SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Por Rafael Almeida
Psicólogo Clínico CRP04/45541
Professor substituto da Disciplina de
Desenvolvimento Interpessoal
CFSD2016 PMMG
Carta a cada
menino tímido
que entrou em
colégio novo
são exatamente aquilo que a própria palavra parece conotar: deficiências. Elas podem estar baseadas
em exigências corporais específicas, na aprendizagem ou em alguma combinação de ambas. (Ex: FOME,
SONO, CURIOSIDADE)
Aqueles que surgem para satisfazer necessidades básicas relacionadas
com a sobrevivência e derivados da fisiologia. (Ex: sede).
refere-se a um estado interno que pode resultar de uma
necessidade. É descrito como ativador, ou despertador, de
comportamento geralmente dirigido para a satisfação da
necessidade instigadora. Motivos estabelecidos principalmente pela
experiência são conhecidos simplesmente como motivos. (Ex: Ir à
padaria)
CONCEITOS E DEFINIÇÕES
(DAVIDOFF 2001, p. 325)
A maioria dos autores considera a motivação
humana como um processo psicológico
estreitamente relacionado com o impulso ou com
a tendência a realizar com persistência
determinados comportamentos.
• A motivação é o resultado da interação do indivíduo com a
situação.
• Não é algo que possa ser diretamente observado; infere-se a
existência de motivação observando o comportamento.
• Se caracteriza pela energia relativamente forte dispendida e por
estar dirigido para um objetivo ou meta.
O que nos mantém focados em nosso propósito.
Existem dois modelos de motivação:
Para este modelo o corpo apresenta padrões de referência na
programação de suas necessidades, que podem ser ótimos, ideais
ou equilibrados. Quando o corpo afasta-se substancialmente de
um de seus padrões de referência, surge uma necessidade, que
ativa um motivo. O motivo desencadeia um comportamento
voltado para o retorno ao equilíbrio. A motivação serve a autor
regulação, ou homeostase.
Ex: Temperatura corporal;
Os incentivos são definidos como objetos, eventos ou condições
que incitam a ação. Neste modelo, a vivência e os incentivos
recebidos afetam as cognições e as emoções, levando a
motivação.
A motivação aciona um comportamento, que poderá influenciar
novamente as cognições e as emoções, alterando-as.
Ex: recomendação médica;
Há dois tipos de incentivos: os intrínsecos e os
extrínsecos . Talvez você queira o churrasco porque
sentiu o cheiro e viu o ambiente agradável da
churrascaria (inc. extrínseco) ou porque está com
fome(inc. intrínseco).
O oferecimento de recompensas pode diminuir o efeito dos
incentivos intrínsecos.
Salientam –se três componentes
na motivação:
• O impulso;
• A direção;
• A persistência do comportamento.
Se o indivíduo não encontrar no trabalho meios de satisfazer as suas expectativas e de
atingir as metas, principais da sua existência, ela não se sentirá numa relação de troca, mas
de exploração. (Tamayo; Paschoal, 2003, p.36)
É polêmico dizer que “ninguém motiva ninguém”, mas a motivação é um tipo de ação que vem dos próprios
indivíduos. As pessoas são auto motivadas, pois nem sempre são conscientes de suas necessidades e desejos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
 
história da psicologia social
história da psicologia social história da psicologia social
história da psicologia social
 
Luto
LutoLuto
Luto
 
Estudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínicaEstudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínica
 
Maslow - A Hierarquia das Necessidades
Maslow - A Hierarquia das NecessidadesMaslow - A Hierarquia das Necessidades
Maslow - A Hierarquia das Necessidades
 
Existencialismo e Psicologia - minicurso slides
Existencialismo e Psicologia - minicurso slidesExistencialismo e Psicologia - minicurso slides
Existencialismo e Psicologia - minicurso slides
 
COMPORTAMENTO DE GRUPO.ppt
COMPORTAMENTO DE GRUPO.pptCOMPORTAMENTO DE GRUPO.ppt
COMPORTAMENTO DE GRUPO.ppt
 
A historia da gestalt
A historia da gestaltA historia da gestalt
A historia da gestalt
 
Fenomenologia e a psicologia
Fenomenologia e a psicologiaFenomenologia e a psicologia
Fenomenologia e a psicologia
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
 
Introdução ao estudo de psicologia de grupos
Introdução ao estudo de psicologia de gruposIntrodução ao estudo de psicologia de grupos
Introdução ao estudo de psicologia de grupos
 
Teoria e técnica de dinâmica de grupo
Teoria e técnica de dinâmica de grupoTeoria e técnica de dinâmica de grupo
Teoria e técnica de dinâmica de grupo
 
Introdução à psicologia
Introdução à psicologiaIntrodução à psicologia
Introdução à psicologia
 
Gestalt-Terapia
Gestalt-TerapiaGestalt-Terapia
Gestalt-Terapia
 
Transtornos ansiosos
Transtornos ansiososTranstornos ansiosos
Transtornos ansiosos
 
Aula 1. a teoria de traço fatorial analítica de raymond cattell
Aula 1. a teoria de traço fatorial analítica de raymond cattellAula 1. a teoria de traço fatorial analítica de raymond cattell
Aula 1. a teoria de traço fatorial analítica de raymond cattell
 
Grupos
GruposGrupos
Grupos
 
Existencial - Humanista
Existencial - HumanistaExistencial - Humanista
Existencial - Humanista
 
O luto slid ucan.2016
O luto slid   ucan.2016O luto slid   ucan.2016
O luto slid ucan.2016
 
Psicoterapias
PsicoterapiasPsicoterapias
Psicoterapias
 

Semelhante a Carta a cada menino tímido que entrou em colégio novo

Semelhante a Carta a cada menino tímido que entrou em colégio novo (20)

06p motivacao -
06p   motivacao -06p   motivacao -
06p motivacao -
 
Fatores motivacionais.pdf
Fatores motivacionais.pdfFatores motivacionais.pdf
Fatores motivacionais.pdf
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
 
Motivação Pessoal
Motivação PessoalMotivação Pessoal
Motivação Pessoal
 
tipos_de_motivacao
tipos_de_motivacaotipos_de_motivacao
tipos_de_motivacao
 
Ipes de setembro
Ipes de setembroIpes de setembro
Ipes de setembro
 
Curso de chefia e liderança parte 4/6
Curso de chefia e liderança   parte 4/6Curso de chefia e liderança   parte 4/6
Curso de chefia e liderança parte 4/6
 
Conceito motivaçao
Conceito motivaçaoConceito motivaçao
Conceito motivaçao
 
Os processos conativos
Os processos conativosOs processos conativos
Os processos conativos
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
 
Psicologia da Aprendizagem
Psicologia da AprendizagemPsicologia da Aprendizagem
Psicologia da Aprendizagem
 
Motivação - Processos Psicológicos Básicos
Motivação - Processos Psicológicos BásicosMotivação - Processos Psicológicos Básicos
Motivação - Processos Psicológicos Básicos
 
Aula12
Aula12Aula12
Aula12
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
 
Processos Emocionais E Processos Conativos
Processos Emocionais E Processos ConativosProcessos Emocionais E Processos Conativos
Processos Emocionais E Processos Conativos
 
Motivacao
MotivacaoMotivacao
Motivacao
 
Enfrentamento do estresse e da síndrome de burnout
Enfrentamento do estresse e da síndrome de burnoutEnfrentamento do estresse e da síndrome de burnout
Enfrentamento do estresse e da síndrome de burnout
 
Motivacao
MotivacaoMotivacao
Motivacao
 
Motivação intrínseca e motivação extrínseca
Motivação intrínseca e motivação extrínsecaMotivação intrínseca e motivação extrínseca
Motivação intrínseca e motivação extrínseca
 

Mais de Rafael Almeida

ORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDA
ORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDAORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDA
ORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDARafael Almeida
 
FENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIA
FENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIAFENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIA
FENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIARafael Almeida
 
Defesa civil volume II
Defesa civil volume IIDefesa civil volume II
Defesa civil volume IIRafael Almeida
 
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISEINSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISERafael Almeida
 
PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL
PSICOLOGIA ORGANIZACIONALPSICOLOGIA ORGANIZACIONAL
PSICOLOGIA ORGANIZACIONALRafael Almeida
 
Aconselhamento Cristão nas questões pessoais
Aconselhamento Cristão nas questões pessoaisAconselhamento Cristão nas questões pessoais
Aconselhamento Cristão nas questões pessoaisRafael Almeida
 
PSICOLOGIA DA CRIATIVIDADE
PSICOLOGIA DA CRIATIVIDADEPSICOLOGIA DA CRIATIVIDADE
PSICOLOGIA DA CRIATIVIDADERafael Almeida
 
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRERPRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRERRafael Almeida
 
Ansiedade, Depressão & superação
Ansiedade, Depressão & superaçãoAnsiedade, Depressão & superação
Ansiedade, Depressão & superaçãoRafael Almeida
 
Estresse e Alcoolismo na Atividade Policial
Estresse e Alcoolismo na Atividade PolicialEstresse e Alcoolismo na Atividade Policial
Estresse e Alcoolismo na Atividade PolicialRafael Almeida
 
EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...
EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...
EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...Rafael Almeida
 
RELAÇÕES INTERPESSOAIS
RELAÇÕES INTERPESSOAISRELAÇÕES INTERPESSOAIS
RELAÇÕES INTERPESSOAISRafael Almeida
 
ORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZUL
ORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZULORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZUL
ORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZULRafael Almeida
 
Comunicação organizacional
Comunicação organizacionalComunicação organizacional
Comunicação organizacionalRafael Almeida
 
Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...
Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...
Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...Rafael Almeida
 
Depressão: Quando a fraqueza ganha força!
Depressão: Quando a fraqueza ganha força!Depressão: Quando a fraqueza ganha força!
Depressão: Quando a fraqueza ganha força!Rafael Almeida
 

Mais de Rafael Almeida (20)

EDUCAÇÃO EMOCIONAL
EDUCAÇÃO EMOCIONALEDUCAÇÃO EMOCIONAL
EDUCAÇÃO EMOCIONAL
 
ORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDA
ORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDAORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDA
ORIENTAÇÕES EM CRISES ENVOLVENDO PESSOAS EM IDEAÇÃO SUICIDA
 
FENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIA
FENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIAFENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIA
FENOMENOLOGIA E AS IMPLICAÇÕES DA CONSCIÊNCIA
 
Defesa civil volume II
Defesa civil volume IIDefesa civil volume II
Defesa civil volume II
 
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISEINSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
INSTÂNCIAS PSÍQUICAS E ESTRUTURAS DA PERSONALIDADE À LUZ DA PSICANÁLISE
 
DEFESA CIVIL
DEFESA CIVILDEFESA CIVIL
DEFESA CIVIL
 
FENOMENOLOGIA
FENOMENOLOGIA FENOMENOLOGIA
FENOMENOLOGIA
 
LIDERANÇA
LIDERANÇALIDERANÇA
LIDERANÇA
 
PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL
PSICOLOGIA ORGANIZACIONALPSICOLOGIA ORGANIZACIONAL
PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL
 
Aconselhamento Cristão nas questões pessoais
Aconselhamento Cristão nas questões pessoaisAconselhamento Cristão nas questões pessoais
Aconselhamento Cristão nas questões pessoais
 
PSICOLOGIA DA CRIATIVIDADE
PSICOLOGIA DA CRIATIVIDADEPSICOLOGIA DA CRIATIVIDADE
PSICOLOGIA DA CRIATIVIDADE
 
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRERPRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
PRONTOS PARA MATAR E PARA MORRER
 
Ansiedade, Depressão & superação
Ansiedade, Depressão & superaçãoAnsiedade, Depressão & superação
Ansiedade, Depressão & superação
 
Estresse e Alcoolismo na Atividade Policial
Estresse e Alcoolismo na Atividade PolicialEstresse e Alcoolismo na Atividade Policial
Estresse e Alcoolismo na Atividade Policial
 
EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...
EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...
EU E OS OUTROS - UM ENSAIO SOBRE A COMPETÊNCIA INTERPESSOAL BASEADO NO SERIAD...
 
RELAÇÕES INTERPESSOAIS
RELAÇÕES INTERPESSOAISRELAÇÕES INTERPESSOAIS
RELAÇÕES INTERPESSOAIS
 
ORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZUL
ORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZULORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZUL
ORIENTAÇÕES PARA PAIS E ADOLESCENTES - JOGO DA BALEIA AZUL
 
Comunicação organizacional
Comunicação organizacionalComunicação organizacional
Comunicação organizacional
 
Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...
Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...
Relato de uma vivência sob a ótica do Existencialismo. Estudo de caso sobre M...
 
Depressão: Quando a fraqueza ganha força!
Depressão: Quando a fraqueza ganha força!Depressão: Quando a fraqueza ganha força!
Depressão: Quando a fraqueza ganha força!
 

Carta a cada menino tímido que entrou em colégio novo

  • 1. Por Rafael Almeida Psicólogo Clínico CRP04/45541 Professor substituto da Disciplina de Desenvolvimento Interpessoal CFSD2016 PMMG
  • 2. Carta a cada menino tímido que entrou em colégio novo
  • 3. são exatamente aquilo que a própria palavra parece conotar: deficiências. Elas podem estar baseadas em exigências corporais específicas, na aprendizagem ou em alguma combinação de ambas. (Ex: FOME, SONO, CURIOSIDADE) Aqueles que surgem para satisfazer necessidades básicas relacionadas com a sobrevivência e derivados da fisiologia. (Ex: sede). refere-se a um estado interno que pode resultar de uma necessidade. É descrito como ativador, ou despertador, de comportamento geralmente dirigido para a satisfação da necessidade instigadora. Motivos estabelecidos principalmente pela experiência são conhecidos simplesmente como motivos. (Ex: Ir à padaria) CONCEITOS E DEFINIÇÕES (DAVIDOFF 2001, p. 325)
  • 4. A maioria dos autores considera a motivação humana como um processo psicológico estreitamente relacionado com o impulso ou com a tendência a realizar com persistência determinados comportamentos.
  • 5. • A motivação é o resultado da interação do indivíduo com a situação. • Não é algo que possa ser diretamente observado; infere-se a existência de motivação observando o comportamento. • Se caracteriza pela energia relativamente forte dispendida e por estar dirigido para um objetivo ou meta.
  • 6.
  • 7. O que nos mantém focados em nosso propósito. Existem dois modelos de motivação:
  • 8. Para este modelo o corpo apresenta padrões de referência na programação de suas necessidades, que podem ser ótimos, ideais ou equilibrados. Quando o corpo afasta-se substancialmente de um de seus padrões de referência, surge uma necessidade, que ativa um motivo. O motivo desencadeia um comportamento voltado para o retorno ao equilíbrio. A motivação serve a autor regulação, ou homeostase. Ex: Temperatura corporal;
  • 9.
  • 10. Os incentivos são definidos como objetos, eventos ou condições que incitam a ação. Neste modelo, a vivência e os incentivos recebidos afetam as cognições e as emoções, levando a motivação. A motivação aciona um comportamento, que poderá influenciar novamente as cognições e as emoções, alterando-as. Ex: recomendação médica;
  • 11.
  • 12. Há dois tipos de incentivos: os intrínsecos e os extrínsecos . Talvez você queira o churrasco porque sentiu o cheiro e viu o ambiente agradável da churrascaria (inc. extrínseco) ou porque está com fome(inc. intrínseco). O oferecimento de recompensas pode diminuir o efeito dos incentivos intrínsecos.
  • 13.
  • 14. Salientam –se três componentes na motivação: • O impulso; • A direção; • A persistência do comportamento. Se o indivíduo não encontrar no trabalho meios de satisfazer as suas expectativas e de atingir as metas, principais da sua existência, ela não se sentirá numa relação de troca, mas de exploração. (Tamayo; Paschoal, 2003, p.36)
  • 15. É polêmico dizer que “ninguém motiva ninguém”, mas a motivação é um tipo de ação que vem dos próprios indivíduos. As pessoas são auto motivadas, pois nem sempre são conscientes de suas necessidades e desejos.