SlideShare uma empresa Scribd logo
Universidade Federal Rural do Semi-Árido – UFERSA
Departamento de Ciências Ambientais e Tecnológicas
Curso: Bacharelado em Ciência e Tecnologia/Engenharia
de Produção




       Engenharia da
         Qualidade
componentes
• Alexandre Henrique Soares de Oliveira;
• Telles Dickson de Medeiros.
Agenda
• Engenharia da Qualidade;
• Gestão da Qualidade;
• Normalização, Auditoria e Certificação da
  Qualidade;
• Organização Metrológica da Qualidade;
• Confiabilidade de Processos e Produtos.
O que é qualidade
• "Qualidade é tudo aquilo que melhora o produto do ponto
  de vista do cliente.” (Deming);

• "Qualidade é a conformidade do produto às suas
  especificações.“ (Crosby);

• "Qualidade é desenvolver, projetar, produzir e
  comercializar um produto de qualidade que é mais
  econômico, mais útil e sempre satisfatório para o
  consumidor.“ (Ishikawa);

• "Qualidade é ausência de deficiências." (Juran);

• "Qualidade é a correção dos problemas e de suas causas
  ao longo de toda a série de fatores relacionados com
  marketing, projetos, engenharia, produção e
  manutenção, que exercem influência sobre a satisfação
  do usuário.” (Feigenbaum).
Engenharia da Qualidade
Qualidade, abordagens de Garvin:
 • Transcendental;
 • Baseada no produto;
 • Baseada no usuário;
 • Baseada na produção;
 • Baseada no valor.
Quem tem mais qualidade?
a qualidade também é
subjetiva
Eras da qualidade
• Inspeção: Toda produção vistoriada

• Controle da Qualidade: (1920) Walter A.
  Shewhart, implementação do controle estático da
  produção e o conceito de melhoria contínua. Criou
  o ciclo PDCA;

• Garantia   da    Qualidade:    (1950)    Armand
  Feigenbaum, Controle de Qualidade Total (Total
  Control Quality – TQC), o diferencial dessa
  abordagem foi o envolvimento de toda a
  organização e não a apenas o setor produtivo.
Eras da qualidade
• Gestão da Japão no período pós-guerra, W.
  Edwards Deming e Joseph M. Juran participaram
  da reconstrução do país, onde foram difundidos
  conceitos de controle estático da produção e da
  qualidade. O modelo japonês, controle de
  qualidade por toda a empresa (Company Wide
  Quality Control – CWQC);

• Kaizen, keiretsu
Gestão da Qualidade
as principais características da gestão da qualidade
são:
 • o comprometimento da alta administração;
   participação dos trabalhadores;
 • foco nos clientes;
 • gestão da cadeia de fornecedores;
 • gerenciamento de processos e melhoria
   contínua.
Gestão da Qualidade
• Histórico: reconstrução do japão ;
• Deming;
• Juran.
Princípios da Gestão da
   Qualidade (Deming)
• 1: Estabeleça constância de propósitos para a melhoria do produto e do
  serviço, objetivando tornar-se competitivo e manter-se em atividade, bem
  como criar emprego;

• 2: Adote a nova filosofia. Estamos numa nova era econômica. A
  administração ocidental deve acordar para o desafio, conscientizar-se de
  suas responsabilidades e assumir a liderança no processo de
  transformação;

• 3: Deixe de depender da inspeção para atingir a qualidade. Elimine a
  necessidade de inspeção em massa, introduzindo a qualidade no produto
  desde seu primeiro estágio;

• 4: Cesse a prática de aprovar orçamentos com base no preço. Ao invés
  disto, minimize o custo total. Desenvolva um único fornecedor para cada
  item, num relacionamento de longo prazo fundamentado na lealdade e na
  confiança;

• 5: Melhore constantemente o sistema de produção e de prestação de
  serviços, de modo a melhorar a qualidade e a produtividade
  e, consequentemente, reduzir de forma sistemática os custos;
• 6: Institua treinamento no local de trabalho;

• 7: Institua liderança. O objetivo da chefia deve ser o de ajudar
  as pessoas e as máquinas e dispositivos a executarem um
  trabalho melhor. A chefia administrativa está necessitando de
  uma revisão geral, tanto quanto a chefia dos trabalhadores de
  produção;

• 8: Elimine o medo, de tal forma que todos trabalhem de modo
  eficaz para a empresa;

• 9: Elimine as barreiras entre os departamentos. As pessoas
  engajadas em pesquisas, projetos, vendas e produção devem
  trabalhar em equipe, de modo a preverem problemas de
  produção e de utilização do produto ou serviço;

• 10: Elimine lemas, exortações e metas para a mão-de-obra que
  exijam nível zero de falhas e estabeleçam novos níveis
  produtividade. Tais exortações apenas geram inimizades, visto
  que o grosso das causas da baixa qualidade e da baixa
  produtividade encontram-se no sistema, estando, portanto, fora
  do alcance dos trabalhadores;
• 11: Elimine padrões de trabalho (quotas) na linha de
  produção. Substitua-os pela liderança; elimine o processo
  de administração por objetivos. Elimine o processo de
  administração por cifras, por objetivos numéricos.
  Substitua-os pela administração por processos através do
  exemplo de líderes;

• 12: Remova as barreiras que privam o operário horista de
  seu direito de orgulhar-se de seu desempenho. A
  responsabilidade dos chefes deve ser mudada de números
  absolutos para a qualidade; remova as barreiras que
  privam as pessoas da administração e da engenharia de
  seu direito de orgulharem-se de seu desempenho. Isto
  significa a abolição da avaliação anual de desempenho ou
  de mérito, bem como da administração por objetivos;

• 13: Institua um forte programa de educação e auto-
  aprimoramento;

• 14: Engaje todos da empresa no processo de realizar a
  transformação. A transformação é da competência de todo
  mundo.
Prêmios da Qualidade




  1951   1987   1991   1992
Planejamento e Controle da
Qualidade
Walter A. Shewhart:
• Controle estatístico da Produção (CEP);
• Controle estatístico da Qualidade (CEQ).

Kaoru Ishikawa; difusão das ferramentas da
qualidade
Ferramentas da Qualidade
•   Diagrama de Pareto;
•   Diagrama de causa-efeito;
•   Estratificação;
•   Histograma;
•   Lista de verificação;
•   Gráficos de controle;
•   Diagrama de correlação.
Normalização, Auditoria e
Certificação para a Qualidade
• Para Normalizar é necessário padronizar:
Normalização, Auditoria e
Certificação para a Qualidade
• “Quer jogar! Então mostre que sabe as regras!”
Normalização, Auditoria e
Certificação para a Qualidade
• No total o Rio Grande do Norte possui 42
  certificações na NBR ISO 9001:2008;
• Desse total 9 delas são da cidade de Mossoró, as
  demais estão, no geral concentradas na capital
  Natal.
• O estado do Ceará possui 136 empresa
  certificadas, São Paulo possui 2.147 certificações;
• No geral a região Nordeste possui 776
  certificações, Sudeste 3.468, Sul 1.268, Centro-
  oeste 326, Norte 188 certificações.

Fonte: Comitê brasileiro da Qualidade CB-25
Empresas certificadas de
Mossoró
• CONFECÇÃO POLLYBRINDES LTDA
Escopo de Certificação: Confecção           de   uniformes
profissionais;

• CONFIANÇA MUDANÇAS E TRANSPORTES LTDA
Escopo de Certificação: Mudanças residenciais e
comerciais, nacionais e internacionais, transporte e
movimentação de materiais e equipamentos relacionados à
área petrolífera, produtos químicos, explosivos, transporte
e armazenamento de medicamentos;

• ENGEPETROL LTDA
Escopo de Certificação: desenvolvimento, fabricação e
manutenção de ferramentas para a indústria petrolífera;

Fonte: Comitê brasileiro da Qualidade CB-25
Empresas certificadas de
Mossoró
• G&C MANUTENÇÃO E SERVIÇOS LTDA.
Escopo de Certificação: Gestão de contratos de prestação
de serviços;

• ITAPETINGA AGRO INDUSTRIAL S/A
Escopo de Certificação: Fabricação e venda de cimento
portland.

• MM      COMÉRCIO         DE       PARAFUSOS          E
   FERREMENTASLTDA. MM COMÉRCIO DE PARAFUSOS
   E FERREMENTASLTDA
Escopo de Certificação: comercialização de elementos de
fixação,  peças    especiais,   acessórios,     máquinas
equipamentos, ferramentas e peças em geral para
montagem e manutenção da indústria petrolífera.

Fonte: Comitê brasileiro da Qualidade CB-25
Empresas certificadas de
Mossoró
•   PINTI METAL MONTAGEM JATEAMENTO E
  PINTURA
Escopo de Certificação: Jateamento e pintura
industrial;

• SOCEL COMÉRCIO DE VEÍCULOS LTDA
Escopo    de   Certificação:     Comercialização   de
Automóveis e Comerciais Leves e Pós-Vendas;

•     VIA    DIESEL       DISTRIBUIDORA       DE
 VEÍCULOS, MOTORES E PEÇAS LTDA
Escopo de Certificação: Pós-Vendas de Caminhões e
Ônibus.

Fonte: Comitê brasileiro da Qualidade CB-25
Normalização, Auditoria e
Certificação para a Qualidade
• “A mais de uma maneira de jogar o mesmo jogo!”




• DMAIC (Define; Measure; Analyse; Improve;
  Control), definir, medir, analisar, melhorar,
  controlar.
Organização Metrológica da
Qualidade
 • “Olha Ford, ai mais uma Vez!”:
Padronizar para medir;
Organização Metrológica da
Qualidade
• Ter certeza dos resultados obtidos é essencial:
  calibrar e aferir.
Organização Metrológica da
Qualidade
• “Falando em metrologia e qualidade, alguém
  conhece o Instituto Nacional de
  Metrologia, Qualidade e Tecnologia?”
Confiabilidade de
   Processos e Produtos
“eu fico com o da direita!”:




“Cuidado! Preconceito em alguns casos é crime!” A Volvo
Car Corporation pertence a chinesa Geely International
Corporation.
Confiabilidade de
Processos e Produtos
 • Afinal, o que é?
Segundo Carvalho in Batalha (2008,cap.17 p.72) “A
confiabilidade pode ser definida como a
probabilidade de um item
(produtos, serviço, equipamento) desempenhar a
função requerida, por um intervalo de tempo
estabelecido, sob condições definidas de uso
(ABNT, 1994, NBR, 5462).”
Gráfico Banheira


         Infância                Senilidade
falhas              Maturidade




                                      tempo
Confiabilidade de
Processos e Produtos
• A confiabilidade de um produto/serviço deve ser
  definida, desde os atributos de seu projeto à
  conformidade em relação ao mesmo, pois é
  necessário conhecer o produto para definir os
  padrões que determinarão sua
  confiabilidade, dentro de sua aplicação.
Confiabilidade de
Processos e Produtos
• A Nasa na década de 1960, utilizando
  dos parâmetros de medição de
  confiabilidade     criou um método
  analítico para determinação e analises
  de falhas chamado Failure Mode and
  Effect Analysis – FMEA, análise dos
  modos e efeitos das falhas, que
  consiste basicamente na identificação
  dos modos de falhas potenciais assim
  como suas causas e efeitos potenciais.
Confiabilidade de
Processos e Produtos
• Se não tiver alto grau de confibilidade, as vezes
  nem dá tempo dizer: “Houston! We have a
  problem!”




                    Explosão do ônibus espacial
                    challenger, 26/01/1986
Confiabilidade de
Processos e Produtos


• A   confiabilidade   de    um   processo   e/ou
  produto/serviço    garante   a   segurança   do
  consumidor e dos colaboradores.
Considerações
• Não adiantar ter sistemas de gestão e controle da
  qualidade em todos os processos de uma
  organização se eles não forem integrados!



Não, é?! Dona




What is now SONY?
Matéria Bloomberg/Businessweek 17/11/2011
Entrevista
Entrevista relizada com Dr. Joanir Luís Kalnin, coordenador do curso de
engenharia de produção da Universidade de Caxias do Sul (UCS), em 11
nov. 2011:

1. Qual a importância da Engenharia da Qualidade para
a sociedade/organizações?

Dr. Kalnin: Uma empresa só consegue ser competitiva se produzir
produtos com qualidade que o mercado em questão exige.
Portanto, qualidade é um pré-requisito para encantar os clientes-alvos.
2. Quais os desafios principais, que um Engenheiro de produção encontra
ao atuar nessa área?

Dr. Kalnin: O principal desafio é produzir com mais eficiência e eficácia
utilizando cada vez menos recursos físicos e humanos, ou seja, otimizando
os processos.
3. Onde pode ser aplicada a Engenharia da Qualidade?

Dr. Kalnin: Na nossa casa, empresa, rua, no dia a dia, ou seja em todos
os lugares podemos utilizar os princípios da qualidade.
Entrevista
 4. Na sua concepção, Como a Engenharia da Qualidade se relaciona
com as demais áreas da Engenharia de Produção (engenharia de
produto, logística, pesquisa operacional...)?

Dr. Kalnin: Essa relação é horizontal, ou seja, ela deve estar presente em
toda a cadeia de suprimentos.
5. Como ou quais ferramentas, um Engenheiro de Produção pode
utilizar para aumentar a confiabilidade de um processo e/ou produto?

Dr. Kalnin: Aplicando os 14 princípios da qualidade definidos por Deming e
exigir que os padrões da ISO sejam realmente respeitados.

 6. Qual a importância da Engenharia da Qualidade para o processo
de tomada de decisão nas organizações?

Dr. Kalnin: Qualidade tem haver com ética, bom senso, respeitar os
clientes, ouvi-los e buscar através do lançamento de produtos encantá-los.
Portanto, ela é importante para as organizações e sociedade.
Entrevista
7. No seu ponto de vista, como se encontra a
demanda atual de Engenheiros de Produção? essa
demanda é crescente ou decrescente?

Dr. Kalnin: Hoje, está faltando engenheiro em
todas as áreas. Como o Engenheiro de Produção é
um gestor com visão interdisciplinar, obviamente
existe carência desse profissional nas empresas.

 8. Qual ou quais áreas da Engenharia de Produção
apresentam mais carência de Profissionais?

DR. Kalnin: Pesquisa operacional, Gestão
Econômica e Engenharia do Produto.
Introdução ao Conceito de Normalização em
Geral e sua Importância na Engenharia


        Análise histórica da importância da criação de
órgãos de normatização e controle na Europa e no
mundo.
        Mostra a criação e a importância dos órgãos de
normalização e a utilização de paramentos padronizados
de medidas e especificações de processos. Resultado na
facilitação da integração e comércio tanto no bloco
econômico europeu como no mundial, através dos
diversos tipos de normalização.

ALMCINHA, J. A. Introdução ao Conceito de Normalização em
Geral e sua Importância na Engenharia. Inegi. Porto, 2005.
Disponível em:< http://www.inegi.pt/instituicao/ons/pdf/JASA-
1.PDF>. Acesso em: 10 nov. 2011.
Aplicação Prática da Técnica do PDCA e das Ferramentas da
Qualidade no Gerenciamento de Processos Industriais para
Melhoria e Manutenção de Resultados


       Esse trabalho o foi aplicado em uma metalúrgica
da cidade de Juiz de Fora-MG, onde através da utilização
do ciclo PDCA e das principais ferramentas da qualidade
como: diagrama de Pareto, diagrama de causa-
efeito, diagrama de controle dentro outros; possibilitou a
identificação e gargalos na produção e melhoria do
sistema de produção garantindo resultados otimizados
da produção.
       Os mesmo conceitos utilizados nesse trabalho
podem ser aplicados em diversos setores.

LEONEL, P. H. Aplicação Prática da Técnica do PDCA e das Ferramentas
da Qualidade no Gerenciamento de Processos Industriais para Melhoria
e Manutenção de Resultados. UFJF. Juiz de Fora. Jun. 2008. Disponível
em:<
http://www.ufjf.br/ep/files/2009/06/tcc_jul2008_pauloleonel.pdf>
Acesso em : 10 nov. 2011.
Aplicações de Técnicas da Engenharia da Qualidade no
Aperfeiçoamentos de um Processo de Produção na
Suíno Cultura

       O objetivo principal desse trabalho foi identificar
as     causa     da     mortalidade      de    leitões     na
suinocultura, aplicando diretamente as ferramentas da
qualidade     (folha    de     controle,    diagrama       de
Pareto, diagrama causa-efeito entre outras) e o ciclo
PDCA no sistema de produção predominante na
suinocultura do Brasil.
       Após     aplicação    desta     ferramenta      foram
identificadas algumas das causa da mortalidade, o que
possibilitou a criação de procedimentos visando a
melhoria dos resultados.

ORO, S. R. Aplicações de Técnicas da Engenharia da Qualidade
no Aperfeiçoamentos de um Processo de Produção na Suíno
Cultura. Curitiba. UFPR. 9 set. 2010. Disponível em:<
http://dspace.c3sl.ufpr.br/dspace/bitstream/handle/1884/2485
4/dissertacao_Sheila_Oro.pdf?sequence=1>. Acesso em:14
nov. 2011.
Uso e qualidade da água subterrânea
para irrigação no Semi-Árido piauiense


       Este trabalho trata do estudo da utilização e
qualidade da agua obtida de poços subterrâneos,
usados na agricultura no estado do Piauí, utilizando
parâmetros metrológicos e ferramentas estatísticas
da qualidade e análise dos sistemas de irrigação
vigentes     na   região.   A    obra  mostrou     a
viabilidade/inviabilidade de alguns poços para
utilização na produção agrícola.

ANDRADE Jr. A. S. Uso e qualidade da água subterrânea para
irrigação no Semi-Árido piauiense. Revista Brasileira de
Engenharia Agrícula e Ambiental. Campina Grande. 20 jan.
2005. Disponível em:<
http://www.scielo.br/pdf/rbeaa/v10n4/v10n4a14.pdf>. Acesso
em: 12 nov. 2011.
Referências
• SLACK, N. et al, Administração da Produção, edição compacta. 1 ed. São
  Paulo: Atlas, 2006. cap. 17 p. 411-440;

• JURAN, J. M. A Qualidade desde o Projeto, Os novos passo para o
  planejamento da qualidade em produtos e serviços. 1ª ed. São Paulo:
  Cengage Learning, 1992.

• CARVALHO, M. M. Qualidade. In: BATALHA, M. O. (Org). Introdução a
  Engenharia de Produção. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008 – 3ª reimpressão.

• VIEIRA, S. Estatística para Qualidade 1 ed. Rio de Janeiro: Campus, 1999

• CAVALHO, M. M. et al. Gestão da qualidade: Teoria e Casos. 1 ed. Rio de
  Janeiro: Elsevier, 2005.


• DEMING, W. E. Qualidade: A Revolução da Administração. Rio de
  Janeiro: Marques Saraiva, 1990.
Referências
• ALMACINHA, J. A. Introdução ao Conceito de Normalização em Geral e
  sua Importância na Engenharia. Inegi. Porto, 2005. Disponível em:<
  http://www.inegi.pt/instituicao/ons/pdf/JASA-1.PDF>. Acesso em: 10
  nov. 2011.

• LEONEL, P. H. Aplicação Prática da Técnica do PDCA e das Ferramentas
  da Qualidade no Gerenciamento de Processos Industriais para Melhoria e
  Manutenção de Resultados. UFJF. Juiz de Fora. Jun. 2008. Disponível
  em:< http://www.ufjf.br/ep/files/2009/06/tcc_jul2008_pauloleonel.pdf>
  Acesso em : 10 nov. 2011.

• ORO, S. R. Aplicações de Técnicas da Engenharia da Qualidade no
  Aperfeiçoamentos de um Processo de Produção na Suíno Cultura.
  Curitiba. UFPR. 9 set. 2010. Disponível em:<
  http://dspace.c3sl.ufpr.br/dspace/bitstream/handle/1884/24854/disserta
  cao_Sheila_Oro.pdf?sequence=1>. Acesso em:14 nov. 2011.

• ANDRADE JR. A. S. Uso e qualidade da água subterrânea para irrigação
  no Semi-Árido piauiense. Revista Brasileira de Engenharia Agrícula
  e Ambiental. Campina Grande. 20 jan. 2005. Disponível em:<
  http://www.scielo.br/pdf/rbeaa/v10n4/v10n4a14.pdf>. Acesso em: 12
  nov. 2011.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gestão de processos e qualidade
Gestão de processos e qualidadeGestão de processos e qualidade
Gestão de processos e qualidade
Gerisval Pessoa
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
Alexandre Porto Araujo
 
Aula 2 controle da qualidade total
Aula 2  controle da qualidade totalAula 2  controle da qualidade total
Aula 2 controle da qualidade total
institutocarvalho
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
Fabricio Pangoni
 
2009 - Introdução ao SGQ para Novos Colaboradores
2009 - Introdução ao SGQ para Novos Colaboradores2009 - Introdução ao SGQ para Novos Colaboradores
2009 - Introdução ao SGQ para Novos Colaboradores
Thiago Lima
 
Indicadores de Desempenho - Ferramenta da Qualidade
Indicadores de Desempenho - Ferramenta da QualidadeIndicadores de Desempenho - Ferramenta da Qualidade
Indicadores de Desempenho - Ferramenta da Qualidade
Ideia Consultoria
 
ISO 9001 2000 Apresentação dos Requisitos para Manufatura
ISO 9001 2000 Apresentação dos Requisitos para ManufaturaISO 9001 2000 Apresentação dos Requisitos para Manufatura
ISO 9001 2000 Apresentação dos Requisitos para Manufatura
Rogério Souza
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
Mayra de Souza
 
Sistema de gestão da Qualidade
Sistema de gestão da QualidadeSistema de gestão da Qualidade
Sistema de gestão da Qualidade
Sergio Dias
 
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1   controle de qualidade na ind. de alimentosAula 1   controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
( UFS ) Universidade Federal de Sergipe
 
ISO 9001
ISO 9001ISO 9001
Sistemas de gestao integrados
Sistemas de gestao integradosSistemas de gestao integrados
Sistemas de gestao integrados
SERGIO DE MELLO QUEIROZ
 
Conceitos básicos sobre qualidade e iso 90001
Conceitos básicos sobre qualidade e iso 90001Conceitos básicos sobre qualidade e iso 90001
Conceitos básicos sobre qualidade e iso 90001
Ariadne Canedo
 
Sistemas de producao
Sistemas de producaoSistemas de producao
Sistemas de producao
Hélio Diniz
 
O Profissional da Qualidade e sua Atuação em um Mundo Globalizado
O Profissional da Qualidade e sua Atuação em um Mundo GlobalizadoO Profissional da Qualidade e sua Atuação em um Mundo Globalizado
O Profissional da Qualidade e sua Atuação em um Mundo Globalizado
Evandro Lorentz
 
Gestão da Qualidade Total - Modulo 2
Gestão da Qualidade Total - Modulo  2Gestão da Qualidade Total - Modulo  2
Gestão da Qualidade Total - Modulo 2
Silvio Carlos Valentini
 
01 aula sistema de qualidade
01 aula sistema de qualidade01 aula sistema de qualidade
01 aula sistema de qualidade
Homero Alves de Lima
 
Apresentação pdca
Apresentação pdcaApresentação pdca
Apresentação pdca
emc5714
 
Qualidade
QualidadeQualidade
Qualidade
Eduardo Cardoso
 
Eras da qualidade
Eras da qualidadeEras da qualidade
Eras da qualidade
Renato Bottini
 

Mais procurados (20)

Gestão de processos e qualidade
Gestão de processos e qualidadeGestão de processos e qualidade
Gestão de processos e qualidade
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Aula 2 controle da qualidade total
Aula 2  controle da qualidade totalAula 2  controle da qualidade total
Aula 2 controle da qualidade total
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
 
2009 - Introdução ao SGQ para Novos Colaboradores
2009 - Introdução ao SGQ para Novos Colaboradores2009 - Introdução ao SGQ para Novos Colaboradores
2009 - Introdução ao SGQ para Novos Colaboradores
 
Indicadores de Desempenho - Ferramenta da Qualidade
Indicadores de Desempenho - Ferramenta da QualidadeIndicadores de Desempenho - Ferramenta da Qualidade
Indicadores de Desempenho - Ferramenta da Qualidade
 
ISO 9001 2000 Apresentação dos Requisitos para Manufatura
ISO 9001 2000 Apresentação dos Requisitos para ManufaturaISO 9001 2000 Apresentação dos Requisitos para Manufatura
ISO 9001 2000 Apresentação dos Requisitos para Manufatura
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
 
Sistema de gestão da Qualidade
Sistema de gestão da QualidadeSistema de gestão da Qualidade
Sistema de gestão da Qualidade
 
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1   controle de qualidade na ind. de alimentosAula 1   controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
 
ISO 9001
ISO 9001ISO 9001
ISO 9001
 
Sistemas de gestao integrados
Sistemas de gestao integradosSistemas de gestao integrados
Sistemas de gestao integrados
 
Conceitos básicos sobre qualidade e iso 90001
Conceitos básicos sobre qualidade e iso 90001Conceitos básicos sobre qualidade e iso 90001
Conceitos básicos sobre qualidade e iso 90001
 
Sistemas de producao
Sistemas de producaoSistemas de producao
Sistemas de producao
 
O Profissional da Qualidade e sua Atuação em um Mundo Globalizado
O Profissional da Qualidade e sua Atuação em um Mundo GlobalizadoO Profissional da Qualidade e sua Atuação em um Mundo Globalizado
O Profissional da Qualidade e sua Atuação em um Mundo Globalizado
 
Gestão da Qualidade Total - Modulo 2
Gestão da Qualidade Total - Modulo  2Gestão da Qualidade Total - Modulo  2
Gestão da Qualidade Total - Modulo 2
 
01 aula sistema de qualidade
01 aula sistema de qualidade01 aula sistema de qualidade
01 aula sistema de qualidade
 
Apresentação pdca
Apresentação pdcaApresentação pdca
Apresentação pdca
 
Qualidade
QualidadeQualidade
Qualidade
 
Eras da qualidade
Eras da qualidadeEras da qualidade
Eras da qualidade
 

Destaque

Engenharia Organizacional
Engenharia OrganizacionalEngenharia Organizacional
Engenharia Organizacional
Leonardo Pinto
 
Engenharia do produto
Engenharia do produtoEngenharia do produto
Engenharia do produto
karentiago
 
Engenharia de operações e processos da produção
Engenharia de operações e processos da produçãoEngenharia de operações e processos da produção
Engenharia de operações e processos da produção
Sara Dantas
 
Pesquisa Operacional
Pesquisa OperacionalPesquisa Operacional
Pesquisa Operacional
msleite100
 
Aula 07 resumo modulos 01 e 02 2015 01
Aula 07 resumo modulos 01 e 02 2015 01Aula 07 resumo modulos 01 e 02 2015 01
Aula 07 resumo modulos 01 e 02 2015 01
Claudio Bernardi Stringari
 
Adm Geral Parte 1
Adm Geral Parte 1Adm Geral Parte 1
Adm Geral Parte 1
kilma lima
 
Engenharia da qualidade
Engenharia da qualidadeEngenharia da qualidade
Engenharia da qualidade
Alexandre Oliveira
 
Introdução à Engenharia da Qualidade e o Método Taguchi
Introdução à Engenharia da Qualidade e o Método TaguchiIntrodução à Engenharia da Qualidade e o Método Taguchi
Introdução à Engenharia da Qualidade e o Método Taguchi
Carlos Yukimura
 
Engenharia da Sustentabilidade
Engenharia da SustentabilidadeEngenharia da Sustentabilidade
Engenharia da Sustentabilidade
Adriana Mendes
 
Engenharia do Trabalho
Engenharia do TrabalhoEngenharia do Trabalho
Engenharia do Trabalho
Leonardo Nogueira
 
Eras da Qualidade
Eras da QualidadeEras da Qualidade
Eras da Qualidade
Rubia Soraya Rabello
 
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviços
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviçosGestão da qualidade: operações de produção e de serviços
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviços
BWS Contabilidade, Consultoria e Perícias
 
201310110120 nbr 5426_nb_309_01___planos_de_amostragem_e_procedimentos_na_ins...
201310110120 nbr 5426_nb_309_01___planos_de_amostragem_e_procedimentos_na_ins...201310110120 nbr 5426_nb_309_01___planos_de_amostragem_e_procedimentos_na_ins...
201310110120 nbr 5426_nb_309_01___planos_de_amostragem_e_procedimentos_na_ins...
Lidiane Fenerich
 
Reforma tributária
Reforma tributária Reforma tributária
Reforma tributária
Renan Malaquias
 
Aula 09 eq 2014 02 fameg 3ra aula modulo 03 12 05
Aula 09 eq 2014 02 fameg 3ra aula modulo 03 12 05Aula 09 eq 2014 02 fameg 3ra aula modulo 03 12 05
Aula 09 eq 2014 02 fameg 3ra aula modulo 03 12 05
Claudio Bernardi Stringari
 
Administração e qualidade
Administração e qualidadeAdministração e qualidade
Administração e qualidade
Simone Canuto
 
Conceito Bares E Restau Senac2010
Conceito Bares E Restau Senac2010Conceito Bares E Restau Senac2010
Conceito Bares E Restau Senac2010
Anderson Silva
 
Aula 4.1- Ergonomia
Aula 4.1- ErgonomiaAula 4.1- Ergonomia
TCC - Engenharia da Qualidade - O Idoso Na Sociedade Moderna
TCC -  Engenharia da Qualidade - O Idoso Na Sociedade ModernaTCC -  Engenharia da Qualidade - O Idoso Na Sociedade Moderna
TCC - Engenharia da Qualidade - O Idoso Na Sociedade Moderna
Wilson Rodrigues
 
Exercicio Estrutura Organizacional
Exercicio Estrutura OrganizacionalExercicio Estrutura Organizacional
Exercicio Estrutura Organizacional
kilma lima
 

Destaque (20)

Engenharia Organizacional
Engenharia OrganizacionalEngenharia Organizacional
Engenharia Organizacional
 
Engenharia do produto
Engenharia do produtoEngenharia do produto
Engenharia do produto
 
Engenharia de operações e processos da produção
Engenharia de operações e processos da produçãoEngenharia de operações e processos da produção
Engenharia de operações e processos da produção
 
Pesquisa Operacional
Pesquisa OperacionalPesquisa Operacional
Pesquisa Operacional
 
Aula 07 resumo modulos 01 e 02 2015 01
Aula 07 resumo modulos 01 e 02 2015 01Aula 07 resumo modulos 01 e 02 2015 01
Aula 07 resumo modulos 01 e 02 2015 01
 
Adm Geral Parte 1
Adm Geral Parte 1Adm Geral Parte 1
Adm Geral Parte 1
 
Engenharia da qualidade
Engenharia da qualidadeEngenharia da qualidade
Engenharia da qualidade
 
Introdução à Engenharia da Qualidade e o Método Taguchi
Introdução à Engenharia da Qualidade e o Método TaguchiIntrodução à Engenharia da Qualidade e o Método Taguchi
Introdução à Engenharia da Qualidade e o Método Taguchi
 
Engenharia da Sustentabilidade
Engenharia da SustentabilidadeEngenharia da Sustentabilidade
Engenharia da Sustentabilidade
 
Engenharia do Trabalho
Engenharia do TrabalhoEngenharia do Trabalho
Engenharia do Trabalho
 
Eras da Qualidade
Eras da QualidadeEras da Qualidade
Eras da Qualidade
 
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviços
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviçosGestão da qualidade: operações de produção e de serviços
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviços
 
201310110120 nbr 5426_nb_309_01___planos_de_amostragem_e_procedimentos_na_ins...
201310110120 nbr 5426_nb_309_01___planos_de_amostragem_e_procedimentos_na_ins...201310110120 nbr 5426_nb_309_01___planos_de_amostragem_e_procedimentos_na_ins...
201310110120 nbr 5426_nb_309_01___planos_de_amostragem_e_procedimentos_na_ins...
 
Reforma tributária
Reforma tributária Reforma tributária
Reforma tributária
 
Aula 09 eq 2014 02 fameg 3ra aula modulo 03 12 05
Aula 09 eq 2014 02 fameg 3ra aula modulo 03 12 05Aula 09 eq 2014 02 fameg 3ra aula modulo 03 12 05
Aula 09 eq 2014 02 fameg 3ra aula modulo 03 12 05
 
Administração e qualidade
Administração e qualidadeAdministração e qualidade
Administração e qualidade
 
Conceito Bares E Restau Senac2010
Conceito Bares E Restau Senac2010Conceito Bares E Restau Senac2010
Conceito Bares E Restau Senac2010
 
Aula 4.1- Ergonomia
Aula 4.1- ErgonomiaAula 4.1- Ergonomia
Aula 4.1- Ergonomia
 
TCC - Engenharia da Qualidade - O Idoso Na Sociedade Moderna
TCC -  Engenharia da Qualidade - O Idoso Na Sociedade ModernaTCC -  Engenharia da Qualidade - O Idoso Na Sociedade Moderna
TCC - Engenharia da Qualidade - O Idoso Na Sociedade Moderna
 
Exercicio Estrutura Organizacional
Exercicio Estrutura OrganizacionalExercicio Estrutura Organizacional
Exercicio Estrutura Organizacional
 

Semelhante a Engenharia da qualidade

Aula 1.0
Aula 1.0Aula 1.0
Aula 1.0
Bosco oliveira
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
Carlos Sousa
 
Aula de Gestão da Qualidade TOTAL para o curso de Bel em ADM.pdf
Aula de Gestão da Qualidade TOTAL para o curso de Bel em ADM.pdfAula de Gestão da Qualidade TOTAL para o curso de Bel em ADM.pdf
Aula de Gestão da Qualidade TOTAL para o curso de Bel em ADM.pdf
MozartPereira3
 
126131644_slides_qualidade.ppt
126131644_slides_qualidade.ppt126131644_slides_qualidade.ppt
126131644_slides_qualidade.ppt
RicardoAmadeu3
 
1206131644_slides_qualidade[1].pptx
1206131644_slides_qualidade[1].pptx1206131644_slides_qualidade[1].pptx
1206131644_slides_qualidade[1].pptx
MarcoFrancisco24
 
Qualidade na prestação de serviços
Qualidade na prestação de serviçosQualidade na prestação de serviços
Qualidade na prestação de serviços
thuannysaraiva
 
Conceitosdebsicosdequalidadedesoftware
ConceitosdebsicosdequalidadedesoftwareConceitosdebsicosdequalidadedesoftware
Conceitosdebsicosdequalidadedesoftware
Heuder Rodrigues de Sena
 
Conceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de softwareConceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de software
Ronney Moreira de Castro
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidade Gestão da qualidade
Gestão da qualidade
Filipa Andrade
 
Gestao da qualidade definicoes
Gestao da qualidade definicoesGestao da qualidade definicoes
Gestao da qualidade definicoes
João Rafael Lopes
 
apresentação de gestao da qualidade em power point
apresentação de gestao da qualidade em power pointapresentação de gestao da qualidade em power point
apresentação de gestao da qualidade em power point
SeleoRH3
 
Qualidade senai
Qualidade senaiQualidade senai
Qualidade senai
Cinthia Frade
 
2012 11-05 - aula 13 - as normas da qualidade
2012 11-05 - aula 13 - as normas da qualidade2012 11-05 - aula 13 - as normas da qualidade
2012 11-05 - aula 13 - as normas da qualidade
Fernando Monteiro D'Andrea
 
Implantação do tqc 2
Implantação do tqc 2Implantação do tqc 2
Implantação do tqc 2
emc5714
 
Conscientização e motivação qualidade
Conscientização e motivação qualidadeConscientização e motivação qualidade
Conscientização e motivação qualidade
Sergio Canossa
 
Gurus da Qualidade
Gurus da QualidadeGurus da Qualidade
Gurus da Qualidade
Rubia Soraya Rabello
 
Quali 5
Quali 5Quali 5
Quali 5 garantia da qualidade
Quali 5 garantia da qualidadeQuali 5 garantia da qualidade
Quali 5 garantia da qualidade
Fernando Flessati
 
Iso 9001 palestra power point
Iso  9001 palestra   power pointIso  9001 palestra   power point
Iso 9001 palestra power point
Fabiano Mesquita
 
Gestão da qualidade – tqm
Gestão da qualidade – tqmGestão da qualidade – tqm
Gestão da qualidade – tqm
Wagner Dias
 

Semelhante a Engenharia da qualidade (20)

Aula 1.0
Aula 1.0Aula 1.0
Aula 1.0
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Aula de Gestão da Qualidade TOTAL para o curso de Bel em ADM.pdf
Aula de Gestão da Qualidade TOTAL para o curso de Bel em ADM.pdfAula de Gestão da Qualidade TOTAL para o curso de Bel em ADM.pdf
Aula de Gestão da Qualidade TOTAL para o curso de Bel em ADM.pdf
 
126131644_slides_qualidade.ppt
126131644_slides_qualidade.ppt126131644_slides_qualidade.ppt
126131644_slides_qualidade.ppt
 
1206131644_slides_qualidade[1].pptx
1206131644_slides_qualidade[1].pptx1206131644_slides_qualidade[1].pptx
1206131644_slides_qualidade[1].pptx
 
Qualidade na prestação de serviços
Qualidade na prestação de serviçosQualidade na prestação de serviços
Qualidade na prestação de serviços
 
Conceitosdebsicosdequalidadedesoftware
ConceitosdebsicosdequalidadedesoftwareConceitosdebsicosdequalidadedesoftware
Conceitosdebsicosdequalidadedesoftware
 
Conceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de softwareConceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de software
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidade Gestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Gestao da qualidade definicoes
Gestao da qualidade definicoesGestao da qualidade definicoes
Gestao da qualidade definicoes
 
apresentação de gestao da qualidade em power point
apresentação de gestao da qualidade em power pointapresentação de gestao da qualidade em power point
apresentação de gestao da qualidade em power point
 
Qualidade senai
Qualidade senaiQualidade senai
Qualidade senai
 
2012 11-05 - aula 13 - as normas da qualidade
2012 11-05 - aula 13 - as normas da qualidade2012 11-05 - aula 13 - as normas da qualidade
2012 11-05 - aula 13 - as normas da qualidade
 
Implantação do tqc 2
Implantação do tqc 2Implantação do tqc 2
Implantação do tqc 2
 
Conscientização e motivação qualidade
Conscientização e motivação qualidadeConscientização e motivação qualidade
Conscientização e motivação qualidade
 
Gurus da Qualidade
Gurus da QualidadeGurus da Qualidade
Gurus da Qualidade
 
Quali 5
Quali 5Quali 5
Quali 5
 
Quali 5 garantia da qualidade
Quali 5 garantia da qualidadeQuali 5 garantia da qualidade
Quali 5 garantia da qualidade
 
Iso 9001 palestra power point
Iso  9001 palestra   power pointIso  9001 palestra   power point
Iso 9001 palestra power point
 
Gestão da qualidade – tqm
Gestão da qualidade – tqmGestão da qualidade – tqm
Gestão da qualidade – tqm
 

Último

UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 

Engenharia da qualidade

  • 1. Universidade Federal Rural do Semi-Árido – UFERSA Departamento de Ciências Ambientais e Tecnológicas Curso: Bacharelado em Ciência e Tecnologia/Engenharia de Produção Engenharia da Qualidade
  • 2. componentes • Alexandre Henrique Soares de Oliveira; • Telles Dickson de Medeiros.
  • 3. Agenda • Engenharia da Qualidade; • Gestão da Qualidade; • Normalização, Auditoria e Certificação da Qualidade; • Organização Metrológica da Qualidade; • Confiabilidade de Processos e Produtos.
  • 4. O que é qualidade • "Qualidade é tudo aquilo que melhora o produto do ponto de vista do cliente.” (Deming); • "Qualidade é a conformidade do produto às suas especificações.“ (Crosby); • "Qualidade é desenvolver, projetar, produzir e comercializar um produto de qualidade que é mais econômico, mais útil e sempre satisfatório para o consumidor.“ (Ishikawa); • "Qualidade é ausência de deficiências." (Juran); • "Qualidade é a correção dos problemas e de suas causas ao longo de toda a série de fatores relacionados com marketing, projetos, engenharia, produção e manutenção, que exercem influência sobre a satisfação do usuário.” (Feigenbaum).
  • 5. Engenharia da Qualidade Qualidade, abordagens de Garvin: • Transcendental; • Baseada no produto; • Baseada no usuário; • Baseada na produção; • Baseada no valor.
  • 6. Quem tem mais qualidade?
  • 7. a qualidade também é subjetiva
  • 8. Eras da qualidade • Inspeção: Toda produção vistoriada • Controle da Qualidade: (1920) Walter A. Shewhart, implementação do controle estático da produção e o conceito de melhoria contínua. Criou o ciclo PDCA; • Garantia da Qualidade: (1950) Armand Feigenbaum, Controle de Qualidade Total (Total Control Quality – TQC), o diferencial dessa abordagem foi o envolvimento de toda a organização e não a apenas o setor produtivo.
  • 9. Eras da qualidade • Gestão da Japão no período pós-guerra, W. Edwards Deming e Joseph M. Juran participaram da reconstrução do país, onde foram difundidos conceitos de controle estático da produção e da qualidade. O modelo japonês, controle de qualidade por toda a empresa (Company Wide Quality Control – CWQC); • Kaizen, keiretsu
  • 10. Gestão da Qualidade as principais características da gestão da qualidade são: • o comprometimento da alta administração; participação dos trabalhadores; • foco nos clientes; • gestão da cadeia de fornecedores; • gerenciamento de processos e melhoria contínua.
  • 11. Gestão da Qualidade • Histórico: reconstrução do japão ; • Deming; • Juran.
  • 12. Princípios da Gestão da Qualidade (Deming) • 1: Estabeleça constância de propósitos para a melhoria do produto e do serviço, objetivando tornar-se competitivo e manter-se em atividade, bem como criar emprego; • 2: Adote a nova filosofia. Estamos numa nova era econômica. A administração ocidental deve acordar para o desafio, conscientizar-se de suas responsabilidades e assumir a liderança no processo de transformação; • 3: Deixe de depender da inspeção para atingir a qualidade. Elimine a necessidade de inspeção em massa, introduzindo a qualidade no produto desde seu primeiro estágio; • 4: Cesse a prática de aprovar orçamentos com base no preço. Ao invés disto, minimize o custo total. Desenvolva um único fornecedor para cada item, num relacionamento de longo prazo fundamentado na lealdade e na confiança; • 5: Melhore constantemente o sistema de produção e de prestação de serviços, de modo a melhorar a qualidade e a produtividade e, consequentemente, reduzir de forma sistemática os custos;
  • 13. • 6: Institua treinamento no local de trabalho; • 7: Institua liderança. O objetivo da chefia deve ser o de ajudar as pessoas e as máquinas e dispositivos a executarem um trabalho melhor. A chefia administrativa está necessitando de uma revisão geral, tanto quanto a chefia dos trabalhadores de produção; • 8: Elimine o medo, de tal forma que todos trabalhem de modo eficaz para a empresa; • 9: Elimine as barreiras entre os departamentos. As pessoas engajadas em pesquisas, projetos, vendas e produção devem trabalhar em equipe, de modo a preverem problemas de produção e de utilização do produto ou serviço; • 10: Elimine lemas, exortações e metas para a mão-de-obra que exijam nível zero de falhas e estabeleçam novos níveis produtividade. Tais exortações apenas geram inimizades, visto que o grosso das causas da baixa qualidade e da baixa produtividade encontram-se no sistema, estando, portanto, fora do alcance dos trabalhadores;
  • 14. • 11: Elimine padrões de trabalho (quotas) na linha de produção. Substitua-os pela liderança; elimine o processo de administração por objetivos. Elimine o processo de administração por cifras, por objetivos numéricos. Substitua-os pela administração por processos através do exemplo de líderes; • 12: Remova as barreiras que privam o operário horista de seu direito de orgulhar-se de seu desempenho. A responsabilidade dos chefes deve ser mudada de números absolutos para a qualidade; remova as barreiras que privam as pessoas da administração e da engenharia de seu direito de orgulharem-se de seu desempenho. Isto significa a abolição da avaliação anual de desempenho ou de mérito, bem como da administração por objetivos; • 13: Institua um forte programa de educação e auto- aprimoramento; • 14: Engaje todos da empresa no processo de realizar a transformação. A transformação é da competência de todo mundo.
  • 15. Prêmios da Qualidade 1951 1987 1991 1992
  • 16. Planejamento e Controle da Qualidade Walter A. Shewhart: • Controle estatístico da Produção (CEP); • Controle estatístico da Qualidade (CEQ). Kaoru Ishikawa; difusão das ferramentas da qualidade
  • 17. Ferramentas da Qualidade • Diagrama de Pareto; • Diagrama de causa-efeito; • Estratificação; • Histograma; • Lista de verificação; • Gráficos de controle; • Diagrama de correlação.
  • 18. Normalização, Auditoria e Certificação para a Qualidade • Para Normalizar é necessário padronizar:
  • 19. Normalização, Auditoria e Certificação para a Qualidade • “Quer jogar! Então mostre que sabe as regras!”
  • 20. Normalização, Auditoria e Certificação para a Qualidade • No total o Rio Grande do Norte possui 42 certificações na NBR ISO 9001:2008; • Desse total 9 delas são da cidade de Mossoró, as demais estão, no geral concentradas na capital Natal. • O estado do Ceará possui 136 empresa certificadas, São Paulo possui 2.147 certificações; • No geral a região Nordeste possui 776 certificações, Sudeste 3.468, Sul 1.268, Centro- oeste 326, Norte 188 certificações. Fonte: Comitê brasileiro da Qualidade CB-25
  • 21. Empresas certificadas de Mossoró • CONFECÇÃO POLLYBRINDES LTDA Escopo de Certificação: Confecção de uniformes profissionais; • CONFIANÇA MUDANÇAS E TRANSPORTES LTDA Escopo de Certificação: Mudanças residenciais e comerciais, nacionais e internacionais, transporte e movimentação de materiais e equipamentos relacionados à área petrolífera, produtos químicos, explosivos, transporte e armazenamento de medicamentos; • ENGEPETROL LTDA Escopo de Certificação: desenvolvimento, fabricação e manutenção de ferramentas para a indústria petrolífera; Fonte: Comitê brasileiro da Qualidade CB-25
  • 22. Empresas certificadas de Mossoró • G&C MANUTENÇÃO E SERVIÇOS LTDA. Escopo de Certificação: Gestão de contratos de prestação de serviços; • ITAPETINGA AGRO INDUSTRIAL S/A Escopo de Certificação: Fabricação e venda de cimento portland. • MM COMÉRCIO DE PARAFUSOS E FERREMENTASLTDA. MM COMÉRCIO DE PARAFUSOS E FERREMENTASLTDA Escopo de Certificação: comercialização de elementos de fixação, peças especiais, acessórios, máquinas equipamentos, ferramentas e peças em geral para montagem e manutenção da indústria petrolífera. Fonte: Comitê brasileiro da Qualidade CB-25
  • 23. Empresas certificadas de Mossoró • PINTI METAL MONTAGEM JATEAMENTO E PINTURA Escopo de Certificação: Jateamento e pintura industrial; • SOCEL COMÉRCIO DE VEÍCULOS LTDA Escopo de Certificação: Comercialização de Automóveis e Comerciais Leves e Pós-Vendas; • VIA DIESEL DISTRIBUIDORA DE VEÍCULOS, MOTORES E PEÇAS LTDA Escopo de Certificação: Pós-Vendas de Caminhões e Ônibus. Fonte: Comitê brasileiro da Qualidade CB-25
  • 24. Normalização, Auditoria e Certificação para a Qualidade • “A mais de uma maneira de jogar o mesmo jogo!” • DMAIC (Define; Measure; Analyse; Improve; Control), definir, medir, analisar, melhorar, controlar.
  • 25. Organização Metrológica da Qualidade • “Olha Ford, ai mais uma Vez!”: Padronizar para medir;
  • 26. Organização Metrológica da Qualidade • Ter certeza dos resultados obtidos é essencial: calibrar e aferir.
  • 27. Organização Metrológica da Qualidade • “Falando em metrologia e qualidade, alguém conhece o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia?”
  • 28. Confiabilidade de Processos e Produtos “eu fico com o da direita!”: “Cuidado! Preconceito em alguns casos é crime!” A Volvo Car Corporation pertence a chinesa Geely International Corporation.
  • 29. Confiabilidade de Processos e Produtos • Afinal, o que é? Segundo Carvalho in Batalha (2008,cap.17 p.72) “A confiabilidade pode ser definida como a probabilidade de um item (produtos, serviço, equipamento) desempenhar a função requerida, por um intervalo de tempo estabelecido, sob condições definidas de uso (ABNT, 1994, NBR, 5462).”
  • 30. Gráfico Banheira Infância Senilidade falhas Maturidade tempo
  • 31. Confiabilidade de Processos e Produtos • A confiabilidade de um produto/serviço deve ser definida, desde os atributos de seu projeto à conformidade em relação ao mesmo, pois é necessário conhecer o produto para definir os padrões que determinarão sua confiabilidade, dentro de sua aplicação.
  • 32. Confiabilidade de Processos e Produtos • A Nasa na década de 1960, utilizando dos parâmetros de medição de confiabilidade criou um método analítico para determinação e analises de falhas chamado Failure Mode and Effect Analysis – FMEA, análise dos modos e efeitos das falhas, que consiste basicamente na identificação dos modos de falhas potenciais assim como suas causas e efeitos potenciais.
  • 33. Confiabilidade de Processos e Produtos • Se não tiver alto grau de confibilidade, as vezes nem dá tempo dizer: “Houston! We have a problem!” Explosão do ônibus espacial challenger, 26/01/1986
  • 34. Confiabilidade de Processos e Produtos • A confiabilidade de um processo e/ou produto/serviço garante a segurança do consumidor e dos colaboradores.
  • 35. Considerações • Não adiantar ter sistemas de gestão e controle da qualidade em todos os processos de uma organização se eles não forem integrados! Não, é?! Dona What is now SONY? Matéria Bloomberg/Businessweek 17/11/2011
  • 36. Entrevista Entrevista relizada com Dr. Joanir Luís Kalnin, coordenador do curso de engenharia de produção da Universidade de Caxias do Sul (UCS), em 11 nov. 2011: 1. Qual a importância da Engenharia da Qualidade para a sociedade/organizações? Dr. Kalnin: Uma empresa só consegue ser competitiva se produzir produtos com qualidade que o mercado em questão exige. Portanto, qualidade é um pré-requisito para encantar os clientes-alvos. 2. Quais os desafios principais, que um Engenheiro de produção encontra ao atuar nessa área? Dr. Kalnin: O principal desafio é produzir com mais eficiência e eficácia utilizando cada vez menos recursos físicos e humanos, ou seja, otimizando os processos. 3. Onde pode ser aplicada a Engenharia da Qualidade? Dr. Kalnin: Na nossa casa, empresa, rua, no dia a dia, ou seja em todos os lugares podemos utilizar os princípios da qualidade.
  • 37. Entrevista 4. Na sua concepção, Como a Engenharia da Qualidade se relaciona com as demais áreas da Engenharia de Produção (engenharia de produto, logística, pesquisa operacional...)? Dr. Kalnin: Essa relação é horizontal, ou seja, ela deve estar presente em toda a cadeia de suprimentos. 5. Como ou quais ferramentas, um Engenheiro de Produção pode utilizar para aumentar a confiabilidade de um processo e/ou produto? Dr. Kalnin: Aplicando os 14 princípios da qualidade definidos por Deming e exigir que os padrões da ISO sejam realmente respeitados. 6. Qual a importância da Engenharia da Qualidade para o processo de tomada de decisão nas organizações? Dr. Kalnin: Qualidade tem haver com ética, bom senso, respeitar os clientes, ouvi-los e buscar através do lançamento de produtos encantá-los. Portanto, ela é importante para as organizações e sociedade.
  • 38. Entrevista 7. No seu ponto de vista, como se encontra a demanda atual de Engenheiros de Produção? essa demanda é crescente ou decrescente? Dr. Kalnin: Hoje, está faltando engenheiro em todas as áreas. Como o Engenheiro de Produção é um gestor com visão interdisciplinar, obviamente existe carência desse profissional nas empresas. 8. Qual ou quais áreas da Engenharia de Produção apresentam mais carência de Profissionais? DR. Kalnin: Pesquisa operacional, Gestão Econômica e Engenharia do Produto.
  • 39. Introdução ao Conceito de Normalização em Geral e sua Importância na Engenharia Análise histórica da importância da criação de órgãos de normatização e controle na Europa e no mundo. Mostra a criação e a importância dos órgãos de normalização e a utilização de paramentos padronizados de medidas e especificações de processos. Resultado na facilitação da integração e comércio tanto no bloco econômico europeu como no mundial, através dos diversos tipos de normalização. ALMCINHA, J. A. Introdução ao Conceito de Normalização em Geral e sua Importância na Engenharia. Inegi. Porto, 2005. Disponível em:< http://www.inegi.pt/instituicao/ons/pdf/JASA- 1.PDF>. Acesso em: 10 nov. 2011.
  • 40. Aplicação Prática da Técnica do PDCA e das Ferramentas da Qualidade no Gerenciamento de Processos Industriais para Melhoria e Manutenção de Resultados Esse trabalho o foi aplicado em uma metalúrgica da cidade de Juiz de Fora-MG, onde através da utilização do ciclo PDCA e das principais ferramentas da qualidade como: diagrama de Pareto, diagrama de causa- efeito, diagrama de controle dentro outros; possibilitou a identificação e gargalos na produção e melhoria do sistema de produção garantindo resultados otimizados da produção. Os mesmo conceitos utilizados nesse trabalho podem ser aplicados em diversos setores. LEONEL, P. H. Aplicação Prática da Técnica do PDCA e das Ferramentas da Qualidade no Gerenciamento de Processos Industriais para Melhoria e Manutenção de Resultados. UFJF. Juiz de Fora. Jun. 2008. Disponível em:< http://www.ufjf.br/ep/files/2009/06/tcc_jul2008_pauloleonel.pdf> Acesso em : 10 nov. 2011.
  • 41. Aplicações de Técnicas da Engenharia da Qualidade no Aperfeiçoamentos de um Processo de Produção na Suíno Cultura O objetivo principal desse trabalho foi identificar as causa da mortalidade de leitões na suinocultura, aplicando diretamente as ferramentas da qualidade (folha de controle, diagrama de Pareto, diagrama causa-efeito entre outras) e o ciclo PDCA no sistema de produção predominante na suinocultura do Brasil. Após aplicação desta ferramenta foram identificadas algumas das causa da mortalidade, o que possibilitou a criação de procedimentos visando a melhoria dos resultados. ORO, S. R. Aplicações de Técnicas da Engenharia da Qualidade no Aperfeiçoamentos de um Processo de Produção na Suíno Cultura. Curitiba. UFPR. 9 set. 2010. Disponível em:< http://dspace.c3sl.ufpr.br/dspace/bitstream/handle/1884/2485 4/dissertacao_Sheila_Oro.pdf?sequence=1>. Acesso em:14 nov. 2011.
  • 42. Uso e qualidade da água subterrânea para irrigação no Semi-Árido piauiense Este trabalho trata do estudo da utilização e qualidade da agua obtida de poços subterrâneos, usados na agricultura no estado do Piauí, utilizando parâmetros metrológicos e ferramentas estatísticas da qualidade e análise dos sistemas de irrigação vigentes na região. A obra mostrou a viabilidade/inviabilidade de alguns poços para utilização na produção agrícola. ANDRADE Jr. A. S. Uso e qualidade da água subterrânea para irrigação no Semi-Árido piauiense. Revista Brasileira de Engenharia Agrícula e Ambiental. Campina Grande. 20 jan. 2005. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/rbeaa/v10n4/v10n4a14.pdf>. Acesso em: 12 nov. 2011.
  • 43. Referências • SLACK, N. et al, Administração da Produção, edição compacta. 1 ed. São Paulo: Atlas, 2006. cap. 17 p. 411-440; • JURAN, J. M. A Qualidade desde o Projeto, Os novos passo para o planejamento da qualidade em produtos e serviços. 1ª ed. São Paulo: Cengage Learning, 1992. • CARVALHO, M. M. Qualidade. In: BATALHA, M. O. (Org). Introdução a Engenharia de Produção. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008 – 3ª reimpressão. • VIEIRA, S. Estatística para Qualidade 1 ed. Rio de Janeiro: Campus, 1999 • CAVALHO, M. M. et al. Gestão da qualidade: Teoria e Casos. 1 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005. • DEMING, W. E. Qualidade: A Revolução da Administração. Rio de Janeiro: Marques Saraiva, 1990.
  • 44. Referências • ALMACINHA, J. A. Introdução ao Conceito de Normalização em Geral e sua Importância na Engenharia. Inegi. Porto, 2005. Disponível em:< http://www.inegi.pt/instituicao/ons/pdf/JASA-1.PDF>. Acesso em: 10 nov. 2011. • LEONEL, P. H. Aplicação Prática da Técnica do PDCA e das Ferramentas da Qualidade no Gerenciamento de Processos Industriais para Melhoria e Manutenção de Resultados. UFJF. Juiz de Fora. Jun. 2008. Disponível em:< http://www.ufjf.br/ep/files/2009/06/tcc_jul2008_pauloleonel.pdf> Acesso em : 10 nov. 2011. • ORO, S. R. Aplicações de Técnicas da Engenharia da Qualidade no Aperfeiçoamentos de um Processo de Produção na Suíno Cultura. Curitiba. UFPR. 9 set. 2010. Disponível em:< http://dspace.c3sl.ufpr.br/dspace/bitstream/handle/1884/24854/disserta cao_Sheila_Oro.pdf?sequence=1>. Acesso em:14 nov. 2011. • ANDRADE JR. A. S. Uso e qualidade da água subterrânea para irrigação no Semi-Árido piauiense. Revista Brasileira de Engenharia Agrícula e Ambiental. Campina Grande. 20 jan. 2005. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/rbeaa/v10n4/v10n4a14.pdf>. Acesso em: 12 nov. 2011.