação Curso de Enfermagem
Apresentação Curso de EnfermagemApresentação Curso de Enfermagem
Apresentação Curso de Enfermagem
 
setembro amarelo meire.pptx
setembro amarelo meire.pptxsetembro amarelo meire.pptx
setembro amarelo meire.pptx
 
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
 
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
2018-14-Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
 
Setembro amarelo – em favor da VIDA.pdf
Setembro amarelo – em favor da VIDA.pdfSetembro amarelo – em favor da VIDA.pdf
Setembro amarelo – em favor da VIDA.pdf
 
SETEMBRO AMARELO SUICIDIO.pdf
SETEMBRO AMARELO SUICIDIO.pdfSETEMBRO AMARELO SUICIDIO.pdf
SETEMBRO AMARELO SUICIDIO.pdf
 

Mais de Rafael Almeida

ORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDA
ORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDAORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDA
ORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDARafael Almeida
 
FENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIA
FENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIAFENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIA
FENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIARafael Almeida
 
Defesa civil volume II
Defesa civil volume IIDefesa civil volume II
Defesa civil volume IIRafael Almeida
 
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISEINSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISERafael Almeida
 
PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL
PSICOLOGIA ORGANIZACIONALPSICOLOGIA ORGANIZACIONAL
PSICOLOGIA ORGANIZACIONALRafael Almeida
 
Aconselhamento Cristão nas questões pessoais
Aconselhamento Cristão nas questões pessoaisAconselhamento Cristão nas questões pessoais
Aconselhamento Cristão nas questões pessoaisRafael Almeida
 
PSICOLOGIA DA CRIATIVIDADE
PSICOLOGIA DA CRIATIVIDADEPSICOLOGIA DA CRIATIVIDADE
PSICOLOGIA DA CRIATIVIDADERafael Almeida
 
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRERPRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRERRafael Almeida
 
Estresse e Alcoolismo na Atividade Policial
Estresse e Alcoolismo na Atividade PolicialEstresse e Alcoolismo na Atividade Policial
Estresse e Alcoolismo na Atividade PolicialRafael Almeida
 
EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...
EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...
EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...Rafael Almeida
 
RELAÇÕES INTERPESSOAIS
RELAÇÕES INTERPESSOAISRELAÇÕES INTERPESSOAIS
RELAÇÕES INTERPESSOAISRafael Almeida
 
ORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZUL
ORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZULORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZUL
ORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZULRafael Almeida
 
Comunicação organizacional
Comunicação organizacionalComunicação organizacional
Comunicação organizacionalRafael Almeida
 
Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...
Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...
Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...Rafael Almeida
 
Depressão: Quando a fraqueza ganha força!
Depressão: Quando a fraqueza ganha força!Depressão: Quando a fraqueza ganha força!
Depressão: Quando a fraqueza ganha força!Rafael Almeida
 

Mais de Rafael Almeida (20)

EDUCAÇÃO EMOCIONAL
EDUCAÇÃO EMOCIONALEDUCAÇÃO EMOCIONAL
EDUCAÇÃO EMOCIONAL
 
ORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDA
ORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDAORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDA
ORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDA
 
FENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIA
FENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIAFENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIA
FENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIA
 
Defesa civil volume II
Defesa civil volume IIDefesa civil volume II
Defesa civil volume II
 
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISEINSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
 
DEFESA CIVIL
DEFESA CIVILDEFESA CIVIL
DEFESA CIVIL
 
FENOMENOLOGIA
FENOMENOLOGIA FENOMENOLOGIA
FENOMENOLOGIA
 
LIDERANÇA
LIDERANÇALIDERANÇA
LIDERANÇA
 
PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL
PSICOLOGIA ORGANIZACIONALPSICOLOGIA ORGANIZACIONAL
PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL
 
Aconselhamento Cristão nas questões pessoais
Aconselhamento Cristão nas questões pessoaisAconselhamento Cristão nas questões pessoais
Aconselhamento Cristão nas questões pessoais
 
PSICOLOGIA DA CRIATIVIDADE
PSICOLOGIA DA CRIATIVIDADEPSICOLOGIA DA CRIATIVIDADE
PSICOLOGIA DA CRIATIVIDADE
 
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRERPRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
 
Estresse e Alcoolismo na Atividade Policial
Estresse e Alcoolismo na Atividade PolicialEstresse e Alcoolismo na Atividade Policial
Estresse e Alcoolismo na Atividade Policial
 
MOTIVAÇÃO
MOTIVAÇÃOMOTIVAÇÃO
MOTIVAÇÃO
 
EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...
EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...
EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...
 
RELAÇÕES INTERPESSOAIS
RELAÇÕES INTERPESSOAISRELAÇÕES INTERPESSOAIS
RELAÇÕES INTERPESSOAIS
 
ORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZUL
ORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZULORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZUL
ORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZUL
 
Comunicação organizacional
Comunicação organizacionalComunicação organizacional
Comunicação organizacional
 
Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...
Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...
Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...
 
Depressão: Quando a fraqueza ganha força!
Depressão: Quando a fraqueza ganha força!Depressão: Quando a fraqueza ganha força!
Depressão: Quando a fraqueza ganha força!
 

Último

PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOvilcielepazebem
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfMarceloMonteiro213738
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxEnfaVivianeCampos
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAndersonMoreira538200
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obrasosnikobus1
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdfHELLEN CRISTINA
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfThiagoAlmeida458596
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdfHELLEN CRISTINA
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfLviaParanaguNevesdeL
 

Último (12)

PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdf
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
 

Fatores de risco e sinais de depressão e ansiedade

  • 1. Por Rafael Almeida Psicólogo Clínico CRP04/45541
  • 2. • Afeta 9,3% da população brasileira; • 7,7% das mulheres; • 5,1%, estão deprimidas; • Entre os homens, o número cai para 3,6%. (OMS)
  • 3. MAS O QUE É Estado de humor desconfortável, apreensão negativa em relação ao futuro, inquietação interna desagradável. Inclui manifestações somáticas e manifestações psíquicas”. (Dalgalarrondo 2008)
  • 4. Do ponto de vista fisiológico, a ansiedade tem uma grande função benéfica. Ela faz parte de um mecanismo cerebral que serve para nos preparar para um ataque ou para nos defender de algum perigo percebido, seja ele real ou imaginado.
  • 5. Ela faz parte de um mecanismo cerebral que serve para nos preparar para um ataque ou para nos defender de algum perigo percebido, seja ele real ou imaginado. • • •
  • 6. O QUE TE DEIXA Sentimentos de ansiedade podem ser causados por muitas coisas e variam de acordo com o que você está preocupado e como você age quando você se sente apreensivo. Dependem de muitos fatores, como genes, vivência e aprendizado. Uma pesquisa perguntou a adultos do Reino Unido o que os torna mais ansiosos. (Fonte: YouGov Plc abril 2014)
  • 7. SUSTENTO – AQUISIÇÕES MATERIAIS – ESTABILIDADE FINANCEIRA – PERSPECTIVA DE FUTURO
  • 8. HORAS TRABALHADAS – CARGO/FUNÇÃO– MEDO DO DESEMPREGO
  • 10. *Dos entrevistados com 55 anos ou mais.
  • 11. *Dos entrevistados com De 18-24 anos. ESTUDANTES – CONCEPÇÃO DE PRODUTIVIDADE
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16. • Nos últimos dez anos o número de pessoas com depressão aumentou 18,4%, isso corresponde a 322 milhões de indivíduos, ou 4,4% da população da Terra; • No Brasil, 5,8% dos habitantes (maior taxa do continente latino-americano) sofrem com o problema; • Estudo do Departamento de Saúde Mental da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP publicado em 2018 apontou que a população brasileira vive episódios de depressão e de ansiedade em todo o país. (*dados da OMS e FMRP)
  • 17. MAS O QUE É
  • 18. Pode ser chamada de doença das emoções. Distúrbio de humor que envolve distúrbios emocionais, cognitivos e de comportamento caracterizado por vários graus de: tristeza, decepção, solidão, desespero, insegurança ou culpa. Esses sentimentos, podem ser muito intensos, por um longo período de tempo. Em um nível mais grave, a desesperança pode tornar-se tão intensa que leva a pensamentos suicidas recorrentes.
  • 19. Mais de 300 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de depressão. Cerca de 800 mil pessoas morrem por suicídio a cada ano - sendo essa a segunda principal causa de morte entre pessoas com idade entre 15 e 29 anos. Embora existam tratamentos eficazes conhecidos para depressão, menos da metade das pessoas afetadas no mundo (em muitos países, menos de 10%) recebe tais tratamentos.
  • 20. Estima-se que nos próximos 10 anos, a depressão seja a doença mais comum do mundo, afetando mais pessoas do que qualquer outro problema de saúde, incluindo câncer e doenças cardíacas. A Depressão é mais comum do que outras doenças que são mais temidas pela população, como a AIDS ou o câncer.
  • 21. A depressão é uma doença. Há uma série de evidências que mostram alterações químicas no cérebro do indivíduo deprimido, principalmente com relação aos neurotransmissores (serotonina, noradrenalina e, em menor proporção, dopamina), substâncias que transmitem impulsos nervosos entre as células.
  • 22. Ocorrem ainda outros processos dentro das células nervosas. Ao contrário do que normalmente se pensa, os fatores psicológicos e sociais muitas vezes são consequência e não causa da depressão. A prevalência da depressão é estimada em 19% da população, o que significa que aproximadamente uma em cada cinco pessoas no mundo apresentam o problema em algum momento da vida. (*site do Ministério da Saúde)
  • 23. Diferença entre tristeza e depressão Depressão é uma sensação constante de tristeza sem causa definida podendo se estender a um longo prazo ou ser recorrente. Afeta o indivíduo nas esferas emocionais, cognitivas e comportamentais. Tende a ser incapacitante. Tristeza é uma reação do organismo vivo a perdas e frustrações, depende de causa clara; não sendo de longa duração. A perda de alguém por morte é chamado luto e o sentimento vivenciado é o pesar.
  • 24. Depressão é sinal de fraqueza; Depressão é evidência de loucura; Depressão é pecado; Pessoas que creem em Deus não tem Depressão.
  • 25.
  • 27. Para Freud a angústia é um mecanismo de defesa que se organiza a partir do conflito que o ego enfrenta ao tentar lidar com três instâncias: os desejos do id, as imposições do superego e as exigências da realidade.
  • 28. “O homem (...) está irremediavelmente perdido, caiu do lugar que lhe é próprio sem conseguir encontrá-lo novamente, e o busca por toda parte com inquietação e sem êxito, mergulhado em trevas impenetráveis”. Condenado a viver uma continua tensão entre razão e paixões, ele percebe no seu íntimo que não pode “estar em paz com a primeira, sem estar em guerra com as outras, permanentemente dividido, em conflito consigo mesmo.
  • 29. O suicídio é um drama pessoal que transcorre num palco de relações interpessoais, em um ambiente social, político e cultural.
  • 31. Não existe uma única explicação e nem uma classificação de grupos. Vários fatores associados: Fatores psicológicos; Fatores sociais; Fatores ambientais; Fatores familiares; Fatores culturais; Fatores genéticos.
  • 32. • Problemas interpessoais (discussão com esposa, namorado, filhos); • Rejeição (separação); • Perdas (luto, status); • Problemas com o trabalho (demissão, aposentadoria, dificuldades financeiras); • Mudanças na sociedade (políticas e econômicas); • Vergonha (falência, vícios). Fatores Familiares
  • 33. Fatores sociodemográficos e ambientais • Desemprego; • Perda de status socioeconômico; • Profissão; • Migração; • Sexo; • Idade; • Estado civil.
  • 34. • Quem fala não faz; • Quem quer se matar, se mata; • Suicídios ocorrem sem avisos; • A melhora após a crise significa que o risco passou; • Nem todos os suicídios podem ser evitados; • Uma vez suicida, sempre suicida. A angustia adolescente
  • 35. Adolescência produz mudanças incompreendidas e significativas na vida do sujeito que não sabe o que é. Período de fragilização emocional e desligamento gradual das figuras parentais. Mudanças corporais soam como invasões. O adolescente poderá, então, vir a investir em novas referências, ou seja, redimensionar suas identificações. Os objetos antes definidos, passam a ser desinvestidos, para investir na dúvida que os novos objetos representam.
  • 36. A confusão que se instala no período de instabilidade é fundamental para que o Sujeito se descubra. A passagem da predominância da vida Infantil para uma vida adulta corresponde ao próprio processo de subjetivação. Quando a transação narcísica é bem- sucedida, a eleição de novos objetos para investimento libidinal permite que o adolescente se aproprie de uma identidade.
  • 37. A angústia é algo que comporta uma presença cujo conteúdo não pode ser acessado por si só e é marcado, fundamentalmente, por uma incapacidade de simbolização. Nos casos de automutilação é atribuída uma importância à dor corporal, lugar onde o sofrimento psíquico dirige-se. Essa conversão é essencial à formação do sintoma.
  • 38. O terror da automutilação é diferenciado entre o ato e a passagem ao ato. Se a dor e a angústia de um jovem o conduz ao ato, a automutilação então significa, simboliza. É a aflição que flutua na falta de um Objeto. É o luto pelo corpo infantil. O corpo relaciona-se com o olhar do outro.
  • 39. A Psicanálise é uma clínica da fala. Quem adoece e sofre é, antes de tudo, um sujeito em sua singularidade, e não um corpo. Fazer falar como condição de escuta, de remanejamento de efeitos de sofrimento, até onde for possível.
  • 40. Em casos de automutilação considera-se não o acontecimento em si, mas o impacto sobre o psiquismo e como ele é processado. Junto a outros profissionais da área de saúde, o terapeuta não considera a dor exclusivamente pelos cortes que são feitos, ou pelos cabelos arrancados e unhas roídas, mas sim todos os pacientes no limite, no quão insuportável é sua dor, buscando auxiliá-los no desejo fundamental de falar. Experiência que passa pela interrogação, deciframento e elaboração do que é subjetivo.
  • 41. filha
  • 46. vazio
  • 51. Porque, como imagina em sua alma, assim ele é. (Pv 23:07)