SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 42
Descoberta do Ouro
        
A realização do velho sonho português
Pepita de Ouro
      
Primeiras Descobertas
            
 Em meados do século XVII Portugal vivia uma crise
  econômica devido à queda internacional do preço do
  açúcar.
 Entre 1693 e 1695 os bandeirantes paulistas
  encontram os primeiros vestígios de ouro de aluvião.
 Escravos africanos especialistas na mineração foram
  utilizados na exploração do ouro.
Extração do ouro de aluvião
            

Utilização da bateia nos     Utilização da bateia
      dias de hoje         durante o “ciclo do ouro”
Povoamento do Sertão
          
 Corrida do ouro – tanto colonos quanto reinóis.
 Rápido surgimento de cidades como Vila Rica (Ouro
  Preto), Ribeirão do Carmo (Mariana), São João del
  Rei e Sabará.
 População da região de Minas Gerais alcança 15% do
  total de habitantes no Brasil no “século do ouro”.
Guerra dos Emboabas
           
 Tensão entre os paulistas, que descobriram as
  jazidas, e os portugueses vindos de outras partes da
  Colônia e do Reino (emboabas).
 A tensão aumentou quando os portugueses
  começaram a controlar o abastecimento de
  mercadorias para a região das minas.
 Após vários confrontos armados entre paulistas e
  emboabas, o conflito teve fim em 1709, sem
  vencedores.
Pintura do século XVIII representando a
          Guerra dos Emboabas
                 
Consequências da Guerra dos Emboabas

                        
 Controle     da     metrópole:    firme     controle
  administrativo e fiscal da Coroa para evitar novos
  conflitos.
 Elevação de São Paulo à categoria de cidade.
 Criação da capitania de São Paulo (1709) e Minas do
  Ouro (1720).
 Descoberta de ouro em Mato Grosso (1718) e Goiás
  (1726): os paulistas passaram a procurar ouro mais
  adentro no território brasileiro, em sua própria
  capitania.
Evolução do mapa do Brasil após a
      Guerra dos Emboabas
              
      1709               1789
Regiões onde foram
encontrados ouro e
diamantes no Brasil
Colônia
Administração das
    Minas
       
O controle da exploração pela Coroa
Intendência das Minas
           
 Principal órgão administrativo português, a
  Intendência das Minas, criada em 1702, era
  responsável por:
   Distribuir datas (lotes) para a exploração do ouro;
   Fiscalizar a atividade mineradora;
   Julgar questões referentes ao desenvolvimento dessa
    atividade;
   Cobrar impostos (20%, ou 1/5) pela exploração das
    jazidas.

Primeira Intendência de    Intendência e Casa de
Minas Gerais - Mariana    Fundição de Sabará - MG
Casas de Fundição
                 
 A circulação do ouro em pó ou em pepitas dificultava a
  cobrança do quinto e facilitava o contrabando.
 Para acabar com esse problema, foram criadas, por volta de
  1720, as casas de fundição.
   Ali o ouro era transformado em barras e recebia o selo real, o
    que comprovava que o imposto havia sido recolhido.
 Quem fosse encontrado com ouro em pó, em pepitas ou em
  barras não quintadas poderia perder todos os seus bens e
  até ser condenado ao degredo.
Forno e balança de antiga casa de
            fundição
              
Barras de ouro quintado
          
Revolta de Vila Rica
                  
 Para os mineradores, as casas de fundição só facilitavam a
  cobrança dos impostos, mas dificultavam a circulação e o
  comércio de ouro dentro da capitania.
 Descontentes, cerca de 2 mil revoltosos (donos de grandes
  lavras, partes da população e mesmo escravos) liderados
  pelo tropeiro Filipe dos Santos exigiram do governador da
  capitania de MG o fim das casas de fundição.
 O governador fingiu aceitar as reivindicações, mas depois de
  ganhar tempo e organizar suas tropas, acabou com o
  movimento. Seu líder foi enforcado e esquartejado em praça
  pública (16/07/1720).
Santos do pau oco
        
Intendência dos Diamantes
                               
 Foram encontradas jazidas de diamantes (1729) no Arraial do
  Tijuco (atual Diamantina).
 Como era difícil controlar o contrabando e a cobrança de impostos
  sobre os diamantes, a Coroa decidiu, em 1739, entregar a extração
  a particulares, mediante um contrato. O contratador deveria
  entregar a parte relativa à Coroa.
 A partir de 1771, porém, a Coroa assumiu diretamente a
  exploração diamantina, através da Intendência dos Diamantes.
    Tal órgão tinha amplos poderes sobre a população de Diamantina,
     podendo mesmo controlar quem entrava e saía do distrito.
 Calcula-se que foram encontrados cerca de 160 kg de diamantes
  entre 1730 e 1830 em Minas Gerais.
Intendência dos Diamantes –
     Diamantina – MG
           
Lavagem de
diamantes em Serro
Frio, MG, por
Carlos Julião, c.
1770

Sociedade do Ouro
        
Desenvolvimento da Vida Urbana
                            
 A vida nas cidades mineiras era organizada em função do
  ouro.
 A região tornou-se um excelente mercado comprador de
  diversas regiões da colônia e de Portugal.
   Minas Gerais “deu um nó” no Brasil.
 No fim do século XVIII, quase metade da população mineira
  era composta por escravos.
Ascensão Social e Pobreza
                            
 Condições para a ascensão social na sociedade mineira:
   Encontrar uma nova jazida de ouro ou diamante;
   Ganhar muito dinheiro com o comércio ou o artesanato
    urbanos.
 Os investimentos econômicos para a mineração eram menos
  custosos que os equipamentos e instalações necessários para
  se montar um engenho açucareiro.
 Apesar disso, a riqueza concentrou-se nas mãos de poucos:
  ricos senhores que exploravam as lavras mais importantes e
  que se dedicavam a outros negócios.
 A pobreza imperava na capitania das Minas do Ouro.

Crise da Mineração
         
O Declínio da Produção Aurífera
                             
 A produção do ouro caiu brutalmente a partir da segunda
  metade do século XVIII (vide p. 87).
 O governo português dizia que o contrabando e a
  negligência com o trabalho eram os principais motivos para a
  queda aurífera.
 A Coroa tomou as seguintes medidas:
   Cota mínima anual: em 1750 determinou-se que a soma final
    do quinto deveria atingir pelo menos 100 arrobas anuais.
   Derrama: como a cota mínima anual não vinha sendo atingida,
    em 1765 o governo decretou a derrama, ou seja, a cobrança dos
    impostos atrasados.
Produção aurífera no século XVIII (em kg)

                  
Consequências da
Exploração do Ouro
        
Desenvolvimento das Artes
                            
 Diversas pessoas usaram suas riquezas no incentivo às artes
  durante o “ciclo do ouro”.
 O primeiro movimento literário brasileiro significativo, o
  Arcadismo, surgiu em MG, expresso nas obras de Cláudio
  Manuel da Costa, Tomás Antônio Gonzaga e outros.
 No campo das artes plásticas, destaque para Antônio
  Francisco Lisboa, o “Aleijadinho”, e Manuel da Costa Ataíde,
  o Mestre Ataíde.
 Também no campo musical há destaque para as composições
  de Emérico Lobo de Mesquita, Francisco Gomes da Rocha e
  Inácio Parreiras Neves.
“Os 12 Profetas” –
Esculturas de
Aleijadinho no
Santuário do Bom
Jesus de Matosinhos
– Congonhas – MG
“Os Doze Profetas”
       
Detalhes de “Os Doze Profetas”
             
Pinturas de Mestre Ataíde – Assunção da Virgem
  – Igreja de São Francisco – Ouro Preto – MG
                    
Expansão Territorial e Populacional
                         
 O ouro atraiu pessoas de diversas partes da colônia
  para o interior, aumentando o povoamento do
  sertão.
 Diversas regiões da colônia, antes isoladas entre si,
  passaram a estar mais integradas.
 Durante o século do ouro a população colonial
  aumentou 11 vezes, passando de 300 mil (em 1700)
  para 3,25 milhões (1800).
Mudança da Capital
           
 Deslocamento do centro econômico do nordeste
  açucareiro para o sudeste da colônia.
 Em 1763 a capital da América Portuguesa deixou de
  ser Salvador e passou a ser o Rio de Janeiro.
 Sua localização mais próxima da região das minas:
   dificultava o contrabando;
   tornava mais rápida a comunicação entre a metrópole
    e a região das minas;
   facilitava o escoamento do ouro quintado para
    Portugal.
Estrada Real das
Minas Gerais ao Rio
de Janeiro
Revoltas Coloniais
              
 Aumento da oposição entre os interesses dos colonos
  luso-brasileiros e o governo português.
 Intensificação do controle por parte da Coroa
  contribuiu para que as elites coloniais se rebelassem
  contra Portugal.
Com quem ficou o ouro brasileiro?
                              
 O Brasil produziu mais ouro entre 1700-1760 do que toda a
  América espanhola em quase quatrocentos anos.
 Foi o equivalente a metade de todo o ouro extraído no
  mundo entre os séculos XV e XVIII.
 Com quem ficou todo esse ouro?
   Não ficou no Brasil e nem foi usado no seu desenvolvimento.
   Também não ficou em Portugal, já que o país precisava saldar
    sua balança comercial em déficit por conta do Tratado de
    Methuen , ou “Tratado dos Panos e Vinhos” (1703).
   Boa parte do ouro brasileiro foi, portanto, parar nas mãos dos
    capitalistas ingleses, e usaram-no para financiar sua Revolução
    Industrial.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)Nefer19
 
Brasil colônia completo
Brasil colônia   completoBrasil colônia   completo
Brasil colônia completoPrivada
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européiaedna2
 
Imperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismoImperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismoPaulo Alexandre
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade médiaDirair
 
Chegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilChegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilGeová da Silva
 
Capitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCapitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCreusa Lima
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisDouglas Barraqui
 
REINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOSREINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOSElvisJohnR
 
Civilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-ColombianasCivilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-Colombianasjoana71
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América EspanholaAulas de História
 

Mais procurados (20)

As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
 
Brasil colônia completo
Brasil colônia   completoBrasil colônia   completo
Brasil colônia completo
 
Expansão territorial
Expansão territorialExpansão territorial
Expansão territorial
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
 
Astecas maias e incas
Astecas maias e incasAstecas maias e incas
Astecas maias e incas
 
Conjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e BaianaConjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e Baiana
 
Colonização da América
Colonização da AméricaColonização da América
Colonização da América
 
Imperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismoImperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismo
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
Chegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilChegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasil
 
Capitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCapitanias hereditárias
Capitanias hereditárias
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
 
1° ano E.M. - Antigo Egito
1° ano E.M. -  Antigo Egito1° ano E.M. -  Antigo Egito
1° ano E.M. - Antigo Egito
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
 
REINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOSREINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOS
 
Civilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-ColombianasCivilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-Colombianas
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
O brasil na primeira republica
O brasil na primeira republicaO brasil na primeira republica
O brasil na primeira republica
 
Sociedade Mineradora
Sociedade MineradoraSociedade Mineradora
Sociedade Mineradora
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 

Destaque

Mineração no Brasil colônia
Mineração no Brasil colôniaMineração no Brasil colônia
Mineração no Brasil colôniaJoão Marcelo
 
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino Fundamental
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino FundamentalA Mineração no Brasil Colonial - Ensino Fundamental
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino FundamentalAlinnie Moreira
 
Amineraonobrasilcolonial 140308144938-phpapp02
Amineraonobrasilcolonial 140308144938-phpapp02Amineraonobrasilcolonial 140308144938-phpapp02
Amineraonobrasilcolonial 140308144938-phpapp02marlete andrade
 
Brasil: das conjurações à independência
Brasil: das conjurações à independênciaBrasil: das conjurações à independência
Brasil: das conjurações à independênciaEdenilson Morais
 
Colonização portuguesa na américa
Colonização portuguesa na américaColonização portuguesa na américa
Colonização portuguesa na américaCarolina Medeiros
 
Cultura Afro Brasileira
Cultura Afro   BrasileiraCultura Afro   Brasileira
Cultura Afro Brasileiramartinsramon
 

Destaque (10)

Mineração no Brasil colônia
Mineração no Brasil colôniaMineração no Brasil colônia
Mineração no Brasil colônia
 
A época do ouro no brasil
A época do ouro no brasilA época do ouro no brasil
A época do ouro no brasil
 
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino Fundamental
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino FundamentalA Mineração no Brasil Colonial - Ensino Fundamental
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino Fundamental
 
A mineraçaõ no Brasil Colônia.
A mineraçaõ no Brasil Colônia. A mineraçaõ no Brasil Colônia.
A mineraçaõ no Brasil Colônia.
 
Ciclo do Ouro
Ciclo do OuroCiclo do Ouro
Ciclo do Ouro
 
Mineração no brasil
Mineração no brasilMineração no brasil
Mineração no brasil
 
Amineraonobrasilcolonial 140308144938-phpapp02
Amineraonobrasilcolonial 140308144938-phpapp02Amineraonobrasilcolonial 140308144938-phpapp02
Amineraonobrasilcolonial 140308144938-phpapp02
 
Brasil: das conjurações à independência
Brasil: das conjurações à independênciaBrasil: das conjurações à independência
Brasil: das conjurações à independência
 
Colonização portuguesa na américa
Colonização portuguesa na américaColonização portuguesa na américa
Colonização portuguesa na américa
 
Cultura Afro Brasileira
Cultura Afro   BrasileiraCultura Afro   Brasileira
Cultura Afro Brasileira
 

Semelhante a Mineração no Brasil Colônia

Mineração no Brasil Colonial.pptx
Mineração no Brasil Colonial.pptxMineração no Brasil Colonial.pptx
Mineração no Brasil Colonial.pptxGabrielDominguesRoch
 
Brasil Colônia - Séc. XVIII (Ciclo do Ouro)
Brasil Colônia - Séc. XVIII (Ciclo do Ouro)Brasil Colônia - Séc. XVIII (Ciclo do Ouro)
Brasil Colônia - Séc. XVIII (Ciclo do Ouro)isameucci
 
Apogeu de desagregação do sistema colonial (Mineração)
Apogeu de desagregação do sistema colonial (Mineração)Apogeu de desagregação do sistema colonial (Mineração)
Apogeu de desagregação do sistema colonial (Mineração)isameucci
 
A economia do brasil colonial
A economia do brasil colonialA economia do brasil colonial
A economia do brasil colonialhistoriando
 
ciculo do ouro.pdf
ciculo do ouro.pdfciculo do ouro.pdf
ciculo do ouro.pdfDenisBrito16
 
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...Franciele Marques
 
Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)Marcelo Ferreira Boia
 
Goiás para concursos: século XVIII
Goiás para concursos: século XVIIIGoiás para concursos: século XVIII
Goiás para concursos: século XVIIIGabriel da Silva
 
O controle sobre ouro- Sociedade mineradora
O controle sobre ouro- Sociedade mineradoraO controle sobre ouro- Sociedade mineradora
O controle sobre ouro- Sociedade mineradorajessica Nogueira
 
Sociedades mineiras
Sociedades mineirasSociedades mineiras
Sociedades mineirastyromello
 
Brasil ciclo do ouro.filé
Brasil ciclo do ouro.filéBrasil ciclo do ouro.filé
Brasil ciclo do ouro.filémundica broda
 
Ciclo do Ouro - A mineração no Brasil Colonial
Ciclo do Ouro - A mineração no Brasil ColonialCiclo do Ouro - A mineração no Brasil Colonial
Ciclo do Ouro - A mineração no Brasil ColonialLeandroDiniz36
 
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.Lara Lídia
 

Semelhante a Mineração no Brasil Colônia (20)

Mineração no Brasil Colonial.pptx
Mineração no Brasil Colonial.pptxMineração no Brasil Colonial.pptx
Mineração no Brasil Colonial.pptx
 
Brasil Colônia - Séc. XVIII (Ciclo do Ouro)
Brasil Colônia - Séc. XVIII (Ciclo do Ouro)Brasil Colônia - Séc. XVIII (Ciclo do Ouro)
Brasil Colônia - Séc. XVIII (Ciclo do Ouro)
 
Apogeu de desagregação do sistema colonial (Mineração)
Apogeu de desagregação do sistema colonial (Mineração)Apogeu de desagregação do sistema colonial (Mineração)
Apogeu de desagregação do sistema colonial (Mineração)
 
7.7 historia 8 ano
7.7   historia 8 ano7.7   historia 8 ano
7.7 historia 8 ano
 
A economia do brasil colonial
A economia do brasil colonialA economia do brasil colonial
A economia do brasil colonial
 
ciculo do ouro.pdf
ciculo do ouro.pdfciculo do ouro.pdf
ciculo do ouro.pdf
 
A economia do brasil colonial
A economia do brasil colonialA economia do brasil colonial
A economia do brasil colonial
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
 
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
 
Brasil Colônia III
Brasil Colônia IIIBrasil Colônia III
Brasil Colônia III
 
Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)
 
Goiás para concursos: século XVIII
Goiás para concursos: século XVIIIGoiás para concursos: século XVIII
Goiás para concursos: século XVIII
 
Formação do território brasileiro
Formação do território brasileiroFormação do território brasileiro
Formação do território brasileiro
 
O controle sobre ouro- Sociedade mineradora
O controle sobre ouro- Sociedade mineradoraO controle sobre ouro- Sociedade mineradora
O controle sobre ouro- Sociedade mineradora
 
A exploração do ouro
A exploração do ouroA exploração do ouro
A exploração do ouro
 
Td 7 história ii
Td 7   história iiTd 7   história ii
Td 7 história ii
 
Sociedades mineiras
Sociedades mineirasSociedades mineiras
Sociedades mineiras
 
Brasil ciclo do ouro.filé
Brasil ciclo do ouro.filéBrasil ciclo do ouro.filé
Brasil ciclo do ouro.filé
 
Ciclo do Ouro - A mineração no Brasil Colonial
Ciclo do Ouro - A mineração no Brasil ColonialCiclo do Ouro - A mineração no Brasil Colonial
Ciclo do Ouro - A mineração no Brasil Colonial
 
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
 

Último

Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfLUCASAUGUSTONASCENTE
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 

Último (20)

Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 

Mineração no Brasil Colônia

  • 1.
  • 2. Descoberta do Ouro  A realização do velho sonho português
  • 4. Primeiras Descobertas   Em meados do século XVII Portugal vivia uma crise econômica devido à queda internacional do preço do açúcar.  Entre 1693 e 1695 os bandeirantes paulistas encontram os primeiros vestígios de ouro de aluvião.  Escravos africanos especialistas na mineração foram utilizados na exploração do ouro.
  • 5. Extração do ouro de aluvião 
  • 6.  Utilização da bateia nos Utilização da bateia dias de hoje durante o “ciclo do ouro”
  • 7. Povoamento do Sertão   Corrida do ouro – tanto colonos quanto reinóis.  Rápido surgimento de cidades como Vila Rica (Ouro Preto), Ribeirão do Carmo (Mariana), São João del Rei e Sabará.  População da região de Minas Gerais alcança 15% do total de habitantes no Brasil no “século do ouro”.
  • 8. Guerra dos Emboabas   Tensão entre os paulistas, que descobriram as jazidas, e os portugueses vindos de outras partes da Colônia e do Reino (emboabas).  A tensão aumentou quando os portugueses começaram a controlar o abastecimento de mercadorias para a região das minas.  Após vários confrontos armados entre paulistas e emboabas, o conflito teve fim em 1709, sem vencedores.
  • 9. Pintura do século XVIII representando a Guerra dos Emboabas 
  • 10. Consequências da Guerra dos Emboabas   Controle da metrópole: firme controle administrativo e fiscal da Coroa para evitar novos conflitos.  Elevação de São Paulo à categoria de cidade.  Criação da capitania de São Paulo (1709) e Minas do Ouro (1720).  Descoberta de ouro em Mato Grosso (1718) e Goiás (1726): os paulistas passaram a procurar ouro mais adentro no território brasileiro, em sua própria capitania.
  • 11. Evolução do mapa do Brasil após a Guerra dos Emboabas  1709 1789
  • 12. Regiões onde foram encontrados ouro e diamantes no Brasil Colônia
  • 13. Administração das Minas  O controle da exploração pela Coroa
  • 14. Intendência das Minas   Principal órgão administrativo português, a Intendência das Minas, criada em 1702, era responsável por:  Distribuir datas (lotes) para a exploração do ouro;  Fiscalizar a atividade mineradora;  Julgar questões referentes ao desenvolvimento dessa atividade;  Cobrar impostos (20%, ou 1/5) pela exploração das jazidas.
  • 15.  Primeira Intendência de Intendência e Casa de Minas Gerais - Mariana Fundição de Sabará - MG
  • 16. Casas de Fundição   A circulação do ouro em pó ou em pepitas dificultava a cobrança do quinto e facilitava o contrabando.  Para acabar com esse problema, foram criadas, por volta de 1720, as casas de fundição.  Ali o ouro era transformado em barras e recebia o selo real, o que comprovava que o imposto havia sido recolhido.  Quem fosse encontrado com ouro em pó, em pepitas ou em barras não quintadas poderia perder todos os seus bens e até ser condenado ao degredo.
  • 17. Forno e balança de antiga casa de fundição 
  • 18. Barras de ouro quintado 
  • 19. Revolta de Vila Rica   Para os mineradores, as casas de fundição só facilitavam a cobrança dos impostos, mas dificultavam a circulação e o comércio de ouro dentro da capitania.  Descontentes, cerca de 2 mil revoltosos (donos de grandes lavras, partes da população e mesmo escravos) liderados pelo tropeiro Filipe dos Santos exigiram do governador da capitania de MG o fim das casas de fundição.  O governador fingiu aceitar as reivindicações, mas depois de ganhar tempo e organizar suas tropas, acabou com o movimento. Seu líder foi enforcado e esquartejado em praça pública (16/07/1720).
  • 20. Santos do pau oco 
  • 21. Intendência dos Diamantes   Foram encontradas jazidas de diamantes (1729) no Arraial do Tijuco (atual Diamantina).  Como era difícil controlar o contrabando e a cobrança de impostos sobre os diamantes, a Coroa decidiu, em 1739, entregar a extração a particulares, mediante um contrato. O contratador deveria entregar a parte relativa à Coroa.  A partir de 1771, porém, a Coroa assumiu diretamente a exploração diamantina, através da Intendência dos Diamantes.  Tal órgão tinha amplos poderes sobre a população de Diamantina, podendo mesmo controlar quem entrava e saía do distrito.  Calcula-se que foram encontrados cerca de 160 kg de diamantes entre 1730 e 1830 em Minas Gerais.
  • 22. Intendência dos Diamantes – Diamantina – MG 
  • 23. Lavagem de diamantes em Serro Frio, MG, por Carlos Julião, c. 1770
  • 24.
  • 26. Desenvolvimento da Vida Urbana   A vida nas cidades mineiras era organizada em função do ouro.  A região tornou-se um excelente mercado comprador de diversas regiões da colônia e de Portugal.  Minas Gerais “deu um nó” no Brasil.  No fim do século XVIII, quase metade da população mineira era composta por escravos.
  • 27. Ascensão Social e Pobreza   Condições para a ascensão social na sociedade mineira:  Encontrar uma nova jazida de ouro ou diamante;  Ganhar muito dinheiro com o comércio ou o artesanato urbanos.  Os investimentos econômicos para a mineração eram menos custosos que os equipamentos e instalações necessários para se montar um engenho açucareiro.  Apesar disso, a riqueza concentrou-se nas mãos de poucos: ricos senhores que exploravam as lavras mais importantes e que se dedicavam a outros negócios.  A pobreza imperava na capitania das Minas do Ouro.
  • 28.
  • 30. O Declínio da Produção Aurífera   A produção do ouro caiu brutalmente a partir da segunda metade do século XVIII (vide p. 87).  O governo português dizia que o contrabando e a negligência com o trabalho eram os principais motivos para a queda aurífera.  A Coroa tomou as seguintes medidas:  Cota mínima anual: em 1750 determinou-se que a soma final do quinto deveria atingir pelo menos 100 arrobas anuais.  Derrama: como a cota mínima anual não vinha sendo atingida, em 1765 o governo decretou a derrama, ou seja, a cobrança dos impostos atrasados.
  • 31. Produção aurífera no século XVIII (em kg) 
  • 33. Desenvolvimento das Artes   Diversas pessoas usaram suas riquezas no incentivo às artes durante o “ciclo do ouro”.  O primeiro movimento literário brasileiro significativo, o Arcadismo, surgiu em MG, expresso nas obras de Cláudio Manuel da Costa, Tomás Antônio Gonzaga e outros.  No campo das artes plásticas, destaque para Antônio Francisco Lisboa, o “Aleijadinho”, e Manuel da Costa Ataíde, o Mestre Ataíde.  Também no campo musical há destaque para as composições de Emérico Lobo de Mesquita, Francisco Gomes da Rocha e Inácio Parreiras Neves.
  • 34. “Os 12 Profetas” – Esculturas de Aleijadinho no Santuário do Bom Jesus de Matosinhos – Congonhas – MG
  • 36. Detalhes de “Os Doze Profetas” 
  • 37. Pinturas de Mestre Ataíde – Assunção da Virgem – Igreja de São Francisco – Ouro Preto – MG 
  • 38. Expansão Territorial e Populacional   O ouro atraiu pessoas de diversas partes da colônia para o interior, aumentando o povoamento do sertão.  Diversas regiões da colônia, antes isoladas entre si, passaram a estar mais integradas.  Durante o século do ouro a população colonial aumentou 11 vezes, passando de 300 mil (em 1700) para 3,25 milhões (1800).
  • 39. Mudança da Capital   Deslocamento do centro econômico do nordeste açucareiro para o sudeste da colônia.  Em 1763 a capital da América Portuguesa deixou de ser Salvador e passou a ser o Rio de Janeiro.  Sua localização mais próxima da região das minas:  dificultava o contrabando;  tornava mais rápida a comunicação entre a metrópole e a região das minas;  facilitava o escoamento do ouro quintado para Portugal.
  • 40. Estrada Real das Minas Gerais ao Rio de Janeiro
  • 41. Revoltas Coloniais   Aumento da oposição entre os interesses dos colonos luso-brasileiros e o governo português.  Intensificação do controle por parte da Coroa contribuiu para que as elites coloniais se rebelassem contra Portugal.
  • 42. Com quem ficou o ouro brasileiro?   O Brasil produziu mais ouro entre 1700-1760 do que toda a América espanhola em quase quatrocentos anos.  Foi o equivalente a metade de todo o ouro extraído no mundo entre os séculos XV e XVIII.  Com quem ficou todo esse ouro?  Não ficou no Brasil e nem foi usado no seu desenvolvimento.  Também não ficou em Portugal, já que o país precisava saldar sua balança comercial em déficit por conta do Tratado de Methuen , ou “Tratado dos Panos e Vinhos” (1703).  Boa parte do ouro brasileiro foi, portanto, parar nas mãos dos capitalistas ingleses, e usaram-no para financiar sua Revolução Industrial.