SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
ESTADO E DIREITO
PERSONALIDADE JURÍDICA DO ESTADO
 O Estado é uma organização destinada a manter, pela
aplicação do Direito, as condições universais de ordem
social. E o Direito é o conjunto das condições existenciais da
sociedade, que ao Estado cumpre assegurar.
 Para o estudo do fenômeno estatal, tanto quanto para a
iniciação na ciência jurídica, o primeiro problema a ser
enfrentado é o das relações entre Estado e Direito.
Representam ambos uma realidade única? São duas
realidades distintas e independentes?
 No programa da ciência do Estado, este problema não pode
passar sem um esclarecimento preliminar. E sendo tão
importante quanto complexo, daremos aqui pelo menos um
resumo das correntes que disputam entre si a primazia no
campo doutrinário.
 A concepção do Estado como pessoa jurídica
representa um extraordinário avanço no sentido da
disciplina jurídica do interesse coletivo. Mais do
que por qualquer teoria objetivando estabelecer,
por critérios formais, limitações ao poder do
Estado, esse objetivo é atingido de maneira mais
científica – porque baseada em fatores
substanciais – pela noção da personalidade jurídica
do Estado. Esta noção promove a conciliação do
político com o jurídico.
TEORIA MONÍSTICA
 Também chamada do estatismo jurídico, segundo a
qual o Estado e o Direito confundem-se em uma só
realidade.
 Para os monistas só existe o direito estatal, pois não
admitem eles a ideia de qualquer regra jurídica fora do
estado. O Estado é a fonte única do direito, porque
quem dá vida ao Direito é o Estado através da “força
coativa” de que só ele dispõe. Logo, como só existe o
Direito emanado do Estado, ambos se confundem em
uma só realidade.
 Foram precursores do monismo jurídico: Hegel, Thomas
Hobbes e Jean Bodin. Desenvolvida por Rudolf von
Ihering e John Austin, alcançou esta teoria a sua
máxima expressão com a escola técnico-jurídica
liderada por Jellinek e com a escola vienense de Hans
Kelsen.
TEORIA DUALÍSTICA
 Também chamada pluralística, que sustenta serem o Estado
e o Direito duas realidades distintas, independentes e
inconfundíveis.
 Para os dualistas o Estado não é a fonte única do Direito nem
com este se confunde. O que provém do Estado é apenas
uma categoria especial do Direito: o direito positivo. Mas
existem também os princípios de direito natural, as normas de
direito costumeiro e as regras que se firmam na consciência
coletiva, que tendem a adquirir positividade e que, nos casos
omissos, o Estado deve acolher para lhes dar juridicidade
(conformidade com os princípios ou com as formas do direito;
licitude, legalidade).
 Afirma esta corrente que o Direito é criação social, não
estatal. O Direito, assim, é um fato social em contínua
transformação. A função do Estado é positivar o Direito, isto
é, traduzir em normas escritas os princípios que se firmam na
consciência social.
 O dualismo (ou pluralismo), partindo de Gierke e
Gurvitch, ganhou terreno com a doutrina de Léon
Duguit o qual condenou formalmente a concepção
monista, admitiu a pluralidade das fontes do Direito
positivo e demonstrou que as normas jurídicas têm
sua origem no corpo social.
 Desdobrou-se o pluralismo nas correntes
sindicalista e corporativistas, e, principalmente, no
institucionalismo de Hauriou e Rennard,
culminando, afinal, com a preponderante e
vigorosa doutrina de Santi Romano, que lhe deu
um alto teor de precisão científica.
TEORIA DO PARALELISMO
 Segundo a qual o Estado e o Direito são realidades
distintas, porém necessariamente interdependentes.
 Esta terceira corrente, procurando solucionar a antítese
monismo-pluralismo, adotou a concepção racional da
graduação da positividade jurídica, defendida com raro
brilhantismo pelo eminente mestre de Filosofia do
Direito na Itália, Giorgio Del Vecchio.
 Reconhece na teoria do pluralismo a existência do
direito não-estatal, sustentando que vários centros de
determinação jurídica surgem e se desenvolvem fora do
Estado, obedecendo a uma graduação de positividade.
Sobre todos estes centros particulares do ordenamento
jurídico, prepondera o Estado como centro de irradiação
da positividade.
 A teoria do paralelismo completa a teoria pluralista,
e ambas se contrapõem com vantagem à teoria
monista. Efetivamente, Estado e Direito são duas
realidades distintas que se completam na
interdependência. Como demonstra o Prof. Miguel
Reale, a teoria do sábio mestre da Universidade de
Roma coloca em termos racionais e objetivos o
problema das relações entre o Estado e o Direito,
que se apresenta como um dos pontos de partida
para o desenvolvimento atual do Culturalismo.
CULTURALISMO
 Segundo o culturalismo jurídico, o Direito é uma
criação do homem inserida na cultura (o Direito é
um objeto cultural), portanto dotado de um
significado, de valores, concebidos conforme cada
tempo e lugar. Os significados, os valores mudam,
assumem maior ou menor importância conforme
cada sociedade, situada em um momento histórico
específico. Por exemplo, as noções de justiça, do
que é moralmente certo ou errado, mudam
conforme o tempo de cada sociedade. Existem
quatro teorias principais no âmbito do culturalismo
jurídico, inclusive a Teoria tridimensional do Direito
de Miguel Reale.
A mesma demonstra que o Direito é composto por três
dimensões indissociáveis: a dimensão normativa, isto é,
a lei, o ordenamento jurídico; a dimensão fática, isto é,
o fato social, o Direito inscrito na realidade social e
histórica, e por fim, a dimensão axiológica, que se
refere aos valores, incluindo os ideais de justiça.
Do ponto de vista da norma, isto é, da lei, o Direito
dispõe sobre os comportamentos individuais e coletivos,
mas a norma não pode ser concebida insulada em si
mesma, ou seja, isolada do momento histórico, social,
cultural e econômico vividos pelo homem no momento
da criação das leis – aspectos englobados pelo fato
social. Por sua vez, normas e fatos sociais também são
atrelados à dimensão valorativa posto que com a
criação das leis, a sociedade visa alcançar o ideal de
justiça e os fatos sociais são dotados de sentido
valorativo pelo homem.
Miguel Reale quis assinalar que o Direito não é
algo puramente abstrato, como concebeu Kelsen,
ou seja, o Direito situado somente no campo das
leis. O Direito é vivido no cotidiano de uma
sociedade, que não é estática, muda ao longo da
história. Essa sociedade vive problemáticas sociais
e econômicas próprias de cada tempo e o Direito
acompanha esse movimento. Por isso, a teoria
tridimensional destaca que o Direito não é uma
estrutura estática, ela é dinâmica, um vir a ser,
acompanhando as transformações da sociedade.
Por conseguinte, podemos inferir que o Direito
verdadeiro reside nos usos e costumes e na
tradição de um povo. É a história desse povo,
como resultado de suas aspirações e
necessidades, que forma o Direito.
PROBLEMAS COM A PERSONALIDADE JURÍDICA
DO ESTADO:
 Teoria Ficcionista: As pessoas jurídicas são
sujeitos artificiais, criados pela lei. E entre as
pessoas jurídicas se acha o Estado, cuja
personalidade é produto da mesma ficção. Estas
teorias, aceitam a ideia do Estado-pessoa jurídica,
mas como produto de uma convenção, que só se
justifica por meio de uma conveniência.
AUTORES FICCIONISTAS:
 SAVIGNY: Pessoa Jurídica, sendo o Estado um
sujeito artificial.
 HANS KELSEN, já no século XX, também
conceituou o Estado como sujeito artificial como a
personalização da ordem jurídica.
 Teoria realista: afirmam haver a existência real do
Estado-pessoa jurídica, opondo-se a ideia de que
ele é mera ficção. Colocam o Estado como
organismo físico, sustentado o chamado
organicismo biológico, comparando o Estado a
uma pessoa grande e explicando dessa forma sua
personalidade.
AUTORES REALISTAS:
 ALBECHT: asseverava em 1837: “Ainda nos veremos obrigados a
representar o Estado como uma pessoa jurídica”.
 GERBEN: organicismo ético (moral); não- palpável.
 GIERKE: o Estado atua através das pessoas físicas dos órgãos estatais.
 LABAND: a capacidade do Estado é manifestada pela vontade do
governante.
 JELLINEK: a unidade coletiva, consistente na associação não é ficção, mas a
forma necessária de síntese de nossa consciência forma a base das
instituições e estas tais unidades jurídicas não são menos capazes de
adquirir subjetividade jurídica que os indivíduos humanos.
 ALEXANDRE GROPPLI: analisando estas teorias chamou de “abstração” o
processo pelo qual se afirma o Estado como pessoa jurídica explicando que
a vontade não tem vida física.
ESTADO, DIREITO E POLÍTICA
 Como sociedade política, voltada para fins
políticos, o Estado participa da natureza política,
que convive com a jurídica, influenciando-a e
sendo por ela influenciada, devendo, portanto,
exercer um poder político. Este é o aspecto mais
difícil e mais fascinante do Estudo do Estado, pois
introduz o estudioso numa problemática
extremamente rica, dinâmica e polêmica, onde se
faz presente a busca dos valores fundamentais do
indivíduo, da sociedade e do Estado, a par da
procura da organização mais eficaz para a
promoção desses valores.
 O poder do Estado não é exercido no vácuo, nem
se reduz a um simples jogo de normas existentes
por si. Bem longe disso, é usado para atingir certas
finalidades consideradas boas, em determinada
época, pelos que detêm o direito de exercer o
poder estatal.
 Para Miguel Reale: o Estado apresenta uma face
social, relativa à sua formação e ao seu
desenvolvimento em razão de fatores
socioeconômicos; uma face jurídica, que é a que
se relaciona com o Estado como ordem jurídica; e
uma face política, onde aparece o problema das
finalidades do governo em razão dos diversos
sistemas de cultura.
 Para Neumann, o poder político, é o poder social
que se focaliza no Estado, tratando da obtenção do
controle dos homens para fim de influenciar o
comportamento do Estado. A preocupação
característica do poder político é a eficácia e, por
isso, aqueles que o detêm procuram obter, de
qualquer forma, a aceitação de seus comandos,
recorrendo mesmo à violência, se preciso for, para
obtenção da obediência. Daí a pretensão de criar
limites jurídicos ou de fazer com que o próprio povo
exerça o poder político, para redução de riscos.
 O caráter político do Estado, portanto, lhe dá a
função de coordenar os grupos e os indivíduos em
vista de fins a serem atingidos, impondo a escolha
dos meios adequados. Para a consecução desse
objetivo devem ser levados em conta, sobretudo,
três dualismos fundamentais:
1. Necessidade e possibilidade. Olhar a
necessidade dos indivíduos e orientar suas ações
por elas, mas levando em consideração sempre
os meios disponíveis em cada Estado.
2. Indivíduo e coletividade. As decisões políticas
devem ser a conciliação entre as necessidades
do indivíduo e da coletividade.
3. Liberdade e autoridade.
MUDANÇAS DO ESTADO POR REFORMA E
REVOLUÇÃO
-Reforma
-Evolução Natural
-Revolução

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Slides - Teoria Geral do Estado
Slides - Teoria Geral do EstadoSlides - Teoria Geral do Estado
Slides - Teoria Geral do Estado
 
Direito natural x direito positivo
Direito natural x direito positivoDireito natural x direito positivo
Direito natural x direito positivo
 
Introdução ao Estudo do Direito
Introdução ao Estudo do DireitoIntrodução ao Estudo do Direito
Introdução ao Estudo do Direito
 
Cidadania e Política
Cidadania e PolíticaCidadania e Política
Cidadania e Política
 
NOÇÃO DE DIREITO
NOÇÃO DE DIREITONOÇÃO DE DIREITO
NOÇÃO DE DIREITO
 
Aula 15 - Estado e Governo
Aula 15 - Estado e GovernoAula 15 - Estado e Governo
Aula 15 - Estado e Governo
 
Democracia
DemocraciaDemocracia
Democracia
 
Cidadania no brasil
Cidadania no brasilCidadania no brasil
Cidadania no brasil
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
Separação dos poderes
Separação dos poderesSeparação dos poderes
Separação dos poderes
 
Teoria Geral do Estado
Teoria Geral do EstadoTeoria Geral do Estado
Teoria Geral do Estado
 
Filosofia do Direito - Programa e base geral
Filosofia do Direito - Programa e base geralFilosofia do Direito - Programa e base geral
Filosofia do Direito - Programa e base geral
 
Teoria Geral do Estado - Aula 1
Teoria Geral do Estado - Aula 1 Teoria Geral do Estado - Aula 1
Teoria Geral do Estado - Aula 1
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
Fontes do Direito
Fontes do DireitoFontes do Direito
Fontes do Direito
 
Direitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadaniaDireitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadania
 
Ciencia politica conceitos
Ciencia politica conceitosCiencia politica conceitos
Ciencia politica conceitos
 
Filosofia do direito
Filosofia do direitoFilosofia do direito
Filosofia do direito
 

Destaque

Aula3 -desconsideracao_da_personalidade_juridica (1)
Aula3  -desconsideracao_da_personalidade_juridica (1)Aula3  -desconsideracao_da_personalidade_juridica (1)
Aula3 -desconsideracao_da_personalidade_juridica (1)Iolamarcia Quinto
 
Trabalho: Religiosidade no brasil
Trabalho: Religiosidade no brasilTrabalho: Religiosidade no brasil
Trabalho: Religiosidade no brasilEduardo
 
Princípios Fundamentais Na Constituição
Princípios Fundamentais Na ConstituiçãoPrincípios Fundamentais Na Constituição
Princípios Fundamentais Na ConstituiçãoEduardo
 
O Princípio Fundamental da Separação e Interdependência de Poderes
O Princípio Fundamental da Separação e Interdependência de PoderesO Princípio Fundamental da Separação e Interdependência de Poderes
O Princípio Fundamental da Separação e Interdependência de PoderesMiguel Furtado
 
Direito dos povos sem escrita
Direito dos povos sem escritaDireito dos povos sem escrita
Direito dos povos sem escritaKayronn Sa Silva
 
Direito constitucional - Conceitos e Direitos Fundamentais
Direito constitucional - Conceitos e Direitos FundamentaisDireito constitucional - Conceitos e Direitos Fundamentais
Direito constitucional - Conceitos e Direitos FundamentaisMarcos Luiz Campos
 
Rosana Júlia Binda - Responsabilidade Civil
Rosana Júlia Binda - Responsabilidade CivilRosana Júlia Binda - Responsabilidade Civil
Rosana Júlia Binda - Responsabilidade CivilJordano Santos Cerqueira
 

Destaque (12)

Aula3 -desconsideracao_da_personalidade_juridica (1)
Aula3  -desconsideracao_da_personalidade_juridica (1)Aula3  -desconsideracao_da_personalidade_juridica (1)
Aula3 -desconsideracao_da_personalidade_juridica (1)
 
Trabalho: Religiosidade no brasil
Trabalho: Religiosidade no brasilTrabalho: Religiosidade no brasil
Trabalho: Religiosidade no brasil
 
Princípios Fundamentais Na Constituição
Princípios Fundamentais Na ConstituiçãoPrincípios Fundamentais Na Constituição
Princípios Fundamentais Na Constituição
 
Estado constitucional
Estado constitucionalEstado constitucional
Estado constitucional
 
O Princípio Fundamental da Separação e Interdependência de Poderes
O Princípio Fundamental da Separação e Interdependência de PoderesO Princípio Fundamental da Separação e Interdependência de Poderes
O Princípio Fundamental da Separação e Interdependência de Poderes
 
D. constitucional PMMG
D. constitucional  PMMGD. constitucional  PMMG
D. constitucional PMMG
 
CONSTITUCIONAL AULA 001 GPS
CONSTITUCIONAL AULA 001 GPSCONSTITUCIONAL AULA 001 GPS
CONSTITUCIONAL AULA 001 GPS
 
Formas de governo
Formas de governoFormas de governo
Formas de governo
 
Direito dos povos sem escrita
Direito dos povos sem escritaDireito dos povos sem escrita
Direito dos povos sem escrita
 
Direito constitucional - Conceitos e Direitos Fundamentais
Direito constitucional - Conceitos e Direitos FundamentaisDireito constitucional - Conceitos e Direitos Fundamentais
Direito constitucional - Conceitos e Direitos Fundamentais
 
Direito Constitucional
Direito ConstitucionalDireito Constitucional
Direito Constitucional
 
Rosana Júlia Binda - Responsabilidade Civil
Rosana Júlia Binda - Responsabilidade CivilRosana Júlia Binda - Responsabilidade Civil
Rosana Júlia Binda - Responsabilidade Civil
 

Semelhante a Estado e direito

Estado democratico de direito
Estado democratico de direitoEstado democratico de direito
Estado democratico de direitojaquelinequadros1
 
Aula Apres. Do Curso E Conceito E Fontes De Direito
Aula   Apres. Do Curso E Conceito E Fontes De DireitoAula   Apres. Do Curso E Conceito E Fontes De Direito
Aula Apres. Do Curso E Conceito E Fontes De DireitoGrupo VAHALI
 
Aula 04 - As diversas concepções e paradigmas do direito e da justiça.ppt
Aula 04 - As diversas concepções e paradigmas do direito e da justiça.pptAula 04 - As diversas concepções e paradigmas do direito e da justiça.ppt
Aula 04 - As diversas concepções e paradigmas do direito e da justiça.pptLeandroMelo308032
 
1000%20 perguntas%20e%20respostas%20sobre%20teoria%20geral%20do%20estado%20de...
1000%20 perguntas%20e%20respostas%20sobre%20teoria%20geral%20do%20estado%20de...1000%20 perguntas%20e%20respostas%20sobre%20teoria%20geral%20do%20estado%20de...
1000%20 perguntas%20e%20respostas%20sobre%20teoria%20geral%20do%20estado%20de...andrea almeida
 
TGE- teoria geral do estadoperguntas20e20respostas.ppt
TGE- teoria geral do estadoperguntas20e20respostas.pptTGE- teoria geral do estadoperguntas20e20respostas.ppt
TGE- teoria geral do estadoperguntas20e20respostas.pptdramagnoliaaleixoadv
 
Apresentação Teoria Tridimensional de Miguel Reale e o Art.170 - Rafael Augus...
Apresentação Teoria Tridimensional de Miguel Reale e o Art.170 - Rafael Augus...Apresentação Teoria Tridimensional de Miguel Reale e o Art.170 - Rafael Augus...
Apresentação Teoria Tridimensional de Miguel Reale e o Art.170 - Rafael Augus...rafaaugustom13
 
Artigo direit os_individuais_coletivos
Artigo direit os_individuais_coletivosArtigo direit os_individuais_coletivos
Artigo direit os_individuais_coletivosItaloWescley
 
Ciência Política: Bonavides 3 4 5
Ciência Política: Bonavides 3 4 5Ciência Política: Bonavides 3 4 5
Ciência Política: Bonavides 3 4 5Israel serique
 
Mapa mental direito constitucional
Mapa mental direito  constitucionalMapa mental direito  constitucional
Mapa mental direito constitucionalAnaGonzalez418635
 
Direito Civil - Conceito e divisão do direito
Direito Civil - Conceito e divisão do direitoDireito Civil - Conceito e divisão do direito
Direito Civil - Conceito e divisão do direitoDiegoBayer2
 
Teoria trimencional do direito de miguel reale e (1)
Teoria trimencional do direito de miguel  reale e (1)Teoria trimencional do direito de miguel  reale e (1)
Teoria trimencional do direito de miguel reale e (1)Adelaide Gonçalves
 

Semelhante a Estado e direito (20)

Estado democratico de direito
Estado democratico de direitoEstado democratico de direito
Estado democratico de direito
 
Aula Apres. Do Curso E Conceito E Fontes De Direito
Aula   Apres. Do Curso E Conceito E Fontes De DireitoAula   Apres. Do Curso E Conceito E Fontes De Direito
Aula Apres. Do Curso E Conceito E Fontes De Direito
 
Aula 04 - As diversas concepções e paradigmas do direito e da justiça.ppt
Aula 04 - As diversas concepções e paradigmas do direito e da justiça.pptAula 04 - As diversas concepções e paradigmas do direito e da justiça.ppt
Aula 04 - As diversas concepções e paradigmas do direito e da justiça.ppt
 
1000%20 perguntas%20e%20respostas%20sobre%20teoria%20geral%20do%20estado%20de...
1000%20 perguntas%20e%20respostas%20sobre%20teoria%20geral%20do%20estado%20de...1000%20 perguntas%20e%20respostas%20sobre%20teoria%20geral%20do%20estado%20de...
1000%20 perguntas%20e%20respostas%20sobre%20teoria%20geral%20do%20estado%20de...
 
2º resumo fabiola
2º resumo fabiola2º resumo fabiola
2º resumo fabiola
 
2º resumo fabiola
2º resumo fabiola2º resumo fabiola
2º resumo fabiola
 
Unidade i
Unidade iUnidade i
Unidade i
 
Unidade i
Unidade iUnidade i
Unidade i
 
Resumo de tge
Resumo de tgeResumo de tge
Resumo de tge
 
TGE- teoria geral do estadoperguntas20e20respostas.ppt
TGE- teoria geral do estadoperguntas20e20respostas.pptTGE- teoria geral do estadoperguntas20e20respostas.ppt
TGE- teoria geral do estadoperguntas20e20respostas.ppt
 
Apresentação Teoria Tridimensional de Miguel Reale e o Art.170 - Rafael Augus...
Apresentação Teoria Tridimensional de Miguel Reale e o Art.170 - Rafael Augus...Apresentação Teoria Tridimensional de Miguel Reale e o Art.170 - Rafael Augus...
Apresentação Teoria Tridimensional de Miguel Reale e o Art.170 - Rafael Augus...
 
Positivismo
PositivismoPositivismo
Positivismo
 
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
 
Trabalho filosofia
Trabalho filosofiaTrabalho filosofia
Trabalho filosofia
 
Artigo direit os_individuais_coletivos
Artigo direit os_individuais_coletivosArtigo direit os_individuais_coletivos
Artigo direit os_individuais_coletivos
 
Ciência Política: Bonavides 3 4 5
Ciência Política: Bonavides 3 4 5Ciência Política: Bonavides 3 4 5
Ciência Política: Bonavides 3 4 5
 
Módulo 5
Módulo 5Módulo 5
Módulo 5
 
Mapa mental direito constitucional
Mapa mental direito  constitucionalMapa mental direito  constitucional
Mapa mental direito constitucional
 
Direito Civil - Conceito e divisão do direito
Direito Civil - Conceito e divisão do direitoDireito Civil - Conceito e divisão do direito
Direito Civil - Conceito e divisão do direito
 
Teoria trimencional do direito de miguel reale e (1)
Teoria trimencional do direito de miguel  reale e (1)Teoria trimencional do direito de miguel  reale e (1)
Teoria trimencional do direito de miguel reale e (1)
 

Mais de Direito Nabuco

Revisão para prova TGE
Revisão para prova TGERevisão para prova TGE
Revisão para prova TGEDireito Nabuco
 
Elementos constirutivos do estado
Elementos constirutivos do estadoElementos constirutivos do estado
Elementos constirutivos do estadoDireito Nabuco
 
Introdução ao Estudo do Direito - Aula 13
Introdução ao Estudo do Direito - Aula 13Introdução ao Estudo do Direito - Aula 13
Introdução ao Estudo do Direito - Aula 13Direito Nabuco
 
Declaração de direitos e os direitos humanos
Declaração de direitos e os direitos humanosDeclaração de direitos e os direitos humanos
Declaração de direitos e os direitos humanosDireito Nabuco
 
Atividades de pontuação
Atividades de pontuaçãoAtividades de pontuação
Atividades de pontuaçãoDireito Nabuco
 
Projeto do planejamento de carreira
Projeto do planejamento de carreiraProjeto do planejamento de carreira
Projeto do planejamento de carreiraDireito Nabuco
 
Empregabilidade - Aula 12
Empregabilidade - Aula 12Empregabilidade - Aula 12
Empregabilidade - Aula 12Direito Nabuco
 
Empregabilidade - Aula 11
Empregabilidade - Aula 11Empregabilidade - Aula 11
Empregabilidade - Aula 11Direito Nabuco
 
Introdução ao Estudo do Direito - Aula 11
Introdução ao Estudo do Direito - Aula 11Introdução ao Estudo do Direito - Aula 11
Introdução ao Estudo do Direito - Aula 11Direito Nabuco
 
Introdução ao Estudo do Direito - Aula 12
Introdução ao Estudo do Direito - Aula 12Introdução ao Estudo do Direito - Aula 12
Introdução ao Estudo do Direito - Aula 12Direito Nabuco
 
Cultura: um conceito antropológico
Cultura: um conceito antropológicoCultura: um conceito antropológico
Cultura: um conceito antropológicoDireito Nabuco
 
A ilusão das relações raciais
A ilusão das relações raciaisA ilusão das relações raciais
A ilusão das relações raciaisDireito Nabuco
 
A importância dos conselhos de políticas públicas para a efetivação dos direi...
A importância dos conselhos de políticas públicas para a efetivação dos direi...A importância dos conselhos de políticas públicas para a efetivação dos direi...
A importância dos conselhos de políticas públicas para a efetivação dos direi...Direito Nabuco
 
CP e TGE - Sufrágio e voto
CP e TGE - Sufrágio e votoCP e TGE - Sufrágio e voto
CP e TGE - Sufrágio e votoDireito Nabuco
 

Mais de Direito Nabuco (19)

Revisão para prova TGE
Revisão para prova TGERevisão para prova TGE
Revisão para prova TGE
 
Elementos constirutivos do estado
Elementos constirutivos do estadoElementos constirutivos do estado
Elementos constirutivos do estado
 
Democracia
DemocraciaDemocracia
Democracia
 
Introdução ao Estudo do Direito - Aula 13
Introdução ao Estudo do Direito - Aula 13Introdução ao Estudo do Direito - Aula 13
Introdução ao Estudo do Direito - Aula 13
 
Declaração de direitos e os direitos humanos
Declaração de direitos e os direitos humanosDeclaração de direitos e os direitos humanos
Declaração de direitos e os direitos humanos
 
Atividades de pontuação
Atividades de pontuaçãoAtividades de pontuação
Atividades de pontuação
 
Pontuação
PontuaçãoPontuação
Pontuação
 
Projeto do planejamento de carreira
Projeto do planejamento de carreiraProjeto do planejamento de carreira
Projeto do planejamento de carreira
 
Empregabilidade - Aula 12
Empregabilidade - Aula 12Empregabilidade - Aula 12
Empregabilidade - Aula 12
 
Empregabilidade - Aula 11
Empregabilidade - Aula 11Empregabilidade - Aula 11
Empregabilidade - Aula 11
 
Exercício IED 3
Exercício IED 3Exercício IED 3
Exercício IED 3
 
Introdução ao Estudo do Direito - Aula 11
Introdução ao Estudo do Direito - Aula 11Introdução ao Estudo do Direito - Aula 11
Introdução ao Estudo do Direito - Aula 11
 
Introdução ao Estudo do Direito - Aula 12
Introdução ao Estudo do Direito - Aula 12Introdução ao Estudo do Direito - Aula 12
Introdução ao Estudo do Direito - Aula 12
 
Cultura: um conceito antropológico
Cultura: um conceito antropológicoCultura: um conceito antropológico
Cultura: um conceito antropológico
 
A ilusão das relações raciais
A ilusão das relações raciaisA ilusão das relações raciais
A ilusão das relações raciais
 
Aula 10
Aula 10Aula 10
Aula 10
 
Coesão Textual
Coesão TextualCoesão Textual
Coesão Textual
 
A importância dos conselhos de políticas públicas para a efetivação dos direi...
A importância dos conselhos de políticas públicas para a efetivação dos direi...A importância dos conselhos de políticas públicas para a efetivação dos direi...
A importância dos conselhos de políticas públicas para a efetivação dos direi...
 
CP e TGE - Sufrágio e voto
CP e TGE - Sufrágio e votoCP e TGE - Sufrágio e voto
CP e TGE - Sufrágio e voto
 

Último

Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivararambomarcos
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioWyngDaFelyzitahLamba
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Centro Jacques Delors
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaCentro Jacques Delors
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptxSão Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptxMartin M Flynn
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 

Último (20)

Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptxSão Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 

Estado e direito

  • 3.  O Estado é uma organização destinada a manter, pela aplicação do Direito, as condições universais de ordem social. E o Direito é o conjunto das condições existenciais da sociedade, que ao Estado cumpre assegurar.  Para o estudo do fenômeno estatal, tanto quanto para a iniciação na ciência jurídica, o primeiro problema a ser enfrentado é o das relações entre Estado e Direito. Representam ambos uma realidade única? São duas realidades distintas e independentes?  No programa da ciência do Estado, este problema não pode passar sem um esclarecimento preliminar. E sendo tão importante quanto complexo, daremos aqui pelo menos um resumo das correntes que disputam entre si a primazia no campo doutrinário.
  • 4.  A concepção do Estado como pessoa jurídica representa um extraordinário avanço no sentido da disciplina jurídica do interesse coletivo. Mais do que por qualquer teoria objetivando estabelecer, por critérios formais, limitações ao poder do Estado, esse objetivo é atingido de maneira mais científica – porque baseada em fatores substanciais – pela noção da personalidade jurídica do Estado. Esta noção promove a conciliação do político com o jurídico.
  • 5. TEORIA MONÍSTICA  Também chamada do estatismo jurídico, segundo a qual o Estado e o Direito confundem-se em uma só realidade.  Para os monistas só existe o direito estatal, pois não admitem eles a ideia de qualquer regra jurídica fora do estado. O Estado é a fonte única do direito, porque quem dá vida ao Direito é o Estado através da “força coativa” de que só ele dispõe. Logo, como só existe o Direito emanado do Estado, ambos se confundem em uma só realidade.  Foram precursores do monismo jurídico: Hegel, Thomas Hobbes e Jean Bodin. Desenvolvida por Rudolf von Ihering e John Austin, alcançou esta teoria a sua máxima expressão com a escola técnico-jurídica liderada por Jellinek e com a escola vienense de Hans Kelsen.
  • 6. TEORIA DUALÍSTICA  Também chamada pluralística, que sustenta serem o Estado e o Direito duas realidades distintas, independentes e inconfundíveis.  Para os dualistas o Estado não é a fonte única do Direito nem com este se confunde. O que provém do Estado é apenas uma categoria especial do Direito: o direito positivo. Mas existem também os princípios de direito natural, as normas de direito costumeiro e as regras que se firmam na consciência coletiva, que tendem a adquirir positividade e que, nos casos omissos, o Estado deve acolher para lhes dar juridicidade (conformidade com os princípios ou com as formas do direito; licitude, legalidade).  Afirma esta corrente que o Direito é criação social, não estatal. O Direito, assim, é um fato social em contínua transformação. A função do Estado é positivar o Direito, isto é, traduzir em normas escritas os princípios que se firmam na consciência social.
  • 7.  O dualismo (ou pluralismo), partindo de Gierke e Gurvitch, ganhou terreno com a doutrina de Léon Duguit o qual condenou formalmente a concepção monista, admitiu a pluralidade das fontes do Direito positivo e demonstrou que as normas jurídicas têm sua origem no corpo social.  Desdobrou-se o pluralismo nas correntes sindicalista e corporativistas, e, principalmente, no institucionalismo de Hauriou e Rennard, culminando, afinal, com a preponderante e vigorosa doutrina de Santi Romano, que lhe deu um alto teor de precisão científica.
  • 8. TEORIA DO PARALELISMO  Segundo a qual o Estado e o Direito são realidades distintas, porém necessariamente interdependentes.  Esta terceira corrente, procurando solucionar a antítese monismo-pluralismo, adotou a concepção racional da graduação da positividade jurídica, defendida com raro brilhantismo pelo eminente mestre de Filosofia do Direito na Itália, Giorgio Del Vecchio.  Reconhece na teoria do pluralismo a existência do direito não-estatal, sustentando que vários centros de determinação jurídica surgem e se desenvolvem fora do Estado, obedecendo a uma graduação de positividade. Sobre todos estes centros particulares do ordenamento jurídico, prepondera o Estado como centro de irradiação da positividade.
  • 9.  A teoria do paralelismo completa a teoria pluralista, e ambas se contrapõem com vantagem à teoria monista. Efetivamente, Estado e Direito são duas realidades distintas que se completam na interdependência. Como demonstra o Prof. Miguel Reale, a teoria do sábio mestre da Universidade de Roma coloca em termos racionais e objetivos o problema das relações entre o Estado e o Direito, que se apresenta como um dos pontos de partida para o desenvolvimento atual do Culturalismo.
  • 10. CULTURALISMO  Segundo o culturalismo jurídico, o Direito é uma criação do homem inserida na cultura (o Direito é um objeto cultural), portanto dotado de um significado, de valores, concebidos conforme cada tempo e lugar. Os significados, os valores mudam, assumem maior ou menor importância conforme cada sociedade, situada em um momento histórico específico. Por exemplo, as noções de justiça, do que é moralmente certo ou errado, mudam conforme o tempo de cada sociedade. Existem quatro teorias principais no âmbito do culturalismo jurídico, inclusive a Teoria tridimensional do Direito de Miguel Reale.
  • 11. A mesma demonstra que o Direito é composto por três dimensões indissociáveis: a dimensão normativa, isto é, a lei, o ordenamento jurídico; a dimensão fática, isto é, o fato social, o Direito inscrito na realidade social e histórica, e por fim, a dimensão axiológica, que se refere aos valores, incluindo os ideais de justiça. Do ponto de vista da norma, isto é, da lei, o Direito dispõe sobre os comportamentos individuais e coletivos, mas a norma não pode ser concebida insulada em si mesma, ou seja, isolada do momento histórico, social, cultural e econômico vividos pelo homem no momento da criação das leis – aspectos englobados pelo fato social. Por sua vez, normas e fatos sociais também são atrelados à dimensão valorativa posto que com a criação das leis, a sociedade visa alcançar o ideal de justiça e os fatos sociais são dotados de sentido valorativo pelo homem.
  • 12. Miguel Reale quis assinalar que o Direito não é algo puramente abstrato, como concebeu Kelsen, ou seja, o Direito situado somente no campo das leis. O Direito é vivido no cotidiano de uma sociedade, que não é estática, muda ao longo da história. Essa sociedade vive problemáticas sociais e econômicas próprias de cada tempo e o Direito acompanha esse movimento. Por isso, a teoria tridimensional destaca que o Direito não é uma estrutura estática, ela é dinâmica, um vir a ser, acompanhando as transformações da sociedade. Por conseguinte, podemos inferir que o Direito verdadeiro reside nos usos e costumes e na tradição de um povo. É a história desse povo, como resultado de suas aspirações e necessidades, que forma o Direito.
  • 13. PROBLEMAS COM A PERSONALIDADE JURÍDICA DO ESTADO:
  • 14.  Teoria Ficcionista: As pessoas jurídicas são sujeitos artificiais, criados pela lei. E entre as pessoas jurídicas se acha o Estado, cuja personalidade é produto da mesma ficção. Estas teorias, aceitam a ideia do Estado-pessoa jurídica, mas como produto de uma convenção, que só se justifica por meio de uma conveniência.
  • 15. AUTORES FICCIONISTAS:  SAVIGNY: Pessoa Jurídica, sendo o Estado um sujeito artificial.  HANS KELSEN, já no século XX, também conceituou o Estado como sujeito artificial como a personalização da ordem jurídica.
  • 16.  Teoria realista: afirmam haver a existência real do Estado-pessoa jurídica, opondo-se a ideia de que ele é mera ficção. Colocam o Estado como organismo físico, sustentado o chamado organicismo biológico, comparando o Estado a uma pessoa grande e explicando dessa forma sua personalidade.
  • 17. AUTORES REALISTAS:  ALBECHT: asseverava em 1837: “Ainda nos veremos obrigados a representar o Estado como uma pessoa jurídica”.  GERBEN: organicismo ético (moral); não- palpável.  GIERKE: o Estado atua através das pessoas físicas dos órgãos estatais.  LABAND: a capacidade do Estado é manifestada pela vontade do governante.  JELLINEK: a unidade coletiva, consistente na associação não é ficção, mas a forma necessária de síntese de nossa consciência forma a base das instituições e estas tais unidades jurídicas não são menos capazes de adquirir subjetividade jurídica que os indivíduos humanos.  ALEXANDRE GROPPLI: analisando estas teorias chamou de “abstração” o processo pelo qual se afirma o Estado como pessoa jurídica explicando que a vontade não tem vida física.
  • 18. ESTADO, DIREITO E POLÍTICA
  • 19.  Como sociedade política, voltada para fins políticos, o Estado participa da natureza política, que convive com a jurídica, influenciando-a e sendo por ela influenciada, devendo, portanto, exercer um poder político. Este é o aspecto mais difícil e mais fascinante do Estudo do Estado, pois introduz o estudioso numa problemática extremamente rica, dinâmica e polêmica, onde se faz presente a busca dos valores fundamentais do indivíduo, da sociedade e do Estado, a par da procura da organização mais eficaz para a promoção desses valores.
  • 20.  O poder do Estado não é exercido no vácuo, nem se reduz a um simples jogo de normas existentes por si. Bem longe disso, é usado para atingir certas finalidades consideradas boas, em determinada época, pelos que detêm o direito de exercer o poder estatal.  Para Miguel Reale: o Estado apresenta uma face social, relativa à sua formação e ao seu desenvolvimento em razão de fatores socioeconômicos; uma face jurídica, que é a que se relaciona com o Estado como ordem jurídica; e uma face política, onde aparece o problema das finalidades do governo em razão dos diversos sistemas de cultura.
  • 21.  Para Neumann, o poder político, é o poder social que se focaliza no Estado, tratando da obtenção do controle dos homens para fim de influenciar o comportamento do Estado. A preocupação característica do poder político é a eficácia e, por isso, aqueles que o detêm procuram obter, de qualquer forma, a aceitação de seus comandos, recorrendo mesmo à violência, se preciso for, para obtenção da obediência. Daí a pretensão de criar limites jurídicos ou de fazer com que o próprio povo exerça o poder político, para redução de riscos.
  • 22.  O caráter político do Estado, portanto, lhe dá a função de coordenar os grupos e os indivíduos em vista de fins a serem atingidos, impondo a escolha dos meios adequados. Para a consecução desse objetivo devem ser levados em conta, sobretudo, três dualismos fundamentais: 1. Necessidade e possibilidade. Olhar a necessidade dos indivíduos e orientar suas ações por elas, mas levando em consideração sempre os meios disponíveis em cada Estado. 2. Indivíduo e coletividade. As decisões políticas devem ser a conciliação entre as necessidades do indivíduo e da coletividade. 3. Liberdade e autoridade.
  • 23. MUDANÇAS DO ESTADO POR REFORMA E REVOLUÇÃO