SlideShare uma empresa Scribd logo
Jovens Estudo 6 - Vocação
Seqüência:

Importância
   p
O trabalho na Bíblia
Considerações que nos ajudam
Avalie as possibilidades
Considere os seus d
C    id            dons
Considere as suas necessidades
Considere os seus desejos pessoais

                                     Jovens
Importância
              A carreira profissional é uma das
              decisões mais importantes que uma
              pessoa tem que tomar, porque tem a
              ver:

              como será o seu futuro
              seu dia-a-dia, sua rotina
              sua função na sociedade
              seu sustento
              Sua atuação na família
                        ç
              Sua atuação na igreja


                                                   Jovens
O trabalho na visão puritana
     b lh

 Sagrado x secular
 S    d        l
 Como os reformadores os puritanos rejeitaram a
           reformadores,
 dicotomia sagrado/secular. Willian Tyndale disse: “
 há uma direfença entre lavar louças e pregar a
 palavra de Deus; mas no tocante a agradar a Deus;
 nenhum em absoluto.” William Perkins concordou:
 “a ã de
 “ ação d um pastor d guardar ovelhas … é um
                    t de      d      lh
 trabalho tão bom diante de Deus como a ação de um
 juiz ao sentenciar, ou de um magistrado ao
 regulamentar, ou de um ministro a pregar”.

                        Santos no Mundo, Leland Ryken.
                                                         Jovens
O trabalho na visão puritana
     b lh

 Conceito puritano de Chamado
 “Uma vocação ou chamado é um
  Uma
 certo tipo de vida, ordenado e               Willian Perkins
 imposto ao homem por Deus,
    p                 p       ,               Puritano
 para obem comum… toda pessoa                 (1558-1602)
 de todo grau, sexo ou condição,
 estado, sem exceção, deve ter
 algum chamado pessoal e
 particular em que caminhar”
                     caminhar


                    Santos no Mundo, Leland Ryken.
                                                       Jovens
O trabalho na Bíblia
     b lh      íbli
  “ Tomou, pois o SENHOR Deus ao homem e o colocou
    Tomou pois,
  no jardim do Éden para o cultivar e o guardar.”
  (Gênesis 2:15 RA)

  Gênesis 47:3 Então, perguntou Faraó aos irmãos de
  José: Qual
  J é Q l é o vosso t b lh ? El responderam: O
                      trabalho? Eles       d       Os
  teus servos somos pastores de rebanho, tanto nós
  como nossos pais.




                                                        Jovens
O trabalho na Bíblia
     b lh      íbli

 “ Seis dias trabalharás e farás toda a tua obra. Mas o
 sétimo dia é o sábado do SENHOR, teu Deus; não
 farás
 f á nenhum trabalho, nem tu, nem o teu filh nem a
            h      b lh                      filho,
 tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu
 animal,
 animal nem o forasteiro das tuas portas para dentro;
                                                 dentro;”
 (Êxodo 20:9-10 RA)

 João 5:17 “Mas ele lhes disse: Meu Pai trabalha até
 agora, e eu trabalho também.”




                                                       Jovens
O trabalho na Bíbli
     b lh     Bíblia

  O trabalho é um mandamento e um dever.

  O trabalho é um privilégio dado aos homens para
  torná-los completos e expressar a imagem de Deus

  O trabalho não é um infeliz acréscimo a sua vida,
  mas é parte integrante dela, juntamente com o lar, a
                         dela                    lar
  família e a igreja.

  O trabalho não está em oposição, mas coopera com
  o homem para o bem dele.

                                                     Jovens
O trabalho na Bíblia
     b lh      íbli

“O fim principal de nossas vidas... É servir a Deus
no serviço aos homens nos afazeres de nossos
chamados...
chamados Alguns homens talvez dirão: o quê   quê,
não devemos labutar nos nossos chamados para
manter nossas famílias? Respondo: isso deve ser       Willian Perkins
                                                      Puritano
feito;
f it mas este não é o escopo e a fi lid d d
             t ã                  finalidade de
                                                      (1558-1602)
nossas vidas. A verdadeira finalidade de nossas
vidas é prestar serviço a Deus no serviço ao
homem”

 “ Aquele q
    q     que furtava não furte mais; antes, trabalhe,
fazendo com as próprias mãos o que é bom, para que
tenha com que acudir ao necessitado.” (Efésios 4:28 RA)


                                                               Jovens
O trabalho na Bíblia
     b lh      íbl
 “ Quanto a vós outros servos obedecei a vosso senhor segundo a carne com
                outros, servos,
temor e tremor, na sinceridade do vosso coração, como a Cristo, não
servindo à vista, como para agradar a homens, mas como servos de Cristo,
fazendo, de coração, a vontade de Deus; servindo de boa vontade, como ao
Senhor e não como a homens, certos de que cada um, se fizer alguma coisa
boa, receberá isso outra vez do Senhor, quer seja servo, quer livre. E vós,
senhores, de igual modo procedei p
         ,    g           p       para com eles, deixando as ameaças,
                                                ,                    ç ,
sabendo que o Senhor, tanto deles como vosso, está nos céus e que para com
ele não há acepção de pessoas.” (Efésios 6:5-9 RA)


Malaquias 3:5 Chegar-me-ei a vós outros para juízo; serei
testemunha veloz contra os feiticeiros, e contra os adúlteros, e contra
os que juram falsamente, e contra os que defraudam o salário do
jornaleiro, e oprimem a viúva e o órfão, e torcem o direito do
estrangeiro, e não me temem, diz o SENHOR dos Exércitos.
      g

                                                                        Jovens
O trabalho na Bíblia

O pecado trouxe consequências ao trabalho:

 “ E a Adão disse: Visto que atendeste a voz de tua mulher e comeste da
árvore que eu te ordenara não comesses, maldita é a terra por tua causa;
em fadigas obterás dela o sustento durante os dias de tua vida. Ela
produzirá também cardos e abrolhos, e tu comerás a erva d campo. N
    d i á      bé       d      b lh                á        do           No
suor do rosto comerás o teu pão, até que tornes à terra, pois dela foste
formado; porque tu és pó e ao pó tornarás.” (Gênesis 3:17-19 RA)

   fogem do trabalho
   preguiçosos
   roubam seus patrões, senão à Deus
   Ganhar muito sem fazer nada
  bbuscam ociosidade e b
              i id d benefícios
                            fí i
                                                                         Jovens
Considerações que nos ajudam
  Não busque revelações sobrenaturais, mas viva de
  acordo com a sua Palavra;
  Não abandone os processos normais do
  pensamento. Raciocine.
  Normalmente não se sabe a Sua vontade especifica
  fora do processo de descobrí-la com o passar do
  tempo.
  Deus está interessado não somente no resultado (o
  trabalho), mas no desenvolvimento, no processo
  de confiança Nele.

                                                     Jovens
Considerações que nos ajudam

 Não tenhamos pressa. Deus não tem pressa. Espere pelo
 Senhor!

 Deus é soberano e preparou de antemão todas as boas obras
 que faremos (Ef. 2:10)

    “Escolha aquele emprego ou chamado no qual
    você pode se mais útil a Deus. Não escolha aquele
                             Deus
    no qual possa ser mais rico ou ilustre no mundo;
    mas aquele no qual possa fazer maior bem, e
    melhor escapar de pecar”.
                                               Richard Baxter.


                                                                 Jovens
Avalie as possibilidades

 Será que me interesso por qualquer
 profissão?

 Há algum trabalho ilegítimo?

 Existem profissões possíveis e aquelas
 mais difíceis de alcançar... Enumere-as e
 veja seu alvo.



                                             Jovens
Avalie as possibilidades
“Uma outra coisa que torna o chamado
justificável é quando Deus dá a um homem
dons para isso... Deus o leva aquele chamado
      p                        q
(1 Co 7:17). Quando Deus tem me convocado
para uma posição, Ele tem-me dado alguns
dons apropriados para aquela posição
                               posição,
especialmente se a posição é adequada a mim e
a meus melhores dons.”                          John Cotton
                                                (1585,
                                                (1585 1652)

     “ Ande cada um segundo o Senhor lhe tem
    distribuído, cada um conforme Deus o tem
    chamado. É assim que ordeno em todas as
    igrejas.” (1 Coríntios 7:17 RA)


                                                              Jovens
Considere os seus dons
  O Deus que me criou, me modelou e me deu
  habilidades e dons que eu possuo normalmente
  não me pedirá que eu faça algo que eu não possuo
  condições de fazer.

    Tendências mais:

    a)   Intelectuais
    b)   Manuais
    c)   De comunicação
    d)   Habilidades especificas (voz, som, pés (futebol)....
    e)   Área técnica, informática, engenharias
         Á
    f)   Tratamento com pessoas, saúde
    g)   Educação e humanas


                                                                Jovens
Considere os seus dons

 Busque conselhos de uma pessoa em quem
 confie. (Pv 12.15 e 15:22)


  Não confunda “modéstia” com humildade.
  A verdade é sempre humilde, mas ser
  modesto pode ser enganoso na avaliação
  dos
  d nossos d dons e talentos.
                      l




                                           Jovens
Considere as necessidades

“ Cada homem por sí e Deus por todos é vil e diretamente contra os
propósitos de todo o trabalho.”

“Profanam suas vidas e chamados os que se aplicam a aquisição de
honras, prazeres, benefícios, comodidades do mundo, etc...pois
assim vivemos para outro fi dif
   i   i                  fim diferente d que D
                                        do    Deus i di
                                                   indicou, e d
                                                              desse
modo servimos a nós mesmos, e, por conseguinte, nem servimos a
Deus, nem aos homens”
                                                Willian Perkins


     O cristão deve ver primeiro a necessidade e depois a
     recompensa, pois seu trabalho é, antes de tudo, um serviço
     a Deus.

                                                                  Jovens
Considere as necessidades
O senso de alguma necessidade urgente pode ser uma boa indicação
de que o Senhor esteve modelando a direção de nossas vidas para
ajudarem a satisfazer essa necessidade.

 Considere que o Senhor pode chamá-lo para a obra do Reino de
 Deus, como pastor ou missionário.
 D                      i i á i

 “que jovem cristão, qualificado para pregar … poderá
  q j               ,q           p    p g       p
 dizer que Deus e os homens têm maior necessidade dele
 no tribunal ou atrás do balcão ou no consultório médico,
 do
 d que no púlpito?” (R L D b
             úl i ?” (R.L. Dabney) )



                                                                Jovens
Considere as necessidades
As circunstâncias nos empurram, muitas vezes, para um caminho, e
não temos como deixá-lo. Obrigações com familiares doentes, por
exemplo, podem impedir de ir numa certa direção, ou limitações de
dinheiro, tempo ou oportunidades.


Nesse caso, considere sempre a PROVIDÊNCIA DE
                                     Ê
DEUS, pois ele tem um tempo para tudo.




                                                              Jovens
Considere seus desejos pessoais
   “ Agrada te do SENHOR e ele satisfará os desejos do teu coração ”
     Agrada-te    SENHOR,                                  coração.
  (Salmos 37:4 RA)

  O desejo de Deus é abençoá-lo pois Ele é bom para convosco
                     abençoá-lo,                    convosco.


  Aspirar = d j
  A i       desejar

 “ Fiel é a palavra: se alguém aspira ao episcopado,
 excelente obra almeja.” (1 Timóteo 3:1 RA)

 Muitas vezes é Deus quem coloca esse desejo, e portanto é um
                                       desejo portanto,
 indicativo seguro de que é esse o caminho a seguir.



                                                                       Jovens
Conclusão
    l ã
Considere as suas motivações!
Elimine as motivações erradas!

Deus promete cuidar de nós, dar-nos graça
suficiente para as nossas necessidades.

Considere seus dons, as necessidades, seus
desejos e interesses.

Confie suas decisões sob oração, sabendo que
tudo está sob o Seu domínio.
                                               Jovens

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Deus no trabalho
Deus no trabalhoDeus no trabalho
Deus no trabalho
Daniel de Carvalho Luz
 
O Chamado De Deus ok
O Chamado De Deus okO Chamado De Deus ok
O Chamado De Deus ok
Michele L D Pain
 
Lição 8 aprovados por deus em cristo jesus 3º trimestre de 2015
Lição 8   aprovados por deus em cristo jesus 3º trimestre de 2015Lição 8   aprovados por deus em cristo jesus 3º trimestre de 2015
Lição 8 aprovados por deus em cristo jesus 3º trimestre de 2015
Andrew Guimarães
 
Supremo Propósito de Deus
Supremo Propósito de DeusSupremo Propósito de Deus
Supremo Propósito de Deus
uriank
 
Palavra o centro do coração de deus
Palavra   o centro do coração de deusPalavra   o centro do coração de deus
Palavra o centro do coração de deus
Adriano Gonçalves Martins
 
Aula 01 o centro do coração de Deus
Aula 01 o centro do coração de DeusAula 01 o centro do coração de Deus
Aula 01 o centro do coração de Deus
Emerson Nascimento
 
O chamado ministerial
O chamado ministerialO chamado ministerial
O chamado ministerial
Wilson Paulo de Santana Paulo
 
Palavra: Genesis e a Redenção - Separados para Deus
Palavra: Genesis e a Redenção - Separados para DeusPalavra: Genesis e a Redenção - Separados para Deus
Palavra: Genesis e a Redenção - Separados para Deus
Adriano Gonçalves Martins
 
Lição 2 - A obediência como adoração
Lição 2 - A obediência como adoraçãoLição 2 - A obediência como adoração
Lição 2 - A obediência como adoração
Natalino das Neves Neves
 
Escola de lideres compromisso e prioridades
Escola de lideres   compromisso e prioridadesEscola de lideres   compromisso e prioridades
Escola de lideres compromisso e prioridades
Daniel de Carvalho Luz
 
O poder liberador do perdão
O poder liberador do perdãoO poder liberador do perdão
O poder liberador do perdão
Rosa Luzia Da Hora
 
Licao 2 o cristao e o trabalho
Licao 2   o cristao e o trabalhoLicao 2   o cristao e o trabalho
Licao 2 o cristao e o trabalho
IPB706Sul
 
218989882 2º-escola-de-lideres-formando-um-lider-de-exito-modulo-1
218989882 2º-escola-de-lideres-formando-um-lider-de-exito-modulo-1218989882 2º-escola-de-lideres-formando-um-lider-de-exito-modulo-1
218989882 2º-escola-de-lideres-formando-um-lider-de-exito-modulo-1
Rosa Luzia Da Hora
 
Propósito com a obra de Deus.
Propósito com a obra de Deus.Propósito com a obra de Deus.
Propósito com a obra de Deus.
Quenia Damata
 
Ministério do obreiro
Ministério do obreiroMinistério do obreiro
Ministério do obreiro
andrepaidafe
 
80625 estudos-para-celulas-sergio-luiz-queiroz
80625 estudos-para-celulas-sergio-luiz-queiroz80625 estudos-para-celulas-sergio-luiz-queiroz
80625 estudos-para-celulas-sergio-luiz-queiroz
Leandro Morais Almeida
 
ORATÓRIA SACRA
ORATÓRIA SACRAORATÓRIA SACRA
Aula 02 gerar treinados nos cinco ministérios
Aula 02 gerar   treinados nos cinco ministériosAula 02 gerar   treinados nos cinco ministérios
Aula 02 gerar treinados nos cinco ministérios
Emerson Nascimento
 
Impelidos ou chamados
Impelidos ou chamadosImpelidos ou chamados
Impelidos ou chamados
Fernanda Rezende
 
Estudo Sobre Caráter - O Caráter e o Perfil do Homem Cristão
Estudo Sobre Caráter - O Caráter e o Perfil do Homem CristãoEstudo Sobre Caráter - O Caráter e o Perfil do Homem Cristão
Estudo Sobre Caráter - O Caráter e o Perfil do Homem Cristão
Escola do Caráter
 

Mais procurados (20)

Deus no trabalho
Deus no trabalhoDeus no trabalho
Deus no trabalho
 
O Chamado De Deus ok
O Chamado De Deus okO Chamado De Deus ok
O Chamado De Deus ok
 
Lição 8 aprovados por deus em cristo jesus 3º trimestre de 2015
Lição 8   aprovados por deus em cristo jesus 3º trimestre de 2015Lição 8   aprovados por deus em cristo jesus 3º trimestre de 2015
Lição 8 aprovados por deus em cristo jesus 3º trimestre de 2015
 
Supremo Propósito de Deus
Supremo Propósito de DeusSupremo Propósito de Deus
Supremo Propósito de Deus
 
Palavra o centro do coração de deus
Palavra   o centro do coração de deusPalavra   o centro do coração de deus
Palavra o centro do coração de deus
 
Aula 01 o centro do coração de Deus
Aula 01 o centro do coração de DeusAula 01 o centro do coração de Deus
Aula 01 o centro do coração de Deus
 
O chamado ministerial
O chamado ministerialO chamado ministerial
O chamado ministerial
 
Palavra: Genesis e a Redenção - Separados para Deus
Palavra: Genesis e a Redenção - Separados para DeusPalavra: Genesis e a Redenção - Separados para Deus
Palavra: Genesis e a Redenção - Separados para Deus
 
Lição 2 - A obediência como adoração
Lição 2 - A obediência como adoraçãoLição 2 - A obediência como adoração
Lição 2 - A obediência como adoração
 
Escola de lideres compromisso e prioridades
Escola de lideres   compromisso e prioridadesEscola de lideres   compromisso e prioridades
Escola de lideres compromisso e prioridades
 
O poder liberador do perdão
O poder liberador do perdãoO poder liberador do perdão
O poder liberador do perdão
 
Licao 2 o cristao e o trabalho
Licao 2   o cristao e o trabalhoLicao 2   o cristao e o trabalho
Licao 2 o cristao e o trabalho
 
218989882 2º-escola-de-lideres-formando-um-lider-de-exito-modulo-1
218989882 2º-escola-de-lideres-formando-um-lider-de-exito-modulo-1218989882 2º-escola-de-lideres-formando-um-lider-de-exito-modulo-1
218989882 2º-escola-de-lideres-formando-um-lider-de-exito-modulo-1
 
Propósito com a obra de Deus.
Propósito com a obra de Deus.Propósito com a obra de Deus.
Propósito com a obra de Deus.
 
Ministério do obreiro
Ministério do obreiroMinistério do obreiro
Ministério do obreiro
 
80625 estudos-para-celulas-sergio-luiz-queiroz
80625 estudos-para-celulas-sergio-luiz-queiroz80625 estudos-para-celulas-sergio-luiz-queiroz
80625 estudos-para-celulas-sergio-luiz-queiroz
 
ORATÓRIA SACRA
ORATÓRIA SACRAORATÓRIA SACRA
ORATÓRIA SACRA
 
Aula 02 gerar treinados nos cinco ministérios
Aula 02 gerar   treinados nos cinco ministériosAula 02 gerar   treinados nos cinco ministérios
Aula 02 gerar treinados nos cinco ministérios
 
Impelidos ou chamados
Impelidos ou chamadosImpelidos ou chamados
Impelidos ou chamados
 
Estudo Sobre Caráter - O Caráter e o Perfil do Homem Cristão
Estudo Sobre Caráter - O Caráter e o Perfil do Homem CristãoEstudo Sobre Caráter - O Caráter e o Perfil do Homem Cristão
Estudo Sobre Caráter - O Caráter e o Perfil do Homem Cristão
 

Semelhante a Jovens Estudo 6 - Vocação

Lição 4 - Diga não ao ritmo de vida deste mundo
Lição 4 - Diga não ao ritmo de vida deste mundoLição 4 - Diga não ao ritmo de vida deste mundo
Lição 4 - Diga não ao ritmo de vida deste mundo
Erberson Pinheiro
 
Doutrina tiago 4 (parte 2)
Doutrina  tiago 4 (parte 2)Doutrina  tiago 4 (parte 2)
Doutrina tiago 4 (parte 2)
Joel Silva
 
E.b.d adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d   adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02E.b.d   adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02
Joel Silva
 
Deixa me fazer tua vontade senhor pr andrey arcos e-books
Deixa me fazer tua vontade senhor pr andrey arcos e-booksDeixa me fazer tua vontade senhor pr andrey arcos e-books
Deixa me fazer tua vontade senhor pr andrey arcos e-books
Pr Andrey Arcos
 
Licao 9 3 t - 2019 - a mordomia do trablaho
Licao 9   3 t - 2019 - a mordomia do trablahoLicao 9   3 t - 2019 - a mordomia do trablaho
Licao 9 3 t - 2019 - a mordomia do trablaho
Vilma Longuini
 
Licao 9 3 t - 2019 - a mordomia do trabalho pdf para a grupo
Licao 9   3 t - 2019 - a mordomia do trabalho pdf para a grupoLicao 9   3 t - 2019 - a mordomia do trabalho pdf para a grupo
Licao 9 3 t - 2019 - a mordomia do trabalho pdf para a grupo
Vilma Longuini
 
4º módulo 1ª aula
4º módulo   1ª aula4º módulo   1ª aula
4º módulo 1ª aula
Monergista Post
 
4º módulo 1ª aula
4º módulo   1ª aula4º módulo   1ª aula
4º módulo 1ª aula
Joel Silva
 
Personalidade entre os cristãos
Personalidade entre os cristãosPersonalidade entre os cristãos
Personalidade entre os cristãos
Joel Silva
 
Principios bíblico da obra de Deus
Principios bíblico da obra de DeusPrincipios bíblico da obra de Deus
Principios bíblico da obra de Deus
Edleusa Silva
 
A IGREJA DE CRISTO E SUA NATUREZA
A IGREJA DE CRISTO E SUA NATUREZAA IGREJA DE CRISTO E SUA NATUREZA
A IGREJA DE CRISTO E SUA NATUREZA
Sandra Dias
 
EBJ - Encontro 12/02/12
EBJ - Encontro 12/02/12EBJ - Encontro 12/02/12
EBJ - Encontro 12/02/12
EBJ IPBCP
 
Lição 9 - A bondade divina e a regra de ouro
Lição 9 - A bondade divina e a regra de ouroLição 9 - A bondade divina e a regra de ouro
Lição 9 - A bondade divina e a regra de ouro
Natalino das Neves Neves
 
A NATUREZA DA IGREJA DE JESUS
A NATUREZA DA IGREJA DE JESUSA NATUREZA DA IGREJA DE JESUS
A NATUREZA DA IGREJA DE JESUS
Sandra Dias
 
Propósito
PropósitoPropósito
Propósito
PauloGuima1
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
Alinhavando6[revisão]
Alinhavando6[revisão]Alinhavando6[revisão]
Alinhavando6[revisão]
José do Carmo da Silva
 
Lição 7 - Likes e Dislikes
Lição 7 - Likes e DislikesLição 7 - Likes e Dislikes
Lição 7 - Likes e Dislikes
Éder Tomé
 
Bimba kids 22-11-2015 - bem-te-vi 2015
Bimba kids   22-11-2015 - bem-te-vi 2015Bimba kids   22-11-2015 - bem-te-vi 2015
Bimba kids 22-11-2015 - bem-te-vi 2015
Regina Lissone
 
JOVENS - Lição 2: Preguiça - Desperdício de Tempo
JOVENS - Lição 2: Preguiça - Desperdício de TempoJOVENS - Lição 2: Preguiça - Desperdício de Tempo
JOVENS - Lição 2: Preguiça - Desperdício de Tempo
Francisco Barbosa
 

Semelhante a Jovens Estudo 6 - Vocação (20)

Lição 4 - Diga não ao ritmo de vida deste mundo
Lição 4 - Diga não ao ritmo de vida deste mundoLição 4 - Diga não ao ritmo de vida deste mundo
Lição 4 - Diga não ao ritmo de vida deste mundo
 
Doutrina tiago 4 (parte 2)
Doutrina  tiago 4 (parte 2)Doutrina  tiago 4 (parte 2)
Doutrina tiago 4 (parte 2)
 
E.b.d adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d   adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02E.b.d   adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02
 
Deixa me fazer tua vontade senhor pr andrey arcos e-books
Deixa me fazer tua vontade senhor pr andrey arcos e-booksDeixa me fazer tua vontade senhor pr andrey arcos e-books
Deixa me fazer tua vontade senhor pr andrey arcos e-books
 
Licao 9 3 t - 2019 - a mordomia do trablaho
Licao 9   3 t - 2019 - a mordomia do trablahoLicao 9   3 t - 2019 - a mordomia do trablaho
Licao 9 3 t - 2019 - a mordomia do trablaho
 
Licao 9 3 t - 2019 - a mordomia do trabalho pdf para a grupo
Licao 9   3 t - 2019 - a mordomia do trabalho pdf para a grupoLicao 9   3 t - 2019 - a mordomia do trabalho pdf para a grupo
Licao 9 3 t - 2019 - a mordomia do trabalho pdf para a grupo
 
4º módulo 1ª aula
4º módulo   1ª aula4º módulo   1ª aula
4º módulo 1ª aula
 
4º módulo 1ª aula
4º módulo   1ª aula4º módulo   1ª aula
4º módulo 1ª aula
 
Personalidade entre os cristãos
Personalidade entre os cristãosPersonalidade entre os cristãos
Personalidade entre os cristãos
 
Principios bíblico da obra de Deus
Principios bíblico da obra de DeusPrincipios bíblico da obra de Deus
Principios bíblico da obra de Deus
 
A IGREJA DE CRISTO E SUA NATUREZA
A IGREJA DE CRISTO E SUA NATUREZAA IGREJA DE CRISTO E SUA NATUREZA
A IGREJA DE CRISTO E SUA NATUREZA
 
EBJ - Encontro 12/02/12
EBJ - Encontro 12/02/12EBJ - Encontro 12/02/12
EBJ - Encontro 12/02/12
 
Lição 9 - A bondade divina e a regra de ouro
Lição 9 - A bondade divina e a regra de ouroLição 9 - A bondade divina e a regra de ouro
Lição 9 - A bondade divina e a regra de ouro
 
A NATUREZA DA IGREJA DE JESUS
A NATUREZA DA IGREJA DE JESUSA NATUREZA DA IGREJA DE JESUS
A NATUREZA DA IGREJA DE JESUS
 
Propósito
PropósitoPropósito
Propósito
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
Alinhavando6[revisão]
Alinhavando6[revisão]Alinhavando6[revisão]
Alinhavando6[revisão]
 
Lição 7 - Likes e Dislikes
Lição 7 - Likes e DislikesLição 7 - Likes e Dislikes
Lição 7 - Likes e Dislikes
 
Bimba kids 22-11-2015 - bem-te-vi 2015
Bimba kids   22-11-2015 - bem-te-vi 2015Bimba kids   22-11-2015 - bem-te-vi 2015
Bimba kids 22-11-2015 - bem-te-vi 2015
 
JOVENS - Lição 2: Preguiça - Desperdício de Tempo
JOVENS - Lição 2: Preguiça - Desperdício de TempoJOVENS - Lição 2: Preguiça - Desperdício de Tempo
JOVENS - Lição 2: Preguiça - Desperdício de Tempo
 

Mais de uriank

Ética Puritada do trabalho
Ética Puritada do trabalhoÉtica Puritada do trabalho
Ética Puritada do trabalho
uriank
 
Momento História - William Tyndale
Momento História - William TyndaleMomento História - William Tyndale
Momento História - William Tyndale
uriank
 
Richard Baxter (1615-1691)
Richard Baxter (1615-1691)Richard Baxter (1615-1691)
Richard Baxter (1615-1691)
uriank
 
Jovens IBRVN - Estudo 2 - Como eram os puritanos originais
Jovens IBRVN - Estudo 2 - Como eram os puritanos originaisJovens IBRVN - Estudo 2 - Como eram os puritanos originais
Jovens IBRVN - Estudo 2 - Como eram os puritanos originais
uriank
 
Jovens Estudo 01/2012.1 Por que precisamos dos puritanos?
Jovens Estudo 01/2012.1 Por que precisamos dos puritanos?Jovens Estudo 01/2012.1 Por que precisamos dos puritanos?
Jovens Estudo 01/2012.1 Por que precisamos dos puritanos?
uriank
 
Ressurreição e Segunda Vinda
Ressurreição e Segunda VindaRessurreição e Segunda Vinda
Ressurreição e Segunda Vinda
uriank
 
Milenismo
MilenismoMilenismo
Milenismo
uriank
 
O Progresso da Salvação
O Progresso da SalvaçãoO Progresso da Salvação
O Progresso da Salvação
uriank
 
Doutrina da Eleição
Doutrina da EleiçãoDoutrina da Eleição
Doutrina da Eleição
uriank
 
Leão Magno (400 – 461)
Leão Magno (400 – 461)Leão Magno (400 – 461)
Leão Magno (400 – 461)
uriank
 
Jovens Obras de Jesus
Jovens Obras de JesusJovens Obras de Jesus
Jovens Obras de Jesus
uriank
 
Momento da história calvino
Momento da história   calvinoMomento da história   calvino
Momento da história calvino
uriank
 
Bolsas REUNI
Bolsas REUNIBolsas REUNI
Bolsas REUNI
uriank
 
Políticas de bolsas na UFSC
Políticas de bolsas na UFSCPolíticas de bolsas na UFSC
Políticas de bolsas na UFSC
uriank
 
Políticas de Bolsas de Pós-Graduação na UFSC
Políticas de Bolsas de Pós-Graduação na UFSCPolíticas de Bolsas de Pós-Graduação na UFSC
Políticas de Bolsas de Pós-Graduação na UFSC
uriank
 
Bolsas de Pós-Graduação - Prof. Mario Dantas
Bolsas de Pós-Graduação - Prof. Mario DantasBolsas de Pós-Graduação - Prof. Mario Dantas
Bolsas de Pós-Graduação - Prof. Mario Dantas
uriank
 
Jovens Doutrina dos Pactos
Jovens Doutrina dos PactosJovens Doutrina dos Pactos
Jovens Doutrina dos Pactos
uriank
 
Clive StaplesLewis - C. S. Lewis
Clive StaplesLewis - C. S. LewisClive StaplesLewis - C. S. Lewis
Clive StaplesLewis - C. S. Lewis
uriank
 
Associação de Pós-Graduandos
Associação de Pós-GraduandosAssociação de Pós-Graduandos
Associação de Pós-Graduandos
uriank
 
Associação de Pós-Graduandos
Associação de Pós-GraduandosAssociação de Pós-Graduandos
Associação de Pós-Graduandos
uriank
 

Mais de uriank (20)

Ética Puritada do trabalho
Ética Puritada do trabalhoÉtica Puritada do trabalho
Ética Puritada do trabalho
 
Momento História - William Tyndale
Momento História - William TyndaleMomento História - William Tyndale
Momento História - William Tyndale
 
Richard Baxter (1615-1691)
Richard Baxter (1615-1691)Richard Baxter (1615-1691)
Richard Baxter (1615-1691)
 
Jovens IBRVN - Estudo 2 - Como eram os puritanos originais
Jovens IBRVN - Estudo 2 - Como eram os puritanos originaisJovens IBRVN - Estudo 2 - Como eram os puritanos originais
Jovens IBRVN - Estudo 2 - Como eram os puritanos originais
 
Jovens Estudo 01/2012.1 Por que precisamos dos puritanos?
Jovens Estudo 01/2012.1 Por que precisamos dos puritanos?Jovens Estudo 01/2012.1 Por que precisamos dos puritanos?
Jovens Estudo 01/2012.1 Por que precisamos dos puritanos?
 
Ressurreição e Segunda Vinda
Ressurreição e Segunda VindaRessurreição e Segunda Vinda
Ressurreição e Segunda Vinda
 
Milenismo
MilenismoMilenismo
Milenismo
 
O Progresso da Salvação
O Progresso da SalvaçãoO Progresso da Salvação
O Progresso da Salvação
 
Doutrina da Eleição
Doutrina da EleiçãoDoutrina da Eleição
Doutrina da Eleição
 
Leão Magno (400 – 461)
Leão Magno (400 – 461)Leão Magno (400 – 461)
Leão Magno (400 – 461)
 
Jovens Obras de Jesus
Jovens Obras de JesusJovens Obras de Jesus
Jovens Obras de Jesus
 
Momento da história calvino
Momento da história   calvinoMomento da história   calvino
Momento da história calvino
 
Bolsas REUNI
Bolsas REUNIBolsas REUNI
Bolsas REUNI
 
Políticas de bolsas na UFSC
Políticas de bolsas na UFSCPolíticas de bolsas na UFSC
Políticas de bolsas na UFSC
 
Políticas de Bolsas de Pós-Graduação na UFSC
Políticas de Bolsas de Pós-Graduação na UFSCPolíticas de Bolsas de Pós-Graduação na UFSC
Políticas de Bolsas de Pós-Graduação na UFSC
 
Bolsas de Pós-Graduação - Prof. Mario Dantas
Bolsas de Pós-Graduação - Prof. Mario DantasBolsas de Pós-Graduação - Prof. Mario Dantas
Bolsas de Pós-Graduação - Prof. Mario Dantas
 
Jovens Doutrina dos Pactos
Jovens Doutrina dos PactosJovens Doutrina dos Pactos
Jovens Doutrina dos Pactos
 
Clive StaplesLewis - C. S. Lewis
Clive StaplesLewis - C. S. LewisClive StaplesLewis - C. S. Lewis
Clive StaplesLewis - C. S. Lewis
 
Associação de Pós-Graduandos
Associação de Pós-GraduandosAssociação de Pós-Graduandos
Associação de Pós-Graduandos
 
Associação de Pós-Graduandos
Associação de Pós-GraduandosAssociação de Pós-Graduandos
Associação de Pós-Graduandos
 

Último

Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 

Último (13)

Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 

Jovens Estudo 6 - Vocação

  • 2. Seqüência: Importância p O trabalho na Bíblia Considerações que nos ajudam Avalie as possibilidades Considere os seus d C id dons Considere as suas necessidades Considere os seus desejos pessoais Jovens
  • 3. Importância A carreira profissional é uma das decisões mais importantes que uma pessoa tem que tomar, porque tem a ver: como será o seu futuro seu dia-a-dia, sua rotina sua função na sociedade seu sustento Sua atuação na família ç Sua atuação na igreja Jovens
  • 4. O trabalho na visão puritana b lh Sagrado x secular S d l Como os reformadores os puritanos rejeitaram a reformadores, dicotomia sagrado/secular. Willian Tyndale disse: “ há uma direfença entre lavar louças e pregar a palavra de Deus; mas no tocante a agradar a Deus; nenhum em absoluto.” William Perkins concordou: “a ã de “ ação d um pastor d guardar ovelhas … é um t de d lh trabalho tão bom diante de Deus como a ação de um juiz ao sentenciar, ou de um magistrado ao regulamentar, ou de um ministro a pregar”. Santos no Mundo, Leland Ryken. Jovens
  • 5. O trabalho na visão puritana b lh Conceito puritano de Chamado “Uma vocação ou chamado é um Uma certo tipo de vida, ordenado e Willian Perkins imposto ao homem por Deus, p p , Puritano para obem comum… toda pessoa (1558-1602) de todo grau, sexo ou condição, estado, sem exceção, deve ter algum chamado pessoal e particular em que caminhar” caminhar Santos no Mundo, Leland Ryken. Jovens
  • 6. O trabalho na Bíblia b lh íbli “ Tomou, pois o SENHOR Deus ao homem e o colocou Tomou pois, no jardim do Éden para o cultivar e o guardar.” (Gênesis 2:15 RA) Gênesis 47:3 Então, perguntou Faraó aos irmãos de José: Qual J é Q l é o vosso t b lh ? El responderam: O trabalho? Eles d Os teus servos somos pastores de rebanho, tanto nós como nossos pais. Jovens
  • 7. O trabalho na Bíblia b lh íbli “ Seis dias trabalharás e farás toda a tua obra. Mas o sétimo dia é o sábado do SENHOR, teu Deus; não farás f á nenhum trabalho, nem tu, nem o teu filh nem a h b lh filho, tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, animal nem o forasteiro das tuas portas para dentro; dentro;” (Êxodo 20:9-10 RA) João 5:17 “Mas ele lhes disse: Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também.” Jovens
  • 8. O trabalho na Bíbli b lh Bíblia O trabalho é um mandamento e um dever. O trabalho é um privilégio dado aos homens para torná-los completos e expressar a imagem de Deus O trabalho não é um infeliz acréscimo a sua vida, mas é parte integrante dela, juntamente com o lar, a dela lar família e a igreja. O trabalho não está em oposição, mas coopera com o homem para o bem dele. Jovens
  • 9. O trabalho na Bíblia b lh íbli “O fim principal de nossas vidas... É servir a Deus no serviço aos homens nos afazeres de nossos chamados... chamados Alguns homens talvez dirão: o quê quê, não devemos labutar nos nossos chamados para manter nossas famílias? Respondo: isso deve ser Willian Perkins Puritano feito; f it mas este não é o escopo e a fi lid d d t ã finalidade de (1558-1602) nossas vidas. A verdadeira finalidade de nossas vidas é prestar serviço a Deus no serviço ao homem” “ Aquele q q que furtava não furte mais; antes, trabalhe, fazendo com as próprias mãos o que é bom, para que tenha com que acudir ao necessitado.” (Efésios 4:28 RA) Jovens
  • 10. O trabalho na Bíblia b lh íbl “ Quanto a vós outros servos obedecei a vosso senhor segundo a carne com outros, servos, temor e tremor, na sinceridade do vosso coração, como a Cristo, não servindo à vista, como para agradar a homens, mas como servos de Cristo, fazendo, de coração, a vontade de Deus; servindo de boa vontade, como ao Senhor e não como a homens, certos de que cada um, se fizer alguma coisa boa, receberá isso outra vez do Senhor, quer seja servo, quer livre. E vós, senhores, de igual modo procedei p , g p para com eles, deixando as ameaças, , ç , sabendo que o Senhor, tanto deles como vosso, está nos céus e que para com ele não há acepção de pessoas.” (Efésios 6:5-9 RA) Malaquias 3:5 Chegar-me-ei a vós outros para juízo; serei testemunha veloz contra os feiticeiros, e contra os adúlteros, e contra os que juram falsamente, e contra os que defraudam o salário do jornaleiro, e oprimem a viúva e o órfão, e torcem o direito do estrangeiro, e não me temem, diz o SENHOR dos Exércitos. g Jovens
  • 11. O trabalho na Bíblia O pecado trouxe consequências ao trabalho: “ E a Adão disse: Visto que atendeste a voz de tua mulher e comeste da árvore que eu te ordenara não comesses, maldita é a terra por tua causa; em fadigas obterás dela o sustento durante os dias de tua vida. Ela produzirá também cardos e abrolhos, e tu comerás a erva d campo. N d i á bé d b lh á do No suor do rosto comerás o teu pão, até que tornes à terra, pois dela foste formado; porque tu és pó e ao pó tornarás.” (Gênesis 3:17-19 RA)  fogem do trabalho  preguiçosos  roubam seus patrões, senão à Deus  Ganhar muito sem fazer nada bbuscam ociosidade e b i id d benefícios fí i Jovens
  • 12. Considerações que nos ajudam Não busque revelações sobrenaturais, mas viva de acordo com a sua Palavra; Não abandone os processos normais do pensamento. Raciocine. Normalmente não se sabe a Sua vontade especifica fora do processo de descobrí-la com o passar do tempo. Deus está interessado não somente no resultado (o trabalho), mas no desenvolvimento, no processo de confiança Nele. Jovens
  • 13. Considerações que nos ajudam Não tenhamos pressa. Deus não tem pressa. Espere pelo Senhor! Deus é soberano e preparou de antemão todas as boas obras que faremos (Ef. 2:10) “Escolha aquele emprego ou chamado no qual você pode se mais útil a Deus. Não escolha aquele Deus no qual possa ser mais rico ou ilustre no mundo; mas aquele no qual possa fazer maior bem, e melhor escapar de pecar”. Richard Baxter. Jovens
  • 14. Avalie as possibilidades Será que me interesso por qualquer profissão? Há algum trabalho ilegítimo? Existem profissões possíveis e aquelas mais difíceis de alcançar... Enumere-as e veja seu alvo. Jovens
  • 15. Avalie as possibilidades “Uma outra coisa que torna o chamado justificável é quando Deus dá a um homem dons para isso... Deus o leva aquele chamado p q (1 Co 7:17). Quando Deus tem me convocado para uma posição, Ele tem-me dado alguns dons apropriados para aquela posição posição, especialmente se a posição é adequada a mim e a meus melhores dons.” John Cotton (1585, (1585 1652) “ Ande cada um segundo o Senhor lhe tem distribuído, cada um conforme Deus o tem chamado. É assim que ordeno em todas as igrejas.” (1 Coríntios 7:17 RA) Jovens
  • 16. Considere os seus dons O Deus que me criou, me modelou e me deu habilidades e dons que eu possuo normalmente não me pedirá que eu faça algo que eu não possuo condições de fazer. Tendências mais: a) Intelectuais b) Manuais c) De comunicação d) Habilidades especificas (voz, som, pés (futebol).... e) Área técnica, informática, engenharias Á f) Tratamento com pessoas, saúde g) Educação e humanas Jovens
  • 17. Considere os seus dons Busque conselhos de uma pessoa em quem confie. (Pv 12.15 e 15:22) Não confunda “modéstia” com humildade. A verdade é sempre humilde, mas ser modesto pode ser enganoso na avaliação dos d nossos d dons e talentos. l Jovens
  • 18. Considere as necessidades “ Cada homem por sí e Deus por todos é vil e diretamente contra os propósitos de todo o trabalho.” “Profanam suas vidas e chamados os que se aplicam a aquisição de honras, prazeres, benefícios, comodidades do mundo, etc...pois assim vivemos para outro fi dif i i fim diferente d que D do Deus i di indicou, e d desse modo servimos a nós mesmos, e, por conseguinte, nem servimos a Deus, nem aos homens” Willian Perkins O cristão deve ver primeiro a necessidade e depois a recompensa, pois seu trabalho é, antes de tudo, um serviço a Deus. Jovens
  • 19. Considere as necessidades O senso de alguma necessidade urgente pode ser uma boa indicação de que o Senhor esteve modelando a direção de nossas vidas para ajudarem a satisfazer essa necessidade. Considere que o Senhor pode chamá-lo para a obra do Reino de Deus, como pastor ou missionário. D i i á i “que jovem cristão, qualificado para pregar … poderá q j ,q p p g p dizer que Deus e os homens têm maior necessidade dele no tribunal ou atrás do balcão ou no consultório médico, do d que no púlpito?” (R L D b úl i ?” (R.L. Dabney) ) Jovens
  • 20. Considere as necessidades As circunstâncias nos empurram, muitas vezes, para um caminho, e não temos como deixá-lo. Obrigações com familiares doentes, por exemplo, podem impedir de ir numa certa direção, ou limitações de dinheiro, tempo ou oportunidades. Nesse caso, considere sempre a PROVIDÊNCIA DE Ê DEUS, pois ele tem um tempo para tudo. Jovens
  • 21. Considere seus desejos pessoais “ Agrada te do SENHOR e ele satisfará os desejos do teu coração ” Agrada-te SENHOR, coração. (Salmos 37:4 RA) O desejo de Deus é abençoá-lo pois Ele é bom para convosco abençoá-lo, convosco. Aspirar = d j A i desejar “ Fiel é a palavra: se alguém aspira ao episcopado, excelente obra almeja.” (1 Timóteo 3:1 RA) Muitas vezes é Deus quem coloca esse desejo, e portanto é um desejo portanto, indicativo seguro de que é esse o caminho a seguir. Jovens
  • 22. Conclusão l ã Considere as suas motivações! Elimine as motivações erradas! Deus promete cuidar de nós, dar-nos graça suficiente para as nossas necessidades. Considere seus dons, as necessidades, seus desejos e interesses. Confie suas decisões sob oração, sabendo que tudo está sob o Seu domínio. Jovens