BRASIL COLÔNIA - PARTE I

6.020 visualizações

Publicada em

Período Pré-colonial
Capitanias Hereditárias
Governo Geral
Economia açucareira
Trabalho escravo

Publicada em: Educação
1 comentário
4 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.020
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
153
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
527
Comentários
1
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

BRASIL COLÔNIA - PARTE I

  1. 1. Brasil Colônia – parte 1
  2. 2. Brasil Colônia – parte 1VAMOS APRENDER:• Período Pré-colonial• Capitanias Hereditárias• Governos Gerais• Economia Exportadora• Sociedade• Trabalho escravo
  3. 3. Período Pré-colonial (1500-1530)1501 – Gaspar de Lemos: explorou o litoral e identificoua geografia. Também observou a existência do pau-brasil;1503 – Gonçalo Coelho: contornar o Brasil e achar outrocaminho para o Oriente;1516 – Cristóvão Jacques: combater o comércio ilegalde pau-brasil;1526: Cristóvão Jacques: novamente combater ocomércio ilegal de pau-brasil.
  4. 4. Período Pré-colonial (1500-1530)Período marcado pela extração do pau-brasil;Pau-Brasil • Fabricação de tintura para tecidos. • Exploração nômade e predatória. •Escambo com índios. •Incursões estrangeiras (ESP e FRA).
  5. 5. Período Pré-colonial (1500-1530)Não conduziu à povoação do território, apenas ainstalação de algumas feitorias;Estanco: monopólio real;Escambo: as árvores eram cortadas e carregadas peloindígenas que, em troca, recebiam objetos de pouco valor.
  6. 6. Período Colonial (1530-1822) Portugal está em dificuldades financeiras e o comérciocom o Oriente estava em declínio;O litoral brasileiro era alvo de constantes ataquespromovidos por outros países europeus;O temor de perder o território convenceu os portuguesesa ocupá-lo com atividades mais duradouras;
  7. 7. Capitanias Hereditárias Buscava a efetiva ocupação do território, mas semdespesas para a Coroa;A solução foi entregar o território para exploração departiculares;O objetivo desses nobres deveria ser ocupar, explorar edefender a sua capitania;Dois documentos regulavam as Capitanias: Carta dedoação (concessão dos direitos administrativos) e Foral(relação dos direitos e deveres dos Capitães).
  8. 8. Capitanias HereditáriasDireitos dos donatários: • doar sesmarias (distribuir terras aos colonos); • fundar vilas; • cobrar tributos sobre as benfeitorias; • receber a redízima e a vintena (participação em tributos); Deveres dos donatários: • promover a colonização; • defender a capitania; • propagar a fé católica; • garantir dos direitos da Coroa;
  9. 9. Capitanias Hereditárias Direitos da Coroa: • tributo do dízimo (1/10 do valor da produção da capitania); • tributo do quinto (1/5 do valor dos metais preciosos);
  10. 10. Capitanias Hereditárias Motivos para o uso das Capitanias: • Portugal já havia testado essa forma administração em suas ilhas do Atlântico. • Transferência de despesas para particulares (a Coroa não gastava nada). Motivos para o fracasso das Capitanias: •falta de recursos e de interesse dos donatários + distância excessiva da metrópole + invasões estrangeiras + ataques de indígenas.• EXCEÇÕES: Pernambuco e São Vicente.
  11. 11. Governos Gerais Objetivos: • Correção de erros das Capitanias . • Centralização Administrativa. Cargos auxiliares: • Ouvidor-mor (justiça), • Provedor-mor (tesouro – cobrança de impostos), • Capitão-mor (defesa).
  12. 12. Governos Gerais Com a chegada de Tomé de Souza, começa osGovernos Gerais;Tentativa de estabelecer maior controle da Coroa naColônia;O Estado português passava a assumir o processo decolonização;O governador decidia sobre impostos e assuntosjurídicos, estando acima dos capitães e das CâmarasMunicipais (formada pelos homens bons).
  13. 13. Governos Gerais Criação do Conselho Ultramarino para ampliar ocontrole sobre o império colonial; Tomé de Souza (1549 – 1553): edifica a cidade deSalvador; chegada dos jesuítas e de novos colonos;estabelecimento da Igreja; Duarte da Costa (1553 – 1558): Chegou com maiscolonos e mais jesuítas; fundou o colégio de São Paulo;ocupação francesa no Rio de Janeiro (França Antártica);
  14. 14. Governos Gerais Mem de Sá (1558 – 1572): instalação das primeirasmissões jesuítas; expulsão dos franceses do Rio de Janeiro;fundação da cidade do Rio de Janeiro; Divisão do Brasil em duas zonas administrativas: • Região Norte: com sede em Salvador, sob o controle de Brito Almeida; • Região Sul: com sede no Rio de Janeiro, nas mãos de Antônio Almeida; Nova divisão (1621): • Estado do Maranhão: com sede em São Luis e depois Belém; • Estado do Brasil: com sede em Salvador e depois Rio de Janeiro.
  15. 15. Primeiras InvasõesAs invasões francesas:• Não reconhecimento do Tratado de Tordesilhas• Contrabando e pirataria.• França Antártica (RJ – 1555 – 1567). • Fuga de huguenotes perseguidos. • Capitão Villegaignon (líder francês). • Estácio de Sá – sobrinho de Mem de Sá, responsável pela expulsão dos franceses do RJ, com a ajuda dos índios tamoios e tememinós.
  16. 16. Primeiras Invasões  França Equinocial (MA 1612 – 1615). • União Ibérica – enfraquecimento de POR. • Empreendimento oficial da coroa francesa. • Fundação de São Luís. • Expulsos por coligação luso-espanhola.• As invasões inglesas: – Ataques de piratas e corsários. – Sobretudo durante a União Ibérica. – Cidades litorâneas (Santos e Recife).
  17. 17. Economia Colonização de exploração;Pacto colonial: o Brasil só poderia comerciar comPortugal;Como Portugal não encontrou metais preciosos, asolução foi a atividade agrícola, a cana-de-açúcar;Associação de elementos para configurar a economiabrasileira: monocultura, latifúndio, escravidão e exportaçãoprimária;
  18. 18. Economia: Cana-de-açúcar Motivos para escolher a cana-de-açúcar: • a garantia de mercado para o produto; • o domínio da técnica produtiva do açúcar; • as condições naturais existentes no litoral nordestino, que concentrou a grande atividade açucareira do período; • a escolha do nordeste também ocorreu por ser mais próximo da Europa;
  19. 19. Economia: Cana-de-açúcar Problemas iniciais para a implantação da atividadeaçucareira: • necessidade de um grande investimento inicial; • enfraquecimento da estrutura econômica portuguesa; • expulsão dos judeus, debilitando a economia lusa; A solução: empréstimos holandeses. A Holanda ficaresponsável pelo transporte, refino e distribuição doproduto no mercado europeu.
  20. 20. Economia (outras atividades Atividades complementares:• pecuária: sertão nordestino, animais para abate etração;• tabaco: litoral da Bahia e Alagoas, servindo de moeda detroca por novos escravos (junto com aguardente);• algodão: concentrado na capitania de Itamaracá (atualPernambuco), servindo de matéria-prima para as roupasdos escravos.
  21. 21. Economia Escravidão africana: • valor de mercado, gerava grande circulação de renda, conferindo lucros aos traficantes de escravos e receita ao Estado lusitano; • suas habilidades no manuseio de ferramentas e instrumentos de metais, os tornavam mais facilmente adaptáveis ao modelo agrícola dos europeus.
  22. 22. Economia (quadro comparativo) Cana-de-açúcar Pecuária Produção localizada no Produção encontrada no litoral interior Para o mercado interno Para o mercado externo Uso da mão de obra escrava Uso do Trabalho livre
  23. 23. Economia Escravidão africana: • valor de mercado, gerava grande circulação de renda, conferindo lucros aos traficantes de escravos e receita ao Estado lusitano; • suas habilidades no manuseio de ferramentas e instrumentos de metais, os tornavam mais facilmente adaptáveis ao modelo agrícola dos europeus.
  24. 24. Sociedade A mão-de-obra principal eram os escravos, que estavamsubstituindo a escravidão indígena (característica doperíodo anterior); Existiam alguns trabalhadores livres, desempenhandofunções de vigilância e serviços especializados; O Senhor de escravos era a autoridade do engenho;
  25. 25. Obra de Debret
  26. 26. Sociedade A vida dos escravos: • vida útil em torno de 7 ou 10 anos; • severamente agredidos e trabalhavam até a exaustão; • “banzo” - saudade da vida na África; • buscavam formas de resistência, como as fugas, os suicídios, homicídios, abortos e organização de comunidades, os quilombos.

×