SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 43
Vídeo Monte Carmelo
O Relatório Global Para Prevenção do
Suicídio da OMS aponta que mais de
800 mil pessoas se matam anualmente
ao redor do mundo, perfazendo uma
taxa de 11,4 mortes para cada 100 mil
habitantes. Isso equivale a uma morte a
cada 40 segundos.
Brasil no ranking como 8º país em
número de suicídios. 11.821 suicídios
registrados de 9.198 homens e 2.623
mulheres.
Índia - 258 mil óbitos.
China - 120,7 mil.
EUA - 43 mil.
Rússia - 31 mil.
Japão - 29 mil.
Coreia do Sul - 17 mil.
Paquistão -13 mil.
No Brasil a mortalidade anual
decorrente de suicídios vem
se aproximando do número
de óbitos decorrentes da
Aids. Em 2014 a Aids matou
12.575. No mesmo período
suicidaram 11.821 pessoas.
No mundo, o suicídio foi a 2ª
causa de morte entre
pessoas de 15 e 29 anos,
ficando atrás dos acidentes
de trânsito, que são
responsáveis pelo maior
número de mortes nesta faixa
etária. (PERASSO, 2015).
Todo caso de morte que
resulta direta ou
indiretamente de um ato,
positivo ou negativo,
realizado pela própria vítima
e que ela saiba que
produziria esse resultado.
Há um
comportamento
suicida que envolve
a tomada de
decisão.
A tentativa se enquadra como
o ato suicida interrompido.
Todo um comportamento suicida
envolve um processo de
tomada de decisão, que se
dá através da:
Intenção suicida;
Ideação manifestada;
Tentativa;
Consumação.
(Suicídio nas forças policiais: um estudo
comparativo na PSP, GNRe PJ. Porto, 2007).
Propensão;
Desejo;
Vontade continuada.
A intenção pode
desencadear o
processo de tomada
de decisão. Pode ter
nexo causal.
Pensamento, ameaças
e plano: Trata-se do
primeiro estágio do
comportamento suicida
e engloba dois
momentos distintos: a
formulação de
pensamentos e
ameaças de
autodestruição
objetivando a morte e a
etapa de elaboração de
um plano, um
planejamento para que o
Fase em que o indivíduo
utiliza meios capazes de
ceifar sua vida.
Observa-se:
O grau de intenção
manifesta de morrer;
A gravidade médica do
ato pretendido;
O método empregado.
Representa o sucesso do
indivíduo na sua tentativa
de ceifar a própria vida, é a
tentativa bem-sucedida.
Estima-se ainda que
apenas 10% dos tentantes
obtenham êxito.
A consecução não significa
que a ajuda ofertada foi
falha.
(CORDEIRO,2010, p. 47-48 apud NUNES DA SILVA,
2014, p. 23 Marcha soldado - sonhos, pressão de
dilemas: do que são feitos os novos policiais
militares
de SP.).
A intenção pode
desencadear o
processo de tomada
de decisão. Pode ter
nexo causal.
Caracterizado pela fraca interação do agente
com seu meio social. Seus vínculos são tão
frágeis que o levam a uma grande
desmotivação, o que progride para a
depressão.
Falta razão de ser.
Baixa frustração à perda de pessoas ou objetos
de afeto.
Marcado pela interação
social extremamente forte
agente para com a
comunidade que o cerca.
Assim, sua ocorrência se
dá por um motivo maior
que o
próprio indivíduo, o suicida
atua em prol da
comunidade a que
pertence, de modo que tira
a própria vida para não
representar um fardo em
seu meio social.
Quando a sociedade deixa
de regular a vida do
indivíduo e suas
demandas pessoais,
financeiras, emocionais ou
afetivas não se sustentam
mais na situação social
que se apresenta.
Diante de uma quebra
brusca de um padrão
social, o qual implica na
imagem que a pessoa
sustenta diante de uma
coletividade.
Mais recorrente entre os policiais
Pensamento
Planejament
o
Tentativa
Execução
relacionam-se com o nível
de consciência do agente.
Através do seu discurso é
possível avaliar o estado
de saúde mental atual
(níveis de consciência e
estado e de juízo).
Pensamento e
planejamento
Tentativa e
Execução
Deve-se observar o grau
de ação sobre o
planejamento e quão cedo
o ato está para ser
realizado.
É importante acionar o
sistema de apoio social da
pessoa (família, amigos
etc.)
(BRASIL, 2006, p. 57Prevenção do suicídio
Vídeo socorro
Natureza da sua profissão;
O risco de vida;
A desregulação do sono;
A privação de convívio
familiar;
Por conta de fatores
estressores os
policiais estão mais
propensos ao
cometimento do
suicídio que a maioria
das demais profissões.
Além dos fatores pessoais
que podem levar qualquer
pessoa ao cometimento do
ato suicida, os policiais
lidam com fatores
organizacionais que
influenciam esse
comportamento.
A estrutura
organizacional;
A cultura policial;
O isolamento social;
A imagem pública
negativa;
O stress;
O acesso à arma.
a estrutura
organizacional das
corporações policiais
limita a liberdade
(inclusive de expressão)
dos integrantes da
força, gerando
frustração nos policiais
e, consequentemente,
remetendo os agentes a
pensamentos negativos,
levando-os, por fim, à
infelicidade.
O status de polícia
constante pode trazer
prejuízo em outros
papéis ou identidades
sociais.
Pode proporcionar um
afastamento da
sociedade e
enfraquecer
importantes vínculos
que funcionariam como
fatores protetores do
suicídio policial.
A atividade repressora da força estatal
tende a causar uma resistência por uma
parcela da sociedade.
O avanço de políticas liberais também
favorece a perda da tradição de
legitimidade, culminando com o
aumento da hostilização por parte de
alguns setores da comunidade.
O fato dos agentes constituírem a última
barreira entre o cumprimento da lei e a
consecução do ato delituoso, põe a
ação policial em cheque, principalmente
quando a mídia enfatiza os aspectos
negativos da atuação policial.
O perigo;
O sentimento de
inutilidade; O convívio
com as mazelas sociais;
O desprezo social;
O trabalho por turnos de
serviço;
A morte de parceiros em
serviço.
O stress desencadeia uma série
de desequilíbrios químicos no
organismo, responsáveis pelo
aparecimento de várias
doenças físicas e mentais.
As armas são o método eleito em
95% dos suicídios na polícia. O policial
que decide tirar a própria vida possui
um meio de alta letalidade para atingir
seu intento, o que afasta o medo de
sobreviver com sequelas e sofrer
ainda mais do que já vinha sofrendo.
Acredita que o suicídio porá fim aos
seus problemas e a arma o ajuda a
resolver isso com mais facilidade. Fica,
portanto, encorajado a se matar.
O acesso à arma em tempo integral
também influencia na prática suicida
por policiais
Os sentimentos indicativos de risco suicida:
• Depressão;
• Desesperança;
• Desamparo;
• Desespero
4D do suicídio
• Status socioeconômico e nível de educação baixos;
• Perda de emprego;
• Stress social;
• Problemas com o funcionamento da família,
relações sociais e sistemas de apoio;
• Trauma, tal como abuso físico e sexual;
• Perdas pessoais;
• Perturbações mentais tais como depressão, perturbações
da personalidade, esquizofrenia e abuso de álcool e de
substâncias;
• Sentimentos de baixa autoestima ou de desesperança;
• Questões de orientação sexual (tais como
homossexualidade);
• Comportamentos idiossincráticos;
• Pouco discernimento, falta de controle da
impulsividade, e comportamentos
autodestrutivos;
• Poucas competências para enfrentar
problemas;
• Doença física e dor crônica;
• Exposição ao suicídio de outras pessoas;
• Acesso a meios para conseguir fazer-se
mal;
• Acontecimentos destrutivos e violentos
(tais como guerra ou desastres
catastróficos).
Vínculos saudáveis com
pessoas, família e
instituições;
Existência de um projeto de
vida com metas alcançáveis;
Modelos sociais que
promovam a valorização da
vida e da saúde
física e mental;
Ambiente de trabalho
saudável;
Autoestima elevada;
Exercício da espiritualidade;
Manejo razoável do humor e
do estado de ansiedade;
1. O primeiro passo é achar um lugar adequado,
onde uma conversa tranquila possa ser mantida com
privacidade razoável. Preocupar-se com o local já é
uma forma de demonstrar acolhimento.
2. Reserve o tempo necessário e apropriado.
Pessoas com ideação suicida usualmente
necessitam de mais tempo e paciência para deixar
de se sentirem um fardo. É preciso também estar
disponível emocionalmente para lhes dar atenção.
3. Ouça com atenção. A escuta é por si só o maior
passo para reduzir o nível de desespero suicida. O
objetivo é preencher uma lacuna criada pela
desconfiança, pelo desespero e pela perda de
esperança e dar à pessoa um acolhimento no
presente, um conforto diante de sua dor
existencial.
Uma abordagem calma, aberta, de aceitação e de
não-julgamento é fundamental para facilitar a
comunicação.
4.Entenda os sentimentos da pessoa (empatia).
• Dê mensagens não verbais de aceitação e respeito.
• Expresse respeito pelas opiniões e pelos valores da
pessoa.
• Converse honestamente e com autenticidade.
• Mostre sua preocupação, seu cuidado e sua afeição.
• Focalize nos sentimentos da pessoa.
•Tente não interromper
frequentemente.
• Não demonstre que está chocado
ou muito emocionado.
• Não diga que você está ocupado.
• Não Faça o problema parecer
trivial.
• Não trate a pessoa de uma maneira
que possa colocá-la numa posição
de
inferioridade.
• Não diga simplesmente que tudo
vai ficar bem. Opte em dizer que
entende a dor e a situação que a
5. Jamais emita qualquer juízo de valor e qualquer
julgamento;
1) Preste atenção nas frases de
alerta, como: “Eu preferia estar
morto”; “Eu não aguento mais”,
entre outras;
2) Providencie um ambiente
reservado e seguro para
conversar com a pessoa;
3) Ouça atentamente os
problemas, buscando identificar
aspectos do estado mental do
agente, do seu plano suicida e
de seu sistema de apoio social;
4) Emita sinais não verbais de
aprovação durante o diálogo,
como um breve aceno de
cabeça validando o que o
policial está contando; e olhe
sempre nos olhos dele.
5) Promova uma comunicação
empática, demonstrando
interesse pelo que está sendo
dito.
6) Tente apresentar perspectivas
positivas para a situação sem,
contudo, fazer o sofrimento
parecer algo trivial;
7) Jamais menospreze o
sofrimento apresentado e nem
use expressões que o
inferiorizem;
8) Nunca utilize a hierarquia
para tentar impor sua forma de
pensar;
9) Nunca emita julgamentos
acerca da situação, mesmo que
de forma não-verbal;
Cabo PM Rafael Almeida
Psicólogo clínico - CRP04/45541
almeidaquerfalar@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slides suicício (2)
Slides suicício (2)Slides suicício (2)
Slides suicício (2)Catiane HENZ
 
3 consideracoes finais pequena sem avaliacoes dos risco de suicidio
3 consideracoes  finais  pequena sem avaliacoes dos risco de suicidio3 consideracoes  finais  pequena sem avaliacoes dos risco de suicidio
3 consideracoes finais pequena sem avaliacoes dos risco de suicidioventofrio
 
Suicídio palestra cefa 7 dez 12
Suicídio   palestra cefa 7 dez 12Suicídio   palestra cefa 7 dez 12
Suicídio palestra cefa 7 dez 12balsense
 
Setembro amarelo
Setembro amareloSetembro amarelo
Setembro amareloHelio Cruz
 
2 prevencao de suicidio com efeitos
2 prevencao de suicidio com efeitos2 prevencao de suicidio com efeitos
2 prevencao de suicidio com efeitosventofrio
 
Como o suicídio é visto pela sociedade - Campanha Setembro Amarelo
Como o suicídio é visto pela sociedade - Campanha Setembro AmareloComo o suicídio é visto pela sociedade - Campanha Setembro Amarelo
Como o suicídio é visto pela sociedade - Campanha Setembro AmareloNatália Ribeiro
 
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELOAESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELODaniel de Melo
 
Cartilha de prevencao_ao_suicidio
Cartilha de prevencao_ao_suicidioCartilha de prevencao_ao_suicidio
Cartilha de prevencao_ao_suicidioKelly Pereira
 
Ciulla Clínica Psiquiátrica - Risco de Suicídio Entre Idosos
Ciulla Clínica Psiquiátrica - Risco de Suicídio Entre IdososCiulla Clínica Psiquiátrica - Risco de Suicídio Entre Idosos
Ciulla Clínica Psiquiátrica - Risco de Suicídio Entre Idososclinicaciulla
 
Slides para apresentação de seminário integrado
Slides para apresentação de seminário integradoSlides para apresentação de seminário integrado
Slides para apresentação de seminário integradoCristina Silva
 
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescênciaPrevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescênciaLuciana França Cescon
 
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevençãoSuicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevençãoWashington Costa
 
suicídio fatores de risco
suicídio fatores de riscosuicídio fatores de risco
suicídio fatores de riscoEraldo Fonseca
 
Suicídio na adolescência
Suicídio na adolescência Suicídio na adolescência
Suicídio na adolescência Duda Grabin
 

Mais procurados (20)

Slides suicício (2)
Slides suicício (2)Slides suicício (2)
Slides suicício (2)
 
3 consideracoes finais pequena sem avaliacoes dos risco de suicidio
3 consideracoes  finais  pequena sem avaliacoes dos risco de suicidio3 consideracoes  finais  pequena sem avaliacoes dos risco de suicidio
3 consideracoes finais pequena sem avaliacoes dos risco de suicidio
 
Suicídio palestra cefa 7 dez 12
Suicídio   palestra cefa 7 dez 12Suicídio   palestra cefa 7 dez 12
Suicídio palestra cefa 7 dez 12
 
Setembro amarelo
Setembro amareloSetembro amarelo
Setembro amarelo
 
2 prevencao de suicidio com efeitos
2 prevencao de suicidio com efeitos2 prevencao de suicidio com efeitos
2 prevencao de suicidio com efeitos
 
Como o suicídio é visto pela sociedade - Campanha Setembro Amarelo
Como o suicídio é visto pela sociedade - Campanha Setembro AmareloComo o suicídio é visto pela sociedade - Campanha Setembro Amarelo
Como o suicídio é visto pela sociedade - Campanha Setembro Amarelo
 
As várias vertentes do suicídio
As várias vertentes do suicídioAs várias vertentes do suicídio
As várias vertentes do suicídio
 
Prevenção de suicídio
Prevenção de suicídioPrevenção de suicídio
Prevenção de suicídio
 
Mitos e verdades - setembro amarelo
Mitos e verdades  -  setembro amareloMitos e verdades  -  setembro amarelo
Mitos e verdades - setembro amarelo
 
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELOAESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
AESP01 EPA DM - SUICIDIO INFANTIL SETEMBRO AMARELO
 
Suicídio infantil: estudo dos multifatores da ideação suicida
Suicídio infantil: estudo dos multifatores da ideação suicidaSuicídio infantil: estudo dos multifatores da ideação suicida
Suicídio infantil: estudo dos multifatores da ideação suicida
 
Cartilha de prevencao_ao_suicidio
Cartilha de prevencao_ao_suicidioCartilha de prevencao_ao_suicidio
Cartilha de prevencao_ao_suicidio
 
Ciulla Clínica Psiquiátrica - Risco de Suicídio Entre Idosos
Ciulla Clínica Psiquiátrica - Risco de Suicídio Entre IdososCiulla Clínica Psiquiátrica - Risco de Suicídio Entre Idosos
Ciulla Clínica Psiquiátrica - Risco de Suicídio Entre Idosos
 
Slides para apresentação de seminário integrado
Slides para apresentação de seminário integradoSlides para apresentação de seminário integrado
Slides para apresentação de seminário integrado
 
Atenção ao suicídio setembro 2016
Atenção ao suicídio setembro 2016 Atenção ao suicídio setembro 2016
Atenção ao suicídio setembro 2016
 
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescênciaPrevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
 
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevençãoSuicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção
Suicídio: aspectos gerais e o papel da psicologia na sua compreensão e prevenção
 
Palestra Setembro Amarelo
Palestra Setembro AmareloPalestra Setembro Amarelo
Palestra Setembro Amarelo
 
suicídio fatores de risco
suicídio fatores de riscosuicídio fatores de risco
suicídio fatores de risco
 
Suicídio na adolescência
Suicídio na adolescência Suicídio na adolescência
Suicídio na adolescência
 

Semelhante a ORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDA

Revista bem estar-07-09-14
Revista bem estar-07-09-14Revista bem estar-07-09-14
Revista bem estar-07-09-14Fernanda Caprio
 
Cartilha prevencao ao_suicidio_mpdft
Cartilha prevencao ao_suicidio_mpdftCartilha prevencao ao_suicidio_mpdft
Cartilha prevencao ao_suicidio_mpdftUoston Maia
 
CARTILHA_Precisamos_falar_sobre_o_suicidio-_orientacao_a_populacao_roraimense...
CARTILHA_Precisamos_falar_sobre_o_suicidio-_orientacao_a_populacao_roraimense...CARTILHA_Precisamos_falar_sobre_o_suicidio-_orientacao_a_populacao_roraimense...
CARTILHA_Precisamos_falar_sobre_o_suicidio-_orientacao_a_populacao_roraimense...Gssica17
 
Material-de-Apoio-ENEM-NÃO-TIRA-FÉRIAS-LIVE-JOÃO-SARAIVA-SOUSA-NUNES.pdf
Material-de-Apoio-ENEM-NÃO-TIRA-FÉRIAS-LIVE-JOÃO-SARAIVA-SOUSA-NUNES.pdfMaterial-de-Apoio-ENEM-NÃO-TIRA-FÉRIAS-LIVE-JOÃO-SARAIVA-SOUSA-NUNES.pdf
Material-de-Apoio-ENEM-NÃO-TIRA-FÉRIAS-LIVE-JOÃO-SARAIVA-SOUSA-NUNES.pdfAnaCarol906587
 
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxSetembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxTelma Lima
 
Cartilha mulher violência
Cartilha mulher violênciaCartilha mulher violência
Cartilha mulher violênciakarinatannure
 
Violência e Alcoolismo na Sociedade
Violência e Alcoolismo na SociedadeViolência e Alcoolismo na Sociedade
Violência e Alcoolismo na SociedadeDouglas Lima
 
Perguntas e respostas sobre suicídio
Perguntas e respostas sobre suicídioPerguntas e respostas sobre suicídio
Perguntas e respostas sobre suicídioMANOELJOSEDEARAUJONE
 
Ansiedade, Depressão & superação
Ansiedade, Depressão & superaçãoAnsiedade, Depressão & superação
Ansiedade, Depressão & superaçãoRafael Almeida
 
AUTOMUTILAÇÃO.pptx
AUTOMUTILAÇÃO.pptxAUTOMUTILAÇÃO.pptx
AUTOMUTILAÇÃO.pptxjosefaveloso1
 
A violência na sociedade brasileira
A violência na sociedade brasileiraA violência na sociedade brasileira
A violência na sociedade brasileiraMayara_Sampaio2
 
PRIMEIROS SOCORROS EM TENTATIVAS DE SUICÍDIO, Prof, Enf: Joselene Beatriz
PRIMEIROS SOCORROS EM TENTATIVAS DE SUICÍDIO, Prof, Enf: Joselene BeatrizPRIMEIROS SOCORROS EM TENTATIVAS DE SUICÍDIO, Prof, Enf: Joselene Beatriz
PRIMEIROS SOCORROS EM TENTATIVAS DE SUICÍDIO, Prof, Enf: Joselene Beatrizjoselene beatriz
 
Tema: Suicídio: Identificar Tratar e Previnir
Tema: Suicídio: Identificar Tratar e PrevinirTema: Suicídio: Identificar Tratar e Previnir
Tema: Suicídio: Identificar Tratar e PrevinirDoroteia Múrcia Souza
 
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRERPRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRERRafael Almeida
 
Catarina cruz -_power_point_brutal
Catarina cruz -_power_point_brutalCatarina cruz -_power_point_brutal
Catarina cruz -_power_point_brutalguest4f2f68
 
Abordagem suicídio CA.pdf
Abordagem suicídio CA.pdfAbordagem suicídio CA.pdf
Abordagem suicídio CA.pdfJooPauloBTom
 

Semelhante a ORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDA (20)

Crise e Suicídio
Crise e SuicídioCrise e Suicídio
Crise e Suicídio
 
Revista bem estar-07-09-14
Revista bem estar-07-09-14Revista bem estar-07-09-14
Revista bem estar-07-09-14
 
Cartilha prevencao ao_suicidio_mpdft
Cartilha prevencao ao_suicidio_mpdftCartilha prevencao ao_suicidio_mpdft
Cartilha prevencao ao_suicidio_mpdft
 
CARTILHA_Precisamos_falar_sobre_o_suicidio-_orientacao_a_populacao_roraimense...
CARTILHA_Precisamos_falar_sobre_o_suicidio-_orientacao_a_populacao_roraimense...CARTILHA_Precisamos_falar_sobre_o_suicidio-_orientacao_a_populacao_roraimense...
CARTILHA_Precisamos_falar_sobre_o_suicidio-_orientacao_a_populacao_roraimense...
 
Material-de-Apoio-ENEM-NÃO-TIRA-FÉRIAS-LIVE-JOÃO-SARAIVA-SOUSA-NUNES.pdf
Material-de-Apoio-ENEM-NÃO-TIRA-FÉRIAS-LIVE-JOÃO-SARAIVA-SOUSA-NUNES.pdfMaterial-de-Apoio-ENEM-NÃO-TIRA-FÉRIAS-LIVE-JOÃO-SARAIVA-SOUSA-NUNES.pdf
Material-de-Apoio-ENEM-NÃO-TIRA-FÉRIAS-LIVE-JOÃO-SARAIVA-SOUSA-NUNES.pdf
 
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptxSetembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
Setembro-Amarelo-Vamos-falar-sobre-suicídio.pptx
 
Cartilha mulher violência
Cartilha mulher violênciaCartilha mulher violência
Cartilha mulher violência
 
Violência e Alcoolismo na Sociedade
Violência e Alcoolismo na SociedadeViolência e Alcoolismo na Sociedade
Violência e Alcoolismo na Sociedade
 
Perguntas e respostas sobre suicídio
Perguntas e respostas sobre suicídioPerguntas e respostas sobre suicídio
Perguntas e respostas sobre suicídio
 
Ansiedade, Depressão & superação
Ansiedade, Depressão & superaçãoAnsiedade, Depressão & superação
Ansiedade, Depressão & superação
 
AUTOMUTILAÇÃO.pptx
AUTOMUTILAÇÃO.pptxAUTOMUTILAÇÃO.pptx
AUTOMUTILAÇÃO.pptx
 
setembro amarelo Dr Celiomar.pptx
setembro amarelo Dr Celiomar.pptxsetembro amarelo Dr Celiomar.pptx
setembro amarelo Dr Celiomar.pptx
 
A violência na sociedade brasileira
A violência na sociedade brasileiraA violência na sociedade brasileira
A violência na sociedade brasileira
 
PRIMEIROS SOCORROS EM TENTATIVAS DE SUICÍDIO, Prof, Enf: Joselene Beatriz
PRIMEIROS SOCORROS EM TENTATIVAS DE SUICÍDIO, Prof, Enf: Joselene BeatrizPRIMEIROS SOCORROS EM TENTATIVAS DE SUICÍDIO, Prof, Enf: Joselene Beatriz
PRIMEIROS SOCORROS EM TENTATIVAS DE SUICÍDIO, Prof, Enf: Joselene Beatriz
 
Tema: Suicídio: Identificar Tratar e Previnir
Tema: Suicídio: Identificar Tratar e PrevinirTema: Suicídio: Identificar Tratar e Previnir
Tema: Suicídio: Identificar Tratar e Previnir
 
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRERPRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
 
Suicídio.pptx
Suicídio.pptxSuicídio.pptx
Suicídio.pptx
 
Catarina cruz -_power_point_brutal
Catarina cruz -_power_point_brutalCatarina cruz -_power_point_brutal
Catarina cruz -_power_point_brutal
 
Revista Grito de Alerta -Tema Suicídio.
Revista Grito de Alerta -Tema Suicídio.Revista Grito de Alerta -Tema Suicídio.
Revista Grito de Alerta -Tema Suicídio.
 
Abordagem suicídio CA.pdf
Abordagem suicídio CA.pdfAbordagem suicídio CA.pdf
Abordagem suicídio CA.pdf
 

Mais de Rafael Almeida

FENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIA
FENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIAFENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIA
FENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIARafael Almeida
 
Defesa civil volume II
Defesa civil volume IIDefesa civil volume II
Defesa civil volume IIRafael Almeida
 
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISEINSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISERafael Almeida
 
PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL
PSICOLOGIA ORGANIZACIONALPSICOLOGIA ORGANIZACIONAL
PSICOLOGIA ORGANIZACIONALRafael Almeida
 
Aconselhamento Cristão nas questões pessoais
Aconselhamento Cristão nas questões pessoaisAconselhamento Cristão nas questões pessoais
Aconselhamento Cristão nas questões pessoaisRafael Almeida
 
PSICOLOGIA DA CRIATIVIDADE
PSICOLOGIA DA CRIATIVIDADEPSICOLOGIA DA CRIATIVIDADE
PSICOLOGIA DA CRIATIVIDADERafael Almeida
 
Estresse e Alcoolismo na Atividade Policial
Estresse e Alcoolismo na Atividade PolicialEstresse e Alcoolismo na Atividade Policial
Estresse e Alcoolismo na Atividade PolicialRafael Almeida
 
EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...
EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...
EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...Rafael Almeida
 
RELAÇÕES INTERPESSOAIS
RELAÇÕES INTERPESSOAISRELAÇÕES INTERPESSOAIS
RELAÇÕES INTERPESSOAISRafael Almeida
 
ORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZUL
ORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZULORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZUL
ORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZULRafael Almeida
 
Comunicação organizacional
Comunicação organizacionalComunicação organizacional
Comunicação organizacionalRafael Almeida
 
Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...
Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...
Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...Rafael Almeida
 
Depressão: Quando a fraqueza ganha força!
Depressão: Quando a fraqueza ganha força!Depressão: Quando a fraqueza ganha força!
Depressão: Quando a fraqueza ganha força!Rafael Almeida
 

Mais de Rafael Almeida (20)

EDUCAÇÃO EMOCIONAL
EDUCAÇÃO EMOCIONALEDUCAÇÃO EMOCIONAL
EDUCAÇÃO EMOCIONAL
 
FENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIA
FENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIAFENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIA
FENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIA
 
Defesa civil volume II
Defesa civil volume IIDefesa civil volume II
Defesa civil volume II
 
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISEINSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
 
DEFESA CIVIL
DEFESA CIVILDEFESA CIVIL
DEFESA CIVIL
 
FENOMENOLOGIA
FENOMENOLOGIA FENOMENOLOGIA
FENOMENOLOGIA
 
LIDERANÇA
LIDERANÇALIDERANÇA
LIDERANÇA
 
PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL
PSICOLOGIA ORGANIZACIONALPSICOLOGIA ORGANIZACIONAL
PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL
 
Aconselhamento Cristão nas questões pessoais
Aconselhamento Cristão nas questões pessoaisAconselhamento Cristão nas questões pessoais
Aconselhamento Cristão nas questões pessoais
 
PSICOLOGIA DA CRIATIVIDADE
PSICOLOGIA DA CRIATIVIDADEPSICOLOGIA DA CRIATIVIDADE
PSICOLOGIA DA CRIATIVIDADE
 
Estresse e Alcoolismo na Atividade Policial
Estresse e Alcoolismo na Atividade PolicialEstresse e Alcoolismo na Atividade Policial
Estresse e Alcoolismo na Atividade Policial
 
MOTIVAÇÃO
MOTIVAÇÃOMOTIVAÇÃO
MOTIVAÇÃO
 
EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...
EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...
EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...
 
RELAÇÕES INTERPESSOAIS
RELAÇÕES INTERPESSOAISRELAÇÕES INTERPESSOAIS
RELAÇÕES INTERPESSOAIS
 
ORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZUL
ORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZULORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZUL
ORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZUL
 
Comunicação organizacional
Comunicação organizacionalComunicação organizacional
Comunicação organizacional
 
Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...
Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...
Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...
 
Depressão: Quando a fraqueza ganha força!
Depressão: Quando a fraqueza ganha força!Depressão: Quando a fraqueza ganha força!
Depressão: Quando a fraqueza ganha força!
 
Linguagem
LinguagemLinguagem
Linguagem
 
Esvanecimento
EsvanecimentoEsvanecimento
Esvanecimento
 

Último

"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptParticular
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxlucivaniaholanda
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 

Último (20)

"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 

ORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDA

  • 1.
  • 3. O Relatório Global Para Prevenção do Suicídio da OMS aponta que mais de 800 mil pessoas se matam anualmente ao redor do mundo, perfazendo uma taxa de 11,4 mortes para cada 100 mil habitantes. Isso equivale a uma morte a cada 40 segundos. Brasil no ranking como 8º país em número de suicídios. 11.821 suicídios registrados de 9.198 homens e 2.623 mulheres. Índia - 258 mil óbitos. China - 120,7 mil. EUA - 43 mil. Rússia - 31 mil. Japão - 29 mil. Coreia do Sul - 17 mil. Paquistão -13 mil.
  • 4. No Brasil a mortalidade anual decorrente de suicídios vem se aproximando do número de óbitos decorrentes da Aids. Em 2014 a Aids matou 12.575. No mesmo período suicidaram 11.821 pessoas. No mundo, o suicídio foi a 2ª causa de morte entre pessoas de 15 e 29 anos, ficando atrás dos acidentes de trânsito, que são responsáveis pelo maior número de mortes nesta faixa etária. (PERASSO, 2015).
  • 5. Todo caso de morte que resulta direta ou indiretamente de um ato, positivo ou negativo, realizado pela própria vítima e que ela saiba que produziria esse resultado. Há um comportamento suicida que envolve a tomada de decisão. A tentativa se enquadra como o ato suicida interrompido.
  • 6.
  • 7. Todo um comportamento suicida envolve um processo de tomada de decisão, que se dá através da: Intenção suicida; Ideação manifestada; Tentativa; Consumação. (Suicídio nas forças policiais: um estudo comparativo na PSP, GNRe PJ. Porto, 2007).
  • 8. Propensão; Desejo; Vontade continuada. A intenção pode desencadear o processo de tomada de decisão. Pode ter nexo causal.
  • 9. Pensamento, ameaças e plano: Trata-se do primeiro estágio do comportamento suicida e engloba dois momentos distintos: a formulação de pensamentos e ameaças de autodestruição objetivando a morte e a etapa de elaboração de um plano, um planejamento para que o
  • 10. Fase em que o indivíduo utiliza meios capazes de ceifar sua vida. Observa-se: O grau de intenção manifesta de morrer; A gravidade médica do ato pretendido; O método empregado.
  • 11. Representa o sucesso do indivíduo na sua tentativa de ceifar a própria vida, é a tentativa bem-sucedida. Estima-se ainda que apenas 10% dos tentantes obtenham êxito. A consecução não significa que a ajuda ofertada foi falha. (CORDEIRO,2010, p. 47-48 apud NUNES DA SILVA, 2014, p. 23 Marcha soldado - sonhos, pressão de dilemas: do que são feitos os novos policiais militares de SP.).
  • 12. A intenção pode desencadear o processo de tomada de decisão. Pode ter nexo causal.
  • 13. Caracterizado pela fraca interação do agente com seu meio social. Seus vínculos são tão frágeis que o levam a uma grande desmotivação, o que progride para a depressão. Falta razão de ser. Baixa frustração à perda de pessoas ou objetos de afeto.
  • 14. Marcado pela interação social extremamente forte agente para com a comunidade que o cerca. Assim, sua ocorrência se dá por um motivo maior que o próprio indivíduo, o suicida atua em prol da comunidade a que pertence, de modo que tira a própria vida para não representar um fardo em seu meio social.
  • 15. Quando a sociedade deixa de regular a vida do indivíduo e suas demandas pessoais, financeiras, emocionais ou afetivas não se sustentam mais na situação social que se apresenta. Diante de uma quebra brusca de um padrão social, o qual implica na imagem que a pessoa sustenta diante de uma coletividade. Mais recorrente entre os policiais
  • 16.
  • 18. relacionam-se com o nível de consciência do agente. Através do seu discurso é possível avaliar o estado de saúde mental atual (níveis de consciência e estado e de juízo). Pensamento e planejamento
  • 19. Tentativa e Execução Deve-se observar o grau de ação sobre o planejamento e quão cedo o ato está para ser realizado. É importante acionar o sistema de apoio social da pessoa (família, amigos etc.) (BRASIL, 2006, p. 57Prevenção do suicídio Vídeo socorro
  • 20.
  • 21. Natureza da sua profissão; O risco de vida; A desregulação do sono; A privação de convívio familiar; Por conta de fatores estressores os policiais estão mais propensos ao cometimento do suicídio que a maioria das demais profissões.
  • 22. Além dos fatores pessoais que podem levar qualquer pessoa ao cometimento do ato suicida, os policiais lidam com fatores organizacionais que influenciam esse comportamento. A estrutura organizacional; A cultura policial; O isolamento social; A imagem pública negativa; O stress; O acesso à arma.
  • 23. a estrutura organizacional das corporações policiais limita a liberdade (inclusive de expressão) dos integrantes da força, gerando frustração nos policiais e, consequentemente, remetendo os agentes a pensamentos negativos, levando-os, por fim, à infelicidade.
  • 24. O status de polícia constante pode trazer prejuízo em outros papéis ou identidades sociais. Pode proporcionar um afastamento da sociedade e enfraquecer importantes vínculos que funcionariam como fatores protetores do suicídio policial.
  • 25. A atividade repressora da força estatal tende a causar uma resistência por uma parcela da sociedade. O avanço de políticas liberais também favorece a perda da tradição de legitimidade, culminando com o aumento da hostilização por parte de alguns setores da comunidade. O fato dos agentes constituírem a última barreira entre o cumprimento da lei e a consecução do ato delituoso, põe a ação policial em cheque, principalmente quando a mídia enfatiza os aspectos negativos da atuação policial.
  • 26. O perigo; O sentimento de inutilidade; O convívio com as mazelas sociais; O desprezo social; O trabalho por turnos de serviço; A morte de parceiros em serviço. O stress desencadeia uma série de desequilíbrios químicos no organismo, responsáveis pelo aparecimento de várias doenças físicas e mentais.
  • 27. As armas são o método eleito em 95% dos suicídios na polícia. O policial que decide tirar a própria vida possui um meio de alta letalidade para atingir seu intento, o que afasta o medo de sobreviver com sequelas e sofrer ainda mais do que já vinha sofrendo. Acredita que o suicídio porá fim aos seus problemas e a arma o ajuda a resolver isso com mais facilidade. Fica, portanto, encorajado a se matar. O acesso à arma em tempo integral também influencia na prática suicida por policiais
  • 28.
  • 29. Os sentimentos indicativos de risco suicida: • Depressão; • Desesperança; • Desamparo; • Desespero 4D do suicídio
  • 30. • Status socioeconômico e nível de educação baixos; • Perda de emprego; • Stress social; • Problemas com o funcionamento da família, relações sociais e sistemas de apoio; • Trauma, tal como abuso físico e sexual; • Perdas pessoais; • Perturbações mentais tais como depressão, perturbações da personalidade, esquizofrenia e abuso de álcool e de substâncias; • Sentimentos de baixa autoestima ou de desesperança; • Questões de orientação sexual (tais como homossexualidade);
  • 31. • Comportamentos idiossincráticos; • Pouco discernimento, falta de controle da impulsividade, e comportamentos autodestrutivos; • Poucas competências para enfrentar problemas; • Doença física e dor crônica; • Exposição ao suicídio de outras pessoas; • Acesso a meios para conseguir fazer-se mal; • Acontecimentos destrutivos e violentos (tais como guerra ou desastres catastróficos).
  • 32.
  • 33. Vínculos saudáveis com pessoas, família e instituições; Existência de um projeto de vida com metas alcançáveis; Modelos sociais que promovam a valorização da vida e da saúde física e mental; Ambiente de trabalho saudável; Autoestima elevada; Exercício da espiritualidade; Manejo razoável do humor e do estado de ansiedade;
  • 34.
  • 35. 1. O primeiro passo é achar um lugar adequado, onde uma conversa tranquila possa ser mantida com privacidade razoável. Preocupar-se com o local já é uma forma de demonstrar acolhimento.
  • 36. 2. Reserve o tempo necessário e apropriado. Pessoas com ideação suicida usualmente necessitam de mais tempo e paciência para deixar de se sentirem um fardo. É preciso também estar disponível emocionalmente para lhes dar atenção.
  • 37. 3. Ouça com atenção. A escuta é por si só o maior passo para reduzir o nível de desespero suicida. O objetivo é preencher uma lacuna criada pela desconfiança, pelo desespero e pela perda de esperança e dar à pessoa um acolhimento no presente, um conforto diante de sua dor existencial. Uma abordagem calma, aberta, de aceitação e de não-julgamento é fundamental para facilitar a comunicação.
  • 38. 4.Entenda os sentimentos da pessoa (empatia). • Dê mensagens não verbais de aceitação e respeito. • Expresse respeito pelas opiniões e pelos valores da pessoa. • Converse honestamente e com autenticidade. • Mostre sua preocupação, seu cuidado e sua afeição. • Focalize nos sentimentos da pessoa.
  • 39. •Tente não interromper frequentemente. • Não demonstre que está chocado ou muito emocionado. • Não diga que você está ocupado. • Não Faça o problema parecer trivial. • Não trate a pessoa de uma maneira que possa colocá-la numa posição de inferioridade. • Não diga simplesmente que tudo vai ficar bem. Opte em dizer que entende a dor e a situação que a 5. Jamais emita qualquer juízo de valor e qualquer julgamento;
  • 40.
  • 41. 1) Preste atenção nas frases de alerta, como: “Eu preferia estar morto”; “Eu não aguento mais”, entre outras; 2) Providencie um ambiente reservado e seguro para conversar com a pessoa; 3) Ouça atentamente os problemas, buscando identificar aspectos do estado mental do agente, do seu plano suicida e de seu sistema de apoio social; 4) Emita sinais não verbais de aprovação durante o diálogo, como um breve aceno de cabeça validando o que o policial está contando; e olhe sempre nos olhos dele. 5) Promova uma comunicação empática, demonstrando interesse pelo que está sendo dito.
  • 42. 6) Tente apresentar perspectivas positivas para a situação sem, contudo, fazer o sofrimento parecer algo trivial; 7) Jamais menospreze o sofrimento apresentado e nem use expressões que o inferiorizem; 8) Nunca utilize a hierarquia para tentar impor sua forma de pensar; 9) Nunca emita julgamentos acerca da situação, mesmo que de forma não-verbal;
  • 43. Cabo PM Rafael Almeida Psicólogo clínico - CRP04/45541 almeidaquerfalar@gmail.com