Totalitarismo

12.148 visualizações

Publicada em

0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
12.148
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
310
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Totalitarismo

  1. 1. TOTALITARISMO
  2. 2. O totalitarismo <ul><li>Forma extrema de autoritarismo. O Estado totalitário se caracteriza pelo regime de partido único, pelo esmagamento de todo tipo de oposição e pela utilização do terror como instrumento de governo. Ele controla os meios de comunicação (rádio, televisão, jornais, etc.), suprime as liberdades individuais e coletivas, proíbe greves e persegue implacavelmente os dissidentes. </li></ul><ul><li>O que mais o diferencia de outras formas de ditadura é que o Estado totalitário invade a privacidade das pessoas, controlando-as em suas vida íntima e familiar, enaltecendo a delação e estimulando até mesmo crianças a denunciarem seus pais. </li></ul><ul><li>Para alguns cientistas políticos, como Giovanni Sartori, apenas o stalinismo (URSS) e o nazismo (Alemanha) podem ser considerados regimes totalitários. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>A filósofa alemã Hannah Arendt (1906 – 1975) autora da obra: Origens do Totalitarismo, defende a ideia de que ações totalitárias não são praticadas apenas em regimes políticos totalitários. Para ela, “as soluções totalitárias podem muito bem sobreviver a queda dos regimes totalitários sob a forma de forte tentação que surgirá sempre que pareça impossível aliviar a miséria política, social ou econômica de um modo digno do homem.” </li></ul>
  4. 4. Estado Totalitário <ul><li>Estado forte, total, no qual TODAS as atividades econômicas, sociais, políticas, religiosas e culturais encontram-se sob direção de um partido ou de um chefe (autoridade praticamente absoluta) </li></ul>
  5. 5. A ameaça totalitária <ul><li>Regimes baseados no nazismo e no fascismo foram responsáveis pela deflagração da Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945) e pela morte de milhões de pessoas. </li></ul><ul><li>Apesar disso, ainda hoje podem ser encontrados grupos neonazistas em diversos países. No Brasil há os SKINHEADS , os WHITE POWER, entre outros. Eles atacam negros, homossexuais, judeus, etc. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Grupos neonazistas brasileiros voltam a atacar na Internet </li></ul><ul><li>24/04/2007 </li></ul><ul><li>Fonte:  http://terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI1569641-EI6578,00.html </li></ul><ul><li>Autor:  Felipe Corazza Barreto </li></ul><ul><li>Veículo de Imprensa:  Veículo Nacional </li></ul><ul><li>Os defensores da &quot;supremacia branca&quot; no Brasil - sim, eles existem - estão de volta à ativa pela rede mundial de computadores. Com dois sites no ar e uma loja virtual de produtos que pregam a intolerância, os neonazistas tupiniquins voltaram a ameaçar o diretor da agência de notícias Afropress, Dojival Vieira. </li></ul><ul><li>A agência, que segue as Resoluções da III Conferência Mundial contra o Racismo a Xenofobia e a Intolerância da ONU, denunciou em 2005 os ataques de Marcelo Vale Silveira Melo, que se escondia por trás do pseudônimo &quot;DR0K3D, o justiceiro&quot; para espalhar mensagens de racismo e xenofobia pela rede. </li></ul><ul><li>A Afropress recebe, desde então, seguidas ameaças e sofre com ataques de &quot;hackers&quot; que tiram o site do ar. &quot;Hoje mesmo recebi mais uma ameaça em meu email&quot;, afirmou Dojival, em entrevista a Terra Magazine na segunda-feira. </li></ul>
  7. 7. A ascensão do totalitarismo <ul><li>No início dos anos 1920, havia em muitos países devastados pela Grande Guerra um forte sentimento de impotência. Em setores da sociedade difundiram-se a descrença na DEMOCRACIA e a rejeição dos valores socialistas. Essa atitude criou condições para a formação de movimentos AUTORITÁRIOS (autoridade em detrimento da liberdade) e intolerantes que propunham a constituição de um governo forte e o restabelecimento da ordem. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>A medida que a crise econômica piorava, os grupos de EXTREMA-DIREITA (corrente política antidemocrática e antissocialista, partidária de um governo forte e autoritário) ganhavam força. </li></ul><ul><li>FASCISMO: principal corrente política de extrema-direita, surgiu na Itália, pouco tempo depois da Primeira Guerra Mundial. </li></ul><ul><ul><li>Líder: Benito Mussolini (1883 – 1945) </li></ul></ul><ul><ul><li>A palavra &quot;fascismo&quot; deriva de  fascio , nome de grupos políticos ou de militância que surgiram na Itália entre fins do século XIX e começo do século XX; mas também de  fasces , que nos tempos do Império Romano era um símbolo dos magistrados: um machado cujo cabo era rodeado de varas, simbolizando o poder do Estado e a unidade do povo. </li></ul></ul>
  9. 10. <ul><li>As ideias fascistas não se restringiram à Itália. Países como Áustria, Polônia, Espanha, Portugal e Alemanha tinham, no final da década de 1930, seus próprios regimes fascistas. </li></ul><ul><li>A manifestação mais grave do fascismo foi sua versão alemã: o nazismo. Além do extremo autoritarismo, o pensamento nazista se baseava num profundo ódio contra os judeus e outras etnias e na exaltação de uma suposta “raça” pura, a “raça” ARIANA ( europeus de “raça” branca supostamente pura, descendentes de povos indo-europeus). </li></ul>
  10. 11. Características das doutrinas: <ul><li>NACIONALISMO: Exaltação do sentimento de nação. A política interna do país era subordinada aos interesses do poder nacional, não havia espaço para individualidades. A nação deveria estar acima das pessoas. O Estado Fascista, por sua vez, era a expressão da nação. </li></ul>
  11. 12. <ul><li>MILITARISMO: Segundo Adolf Hitler, principal líder nazista, “ a guerra é a grande salvadora da humanidade, pois foi na guerra que a humanidade se tornou grande.” </li></ul><ul><li>REJEIÇÃO DO PLURIPARTIDARISMO E DA DEMOCRACIA REPRESENTATIVA: Para os fascistas, a disputa pelo poder “divide” o Estado e uma nação forte deve ser indivisível. </li></ul><ul><li>UNIPARTIDARISMO: Existência de um único partido, o fascista ou nazista. </li></ul><ul><li>MODERNISMO CONSERVADOR: A nação deve olhar para o futuro, mas não se esquecer de suas tradições. A Itália usava o como modelo o Império Romano. Na Alemanha, Hitler dizia estar fundando o Terceiro Reich, herdeiro do Sacro Império Romano Germânico (Primeiro Reich) e da Alemanha unificada em 1871 (Segundo Reich). </li></ul>
  12. 13. <ul><li>ENFRAQUECIMENTO OU SUPRESSÃO DO PODER LEGISLATIVO E ESTABELECIMENTO DE UM GOVERNO DITATORIAL. </li></ul><ul><li>CULTO DA PERSONALIDADE: criação do mito do grande líder ou guia da nação. </li></ul><ul><li>EXPANSIONISMO: conquista de outros territórios . Segundo o nazismo, os alemães precisavam de um “espaço vital” para que a “raça ariana” pudesse se multiplicar. Mussolini também tinha ambições expansionistas, concretizadas com a invasão da Abissínia ( aturais Etiópia e Eritréia) </li></ul><ul><li>CORPORATIVISMO: os sindicatos deveriam desaparecer e dar lugar às corporações, ou seja, organismos reuniriam patrões e empregados, cuja função era administrar a economia sob controle do Estado. </li></ul>
  13. 14. O NASCIMENTO DO FASCISMO <ul><li>A década de 1920 foi para a Itália de muita conturbação social, a crise econômica decorrente da Grande Guerra (1924 – 1917) causava insatisfação em todos os setores da sociedade. Essa insatisfação na classe trabalhadora, gerava greves; e distúrbios no campo </li></ul><ul><li>1919: fundado em Milão um grupo militar de extrema-direita: FASCIO DI COMBATTIMENTO , liderado por Benito Mussolini, com apoio de industriais, comerciantes e latifundiários, assim como de trabalhadores desempregados. </li></ul>
  14. 15. <ul><li>Mussolini defendia a Itália forte e reorganizada, sob um regime ditatorial autoritário e antissocialista. </li></ul><ul><li>Graças ao auxílio de grandes capitalistas, o movimento fascista se tornou um partido político. </li></ul><ul><li>Em Outubro/1922: MARCHA SOBRE ROMA : 50 mil fascistas, de várias regiões da Itália, ocuparam Roma. Nesse momento o primeiro ministro se demitiu e o rei Vitor Emanuel III (1869 – 1947) convidou Mussolini para organizar um novo ministério. </li></ul>
  15. 16. Mussolini no Poder: <ul><li>O novo governo teve aparências de monarquia parlamentar, mas, Mussolini detinha amplos poderes, tornando o regime cada vez menos democrático. </li></ul><ul><li>Mussolini institucionalizou seus camisas-negras , como eram chamados os fascistas, que promoviam ataques à oposição. </li></ul><ul><li>Nas eleições de 1924 os fascistas obtiveram ¾ dos votos e, a maioria no Parlamento. A fraude nas votações foi denunciada pelo líder socialista Giacomo Matteotti (1885 – 1924) que foi assassinado dias depois. </li></ul>
  16. 17. <ul><li>Janeiro de 1925: Mussolini anunciou o estabelecimento de um regime ditatorial de governo. A oposição foi eliminada e a Constituição reformada. Desapareceram o Senado e a Câmara, substituídos pelo Grande Conselho Fascista, e Mussolini tornou-se ditador absoluto da Itália com o título de Duce (chefe, guia) </li></ul>
  17. 18. A Itália sob o fascismo <ul><li>1929: Mussolini assinou com o papa o Tratado de Latrão ; o acordo encerrava a disputa entre o papado e o governo italiano. Por ele, era criado o Estado do Vaticano, em Roma, governado pelo papa. Além disso ficou estabelecido que o ensino da religião católica seria obrigatório em todas as escolas da Itália. </li></ul>
  18. 19. <ul><li>No plano econômico, o governo fascista implantou o corporativismo, arbitrando e decidindo sobre as divergências entre patrões e empregados. Intensificou a produção industrial, duplicou a geração de energia hidrelétrica, drenou pântanos e construiu rodovias, aquedutos e edifícios habitacionais. </li></ul><ul><li>1927: CARTA DEL LAVORO , conjunto de leis trabalhistas, que, por um lado, garantia os direitos aos trabalhadores, mas, por outro, os controlava politicamente. </li></ul><ul><li>A carta regulamentou a jornada de trabalho e o seguro desemprego, mas proibiu greves e extinguiu sindicatos, substituindo-os por corporações. O padrão de vida dos assalariados, contudo, não melhorou significativamente. </li></ul><ul><li>No plano internacional, o governo de Mussolini colocou em prática o projeto expansionista do fascismo; rejeitando os apelos da Liga das Nações, em 1935 invadiu a Abssínia (atuais Etiópia e Eritréia). </li></ul><ul><li>[ A frustração pós I G.M. provocou a exaltação nacionalista e um desejo ainda maior de conquistas territoriais entre os italianos]. </li></ul>

×