SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Economia açucareira na
América Portuguesa
Cana de açúcar
Gado
Drogas do Sertão
A empresa açucareira
• O açúcar foi a principal atividade colonizadora na América
Portuguesa.
• Experiência prévia dos portugueses com a cana nas ilhas do litoral africano.
• Mercado europeu
• Condições positivas ao plantio (clima e solo de massapé)
Durante a colonização da América portuguesa a metrópole se
encontrava em crise (manutenção de seu império nas Índias, crise das
especiarias na Europa). Também havia falta de trabalhadores
portugueses que viessem ao Brasil.
• Em relação aos capitais, Portugal contou com o investimento holandês, em troca
do monopólio do refino e da distribuição do açúcar na Europa.
• Mão de obra: em um primeiro momento foi a escravidão indígena e por volta de
1550, a mão de obra escrava africana.
• REGIME DE PLANTATION:
• Agricultura extensiva
• Latifúndio
• Mão de obra escrava
• Produção voltada para o mercado externo
• Áreas produtoras: litoral, São Vicente e, principalmente, o nordestino.
• Pernambuco: principal área de produção açucareira – núcleo da colonização.
• A expansão da lavoura na colônia está ligada à ampliação de mercados na Europa.
• OBS.: Espanhóis, através da exploração da América, levaram grandes quantias de metais para
a Europa e, sem uma estrutura produtiva interna ou mentalidade capitalista para
investimentos, tais riquezas foram distribuídas através do comércio pela própria Europa.
1
2
3
4 e 5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21 22
23
24
1. Casa Grande
2. Senzala de cima
3. Pomar
4. Galinheiro
5. Chiqueiro
6. Senzala
7. Açude: construção de pedra ou madeira para represar a água dos rios afim
de serem utilizadas na indústria , na agricultura ou no abastecimento de
cidades.
8. Curral: local cercado onde se prende gado.
9. Porteira
10. Levada (canaliza a água)
11. Roda do engenho
12 e 13: Casa de purgar (purificar): local onde o melaço era refinado.
14. Picadeiro (lugar reservado às canas de moer)
15. Casa da caldeira
16. Encaixamento
17. Casa de Farinha
18. Estribaria
19. Tanque de mel
20. Distilação
21 e 22: Casa de Bagaço
23. Ponte
24. Cemitério
CASA GRANDE E SENZALA
Gilberto Freyre
• Ciclo da Cana-de-açúcar: 1530 – início da segunda metade do século XVII.
• Atividades paralelas:
• Pecuária (alimentação, fornecimento de gado para tração e transporte)
• Agricultura de subsistência
• Pequeno comércio local
• Drogas do Sertão (cacau, baunilha, guaraná, ervas medicinais, etc)
• Sobre a mão de obra:
• Trabalho escravo para baratear o custo da produção
• Primeiramente, o indígena; seguido do africano.
Por que houve substituição da mão de obra?
• Jesuítas (missões ou reduções)
• Modos de vida/Cultura indígena: de forma geral, viviam da caça e da coleta, sem
reconhecer a propriedade privada, estratificação social ou a noção de trabalho como
forma de produzir riquezas. As atividades econômicas resumiam-se ao extrativismo,
caça, e agricultura rudimentar.
• Dizimação das populações nativas (escravidão, doenças)
• Lucros com o tráfico negreiro (desde o século XV)
Comércio colonial
• Colônia: “sofria” o monopólio colonial exercido pela metrópole (“necessidade”
das riquezas geradas pela metrópole).
• 1530 – 1580: menor rigidez – região pouco povoada, única atividade forte era
o açúcar
• 1571: d. Sebastião decreta a exclusividade dos navios portugueses no comércio colonial,
porém, não havia força militar suficiente para combater o contrabando
• 1580 – 1640: União Ibérica – maior rigidez
• 1640: Portugal retoma o trono, mas está endividada e em decadência
econômica. *relação do açúcar e holandeses*
• 1643: Criado o Conselho Ultramarino: administrar todos os assuntos referentes
ao mundo colonial português.
• 1649: Cia. Geral de Comércio do Estado do Brasil (Rio Gde do Norte até S.
Vicente)
• 1682: Cia. De Comércio do Estado do Maranhão (litoral norte do país)
Pecuária:
• O gado estava relacionado ao açúcar: transporte, tração e
alimentação (em uma escala menor)
• Responsável pela interiorização da colonização.
• Produção extensiva, por isso dificuldade na utilização da mão de obra
escrava (controle e fiscalização – roubo e fuga)
• Vaqueiro livre, o qual era dono de uma pequena parcela do gado.
Drogas do Sertão:
• Produtos medicinais, alimentícios, afrodisíacos obtidos pelo
extrativismo.
• Ocupação do norte, região da Amazônia.
• Cacau, baunilha, guaraná, castanha, urucum, cravo, entre outros.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Vinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O BrasilVinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
henrique.jay
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
Marcos Oliveira
 
America espanhola
America espanholaAmerica espanhola
America espanhola
joana71
 
Para que estudar História
Para que estudar HistóriaPara que estudar História
Para que estudar História
Liz Prates
 

Mais procurados (20)

A contrarreforma
A contrarreformaA contrarreforma
A contrarreforma
 
3° ano Brasil República Velha
3° ano   Brasil República Velha3° ano   Brasil República Velha
3° ano Brasil República Velha
 
Brasil: Economia Colonial
Brasil: Economia ColonialBrasil: Economia Colonial
Brasil: Economia Colonial
 
O brasil na primeira republica
O brasil na primeira republicaO brasil na primeira republica
O brasil na primeira republica
 
Império bizantino
Império bizantinoImpério bizantino
Império bizantino
 
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O BrasilVinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
 
Astecas maias e incas
Astecas maias e incasAstecas maias e incas
Astecas maias e incas
 
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
 
Brasil pré colonial (1500-1530).ppt
Brasil pré colonial (1500-1530).pptBrasil pré colonial (1500-1530).ppt
Brasil pré colonial (1500-1530).ppt
 
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
 
America espanhola
America espanholaAmerica espanhola
America espanhola
 
Brasil Colônia - economia
Brasil Colônia - economiaBrasil Colônia - economia
Brasil Colônia - economia
 
Para que estudar História
Para que estudar HistóriaPara que estudar História
Para que estudar História
 

Destaque

Brasil colônia açucar
Brasil colônia   açucarBrasil colônia   açucar
Brasil colônia açucar
Andre Velozo
 
Lavoura canavieira, União Ibérica e invasões estrangeiras
Lavoura canavieira, União Ibérica e invasões estrangeirasLavoura canavieira, União Ibérica e invasões estrangeiras
Lavoura canavieira, União Ibérica e invasões estrangeiras
Elton Zanoni
 
A agromanufatura do açucar e a escravidão
A agromanufatura do açucar e a escravidãoA agromanufatura do açucar e a escravidão
A agromanufatura do açucar e a escravidão
Ueber Vale
 
Sistema Colonial
Sistema ColonialSistema Colonial
Sistema Colonial
mdaltmann
 
A independência do haiti
A independência do haitiA independência do haiti
A independência do haiti
historiando
 
Guerras mundiais
Guerras mundiaisGuerras mundiais
Guerras mundiais
tec10m
 
Brasil Colonial - expansao e diversidade economica
Brasil Colonial - expansao e diversidade economicaBrasil Colonial - expansao e diversidade economica
Brasil Colonial - expansao e diversidade economica
Alexandre Protásio
 
Sociedade, cultura e cotidiano no brasil imperial
Sociedade, cultura e cotidiano no brasil imperialSociedade, cultura e cotidiano no brasil imperial
Sociedade, cultura e cotidiano no brasil imperial
Edenilson Morais
 

Destaque (20)

O brasil açucareiro
O brasil açucareiroO brasil açucareiro
O brasil açucareiro
 
Economia do açucar
Economia do açucarEconomia do açucar
Economia do açucar
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
 
holandeses no Brasil
holandeses no Brasilholandeses no Brasil
holandeses no Brasil
 
Brasil colonia 2
Brasil colonia 2 Brasil colonia 2
Brasil colonia 2
 
03. brasil aula sobre brasil coônia parte 3
03. brasil aula sobre brasil coônia parte 303. brasil aula sobre brasil coônia parte 3
03. brasil aula sobre brasil coônia parte 3
 
Brasil colônia açucar
Brasil colônia   açucarBrasil colônia   açucar
Brasil colônia açucar
 
Lavoura canavieira, União Ibérica e invasões estrangeiras
Lavoura canavieira, União Ibérica e invasões estrangeirasLavoura canavieira, União Ibérica e invasões estrangeiras
Lavoura canavieira, União Ibérica e invasões estrangeiras
 
A agromanufatura do açucar e a escravidão
A agromanufatura do açucar e a escravidãoA agromanufatura do açucar e a escravidão
A agromanufatura do açucar e a escravidão
 
Mineração
MineraçãoMineração
Mineração
 
Brasil colonial
Brasil colonialBrasil colonial
Brasil colonial
 
Sociedade açucareira
Sociedade açucareiraSociedade açucareira
Sociedade açucareira
 
Sistema Colonial
Sistema ColonialSistema Colonial
Sistema Colonial
 
A independência do haiti
A independência do haitiA independência do haiti
A independência do haiti
 
Guerras mundiais
Guerras mundiaisGuerras mundiais
Guerras mundiais
 
A revolução haitiana
A revolução haitiana A revolução haitiana
A revolução haitiana
 
Economia colonial
Economia colonialEconomia colonial
Economia colonial
 
Brasil Colonial - expansao e diversidade economica
Brasil Colonial - expansao e diversidade economicaBrasil Colonial - expansao e diversidade economica
Brasil Colonial - expansao e diversidade economica
 
Sociedade, cultura e cotidiano no brasil imperial
Sociedade, cultura e cotidiano no brasil imperialSociedade, cultura e cotidiano no brasil imperial
Sociedade, cultura e cotidiano no brasil imperial
 
As duas guerras mundiais moral
As duas guerras mundiais moralAs duas guerras mundiais moral
As duas guerras mundiais moral
 

Semelhante a Economia açucareira na América Portuguesa.

A economia do brasil colonial
A economia do brasil colonialA economia do brasil colonial
A economia do brasil colonial
historiando
 
aula_11_de_historia_-_7º_ano_8º_quinzena_-_conquista_e_colonizacao_da_america...
aula_11_de_historia_-_7º_ano_8º_quinzena_-_conquista_e_colonizacao_da_america...aula_11_de_historia_-_7º_ano_8º_quinzena_-_conquista_e_colonizacao_da_america...
aula_11_de_historia_-_7º_ano_8º_quinzena_-_conquista_e_colonizacao_da_america...
Elizeu filho
 
3° ano Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
3° ano   Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c3° ano   Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
3° ano Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
Daniel Alves Bronstrup
 
Portugal sec xviii
Portugal sec xviiiPortugal sec xviii
Portugal sec xviii
anabraga
 
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
Andrei Rita
 

Semelhante a Economia açucareira na América Portuguesa. (20)

Economia colonial
Economia colonialEconomia colonial
Economia colonial
 
Brasil colonia
Brasil coloniaBrasil colonia
Brasil colonia
 
Brasil colônia II economia
Brasil colônia II   economiaBrasil colônia II   economia
Brasil colônia II economia
 
Ciclo do açúcar no brasil colonial by Ernandez Oliveira
Ciclo do açúcar no brasil colonial by Ernandez OliveiraCiclo do açúcar no brasil colonial by Ernandez Oliveira
Ciclo do açúcar no brasil colonial by Ernandez Oliveira
 
A economia do brasil colonial
A economia do brasil colonialA economia do brasil colonial
A economia do brasil colonial
 
aula_11_de_historia_-_7º_ano_8º_quinzena_-_conquista_e_colonizacao_da_america...
aula_11_de_historia_-_7º_ano_8º_quinzena_-_conquista_e_colonizacao_da_america...aula_11_de_historia_-_7º_ano_8º_quinzena_-_conquista_e_colonizacao_da_america...
aula_11_de_historia_-_7º_ano_8º_quinzena_-_conquista_e_colonizacao_da_america...
 
A economia do brasil colonial
A economia do brasil colonialA economia do brasil colonial
A economia do brasil colonial
 
3° ano Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
3° ano   Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c3° ano   Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
3° ano Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
 
BRASIL COLÔNIA - PARTE I
BRASIL COLÔNIA - PARTE IBRASIL COLÔNIA - PARTE I
BRASIL COLÔNIA - PARTE I
 
3ão - aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia
3ão -  aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia3ão -  aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia
3ão - aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia
 
2º ano - Brasil Colônia - parte 1
2º ano - Brasil Colônia - parte 12º ano - Brasil Colônia - parte 1
2º ano - Brasil Colônia - parte 1
 
trabalhonalavouracanavieira.ppt
trabalhonalavouracanavieira.ppttrabalhonalavouracanavieira.ppt
trabalhonalavouracanavieira.ppt
 
Brasil colônia
Brasil colôniaBrasil colônia
Brasil colônia
 
Segundo Império - Economia.pptx
Segundo Império - Economia.pptxSegundo Império - Economia.pptx
Segundo Império - Economia.pptx
 
Portugal sec xviii
Portugal sec xviiiPortugal sec xviii
Portugal sec xviii
 
REVOLTA DE VILA RICA
REVOLTA DE VILA RICAREVOLTA DE VILA RICA
REVOLTA DE VILA RICA
 
Brasil Colônia : Economia
 Brasil Colônia : Economia Brasil Colônia : Economia
Brasil Colônia : Economia
 
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
 
2° ano E.M. - Brasil Colônia - parte 01
2° ano E.M. - Brasil Colônia - parte 012° ano E.M. - Brasil Colônia - parte 01
2° ano E.M. - Brasil Colônia - parte 01
 
HISTÓRIA DO BRASIL - Formacao Economica Do Brasil
HISTÓRIA DO BRASIL - Formacao Economica Do BrasilHISTÓRIA DO BRASIL - Formacao Economica Do Brasil
HISTÓRIA DO BRASIL - Formacao Economica Do Brasil
 

Mais de Professora Natália de Oliveira

Mais de Professora Natália de Oliveira (18)

Formação e independência das treze colônias
Formação e independência das treze colôniasFormação e independência das treze colônias
Formação e independência das treze colônias
 
Ataques e invasões francesas e holandesas brasil colonial
Ataques e invasões francesas e holandesas   brasil colonialAtaques e invasões francesas e holandesas   brasil colonial
Ataques e invasões francesas e holandesas brasil colonial
 
Expansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesaExpansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesa
 
Escravidão no brasil
Escravidão no brasilEscravidão no brasil
Escravidão no brasil
 
América portuguesa - Colonização
América portuguesa - ColonizaçãoAmérica portuguesa - Colonização
América portuguesa - Colonização
 
América espanhola
América espanholaAmérica espanhola
América espanhola
 
Reforma e contrarreforma
Reforma e contrarreformaReforma e contrarreforma
Reforma e contrarreforma
 
Formação de portugal
Formação de portugalFormação de portugal
Formação de portugal
 
Povos pré colombianos e pré-cabralinos
Povos pré colombianos e pré-cabralinosPovos pré colombianos e pré-cabralinos
Povos pré colombianos e pré-cabralinos
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
 
Roma: Monarquia/ República/ Império
Roma: Monarquia/ República/ ImpérioRoma: Monarquia/ República/ Império
Roma: Monarquia/ República/ Império
 
Revolução de 1930
Revolução de 1930Revolução de 1930
Revolução de 1930
 
Totalitarismo
TotalitarismoTotalitarismo
Totalitarismo
 
Crise de 1929 new deal
Crise de 1929 new dealCrise de 1929 new deal
Crise de 1929 new deal
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
 
Teoria das formas de governo e de estado
Teoria das formas de governo e de estadoTeoria das formas de governo e de estado
Teoria das formas de governo e de estado
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 

Economia açucareira na América Portuguesa.

  • 1. Economia açucareira na América Portuguesa Cana de açúcar Gado Drogas do Sertão
  • 2. A empresa açucareira • O açúcar foi a principal atividade colonizadora na América Portuguesa. • Experiência prévia dos portugueses com a cana nas ilhas do litoral africano. • Mercado europeu • Condições positivas ao plantio (clima e solo de massapé) Durante a colonização da América portuguesa a metrópole se encontrava em crise (manutenção de seu império nas Índias, crise das especiarias na Europa). Também havia falta de trabalhadores portugueses que viessem ao Brasil.
  • 3. • Em relação aos capitais, Portugal contou com o investimento holandês, em troca do monopólio do refino e da distribuição do açúcar na Europa. • Mão de obra: em um primeiro momento foi a escravidão indígena e por volta de 1550, a mão de obra escrava africana. • REGIME DE PLANTATION: • Agricultura extensiva • Latifúndio • Mão de obra escrava • Produção voltada para o mercado externo • Áreas produtoras: litoral, São Vicente e, principalmente, o nordestino. • Pernambuco: principal área de produção açucareira – núcleo da colonização. • A expansão da lavoura na colônia está ligada à ampliação de mercados na Europa. • OBS.: Espanhóis, através da exploração da América, levaram grandes quantias de metais para a Europa e, sem uma estrutura produtiva interna ou mentalidade capitalista para investimentos, tais riquezas foram distribuídas através do comércio pela própria Europa.
  • 4.
  • 6. 1. Casa Grande 2. Senzala de cima 3. Pomar 4. Galinheiro 5. Chiqueiro 6. Senzala 7. Açude: construção de pedra ou madeira para represar a água dos rios afim de serem utilizadas na indústria , na agricultura ou no abastecimento de cidades. 8. Curral: local cercado onde se prende gado. 9. Porteira 10. Levada (canaliza a água) 11. Roda do engenho 12 e 13: Casa de purgar (purificar): local onde o melaço era refinado.
  • 7. 14. Picadeiro (lugar reservado às canas de moer) 15. Casa da caldeira 16. Encaixamento 17. Casa de Farinha 18. Estribaria 19. Tanque de mel 20. Distilação 21 e 22: Casa de Bagaço 23. Ponte 24. Cemitério
  • 8. CASA GRANDE E SENZALA Gilberto Freyre
  • 9. • Ciclo da Cana-de-açúcar: 1530 – início da segunda metade do século XVII. • Atividades paralelas: • Pecuária (alimentação, fornecimento de gado para tração e transporte) • Agricultura de subsistência • Pequeno comércio local • Drogas do Sertão (cacau, baunilha, guaraná, ervas medicinais, etc) • Sobre a mão de obra: • Trabalho escravo para baratear o custo da produção • Primeiramente, o indígena; seguido do africano. Por que houve substituição da mão de obra? • Jesuítas (missões ou reduções) • Modos de vida/Cultura indígena: de forma geral, viviam da caça e da coleta, sem reconhecer a propriedade privada, estratificação social ou a noção de trabalho como forma de produzir riquezas. As atividades econômicas resumiam-se ao extrativismo, caça, e agricultura rudimentar. • Dizimação das populações nativas (escravidão, doenças) • Lucros com o tráfico negreiro (desde o século XV)
  • 10. Comércio colonial • Colônia: “sofria” o monopólio colonial exercido pela metrópole (“necessidade” das riquezas geradas pela metrópole). • 1530 – 1580: menor rigidez – região pouco povoada, única atividade forte era o açúcar • 1571: d. Sebastião decreta a exclusividade dos navios portugueses no comércio colonial, porém, não havia força militar suficiente para combater o contrabando • 1580 – 1640: União Ibérica – maior rigidez • 1640: Portugal retoma o trono, mas está endividada e em decadência econômica. *relação do açúcar e holandeses* • 1643: Criado o Conselho Ultramarino: administrar todos os assuntos referentes ao mundo colonial português. • 1649: Cia. Geral de Comércio do Estado do Brasil (Rio Gde do Norte até S. Vicente) • 1682: Cia. De Comércio do Estado do Maranhão (litoral norte do país)
  • 11. Pecuária: • O gado estava relacionado ao açúcar: transporte, tração e alimentação (em uma escala menor) • Responsável pela interiorização da colonização. • Produção extensiva, por isso dificuldade na utilização da mão de obra escrava (controle e fiscalização – roubo e fuga) • Vaqueiro livre, o qual era dono de uma pequena parcela do gado.
  • 12. Drogas do Sertão: • Produtos medicinais, alimentícios, afrodisíacos obtidos pelo extrativismo. • Ocupação do norte, região da Amazônia. • Cacau, baunilha, guaraná, castanha, urucum, cravo, entre outros.