SlideShare uma empresa Scribd logo
Química Orgânica
Definição Química Orgânica  é a parte da Química que   estuda   os   compostos   do   carbono , que é o seu  elemento   fundamental  . Compostos orgânicos Os  compostos orgânicos  ou moléculas orgânicas são as  substâncias   químicas  que contêm na sua estrutura  Carbono  e  Hidrogênio , e muitas vezes com  oxigênio ,  nitrogênio ,  enxofre ,  fósforo ,  halogênios  e  outros. Química Orgânica
Relembrando...  Valência  é o número de  ligações  que um  átomo  de certo   elemento químico pode  fazer  de acordo com o  número  de  elétrons  que possui em sua  última camada .  Número de  elétrons  na  última camada  de alguns  elementos  encontrados em  compostos orgânicos :
Valência  de alguns  elementos  importantes   na Química Orgânica:  Hidrogênio  1  pois ele é monovalente, faz  1 ligação . Oxigênio   2  pois ele é divalente, faz  2 ligações . Nitrogênio   3   pois ele é trivalente, faz  3 ligações . Carbono  4  pois ele é tetravalente, faz  4 ligações .
Química  Orgânica Definição Compostos Orgânicos Estuda compostos de carbono Definição Substâncias  químicas carbono Valência hidrogênio oxigênio nitrogênio Faz 1 ligação Faz 2 ligações Faz 3 ligações Faz 4 ligações Elementos principais carbono hidrogênio
Tipos de Fórmulas Os químicos orgânicos usam várias  maneiras  para  escrever   fórmulas estruturais . Os tipos mais comuns de representação são: fórmula de  traço , fórmula  condensada  e fórmula de  linha . 1) Fórmula Molecular C 2 H 6   (etano);  C 3 H 8  ( propano)
a)  Plana ( Cada vértice corresponde ao CH2 ou CH3 ) c)  Bastão ou linha b)  Condensada d)  Eletrônica ou de Lewis Tipos de Fórmulas 2)  Fórmulas Estruturais
Química  Orgânica Estruturais Molecular Tipos de Fórmulas Definição Compostos Orgânicos Estuda compostos de carbono Definição Plana Condensada Linha Eletrônica Substâncias  químicas carbono Valência hidrogênio oxigênio nitrogênio Faz 1 ligação Faz 2 ligações Faz 3 ligações Faz 4 ligações Elementos principais carbono hidrogênio
(UNIRIO)“O Brasil está pressionando o laboratório suíço Roche para reduzir o preço da sua droga anti-Aids ou enfrentar uma competição de uma cópia local, disse Eloan Pinheiro, diretora do laboratório estatal Far-Manguinhos, da Fundação Oswaldo Cruz(Fiocruz), no Rio de Janeiro.”  A produção do AZT, que foi uma das primeiras drogas antivirais no combate à Aids,faz parte desse cenário. (Jornal do Brasil/2001) Vamos exercitar?
A fórmula molecular do AZT é: a) C10H12O3N5 b) C9H15O2N5 c) C11H18O3N6 d) C10H15O4N4 e) C11H17O3N5
A  fórmula molecular  do  AZT  é: a) C10H12O3N5 b) C9H15O2N5 c) C11H18O3N6 d) C10H15O4N4 e) C11H17O3N5
Letra (e) e) C11H17O3N5 Resposta
Agora é sua vez! (USJT SP)  As auxinas correspondem a um grupo de substâncias que agem no crescimento das plantas e controlam muitas outras atividades fisiológicas. Foram os primeiros hormônios descobertos nos vegetais. A auxina natural do vegetal é o ácido indolacético (AIA), um composto orgânico simples, com a seguinte fórmula estrutural. Qual é a sua fórmula molecular? A) C 10 H 11 O 2 N B) C 10 H 11 NO C) C 10 H 9 NO 2 D) C 10 H 8 ON E) C 10 H 10 ON
Agora é sua vez! (USJT SP)  As auxinas correspondem a um grupo de substâncias que agem no crescimento das plantas e controlam muitas outras atividades fisiológicas. Foram os primeiros hormônios descobertos nos vegetais. A auxina natural do vegetal é o ácido indolacético (AIA), um composto orgânico simples, com a seguinte  fórmula estrutural . Qual  é a sua  fórmula molecular ? A) C 10 H 11 O 2 N B) C 10 H 11 NO C) C 10 H 9 NO 2 D) C 10 H 8 ON E) C 10 H 10 ON
Resposta Letra (a)
Os  estudos   referentes à  estrutura do carbono  foram  denominados  de  postulados   de   Couper-Kekulé , veja agora estes postulados:  1º postulado : O átomo de  carbono  é  tetravalente . Esta  estrutura  permite que o elemento estabeleça  quatro   ligações covalentes .                          Propriedades do Carbono
2º postulado : As quatro  ligações  (do tipo  sigma ) de um  carbono  são  iguais .  Observe no seguinte exemplo que a  posição  do átomo de  cloro   não   difere  os  compostos . Propriedades do Carbono
3º postulado :  Átomos  de  carbono ligam-se  diretamente entre si,  formando  estruturas denominadas  cadeias   carbônicas . Propriedades do Carbono
Carbono Propriedades Tetravalente 4 ligações permanentes Ligações sigma iguais Ligam-se entre si formam cadeias carbônicas
Secundário  -  Ligado  diretamente  a dois  outros  carbonos .  Classificação do Carbono Primário  -  Ligado  diretamente, no máximo,  a um  outro  carbono .
Terciário  -   Ligado   diretamente  a três  outros  carbonos .   Quaternário  -   Ligado  diretamente a  quatro  outros  carbonos .  Classificação do Carbono
Carbono Propriedades Tetravalente 4 ligações permanentes Ligações sigma iguais Classificação Primário Ligado a 1 carbono Secundário Ligado a 2 carbonos Terciário Ligado a 3 carbonos Quaternário Ligado a 4 carbonos Ligam-se entre si Cadeias carbônicas
A maior parte das drogas nos anticoncepcionais de via oral é derivada da fórmula estrutural plana   abaixo: O número de carbonos terciários   presentes nesta estrutura   é: a) 5 b) 6 c) 7 d) 8 e) 9 Vamos exercitar?
A maior parte das drogas nos anticoncepcionais de via oral é derivada da  fórmula estrutural plana  abaixo: O  número  de  carbonos terciários  presentes nesta estrutura  é : a) 5 b) 6 c) 7 d) 8 e) 9 Vamos exercitar?
Letra (c) Resposta
Classifique os carbonos nas cadeias quanto ao critério: primário(P), secundário(S), Terciário(T) e quaternário(Q).   Agora é sua vez!
Classifique  os  carbonos   nas cadeias quanto ao critério:  primário(P) ,  secundário(S) ,  Terciário(T)  e  quaternário(Q) .   Agora é sua vez!
Resposta
O  isótopo mais abundante  do  carbono  é o de número de  Z = 6  e  A = 12 . Ele é composto por  6 prótons ,   6 elétrons  e  6 nêutrons . Seus  elétrons  são  distribuídos  em  duas camadas eletrônicas .       Ligações no Carbono 6 C   ->      1s 2    2s 2    2p 2         camada K: 2 elétrons          camada L: 4 elétrons
Carbono Propriedades tetravalente 4 ligações permanentes Ligações sigma iguais Classificação Primário Ligado a 1 carbono Secundário Ligado a 2 carbonos Terciário Ligado a 3 carbonos Quaternário Ligado a 4 carbonos Distribuição eletrônica 1s 2    2s 2    2p 2 4 ligações covalentes  Ligam-se entre si Cadeias carbônicas Isótopo mais abundante Z=6  A=12 composição 6 prótons 6 elétrons 6 nêutrons
Ligação  σ( sigma ) :  Ocorre frontalmente  e é mais  forte . Tipos de Ligações Atenção: Toda  ligação σ  será  obrigatoriamente  uma ligação  simples .
Ligação  π( pi ):  Ocorre paralelamente  e é mais  fraca . π : p - p Atenção: A  primeira ligação  entre dois átomos é  sempre  σ  , se existir  uma  2° ou 3° , esta será  sempre π . Tipos de Ligações
Carbono Propriedades tetravalente 4 ligações permanentes Ligações sigma iguais Classificação Primário Ligado a 1 carbono Secundário Ligado a 2 carbonos Terciário Ligado a 3 carbonos Quaternário Ligado a 4 carbonos Distribuição eletrônica 1s 2    2s 2    2p 2 4 ligações covalentes  Tipos de Ligações Sigma Pi Frontalmente Forte Paralelamente Fraca Ligam-se entre si Cadeias carbônicas Isótopo mais abundante Z=6  A=12 composição 6 prótons 6 elétrons 6 nêutrons
O  Carbono  pode se ligar a outros elementos através de  ligações covalentes  : Simples   (-):  Apenas uma ligação  σ(sigma) . Duplas   (=):  uma  σ  e uma  π(pi)  . Triplas   (≡):  uma  σ  e  duas π . Relembrando:   Ligação covalente  é um tipo de ligação química onde há  compartilhamento de elétrons . Ligações no Carbono
Carbono Propriedades tetravalente 4 ligações permanentes Ligações sigma iguais Classificação Primário Ligado a 1 carbono Secundário Ligado a 2 carbonos Terciário Ligado a 3 carbonos Quaternário Ligado a 4 carbonos Distribuição eletrônica 1s 2    2s 2    2p 2 4 ligações covalentes  Tipos de Ligações Sigma Pi Frontalmente Forte Paralelamente Fraca Ligam-se entre si Cadeias carbônicas Ligações no carbono Simples Dupla Tripla 1 sigma 1 sigma e 1 pi 1 sigma e 2 pi Isótopo mais abundante Z=6  A=12 composição 6 prótons 6 elétrons 6 nêutrons
O gosto amargo da cerveja é devido à seguinte substância de fórmula estrutural plana: Essa substância, denominada mirceno, provém das folhas de lúpulo adicionadas durante a fabricação da bebida. O número de ligações  pi  presentes na estrutura do mirceno é igual a: a) 3 b) 5  c) 8 d) 15 Vamos exercitar?
O gosto amargo da cerveja é devido  à seguinte  substância  de  fórmula  estrutural plana: Essa substância, denominada  mirceno , provém das folhas de lúpulo adicionadas durante a fabricação da bebida. O  número   de  ligações  pi  presentes  na estrutura  do mirceno  é  igual a: a) 3 b) 5  c) 8 d) 15 Vamos exercitar?
Letra (a) Note que as  ligações  π são  ligações  duplas  ou  triplas , logo  neste composto  elas  só  poderão aparecer  entre carbonos , pois  entre carbonos  e  hidrogênios  há  apenas  ligações  simples . Resposta
Considere os compostos I, II, III, IV e V, representados abaixo pelas fórmulas respectivas: I- CH3CH2CH3 II- CH3CH2COOH III- CH3COH IV- CH3-CH3 V- CH2CHCH3 Agora é sua vez!
Considere os  compostos I ,  II ,  III ,  IV  e  V , representados abaixo pelas fórmulas respectivas: I- CH3CH2CH3 II- CH3CH2COOH III- CH3COH IV- CH3-CH3 V- CH2CHCH3 Agora é sua vez!
Assinale a opção que indica somente compostos que possuem ligação π: I e V I, II e V  I, IV e V II, III e V III e IV Agora é sua vez!
Assinale  a opção que indica  somente   compostos  que possuem  ligação π : I e V I, II e V  I, IV e V II, III e V III e IV Agora é sua vez!
Letra (d) II-  III-  IV-  Resposta H2C=CH–CH3
É a  mistura  de  orbitais  pertencentes a um  mesmo átomo ,  originando novos  orbitais  iguais entre si , mas  diferentes  dos orbitais  originais . A  diferença  destes  novos orbitais  atômicos,  denominados orbitais híbridos ,  acontece  tanto na  geometria (forma) como no  conteúdo energético . O  número  dos  orbitais híbridos  obtidos será o  mesmo  dos  orbitais  existentes  antes  de  serem misturados . Orbitais híbridos  efetuam  ligações sigma  (  σ  ) .  Hibridização de orbitais
Hibridização do carbono Definição Mistura dos orbitais de um átomo Características Mudança na geometria e no conteúdo energético Nº de orbitais híbridos = Nº de orbitais originais Orbitais híbridos fazem ligações sigma Gera orbitais híbridos iguais
Na  hibridização sp 3   um  elétron   “s”  é  promovido  para o  orbital “p” vazio ,  originando  o  carbono  no  estado   ativado   (intermediário). Hibridização sp 3
Hibridização sp 3 Carbono  hibridizado ( formas  dos  orbitais  híbridos) Nas  ligações  com  outros átomos , forma  quatro  ligações  “sigma” . Tetrahedral  CH4  O átomo de  carbono   situa-se  no  centro  de um  tetraedro  imaginário, estando  cada  uma de suas  valências   dirigidas  para um dos  vértices  do tetraedro. 109° 28’
Exemplo:  Metano (CH4) Hibridização sp 3
sp 3 Hibridização do carbono Definição Estrutura Origina carbono ativado Tipos Definição Mistura dos orbitais de um átomo Características Mudança na geometria e no conteúdo energético Nº de orbitais híbridos = Nº de orbitais originais Orbitais híbridos fazem ligações sigma Gera orbitais híbridos iguais
Hibridização sp 2 Na hibridização  sp 2   a  “fusão”  de orbitais ocorre entre o  orbital “s”  e  dois  orbitais  “p” . Note que  um  dos  orbitais “p” permaneceu puro , pois é ele  que  fará   ligação  π .
Carbono  hibridizado ( formas  dos  orbitais híbridos ) Nas  ligações  com  outros átomos , forma  três  ligações  “sigma”  e  uma “pi”.   Hibridização sp 2 Trigonal Planar
Exemplo:  Eteno(C2H4 )   Hibridização sp 2
sp 3 Hibridização do carbono sp 2 Definição Estrutura Origina carbono ativado Definição Estrutura Fusão: orbital s e 2 orbitais p Tipos Definição Mistura dos orbitais de um átomo Características Mudança na geometria e no conteúdo energético Nº de orbitais híbridos = Nº de orbitais originais Orbitais híbridos fazem ligações sigma Gera orbitais híbridos iguais
De forma semelhante, na hibridização  sp um elétron “s”  é também  promovido  para o orbital  “p” vazio ,  originando  o  carbono  no estado  ativado  (intermediário). E  a  “fusão”  de orbitais ocorre entre o  orbital “s”  e  um “p” . Os outros  dois  orbitais  “p”  permanecem puros , pois serão eles  que  farão  as  ligações  π .   Hibridização sp
Hibridização sp Carbono  hibridizado ( formas  dos  orbitais híbridos ) Nas  ligações  com  outros átomos , forma  duas  ligações  “sigma”  e  duas “pi” .
Exemplo:  Etino C2H2 Hibridização sp
Resumo de Hibridização Hibridização Ligações simples (sigma) Ligações múltiplas (pi) Orbitais híbridos Orbitais puros Geometria Ângulo sp 3 4 0 s p p p  nenhum Tetraédrica 109° 28’ sp 2 3 1 s p p p Trigonal Plana 120° sp  2 2 s p  p p Linear 180°
sp 3 Hibridização do carbono sp 2 sp Definição Estrutura Origina carbono ativado Definição Estrutura Fusão: orbital s e 2 orbitais p Definição Estrutura Fusão orbital s e 1 p Tipos Definição Mistura dos orbitais de um átomo Características Mudança na geometria e no conteúdo energético Nº de orbitais híbridos = Nº de orbitais originais Orbitais híbridos fazem ligações sigma Gera orbitais híbridos iguais
Na composição de corretores do tipo  Liquid Paper , além de hidrocarbonetos e dióxido de titânio, encontra-se a substância isocianato de alila, cuja fórmula estrutural plana   é representada por  CH2 = CH – CH2 – N = C = O. Com relação a esta molécula, é correto afirmar que o número de carbonos   com hibridação sp 2  é igual a:  a) 1 b) 2  c) 3  d) 4 Vamos exercitar?
Vamos exercitar? Na composição de corretores do tipo  Liquid Paper , além de hidrocarbonetos e dióxido de titânio, encontra-se a substância isocianato de alila, cuja  fórmula estrutural plana  é representada por  CH2 = CH – CH2 – N = C = O . Com relação a esta molécula, é correto afirmar que o  número de carbonos   com hibridação  sp 2   é  igual a:  a) 1 b) 2  c) 3  d) 4
Resposta: Letra (b) Resposta
Indique o tipo de hibridação que ocorre nos carbonos abaixo: Agora é sua vez!
Indique  o  tipo  de  hibridação  que  ocorre  nos carbonos  abaixo: Agora é sua vez!
Resposta a- sp 3   f-  sp 2 b- sp 2   g- sp c- sp 2   h- sp 2 d- sp  i- sp 2 e- sp  j- sp 3
Cadeia carbônica  – Nome dado ao  conjunto  de  átomos  de  carbono  e/ou  heteroátomos  que  constituem  o  “esqueleto” ,   coluna principal, na estrutura das  substâncias orgânicas . Exemplos: Cadeias Carbônicas
Cadeias carbônicas Definição Conjunto de átomos de carbono Esqueleto de substâncias orgânicas
Cadeia principal A  cadeia principal  é a  maior sequência  de  carbonos  dentro de uma cadeia.  Se a  cadeia  apresentar  carbonos terciários  e/ou  quaternários , teremos  mais de um eixo  na molécula, porém, o  eixo  com a  sequência  de  carbonos   mais longa  será a  cadeia principal . Os  átomos  de  carbono  que ficarem de  fora  da  cadeia principal  serão considerados como  ramificações .
A) QUANTO AO  FECHAMENTO  DA  CADEIA Aberta ,  Acíclica  ou  Alifática  -  apresenta os  átomos  de  carbono sem  formar um  ciclo  ou   anel   entre eles. A cadeia  apresenta  no  mínimo duas extremidades . Fechada  ou  Cíclica  -   apresenta  um  ciclo , núcleo ou anel ( não  apresenta  extremidade ). Classificação de cadeias
Cadeias carbônicas Definição Conjunto de átomos de carbono Esqueleto de substâncias orgânicas Quanto ao fechamento Aberta ou Acíclica ou Alifática Não forma ciclo Cadeia principal Divisão Ramificação maior sequência de carbonos Átomos de carbono fora da cadeia principal Fechada ou Cíclica  Apresenta ciclo Classificação
B) QUANTO À  DISPOSIÇÃO  DOS  ÁTOMOS  DE  CARBONO Normal  –  Todos os  átomos  de  carbono  pertencentes à  cadeia  encontram-se numa  única sequência . Ramificada - O  átomos  de  carbono  pertencentes à  cadeia  apresentam  mais  de  uma sequência . Classificação de cadeias
Cadeias carbônicas Definição Conjunto de átomos de carbono Esqueleto de substâncias orgânicas Classificação Quanto ao fechamento Fechada ou Cíclica  Aberta ou Acíclica ou Alifática Não forma ciclo Apresenta ciclo Quanto a disposição dos átomos Ramificada Cadeia principal Sequência única de carbonos Mais de uma se- quência de carbonos Divisão Ramificação Normal maior sequência de carbonos Átomos de carbono fora da cadeia principal
Heterogênea  -  ocorre quando  possui  um heteroátomo (átomo de  outro elemento )  entre carbonos . Classificação de cadeias C) QUANTO À  NATUREZA  DOS  ÁTOMOS Homogênea  -  ocorre quando  não possui  qualquer  átomo   diferente   entre  carbonos . (esta última é homogênea, pois o  oxigênio não  se encontra  entre átomos de carbono )
Cadeias carbônicas Definição Conjunto de átomos de carbono Esqueleto de substâncias orgânicas Classificação Quanto ao fechamento Fechada ou Cíclica  Aberta ou Acíclica ou Alifática Não forma ciclo Apresenta ciclo Quanto a disposição dos átomos Ramificada Cadeia principal Sequência única de carbonos Mais de uma se- quência de carbonos Divisão Ramificação Normal maior sequência de carbonos Átomos de carbono fora da cadeia principal Quanto à natureza Heterogênea Homogênea Apenas carbonos Apresenta heteroátomo
D) QUANTO AO  TIPO   DE LIGAÇÃO  ENTRE CARBONOS Saturada  -  possui  somente ligações simples entre  os átomos de  carbono . Classificação de cadeias Insaturada   - possui  pelo menos uma ligação dupla  ou  tripla   entre  átomos de  carbono .
Cadeias carbônicas Definição Conjunto de átomos de carbono Esqueleto de substâncias orgânicas Classificação Quanto ao fechamento Fechada ou Cíclica  Aberta ou Acíclica ou Alifática Não forma ciclo Apresenta ciclo Quanto a disposição dos átomos Ramificada Cadeia principal Sequência única de carbonos Mais de uma se- quência de carbonos Divisão Ramificação Normal maior sequência de carbonos Átomos de carbono fora da cadeia principal Quanto à natureza Heterogênea Homogênea Apenas carbonos Apresenta heteroátomo Quanto ao tipo de ligação Insaturada Saturada Apenas ligações simples Presença de ligação dupla ou tripla
OBSERVAÇÕES: As  cadeias fechadas  podem ainda ser  subdivididas  em  Aromáticas  e  Alicíclicas . ->  Aromáticas  -  São compostos de  cadeia fechada  que  apresenta   um   ou mais  anéis benzênicos . O anel benzênico forma os denominados compostos aromáticos. Classificação de cadeias
->   Alicíclicas  -  São compostos de  cadeia fechada  que  não apresentam  o  anel benzênico . Classificação de cadeias
Fechada ou Cíclica  Alicíclica Aromáticas Com anel benzênico Sem anel benzênico
II) As  cadeias cíclicas  podem ser  classificadas  em  Homocíclicas  ou  Heterocíclicas , a depender da  presença  ou não de um  heteroátomo  no núcleo ou  ciclo . ->  Homocíclicas  -  Os  núcleos  apresentam  somente  átomos de  carbono   entre eles . Classificação de Cadeias
->  Heterocíclicas   - Os  núcleos apresentam  pelo menos um  heteroátomo . Classificação de Cadeias
Fechada ou Cíclica  Alicíclica Aromáticas Com anel benzênico Sem anel benzênico Homocíclicas Heterocíclicas Apresenta heteroátomo Apenas carbono
III) A  depender  no  número  de  anéis  ou ciclos, as  cadeias  podem ser também  classificadas  em  Mononucleares  ou  Polinucleares : ->  Mononucleares  -  as cadeias  possuem  somente um  único  núcleo   ou  anel . ->  Polinucleares  - as cadeias  possuem dois  ou  mais  núcleos ou  anéis . Classificação de Cadeias
As cadeias  Polinucleares  são ainda  classificadas  em: a)  Polinucleares Isoladas  -  os  núcleos  ou anéis  não   apresentam   átomos de  carbono   comuns  entre si. b)  Polinucleares Condensadas  -  os  núcleos  ou anéis  apresentam   átomos de  carbono   comuns  entre si. Os anéis ou núcleos  apresentam lados comuns  entre si. Classificação de Cadeias
Fechada ou Cíclica  Quanto ao número de anéis  Alicíclica Aromáticas Com anel benzênico Sem anel benzênico Homocíclicas Heterocíclicas Apresenta heteroátomo Apenas carbono Mononucleares Polinucleares Mais de 1 núcleo Apenas 1 núcleo Isoladas Condensadas
Classificação de Cadeias IV) Devido a uma  grande quantidade   de  compostos aromáticos  conhecidos atualmente  ocorreu  uma  outra divisão  dos compostos orgânicos em: -> Compostos  Alifáticos  -  são todos os  compostos   orgânicos   de  cadeias abertas ; -> Compostos  Alicíclicos  -  são todos os  compostos   orgânicos   de  cadeias fechadas  que  não possuem anel benzênico ; -> Compostos  Aromáticos  -  são os compostos de  cadeias fechadas formadas  por  anéis benzênicos .
Classifique as cadeias carbônicas: Vamos exercitar?
Classifique  as  cadeias  carbônicas: Vamos exercitar?
Resposta Resposta:  Cadeia cíclica(aromática), normal, insaturada e homogênea . Resposta:  Cadeia acíclica, ramificada, insaturada e heterogênea .
Resposta Resposta:  Cadeia acíclica, ramificada, insaturada e homogênea. Resposta:  Cadeia acíclica, normal, insaturada e heterogênea.
Agora é sua vez! (UNIRIO RJ) A umbeliferona é obtida da destilação de resinas vegetais (umbelliferae) e é usada em cremes e loções para bronzear.
Agora é sua vez! Classifica-se sua cadeia como: a) cíclica, alicíclica, normal insaturada. b) cíclica, aromática, mononuclear. c) cíclica, aromática polinuclear de núcleos condensados. d) cíclica, alicíclica, ramificada, insaturada. e) acíclica, aromática, polinuclear da núcleos isolados.
Agora é sua vez! Classifica-se  sua  cadeia  como: a) cíclica, alicíclica, normal insaturada. b) cíclica, aromática, mononuclear. c) cíclica, aromática polinuclear de núcleos condensados. d) cíclica, alicíclica, ramificada, insaturada. e) acíclica, aromática, polinuclear da núcleos isolados.
Resposta Letra (b) b) cíclica, aromática, mononuclear.
NOVAES, Luiz. O átomo de carbono. Disponível em: <http://luizclaudionovaes.sites.uol.com.br/cadprin.htm> Acesso em: 20/03/2011 Química Orgânica  Disponível em <http:www.unirio.br/laqam/organica/aula_1.pdf>   Acesso em: 16/03/2011 JÚNIOR, Gilvan. Química Orgânica - Introdução Disponível em: <http://www.tecnicodepetroleo.ufpr.br/apostilas/ engenheiro_do_petróleo/introducao_quimica_org.pdf>  Acesso em: 20/03/2011 CAMARGO, Geraldo. Química Moderna. Editora Scipione  Bibliografia: NUNES, Mirtes. Hibridização de orbitais. Disponível em: <www.energiasul.com.br/.../quimica333hibridizacao> Acesso em: 16/03/2011

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula funções oxigenadas
Aula  funções oxigenadasAula  funções oxigenadas
Aula funções oxigenadas
Profª Alda Ernestina
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
Kátia Elias
 
Funções nitrogenadas
Funções nitrogenadasFunções nitrogenadas
Funções nitrogenadas
Rosbergue Lúcio
 
Aula 1 introdução à química orgânica.
Aula 1    introdução à química orgânica.Aula 1    introdução à química orgânica.
Aula 1 introdução à química orgânica.
Ajudar Pessoas
 
4 - Introdução à Química Orgânica
4 - Introdução à Química Orgânica4 - Introdução à Química Orgânica
4 - Introdução à Química Orgânica
Charles Biral
 
Cadeias carbônicas
Cadeias carbônicasCadeias carbônicas
Cadeias carbônicas
Kamila Passos
 
CARACTERISTICAS DO CARBONO
CARACTERISTICAS DO CARBONOCARACTERISTICAS DO CARBONO
CARACTERISTICAS DO CARBONO
Marcos França
 
www.AulasDeQuimicaApoio.com - Química - Química Orgânica
 www.AulasDeQuimicaApoio.com  - Química -  Química Orgânica www.AulasDeQuimicaApoio.com  - Química -  Química Orgânica
www.AulasDeQuimicaApoio.com - Química - Química Orgânica
Aulas de Química Apoio
 
Introdução à química orgânica
Introdução à química orgânicaIntrodução à química orgânica
Introdução à química orgânica
Maria Naves Ribeiro Lopes
 
Introdução a química orgânica
Introdução a química orgânicaIntrodução a química orgânica
Introdução a química orgânica
Leimcpf
 
Funções orgânicas slide
Funções orgânicas slideFunções orgânicas slide
Funções orgânicas slide
Joelson Barral
 
Reações orgânicas
Reações orgânicasReações orgânicas
Reações orgânicas
paramore146
 
Aula 9 Mol Quantidade De Materia2
Aula 9   Mol   Quantidade De Materia2Aula 9   Mol   Quantidade De Materia2
Aula 9 Mol Quantidade De Materia2
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Nomenclatura dos COMPOSTOS ORGÂNICOS
Nomenclatura dos COMPOSTOS  ORGÂNICOS Nomenclatura dos COMPOSTOS  ORGÂNICOS
Nomenclatura dos COMPOSTOS ORGÂNICOS
Adrianne Mendonça
 
Funções inorgânicas ácidos
Funções inorgânicas   ácidosFunções inorgânicas   ácidos
Funções inorgânicas ácidos
Rafael Nishikawa
 
Introdução a química orgânica
Introdução a química orgânicaIntrodução a química orgânica
Introdução a química orgânica
JoseAlexandreRocha
 
Funções oxigenadas
Funções oxigenadasFunções oxigenadas
Funções oxigenadas
paramore146
 
Polaridade
PolaridadePolaridade
Polaridade
Cláudio Santos
 
Balanceamento de equações químicas
Balanceamento de equações químicasBalanceamento de equações químicas
Balanceamento de equações químicas
Rafael Nishikawa
 
Aminas amidas
Aminas amidasAminas amidas
Aminas amidas
Karol Maia
 

Mais procurados (20)

Aula funções oxigenadas
Aula  funções oxigenadasAula  funções oxigenadas
Aula funções oxigenadas
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
 
Funções nitrogenadas
Funções nitrogenadasFunções nitrogenadas
Funções nitrogenadas
 
Aula 1 introdução à química orgânica.
Aula 1    introdução à química orgânica.Aula 1    introdução à química orgânica.
Aula 1 introdução à química orgânica.
 
4 - Introdução à Química Orgânica
4 - Introdução à Química Orgânica4 - Introdução à Química Orgânica
4 - Introdução à Química Orgânica
 
Cadeias carbônicas
Cadeias carbônicasCadeias carbônicas
Cadeias carbônicas
 
CARACTERISTICAS DO CARBONO
CARACTERISTICAS DO CARBONOCARACTERISTICAS DO CARBONO
CARACTERISTICAS DO CARBONO
 
www.AulasDeQuimicaApoio.com - Química - Química Orgânica
 www.AulasDeQuimicaApoio.com  - Química -  Química Orgânica www.AulasDeQuimicaApoio.com  - Química -  Química Orgânica
www.AulasDeQuimicaApoio.com - Química - Química Orgânica
 
Introdução à química orgânica
Introdução à química orgânicaIntrodução à química orgânica
Introdução à química orgânica
 
Introdução a química orgânica
Introdução a química orgânicaIntrodução a química orgânica
Introdução a química orgânica
 
Funções orgânicas slide
Funções orgânicas slideFunções orgânicas slide
Funções orgânicas slide
 
Reações orgânicas
Reações orgânicasReações orgânicas
Reações orgânicas
 
Aula 9 Mol Quantidade De Materia2
Aula 9   Mol   Quantidade De Materia2Aula 9   Mol   Quantidade De Materia2
Aula 9 Mol Quantidade De Materia2
 
Nomenclatura dos COMPOSTOS ORGÂNICOS
Nomenclatura dos COMPOSTOS  ORGÂNICOS Nomenclatura dos COMPOSTOS  ORGÂNICOS
Nomenclatura dos COMPOSTOS ORGÂNICOS
 
Funções inorgânicas ácidos
Funções inorgânicas   ácidosFunções inorgânicas   ácidos
Funções inorgânicas ácidos
 
Introdução a química orgânica
Introdução a química orgânicaIntrodução a química orgânica
Introdução a química orgânica
 
Funções oxigenadas
Funções oxigenadasFunções oxigenadas
Funções oxigenadas
 
Polaridade
PolaridadePolaridade
Polaridade
 
Balanceamento de equações químicas
Balanceamento de equações químicasBalanceamento de equações químicas
Balanceamento de equações químicas
 
Aminas amidas
Aminas amidasAminas amidas
Aminas amidas
 

Semelhante a Química Orgância - Funções Orgânicas - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas

www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química - Química Orgânica
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química -  Química Orgânicawww.AulasEnsinoMedio.com.br - Química -  Química Orgânica
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química - Química Orgânica
AulasEnsinoMedio
 
www.aulasapoio.com - Química - Química Orgânica
www.aulasapoio.com   - Química -  Química Orgânicawww.aulasapoio.com   - Química -  Química Orgânica
www.aulasapoio.com - Química - Química Orgânica
Aulas Apoio
 
www.TutoresEscolares.Com.Br - Química - Química Orgânica
www.TutoresEscolares.Com.Br  - Química -  Química Orgânicawww.TutoresEscolares.Com.Br  - Química -  Química Orgânica
www.TutoresEscolares.Com.Br - Química - Química Orgânica
Tuotes Escolares
 
www.TutoresDePlantao.Com.Br - Química - Química Orgânica
www.TutoresDePlantao.Com.Br - Química -  Química Orgânicawww.TutoresDePlantao.Com.Br - Química -  Química Orgânica
www.TutoresDePlantao.Com.Br - Química - Química Orgânica
Antônia Sampaio
 
www.aulaparticularonline.net.br - Química - Química Orgânica
www.aulaparticularonline.net.br - Química -  Química Orgânicawww.aulaparticularonline.net.br - Química -  Química Orgânica
www.aulaparticularonline.net.br - Química - Química Orgânica
Lucia Silveira
 
Jogo- Química Orgânica.pptx
Jogo- Química Orgânica.pptxJogo- Química Orgânica.pptx
Jogo- Química Orgânica.pptx
Giuliano Lioi Munhoes
 
Tarefa semana 01
Tarefa semana 01Tarefa semana 01
Tarefa semana 01
Eliana Araujo
 
4 apostila-de-química-orgânica-maria-patrícia1
4 apostila-de-química-orgânica-maria-patrícia14 apostila-de-química-orgânica-maria-patrícia1
4 apostila-de-química-orgânica-maria-patrícia1
Joyce Fagundes
 
APOSTILA - PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA QUÍMICA ORGÂNICA
APOSTILA - PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA QUÍMICA ORGÂNICAAPOSTILA - PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA QUÍMICA ORGÂNICA
APOSTILA - PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA QUÍMICA ORGÂNICA
Helena Aragão De Sá Martins
 
Química orgânica 3º ano COMPLETO
Química orgânica 3º ano   COMPLETOQuímica orgânica 3º ano   COMPLETO
Química orgânica 3º ano COMPLETO
Eliando Oliveira
 
Revisão para prova terceiros anos
Revisão para  prova terceiros anosRevisão para  prova terceiros anos
Revisão para prova terceiros anos
DIRLUIZ
 
Apostila de Química para Enem e Vestibulares -UFJF - Profª. Maria Patrícia
Apostila de Química para Enem e Vestibulares -UFJF - Profª. Maria PatríciaApostila de Química para Enem e Vestibulares -UFJF - Profª. Maria Patrícia
Apostila de Química para Enem e Vestibulares -UFJF - Profª. Maria Patrícia
Jose Carlos Machado Cunha
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
curtindoaquimica
 
Introuo quimica orgnica
Introuo  quimica orgnicaIntrouo  quimica orgnica
Introuo quimica orgnica
tamandarealfamanha
 
Nomenclatura dos compostos_organicos
Nomenclatura dos compostos_organicosNomenclatura dos compostos_organicos
Nomenclatura dos compostos_organicos
Karol Maia
 
Aula 1-2740.pptx
Aula 1-2740.pptxAula 1-2740.pptx
Aula 1-2740.pptx
ThaynarPinheiro
 
Aula 5 Ligações Quimicas
Aula 5   Ligações QuimicasAula 5   Ligações Quimicas
Aula 5 Ligações Quimicas
José Vitor Alves
 
Introducao quimica org
Introducao quimica orgIntroducao quimica org
Introducao quimica org
apoiodequimica
 
Introducao quimica org
Introducao quimica orgIntroducao quimica org
Introducao quimica org
apoiodequimica
 
Apostila de quimica organica
Apostila  de  quimica  organicaApostila  de  quimica  organica
Apostila de quimica organica
Neejacp
 

Semelhante a Química Orgância - Funções Orgânicas - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas (20)

www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química - Química Orgânica
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química -  Química Orgânicawww.AulasEnsinoMedio.com.br - Química -  Química Orgânica
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química - Química Orgânica
 
www.aulasapoio.com - Química - Química Orgânica
www.aulasapoio.com   - Química -  Química Orgânicawww.aulasapoio.com   - Química -  Química Orgânica
www.aulasapoio.com - Química - Química Orgânica
 
www.TutoresEscolares.Com.Br - Química - Química Orgânica
www.TutoresEscolares.Com.Br  - Química -  Química Orgânicawww.TutoresEscolares.Com.Br  - Química -  Química Orgânica
www.TutoresEscolares.Com.Br - Química - Química Orgânica
 
www.TutoresDePlantao.Com.Br - Química - Química Orgânica
www.TutoresDePlantao.Com.Br - Química -  Química Orgânicawww.TutoresDePlantao.Com.Br - Química -  Química Orgânica
www.TutoresDePlantao.Com.Br - Química - Química Orgânica
 
www.aulaparticularonline.net.br - Química - Química Orgânica
www.aulaparticularonline.net.br - Química -  Química Orgânicawww.aulaparticularonline.net.br - Química -  Química Orgânica
www.aulaparticularonline.net.br - Química - Química Orgânica
 
Jogo- Química Orgânica.pptx
Jogo- Química Orgânica.pptxJogo- Química Orgânica.pptx
Jogo- Química Orgânica.pptx
 
Tarefa semana 01
Tarefa semana 01Tarefa semana 01
Tarefa semana 01
 
4 apostila-de-química-orgânica-maria-patrícia1
4 apostila-de-química-orgânica-maria-patrícia14 apostila-de-química-orgânica-maria-patrícia1
4 apostila-de-química-orgânica-maria-patrícia1
 
APOSTILA - PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA QUÍMICA ORGÂNICA
APOSTILA - PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA QUÍMICA ORGÂNICAAPOSTILA - PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA QUÍMICA ORGÂNICA
APOSTILA - PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA QUÍMICA ORGÂNICA
 
Química orgânica 3º ano COMPLETO
Química orgânica 3º ano   COMPLETOQuímica orgânica 3º ano   COMPLETO
Química orgânica 3º ano COMPLETO
 
Revisão para prova terceiros anos
Revisão para  prova terceiros anosRevisão para  prova terceiros anos
Revisão para prova terceiros anos
 
Apostila de Química para Enem e Vestibulares -UFJF - Profª. Maria Patrícia
Apostila de Química para Enem e Vestibulares -UFJF - Profª. Maria PatríciaApostila de Química para Enem e Vestibulares -UFJF - Profª. Maria Patrícia
Apostila de Química para Enem e Vestibulares -UFJF - Profª. Maria Patrícia
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 
Introuo quimica orgnica
Introuo  quimica orgnicaIntrouo  quimica orgnica
Introuo quimica orgnica
 
Nomenclatura dos compostos_organicos
Nomenclatura dos compostos_organicosNomenclatura dos compostos_organicos
Nomenclatura dos compostos_organicos
 
Aula 1-2740.pptx
Aula 1-2740.pptxAula 1-2740.pptx
Aula 1-2740.pptx
 
Aula 5 Ligações Quimicas
Aula 5   Ligações QuimicasAula 5   Ligações Quimicas
Aula 5 Ligações Quimicas
 
Introducao quimica org
Introducao quimica orgIntroducao quimica org
Introducao quimica org
 
Introducao quimica org
Introducao quimica orgIntroducao quimica org
Introducao quimica org
 
Apostila de quimica organica
Apostila  de  quimica  organicaApostila  de  quimica  organica
Apostila de quimica organica
 

Mais de Vídeo Aulas Apoio

Física - Analise Dimensional
Física - Analise DimensionalFísica - Analise Dimensional
Física - Analise Dimensional
Vídeo Aulas Apoio
 
Física - Gravitação universal -
Física - Gravitação universal -Física - Gravitação universal -
Física - Gravitação universal -
Vídeo Aulas Apoio
 
Física - Instrumentos de Medidas Elétricas
Física - Instrumentos de Medidas ElétricasFísica - Instrumentos de Medidas Elétricas
Física - Instrumentos de Medidas Elétricas
Vídeo Aulas Apoio
 
Português - Sujeito e Vozes Do Verbo - www.centroapoio.com - Vídeo Aulas
Português - Sujeito e Vozes Do Verbo - www.centroapoio.com - Vídeo AulasPortuguês - Sujeito e Vozes Do Verbo - www.centroapoio.com - Vídeo Aulas
Português - Sujeito e Vozes Do Verbo - www.centroapoio.com - Vídeo Aulas
Vídeo Aulas Apoio
 
Matemática - Equações Polinomiais - www.CentroApoio.com
Matemática - Equações Polinomiais - www.CentroApoio.comMatemática - Equações Polinomiais - www.CentroApoio.com
Matemática - Equações Polinomiais - www.CentroApoio.com
Vídeo Aulas Apoio
 
Matemática - Geometria Espacial - Prisma e Cilindros - www.CentroApoio.com
Matemática - Geometria Espacial - Prisma e Cilindros - www.CentroApoio.comMatemática - Geometria Espacial - Prisma e Cilindros - www.CentroApoio.com
Matemática - Geometria Espacial - Prisma e Cilindros - www.CentroApoio.com
Vídeo Aulas Apoio
 
Matemática - Análise Combinatória - Com Exercícios Resolvidos - www.CentroApo...
Matemática - Análise Combinatória - Com Exercícios Resolvidos - www.CentroApo...Matemática - Análise Combinatória - Com Exercícios Resolvidos - www.CentroApo...
Matemática - Análise Combinatória - Com Exercícios Resolvidos - www.CentroApo...
Vídeo Aulas Apoio
 
História - Unificação Da Itália e Alemanha - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
História - Unificação Da Itália e Alemanha - www.CentroApoio.com - Vídeo AulasHistória - Unificação Da Itália e Alemanha - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
História - Unificação Da Itália e Alemanha - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Vídeo Aulas Apoio
 
Português - Regência Verbal - Exercícios Resolvidos - www.CentroApoio.com - ...
Português - Regência Verbal - Exercícios Resolvidos -  www.CentroApoio.com - ...Português - Regência Verbal - Exercícios Resolvidos -  www.CentroApoio.com - ...
Português - Regência Verbal - Exercícios Resolvidos - www.CentroApoio.com - ...
Vídeo Aulas Apoio
 
História - Neoloberalismo Afroasiatico - www.CentroApoio.com
História - Neoloberalismo Afroasiatico - www.CentroApoio.comHistória - Neoloberalismo Afroasiatico - www.CentroApoio.com
História - Neoloberalismo Afroasiatico - www.CentroApoio.com
Vídeo Aulas Apoio
 
Português - Regência Verbal - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Português - Regência Verbal - www.CentroApoio.com - Vídeo AulasPortuguês - Regência Verbal - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Português - Regência Verbal - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Vídeo Aulas Apoio
 
História - Revolução Russa - www.CentroApoio.com
História - Revolução Russa - www.CentroApoio.comHistória - Revolução Russa - www.CentroApoio.com
História - Revolução Russa - www.CentroApoio.com
Vídeo Aulas Apoio
 
Português - Concordância Verbal - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Português - Concordância Verbal - www.CentroApoio.com - Vídeo AulasPortuguês - Concordância Verbal - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Português - Concordância Verbal - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Vídeo Aulas Apoio
 
Matemática - Análise Combinatória - Com Exercícios Resolvidos - www.CentroApo...
Matemática - Análise Combinatória - Com Exercícios Resolvidos - www.CentroApo...Matemática - Análise Combinatória - Com Exercícios Resolvidos - www.CentroApo...
Matemática - Análise Combinatória - Com Exercícios Resolvidos - www.CentroApo...
Vídeo Aulas Apoio
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho e energia mec+énica
Trabalho e energia mec+énicaTrabalho e energia mec+énica
Trabalho e energia mec+énica
Vídeo Aulas Apoio
 
Dinâmica apostila 2
Dinâmica   apostila 2Dinâmica   apostila 2
Dinâmica apostila 2
Vídeo Aulas Apoio
 
Gravitação universal
Gravitação universalGravitação universal
Gravitação universal
Vídeo Aulas Apoio
 
Exercícios complemetar de dinãmica
Exercícios complemetar de dinãmicaExercícios complemetar de dinãmica
Exercícios complemetar de dinãmica
Vídeo Aulas Apoio
 
Exercícios complementares
Exercícios complementaresExercícios complementares
Exercícios complementares
Vídeo Aulas Apoio
 

Mais de Vídeo Aulas Apoio (20)

Física - Analise Dimensional
Física - Analise DimensionalFísica - Analise Dimensional
Física - Analise Dimensional
 
Física - Gravitação universal -
Física - Gravitação universal -Física - Gravitação universal -
Física - Gravitação universal -
 
Física - Instrumentos de Medidas Elétricas
Física - Instrumentos de Medidas ElétricasFísica - Instrumentos de Medidas Elétricas
Física - Instrumentos de Medidas Elétricas
 
Português - Sujeito e Vozes Do Verbo - www.centroapoio.com - Vídeo Aulas
Português - Sujeito e Vozes Do Verbo - www.centroapoio.com - Vídeo AulasPortuguês - Sujeito e Vozes Do Verbo - www.centroapoio.com - Vídeo Aulas
Português - Sujeito e Vozes Do Verbo - www.centroapoio.com - Vídeo Aulas
 
Matemática - Equações Polinomiais - www.CentroApoio.com
Matemática - Equações Polinomiais - www.CentroApoio.comMatemática - Equações Polinomiais - www.CentroApoio.com
Matemática - Equações Polinomiais - www.CentroApoio.com
 
Matemática - Geometria Espacial - Prisma e Cilindros - www.CentroApoio.com
Matemática - Geometria Espacial - Prisma e Cilindros - www.CentroApoio.comMatemática - Geometria Espacial - Prisma e Cilindros - www.CentroApoio.com
Matemática - Geometria Espacial - Prisma e Cilindros - www.CentroApoio.com
 
Matemática - Análise Combinatória - Com Exercícios Resolvidos - www.CentroApo...
Matemática - Análise Combinatória - Com Exercícios Resolvidos - www.CentroApo...Matemática - Análise Combinatória - Com Exercícios Resolvidos - www.CentroApo...
Matemática - Análise Combinatória - Com Exercícios Resolvidos - www.CentroApo...
 
História - Unificação Da Itália e Alemanha - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
História - Unificação Da Itália e Alemanha - www.CentroApoio.com - Vídeo AulasHistória - Unificação Da Itália e Alemanha - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
História - Unificação Da Itália e Alemanha - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
 
Português - Regência Verbal - Exercícios Resolvidos - www.CentroApoio.com - ...
Português - Regência Verbal - Exercícios Resolvidos -  www.CentroApoio.com - ...Português - Regência Verbal - Exercícios Resolvidos -  www.CentroApoio.com - ...
Português - Regência Verbal - Exercícios Resolvidos - www.CentroApoio.com - ...
 
História - Neoloberalismo Afroasiatico - www.CentroApoio.com
História - Neoloberalismo Afroasiatico - www.CentroApoio.comHistória - Neoloberalismo Afroasiatico - www.CentroApoio.com
História - Neoloberalismo Afroasiatico - www.CentroApoio.com
 
Português - Regência Verbal - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Português - Regência Verbal - www.CentroApoio.com - Vídeo AulasPortuguês - Regência Verbal - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Português - Regência Verbal - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
 
História - Revolução Russa - www.CentroApoio.com
História - Revolução Russa - www.CentroApoio.comHistória - Revolução Russa - www.CentroApoio.com
História - Revolução Russa - www.CentroApoio.com
 
Português - Concordância Verbal - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Português - Concordância Verbal - www.CentroApoio.com - Vídeo AulasPortuguês - Concordância Verbal - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Português - Concordância Verbal - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
 
Matemática - Análise Combinatória - Com Exercícios Resolvidos - www.CentroApo...
Matemática - Análise Combinatória - Com Exercícios Resolvidos - www.CentroApo...Matemática - Análise Combinatória - Com Exercícios Resolvidos - www.CentroApo...
Matemática - Análise Combinatória - Com Exercícios Resolvidos - www.CentroApo...
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Trabalho e energia mec+énica
Trabalho e energia mec+énicaTrabalho e energia mec+énica
Trabalho e energia mec+énica
 
Dinâmica apostila 2
Dinâmica   apostila 2Dinâmica   apostila 2
Dinâmica apostila 2
 
Gravitação universal
Gravitação universalGravitação universal
Gravitação universal
 
Exercícios complemetar de dinãmica
Exercícios complemetar de dinãmicaExercícios complemetar de dinãmica
Exercícios complemetar de dinãmica
 
Exercícios complementares
Exercícios complementaresExercícios complementares
Exercícios complementares
 

Último

Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 

Último (20)

Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 

Química Orgância - Funções Orgânicas - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas

  • 2. Definição Química Orgânica é a parte da Química que estuda os compostos do carbono , que é o seu elemento fundamental . Compostos orgânicos Os compostos orgânicos ou moléculas orgânicas são as substâncias químicas que contêm na sua estrutura Carbono e Hidrogênio , e muitas vezes com oxigênio , nitrogênio , enxofre , fósforo , halogênios e outros. Química Orgânica
  • 3. Relembrando... Valência é o número de ligações que um átomo de certo elemento químico pode fazer de acordo com o número de elétrons que possui em sua última camada . Número de elétrons na última camada de alguns elementos encontrados em compostos orgânicos :
  • 4. Valência de alguns elementos importantes na Química Orgânica: Hidrogênio 1 pois ele é monovalente, faz 1 ligação . Oxigênio 2 pois ele é divalente, faz 2 ligações . Nitrogênio 3 pois ele é trivalente, faz 3 ligações . Carbono 4 pois ele é tetravalente, faz 4 ligações .
  • 5. Química Orgânica Definição Compostos Orgânicos Estuda compostos de carbono Definição Substâncias químicas carbono Valência hidrogênio oxigênio nitrogênio Faz 1 ligação Faz 2 ligações Faz 3 ligações Faz 4 ligações Elementos principais carbono hidrogênio
  • 6. Tipos de Fórmulas Os químicos orgânicos usam várias maneiras para escrever fórmulas estruturais . Os tipos mais comuns de representação são: fórmula de traço , fórmula condensada e fórmula de linha . 1) Fórmula Molecular C 2 H 6 (etano); C 3 H 8 ( propano)
  • 7. a) Plana ( Cada vértice corresponde ao CH2 ou CH3 ) c) Bastão ou linha b) Condensada d) Eletrônica ou de Lewis Tipos de Fórmulas 2) Fórmulas Estruturais
  • 8. Química Orgânica Estruturais Molecular Tipos de Fórmulas Definição Compostos Orgânicos Estuda compostos de carbono Definição Plana Condensada Linha Eletrônica Substâncias químicas carbono Valência hidrogênio oxigênio nitrogênio Faz 1 ligação Faz 2 ligações Faz 3 ligações Faz 4 ligações Elementos principais carbono hidrogênio
  • 9. (UNIRIO)“O Brasil está pressionando o laboratório suíço Roche para reduzir o preço da sua droga anti-Aids ou enfrentar uma competição de uma cópia local, disse Eloan Pinheiro, diretora do laboratório estatal Far-Manguinhos, da Fundação Oswaldo Cruz(Fiocruz), no Rio de Janeiro.” A produção do AZT, que foi uma das primeiras drogas antivirais no combate à Aids,faz parte desse cenário. (Jornal do Brasil/2001) Vamos exercitar?
  • 10. A fórmula molecular do AZT é: a) C10H12O3N5 b) C9H15O2N5 c) C11H18O3N6 d) C10H15O4N4 e) C11H17O3N5
  • 11. A fórmula molecular do AZT é: a) C10H12O3N5 b) C9H15O2N5 c) C11H18O3N6 d) C10H15O4N4 e) C11H17O3N5
  • 12. Letra (e) e) C11H17O3N5 Resposta
  • 13. Agora é sua vez! (USJT SP) As auxinas correspondem a um grupo de substâncias que agem no crescimento das plantas e controlam muitas outras atividades fisiológicas. Foram os primeiros hormônios descobertos nos vegetais. A auxina natural do vegetal é o ácido indolacético (AIA), um composto orgânico simples, com a seguinte fórmula estrutural. Qual é a sua fórmula molecular? A) C 10 H 11 O 2 N B) C 10 H 11 NO C) C 10 H 9 NO 2 D) C 10 H 8 ON E) C 10 H 10 ON
  • 14. Agora é sua vez! (USJT SP) As auxinas correspondem a um grupo de substâncias que agem no crescimento das plantas e controlam muitas outras atividades fisiológicas. Foram os primeiros hormônios descobertos nos vegetais. A auxina natural do vegetal é o ácido indolacético (AIA), um composto orgânico simples, com a seguinte fórmula estrutural . Qual é a sua fórmula molecular ? A) C 10 H 11 O 2 N B) C 10 H 11 NO C) C 10 H 9 NO 2 D) C 10 H 8 ON E) C 10 H 10 ON
  • 16. Os estudos referentes à estrutura do carbono foram denominados de postulados de Couper-Kekulé , veja agora estes postulados: 1º postulado : O átomo de carbono é tetravalente . Esta estrutura permite que o elemento estabeleça quatro ligações covalentes .                  Propriedades do Carbono
  • 17. 2º postulado : As quatro ligações (do tipo sigma ) de um carbono são iguais . Observe no seguinte exemplo que a posição do átomo de cloro não difere os compostos . Propriedades do Carbono
  • 18. 3º postulado : Átomos de carbono ligam-se diretamente entre si, formando estruturas denominadas cadeias carbônicas . Propriedades do Carbono
  • 19. Carbono Propriedades Tetravalente 4 ligações permanentes Ligações sigma iguais Ligam-se entre si formam cadeias carbônicas
  • 20. Secundário - Ligado diretamente a dois outros carbonos . Classificação do Carbono Primário - Ligado diretamente, no máximo, a um outro carbono .
  • 21. Terciário - Ligado diretamente a três outros carbonos . Quaternário - Ligado diretamente a quatro outros carbonos . Classificação do Carbono
  • 22. Carbono Propriedades Tetravalente 4 ligações permanentes Ligações sigma iguais Classificação Primário Ligado a 1 carbono Secundário Ligado a 2 carbonos Terciário Ligado a 3 carbonos Quaternário Ligado a 4 carbonos Ligam-se entre si Cadeias carbônicas
  • 23. A maior parte das drogas nos anticoncepcionais de via oral é derivada da fórmula estrutural plana abaixo: O número de carbonos terciários presentes nesta estrutura é: a) 5 b) 6 c) 7 d) 8 e) 9 Vamos exercitar?
  • 24. A maior parte das drogas nos anticoncepcionais de via oral é derivada da fórmula estrutural plana abaixo: O número de carbonos terciários presentes nesta estrutura é : a) 5 b) 6 c) 7 d) 8 e) 9 Vamos exercitar?
  • 26. Classifique os carbonos nas cadeias quanto ao critério: primário(P), secundário(S), Terciário(T) e quaternário(Q). Agora é sua vez!
  • 27. Classifique os carbonos nas cadeias quanto ao critério: primário(P) , secundário(S) , Terciário(T) e quaternário(Q) . Agora é sua vez!
  • 29. O isótopo mais abundante do carbono é o de número de Z = 6 e A = 12 . Ele é composto por 6 prótons ,  6 elétrons e 6 nêutrons . Seus elétrons são distribuídos em duas camadas eletrônicas .       Ligações no Carbono 6 C   ->      1s 2    2s 2    2p 2         camada K: 2 elétrons          camada L: 4 elétrons
  • 30. Carbono Propriedades tetravalente 4 ligações permanentes Ligações sigma iguais Classificação Primário Ligado a 1 carbono Secundário Ligado a 2 carbonos Terciário Ligado a 3 carbonos Quaternário Ligado a 4 carbonos Distribuição eletrônica 1s 2    2s 2    2p 2 4 ligações covalentes  Ligam-se entre si Cadeias carbônicas Isótopo mais abundante Z=6 A=12 composição 6 prótons 6 elétrons 6 nêutrons
  • 31. Ligação σ( sigma ) : Ocorre frontalmente e é mais forte . Tipos de Ligações Atenção: Toda ligação σ será obrigatoriamente uma ligação simples .
  • 32. Ligação π( pi ): Ocorre paralelamente e é mais fraca . π : p - p Atenção: A primeira ligação entre dois átomos é sempre σ , se existir uma 2° ou 3° , esta será sempre π . Tipos de Ligações
  • 33. Carbono Propriedades tetravalente 4 ligações permanentes Ligações sigma iguais Classificação Primário Ligado a 1 carbono Secundário Ligado a 2 carbonos Terciário Ligado a 3 carbonos Quaternário Ligado a 4 carbonos Distribuição eletrônica 1s 2    2s 2    2p 2 4 ligações covalentes  Tipos de Ligações Sigma Pi Frontalmente Forte Paralelamente Fraca Ligam-se entre si Cadeias carbônicas Isótopo mais abundante Z=6 A=12 composição 6 prótons 6 elétrons 6 nêutrons
  • 34. O Carbono pode se ligar a outros elementos através de ligações covalentes : Simples (-): Apenas uma ligação σ(sigma) . Duplas   (=): uma σ e uma π(pi) . Triplas   (≡): uma σ e duas π . Relembrando: Ligação covalente é um tipo de ligação química onde há compartilhamento de elétrons . Ligações no Carbono
  • 35. Carbono Propriedades tetravalente 4 ligações permanentes Ligações sigma iguais Classificação Primário Ligado a 1 carbono Secundário Ligado a 2 carbonos Terciário Ligado a 3 carbonos Quaternário Ligado a 4 carbonos Distribuição eletrônica 1s 2    2s 2    2p 2 4 ligações covalentes  Tipos de Ligações Sigma Pi Frontalmente Forte Paralelamente Fraca Ligam-se entre si Cadeias carbônicas Ligações no carbono Simples Dupla Tripla 1 sigma 1 sigma e 1 pi 1 sigma e 2 pi Isótopo mais abundante Z=6 A=12 composição 6 prótons 6 elétrons 6 nêutrons
  • 36. O gosto amargo da cerveja é devido à seguinte substância de fórmula estrutural plana: Essa substância, denominada mirceno, provém das folhas de lúpulo adicionadas durante a fabricação da bebida. O número de ligações pi presentes na estrutura do mirceno é igual a: a) 3 b) 5 c) 8 d) 15 Vamos exercitar?
  • 37. O gosto amargo da cerveja é devido à seguinte substância de fórmula estrutural plana: Essa substância, denominada mirceno , provém das folhas de lúpulo adicionadas durante a fabricação da bebida. O número de ligações pi presentes na estrutura do mirceno é igual a: a) 3 b) 5 c) 8 d) 15 Vamos exercitar?
  • 38. Letra (a) Note que as ligações π são ligações duplas ou triplas , logo neste composto elas só poderão aparecer entre carbonos , pois entre carbonos e hidrogênios há apenas ligações simples . Resposta
  • 39. Considere os compostos I, II, III, IV e V, representados abaixo pelas fórmulas respectivas: I- CH3CH2CH3 II- CH3CH2COOH III- CH3COH IV- CH3-CH3 V- CH2CHCH3 Agora é sua vez!
  • 40. Considere os compostos I , II , III , IV e V , representados abaixo pelas fórmulas respectivas: I- CH3CH2CH3 II- CH3CH2COOH III- CH3COH IV- CH3-CH3 V- CH2CHCH3 Agora é sua vez!
  • 41. Assinale a opção que indica somente compostos que possuem ligação π: I e V I, II e V I, IV e V II, III e V III e IV Agora é sua vez!
  • 42. Assinale a opção que indica somente compostos que possuem ligação π : I e V I, II e V I, IV e V II, III e V III e IV Agora é sua vez!
  • 43. Letra (d) II- III- IV- Resposta H2C=CH–CH3
  • 44. É a mistura de orbitais pertencentes a um mesmo átomo , originando novos orbitais iguais entre si , mas diferentes dos orbitais originais . A diferença destes novos orbitais atômicos, denominados orbitais híbridos , acontece tanto na geometria (forma) como no conteúdo energético . O número dos orbitais híbridos obtidos será o mesmo dos orbitais existentes antes de serem misturados . Orbitais híbridos efetuam ligações sigma ( σ ) . Hibridização de orbitais
  • 45. Hibridização do carbono Definição Mistura dos orbitais de um átomo Características Mudança na geometria e no conteúdo energético Nº de orbitais híbridos = Nº de orbitais originais Orbitais híbridos fazem ligações sigma Gera orbitais híbridos iguais
  • 46. Na hibridização sp 3 um elétron “s” é promovido para o orbital “p” vazio , originando o carbono no estado ativado (intermediário). Hibridização sp 3
  • 47. Hibridização sp 3 Carbono hibridizado ( formas dos orbitais híbridos) Nas ligações com outros átomos , forma quatro ligações “sigma” . Tetrahedral CH4 O átomo de carbono situa-se no centro de um tetraedro imaginário, estando cada uma de suas valências dirigidas para um dos vértices do tetraedro. 109° 28’
  • 48. Exemplo: Metano (CH4) Hibridização sp 3
  • 49. sp 3 Hibridização do carbono Definição Estrutura Origina carbono ativado Tipos Definição Mistura dos orbitais de um átomo Características Mudança na geometria e no conteúdo energético Nº de orbitais híbridos = Nº de orbitais originais Orbitais híbridos fazem ligações sigma Gera orbitais híbridos iguais
  • 50. Hibridização sp 2 Na hibridização sp 2 a “fusão” de orbitais ocorre entre o orbital “s” e dois orbitais “p” . Note que um dos orbitais “p” permaneceu puro , pois é ele que fará ligação π .
  • 51. Carbono hibridizado ( formas dos orbitais híbridos ) Nas ligações com outros átomos , forma três ligações “sigma” e uma “pi”. Hibridização sp 2 Trigonal Planar
  • 52. Exemplo: Eteno(C2H4 ) Hibridização sp 2
  • 53. sp 3 Hibridização do carbono sp 2 Definição Estrutura Origina carbono ativado Definição Estrutura Fusão: orbital s e 2 orbitais p Tipos Definição Mistura dos orbitais de um átomo Características Mudança na geometria e no conteúdo energético Nº de orbitais híbridos = Nº de orbitais originais Orbitais híbridos fazem ligações sigma Gera orbitais híbridos iguais
  • 54. De forma semelhante, na hibridização sp um elétron “s” é também promovido para o orbital “p” vazio , originando o carbono no estado ativado (intermediário). E a “fusão” de orbitais ocorre entre o orbital “s” e um “p” . Os outros dois orbitais “p” permanecem puros , pois serão eles que farão as ligações π . Hibridização sp
  • 55. Hibridização sp Carbono hibridizado ( formas dos orbitais híbridos ) Nas ligações com outros átomos , forma duas ligações “sigma” e duas “pi” .
  • 56. Exemplo: Etino C2H2 Hibridização sp
  • 57. Resumo de Hibridização Hibridização Ligações simples (sigma) Ligações múltiplas (pi) Orbitais híbridos Orbitais puros Geometria Ângulo sp 3 4 0 s p p p nenhum Tetraédrica 109° 28’ sp 2 3 1 s p p p Trigonal Plana 120° sp 2 2 s p p p Linear 180°
  • 58. sp 3 Hibridização do carbono sp 2 sp Definição Estrutura Origina carbono ativado Definição Estrutura Fusão: orbital s e 2 orbitais p Definição Estrutura Fusão orbital s e 1 p Tipos Definição Mistura dos orbitais de um átomo Características Mudança na geometria e no conteúdo energético Nº de orbitais híbridos = Nº de orbitais originais Orbitais híbridos fazem ligações sigma Gera orbitais híbridos iguais
  • 59. Na composição de corretores do tipo Liquid Paper , além de hidrocarbonetos e dióxido de titânio, encontra-se a substância isocianato de alila, cuja fórmula estrutural plana é representada por CH2 = CH – CH2 – N = C = O. Com relação a esta molécula, é correto afirmar que o número de carbonos com hibridação sp 2 é igual a: a) 1 b) 2 c) 3 d) 4 Vamos exercitar?
  • 60. Vamos exercitar? Na composição de corretores do tipo Liquid Paper , além de hidrocarbonetos e dióxido de titânio, encontra-se a substância isocianato de alila, cuja fórmula estrutural plana é representada por CH2 = CH – CH2 – N = C = O . Com relação a esta molécula, é correto afirmar que o número de carbonos com hibridação sp 2 é igual a: a) 1 b) 2 c) 3 d) 4
  • 62. Indique o tipo de hibridação que ocorre nos carbonos abaixo: Agora é sua vez!
  • 63. Indique o tipo de hibridação que ocorre nos carbonos abaixo: Agora é sua vez!
  • 64. Resposta a- sp 3 f- sp 2 b- sp 2 g- sp c- sp 2 h- sp 2 d- sp i- sp 2 e- sp j- sp 3
  • 65. Cadeia carbônica – Nome dado ao conjunto de átomos de carbono e/ou heteroátomos que constituem o “esqueleto” , coluna principal, na estrutura das substâncias orgânicas . Exemplos: Cadeias Carbônicas
  • 66. Cadeias carbônicas Definição Conjunto de átomos de carbono Esqueleto de substâncias orgânicas
  • 67. Cadeia principal A cadeia principal é a maior sequência de carbonos dentro de uma cadeia. Se a cadeia apresentar carbonos terciários e/ou quaternários , teremos mais de um eixo na molécula, porém, o eixo com a sequência de carbonos mais longa será a cadeia principal . Os átomos de carbono que ficarem de fora da cadeia principal serão considerados como ramificações .
  • 68. A) QUANTO AO FECHAMENTO DA CADEIA Aberta , Acíclica ou Alifática - apresenta os átomos de carbono sem formar um ciclo ou anel entre eles. A cadeia apresenta no mínimo duas extremidades . Fechada ou Cíclica - apresenta um ciclo , núcleo ou anel ( não apresenta extremidade ). Classificação de cadeias
  • 69. Cadeias carbônicas Definição Conjunto de átomos de carbono Esqueleto de substâncias orgânicas Quanto ao fechamento Aberta ou Acíclica ou Alifática Não forma ciclo Cadeia principal Divisão Ramificação maior sequência de carbonos Átomos de carbono fora da cadeia principal Fechada ou Cíclica Apresenta ciclo Classificação
  • 70. B) QUANTO À DISPOSIÇÃO DOS ÁTOMOS DE CARBONO Normal – Todos os átomos de carbono pertencentes à cadeia encontram-se numa única sequência . Ramificada - O átomos de carbono pertencentes à cadeia apresentam mais de uma sequência . Classificação de cadeias
  • 71. Cadeias carbônicas Definição Conjunto de átomos de carbono Esqueleto de substâncias orgânicas Classificação Quanto ao fechamento Fechada ou Cíclica Aberta ou Acíclica ou Alifática Não forma ciclo Apresenta ciclo Quanto a disposição dos átomos Ramificada Cadeia principal Sequência única de carbonos Mais de uma se- quência de carbonos Divisão Ramificação Normal maior sequência de carbonos Átomos de carbono fora da cadeia principal
  • 72. Heterogênea - ocorre quando possui um heteroátomo (átomo de outro elemento ) entre carbonos . Classificação de cadeias C) QUANTO À NATUREZA DOS ÁTOMOS Homogênea - ocorre quando não possui qualquer átomo diferente entre carbonos . (esta última é homogênea, pois o oxigênio não se encontra entre átomos de carbono )
  • 73. Cadeias carbônicas Definição Conjunto de átomos de carbono Esqueleto de substâncias orgânicas Classificação Quanto ao fechamento Fechada ou Cíclica Aberta ou Acíclica ou Alifática Não forma ciclo Apresenta ciclo Quanto a disposição dos átomos Ramificada Cadeia principal Sequência única de carbonos Mais de uma se- quência de carbonos Divisão Ramificação Normal maior sequência de carbonos Átomos de carbono fora da cadeia principal Quanto à natureza Heterogênea Homogênea Apenas carbonos Apresenta heteroátomo
  • 74. D) QUANTO AO TIPO DE LIGAÇÃO ENTRE CARBONOS Saturada - possui somente ligações simples entre os átomos de carbono . Classificação de cadeias Insaturada - possui pelo menos uma ligação dupla ou tripla entre átomos de carbono .
  • 75. Cadeias carbônicas Definição Conjunto de átomos de carbono Esqueleto de substâncias orgânicas Classificação Quanto ao fechamento Fechada ou Cíclica Aberta ou Acíclica ou Alifática Não forma ciclo Apresenta ciclo Quanto a disposição dos átomos Ramificada Cadeia principal Sequência única de carbonos Mais de uma se- quência de carbonos Divisão Ramificação Normal maior sequência de carbonos Átomos de carbono fora da cadeia principal Quanto à natureza Heterogênea Homogênea Apenas carbonos Apresenta heteroátomo Quanto ao tipo de ligação Insaturada Saturada Apenas ligações simples Presença de ligação dupla ou tripla
  • 76. OBSERVAÇÕES: As cadeias fechadas podem ainda ser subdivididas em Aromáticas e Alicíclicas . -> Aromáticas - São compostos de cadeia fechada que apresenta um ou mais anéis benzênicos . O anel benzênico forma os denominados compostos aromáticos. Classificação de cadeias
  • 77. -> Alicíclicas - São compostos de cadeia fechada que não apresentam o anel benzênico . Classificação de cadeias
  • 78. Fechada ou Cíclica Alicíclica Aromáticas Com anel benzênico Sem anel benzênico
  • 79. II) As cadeias cíclicas podem ser classificadas em Homocíclicas ou Heterocíclicas , a depender da presença ou não de um heteroátomo no núcleo ou ciclo . -> Homocíclicas - Os núcleos apresentam somente átomos de carbono entre eles . Classificação de Cadeias
  • 80. -> Heterocíclicas - Os núcleos apresentam pelo menos um heteroátomo . Classificação de Cadeias
  • 81. Fechada ou Cíclica Alicíclica Aromáticas Com anel benzênico Sem anel benzênico Homocíclicas Heterocíclicas Apresenta heteroátomo Apenas carbono
  • 82. III) A depender no número de anéis ou ciclos, as cadeias podem ser também classificadas em Mononucleares ou Polinucleares : -> Mononucleares - as cadeias possuem somente um único núcleo ou anel . -> Polinucleares - as cadeias possuem dois ou mais núcleos ou anéis . Classificação de Cadeias
  • 83. As cadeias Polinucleares são ainda classificadas em: a) Polinucleares Isoladas - os núcleos ou anéis não apresentam átomos de carbono comuns entre si. b) Polinucleares Condensadas - os núcleos ou anéis apresentam átomos de carbono comuns entre si. Os anéis ou núcleos apresentam lados comuns entre si. Classificação de Cadeias
  • 84. Fechada ou Cíclica Quanto ao número de anéis Alicíclica Aromáticas Com anel benzênico Sem anel benzênico Homocíclicas Heterocíclicas Apresenta heteroátomo Apenas carbono Mononucleares Polinucleares Mais de 1 núcleo Apenas 1 núcleo Isoladas Condensadas
  • 85. Classificação de Cadeias IV) Devido a uma grande quantidade de compostos aromáticos conhecidos atualmente ocorreu uma outra divisão dos compostos orgânicos em: -> Compostos Alifáticos - são todos os compostos orgânicos de cadeias abertas ; -> Compostos Alicíclicos - são todos os compostos orgânicos de cadeias fechadas que não possuem anel benzênico ; -> Compostos Aromáticos - são os compostos de cadeias fechadas formadas por anéis benzênicos .
  • 86. Classifique as cadeias carbônicas: Vamos exercitar?
  • 87. Classifique as cadeias carbônicas: Vamos exercitar?
  • 88. Resposta Resposta: Cadeia cíclica(aromática), normal, insaturada e homogênea . Resposta: Cadeia acíclica, ramificada, insaturada e heterogênea .
  • 89. Resposta Resposta: Cadeia acíclica, ramificada, insaturada e homogênea. Resposta: Cadeia acíclica, normal, insaturada e heterogênea.
  • 90. Agora é sua vez! (UNIRIO RJ) A umbeliferona é obtida da destilação de resinas vegetais (umbelliferae) e é usada em cremes e loções para bronzear.
  • 91. Agora é sua vez! Classifica-se sua cadeia como: a) cíclica, alicíclica, normal insaturada. b) cíclica, aromática, mononuclear. c) cíclica, aromática polinuclear de núcleos condensados. d) cíclica, alicíclica, ramificada, insaturada. e) acíclica, aromática, polinuclear da núcleos isolados.
  • 92. Agora é sua vez! Classifica-se sua cadeia como: a) cíclica, alicíclica, normal insaturada. b) cíclica, aromática, mononuclear. c) cíclica, aromática polinuclear de núcleos condensados. d) cíclica, alicíclica, ramificada, insaturada. e) acíclica, aromática, polinuclear da núcleos isolados.
  • 93. Resposta Letra (b) b) cíclica, aromática, mononuclear.
  • 94. NOVAES, Luiz. O átomo de carbono. Disponível em: <http://luizclaudionovaes.sites.uol.com.br/cadprin.htm> Acesso em: 20/03/2011 Química Orgânica Disponível em <http:www.unirio.br/laqam/organica/aula_1.pdf> Acesso em: 16/03/2011 JÚNIOR, Gilvan. Química Orgânica - Introdução Disponível em: <http://www.tecnicodepetroleo.ufpr.br/apostilas/ engenheiro_do_petróleo/introducao_quimica_org.pdf> Acesso em: 20/03/2011 CAMARGO, Geraldo. Química Moderna. Editora Scipione Bibliografia: NUNES, Mirtes. Hibridização de orbitais. Disponível em: <www.energiasul.com.br/.../quimica333hibridizacao> Acesso em: 16/03/2011

Notas do Editor

  1. A) QUANTO AO FECHAMENTO DA CADEIA Aberta, Acíclica ou Alifática - apresenta os átomos de carbono sem formar um ciclo ou anel entre eles. A cadeia apresenta no mínimo duas extremidades. Fechada ou Cíclica - apresenta um ciclo, núcleo ou anel (não apresenta extremidade).