SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
A idade do ouro na América
Portuguesa
Ciclo da mineração
O que acontecia lá fora?
• Crises econômicas e religiosas na Europa: busca de um novo
mundo. (Principalmente países como Inglaterra, França e Holanda)
• América do Norte: formação das 13 Colônias.
• Proibição da Companhia das Índias Ocidentais de comercializar
açúcar com os produtores brasileiros.
• Invasão holandesa: Bahia (1 ano) e Pernambuco (1630-1654) –
destaque para Maurício de Nassau.
• Porção Sudeste: Bandeiras.
Em busca das Minas
• Contexto MERCANTILISTA
• Características:
• Metalismo: o ouro e a prata eram metais que deixavam uma nação muito
rica e poderosa, portanto os governantes faziam de tudo para acumular
estes metais. Além do comércio externo, que trazia moedas para a
economia interna do país, a exploração de territórios conquistados era
incentivada neste período. Foi dentro deste contexto histórico, que a
Espanha explorou toneladas de ouro das sociedades indígenas da América
como, por exemplo, os maias, incas e astecas.
• Industrialização: o governo estimulava o desenvolvimento de indústrias em
seus territórios. Como o produto industrializado era mais caro do que
matérias-primas ou gêneros agrícolas, exportar manufaturados era certeza
de bons lucros.
• Protecionismo Alfandegário: os reis criavam impostos e taxas para
evitar ao máximo a entrada de produtos vindos do exterior. Era
uma forma de estimular a indústria nacional e também evitar a
saída de moedas para outros países.
• Pacto Colonial: as colônias europeias deveriam fazer comércio
apenas com suas metrópoles. Era uma garantia de vender caro e
comprar barato, obtendo ainda produtos não encontrados na
Europa. Dentro deste contexto histórico ocorreu o ciclo econômico
do açúcar no Brasil Colonial.
• Balança Comercial Favorável: o esforço era para exportar mais do
que importar, desta forma entraria mais moedas do que sairia,
deixando o país em boa situação financeira.
Ligando os fatos:
• Decadência dos negócios açucareiros + Diminuição dos lucros da colônia
americana = busca de novas fontes de riquezas.
• Pioneiro na descoberta do ouro, aparentemente: Antônio Rodrigues (ou
Ruiz) Arzão, que encontrou ouro na região das Gerais, no atual estado de
Minas Gerais, por volta de 1693.
• Boom populacional: pessoas de outras regiões, inclusive de outro
continente, deslocaram-se para a região das minas, na tentativa de
enriquecer facilmente.
• Quem encontrasse ouro, deveria avisar às autoridades, se não o fizesse,
seria expulsa da colônia ou, condenada à morte.
• As jazidas eram dividas em várias partes: datas. A vantagem daquele que
encontrou a jazida era a escolha da primeira data, depois o governo
escolhia a sua; as restantes eram leiloadas entre os interessados. No leilão,
a preferência era daquele que tinha mais escravos.
Até a descoberta do ouro no interior das Gerais, a sociedade
colonial era sobretudo rural. Havia cidades e vilas, mas as
atividades econômicas eram agropecuárias.
Com a mineração, verificou-se um enorme incremento da
população da colônia e uma verdadeira explosão de núcleos
urbanos na região das minas. Entre 1700 e 1725, foram fundadas as
vilas de São João del-Rei, Sabará, Mariana, Vila Rica (atual Ouro
Preto), Arraial do Tijuco, Ribeirão do Carmo, etc.
Em 1690, a população colonial não passava de 300 mil pessoas. Em
1780, chegava a dois milhões e meio. Só na região das minas viviam
por essa época cerca de 400 mil pessoas. Tanto esse aumento
populacional quanto o surgimento de novos núcleos urbanos teriam
importantes consequências na vida da sociedade colonial.
Expedições:
• Entradas e bandeiras.
• Imaginário povoado por lendas, como a do Eldorado: A lenda
conta a historia da existência de uma cidade perdida em meio a
densa floresta Amazônia. Até este ponto esta seria somente mais
uma cidade inca perdia como tantas outras que foram encontradas
depois por aventureiros. No entanto a narrativa dos índios aos
espanhóis na época da colonização falava de uma cidade repleta
de ouro nas construções da cidade, nos templos, nas estatuas dos
ídolos, nas armaduras e escudo. A cidade era chamada
originalmente pelos indígenas de Manoa, e era construída nas
margens de um lago chamado "Parime" onde era realizado os
rituais para os deuses, muitos acreditavam que esse lago é o atual
lago Guatavita.
Povoando os sertões
• A partir de 1693, os bandeirantes paulistas encontraram ouro
próximo às atuais cidades mineiras de Sabará, Caeté e Ouro Preto.
• A notícia se espalhou rapidamente e milhares de pessoas, da
colônia e da Metrópole, se dirigiram para lá (corrida do ouro).
• *A região das minas não possuía infraestrutura; não havia
alimento suficiente nem estradas, apenas trilhas.
• O jesuíta André João Antonil relata que nos primeiros anos a fome
e a desnutrição assolaram as regiões mineradoras. Além da fome,
ocorria todo tipo de contravenção: assassinatos, roubos,
contrabando, etc.
Administração
• Após um primeiro momento de caos e violência, alguns
exploradores retornaram a suas terras e outros
permaneceram nas áreas mineradoras, mas não
necessariamente como garimpeiros, alguns dedicavam-se ao
comércio de alimentos, tráfico de escravos ou cultivo e
criação nas terras próximas.
• Atuação do governos: construção de estradas/cobrança de
impostos.
• Criação da Capitania de São Paulo e Minas do Ouro,
separada da Capitania do Rio de Janeiro e São Vicente.
Casas de fundição
• Para reprimir o contrabando, o governo português criou as
chamadas casas de fundição.
• O ouro encontrado deveria ser levado às casas de fundição, onde
era derretido, transformado em barras com a marca do rei e
devolvido ao dono, já com a parte do rei subtraída (20% = quinta
parte de todo ouro encontrado).
• Se alguém fosse encontrado com ouro sem o selo real, era
severamente punido: perdia todos os bens e podia ser exilado em
colônias portuguesas da África.
• Devido à exploração intensa e ao esgotamento das jazidas,
a partir da década de 1760, a quantidade de ouro foi
diminuindo, diminuindo também a parte que cabia ao
governo. Assim, as autoridades determinaram que o total
do quinto não devia ser inferior a cem arrobas (1500 Kg)
por ano. Quando não chegasse a isso, os guardas do rei
podiam invadir casas para confiscar bens até totalizar os
1500 Kg. Era a DERRAMA.
• Ouro de aluvião: Encontrado nos leitos de rios e córregos.
• Ouro das jazidas – minas no interior da terra.
• As maiores minas, chamadas de lavras, eram exploradas
pelos grandes mineradores, que tinham muitos
trabalhadores, em sua maior parte escravos.
•As minas menores e lavras quase esgotadas, depois de
exploradas pelos grandes mineradores, ficavam para os
garimpeiros ou faiscadores (as pedras faiscavam nos
leitos dos rios – brilhavam).
•FAISCADORES: trabalhavam quase sempre
individualmente, com poucos recursos e instrumentos
simples. (Geralmente homens simples que trabalhavam
por conta própria.
• Haviam mineradores que autorizavam seus escravos a
trabalharem como faiscadores, desde que lhes entregassem
uma quantia fixa de ouro. Se encontrassem pouco ouro, sofriam
castigos; se achassem muito, podiam chegar a comprar a
própria liberdade.
• Faiscador: recolher a areia do rio ou da mina, colocar o material
na bateia (vasilha de madeira) para lavá-lo; a areia e a terra,
mais leves, eram retiradas, enquanto o ouro, mais pesado,
ficava no fundo da bateia, sendo recolhido pelo garimpeiro.
Regiões de Mineração
•Após a descoberta do ouro na região das Gerais, as
bandeiras paulistas continuaram a percorrer os
sertões. Nessas andanças, acabaram descobrindo
outros depósitos do precioso metal nos atuais
estados de Mato Grosso e Goiás. Também se
encontrou ouro na Bahia. Mais tarde, foram
encontradas jazidas de diamantes em outras áreas
dos atuais estados de Minas Gerais, Goiás e Bahia.
Sociedade:
• Descolamento da população do litoral para o interior. A
mineração favoreceu o aparecimento de centros urbanos e
consequentemente uma sociedade mais dinâmica em
relação à sociedade canavieira.
• A base da sociedade mineira, assim como a de todo o Brasil,
era escrava. Em 1742, cerca de 70% da população era
escrava – na região das minas.
• Atitudes de extrema violência e repressão. Assim como no NE, o ato
de desobediência ou revolta era punido com castigos como
espancamento públicos, ou em casos extremos, morte seguida da
exibição da cabeça cortada.
• As fugas e formação de quilombos eram constantes.
Livres e pobres – os desclassificados do ouro.
• A atividade mineradora deu origem a uma camada pobre da
sociedade, que não era nem a base, nem a parte média,
eram os desclassificados, eram pessoas atraídas pela ilusão
do ouro: escravos libertos, mulatos, brancos pobres,
indígenas aculturados, que sem encontrar nada nas minas,
faziam pequenos serviços de comércio e agricultura. Outros
buscaram atividades ilegais, como o contrabando de ouro e
diamantes e o roubo.
• Havia também a prostituição, a interceptação de pepitas de
ouro pelas negras de tabuleiro, que ao levar quitutes para
vender nas lavras, podiam esconder pepitas de ouro
extraídas pelos escravos.
Camada média
• Principalmente brancos, pequenos comerciantes, tropeiros e
mineradores.
• Possuíam de 2 a 5 escravos
• Trabalhavam com o comércio local
Camada dominante:
• Mineradores: com inúmeros escravos
• Grandes comerciantes: de alimentos, produtos manufaturados
europeus
• Tropeiros: abasteciam as minas de bois, vacas, cavalos e burros do sul
da colônia
• Fazendeiros: possuíam, geralmente, grandes propriedades próximas
ao rio São Francisco. Normalmente tinham imenso poder político na
regiões distantes do poder português.
• No topo da pirâmide estavam os altos funcionários do reino.
• Havia também os contratadores de diamantes no Distrito Diamantino
(atual Diamantina, MG)
• Em comparação com a sociedade que se formou na área de
produção do açúcar, a das minas era mais flexível, com um número
maior de pessoas nas camadas sociais intermediárias. Entretanto,
a polarização entre senhores de terras e escravos, característica da
sociedade açucareira, continuou a predominar sobre as outras
relações sociais.
• Como todos os esforços eram dirigidos à extração do ouro, quase
não se cultivava a terra na região das minas. Assim, alimentos e
outros produtos tinham de vir de regiões como o NE, o S e o L,
transportados no lombo de mulas. Como resultado, intensificou-se
o comércio entre as várias regiões da colônia.
• A riqueza gerada pelo ouro, porém, contrastava com a dura
realidade enfrentada pela maioria dos habitantes da região. Não
eram apenas os africanos escravizados que sofriam com o trabalho
excessivo e insalubre; às vezes os próprios donos das minas
enfrentavam fome, doença e morte prematura.
• Entre 1700 e 1713, época de plena prosperidade, as minas foram
assoladas por crises cíclicas de fome. Os ricos proprietários de
terras tiveram de comer cães, gatos e insetos, conforme relata
Eduardo Galeano no livro As veias abertas da América Latina;
Galeano também relata sobre as longas jornadas de trabalho na
lavagem do ouro, com os pés sempre imersos na água.
Enfraquecidos e esgotados, os moradores eram vítimas de doenças
e epidemias.
• As crises de fome ocorreram principalmente no início da povoação,
entretanto, mesmo depois de estabelecida as rotas seguidas pelos
tropeiros, o abastecimento das minas permaneceu difícil, o
alimento vinha de longe e sua conservação era difícil. Com a
escassez de gêneros de primeira necessidade e a grande
quantidade de ouro, os preços subiam vertiginosamente.
Consequências:
• Interiorização da colônia
• Mudança do eixo econômico: NE para SE
• Aumento da população da colônia
• Diversificação das profissões
• Aumento da mobilidade social
• Comércio interno na colônia – contato entre diversas regiões
• Criação da intendência das Minas em 1702: controle da exploração do
ouro
• Criação de novas capitanias, como as de São Paulo (1709), Minas Gerais
(1720), Goiás (1744), Mato Grosso (1748)
• Elevação do Brasil a Vice-Reino (1762)
• Transferência da capital de Salvador para o Rio de Janeiro (1763): sede
da colônia mais próxima da área das minas.
• *Salvador foi capital do Brasil de 1549 até 1763.
O poder se desloca para o Sul
• Nos séculos XVI e XVII, o polo econômico da colônia era a
porção nordeste, região produtora de açúcar, tabaco e
cachaça.
• Com a descoberta do ouro, o polo da economia colonial
deslocou-se para a região das minas, onde a riqueza
começou a se concentrar. Ali foram fundadas vilas e cidades.
• São Paulo, Rio Grande do Sul e Bahia também se
beneficiaram com o deslocamento do eixo econômico, pois
passaram a abastecer as regiões mineradoras.
Metrópole e Colônia
• D. João V foi coroado rei de Portugal em 1706, no início da exploração do
ouro em Minas Gerais. Seu governo teve gastos exorbitantes, deixando
Portugal em crise econômica e explorando cada vez mais a colônia.
• Apesar das conquistas ultramarinas portuguesas, Portugal devia muito à
Inglaterra, aumentando os impostos coloniais. Por exemplo, o “direito de
entrada”, taxa sobre os produtos que vinham de fora da região das minas;
o “direito de passagem”, uma espécie de pedágio cobrado na passagem
por alguns rios e o dízimo para a Igreja.
D. José I e Pombal
• Em 1750, d. José I, filho de d. João VI, assumiu o trono, enfrentando a
crise econômica e política em que Portugal se encontrava.
• O ouro começara a esgotar e o contrabando aumentava, a nobreza
portuguesa ocupava altos cargos nas colônias e abusava de seu
poder, explorando a população colonial, gerando protestos contra a
dominação portuguesa.
• Sobressaiu-se nesse momento o ministro Sebastião de Carvalho e
Melo, o Marquês de Pombal.
Medidas Pombalinas:
• O marquês comandou a economia e a política por 27 anos. Seu
modo de governar faz parte do despotismo esclarecido: governo
absolutista mesclado com ideais iluministas.
• Criou a Companhia Geral de Comércio do Grão-Pará e Maranhão (1755). A
cia. Comercializava as mercadorias produzidas na região: cacau, canela,
algodão, arroz e cravo – e consumidas na Europa.
• Criou a Companhia Geral de Pernambuco e Paraíba (1759).
Na região das Minas determinou o aumento dos
impostos; instituiu a cota fixa de 100 arrobas anuais de
ouro (1500Kg), que funcionou bem até 1760; entretanto,
como ano a ano a produção aurífera decaía, esta cota
nunca era alcançada, para tanto, Pombal instituiu a
derrama, sistema forçado e violento de arrecadação: de
madrugada, para evitar fugas, uma vila mineradora era
cercada pelos dragões do Regimento das Minas, corpo de
soldados da elite do Exército português. Os cobradores de
impostos entravam nas casas e confiscavam joias ou
qualquer bem precioso para completar as cem arrobas.
O Distrito Diamantino:
• Descoberta de diamantes no Arraial do Tijuco, atual Diamantina,
por volta de 1720.
• Gerou maior fiscalização por parte do governo e, repressão para
evitar o contrabando das pedras.
• 1734: a área foi demarcada, constituindo o Distrito Diamantino,
com sede no Arraial do Tijuco. Portugal procurou proteger a
região: não podiam entrar negros e pardos livres; vendas foram
fechadas, comerciantes foram expulsos. Só entrava quem tivesse
autorização.
• Apenas contratadores podiam dedicar-se à extração dos
diamantes, sobre a qual pagavam ao governo uma cota
proporcional, mas isso não impediu que os contratadores
contrabandeassem as pedras.
•Em 1771, Pombal acabou com o sistema de
contratos, somente a Real Extração poderia
explorar as minas.
•O historiador Caio Prado Júnior, no livro
“Formação do Brasil Contemporâneo” , comenta
que o monopólio da exploração dos diamantes
deu ensejo ao aparecimento do garimpeiro. Era o
minerador clandestino, proibido pela
administração, que vivia à margem da lei e invadia
as terras proibidas para nela minerar.
• O ciclo do ouro e diamantes foi responsável por grandes
mudanças na colônia como o aumento populacional,
intensificação do tráfico de escravos (por causa da
decadência açucareira no nordeste, os escravos foram
transferidos para a região das minas).
• Mudança da capital: de Salvador (1549) para o Rio de
Janeiro (1763), acompanhando o eixo político. O Rio de
Janeiro foi escolhido estrategicamente devido a sua posição
no litoral: região portuária e comercial, tornando-se a
cidade mais populosa do Brasil, principal ponto de
exportação do ouro e importação de escravos e produtos
manufaturados destinados à região mineradora.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Expansão territorial
Expansão territorialExpansão territorial
Expansão territorial
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
 
Capitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCapitanias hereditárias
Capitanias hereditárias
 
Brasil Colônia - economia
Brasil Colônia - economiaBrasil Colônia - economia
Brasil Colônia - economia
 
2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIALREVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
 
Slide idade média
Slide idade médiaSlide idade média
Slide idade média
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
Expansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesaExpansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesa
 
Invasões estrangeiras no Brasil
Invasões estrangeiras no BrasilInvasões estrangeiras no Brasil
Invasões estrangeiras no Brasil
 
Brasil: Economia Colonial
Brasil: Economia ColonialBrasil: Economia Colonial
Brasil: Economia Colonial
 
A Revolução industrial
A Revolução industrialA Revolução industrial
A Revolução industrial
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
REINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOSREINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOS
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
 
História nassau
História nassauHistória nassau
História nassau
 
3º ano resumão - feudalismo
3º ano resumão - feudalismo3º ano resumão - feudalismo
3º ano resumão - feudalismo
 
O brasil açucareiro
O brasil açucareiroO brasil açucareiro
O brasil açucareiro
 

Destaque

Mineração no Brasil colônia
Mineração no Brasil colôniaMineração no Brasil colônia
Mineração no Brasil colôniaJoão Marcelo
 
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino Fundamental
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino FundamentalA Mineração no Brasil Colonial - Ensino Fundamental
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino FundamentalAlinnie Moreira
 
Mineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil ColôniaMineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil ColôniaJerry Guimarães
 
Ouro preto 2012
Ouro preto 2012Ouro preto 2012
Ouro preto 2012infoccbh
 
O ciclo do acúçar e o ciclo do ouro
O ciclo do acúçar e o ciclo do ouroO ciclo do acúçar e o ciclo do ouro
O ciclo do acúçar e o ciclo do ouroanabelasilvasobral
 
Sociedades mineiras
Sociedades mineirasSociedades mineiras
Sociedades mineirastyromello
 
Lavoura canavieira, União Ibérica e invasões estrangeiras
Lavoura canavieira, União Ibérica e invasões estrangeirasLavoura canavieira, União Ibérica e invasões estrangeiras
Lavoura canavieira, União Ibérica e invasões estrangeirasElton Zanoni
 
A agromanufatura do açucar e a escravidão
A agromanufatura do açucar e a escravidãoA agromanufatura do açucar e a escravidão
A agromanufatura do açucar e a escravidãoUeber Vale
 
A américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesaA américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesaPatrícia Sanches
 
Ataques e invasões francesas e holandesas brasil colonial
Ataques e invasões francesas e holandesas   brasil colonialAtaques e invasões francesas e holandesas   brasil colonial
Ataques e invasões francesas e holandesas brasil colonialProfessora Natália de Oliveira
 
G2 – o ciclo do ouro
G2 – o ciclo do ouroG2 – o ciclo do ouro
G2 – o ciclo do ouroRafael Vasco
 

Destaque (20)

Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
 
Mineração no brasil
Mineração no brasilMineração no brasil
Mineração no brasil
 
O Ciclo do ouro
O Ciclo do  ouroO Ciclo do  ouro
O Ciclo do ouro
 
Mineração no Brasil colônia
Mineração no Brasil colôniaMineração no Brasil colônia
Mineração no Brasil colônia
 
A época do ouro no brasil
A época do ouro no brasilA época do ouro no brasil
A época do ouro no brasil
 
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino Fundamental
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino FundamentalA Mineração no Brasil Colonial - Ensino Fundamental
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino Fundamental
 
Mineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil ColôniaMineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil Colônia
 
Ouro preto 2012
Ouro preto 2012Ouro preto 2012
Ouro preto 2012
 
Escravidão no brasil
Escravidão no brasilEscravidão no brasil
Escravidão no brasil
 
O ciclo do acúçar e o ciclo do ouro
O ciclo do acúçar e o ciclo do ouroO ciclo do acúçar e o ciclo do ouro
O ciclo do acúçar e o ciclo do ouro
 
Sociedades mineiras
Sociedades mineirasSociedades mineiras
Sociedades mineiras
 
Lavoura canavieira, União Ibérica e invasões estrangeiras
Lavoura canavieira, União Ibérica e invasões estrangeirasLavoura canavieira, União Ibérica e invasões estrangeiras
Lavoura canavieira, União Ibérica e invasões estrangeiras
 
Economia açucareira na América Portuguesa.
Economia açucareira na América Portuguesa.Economia açucareira na América Portuguesa.
Economia açucareira na América Portuguesa.
 
A agromanufatura do açucar e a escravidão
A agromanufatura do açucar e a escravidãoA agromanufatura do açucar e a escravidão
A agromanufatura do açucar e a escravidão
 
holandeses no Brasil
holandeses no Brasilholandeses no Brasil
holandeses no Brasil
 
Brasil Colônia III
Brasil Colônia IIIBrasil Colônia III
Brasil Colônia III
 
A américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesaA américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesa
 
Ataques e invasões francesas e holandesas brasil colonial
Ataques e invasões francesas e holandesas   brasil colonialAtaques e invasões francesas e holandesas   brasil colonial
Ataques e invasões francesas e holandesas brasil colonial
 
éPoca do ouro
éPoca do ouroéPoca do ouro
éPoca do ouro
 
G2 – o ciclo do ouro
G2 – o ciclo do ouroG2 – o ciclo do ouro
G2 – o ciclo do ouro
 

Semelhante a Mineração

Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)Marcelo Ferreira Boia
 
Ciclo do Ouro - A mineração no Brasil Colonial
Ciclo do Ouro - A mineração no Brasil ColonialCiclo do Ouro - A mineração no Brasil Colonial
Ciclo do Ouro - A mineração no Brasil ColonialLeandroDiniz36
 
Expansão e ocupação territorial
Expansão e ocupação territorialExpansão e ocupação territorial
Expansão e ocupação territorialPatrícia Sanches
 
Goiás para concursos: século XVIII
Goiás para concursos: século XVIIIGoiás para concursos: século XVIII
Goiás para concursos: século XVIIIGabriel da Silva
 
Brasil colonial sociedade mineira
Brasil colonial sociedade mineiraBrasil colonial sociedade mineira
Brasil colonial sociedade mineiraNívia Sales
 
O controle sobre ouro- Sociedade mineradora
O controle sobre ouro- Sociedade mineradoraO controle sobre ouro- Sociedade mineradora
O controle sobre ouro- Sociedade mineradorajessica Nogueira
 
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIALHISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIALcarlosbidu
 
A exploração do ouro no brasil
A exploração do ouro no brasilA exploração do ouro no brasil
A exploração do ouro no brasilStephani Coelho
 
Brasil Colonial - expansao e diversidade economica
Brasil Colonial - expansao e diversidade economicaBrasil Colonial - expansao e diversidade economica
Brasil Colonial - expansao e diversidade economicaAlexandre Protásio
 
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 cDaniel Alves Bronstrup
 
América Portuguesa - Expansão e diversidade econômica
América Portuguesa - Expansão e diversidade econômicaAmérica Portuguesa - Expansão e diversidade econômica
América Portuguesa - Expansão e diversidade econômicaisameucci
 
América portuguesa
América portuguesaAmérica portuguesa
América portuguesaSimone Gomes
 
HISTÓRIA DO BRASIL - Expansao e Ocupação Territorial
HISTÓRIA DO BRASIL - Expansao e Ocupação TerritorialHISTÓRIA DO BRASIL - Expansao e Ocupação Territorial
HISTÓRIA DO BRASIL - Expansao e Ocupação TerritorialGustavo Ciuffa
 

Semelhante a Mineração (20)

Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)
 
Ciclo do Ouro - A mineração no Brasil Colonial
Ciclo do Ouro - A mineração no Brasil ColonialCiclo do Ouro - A mineração no Brasil Colonial
Ciclo do Ouro - A mineração no Brasil Colonial
 
As bandeiras de ouro e diamante
As bandeiras de ouro e diamanteAs bandeiras de ouro e diamante
As bandeiras de ouro e diamante
 
Mineração 8º ano
Mineração 8º anoMineração 8º ano
Mineração 8º ano
 
Expansão e ocupação territorial
Expansão e ocupação territorialExpansão e ocupação territorial
Expansão e ocupação territorial
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
 
Mineracao no brasil
Mineracao no brasilMineracao no brasil
Mineracao no brasil
 
Goiás para concursos: século XVIII
Goiás para concursos: século XVIIIGoiás para concursos: século XVIII
Goiás para concursos: século XVIII
 
Brasil colonial sociedade mineira
Brasil colonial sociedade mineiraBrasil colonial sociedade mineira
Brasil colonial sociedade mineira
 
O controle sobre ouro- Sociedade mineradora
O controle sobre ouro- Sociedade mineradoraO controle sobre ouro- Sociedade mineradora
O controle sobre ouro- Sociedade mineradora
 
Mineração
MineraçãoMineração
Mineração
 
As minas de ouro
As minas de ouroAs minas de ouro
As minas de ouro
 
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIALHISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
 
A exploração do ouro no brasil
A exploração do ouro no brasilA exploração do ouro no brasil
A exploração do ouro no brasil
 
Brasil Colonial - expansao e diversidade economica
Brasil Colonial - expansao e diversidade economicaBrasil Colonial - expansao e diversidade economica
Brasil Colonial - expansao e diversidade economica
 
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
 
América Portuguesa - Expansão e diversidade econômica
América Portuguesa - Expansão e diversidade econômicaAmérica Portuguesa - Expansão e diversidade econômica
América Portuguesa - Expansão e diversidade econômica
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
 
América portuguesa
América portuguesaAmérica portuguesa
América portuguesa
 
HISTÓRIA DO BRASIL - Expansao e Ocupação Territorial
HISTÓRIA DO BRASIL - Expansao e Ocupação TerritorialHISTÓRIA DO BRASIL - Expansao e Ocupação Territorial
HISTÓRIA DO BRASIL - Expansao e Ocupação Territorial
 

Mais de Professora Natália de Oliveira (15)

Formação e independência das treze colônias
Formação e independência das treze colôniasFormação e independência das treze colônias
Formação e independência das treze colônias
 
América portuguesa - Colonização
América portuguesa - ColonizaçãoAmérica portuguesa - Colonização
América portuguesa - Colonização
 
América espanhola
América espanholaAmérica espanhola
América espanhola
 
Reforma e contrarreforma
Reforma e contrarreformaReforma e contrarreforma
Reforma e contrarreforma
 
Formação de portugal
Formação de portugalFormação de portugal
Formação de portugal
 
Povos pré colombianos e pré-cabralinos
Povos pré colombianos e pré-cabralinosPovos pré colombianos e pré-cabralinos
Povos pré colombianos e pré-cabralinos
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
 
Roma: Monarquia/ República/ Império
Roma: Monarquia/ República/ ImpérioRoma: Monarquia/ República/ Império
Roma: Monarquia/ República/ Império
 
Revolução de 1930
Revolução de 1930Revolução de 1930
Revolução de 1930
 
Totalitarismo
TotalitarismoTotalitarismo
Totalitarismo
 
Crise de 1929 new deal
Crise de 1929 new dealCrise de 1929 new deal
Crise de 1929 new deal
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
 
Teoria das formas de governo e de estado
Teoria das formas de governo e de estadoTeoria das formas de governo e de estado
Teoria das formas de governo e de estado
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 

Último

Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxsfwsoficial
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdflbgsouza
 
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdfAPOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdflbgsouza
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasdiegosouzalira10
 
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.FLAVIA LEZAN
 
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarMODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarDouglasVasconcelosMa
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 

Último (20)

Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdfAPOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
 
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
 
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarMODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 

Mineração

  • 1. A idade do ouro na América Portuguesa Ciclo da mineração
  • 2.
  • 3. O que acontecia lá fora? • Crises econômicas e religiosas na Europa: busca de um novo mundo. (Principalmente países como Inglaterra, França e Holanda) • América do Norte: formação das 13 Colônias. • Proibição da Companhia das Índias Ocidentais de comercializar açúcar com os produtores brasileiros. • Invasão holandesa: Bahia (1 ano) e Pernambuco (1630-1654) – destaque para Maurício de Nassau. • Porção Sudeste: Bandeiras.
  • 4.
  • 5. Em busca das Minas • Contexto MERCANTILISTA • Características: • Metalismo: o ouro e a prata eram metais que deixavam uma nação muito rica e poderosa, portanto os governantes faziam de tudo para acumular estes metais. Além do comércio externo, que trazia moedas para a economia interna do país, a exploração de territórios conquistados era incentivada neste período. Foi dentro deste contexto histórico, que a Espanha explorou toneladas de ouro das sociedades indígenas da América como, por exemplo, os maias, incas e astecas. • Industrialização: o governo estimulava o desenvolvimento de indústrias em seus territórios. Como o produto industrializado era mais caro do que matérias-primas ou gêneros agrícolas, exportar manufaturados era certeza de bons lucros.
  • 6. • Protecionismo Alfandegário: os reis criavam impostos e taxas para evitar ao máximo a entrada de produtos vindos do exterior. Era uma forma de estimular a indústria nacional e também evitar a saída de moedas para outros países. • Pacto Colonial: as colônias europeias deveriam fazer comércio apenas com suas metrópoles. Era uma garantia de vender caro e comprar barato, obtendo ainda produtos não encontrados na Europa. Dentro deste contexto histórico ocorreu o ciclo econômico do açúcar no Brasil Colonial. • Balança Comercial Favorável: o esforço era para exportar mais do que importar, desta forma entraria mais moedas do que sairia, deixando o país em boa situação financeira.
  • 7.
  • 8. Ligando os fatos: • Decadência dos negócios açucareiros + Diminuição dos lucros da colônia americana = busca de novas fontes de riquezas. • Pioneiro na descoberta do ouro, aparentemente: Antônio Rodrigues (ou Ruiz) Arzão, que encontrou ouro na região das Gerais, no atual estado de Minas Gerais, por volta de 1693. • Boom populacional: pessoas de outras regiões, inclusive de outro continente, deslocaram-se para a região das minas, na tentativa de enriquecer facilmente. • Quem encontrasse ouro, deveria avisar às autoridades, se não o fizesse, seria expulsa da colônia ou, condenada à morte. • As jazidas eram dividas em várias partes: datas. A vantagem daquele que encontrou a jazida era a escolha da primeira data, depois o governo escolhia a sua; as restantes eram leiloadas entre os interessados. No leilão, a preferência era daquele que tinha mais escravos.
  • 9. Até a descoberta do ouro no interior das Gerais, a sociedade colonial era sobretudo rural. Havia cidades e vilas, mas as atividades econômicas eram agropecuárias. Com a mineração, verificou-se um enorme incremento da população da colônia e uma verdadeira explosão de núcleos urbanos na região das minas. Entre 1700 e 1725, foram fundadas as vilas de São João del-Rei, Sabará, Mariana, Vila Rica (atual Ouro Preto), Arraial do Tijuco, Ribeirão do Carmo, etc. Em 1690, a população colonial não passava de 300 mil pessoas. Em 1780, chegava a dois milhões e meio. Só na região das minas viviam por essa época cerca de 400 mil pessoas. Tanto esse aumento populacional quanto o surgimento de novos núcleos urbanos teriam importantes consequências na vida da sociedade colonial.
  • 10. Expedições: • Entradas e bandeiras. • Imaginário povoado por lendas, como a do Eldorado: A lenda conta a historia da existência de uma cidade perdida em meio a densa floresta Amazônia. Até este ponto esta seria somente mais uma cidade inca perdia como tantas outras que foram encontradas depois por aventureiros. No entanto a narrativa dos índios aos espanhóis na época da colonização falava de uma cidade repleta de ouro nas construções da cidade, nos templos, nas estatuas dos ídolos, nas armaduras e escudo. A cidade era chamada originalmente pelos indígenas de Manoa, e era construída nas margens de um lago chamado "Parime" onde era realizado os rituais para os deuses, muitos acreditavam que esse lago é o atual lago Guatavita.
  • 11. Povoando os sertões • A partir de 1693, os bandeirantes paulistas encontraram ouro próximo às atuais cidades mineiras de Sabará, Caeté e Ouro Preto. • A notícia se espalhou rapidamente e milhares de pessoas, da colônia e da Metrópole, se dirigiram para lá (corrida do ouro). • *A região das minas não possuía infraestrutura; não havia alimento suficiente nem estradas, apenas trilhas. • O jesuíta André João Antonil relata que nos primeiros anos a fome e a desnutrição assolaram as regiões mineradoras. Além da fome, ocorria todo tipo de contravenção: assassinatos, roubos, contrabando, etc.
  • 12. Administração • Após um primeiro momento de caos e violência, alguns exploradores retornaram a suas terras e outros permaneceram nas áreas mineradoras, mas não necessariamente como garimpeiros, alguns dedicavam-se ao comércio de alimentos, tráfico de escravos ou cultivo e criação nas terras próximas. • Atuação do governos: construção de estradas/cobrança de impostos. • Criação da Capitania de São Paulo e Minas do Ouro, separada da Capitania do Rio de Janeiro e São Vicente.
  • 13.
  • 14. Casas de fundição • Para reprimir o contrabando, o governo português criou as chamadas casas de fundição. • O ouro encontrado deveria ser levado às casas de fundição, onde era derretido, transformado em barras com a marca do rei e devolvido ao dono, já com a parte do rei subtraída (20% = quinta parte de todo ouro encontrado). • Se alguém fosse encontrado com ouro sem o selo real, era severamente punido: perdia todos os bens e podia ser exilado em colônias portuguesas da África.
  • 15. • Devido à exploração intensa e ao esgotamento das jazidas, a partir da década de 1760, a quantidade de ouro foi diminuindo, diminuindo também a parte que cabia ao governo. Assim, as autoridades determinaram que o total do quinto não devia ser inferior a cem arrobas (1500 Kg) por ano. Quando não chegasse a isso, os guardas do rei podiam invadir casas para confiscar bens até totalizar os 1500 Kg. Era a DERRAMA. • Ouro de aluvião: Encontrado nos leitos de rios e córregos. • Ouro das jazidas – minas no interior da terra. • As maiores minas, chamadas de lavras, eram exploradas pelos grandes mineradores, que tinham muitos trabalhadores, em sua maior parte escravos.
  • 16. •As minas menores e lavras quase esgotadas, depois de exploradas pelos grandes mineradores, ficavam para os garimpeiros ou faiscadores (as pedras faiscavam nos leitos dos rios – brilhavam). •FAISCADORES: trabalhavam quase sempre individualmente, com poucos recursos e instrumentos simples. (Geralmente homens simples que trabalhavam por conta própria. • Haviam mineradores que autorizavam seus escravos a trabalharem como faiscadores, desde que lhes entregassem uma quantia fixa de ouro. Se encontrassem pouco ouro, sofriam castigos; se achassem muito, podiam chegar a comprar a própria liberdade. • Faiscador: recolher a areia do rio ou da mina, colocar o material na bateia (vasilha de madeira) para lavá-lo; a areia e a terra, mais leves, eram retiradas, enquanto o ouro, mais pesado, ficava no fundo da bateia, sendo recolhido pelo garimpeiro.
  • 17. Regiões de Mineração •Após a descoberta do ouro na região das Gerais, as bandeiras paulistas continuaram a percorrer os sertões. Nessas andanças, acabaram descobrindo outros depósitos do precioso metal nos atuais estados de Mato Grosso e Goiás. Também se encontrou ouro na Bahia. Mais tarde, foram encontradas jazidas de diamantes em outras áreas dos atuais estados de Minas Gerais, Goiás e Bahia.
  • 18. Sociedade: • Descolamento da população do litoral para o interior. A mineração favoreceu o aparecimento de centros urbanos e consequentemente uma sociedade mais dinâmica em relação à sociedade canavieira. • A base da sociedade mineira, assim como a de todo o Brasil, era escrava. Em 1742, cerca de 70% da população era escrava – na região das minas. • Atitudes de extrema violência e repressão. Assim como no NE, o ato de desobediência ou revolta era punido com castigos como espancamento públicos, ou em casos extremos, morte seguida da exibição da cabeça cortada. • As fugas e formação de quilombos eram constantes.
  • 19. Livres e pobres – os desclassificados do ouro. • A atividade mineradora deu origem a uma camada pobre da sociedade, que não era nem a base, nem a parte média, eram os desclassificados, eram pessoas atraídas pela ilusão do ouro: escravos libertos, mulatos, brancos pobres, indígenas aculturados, que sem encontrar nada nas minas, faziam pequenos serviços de comércio e agricultura. Outros buscaram atividades ilegais, como o contrabando de ouro e diamantes e o roubo. • Havia também a prostituição, a interceptação de pepitas de ouro pelas negras de tabuleiro, que ao levar quitutes para vender nas lavras, podiam esconder pepitas de ouro extraídas pelos escravos.
  • 20. Camada média • Principalmente brancos, pequenos comerciantes, tropeiros e mineradores. • Possuíam de 2 a 5 escravos • Trabalhavam com o comércio local
  • 21. Camada dominante: • Mineradores: com inúmeros escravos • Grandes comerciantes: de alimentos, produtos manufaturados europeus • Tropeiros: abasteciam as minas de bois, vacas, cavalos e burros do sul da colônia • Fazendeiros: possuíam, geralmente, grandes propriedades próximas ao rio São Francisco. Normalmente tinham imenso poder político na regiões distantes do poder português. • No topo da pirâmide estavam os altos funcionários do reino. • Havia também os contratadores de diamantes no Distrito Diamantino (atual Diamantina, MG)
  • 22. • Em comparação com a sociedade que se formou na área de produção do açúcar, a das minas era mais flexível, com um número maior de pessoas nas camadas sociais intermediárias. Entretanto, a polarização entre senhores de terras e escravos, característica da sociedade açucareira, continuou a predominar sobre as outras relações sociais. • Como todos os esforços eram dirigidos à extração do ouro, quase não se cultivava a terra na região das minas. Assim, alimentos e outros produtos tinham de vir de regiões como o NE, o S e o L, transportados no lombo de mulas. Como resultado, intensificou-se o comércio entre as várias regiões da colônia. • A riqueza gerada pelo ouro, porém, contrastava com a dura realidade enfrentada pela maioria dos habitantes da região. Não eram apenas os africanos escravizados que sofriam com o trabalho excessivo e insalubre; às vezes os próprios donos das minas enfrentavam fome, doença e morte prematura.
  • 23. • Entre 1700 e 1713, época de plena prosperidade, as minas foram assoladas por crises cíclicas de fome. Os ricos proprietários de terras tiveram de comer cães, gatos e insetos, conforme relata Eduardo Galeano no livro As veias abertas da América Latina; Galeano também relata sobre as longas jornadas de trabalho na lavagem do ouro, com os pés sempre imersos na água. Enfraquecidos e esgotados, os moradores eram vítimas de doenças e epidemias. • As crises de fome ocorreram principalmente no início da povoação, entretanto, mesmo depois de estabelecida as rotas seguidas pelos tropeiros, o abastecimento das minas permaneceu difícil, o alimento vinha de longe e sua conservação era difícil. Com a escassez de gêneros de primeira necessidade e a grande quantidade de ouro, os preços subiam vertiginosamente.
  • 24. Consequências: • Interiorização da colônia • Mudança do eixo econômico: NE para SE • Aumento da população da colônia • Diversificação das profissões • Aumento da mobilidade social • Comércio interno na colônia – contato entre diversas regiões • Criação da intendência das Minas em 1702: controle da exploração do ouro • Criação de novas capitanias, como as de São Paulo (1709), Minas Gerais (1720), Goiás (1744), Mato Grosso (1748) • Elevação do Brasil a Vice-Reino (1762) • Transferência da capital de Salvador para o Rio de Janeiro (1763): sede da colônia mais próxima da área das minas. • *Salvador foi capital do Brasil de 1549 até 1763.
  • 25.
  • 26. O poder se desloca para o Sul • Nos séculos XVI e XVII, o polo econômico da colônia era a porção nordeste, região produtora de açúcar, tabaco e cachaça. • Com a descoberta do ouro, o polo da economia colonial deslocou-se para a região das minas, onde a riqueza começou a se concentrar. Ali foram fundadas vilas e cidades. • São Paulo, Rio Grande do Sul e Bahia também se beneficiaram com o deslocamento do eixo econômico, pois passaram a abastecer as regiões mineradoras.
  • 27. Metrópole e Colônia • D. João V foi coroado rei de Portugal em 1706, no início da exploração do ouro em Minas Gerais. Seu governo teve gastos exorbitantes, deixando Portugal em crise econômica e explorando cada vez mais a colônia. • Apesar das conquistas ultramarinas portuguesas, Portugal devia muito à Inglaterra, aumentando os impostos coloniais. Por exemplo, o “direito de entrada”, taxa sobre os produtos que vinham de fora da região das minas; o “direito de passagem”, uma espécie de pedágio cobrado na passagem por alguns rios e o dízimo para a Igreja.
  • 28. D. José I e Pombal • Em 1750, d. José I, filho de d. João VI, assumiu o trono, enfrentando a crise econômica e política em que Portugal se encontrava. • O ouro começara a esgotar e o contrabando aumentava, a nobreza portuguesa ocupava altos cargos nas colônias e abusava de seu poder, explorando a população colonial, gerando protestos contra a dominação portuguesa. • Sobressaiu-se nesse momento o ministro Sebastião de Carvalho e Melo, o Marquês de Pombal.
  • 29. Medidas Pombalinas: • O marquês comandou a economia e a política por 27 anos. Seu modo de governar faz parte do despotismo esclarecido: governo absolutista mesclado com ideais iluministas. • Criou a Companhia Geral de Comércio do Grão-Pará e Maranhão (1755). A cia. Comercializava as mercadorias produzidas na região: cacau, canela, algodão, arroz e cravo – e consumidas na Europa. • Criou a Companhia Geral de Pernambuco e Paraíba (1759).
  • 30. Na região das Minas determinou o aumento dos impostos; instituiu a cota fixa de 100 arrobas anuais de ouro (1500Kg), que funcionou bem até 1760; entretanto, como ano a ano a produção aurífera decaía, esta cota nunca era alcançada, para tanto, Pombal instituiu a derrama, sistema forçado e violento de arrecadação: de madrugada, para evitar fugas, uma vila mineradora era cercada pelos dragões do Regimento das Minas, corpo de soldados da elite do Exército português. Os cobradores de impostos entravam nas casas e confiscavam joias ou qualquer bem precioso para completar as cem arrobas.
  • 31. O Distrito Diamantino: • Descoberta de diamantes no Arraial do Tijuco, atual Diamantina, por volta de 1720. • Gerou maior fiscalização por parte do governo e, repressão para evitar o contrabando das pedras. • 1734: a área foi demarcada, constituindo o Distrito Diamantino, com sede no Arraial do Tijuco. Portugal procurou proteger a região: não podiam entrar negros e pardos livres; vendas foram fechadas, comerciantes foram expulsos. Só entrava quem tivesse autorização. • Apenas contratadores podiam dedicar-se à extração dos diamantes, sobre a qual pagavam ao governo uma cota proporcional, mas isso não impediu que os contratadores contrabandeassem as pedras.
  • 32. •Em 1771, Pombal acabou com o sistema de contratos, somente a Real Extração poderia explorar as minas. •O historiador Caio Prado Júnior, no livro “Formação do Brasil Contemporâneo” , comenta que o monopólio da exploração dos diamantes deu ensejo ao aparecimento do garimpeiro. Era o minerador clandestino, proibido pela administração, que vivia à margem da lei e invadia as terras proibidas para nela minerar.
  • 33. • O ciclo do ouro e diamantes foi responsável por grandes mudanças na colônia como o aumento populacional, intensificação do tráfico de escravos (por causa da decadência açucareira no nordeste, os escravos foram transferidos para a região das minas). • Mudança da capital: de Salvador (1549) para o Rio de Janeiro (1763), acompanhando o eixo político. O Rio de Janeiro foi escolhido estrategicamente devido a sua posição no litoral: região portuária e comercial, tornando-se a cidade mais populosa do Brasil, principal ponto de exportação do ouro e importação de escravos e produtos manufaturados destinados à região mineradora.