SlideShare uma empresa Scribd logo
HISTÓRIA DO BRASIL
Brasil Colônia: Descobrimentos e
     administração Colonial.
           (Aula 01 -1C)
Período 1500-1530
• Mais interessado no comércio das
  especiarias, Portugal deixa a colonização do
  Brasil em segundo.
  – Duas expedições exploradoras comandadas por
    Gaspar de Lemos e Gonçalo Coelho.
  – Duas expedições guarda-costa comandadas por
    Cristóvão Jacques entre 1516-1528.

Contrabandistas franceses frequentavam o
litoral em busca de Pau-brasil.
Início da colonização.
• Lucros do comércio com as Índias entra em
  declínio.
  – Concorrência de países como França, Inglaterra,
    Holanda.

• 1530 – primeira Expedição colonizadora chefiada
  por Martim Afonso de Sousa.
  – Fundou um forte onde hoje é o Rio de Janeiro.
  – No Sudeste Fundou duas vilas: São Vicente e Santo
    André.
  – Percorreu todo o litoral e enfrentou navios franceses.
CAPITANIAS HEREDITÁRIAS
               (1530-1549).
• O rei dividiu a administração das terras das Colônias
  entre nobres portugueses.
   – Deveriam estar dispostos a arcar com os riscos em troca das
     riquezas e das rendas geradas.
   – 15 lotes, mas só doze portugueses se habilitaram para a
     empreitada e tornaram-se donatários.
• Os acordos do rei com os donatários estavam expressos
  na Carta de Doação e no Foral.
• Apenas São Vicente (donatário Martim Afonso) e
  Pernambuco (donatário Duarte Coelho) destacaram-se.
• motivos do fracasso:
   – a grande extensão territorial para administrar (e suas
     obrigações),
   – falta de recursos econômicos;
   – os constantes ataques indígenas.
GOVERNOS-GERAIS.
• Objetivo de centralizar a administração e auxiliar os
  donatários.
• Tomé de Sousa (1549-1553).
   – 1° governador-geral, trouxe mais de mil colonos e os
     primeiros jesuítas chefiados por Manuel de Nóbrega.
• Duarte da Costa (1553-1557).
   – Junto dele veio José de Anchieta e outros jesuítas.
• Mem de Sá (1558-1572).
   – Resolveu o problema da mão de obra com o início do
     tráfico negreiro;
   – Expulsou os franceses da Baía de Guanabara;
   – Expandiu a produção açucareira e a criação de gado;
   – Consolidou a presença portuguesa na colônia.
ORGANIZAÇÃO POLÍTICA



Responsável pela
Justiça em toda a
colônia

Cuidava da defesa
da colônia.

Encarregado pela
cobrança dos
impostos e
provimentos dos          Proprietários
cargos.                     Rurais.
GOVERNOS-GERAIS.
• Após Mem de Sá foi nomeado Luís de
  Vasconcelos.
   – Nem chegou ao Brasil, sua esquadra foi atacada por
     franceses.
• Entre 1572 a 1578 o território da colônia foi dividido
  entre norte (governo de Luís de Brito) e sul (governo
  de Antônio Salema).
• De 1578 a 1580 governou a colônia Lourenço da
  Veiga.
• 1580 -> o Brasil passou para o domínio espanhol.
BRASIL COLÔNIA:
   ECONOMIA AÇUCAREIRA/PRESENÇA
                   ESTRANGEIRA.
                      (AULA 2 – 1C)
ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA: AÇÚCAR
• Economia colonial montada com base
  na mão de obra escravizada.
• O Brasil era o grande produtor mundial
  de açúcar nos séculos XVI e XVII.
  – Produto caro e cobiçado na Europa, com
    ele os portugueses tinham acesso aos
    metais preciosos usados nos pagamentos.
• A unidade básica de produção do açúcar
  era o Engenho.
  – Plantation: sistema agrícola que tinha
    como característica o latifúndio, a
    escravização e a monocultura.
Outra atividades desenvolvidas no
             Engenho:
             •Pecuária,
             •Algodão,
            •Mandioca,
       •Fumo e aguardente.
Sociedade Açucareira:
Rural, estratificada e Patriarcal.


             Senhor de Engenho e sua Família.


                    Funcionários graduados, Clérigos,
                    mercadores, os lavradores e
                    trabalhadores livres.




                            Escravizados.
Invasões Francesas:
• Entre 1555 e 1567 – franceses fundam na Baía de
  Guanabara uma colônia chamada de França Antártica.
   –   Liderados por Nicolau Durand de Villegaignon.
   –   Acomodar calvinistas franceses (huguenotes).
   –   Aliança com os tupinambás (tamoios para os portugueses)
   –   Mem de Sá junto de Estácio de Sá (que funda a cidade do Rio de
       Janeiro) organizam o ataque (com o apoio dos Temiminós)
       contra os franceses.

• No Maranhão houve a fundação da França Equinocial
  (1612) junto de um forte chamado São Luís.
   – O governo português não poupou esforços até a completa
     expulsão dos franceses do maranhão.

• Os franceses ainda atacaram a costa do Rio de Janeiro em
  1710 e 1711 (corsários saquearam a cidade).
DOMÍNIO holandês NO BRASIL.
• Após a União Ibérica (domínio da Espanha em Portugal entre os anos de
  1580 e 1640), a Holanda resolveu enviar suas expedições militares para
  conquistarem a região nordeste brasileira.
    – O objetivo holandês era restabelecer o comércio do açúcar entre o Brasil e
      Holanda, proibido pela Espanha após a União Ibérica.


• A primeira expedição invasora ocorreu em 1624 contra Salvador (capital
  do Brasil na época).
    – Comandados por Jacob Willekens, mais de 1500 homens conquistaram Salvador e
      estabeleceram um governo na capital brasileira. Os holandeses foram expulsos no ano
      seguinte quando chegaram reforços da Espanha.


• Em 1630, houve uma segunda expedição militar holandesa, desta vez
  contra a cidade de Olinda (Pernambuco).
    – Após uma resistência luso-brasileira, os holandeses dominaram a região, estabeleceram
      um governo e retomaram o comércio de açúcar com a região nordestina brasileira.
• Principais aspectos da administração de Nassau no Nordeste do Brasil:
    – Estabeleceu relações amigáveis entre holandeses e senhores de engenho
      brasileiros;
    – Incentivou, através de empréstimos, a reestruturação dos engenhos de açúcar
      do Nordeste;
    – Introduziu inovações com relação à fabricação de açúcar;
    – Favoreceu um clima de tolerância e liberdade religiosa;
    – Modernizou a cidade de Recife, construindo diques, canais, palácios, pontes e
      jardins.
    – Estabeleceu e organizou os sistemas de coleta de lixo e os serviços de
      bombeiros em Recife.
    – Determinou a construção em Recife de um observatório astronômico, um
      Jardim Botânico, um museu natural e um Zoológico.

• Nassau deixou seu cargo no ano de 1644.
    – Com a saída de Nassau, os portugueses perceberam que era o momento de
      reconquistar o nordeste brasileiro. Tiveram vitórias contra os holandeses
      nas batalhas de Monte das Tabocas e na de Guararapes.

• Em 1654, finalmente os colonos portugueses (apoiados por militares
  de Portugal e Inglaterra) conseguiram expulsar definitivamente os
  holandeses do território brasileiro.
    – Após    a    expulsão     dos   holandeses     do     Nordeste brasileiro
      (Pernambuco, 1654), estes vão se estabelecer no Caribe aumentando a
      concorrência mundial e diminuindo o preço do produto.
BRASIL COLÔNIA:
          OCUPAÇÃO DO
     TERRITÓRIO/MINERAÇÃO.
OCUPAÇÃO DO INTERIOR:
• NORDESTE -> fator de ocupação -> GADO.
  – Criação exigia baixos investimentos e pouca mão
    de obra.
  – Em torno dos rios São Francisco e Parnaíba.
  – Ocuparam regiões da Bahia, Pernambuco, Piauí e
    Maranhão.
• SUL -> GADO
  – Rebanhos trazidos pelos jesuítas.
  – Espalhados pelas regiões dos pampas, formaram
    rebanhos selvagens.
OCUPAÇÃO DO INTERIOR:
• AMAZÔNIA -> Busca de especiarias e drogas
  do sertão.
  – Jesuítas organizavam missões.
  – Resinas aromáticas; condimentos e ervas
    medicinais.
  – Expedições militares visando preservar a região da
    presença de holandeses e franceses.
JESUÍTAS.
• Construíram missões ao longo dos territórios
  do Paraguai, Rio Grande do Sul, Paraná, Mato
  Grosso, Mato Grosso do Sul, Amazonas, Pará e
  Maranhão.
• Índios aprendiam a ler, escrever, cantar,
  plantar e a fé cristã.
• Existiram até a segunda metade do século
  XVIII quando Marquês de Pombal expulsou os
  Jesuítas das terras portugueses.
AS BANDEIRAS:
• Expedições entre os séculos XVI e XVIII.
   – Bandeiras: designa todas as expedições que tinham o
     objetivo de explorar o sertão, formadas a partir da
     iniciativa particular.
   – Entrada: Limita o termo às expedições oficiais organizadas
     pela Coroa.
   – Bandeirismo de apresamento (buscavam aprisionar índios)
   – Bandeirismo de Prospecção (buscavam encontrar ouro e
     pedras preciosas).
• Boa parte dos bandeirantes tinha origem nos pequenos
  lavradores que desejavam mão-de-obra escrava
  indígena.
• Não prevalecia a riqueza na região paulista e muito
  menos o luxo.
AS BANDEIRAS.
• CICLOS:
  – Ciclo do Ouro de Aluvião.
     • Efeitos colonizadores no litoral do Paraná (Paranaguá) e de
       Santa Catarina (São Francisco do Sul 1658, Nossa Senhora do
       Desterro 1672 e Laguna 1687).
  – Ciclo de caça ao índio.
     • Expedições visavam às missões jesuíticas cujos os índios já se
       encontravam aculturados.
     • Abriu caminho para grandes jazidas de ouro (Minas
       Gerais, Goiás e Mato Grosso).
• Sertanismo de contrato: expedições contratadas
  para combater tribos indígenas rebeladas e
  quilombos.
• Monções: expedições fluviais que transportavam
  mercadorias para as regiões de Goiás e Mato
  Grosso.
MINERAÇÃO:
• Encontrado entre os anos de 1693 a 1695 pelos
  bandeirantes.
  – Ouro de aluvião: encontrado no depósito de areia e
    cascalho, nas margens dos rios ou em seu leito.
• A descoberta permitiu um              processo     de
  interiorização da colonização,
  – estimulando o desenvolvimento dos            núcleos
    urbanos, principalmente na Região Sudeste.
• Tributos: Intendências e Casas de Fundição
  cobravam o “quinto”, imposto real que separava
  20% do ouro e o remetia a Portugal.
  – Quantia base: 100 arrobas/ano ou seja, 1,5 tonelada
    de ouro/ano, em casos negativos aplicava-se a
    Derrama.
ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA: OURO
• As outras áreas eram estimuladas a
  produzirem gêneros de abastecimento para
  atender às demandas de Minas Gerais.
  – Produção de gado no Sul e no Nordeste.
• A mineração permitiu o deslocamento do
  centro econômico do Nordeste açucareiro
  para o Centro-Sul.
  – Minas Gerais e Rio de Janeiro se transformaram
    nos principais mercados brasileiros.
SOCIEDADE:
• SOCIEDADE URBANA, MÓVEL E PATERNALISTA.

              •Mineradores e grandes
              comerciantes.
                  •Classe Média Urbana: pequenos
                  comerciantes, funcionários
                  públicos, profissionais
                  liberais, clérigos, militares...
                        •Escravizados.



• Embora a mobilidade social fosse mais flexível do
  que na sociedade açucareira, raramente se dava
  no sentido vertical.
Na arte barroca predominam as emoções e não o racionalismo da arte renascentista.


É uma época de conflitos espirituais e religiosos. O estilo barroco traduz a tentativa
angustiante de conciliar forças antagônicas: bem e mal; Deus e Diabo; céu e terra; pureza e
pecado; alegria e tristeza; paganismo e cristianismo; espírito e matéria.



Características são:

* emocional sobre o racional;
* efeitos decorativos e visuais
* entrelaçamento entre a
arquitetura e escultura;
* violentos contrastes de luz e
sombra;
* pintura com efeitos ilusionistas
ESCRAVIZAÇÃO
     AFRICANA
• Foi preponderante nas
  regiões agroexportadoras:
- Nordeste açucareiro (século XVII);
- Região das minas (século XVIII);

• Resistiam de várias maneiras: fugiam e formavam
  quilombos,      revoltavam-se,     assassinavam       senhores     e
  feitores, cometiam suicídio, quebravam instrumentos e ateavam
  fogo nas fazendas...
• Propriedade de escravos era possível para qualquer pessoa.
• A escravização foi possível por meio da estrutura social africana:
   – Os cativos importados eram escravizados na África por africanos. Os
     reinos africanos capturavam inimigos, os escravizavam e vendiam para
     os europeus.
   – Eram trocados por fumo, aguardente, tecido e algumas vezes, por
     armas de fogo.
História
 Prof. Msc. Daniel Alves Bronstrup

       BLOG: profhistdaniel.blogspot.com
            @danielbronstrup
       facebook.com/daniel.alvesbronstrup

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ciclo do açúcar
Ciclo do açúcarCiclo do açúcar
Ciclo do açúcarLucas Reis
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilDouglas Barraqui
 
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O BrasilVinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O Brasilhenrique.jay
 
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAINDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAIsabel Aguiar
 
A economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasilA economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasilRogerio Alves
 
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)Nefer19
 
Capitanias hereditárias governo geral
Capitanias hereditárias governo geralCapitanias hereditárias governo geral
Capitanias hereditárias governo geralLoredana Ruffo
 
Abolição da escravidão
Abolição da escravidão Abolição da escravidão
Abolição da escravidão Isaquel Silva
 
A conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américaA conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américaFernando Fagundes
 
A independência do haiti
A independência do haitiA independência do haiti
A independência do haitihistoriando
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaEdenilson Morais
 

Mais procurados (20)

Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
Brasil Colônia: Ciclo do Ouro.
 
Colonização da América
Colonização da AméricaColonização da América
Colonização da América
 
Ciclo do açúcar
Ciclo do açúcarCiclo do açúcar
Ciclo do açúcar
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O BrasilVinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
 
Uniao iberica slide
Uniao iberica slideUniao iberica slide
Uniao iberica slide
 
Brasil: Economia Colonial
Brasil: Economia ColonialBrasil: Economia Colonial
Brasil: Economia Colonial
 
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAINDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
 
A economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasilA economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasil
 
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
 
Os bandeirantes
Os bandeirantesOs bandeirantes
Os bandeirantes
 
Capitanias hereditárias governo geral
Capitanias hereditárias governo geralCapitanias hereditárias governo geral
Capitanias hereditárias governo geral
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
 
Abolição da escravidão
Abolição da escravidão Abolição da escravidão
Abolição da escravidão
 
Invasão Holandesa
Invasão HolandesaInvasão Holandesa
Invasão Holandesa
 
A conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américaA conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américa
 
Revoltas Coloniais
Revoltas ColoniaisRevoltas Coloniais
Revoltas Coloniais
 
A independência do haiti
A independência do haitiA independência do haiti
A independência do haiti
 
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesasBrasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
 

Destaque

2º ano revolução francesa - parte 1
2º ano   revolução francesa - parte 12º ano   revolução francesa - parte 1
2º ano revolução francesa - parte 1Daniel Alves Bronstrup
 
2° ano - Processos de Independência na América
2° ano - Processos de Independência na América2° ano - Processos de Independência na América
2° ano - Processos de Independência na AméricaDaniel Alves Bronstrup
 
3° ano Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
3° ano   Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c3° ano   Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
3° ano Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 cDaniel Alves Bronstrup
 
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e PersasDaniel Alves Bronstrup
 
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizaçõesDaniel Alves Bronstrup
 
2º ano revolução francesa - parte 2
2º ano   revolução francesa - parte 22º ano   revolução francesa - parte 2
2º ano revolução francesa - parte 2Daniel Alves Bronstrup
 
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c
3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 cDaniel Alves Bronstrup
 

Destaque (20)

Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 
3° ano Brasil República Velha
3° ano   Brasil República Velha3° ano   Brasil República Velha
3° ano Brasil República Velha
 
Brasil ColôNia
Brasil ColôNiaBrasil ColôNia
Brasil ColôNia
 
1° ano E.M. - Antigo Egito
1° ano E.M. -  Antigo Egito1° ano E.M. -  Antigo Egito
1° ano E.M. - Antigo Egito
 
1° ano - Bizantinos
1° ano - Bizantinos1° ano - Bizantinos
1° ano - Bizantinos
 
Revoluções Burguesas - Inglaterra
Revoluções Burguesas - InglaterraRevoluções Burguesas - Inglaterra
Revoluções Burguesas - Inglaterra
 
2° ano Primeiro Reinado e Regências
2° ano   Primeiro Reinado e Regências2° ano   Primeiro Reinado e Regências
2° ano Primeiro Reinado e Regências
 
2º ano revolução francesa - parte 1
2º ano   revolução francesa - parte 12º ano   revolução francesa - parte 1
2º ano revolução francesa - parte 1
 
3ºão - resumão - imperialismos
3ºão - resumão - imperialismos3ºão - resumão - imperialismos
3ºão - resumão - imperialismos
 
2° ano - Processos de Independência na América
2° ano - Processos de Independência na América2° ano - Processos de Independência na América
2° ano - Processos de Independência na América
 
2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.
 
3° ano Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
3° ano   Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c3° ano   Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
3° ano Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
 
1° ano império romano - completo
1° ano    império romano - completo1° ano    império romano - completo
1° ano império romano - completo
 
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
 
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
 
1° ano - Grécia Antiga
1° ano -  Grécia Antiga1° ano -  Grécia Antiga
1° ano - Grécia Antiga
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
 
2º ano revolução francesa - parte 2
2º ano   revolução francesa - parte 22º ano   revolução francesa - parte 2
2º ano revolução francesa - parte 2
 
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c
3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c
 

Semelhante a 2° ano E.M. - Brasil Colônia - parte 01

3° ano - Brasil Colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
3° ano  - Brasil Colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c3° ano  - Brasil Colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
3° ano - Brasil Colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 cDaniel Alves Bronstrup
 
3ão - aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia
3ão -  aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia3ão -  aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia
3ão - aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil ColôniaDaniel Alves Bronstrup
 
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 cDaniel Alves Bronstrup
 
001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015
001  2º ano  história   rafael  - américa portuguesa até mineração 2015001  2º ano  história   rafael  - américa portuguesa até mineração 2015
001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015Rafael Noronha
 
Ingleses, franceses e holandeses no novo mundo
Ingleses, franceses e holandeses no novo mundoIngleses, franceses e holandeses no novo mundo
Ingleses, franceses e holandeses no novo mundoEdenilson Morais
 
Colonizaçao inglesa,francesa e holandesa
Colonizaçao inglesa,francesa e holandesaColonizaçao inglesa,francesa e holandesa
Colonizaçao inglesa,francesa e holandesaIsabel Aguiar
 
Colonia brasil
Colonia brasilColonia brasil
Colonia brasilfelipewatz
 
Brasil século xvi
Brasil   século xviBrasil   século xvi
Brasil século xviprojrp
 

Semelhante a 2° ano E.M. - Brasil Colônia - parte 01 (20)

2º ano - Brasil Colônia - parte 1
2º ano - Brasil Colônia - parte 12º ano - Brasil Colônia - parte 1
2º ano - Brasil Colônia - parte 1
 
3° ano - Brasil Colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
3° ano  - Brasil Colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c3° ano  - Brasil Colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
3° ano - Brasil Colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
 
3ão - aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia
3ão -  aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia3ão -  aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia
3ão - aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia
 
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
 
Brasil colônia seculo XVI
Brasil colônia seculo XVIBrasil colônia seculo XVI
Brasil colônia seculo XVI
 
001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015
001  2º ano  história   rafael  - américa portuguesa até mineração 2015001  2º ano  história   rafael  - américa portuguesa até mineração 2015
001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015
 
Economia
EconomiaEconomia
Economia
 
Conquista do Sertão
Conquista do SertãoConquista do Sertão
Conquista do Sertão
 
Brasil colônia seculo XVII
Brasil colônia seculo XVIIBrasil colônia seculo XVII
Brasil colônia seculo XVII
 
Ingleses, franceses e holandeses no novo mundo
Ingleses, franceses e holandeses no novo mundoIngleses, franceses e holandeses no novo mundo
Ingleses, franceses e holandeses no novo mundo
 
Colonizaçao inglesa,francesa e holandesa
Colonizaçao inglesa,francesa e holandesaColonizaçao inglesa,francesa e holandesa
Colonizaçao inglesa,francesa e holandesa
 
Brasil colônia 2
Brasil colônia 2Brasil colônia 2
Brasil colônia 2
 
Colonia brasil
Colonia brasilColonia brasil
Colonia brasil
 
Historia do brasil
Historia do brasilHistoria do brasil
Historia do brasil
 
Brasil século xvi
Brasil   século xviBrasil   século xvi
Brasil século xvi
 
Brasil: Século XVI
Brasil: Século XVIBrasil: Século XVI
Brasil: Século XVI
 
Brasil colonia 2
Brasil colonia 2 Brasil colonia 2
Brasil colonia 2
 
Brasil colnia 2
Brasil colnia 2 Brasil colnia 2
Brasil colnia 2
 
Brasil colnia
Brasil colniaBrasil colnia
Brasil colnia
 
brasil colônia
brasil colônia brasil colônia
brasil colônia
 

Mais de Daniel Alves Bronstrup

3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasil3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasilDaniel Alves Bronstrup
 
2º ANO - Independência e Primeiro reinado
2º ANO - Independência e Primeiro reinado2º ANO - Independência e Primeiro reinado
2º ANO - Independência e Primeiro reinadoDaniel Alves Bronstrup
 
2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e Revoltas2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e RevoltasDaniel Alves Bronstrup
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.Daniel Alves Bronstrup
 
3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX
3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX
3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIXDaniel Alves Bronstrup
 
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.Daniel Alves Bronstrup
 
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.Daniel Alves Bronstrup
 
3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
3ão Resumão - Iluminismo - Rev InglesaDaniel Alves Bronstrup
 
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.Daniel Alves Bronstrup
 
3ão - aulas 2 e 3 - 1A - Civilização Grega
3ão - aulas 2 e 3 - 1A - Civilização Grega3ão - aulas 2 e 3 - 1A - Civilização Grega
3ão - aulas 2 e 3 - 1A - Civilização GregaDaniel Alves Bronstrup
 

Mais de Daniel Alves Bronstrup (20)

Idade media - Feudalismo.pptx
Idade media - Feudalismo.pptxIdade media - Feudalismo.pptx
Idade media - Feudalismo.pptx
 
2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado
 
3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasil3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasil
 
2º ANO - Independência e Primeiro reinado
2º ANO - Independência e Primeiro reinado2º ANO - Independência e Primeiro reinado
2º ANO - Independência e Primeiro reinado
 
2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e Revoltas2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e Revoltas
 
2ºano - Revolução Francesa
2ºano - Revolução Francesa2ºano - Revolução Francesa
2ºano - Revolução Francesa
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.
 
2ano - Inconfidência Mineira
2ano - Inconfidência Mineira2ano - Inconfidência Mineira
2ano - Inconfidência Mineira
 
2º ano - iluminismo
2º ano -  iluminismo2º ano -  iluminismo
2º ano - iluminismo
 
1º ano E.M. - Mesopotâmia
1º ano E.M. - Mesopotâmia1º ano E.M. - Mesopotâmia
1º ano E.M. - Mesopotâmia
 
Resumão do 3ão - Alta Idade Média
Resumão do 3ão -  Alta Idade MédiaResumão do 3ão -  Alta Idade Média
Resumão do 3ão - Alta Idade Média
 
3ão - Brasil Segundo Reinado
3ão - Brasil Segundo Reinado3ão - Brasil Segundo Reinado
3ão - Brasil Segundo Reinado
 
3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX
3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX
3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX
 
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
 
3º ano Período Regencial
3º ano Período Regencial3º ano Período Regencial
3º ano Período Regencial
 
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
 
3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
 
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
 
3º ano - Civilização Romana
3º ano - Civilização Romana 3º ano - Civilização Romana
3º ano - Civilização Romana
 
3ão - aulas 2 e 3 - 1A - Civilização Grega
3ão - aulas 2 e 3 - 1A - Civilização Grega3ão - aulas 2 e 3 - 1A - Civilização Grega
3ão - aulas 2 e 3 - 1A - Civilização Grega
 

2° ano E.M. - Brasil Colônia - parte 01

  • 1. HISTÓRIA DO BRASIL Brasil Colônia: Descobrimentos e administração Colonial. (Aula 01 -1C)
  • 2. Período 1500-1530 • Mais interessado no comércio das especiarias, Portugal deixa a colonização do Brasil em segundo. – Duas expedições exploradoras comandadas por Gaspar de Lemos e Gonçalo Coelho. – Duas expedições guarda-costa comandadas por Cristóvão Jacques entre 1516-1528. Contrabandistas franceses frequentavam o litoral em busca de Pau-brasil.
  • 3. Início da colonização. • Lucros do comércio com as Índias entra em declínio. – Concorrência de países como França, Inglaterra, Holanda. • 1530 – primeira Expedição colonizadora chefiada por Martim Afonso de Sousa. – Fundou um forte onde hoje é o Rio de Janeiro. – No Sudeste Fundou duas vilas: São Vicente e Santo André. – Percorreu todo o litoral e enfrentou navios franceses.
  • 4. CAPITANIAS HEREDITÁRIAS (1530-1549). • O rei dividiu a administração das terras das Colônias entre nobres portugueses. – Deveriam estar dispostos a arcar com os riscos em troca das riquezas e das rendas geradas. – 15 lotes, mas só doze portugueses se habilitaram para a empreitada e tornaram-se donatários. • Os acordos do rei com os donatários estavam expressos na Carta de Doação e no Foral. • Apenas São Vicente (donatário Martim Afonso) e Pernambuco (donatário Duarte Coelho) destacaram-se. • motivos do fracasso: – a grande extensão territorial para administrar (e suas obrigações), – falta de recursos econômicos; – os constantes ataques indígenas.
  • 5.
  • 6. GOVERNOS-GERAIS. • Objetivo de centralizar a administração e auxiliar os donatários. • Tomé de Sousa (1549-1553). – 1° governador-geral, trouxe mais de mil colonos e os primeiros jesuítas chefiados por Manuel de Nóbrega. • Duarte da Costa (1553-1557). – Junto dele veio José de Anchieta e outros jesuítas. • Mem de Sá (1558-1572). – Resolveu o problema da mão de obra com o início do tráfico negreiro; – Expulsou os franceses da Baía de Guanabara; – Expandiu a produção açucareira e a criação de gado; – Consolidou a presença portuguesa na colônia.
  • 7. ORGANIZAÇÃO POLÍTICA Responsável pela Justiça em toda a colônia Cuidava da defesa da colônia. Encarregado pela cobrança dos impostos e provimentos dos Proprietários cargos. Rurais.
  • 8. GOVERNOS-GERAIS. • Após Mem de Sá foi nomeado Luís de Vasconcelos. – Nem chegou ao Brasil, sua esquadra foi atacada por franceses. • Entre 1572 a 1578 o território da colônia foi dividido entre norte (governo de Luís de Brito) e sul (governo de Antônio Salema). • De 1578 a 1580 governou a colônia Lourenço da Veiga. • 1580 -> o Brasil passou para o domínio espanhol.
  • 9. BRASIL COLÔNIA: ECONOMIA AÇUCAREIRA/PRESENÇA ESTRANGEIRA. (AULA 2 – 1C)
  • 10. ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA: AÇÚCAR • Economia colonial montada com base na mão de obra escravizada. • O Brasil era o grande produtor mundial de açúcar nos séculos XVI e XVII. – Produto caro e cobiçado na Europa, com ele os portugueses tinham acesso aos metais preciosos usados nos pagamentos. • A unidade básica de produção do açúcar era o Engenho. – Plantation: sistema agrícola que tinha como característica o latifúndio, a escravização e a monocultura.
  • 11. Outra atividades desenvolvidas no Engenho: •Pecuária, •Algodão, •Mandioca, •Fumo e aguardente.
  • 12. Sociedade Açucareira: Rural, estratificada e Patriarcal. Senhor de Engenho e sua Família. Funcionários graduados, Clérigos, mercadores, os lavradores e trabalhadores livres. Escravizados.
  • 13. Invasões Francesas: • Entre 1555 e 1567 – franceses fundam na Baía de Guanabara uma colônia chamada de França Antártica. – Liderados por Nicolau Durand de Villegaignon. – Acomodar calvinistas franceses (huguenotes). – Aliança com os tupinambás (tamoios para os portugueses) – Mem de Sá junto de Estácio de Sá (que funda a cidade do Rio de Janeiro) organizam o ataque (com o apoio dos Temiminós) contra os franceses. • No Maranhão houve a fundação da França Equinocial (1612) junto de um forte chamado São Luís. – O governo português não poupou esforços até a completa expulsão dos franceses do maranhão. • Os franceses ainda atacaram a costa do Rio de Janeiro em 1710 e 1711 (corsários saquearam a cidade).
  • 14.
  • 15. DOMÍNIO holandês NO BRASIL. • Após a União Ibérica (domínio da Espanha em Portugal entre os anos de 1580 e 1640), a Holanda resolveu enviar suas expedições militares para conquistarem a região nordeste brasileira. – O objetivo holandês era restabelecer o comércio do açúcar entre o Brasil e Holanda, proibido pela Espanha após a União Ibérica. • A primeira expedição invasora ocorreu em 1624 contra Salvador (capital do Brasil na época). – Comandados por Jacob Willekens, mais de 1500 homens conquistaram Salvador e estabeleceram um governo na capital brasileira. Os holandeses foram expulsos no ano seguinte quando chegaram reforços da Espanha. • Em 1630, houve uma segunda expedição militar holandesa, desta vez contra a cidade de Olinda (Pernambuco). – Após uma resistência luso-brasileira, os holandeses dominaram a região, estabeleceram um governo e retomaram o comércio de açúcar com a região nordestina brasileira.
  • 16. • Principais aspectos da administração de Nassau no Nordeste do Brasil: – Estabeleceu relações amigáveis entre holandeses e senhores de engenho brasileiros; – Incentivou, através de empréstimos, a reestruturação dos engenhos de açúcar do Nordeste; – Introduziu inovações com relação à fabricação de açúcar; – Favoreceu um clima de tolerância e liberdade religiosa; – Modernizou a cidade de Recife, construindo diques, canais, palácios, pontes e jardins. – Estabeleceu e organizou os sistemas de coleta de lixo e os serviços de bombeiros em Recife. – Determinou a construção em Recife de um observatório astronômico, um Jardim Botânico, um museu natural e um Zoológico. • Nassau deixou seu cargo no ano de 1644. – Com a saída de Nassau, os portugueses perceberam que era o momento de reconquistar o nordeste brasileiro. Tiveram vitórias contra os holandeses nas batalhas de Monte das Tabocas e na de Guararapes. • Em 1654, finalmente os colonos portugueses (apoiados por militares de Portugal e Inglaterra) conseguiram expulsar definitivamente os holandeses do território brasileiro. – Após a expulsão dos holandeses do Nordeste brasileiro (Pernambuco, 1654), estes vão se estabelecer no Caribe aumentando a concorrência mundial e diminuindo o preço do produto.
  • 17. BRASIL COLÔNIA: OCUPAÇÃO DO TERRITÓRIO/MINERAÇÃO.
  • 18. OCUPAÇÃO DO INTERIOR: • NORDESTE -> fator de ocupação -> GADO. – Criação exigia baixos investimentos e pouca mão de obra. – Em torno dos rios São Francisco e Parnaíba. – Ocuparam regiões da Bahia, Pernambuco, Piauí e Maranhão. • SUL -> GADO – Rebanhos trazidos pelos jesuítas. – Espalhados pelas regiões dos pampas, formaram rebanhos selvagens.
  • 19. OCUPAÇÃO DO INTERIOR: • AMAZÔNIA -> Busca de especiarias e drogas do sertão. – Jesuítas organizavam missões. – Resinas aromáticas; condimentos e ervas medicinais. – Expedições militares visando preservar a região da presença de holandeses e franceses.
  • 20. JESUÍTAS. • Construíram missões ao longo dos territórios do Paraguai, Rio Grande do Sul, Paraná, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Amazonas, Pará e Maranhão. • Índios aprendiam a ler, escrever, cantar, plantar e a fé cristã. • Existiram até a segunda metade do século XVIII quando Marquês de Pombal expulsou os Jesuítas das terras portugueses.
  • 21. AS BANDEIRAS: • Expedições entre os séculos XVI e XVIII. – Bandeiras: designa todas as expedições que tinham o objetivo de explorar o sertão, formadas a partir da iniciativa particular. – Entrada: Limita o termo às expedições oficiais organizadas pela Coroa. – Bandeirismo de apresamento (buscavam aprisionar índios) – Bandeirismo de Prospecção (buscavam encontrar ouro e pedras preciosas). • Boa parte dos bandeirantes tinha origem nos pequenos lavradores que desejavam mão-de-obra escrava indígena. • Não prevalecia a riqueza na região paulista e muito menos o luxo.
  • 22. AS BANDEIRAS. • CICLOS: – Ciclo do Ouro de Aluvião. • Efeitos colonizadores no litoral do Paraná (Paranaguá) e de Santa Catarina (São Francisco do Sul 1658, Nossa Senhora do Desterro 1672 e Laguna 1687). – Ciclo de caça ao índio. • Expedições visavam às missões jesuíticas cujos os índios já se encontravam aculturados. • Abriu caminho para grandes jazidas de ouro (Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso). • Sertanismo de contrato: expedições contratadas para combater tribos indígenas rebeladas e quilombos. • Monções: expedições fluviais que transportavam mercadorias para as regiões de Goiás e Mato Grosso.
  • 23. MINERAÇÃO: • Encontrado entre os anos de 1693 a 1695 pelos bandeirantes. – Ouro de aluvião: encontrado no depósito de areia e cascalho, nas margens dos rios ou em seu leito. • A descoberta permitiu um processo de interiorização da colonização, – estimulando o desenvolvimento dos núcleos urbanos, principalmente na Região Sudeste. • Tributos: Intendências e Casas de Fundição cobravam o “quinto”, imposto real que separava 20% do ouro e o remetia a Portugal. – Quantia base: 100 arrobas/ano ou seja, 1,5 tonelada de ouro/ano, em casos negativos aplicava-se a Derrama.
  • 24. ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA: OURO • As outras áreas eram estimuladas a produzirem gêneros de abastecimento para atender às demandas de Minas Gerais. – Produção de gado no Sul e no Nordeste. • A mineração permitiu o deslocamento do centro econômico do Nordeste açucareiro para o Centro-Sul. – Minas Gerais e Rio de Janeiro se transformaram nos principais mercados brasileiros.
  • 25.
  • 26. SOCIEDADE: • SOCIEDADE URBANA, MÓVEL E PATERNALISTA. •Mineradores e grandes comerciantes. •Classe Média Urbana: pequenos comerciantes, funcionários públicos, profissionais liberais, clérigos, militares... •Escravizados. • Embora a mobilidade social fosse mais flexível do que na sociedade açucareira, raramente se dava no sentido vertical.
  • 27. Na arte barroca predominam as emoções e não o racionalismo da arte renascentista. É uma época de conflitos espirituais e religiosos. O estilo barroco traduz a tentativa angustiante de conciliar forças antagônicas: bem e mal; Deus e Diabo; céu e terra; pureza e pecado; alegria e tristeza; paganismo e cristianismo; espírito e matéria. Características são: * emocional sobre o racional; * efeitos decorativos e visuais * entrelaçamento entre a arquitetura e escultura; * violentos contrastes de luz e sombra; * pintura com efeitos ilusionistas
  • 28. ESCRAVIZAÇÃO AFRICANA • Foi preponderante nas regiões agroexportadoras: - Nordeste açucareiro (século XVII); - Região das minas (século XVIII); • Resistiam de várias maneiras: fugiam e formavam quilombos, revoltavam-se, assassinavam senhores e feitores, cometiam suicídio, quebravam instrumentos e ateavam fogo nas fazendas... • Propriedade de escravos era possível para qualquer pessoa. • A escravização foi possível por meio da estrutura social africana: – Os cativos importados eram escravizados na África por africanos. Os reinos africanos capturavam inimigos, os escravizavam e vendiam para os europeus. – Eram trocados por fumo, aguardente, tecido e algumas vezes, por armas de fogo.
  • 29.
  • 30. História Prof. Msc. Daniel Alves Bronstrup BLOG: profhistdaniel.blogspot.com @danielbronstrup facebook.com/daniel.alvesbronstrup