SlideShare uma empresa Scribd logo
Alex Alves,
Diego Steffen,
Felipe
Cambará, Igor
Raguel,
Murilo
Ribeiro e
Vitor Parra Prof. Maria Rita
No decorrer do tempo a abordagem da
qualidade foi sofrendo modificações, refletindo
o amadurecimento das organizações para os
conceitos e aplicações da qualidade e suas
ferramentas, dividindo-se em quatro “eras da
qualidade”. É percebido que, com o
desenvolvimento da qualidade nas
organizações, foram trazidas características
advindas de antigos modos artesanais de
produção para as grandes indústrias e
corporações através da valorização da opinião
e da necessidade dos clientes.
Em resumo, a Engenharia da Qualidade é a
área responsável por compreender as
especificações e normas de produtos, verificar
processos e sugerir melhorias que elevem os
parâmetros de qualidade.
Não há um conceito definido para o termo
qualidade devido sua abrangência e complexidade.
Entretanto, David Garvin – um dos mais recentes
gurus da Qualidade, Ph.D. em economia pelo MIT
– classificou esse termo em relação a cinco
abordagens:
I. Transcendental
II. Baseada no produto
III. Centrada no usuário
IV. Centrada na produção
V. Centrada no valor
Engenharia de qualidade
 A gestão da qualidade pode ser definida como sendo
qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar
uma organização no sentido de possibilitar a melhoria de
produtos/serviços com vistas a garantir a completa
satisfação das necessidades dos clientes relacionadas ao
que está sendo oferecido, ou ainda, a superação de suas
expectativas.
 Desta forma, a gestão da qualidade não precisa,
necessariamente, implicar na adoção de alguma
certificação embora este seja o meio mais comum e o
mais difundido, porém, sempre envolve a observância de
alguns conceitos básicos, ou princípios de gestão da
qualidade, que podem e devem ser observados por
qualquer organização.
 Focalização no cliente
 Liderança
 Envolvimento das pessoas
 Abordagem por processos
 Abordagem sistêmica
 Melhoria contínua
 Abordagem factual para a tomada de decisão
 Benefícios mútuos nas relações com fornecedores
Engenharia de qualidade
Engenharia de qualidade
Engenharia de qualidade
Com o aumento da complexidade de
cadeias produtivas e a globalização, se
fez necessário a utilização de sistemas
normatizados da qualidade. A partir
disso houve a necessidade de
estabelecer normas para o processo
produtivo, e sobre tudo com relação a
qualidade dos recursos produzidos.
 designa um grupo de normas técnicas que
estabelecem um modelo de gestão da qualidade para
organizações em geral, qualquer que seja o seu tipo
ou dimensão.
 A adoção das normas ISO é vantajosa para as
organizações uma vez que lhes confere maior
organização, produtividade e credibilidade,
elementos facilmente identificados pelos clientes.
 ISO 9000:1987
 ISO 9000:1994
 ISO 9000:2000
 ISO 9000:2005
 ISO 9000:2008
 Para normalizar é preciso padronizar.
 Os resultados se tornam previsíveis.
 Uniformiza a produção.
 Facilita o treinamento.
 Reduz o desperdício.
 Aumenta a produtividade.
Aspectos positivos:
• Economia;
• Comunicação: com meios mais eficientes para
troca de informação.
• simplificação: com melhora no planejamento, e
os seus resultados se tornam previsíveis
• proteção ao consumidor: instrumentos eficazes
para aferir a qualidade dos produtos.
• eliminação de barreiras técnicas e comerciais:
facilitando o intercâmbio comercial.
Aspecto negativo:
Apesar dos benefícios, a normalização também
apresenta um perigo. Dantas
Filho (1995) menciona que o perigo da
normalização “é, portanto, de se
encontrar frequentemente defasada em relação à
evolução tecnológica,
derivando um problema de escolha para a empresa
entre inovação e
normalização.
 A auditoria da qualidade é um instrumento
gerencial utilizado para avaliar as ações da
qualidade previstas num sistema de qualidade. É
um processo construtivo e de auxílio à prevenção
de problemas.
 Auditoria Externa
 Auditoria Interna
Engenharia de qualidade
Engenharia de qualidade
Definir, Analisar, Melhorar.
• INMETRO - Instituto Nacional de
Metrologia, Qualidade e
Tecnologia;
• INPM - Instituto Nacional de
Pesos e Medidas;
• OIML - Organização Internacional
de Metrologia Legal;
• SI - Sistema Internacional de
Unidades.
 A Metrologia Científica, que utiliza instrumentos
laboratoriais, pesquisas e metodologias
científicas, que têm por base padrões de medição
nacionais e internacionais, para o alcance de altos
níveis de qualidade metrológica.
 A Metrologia Industrial, cujos sistemas de
medição controlam processos produtivos
industriais e são responsáveis pela garantia da
qualidade dos produtos acabados.
 A Metrologia Legal, que, controla e fiscaliza todos
os instrumentos e medidas que estão
relacionadas com o consumidor.
Engenharia de qualidade
A ideia principal do Controle
Estatístico de Qualidade é que processos
de produção com menos variabilidade
propiciam níveis melhores de qualidade
nos resultados de produção.
Walter Shewhart (1939) começou a colocar em
prática nas fábricas alguns conceitos básicos em
Estatística e Metodologia Científica na década de
1920 nos Estados Unidos.
 1 – PLAN, Planejar
 2 – DO, Fazer
 3 – CHECK, Averiguar
 4 – ACT, Agir
Processos
 Exemplos : CEQ na indústria química e mecânica
A engenharia de produção lida com sistemas
integrados de pessoas, materiais, informação,
equipamentos e energia. Esses sistemas complexos
estão sujeitos a falhas. A subárea da engenharia da
qualidade que lida com essas questões é conhecida
como confiabilidade.
A confiabilidade pode ser definida como a
probabilidade de um item (produtos, serviço,
equipamento) desempenhar a função requerida, por
um intervalo de tempo estabelecido, sob condições
definidas de uso
 Tempo médio para a primeira falha;
 Tempo médio entre falhas (MTBF);
 Tempo médio até o reparo (MTTR);
 Taxa de falhas/tempo.
 Na década de 1960, a NASA criou um método
analítico para identificar e documentar de forma
sistemática as falhas em potencial, de forma a
reduzi-las ou, se possível, eliminá-las.
 Esse método foi denominado Análise dos Modos
e Efeitos das Falhas (Failure Mode and Effect
Analysis – FMEA). Esse método consiste na
identificação dos modos de falhas potenciais, seus
efeitos (consequência das falhas) e causas
potenciais (razões pelas quais as falhas ocorrem).
Ao identificar os modos, os efeitos e as causas
das falhas potenciais, é possível calcular o fator de
risco de um item a partir do produto de três
indicadores:
 Probabilidade de ocorrência de falha (O);
 Gravidade/severidade do efeito da falha (G);
 Probabilidade de detecção (D).
Engenharia de qualidade
Em síntese, o estudo da confiabilidade é de
grande importância para o desenvolvimento de
novos produtos e para inserção desses produtos
em mercados cada vez mais competitivos e
exigentes. Mesmo que um engenheiro de
produção não atue especificamente na área da
qualidade é de fundamental importância que ela
seja sempre considerada.
David Garvin.
Vicente Falconi Campos.
Sites:
http://engproducaoufersa.blogspot.com.br/p/engenharia-da-
qualidade.html
http://www.qualiblog.com.br
http://omundodamecanica.blogspot.com.br/2011/07/engenharia-da-
qualidade.html
http://ipog.edu.br/nao-aluno/pos-graduacao/engenharia-
arquitetura/mba-gestao-da-qualidade-e-engenharia-da-producao
http://www.inmetro.gov.br/metlegal/definicao.asp
Livro:
BATALHA, Mario Otávio. Introdução à Engenharia de
Produção. 3º tiragem. Ed. Elsevier, 2008

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Vale dos ipes terra a teto - apresentacao
Vale dos ipes   terra a teto - apresentacaoVale dos ipes   terra a teto - apresentacao
Vale dos ipes terra a teto - apresentacao
Eduardo Gallo Imóveis
 
Conceitos básicos sobre qualidade e iso 90001
Conceitos básicos sobre qualidade e iso 90001Conceitos básicos sobre qualidade e iso 90001
Conceitos básicos sobre qualidade e iso 90001
Ariadne Canedo
 
Mapeamento de Processos
Mapeamento de ProcessosMapeamento de Processos
Mapeamento de Processos
Templum Consultoria Online
 
Aula 01 Introdução – SGQ ISO 9001:2015
Aula 01 Introdução – SGQ ISO 9001:2015Aula 01 Introdução – SGQ ISO 9001:2015
Aula 01 Introdução – SGQ ISO 9001:2015
Claudio Bernardi Stringari
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
Carlos Sousa
 
Aula 4 c custos da qualidade
Aula 4 c custos da qualidadeAula 4 c custos da qualidade
Aula 4 c custos da qualidade
José Paulo Alves Fusco
 
Gestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade TotalGestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade Total
Gerisval Pessoa
 
Gestão da Qualidade Total - Modulo 2
Gestão da Qualidade Total - Modulo  2Gestão da Qualidade Total - Modulo  2
Gestão da Qualidade Total - Modulo 2
Silvio Carlos Valentini
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
Pricila Yessayan
 
02 histórico da gestão da qualidade
02 histórico da gestão da qualidade02 histórico da gestão da qualidade
02 histórico da gestão da qualidade
Reginaldo Borges
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
Alexandre Porto Araujo
 
Iso9000..
Iso9000..Iso9000..
Iso9000..
rehcah
 
Gestão pela Qualidade Total
Gestão pela Qualidade TotalGestão pela Qualidade Total
Gestão pela Qualidade Total
UerjFundamentosDaAdministracao2013_1
 
Introdução à qualidade
Introdução à qualidadeIntrodução à qualidade
Introdução à qualidade
JM Consultores
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
Mayra de Souza
 
Sistema de gestão da Qualidade
Sistema de gestão da QualidadeSistema de gestão da Qualidade
Sistema de gestão da Qualidade
Sergio Dias
 
Planejamento Estratégico da Inovação
Planejamento Estratégico da InovaçãoPlanejamento Estratégico da Inovação
Planejamento Estratégico da Inovação
Patrícia de Sá Freire, PhD. Eng.
 
Indicadores de desempenho
Indicadores de desempenhoIndicadores de desempenho
Indicadores de desempenho
mauroconde
 
Gestão de Relacionamento com o cliente
Gestão de Relacionamento com o clienteGestão de Relacionamento com o cliente
Gestão de Relacionamento com o cliente
Mateus Lessa
 
Slides controle de qualidade
Slides controle de qualidadeSlides controle de qualidade
Slides controle de qualidade
Ingrid Iasmyn Amin
 

Mais procurados (20)

Vale dos ipes terra a teto - apresentacao
Vale dos ipes   terra a teto - apresentacaoVale dos ipes   terra a teto - apresentacao
Vale dos ipes terra a teto - apresentacao
 
Conceitos básicos sobre qualidade e iso 90001
Conceitos básicos sobre qualidade e iso 90001Conceitos básicos sobre qualidade e iso 90001
Conceitos básicos sobre qualidade e iso 90001
 
Mapeamento de Processos
Mapeamento de ProcessosMapeamento de Processos
Mapeamento de Processos
 
Aula 01 Introdução – SGQ ISO 9001:2015
Aula 01 Introdução – SGQ ISO 9001:2015Aula 01 Introdução – SGQ ISO 9001:2015
Aula 01 Introdução – SGQ ISO 9001:2015
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Aula 4 c custos da qualidade
Aula 4 c custos da qualidadeAula 4 c custos da qualidade
Aula 4 c custos da qualidade
 
Gestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade TotalGestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade Total
 
Gestão da Qualidade Total - Modulo 2
Gestão da Qualidade Total - Modulo  2Gestão da Qualidade Total - Modulo  2
Gestão da Qualidade Total - Modulo 2
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
02 histórico da gestão da qualidade
02 histórico da gestão da qualidade02 histórico da gestão da qualidade
02 histórico da gestão da qualidade
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Iso9000..
Iso9000..Iso9000..
Iso9000..
 
Gestão pela Qualidade Total
Gestão pela Qualidade TotalGestão pela Qualidade Total
Gestão pela Qualidade Total
 
Introdução à qualidade
Introdução à qualidadeIntrodução à qualidade
Introdução à qualidade
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
 
Sistema de gestão da Qualidade
Sistema de gestão da QualidadeSistema de gestão da Qualidade
Sistema de gestão da Qualidade
 
Planejamento Estratégico da Inovação
Planejamento Estratégico da InovaçãoPlanejamento Estratégico da Inovação
Planejamento Estratégico da Inovação
 
Indicadores de desempenho
Indicadores de desempenhoIndicadores de desempenho
Indicadores de desempenho
 
Gestão de Relacionamento com o cliente
Gestão de Relacionamento com o clienteGestão de Relacionamento com o cliente
Gestão de Relacionamento com o cliente
 
Slides controle de qualidade
Slides controle de qualidadeSlides controle de qualidade
Slides controle de qualidade
 

Destaque

Engenharia da qualidade
Engenharia da qualidadeEngenharia da qualidade
Engenharia da qualidade
Alexandre Oliveira
 
Engenharia Organizacional
Engenharia OrganizacionalEngenharia Organizacional
Engenharia Organizacional
Leonardo Pinto
 
Curso de Engenharia da Qualidade - Semi Presencial
Curso de Engenharia da Qualidade - Semi PresencialCurso de Engenharia da Qualidade - Semi Presencial
Curso de Engenharia da Qualidade - Semi Presencial
Claudio Bernardi Stringari
 
Noções de Administração: Gestão por Processos (aula 3)
Noções de Administração: Gestão por Processos (aula 3)Noções de Administração: Gestão por Processos (aula 3)
Noções de Administração: Gestão por Processos (aula 3)
Gustavo Zimmermann
 
Noções de Administração: Qualidade Total (aula 2)
Noções de Administração: Qualidade Total (aula 2)Noções de Administração: Qualidade Total (aula 2)
Noções de Administração: Qualidade Total (aula 2)
Gustavo Zimmermann
 
Engenharia do Trabalho
Engenharia do TrabalhoEngenharia do Trabalho
Engenharia do Trabalho
Leonardo Nogueira
 
Noções de Administração: Gestão de Pessoas (aula 4)
Noções de Administração: Gestão de Pessoas (aula 4)Noções de Administração: Gestão de Pessoas (aula 4)
Noções de Administração: Gestão de Pessoas (aula 4)
Gustavo Zimmermann
 
Os Custos da Qualidade e da Não Qualidade na Produção
Os Custos da Qualidade e da Não Qualidade na ProduçãoOs Custos da Qualidade e da Não Qualidade na Produção
Os Custos da Qualidade e da Não Qualidade na Produção
Luiz Gustavo de Sassarrão Moraes
 
Noções de Administração: Gestão de Projetos (aula 5)
Noções de Administração: Gestão de Projetos  (aula 5)Noções de Administração: Gestão de Projetos  (aula 5)
Noções de Administração: Gestão de Projetos (aula 5)
Gustavo Zimmermann
 
Engenharia da Sustentabilidade
Engenharia da SustentabilidadeEngenharia da Sustentabilidade
Engenharia da Sustentabilidade
Adriana Mendes
 
Parâmetros de qualidade para a educação infantil vol. 1
Parâmetros de qualidade para a  educação infantil vol. 1Parâmetros de qualidade para a  educação infantil vol. 1
Parâmetros de qualidade para a educação infantil vol. 1
adelitalf
 
Treinamento 5s
Treinamento 5sTreinamento 5s
Treinamento 5s
Vinicius Souza
 
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
Gustavo Zimmermann
 
As 7 ferramentas_da_qualidade
As 7 ferramentas_da_qualidadeAs 7 ferramentas_da_qualidade
As 7 ferramentas_da_qualidade
institutocarvalho
 
7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade
Virginia Gonçalves
 

Destaque (15)

Engenharia da qualidade
Engenharia da qualidadeEngenharia da qualidade
Engenharia da qualidade
 
Engenharia Organizacional
Engenharia OrganizacionalEngenharia Organizacional
Engenharia Organizacional
 
Curso de Engenharia da Qualidade - Semi Presencial
Curso de Engenharia da Qualidade - Semi PresencialCurso de Engenharia da Qualidade - Semi Presencial
Curso de Engenharia da Qualidade - Semi Presencial
 
Noções de Administração: Gestão por Processos (aula 3)
Noções de Administração: Gestão por Processos (aula 3)Noções de Administração: Gestão por Processos (aula 3)
Noções de Administração: Gestão por Processos (aula 3)
 
Noções de Administração: Qualidade Total (aula 2)
Noções de Administração: Qualidade Total (aula 2)Noções de Administração: Qualidade Total (aula 2)
Noções de Administração: Qualidade Total (aula 2)
 
Engenharia do Trabalho
Engenharia do TrabalhoEngenharia do Trabalho
Engenharia do Trabalho
 
Noções de Administração: Gestão de Pessoas (aula 4)
Noções de Administração: Gestão de Pessoas (aula 4)Noções de Administração: Gestão de Pessoas (aula 4)
Noções de Administração: Gestão de Pessoas (aula 4)
 
Os Custos da Qualidade e da Não Qualidade na Produção
Os Custos da Qualidade e da Não Qualidade na ProduçãoOs Custos da Qualidade e da Não Qualidade na Produção
Os Custos da Qualidade e da Não Qualidade na Produção
 
Noções de Administração: Gestão de Projetos (aula 5)
Noções de Administração: Gestão de Projetos  (aula 5)Noções de Administração: Gestão de Projetos  (aula 5)
Noções de Administração: Gestão de Projetos (aula 5)
 
Engenharia da Sustentabilidade
Engenharia da SustentabilidadeEngenharia da Sustentabilidade
Engenharia da Sustentabilidade
 
Parâmetros de qualidade para a educação infantil vol. 1
Parâmetros de qualidade para a  educação infantil vol. 1Parâmetros de qualidade para a  educação infantil vol. 1
Parâmetros de qualidade para a educação infantil vol. 1
 
Treinamento 5s
Treinamento 5sTreinamento 5s
Treinamento 5s
 
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
 
As 7 ferramentas_da_qualidade
As 7 ferramentas_da_qualidadeAs 7 ferramentas_da_qualidade
As 7 ferramentas_da_qualidade
 
7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade
 

Semelhante a Engenharia de qualidade

35 artigo sistema qualidade x controladoria
35 artigo sistema qualidade x controladoria35 artigo sistema qualidade x controladoria
35 artigo sistema qualidade x controladoria
Amanda Fraga
 
Iso 9000 e séries
Iso  9000 e sériesIso  9000 e séries
Iso 9000 e séries
R Gómez
 
Gestao qualidade
Gestao qualidadeGestao qualidade
Gestao qualidade
Isabel Gil
 
2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade o ca...
2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade   o ca...2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade   o ca...
2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade o ca...
Amanda Fraga
 
Inovação da gestão ou gestão da inovação
Inovação da gestão ou gestão da inovaçãoInovação da gestão ou gestão da inovação
Inovação da gestão ou gestão da inovação
Jackson Adriano Scholze
 
Inovação da gestão ou gestão da inovação
Inovação da gestão ou gestão da inovaçãoInovação da gestão ou gestão da inovação
Inovação da gestão ou gestão da inovação
Jackson Adriano Scholze
 
Gestão da qualidade- Me.Whellisson
Gestão da qualidade- Me.WhellissonGestão da qualidade- Me.Whellisson
Gestão da qualidade- Me.Whellisson
Whellisson Dias
 
Sistemas de gestão da qualidade revisão
Sistemas de gestão da qualidade   revisãoSistemas de gestão da qualidade   revisão
Sistemas de gestão da qualidade revisão
filipacbrandao
 
Metrologia
MetrologiaMetrologia
Metrologia
wesleyschuika
 
Sistemas de Qualidade em Radioterapia
Sistemas de Qualidade em RadioterapiaSistemas de Qualidade em Radioterapia
Sistemas de Qualidade em Radioterapia
Rui P Rodrigues
 
Apoio á qualidade
Apoio á qualidadeApoio á qualidade
Apoio á qualidade
Bruno Lagarto
 
Sistema de qualidade
Sistema de qualidadeSistema de qualidade
Sistema de qualidade
João Marques Mattos
 
Artigo - A Gestão da Qualidade e suas Ferramentas
Artigo - A Gestão da Qualidade e suas FerramentasArtigo - A Gestão da Qualidade e suas Ferramentas
Artigo - A Gestão da Qualidade e suas Ferramentas
Cleber Chagas
 
BENEFÍCIOS ORGANIZACIONAIS ATRAVÉS DA ISO 9001
BENEFÍCIOS ORGANIZACIONAIS ATRAVÉS DA ISO 9001BENEFÍCIOS ORGANIZACIONAIS ATRAVÉS DA ISO 9001
BENEFÍCIOS ORGANIZACIONAIS ATRAVÉS DA ISO 9001
Adriano Pereira
 
Gestao
GestaoGestao
Qualidade e processos
Qualidade e processosQualidade e processos
Qualidade e processos
Jeferson L. Feuser
 
Gestão da Qualidade nas Organizações
Gestão da Qualidade nas OrganizaçõesGestão da Qualidade nas Organizações
Gestão da Qualidade nas Organizações
Adeildo Caboclo
 
sistema de gestão da qualidade
sistema de gestão da qualidadesistema de gestão da qualidade
sistema de gestão da qualidade
Bruno Lagarto
 
A gestão da qualidade total e conhecido como tqm e tambem citada como cqt ou ...
A gestão da qualidade total e conhecido como tqm e tambem citada como cqt ou ...A gestão da qualidade total e conhecido como tqm e tambem citada como cqt ou ...
A gestão da qualidade total e conhecido como tqm e tambem citada como cqt ou ...
taniabayer
 
Cap_6Qualidade_total.ppt
Cap_6Qualidade_total.pptCap_6Qualidade_total.ppt
Cap_6Qualidade_total.ppt
DanielCosta900514
 

Semelhante a Engenharia de qualidade (20)

35 artigo sistema qualidade x controladoria
35 artigo sistema qualidade x controladoria35 artigo sistema qualidade x controladoria
35 artigo sistema qualidade x controladoria
 
Iso 9000 e séries
Iso  9000 e sériesIso  9000 e séries
Iso 9000 e séries
 
Gestao qualidade
Gestao qualidadeGestao qualidade
Gestao qualidade
 
2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade o ca...
2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade   o ca...2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade   o ca...
2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade o ca...
 
Inovação da gestão ou gestão da inovação
Inovação da gestão ou gestão da inovaçãoInovação da gestão ou gestão da inovação
Inovação da gestão ou gestão da inovação
 
Inovação da gestão ou gestão da inovação
Inovação da gestão ou gestão da inovaçãoInovação da gestão ou gestão da inovação
Inovação da gestão ou gestão da inovação
 
Gestão da qualidade- Me.Whellisson
Gestão da qualidade- Me.WhellissonGestão da qualidade- Me.Whellisson
Gestão da qualidade- Me.Whellisson
 
Sistemas de gestão da qualidade revisão
Sistemas de gestão da qualidade   revisãoSistemas de gestão da qualidade   revisão
Sistemas de gestão da qualidade revisão
 
Metrologia
MetrologiaMetrologia
Metrologia
 
Sistemas de Qualidade em Radioterapia
Sistemas de Qualidade em RadioterapiaSistemas de Qualidade em Radioterapia
Sistemas de Qualidade em Radioterapia
 
Apoio á qualidade
Apoio á qualidadeApoio á qualidade
Apoio á qualidade
 
Sistema de qualidade
Sistema de qualidadeSistema de qualidade
Sistema de qualidade
 
Artigo - A Gestão da Qualidade e suas Ferramentas
Artigo - A Gestão da Qualidade e suas FerramentasArtigo - A Gestão da Qualidade e suas Ferramentas
Artigo - A Gestão da Qualidade e suas Ferramentas
 
BENEFÍCIOS ORGANIZACIONAIS ATRAVÉS DA ISO 9001
BENEFÍCIOS ORGANIZACIONAIS ATRAVÉS DA ISO 9001BENEFÍCIOS ORGANIZACIONAIS ATRAVÉS DA ISO 9001
BENEFÍCIOS ORGANIZACIONAIS ATRAVÉS DA ISO 9001
 
Gestao
GestaoGestao
Gestao
 
Qualidade e processos
Qualidade e processosQualidade e processos
Qualidade e processos
 
Gestão da Qualidade nas Organizações
Gestão da Qualidade nas OrganizaçõesGestão da Qualidade nas Organizações
Gestão da Qualidade nas Organizações
 
sistema de gestão da qualidade
sistema de gestão da qualidadesistema de gestão da qualidade
sistema de gestão da qualidade
 
A gestão da qualidade total e conhecido como tqm e tambem citada como cqt ou ...
A gestão da qualidade total e conhecido como tqm e tambem citada como cqt ou ...A gestão da qualidade total e conhecido como tqm e tambem citada como cqt ou ...
A gestão da qualidade total e conhecido como tqm e tambem citada como cqt ou ...
 
Cap_6Qualidade_total.ppt
Cap_6Qualidade_total.pptCap_6Qualidade_total.ppt
Cap_6Qualidade_total.ppt
 

Último

Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
marcos oliveira
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 

Último (20)

TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 

Engenharia de qualidade

  • 1. Alex Alves, Diego Steffen, Felipe Cambará, Igor Raguel, Murilo Ribeiro e Vitor Parra Prof. Maria Rita
  • 2. No decorrer do tempo a abordagem da qualidade foi sofrendo modificações, refletindo o amadurecimento das organizações para os conceitos e aplicações da qualidade e suas ferramentas, dividindo-se em quatro “eras da qualidade”. É percebido que, com o desenvolvimento da qualidade nas organizações, foram trazidas características advindas de antigos modos artesanais de produção para as grandes indústrias e corporações através da valorização da opinião e da necessidade dos clientes.
  • 3. Em resumo, a Engenharia da Qualidade é a área responsável por compreender as especificações e normas de produtos, verificar processos e sugerir melhorias que elevem os parâmetros de qualidade.
  • 4. Não há um conceito definido para o termo qualidade devido sua abrangência e complexidade. Entretanto, David Garvin – um dos mais recentes gurus da Qualidade, Ph.D. em economia pelo MIT – classificou esse termo em relação a cinco abordagens: I. Transcendental II. Baseada no produto III. Centrada no usuário IV. Centrada na produção V. Centrada no valor
  • 6.  A gestão da qualidade pode ser definida como sendo qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização no sentido de possibilitar a melhoria de produtos/serviços com vistas a garantir a completa satisfação das necessidades dos clientes relacionadas ao que está sendo oferecido, ou ainda, a superação de suas expectativas.  Desta forma, a gestão da qualidade não precisa, necessariamente, implicar na adoção de alguma certificação embora este seja o meio mais comum e o mais difundido, porém, sempre envolve a observância de alguns conceitos básicos, ou princípios de gestão da qualidade, que podem e devem ser observados por qualquer organização.
  • 7.  Focalização no cliente  Liderança  Envolvimento das pessoas  Abordagem por processos  Abordagem sistêmica  Melhoria contínua  Abordagem factual para a tomada de decisão  Benefícios mútuos nas relações com fornecedores
  • 11. Com o aumento da complexidade de cadeias produtivas e a globalização, se fez necessário a utilização de sistemas normatizados da qualidade. A partir disso houve a necessidade de estabelecer normas para o processo produtivo, e sobre tudo com relação a qualidade dos recursos produzidos.
  • 12.  designa um grupo de normas técnicas que estabelecem um modelo de gestão da qualidade para organizações em geral, qualquer que seja o seu tipo ou dimensão.  A adoção das normas ISO é vantajosa para as organizações uma vez que lhes confere maior organização, produtividade e credibilidade, elementos facilmente identificados pelos clientes.
  • 13.  ISO 9000:1987  ISO 9000:1994  ISO 9000:2000  ISO 9000:2005  ISO 9000:2008
  • 14.  Para normalizar é preciso padronizar.  Os resultados se tornam previsíveis.  Uniformiza a produção.  Facilita o treinamento.  Reduz o desperdício.  Aumenta a produtividade.
  • 15. Aspectos positivos: • Economia; • Comunicação: com meios mais eficientes para troca de informação. • simplificação: com melhora no planejamento, e os seus resultados se tornam previsíveis • proteção ao consumidor: instrumentos eficazes para aferir a qualidade dos produtos. • eliminação de barreiras técnicas e comerciais: facilitando o intercâmbio comercial.
  • 16. Aspecto negativo: Apesar dos benefícios, a normalização também apresenta um perigo. Dantas Filho (1995) menciona que o perigo da normalização “é, portanto, de se encontrar frequentemente defasada em relação à evolução tecnológica, derivando um problema de escolha para a empresa entre inovação e normalização.
  • 17.  A auditoria da qualidade é um instrumento gerencial utilizado para avaliar as ações da qualidade previstas num sistema de qualidade. É um processo construtivo e de auxílio à prevenção de problemas.  Auditoria Externa  Auditoria Interna
  • 21. • INMETRO - Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia; • INPM - Instituto Nacional de Pesos e Medidas; • OIML - Organização Internacional de Metrologia Legal; • SI - Sistema Internacional de Unidades.
  • 22.  A Metrologia Científica, que utiliza instrumentos laboratoriais, pesquisas e metodologias científicas, que têm por base padrões de medição nacionais e internacionais, para o alcance de altos níveis de qualidade metrológica.  A Metrologia Industrial, cujos sistemas de medição controlam processos produtivos industriais e são responsáveis pela garantia da qualidade dos produtos acabados.  A Metrologia Legal, que, controla e fiscaliza todos os instrumentos e medidas que estão relacionadas com o consumidor.
  • 24. A ideia principal do Controle Estatístico de Qualidade é que processos de produção com menos variabilidade propiciam níveis melhores de qualidade nos resultados de produção.
  • 25. Walter Shewhart (1939) começou a colocar em prática nas fábricas alguns conceitos básicos em Estatística e Metodologia Científica na década de 1920 nos Estados Unidos.
  • 26.  1 – PLAN, Planejar  2 – DO, Fazer  3 – CHECK, Averiguar  4 – ACT, Agir
  • 28.  Exemplos : CEQ na indústria química e mecânica
  • 29. A engenharia de produção lida com sistemas integrados de pessoas, materiais, informação, equipamentos e energia. Esses sistemas complexos estão sujeitos a falhas. A subárea da engenharia da qualidade que lida com essas questões é conhecida como confiabilidade.
  • 30. A confiabilidade pode ser definida como a probabilidade de um item (produtos, serviço, equipamento) desempenhar a função requerida, por um intervalo de tempo estabelecido, sob condições definidas de uso
  • 31.  Tempo médio para a primeira falha;  Tempo médio entre falhas (MTBF);  Tempo médio até o reparo (MTTR);  Taxa de falhas/tempo.
  • 32.  Na década de 1960, a NASA criou um método analítico para identificar e documentar de forma sistemática as falhas em potencial, de forma a reduzi-las ou, se possível, eliminá-las.  Esse método foi denominado Análise dos Modos e Efeitos das Falhas (Failure Mode and Effect Analysis – FMEA). Esse método consiste na identificação dos modos de falhas potenciais, seus efeitos (consequência das falhas) e causas potenciais (razões pelas quais as falhas ocorrem).
  • 33. Ao identificar os modos, os efeitos e as causas das falhas potenciais, é possível calcular o fator de risco de um item a partir do produto de três indicadores:  Probabilidade de ocorrência de falha (O);  Gravidade/severidade do efeito da falha (G);  Probabilidade de detecção (D).
  • 35. Em síntese, o estudo da confiabilidade é de grande importância para o desenvolvimento de novos produtos e para inserção desses produtos em mercados cada vez mais competitivos e exigentes. Mesmo que um engenheiro de produção não atue especificamente na área da qualidade é de fundamental importância que ela seja sempre considerada.