SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
CiênciaPolítica
Ciência Política
(Paulo Bonavides - 2013)
Prof. Me. Israel Serique
CiênciaPolítica 3. A SOCIEDADE E O ESTADO
3.1 Conceito de Sociedade
“Todo complexo de relações do homem com seus semelhantes” (Talcott
Parsons: sociólogo americano).
a. Conceito Mecanicista de Sociedade
É o grupo derivado de um acordo de vontades, de membros que buscam,
mediante o vínculo associativo, um interesse comum impossível de obter-se pelos
esforços isolados dos indivíduos (Toennies).
O indivíduo tem seus fins autônomos e aptidão para mover-se no interior dos
grupos, o que possibilita ora a sua ascensão, ora o seu descenso.
Este conceito é predominantemente filosófico e fundamenta-se no direito
natural. Seus corolários acabam sob o aspecto político, na explicação e legitimação
do poder democrático.
A base da sociedade é o assentimento (concordância) e não o princípio da
autoridade. A razão é a guia da convivência humana, com o apoio da vontade livre.
b. Conceito Orgânico de Sociedade
O conjunto de relações mediante as quais vários indivíduos vivem e atuam
solidariamente e ordem a formar uma entidade nova e superior (Del Vecchio)
É um conceito que procede de Aristóteles e Platão, e que assinala o caráter
social do homem e sua natureza como “ser político”.
Segundo este pensamento, somente os deuses ou os seres brutos ficam à
margem dos laços da sociabilidade.
Os organicistas, na teoria da sociedade e do Estado, se veem arrastados às
posições direitistas e antidemocráticas, ao autoritarismo, às justificações
reacionárias.
CiênciaPolítica Sociedade e Comunidade
a. Sociedade
Supõe a ação conjunta e racional dos indivíduos no seio da ordem
jurídica e econômica; nela “os homens, a despeito de todos os laços,
permanecem separados”.
Nesta impera a forma e a ordem
Nela há a solidariedade mecânica
b. Comunidade
Implica na existência de formas de vida e organização social, onde
impera essencialmente uma solidariedade feita de vínculos psíquicos . É
feita de afetos, simpatias, emoções, confiança e laços de dependência.
Nesta impera a matéria e a substância.
Nela há a solidariedade orgânica.
Ela antecede a sociedade
CiênciaPolítica Sociedade e Estado
A sociedade, algo interposto entre o indivíduo e o Estado, é a
realidade intermediária.
Rousseau foi que distinguiu com mais acuidade a Sociedade do
Estado. A Sociedade é o conjunto de daqueles grupos fragmentados,
onde, do conflito de interesses reinantes só pode recolher a vontade de
todos; ao passo que o Estado vale como algo que se exprime numa
vontade geral, a única autêntica.
O conceito de sociedade tomou sucessivamente três sentidos no curso
de sua caminhada histórica:
a. Conceito Jurídico com Rousseau;
b. Conceito econômico com Ferguson, Smith, Saint-Simon e Marx;
c. Conceito sociológico com Comte, Spencer e Toennies.
Marx e Engels
a. Conservaram a distinção conceitual entre Estado e Sociedade;
b. Não aceitavam a ideia de que o estado era algo separado da
sociedade, que tivesse existência à parte e autônoma;
c. O estado é produto da sociedade, instrumento das contradições
sociais, e só se explica como fase histórica, à luz do desenvolvimento da
Sociedade e dos antagonismos de classe.
CiênciaPolítica Desde Comte e Spencer, a Sociologia busca apagar a suposta
contradição entre o Estado e a Sociedade.
O Sociólogo reduz o Estado a uma das formas da sociedade,
caracterizada pela especificidade de seu objetivo: a promoção da ordem
política, a organização coercitiva dos poderes sociais de decisão; em
concomitância com outras sociedades , como as da natureza econômica,
religiosa, educacional, linguística etc.
CiênciaPolítica O Conceito de Estado
O Estado como ordem política da Sociedade é conhecida desde a
Antiguidade através da polis dos gregos e civitas e a res publica dos
romanos.
a. Pela personificação do vínculo comunitário;
b. Pela personificação de aderência à ordem política;
c. Pela personificação de cidadania.
O emprego moderno do nome Estado remonta a Maquiavel, no livro
O Príncipe: “Todos os Estados, todos os domínios que têm tido ou têm
império sobre os homens são Estados, e são repúblicas ou principados”.
CiênciaPolítica 1. Acepção Filosófica do Estado
Hegel definiu o Estado como a “realidade da ideia moral”, a “substância
ética cosnciente de si mesma”, o valor social mais alto, que concilia a
contradição Família e Sociedade, como instituições acima da qual
sobrepaira tão-somente o absoluto.
2. Acepção Jurídica do Estado
Kant viu no Estado apenas o ângulo jurídico, ao concebê-lo como “a
reunião de uma multidão de homens vivendo sob as leis do Direito”.
Del Vecchio viu o Estado como “o sujeito da ordem jurídica na qual se
realiza a comunidade de vida de um povo” ou “a expressão potestativa da
Sociedade”.
Seu conceito separa o Estado da Sociedade. O Estado é o laço jurídico ou
político ao passo que a Sociedade é uma pluralidade de laços.
Burdeau assinala o aspecto institucional do poder.
O Estado se forma quando o poder assenta numa instituição e não num
homem. Chega-se a esse resultado mediante uma operação jurídica que eu
chamo a institucionalização do poder.
Para Jean-Yves Calvez, O Estado é a generalização da sujeição do poder ao
direito; por um certa despersonalização.
O Estado só existirá onde for concebido como um poder independente da
pessoa dos governantes.
CiênciaPolítica 3. Acepção Sociológica do Estado
Marx Definiu o Estado como sendo “o poder organizado de uma classe para a
opressão de outra”.
Engels afirmou que o Estado “é uma organização da respectiva classe exploradora
para a manutenção de suas condições externas de produção, a saber, para a
opressão das classes exploradas”
Marx e Engels, explicam o Estado como fenômeno histórico passageiro, oriundo da
aparição da luta de classes na Sociedade.
Franz Oppenheimer, sob influência marxista, afirmou que o Estado, pela origem e
pela essência, não passa daquela “instituição social que um grupo vitorioso impôs a
um grupo vencido com o único fim de organizar o domínio do primeiro sobre o
segundo e resguardar-se contra rebeliões intestinais e agressões estrangeiras.”
Léon Duguit considera o Estado coletividade que se caracteriza apenas por
assinalada e duradoura diferenciação entre fortes e fracos, onde os fortes
monopolizam a força, de modo concentrado e organizado.
Von Jehring destaca no Estado o aspecto coercitivo. O Estado é “a organização do
poder de coerção” ou “a organização da coação social” ou “a sociedade como titular
de um poder coercitivo regulado e disciplinado”, sendo o Direito “a disciplina da
coação”.
Marx Weber afirmou que o conceito de Estado repousa na organização ou
instituição da violência. Sem meios coercitivos não há Estado.
O Estado moderno racionalizou o emprego da violência, ao mesmo que o fez
legítimo.
O Estado é aquela comunidade humana que, dentro de um determinado teritório,
reivindica para si, de maneira bem-sucedida, o monopólio da violência física
legítima.
CiênciaPolítica Elementos Constitutivos do Estado
Léon Duguit considera o Estado coletividade que se caracteriza apenas por
assinalada e duradoura diferenciação entre fortes e fracos, onde os fortes
monopolizam a força, de modo concentrado e organizado. O Estado é “um grupo
fixado em um determinado território”
O conceito de Duguit é o que melhor revela os elementos constitutivos que a teoria
política ordinariamente reconhece no Estado.
1. Elementos da Ordem Formal
Há o poder político na Sociedade, que, segundo Duguit, surge do domínio dos mais
fortes sobre os mais fracos.
2. Elemento da Ordem Material
a. O elemento humano, que se qualifica em graus distintos, como população, povo e
nação, isto é, em termos demográficos, jurídicos e culturais
b. O elemento território, onde o estado está delimitado geograficamente.
Paulo Bonavides faz objeção ao conceito de Estado de Duguit quanto a questão de
que o poder implica sempre a dominação dos mais fracos pelos mais forte.
Admitir essa dominação como inerente equivaleria a excluir a possibilidade de um
Estado eventualmente acima das classes sociais e dotado de características neutrais
que pudessem em determinadas circunstâncias convertê-lo no juiz ou disciplinador
correto e insuspeito de arrogantes interesses rivais.
Paulo Bonavides indica o conceito de Georg Jellinek, o qual afirma que o Estado “é a
corporação de um povo, assentado num determinado território e dotada de um
poder originário de mando”.
4. A POPULAÇÃO E O POVO
4.1 O Conceito de População
Todas as pessoas presentes no território do Estado, num determinado momento,
inclusive estrangeiros e apátridas [indivíduo que não é titular de qualquer nacionalidade],
fazem parte da população.
A população é um conceito puramente demográfico e estatístico.
a. Do ponto de vista econômico, a população tanto pode significar fator de poderia e
engrandecimento como também causa de debilidade para ordenamento estatal.
b. Do ponto de vista político, as características econômicas da população estão ligadas
solidariamente ao aspecto político. O maior ou menor coeficiente populacional hão de valer
como dado variável de grandeza ou miséria do Estado.
No mundo antigo , os Estados se constituíam nas raias da comunidade, dentro de uma
cidade, a polis, Estado-cidade.
Houve quem pretendesse determinar o quantum mínimo desde o qual existiria o
Estado (20, 30 ou 40 mil habitantes).
CiênciaPolítica
CiênciaPolítica Conceito Político de Povo
É o quadro humano sufragante, que se politizou (quer dizer, que assumiu
capacidade decisória), ou seja, o corpo eleitoral.
Esse conceito político prende-se a uma concepção ideológica: a das
burguesias que implantaram o sistema representativo e impuseram a participação
dos governados, desencadeando o processo que converteria estes de objeto em
sujeito de ordem política.
Conceito Jurídico de Povo
Exprime o conjunto de pessoas vinculadas de forma institucional e estável a
um determinado ordenamento jurídico, ou Ranelletti, “o conjunto de indivíduos
que pertencem ao Estado, isto é, o conjunto de cidadãos”.
A cidadania é aprova de identidade que mostra a relação ou vínculo do
indivíduo com o Estado. É mediante essa relação que uma pessoa cosntitui fração
ou parte de um povo.
Conceito Sociológico de Povo
Também tido como conceito naturalista ou étnico .
Do ponto de vista sociológico há uma equivalência do conceito de povo com
o de nação.
O povo é compreendido como toda a continuidade do elemento humano,
projetado historicamente no decurso de várias gerações e dotado de valores e
aspirações comuns.
CiênciaPolítica
Profº Ms. Israel Serique dos Santos [Doutorando e Mestre em
Ciências da Religião (PUC-Goiás); Licenciado em Pedagogia (UVA-Ceará) e
História (UVA-Ceará)]; Bacharel em Teologia (FACETEN-Roraima); licenciando
em Matemática (UNIFAN-Goiás).
e-mail: israelserique@gmail.com
Material extraído da obra de Paulo Bonavides “Ciência Política” (2013)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ciêcia Política_Cap.3_Paulo Bonavides
Ciêcia Política_Cap.3_Paulo BonavidesCiêcia Política_Cap.3_Paulo Bonavides
Ciêcia Política_Cap.3_Paulo BonavidesGaspar Neto
 
Hannah arendt e o totalitarismo
Hannah arendt e o totalitarismoHannah arendt e o totalitarismo
Hannah arendt e o totalitarismoArlindo Picoli
 
Elementos de teoria geral do estado - resumo
Elementos de teoria geral do estado - resumoElementos de teoria geral do estado - resumo
Elementos de teoria geral do estado - resumoDeysi Macedo
 
Teoria Geral do Estado - Aula 5
Teoria Geral do Estado - Aula 5Teoria Geral do Estado - Aula 5
Teoria Geral do Estado - Aula 5Carlagi Gi
 
Liberdade, propriedade, fraternidade
Liberdade, propriedade, fraternidadeLiberdade, propriedade, fraternidade
Liberdade, propriedade, fraternidadeWilton Moretto
 
A república de platão resumo
A república de platão   resumoA república de platão   resumo
A república de platão resumomarianicristina
 
Do contrato social Vol. 1
Do contrato social Vol. 1 Do contrato social Vol. 1
Do contrato social Vol. 1 ThaisRocha05
 
Contratualistas quadro-comparativo
Contratualistas quadro-comparativoContratualistas quadro-comparativo
Contratualistas quadro-comparativoEurico Junior
 
Os contratualistas: Hobbes e Locke
Os contratualistas: Hobbes e LockeOs contratualistas: Hobbes e Locke
Os contratualistas: Hobbes e LockeRogerio Terra
 
Teoria Geral do Estado - Aula 3
Teoria Geral do Estado - Aula 3Teoria Geral do Estado - Aula 3
Teoria Geral do Estado - Aula 3Carlagi Gi
 
Teoria Geral do Estado - Aula 4
Teoria Geral do Estado - Aula 4Teoria Geral do Estado - Aula 4
Teoria Geral do Estado - Aula 4Carlagi Gi
 
01 a - dir const - organização do estado
01   a - dir const - organização do estado01   a - dir const - organização do estado
01 a - dir const - organização do estadoRicardo Barbosa
 
Direito natural x direito positivo
Direito natural x direito positivoDireito natural x direito positivo
Direito natural x direito positivoLeonardo Leitão
 
Elementos de teoria geral do estado - 2° Aula
Elementos de teoria geral do estado - 2° AulaElementos de teoria geral do estado - 2° Aula
Elementos de teoria geral do estado - 2° AulaDeysi Macedo
 
Ciencia politica conceitos
Ciencia politica conceitosCiencia politica conceitos
Ciencia politica conceitosLucas Lima Silva
 
Tge questões para a prova
Tge questões para a provaTge questões para a prova
Tge questões para a provaVivianne Sousa
 

Mais procurados (20)

Ciêcia Política_Cap.3_Paulo Bonavides
Ciêcia Política_Cap.3_Paulo BonavidesCiêcia Política_Cap.3_Paulo Bonavides
Ciêcia Política_Cap.3_Paulo Bonavides
 
Hannah arendt e o totalitarismo
Hannah arendt e o totalitarismoHannah arendt e o totalitarismo
Hannah arendt e o totalitarismo
 
Elementos de teoria geral do estado - resumo
Elementos de teoria geral do estado - resumoElementos de teoria geral do estado - resumo
Elementos de teoria geral do estado - resumo
 
Teoria Geral do Estado - Aula 5
Teoria Geral do Estado - Aula 5Teoria Geral do Estado - Aula 5
Teoria Geral do Estado - Aula 5
 
Ciência política
Ciência política Ciência política
Ciência política
 
Liberdade, propriedade, fraternidade
Liberdade, propriedade, fraternidadeLiberdade, propriedade, fraternidade
Liberdade, propriedade, fraternidade
 
A república de platão resumo
A república de platão   resumoA república de platão   resumo
A república de platão resumo
 
Do contrato social Vol. 1
Do contrato social Vol. 1 Do contrato social Vol. 1
Do contrato social Vol. 1
 
Contratualistas quadro-comparativo
Contratualistas quadro-comparativoContratualistas quadro-comparativo
Contratualistas quadro-comparativo
 
Contratualistas
ContratualistasContratualistas
Contratualistas
 
Contratualismo e Hobbes
Contratualismo e HobbesContratualismo e Hobbes
Contratualismo e Hobbes
 
Os contratualistas: Hobbes e Locke
Os contratualistas: Hobbes e LockeOs contratualistas: Hobbes e Locke
Os contratualistas: Hobbes e Locke
 
Teoria Geral do Estado - Aula 3
Teoria Geral do Estado - Aula 3Teoria Geral do Estado - Aula 3
Teoria Geral do Estado - Aula 3
 
Teoria Geral do Estado - Aula 4
Teoria Geral do Estado - Aula 4Teoria Geral do Estado - Aula 4
Teoria Geral do Estado - Aula 4
 
01 a - dir const - organização do estado
01   a - dir const - organização do estado01   a - dir const - organização do estado
01 a - dir const - organização do estado
 
Direito natural x direito positivo
Direito natural x direito positivoDireito natural x direito positivo
Direito natural x direito positivo
 
Elementos de teoria geral do estado - 2° Aula
Elementos de teoria geral do estado - 2° AulaElementos de teoria geral do estado - 2° Aula
Elementos de teoria geral do estado - 2° Aula
 
Ciencia politica conceitos
Ciencia politica conceitosCiencia politica conceitos
Ciencia politica conceitos
 
07 contrato social - rousseau
07  contrato social - rousseau07  contrato social - rousseau
07 contrato social - rousseau
 
Tge questões para a prova
Tge questões para a provaTge questões para a prova
Tge questões para a prova
 

Semelhante a Ciência Política: Bonavides 3 4 5

Ci%cancia%20 pol%cdtica%20conceitos%20b%c1sicos
Ci%cancia%20 pol%cdtica%20conceitos%20b%c1sicosCi%cancia%20 pol%cdtica%20conceitos%20b%c1sicos
Ci%cancia%20 pol%cdtica%20conceitos%20b%c1sicosAthilla Henrique
 
Cap14 filosofiapoltica-130123100652-phpapp02
Cap14 filosofiapoltica-130123100652-phpapp02Cap14 filosofiapoltica-130123100652-phpapp02
Cap14 filosofiapoltica-130123100652-phpapp02Clesia Moreira
 
Fil do direito politica
Fil do direito politicaFil do direito politica
Fil do direito politicaMariana Mendes
 
Conceituando pol ticas_educacionais
Conceituando pol ticas_educacionaisConceituando pol ticas_educacionais
Conceituando pol ticas_educacionaisSyl Vidal
 
Filosofia, Política e Ética
Filosofia, Política e ÉticaFilosofia, Política e Ética
Filosofia, Política e ÉticaCarson Souza
 
TGE- teoria geral do estadoperguntas20e20respostas.ppt
TGE- teoria geral do estadoperguntas20e20respostas.pptTGE- teoria geral do estadoperguntas20e20respostas.ppt
TGE- teoria geral do estadoperguntas20e20respostas.pptdramagnoliaaleixoadv
 
Vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
VvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvVvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
Vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvrose soratto
 
Estado, sociedade e poder 3 II
Estado, sociedade e poder 3 IIEstado, sociedade e poder 3 II
Estado, sociedade e poder 3 IIedsonfgodoy
 
Política, poder e Estado
Política, poder e EstadoPolítica, poder e Estado
Política, poder e EstadoMary Alvarenga
 
1000%20 perguntas%20e%20respostas%20sobre%20teoria%20geral%20do%20estado%20de...
1000%20 perguntas%20e%20respostas%20sobre%20teoria%20geral%20do%20estado%20de...1000%20 perguntas%20e%20respostas%20sobre%20teoria%20geral%20do%20estado%20de...
1000%20 perguntas%20e%20respostas%20sobre%20teoria%20geral%20do%20estado%20de...andrea almeida
 
Estado- A instituição que detém o poder politico
Estado- A instituição que detém o poder politicoEstado- A instituição que detém o poder politico
Estado- A instituição que detém o poder politicojessica Nogueira
 
Filosofia política
Filosofia política Filosofia política
Filosofia política Elson Junior
 
Filosofia PolíTica
Filosofia PolíTicaFilosofia PolíTica
Filosofia PolíTicaguestc51fe5
 

Semelhante a Ciência Política: Bonavides 3 4 5 (20)

Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
 
Política de turismo aula 1
Política de turismo   aula 1Política de turismo   aula 1
Política de turismo aula 1
 
Ci%cancia%20 pol%cdtica%20conceitos%20b%c1sicos
Ci%cancia%20 pol%cdtica%20conceitos%20b%c1sicosCi%cancia%20 pol%cdtica%20conceitos%20b%c1sicos
Ci%cancia%20 pol%cdtica%20conceitos%20b%c1sicos
 
Cap14 filosofiapoltica-130123100652-phpapp02
Cap14 filosofiapoltica-130123100652-phpapp02Cap14 filosofiapoltica-130123100652-phpapp02
Cap14 filosofiapoltica-130123100652-phpapp02
 
Aula 14 - Estado Nacional e Poder Político
Aula 14 - Estado Nacional e Poder PolíticoAula 14 - Estado Nacional e Poder Político
Aula 14 - Estado Nacional e Poder Político
 
Filosofia poltica
Filosofia polticaFilosofia poltica
Filosofia poltica
 
Módulo 5
Módulo 5Módulo 5
Módulo 5
 
Fil do direito politica
Fil do direito politicaFil do direito politica
Fil do direito politica
 
Conceituando pol ticas_educacionais
Conceituando pol ticas_educacionaisConceituando pol ticas_educacionais
Conceituando pol ticas_educacionais
 
Filosofia, Política e Ética
Filosofia, Política e ÉticaFilosofia, Política e Ética
Filosofia, Política e Ética
 
TGE- teoria geral do estadoperguntas20e20respostas.ppt
TGE- teoria geral do estadoperguntas20e20respostas.pptTGE- teoria geral do estadoperguntas20e20respostas.ppt
TGE- teoria geral do estadoperguntas20e20respostas.ppt
 
Vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
VvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvVvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
Vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
 
Estado, sociedade e poder 3 II
Estado, sociedade e poder 3 IIEstado, sociedade e poder 3 II
Estado, sociedade e poder 3 II
 
POLITICA.pptx
POLITICA.pptxPOLITICA.pptx
POLITICA.pptx
 
Política, poder e Estado
Política, poder e EstadoPolítica, poder e Estado
Política, poder e Estado
 
1000%20 perguntas%20e%20respostas%20sobre%20teoria%20geral%20do%20estado%20de...
1000%20 perguntas%20e%20respostas%20sobre%20teoria%20geral%20do%20estado%20de...1000%20 perguntas%20e%20respostas%20sobre%20teoria%20geral%20do%20estado%20de...
1000%20 perguntas%20e%20respostas%20sobre%20teoria%20geral%20do%20estado%20de...
 
Estado- A instituição que detém o poder politico
Estado- A instituição que detém o poder politicoEstado- A instituição que detém o poder politico
Estado- A instituição que detém o poder politico
 
Filosofia política
Filosofia política Filosofia política
Filosofia política
 
Teoria do Estado... Introdução...
Teoria do Estado... Introdução...Teoria do Estado... Introdução...
Teoria do Estado... Introdução...
 
Filosofia PolíTica
Filosofia PolíTicaFilosofia PolíTica
Filosofia PolíTica
 

Mais de Israel serique

Políticas públicas - EJA
Políticas públicas - EJAPolíticas públicas - EJA
Políticas públicas - EJAIsrael serique
 
Tendências pedagógicas
Tendências pedagógicasTendências pedagógicas
Tendências pedagógicasIsrael serique
 
Psicogênese da Língua Escrita 2
Psicogênese da Língua Escrita 2Psicogênese da Língua Escrita 2
Psicogênese da Língua Escrita 2Israel serique
 
Psicogênese da língua escrita 1
Psicogênese da língua escrita  1Psicogênese da língua escrita  1
Psicogênese da língua escrita 1Israel serique
 
Alfabetização e letramento 04
Alfabetização e letramento 04Alfabetização e letramento 04
Alfabetização e letramento 04Israel serique
 
Alfabetização e letramento 02
Alfabetização e letramento 02Alfabetização e letramento 02
Alfabetização e letramento 02Israel serique
 
Alfabetização e letramento 01
Alfabetização e letramento 01Alfabetização e letramento 01
Alfabetização e letramento 01Israel serique
 
Novas tecnologias cap 3 slide
Novas tecnologias cap 3 slideNovas tecnologias cap 3 slide
Novas tecnologias cap 3 slideIsrael serique
 
Novas tecnologias cap 2 final slide
Novas tecnologias cap 2 final slideNovas tecnologias cap 2 final slide
Novas tecnologias cap 2 final slideIsrael serique
 
Assistivos slide cap 2
Assistivos slide cap 2Assistivos slide cap 2
Assistivos slide cap 2Israel serique
 
Novas tecnologias slide cap 1
Novas tecnologias slide cap 1Novas tecnologias slide cap 1
Novas tecnologias slide cap 1Israel serique
 
Aula 04: equipamentos e materiais didáticos
Aula 04: equipamentos e materiais didáticosAula 04: equipamentos e materiais didáticos
Aula 04: equipamentos e materiais didáticosIsrael serique
 
tecnologias assistivas e educação
tecnologias assistivas e educaçãotecnologias assistivas e educação
tecnologias assistivas e educaçãoIsrael serique
 
Aula 03: equipamentos didáticos
Aula 03: equipamentos didáticosAula 03: equipamentos didáticos
Aula 03: equipamentos didáticosIsrael serique
 

Mais de Israel serique (20)

UA 02.pdf
UA 02.pdfUA 02.pdf
UA 02.pdf
 
Políticas públicas - EJA
Políticas públicas - EJAPolíticas públicas - EJA
Políticas públicas - EJA
 
Tendências pedagógicas
Tendências pedagógicasTendências pedagógicas
Tendências pedagógicas
 
Psicogênese da Língua Escrita 2
Psicogênese da Língua Escrita 2Psicogênese da Língua Escrita 2
Psicogênese da Língua Escrita 2
 
Psicogênese da língua escrita 1
Psicogênese da língua escrita  1Psicogênese da língua escrita  1
Psicogênese da língua escrita 1
 
Alfabetização e letramento 04
Alfabetização e letramento 04Alfabetização e letramento 04
Alfabetização e letramento 04
 
Edu básica 04
Edu básica 04Edu básica 04
Edu básica 04
 
Edu básica 03
Edu básica 03Edu básica 03
Edu básica 03
 
Edu básica 01
Edu básica 01Edu básica 01
Edu básica 01
 
Edu básica 02:
Edu básica 02: Edu básica 02:
Edu básica 02:
 
Desenv e linguagem
Desenv e linguagemDesenv e linguagem
Desenv e linguagem
 
Alfabetização e letramento 02
Alfabetização e letramento 02Alfabetização e letramento 02
Alfabetização e letramento 02
 
Alfabetização e letramento 01
Alfabetização e letramento 01Alfabetização e letramento 01
Alfabetização e letramento 01
 
Novas tecnologias cap 3 slide
Novas tecnologias cap 3 slideNovas tecnologias cap 3 slide
Novas tecnologias cap 3 slide
 
Novas tecnologias cap 2 final slide
Novas tecnologias cap 2 final slideNovas tecnologias cap 2 final slide
Novas tecnologias cap 2 final slide
 
Assistivos slide cap 2
Assistivos slide cap 2Assistivos slide cap 2
Assistivos slide cap 2
 
Novas tecnologias slide cap 1
Novas tecnologias slide cap 1Novas tecnologias slide cap 1
Novas tecnologias slide cap 1
 
Aula 04: equipamentos e materiais didáticos
Aula 04: equipamentos e materiais didáticosAula 04: equipamentos e materiais didáticos
Aula 04: equipamentos e materiais didáticos
 
tecnologias assistivas e educação
tecnologias assistivas e educaçãotecnologias assistivas e educação
tecnologias assistivas e educação
 
Aula 03: equipamentos didáticos
Aula 03: equipamentos didáticosAula 03: equipamentos didáticos
Aula 03: equipamentos didáticos
 

Último

QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasBibliotecaViatodos
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 

Último (20)

QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 

Ciência Política: Bonavides 3 4 5

  • 1. CiênciaPolítica Ciência Política (Paulo Bonavides - 2013) Prof. Me. Israel Serique
  • 2. CiênciaPolítica 3. A SOCIEDADE E O ESTADO 3.1 Conceito de Sociedade “Todo complexo de relações do homem com seus semelhantes” (Talcott Parsons: sociólogo americano). a. Conceito Mecanicista de Sociedade É o grupo derivado de um acordo de vontades, de membros que buscam, mediante o vínculo associativo, um interesse comum impossível de obter-se pelos esforços isolados dos indivíduos (Toennies). O indivíduo tem seus fins autônomos e aptidão para mover-se no interior dos grupos, o que possibilita ora a sua ascensão, ora o seu descenso. Este conceito é predominantemente filosófico e fundamenta-se no direito natural. Seus corolários acabam sob o aspecto político, na explicação e legitimação do poder democrático. A base da sociedade é o assentimento (concordância) e não o princípio da autoridade. A razão é a guia da convivência humana, com o apoio da vontade livre. b. Conceito Orgânico de Sociedade O conjunto de relações mediante as quais vários indivíduos vivem e atuam solidariamente e ordem a formar uma entidade nova e superior (Del Vecchio) É um conceito que procede de Aristóteles e Platão, e que assinala o caráter social do homem e sua natureza como “ser político”. Segundo este pensamento, somente os deuses ou os seres brutos ficam à margem dos laços da sociabilidade. Os organicistas, na teoria da sociedade e do Estado, se veem arrastados às posições direitistas e antidemocráticas, ao autoritarismo, às justificações reacionárias.
  • 3. CiênciaPolítica Sociedade e Comunidade a. Sociedade Supõe a ação conjunta e racional dos indivíduos no seio da ordem jurídica e econômica; nela “os homens, a despeito de todos os laços, permanecem separados”. Nesta impera a forma e a ordem Nela há a solidariedade mecânica b. Comunidade Implica na existência de formas de vida e organização social, onde impera essencialmente uma solidariedade feita de vínculos psíquicos . É feita de afetos, simpatias, emoções, confiança e laços de dependência. Nesta impera a matéria e a substância. Nela há a solidariedade orgânica. Ela antecede a sociedade
  • 4. CiênciaPolítica Sociedade e Estado A sociedade, algo interposto entre o indivíduo e o Estado, é a realidade intermediária. Rousseau foi que distinguiu com mais acuidade a Sociedade do Estado. A Sociedade é o conjunto de daqueles grupos fragmentados, onde, do conflito de interesses reinantes só pode recolher a vontade de todos; ao passo que o Estado vale como algo que se exprime numa vontade geral, a única autêntica. O conceito de sociedade tomou sucessivamente três sentidos no curso de sua caminhada histórica: a. Conceito Jurídico com Rousseau; b. Conceito econômico com Ferguson, Smith, Saint-Simon e Marx; c. Conceito sociológico com Comte, Spencer e Toennies. Marx e Engels a. Conservaram a distinção conceitual entre Estado e Sociedade; b. Não aceitavam a ideia de que o estado era algo separado da sociedade, que tivesse existência à parte e autônoma; c. O estado é produto da sociedade, instrumento das contradições sociais, e só se explica como fase histórica, à luz do desenvolvimento da Sociedade e dos antagonismos de classe.
  • 5. CiênciaPolítica Desde Comte e Spencer, a Sociologia busca apagar a suposta contradição entre o Estado e a Sociedade. O Sociólogo reduz o Estado a uma das formas da sociedade, caracterizada pela especificidade de seu objetivo: a promoção da ordem política, a organização coercitiva dos poderes sociais de decisão; em concomitância com outras sociedades , como as da natureza econômica, religiosa, educacional, linguística etc.
  • 6. CiênciaPolítica O Conceito de Estado O Estado como ordem política da Sociedade é conhecida desde a Antiguidade através da polis dos gregos e civitas e a res publica dos romanos. a. Pela personificação do vínculo comunitário; b. Pela personificação de aderência à ordem política; c. Pela personificação de cidadania. O emprego moderno do nome Estado remonta a Maquiavel, no livro O Príncipe: “Todos os Estados, todos os domínios que têm tido ou têm império sobre os homens são Estados, e são repúblicas ou principados”.
  • 7. CiênciaPolítica 1. Acepção Filosófica do Estado Hegel definiu o Estado como a “realidade da ideia moral”, a “substância ética cosnciente de si mesma”, o valor social mais alto, que concilia a contradição Família e Sociedade, como instituições acima da qual sobrepaira tão-somente o absoluto. 2. Acepção Jurídica do Estado Kant viu no Estado apenas o ângulo jurídico, ao concebê-lo como “a reunião de uma multidão de homens vivendo sob as leis do Direito”. Del Vecchio viu o Estado como “o sujeito da ordem jurídica na qual se realiza a comunidade de vida de um povo” ou “a expressão potestativa da Sociedade”. Seu conceito separa o Estado da Sociedade. O Estado é o laço jurídico ou político ao passo que a Sociedade é uma pluralidade de laços. Burdeau assinala o aspecto institucional do poder. O Estado se forma quando o poder assenta numa instituição e não num homem. Chega-se a esse resultado mediante uma operação jurídica que eu chamo a institucionalização do poder. Para Jean-Yves Calvez, O Estado é a generalização da sujeição do poder ao direito; por um certa despersonalização. O Estado só existirá onde for concebido como um poder independente da pessoa dos governantes.
  • 8. CiênciaPolítica 3. Acepção Sociológica do Estado Marx Definiu o Estado como sendo “o poder organizado de uma classe para a opressão de outra”. Engels afirmou que o Estado “é uma organização da respectiva classe exploradora para a manutenção de suas condições externas de produção, a saber, para a opressão das classes exploradas” Marx e Engels, explicam o Estado como fenômeno histórico passageiro, oriundo da aparição da luta de classes na Sociedade. Franz Oppenheimer, sob influência marxista, afirmou que o Estado, pela origem e pela essência, não passa daquela “instituição social que um grupo vitorioso impôs a um grupo vencido com o único fim de organizar o domínio do primeiro sobre o segundo e resguardar-se contra rebeliões intestinais e agressões estrangeiras.” Léon Duguit considera o Estado coletividade que se caracteriza apenas por assinalada e duradoura diferenciação entre fortes e fracos, onde os fortes monopolizam a força, de modo concentrado e organizado. Von Jehring destaca no Estado o aspecto coercitivo. O Estado é “a organização do poder de coerção” ou “a organização da coação social” ou “a sociedade como titular de um poder coercitivo regulado e disciplinado”, sendo o Direito “a disciplina da coação”. Marx Weber afirmou que o conceito de Estado repousa na organização ou instituição da violência. Sem meios coercitivos não há Estado. O Estado moderno racionalizou o emprego da violência, ao mesmo que o fez legítimo. O Estado é aquela comunidade humana que, dentro de um determinado teritório, reivindica para si, de maneira bem-sucedida, o monopólio da violência física legítima.
  • 9. CiênciaPolítica Elementos Constitutivos do Estado Léon Duguit considera o Estado coletividade que se caracteriza apenas por assinalada e duradoura diferenciação entre fortes e fracos, onde os fortes monopolizam a força, de modo concentrado e organizado. O Estado é “um grupo fixado em um determinado território” O conceito de Duguit é o que melhor revela os elementos constitutivos que a teoria política ordinariamente reconhece no Estado. 1. Elementos da Ordem Formal Há o poder político na Sociedade, que, segundo Duguit, surge do domínio dos mais fortes sobre os mais fracos. 2. Elemento da Ordem Material a. O elemento humano, que se qualifica em graus distintos, como população, povo e nação, isto é, em termos demográficos, jurídicos e culturais b. O elemento território, onde o estado está delimitado geograficamente. Paulo Bonavides faz objeção ao conceito de Estado de Duguit quanto a questão de que o poder implica sempre a dominação dos mais fracos pelos mais forte. Admitir essa dominação como inerente equivaleria a excluir a possibilidade de um Estado eventualmente acima das classes sociais e dotado de características neutrais que pudessem em determinadas circunstâncias convertê-lo no juiz ou disciplinador correto e insuspeito de arrogantes interesses rivais. Paulo Bonavides indica o conceito de Georg Jellinek, o qual afirma que o Estado “é a corporação de um povo, assentado num determinado território e dotada de um poder originário de mando”.
  • 10. 4. A POPULAÇÃO E O POVO 4.1 O Conceito de População Todas as pessoas presentes no território do Estado, num determinado momento, inclusive estrangeiros e apátridas [indivíduo que não é titular de qualquer nacionalidade], fazem parte da população. A população é um conceito puramente demográfico e estatístico. a. Do ponto de vista econômico, a população tanto pode significar fator de poderia e engrandecimento como também causa de debilidade para ordenamento estatal. b. Do ponto de vista político, as características econômicas da população estão ligadas solidariamente ao aspecto político. O maior ou menor coeficiente populacional hão de valer como dado variável de grandeza ou miséria do Estado. No mundo antigo , os Estados se constituíam nas raias da comunidade, dentro de uma cidade, a polis, Estado-cidade. Houve quem pretendesse determinar o quantum mínimo desde o qual existiria o Estado (20, 30 ou 40 mil habitantes). CiênciaPolítica
  • 11. CiênciaPolítica Conceito Político de Povo É o quadro humano sufragante, que se politizou (quer dizer, que assumiu capacidade decisória), ou seja, o corpo eleitoral. Esse conceito político prende-se a uma concepção ideológica: a das burguesias que implantaram o sistema representativo e impuseram a participação dos governados, desencadeando o processo que converteria estes de objeto em sujeito de ordem política. Conceito Jurídico de Povo Exprime o conjunto de pessoas vinculadas de forma institucional e estável a um determinado ordenamento jurídico, ou Ranelletti, “o conjunto de indivíduos que pertencem ao Estado, isto é, o conjunto de cidadãos”. A cidadania é aprova de identidade que mostra a relação ou vínculo do indivíduo com o Estado. É mediante essa relação que uma pessoa cosntitui fração ou parte de um povo. Conceito Sociológico de Povo Também tido como conceito naturalista ou étnico . Do ponto de vista sociológico há uma equivalência do conceito de povo com o de nação. O povo é compreendido como toda a continuidade do elemento humano, projetado historicamente no decurso de várias gerações e dotado de valores e aspirações comuns.
  • 12. CiênciaPolítica Profº Ms. Israel Serique dos Santos [Doutorando e Mestre em Ciências da Religião (PUC-Goiás); Licenciado em Pedagogia (UVA-Ceará) e História (UVA-Ceará)]; Bacharel em Teologia (FACETEN-Roraima); licenciando em Matemática (UNIFAN-Goiás). e-mail: israelserique@gmail.com Material extraído da obra de Paulo Bonavides “Ciência Política” (2013)