SlideShare uma empresa Scribd logo
E. E. MANOEL BONIFÁCIO NUNES DA CUNHA
                 GESTAR II
      PROFª IZOLDA FERREIRA DA SILVA




       Oralidade, escrita e mídia
2



             Campo Grande, MS
                   2009
E. E. MANOEL BONIFÁCIO NUNES DA CUNHA
                 GESTAR II
      PROFª IZOLDA FERREIRA DA SILVA




       Oralidade, escrita e mídia




                            O projeto “Oralidade, escrita e mídia” é
                            parte da avaliação do curso GESTAR II
                            desenvolvido com os alunos do 8º ano
                            B sob orientação da profª Izolda
                            Ferreira da Silva.
3



                                Campo Grande, MS
                                      2009
                                  SUMÁRIO



1. PUBLICO ALVO.

2. TEMÁTICA.
2.1. Delimitação de área.
2.2. Delimitação de tema.

3. JUSTIFICATIVA.

4. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA.
  4.1. Concepções de Linguagem.
  4.2. Da oralidade à escrita.
         4.2.1. Da escrita à informática.
         4.2.2. A didática na era tecnológica.
         4.2.3. Tecnologia, Informação e Comunicação.
         4.2.4. Internet.
         4.1.5. Podcast Station

5. OBJETIVO GERAL.

6. OBJETIVOS ESPECÍFICOS.

7. METODOLOGIA.

8. CRONOGRAMA.

9. AVALIAÇÃO.

10. EQUIPE DE TRABALHO.

11. CONSIDERAÇÕES FINAIS.

12. ANEXOS

13. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.
4




     1. PUBLICO ALVO

     Alunos do 8º ano do ensino fundamental da escola Manoel Bonifácio Nunes da Cunha
do período matutino, sala com 25 alunos. O projeto será executado nas aulas de Língua
Portuguesa especificamente no período de outubro e novembro de 2009.




     2. TEMÁTICA:

         2.1. - Delimitação da área: Língua Portuguesa.

       2.2. Delimitação de tema: Oralidade, escrita e recursos multimídia.



     3. JUSTIFICATIVA

     O domínio da língua, oral e escrita, é fundamental para a participação social efetiva,
pois é por meio dela que o homem se comunica, tem acesso à informação, expressa e defende
pontos de vista, partilha ou constrói visões de mundo, produz conhecimento. Por isso, ao
ensiná-la, a escola tem a responsabilidade de garantir a todos os seus alunos o acesso aos
saberes lingüísticos, necessários para o exercício da cidadania, direito inalienável de todos.
(PCN).
     Eleger a língua oral como conteúdo escolar exige o planejamento da ação pedagógica de
forma a garantir, na sala de aula, atividades sistemáticas de fala, escuta e reflexão sobre a
língua. São essas situações que podem se converter em boas situações de aprendizagem sobre
os usos e as formas da língua oral: atividades de produção e interpretação de uma ampla
variedade de textos orais, de observação de diferentes usos, de reflexão sobre os recursos que
a língua oferece para alcançar diferentes finalidades comunicativas.
     Para isso, é necessário diversificar as situações propostas tanto em relação ao tipo de
assunto como em relação aos aspectos formais e ao tipo de atividade que demandam — fala,
escuta e/ou reflexão sobre a língua. Supõe também um profundo respeito pelas formas de
expressão oral trazidas pelos alunos de suas comunidades e um grande empenho por ensinar-
lhes o exercício da adequação aos contextos comunicativos, frente a diferentes interlocutores,
a partir de intenções de natureza diversa.
5



     É fundamental que essa tarefa didática se organize de tal maneira que os alunos
transitem das situações mais informais e coloquiais que já dominam ao entrar na escola a
outras mais estruturadas e formais, para que possam conhecer seus modos de funcionamento e
aprender a utilizá-las.
     O presente projeto de pesquisa intitulado “Oralidade, escrita e Mídia” surgiu a partir da
observação das dificuldades encontradas nos alunos em relação à oralidade e à escrita, durante
o desenvolvimento das atividades do Gestar II que priorizam estas práticas, nas aulas de
Língua Portuguesa.
     Sendo a escola um dos ambientes privilegiados para o desenvolvimento dessas
habilidades, este projeto de pesquisa tem como objetivo oferecer novas técnicas de busca dos
meios em que os alunos possam desenvolver tais habilidades durante as aulas de Língua
Portuguesa se utilizando de ferramentas tecnológicas, mais necessariamente ligadas ao
ambiente multimídia, uma vez que farão pesquisas, produzirão narrativas de jogos, rodeios,
fábulas e canções para transporem para a linguagem oral e escrita, e perceberem na prática a
relação entre esses gêneros.




     4. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA



     4.1. Concepções de Linguagem


     O ensino de língua portuguesa é influenciado pela maneira de como o professor concebe
a linguagem, pois a concepção que se tem da linguagem é que estrutura o trabalho em sala de
aula. Segundo Geraldi (1984: 42) a resposta para a questão: “Para que ensinamos”, “envolve
tanto uma ‘concepção de linguagem’ quanto uma postura relativamente à educação”.


     Existem três concepções de linguagem que podem ser relacionadas às teorias e às
práticas docentes no ensino da língua:


     a) a linguagem como expressão do pensamento: esta concepção “fundamenta os estudos
tradicionais da língua (...) o ensino de língua enfatiza a gramática teórico-normativa:
6



conceituar, classificar, para, sobretudo, entender e seguir as prescrições – em relação à
concordância, à regência, à acentuação, à pontuação, ao uso ortográfico. O eixo da progressão
curricular e dos manuais didáticos são os itens gramaticais.” (Perfeito, 2005:29). A linguagem
é vista como exteriorização, tradução do que se constrói na mente.


     b) a linguagem como instrumento de comunicação: nesta concepção, a língua é um
código (conjunto de signos que se combinam segundo regras) que permite transmitir uma
mensagem. Nos livros didáticos, sem, contudo abandonar o ensino da gramática tradicional,
os fatos lingüísticos são estudados através de exercícios estruturais morfossintáticos para que
os hábitos lingüísticos da norma culta sejam inconscientemente internalizados. A leitura
restringe-se à decodificação, agora sob a perspectiva do estruturalismo


     c) a linguagem como forma de interação: é vista como um lugar de interação humana.
Implica numa postura de educar diferenciada, uma vez que situa a linguagem como o lugar de
constituição de relações sociais, onde os falantes se tornam sujeitos destas ações.
     Segundo Geraldi, “estudar a língua é, então, tentar detectar os compromissos que se
criam através da fala e as condições que devem ser preenchidas por um falante para falar da
forma que fala em determinada situação concreta de interação.” (1984:44).




     4.2. Da oralidade à escrita

     A oralidade é considerada nosso principal meio de comunicação interpessoal, isto
porque nos expressamos desde o princípio através da fala. É também na escola, no trabalho,
na família, na igreja e por meio da experiência direta que se constitui linhas de informações
que não os da escrita e os recursos da mídia eletrônica. Alguns autores chamam de
tradicionais as sociedades precedentes à escrita porque nelas o conhecimento é passado de
geração a geração por meio da tradição de escutar, observar e repetir. A memória é um
recurso exclusivo do homem, para guardar e transmitir seus conhecimentos.



     Segundo Lévy (1993:83):
7


               Na época esse era o melhor mecanismo que os povos faziam uso para poder falar sobre seus
               heróis e divindades, divulgando assim sua cultura; uma vez que não existia outro recurso
               disponível. Enquanto na oralidade há flexibilidade de transmissão, na escrita tudo é rigoroso e
               único.



     Mais tarde surge a escrita e mais uma vez o homem é desafiado a se adaptar a um novo
mecanismo de comunicação de massa, posteriormente intensificado com a impressão. Um
jornal ou livro, por exemplo, poderia ser lido em lugares diferentes por várias pessoas.
     A escrita possibilita a elevação do saber teórico. Com a liberdade de produzir
mensagens em face às circunstâncias cabíveis, os discursos passam a ser universais. Podemos
verificar também o que Adriano Duarte Rodrigues (1990:25) chama de “secularização dos
ritos coletivos”. A oralidade deixa de ser o único elemento eterno de uma cultura.
       Através da escrita criam-se códigos de inscrição do pensamento, e todo saber passa a
ser armazenado para ser utilizado mais tarde, sem correr o risco de ser perdido com a
passagem do tempo. Desta forma a memória passa a se libertar do homem.




     4.2.1. Da escrita à informática



     A informática percorreu os mesmos caminhos da escrita. No início era utilizada para
fazer cálculos e estatísticas, mais tarde transforma-se num veículo de comunicação de massa.
Ao conectar-se a uma rede de informática, mais de uma pessoa pode fazer uso da mesma
informação em lugares diferentes e em tempo real. A informação é circulada numa velocidade
tamanha, e em função disso o conhecimento muda e aumenta a todo instante.
     Enquanto a teoria se preocupa com o porquê, a informática nos conduz ao como fazer. O
professor passa a ser um mediador de habilidades e, não mais um transmissor de conteúdos,
embora seja portador do conhecimento.
     É através da comunicação pacífica, responsável, compromissada e aberta que o homem
pode compartilhar no processo ensino e aprendizagem explorando todas as habilidades
disponíveis, tanto do professor quanto do aluno. Isso pode acontecer com ou sem recursos
tecnológicos tão avançados.
8



     4.2.2. A didática na era tecnológica



     Os recursos tecnológicos inseridos na educação através da informática, o acesso à
informação digital, melhoraram bastante, além de limitar o tempo e espaço permitindo assim
uma comunicação mais rápida e eficaz entre alunos, professores e escola; criando
possibilidades, atendendo as dificuldades de cada disciplina com programas específicos.
     As vantagens oferecidas pela tecnologia só têm validade quando todos os envolvidos no
processo educacional se empenham em busca de resultados. Por outro lado a tecnologia traz
uma série de desafios aos educadores.
     Para fazer uso desses meios o próprio recurso exige certas habilidades, nas quais as
práticas pedagógicas tradicionais, assim como os professores não estão atualizadas para
atender tais exigências. Quanto à natureza didática tem de se pensar em metodologias,
conteúdos, teorias cognitivas, objetivos e em práticas pedagógicas capazes de funcionar de
acordo com o potencial desses instrumentos digitais. Estes são pré-requisitos mínimos para
trabalhar com a realidade atual. A chegada da tecnologia na educação mostra claramente que
teoria e prática caminham juntas na estruturação de um novo fazer pedagógico.
     Já existem muitas escolas em que os professores utilizam estes recursos tecnológicos
para planejar e executar suas atividades. No entanto, é bom ressaltar que há um longo
caminho a percorrer para que de fato haja acesso a essas informações e os efetivos usos desses
meios constituam de fato o conhecimento. Esses conhecimentos não podem ser vistos como
uma coleção de informações, por isso o professor não pode transformar seu fazer pedagógico
em simples transmissão de informações aos seus alunos, até porque essa função pode ser
executada com mais rapidez e eficiência pelas máquinas.
     O maior desafio é desenvolver-se intelectualmente para transformar informações
primárias em conhecimentos efetivos e processá-los para que os mesmos fiquem
disponibilizados nos recursos multimídias. É da qualidade e da quantidade de informações
que depende a produção de bons conhecimentos.
     Se hoje, percebemos que as práticas sociais estão voltadas para a área do trabalho, a
escola deve estar preparada para desenvolver habilidades específicas nesta área, não perdendo
de vista que o ensino deve ser significativo.
9



     4.2.3. Tecnologia, Informação e Comunicação.



     As tecnologias de informação e comunicação são marcos da atual sociedade, que têm
provocado profundas mudanças em nossos meios. Estes meios tecnológicos têm
revolucionado numerosas profissões e atividades, por exemplo, na investigação científica, na
concepção e gestão de projetos, no jornalismo, na prática médica, nas empresas, na
administração pública e na própria produção artística. No entanto, têm gerado vários fatores;
ora positivos ora negativos.




     Papert cita em seu livro “A família em rede” (1997:19):


               Não estou cegamente entusiasmado pela tecnologia. A lista de exemplos sobre o modo como a
               sociedade utilizou inovações tecnológicas é aterradora. Primeiro fizemos centenas de milhões
               de automóveis e só depois é que nos preocupamos em remediar os prejuízos causados pela
               desfiguração do modo de vida das nossas cidades, a poluição atmosférica e a alteração do
               modo de vida dos nossos adolescentes. Porque razão nós, enquanto sociedade faremos melhor
               desta vez?




     4.2.4. Internet


Hoje, mais do que nunca a Internet tornou-se o centro das atenções do homem que permanece
envolvido numa relação social e cognitiva. Essas relações nos põem em contato com os quatro
cantos do mundo. Assim, garantem mudanças qualitativas na identidade humana.
Segundo Silva (1999: 55):



               O fato de (...) se poder aceder aos mais variados tipos de informações sediadas em
               computadores em qualquer parte do mundo, se poder ter o seu espaço próprio de publicação,
               faz com que se aprenda a ver e a sentir o mundo de modo diferente porque se gera uma nova
               forma de conceber o espaço, o tempo, as relações, a representação das identidades, os
               conhecimentos, o poder, as fronteiras, a legitimidade, a cidadania, a pesquisa, enfim, a
               realidade social, política, econômica e cultural.


     De acordo com vários autores, a Internet é, sobretudo, um lugar de hibridismo e
nomadismo, isto é, o hibridismo dimensiona a articulação entre o local e o global. Falamos
10



então em glocalização – intervimos no global a partir da nossa representação local. Além
disso, garante outro hibridismo o da linguagem; ao acolher ao mesmo tempo a escrita, a
imagem, o som e o vídeo, unidos por múltiplas referências (links). Por sua vez o nomadismo
resulta da ausência de atrito espaço – temporal que convida à mobilidade, dirigida por
necessidades de informação, de saber e de pertença.




     Segundo Lévy (1997:17):




              O espaço do novo nomadismo não é território geográfico nem os das instituições ou dos
              Estados, mas um espaço invisível dos conhecimentos, dos saberes, das forças do pensamento
              no seio da qual se manifestam e se alteram as qualidades do ser, os modos de fazer sociedade.
              Não os organismos de poder, nem as fronteiras disciplinares, nem as estáticas dos mercados,
              mas sim o espaço qualitativo, vivo da humanidade que se inventa ao mesmo tempo em que
              produz o seu mundo.



     As tecnologias de informação da comunicação alteram por completo o nosso
ecossistema cognitivo e social. O homem é levado a empreender um processo de adaptação e
reestruturação das suas relações sociais e cognitivas para interagir em seu meio de acordo
com as novas mudanças.
     Em virtude do que foi mencionado percebe-se que a tecnologia na educação vem
caminhando a passos lentos e a cada mudança o homem é desafiado a desvendar o mistério
desses recursos. No passado a oralidade era o único veículo de comunicação, passado alguns
anos surge a escrita e mais tarde a informática com inúmeros recursos como redes de
computadores interligadas à linha telefônica, isto é, Internet, multimídia, hardwares e
softwares destinados a atividades pedagógicas, o que diminui o tempo e o espaço entre
pessoas, facilitando assim o acesso às informações e a produção de conhecimento.Espera-se
que o homem passe a utilizar estes meios de forma que beneficie sempre a humanidade.



     4.1.5. Podcast Station


     O Podcast é um programa para trabalhar com publicação de arquivos de mídia digital
(áudio, vídeo, foto, PPS, etc...) pela internet, através de um Feed RSS, que permite aos
11



utilizadores acompanhar a sua atualização. Com isso é possível o acompanhamento e/ou
dawload automático do conteúdo de um Podcast.
     A palavra Podcast é uma junção de iPod, marca do aparelho de mídia digital da Apple
de onde saíram os primeiros scripts de podicasting – e broadcasting (transmissão de Rádio
e/ou televisão) a série de arquivos publicados por podicasting é chamada de podcast. O autor
ou autora de um Podcast é chamado (a) podcaster.




     5. OBJETIVO GERAL



     Oferecer mecanismos para que o aluno perceba as características dos gêneros orais e
escrito, observe suas diferenças; e em seguida produza uma gravação de áudio utilizando o
programa Postcad.




     6. OBJETIVOS ESPECÍFICOS


     Pôr em prática a oralidade e escrita através das atividades;
     Conhecer a origem das fábulas, bem como seus criadores;
     Analisar a temática que traz cada fábula;
     Fazer uma leitura significativa do texto.
     Entrar em contato com a história dos rodeios, bem como ouvir algumas narrações;
     Observar o tom da fala do narrador em função do ambiente e a emoção contida na
     história narrada;
     Produzir uma narração de rodeio oral e escrita.
     Produzir um texto contendo a narração de uma partida de futebol;
     Conhecer a música Como Matheus, sua autoria, cantá-la e gravar a canção;
     Empregar corretamente a pontuação adequada nos diferentes tipos de texto;
     Contextualizar uma fábula, de escolha da turma;
     Produzir seus próprios textos;
     Fazer a correção se utilizando da reescrita.
12



     7. METODOLOGIA



     Ao longo do desenvolvimento do projeto a prática aliada à dinâmica fará parte das ações
diárias dos alunos e professor. O trabalho terá início com a pesquisa bibliográfica sobre os
gêneros fábulas, rodeios, futebol, músicas gospel e seus respectivos autores.
Para dar continuidade ao trabalho e torná-lo dinâmico os alunos serão divididos em grupo que
se responsabilizará de apresentar para a turma o resultado da pesquisa elaborada.
     O professor poderá solicitar vídeos, áudios para apresentação em sala de aula. A leitura
especificamente das fábulas serão feitas coletivamente e em seguida a compreensão oral e
escrita para poder fazer a produção de textos rascunhos, depois a reescrita coletiva final, e
dessa mesma forma poderá proceder com os outros gêneros.
     Após produção final dos textos, vários ensaios deverão ser feitos para depois iniciar as
gravações, que os alunos farão individual ou em grupo, utilizando a ferramenta multimídia
“podcast” que é um programa para trabalhar com publicação de arquivos de mídia digital
(áudio, vídeo, foto). Vale lembrar que o ambiente de trabalho nesse momento, além da sala de
aula tem de ser a sala de tecnologia onde estarão à disposição dos alunos os recursos
necessários para a execução das atividades.




     8. CRONOGRAMA



     DATA       ATIVIDADE                                             PARTICIPANTES
06/10/2009 Apresentação do projeto                               Alunos, professora e
                                                                 Coordenação
07/10/2009    Abordagem sobre o tema                             Alunos e professora
08/10/2009    Estudo das fábulas                                 Alunos e professora
09/10/2009    Contexto de produção                               Alunos e professora
20/10/2009    Produção da biografia do autor                     Alunos e professora
21/10/2009    Contextualização da fábula “A cotovia e os         Alunos e professora
              filhos”
22/10/2009    Idem ao dia anterior                               Alunos e professora
23/10/2009    Produção de texto                                  Alunos e professora
27/10/2009    Apresentação do tópico rodeios                     Alunos e professora
28/10/2009    Pesquisa na STE (Obs.: feriado letivo)             Alunos, professora e
29/10/2009    Visita à biblioteca                                professor da STE
30/10/2009    Apresentação em sala da pesquisa                   Alunos e professora
13



03/11/2009    Atividade audiovisual do rodeio (vídeo e Alunos e professora
              música).
04/11/2009    Idem ao anterior; Visita da Esther na escola.  Alunos, professora,
                                                             professora do Gestar II, e
                                                             professor da STE.
05/11/2009    Produção do dicionário do jovem. Atividade Alunos, professora
              paralela ao projeto.
06/11/2009    Vídeo sobre Futebol STE                        Alunos, professora e
                                                             professor da STE
10/11/2009    Escolha em sala dos jogos e produção coletiva. Alunos e professora
11/11/2009    Continuação da atividade anterior.             Alunos e professora
12/11/2009    Ensaios com alguns grupos.                     Alunos e professora
13/11/2009    Discussão com a turma sobre a música.          Alunos, professora
17/11/2009    Pesquisa sobre o autor.                        Alunos, professora
18/11/2009    Escrita da letra em sala seguida de reflexão.  Alunos, professora
19/11/2009    Gravação- Fase -1 treinamento                  Alunos, professora e
                                                             professor da STE
20/11/2009    Gravação- Fase-2 treinamento                   Alunos, professora e
                                                             professor da STE
24/11/2009    Gravação- Fase-3 fase final de áudio           Alunos, professora e
                                                             professor da STE
25/11/2009    Organização (montagem dos arquivos de texto e Professora
              mídia)
26/11/2009    Finalização                                    Professora
27/11/2009    Apresentação do projeto para a escola.         Alunos, professora




     9. AVALIAÇÃO


     Será avaliado o desempenho nas atividades, entrega de trabalhos, toda textualidade
desenvolvida em sala, apresentação das pesquisas e oralidade, e as gravações finais, através
do acompanhamento e correção das atividades feita pelo professor.



     10. EQUIPE DE TRABALHO



     O professor de Língua Portuguesa será o mediador e responsável pelo projeto podendo
convidar outros professores, de Artes e Educação Física, além da coordenação e o professor
da sala de tecnologia, os alunos serão chave principal para que este seja executado.
14



     Alunos do 8º ano “B”
     Língua Portuguesa: Profª Izolda Ferreira da Silva
     Artes: Profª Eliete Carreras
     Educação Física: Maria Ângela
     STE: Prof. João Bonfim
     Coordenação: Elizabeth Viana dos Santos
     Colaboradores:
     Ajustes técnicos: Paulo Henrique de Santana Valdonado, ex-aluno da escola.
     Violeiros: Wesley Henrique, aluno do 9º “B”, e o Inspetor de aluno, José




     11. CONSIDERAÇÕES FINAIS



Este projeto teve como objetivo disponibilizar mecanismos com os quais os alunos se
apoderassem de novos recursos multimídia para desenvolver as habilidades oral e escrita em
Língua Portuguesa sob a ótica da teoria dos gêneros textuais estudadas durante o ano de 2009
nas práticas do Gestar II e que são contempladas nos Parâmetros Curriculares Nacionais do
Ensino Fundamental. Os gêneros são entendidos, de acordo com o que é mencionado no
documento, como ações comunicativas sociais, em outras palavras, instrumentos versáteis e
fundamentais para o ensino e aprendizagem de Língua Portuguesa.
Ao aplicar tais técnicas, até então não vistas pelos alunos, percebe-se que a utilização da
ferramenta podcast de fato auxilia no desenvolvimento de tais habilidades, pois as práticas de
gravar, ouvir suas próprias vozes, detectarem os erros cometidos na pronúncia deles mesmos
fez com que se entusiasmassem pelas ferramentas para exercitarem tais práticas, se engajando
no processo de desenvolvimento das atividades. No começo ficaram meio inibidos com as
gravações, mas depois se soltaram e tudo fluiu naturalmente. As atividades desenvolvidas em
sala de aula quanto à apresentação oral dos trabalhos também sofreram uma evolução, os
alunos estão se desempenhando melhor na fala e expressividade. Quanto à escrita há muito
que ser trabalhado; em relação à pontuação, ortografia, emprego de letras maiúsculas, casos
específicos de concordância verbal e nominal, coerência e outros que comprometem a
15



elegância textual. De acordo com a avaliação do projeto tais atividades devem ser priorizadas
nas aulas de Língua Portuguesa focalizando a escrita e as marcas nela encontradas.


                                            ANEXOS



     Fabulas: Arquivo de Áudio - O estudo das Fábulas

     Rodeios: Arquivo de Áudio – A origem dos rodeios

     Futebol: Arquivo de Áudio – Futebol Corinthians x Internacional

     Musica Gospel: Faz um milagre em mim - Letra

                Galeria de fotos




     13. REFERÊNCIAS


 Antunes, Irandé. Lutar com palavras coesão e coerência. São Paulo: Parábola.

 Bakhtin, Mikhail. Gêneros do discurso. In: Estética da criação verbal. São Paulo.

 Brandão, Helena Nagamine (Org.) Os gêneros do discurso na escola. 4ª ed. São Paulo.

 CEMTE – Centro Municipal de Tecnologia Educacional. 2000. I Seminário: O fazer
 pedagógico. Campo Grande.

 Esopo, Fábulas de Esopo. Compilação Russel Ash e Bernard Higton; tradução.
 Estratégias da Comunicação. Questão comunicacional e formas de sociedades.
 Lisboa Editorial Presença (P.P. 25- 28).

 Ferreira Rui. Guia de tecnologia educacional. Disponível em
 «www.sobresite.com/te/editorial.»

 Geraldi, João Wanderley (org.) O texto na sala de aula. Cascável: Assoeste, 1984.

 _____Portos de Passagem. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

 Heloisa Jahn – São Paulo: Companhia das Letrinhas, 1999.
16




Lévy Pierre. 1993. As tecnologias da inteligência: O futuro do pensamento na área da
informática. Rio de Janeiro ed.34 (P.P e 195).

Lévy, Pierre. 1997. A inteligência colectiva: Para uma antropologia do ciberespaço.

Lisboa: Gradativa. língua portuguesa. In: (Formação de professores EAD n°18) v 1.ed1. p.
27-75. Martins Fontes, 1997.

Marcuschi, Luís Antônio. Lingüística de Texto: o que é e como se faz. Recife. 1983.

Moran, José Manuel. Novas tecnologias e mediações pedagógicas. Disponível
«www.batina.com/moran/educar»

Papert, S. 1997. A família em rede. Lisboa: Relógio d’água.São Paulo: Cortez 2003.

Perfeito, Alba M. Concepções de linguagem, de teorias subjacenets e ensino de
língua portuguesa. In: (Formação de professores EAD n°18) v 1.ed1. p. 27-75 Maringá:
EDUEM, 2005.

Ponte, João Pedro da (2001) “Tecnologias de informação e comunicação na educação e
na formação de professores: Que desafios para a comunidade educativa?” in A. Estrela e
J. Ferreira (Eds.),

Rodrigues, Adriano Duarte. 1990. O processo de secularização dos ritos coletivos. In:
Silva, L.1999. Globalização das redes de comunicação: Uma reflexão sobre as
implicações cognitivas e sociais. In: J.A.Alves, P. Campos, & P. Q. Brito. Eds; O futuro da
Internet (P.P. 53 – 63) Matosinho: Centro Atlântico


   www.gargantadaserpente.com

   www.geocities.com/universodasfabulaslafontaine

   http://kuintacomq.blogspot.com/2009/02/personagens-biblicos-iii-zaqueu.html

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Metodologia do ensino de lingua inglesa avaliação - Adriana Yuri Takamori Seichi
Metodologia do ensino de lingua inglesa avaliação - Adriana Yuri Takamori SeichiMetodologia do ensino de lingua inglesa avaliação - Adriana Yuri Takamori Seichi
Metodologia do ensino de lingua inglesa avaliação - Adriana Yuri Takamori Seichi
Adriana Takamori
 
CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA AN...
CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA AN...CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA AN...
CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA AN...
Luna Karoline
 
Introdução à didáctica do português
Introdução à didáctica do portuguêsIntrodução à didáctica do português
Introdução à didáctica do português
ascotas
 
O ensino aprendizagem de língua inglesa no curso de graduação de letras da un...
O ensino aprendizagem de língua inglesa no curso de graduação de letras da un...O ensino aprendizagem de língua inglesa no curso de graduação de letras da un...
O ensino aprendizagem de língua inglesa no curso de graduação de letras da un...
Hellen Dias
 
Comunicação e interação no aprendizado de línguas estrangeiras: para se compr...
Comunicação e interação no aprendizado de línguas estrangeiras: para se compr...Comunicação e interação no aprendizado de línguas estrangeiras: para se compr...
Comunicação e interação no aprendizado de línguas estrangeiras: para se compr...
Monize Muniz
 
Introdução à didáctica do português recensão
Introdução à didáctica do português recensãoIntrodução à didáctica do português recensão
Introdução à didáctica do português recensão
ascotas
 
Habilidades comunicativas da Língua Inglesa
Habilidades comunicativas da Língua Inglesa  Habilidades comunicativas da Língua Inglesa
Habilidades comunicativas da Língua Inglesa
helanysousa
 
Apostila Redação Técnica CFS
Apostila Redação Técnica CFSApostila Redação Técnica CFS
Apostila Redação Técnica CFS
Carla Cristina Alves
 
Fundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesaFundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesa
Glacemi Loch
 
reitorica digital
reitorica digitalreitorica digital
reitorica digital
marcos carneiro
 
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
Lygia Souza
 
DA FALA PARA A ESCRITA: A EXPRESSIVIDADE DOS USUÁRIOS DO INTERNETÊS NA ESFER...
DA FALA PARA A ESCRITA:  A EXPRESSIVIDADE DOS USUÁRIOS DO INTERNETÊS NA ESFER...DA FALA PARA A ESCRITA:  A EXPRESSIVIDADE DOS USUÁRIOS DO INTERNETÊS NA ESFER...
DA FALA PARA A ESCRITA: A EXPRESSIVIDADE DOS USUÁRIOS DO INTERNETÊS NA ESFER...
christianceapcursos
 
Ensino da lingua portuguesa
Ensino da  lingua portuguesaEnsino da  lingua portuguesa
Ensino da lingua portuguesa
Gerdian Teixeira
 
Projeto de pesquia para seleção ao Mestrado
Projeto de pesquia para seleção ao MestradoProjeto de pesquia para seleção ao Mestrado
Projeto de pesquia para seleção ao Mestrado
Jose Arnaldo Silva
 
Síntese dos conceitos básicos da didáctica do português cátia e inês
Síntese dos conceitos básicos da didáctica do português cátia e inêsSíntese dos conceitos básicos da didáctica do português cátia e inês
Síntese dos conceitos básicos da didáctica do português cátia e inês
'Ines Tavares
 
A linguagem utilizada nas redes sociais e a interferência nas produções reali...
A linguagem utilizada nas redes sociais e a interferência nas produções reali...A linguagem utilizada nas redes sociais e a interferência nas produções reali...
A linguagem utilizada nas redes sociais e a interferência nas produções reali...
UNEB
 
Resumo modulo1 ines e ana
Resumo  modulo1 ines e anaResumo  modulo1 ines e ana
Resumo modulo1 ines e ana
anainesbg
 
fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
 fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto) fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
Taty Cruz
 
Col alf.let. 02 lingua texto interacao
Col alf.let. 02 lingua texto interacaoCol alf.let. 02 lingua texto interacao
Col alf.let. 02 lingua texto interacao
Monica Psico
 

Mais procurados (19)

Metodologia do ensino de lingua inglesa avaliação - Adriana Yuri Takamori Seichi
Metodologia do ensino de lingua inglesa avaliação - Adriana Yuri Takamori SeichiMetodologia do ensino de lingua inglesa avaliação - Adriana Yuri Takamori Seichi
Metodologia do ensino de lingua inglesa avaliação - Adriana Yuri Takamori Seichi
 
CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA AN...
CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA AN...CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA AN...
CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA AN...
 
Introdução à didáctica do português
Introdução à didáctica do portuguêsIntrodução à didáctica do português
Introdução à didáctica do português
 
O ensino aprendizagem de língua inglesa no curso de graduação de letras da un...
O ensino aprendizagem de língua inglesa no curso de graduação de letras da un...O ensino aprendizagem de língua inglesa no curso de graduação de letras da un...
O ensino aprendizagem de língua inglesa no curso de graduação de letras da un...
 
Comunicação e interação no aprendizado de línguas estrangeiras: para se compr...
Comunicação e interação no aprendizado de línguas estrangeiras: para se compr...Comunicação e interação no aprendizado de línguas estrangeiras: para se compr...
Comunicação e interação no aprendizado de línguas estrangeiras: para se compr...
 
Introdução à didáctica do português recensão
Introdução à didáctica do português recensãoIntrodução à didáctica do português recensão
Introdução à didáctica do português recensão
 
Habilidades comunicativas da Língua Inglesa
Habilidades comunicativas da Língua Inglesa  Habilidades comunicativas da Língua Inglesa
Habilidades comunicativas da Língua Inglesa
 
Apostila Redação Técnica CFS
Apostila Redação Técnica CFSApostila Redação Técnica CFS
Apostila Redação Técnica CFS
 
Fundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesaFundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesa
 
reitorica digital
reitorica digitalreitorica digital
reitorica digital
 
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
 
DA FALA PARA A ESCRITA: A EXPRESSIVIDADE DOS USUÁRIOS DO INTERNETÊS NA ESFER...
DA FALA PARA A ESCRITA:  A EXPRESSIVIDADE DOS USUÁRIOS DO INTERNETÊS NA ESFER...DA FALA PARA A ESCRITA:  A EXPRESSIVIDADE DOS USUÁRIOS DO INTERNETÊS NA ESFER...
DA FALA PARA A ESCRITA: A EXPRESSIVIDADE DOS USUÁRIOS DO INTERNETÊS NA ESFER...
 
Ensino da lingua portuguesa
Ensino da  lingua portuguesaEnsino da  lingua portuguesa
Ensino da lingua portuguesa
 
Projeto de pesquia para seleção ao Mestrado
Projeto de pesquia para seleção ao MestradoProjeto de pesquia para seleção ao Mestrado
Projeto de pesquia para seleção ao Mestrado
 
Síntese dos conceitos básicos da didáctica do português cátia e inês
Síntese dos conceitos básicos da didáctica do português cátia e inêsSíntese dos conceitos básicos da didáctica do português cátia e inês
Síntese dos conceitos básicos da didáctica do português cátia e inês
 
A linguagem utilizada nas redes sociais e a interferência nas produções reali...
A linguagem utilizada nas redes sociais e a interferência nas produções reali...A linguagem utilizada nas redes sociais e a interferência nas produções reali...
A linguagem utilizada nas redes sociais e a interferência nas produções reali...
 
Resumo modulo1 ines e ana
Resumo  modulo1 ines e anaResumo  modulo1 ines e ana
Resumo modulo1 ines e ana
 
fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
 fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto) fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
 
Col alf.let. 02 lingua texto interacao
Col alf.let. 02 lingua texto interacaoCol alf.let. 02 lingua texto interacao
Col alf.let. 02 lingua texto interacao
 

Semelhante a Oralidae, escrita e mídia

Um curso, uma rede social e sua contribuicao para o ensino de linguas estrang...
Um curso, uma rede social e sua contribuicao para o ensino de linguas estrang...Um curso, uma rede social e sua contribuicao para o ensino de linguas estrang...
Um curso, uma rede social e sua contribuicao para o ensino de linguas estrang...
Tarcisio Wallen
 
A Literacia com as TIC no 1º ciclo
A Literacia com as TIC no 1º ciclo  A Literacia com as TIC no 1º ciclo
A Literacia com as TIC no 1º ciclo
Rosa Luisa Gaspar
 
Exemplos de ante projeto
Exemplos de ante projetoExemplos de ante projeto
Exemplos de ante projeto
Izabelly Karine
 
Prevenção iliteracia
Prevenção iliteraciaPrevenção iliteracia
Prevenção iliteracia
Ana Paula Santos
 
Bloco2 alfabetizacao letramento_1
Bloco2 alfabetizacao letramento_1Bloco2 alfabetizacao letramento_1
Bloco2 alfabetizacao letramento_1
Gilberta Nogueira
 
Alfabetizacao e letramento_1
Alfabetizacao e letramento_1Alfabetizacao e letramento_1
Alfabetizacao e letramento_1
angelafreire
 
Universidade do estado do rio de janeiro
Universidade do estado do rio de janeiroUniversidade do estado do rio de janeiro
Universidade do estado do rio de janeiro
marta santos
 
Didáctica oralidade
Didáctica oralidadeDidáctica oralidade
Didáctica oralidade
Liliana Sequeira
 
6042843 131
6042843 1316042843 131
6042843 131
edublacktwo
 
Vanessa miranda-e-gustavo-guimaraes-4 a
Vanessa miranda-e-gustavo-guimaraes-4 aVanessa miranda-e-gustavo-guimaraes-4 a
Vanessa miranda-e-gustavo-guimaraes-4 a
Vanessa Miranda
 
A produção e filmagem de receitas caseiras
A produção e filmagem de receitas caseiras A produção e filmagem de receitas caseiras
A produção e filmagem de receitas caseiras
Caique Fernando Silva Fistarol
 
M. DA LÍNGUA PORrrrrrrTUGUESA - 02.pptx
M. DA LÍNGUA PORrrrrrrTUGUESA  - 02.pptxM. DA LÍNGUA PORrrrrrrTUGUESA  - 02.pptx
M. DA LÍNGUA PORrrrrrrTUGUESA - 02.pptx
EusbioAndrade1
 
Vanessa 4 a
Vanessa 4 aVanessa 4 a
Vanessa 4 a
Vanessa Miranda
 
Metodologia do Ensino de Lingua Inglesa Vanessa e Gustavo
Metodologia do Ensino de Lingua Inglesa Vanessa e GustavoMetodologia do Ensino de Lingua Inglesa Vanessa e Gustavo
Metodologia do Ensino de Lingua Inglesa Vanessa e Gustavo
Vanessa Miranda
 
Resenha do Livro: Línguas estrangeiras: o ensino em um contexto cultural - HA...
Resenha do Livro: Línguas estrangeiras: o ensino em um contexto cultural - HA...Resenha do Livro: Línguas estrangeiras: o ensino em um contexto cultural - HA...
Resenha do Livro: Línguas estrangeiras: o ensino em um contexto cultural - HA...
Gustavo Guimarães Gonçalves
 
PCNs de LÍNGUA PORTUGUESA.pptx
PCNs de LÍNGUA PORTUGUESA.pptxPCNs de LÍNGUA PORTUGUESA.pptx
PCNs de LÍNGUA PORTUGUESA.pptx
RauennaOliveira
 
Currículo referência língua estragenria moderna 6º ao 9º ano
Currículo referência  língua estragenria moderna 6º ao 9º anoCurrículo referência  língua estragenria moderna 6º ao 9º ano
Currículo referência língua estragenria moderna 6º ao 9º ano
tecnicossme
 
Vanessa miranda-e-gustavo-guimaraes-4 a
Vanessa miranda-e-gustavo-guimaraes-4 aVanessa miranda-e-gustavo-guimaraes-4 a
Vanessa miranda-e-gustavo-guimaraes-4 a
Vanessa Miranda
 
Texto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
Texto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDATexto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
Texto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
weleslima
 
Apresentação ELUNEAL.pptx
Apresentação ELUNEAL.pptxApresentação ELUNEAL.pptx
Apresentação ELUNEAL.pptx
SueliGodoi6
 

Semelhante a Oralidae, escrita e mídia (20)

Um curso, uma rede social e sua contribuicao para o ensino de linguas estrang...
Um curso, uma rede social e sua contribuicao para o ensino de linguas estrang...Um curso, uma rede social e sua contribuicao para o ensino de linguas estrang...
Um curso, uma rede social e sua contribuicao para o ensino de linguas estrang...
 
A Literacia com as TIC no 1º ciclo
A Literacia com as TIC no 1º ciclo  A Literacia com as TIC no 1º ciclo
A Literacia com as TIC no 1º ciclo
 
Exemplos de ante projeto
Exemplos de ante projetoExemplos de ante projeto
Exemplos de ante projeto
 
Prevenção iliteracia
Prevenção iliteraciaPrevenção iliteracia
Prevenção iliteracia
 
Bloco2 alfabetizacao letramento_1
Bloco2 alfabetizacao letramento_1Bloco2 alfabetizacao letramento_1
Bloco2 alfabetizacao letramento_1
 
Alfabetizacao e letramento_1
Alfabetizacao e letramento_1Alfabetizacao e letramento_1
Alfabetizacao e letramento_1
 
Universidade do estado do rio de janeiro
Universidade do estado do rio de janeiroUniversidade do estado do rio de janeiro
Universidade do estado do rio de janeiro
 
Didáctica oralidade
Didáctica oralidadeDidáctica oralidade
Didáctica oralidade
 
6042843 131
6042843 1316042843 131
6042843 131
 
Vanessa miranda-e-gustavo-guimaraes-4 a
Vanessa miranda-e-gustavo-guimaraes-4 aVanessa miranda-e-gustavo-guimaraes-4 a
Vanessa miranda-e-gustavo-guimaraes-4 a
 
A produção e filmagem de receitas caseiras
A produção e filmagem de receitas caseiras A produção e filmagem de receitas caseiras
A produção e filmagem de receitas caseiras
 
M. DA LÍNGUA PORrrrrrrTUGUESA - 02.pptx
M. DA LÍNGUA PORrrrrrrTUGUESA  - 02.pptxM. DA LÍNGUA PORrrrrrrTUGUESA  - 02.pptx
M. DA LÍNGUA PORrrrrrrTUGUESA - 02.pptx
 
Vanessa 4 a
Vanessa 4 aVanessa 4 a
Vanessa 4 a
 
Metodologia do Ensino de Lingua Inglesa Vanessa e Gustavo
Metodologia do Ensino de Lingua Inglesa Vanessa e GustavoMetodologia do Ensino de Lingua Inglesa Vanessa e Gustavo
Metodologia do Ensino de Lingua Inglesa Vanessa e Gustavo
 
Resenha do Livro: Línguas estrangeiras: o ensino em um contexto cultural - HA...
Resenha do Livro: Línguas estrangeiras: o ensino em um contexto cultural - HA...Resenha do Livro: Línguas estrangeiras: o ensino em um contexto cultural - HA...
Resenha do Livro: Línguas estrangeiras: o ensino em um contexto cultural - HA...
 
PCNs de LÍNGUA PORTUGUESA.pptx
PCNs de LÍNGUA PORTUGUESA.pptxPCNs de LÍNGUA PORTUGUESA.pptx
PCNs de LÍNGUA PORTUGUESA.pptx
 
Currículo referência língua estragenria moderna 6º ao 9º ano
Currículo referência  língua estragenria moderna 6º ao 9º anoCurrículo referência  língua estragenria moderna 6º ao 9º ano
Currículo referência língua estragenria moderna 6º ao 9º ano
 
Vanessa miranda-e-gustavo-guimaraes-4 a
Vanessa miranda-e-gustavo-guimaraes-4 aVanessa miranda-e-gustavo-guimaraes-4 a
Vanessa miranda-e-gustavo-guimaraes-4 a
 
Texto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
Texto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDATexto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
Texto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
 
Apresentação ELUNEAL.pptx
Apresentação ELUNEAL.pptxApresentação ELUNEAL.pptx
Apresentação ELUNEAL.pptx
 

Mais de izoldaferreira

Galeria de fotos
Galeria de fotosGaleria de fotos
Galeria de fotos
izoldaferreira
 
Gabriel o pensador
Gabriel o pensadorGabriel o pensador
Gabriel o pensador
izoldaferreira
 
Regis danese
Regis daneseRegis danese
Regis danese
izoldaferreira
 
Futebol
FutebolFutebol
Rodeios
RodeiosRodeios
Texto jennifer
Texto jenniferTexto jennifer
Texto jennifer
izoldaferreira
 
Estudo de fábulas
Estudo de fábulasEstudo de fábulas
Estudo de fábulas
izoldaferreira
 
Os sem teto e os filhos - readaptação
Os sem teto e os filhos - readaptaçãoOs sem teto e os filhos - readaptação
Os sem teto e os filhos - readaptação
izoldaferreira
 
Africanidades Brasil
Africanidades BrasilAfricanidades Brasil
Africanidades Brasil
izoldaferreira
 
Africanidades Brasil
Africanidades BrasilAfricanidades Brasil
Africanidades Brasil
izoldaferreira
 
teste
testeteste

Mais de izoldaferreira (11)

Galeria de fotos
Galeria de fotosGaleria de fotos
Galeria de fotos
 
Gabriel o pensador
Gabriel o pensadorGabriel o pensador
Gabriel o pensador
 
Regis danese
Regis daneseRegis danese
Regis danese
 
Futebol
FutebolFutebol
Futebol
 
Rodeios
RodeiosRodeios
Rodeios
 
Texto jennifer
Texto jenniferTexto jennifer
Texto jennifer
 
Estudo de fábulas
Estudo de fábulasEstudo de fábulas
Estudo de fábulas
 
Os sem teto e os filhos - readaptação
Os sem teto e os filhos - readaptaçãoOs sem teto e os filhos - readaptação
Os sem teto e os filhos - readaptação
 
Africanidades Brasil
Africanidades BrasilAfricanidades Brasil
Africanidades Brasil
 
Africanidades Brasil
Africanidades BrasilAfricanidades Brasil
Africanidades Brasil
 
teste
testeteste
teste
 

Último

A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 

Oralidae, escrita e mídia

  • 1. E. E. MANOEL BONIFÁCIO NUNES DA CUNHA GESTAR II PROFª IZOLDA FERREIRA DA SILVA Oralidade, escrita e mídia
  • 2. 2 Campo Grande, MS 2009 E. E. MANOEL BONIFÁCIO NUNES DA CUNHA GESTAR II PROFª IZOLDA FERREIRA DA SILVA Oralidade, escrita e mídia O projeto “Oralidade, escrita e mídia” é parte da avaliação do curso GESTAR II desenvolvido com os alunos do 8º ano B sob orientação da profª Izolda Ferreira da Silva.
  • 3. 3 Campo Grande, MS 2009 SUMÁRIO 1. PUBLICO ALVO. 2. TEMÁTICA. 2.1. Delimitação de área. 2.2. Delimitação de tema. 3. JUSTIFICATIVA. 4. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA. 4.1. Concepções de Linguagem. 4.2. Da oralidade à escrita. 4.2.1. Da escrita à informática. 4.2.2. A didática na era tecnológica. 4.2.3. Tecnologia, Informação e Comunicação. 4.2.4. Internet. 4.1.5. Podcast Station 5. OBJETIVO GERAL. 6. OBJETIVOS ESPECÍFICOS. 7. METODOLOGIA. 8. CRONOGRAMA. 9. AVALIAÇÃO. 10. EQUIPE DE TRABALHO. 11. CONSIDERAÇÕES FINAIS. 12. ANEXOS 13. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.
  • 4. 4 1. PUBLICO ALVO Alunos do 8º ano do ensino fundamental da escola Manoel Bonifácio Nunes da Cunha do período matutino, sala com 25 alunos. O projeto será executado nas aulas de Língua Portuguesa especificamente no período de outubro e novembro de 2009. 2. TEMÁTICA: 2.1. - Delimitação da área: Língua Portuguesa. 2.2. Delimitação de tema: Oralidade, escrita e recursos multimídia. 3. JUSTIFICATIVA O domínio da língua, oral e escrita, é fundamental para a participação social efetiva, pois é por meio dela que o homem se comunica, tem acesso à informação, expressa e defende pontos de vista, partilha ou constrói visões de mundo, produz conhecimento. Por isso, ao ensiná-la, a escola tem a responsabilidade de garantir a todos os seus alunos o acesso aos saberes lingüísticos, necessários para o exercício da cidadania, direito inalienável de todos. (PCN). Eleger a língua oral como conteúdo escolar exige o planejamento da ação pedagógica de forma a garantir, na sala de aula, atividades sistemáticas de fala, escuta e reflexão sobre a língua. São essas situações que podem se converter em boas situações de aprendizagem sobre os usos e as formas da língua oral: atividades de produção e interpretação de uma ampla variedade de textos orais, de observação de diferentes usos, de reflexão sobre os recursos que a língua oferece para alcançar diferentes finalidades comunicativas. Para isso, é necessário diversificar as situações propostas tanto em relação ao tipo de assunto como em relação aos aspectos formais e ao tipo de atividade que demandam — fala, escuta e/ou reflexão sobre a língua. Supõe também um profundo respeito pelas formas de expressão oral trazidas pelos alunos de suas comunidades e um grande empenho por ensinar- lhes o exercício da adequação aos contextos comunicativos, frente a diferentes interlocutores, a partir de intenções de natureza diversa.
  • 5. 5 É fundamental que essa tarefa didática se organize de tal maneira que os alunos transitem das situações mais informais e coloquiais que já dominam ao entrar na escola a outras mais estruturadas e formais, para que possam conhecer seus modos de funcionamento e aprender a utilizá-las. O presente projeto de pesquisa intitulado “Oralidade, escrita e Mídia” surgiu a partir da observação das dificuldades encontradas nos alunos em relação à oralidade e à escrita, durante o desenvolvimento das atividades do Gestar II que priorizam estas práticas, nas aulas de Língua Portuguesa. Sendo a escola um dos ambientes privilegiados para o desenvolvimento dessas habilidades, este projeto de pesquisa tem como objetivo oferecer novas técnicas de busca dos meios em que os alunos possam desenvolver tais habilidades durante as aulas de Língua Portuguesa se utilizando de ferramentas tecnológicas, mais necessariamente ligadas ao ambiente multimídia, uma vez que farão pesquisas, produzirão narrativas de jogos, rodeios, fábulas e canções para transporem para a linguagem oral e escrita, e perceberem na prática a relação entre esses gêneros. 4. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 4.1. Concepções de Linguagem O ensino de língua portuguesa é influenciado pela maneira de como o professor concebe a linguagem, pois a concepção que se tem da linguagem é que estrutura o trabalho em sala de aula. Segundo Geraldi (1984: 42) a resposta para a questão: “Para que ensinamos”, “envolve tanto uma ‘concepção de linguagem’ quanto uma postura relativamente à educação”. Existem três concepções de linguagem que podem ser relacionadas às teorias e às práticas docentes no ensino da língua: a) a linguagem como expressão do pensamento: esta concepção “fundamenta os estudos tradicionais da língua (...) o ensino de língua enfatiza a gramática teórico-normativa:
  • 6. 6 conceituar, classificar, para, sobretudo, entender e seguir as prescrições – em relação à concordância, à regência, à acentuação, à pontuação, ao uso ortográfico. O eixo da progressão curricular e dos manuais didáticos são os itens gramaticais.” (Perfeito, 2005:29). A linguagem é vista como exteriorização, tradução do que se constrói na mente. b) a linguagem como instrumento de comunicação: nesta concepção, a língua é um código (conjunto de signos que se combinam segundo regras) que permite transmitir uma mensagem. Nos livros didáticos, sem, contudo abandonar o ensino da gramática tradicional, os fatos lingüísticos são estudados através de exercícios estruturais morfossintáticos para que os hábitos lingüísticos da norma culta sejam inconscientemente internalizados. A leitura restringe-se à decodificação, agora sob a perspectiva do estruturalismo c) a linguagem como forma de interação: é vista como um lugar de interação humana. Implica numa postura de educar diferenciada, uma vez que situa a linguagem como o lugar de constituição de relações sociais, onde os falantes se tornam sujeitos destas ações. Segundo Geraldi, “estudar a língua é, então, tentar detectar os compromissos que se criam através da fala e as condições que devem ser preenchidas por um falante para falar da forma que fala em determinada situação concreta de interação.” (1984:44). 4.2. Da oralidade à escrita A oralidade é considerada nosso principal meio de comunicação interpessoal, isto porque nos expressamos desde o princípio através da fala. É também na escola, no trabalho, na família, na igreja e por meio da experiência direta que se constitui linhas de informações que não os da escrita e os recursos da mídia eletrônica. Alguns autores chamam de tradicionais as sociedades precedentes à escrita porque nelas o conhecimento é passado de geração a geração por meio da tradição de escutar, observar e repetir. A memória é um recurso exclusivo do homem, para guardar e transmitir seus conhecimentos. Segundo Lévy (1993:83):
  • 7. 7 Na época esse era o melhor mecanismo que os povos faziam uso para poder falar sobre seus heróis e divindades, divulgando assim sua cultura; uma vez que não existia outro recurso disponível. Enquanto na oralidade há flexibilidade de transmissão, na escrita tudo é rigoroso e único. Mais tarde surge a escrita e mais uma vez o homem é desafiado a se adaptar a um novo mecanismo de comunicação de massa, posteriormente intensificado com a impressão. Um jornal ou livro, por exemplo, poderia ser lido em lugares diferentes por várias pessoas. A escrita possibilita a elevação do saber teórico. Com a liberdade de produzir mensagens em face às circunstâncias cabíveis, os discursos passam a ser universais. Podemos verificar também o que Adriano Duarte Rodrigues (1990:25) chama de “secularização dos ritos coletivos”. A oralidade deixa de ser o único elemento eterno de uma cultura. Através da escrita criam-se códigos de inscrição do pensamento, e todo saber passa a ser armazenado para ser utilizado mais tarde, sem correr o risco de ser perdido com a passagem do tempo. Desta forma a memória passa a se libertar do homem. 4.2.1. Da escrita à informática A informática percorreu os mesmos caminhos da escrita. No início era utilizada para fazer cálculos e estatísticas, mais tarde transforma-se num veículo de comunicação de massa. Ao conectar-se a uma rede de informática, mais de uma pessoa pode fazer uso da mesma informação em lugares diferentes e em tempo real. A informação é circulada numa velocidade tamanha, e em função disso o conhecimento muda e aumenta a todo instante. Enquanto a teoria se preocupa com o porquê, a informática nos conduz ao como fazer. O professor passa a ser um mediador de habilidades e, não mais um transmissor de conteúdos, embora seja portador do conhecimento. É através da comunicação pacífica, responsável, compromissada e aberta que o homem pode compartilhar no processo ensino e aprendizagem explorando todas as habilidades disponíveis, tanto do professor quanto do aluno. Isso pode acontecer com ou sem recursos tecnológicos tão avançados.
  • 8. 8 4.2.2. A didática na era tecnológica Os recursos tecnológicos inseridos na educação através da informática, o acesso à informação digital, melhoraram bastante, além de limitar o tempo e espaço permitindo assim uma comunicação mais rápida e eficaz entre alunos, professores e escola; criando possibilidades, atendendo as dificuldades de cada disciplina com programas específicos. As vantagens oferecidas pela tecnologia só têm validade quando todos os envolvidos no processo educacional se empenham em busca de resultados. Por outro lado a tecnologia traz uma série de desafios aos educadores. Para fazer uso desses meios o próprio recurso exige certas habilidades, nas quais as práticas pedagógicas tradicionais, assim como os professores não estão atualizadas para atender tais exigências. Quanto à natureza didática tem de se pensar em metodologias, conteúdos, teorias cognitivas, objetivos e em práticas pedagógicas capazes de funcionar de acordo com o potencial desses instrumentos digitais. Estes são pré-requisitos mínimos para trabalhar com a realidade atual. A chegada da tecnologia na educação mostra claramente que teoria e prática caminham juntas na estruturação de um novo fazer pedagógico. Já existem muitas escolas em que os professores utilizam estes recursos tecnológicos para planejar e executar suas atividades. No entanto, é bom ressaltar que há um longo caminho a percorrer para que de fato haja acesso a essas informações e os efetivos usos desses meios constituam de fato o conhecimento. Esses conhecimentos não podem ser vistos como uma coleção de informações, por isso o professor não pode transformar seu fazer pedagógico em simples transmissão de informações aos seus alunos, até porque essa função pode ser executada com mais rapidez e eficiência pelas máquinas. O maior desafio é desenvolver-se intelectualmente para transformar informações primárias em conhecimentos efetivos e processá-los para que os mesmos fiquem disponibilizados nos recursos multimídias. É da qualidade e da quantidade de informações que depende a produção de bons conhecimentos. Se hoje, percebemos que as práticas sociais estão voltadas para a área do trabalho, a escola deve estar preparada para desenvolver habilidades específicas nesta área, não perdendo de vista que o ensino deve ser significativo.
  • 9. 9 4.2.3. Tecnologia, Informação e Comunicação. As tecnologias de informação e comunicação são marcos da atual sociedade, que têm provocado profundas mudanças em nossos meios. Estes meios tecnológicos têm revolucionado numerosas profissões e atividades, por exemplo, na investigação científica, na concepção e gestão de projetos, no jornalismo, na prática médica, nas empresas, na administração pública e na própria produção artística. No entanto, têm gerado vários fatores; ora positivos ora negativos. Papert cita em seu livro “A família em rede” (1997:19): Não estou cegamente entusiasmado pela tecnologia. A lista de exemplos sobre o modo como a sociedade utilizou inovações tecnológicas é aterradora. Primeiro fizemos centenas de milhões de automóveis e só depois é que nos preocupamos em remediar os prejuízos causados pela desfiguração do modo de vida das nossas cidades, a poluição atmosférica e a alteração do modo de vida dos nossos adolescentes. Porque razão nós, enquanto sociedade faremos melhor desta vez? 4.2.4. Internet Hoje, mais do que nunca a Internet tornou-se o centro das atenções do homem que permanece envolvido numa relação social e cognitiva. Essas relações nos põem em contato com os quatro cantos do mundo. Assim, garantem mudanças qualitativas na identidade humana. Segundo Silva (1999: 55): O fato de (...) se poder aceder aos mais variados tipos de informações sediadas em computadores em qualquer parte do mundo, se poder ter o seu espaço próprio de publicação, faz com que se aprenda a ver e a sentir o mundo de modo diferente porque se gera uma nova forma de conceber o espaço, o tempo, as relações, a representação das identidades, os conhecimentos, o poder, as fronteiras, a legitimidade, a cidadania, a pesquisa, enfim, a realidade social, política, econômica e cultural. De acordo com vários autores, a Internet é, sobretudo, um lugar de hibridismo e nomadismo, isto é, o hibridismo dimensiona a articulação entre o local e o global. Falamos
  • 10. 10 então em glocalização – intervimos no global a partir da nossa representação local. Além disso, garante outro hibridismo o da linguagem; ao acolher ao mesmo tempo a escrita, a imagem, o som e o vídeo, unidos por múltiplas referências (links). Por sua vez o nomadismo resulta da ausência de atrito espaço – temporal que convida à mobilidade, dirigida por necessidades de informação, de saber e de pertença. Segundo Lévy (1997:17): O espaço do novo nomadismo não é território geográfico nem os das instituições ou dos Estados, mas um espaço invisível dos conhecimentos, dos saberes, das forças do pensamento no seio da qual se manifestam e se alteram as qualidades do ser, os modos de fazer sociedade. Não os organismos de poder, nem as fronteiras disciplinares, nem as estáticas dos mercados, mas sim o espaço qualitativo, vivo da humanidade que se inventa ao mesmo tempo em que produz o seu mundo. As tecnologias de informação da comunicação alteram por completo o nosso ecossistema cognitivo e social. O homem é levado a empreender um processo de adaptação e reestruturação das suas relações sociais e cognitivas para interagir em seu meio de acordo com as novas mudanças. Em virtude do que foi mencionado percebe-se que a tecnologia na educação vem caminhando a passos lentos e a cada mudança o homem é desafiado a desvendar o mistério desses recursos. No passado a oralidade era o único veículo de comunicação, passado alguns anos surge a escrita e mais tarde a informática com inúmeros recursos como redes de computadores interligadas à linha telefônica, isto é, Internet, multimídia, hardwares e softwares destinados a atividades pedagógicas, o que diminui o tempo e o espaço entre pessoas, facilitando assim o acesso às informações e a produção de conhecimento.Espera-se que o homem passe a utilizar estes meios de forma que beneficie sempre a humanidade. 4.1.5. Podcast Station O Podcast é um programa para trabalhar com publicação de arquivos de mídia digital (áudio, vídeo, foto, PPS, etc...) pela internet, através de um Feed RSS, que permite aos
  • 11. 11 utilizadores acompanhar a sua atualização. Com isso é possível o acompanhamento e/ou dawload automático do conteúdo de um Podcast. A palavra Podcast é uma junção de iPod, marca do aparelho de mídia digital da Apple de onde saíram os primeiros scripts de podicasting – e broadcasting (transmissão de Rádio e/ou televisão) a série de arquivos publicados por podicasting é chamada de podcast. O autor ou autora de um Podcast é chamado (a) podcaster. 5. OBJETIVO GERAL Oferecer mecanismos para que o aluno perceba as características dos gêneros orais e escrito, observe suas diferenças; e em seguida produza uma gravação de áudio utilizando o programa Postcad. 6. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Pôr em prática a oralidade e escrita através das atividades; Conhecer a origem das fábulas, bem como seus criadores; Analisar a temática que traz cada fábula; Fazer uma leitura significativa do texto. Entrar em contato com a história dos rodeios, bem como ouvir algumas narrações; Observar o tom da fala do narrador em função do ambiente e a emoção contida na história narrada; Produzir uma narração de rodeio oral e escrita. Produzir um texto contendo a narração de uma partida de futebol; Conhecer a música Como Matheus, sua autoria, cantá-la e gravar a canção; Empregar corretamente a pontuação adequada nos diferentes tipos de texto; Contextualizar uma fábula, de escolha da turma; Produzir seus próprios textos; Fazer a correção se utilizando da reescrita.
  • 12. 12 7. METODOLOGIA Ao longo do desenvolvimento do projeto a prática aliada à dinâmica fará parte das ações diárias dos alunos e professor. O trabalho terá início com a pesquisa bibliográfica sobre os gêneros fábulas, rodeios, futebol, músicas gospel e seus respectivos autores. Para dar continuidade ao trabalho e torná-lo dinâmico os alunos serão divididos em grupo que se responsabilizará de apresentar para a turma o resultado da pesquisa elaborada. O professor poderá solicitar vídeos, áudios para apresentação em sala de aula. A leitura especificamente das fábulas serão feitas coletivamente e em seguida a compreensão oral e escrita para poder fazer a produção de textos rascunhos, depois a reescrita coletiva final, e dessa mesma forma poderá proceder com os outros gêneros. Após produção final dos textos, vários ensaios deverão ser feitos para depois iniciar as gravações, que os alunos farão individual ou em grupo, utilizando a ferramenta multimídia “podcast” que é um programa para trabalhar com publicação de arquivos de mídia digital (áudio, vídeo, foto). Vale lembrar que o ambiente de trabalho nesse momento, além da sala de aula tem de ser a sala de tecnologia onde estarão à disposição dos alunos os recursos necessários para a execução das atividades. 8. CRONOGRAMA DATA ATIVIDADE PARTICIPANTES 06/10/2009 Apresentação do projeto Alunos, professora e Coordenação 07/10/2009 Abordagem sobre o tema Alunos e professora 08/10/2009 Estudo das fábulas Alunos e professora 09/10/2009 Contexto de produção Alunos e professora 20/10/2009 Produção da biografia do autor Alunos e professora 21/10/2009 Contextualização da fábula “A cotovia e os Alunos e professora filhos” 22/10/2009 Idem ao dia anterior Alunos e professora 23/10/2009 Produção de texto Alunos e professora 27/10/2009 Apresentação do tópico rodeios Alunos e professora 28/10/2009 Pesquisa na STE (Obs.: feriado letivo) Alunos, professora e 29/10/2009 Visita à biblioteca professor da STE 30/10/2009 Apresentação em sala da pesquisa Alunos e professora
  • 13. 13 03/11/2009 Atividade audiovisual do rodeio (vídeo e Alunos e professora música). 04/11/2009 Idem ao anterior; Visita da Esther na escola. Alunos, professora, professora do Gestar II, e professor da STE. 05/11/2009 Produção do dicionário do jovem. Atividade Alunos, professora paralela ao projeto. 06/11/2009 Vídeo sobre Futebol STE Alunos, professora e professor da STE 10/11/2009 Escolha em sala dos jogos e produção coletiva. Alunos e professora 11/11/2009 Continuação da atividade anterior. Alunos e professora 12/11/2009 Ensaios com alguns grupos. Alunos e professora 13/11/2009 Discussão com a turma sobre a música. Alunos, professora 17/11/2009 Pesquisa sobre o autor. Alunos, professora 18/11/2009 Escrita da letra em sala seguida de reflexão. Alunos, professora 19/11/2009 Gravação- Fase -1 treinamento Alunos, professora e professor da STE 20/11/2009 Gravação- Fase-2 treinamento Alunos, professora e professor da STE 24/11/2009 Gravação- Fase-3 fase final de áudio Alunos, professora e professor da STE 25/11/2009 Organização (montagem dos arquivos de texto e Professora mídia) 26/11/2009 Finalização Professora 27/11/2009 Apresentação do projeto para a escola. Alunos, professora 9. AVALIAÇÃO Será avaliado o desempenho nas atividades, entrega de trabalhos, toda textualidade desenvolvida em sala, apresentação das pesquisas e oralidade, e as gravações finais, através do acompanhamento e correção das atividades feita pelo professor. 10. EQUIPE DE TRABALHO O professor de Língua Portuguesa será o mediador e responsável pelo projeto podendo convidar outros professores, de Artes e Educação Física, além da coordenação e o professor da sala de tecnologia, os alunos serão chave principal para que este seja executado.
  • 14. 14 Alunos do 8º ano “B” Língua Portuguesa: Profª Izolda Ferreira da Silva Artes: Profª Eliete Carreras Educação Física: Maria Ângela STE: Prof. João Bonfim Coordenação: Elizabeth Viana dos Santos Colaboradores: Ajustes técnicos: Paulo Henrique de Santana Valdonado, ex-aluno da escola. Violeiros: Wesley Henrique, aluno do 9º “B”, e o Inspetor de aluno, José 11. CONSIDERAÇÕES FINAIS Este projeto teve como objetivo disponibilizar mecanismos com os quais os alunos se apoderassem de novos recursos multimídia para desenvolver as habilidades oral e escrita em Língua Portuguesa sob a ótica da teoria dos gêneros textuais estudadas durante o ano de 2009 nas práticas do Gestar II e que são contempladas nos Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Fundamental. Os gêneros são entendidos, de acordo com o que é mencionado no documento, como ações comunicativas sociais, em outras palavras, instrumentos versáteis e fundamentais para o ensino e aprendizagem de Língua Portuguesa. Ao aplicar tais técnicas, até então não vistas pelos alunos, percebe-se que a utilização da ferramenta podcast de fato auxilia no desenvolvimento de tais habilidades, pois as práticas de gravar, ouvir suas próprias vozes, detectarem os erros cometidos na pronúncia deles mesmos fez com que se entusiasmassem pelas ferramentas para exercitarem tais práticas, se engajando no processo de desenvolvimento das atividades. No começo ficaram meio inibidos com as gravações, mas depois se soltaram e tudo fluiu naturalmente. As atividades desenvolvidas em sala de aula quanto à apresentação oral dos trabalhos também sofreram uma evolução, os alunos estão se desempenhando melhor na fala e expressividade. Quanto à escrita há muito que ser trabalhado; em relação à pontuação, ortografia, emprego de letras maiúsculas, casos específicos de concordância verbal e nominal, coerência e outros que comprometem a
  • 15. 15 elegância textual. De acordo com a avaliação do projeto tais atividades devem ser priorizadas nas aulas de Língua Portuguesa focalizando a escrita e as marcas nela encontradas. ANEXOS Fabulas: Arquivo de Áudio - O estudo das Fábulas Rodeios: Arquivo de Áudio – A origem dos rodeios Futebol: Arquivo de Áudio – Futebol Corinthians x Internacional Musica Gospel: Faz um milagre em mim - Letra Galeria de fotos 13. REFERÊNCIAS Antunes, Irandé. Lutar com palavras coesão e coerência. São Paulo: Parábola. Bakhtin, Mikhail. Gêneros do discurso. In: Estética da criação verbal. São Paulo. Brandão, Helena Nagamine (Org.) Os gêneros do discurso na escola. 4ª ed. São Paulo. CEMTE – Centro Municipal de Tecnologia Educacional. 2000. I Seminário: O fazer pedagógico. Campo Grande. Esopo, Fábulas de Esopo. Compilação Russel Ash e Bernard Higton; tradução. Estratégias da Comunicação. Questão comunicacional e formas de sociedades. Lisboa Editorial Presença (P.P. 25- 28). Ferreira Rui. Guia de tecnologia educacional. Disponível em «www.sobresite.com/te/editorial.» Geraldi, João Wanderley (org.) O texto na sala de aula. Cascável: Assoeste, 1984. _____Portos de Passagem. São Paulo: Martins Fontes, 2003. Heloisa Jahn – São Paulo: Companhia das Letrinhas, 1999.
  • 16. 16 Lévy Pierre. 1993. As tecnologias da inteligência: O futuro do pensamento na área da informática. Rio de Janeiro ed.34 (P.P e 195). Lévy, Pierre. 1997. A inteligência colectiva: Para uma antropologia do ciberespaço. Lisboa: Gradativa. língua portuguesa. In: (Formação de professores EAD n°18) v 1.ed1. p. 27-75. Martins Fontes, 1997. Marcuschi, Luís Antônio. Lingüística de Texto: o que é e como se faz. Recife. 1983. Moran, José Manuel. Novas tecnologias e mediações pedagógicas. Disponível «www.batina.com/moran/educar» Papert, S. 1997. A família em rede. Lisboa: Relógio d’água.São Paulo: Cortez 2003. Perfeito, Alba M. Concepções de linguagem, de teorias subjacenets e ensino de língua portuguesa. In: (Formação de professores EAD n°18) v 1.ed1. p. 27-75 Maringá: EDUEM, 2005. Ponte, João Pedro da (2001) “Tecnologias de informação e comunicação na educação e na formação de professores: Que desafios para a comunidade educativa?” in A. Estrela e J. Ferreira (Eds.), Rodrigues, Adriano Duarte. 1990. O processo de secularização dos ritos coletivos. In: Silva, L.1999. Globalização das redes de comunicação: Uma reflexão sobre as implicações cognitivas e sociais. In: J.A.Alves, P. Campos, & P. Q. Brito. Eds; O futuro da Internet (P.P. 53 – 63) Matosinho: Centro Atlântico www.gargantadaserpente.com www.geocities.com/universodasfabulaslafontaine http://kuintacomq.blogspot.com/2009/02/personagens-biblicos-iii-zaqueu.html