SlideShare uma empresa Scribd logo
FUNÇÕES ORGÂNICAS
Devido ao elevado número de composto orgânico
que existem, foi necessário agrupá-los em funções
orgânicas.
As substâncias foram classificadas de acordo com
suas propriedades
hidrocarbonetos álcool fenol
aldeído cetona éter
éster ácido carboxílico
amina amida nitrila
haletos
HIDROCARBONETOS
Definição:
Hidrocarbonetos são compostos orgânicos formados exclusivamente por hidrogênio e
carbono.
Sua fórmula geral é CxHy
UTILIDADE
Função mais simples da Química Orgânica
Os hidrocarbonetos têm grande importância para a Indústria Química.
O petróleo e o gás natural são fontes de hidrocarbonetos.
É o ponto de partida para a produção de combustíveis, plásticos, corantes e tantos
outro produtos úteis ao homem.
EXEMPLOS
Propano (C3H8): presente no gás de cozinhaComo
podemos
classificar a
cadeia
carbônica do
Propano?
EXEMPLOS
Octano (C8H18): gasolina
DIVISÃO DOS HIDROCARBONETOS
- Alcanos
- Alcenos
- Alcinos
- Alcadienos
- Cicloalcanos
- Cicloalcenos
- Aromáticos
Alcanos
ALCANOS
Formados apenas por ligações simples entre seus carbonos.
Possuem cadeia aberta e ligações simples.
 Sua fórmula é CnH2n+2
ONDE ENCONTRAMOS OS ALCANOS?
 Petróleo e Gás natural.
 Produção de combustíveis como a gasolina, óleo diesel e querosene.
 Estes alcanos possuem baixo teor de carbono.
Obs: Para as cadeias mais longas é possível obter a parafina
PROPRIEDADES FÍSICAS DOS ALCANOS
Pouco reativos: Qual o motivo?
Chamados também de parafinas ou parafínicos.
São mais utilizados para a queima.
São insolúveis em água e menos denso que a água.
Obs:Os alcanos de até quatro carbonos são gases a
temperatura ambiente (25°C). De cinco a dezessete
carbonos são líquidos e os demais, sólidos.
OBSERVEM O NÚMERO DE CARBONOS, O ESTADO
FÍSICO E A SUBSTÂNCIA:
NOMENCLATURA
Para dar nome aos alcanos, assim como os demais compostos orgânicos, devemos
seguir as regras estabelecidas pela (IUPAC).
Prefixo + Parte Central + Terminação
PREFIXOS: INDICA O NÚMERO DE
CARBONOS NA CADEIA
1C – met
2C – et
3C – prop
4C – but
5C – pent
6C – hex
7C – hept
8C – oct
9C – non
10C – dec
11C – undec
12C – dodec
20C - eicos
30C – tricos
PARTE CENTRAL: INDICA O TIPO DE
LIGAÇÃO QUÍMICA ENTRE CARBONOS
Para os alcanos, usamos an.
an = ligação simples
en = ligação dupla
in = ligação tripla
TERMINAÇÃO OU SUFIXO: INDICA A FUNÇÃO
QUÍMICA.Como a função é hidrocarboneto, usamos a letra o.
Exemplos:
CH4 – metano
C2H6 – etano
RADICAIS
Alguns alcanos possuem ramificações ao longo da cadeia carbônica.
Para essas ramificações damos o nome de radicais.
Os radicais dos alcanos são as alquilas ou radical alquila.
A alquila é um alcano que perde um H.
RADICAIS
Os radicais são:
Metil = Metano que perde um átomo de H
Etil = Etil que perde um átomo de H
Propil = Propano que perde um átomo de H
Butil = Butano que perde um átomo de H
EXEMPLO
Para dar nome às alquilas, modifica-se apenas a
terminação para ila.
NOMEANDO AS CADEIAS CARBÔNICAS
Para dar nome às cadeias carbônicas de alcanos ramificados, utilizamos as seguintes regras:
- determinar a maior cadeia possível de carbonos;
- determinar os radicais ligados à cadeia principal;
- a numeração da cadeia principal se dá para que a
ramificação possua os menores números possíveis;
- os radicais são colocados em função da sua ordem
alfabética;
EXEMPLO
A PRESENÇA DOS ALCANOS EM NOSSAS VIDAS
Petróleo:
 tem sua origens em animais e vegetais marítimos que foram soterrados há
milhões de anos.
 Matéria orgânica
 Ação de micro-organismos, pressão, calor e tempo, se transforma em petróleo.
 Recurso não-renovável
 Pode ser encontrado no fundo do mar, mas também é encontrado em terra
firme.
EXTRAÇÃO DO PETRÓLEO
O petróleo extraído dos poços é enviado por bombeamento para os depósitos mais
próximos.
Fica em repouso para decantar a água salgada, argila e algumas impurezas
existentes.
Uma das piores impurezas do petróleo é o enxofre (S).
REFINAÇÃO DO PETRÓLEO
A refinaria é o local onde acontece a purificação e separação dos componentes do
petróleo.
O petróleo é transformado em uma série de derivados através de diversos métodos.
GÁS NATURAL
Ótimo combustível. Qual motivo?
Menos poluente que os derivados do petróleo.
Usado nas indústrias, na geração de energia elétrica e, cada vez mais como
combustível para automóveis (GNV)
GÁS NATURAL X GLP
Gás Natural - formado principalmente por metano, CH4
GLP – fração obtida nas refinarias de petróleo (propano e butano)
METANO (CH4)
Gás incolor, inodoro e inflamável.
Formação: Minas de carvão, apodrecimento de vegetais, aterros sanitários
(bactérias)
REVISÃO
O que são hidrocarbonetos?
Oo que são alcanos e qual a fórmula feral de um alcano?
Como é dado o nome a um alcano normal?
Como é dado o nome a um alcano ramificado?
ALCENOS
ALCENOS
Hidrocarbonetos acíclicos, insaturados, que contém uma dupla ligação entre átomos
de carbono.
Sua fórmula geral é CnH2n
EXEMPLOS DE ALCENOS
eteno CH2=CH2 fórmula molecular: C2H4
1-buteno CH2=CH – CH2 – CH3 fórmula molecular: C4H8
REATIVIDADE
Mais reativos do que os alcanos,
Por qual motivo?
Por possuírem uma ligação dupla, a qual é mais fácil de ser quebrada!
UTILIDADE
O composto mais comum dos alcenos é o eteno, ou etileno.
É produzido em frutos verdes e atua no amadurecimento desses frutos.
Por qual motivo enrolamos as frutas com jornal para que ela amadureça mais
rápido?
Desta forma o gás eteno está sendo aprisionado e acelera a velocidade de
amadurecimento.
UTILIDADE
O etileno é produzido na indústria química e é obtido através do refino do petróleo e
do gás natural.
É utilizado, ainda para a fabricação de polietileno usado para fazer plásticos.
NOMENCLATURA
Para nomear os alcenos, utilizamos a nomenclatura parecida com a dos alcanos.
Quanto ao número de carbonos é a mesma (met, et, prop, but...).
Quanto ao tipo de ligação, usamos en, porém, deve-se indicar o local da ligação
dupla.
Para nomear, dá-se a prioridade à ligação dupla na contagem de carbonos e depois,
aos radicais.
EXEMPLOS:
Alcenos não-ramificados
1) CH2=CH – CH2 – CH3
Nomenclatura antiga: 1- buteno
Nomenclatura IUPAC: but-1-eno
2) CH3 – CH = CH – CH3
Nomenclatura antiga: 2-buteno
Nomenclatura IUPAC: but-2-eno
EXEMPLOS:
Para os alcenos ramificados, a cadeia principal (mais longa) é aquela que contém a
ligação dupla.
A contagem de carbonos é feita a partir da extremidade mais próxima da ligação
dupla.
ALCENOS
O que são os alcenos e qual a fórmula geral de um alceno?
Como é dado o nome a um alceno?
ALCADIENOS
ALCADIENOS (DIENOS)
Definição e fórmula geral
Alcadienos (ou simplesmente dienos) são hidrocarbonetos abertos contendo duas
ligações duplas em sua cadeia carbônica.
EXEMPLOS
Fórmula Geral Fórmula Molecular
CH2 = C = CH2 C3H4
CH2 = CH – CH = CH2 C4H6
CH2 = CH – CH = CH – CH3 C5H8
Generalizando temos: CnH2n-2
NOMENCLATURA DOS DIENOS
A terminação dos nomes dos alcadienos é dieno.
A cadeia principal deve ser a mais longa e passar, obrigatoriamente, pelas duas
ligações duplas.
A numeração da cadeia principal deve ser feita de modo que os números indicativos
das posições das ligações duplas e das ramificações sejam os menores
possíveis.
EXEMPLOS
CH = CH – CH = CH2
BUTA - 1,3 – DIENO
1,3 –BUTADIENO
CH3-CH2-CH=CH-CH-CH=CH-CH3
l
CH3
4 – METIL – 2,5 - OCTADIENO
A PRESENÇA DOS DIENOS EM NOSSA VIDA
Os dienos siimples não existem na natureza!!!
São produzidos em grande quantidade pela indústria petroquímica, visando a
produção de borrachas sintéticas.
ISOPRENO
Um dieno importante é o:
2 – metil – 1,3 – butadieno, chamado usaualmente de isopreno.
Fórmula molecular?
Fórmula estrutural?
ISOPRENO
A molécula de isopreno é chamada de unidade de isoprência, pois unindo-se a 2, 3,
4 ... n moléculas iguais, forma moléculas denominadas de terpenos.
Os terpenos formam:
Óleos essenciais
Substâncias coloridas
borracha
EXEMPLOS DE PRODUTOS FEITOS A PARTIR DO
ISOPRENO
REVISÃO
O que são os alcadienos e qual a fórmula geral de um alcadieno?
Como é dado o nome a um alcadieno?
ALCINOS
ALCINOS
Definição e fórmula geral
Alcinos são hidrocarbonetos abertos contendo uma única ligação tripla em sua
cadeia carbônica.
EXEMPLOS
Fórmula Geral Fórmula Molecular
H – C C - H C2H2
H – C C - CH3 C3H4
H - C C – CH2 – CH3 C4H6
Generalizando, temos: CnH2n-2
NOMENCLATURA DOS ALCINOS
A nomenclatura IUPAC atribui aos alcinos a terminaçã INO.
A nomenclatura é deita de modo semelhante a dos alcenos.
A cadeia principal deve ser a mais longa e conter a ligação tripla.
A numeração é feita a partir da extremidade mais próxima da ligação tripla.
EXEMPLOS: ALCINOS NÃO-RAMIFICADOS
HC CH
Etino
HC C – H3
Propino
HC C – CH2- CH3
Butino
ALCINOS RAMIFICADOS
CH3 – CH - C C – CH3
l
CH3
4 – metil – 2 – pentino
CH3 – CH2 - C C – CH – CH3
l
CH3
2 – metil – 3 - hexino
A PRESENÇA DOS ALCINOS EM NOSSAS VIDAS
O alcino mais importante é o C2H2
(H – C C – H), chamado de acetileno.
Ele é produzido facilmente, colocando-se o
carbureto em contato com água.
A queima do acetileno produz chama muito quente
e luminosa, segundo reação:
2 C2H2 + 5 O2 4 CO2 + 2 H2O + CALOR
O ACETILENO É USADO EM LANTERNAS DE EXPLORAÇÃO DE CAVERNAS E
EM MAÇARICOS, CAPAZES DE PRODUZIR TEMPERATURAS MUITO
ELEVADAS
REVISÃO
O que são alcinos e qual a fórmula geral de um álcino?
Como é dado o nome, segundo a IUPAC, a um alcino?
Qual é o alcino mais comum e onde ele é utilizado?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Química orgânica 3º ano COMPLETO
Química orgânica 3º ano   COMPLETOQuímica orgânica 3º ano   COMPLETO
Química orgânica 3º ano COMPLETO
Eliando Oliveira
 
Nomenclatura dos COMPOSTOS ORGÂNICOS
Nomenclatura dos COMPOSTOS  ORGÂNICOS Nomenclatura dos COMPOSTOS  ORGÂNICOS
Nomenclatura dos COMPOSTOS ORGÂNICOS
Adrianne Mendonça
 
Introdução a química orgânica
Introdução a química orgânicaIntrodução a química orgânica
Introdução a química orgânica
Leimcpf
 
Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
Isabele Félix
 
Hidrocarbonetos
HidrocarbonetosHidrocarbonetos
Hidrocarbonetos
Josenildo Vasconcelos
 
Isomeria
IsomeriaIsomeria
Termoquimica
TermoquimicaTermoquimica
Termoquimica
Carlos Priante
 
Química Orgânica
Química OrgânicaQuímica Orgânica
Química Orgânica
Alice Almeida
 
Isomeria
IsomeriaIsomeria
Isomeria
sabinosilva
 
Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
Adrianne Mendonça
 
Hidrocarbonetos ramificados
Hidrocarbonetos ramificadosHidrocarbonetos ramificados
Hidrocarbonetos ramificados
Valter Moreira
 
Funcoes organicas
Funcoes organicasFuncoes organicas
Funcoes organicas
Adrianne Mendonça
 
Reações Químicas
Reações QuímicasReações Químicas
Reações Químicas
Polo UAB de Alagoinhas
 
Funções orgânicas slide
Funções orgânicas slideFunções orgânicas slide
Funções orgânicas slide
Joelson Barral
 
Cinetica quimica
Cinetica quimicaCinetica quimica
Cinetica quimica
Liana Maia
 
Pps hidrocarbonetos ramificados
Pps hidrocarbonetos ramificadosPps hidrocarbonetos ramificados
Pps hidrocarbonetos ramificados
Fernanda Cordeiro
 
Aula funções oxigenadas
Aula  funções oxigenadasAula  funções oxigenadas
Aula funções oxigenadas
Profª Alda Ernestina
 
Funções nitrogenadas
Funções nitrogenadasFunções nitrogenadas
Funções nitrogenadas
Rosbergue Lúcio
 
Hidrocarbonetos
HidrocarbonetosHidrocarbonetos
Hidrocarbonetos
ana maciel
 
Isomeria plana
Isomeria planaIsomeria plana
Isomeria plana
paramore146
 

Mais procurados (20)

Química orgânica 3º ano COMPLETO
Química orgânica 3º ano   COMPLETOQuímica orgânica 3º ano   COMPLETO
Química orgânica 3º ano COMPLETO
 
Nomenclatura dos COMPOSTOS ORGÂNICOS
Nomenclatura dos COMPOSTOS  ORGÂNICOS Nomenclatura dos COMPOSTOS  ORGÂNICOS
Nomenclatura dos COMPOSTOS ORGÂNICOS
 
Introdução a química orgânica
Introdução a química orgânicaIntrodução a química orgânica
Introdução a química orgânica
 
Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
 
Hidrocarbonetos
HidrocarbonetosHidrocarbonetos
Hidrocarbonetos
 
Isomeria
IsomeriaIsomeria
Isomeria
 
Termoquimica
TermoquimicaTermoquimica
Termoquimica
 
Química Orgânica
Química OrgânicaQuímica Orgânica
Química Orgânica
 
Isomeria
IsomeriaIsomeria
Isomeria
 
Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
 
Hidrocarbonetos ramificados
Hidrocarbonetos ramificadosHidrocarbonetos ramificados
Hidrocarbonetos ramificados
 
Funcoes organicas
Funcoes organicasFuncoes organicas
Funcoes organicas
 
Reações Químicas
Reações QuímicasReações Químicas
Reações Químicas
 
Funções orgânicas slide
Funções orgânicas slideFunções orgânicas slide
Funções orgânicas slide
 
Cinetica quimica
Cinetica quimicaCinetica quimica
Cinetica quimica
 
Pps hidrocarbonetos ramificados
Pps hidrocarbonetos ramificadosPps hidrocarbonetos ramificados
Pps hidrocarbonetos ramificados
 
Aula funções oxigenadas
Aula  funções oxigenadasAula  funções oxigenadas
Aula funções oxigenadas
 
Funções nitrogenadas
Funções nitrogenadasFunções nitrogenadas
Funções nitrogenadas
 
Hidrocarbonetos
HidrocarbonetosHidrocarbonetos
Hidrocarbonetos
 
Isomeria plana
Isomeria planaIsomeria plana
Isomeria plana
 

Destaque

Aula 2b -_alcenos,_alcinos
Aula 2b -_alcenos,_alcinosAula 2b -_alcenos,_alcinos
Aula 2b -_alcenos,_alcinos
day ....
 
Citologia
CitologiaCitologia
Estudo da Família dos alcenos
Estudo da Família dos alcenosEstudo da Família dos alcenos
Estudo da Família dos alcenos
Manuel Vicente
 
Composição química das células trabalhos
Composição química das células trabalhosComposição química das células trabalhos
Composição química das células trabalhos
Gustavo Morais
 
Citologia, substâncias orgânicas - Biologia
Citologia, substâncias orgânicas - BiologiaCitologia, substâncias orgânicas - Biologia
Citologia, substâncias orgânicas - Biologia
Karol Schmitz
 
ALCADIENOS E ALCINOS - AULA 9
ALCADIENOS E ALCINOS - AULA 9ALCADIENOS E ALCINOS - AULA 9
ALCADIENOS E ALCINOS - AULA 9
Kaires Braga
 
Funções Orgânicas - Hidrocarbonetos
Funções Orgânicas - HidrocarbonetosFunções Orgânicas - Hidrocarbonetos
Funções Orgânicas - Hidrocarbonetos
Alice Almeida
 
Hidrocarbonetos
HidrocarbonetosHidrocarbonetos
Hidrocarbonetos
erminiaalmeida
 
Química orgânica
Química orgânicaQuímica orgânica
Química orgânica
tenraquel
 
Classes funcionais de compostos orgânicos
Classes funcionais  de compostos orgânicosClasses funcionais  de compostos orgânicos
Classes funcionais de compostos orgânicos
Lucass Nascimento
 
Compostos Orgânicos
Compostos OrgânicosCompostos Orgânicos
Compostos Orgânicos
jwurster01
 
Composto organico
Composto organicoComposto organico
Composto organico
João Siqueira da Mata
 
Alcinos e alcadienos 2.0
Alcinos e alcadienos 2.0Alcinos e alcadienos 2.0
Alcinos e alcadienos 2.0
Emmanuel Souza
 
Funções Orgânicas
Funções OrgânicasFunções Orgânicas
Funções Orgânicas
Paulo Filho
 
Aula introdução a química orgânica prof Antonio Kirchner
Aula introdução a química orgânica prof Antonio KirchnerAula introdução a química orgânica prof Antonio Kirchner
Aula introdução a química orgânica prof Antonio Kirchner
profqmckirchner
 
Hidrocarbonetos
HidrocarbonetosHidrocarbonetos
Hidrocarbonetos
anderson85lima
 
Composição Química Carboidratos e Lipídios
Composição Química Carboidratos e LipídiosComposição Química Carboidratos e Lipídios
Composição Química Carboidratos e Lipídios
Laguat
 
Exemplos de compostos orgânicos
Exemplos de compostos orgânicosExemplos de compostos orgânicos
Exemplos de compostos orgânicos
Escola Pública/Particular
 
Aula 1 introdução à química orgânica.
Aula 1    introdução à química orgânica.Aula 1    introdução à química orgânica.
Aula 1 introdução à química orgânica.
Ajudar Pessoas
 
Sustancias OrgáNicas
Sustancias OrgáNicasSustancias OrgáNicas
Sustancias OrgáNicas
Verónica Rosso
 

Destaque (20)

Aula 2b -_alcenos,_alcinos
Aula 2b -_alcenos,_alcinosAula 2b -_alcenos,_alcinos
Aula 2b -_alcenos,_alcinos
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
 
Estudo da Família dos alcenos
Estudo da Família dos alcenosEstudo da Família dos alcenos
Estudo da Família dos alcenos
 
Composição química das células trabalhos
Composição química das células trabalhosComposição química das células trabalhos
Composição química das células trabalhos
 
Citologia, substâncias orgânicas - Biologia
Citologia, substâncias orgânicas - BiologiaCitologia, substâncias orgânicas - Biologia
Citologia, substâncias orgânicas - Biologia
 
ALCADIENOS E ALCINOS - AULA 9
ALCADIENOS E ALCINOS - AULA 9ALCADIENOS E ALCINOS - AULA 9
ALCADIENOS E ALCINOS - AULA 9
 
Funções Orgânicas - Hidrocarbonetos
Funções Orgânicas - HidrocarbonetosFunções Orgânicas - Hidrocarbonetos
Funções Orgânicas - Hidrocarbonetos
 
Hidrocarbonetos
HidrocarbonetosHidrocarbonetos
Hidrocarbonetos
 
Química orgânica
Química orgânicaQuímica orgânica
Química orgânica
 
Classes funcionais de compostos orgânicos
Classes funcionais  de compostos orgânicosClasses funcionais  de compostos orgânicos
Classes funcionais de compostos orgânicos
 
Compostos Orgânicos
Compostos OrgânicosCompostos Orgânicos
Compostos Orgânicos
 
Composto organico
Composto organicoComposto organico
Composto organico
 
Alcinos e alcadienos 2.0
Alcinos e alcadienos 2.0Alcinos e alcadienos 2.0
Alcinos e alcadienos 2.0
 
Funções Orgânicas
Funções OrgânicasFunções Orgânicas
Funções Orgânicas
 
Aula introdução a química orgânica prof Antonio Kirchner
Aula introdução a química orgânica prof Antonio KirchnerAula introdução a química orgânica prof Antonio Kirchner
Aula introdução a química orgânica prof Antonio Kirchner
 
Hidrocarbonetos
HidrocarbonetosHidrocarbonetos
Hidrocarbonetos
 
Composição Química Carboidratos e Lipídios
Composição Química Carboidratos e LipídiosComposição Química Carboidratos e Lipídios
Composição Química Carboidratos e Lipídios
 
Exemplos de compostos orgânicos
Exemplos de compostos orgânicosExemplos de compostos orgânicos
Exemplos de compostos orgânicos
 
Aula 1 introdução à química orgânica.
Aula 1    introdução à química orgânica.Aula 1    introdução à química orgânica.
Aula 1 introdução à química orgânica.
 
Sustancias OrgáNicas
Sustancias OrgáNicasSustancias OrgáNicas
Sustancias OrgáNicas
 

Semelhante a Aula 2 funções orgânicas.

Funções org.oxig. + nitrog. maio 2010
Funções org.oxig. + nitrog. maio 2010Funções org.oxig. + nitrog. maio 2010
Funções org.oxig. + nitrog. maio 2010
JulianaGimenes
 
Funções Orgânicas
Funções OrgânicasFunções Orgânicas
Funções Orgânicas
Mateus Serejo
 
Resumo hidrocarbonetos - alcanos e ciclanos
Resumo    hidrocarbonetos - alcanos e ciclanosResumo    hidrocarbonetos - alcanos e ciclanos
Resumo hidrocarbonetos - alcanos e ciclanos
Profª Alda Ernestina
 
Módulo Q7_Hidrocarbonetos alifáticos.aromáticos.pptx
Módulo Q7_Hidrocarbonetos alifáticos.aromáticos.pptxMódulo Q7_Hidrocarbonetos alifáticos.aromáticos.pptx
Módulo Q7_Hidrocarbonetos alifáticos.aromáticos.pptx
AdelaideSantos19
 
006 estudo dos alcinos
006 estudo dos alcinos006 estudo dos alcinos
006 estudo dos alcinos
Manuel da Mata Vicente
 
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
Carlos Priante
 
Introdução a química orgânica.pdf
Introdução a química orgânica.pdfIntrodução a química orgânica.pdf
Introdução a química orgânica.pdf
TairineMedrado1
 
Revisão para prova terceiros anos
Revisão para  prova terceiros anosRevisão para  prova terceiros anos
Revisão para prova terceiros anos
DIRLUIZ
 
Hidrocarbonetos
HidrocarbonetosHidrocarbonetos
Hidrocarbonetos
MariaJoaoTeixeira
 
Hidrocardonetos, Funções Oxigenadas, Nitrogenada e Reações Organicas NASSA...
Hidrocardonetos,  Funções Oxigenadas,  Nitrogenada e Reações Organicas  NASSA...Hidrocardonetos,  Funções Oxigenadas,  Nitrogenada e Reações Organicas  NASSA...
Hidrocardonetos, Funções Oxigenadas, Nitrogenada e Reações Organicas NASSA...
mrvitin18
 
Hidrocarboneto
HidrocarbonetoHidrocarboneto
Hidrocarboneto
kaliandra Lisboa
 
Nomenclatura compostos
Nomenclatura compostosNomenclatura compostos
Nomenclatura compostos
con_seguir
 
Química orgânica anderson lima
Química orgânica anderson limaQuímica orgânica anderson lima
Química orgânica anderson lima
Anderson De Lima Pereira
 
Radicaisorganicos
RadicaisorganicosRadicaisorganicos
Radicaisorganicos
Fábio Garcia Ferreira
 
AULA 2 (25.05) - Hidrocarboneto alcano, alceno,alcadienos, alcinos, aromático...
AULA 2 (25.05) - Hidrocarboneto alcano, alceno,alcadienos, alcinos, aromático...AULA 2 (25.05) - Hidrocarboneto alcano, alceno,alcadienos, alcinos, aromático...
AULA 2 (25.05) - Hidrocarboneto alcano, alceno,alcadienos, alcinos, aromático...
DianeRgis
 
Polígrafo orgânica (resumido)
Polígrafo orgânica (resumido)Polígrafo orgânica (resumido)
Nathalia e maysa 3a1
Nathalia e maysa 3a1Nathalia e maysa 3a1
Nathalia e maysa 3a1
EEB Francisco Mazzola
 
Química Orgânica - Nomenclatura de Compostos Orgânicos e Hidrocarbonetos
Química Orgânica - Nomenclatura de Compostos Orgânicos e HidrocarbonetosQuímica Orgânica - Nomenclatura de Compostos Orgânicos e Hidrocarbonetos
Química Orgânica - Nomenclatura de Compostos Orgânicos e Hidrocarbonetos
Carson Souza
 
Nomenclatura IUPAC de cadeias não ramificadas
Nomenclatura IUPAC de cadeias não ramificadasNomenclatura IUPAC de cadeias não ramificadas
Nomenclatura IUPAC de cadeias não ramificadas
Kaires Braga
 
Revisão biomédicas - enem 2009
Revisão biomédicas - enem 2009Revisão biomédicas - enem 2009
Revisão biomédicas - enem 2009
Vestibular Seriado
 

Semelhante a Aula 2 funções orgânicas. (20)

Funções org.oxig. + nitrog. maio 2010
Funções org.oxig. + nitrog. maio 2010Funções org.oxig. + nitrog. maio 2010
Funções org.oxig. + nitrog. maio 2010
 
Funções Orgânicas
Funções OrgânicasFunções Orgânicas
Funções Orgânicas
 
Resumo hidrocarbonetos - alcanos e ciclanos
Resumo    hidrocarbonetos - alcanos e ciclanosResumo    hidrocarbonetos - alcanos e ciclanos
Resumo hidrocarbonetos - alcanos e ciclanos
 
Módulo Q7_Hidrocarbonetos alifáticos.aromáticos.pptx
Módulo Q7_Hidrocarbonetos alifáticos.aromáticos.pptxMódulo Q7_Hidrocarbonetos alifáticos.aromáticos.pptx
Módulo Q7_Hidrocarbonetos alifáticos.aromáticos.pptx
 
006 estudo dos alcinos
006 estudo dos alcinos006 estudo dos alcinos
006 estudo dos alcinos
 
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
 
Introdução a química orgânica.pdf
Introdução a química orgânica.pdfIntrodução a química orgânica.pdf
Introdução a química orgânica.pdf
 
Revisão para prova terceiros anos
Revisão para  prova terceiros anosRevisão para  prova terceiros anos
Revisão para prova terceiros anos
 
Hidrocarbonetos
HidrocarbonetosHidrocarbonetos
Hidrocarbonetos
 
Hidrocardonetos, Funções Oxigenadas, Nitrogenada e Reações Organicas NASSA...
Hidrocardonetos,  Funções Oxigenadas,  Nitrogenada e Reações Organicas  NASSA...Hidrocardonetos,  Funções Oxigenadas,  Nitrogenada e Reações Organicas  NASSA...
Hidrocardonetos, Funções Oxigenadas, Nitrogenada e Reações Organicas NASSA...
 
Hidrocarboneto
HidrocarbonetoHidrocarboneto
Hidrocarboneto
 
Nomenclatura compostos
Nomenclatura compostosNomenclatura compostos
Nomenclatura compostos
 
Química orgânica anderson lima
Química orgânica anderson limaQuímica orgânica anderson lima
Química orgânica anderson lima
 
Radicaisorganicos
RadicaisorganicosRadicaisorganicos
Radicaisorganicos
 
AULA 2 (25.05) - Hidrocarboneto alcano, alceno,alcadienos, alcinos, aromático...
AULA 2 (25.05) - Hidrocarboneto alcano, alceno,alcadienos, alcinos, aromático...AULA 2 (25.05) - Hidrocarboneto alcano, alceno,alcadienos, alcinos, aromático...
AULA 2 (25.05) - Hidrocarboneto alcano, alceno,alcadienos, alcinos, aromático...
 
Polígrafo orgânica (resumido)
Polígrafo orgânica (resumido)Polígrafo orgânica (resumido)
Polígrafo orgânica (resumido)
 
Nathalia e maysa 3a1
Nathalia e maysa 3a1Nathalia e maysa 3a1
Nathalia e maysa 3a1
 
Química Orgânica - Nomenclatura de Compostos Orgânicos e Hidrocarbonetos
Química Orgânica - Nomenclatura de Compostos Orgânicos e HidrocarbonetosQuímica Orgânica - Nomenclatura de Compostos Orgânicos e Hidrocarbonetos
Química Orgânica - Nomenclatura de Compostos Orgânicos e Hidrocarbonetos
 
Nomenclatura IUPAC de cadeias não ramificadas
Nomenclatura IUPAC de cadeias não ramificadasNomenclatura IUPAC de cadeias não ramificadas
Nomenclatura IUPAC de cadeias não ramificadas
 
Revisão biomédicas - enem 2009
Revisão biomédicas - enem 2009Revisão biomédicas - enem 2009
Revisão biomédicas - enem 2009
 

Mais de Ajudar Pessoas

Tabela f 95% unilateral
Tabela f 95% unilateralTabela f 95% unilateral
Tabela f 95% unilateral
Ajudar Pessoas
 
Tabela f 95% bilateral
Tabela f 95% bilateralTabela f 95% bilateral
Tabela f 95% bilateral
Ajudar Pessoas
 
Educação e Capitalismo uma Certa Economia Política
Educação e Capitalismo uma Certa Economia PolíticaEducação e Capitalismo uma Certa Economia Política
Educação e Capitalismo uma Certa Economia Política
Ajudar Pessoas
 
Posicionamento Filosofico e Base de Aprendizagem
Posicionamento Filosofico e Base de AprendizagemPosicionamento Filosofico e Base de Aprendizagem
Posicionamento Filosofico e Base de Aprendizagem
Ajudar Pessoas
 
Evolucao historica da avaliacao em geracões
Evolucao historica da avaliacao em geracõesEvolucao historica da avaliacao em geracões
Evolucao historica da avaliacao em geracões
Ajudar Pessoas
 
Exercícios do Teorema de Pitágoras
Exercícios do Teorema de PitágorasExercícios do Teorema de Pitágoras
Exercícios do Teorema de Pitágoras
Ajudar Pessoas
 
Matriz Curricular : Licenciatura em Química IFPE 2015
Matriz Curricular : Licenciatura em Química IFPE 2015Matriz Curricular : Licenciatura em Química IFPE 2015
Matriz Curricular : Licenciatura em Química IFPE 2015
Ajudar Pessoas
 
Correção da prova de física ifpe 2015 parte 1.
Correção da prova de física ifpe 2015 parte 1.Correção da prova de física ifpe 2015 parte 1.
Correção da prova de física ifpe 2015 parte 1.
Ajudar Pessoas
 
formulas de fisica
formulas de fisicaformulas de fisica
formulas de fisica
Ajudar Pessoas
 
Biologia.
Biologia.Biologia.
Biologia.
Ajudar Pessoas
 
Saude pública.
Saude pública.Saude pública.
Saude pública.
Ajudar Pessoas
 
Exerc carboidratos.
Exerc   carboidratos.Exerc   carboidratos.
Exerc carboidratos.
Ajudar Pessoas
 
Biologia compostos organicos_exercícios.
Biologia compostos organicos_exercícios.Biologia compostos organicos_exercícios.
Biologia compostos organicos_exercícios.
Ajudar Pessoas
 
Concordância.
Concordância.Concordância.
Concordância.
Ajudar Pessoas
 
.Biologia.
.Biologia..Biologia.
.Biologia.
Ajudar Pessoas
 
Proteínas funções.
Proteínas        funções.Proteínas        funções.
Proteínas funções.
Ajudar Pessoas
 
Avaliação diagnóstica de matemática.
Avaliação diagnóstica de matemática.Avaliação diagnóstica de matemática.
Avaliação diagnóstica de matemática.
Ajudar Pessoas
 
Aulão prevupe história.
Aulão prevupe   história.Aulão prevupe   história.
Aulão prevupe história.
Ajudar Pessoas
 
Aulão prevupe geografia.
Aulão prevupe   geografia.Aulão prevupe   geografia.
Aulão prevupe geografia.
Ajudar Pessoas
 
Aulão prevupe biologia.
Aulão prevupe   biologia.Aulão prevupe   biologia.
Aulão prevupe biologia.
Ajudar Pessoas
 

Mais de Ajudar Pessoas (20)

Tabela f 95% unilateral
Tabela f 95% unilateralTabela f 95% unilateral
Tabela f 95% unilateral
 
Tabela f 95% bilateral
Tabela f 95% bilateralTabela f 95% bilateral
Tabela f 95% bilateral
 
Educação e Capitalismo uma Certa Economia Política
Educação e Capitalismo uma Certa Economia PolíticaEducação e Capitalismo uma Certa Economia Política
Educação e Capitalismo uma Certa Economia Política
 
Posicionamento Filosofico e Base de Aprendizagem
Posicionamento Filosofico e Base de AprendizagemPosicionamento Filosofico e Base de Aprendizagem
Posicionamento Filosofico e Base de Aprendizagem
 
Evolucao historica da avaliacao em geracões
Evolucao historica da avaliacao em geracõesEvolucao historica da avaliacao em geracões
Evolucao historica da avaliacao em geracões
 
Exercícios do Teorema de Pitágoras
Exercícios do Teorema de PitágorasExercícios do Teorema de Pitágoras
Exercícios do Teorema de Pitágoras
 
Matriz Curricular : Licenciatura em Química IFPE 2015
Matriz Curricular : Licenciatura em Química IFPE 2015Matriz Curricular : Licenciatura em Química IFPE 2015
Matriz Curricular : Licenciatura em Química IFPE 2015
 
Correção da prova de física ifpe 2015 parte 1.
Correção da prova de física ifpe 2015 parte 1.Correção da prova de física ifpe 2015 parte 1.
Correção da prova de física ifpe 2015 parte 1.
 
formulas de fisica
formulas de fisicaformulas de fisica
formulas de fisica
 
Biologia.
Biologia.Biologia.
Biologia.
 
Saude pública.
Saude pública.Saude pública.
Saude pública.
 
Exerc carboidratos.
Exerc   carboidratos.Exerc   carboidratos.
Exerc carboidratos.
 
Biologia compostos organicos_exercícios.
Biologia compostos organicos_exercícios.Biologia compostos organicos_exercícios.
Biologia compostos organicos_exercícios.
 
Concordância.
Concordância.Concordância.
Concordância.
 
.Biologia.
.Biologia..Biologia.
.Biologia.
 
Proteínas funções.
Proteínas        funções.Proteínas        funções.
Proteínas funções.
 
Avaliação diagnóstica de matemática.
Avaliação diagnóstica de matemática.Avaliação diagnóstica de matemática.
Avaliação diagnóstica de matemática.
 
Aulão prevupe história.
Aulão prevupe   história.Aulão prevupe   história.
Aulão prevupe história.
 
Aulão prevupe geografia.
Aulão prevupe   geografia.Aulão prevupe   geografia.
Aulão prevupe geografia.
 
Aulão prevupe biologia.
Aulão prevupe   biologia.Aulão prevupe   biologia.
Aulão prevupe biologia.
 

Último

JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 

Último (20)

JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 

Aula 2 funções orgânicas.

  • 1.
  • 2. FUNÇÕES ORGÂNICAS Devido ao elevado número de composto orgânico que existem, foi necessário agrupá-los em funções orgânicas. As substâncias foram classificadas de acordo com suas propriedades hidrocarbonetos álcool fenol aldeído cetona éter éster ácido carboxílico amina amida nitrila haletos
  • 3. HIDROCARBONETOS Definição: Hidrocarbonetos são compostos orgânicos formados exclusivamente por hidrogênio e carbono. Sua fórmula geral é CxHy
  • 4. UTILIDADE Função mais simples da Química Orgânica Os hidrocarbonetos têm grande importância para a Indústria Química. O petróleo e o gás natural são fontes de hidrocarbonetos. É o ponto de partida para a produção de combustíveis, plásticos, corantes e tantos outro produtos úteis ao homem.
  • 5. EXEMPLOS Propano (C3H8): presente no gás de cozinhaComo podemos classificar a cadeia carbônica do Propano?
  • 7. DIVISÃO DOS HIDROCARBONETOS - Alcanos - Alcenos - Alcinos - Alcadienos - Cicloalcanos - Cicloalcenos - Aromáticos Alcanos
  • 8. ALCANOS Formados apenas por ligações simples entre seus carbonos. Possuem cadeia aberta e ligações simples.  Sua fórmula é CnH2n+2
  • 9. ONDE ENCONTRAMOS OS ALCANOS?  Petróleo e Gás natural.  Produção de combustíveis como a gasolina, óleo diesel e querosene.  Estes alcanos possuem baixo teor de carbono. Obs: Para as cadeias mais longas é possível obter a parafina
  • 10. PROPRIEDADES FÍSICAS DOS ALCANOS Pouco reativos: Qual o motivo? Chamados também de parafinas ou parafínicos. São mais utilizados para a queima. São insolúveis em água e menos denso que a água. Obs:Os alcanos de até quatro carbonos são gases a temperatura ambiente (25°C). De cinco a dezessete carbonos são líquidos e os demais, sólidos.
  • 11. OBSERVEM O NÚMERO DE CARBONOS, O ESTADO FÍSICO E A SUBSTÂNCIA:
  • 12. NOMENCLATURA Para dar nome aos alcanos, assim como os demais compostos orgânicos, devemos seguir as regras estabelecidas pela (IUPAC). Prefixo + Parte Central + Terminação
  • 13. PREFIXOS: INDICA O NÚMERO DE CARBONOS NA CADEIA 1C – met 2C – et 3C – prop 4C – but 5C – pent 6C – hex 7C – hept 8C – oct 9C – non 10C – dec 11C – undec 12C – dodec 20C - eicos 30C – tricos
  • 14. PARTE CENTRAL: INDICA O TIPO DE LIGAÇÃO QUÍMICA ENTRE CARBONOS Para os alcanos, usamos an. an = ligação simples en = ligação dupla in = ligação tripla
  • 15. TERMINAÇÃO OU SUFIXO: INDICA A FUNÇÃO QUÍMICA.Como a função é hidrocarboneto, usamos a letra o. Exemplos: CH4 – metano C2H6 – etano
  • 16. RADICAIS Alguns alcanos possuem ramificações ao longo da cadeia carbônica. Para essas ramificações damos o nome de radicais. Os radicais dos alcanos são as alquilas ou radical alquila. A alquila é um alcano que perde um H.
  • 17. RADICAIS Os radicais são: Metil = Metano que perde um átomo de H Etil = Etil que perde um átomo de H Propil = Propano que perde um átomo de H Butil = Butano que perde um átomo de H
  • 18. EXEMPLO Para dar nome às alquilas, modifica-se apenas a terminação para ila.
  • 19. NOMEANDO AS CADEIAS CARBÔNICAS Para dar nome às cadeias carbônicas de alcanos ramificados, utilizamos as seguintes regras: - determinar a maior cadeia possível de carbonos; - determinar os radicais ligados à cadeia principal; - a numeração da cadeia principal se dá para que a ramificação possua os menores números possíveis; - os radicais são colocados em função da sua ordem alfabética;
  • 21. A PRESENÇA DOS ALCANOS EM NOSSAS VIDAS Petróleo:  tem sua origens em animais e vegetais marítimos que foram soterrados há milhões de anos.  Matéria orgânica  Ação de micro-organismos, pressão, calor e tempo, se transforma em petróleo.  Recurso não-renovável  Pode ser encontrado no fundo do mar, mas também é encontrado em terra firme.
  • 22. EXTRAÇÃO DO PETRÓLEO O petróleo extraído dos poços é enviado por bombeamento para os depósitos mais próximos. Fica em repouso para decantar a água salgada, argila e algumas impurezas existentes. Uma das piores impurezas do petróleo é o enxofre (S).
  • 23. REFINAÇÃO DO PETRÓLEO A refinaria é o local onde acontece a purificação e separação dos componentes do petróleo. O petróleo é transformado em uma série de derivados através de diversos métodos.
  • 24.
  • 25. GÁS NATURAL Ótimo combustível. Qual motivo? Menos poluente que os derivados do petróleo. Usado nas indústrias, na geração de energia elétrica e, cada vez mais como combustível para automóveis (GNV)
  • 26. GÁS NATURAL X GLP Gás Natural - formado principalmente por metano, CH4 GLP – fração obtida nas refinarias de petróleo (propano e butano)
  • 27. METANO (CH4) Gás incolor, inodoro e inflamável. Formação: Minas de carvão, apodrecimento de vegetais, aterros sanitários (bactérias)
  • 28. REVISÃO O que são hidrocarbonetos? Oo que são alcanos e qual a fórmula feral de um alcano? Como é dado o nome a um alcano normal? Como é dado o nome a um alcano ramificado?
  • 30. ALCENOS Hidrocarbonetos acíclicos, insaturados, que contém uma dupla ligação entre átomos de carbono. Sua fórmula geral é CnH2n
  • 31. EXEMPLOS DE ALCENOS eteno CH2=CH2 fórmula molecular: C2H4 1-buteno CH2=CH – CH2 – CH3 fórmula molecular: C4H8
  • 32. REATIVIDADE Mais reativos do que os alcanos, Por qual motivo? Por possuírem uma ligação dupla, a qual é mais fácil de ser quebrada!
  • 33. UTILIDADE O composto mais comum dos alcenos é o eteno, ou etileno. É produzido em frutos verdes e atua no amadurecimento desses frutos. Por qual motivo enrolamos as frutas com jornal para que ela amadureça mais rápido? Desta forma o gás eteno está sendo aprisionado e acelera a velocidade de amadurecimento.
  • 34. UTILIDADE O etileno é produzido na indústria química e é obtido através do refino do petróleo e do gás natural. É utilizado, ainda para a fabricação de polietileno usado para fazer plásticos.
  • 35. NOMENCLATURA Para nomear os alcenos, utilizamos a nomenclatura parecida com a dos alcanos. Quanto ao número de carbonos é a mesma (met, et, prop, but...). Quanto ao tipo de ligação, usamos en, porém, deve-se indicar o local da ligação dupla. Para nomear, dá-se a prioridade à ligação dupla na contagem de carbonos e depois, aos radicais.
  • 36. EXEMPLOS: Alcenos não-ramificados 1) CH2=CH – CH2 – CH3 Nomenclatura antiga: 1- buteno Nomenclatura IUPAC: but-1-eno 2) CH3 – CH = CH – CH3 Nomenclatura antiga: 2-buteno Nomenclatura IUPAC: but-2-eno
  • 37. EXEMPLOS: Para os alcenos ramificados, a cadeia principal (mais longa) é aquela que contém a ligação dupla. A contagem de carbonos é feita a partir da extremidade mais próxima da ligação dupla.
  • 38.
  • 39. ALCENOS O que são os alcenos e qual a fórmula geral de um alceno? Como é dado o nome a um alceno?
  • 41. ALCADIENOS (DIENOS) Definição e fórmula geral Alcadienos (ou simplesmente dienos) são hidrocarbonetos abertos contendo duas ligações duplas em sua cadeia carbônica.
  • 42. EXEMPLOS Fórmula Geral Fórmula Molecular CH2 = C = CH2 C3H4 CH2 = CH – CH = CH2 C4H6 CH2 = CH – CH = CH – CH3 C5H8 Generalizando temos: CnH2n-2
  • 43. NOMENCLATURA DOS DIENOS A terminação dos nomes dos alcadienos é dieno. A cadeia principal deve ser a mais longa e passar, obrigatoriamente, pelas duas ligações duplas. A numeração da cadeia principal deve ser feita de modo que os números indicativos das posições das ligações duplas e das ramificações sejam os menores possíveis.
  • 44. EXEMPLOS CH = CH – CH = CH2 BUTA - 1,3 – DIENO 1,3 –BUTADIENO CH3-CH2-CH=CH-CH-CH=CH-CH3 l CH3 4 – METIL – 2,5 - OCTADIENO
  • 45. A PRESENÇA DOS DIENOS EM NOSSA VIDA Os dienos siimples não existem na natureza!!! São produzidos em grande quantidade pela indústria petroquímica, visando a produção de borrachas sintéticas.
  • 46. ISOPRENO Um dieno importante é o: 2 – metil – 1,3 – butadieno, chamado usaualmente de isopreno. Fórmula molecular? Fórmula estrutural?
  • 47. ISOPRENO A molécula de isopreno é chamada de unidade de isoprência, pois unindo-se a 2, 3, 4 ... n moléculas iguais, forma moléculas denominadas de terpenos. Os terpenos formam: Óleos essenciais Substâncias coloridas borracha
  • 48. EXEMPLOS DE PRODUTOS FEITOS A PARTIR DO ISOPRENO
  • 49. REVISÃO O que são os alcadienos e qual a fórmula geral de um alcadieno? Como é dado o nome a um alcadieno?
  • 51. ALCINOS Definição e fórmula geral Alcinos são hidrocarbonetos abertos contendo uma única ligação tripla em sua cadeia carbônica.
  • 52. EXEMPLOS Fórmula Geral Fórmula Molecular H – C C - H C2H2 H – C C - CH3 C3H4 H - C C – CH2 – CH3 C4H6 Generalizando, temos: CnH2n-2
  • 53. NOMENCLATURA DOS ALCINOS A nomenclatura IUPAC atribui aos alcinos a terminaçã INO. A nomenclatura é deita de modo semelhante a dos alcenos. A cadeia principal deve ser a mais longa e conter a ligação tripla. A numeração é feita a partir da extremidade mais próxima da ligação tripla.
  • 54. EXEMPLOS: ALCINOS NÃO-RAMIFICADOS HC CH Etino HC C – H3 Propino HC C – CH2- CH3 Butino
  • 55. ALCINOS RAMIFICADOS CH3 – CH - C C – CH3 l CH3 4 – metil – 2 – pentino CH3 – CH2 - C C – CH – CH3 l CH3 2 – metil – 3 - hexino
  • 56. A PRESENÇA DOS ALCINOS EM NOSSAS VIDAS O alcino mais importante é o C2H2 (H – C C – H), chamado de acetileno. Ele é produzido facilmente, colocando-se o carbureto em contato com água. A queima do acetileno produz chama muito quente e luminosa, segundo reação: 2 C2H2 + 5 O2 4 CO2 + 2 H2O + CALOR
  • 57. O ACETILENO É USADO EM LANTERNAS DE EXPLORAÇÃO DE CAVERNAS E EM MAÇARICOS, CAPAZES DE PRODUZIR TEMPERATURAS MUITO ELEVADAS
  • 58. REVISÃO O que são alcinos e qual a fórmula geral de um álcino? Como é dado o nome, segundo a IUPAC, a um alcino? Qual é o alcino mais comum e onde ele é utilizado?