SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
INSUFICIÊNCIA
RESPIRATÓRIA AGUDA

  DIRETRIZES SOBRATI
Introdução

A descompensação do sistema respiratório é responsável pelas
maiores causas de internação na UTI – 50 a 70%

Atualmente, não há classificação para evento dispnéico
intermediário à IRpA

Quadro subjetivo individual e de complexidade nos sinais de
sintomas clínicos


   Necessidade de estabelecer terminologia clínica


                   FERRARI e COLS - 2006.
Definição

A Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA):
trata-se de síndrome caracterizada na
incapacidade do Sistema Respiratória efetuar
adequada trocas gasosas, ou seja, captar
oxigênio e eliminar CO2 da corrente sanguínea,
também designada falência Respiratória.
(Acute Respiratory Failure ).
Fisiopatologia
A ventilação, realização do volume corrente, estabelece a dinâmica
e finaliza a através da intimidade alveolar a perfusão dos gases
para corrente sanguínea, relação V/Q alveolar( V: ventilação Q:
Perfusão ) . Três são os mecanismos que podem levar a falência
do Sistema Respiratório:

                               PaO2     PaCO2        A-a O2

       I      alveolocapilar    <        N ou <         >

      II       Ventilatória     <          <           N

      III          I+II         <          <            >
Causas de IRpA
    Causas                Exemplos

A   Vias Aéreas           Asma, DPOC

B   Parênquima Pulmonar   Pneumonia, SDRA, Fibrose

C   Vascular              Embolia Pulmonar, EAP

D   SNC                   AVC, meningite, encefalite

E   SNP                   Guillain-Barré, Miastenia, Tétano

F   Caixa Torácica e      Trauma, PO tóraco-abdominal
       abdome
Alterações Ventilatória e/ ou
          Respiratória

Efeito sobre a Troca
Gasosa
Efeito na Mecânica
Pulmonar
Efeitos nos
Músculos
Ventilatórios
IRpA - apresentação clínica alarmante
Nível de consciência




   Ferrari D. Autílio S.C, Suporte Avançado em Terapia Intensiva – Volume 2.;Set. 2005
IRpA - apresentação clínica alarmante
Nível de consciência


               Dispnéia




   Ferrari D. Autílio S.C, Suporte Avançado em Terapia Intensiva – Volume 2.;Set. 2005
IRpA - apresentação clínica alarmante
Nível de consciência


               Dispnéia

                Taquipnéia




   Ferrari D. Autílio S.C, Suporte Avançado em Terapia Intensiva – Volume 2.;Set. 2005
Oferta e Demanda de Oxigênio

5% consumido com
trabalho respiratório

IRpA : 25% a 50% de
O2

DC, Perfusão ou
Fluxo (equilíbrio)
IRpA - apresentação clínica alarmante
Nível de consciência


               Dispnéia

                Taquipnéia

                  Taquicardia




   Ferrari D. Autílio S.C, Suporte Avançado em Terapia Intensiva – Volume 2.;Set. 2005
IRpA - apresentação clínica alarmante
Nível de consciência


               Dispnéia

                Taquipnéia

                  Taquicardia

                Gasometria arterial




   Ferrari D. Autílio S.C, Suporte Avançado em Terapia Intensiva – Volume 2.;Set. 2005
Oxigênio


                                   SAT. O2    PaO2
                                               estima
                                                 da
                                    97%      97 mmhg

                                    90%      60 mmhg
PaO2= 104 – (0.27 x idade) ;
                                    80%      45 mmhg
PaO2= 96 - (idade x 0,4 )

 Diminuição de reserva pulmonar:
1 mmhg por ano após 60 anos;
Cálculo de Oxigenoterapia
A oferta de oxigênio é fundamental na hipoxemia, diminuição de O2
sanguíneo, e na hipóxia, diminuição da O2 tecidual. A FiO2, fração
inspirada de oxigênio, ofertada deve ser aquela que proporcione
saturação de O2 ideal para idade, no jovem 96%.


     FiO2 estimada: 20 + 4 x O2 ofertado

Exemplo: Catéter nasal 2l/min. FiO2= ( 20 + 4x2 ) = 28%.

          Máscara facial 5l/min. FiO2=( 20 + 4x5 ) = 40%
IRpA - apresentação clínica alarmante
Nível de consciência


               Dispnéia

                Taquipnéia

                  Taquicardia

                Gasometria arterial


                              Cianose




   Ferrari D. Autílio S.C, Suporte Avançado em Terapia Intensiva – Volume 2.;Set. 2005
IRpA - apresentação clínica alarmante
Nível de consciência


               Dispnéia

                Taquipnéia

                  Taquicardia

                Gasometria arterial


                              Cianose


                           Relação PaO2 / FiO2




   Ferrari D. Autílio S.C, Suporte Avançado em Terapia Intensiva – Volume 2.;Set. 2005
Índices Respiratórios
PaO2/FiO2          Indica


  >300          Normalidade


 200-300    Lesão Pulmonar Aguda
                     (LPA)

  <200      Grave Lesão Pulmonar
                    (SARA )
IRpA - apresentação clínica alarmante
Nível de consciência


               Dispnéia

                Taquipnéia

                  Taquicardia

                Gasometria arterial


                              Cianose


                           Relação PaO2 / FiO2


                                  Raio X simples de tórax


   Ferrari D. Autílio S.C, Suporte Avançado em Terapia Intensiva – Volume 2.;Set. 2005
Consenso Nacional de Ventilação Mecânica


                         Dispnéia – evento principal




                                       Cianose




                                Análise laboratorial


CBMI – Ventilação Mecânica vol. 1, Relatório do II Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica
Acute respiratory distress syndrome: Underrecognition by clinicians
        and diagnostic accuracy of three clinical definitions
  Ferguson, Niall et al. Volume 33(10), October 2005, pp 2228-2234




                    Abordagem SDRA



                    Critérios diagnósticos



concluí que as especificidades clínicas existentes
           variam consideravelmente.
IRpA – Insuficiência Respiratória Aguda



                                    X
  DVM – Desconforto Ventilatório Momentâneo


Ferrari e cols. Revista Intensiva 2006
Valor           Hipótese Diagnóstica
                     Hipó     Diagnó            Tonalidade

    0 – 1,72             Normalidade

    1,73 – 2,4      Desconforto Ventilatório
                                 Ventilató
                      Momentâneo – DVM
  Maior que 2,4    Insuficiência Respiratória
                                 Respirató
                             Aguda
Zona de Penumbra              IRpA
Algoritmo da DVM x IRpA
             TERAPIA INTENSIVA MODERNA - 2006


Realizar :                            Glasgow



Desobstrução : abertura
bucal, elevação da língua
- guedel, aspirações;
Oxigenioterapia : catéter,
máscara, VMNI ou VMI;
Decúbito : elevação;
Oximetria de pulso :
instalar.
FI – D. O. D. O.
Diagnóstico Etiológico
Pulmonares: BCP – fibrose – enfisema
avançado – pneumotórax
Cardiológicas: choque – EAP - IAM
Neurológicas: AVC – TCE – Coma
Renal: IRA – IRC
Metabólicas: DM ( cetoacidose diabética )
Infecciosa: sepses – meningite – BCP
Outras: transfusões – embolias – aspirações
Considerações Gerais
Necessidade e existência de subclassificação
clínica, que antecede a IRpA,

 Pode ser corrigida com assistência ventilatória não
invasiva e medidas asistênciais.

Dependendo da etiologia e descompensações dos
sistemas orgânicos, pode não evoluir para IOT na
dependência do o nível de consciência e padrão
ventilatório.

Pode ser denominada nova designação e critério de
diagnóstico para aplicação clínica em UTI.
Temos um compromisso em desenvolver,
    com amparo da tecnologia, o melhor de
                   nós...

Trecho: Tributo do Intensivista

Autor: Prof. Dr. Douglas Ferrari

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 04 de fisiologia ventilação-perfusão
Aula 04 de fisiologia   ventilação-perfusãoAula 04 de fisiologia   ventilação-perfusão
Aula 04 de fisiologia ventilação-perfusãoFlávia Salame
 
Insuficiencia respiratória
Insuficiencia respiratóriaInsuficiencia respiratória
Insuficiencia respiratóriapauloalambert
 
Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânicaresenfe2013
 
Doença pulmonar-obstrutiva-crônica-dpoc
Doença pulmonar-obstrutiva-crônica-dpocDoença pulmonar-obstrutiva-crônica-dpoc
Doença pulmonar-obstrutiva-crônica-dpocsaulo vinicius
 
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOC
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOCDoença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOC
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOCFernando Didier
 
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)Iapes Ensino
 
Distúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosDistúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosresenfe2013
 
COPD Assement Test - CAT test
COPD Assement Test - CAT testCOPD Assement Test - CAT test
COPD Assement Test - CAT testFlávia Salame
 

Mais procurados (20)

Aula 04 de fisiologia ventilação-perfusão
Aula 04 de fisiologia   ventilação-perfusãoAula 04 de fisiologia   ventilação-perfusão
Aula 04 de fisiologia ventilação-perfusão
 
Fibrose cistica
Fibrose cisticaFibrose cistica
Fibrose cistica
 
Insuficiencia respiratória
Insuficiencia respiratóriaInsuficiencia respiratória
Insuficiencia respiratória
 
Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânica
 
Infarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdioInfarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdio
 
Aula sobre DPOC
Aula sobre DPOCAula sobre DPOC
Aula sobre DPOC
 
Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica
 
Capnografia
CapnografiaCapnografia
Capnografia
 
DPOC
DPOCDPOC
DPOC
 
Doença pulmonar-obstrutiva-crônica-dpoc
Doença pulmonar-obstrutiva-crônica-dpocDoença pulmonar-obstrutiva-crônica-dpoc
Doença pulmonar-obstrutiva-crônica-dpoc
 
Reanimação Neonatal em Sala de Parto
Reanimação Neonatal em Sala de PartoReanimação Neonatal em Sala de Parto
Reanimação Neonatal em Sala de Parto
 
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOC
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOCDoença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOC
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOC
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
 
Distúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosDistúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticos
 
Oxigenioterapia2
Oxigenioterapia2Oxigenioterapia2
Oxigenioterapia2
 
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de AlmeidaOxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
 
COPD Assement Test - CAT test
COPD Assement Test - CAT testCOPD Assement Test - CAT test
COPD Assement Test - CAT test
 
Oxigenoterapia
OxigenoterapiaOxigenoterapia
Oxigenoterapia
 
Sara
SaraSara
Sara
 

Semelhante a I rp a

Disfunção respiratória
Disfunção respiratóriaDisfunção respiratória
Disfunção respiratóriaAntonio Souto
 
ATENÇÃO A PATOLOGIAS DE UTI UN2 PARTE 1.pptx
ATENÇÃO A PATOLOGIAS DE UTI UN2 PARTE 1.pptxATENÇÃO A PATOLOGIAS DE UTI UN2 PARTE 1.pptx
ATENÇÃO A PATOLOGIAS DE UTI UN2 PARTE 1.pptxlalalaEU MESMO
 
Aula I Rp A E Vm
Aula I Rp A E VmAula I Rp A E Vm
Aula I Rp A E Vmgalegoo
 
cepeti-dpoc-2-9d3dc951.pptx
cepeti-dpoc-2-9d3dc951.pptxcepeti-dpoc-2-9d3dc951.pptx
cepeti-dpoc-2-9d3dc951.pptxssuser8fd26f
 
Monitorização Ventilatória
Monitorização VentilatóriaMonitorização Ventilatória
Monitorização Ventilatórialabap
 
Iv curso teórico prático insuf resp aguda
Iv curso teórico prático insuf resp agudaIv curso teórico prático insuf resp aguda
Iv curso teórico prático insuf resp agudactisaolucascopacabana
 
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatriaVentilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatriaFábio Falcão
 
Fisiopatologia - insuficiência respiratória.pdf
Fisiopatologia - insuficiência respiratória.pdfFisiopatologia - insuficiência respiratória.pdf
Fisiopatologia - insuficiência respiratória.pdfraigomezzz
 
Insuficiência respiratoria
Insuficiência respiratoriaInsuficiência respiratoria
Insuficiência respiratoriaAnestesiador
 
4. Insuficiência Respiratória ALUNOS UTI.pptx
4. Insuficiência Respiratória ALUNOS UTI.pptx4. Insuficiência Respiratória ALUNOS UTI.pptx
4. Insuficiência Respiratória ALUNOS UTI.pptxDouglasRodrigues823281
 
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Síndrome do Desconforto Respiratório AgudoSíndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Síndrome do Desconforto Respiratório AgudoAlex Eduardo Ribeiro
 
Sdra - Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Sdra - Síndrome do Desconforto Respiratório AgudoSdra - Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Sdra - Síndrome do Desconforto Respiratório AgudoAlex Eduardo Ribeiro
 
Monitorização Hemodinamica
Monitorização HemodinamicaMonitorização Hemodinamica
Monitorização HemodinamicaRodrigo Biondi
 
Iv curso teórico prático vm ii situações especiais
Iv curso teórico prático vm ii   situações especiaisIv curso teórico prático vm ii   situações especiais
Iv curso teórico prático vm ii situações especiaisctisaolucascopacabana
 

Semelhante a I rp a (20)

I rp a
I rp aI rp a
I rp a
 
Disfunção respiratória
Disfunção respiratóriaDisfunção respiratória
Disfunção respiratória
 
ATENÇÃO A PATOLOGIAS DE UTI UN2 PARTE 1.pptx
ATENÇÃO A PATOLOGIAS DE UTI UN2 PARTE 1.pptxATENÇÃO A PATOLOGIAS DE UTI UN2 PARTE 1.pptx
ATENÇÃO A PATOLOGIAS DE UTI UN2 PARTE 1.pptx
 
Aula I Rp A E Vm
Aula I Rp A E VmAula I Rp A E Vm
Aula I Rp A E Vm
 
cepeti-dpoc-2-9d3dc951.pptx
cepeti-dpoc-2-9d3dc951.pptxcepeti-dpoc-2-9d3dc951.pptx
cepeti-dpoc-2-9d3dc951.pptx
 
Monitorização Ventilatória
Monitorização VentilatóriaMonitorização Ventilatória
Monitorização Ventilatória
 
Iv curso teórico prático insuf resp aguda
Iv curso teórico prático insuf resp agudaIv curso teórico prático insuf resp aguda
Iv curso teórico prático insuf resp aguda
 
Insuficiencia respiratória na infancia
Insuficiencia respiratória na infanciaInsuficiencia respiratória na infancia
Insuficiencia respiratória na infancia
 
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatriaVentilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
 
Fisiopatologia - insuficiência respiratória.pdf
Fisiopatologia - insuficiência respiratória.pdfFisiopatologia - insuficiência respiratória.pdf
Fisiopatologia - insuficiência respiratória.pdf
 
Assistencia ventilatoria
Assistencia ventilatoriaAssistencia ventilatoria
Assistencia ventilatoria
 
Insuficiência respiratoria
Insuficiência respiratoriaInsuficiência respiratoria
Insuficiência respiratoria
 
4. Insuficiência Respiratória ALUNOS UTI.pptx
4. Insuficiência Respiratória ALUNOS UTI.pptx4. Insuficiência Respiratória ALUNOS UTI.pptx
4. Insuficiência Respiratória ALUNOS UTI.pptx
 
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Síndrome do Desconforto Respiratório AgudoSíndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
 
Sdra - Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Sdra - Síndrome do Desconforto Respiratório AgudoSdra - Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Sdra - Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
 
Recrutamento
RecrutamentoRecrutamento
Recrutamento
 
Monitorização Hemodinamica
Monitorização HemodinamicaMonitorização Hemodinamica
Monitorização Hemodinamica
 
Assistencia ventilatoria
Assistencia ventilatoriaAssistencia ventilatoria
Assistencia ventilatoria
 
Aula PCR.pptx
Aula PCR.pptxAula PCR.pptx
Aula PCR.pptx
 
Iv curso teórico prático vm ii situações especiais
Iv curso teórico prático vm ii   situações especiaisIv curso teórico prático vm ii   situações especiais
Iv curso teórico prático vm ii situações especiais
 

Mais de IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde

Mais de IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde (20)

Mobilização precoce em pacientes críticos
Mobilização precoce em pacientes críticosMobilização precoce em pacientes críticos
Mobilização precoce em pacientes críticos
 
Modos ventilatórios
 Modos ventilatórios  Modos ventilatórios
Modos ventilatórios
 
Tumores do sistema nervoso central
Tumores do sistema nervoso centralTumores do sistema nervoso central
Tumores do sistema nervoso central
 
Vm no trauma encefálico e neurointensivismo
Vm no trauma encefálico e neurointensivismoVm no trauma encefálico e neurointensivismo
Vm no trauma encefálico e neurointensivismo
 
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivosNocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
 
A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
 A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
 
Interpretação de curvas na vm
 Interpretação de curvas na vm Interpretação de curvas na vm
Interpretação de curvas na vm
 
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
 
A história da Ventilação mecânica
A história da Ventilação mecânicaA história da Ventilação mecânica
A história da Ventilação mecânica
 
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivoInteração interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
 
Processo de Desmame Ventilatório e Extubação
Processo de Desmame Ventilatório e ExtubaçãoProcesso de Desmame Ventilatório e Extubação
Processo de Desmame Ventilatório e Extubação
 
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
 
Doença de parkinson a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
Doença de parkinson  a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...Doença de parkinson  a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
Doença de parkinson a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
 
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutasDistúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
 
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotróficaBenefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
 
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
 
A importância da propriocepção no esporte
A importância da propriocepção no esporteA importância da propriocepção no esporte
A importância da propriocepção no esporte
 
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensivaRelevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
 
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
 
Manobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
Manobra peep-zeep em Ventilação MecânicaManobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
Manobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
 

I rp a

  • 2. Introdução A descompensação do sistema respiratório é responsável pelas maiores causas de internação na UTI – 50 a 70% Atualmente, não há classificação para evento dispnéico intermediário à IRpA Quadro subjetivo individual e de complexidade nos sinais de sintomas clínicos Necessidade de estabelecer terminologia clínica FERRARI e COLS - 2006.
  • 3. Definição A Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA): trata-se de síndrome caracterizada na incapacidade do Sistema Respiratória efetuar adequada trocas gasosas, ou seja, captar oxigênio e eliminar CO2 da corrente sanguínea, também designada falência Respiratória. (Acute Respiratory Failure ).
  • 4. Fisiopatologia A ventilação, realização do volume corrente, estabelece a dinâmica e finaliza a através da intimidade alveolar a perfusão dos gases para corrente sanguínea, relação V/Q alveolar( V: ventilação Q: Perfusão ) . Três são os mecanismos que podem levar a falência do Sistema Respiratório: PaO2 PaCO2 A-a O2 I alveolocapilar < N ou < > II Ventilatória < < N III I+II < < >
  • 5. Causas de IRpA Causas Exemplos A Vias Aéreas Asma, DPOC B Parênquima Pulmonar Pneumonia, SDRA, Fibrose C Vascular Embolia Pulmonar, EAP D SNC AVC, meningite, encefalite E SNP Guillain-Barré, Miastenia, Tétano F Caixa Torácica e Trauma, PO tóraco-abdominal abdome
  • 6. Alterações Ventilatória e/ ou Respiratória Efeito sobre a Troca Gasosa Efeito na Mecânica Pulmonar Efeitos nos Músculos Ventilatórios
  • 7. IRpA - apresentação clínica alarmante Nível de consciência Ferrari D. Autílio S.C, Suporte Avançado em Terapia Intensiva – Volume 2.;Set. 2005
  • 8. IRpA - apresentação clínica alarmante Nível de consciência Dispnéia Ferrari D. Autílio S.C, Suporte Avançado em Terapia Intensiva – Volume 2.;Set. 2005
  • 9. IRpA - apresentação clínica alarmante Nível de consciência Dispnéia Taquipnéia Ferrari D. Autílio S.C, Suporte Avançado em Terapia Intensiva – Volume 2.;Set. 2005
  • 10. Oferta e Demanda de Oxigênio 5% consumido com trabalho respiratório IRpA : 25% a 50% de O2 DC, Perfusão ou Fluxo (equilíbrio)
  • 11. IRpA - apresentação clínica alarmante Nível de consciência Dispnéia Taquipnéia Taquicardia Ferrari D. Autílio S.C, Suporte Avançado em Terapia Intensiva – Volume 2.;Set. 2005
  • 12. IRpA - apresentação clínica alarmante Nível de consciência Dispnéia Taquipnéia Taquicardia Gasometria arterial Ferrari D. Autílio S.C, Suporte Avançado em Terapia Intensiva – Volume 2.;Set. 2005
  • 13. Oxigênio SAT. O2 PaO2 estima da 97% 97 mmhg 90% 60 mmhg PaO2= 104 – (0.27 x idade) ; 80% 45 mmhg PaO2= 96 - (idade x 0,4 ) Diminuição de reserva pulmonar: 1 mmhg por ano após 60 anos;
  • 14. Cálculo de Oxigenoterapia A oferta de oxigênio é fundamental na hipoxemia, diminuição de O2 sanguíneo, e na hipóxia, diminuição da O2 tecidual. A FiO2, fração inspirada de oxigênio, ofertada deve ser aquela que proporcione saturação de O2 ideal para idade, no jovem 96%. FiO2 estimada: 20 + 4 x O2 ofertado Exemplo: Catéter nasal 2l/min. FiO2= ( 20 + 4x2 ) = 28%. Máscara facial 5l/min. FiO2=( 20 + 4x5 ) = 40%
  • 15. IRpA - apresentação clínica alarmante Nível de consciência Dispnéia Taquipnéia Taquicardia Gasometria arterial Cianose Ferrari D. Autílio S.C, Suporte Avançado em Terapia Intensiva – Volume 2.;Set. 2005
  • 16. IRpA - apresentação clínica alarmante Nível de consciência Dispnéia Taquipnéia Taquicardia Gasometria arterial Cianose Relação PaO2 / FiO2 Ferrari D. Autílio S.C, Suporte Avançado em Terapia Intensiva – Volume 2.;Set. 2005
  • 17. Índices Respiratórios PaO2/FiO2 Indica >300 Normalidade 200-300 Lesão Pulmonar Aguda (LPA) <200 Grave Lesão Pulmonar (SARA )
  • 18. IRpA - apresentação clínica alarmante Nível de consciência Dispnéia Taquipnéia Taquicardia Gasometria arterial Cianose Relação PaO2 / FiO2 Raio X simples de tórax Ferrari D. Autílio S.C, Suporte Avançado em Terapia Intensiva – Volume 2.;Set. 2005
  • 19. Consenso Nacional de Ventilação Mecânica Dispnéia – evento principal Cianose Análise laboratorial CBMI – Ventilação Mecânica vol. 1, Relatório do II Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica
  • 20. Acute respiratory distress syndrome: Underrecognition by clinicians and diagnostic accuracy of three clinical definitions Ferguson, Niall et al. Volume 33(10), October 2005, pp 2228-2234 Abordagem SDRA Critérios diagnósticos concluí que as especificidades clínicas existentes variam consideravelmente.
  • 21. IRpA – Insuficiência Respiratória Aguda X DVM – Desconforto Ventilatório Momentâneo Ferrari e cols. Revista Intensiva 2006
  • 22. Valor Hipótese Diagnóstica Hipó Diagnó Tonalidade 0 – 1,72 Normalidade 1,73 – 2,4 Desconforto Ventilatório Ventilató Momentâneo – DVM Maior que 2,4 Insuficiência Respiratória Respirató Aguda Zona de Penumbra IRpA
  • 23.
  • 24. Algoritmo da DVM x IRpA TERAPIA INTENSIVA MODERNA - 2006 Realizar : Glasgow Desobstrução : abertura bucal, elevação da língua - guedel, aspirações; Oxigenioterapia : catéter, máscara, VMNI ou VMI; Decúbito : elevação; Oximetria de pulso : instalar. FI – D. O. D. O.
  • 25. Diagnóstico Etiológico Pulmonares: BCP – fibrose – enfisema avançado – pneumotórax Cardiológicas: choque – EAP - IAM Neurológicas: AVC – TCE – Coma Renal: IRA – IRC Metabólicas: DM ( cetoacidose diabética ) Infecciosa: sepses – meningite – BCP Outras: transfusões – embolias – aspirações
  • 26. Considerações Gerais Necessidade e existência de subclassificação clínica, que antecede a IRpA, Pode ser corrigida com assistência ventilatória não invasiva e medidas asistênciais. Dependendo da etiologia e descompensações dos sistemas orgânicos, pode não evoluir para IOT na dependência do o nível de consciência e padrão ventilatório. Pode ser denominada nova designação e critério de diagnóstico para aplicação clínica em UTI.
  • 27. Temos um compromisso em desenvolver, com amparo da tecnologia, o melhor de nós... Trecho: Tributo do Intensivista Autor: Prof. Dr. Douglas Ferrari