SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 54
Baixar para ler offline
INSTITUIÇÕES SOCIAIS
FAMÍLIA
1. Instituições sociais
o Estruturas que atuam no processo de socialização.
o Transformam o ser biológico em humano e social.
o Constroem e transmitem cultura: comportamentos,
crenças, valores, costumes, formas de pensar, agir,
sentir, ver e interpretar o mundo.
o Família, religião, educação (escola), casamento,
mídias, clubes de serviço, Estado (governo).
“O homem constrói sua natureza, produz a si
mesmo. A autoprodução humana é
necessariamente um empreendimento social.”
(Peter Berger)
Socialização e humanização:
o O homem se humaniza através da socialização.
o O ser humano é gregário por natureza e sobrevive
em função das interações grupais.
o Humanos imitam humanos e incorporam hábitos,
costumes e valores comuns ao grupo social.
o Desde o nascimento, o indivíduo participa de
diferentes grupos, socializa – se e humaniza – se
na dialética entre a identidade individual e a
necessidade de uma identidade social.
O Mogli de verdade existiu. O indiano Dina
Sanichar viveu no século XIX e foi criado por lobos,
como o personagem de Rudyard Kipling em “O Livro
da Selva”, de 1894. Sanichar foi encontrado por um
grupo de caçadores em Uttar Pradesh, na Índia, em
1872. Aparentava ter cerca de seis anos e andava
apoiado sobre os braços e pernas, como se fossem
quatro patas. O menino acompanhava um grupo de
lobos e, ao anoitecer, se recolhia para o covil dos
animais como se fosse um deles. O garoto nunca
aprendeu a falar, nem a ler ou escrever. Ele se
comunicava com outras pessoas por meio de
barulhos, como os lobos costumavam fazer. Já no
orfanato, ele continuava a andar de quatro e até
aprendeu a ficar sobre duas pernas, mas hesitava.
Até na hora de vestir roupas. Registros indicam que
ele se recusava a comer alimentos cozidos e afiava os
dentes nos ossos.
Não tinham nada de humano e seu
comportamento era exatamente
semelhante àquele de seus irmãos
lobos. Elas caminhavam de quatro,
apoiando-se sobre os joelhos e
cotovelos para os pequenos trajetos
e sobre as mãos e os pés para os
trajetos longos e rápidos.
Eram incapazes de permanecer em
pé. Só se alimentavam de carne
crua ou podre. Comiam e bebiam
como os animais, lançando a
cabeça para a frente e lambendo os
líquidos.
Meninas lobo – Índia 1920
Nunca choravam ou riam.
Kamala viveu oito anos na instituição
que a acolheu, humanizando-se
lentamente. Necessitou de seis anos
para aprender a andar e, pouco antes
de morrer, tinha um vocabulário de
apenas cinquenta palavras. Atitudes
afetivas foram aparecendo aos
poucos. Chorou pela primeira vez por
ocasião da morte de Amala e se
apegou lentamente às pessoas que
cuidaram dela bem como as outras
com as quais conviveu.
2. Características das instituições sociais
o Compartilhamento de normas, crenças, modos de
agir, pensar, e sentir.
o Preservação e apresentação de propósitos,
justificativas e motivações de sua existência.
o Manter estruturas e estarem abertas ao
recrutamento dos novos integrantes.
o Produção de bens e serviços uteis à sociedade.
3. Os sociólogos e as instituições sociais
o A ordem e as estruturas das instituições sociais
são conservadoras pois mantem aspectos positivos
e os negativos: preconceitos, desigualdades sociais.
o Marxistas criticam a legitimação de opressões,
dominação e injustiças sociais.
o Outra linha busca entender as influências na visão
de mundo, nos comportamentos, papéis, status e os
conflitos decorrentes da não adaptação ao meio.
4. Família: socialização primária
o Conjunto de duas ou mais pessoas ligadas por
contatos primários (sanguíneos, casamento, adoção).
o Compartilha responsabilidades vitais para a
sociedade: proteção, sustento, socialização.
o Configurações familiares: clássica (pai, mãe, filhos),
mãe e filhos, pai e filhos, avós e netos, homoafetivo,
padrasto – madrasta e filhos, casal sem filhos.
Família nuclear e numerosa (extensa):
o Casal, filhos, netos, sobrinhos.
o Comum no passado e em áreas rurais.
Atribuições e funções da família:
Procriação:
o Historicamente é a de gerar filhos.
o Em áreas rurais: mão de obra, sustento, tarefas.
o Conforme as necessidades o Estado incentiva ou
não a natalidade e a imigração.
o Nos anos 1970 a China adotou a política do filho
único.
Função econômica:
o A família deve prover o sustento econômico e
material de seus membros (comida, casa, roupas).
o Nas sociedades patriarcais o homem é o provedor
e a mulher cuida da casa e das crianças.
o O empoderamento feminino mudou as estruturas,
as mulheres passaram a trabalhar fora, redefinindo
os papeis e as tarefas de homens e mulheres.
Função de educação e socialização:
o A família transmite status social, patrimônio, mais
ou menos oportunidades aos descendentes.
o Proporciona apoio psicológico e afetivo.
o Transmite valores, normas e regras formais e
informais, comportamentos, visões de mundo.
o Pode contribuir ou limitar mudanças sociais,
preconceitos, machismo, relações de poder.
Num país desigual como o Brasil, de tradição
escravocrata, em que faz diferença se homens e
mulheres são negros ou brancos, ricos ou pobres,
oportunidades, educação, empregos, exploração,
violência, exclusão, inclusão há redefinição dos
papeis sociais e das estruturas familiares.
Casamento:
o Aliança entre duas ou mais pessoas, regulada por
normas, leis, princípios, base do núcleo familiar.
o Objetivos: família, reprodução, cooperação.
o Importante: o convívio familiar permite
compartilhar sentimentos e conflitos:
(amor, generosidade, amizade, raiva, ciúme).
União estável – art. 226, §3º,da CF1723 a 1727 do CC:
A união estável acontece quando há um relacionamento
contínuo, público e com o objetivo de constituir família.
No entanto, você não precisa reconhecer a união em
cartório. Além disso, também não existe tempo mínimo
para que ela exista.
"Art. 1º: É facultativo o registro da união estável
prevista nos artigos 1.723 a 1.727 do Código Civil,
mantida entre o homem e a mulher, ou entre duas
pessoas do mesmo sexo".
Uniões homoafetivas:
o Em 2013 o CNJ proibiu os cartórios de recusarem
celebrar casamentos civis homoafetivos.
o O ECA permite adoções por casais homoafetivos.
Tipos ou arranjos familiares:
o Os relacionamentos envolvem normas, princípios
e regras, variando conforme a cultura.
o Os costumes de cada povo influenciam na aceitação
ou rejeição dos tipos de relacionamentos.
o Numa sociedade patriarcal a infidelidade masculina
costuma ser mais tolerada.
o Em países muçulmanos permite – se a poligamia.
Autoridade na família:
Patriarcado: mais comum, onde prevalecem a
autoridade e o poder do homem sobre a mulher.
Matriarcado: mais raro, onde prevalecem a
autoridade e o poder da mulher sobre o homem.
o Em tribos e comunidades em que os homens se
ausentam devido às guerras e expedições.
Monogamia:
o Quando duas pessoas se unem numa relação
marcada pela exclusividade mútua.
o Comum no Ocidente e o único permitido por lei
no Brasil, em que a bigamia ou poligamia é crime.
o No Brasil adultério não é crime e a lei do divórcio
(1977) permite a separação legal para que os
envolvidos possam se casar novamente.
Poligamia:
o Quando a pessoa tem mais de um parceiro.
o Comum em países muçulmanos e em comunidades
tradicionais africanas e asiáticas.
o Poliginia: um homem e várias esposas.
o A primeira esposa tem poder sobre as demais.
o Poliandria: uma mulher e vários maridos.
o Deus estabeleceu a monogamia como padrão relacional para
os homens. (Gn 1:27; 2:21-25).
o Deus estabeleceu a heterossexualidade como padrão de
relacionamento marital. (Gn 1:27; 2:21-25)
o Cada homem deve possuir a sua própria esposa, e cada
esposa, o seu próprio marido” (1 Co 7:2).
Casamentos arranjados ou negociados:
o Quando a pessoa não escolhe seu cônjuge.
o São casamentos negociados levando – se em
conta interesses como: títulos, patrimônio, poder.
o Muito comuns no passado, especialmente para
unir famílias poderosas (reis, coronéis).
o Atualmente feito por indianos, muçulmanos,
negociados através de dotes (bens).
5. Mudanças e a nova família
o A dinâmica social acompanha as instituições.
o As sociedades promovem e adaptam – se às
mudanças de cada época: industrialização, trabalho,
globalização, tecnologias, valores culturais.
o Família, relacionamentos, parceiros, gênero, papel
do homem e da mulher, filhos, educação mudam
conforme a época, de geração à geração.
Núcleo familiar dos séculos XX/XXI:
o Casais que optam por carreira, renda, liberdade,
individualismo, não ter filhos ou apenas um ou dois.
o Geração canguru: filhos querem ficar com os pais.
o Horizontalização nas relações: pais e filhos dividem
a autoridade familiar e os processos de decisões.
o Mulher: independente em suas escolhas (educação,
trabalho, casamento, filhos, chefia da família).
O empoderamento feminino inseriu a mulher na
educação e no mercado de trabalho gerando
transformações sociais importantes: carreira,
renda, poder de mando, autonomia, mudanças
no ambiente doméstico. Muitas mulheres
optaram por permanecer solteiras, muitas vezes
com filhos. Por outro lado casamentos estão
mais frágeis, pais e mães abandonam o lar e
os filhos, forçando novos arranjos familiares.
No código eleitoral Provisório (24/02/1932) o voto feminino no Brasil foi assegurado, após
intensa campanha pelo direito das mulheres ao voto. As mulheres conquistavam, depois de
muitos anos de reivindicações e discussões, o direito de votar e serem eleitas para cargos no
executivo e legislativo. Uma longa luta, iniciada antes mesmo da República, conquista parcial
por permitir somente às mulheres casadas, com autorização dos maridos, e às viúvas e
solteiras que tivessem renda própria, o exercício de um direito básico para o pleno exercício da
cidadania. Em 1934, as restrições ao voto feminino foram eliminadas do Código Eleitoral, embora
a obrigatoriedade do voto fosse um dever masculino.
Carlota Pereira
Primeira Deputada Federal (1933)
“Você vai fazer até o ensino médio. Depois, se você quiser fazer a faculdade, você que sabe,
mas até o seu casamento você vai ser apenas uma pessoa de ensino médio. Porque se a
Cristiane. Vem cá, Cristiane. Se ela fosse doutora e tivesse um grau de conhecimento elevado
e encontrasse um rapaz que tivesse um grau de conhecimento baixo, ele não seria o cabeça.
Ela seria a cabeça. Não é isso? E se ela fosse a cabeça, não serviria a vontade de Deus”.
(Edir Macedo)
A foto mostra Nise da
Silveira. Formou – se em
Medicina pela Faculdade
de Medicina da Bahia em
1926. Única mulher no
meio de 147 homens. Na
Faculdade não havia
banheiro feminino e Nise
foi pressionada por
professores e colegas para
que desistisse. Formou – se
tornando – se um dos
principais nomes da
psiquiatria brasileira.
Instituições sociais família
Instituições sociais família

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Homen e Sociedade - Aula 1
Homen e Sociedade - Aula 1Homen e Sociedade - Aula 1
Homen e Sociedade - Aula 1admunip2013
 
Relativismo desafio do relativismo cultural - rachels
Relativismo   desafio do relativismo cultural - rachelsRelativismo   desafio do relativismo cultural - rachels
Relativismo desafio do relativismo cultural - rachelsLeandro Klineyder
 
Aula de revisão de conteúdo – 7º ano
Aula de revisão de conteúdo – 7º anoAula de revisão de conteúdo – 7º ano
Aula de revisão de conteúdo – 7º anoroberto mosca junior
 
Sociologia atitudes de cidadania
Sociologia   atitudes de cidadaniaSociologia   atitudes de cidadania
Sociologia atitudes de cidadaniaGustavo Soares
 
A questão da estratificação social (1)
A questão da estratificação social (1)A questão da estratificação social (1)
A questão da estratificação social (1)Janaína Almeida
 
Aula 4 formas de organização social
Aula 4   formas de organização socialAula 4   formas de organização social
Aula 4 formas de organização socialFábio Nogueira, PhD
 
Cultura e etnocentrismo
Cultura e etnocentrismoCultura e etnocentrismo
Cultura e etnocentrismoRayssa Fonseca
 
A Diversidade Cultural
A Diversidade CulturalA Diversidade Cultural
A Diversidade Culturaljuliana_f
 
Raça, etnia e multiculturalismo aula 2º ano sociologia
Raça, etnia e multiculturalismo   aula 2º ano sociologiaRaça, etnia e multiculturalismo   aula 2º ano sociologia
Raça, etnia e multiculturalismo aula 2º ano sociologiaÍris Ferreira
 
Homem cultura sociedade u1
Homem cultura sociedade u1Homem cultura sociedade u1
Homem cultura sociedade u1ingrid stefanny
 

Mais procurados (20)

Homen e Sociedade - Aula 1
Homen e Sociedade - Aula 1Homen e Sociedade - Aula 1
Homen e Sociedade - Aula 1
 
Relativismo desafio do relativismo cultural - rachels
Relativismo   desafio do relativismo cultural - rachelsRelativismo   desafio do relativismo cultural - rachels
Relativismo desafio do relativismo cultural - rachels
 
Determinismo e diversidade cultural 2020
Determinismo e diversidade cultural 2020Determinismo e diversidade cultural 2020
Determinismo e diversidade cultural 2020
 
Aula de revisão de conteúdo – 7º ano
Aula de revisão de conteúdo – 7º anoAula de revisão de conteúdo – 7º ano
Aula de revisão de conteúdo – 7º ano
 
INDIVÍDUO E SOCIEDADE
INDIVÍDUO E SOCIEDADEINDIVÍDUO E SOCIEDADE
INDIVÍDUO E SOCIEDADE
 
Ppt 1 soc-6
Ppt 1    soc-6 Ppt 1    soc-6
Ppt 1 soc-6
 
Sociologia atitudes de cidadania
Sociologia   atitudes de cidadaniaSociologia   atitudes de cidadania
Sociologia atitudes de cidadania
 
Aula 06 - Liberdade, propriedade, fraternidade
Aula 06 - Liberdade, propriedade, fraternidadeAula 06 - Liberdade, propriedade, fraternidade
Aula 06 - Liberdade, propriedade, fraternidade
 
A questão da estratificação social (1)
A questão da estratificação social (1)A questão da estratificação social (1)
A questão da estratificação social (1)
 
Aula 4 formas de organização social
Aula 4   formas de organização socialAula 4   formas de organização social
Aula 4 formas de organização social
 
Castas, estamentos e classes sociais
Castas, estamentos e classes sociaisCastas, estamentos e classes sociais
Castas, estamentos e classes sociais
 
Cultura e etnocentrismo
Cultura e etnocentrismoCultura e etnocentrismo
Cultura e etnocentrismo
 
A Diversidade Cultural
A Diversidade CulturalA Diversidade Cultural
A Diversidade Cultural
 
[3º ano/3º EJA] Sociologia: Etnocentrismo
[3º ano/3º EJA] Sociologia: Etnocentrismo[3º ano/3º EJA] Sociologia: Etnocentrismo
[3º ano/3º EJA] Sociologia: Etnocentrismo
 
Cultura e Sociedade
Cultura e SociedadeCultura e Sociedade
Cultura e Sociedade
 
Raça, etnia e multiculturalismo aula 2º ano sociologia
Raça, etnia e multiculturalismo   aula 2º ano sociologiaRaça, etnia e multiculturalismo   aula 2º ano sociologia
Raça, etnia e multiculturalismo aula 2º ano sociologia
 
Racismo
RacismoRacismo
Racismo
 
Sociologia – 2º ano cultura....
Sociologia – 2º ano   cultura....Sociologia – 2º ano   cultura....
Sociologia – 2º ano cultura....
 
Homem cultura sociedade u1
Homem cultura sociedade u1Homem cultura sociedade u1
Homem cultura sociedade u1
 
O que é etnocentrismo
O que é etnocentrismoO que é etnocentrismo
O que é etnocentrismo
 

Semelhante a Instituições sociais família

Aula de sociologia 3 ano i bimestre 2020
Aula de sociologia 3 ano   i bimestre 2020Aula de sociologia 3 ano   i bimestre 2020
Aula de sociologia 3 ano i bimestre 2020Paulo Alexandre
 
Texto instituições sociais
Texto   instituições sociaisTexto   instituições sociais
Texto instituições sociaisFabio Salvari
 
Familia aspectos historicos e culturais
Familia aspectos historicos e culturaisFamilia aspectos historicos e culturais
Familia aspectos historicos e culturaisRenato Nascimento
 
Família- Sociologia 12ºAno
Família- Sociologia 12ºAnoFamília- Sociologia 12ºAno
Família- Sociologia 12ºAnoturma12d
 
terapia familiar ou em grupo
terapia familiar ou em grupoterapia familiar ou em grupo
terapia familiar ou em grupoLucimara Dangelo
 
Cap 17 família e relações de parentesco
Cap 17 família e relações de parentescoCap 17 família e relações de parentesco
Cap 17 família e relações de parentescoJoao Balbi
 
Capítulo 11 instituições sociais
Capítulo 11   instituições sociaisCapítulo 11   instituições sociais
Capítulo 11 instituições sociaisColegio GGE
 
Instituicoes sociais 2 ano
Instituicoes sociais 2 anoInstituicoes sociais 2 ano
Instituicoes sociais 2 anoOver Lane
 
Instituicoes sociais 2 ano
Instituicoes sociais 2 anoInstituicoes sociais 2 ano
Instituicoes sociais 2 anoOver Lane
 
Da família patriarcal às novas
Da família patriarcal às novasDa família patriarcal às novas
Da família patriarcal às novasAnaPeralta54
 
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneoDa família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneoPortal do Vestibulando
 
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneoDa família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneoEscola
 

Semelhante a Instituições sociais família (20)

Família
Família  Família
Família
 
Aula de sociologia 3 ano i bimestre 2020
Aula de sociologia 3 ano   i bimestre 2020Aula de sociologia 3 ano   i bimestre 2020
Aula de sociologia 3 ano i bimestre 2020
 
Texto instituições sociais
Texto   instituições sociaisTexto   instituições sociais
Texto instituições sociais
 
Intituições Sociais
Intituições SociaisIntituições Sociais
Intituições Sociais
 
Família sob ataque
Família sob ataqueFamília sob ataque
Família sob ataque
 
Conceitos de familia
Conceitos de familiaConceitos de familia
Conceitos de familia
 
Familia aspectos historicos e culturais
Familia aspectos historicos e culturaisFamilia aspectos historicos e culturais
Familia aspectos historicos e culturais
 
Família- Sociologia 12ºAno
Família- Sociologia 12ºAnoFamília- Sociologia 12ºAno
Família- Sociologia 12ºAno
 
terapia familiar ou em grupo
terapia familiar ou em grupoterapia familiar ou em grupo
terapia familiar ou em grupo
 
Psicologia aula 4
Psicologia   aula 4Psicologia   aula 4
Psicologia aula 4
 
Cap 17 família e relações de parentesco
Cap 17 família e relações de parentescoCap 17 família e relações de parentesco
Cap 17 família e relações de parentesco
 
O homem e a mulher
O homem e a mulher O homem e a mulher
O homem e a mulher
 
Lei_de_Reproducao
Lei_de_ReproducaoLei_de_Reproducao
Lei_de_Reproducao
 
Capítulo 11 instituições sociais
Capítulo 11   instituições sociaisCapítulo 11   instituições sociais
Capítulo 11 instituições sociais
 
Instituicoes sociais 2 ano
Instituicoes sociais 2 anoInstituicoes sociais 2 ano
Instituicoes sociais 2 ano
 
Instituicoes sociais 2 ano
Instituicoes sociais 2 anoInstituicoes sociais 2 ano
Instituicoes sociais 2 ano
 
Da família patriarcal às novas
Da família patriarcal às novasDa família patriarcal às novas
Da família patriarcal às novas
 
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneoDa família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
 
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneoDa família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
 
Família
FamíliaFamília
Família
 

Mais de firminomaissociologiafilosofia2019

Trabalho: conceito, tipos, características, importãncia, globalização.
Trabalho: conceito, tipos, características, importãncia, globalização.Trabalho: conceito, tipos, características, importãncia, globalização.
Trabalho: conceito, tipos, características, importãncia, globalização.firminomaissociologiafilosofia2019
 

Mais de firminomaissociologiafilosofia2019 (20)

Ética e Moral
Ética e MoralÉtica e Moral
Ética e Moral
 
Neoliberalismo e desigualdades sociais
Neoliberalismo e desigualdades sociaisNeoliberalismo e desigualdades sociais
Neoliberalismo e desigualdades sociais
 
Sociologia brasileira
Sociologia brasileiraSociologia brasileira
Sociologia brasileira
 
Trabalho: conceito, tipos, características, importãncia, globalização.
Trabalho: conceito, tipos, características, importãncia, globalização.Trabalho: conceito, tipos, características, importãncia, globalização.
Trabalho: conceito, tipos, características, importãncia, globalização.
 
ANTROPOLOGIA: CIÊNCIA DA ALTERIDADE.
ANTROPOLOGIA: CIÊNCIA DA ALTERIDADE.ANTROPOLOGIA: CIÊNCIA DA ALTERIDADE.
ANTROPOLOGIA: CIÊNCIA DA ALTERIDADE.
 
Cultura 2021
Cultura 2021Cultura 2021
Cultura 2021
 
Estrutura social: conceitos básicos.
Estrutura social: conceitos básicos.Estrutura social: conceitos básicos.
Estrutura social: conceitos básicos.
 
Émile Durkheim- 2021
Émile Durkheim- 2021Émile Durkheim- 2021
Émile Durkheim- 2021
 
Augusto Comte e o Positivismo 2021
Augusto Comte e o Positivismo 2021Augusto Comte e o Positivismo 2021
Augusto Comte e o Positivismo 2021
 
Estado, poder, política, cidadania 2020
Estado, poder, política, cidadania 2020Estado, poder, política, cidadania 2020
Estado, poder, política, cidadania 2020
 
Indústria Cultural e Cultura de Massa-2020
Indústria Cultural e Cultura de Massa-2020Indústria Cultural e Cultura de Massa-2020
Indústria Cultural e Cultura de Massa-2020
 
Capitalismo e trabalho 2020
Capitalismo e trabalho   2020Capitalismo e trabalho   2020
Capitalismo e trabalho 2020
 
Ética e moral 2020
Ética e moral 2020Ética e moral 2020
Ética e moral 2020
 
Etnia, gênero, minorias 2020
Etnia, gênero, minorias 2020Etnia, gênero, minorias 2020
Etnia, gênero, minorias 2020
 
Cultura erudita e cultura popular 2020
Cultura erudita e cultura popular 2020Cultura erudita e cultura popular 2020
Cultura erudita e cultura popular 2020
 
Indivíduo e Socialização 2020
Indivíduo e Socialização 2020Indivíduo e Socialização 2020
Indivíduo e Socialização 2020
 
Cultura 2020
Cultura 2020Cultura 2020
Cultura 2020
 
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski 2020
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski 2020Antropologia e cultura tylor boas e malinowski 2020
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski 2020
 
Max Weber: viés culturalista 2020
Max Weber: viés culturalista 2020Max Weber: viés culturalista 2020
Max Weber: viés culturalista 2020
 
Relativismo cultural etnocentrismo estereótipos 2020
Relativismo cultural etnocentrismo estereótipos 2020Relativismo cultural etnocentrismo estereótipos 2020
Relativismo cultural etnocentrismo estereótipos 2020
 

Último

CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanomarla71199
 
Orações subordinadas substantivas- 9ano.pptx
Orações subordinadas substantivas- 9ano.pptxOrações subordinadas substantivas- 9ano.pptx
Orações subordinadas substantivas- 9ano.pptxKtiaOliveira68
 
Aula de ampliação e redução - matemática
Aula de ampliação e redução - matemáticaAula de ampliação e redução - matemática
Aula de ampliação e redução - matemáticaJulianeNassaralla1
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Centro Jacques Delors
 
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxLucasFCapistrano
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfFbioFerreira207918
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
Aprender as diferentes formas de classificar as habilidades motoras é de extr...
Aprender as diferentes formas de classificar as habilidades motoras é de extr...Aprender as diferentes formas de classificar as habilidades motoras é de extr...
Aprender as diferentes formas de classificar as habilidades motoras é de extr...azulassessoria9
 
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...azulassessoria9
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Pauloririg29454
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
M0 Atendimento – Definição, Importância .pptx
M0 Atendimento – Definição, Importância .pptxM0 Atendimento – Definição, Importância .pptx
M0 Atendimento – Definição, Importância .pptxJustinoTeixeira1
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreLeandroLima265595
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfprofesfrancleite
 
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...azulassessoria9
 

Último (20)

CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
 
Orações subordinadas substantivas- 9ano.pptx
Orações subordinadas substantivas- 9ano.pptxOrações subordinadas substantivas- 9ano.pptx
Orações subordinadas substantivas- 9ano.pptx
 
Aula de ampliação e redução - matemática
Aula de ampliação e redução - matemáticaAula de ampliação e redução - matemática
Aula de ampliação e redução - matemática
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Aprender as diferentes formas de classificar as habilidades motoras é de extr...
Aprender as diferentes formas de classificar as habilidades motoras é de extr...Aprender as diferentes formas de classificar as habilidades motoras é de extr...
Aprender as diferentes formas de classificar as habilidades motoras é de extr...
 
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
M0 Atendimento – Definição, Importância .pptx
M0 Atendimento – Definição, Importância .pptxM0 Atendimento – Definição, Importância .pptx
M0 Atendimento – Definição, Importância .pptx
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
 

Instituições sociais família

  • 2.
  • 3. 1. Instituições sociais o Estruturas que atuam no processo de socialização. o Transformam o ser biológico em humano e social. o Constroem e transmitem cultura: comportamentos, crenças, valores, costumes, formas de pensar, agir, sentir, ver e interpretar o mundo. o Família, religião, educação (escola), casamento, mídias, clubes de serviço, Estado (governo).
  • 4. “O homem constrói sua natureza, produz a si mesmo. A autoprodução humana é necessariamente um empreendimento social.” (Peter Berger)
  • 5. Socialização e humanização: o O homem se humaniza através da socialização. o O ser humano é gregário por natureza e sobrevive em função das interações grupais. o Humanos imitam humanos e incorporam hábitos, costumes e valores comuns ao grupo social. o Desde o nascimento, o indivíduo participa de diferentes grupos, socializa – se e humaniza – se na dialética entre a identidade individual e a necessidade de uma identidade social.
  • 6.
  • 7.
  • 8. O Mogli de verdade existiu. O indiano Dina Sanichar viveu no século XIX e foi criado por lobos, como o personagem de Rudyard Kipling em “O Livro da Selva”, de 1894. Sanichar foi encontrado por um grupo de caçadores em Uttar Pradesh, na Índia, em 1872. Aparentava ter cerca de seis anos e andava apoiado sobre os braços e pernas, como se fossem quatro patas. O menino acompanhava um grupo de lobos e, ao anoitecer, se recolhia para o covil dos animais como se fosse um deles. O garoto nunca aprendeu a falar, nem a ler ou escrever. Ele se comunicava com outras pessoas por meio de barulhos, como os lobos costumavam fazer. Já no orfanato, ele continuava a andar de quatro e até aprendeu a ficar sobre duas pernas, mas hesitava. Até na hora de vestir roupas. Registros indicam que ele se recusava a comer alimentos cozidos e afiava os dentes nos ossos.
  • 9. Não tinham nada de humano e seu comportamento era exatamente semelhante àquele de seus irmãos lobos. Elas caminhavam de quatro, apoiando-se sobre os joelhos e cotovelos para os pequenos trajetos e sobre as mãos e os pés para os trajetos longos e rápidos. Eram incapazes de permanecer em pé. Só se alimentavam de carne crua ou podre. Comiam e bebiam como os animais, lançando a cabeça para a frente e lambendo os líquidos. Meninas lobo – Índia 1920
  • 10. Nunca choravam ou riam. Kamala viveu oito anos na instituição que a acolheu, humanizando-se lentamente. Necessitou de seis anos para aprender a andar e, pouco antes de morrer, tinha um vocabulário de apenas cinquenta palavras. Atitudes afetivas foram aparecendo aos poucos. Chorou pela primeira vez por ocasião da morte de Amala e se apegou lentamente às pessoas que cuidaram dela bem como as outras com as quais conviveu.
  • 11. 2. Características das instituições sociais o Compartilhamento de normas, crenças, modos de agir, pensar, e sentir. o Preservação e apresentação de propósitos, justificativas e motivações de sua existência. o Manter estruturas e estarem abertas ao recrutamento dos novos integrantes. o Produção de bens e serviços uteis à sociedade.
  • 12. 3. Os sociólogos e as instituições sociais o A ordem e as estruturas das instituições sociais são conservadoras pois mantem aspectos positivos e os negativos: preconceitos, desigualdades sociais. o Marxistas criticam a legitimação de opressões, dominação e injustiças sociais. o Outra linha busca entender as influências na visão de mundo, nos comportamentos, papéis, status e os conflitos decorrentes da não adaptação ao meio.
  • 13. 4. Família: socialização primária o Conjunto de duas ou mais pessoas ligadas por contatos primários (sanguíneos, casamento, adoção). o Compartilha responsabilidades vitais para a sociedade: proteção, sustento, socialização. o Configurações familiares: clássica (pai, mãe, filhos), mãe e filhos, pai e filhos, avós e netos, homoafetivo, padrasto – madrasta e filhos, casal sem filhos.
  • 14. Família nuclear e numerosa (extensa): o Casal, filhos, netos, sobrinhos. o Comum no passado e em áreas rurais.
  • 15.
  • 16. Atribuições e funções da família: Procriação: o Historicamente é a de gerar filhos. o Em áreas rurais: mão de obra, sustento, tarefas. o Conforme as necessidades o Estado incentiva ou não a natalidade e a imigração. o Nos anos 1970 a China adotou a política do filho único.
  • 17.
  • 18.
  • 19. Função econômica: o A família deve prover o sustento econômico e material de seus membros (comida, casa, roupas). o Nas sociedades patriarcais o homem é o provedor e a mulher cuida da casa e das crianças. o O empoderamento feminino mudou as estruturas, as mulheres passaram a trabalhar fora, redefinindo os papeis e as tarefas de homens e mulheres.
  • 20. Função de educação e socialização: o A família transmite status social, patrimônio, mais ou menos oportunidades aos descendentes. o Proporciona apoio psicológico e afetivo. o Transmite valores, normas e regras formais e informais, comportamentos, visões de mundo. o Pode contribuir ou limitar mudanças sociais, preconceitos, machismo, relações de poder.
  • 21.
  • 22.
  • 23. Num país desigual como o Brasil, de tradição escravocrata, em que faz diferença se homens e mulheres são negros ou brancos, ricos ou pobres, oportunidades, educação, empregos, exploração, violência, exclusão, inclusão há redefinição dos papeis sociais e das estruturas familiares.
  • 24.
  • 25. Casamento: o Aliança entre duas ou mais pessoas, regulada por normas, leis, princípios, base do núcleo familiar. o Objetivos: família, reprodução, cooperação. o Importante: o convívio familiar permite compartilhar sentimentos e conflitos: (amor, generosidade, amizade, raiva, ciúme).
  • 26.
  • 27. União estável – art. 226, §3º,da CF1723 a 1727 do CC: A união estável acontece quando há um relacionamento contínuo, público e com o objetivo de constituir família. No entanto, você não precisa reconhecer a união em cartório. Além disso, também não existe tempo mínimo para que ela exista. "Art. 1º: É facultativo o registro da união estável prevista nos artigos 1.723 a 1.727 do Código Civil, mantida entre o homem e a mulher, ou entre duas pessoas do mesmo sexo".
  • 28. Uniões homoafetivas: o Em 2013 o CNJ proibiu os cartórios de recusarem celebrar casamentos civis homoafetivos. o O ECA permite adoções por casais homoafetivos.
  • 29.
  • 30. Tipos ou arranjos familiares: o Os relacionamentos envolvem normas, princípios e regras, variando conforme a cultura. o Os costumes de cada povo influenciam na aceitação ou rejeição dos tipos de relacionamentos. o Numa sociedade patriarcal a infidelidade masculina costuma ser mais tolerada. o Em países muçulmanos permite – se a poligamia.
  • 31. Autoridade na família: Patriarcado: mais comum, onde prevalecem a autoridade e o poder do homem sobre a mulher. Matriarcado: mais raro, onde prevalecem a autoridade e o poder da mulher sobre o homem. o Em tribos e comunidades em que os homens se ausentam devido às guerras e expedições.
  • 32.
  • 33.
  • 34. Monogamia: o Quando duas pessoas se unem numa relação marcada pela exclusividade mútua. o Comum no Ocidente e o único permitido por lei no Brasil, em que a bigamia ou poligamia é crime. o No Brasil adultério não é crime e a lei do divórcio (1977) permite a separação legal para que os envolvidos possam se casar novamente.
  • 35.
  • 36. Poligamia: o Quando a pessoa tem mais de um parceiro. o Comum em países muçulmanos e em comunidades tradicionais africanas e asiáticas. o Poliginia: um homem e várias esposas. o A primeira esposa tem poder sobre as demais. o Poliandria: uma mulher e vários maridos.
  • 37.
  • 38. o Deus estabeleceu a monogamia como padrão relacional para os homens. (Gn 1:27; 2:21-25). o Deus estabeleceu a heterossexualidade como padrão de relacionamento marital. (Gn 1:27; 2:21-25) o Cada homem deve possuir a sua própria esposa, e cada esposa, o seu próprio marido” (1 Co 7:2).
  • 39. Casamentos arranjados ou negociados: o Quando a pessoa não escolhe seu cônjuge. o São casamentos negociados levando – se em conta interesses como: títulos, patrimônio, poder. o Muito comuns no passado, especialmente para unir famílias poderosas (reis, coronéis). o Atualmente feito por indianos, muçulmanos, negociados através de dotes (bens).
  • 40.
  • 41. 5. Mudanças e a nova família o A dinâmica social acompanha as instituições. o As sociedades promovem e adaptam – se às mudanças de cada época: industrialização, trabalho, globalização, tecnologias, valores culturais. o Família, relacionamentos, parceiros, gênero, papel do homem e da mulher, filhos, educação mudam conforme a época, de geração à geração.
  • 42. Núcleo familiar dos séculos XX/XXI: o Casais que optam por carreira, renda, liberdade, individualismo, não ter filhos ou apenas um ou dois. o Geração canguru: filhos querem ficar com os pais. o Horizontalização nas relações: pais e filhos dividem a autoridade familiar e os processos de decisões. o Mulher: independente em suas escolhas (educação, trabalho, casamento, filhos, chefia da família).
  • 43. O empoderamento feminino inseriu a mulher na educação e no mercado de trabalho gerando transformações sociais importantes: carreira, renda, poder de mando, autonomia, mudanças no ambiente doméstico. Muitas mulheres optaram por permanecer solteiras, muitas vezes com filhos. Por outro lado casamentos estão mais frágeis, pais e mães abandonam o lar e os filhos, forçando novos arranjos familiares.
  • 44.
  • 45.
  • 46.
  • 47.
  • 48.
  • 49.
  • 50. No código eleitoral Provisório (24/02/1932) o voto feminino no Brasil foi assegurado, após intensa campanha pelo direito das mulheres ao voto. As mulheres conquistavam, depois de muitos anos de reivindicações e discussões, o direito de votar e serem eleitas para cargos no executivo e legislativo. Uma longa luta, iniciada antes mesmo da República, conquista parcial por permitir somente às mulheres casadas, com autorização dos maridos, e às viúvas e solteiras que tivessem renda própria, o exercício de um direito básico para o pleno exercício da cidadania. Em 1934, as restrições ao voto feminino foram eliminadas do Código Eleitoral, embora a obrigatoriedade do voto fosse um dever masculino. Carlota Pereira Primeira Deputada Federal (1933)
  • 51. “Você vai fazer até o ensino médio. Depois, se você quiser fazer a faculdade, você que sabe, mas até o seu casamento você vai ser apenas uma pessoa de ensino médio. Porque se a Cristiane. Vem cá, Cristiane. Se ela fosse doutora e tivesse um grau de conhecimento elevado e encontrasse um rapaz que tivesse um grau de conhecimento baixo, ele não seria o cabeça. Ela seria a cabeça. Não é isso? E se ela fosse a cabeça, não serviria a vontade de Deus”. (Edir Macedo)
  • 52. A foto mostra Nise da Silveira. Formou – se em Medicina pela Faculdade de Medicina da Bahia em 1926. Única mulher no meio de 147 homens. Na Faculdade não havia banheiro feminino e Nise foi pressionada por professores e colegas para que desistisse. Formou – se tornando – se um dos principais nomes da psiquiatria brasileira.