SlideShare uma empresa Scribd logo
Discentes :Danrley, Ederson, Josiel,Monalisa,
Paula,Vanderley, Whashington Mahelly Isabel, Taciana
Ferreira
Docentes: Lourenço Torres
Disciplina:IED
FACULDADE JOAQUIM NABUCO– FJN
DIREITO
Direito Natural x Direito Positivo
O que é Direito Natural?
É a ideia abstrata do Direito; o ordenamento
ideal, correspondente a uma justiça superior e
anterior.
Um sistema de normas que independe do
direito positivo, ou seja, independe das variações
do ordenamento da vida social que se originam
no Estado.
Direito Natural x Direito Positivo
-Suas principais características, além da universalidade, são imutabilidade e o
seu conhecimento através da própria razão do homem.
Direito Natural x Direito Positivo
O direito natural é o pressuposto do que é correto, do
que é justo, e parte do princípio de que existe um
direito comum a todos os homens e que o mesmo é
universal.
Suas principais características, além da universalidade,
são imutabilidade e o seu conhecimento através da
própria razão do homem.
Direito Natural x Direito Positivo
 É a corrente de pensamento filosófico-jurídico que
engloba todas as teorias defensoras da existência de
um Direito Natural. Elas afirmam que além do
Direito Positivo, existe uma outra ordem superior
àquela, que é a expressão do “ direito justo”.
O que é JUSNATURALISMO ?
Divergem quanto:
A origem e fundamentação desse Direito Natural.
Direito Natural x Direito Positivo
Conceito de Direito Natural
Direito Natural x Direito Positivo
O que é Direito
Positivo?
Um conjunto de normas estatuído oficialmente pelo Estado:
-
Leis
Costumes
É o ordenamento jurídico em vigor em determinado país e em
determinada época; é o Direito posto.
Direito Natural x Direito Positivo
“ Direito Positivo é o direito institucionalizado
pelo Estado, é a ordem jurídica em
determinado lugar e tempo”.
Paulo Nader
O que é Direito Positivo?
Direito Natural x Direito Positivo
Positivismo Jurídico
Direito Natural x Direito Positivo
Positivismo Jurídico
 O Positivismo jurídico  Ordem jurídica = emanada do Estado
 Antagônico ao Direito Natural, satisfazendo-se completamente com o ‘ser’ do
Direito Positivo, sem cogitar sobre a forma ideal do Direito, sobre o ‘dever-ser’
jurídico.
 Para o positivista a lei assume a condição de único valor.
 Direito Positivo: é o ordenamento jurídico em vigor num determinado país e
numa determinada época (Washington de Barros Monteiro).
Positivismo Jurídico
Direito Natural x Direito Positivo
 Os positivistas negam a existência e validade do Direito Natural por
considerá-lo um ideal de justiça a ser atingido pelo homem.
 Direito = Lei= produto do Estado.
Consagração da lei como pressuposto da organização social.
Para o positivismo a justiça é relativa, direito justo é o que o Estado-legislador
dispõe.
 Ditadura Militar e Nazismo.
 Levam o Direito ao extremo, por considerá-lo uma norma jurídica
autossuficiente, plena em si mesma, independente e desprovida de valores
éticos, inclusive daqueles ditados pelo Direito Natural.
Autores considerados positivistas
Hans Kelsen (1881-1973)
Para esse teórico, as normas do Direito Positivo, são
postas pela vontade humana, arbitrária e, portanto,
mutáveis; ao contrário , da questão das normas do Direito
Natural , que já nos são dadas pela natureza anterior a
toda a sua possível fixação por atos de vontade humana,
normas por sua própria essência invariáveis e imutáveis.
O Direito encontra-se depositado nas mãos do povo, que de
acordo com sua livre e soberana vontade, pode moldá-lo
da maneira que desejar.
Defende a tese na qual o exercício do poder do Estado deve,
inexoravelmente, ser impessoal, objetivando os interesses comuns
dos seus cidadãos, e úteis para o Estado e a sociedade.
Autores considerados positivistas
Thomas Hobbes
Jean-Jacques Rousseau
Miguel Reale
O direito deve ser estudado no seu Tríplice Aspecto:
Autores considerados positivistas
Direito Natural x Direito Positivo
Doutrinas Jusnaturalistas e Juspositivistas
- Para os Jusnaturalismo uma norma não é valida se não é justa. Para o
Juspositivismo uma norma é justa se for válida, ou seja, se existe ou não
como regra jurídica dentro de um determinado sistema jurídico, assim ela
deve:
ser emanada de autoridade competente ou
autorizada;
está em vigor;
ser compatível com outra;
Direito Natural x Direito Positivo
 Universal
 Eternas, Imutáveis e
Irrevogáveis não possuem um
caráter histórico; não
resultam de um fenômeno
 Independente da vontade
humana
 Ordem natural:
 Deus x Razão humana,
cosmológica, teológica ou
antropológica.
Doutrinas Jusnaturalistas e Juspositivistas
Natural Positivismo
 Caráter Formal
 Caráter temporal, territorial
 Leis postas, hierarquicamente
organizadas, pleno e emanado
do Estado, decorrente da
vontade política
 Revogável, Variável e Mutável,
sendo o produto histórico de
uma específica sociedade;
obrigatório e válido,
independente de seu conteúdo
moral.
Direito Natural x Direito Positivo
Pós-Positivismo
Crise do Positivismo Jurídico
Derrota do fascismo na Itália Derrota do nazismo na Alemanha
Regimes que promoveram a barbárie sob a proteção da legalidade.
Ao fim da 2ª Guerra Mundial , a ética e os valores
começaram a retornar ao Direito, inicialmente sob a
forma de retorno ao Direito Natural , depois com a
discussão do Pós-Positivismo.
Direito Natural x Direito Positivo
Os Pós-Positivistas contestam o postulado positivista de separação entre
Direito, moral e política, considerando que o Direito depende da moral ,
tanto no momento de reconhecimento de sua validade como no momento
de sua aplicação.
Essa doutrina valoriza os princípios da moralidade, da justiça e na
legitimação democrática.
Nessa visão , os princípios constitucionais , tais como a dignidade
humana , o bem-estar de todos ou a igualdade, influenciariam a aplicação
das leis .
Pós-Positivismo



Direito Natural x Direito Positivo
Considerações Finais
Diante desta realidade, defende-se a tese alicerçada no fato da existência
do Direito Positivo e do Natural em consonância, onde o primeiro encontra no
segundo, a solução para o conflito de normas e litígios existentes; e também na
existência de uma lei natural que os homens respeitam, por ser formada por
determinadas uniformidades na conduta humana e de uma força divina. É assim,
um novo paradigma, dialético, plural, que busca acompanhar as profundas
mudanças que a sociedade vêm sofrendo.
Os operadores do Direito tanto usam a norma escrita como os pressupostos
éticos, morais e principiológicos, buscando não se limitar, em sua atuação, a seguir
cegamente o Juspositivismo, nem exercer o Jusnaturalismo como único
pressuposto de sua atividade; pois o Direito decorre da razão, seja posta, seja
pressuposta, da qual se tira a conclusão de que o Positivismo Jurídico não implica
na negativa do Direito Natural.
Referências
• FERRAZ JÚNIOR, Tércio Sampaio. Introdução ao Estudo do Direito:
técnica, decisão,dominação. 3. ed., São Paulo: Atlas, 2002.
• KELSEN, Hans. Teoria Geral do Direito e da Justiça. São Paulo: Martins
Fontes, 1995.
• NADER, Paulo. Filosofia do Direito. 6. ed., Rio de Janeiro: Forense, 1998.
• REALE, Miguel. Direito Natural/Direito Positivo. São Paulo: Saraiva, 1984.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teoria Geral do Direito
Teoria Geral do DireitoTeoria Geral do Direito
Teoria Geral do Direito
Douglas Barreto
 
Prova de introdução ao estudo do direito
Prova de introdução ao estudo do direitoProva de introdução ao estudo do direito
Prova de introdução ao estudo do direito
pernostico
 
INTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS
INTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOSINTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS
INTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS
Isabela Espíndola
 
Introdução ao Estudo do Direito
Introdução ao Estudo do DireitoIntrodução ao Estudo do Direito
Introdução ao Estudo do Direito
Elder Leite
 
Lições de Introdução ao estudo do Direito 2012/13 profesor Doutor Rui Teixeir...
Lições de Introdução ao estudo do Direito 2012/13 profesor Doutor Rui Teixeir...Lições de Introdução ao estudo do Direito 2012/13 profesor Doutor Rui Teixeir...
Lições de Introdução ao estudo do Direito 2012/13 profesor Doutor Rui Teixeir...
A. Rui Teixeira Santos
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Fontes de direito
Fontes de direitoFontes de direito
Fontes de direito
Ricardo_Roque
 
Direito objetivo e subjetivo
Direito objetivo e subjetivoDireito objetivo e subjetivo
Direito objetivo e subjetivo
Agassis Rodrigues
 
O que é direito
O que é direitoO que é direito
O que é direito
Orlando Junior
 
Aula 01 aula de apresentação - filosofia do direito
Aula 01   aula de apresentação - filosofia do direitoAula 01   aula de apresentação - filosofia do direito
Aula 01 aula de apresentação - filosofia do direito
Jucemar Morais
 
Hermenêutica jurídica slide.pptx
Hermenêutica jurídica slide.pptxHermenêutica jurídica slide.pptx
Hermenêutica jurídica slide.pptx
Clodomiro Nascimento Jr
 
Mapa Mental de Direito Constitucional - Ação Popular
Mapa Mental de Direito Constitucional - Ação PopularMapa Mental de Direito Constitucional - Ação Popular
Mapa Mental de Direito Constitucional - Ação Popular
Xis da Questão
 
fontes+do+direito
 fontes+do+direito fontes+do+direito
fontes+do+direito
Netosaimon Silva
 
Aula Apres. Do Curso E Conceito E Fontes De Direito
Aula   Apres. Do Curso E Conceito E Fontes De DireitoAula   Apres. Do Curso E Conceito E Fontes De Direito
Aula Apres. Do Curso E Conceito E Fontes De Direito
Grupo VAHALI
 
70 questões discursivas prontas de direito do trabalho parte geral
70 questões discursivas prontas de direito do trabalho parte geral70 questões discursivas prontas de direito do trabalho parte geral
70 questões discursivas prontas de direito do trabalho parte geral
EsdrasArthurPessoa
 
Direitos fundamentais
Direitos fundamentaisDireitos fundamentais
Direitos fundamentais
Vanessa Nogueira
 
Teoria tridimensional do Direito - Miguel Reale
Teoria tridimensional do Direito - Miguel RealeTeoria tridimensional do Direito - Miguel Reale
Teoria tridimensional do Direito - Miguel Reale
Lilian Moreira
 
Epistemologia
EpistemologiaEpistemologia
Epistemologia
Cassio Meira Jr.
 
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
A. Rui Teixeira Santos
 
Filosofia do direito
Filosofia do direitoFilosofia do direito
Filosofia do direito
Joao Carlos
 

Mais procurados (20)

Teoria Geral do Direito
Teoria Geral do DireitoTeoria Geral do Direito
Teoria Geral do Direito
 
Prova de introdução ao estudo do direito
Prova de introdução ao estudo do direitoProva de introdução ao estudo do direito
Prova de introdução ao estudo do direito
 
INTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS
INTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOSINTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS
INTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS
 
Introdução ao Estudo do Direito
Introdução ao Estudo do DireitoIntrodução ao Estudo do Direito
Introdução ao Estudo do Direito
 
Lições de Introdução ao estudo do Direito 2012/13 profesor Doutor Rui Teixeir...
Lições de Introdução ao estudo do Direito 2012/13 profesor Doutor Rui Teixeir...Lições de Introdução ao estudo do Direito 2012/13 profesor Doutor Rui Teixeir...
Lições de Introdução ao estudo do Direito 2012/13 profesor Doutor Rui Teixeir...
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Fontes de direito
Fontes de direitoFontes de direito
Fontes de direito
 
Direito objetivo e subjetivo
Direito objetivo e subjetivoDireito objetivo e subjetivo
Direito objetivo e subjetivo
 
O que é direito
O que é direitoO que é direito
O que é direito
 
Aula 01 aula de apresentação - filosofia do direito
Aula 01   aula de apresentação - filosofia do direitoAula 01   aula de apresentação - filosofia do direito
Aula 01 aula de apresentação - filosofia do direito
 
Hermenêutica jurídica slide.pptx
Hermenêutica jurídica slide.pptxHermenêutica jurídica slide.pptx
Hermenêutica jurídica slide.pptx
 
Mapa Mental de Direito Constitucional - Ação Popular
Mapa Mental de Direito Constitucional - Ação PopularMapa Mental de Direito Constitucional - Ação Popular
Mapa Mental de Direito Constitucional - Ação Popular
 
fontes+do+direito
 fontes+do+direito fontes+do+direito
fontes+do+direito
 
Aula Apres. Do Curso E Conceito E Fontes De Direito
Aula   Apres. Do Curso E Conceito E Fontes De DireitoAula   Apres. Do Curso E Conceito E Fontes De Direito
Aula Apres. Do Curso E Conceito E Fontes De Direito
 
70 questões discursivas prontas de direito do trabalho parte geral
70 questões discursivas prontas de direito do trabalho parte geral70 questões discursivas prontas de direito do trabalho parte geral
70 questões discursivas prontas de direito do trabalho parte geral
 
Direitos fundamentais
Direitos fundamentaisDireitos fundamentais
Direitos fundamentais
 
Teoria tridimensional do Direito - Miguel Reale
Teoria tridimensional do Direito - Miguel RealeTeoria tridimensional do Direito - Miguel Reale
Teoria tridimensional do Direito - Miguel Reale
 
Epistemologia
EpistemologiaEpistemologia
Epistemologia
 
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
 
Filosofia do direito
Filosofia do direitoFilosofia do direito
Filosofia do direito
 

Destaque

Direito natural e positivismo jurídico
Direito natural e positivismo jurídicoDireito natural e positivismo jurídico
Direito natural e positivismo jurídico
Yuri Silver
 
Direito positivo
Direito positivoDireito positivo
Direito positivo
FABIHABREU
 
29 30-dicotomias-positivoxnatural net
29 30-dicotomias-positivoxnatural net29 30-dicotomias-positivoxnatural net
29 30-dicotomias-positivoxnatural net
Amélia Magalhães
 
Jusnaturalismo 3
Jusnaturalismo 3Jusnaturalismo 3
Jusnaturalismo 3
Allan Jacks
 
Jusnaturalismo
JusnaturalismoJusnaturalismo
Jusnaturalismo
Reinaldo Camacho
 
Teoria geral do direito
Teoria geral do direitoTeoria geral do direito
Teoria geral do direito
Thiago José de Souza Oliveira
 
Slides Hans Kelsen
Slides   Hans KelsenSlides   Hans Kelsen
Slides Hans Kelsen
Rony Stayllon
 
Introdução ao Estudo do Direito (IED)
Introdução ao Estudo do Direito (IED)Introdução ao Estudo do Direito (IED)
Introdução ao Estudo do Direito (IED)
brigidoh
 
Filosofia do Direito Penal, esboço.
Filosofia do Direito Penal, esboço.Filosofia do Direito Penal, esboço.
Filosofia do Direito Penal, esboço.
Rosângelo Miranda
 
A prece de um Juiz de Direito
A prece de um Juiz de DireitoA prece de um Juiz de Direito
A prece de um Juiz de Direito
guestc79f8f
 
Posições jurídicas dos individuos nas relações jurídicas
Posições jurídicas dos  individuos nas relações jurídicasPosições jurídicas dos  individuos nas relações jurídicas
Posições jurídicas dos individuos nas relações jurídicas
railsonc2
 
Direito civil 3
Direito civil 3Direito civil 3
Direito civil 3
Elder Leite
 
Direitos e Deveres Jurídicos
Direitos e Deveres JurídicosDireitos e Deveres Jurídicos
Direitos e Deveres Jurídicos
João Moreira
 
Juspositivismo versus jusnaturalismo
Juspositivismo versus jusnaturalismoJuspositivismo versus jusnaturalismo
Juspositivismo versus jusnaturalismo
Hospital Dr. Hevio Auto
 
Justiça e direitos naturais
Justiça e direitos naturaisJustiça e direitos naturais
Justiça e direitos naturais
Shantappa Jewur
 
Positivismo jurdico -__kelsen
Positivismo jurdico -__kelsenPositivismo jurdico -__kelsen
Positivismo jurdico -__kelsen
Daniele Moura
 
IED004
IED004IED004
Positivismo juri dico
Positivismo juri dicoPositivismo juri dico
Positivismo juri dico
Allan Jacks
 
2.2 teoria do direito. jusnaturalismo. positivismo. ordens normativas
2.2 teoria do direito. jusnaturalismo. positivismo. ordens normativas2.2 teoria do direito. jusnaturalismo. positivismo. ordens normativas
2.2 teoria do direito. jusnaturalismo. positivismo. ordens normativas
Cristiano Carrilho Medeiros
 
testandoferramenta
testandoferramentatestandoferramenta
testandoferramenta
Eduardo de Paulla
 

Destaque (20)

Direito natural e positivismo jurídico
Direito natural e positivismo jurídicoDireito natural e positivismo jurídico
Direito natural e positivismo jurídico
 
Direito positivo
Direito positivoDireito positivo
Direito positivo
 
29 30-dicotomias-positivoxnatural net
29 30-dicotomias-positivoxnatural net29 30-dicotomias-positivoxnatural net
29 30-dicotomias-positivoxnatural net
 
Jusnaturalismo 3
Jusnaturalismo 3Jusnaturalismo 3
Jusnaturalismo 3
 
Jusnaturalismo
JusnaturalismoJusnaturalismo
Jusnaturalismo
 
Teoria geral do direito
Teoria geral do direitoTeoria geral do direito
Teoria geral do direito
 
Slides Hans Kelsen
Slides   Hans KelsenSlides   Hans Kelsen
Slides Hans Kelsen
 
Introdução ao Estudo do Direito (IED)
Introdução ao Estudo do Direito (IED)Introdução ao Estudo do Direito (IED)
Introdução ao Estudo do Direito (IED)
 
Filosofia do Direito Penal, esboço.
Filosofia do Direito Penal, esboço.Filosofia do Direito Penal, esboço.
Filosofia do Direito Penal, esboço.
 
A prece de um Juiz de Direito
A prece de um Juiz de DireitoA prece de um Juiz de Direito
A prece de um Juiz de Direito
 
Posições jurídicas dos individuos nas relações jurídicas
Posições jurídicas dos  individuos nas relações jurídicasPosições jurídicas dos  individuos nas relações jurídicas
Posições jurídicas dos individuos nas relações jurídicas
 
Direito civil 3
Direito civil 3Direito civil 3
Direito civil 3
 
Direitos e Deveres Jurídicos
Direitos e Deveres JurídicosDireitos e Deveres Jurídicos
Direitos e Deveres Jurídicos
 
Juspositivismo versus jusnaturalismo
Juspositivismo versus jusnaturalismoJuspositivismo versus jusnaturalismo
Juspositivismo versus jusnaturalismo
 
Justiça e direitos naturais
Justiça e direitos naturaisJustiça e direitos naturais
Justiça e direitos naturais
 
Positivismo jurdico -__kelsen
Positivismo jurdico -__kelsenPositivismo jurdico -__kelsen
Positivismo jurdico -__kelsen
 
IED004
IED004IED004
IED004
 
Positivismo juri dico
Positivismo juri dicoPositivismo juri dico
Positivismo juri dico
 
2.2 teoria do direito. jusnaturalismo. positivismo. ordens normativas
2.2 teoria do direito. jusnaturalismo. positivismo. ordens normativas2.2 teoria do direito. jusnaturalismo. positivismo. ordens normativas
2.2 teoria do direito. jusnaturalismo. positivismo. ordens normativas
 
testandoferramenta
testandoferramentatestandoferramenta
testandoferramenta
 

Semelhante a Direito natural x direito positivo

Aula 04 - As diversas concepções e paradigmas do direito e da justiça.ppt
Aula 04 - As diversas concepções e paradigmas do direito e da justiça.pptAula 04 - As diversas concepções e paradigmas do direito e da justiça.ppt
Aula 04 - As diversas concepções e paradigmas do direito e da justiça.ppt
LeandroMelo308032
 
Natural e positivo tercio
Natural e positivo tercioNatural e positivo tercio
Natural e positivo tercio
Rondinelle Salles
 
Direito Civil - Conceito e divisão do direito
Direito Civil - Conceito e divisão do direitoDireito Civil - Conceito e divisão do direito
Direito Civil - Conceito e divisão do direito
DiegoBayer2
 
Apostila iied.fev.2011
Apostila iied.fev.2011Apostila iied.fev.2011
Apostila iied.fev.2011
Direito2012sl08
 
A essencia do direito
A essencia do direitoA essencia do direito
A essencia do direito
Daniele Moura
 
1provadireito
1provadireito1provadireito
1provadireito
Vinicius Fernandes
 
Apresentação - Curso - Interpretação Constitucional
Apresentação - Curso - Interpretação ConstitucionalApresentação - Curso - Interpretação Constitucional
Apresentação - Curso - Interpretação Constitucional
alvanajuris
 
A hermenêutica do direito
A hermenêutica do direitoA hermenêutica do direito
A hermenêutica do direito
Hélio Gonçalves
 
O positivismo jurídico
O positivismo jurídicoO positivismo jurídico
O positivismo jurídico
Laura Schneider
 
Direito_e_Legislacao_secao_1_Nocoes_de_D (1) (2).ppt
Direito_e_Legislacao_secao_1_Nocoes_de_D (1) (2).pptDireito_e_Legislacao_secao_1_Nocoes_de_D (1) (2).ppt
Direito_e_Legislacao_secao_1_Nocoes_de_D (1) (2).ppt
Luís Gustavo Santos Encarnação
 
Unidade i
Unidade iUnidade i
Unidade i
Daniele Moura
 
Unidade i
Unidade iUnidade i
Unidade i
Daniele Moura
 
2º resumo fabiola
2º resumo fabiola2º resumo fabiola
2º resumo fabiola
Agassis Rodrigues
 
2º resumo fabiola
2º resumo fabiola2º resumo fabiola
2º resumo fabiola
Agassis Rodrigues
 
Material Complementar - Curso - Interpretação Constitucional
Material Complementar - Curso - Interpretação ConstitucionalMaterial Complementar - Curso - Interpretação Constitucional
Material Complementar - Curso - Interpretação Constitucional
alvanajuris
 
teoria do direito 2.pdf
teoria do direito 2.pdfteoria do direito 2.pdf
teoria do direito 2.pdf
D&H ASSESSORIA ACADÊMICA
 
teoria do direito 2.pdf
teoria do direito 2.pdfteoria do direito 2.pdf
teoria do direito 2.pdf
D&H ASSESSORIA ACADÊMICA
 
teoria do direito 2.pdf
teoria do direito 2.pdfteoria do direito 2.pdf
teoria do direito 2.pdf
D&H ASSESSORIA ACADÊMICA
 
Aula 1 07.08.2012
Aula 1  07.08.2012Aula 1  07.08.2012
1.classificacao.direito
1.classificacao.direito1.classificacao.direito
1.classificacao.direito
direitounimonte
 

Semelhante a Direito natural x direito positivo (20)

Aula 04 - As diversas concepções e paradigmas do direito e da justiça.ppt
Aula 04 - As diversas concepções e paradigmas do direito e da justiça.pptAula 04 - As diversas concepções e paradigmas do direito e da justiça.ppt
Aula 04 - As diversas concepções e paradigmas do direito e da justiça.ppt
 
Natural e positivo tercio
Natural e positivo tercioNatural e positivo tercio
Natural e positivo tercio
 
Direito Civil - Conceito e divisão do direito
Direito Civil - Conceito e divisão do direitoDireito Civil - Conceito e divisão do direito
Direito Civil - Conceito e divisão do direito
 
Apostila iied.fev.2011
Apostila iied.fev.2011Apostila iied.fev.2011
Apostila iied.fev.2011
 
A essencia do direito
A essencia do direitoA essencia do direito
A essencia do direito
 
1provadireito
1provadireito1provadireito
1provadireito
 
Apresentação - Curso - Interpretação Constitucional
Apresentação - Curso - Interpretação ConstitucionalApresentação - Curso - Interpretação Constitucional
Apresentação - Curso - Interpretação Constitucional
 
A hermenêutica do direito
A hermenêutica do direitoA hermenêutica do direito
A hermenêutica do direito
 
O positivismo jurídico
O positivismo jurídicoO positivismo jurídico
O positivismo jurídico
 
Direito_e_Legislacao_secao_1_Nocoes_de_D (1) (2).ppt
Direito_e_Legislacao_secao_1_Nocoes_de_D (1) (2).pptDireito_e_Legislacao_secao_1_Nocoes_de_D (1) (2).ppt
Direito_e_Legislacao_secao_1_Nocoes_de_D (1) (2).ppt
 
Unidade i
Unidade iUnidade i
Unidade i
 
Unidade i
Unidade iUnidade i
Unidade i
 
2º resumo fabiola
2º resumo fabiola2º resumo fabiola
2º resumo fabiola
 
2º resumo fabiola
2º resumo fabiola2º resumo fabiola
2º resumo fabiola
 
Material Complementar - Curso - Interpretação Constitucional
Material Complementar - Curso - Interpretação ConstitucionalMaterial Complementar - Curso - Interpretação Constitucional
Material Complementar - Curso - Interpretação Constitucional
 
teoria do direito 2.pdf
teoria do direito 2.pdfteoria do direito 2.pdf
teoria do direito 2.pdf
 
teoria do direito 2.pdf
teoria do direito 2.pdfteoria do direito 2.pdf
teoria do direito 2.pdf
 
teoria do direito 2.pdf
teoria do direito 2.pdfteoria do direito 2.pdf
teoria do direito 2.pdf
 
Aula 1 07.08.2012
Aula 1  07.08.2012Aula 1  07.08.2012
Aula 1 07.08.2012
 
1.classificacao.direito
1.classificacao.direito1.classificacao.direito
1.classificacao.direito
 

Último

Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 

Último (20)

Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 

Direito natural x direito positivo

  • 1. Discentes :Danrley, Ederson, Josiel,Monalisa, Paula,Vanderley, Whashington Mahelly Isabel, Taciana Ferreira Docentes: Lourenço Torres Disciplina:IED FACULDADE JOAQUIM NABUCO– FJN DIREITO
  • 2. Direito Natural x Direito Positivo O que é Direito Natural? É a ideia abstrata do Direito; o ordenamento ideal, correspondente a uma justiça superior e anterior. Um sistema de normas que independe do direito positivo, ou seja, independe das variações do ordenamento da vida social que se originam no Estado.
  • 3. Direito Natural x Direito Positivo -Suas principais características, além da universalidade, são imutabilidade e o seu conhecimento através da própria razão do homem.
  • 4. Direito Natural x Direito Positivo O direito natural é o pressuposto do que é correto, do que é justo, e parte do princípio de que existe um direito comum a todos os homens e que o mesmo é universal. Suas principais características, além da universalidade, são imutabilidade e o seu conhecimento através da própria razão do homem.
  • 5. Direito Natural x Direito Positivo  É a corrente de pensamento filosófico-jurídico que engloba todas as teorias defensoras da existência de um Direito Natural. Elas afirmam que além do Direito Positivo, existe uma outra ordem superior àquela, que é a expressão do “ direito justo”. O que é JUSNATURALISMO ? Divergem quanto: A origem e fundamentação desse Direito Natural.
  • 6. Direito Natural x Direito Positivo Conceito de Direito Natural
  • 7. Direito Natural x Direito Positivo O que é Direito Positivo? Um conjunto de normas estatuído oficialmente pelo Estado: - Leis Costumes É o ordenamento jurídico em vigor em determinado país e em determinada época; é o Direito posto.
  • 8. Direito Natural x Direito Positivo “ Direito Positivo é o direito institucionalizado pelo Estado, é a ordem jurídica em determinado lugar e tempo”. Paulo Nader O que é Direito Positivo?
  • 9. Direito Natural x Direito Positivo Positivismo Jurídico
  • 10. Direito Natural x Direito Positivo Positivismo Jurídico  O Positivismo jurídico  Ordem jurídica = emanada do Estado  Antagônico ao Direito Natural, satisfazendo-se completamente com o ‘ser’ do Direito Positivo, sem cogitar sobre a forma ideal do Direito, sobre o ‘dever-ser’ jurídico.  Para o positivista a lei assume a condição de único valor.  Direito Positivo: é o ordenamento jurídico em vigor num determinado país e numa determinada época (Washington de Barros Monteiro).
  • 11. Positivismo Jurídico Direito Natural x Direito Positivo  Os positivistas negam a existência e validade do Direito Natural por considerá-lo um ideal de justiça a ser atingido pelo homem.  Direito = Lei= produto do Estado. Consagração da lei como pressuposto da organização social. Para o positivismo a justiça é relativa, direito justo é o que o Estado-legislador dispõe.  Ditadura Militar e Nazismo.  Levam o Direito ao extremo, por considerá-lo uma norma jurídica autossuficiente, plena em si mesma, independente e desprovida de valores éticos, inclusive daqueles ditados pelo Direito Natural.
  • 12. Autores considerados positivistas Hans Kelsen (1881-1973) Para esse teórico, as normas do Direito Positivo, são postas pela vontade humana, arbitrária e, portanto, mutáveis; ao contrário , da questão das normas do Direito Natural , que já nos são dadas pela natureza anterior a toda a sua possível fixação por atos de vontade humana, normas por sua própria essência invariáveis e imutáveis.
  • 13. O Direito encontra-se depositado nas mãos do povo, que de acordo com sua livre e soberana vontade, pode moldá-lo da maneira que desejar. Defende a tese na qual o exercício do poder do Estado deve, inexoravelmente, ser impessoal, objetivando os interesses comuns dos seus cidadãos, e úteis para o Estado e a sociedade. Autores considerados positivistas Thomas Hobbes Jean-Jacques Rousseau
  • 14. Miguel Reale O direito deve ser estudado no seu Tríplice Aspecto: Autores considerados positivistas
  • 15. Direito Natural x Direito Positivo Doutrinas Jusnaturalistas e Juspositivistas - Para os Jusnaturalismo uma norma não é valida se não é justa. Para o Juspositivismo uma norma é justa se for válida, ou seja, se existe ou não como regra jurídica dentro de um determinado sistema jurídico, assim ela deve: ser emanada de autoridade competente ou autorizada; está em vigor; ser compatível com outra;
  • 16. Direito Natural x Direito Positivo  Universal  Eternas, Imutáveis e Irrevogáveis não possuem um caráter histórico; não resultam de um fenômeno  Independente da vontade humana  Ordem natural:  Deus x Razão humana, cosmológica, teológica ou antropológica. Doutrinas Jusnaturalistas e Juspositivistas Natural Positivismo  Caráter Formal  Caráter temporal, territorial  Leis postas, hierarquicamente organizadas, pleno e emanado do Estado, decorrente da vontade política  Revogável, Variável e Mutável, sendo o produto histórico de uma específica sociedade; obrigatório e válido, independente de seu conteúdo moral.
  • 17. Direito Natural x Direito Positivo Pós-Positivismo Crise do Positivismo Jurídico Derrota do fascismo na Itália Derrota do nazismo na Alemanha Regimes que promoveram a barbárie sob a proteção da legalidade. Ao fim da 2ª Guerra Mundial , a ética e os valores começaram a retornar ao Direito, inicialmente sob a forma de retorno ao Direito Natural , depois com a discussão do Pós-Positivismo.
  • 18. Direito Natural x Direito Positivo Os Pós-Positivistas contestam o postulado positivista de separação entre Direito, moral e política, considerando que o Direito depende da moral , tanto no momento de reconhecimento de sua validade como no momento de sua aplicação. Essa doutrina valoriza os princípios da moralidade, da justiça e na legitimação democrática. Nessa visão , os princípios constitucionais , tais como a dignidade humana , o bem-estar de todos ou a igualdade, influenciariam a aplicação das leis . Pós-Positivismo   
  • 19. Direito Natural x Direito Positivo Considerações Finais Diante desta realidade, defende-se a tese alicerçada no fato da existência do Direito Positivo e do Natural em consonância, onde o primeiro encontra no segundo, a solução para o conflito de normas e litígios existentes; e também na existência de uma lei natural que os homens respeitam, por ser formada por determinadas uniformidades na conduta humana e de uma força divina. É assim, um novo paradigma, dialético, plural, que busca acompanhar as profundas mudanças que a sociedade vêm sofrendo. Os operadores do Direito tanto usam a norma escrita como os pressupostos éticos, morais e principiológicos, buscando não se limitar, em sua atuação, a seguir cegamente o Juspositivismo, nem exercer o Jusnaturalismo como único pressuposto de sua atividade; pois o Direito decorre da razão, seja posta, seja pressuposta, da qual se tira a conclusão de que o Positivismo Jurídico não implica na negativa do Direito Natural.
  • 20. Referências • FERRAZ JÚNIOR, Tércio Sampaio. Introdução ao Estudo do Direito: técnica, decisão,dominação. 3. ed., São Paulo: Atlas, 2002. • KELSEN, Hans. Teoria Geral do Direito e da Justiça. São Paulo: Martins Fontes, 1995. • NADER, Paulo. Filosofia do Direito. 6. ed., Rio de Janeiro: Forense, 1998. • REALE, Miguel. Direito Natural/Direito Positivo. São Paulo: Saraiva, 1984.