SlideShare uma empresa Scribd logo
Por: Mateus Serêjo, aluno do IFMA –
Campus Pinheiro
Funções Orgânicas
Introdução à Funções Orgânicas
 Porquê o nome Funções Orgânicas?
 Diferente das funções Inorgânicas, essas são
chamadas assim por possuírem em suas cadeias o
elemento químico carbono ligado diretamente a
hidrogênios.
 O carbono possui didaticamente uma função na
química especial para ele pelo fato de o carbono
possuir a chamada tetra-valência, ou seja, a
capacidade de estar ligado diretamente a outros
quatro elementos químicos, nas funções orgânicas
sendo eles tanto o hidrogênio quanto ao oxigênio e
a outros haletos orgânicos.
Subdivisões das Funções Orgânicas
 Sim, mas quem são os compostos orgânicos?
 Devido a essa capacidade única do carbono de ser
tetra-valente existe uma infinidade de compostos
formados a partir das ligações do carbono com
outros elementos. Assim para facilitar o estudo
desses compostos a IUPAC – União Internacional
de Química Pura e Aplicada, dividiu as funções de
acordo com seus radicais.
 Dividiu-se assim em Hidrocarbonetos, Alcoóis e
Aldeídos. Cada composto com sua nomenclatura
oficial. Nos próximos slides estudaremos mais a
fundo essas divisões.
Hidrocarbonetos
 São compostos constituídos por, apenas, átomos de
carbono e hidrogênio. As nomenclaturas desses
compostos são definidas pelo número de átomos de
carbono na sua cadeia principal e número e posição
do radical ligado a cadeia carbônica principal.
O composto dessa imagem é
o gás Metano. No próximo
Slide aprenderemos porquê
esse é o metano.
Nomenclatura de
Hidrocarbonetos
 Os Hidrocarbonetos são assim como toda cadeia
carbônica principal são classificados pela quantidade
de carbonos em sua cadeia principal. Temos os
Sufixos, Infixos e Prefixos. Os Sufixos são
determinados pela quantidade:
 Para 1 C temos = MET
 Para 2 C temos = ET
 Para 3 C temos = PROP
 Para 4 C temos = BUT
 Para 5 C temos = PENT
 Para 6 C temos = HEX
 Para 7 C temos = HEPT
 Para 8 C temos = OCT
 Para 9 C temos = NON
 Para 10 C temos = DEC
Nomenclatura de
Hidrocarbonetos
 Já para os Infixos temos as divisões: os
Hidrocarbonetos são dividos em Alcanos, Alcenos,
Alcinos e Alcadienos.
 Alcanos = tem em sua cadeia carbônica, apenas,
ligações simples entre carbonos. O Infixo de
nomenclatura para Alcano é AN.
 Alcenos = tem em sua cadeia carbônica, apenas, uma
ligação dupla entre carbonos e todas as outras simples.
O Infixo de nomenclatura para Alcano é EN.
 Alcinos = tem em sua cadeia carbônica, apenas, uma
ligação tripla entre carbonos e todas as outras simples.
O Infixo de nomenclatura para Alcano é IN.
 Alcadienos = tem em sua cadeia carbônica, duas
ligação duplas entre carbonos e todas as outras
simples. O Infixo de nomenclatura para Alcano é DIEN.
 O prefixo para Hidrocarbonetos é a letra “O”.
Nomenclatura de
Hidrocarbonetos
 Vamos ver se aprendeu:
 Temos um hidrocarboneto com 4C e apenas
ligações simples.
 Responda:
 R: BUT – AN – O , daí o nome gás BUTANO.
 Temos um hidrocarboneto com 3C e uma ligação
dupla.
 Nesse caso você tem que especificar aonde está a
ligação dupla, e a IUPAC recomenda colocar o
menor numero do carbono na cadeia principal.
 Teriamos nesse caso, um alceno, sem ramificações.
 R: PROP – 1_EN – O , dái o nome 1- PROPENO ou PROPA-1-
ENO.
Ramificações orgânicas
 Temos nas cadeias carbônicas, a cadeia principal, que é
definida pela ordem de presença:
 - de Insaturação: presença de ligação dupla ou tripla, essas
obrigatoriamente tem que estar na cadeia principal.
 - de Maior número de radicais: maior numero de ramificações
presentes na cadeia principal.
 - de Maior número de carbono: maior numero de carbonos na
cadeia principal.
Ramificações orgânicas
 Os radicais para funções orgânicas são:
 Para 1 C na ramificação: METIL
 Para 2 C: ETIL
 Para 3 C: PROPIL
 Para 4 C: BUTIL
 Na presença de ramificação na cadeia carbônica é
recomendado enumerar a cadeia principal, e obrigatoriamente
você deve começar do carbono mais próximo da insaturação ou
da ramificação, e também indicar o numero da ramificação na
nomenclatura, ordenando por ordem alfabética as ramificações
por ex: na presença de um butil, e um metil é obrigatório colocar
o butil primeiro que o metil na nomenclatura. Vamos para o
exemplo pratico.
Compostos aromáticos
 Temos os compostos aromáticos que são chamados assim por
possuir o anel aromático, são cadeias carbônicas cíclicas,
compostas por ligações simples e duplas alternadamente,
formando um anel. A nomenclatura dessas cadeias foi definida
pela IUPAC e segue regra própria.
 Vamos mostrar esses compostos aromáticos:
 Responda os exercícios do slide a seguir:
Função Álcool
 São denominados alcoóis todo composto orgânico que apresenta em
sua estrutura a hidroxila ( -OH ), que deve estar ligada a um átomo de
carbono saturado.
 - Monoálcoois
São os compostos que apresentam apenas uma hidroxila. Exemplo:
CH3-CH2-OH (etanol)
CH3-CH2-CH2-OH (propanol-1)
 A hidroxila em Monoálcoois pode estar ligada à carbono primário,
secundário ou terciário, formando assim, álcool primário, secundário e
terciário, respectivamente.
 - Diálcoois
Possuem duas hidroxilas. Exemplo:
HO-CH2-CH2-OH
 Obs: não existem alcoóis com duas hidroxilas no mesmo carbono.
Quando isso acontece, o composto fica instável, e transforma-se
em aldeídos.
 - Poliálcoois
Possuem três ou mais hidroxilas:
Nomenclatura de Álcool
 A nomenclatura dos álcoois é bastante semelhante à
dos hidrocarbonetos:
 - Prefixo do número de carbonos (met, et, prop, but, ...) + tipo de
ligações (an, en, in, dien, ...) + OL
- A numeração da cadeia principal começa da ponta mais
próxima à hidroxila. Se a hidroxila estiver exatamente no meio
da cadeia, a numeração deverá ser feita de acordo com a
insaturação, e por último, pela ramificação.
 Exemplos:
met + an + ol = metanol (um carbono, ligação simples (na
verdade, não há ligação entre carbonos pois só existe um
carbono no composto), OL pois é um álcool)
 et + an + ol = etanol (dois carbonos, ligação simples, e OL
porque é um álcool)
 prop + an + ol = propanol-1 (três carbonos, ligação simples, e OL
porque é um álcool, o 1 indica a posição da hidroxila)
Função Aldeído
 Os aldeídos são uma função orgânica cujas
moléculas apresentam o grupo aldoxila (H-C=O)
ligado a um radical alifático (de cadeia aberta ou
fechada) ou aromático.
 Grupo funcional do Aldeído
 A fórmula básica dos aldeídos é a de
um álcool correspondente em número de carbonos
menos dois átomos de hidrogênio, ou ainda, a
substituição de dois átomos de hidrogênio de
um hidrocarboneto por um de oxigênio.
 De uma forma geral, os aldeídos de menor massa
molecular apresentar odor desagradável (a exemplo
do formol), enquanto que os de maior massa
possuem odor agradável de frutas (odoríferos
naturais).
Nomenclatura de Aldeídos
 Como o grupo aldoxila só se apresenta nas
extremidades das moléculas de aldeídos, não
há necessidade de numerar o carbono no qual
está ligado. Assim, deve-se nomear os radicais
ligados à cadeia principal, nomear a cadeia
quanto ao número de átomos de carbonos e à
saturação das ligações, e completar com o sufixo
"AL".
2- Etil-3-Metil Pentanal
Conclusão
 Portanto, essas são as três principais funções
orgânicas e pra curiosidade de estudo, ainda
pode-se ver CETONAS, ÉTERES, ÉSTERES,
ACIDOS CARBOXILICOS, AMINAS E AMIDAS.
Posteriormente, veremos outros assuntos da
química, muito obrigado, valeu.
Referências
 Júlio César Lima Lira.
 Funções Orgânicas (em português) InfoEscola. Visitado em
06 de agosto de 2013.
 Gerson Santos Teixeira.
 Funções Orgânicas e Radicais (em português) Cola na
Web. Visitado em 06 de agosto de 2013.
 Líria Alves.
 Funções orgânicas (em português) R7 Brasil Escola.
Visitado em 06 de agosto de 2013.
 Resumo de Química: Funções
orgânicas (em português) Editora Abril Guia do Estudante
(21 de novembro de 2011). Visitado em 06 de agosto de
2013.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Química Orgânica
Química OrgânicaQuímica Orgânica
Química Orgânica
Alice Almeida
 
Cadeias carbônicas
Cadeias carbônicasCadeias carbônicas
Cadeias carbônicas
Fábio Garcia Ferreira
 
hidrocarbonetos
hidrocarbonetoshidrocarbonetos
hidrocarbonetos
ORISVALDO SANTANA
 
Funcoes organicas revisão 2012
Funcoes organicas   revisão 2012Funcoes organicas   revisão 2012
Funcoes organicas revisão 2012
José Marcelo Cangemi
 
Cadeias carbônicas
Cadeias carbônicasCadeias carbônicas
Cadeias carbônicas
Kamila Passos
 
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e BasesAula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Aula sobre ligações químicas
Aula sobre ligações químicasAula sobre ligações químicas
Aula sobre ligações químicas
Profª Alda Ernestina
 
Metabolismo
MetabolismoMetabolismo
Metabolismo
Gisele A. Barbosa
 
Leis ponderais
Leis ponderaisLeis ponderais
Fotossintese
FotossinteseFotossintese
Fotossintese
emanuel
 
Bioacumulação (1) (1).pdf
Bioacumulação (1) (1).pdfBioacumulação (1) (1).pdf
Bioacumulação (1) (1).pdf
ssuser806fbc1
 
Química orgânica 3º ano COMPLETO
Química orgânica 3º ano   COMPLETOQuímica orgânica 3º ano   COMPLETO
Química orgânica 3º ano COMPLETO
Eliando Oliveira
 
CARACTERISTICAS DO CARBONO
CARACTERISTICAS DO CARBONOCARACTERISTICAS DO CARBONO
CARACTERISTICAS DO CARBONO
Marcos França
 
Estereoquímica
EstereoquímicaEstereoquímica
Estereoquímica
José Nunes da Silva Jr.
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
Kátia Elias
 
Isomeria
IsomeriaIsomeria
Aula hibridização do carbono
Aula hibridização do carbonoAula hibridização do carbono
Aula hibridização do carbono
Escola Pública/Particular
 
1. introdução a química
1. introdução a química1. introdução a química
1. introdução a química
Rebeca Vale
 
Química Orgânica: CARBONO
Química Orgânica: CARBONOQuímica Orgânica: CARBONO
Química Orgânica: CARBONO
DelPadre
 
Funções orgânicas slide
Funções orgânicas slideFunções orgânicas slide
Funções orgânicas slide
Joelson Barral
 

Mais procurados (20)

Química Orgânica
Química OrgânicaQuímica Orgânica
Química Orgânica
 
Cadeias carbônicas
Cadeias carbônicasCadeias carbônicas
Cadeias carbônicas
 
hidrocarbonetos
hidrocarbonetoshidrocarbonetos
hidrocarbonetos
 
Funcoes organicas revisão 2012
Funcoes organicas   revisão 2012Funcoes organicas   revisão 2012
Funcoes organicas revisão 2012
 
Cadeias carbônicas
Cadeias carbônicasCadeias carbônicas
Cadeias carbônicas
 
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e BasesAula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
 
Aula sobre ligações químicas
Aula sobre ligações químicasAula sobre ligações químicas
Aula sobre ligações químicas
 
Metabolismo
MetabolismoMetabolismo
Metabolismo
 
Leis ponderais
Leis ponderaisLeis ponderais
Leis ponderais
 
Fotossintese
FotossinteseFotossintese
Fotossintese
 
Bioacumulação (1) (1).pdf
Bioacumulação (1) (1).pdfBioacumulação (1) (1).pdf
Bioacumulação (1) (1).pdf
 
Química orgânica 3º ano COMPLETO
Química orgânica 3º ano   COMPLETOQuímica orgânica 3º ano   COMPLETO
Química orgânica 3º ano COMPLETO
 
CARACTERISTICAS DO CARBONO
CARACTERISTICAS DO CARBONOCARACTERISTICAS DO CARBONO
CARACTERISTICAS DO CARBONO
 
Estereoquímica
EstereoquímicaEstereoquímica
Estereoquímica
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
 
Isomeria
IsomeriaIsomeria
Isomeria
 
Aula hibridização do carbono
Aula hibridização do carbonoAula hibridização do carbono
Aula hibridização do carbono
 
1. introdução a química
1. introdução a química1. introdução a química
1. introdução a química
 
Química Orgânica: CARBONO
Química Orgânica: CARBONOQuímica Orgânica: CARBONO
Química Orgânica: CARBONO
 
Funções orgânicas slide
Funções orgânicas slideFunções orgânicas slide
Funções orgânicas slide
 

Destaque

Funções Orgânicas
Funções OrgânicasFunções Orgânicas
Funções Orgânicas
Paulo Filho
 
Funções Orgânicas
Funções OrgânicasFunções Orgânicas
Funções Orgânicas
psfescola
 
Funções Orgânicas
Funções OrgânicasFunções Orgânicas
Funções Orgânicas
Samária Mércia Saudades Bega
 
Nomenclatura de Hidrocarbonetos
Nomenclatura de HidrocarbonetosNomenclatura de Hidrocarbonetos
Nomenclatura de Hidrocarbonetos
José Marcelo Cangemi
 
Introdução à química orgânica
Introdução à química orgânicaIntrodução à química orgânica
Introdução à química orgânica
Maria Naves Ribeiro Lopes
 
Funcoes organicas oxigenadas 1
Funcoes organicas oxigenadas 1Funcoes organicas oxigenadas 1
Funcoes organicas oxigenadas 1
lasqmc1
 
Funções orgânicas oxigenadas
Funções orgânicas oxigenadasFunções orgânicas oxigenadas
Funções orgânicas oxigenadas
marinha1996
 
Funções oxigenadas
Funções oxigenadasFunções oxigenadas
Funções oxigenadas
Rosbergue Lúcio
 
Aula de funções oxigenadas
Aula de funções oxigenadasAula de funções oxigenadas
Aula de funções oxigenadas
manaquifamasul
 
Química Orgânica I - Introdução
Química Orgânica I - IntroduçãoQuímica Orgânica I - Introdução
Química Orgânica I - Introdução
Ricardo Stefani
 
Introdução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânicaIntrodução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânica
Josenildo Vasconcelos
 
Introdução a química orgânica
Introdução a química orgânicaIntrodução a química orgânica
Introdução a química orgânica
Leimcpf
 
Química Orgância - Funções Orgânicas - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Química Orgância - Funções Orgânicas -  www.CentroApoio.com - Vídeo AulasQuímica Orgância - Funções Orgânicas -  www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Química Orgância - Funções Orgânicas - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Vídeo Aulas Apoio
 
Al hadiqoh
Al hadiqohAl hadiqoh
Al hadiqoh
yellowbone
 
Funções Orgânicas
Funções OrgânicasFunções Orgânicas
Funções Orgânicas
Carlos Priante
 
www.CentroApoio.com - Química - Orgânica
www.CentroApoio.com - Química - Orgânicawww.CentroApoio.com - Química - Orgânica
www.CentroApoio.com - Química - Orgânica
Vídeo Aulas Apoio
 
funções organicas
funções organicasfunções organicas
funções organicas
Raquel Gastao Daniel
 
Quimica organica
Quimica organicaQuimica organica
Quimica organica
japquimica
 
Funções oxigenadas
Funções oxigenadasFunções oxigenadas
Funções oxigenadas
Jhonny Marllon
 
Funções orgânicas oxigenadas cetonas
Funções orgânicas oxigenadas  cetonasFunções orgânicas oxigenadas  cetonas
Funções orgânicas oxigenadas cetonas
WALTER ALENCAR DE SOUSA
 

Destaque (20)

Funções Orgânicas
Funções OrgânicasFunções Orgânicas
Funções Orgânicas
 
Funções Orgânicas
Funções OrgânicasFunções Orgânicas
Funções Orgânicas
 
Funções Orgânicas
Funções OrgânicasFunções Orgânicas
Funções Orgânicas
 
Nomenclatura de Hidrocarbonetos
Nomenclatura de HidrocarbonetosNomenclatura de Hidrocarbonetos
Nomenclatura de Hidrocarbonetos
 
Introdução à química orgânica
Introdução à química orgânicaIntrodução à química orgânica
Introdução à química orgânica
 
Funcoes organicas oxigenadas 1
Funcoes organicas oxigenadas 1Funcoes organicas oxigenadas 1
Funcoes organicas oxigenadas 1
 
Funções orgânicas oxigenadas
Funções orgânicas oxigenadasFunções orgânicas oxigenadas
Funções orgânicas oxigenadas
 
Funções oxigenadas
Funções oxigenadasFunções oxigenadas
Funções oxigenadas
 
Aula de funções oxigenadas
Aula de funções oxigenadasAula de funções oxigenadas
Aula de funções oxigenadas
 
Química Orgânica I - Introdução
Química Orgânica I - IntroduçãoQuímica Orgânica I - Introdução
Química Orgânica I - Introdução
 
Introdução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânicaIntrodução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânica
 
Introdução a química orgânica
Introdução a química orgânicaIntrodução a química orgânica
Introdução a química orgânica
 
Química Orgância - Funções Orgânicas - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Química Orgância - Funções Orgânicas -  www.CentroApoio.com - Vídeo AulasQuímica Orgância - Funções Orgânicas -  www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Química Orgância - Funções Orgânicas - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
 
Al hadiqoh
Al hadiqohAl hadiqoh
Al hadiqoh
 
Funções Orgânicas
Funções OrgânicasFunções Orgânicas
Funções Orgânicas
 
www.CentroApoio.com - Química - Orgânica
www.CentroApoio.com - Química - Orgânicawww.CentroApoio.com - Química - Orgânica
www.CentroApoio.com - Química - Orgânica
 
funções organicas
funções organicasfunções organicas
funções organicas
 
Quimica organica
Quimica organicaQuimica organica
Quimica organica
 
Funções oxigenadas
Funções oxigenadasFunções oxigenadas
Funções oxigenadas
 
Funções orgânicas oxigenadas cetonas
Funções orgânicas oxigenadas  cetonasFunções orgânicas oxigenadas  cetonas
Funções orgânicas oxigenadas cetonas
 

Semelhante a Funções Orgânicas

Aula 2 funções orgânicas.
Aula 2   funções orgânicas.Aula 2   funções orgânicas.
Aula 2 funções orgânicas.
Ajudar Pessoas
 
Quimica trabalho
Quimica trabalhoQuimica trabalho
Quimica trabalho
Fafa Alabart
 
Introdução a química orgânica.pdf
Introdução a química orgânica.pdfIntrodução a química orgânica.pdf
Introdução a química orgânica.pdf
TairineMedrado1
 
4 - Introdução à Química Orgânica
4 - Introdução à Química Orgânica4 - Introdução à Química Orgânica
4 - Introdução à Química Orgânica
Charles Biral
 
Revisão para prova terceiros anos
Revisão para  prova terceiros anosRevisão para  prova terceiros anos
Revisão para prova terceiros anos
DIRLUIZ
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
Mariana Ferreira
 
Estudo dos aldeídos e cetonas 011
Estudo dos aldeídos e cetonas 011 Estudo dos aldeídos e cetonas 011
Estudo dos aldeídos e cetonas 011
Manuel da Mata Vicente
 
Química orgânica
Química orgânicaQuímica orgânica
Química orgânica
tenraquel
 
Nomenclatura 02
Nomenclatura 02Nomenclatura 02
Nomenclatura 02
tamandarealfamanha
 
Química orgânica
Química orgânicaQuímica orgânica
Química orgânica
FERNANDO ERNO
 
Polígrafo orgânica (resumido)
Polígrafo orgânica (resumido)Polígrafo orgânica (resumido)
Introducao quimica org
Introducao quimica orgIntroducao quimica org
Introducao quimica org
apoiodequimica
 
Introducao quimica org
Introducao quimica orgIntroducao quimica org
Introducao quimica org
apoiodequimica
 
Módulo Q7_Hidrocarbonetos alifáticos.aromáticos.pptx
Módulo Q7_Hidrocarbonetos alifáticos.aromáticos.pptxMódulo Q7_Hidrocarbonetos alifáticos.aromáticos.pptx
Módulo Q7_Hidrocarbonetos alifáticos.aromáticos.pptx
AdelaideSantos19
 
A.Ppoint.QuíM.Org.Aula2
A.Ppoint.QuíM.Org.Aula2A.Ppoint.QuíM.Org.Aula2
A.Ppoint.QuíM.Org.Aula2
Albano Novaes
 
1_2_A_quimica_dos_combustiveis_fosseis.pptx
1_2_A_quimica_dos_combustiveis_fosseis.pptx1_2_A_quimica_dos_combustiveis_fosseis.pptx
1_2_A_quimica_dos_combustiveis_fosseis.pptx
ssuser03bb93
 
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
Carlos Priante
 
Nomenclatura dos compostos_organicos
Nomenclatura dos compostos_organicosNomenclatura dos compostos_organicos
Nomenclatura dos compostos_organicos
Karol Maia
 
Aula 1-2740.pptx
Aula 1-2740.pptxAula 1-2740.pptx
Aula 1-2740.pptx
ThaynarPinheiro
 
Apostila de identificação de função
Apostila de identificação de funçãoApostila de identificação de função
Apostila de identificação de função
Menesesjosi
 

Semelhante a Funções Orgânicas (20)

Aula 2 funções orgânicas.
Aula 2   funções orgânicas.Aula 2   funções orgânicas.
Aula 2 funções orgânicas.
 
Quimica trabalho
Quimica trabalhoQuimica trabalho
Quimica trabalho
 
Introdução a química orgânica.pdf
Introdução a química orgânica.pdfIntrodução a química orgânica.pdf
Introdução a química orgânica.pdf
 
4 - Introdução à Química Orgânica
4 - Introdução à Química Orgânica4 - Introdução à Química Orgânica
4 - Introdução à Química Orgânica
 
Revisão para prova terceiros anos
Revisão para  prova terceiros anosRevisão para  prova terceiros anos
Revisão para prova terceiros anos
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Estudo dos aldeídos e cetonas 011
Estudo dos aldeídos e cetonas 011 Estudo dos aldeídos e cetonas 011
Estudo dos aldeídos e cetonas 011
 
Química orgânica
Química orgânicaQuímica orgânica
Química orgânica
 
Nomenclatura 02
Nomenclatura 02Nomenclatura 02
Nomenclatura 02
 
Química orgânica
Química orgânicaQuímica orgânica
Química orgânica
 
Polígrafo orgânica (resumido)
Polígrafo orgânica (resumido)Polígrafo orgânica (resumido)
Polígrafo orgânica (resumido)
 
Introducao quimica org
Introducao quimica orgIntroducao quimica org
Introducao quimica org
 
Introducao quimica org
Introducao quimica orgIntroducao quimica org
Introducao quimica org
 
Módulo Q7_Hidrocarbonetos alifáticos.aromáticos.pptx
Módulo Q7_Hidrocarbonetos alifáticos.aromáticos.pptxMódulo Q7_Hidrocarbonetos alifáticos.aromáticos.pptx
Módulo Q7_Hidrocarbonetos alifáticos.aromáticos.pptx
 
A.Ppoint.QuíM.Org.Aula2
A.Ppoint.QuíM.Org.Aula2A.Ppoint.QuíM.Org.Aula2
A.Ppoint.QuíM.Org.Aula2
 
1_2_A_quimica_dos_combustiveis_fosseis.pptx
1_2_A_quimica_dos_combustiveis_fosseis.pptx1_2_A_quimica_dos_combustiveis_fosseis.pptx
1_2_A_quimica_dos_combustiveis_fosseis.pptx
 
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
 
Nomenclatura dos compostos_organicos
Nomenclatura dos compostos_organicosNomenclatura dos compostos_organicos
Nomenclatura dos compostos_organicos
 
Aula 1-2740.pptx
Aula 1-2740.pptxAula 1-2740.pptx
Aula 1-2740.pptx
 
Apostila de identificação de função
Apostila de identificação de funçãoApostila de identificação de função
Apostila de identificação de função
 

Último

Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
IslanderAndrade
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
Manuais Formação
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 

Funções Orgânicas

  • 1. Por: Mateus Serêjo, aluno do IFMA – Campus Pinheiro Funções Orgânicas
  • 2. Introdução à Funções Orgânicas  Porquê o nome Funções Orgânicas?  Diferente das funções Inorgânicas, essas são chamadas assim por possuírem em suas cadeias o elemento químico carbono ligado diretamente a hidrogênios.  O carbono possui didaticamente uma função na química especial para ele pelo fato de o carbono possuir a chamada tetra-valência, ou seja, a capacidade de estar ligado diretamente a outros quatro elementos químicos, nas funções orgânicas sendo eles tanto o hidrogênio quanto ao oxigênio e a outros haletos orgânicos.
  • 3. Subdivisões das Funções Orgânicas  Sim, mas quem são os compostos orgânicos?  Devido a essa capacidade única do carbono de ser tetra-valente existe uma infinidade de compostos formados a partir das ligações do carbono com outros elementos. Assim para facilitar o estudo desses compostos a IUPAC – União Internacional de Química Pura e Aplicada, dividiu as funções de acordo com seus radicais.  Dividiu-se assim em Hidrocarbonetos, Alcoóis e Aldeídos. Cada composto com sua nomenclatura oficial. Nos próximos slides estudaremos mais a fundo essas divisões.
  • 4. Hidrocarbonetos  São compostos constituídos por, apenas, átomos de carbono e hidrogênio. As nomenclaturas desses compostos são definidas pelo número de átomos de carbono na sua cadeia principal e número e posição do radical ligado a cadeia carbônica principal. O composto dessa imagem é o gás Metano. No próximo Slide aprenderemos porquê esse é o metano.
  • 5. Nomenclatura de Hidrocarbonetos  Os Hidrocarbonetos são assim como toda cadeia carbônica principal são classificados pela quantidade de carbonos em sua cadeia principal. Temos os Sufixos, Infixos e Prefixos. Os Sufixos são determinados pela quantidade:  Para 1 C temos = MET  Para 2 C temos = ET  Para 3 C temos = PROP  Para 4 C temos = BUT  Para 5 C temos = PENT  Para 6 C temos = HEX  Para 7 C temos = HEPT  Para 8 C temos = OCT  Para 9 C temos = NON  Para 10 C temos = DEC
  • 6. Nomenclatura de Hidrocarbonetos  Já para os Infixos temos as divisões: os Hidrocarbonetos são dividos em Alcanos, Alcenos, Alcinos e Alcadienos.  Alcanos = tem em sua cadeia carbônica, apenas, ligações simples entre carbonos. O Infixo de nomenclatura para Alcano é AN.  Alcenos = tem em sua cadeia carbônica, apenas, uma ligação dupla entre carbonos e todas as outras simples. O Infixo de nomenclatura para Alcano é EN.  Alcinos = tem em sua cadeia carbônica, apenas, uma ligação tripla entre carbonos e todas as outras simples. O Infixo de nomenclatura para Alcano é IN.  Alcadienos = tem em sua cadeia carbônica, duas ligação duplas entre carbonos e todas as outras simples. O Infixo de nomenclatura para Alcano é DIEN.  O prefixo para Hidrocarbonetos é a letra “O”.
  • 7. Nomenclatura de Hidrocarbonetos  Vamos ver se aprendeu:  Temos um hidrocarboneto com 4C e apenas ligações simples.  Responda:  R: BUT – AN – O , daí o nome gás BUTANO.  Temos um hidrocarboneto com 3C e uma ligação dupla.  Nesse caso você tem que especificar aonde está a ligação dupla, e a IUPAC recomenda colocar o menor numero do carbono na cadeia principal.  Teriamos nesse caso, um alceno, sem ramificações.  R: PROP – 1_EN – O , dái o nome 1- PROPENO ou PROPA-1- ENO.
  • 8. Ramificações orgânicas  Temos nas cadeias carbônicas, a cadeia principal, que é definida pela ordem de presença:  - de Insaturação: presença de ligação dupla ou tripla, essas obrigatoriamente tem que estar na cadeia principal.  - de Maior número de radicais: maior numero de ramificações presentes na cadeia principal.  - de Maior número de carbono: maior numero de carbonos na cadeia principal.
  • 9. Ramificações orgânicas  Os radicais para funções orgânicas são:  Para 1 C na ramificação: METIL  Para 2 C: ETIL  Para 3 C: PROPIL  Para 4 C: BUTIL  Na presença de ramificação na cadeia carbônica é recomendado enumerar a cadeia principal, e obrigatoriamente você deve começar do carbono mais próximo da insaturação ou da ramificação, e também indicar o numero da ramificação na nomenclatura, ordenando por ordem alfabética as ramificações por ex: na presença de um butil, e um metil é obrigatório colocar o butil primeiro que o metil na nomenclatura. Vamos para o exemplo pratico.
  • 10. Compostos aromáticos  Temos os compostos aromáticos que são chamados assim por possuir o anel aromático, são cadeias carbônicas cíclicas, compostas por ligações simples e duplas alternadamente, formando um anel. A nomenclatura dessas cadeias foi definida pela IUPAC e segue regra própria.  Vamos mostrar esses compostos aromáticos:  Responda os exercícios do slide a seguir:
  • 11.
  • 12. Função Álcool  São denominados alcoóis todo composto orgânico que apresenta em sua estrutura a hidroxila ( -OH ), que deve estar ligada a um átomo de carbono saturado.  - Monoálcoois São os compostos que apresentam apenas uma hidroxila. Exemplo: CH3-CH2-OH (etanol) CH3-CH2-CH2-OH (propanol-1)  A hidroxila em Monoálcoois pode estar ligada à carbono primário, secundário ou terciário, formando assim, álcool primário, secundário e terciário, respectivamente.  - Diálcoois Possuem duas hidroxilas. Exemplo: HO-CH2-CH2-OH  Obs: não existem alcoóis com duas hidroxilas no mesmo carbono. Quando isso acontece, o composto fica instável, e transforma-se em aldeídos.  - Poliálcoois Possuem três ou mais hidroxilas:
  • 13. Nomenclatura de Álcool  A nomenclatura dos álcoois é bastante semelhante à dos hidrocarbonetos:  - Prefixo do número de carbonos (met, et, prop, but, ...) + tipo de ligações (an, en, in, dien, ...) + OL - A numeração da cadeia principal começa da ponta mais próxima à hidroxila. Se a hidroxila estiver exatamente no meio da cadeia, a numeração deverá ser feita de acordo com a insaturação, e por último, pela ramificação.  Exemplos: met + an + ol = metanol (um carbono, ligação simples (na verdade, não há ligação entre carbonos pois só existe um carbono no composto), OL pois é um álcool)  et + an + ol = etanol (dois carbonos, ligação simples, e OL porque é um álcool)  prop + an + ol = propanol-1 (três carbonos, ligação simples, e OL porque é um álcool, o 1 indica a posição da hidroxila)
  • 14. Função Aldeído  Os aldeídos são uma função orgânica cujas moléculas apresentam o grupo aldoxila (H-C=O) ligado a um radical alifático (de cadeia aberta ou fechada) ou aromático.  Grupo funcional do Aldeído  A fórmula básica dos aldeídos é a de um álcool correspondente em número de carbonos menos dois átomos de hidrogênio, ou ainda, a substituição de dois átomos de hidrogênio de um hidrocarboneto por um de oxigênio.  De uma forma geral, os aldeídos de menor massa molecular apresentar odor desagradável (a exemplo do formol), enquanto que os de maior massa possuem odor agradável de frutas (odoríferos naturais).
  • 15. Nomenclatura de Aldeídos  Como o grupo aldoxila só se apresenta nas extremidades das moléculas de aldeídos, não há necessidade de numerar o carbono no qual está ligado. Assim, deve-se nomear os radicais ligados à cadeia principal, nomear a cadeia quanto ao número de átomos de carbonos e à saturação das ligações, e completar com o sufixo "AL". 2- Etil-3-Metil Pentanal
  • 16. Conclusão  Portanto, essas são as três principais funções orgânicas e pra curiosidade de estudo, ainda pode-se ver CETONAS, ÉTERES, ÉSTERES, ACIDOS CARBOXILICOS, AMINAS E AMIDAS. Posteriormente, veremos outros assuntos da química, muito obrigado, valeu.
  • 17. Referências  Júlio César Lima Lira.  Funções Orgânicas (em português) InfoEscola. Visitado em 06 de agosto de 2013.  Gerson Santos Teixeira.  Funções Orgânicas e Radicais (em português) Cola na Web. Visitado em 06 de agosto de 2013.  Líria Alves.  Funções orgânicas (em português) R7 Brasil Escola. Visitado em 06 de agosto de 2013.  Resumo de Química: Funções orgânicas (em português) Editora Abril Guia do Estudante (21 de novembro de 2011). Visitado em 06 de agosto de 2013.