SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
atenasregina@yahoo.com.br
Primeiro conceito

 Visão de mundo na qual nosso próprio grupo
  é tomado como centro de tudo e todos os
  outros são pensados e sentidos através de
  nossos valores.
 Dificuldade de pensar a diferença.
 Estranheza, medo e hostilidade em relação a
  outro grupo.



                     atenasregina@yahoo.com.br
Composição do etnocentrismo
   Elementos intelectuais.
   Elementos racionais.
   Elementos emocionais.
   Elementos afetivos.
   Categorias dicotômicas:
   Nós- Outros.
   Progresso- Atraso.
   Civilização- Selvageria, barbárie.
   Sociedade- Natureza.
   Igual- Diferente.
   Sociedade complexa- Sociedade tradicional.
                          atenasregina@yahoo.com.br
Questões iniciais

Busca pelos mecanismos, formas, caminhos e
  razões que provocam as distorções nas imagens,
  representações, pensamentos e emoções em
  torno de outros grupos.
Choque cultural: constatação das diferenças com o
  reforço da identidade do “nosso” grupo.
“A diferença é ameaçadora porque fere nossa
  própria identidade cultural”.
O grupo do “outro” é visto como engraçado,
  absurdo, anormal ou ininteligível.

                       atenasregina@yahoo.com.br
A interpretação das
culturas
O julgamento de valor da cultura do “outro” nos termos da
    cultura do grupo do “eu”.
O etnocentrismo implica uma apreensão do “outro” que se
    reveste de forma bastante violenta.
A lógica do extermínio.
As representações nos
livros didáticos: índio enquanto
“selvagem”, “primitivo”,
“pré-histórico”, “antropófago”, “inocente”, “infantil”,“almas
    virgens”.

                             atenasregina@yahoo.com.br
Estereotipia e
etnocentrismo
   “Rotulamos e aplicamos estereótipos através dos quais nos guiamos para o confronto cotidiano
com a diferença”. P.18.
   “negros”.
   “empregados”.
   “os paraíba”.
   “os doidões”.
   “os colunáveis”.
   “os surfistas”.
   “as dondocas”.
   “os velhos”.
   “os caretas”.
   “as patricinhas”.
   “os emos”.
   “os vagabundos”.
   “os gays”.
   “a loira”



                                               atenasregina@yahoo.com.br
O conceito de relativização
 “Quando vemos que as verdades da vida são menos uma questão
   de essência das coisas e mais uma questão de posição: estamos
   relativizando”.p. 20.
 Perceber o contexto que produz os atos é uma forma de relativizar
   nosso ponto de vista.
 Compreender o outro dentro de seus próprios valores e sistema de
   crenças é uma maneira de praticar o relativismo.
 Relativizar é: “ver que a verdade está mais no olhar que naquilo que
   é olhado”. p.20.
 “Relativizar é não transformar a diferença em hierarquia, em
   superiores e inferiores ou em bem e mal, mas vê-la na sua dimensão
   de riqueza por ser diferente”. p. 20.
 Na antropologia social a diferença é vista como alternativa, como
   variedade de soluções para situações existenciais comuns.

                                   atenasregina@yahoo.com.br
A descoberta do “outro”

 Marco Polo e o Livro das maravilhas.
 As Grandes Navegações e a conquista do
  Novo Mundo:
 Espanto,       violência,      perplexidade:
  etnocentrismo.
 Cristóvão Colombo: o paraíso do Éden.
 Américo Vespúcio: As cartas que batizaram a
  América.

                      atenasregina@yahoo.com.br
O Evolucionismo
   A diferença é explicada nos séculos XVIII e XIX como a existência de
    diferentes graus de evolução.
   O conceito de evolução preconiza: desenvolvimento, transformação,
    processo, progresso, realização.
   A noção biológica de evolução foi defendida na obra A Origem das Espécies,
    do inglês Charles Darwin.
   “O evolucionismo biológico e o evolucionismo social se encontram e o
    segundo passa ser o novo modelo explicador da diferença entre o “eu” e o
    “outro”.p. 27.
   No evolucionismo antropológico a noção de progresso torna-se
    fundamental.
   Objetivo dos antropólogos evolucionistas:        transformar   sociedades
    contemporâneas em retratos do passado.
   Postulado da unidade cultural.
   “O etnocentrismo estava em achar que o “outro” era completamente
    dispensável como elemento de transformação da teoria. A relativização não
    tinha espaço”. p. 32.
   Divisão sugerida por Lewis Morgan das sociedades humanas em estágios:
    selvageria, barbárie e civilização. atenasregina@yahoo.com.br
A Antropologia Social: pioneiros
 A     Antropologia é capaz de relativizar as noções de tempo,
   indivíduo, identidade entre outros conceitos.
 Franz Boas: reflexão relativista do conceito de cultura, dando
   importância as suas particularidades. Percepção da importância do
   estudo da pluralidade de culturas diferentes.
 Boas enfatizou que os processos de mudança, de troca e
   empréstimo cultural são capazes de repercutir nos caminhos
   traçados por cada cultura humana.
 Influência da Escola Culturalista de Boas nos trabalhos de Gilberto
   Freyre.
 Ruth Benedict e Margaret Mead foram expoentes da Escola
   Personalidade e cultura: objetivo de estabelecer a relação entre a
   cultura e as personalidades individuais.
 O problema do reducionismo.


                                 atenasregina@yahoo.com.br
A Antropologia clássica no século XX
   Radcliffe-Brown: Funcionalismo: pensar a sociedade em seus próprios
    termos. Busca de rigor teórico e conceitual no estudo das culturas humanas.
   O funcionalismo faz a ligação entre “processo” e “estrutura”.
   Émile Durkheim: “ o social não se explica pelo individual”. p. 65.
   “É fato social toda maneira de agir fixa ou não, suscetível de exercer sobre o
    indivíduo uma coerção exterior; ou então ainda, que é geral na extensão de
    uma sociedade dada, apresentando uma existência própria, independente
    das manifestações individuais que possa ter”. In: As regras do método
    sociológico.
   O fato social é coercitivo, extenso e externo.
   Bronislaw Malinowski: o trabalho de campo enquanto viagem ao “outro”: a
    comparação relativizadora.
   Pensar antropologicamente é buscar compreender o sentido positivo da
    diferença.
   “A antropologia é uma pequena ilha num oceano de pensamentos e prátcas
    sociais marcadamente etnocêntricas”. p. 92.
                                        atenasregina@yahoo.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
 
Racismo no Brasil
Racismo no BrasilRacismo no Brasil
Racismo no Brasil
 
Aulão ENEM filosofia e sociologia
Aulão ENEM filosofia e sociologiaAulão ENEM filosofia e sociologia
Aulão ENEM filosofia e sociologia
 
Os Movimentos Sociais
Os Movimentos Sociais Os Movimentos Sociais
Os Movimentos Sociais
 
história da sociologia
   história da sociologia   história da sociologia
história da sociologia
 
Etnocentrismo e Relativismo Cultural
Etnocentrismo e Relativismo Cultural Etnocentrismo e Relativismo Cultural
Etnocentrismo e Relativismo Cultural
 
O que é cultura?
O que é cultura?O que é cultura?
O que é cultura?
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
 
Política e poder
Política e poderPolítica e poder
Política e poder
 
Ideologia
IdeologiaIdeologia
Ideologia
 
Antropologia: conceitos basicos
 Antropologia: conceitos basicos Antropologia: conceitos basicos
Antropologia: conceitos basicos
 
Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1
 
Sociologia e meio ambiente
Sociologia e meio ambienteSociologia e meio ambiente
Sociologia e meio ambiente
 
As relações entre indivíduo e sociedade
As relações entre indivíduo e sociedadeAs relações entre indivíduo e sociedade
As relações entre indivíduo e sociedade
 
Sociologia ii aula 1 - Cultura e Sociedade
Sociologia ii   aula 1 - Cultura e SociedadeSociologia ii   aula 1 - Cultura e Sociedade
Sociologia ii aula 1 - Cultura e Sociedade
 
Sociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula IntrodutóriaSociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula Introdutória
 
Genero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Genero e sexualidade - Aula Completa de SociologiaGenero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Genero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Preconceito e intolerência
Preconceito e intolerênciaPreconceito e intolerência
Preconceito e intolerência
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 

Semelhante a O que é etnocentrismo

Um Índio Didático. Notas para o estudo de representações - Everardo Pereira G...
Um Índio Didático. Notas para o estudo de representações - Everardo Pereira G...Um Índio Didático. Notas para o estudo de representações - Everardo Pereira G...
Um Índio Didático. Notas para o estudo de representações - Everardo Pereira G...Junior Ferreira
 
História da Antropologia_ teoria, método e colonialismo.pdf
História da Antropologia_ teoria, método e colonialismo.pdfHistória da Antropologia_ teoria, método e colonialismo.pdf
História da Antropologia_ teoria, método e colonialismo.pdfFelipeCavalcantiFerr
 
Etnocentrismo e relativismo cultural
Etnocentrismo e relativismo culturalEtnocentrismo e relativismo cultural
Etnocentrismo e relativismo culturalPsicologia_2015
 
Antropologia CONCEITOS BÁSICOS
Antropologia CONCEITOS BÁSICOSAntropologia CONCEITOS BÁSICOS
Antropologia CONCEITOS BÁSICOSUniceuma
 
Cempi – aula antropologia cultural 1
Cempi – aula antropologia cultural  1Cempi – aula antropologia cultural  1
Cempi – aula antropologia cultural 1Geani Pedrosa
 
A ideia de cultura, de Terry Eagleton.pptx
A ideia de cultura, de Terry Eagleton.pptxA ideia de cultura, de Terry Eagleton.pptx
A ideia de cultura, de Terry Eagleton.pptxMarília Vieira
 
Etnocentrismo e outros conceitos.ppt
Etnocentrismo e outros conceitos.pptEtnocentrismo e outros conceitos.ppt
Etnocentrismo e outros conceitos.pptRafael867106
 
Resenha O espetaculo das raças, de Lilia Schwarcz
Resenha O espetaculo das raças, de Lilia SchwarczResenha O espetaculo das raças, de Lilia Schwarcz
Resenha O espetaculo das raças, de Lilia SchwarczTeka Montenegro Ramos
 
Antropologia contemporânea cap 10
Antropologia contemporânea cap 10Antropologia contemporânea cap 10
Antropologia contemporânea cap 10mundissa
 

Semelhante a O que é etnocentrismo (20)

Um Índio Didático. Notas para o estudo de representações - Everardo Pereira G...
Um Índio Didático. Notas para o estudo de representações - Everardo Pereira G...Um Índio Didático. Notas para o estudo de representações - Everardo Pereira G...
Um Índio Didático. Notas para o estudo de representações - Everardo Pereira G...
 
História da Antropologia_ teoria, método e colonialismo.pdf
História da Antropologia_ teoria, método e colonialismo.pdfHistória da Antropologia_ teoria, método e colonialismo.pdf
História da Antropologia_ teoria, método e colonialismo.pdf
 
Etnocentrismo e relativismo cultural
Etnocentrismo e relativismo culturalEtnocentrismo e relativismo cultural
Etnocentrismo e relativismo cultural
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
Antropologia CONCEITOS BÁSICOS
Antropologia CONCEITOS BÁSICOSAntropologia CONCEITOS BÁSICOS
Antropologia CONCEITOS BÁSICOS
 
Cempi – aula antropologia cultural 1
Cempi – aula antropologia cultural  1Cempi – aula antropologia cultural  1
Cempi – aula antropologia cultural 1
 
Unidade 1
Unidade 1 Unidade 1
Unidade 1
 
A ideia de cultura, de Terry Eagleton.pptx
A ideia de cultura, de Terry Eagleton.pptxA ideia de cultura, de Terry Eagleton.pptx
A ideia de cultura, de Terry Eagleton.pptx
 
Etnocentrismo e outros conceitos.ppt
Etnocentrismo e outros conceitos.pptEtnocentrismo e outros conceitos.ppt
Etnocentrismo e outros conceitos.ppt
 
Cultura um conceito antropológico
Cultura  um conceito antropológicoCultura  um conceito antropológico
Cultura um conceito antropológico
 
O que é etnocentrismo
O que é etnocentrismoO que é etnocentrismo
O que é etnocentrismo
 
Aprender antropologia
Aprender antropologiaAprender antropologia
Aprender antropologia
 
Cp aula 4
Cp aula 4Cp aula 4
Cp aula 4
 
Antropologia da religião 2
Antropologia da religião 2Antropologia da religião 2
Antropologia da religião 2
 
Damatta
DamattaDamatta
Damatta
 
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski
Antropologia e cultura tylor boas e malinowskiAntropologia e cultura tylor boas e malinowski
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski
 
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski
Antropologia e cultura tylor boas e malinowskiAntropologia e cultura tylor boas e malinowski
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski
 
Resenha O espetaculo das raças, de Lilia Schwarcz
Resenha O espetaculo das raças, de Lilia SchwarczResenha O espetaculo das raças, de Lilia Schwarcz
Resenha O espetaculo das raças, de Lilia Schwarcz
 
Antropologia contemporânea cap 10
Antropologia contemporânea cap 10Antropologia contemporânea cap 10
Antropologia contemporânea cap 10
 

Mais de Andreia Regina Moura Mendes

Aula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisa
Aula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisaAula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisa
Aula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisaAndreia Regina Moura Mendes
 
Módulo do curso de didática: A A função social da ensino
Módulo do curso de didática: A A função social da ensinoMódulo do curso de didática: A A função social da ensino
Módulo do curso de didática: A A função social da ensinoAndreia Regina Moura Mendes
 
Aula Os sete saberes necessários à educação do futuro
Aula Os sete saberes necessários à educação do futuroAula Os sete saberes necessários à educação do futuro
Aula Os sete saberes necessários à educação do futuroAndreia Regina Moura Mendes
 
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativasCibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativasAndreia Regina Moura Mendes
 
Avaliação e o trabalho com as TIC's: as novas competências do professor na ci...
Avaliação e o trabalho com as TIC's: as novas competências do professor na ci...Avaliação e o trabalho com as TIC's: as novas competências do professor na ci...
Avaliação e o trabalho com as TIC's: as novas competências do professor na ci...Andreia Regina Moura Mendes
 

Mais de Andreia Regina Moura Mendes (20)

Os deuses gregos e a origem dos mitos
 Os deuses gregos e a origem dos mitos Os deuses gregos e a origem dos mitos
Os deuses gregos e a origem dos mitos
 
Aula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisa
Aula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisaAula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisa
Aula O ofício do cientista social- relato de uma pesquisa
 
Módulo do curso de didática: A A função social da ensino
Módulo do curso de didática: A A função social da ensinoMódulo do curso de didática: A A função social da ensino
Módulo do curso de didática: A A função social da ensino
 
Aula Os sete saberes necessários à educação do futuro
Aula Os sete saberes necessários à educação do futuroAula Os sete saberes necessários à educação do futuro
Aula Os sete saberes necessários à educação do futuro
 
Palestra Competências para a cibercultura
Palestra Competências para a ciberculturaPalestra Competências para a cibercultura
Palestra Competências para a cibercultura
 
Aula Sociologia da educação
Aula Sociologia da educaçãoAula Sociologia da educação
Aula Sociologia da educação
 
Aula O nascimento da filosofia 2015
Aula  O nascimento da filosofia 2015Aula  O nascimento da filosofia 2015
Aula O nascimento da filosofia 2015
 
Aula A origem da filosofia
Aula  A origem da filosofia Aula  A origem da filosofia
Aula A origem da filosofia
 
Aula Para que serve a filosofia?
Aula  Para que serve a filosofia?Aula  Para que serve a filosofia?
Aula Para que serve a filosofia?
 
Diferentes modos de se viver a paixão
Diferentes modos de se viver a paixãoDiferentes modos de se viver a paixão
Diferentes modos de se viver a paixão
 
Malhação do Judas: rito e identidade
Malhação do Judas: rito e identidadeMalhação do Judas: rito e identidade
Malhação do Judas: rito e identidade
 
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativasCibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
 
O que é pós moderno
O que é pós modernoO que é pós moderno
O que é pós moderno
 
O conhecimento
O conhecimentoO conhecimento
O conhecimento
 
Ciência com consciência
Ciência com consciênciaCiência com consciência
Ciência com consciência
 
Faces da história
Faces da históriaFaces da história
Faces da história
 
Democracia
DemocraciaDemocracia
Democracia
 
Avaliação e o trabalho com as TIC's: as novas competências do professor na ci...
Avaliação e o trabalho com as TIC's: as novas competências do professor na ci...Avaliação e o trabalho com as TIC's: as novas competências do professor na ci...
Avaliação e o trabalho com as TIC's: as novas competências do professor na ci...
 
Cibercultura e educação
Cibercultura e educação Cibercultura e educação
Cibercultura e educação
 
Palestra antropologia visual
Palestra antropologia visual Palestra antropologia visual
Palestra antropologia visual
 

Último

HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 

Último (20)

HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 

O que é etnocentrismo

  • 2. Primeiro conceito  Visão de mundo na qual nosso próprio grupo é tomado como centro de tudo e todos os outros são pensados e sentidos através de nossos valores.  Dificuldade de pensar a diferença.  Estranheza, medo e hostilidade em relação a outro grupo. atenasregina@yahoo.com.br
  • 3. Composição do etnocentrismo  Elementos intelectuais.  Elementos racionais.  Elementos emocionais.  Elementos afetivos.  Categorias dicotômicas:  Nós- Outros.  Progresso- Atraso.  Civilização- Selvageria, barbárie.  Sociedade- Natureza.  Igual- Diferente.  Sociedade complexa- Sociedade tradicional. atenasregina@yahoo.com.br
  • 4. Questões iniciais Busca pelos mecanismos, formas, caminhos e razões que provocam as distorções nas imagens, representações, pensamentos e emoções em torno de outros grupos. Choque cultural: constatação das diferenças com o reforço da identidade do “nosso” grupo. “A diferença é ameaçadora porque fere nossa própria identidade cultural”. O grupo do “outro” é visto como engraçado, absurdo, anormal ou ininteligível. atenasregina@yahoo.com.br
  • 5. A interpretação das culturas O julgamento de valor da cultura do “outro” nos termos da cultura do grupo do “eu”. O etnocentrismo implica uma apreensão do “outro” que se reveste de forma bastante violenta. A lógica do extermínio. As representações nos livros didáticos: índio enquanto “selvagem”, “primitivo”, “pré-histórico”, “antropófago”, “inocente”, “infantil”,“almas virgens”. atenasregina@yahoo.com.br
  • 6. Estereotipia e etnocentrismo  “Rotulamos e aplicamos estereótipos através dos quais nos guiamos para o confronto cotidiano com a diferença”. P.18.  “negros”.  “empregados”.  “os paraíba”.  “os doidões”.  “os colunáveis”.  “os surfistas”.  “as dondocas”.  “os velhos”.  “os caretas”.  “as patricinhas”.  “os emos”.  “os vagabundos”.  “os gays”.  “a loira” atenasregina@yahoo.com.br
  • 7. O conceito de relativização  “Quando vemos que as verdades da vida são menos uma questão de essência das coisas e mais uma questão de posição: estamos relativizando”.p. 20.  Perceber o contexto que produz os atos é uma forma de relativizar nosso ponto de vista.  Compreender o outro dentro de seus próprios valores e sistema de crenças é uma maneira de praticar o relativismo.  Relativizar é: “ver que a verdade está mais no olhar que naquilo que é olhado”. p.20.  “Relativizar é não transformar a diferença em hierarquia, em superiores e inferiores ou em bem e mal, mas vê-la na sua dimensão de riqueza por ser diferente”. p. 20.  Na antropologia social a diferença é vista como alternativa, como variedade de soluções para situações existenciais comuns. atenasregina@yahoo.com.br
  • 8. A descoberta do “outro”  Marco Polo e o Livro das maravilhas.  As Grandes Navegações e a conquista do Novo Mundo:  Espanto, violência, perplexidade: etnocentrismo.  Cristóvão Colombo: o paraíso do Éden.  Américo Vespúcio: As cartas que batizaram a América. atenasregina@yahoo.com.br
  • 9. O Evolucionismo  A diferença é explicada nos séculos XVIII e XIX como a existência de diferentes graus de evolução.  O conceito de evolução preconiza: desenvolvimento, transformação, processo, progresso, realização.  A noção biológica de evolução foi defendida na obra A Origem das Espécies, do inglês Charles Darwin.  “O evolucionismo biológico e o evolucionismo social se encontram e o segundo passa ser o novo modelo explicador da diferença entre o “eu” e o “outro”.p. 27.  No evolucionismo antropológico a noção de progresso torna-se fundamental.  Objetivo dos antropólogos evolucionistas: transformar sociedades contemporâneas em retratos do passado.  Postulado da unidade cultural.  “O etnocentrismo estava em achar que o “outro” era completamente dispensável como elemento de transformação da teoria. A relativização não tinha espaço”. p. 32.  Divisão sugerida por Lewis Morgan das sociedades humanas em estágios: selvageria, barbárie e civilização. atenasregina@yahoo.com.br
  • 10. A Antropologia Social: pioneiros  A Antropologia é capaz de relativizar as noções de tempo, indivíduo, identidade entre outros conceitos.  Franz Boas: reflexão relativista do conceito de cultura, dando importância as suas particularidades. Percepção da importância do estudo da pluralidade de culturas diferentes.  Boas enfatizou que os processos de mudança, de troca e empréstimo cultural são capazes de repercutir nos caminhos traçados por cada cultura humana.  Influência da Escola Culturalista de Boas nos trabalhos de Gilberto Freyre.  Ruth Benedict e Margaret Mead foram expoentes da Escola Personalidade e cultura: objetivo de estabelecer a relação entre a cultura e as personalidades individuais.  O problema do reducionismo. atenasregina@yahoo.com.br
  • 11. A Antropologia clássica no século XX  Radcliffe-Brown: Funcionalismo: pensar a sociedade em seus próprios termos. Busca de rigor teórico e conceitual no estudo das culturas humanas.  O funcionalismo faz a ligação entre “processo” e “estrutura”.  Émile Durkheim: “ o social não se explica pelo individual”. p. 65.  “É fato social toda maneira de agir fixa ou não, suscetível de exercer sobre o indivíduo uma coerção exterior; ou então ainda, que é geral na extensão de uma sociedade dada, apresentando uma existência própria, independente das manifestações individuais que possa ter”. In: As regras do método sociológico.  O fato social é coercitivo, extenso e externo.  Bronislaw Malinowski: o trabalho de campo enquanto viagem ao “outro”: a comparação relativizadora.  Pensar antropologicamente é buscar compreender o sentido positivo da diferença.  “A antropologia é uma pequena ilha num oceano de pensamentos e prátcas sociais marcadamente etnocêntricas”. p. 92. atenasregina@yahoo.com.br