SlideShare uma empresa Scribd logo
O Credo
Cristologia
Credo Cristológico
Creio em um só Senhor, Jesus Cristo, Filho Unigênito
de Deus, nascido do Pai antes de todos os séculos:
Deus de Deus, Luz da Luz, Deus verdadeiro de Deus
verdadeiro; gerado, não criado, consubstancial ao Pai.
Por ele todas as coisas foram feitas. E por nós,
homens, e para nossa salvação, desceu dos céus e se
encarnou pelo Espírito Santo, no seio da Virgem Maria,
e se fez homem. Também por nós, foi crucificado sob
Pôncio Pilatos, padeceu e foi sepultado. Ressuscitou ao
terceiro dia, conforme as Escrituras, e subiu aos
céus,onde está sentado à direita do Pai. E de novo há
de vir, em sua gloria, para julgar os vivos e os mortos;
e seu reino não terá fim.
Kénosis Divina
Cristo Jesus, que era de condição divina, não Se
valeu da sua igualdade com Deus, mas
aniquilou-Se a Si próprio assumindo a condição
de servo, tornou-Se semelhante aos homens.
Aparecendo como homem, humilhou-Se ainda
mais, obedecendo até à morte e morte de cruz.
Por isso Deus O exaltou e lhe deu o nome que
está acima de todos os nomes, para que ao nome
de Jesus todos se ajoelhem, no céu, na terra e nos
abismos, e toda a língua proclame que Jesus
Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai.
(Fl 2, 6-11)
Mediador Universal
Ele é a imagem de Deus invisível, o Primogênito de
toda a criatura. N’Ele foram criadas todas as coisas,
no céu e na terra, visíveis e invisíveis, Tronos e
Dominações, Principados e Potestades: por Ele e para
Ele tudo foi criado. Ele é anterior a todas as coisas e
por Ele tudo subsiste. Ele é a Cabeça da Igreja, que é o
seu Corpo. Ele é o Princípio, o Primogênito de entre os
mortos: em tudo Ele tem o primeiro lugar. Aprouve a
Deus que n’Ele residisse toda a plenitude e n’Ele
fossem reconciliadas consigo todas as coisas,
estabelecendo a paz, pelo Sangue da sua cruz, com
todas as criaturas, na terra e nos Céus. (Col 1, 12-20)
O que é Cristologia
A Cristologia é o estudo sobre Jesus Cristo, é um tratado
central da teologia sendo que Jesus Cristo é o revelador do
Pai e do Espírito Santo. O conteúdo deste tratado pode ser
dividido em duas parte:
O estudo da pessoa de Cristo como tal, o qual procura-se
aprofundar o mistério da encarnação do Verbo, ou seja, a
união Hipostática e suas propriedades.
O estudo da obra salvífica de Jesus ou a soteriologia, que
compreende a vida pública a morte, a ressurreição, a
ascensão de Cristo e o Pentecostes como evento salvíficos.
Cristologia Ascendente
A Cristologia Ascendente parte do aspecto
humano de Jesus, particularmente da figura
do servo de Javé, obediente até a morte e que
recebe o título de Kýrios após a sua
ressurreição.
Cristologia Descendente
A Cristologia Descendente o qual parte da
divindade de Jesus considerando-o Deus feito
homem. Afirma a sua pré- existência, o seu
nascimento humano no seio da Virgem Maria, que
viveu neste mundo como homem em tudo menos
no pecado e que por fim voltou ao Pai fazendo
sua humanidade ressuscitada compartilhar com a
glória de Deus.
Escolas Cristologicas
Destas duas metodologias originaram nos séculos III e
IV duas escolas diferentes de teologia. A escola
Antioquena, a qual acentuava a humanidade de Jesus,
detendo-se mais no sentido histórico da humanidade de
Jesus e a escola Alexandrina, a qual dava preferência
para a divindade de Jesus e para o seu aspecto
transcendental.
Ambas com suas próprias metodologias quando
permaneceram apenas na suas visões, deram origens a
algumas heresias a respeito de Jesus Cristo
Erros Metodológico
Nestorianismo tendo como representante Nestório (+451) o
qual enfatizou tanto a humanidade de Jesus que passou a
ensinar que existiam duas natureza nele; a natureza
humana e a natureza divina. A natureza divina com seu eu
divino estaria unida à natureza humana com o seu eu
humano.
Monofisismo, esta encabeçada por Dióscoro de Alexandria
e por Eutiques de Constantinopla que enfatizaram a
divindade de Jesus e só admitiram nele apenas a natureza
divina; esta para eles, teria absorvido a natureza humana
de modo que nele estava somente uma aparência de sua
divindade.
Cristo ou Jesus?
A partir da segunda década do século XIX o método
História das Formas surgido com alguns teólogos
protestantes, chamou atenção sobre o ocorrido entre a
pregação de Jesus (anos 27-30) e a fase de redação dos
evangelhos (anos 50-100) tempo em que a Boa Nova foi
transmitida oralmente.
Isto fez, segundo eles, que quando os evangelistas
redigiram os evangelhos já não tivessem mais uma figura
de Jesus fiel ao Jesus real do início, ou seja, os primeiros
cristãos professavam o Jesus da fé e não o Jesus da
história.
Jesus Cristo
A teologia católica admite que o evangelho antes de
ser escrito foi pregado oralmente no início e que os
pregadores se preocuparam mais em estruturar a fé
dos ouvintes levando a eles a mensagem de salvação.
Porém não admite que tenha havido desvio da
realidade histórica ou o desinteresse pela figura real
de Jesus, e por isso, quem crê nos evangelhos não crê
naquilo que os antigos cristãos imaginavam
simploriamente, mas na autêntica mensagem de Jesus
Cristo.
Pessoa e Ato
Esclarecendo de uma maneira mais concreta afirma-se que
a teologia é a ciência que tem por objeto Deus e a
Cristologia tem por objeto Cristo, sua pessoa e sua obra. A
teologia cristã primitiva é quase que exclusiva- mente uma
cristologia. As discussões teológicas se relacionaram todas
à pessoa de Cristo, à sua natureza por um lado, e a sua
relação com Deus. Por outro, por isso o Novo Testamento
não fala quase nada da pessoa de Cristo sem que se trate
ao mesmo tempo de sua obra. Ao se perguntar quem é
Cristo? Pergunta-se também; qual é a sua função? Por isso
os títulos Cristológicos referem sempre e ao mesmo tempo,
à pessoa e à obra de Cristo
Uma Conciliação
Porque a doutrina cristã é uma tentativa de explicar
o mistério divino, deve consistir na tentativa de
reunir verdades que, se examinadas superficialmente,
podem parecer contraditórias. A tentação perene é
aceitar uma e rejeitar a outra. Encontrar o "caminho
estreito" que é capaz de combiná-los racionalmente é
o maior desafio do teólogo.
Zonas de Tensões
O Jesus da história com O Cristo de fé
O ser em Cristo com O agir em Cristo
A humanidade com A divindade
A teologia de Encarnação com A teologia da Cruz
O Logos com O Ágape
História e Fé
A consequência dessa forma de ler a história do Evangelho
com a lente do método histórico-crítico é que surgem duas
pessoas distintas: o Jesus histórico que pregou o amor e o
perdão, e o Cristo que foi inventado pelos primeiros
seguidores de Jesus.
Ficamos com um aparente dilema de sermos forçados a
escolher entre o "Jesus da história" e o "Cristo da fé".
Ratzinger afirma resolver esse dilema no Credo. Aqui, o
"Cristo da fé", o Cristo em quem cremos, é o "Jesus da
história", que foi concebido e nascido, sofreu e morreu,
ressuscitou e ascendeu aos céus.
Ser e Agir
O primeiro passo em direção à conciliação da compreensão
da fé e da história é a conciliação da compreensão do ser
e do agir de Jesus Cristo. Ratzinger afirma que em Jesus
Cristo não é possível distinguir entre a pessoa e seu cargo.
Jesus é a sua palavra, e esta palavra é Jesus. É por isso
que, em primeira instância, a profissão de fé cristã não é
um resumo dos ensinamentos de Jesus, mas um ato de fé em
Jesus mesmo.
“A pessoa de Jesus é sua doutrina e sua doutrina é Jesus
mesmo. Portanto, fé cristã, isto é, fé em Jesus como o
Cristo, é verdadeiramente fé pessoal.”
Encarnação e Cruz
A teologia da encarnação tende para uma visão otimista
estática, em que a importância do pecado e a necessidade
de expiação são minimizadas e a futura deificação é
enfatizada; enquanto a teologia da cruz tende a uma visão
pessimista, em que a bondade do mundo é minimizada e a
pecaminosidade humana enfatizada.
Para Ratzinger, a chave para resolver a conciliação da
teologia da Encarnação com a teologia da cruz está no
Crucificado mesmo. É por isso que ele chama a Cruz de o
"berço" da fé cristã.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

APOSTILA A DOUTRINA DE DEUS - TEOLOGIA(1).pdf
APOSTILA A DOUTRINA DE DEUS - TEOLOGIA(1).pdfAPOSTILA A DOUTRINA DE DEUS - TEOLOGIA(1).pdf
APOSTILA A DOUTRINA DE DEUS - TEOLOGIA(1).pdf
DivinoHenriqueSantan
 
estudo biblico
estudo biblicoestudo biblico
estudo biblico
valmarques
 
Evangelhos sinóticos aula1
Evangelhos sinóticos aula1Evangelhos sinóticos aula1
Evangelhos sinóticos aula1
Moisés Sampaio
 
Cristologia aula01
Cristologia aula01Cristologia aula01
Cristologia aula01
Pastor W. Costa
 
LBA LIÇÃO 1 - O que é ética cristã
LBA LIÇÃO 1 - O que é ética cristãLBA LIÇÃO 1 - O que é ética cristã
LBA LIÇÃO 1 - O que é ética cristã
Natalino das Neves Neves
 
26 Quem é Jesus Cristo?
26   Quem é Jesus Cristo?26   Quem é Jesus Cristo?
26 Quem é Jesus Cristo?
Robson Tavares Fernandes
 
Teologia sistematica - Cristologia
Teologia sistematica - CristologiaTeologia sistematica - Cristologia
Teologia sistematica - Cristologia
Gcom digital factory
 
Estudo biblico 22
Estudo biblico 22Estudo biblico 22
Estudo biblico 22
Edilson Jose Barbosa Barbosa
 
A santissima trindade
A santissima trindadeA santissima trindade
A santissima trindade
Pr Neto
 
Cristologia - Natureza humana de Cristo - Matheus Rocha
Cristologia - Natureza humana de Cristo - Matheus RochaCristologia - Natureza humana de Cristo - Matheus Rocha
Cristologia - Natureza humana de Cristo - Matheus Rocha
Matheus Rocha
 
Cristologia aula02
Cristologia aula02Cristologia aula02
Cristologia aula02
Pastor W. Costa
 
Lição 6 - Deus, o Autor de Missões
Lição 6 - Deus, o Autor de MissõesLição 6 - Deus, o Autor de Missões
Lição 6 - Deus, o Autor de Missões
Éder Tomé
 
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
RODRIGO FERREIRA
 
Lição 12 a morte de jesus
Lição 12 a morte de jesusLição 12 a morte de jesus
Lição 12 a morte de jesus
José Nilson Virgino
 
Bibliologia - Introdução - Aula 01
Bibliologia - Introdução - Aula 01Bibliologia - Introdução - Aula 01
Bibliologia - Introdução - Aula 01
Erivelton Rodrigues Nunes
 
Cristologia
CristologiaCristologia
antropologia teológica
antropologia teológicaantropologia teológica
antropologia teológica
RODRIGO FERREIRA
 
Curso de teologia_doutrina_de_deus
Curso de teologia_doutrina_de_deusCurso de teologia_doutrina_de_deus
Curso de teologia_doutrina_de_deus
Presbítero Neves Leal
 
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na VerdadeLição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
Éder Tomé
 
ATOS DOS APSTOLOS ATUALIZADO Reparado.pdf
ATOS DOS APSTOLOS  ATUALIZADO Reparado.pdfATOS DOS APSTOLOS  ATUALIZADO Reparado.pdf
ATOS DOS APSTOLOS ATUALIZADO Reparado.pdf
EduardadaRochaCunhaM
 

Mais procurados (20)

APOSTILA A DOUTRINA DE DEUS - TEOLOGIA(1).pdf
APOSTILA A DOUTRINA DE DEUS - TEOLOGIA(1).pdfAPOSTILA A DOUTRINA DE DEUS - TEOLOGIA(1).pdf
APOSTILA A DOUTRINA DE DEUS - TEOLOGIA(1).pdf
 
estudo biblico
estudo biblicoestudo biblico
estudo biblico
 
Evangelhos sinóticos aula1
Evangelhos sinóticos aula1Evangelhos sinóticos aula1
Evangelhos sinóticos aula1
 
Cristologia aula01
Cristologia aula01Cristologia aula01
Cristologia aula01
 
LBA LIÇÃO 1 - O que é ética cristã
LBA LIÇÃO 1 - O que é ética cristãLBA LIÇÃO 1 - O que é ética cristã
LBA LIÇÃO 1 - O que é ética cristã
 
26 Quem é Jesus Cristo?
26   Quem é Jesus Cristo?26   Quem é Jesus Cristo?
26 Quem é Jesus Cristo?
 
Teologia sistematica - Cristologia
Teologia sistematica - CristologiaTeologia sistematica - Cristologia
Teologia sistematica - Cristologia
 
Estudo biblico 22
Estudo biblico 22Estudo biblico 22
Estudo biblico 22
 
A santissima trindade
A santissima trindadeA santissima trindade
A santissima trindade
 
Cristologia - Natureza humana de Cristo - Matheus Rocha
Cristologia - Natureza humana de Cristo - Matheus RochaCristologia - Natureza humana de Cristo - Matheus Rocha
Cristologia - Natureza humana de Cristo - Matheus Rocha
 
Cristologia aula02
Cristologia aula02Cristologia aula02
Cristologia aula02
 
Lição 6 - Deus, o Autor de Missões
Lição 6 - Deus, o Autor de MissõesLição 6 - Deus, o Autor de Missões
Lição 6 - Deus, o Autor de Missões
 
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
 
Lição 12 a morte de jesus
Lição 12 a morte de jesusLição 12 a morte de jesus
Lição 12 a morte de jesus
 
Bibliologia - Introdução - Aula 01
Bibliologia - Introdução - Aula 01Bibliologia - Introdução - Aula 01
Bibliologia - Introdução - Aula 01
 
Cristologia
CristologiaCristologia
Cristologia
 
antropologia teológica
antropologia teológicaantropologia teológica
antropologia teológica
 
Curso de teologia_doutrina_de_deus
Curso de teologia_doutrina_de_deusCurso de teologia_doutrina_de_deus
Curso de teologia_doutrina_de_deus
 
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na VerdadeLição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
 
ATOS DOS APSTOLOS ATUALIZADO Reparado.pdf
ATOS DOS APSTOLOS  ATUALIZADO Reparado.pdfATOS DOS APSTOLOS  ATUALIZADO Reparado.pdf
ATOS DOS APSTOLOS ATUALIZADO Reparado.pdf
 

Semelhante a 09 ist - cristologia

cristologia-1.pptx
cristologia-1.pptxcristologia-1.pptx
cristologia-1.pptx
Vania Cristina Rocha Duarte
 
cristologia-1.pptx
cristologia-1.pptxcristologia-1.pptx
cristologia-1.pptx
Vania Cristina Rocha Duarte
 
4- A igreja primitiva.pptx
4- A igreja primitiva.pptx4- A igreja primitiva.pptx
4- A igreja primitiva.pptx
PIB Penha - SP
 
Teologia e doutrina
Teologia e doutrinaTeologia e doutrina
Teologia e doutrina
marcelo olegario
 
Teologia 05
Teologia 05Teologia 05
Teologia 05
marcelo olegario
 
Apostila 05
Apostila 05Apostila 05
Apostila 05
Omar Gebara
 
Apostila 05
Apostila 05Apostila 05
Apostila 05
Omar Gebara
 
A bíblia e a fé cristã (1)
A bíblia e a fé cristã (1)A bíblia e a fé cristã (1)
A bíblia e a fé cristã (1)
Recife Metro
 
Catolicismo
CatolicismoCatolicismo
Catolicismo
fespiritacrista
 
38 Cristologia -Universidade da Bíblia.pdf
38 Cristologia -Universidade da Bíblia.pdf38 Cristologia -Universidade da Bíblia.pdf
38 Cristologia -Universidade da Bíblia.pdf
DavidSamison
 
AULA_01_TEONTOLOGIA_-_PADRAO.pdf
AULA_01_TEONTOLOGIA_-_PADRAO.pdfAULA_01_TEONTOLOGIA_-_PADRAO.pdf
AULA_01_TEONTOLOGIA_-_PADRAO.pdf
AMILTON gomes Gomes
 
Apostila cristologia
Apostila cristologiaApostila cristologia
Apostila cristologia
miguel coimbra
 
Livro jesus-dos-13-aos-30-anos
Livro jesus-dos-13-aos-30-anosLivro jesus-dos-13-aos-30-anos
Livro jesus-dos-13-aos-30-anos
Giselle Bueno
 
Livro jesus-dos-13-aos-30-anos
Livro jesus-dos-13-aos-30-anosLivro jesus-dos-13-aos-30-anos
Livro jesus-dos-13-aos-30-anos
Giselle Bueno
 
Lição 2 - A Humanidade de Jesus Cristo e a Sua Deidade
Lição 2 - A Humanidade de Jesus Cristo e a Sua DeidadeLição 2 - A Humanidade de Jesus Cristo e a Sua Deidade
Lição 2 - A Humanidade de Jesus Cristo e a Sua Deidade
Éder Tomé
 
Cristologia - a Doutrina de Cristo Deus Filho.pptx
Cristologia - a Doutrina de Cristo Deus Filho.pptxCristologia - a Doutrina de Cristo Deus Filho.pptx
Cristologia - a Doutrina de Cristo Deus Filho.pptx
bpclaudio11
 
Cristologia_slides.pptx
Cristologia_slides.pptxCristologia_slides.pptx
Cristologia_slides.pptx
Elma Lopes Sousa GUIDINE
 
Lição 03 - a santíssima trindade, um só deus em três pessoas
Lição 03 - a santíssima trindade, um só deus em três pessoasLição 03 - a santíssima trindade, um só deus em três pessoas
Lição 03 - a santíssima trindade, um só deus em três pessoas
Daniel Felipe Kroth
 
Contra o arianismo moderno
Contra o arianismo modernoContra o arianismo moderno
Contra o arianismo moderno
Willian Orlandi
 
11 ist - revisão geral modulo 1 e 2
11   ist - revisão geral modulo 1 e 211   ist - revisão geral modulo 1 e 2
11 ist - revisão geral modulo 1 e 2
Léo Mendonça
 

Semelhante a 09 ist - cristologia (20)

cristologia-1.pptx
cristologia-1.pptxcristologia-1.pptx
cristologia-1.pptx
 
cristologia-1.pptx
cristologia-1.pptxcristologia-1.pptx
cristologia-1.pptx
 
4- A igreja primitiva.pptx
4- A igreja primitiva.pptx4- A igreja primitiva.pptx
4- A igreja primitiva.pptx
 
Teologia e doutrina
Teologia e doutrinaTeologia e doutrina
Teologia e doutrina
 
Teologia 05
Teologia 05Teologia 05
Teologia 05
 
Apostila 05
Apostila 05Apostila 05
Apostila 05
 
Apostila 05
Apostila 05Apostila 05
Apostila 05
 
A bíblia e a fé cristã (1)
A bíblia e a fé cristã (1)A bíblia e a fé cristã (1)
A bíblia e a fé cristã (1)
 
Catolicismo
CatolicismoCatolicismo
Catolicismo
 
38 Cristologia -Universidade da Bíblia.pdf
38 Cristologia -Universidade da Bíblia.pdf38 Cristologia -Universidade da Bíblia.pdf
38 Cristologia -Universidade da Bíblia.pdf
 
AULA_01_TEONTOLOGIA_-_PADRAO.pdf
AULA_01_TEONTOLOGIA_-_PADRAO.pdfAULA_01_TEONTOLOGIA_-_PADRAO.pdf
AULA_01_TEONTOLOGIA_-_PADRAO.pdf
 
Apostila cristologia
Apostila cristologiaApostila cristologia
Apostila cristologia
 
Livro jesus-dos-13-aos-30-anos
Livro jesus-dos-13-aos-30-anosLivro jesus-dos-13-aos-30-anos
Livro jesus-dos-13-aos-30-anos
 
Livro jesus-dos-13-aos-30-anos
Livro jesus-dos-13-aos-30-anosLivro jesus-dos-13-aos-30-anos
Livro jesus-dos-13-aos-30-anos
 
Lição 2 - A Humanidade de Jesus Cristo e a Sua Deidade
Lição 2 - A Humanidade de Jesus Cristo e a Sua DeidadeLição 2 - A Humanidade de Jesus Cristo e a Sua Deidade
Lição 2 - A Humanidade de Jesus Cristo e a Sua Deidade
 
Cristologia - a Doutrina de Cristo Deus Filho.pptx
Cristologia - a Doutrina de Cristo Deus Filho.pptxCristologia - a Doutrina de Cristo Deus Filho.pptx
Cristologia - a Doutrina de Cristo Deus Filho.pptx
 
Cristologia_slides.pptx
Cristologia_slides.pptxCristologia_slides.pptx
Cristologia_slides.pptx
 
Lição 03 - a santíssima trindade, um só deus em três pessoas
Lição 03 - a santíssima trindade, um só deus em três pessoasLição 03 - a santíssima trindade, um só deus em três pessoas
Lição 03 - a santíssima trindade, um só deus em três pessoas
 
Contra o arianismo moderno
Contra o arianismo modernoContra o arianismo moderno
Contra o arianismo moderno
 
11 ist - revisão geral modulo 1 e 2
11   ist - revisão geral modulo 1 e 211   ist - revisão geral modulo 1 e 2
11 ist - revisão geral modulo 1 e 2
 

Mais de Léo Mendonça

18 ist - a vida cristã - antropologia teologica
18   ist - a vida cristã - antropologia teologica18   ist - a vida cristã - antropologia teologica
18 ist - a vida cristã - antropologia teologica
Léo Mendonça
 
17 ist - a vida cristã - revisão geral ii
17   ist - a vida cristã - revisão geral ii17   ist - a vida cristã - revisão geral ii
17 ist - a vida cristã - revisão geral ii
Léo Mendonça
 
16 - ist - a vida cristã - ao serviço da comunhão
16 - ist - a vida cristã - ao serviço da comunhão16 - ist - a vida cristã - ao serviço da comunhão
16 - ist - a vida cristã - ao serviço da comunhão
Léo Mendonça
 
15 - ist - a vida cristã - cura
15  - ist - a vida cristã - cura15  - ist - a vida cristã - cura
15 - ist - a vida cristã - cura
Léo Mendonça
 
A vida cristã sacramentos
A vida cristã sacramentosA vida cristã sacramentos
A vida cristã sacramentos
Léo Mendonça
 
A vida cristã revisão geral
A vida cristã revisão geralA vida cristã revisão geral
A vida cristã revisão geral
Léo Mendonça
 
13 ist - liturgia ii - missa
13   ist - liturgia ii - missa13   ist - liturgia ii - missa
13 ist - liturgia ii - missa
Léo Mendonça
 
12 ist - a vida cristã - liturgia
12   ist - a vida cristã - liturgia12   ist - a vida cristã - liturgia
12 ist - a vida cristã - liturgia
Léo Mendonça
 
10b ist - revisão teologia
10b   ist - revisão teologia10b   ist - revisão teologia
10b ist - revisão teologia
Léo Mendonça
 
10 ist - cristologia e salvação
10   ist - cristologia e salvação10   ist - cristologia e salvação
10 ist - cristologia e salvação
Léo Mendonça
 
08 ist - dutrina de deus
08  ist - dutrina de deus08  ist - dutrina de deus
08 ist - dutrina de deus
Léo Mendonça
 
07 ist - teologia fundamental
07  ist - teologia fundamental07  ist - teologia fundamental
07 ist - teologia fundamental
Léo Mendonça
 
06c ist - revisão de hdi e eclesio
06c   ist - revisão de hdi e eclesio06c   ist - revisão de hdi e eclesio
06c ist - revisão de hdi e eclesio
Léo Mendonça
 
06b ist - eclesiologia iii
06b   ist - eclesiologia iii06b   ist - eclesiologia iii
06b ist - eclesiologia iii
Léo Mendonça
 
06a ist - história da igreja iv
06a   ist - história da igreja iv06a   ist - história da igreja iv
06a ist - história da igreja iv
Léo Mendonça
 
05 ist - história da igreja iii
05   ist - história da igreja iii05   ist - história da igreja iii
05 ist - história da igreja iii
Léo Mendonça
 
04 ist - história da igreja ii
04   ist - história da igreja ii04   ist - história da igreja ii
04 ist - história da igreja ii
Léo Mendonça
 
03 ist - história da igreja i
03   ist - história da igreja i03   ist - história da igreja i
03 ist - história da igreja i
Léo Mendonça
 
Ist eclesiologia - 02
Ist   eclesiologia - 02Ist   eclesiologia - 02
Ist eclesiologia - 02
Léo Mendonça
 
Ist eclesiologia - 01
Ist   eclesiologia - 01Ist   eclesiologia - 01
Ist eclesiologia - 01
Léo Mendonça
 

Mais de Léo Mendonça (20)

18 ist - a vida cristã - antropologia teologica
18   ist - a vida cristã - antropologia teologica18   ist - a vida cristã - antropologia teologica
18 ist - a vida cristã - antropologia teologica
 
17 ist - a vida cristã - revisão geral ii
17   ist - a vida cristã - revisão geral ii17   ist - a vida cristã - revisão geral ii
17 ist - a vida cristã - revisão geral ii
 
16 - ist - a vida cristã - ao serviço da comunhão
16 - ist - a vida cristã - ao serviço da comunhão16 - ist - a vida cristã - ao serviço da comunhão
16 - ist - a vida cristã - ao serviço da comunhão
 
15 - ist - a vida cristã - cura
15  - ist - a vida cristã - cura15  - ist - a vida cristã - cura
15 - ist - a vida cristã - cura
 
A vida cristã sacramentos
A vida cristã sacramentosA vida cristã sacramentos
A vida cristã sacramentos
 
A vida cristã revisão geral
A vida cristã revisão geralA vida cristã revisão geral
A vida cristã revisão geral
 
13 ist - liturgia ii - missa
13   ist - liturgia ii - missa13   ist - liturgia ii - missa
13 ist - liturgia ii - missa
 
12 ist - a vida cristã - liturgia
12   ist - a vida cristã - liturgia12   ist - a vida cristã - liturgia
12 ist - a vida cristã - liturgia
 
10b ist - revisão teologia
10b   ist - revisão teologia10b   ist - revisão teologia
10b ist - revisão teologia
 
10 ist - cristologia e salvação
10   ist - cristologia e salvação10   ist - cristologia e salvação
10 ist - cristologia e salvação
 
08 ist - dutrina de deus
08  ist - dutrina de deus08  ist - dutrina de deus
08 ist - dutrina de deus
 
07 ist - teologia fundamental
07  ist - teologia fundamental07  ist - teologia fundamental
07 ist - teologia fundamental
 
06c ist - revisão de hdi e eclesio
06c   ist - revisão de hdi e eclesio06c   ist - revisão de hdi e eclesio
06c ist - revisão de hdi e eclesio
 
06b ist - eclesiologia iii
06b   ist - eclesiologia iii06b   ist - eclesiologia iii
06b ist - eclesiologia iii
 
06a ist - história da igreja iv
06a   ist - história da igreja iv06a   ist - história da igreja iv
06a ist - história da igreja iv
 
05 ist - história da igreja iii
05   ist - história da igreja iii05   ist - história da igreja iii
05 ist - história da igreja iii
 
04 ist - história da igreja ii
04   ist - história da igreja ii04   ist - história da igreja ii
04 ist - história da igreja ii
 
03 ist - história da igreja i
03   ist - história da igreja i03   ist - história da igreja i
03 ist - história da igreja i
 
Ist eclesiologia - 02
Ist   eclesiologia - 02Ist   eclesiologia - 02
Ist eclesiologia - 02
 
Ist eclesiologia - 01
Ist   eclesiologia - 01Ist   eclesiologia - 01
Ist eclesiologia - 01
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 

09 ist - cristologia

  • 2. Credo Cristológico Creio em um só Senhor, Jesus Cristo, Filho Unigênito de Deus, nascido do Pai antes de todos os séculos: Deus de Deus, Luz da Luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro; gerado, não criado, consubstancial ao Pai. Por ele todas as coisas foram feitas. E por nós, homens, e para nossa salvação, desceu dos céus e se encarnou pelo Espírito Santo, no seio da Virgem Maria, e se fez homem. Também por nós, foi crucificado sob Pôncio Pilatos, padeceu e foi sepultado. Ressuscitou ao terceiro dia, conforme as Escrituras, e subiu aos céus,onde está sentado à direita do Pai. E de novo há de vir, em sua gloria, para julgar os vivos e os mortos; e seu reino não terá fim.
  • 3. Kénosis Divina Cristo Jesus, que era de condição divina, não Se valeu da sua igualdade com Deus, mas aniquilou-Se a Si próprio assumindo a condição de servo, tornou-Se semelhante aos homens. Aparecendo como homem, humilhou-Se ainda mais, obedecendo até à morte e morte de cruz. Por isso Deus O exaltou e lhe deu o nome que está acima de todos os nomes, para que ao nome de Jesus todos se ajoelhem, no céu, na terra e nos abismos, e toda a língua proclame que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai. (Fl 2, 6-11)
  • 4. Mediador Universal Ele é a imagem de Deus invisível, o Primogênito de toda a criatura. N’Ele foram criadas todas as coisas, no céu e na terra, visíveis e invisíveis, Tronos e Dominações, Principados e Potestades: por Ele e para Ele tudo foi criado. Ele é anterior a todas as coisas e por Ele tudo subsiste. Ele é a Cabeça da Igreja, que é o seu Corpo. Ele é o Princípio, o Primogênito de entre os mortos: em tudo Ele tem o primeiro lugar. Aprouve a Deus que n’Ele residisse toda a plenitude e n’Ele fossem reconciliadas consigo todas as coisas, estabelecendo a paz, pelo Sangue da sua cruz, com todas as criaturas, na terra e nos Céus. (Col 1, 12-20)
  • 5. O que é Cristologia A Cristologia é o estudo sobre Jesus Cristo, é um tratado central da teologia sendo que Jesus Cristo é o revelador do Pai e do Espírito Santo. O conteúdo deste tratado pode ser dividido em duas parte: O estudo da pessoa de Cristo como tal, o qual procura-se aprofundar o mistério da encarnação do Verbo, ou seja, a união Hipostática e suas propriedades. O estudo da obra salvífica de Jesus ou a soteriologia, que compreende a vida pública a morte, a ressurreição, a ascensão de Cristo e o Pentecostes como evento salvíficos.
  • 6. Cristologia Ascendente A Cristologia Ascendente parte do aspecto humano de Jesus, particularmente da figura do servo de Javé, obediente até a morte e que recebe o título de Kýrios após a sua ressurreição.
  • 7. Cristologia Descendente A Cristologia Descendente o qual parte da divindade de Jesus considerando-o Deus feito homem. Afirma a sua pré- existência, o seu nascimento humano no seio da Virgem Maria, que viveu neste mundo como homem em tudo menos no pecado e que por fim voltou ao Pai fazendo sua humanidade ressuscitada compartilhar com a glória de Deus.
  • 8. Escolas Cristologicas Destas duas metodologias originaram nos séculos III e IV duas escolas diferentes de teologia. A escola Antioquena, a qual acentuava a humanidade de Jesus, detendo-se mais no sentido histórico da humanidade de Jesus e a escola Alexandrina, a qual dava preferência para a divindade de Jesus e para o seu aspecto transcendental. Ambas com suas próprias metodologias quando permaneceram apenas na suas visões, deram origens a algumas heresias a respeito de Jesus Cristo
  • 9. Erros Metodológico Nestorianismo tendo como representante Nestório (+451) o qual enfatizou tanto a humanidade de Jesus que passou a ensinar que existiam duas natureza nele; a natureza humana e a natureza divina. A natureza divina com seu eu divino estaria unida à natureza humana com o seu eu humano. Monofisismo, esta encabeçada por Dióscoro de Alexandria e por Eutiques de Constantinopla que enfatizaram a divindade de Jesus e só admitiram nele apenas a natureza divina; esta para eles, teria absorvido a natureza humana de modo que nele estava somente uma aparência de sua divindade.
  • 10. Cristo ou Jesus? A partir da segunda década do século XIX o método História das Formas surgido com alguns teólogos protestantes, chamou atenção sobre o ocorrido entre a pregação de Jesus (anos 27-30) e a fase de redação dos evangelhos (anos 50-100) tempo em que a Boa Nova foi transmitida oralmente. Isto fez, segundo eles, que quando os evangelistas redigiram os evangelhos já não tivessem mais uma figura de Jesus fiel ao Jesus real do início, ou seja, os primeiros cristãos professavam o Jesus da fé e não o Jesus da história.
  • 11. Jesus Cristo A teologia católica admite que o evangelho antes de ser escrito foi pregado oralmente no início e que os pregadores se preocuparam mais em estruturar a fé dos ouvintes levando a eles a mensagem de salvação. Porém não admite que tenha havido desvio da realidade histórica ou o desinteresse pela figura real de Jesus, e por isso, quem crê nos evangelhos não crê naquilo que os antigos cristãos imaginavam simploriamente, mas na autêntica mensagem de Jesus Cristo.
  • 12. Pessoa e Ato Esclarecendo de uma maneira mais concreta afirma-se que a teologia é a ciência que tem por objeto Deus e a Cristologia tem por objeto Cristo, sua pessoa e sua obra. A teologia cristã primitiva é quase que exclusiva- mente uma cristologia. As discussões teológicas se relacionaram todas à pessoa de Cristo, à sua natureza por um lado, e a sua relação com Deus. Por outro, por isso o Novo Testamento não fala quase nada da pessoa de Cristo sem que se trate ao mesmo tempo de sua obra. Ao se perguntar quem é Cristo? Pergunta-se também; qual é a sua função? Por isso os títulos Cristológicos referem sempre e ao mesmo tempo, à pessoa e à obra de Cristo
  • 13. Uma Conciliação Porque a doutrina cristã é uma tentativa de explicar o mistério divino, deve consistir na tentativa de reunir verdades que, se examinadas superficialmente, podem parecer contraditórias. A tentação perene é aceitar uma e rejeitar a outra. Encontrar o "caminho estreito" que é capaz de combiná-los racionalmente é o maior desafio do teólogo.
  • 14. Zonas de Tensões O Jesus da história com O Cristo de fé O ser em Cristo com O agir em Cristo A humanidade com A divindade A teologia de Encarnação com A teologia da Cruz O Logos com O Ágape
  • 15. História e Fé A consequência dessa forma de ler a história do Evangelho com a lente do método histórico-crítico é que surgem duas pessoas distintas: o Jesus histórico que pregou o amor e o perdão, e o Cristo que foi inventado pelos primeiros seguidores de Jesus. Ficamos com um aparente dilema de sermos forçados a escolher entre o "Jesus da história" e o "Cristo da fé". Ratzinger afirma resolver esse dilema no Credo. Aqui, o "Cristo da fé", o Cristo em quem cremos, é o "Jesus da história", que foi concebido e nascido, sofreu e morreu, ressuscitou e ascendeu aos céus.
  • 16. Ser e Agir O primeiro passo em direção à conciliação da compreensão da fé e da história é a conciliação da compreensão do ser e do agir de Jesus Cristo. Ratzinger afirma que em Jesus Cristo não é possível distinguir entre a pessoa e seu cargo. Jesus é a sua palavra, e esta palavra é Jesus. É por isso que, em primeira instância, a profissão de fé cristã não é um resumo dos ensinamentos de Jesus, mas um ato de fé em Jesus mesmo. “A pessoa de Jesus é sua doutrina e sua doutrina é Jesus mesmo. Portanto, fé cristã, isto é, fé em Jesus como o Cristo, é verdadeiramente fé pessoal.”
  • 17. Encarnação e Cruz A teologia da encarnação tende para uma visão otimista estática, em que a importância do pecado e a necessidade de expiação são minimizadas e a futura deificação é enfatizada; enquanto a teologia da cruz tende a uma visão pessimista, em que a bondade do mundo é minimizada e a pecaminosidade humana enfatizada. Para Ratzinger, a chave para resolver a conciliação da teologia da Encarnação com a teologia da cruz está no Crucificado mesmo. É por isso que ele chama a Cruz de o "berço" da fé cristã.