SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
HISTÓRIA
8º ANO
Rebeliões na América Portuguesa:
Revolta de Beckman; Guerra dos Emboabas; Guerra dos
Mascates; Revolta de Vila Rica
OBJETIVOS
• Explicar os movimentos e as rebeliões da América
portuguesa, articulando as temáticas locais e suas
interfaces com processos ocorridos na Europa e nas
Américas.
• Identificar os motivos, ações e consequências na Revolta
de Beckman e da Guerra dos Emboabas.
• Compreender os motivos e o desfecho da Guerra dos
Mascates e da Revolta de Vila Rica.
• A produção de açúcar foi fundamental para que o domínio de
Portugal se efetivasse no Brasil;
• O açúcar era produzido em uma grande propriedade rural
(latifúndio monocultor) e com mão de obra escravizada;
• Além da produção açucareira eram realizadas a produção de
algodão e tabaco, também para exportação;
• A criação de gado era realizada para atender o mercado interno;
• Na região Norte, a exploração das drogas do sertão eram
fundamentais.
Retomada
Retomada
Cena de um engenho
de açúcar no Brasil,
com o senhor de
engenho (à direita) e
os escravos
trabalhando no
trapiche.
Engenho de açúcar. 1 fot., color. In Britannica Escola. Web, 2020. Disponível em:
<https://escola.britannica.com.br/artigo/cana-de-açúcar/483152/recursos/179268>. Acesso em: 21 de junho
de 2020.
O QUE VAMOS VER NESSA AULA?
• Características do Brasil no século XVII.
• Revolta de Beckman.
• Guerra dos Emboabas.
• Guerra dos Mascates.
• Revolta de Vila Rica.
Você sabe a diferença
entre revolta e
revolução?
Sabe o que diferencia
tudo isso de uma
guerra?
DIALOGANDO...
• O açúcar produzido no Brasil perdia mercado para o
açúcar produzido no Caribe pelos holandeses.
• A concorrência fez também o preço do produto cair.
• A coroa aumentou a pressão sobre suas colônias criando
mais órgãos de controle sobre as atividades econômicas.
Situação de Portugal no século XVII
As principais características
do Brasil durante o século XVII
• Catequização dos povos indígenas sob o
protagonismo jesuítico (Companhia de Jesus).
• Recente expulsão dos holandeses do Nordeste
brasileiro.
• Escravização (indígenas e africanos).
No final do século XVII, o Maranhão sofria com a falta de escravos
africanos para suas lavouras. A metrópole comprometeu-se a
resolver o problema da mão de obra com a criação da Companhia
do Estado do Maranhão, em 1682. Porém, essa companhia não
cumpriu a função de abastecer a região com escravizados
africanos e elevou o preço de produtos que monopolizava.
Descontentes, proprietários e comerciantes, liderados pelos
senhores de engenho Manuel e Thomas Beckman, ocuparam o
armazém da companhia, depuseram o governador do Maranhão e
expulsaram os jesuítas do local. Porém, a metrópole reprimiu o
movimento e a revolta fracassou.
REVOLTA DE BECKMAN (1684)
A GUERRA DOS EMBOABAS (1707-1709)
Nos primeiros anos de mineração, ocorreram vários conflitos na
região das minas. O maior deles teve origem na disputa pelo ouro
entre os paulistas, que o descobriram, e os forasteiros
(portugueses e pessoas de outras regiões do Brasil), que queriam
explorá-lo. Os portugueses foram apelidados, pelos paulistas, de
emboabas.
Os emboabas venceram a guerra e continuaram a explorar ouro. A
Metrópole portuguesa enviou um novo governador ao Rio de
Janeiro e criou a Capitania de São Paulo e a de Minas Gerais, até
então pertencentes ao Rio de Janeiro.
• Os senhores de engenho de Olinda (PE), durante o século XVII
ficaram endividados com o baixo preço do açúcar brasileiro.
• Para manterem a produção emprestavam dinheiro, sobretudo
dos comerciantes de Recife, chamados pejorativamente de
mascates (vendedores ambulantes).
• Os comerciantes de Recife, embora enriquecidos não possuíam
poder político, pois somente Olinda era uma vila, e portanto tinha a
Câmara Municipal (poder político autorizado).
• Em 1710 a Coroa portuguesa elevou o povoado de Recife a vila,
podendo desse modo os recifenses estabelecer sua própria Câmara
Municipal.
Guerra dos Mascates (1710-1711)
• Os senhores de engenho de Olinda não aceitaram e
armados atacaram Recife destruindo o pelourinho, um dos
símbolos de poder.
• A Coroa portuguesa intercedeu no conflito a favor dos
comerciantes (mascates), reprimindo os olindenses,
confirmando Recife como vila independente e ainda
tornando-se capital de Pernambuco.
Guerra dos Mascates (1710-1711)
• Com o objetivo de controlar a exploração de ouro na
Colônia e cobrar impostos a Coroa portuguesa criou em
1702 a Intendência das Minas.
• Na fase inicial da exploração do ouro, utilizavam-se a
bateia e o almocafre. Depois, passou-se a investir em novas
técnicas de extração.
A REVOLTA DE VILA RICA (1720)
RESENDE,
Maria
Efigênia
Lage
de;
VILLALTA,
Luiz
Carlos
(Org.).
História
de
Minas
Gerais:
as
minas
setecentistas.
Belo
Horizonte:
Autêntica,
2007.
v.
2.
p.
199.)
(INSTITUTO
DE
ESTUDOS
BRASILEIROS
DA
USP,
SÃO
PAULO).
BOULOS
JÚNIOR,
Alfredo.
História
sociedade
&
cidadania:
8º
ano:
ensino
fundamental:
anos
finais.
4.
ed.
São
Paulo
:
FTD,
2018.
“Uma grande roda-
d’água aciona um
rosário para tirar a água
da cata no nível do rio,
os escravos pegavam o
cascalho aurífero da
cata para ser lavado na
canoa”.
Uma das inovações: roda do rosário.
• A exploração do ouro aumentou bastante e a cobrança de
impostos também! Eram cobrados impostos sobre
escravizados, tecidos, ferramentas, entre outros.
• O imposto chamado quinto, tornou-se o mais importante
criado e significava que 20% de todo o ouro extraído deveria ser
entregue a Coroa Portuguesa.
• A cobrança de impostos levou parte da população
contrabandear produtos, isto é, comercializá-los não pagando
os devidos impostos a Coroa Portuguesa.
A REVOLTA DE VILA RICA (1720)
• Surgiam os “santinhos do pau oco”.
A imagem é de Nossa Senhora
do Rosário e foi feita em
madeira talhada no século XVIII.
Encontra-se no Museu da
Inconfidência, em Minas Gerais.
BOULOS
JÚNIOR,
Alfredo.
História
sociedade
&
cidadania:
8º
ano:
ensino
fundamental:
anos
finais.
4.
ed.
São
Paulo
:
FTD,
2018,
p.
73. A REVOLTA DE VILA RICA (1720)
• Para resolver o problema do contrabando a Coroa portuguesa
criou em 1719 as Casas de Fundição, locais nos quais o ouro
era derretido e transformado em barras com o devido
imposto já retirado. As barras eram devidamente seladas com
o símbolo real português.
A REVOLTA DE VILA RICA (1720)
Disponível em: https://museudoouro.museus.gov.br/wp-content/uploads/2019/05/Barra-de-Ouro-1.jpg Acesso em: 20 jun. 2020.
Barra de ouro
fundida em Sabará
em 1794.
• As Casas de Fundição aumentou a insatisfação de muitos
mineradores e comerciantes, que já existia devido o
aumento nos preços de produtos alimentícios, e com isso
levou a revolta de Vila Rica em 1720.
• Os rebeldes exigiram basicamente duas coisas:
- a diminuição dos preços dos alimentos;
- a extinção da criação das Casas de Fundição.
A REVOLTA DE VILA RICA (1720)
• Em um primeiro momento o Conde de Assumar,
representante da Coroa levou os rebeldes a acreditarem
numa possível negociação.
• Todavia, dias depois, os principais líderes foram presos, e o
líder Filipe dos Santos, tropeiro, foi morto e teve seu corpo
cortado em pedaços e expostos nas margens das estradas.
• Um resultado político, foi a separação da capitania de Minas
Gerais e São Paulo, uma vez que em 1720 foi criada a
capitania de Minas Gerais.
A REVOLTA DE VILA RICA (1720)
A REVOLTA DE VILA RICA (1720)
Disponível em: <https://upload.wikimedia.org/
wikipedia/commons/7/76/Antonio_Parreiras_Julgamento_de_Filipe_dos_Santos.jpg>. Aesso em: 20 jun. 2020.
Julgamento
de Filipe dos
Santos,
Antônio
Parreiras,
1923.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Nessa aula estudamos que parte da população
de Vila Rica (Minas Gerais) não aceitou os
impostos e condições tributárias impostas pela
Coroa portuguesa e rebelou-se contra a
Metrópole.
O governo português respondeu reprimindo o
movimento e controlando ainda mais
politicamente a região aurífera.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O governo de d. pedro i
O governo de d. pedro iO governo de d. pedro i
O governo de d. pedro i
Nana Tru
 
Revolução farroupilha
Revolução farroupilhaRevolução farroupilha
Revolução farroupilha
mateus_95
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
Janayna Lira
 

Mais procurados (20)

Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
 
Primeiro reinado
Primeiro reinadoPrimeiro reinado
Primeiro reinado
 
Revolta  de filipe dos santos– 1720 – vila rica/Estude para o Enem!
Revolta  de filipe dos santos– 1720 – vila rica/Estude para o Enem!Revolta  de filipe dos santos– 1720 – vila rica/Estude para o Enem!
Revolta  de filipe dos santos– 1720 – vila rica/Estude para o Enem!
 
Chegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilChegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasil
 
Conjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e BaianaConjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e Baiana
 
4 mesopotamia
4 mesopotamia4 mesopotamia
4 mesopotamia
 
13 colônias inglesas
13 colônias inglesas13 colônias inglesas
13 colônias inglesas
 
Revoltas coloniais
Revoltas coloniaisRevoltas coloniais
Revoltas coloniais
 
O governo de d. pedro i
O governo de d. pedro iO governo de d. pedro i
O governo de d. pedro i
 
16 Revoltas Separatistas
16 Revoltas Separatistas16 Revoltas Separatistas
16 Revoltas Separatistas
 
8º ano - America espanhola apresentação
8º ano - America espanhola apresentação 8º ano - America espanhola apresentação
8º ano - America espanhola apresentação
 
África Medieval - 7º Ano (2017)
África Medieval - 7º Ano (2017)África Medieval - 7º Ano (2017)
África Medieval - 7º Ano (2017)
 
o primeiro reinado (1822-1831)
o primeiro reinado (1822-1831)o primeiro reinado (1822-1831)
o primeiro reinado (1822-1831)
 
Brasil: das conjurações à independência
Brasil: das conjurações à independênciaBrasil: das conjurações à independência
Brasil: das conjurações à independência
 
Mudança na europa feudal
Mudança na europa feudalMudança na europa feudal
Mudança na europa feudal
 
Revolução farroupilha
Revolução farroupilhaRevolução farroupilha
Revolução farroupilha
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
 
3° ano - Revoltas do Período Regencial
3° ano - Revoltas do Período Regencial3° ano - Revoltas do Período Regencial
3° ano - Revoltas do Período Regencial
 
Expansão Marítima Europeia
Expansão Marítima EuropeiaExpansão Marítima Europeia
Expansão Marítima Europeia
 
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesasBrasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
 

Semelhante a REVOLTA DE VILA RICA

Módulo 5 - Mineração e revoltas nativistas
Módulo 5 - Mineração e revoltas nativistasMódulo 5 - Mineração e revoltas nativistas
Módulo 5 - Mineração e revoltas nativistas
Breno Girotto
 
CONTINUAÇÃO DAS REBELIÕES E CONJURAÇÃO - 8 ANO.pptx
CONTINUAÇÃO DAS REBELIÕES E CONJURAÇÃO - 8 ANO.pptxCONTINUAÇÃO DAS REBELIÕES E CONJURAÇÃO - 8 ANO.pptx
CONTINUAÇÃO DAS REBELIÕES E CONJURAÇÃO - 8 ANO.pptx
profcarlitto
 
001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015
001  2º ano  história   rafael  - américa portuguesa até mineração 2015001  2º ano  história   rafael  - américa portuguesa até mineração 2015
001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015
Rafael Noronha
 
2ºano - Brasil colônia parte 2 - movimentos contra a coroa
2ºano - Brasil colônia parte 2 - movimentos contra a coroa2ºano - Brasil colônia parte 2 - movimentos contra a coroa
2ºano - Brasil colônia parte 2 - movimentos contra a coroa
Daniel Alves Bronstrup
 
Brasil - Revoltas Coloniais
Brasil - Revoltas ColoniaisBrasil - Revoltas Coloniais
Brasil - Revoltas Coloniais
carlosbidu
 
HISTÓRIA: A Metrópole em Crise
HISTÓRIA: A Metrópole em CriseHISTÓRIA: A Metrópole em Crise
HISTÓRIA: A Metrópole em Crise
BlogSJuniinho
 
Trabalho de Historia
Trabalho de HistoriaTrabalho de Historia
Trabalho de Historia
Ellen Laureto
 
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
Franciele Marques
 
Crise do Antigo Regime Colonial Revoltas Nativistas e Período Pombalino.pptx
Crise do Antigo Regime Colonial Revoltas Nativistas e Período Pombalino.pptxCrise do Antigo Regime Colonial Revoltas Nativistas e Período Pombalino.pptx
Crise do Antigo Regime Colonial Revoltas Nativistas e Período Pombalino.pptx
Alex Fonte
 
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIALHISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
carlosbidu
 

Semelhante a REVOLTA DE VILA RICA (20)

Módulo 5 - Mineração e revoltas nativistas
Módulo 5 - Mineração e revoltas nativistasMódulo 5 - Mineração e revoltas nativistas
Módulo 5 - Mineração e revoltas nativistas
 
8° ANO - REBELIÕES NA AMÉRICA PORTUGUESA.pptx
8° ANO - REBELIÕES NA AMÉRICA PORTUGUESA.pptx8° ANO - REBELIÕES NA AMÉRICA PORTUGUESA.pptx
8° ANO - REBELIÕES NA AMÉRICA PORTUGUESA.pptx
 
CONTINUAÇÃO DAS REBELIÕES E CONJURAÇÃO - 8 ANO.pptx
CONTINUAÇÃO DAS REBELIÕES E CONJURAÇÃO - 8 ANO.pptxCONTINUAÇÃO DAS REBELIÕES E CONJURAÇÃO - 8 ANO.pptx
CONTINUAÇÃO DAS REBELIÕES E CONJURAÇÃO - 8 ANO.pptx
 
001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015
001  2º ano  história   rafael  - américa portuguesa até mineração 2015001  2º ano  história   rafael  - américa portuguesa até mineração 2015
001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015
 
2ºano - Brasil colônia parte 2 - movimentos contra a coroa
2ºano - Brasil colônia parte 2 - movimentos contra a coroa2ºano - Brasil colônia parte 2 - movimentos contra a coroa
2ºano - Brasil colônia parte 2 - movimentos contra a coroa
 
As primeiras rebeliões da colônia
As primeiras rebeliões da colôniaAs primeiras rebeliões da colônia
As primeiras rebeliões da colônia
 
7.7 historia 8 ano
7.7   historia 8 ano7.7   historia 8 ano
7.7 historia 8 ano
 
df-historia-rafael-5e971b6769f34.pptx
df-historia-rafael-5e971b6769f34.pptxdf-historia-rafael-5e971b6769f34.pptx
df-historia-rafael-5e971b6769f34.pptx
 
Brasil - Revoltas Coloniais
Brasil - Revoltas ColoniaisBrasil - Revoltas Coloniais
Brasil - Revoltas Coloniais
 
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
 
HISTÓRIA: A Metrópole em Crise
HISTÓRIA: A Metrópole em CriseHISTÓRIA: A Metrópole em Crise
HISTÓRIA: A Metrópole em Crise
 
Trabalho de Historia
Trabalho de HistoriaTrabalho de Historia
Trabalho de Historia
 
Aspecto culturais da colônia e revolta de beckman
Aspecto culturais da colônia e revolta de beckmanAspecto culturais da colônia e revolta de beckman
Aspecto culturais da colônia e revolta de beckman
 
Guerras nativistas
Guerras nativistasGuerras nativistas
Guerras nativistas
 
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
 
Brasil colonia
Brasil coloniaBrasil colonia
Brasil colonia
 
Mineração e Crise do Sistema Colonial
Mineração e Crise do Sistema ColonialMineração e Crise do Sistema Colonial
Mineração e Crise do Sistema Colonial
 
Crise do Antigo Regime Colonial Revoltas Nativistas e Período Pombalino.pptx
Crise do Antigo Regime Colonial Revoltas Nativistas e Período Pombalino.pptxCrise do Antigo Regime Colonial Revoltas Nativistas e Período Pombalino.pptx
Crise do Antigo Regime Colonial Revoltas Nativistas e Período Pombalino.pptx
 
ciculo do ouro.pdf
ciculo do ouro.pdfciculo do ouro.pdf
ciculo do ouro.pdf
 
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIALHISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
 

Mais de IracemaAparecidaMend (7)

PARÓDIA EXPANSÃO MARÍTIMA.pptx
PARÓDIA EXPANSÃO MARÍTIMA.pptxPARÓDIA EXPANSÃO MARÍTIMA.pptx
PARÓDIA EXPANSÃO MARÍTIMA.pptx
 
COLONIZAÇÃO INGLESA.pptx
COLONIZAÇÃO INGLESA.pptxCOLONIZAÇÃO INGLESA.pptx
COLONIZAÇÃO INGLESA.pptx
 
LEI MARIA DA PENHA.pptx
LEI MARIA DA PENHA.pptxLEI MARIA DA PENHA.pptx
LEI MARIA DA PENHA.pptx
 
Cultura negra
Cultura negraCultura negra
Cultura negra
 
historia da festa junina (1).pptx
historia da festa junina (1).pptxhistoria da festa junina (1).pptx
historia da festa junina (1).pptx
 
TRABALHO APRESENTADO À DISCIPLINA DE HISTÓRIA.pptx
TRABALHO APRESENTADO À DISCIPLINA DE HISTÓRIA.pptxTRABALHO APRESENTADO À DISCIPLINA DE HISTÓRIA.pptx
TRABALHO APRESENTADO À DISCIPLINA DE HISTÓRIA.pptx
 
Questões regime totalitarista.
Questões regime totalitarista.Questões regime totalitarista.
Questões regime totalitarista.
 

Último

Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 

Último (20)

Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 

REVOLTA DE VILA RICA

  • 1. HISTÓRIA 8º ANO Rebeliões na América Portuguesa: Revolta de Beckman; Guerra dos Emboabas; Guerra dos Mascates; Revolta de Vila Rica
  • 2. OBJETIVOS • Explicar os movimentos e as rebeliões da América portuguesa, articulando as temáticas locais e suas interfaces com processos ocorridos na Europa e nas Américas. • Identificar os motivos, ações e consequências na Revolta de Beckman e da Guerra dos Emboabas. • Compreender os motivos e o desfecho da Guerra dos Mascates e da Revolta de Vila Rica.
  • 3. • A produção de açúcar foi fundamental para que o domínio de Portugal se efetivasse no Brasil; • O açúcar era produzido em uma grande propriedade rural (latifúndio monocultor) e com mão de obra escravizada; • Além da produção açucareira eram realizadas a produção de algodão e tabaco, também para exportação; • A criação de gado era realizada para atender o mercado interno; • Na região Norte, a exploração das drogas do sertão eram fundamentais. Retomada
  • 4. Retomada Cena de um engenho de açúcar no Brasil, com o senhor de engenho (à direita) e os escravos trabalhando no trapiche. Engenho de açúcar. 1 fot., color. In Britannica Escola. Web, 2020. Disponível em: <https://escola.britannica.com.br/artigo/cana-de-açúcar/483152/recursos/179268>. Acesso em: 21 de junho de 2020.
  • 5. O QUE VAMOS VER NESSA AULA? • Características do Brasil no século XVII. • Revolta de Beckman. • Guerra dos Emboabas. • Guerra dos Mascates. • Revolta de Vila Rica.
  • 6. Você sabe a diferença entre revolta e revolução? Sabe o que diferencia tudo isso de uma guerra? DIALOGANDO...
  • 7. • O açúcar produzido no Brasil perdia mercado para o açúcar produzido no Caribe pelos holandeses. • A concorrência fez também o preço do produto cair. • A coroa aumentou a pressão sobre suas colônias criando mais órgãos de controle sobre as atividades econômicas. Situação de Portugal no século XVII
  • 8. As principais características do Brasil durante o século XVII • Catequização dos povos indígenas sob o protagonismo jesuítico (Companhia de Jesus). • Recente expulsão dos holandeses do Nordeste brasileiro. • Escravização (indígenas e africanos).
  • 9. No final do século XVII, o Maranhão sofria com a falta de escravos africanos para suas lavouras. A metrópole comprometeu-se a resolver o problema da mão de obra com a criação da Companhia do Estado do Maranhão, em 1682. Porém, essa companhia não cumpriu a função de abastecer a região com escravizados africanos e elevou o preço de produtos que monopolizava. Descontentes, proprietários e comerciantes, liderados pelos senhores de engenho Manuel e Thomas Beckman, ocuparam o armazém da companhia, depuseram o governador do Maranhão e expulsaram os jesuítas do local. Porém, a metrópole reprimiu o movimento e a revolta fracassou. REVOLTA DE BECKMAN (1684)
  • 10. A GUERRA DOS EMBOABAS (1707-1709) Nos primeiros anos de mineração, ocorreram vários conflitos na região das minas. O maior deles teve origem na disputa pelo ouro entre os paulistas, que o descobriram, e os forasteiros (portugueses e pessoas de outras regiões do Brasil), que queriam explorá-lo. Os portugueses foram apelidados, pelos paulistas, de emboabas. Os emboabas venceram a guerra e continuaram a explorar ouro. A Metrópole portuguesa enviou um novo governador ao Rio de Janeiro e criou a Capitania de São Paulo e a de Minas Gerais, até então pertencentes ao Rio de Janeiro.
  • 11. • Os senhores de engenho de Olinda (PE), durante o século XVII ficaram endividados com o baixo preço do açúcar brasileiro. • Para manterem a produção emprestavam dinheiro, sobretudo dos comerciantes de Recife, chamados pejorativamente de mascates (vendedores ambulantes). • Os comerciantes de Recife, embora enriquecidos não possuíam poder político, pois somente Olinda era uma vila, e portanto tinha a Câmara Municipal (poder político autorizado). • Em 1710 a Coroa portuguesa elevou o povoado de Recife a vila, podendo desse modo os recifenses estabelecer sua própria Câmara Municipal. Guerra dos Mascates (1710-1711)
  • 12. • Os senhores de engenho de Olinda não aceitaram e armados atacaram Recife destruindo o pelourinho, um dos símbolos de poder. • A Coroa portuguesa intercedeu no conflito a favor dos comerciantes (mascates), reprimindo os olindenses, confirmando Recife como vila independente e ainda tornando-se capital de Pernambuco. Guerra dos Mascates (1710-1711)
  • 13. • Com o objetivo de controlar a exploração de ouro na Colônia e cobrar impostos a Coroa portuguesa criou em 1702 a Intendência das Minas. • Na fase inicial da exploração do ouro, utilizavam-se a bateia e o almocafre. Depois, passou-se a investir em novas técnicas de extração. A REVOLTA DE VILA RICA (1720)
  • 15. • A exploração do ouro aumentou bastante e a cobrança de impostos também! Eram cobrados impostos sobre escravizados, tecidos, ferramentas, entre outros. • O imposto chamado quinto, tornou-se o mais importante criado e significava que 20% de todo o ouro extraído deveria ser entregue a Coroa Portuguesa. • A cobrança de impostos levou parte da população contrabandear produtos, isto é, comercializá-los não pagando os devidos impostos a Coroa Portuguesa. A REVOLTA DE VILA RICA (1720)
  • 16. • Surgiam os “santinhos do pau oco”. A imagem é de Nossa Senhora do Rosário e foi feita em madeira talhada no século XVIII. Encontra-se no Museu da Inconfidência, em Minas Gerais. BOULOS JÚNIOR, Alfredo. História sociedade & cidadania: 8º ano: ensino fundamental: anos finais. 4. ed. São Paulo : FTD, 2018, p. 73. A REVOLTA DE VILA RICA (1720)
  • 17. • Para resolver o problema do contrabando a Coroa portuguesa criou em 1719 as Casas de Fundição, locais nos quais o ouro era derretido e transformado em barras com o devido imposto já retirado. As barras eram devidamente seladas com o símbolo real português. A REVOLTA DE VILA RICA (1720) Disponível em: https://museudoouro.museus.gov.br/wp-content/uploads/2019/05/Barra-de-Ouro-1.jpg Acesso em: 20 jun. 2020. Barra de ouro fundida em Sabará em 1794.
  • 18. • As Casas de Fundição aumentou a insatisfação de muitos mineradores e comerciantes, que já existia devido o aumento nos preços de produtos alimentícios, e com isso levou a revolta de Vila Rica em 1720. • Os rebeldes exigiram basicamente duas coisas: - a diminuição dos preços dos alimentos; - a extinção da criação das Casas de Fundição. A REVOLTA DE VILA RICA (1720)
  • 19. • Em um primeiro momento o Conde de Assumar, representante da Coroa levou os rebeldes a acreditarem numa possível negociação. • Todavia, dias depois, os principais líderes foram presos, e o líder Filipe dos Santos, tropeiro, foi morto e teve seu corpo cortado em pedaços e expostos nas margens das estradas. • Um resultado político, foi a separação da capitania de Minas Gerais e São Paulo, uma vez que em 1720 foi criada a capitania de Minas Gerais. A REVOLTA DE VILA RICA (1720)
  • 20. A REVOLTA DE VILA RICA (1720) Disponível em: <https://upload.wikimedia.org/ wikipedia/commons/7/76/Antonio_Parreiras_Julgamento_de_Filipe_dos_Santos.jpg>. Aesso em: 20 jun. 2020. Julgamento de Filipe dos Santos, Antônio Parreiras, 1923.
  • 21. CONSIDERAÇÕES FINAIS Nessa aula estudamos que parte da população de Vila Rica (Minas Gerais) não aceitou os impostos e condições tributárias impostas pela Coroa portuguesa e rebelou-se contra a Metrópole. O governo português respondeu reprimindo o movimento e controlando ainda mais politicamente a região aurífera.