SlideShare uma empresa Scribd logo
MARLISON ALVES TEIXEIRA
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO SORGO E
MILHETO
2
• Morfologia;
• Estádios fenológicos;
• Exigência climática;
• Ciclo C4;
• Principais hormônios;
• Ecofisiologia;
• Época de colheita.
SUMÁRIO
3
- Originário da África e parte da Ásia;
- Sorghum bicolor (L) moench;
- Pertencente a família Poaceae;
- Planta autógama;
- Metabolismo C4;
- 5º cereal mais importante do mundo.
CARACTERÍSTICAS DO SORGO
Fonte: Ana Flávia, 2021.
4
• Raiz:
- Raízes podem chegar até 1,30m;
- Tipo fasciculada;
• Caule: Tipo colmo;
- Sorgo granífero altura varia até 1,50m.
MORFOLOGIA
Fonte: Costa et al, 1990.
5
• Folhas:
- Pode possuir de 7 a 24 folhas;
- Dependendo da cultivar pode
chegar a 1,30m de comprimento
e 15 cm de largura.
MORFOLOGIA
Fonte: dreamstime, 2022.
Folha tipo bandeira
6
• Inflorescência e Fruto:
MORFOLOGIA
Fonte: dreamstime, 2022.
Panícula
• Fruto: contém a
presença de tanino.
Fonte: dreamstime, 2022.
Fruto
7
MORFOLOGIA
ESTÁDIOS FENOLÓGICOS
8
Ciclo do
Sorgo
Etapas de
crescimento 1
(EC1)
Reprodutivo e
maturação
Formação Panícula e
Florescimento
Vegetativo
Etapa de
crescimento 3
(EC3)
Etapa de
crescimento 2
(EC2)
9
ESTÁDIOS FENOLÓGICOS
ESTÁDIOS
VEGETATIVOS
E0
EMERGÊNCIA
• Ocorre da semeadura ao
surgimento do coleóptilo
na superfície do solo.
• Pode ser realizada a
primeira adubação P.
Fonte: Ana Flávia, 2022.
Fonte: dreamstime, 2022.
10
ESTÁDIOS FENOLÓGICOS
ESTÁDIOS
VEGETATIVOS
E1
3 FOLHAS
• O déficit hídrico em E1,
provoca menos danos
comparado ao E2.
Fonte: Ana Flávia, 2022.
Fonte: dreamstime, 2022.
11
ESTÁDIOS FENOLÓGICOS
ESTÁDIOS
VEGETATIVOS
E2
5 folhas
• É recomendável adubação
N em cobertura;
Fonte: dreamstime, 2022.
Fonte: Ana Flávia, 2022.
• A escassez de água, resultará
na redução da taxa de
crescimento e no número de
sementes por panícula.
12
ESTÁDIOS FENOLÓGICOS
ESTÁDIOS
VEGETATIVOS
E3
Diferenciação do
ponto de
crescimento
• Mudança do estádio
vegetativo para o
reprodutivo;
• Alongamento
rápido do colmo; • Falta de H2O, resultará
na senescência das folhas
inferiores.
Fonte: Corteva Agrisciense, 2022.
Fonte: Ana Flávia, 2022.
13
ESTÁDIOS FENOLÓGICOS
ESTÁDIOS DE
FLORESCIMENTO
E4
10 a 12 folhas
• Todas as folhas estão
completamente desenvolvidas,
com exceção das últimas três
ou quatro.
Fonte: Corteva Agrisciense, 2022.
Fonte: Ana Flávia, 2021.
• Rápido crescimento do
colmo.
14
ESTÁDIOS FENOLÓGICOS
ESTÁDIOS DE
FLORESCIMENTO
E5
Emborrachamento
• Recomendável a terceira
aplicação nitrogenada.
Fonte: Corteva Agrisciense, 2022.
Fonte: Ana Flávia, 2021.
• Todas as folhas estão
completamente
desenvolvidas, resultando
na máxima área foliar;
• A panícula alcança
seu tamanho máxima
dentro da bainha;
15
ESTÁDIOS FENOLÓGICOS
ESTÁDIOS DE
FLORESCIMENTO
E6
Florescimento
• 50% de floração
Fonte: Corteva Agrisciense, 2022.
Fonte: Ana Flávia, 2021.
16
ESTÁDIOS FENOLÓGICOS
ESTÁDIOS ENCHIMENTO DE
GRÃOS
E7
Grão leitoso
• Cerca de 50% da
matéria seca do
grão foi acumulada.
• O peso do colmo
diminuiu.
Fonte: Corteva Agrisciense, 2022.
Fonte: Ana Flávia, 2021.
17
ESTÁDIOS FENOLÓGICOS
ESTÁDIOS ENCHIMENTO DE
GRÃOS
E8
Grão pastoso/duro
• Cerca de 3/4 da matéria
seca do grão foi
acumulada.
Fonte: Corteva Agrisciense, 2022.
Fonte: Ana Flávia, 2021.
18
ESTÁDIOS FENOLÓGICOS
ESTÁDIOS ENCHIMENTO DE
GRÃOS
E9
Camada preta
• Recomendável o uso
de dessecante, sendo
uma alternativa para
acelerar a colheita.
Grão
maduro
Maturidade Fisiológica
Fonte: Corteva Agrisciense, 2022.
Fonte: Corteva Agrisciense, 2022.
Fonte: Ana Flávia, 2021.
19
DINÂMICA
E3
Diferenciação do
ponto de crescimento Grão pastoso/duro
E8
Maturidade Fisiológica
E9
20
MILHETO
21
• Originário da África e Índia;
• Pennisetum glaucum ssp;
• Pertencente à família Poaceae;
• Metabolismo C4;
• Capacidade de produção em condições adversas;
• Superior ao milho em proteína.
CARACTERÍSTICAS DO MILHETO
Fonte: Nutrinews, 2022.
22
• Folhas:
- Longas, lisas ou de superfície pilosa;
- Formato lanceolado;
- Comprimento 90-100 cm;
- Largura entre 5- 8 cm.
MORFOLOGIA
Fonte: dreamstime, 2022.
23
• Raízes:
- Raízes típicas de monocotiledôneas;
- Apenas uma raiz seminal;
- Podem chegar até 5m de profundidade.
MORFOLOGIA
Fonte: dreamstime, 2022.
24
• Colmo:
- Densamente lisos, normalmente entre 1-2 cm de espessura;
- Podem apresentar ramificações secundárias e terciárias;
- Perfilhamento pode ser primário, basal, secundário ou nodal.
MORFOLOGIA
Fonte: dreamstime, 2022
25
• Panícula e frutos:
- Panícula apresenta 2-3 cm de diâmetro
e 15-45 cm de comprimento;
- Cariopse pesam de 3-15g.
MORFOLOGIA
Fonte: dreamstime, 2022.
26
ESTÁDIOS FENOLÓGICOS
27
FENOLOGIA
Ciclo do
Milheto
Fase de
crescimento 1
(FC1)
Enchimento de
grãos
Formação da Panícula
Vegetativo
Fase de
crescimento 3
(FC3)
Fase de
crescimento 2
(FC2)
28
ESTÁDIOS FENOLÓGICOS
Fonte: Embrapa, 2019.
29
ESTÁDIOS FENOLÓGICOS
Fonte: Embrapa, 2019.
30
• Recomendação de adubação:
- EM ED0: adubação NPK se necessário;
-A falta de N na semeadura atrasa levemente o tempo de florescimento;
• Milheto para forragem (pastejo ou silagem) :
- Além da aplicação de N em ED0, recomenda-se a aplicação de cobertura
no início do perfilhamento.
• Em ED5: A aplicação de N, causa maior taxa de produção de espigueta.
ESTÁDIOS FENOLÓGICOS
31
EXIGÊNCIA HÍDRICA
32
EXIGÊNCIA HÍDRICA
O sorgo/milheto tem
uma menor exigência
hídrica comparado aos
outros cereais.
O sorgo necessita no seu
ciclo em média 350 mm
de água
O milheto é até 35% mais
eficiente que o sorgo no
uso de água.
Fonte: Embrapa, 2018.
O milheto necessita em
média 300 ml de água
para cada grama de
matéria seca.
33
EXIGÊNCIA CLIMÁTICA
34
EXIGÊNCIA CLIMÁTICA
Fonte: Ana Flávia, 2022.
Temperatura ótima Sorgo :
33-34 °C;
Temperatura ótima Milheto:
20-35°C .
Fonte: Aegro, 2019.
35
• Fotoperíodo;
- O sorgo/milheto são plantas de dia curto.
EXIGÊNCIA CLIMÁTICA
Plantas de dia curto
Fonte: ResearchGate, 2022.
36
Metabolismo
37
- Plantas com metabolismo C4.
FISIOLOGIA DO SORGO E MILHETO
Fonte: Kerbauy, 2004.
Fonte: Kerbauy, 2004.
38
Hormônios
39
• Auxinas:
- Contribuição para o crescimento;
- Ácido-3-Indolacético (AIA);
- Alongamento celular;
- Dominância apical;
- Hormônio fotofóbico.
PRINCIPAIS HORMÔNIOS
Fonte: Ana Flávia, 2022.
40
• Giberelina:
- Ácido giberélico;
- Induz a germinação;
- Induz o crescimento e o desenvolvimento da planta;
- Faz parte do processo de floração.
PRINCIPAIS HORMÔNIOS
Fonte: Ana Flávia, 2022.
41
• Citocininas:
- Esta ligada ao processo de divisão celular;
- Função: multiplicação celular;
- Diferenciação de brotos;
- Evita a senescência da planta.
PRINCIPAIS HORMÔNIOS
Fonte: mundo educação, 2019.
42
• Ácido abscísico (ABA):
- Função: inibe o crescimento da planta;
- Dormência das sementes e gemas;
- Fechamento estomático;
- ABA não promove abscisão.
PRINCIPAIS HORMÔNIOS
Fonte: Preparaenem, 2021.
43
• Etileno:
- Hormônio gasoso;
- Amadurecimento dos grãos;
- Estimula a degradação da clorofila;
- Senescência.
PRINCIPAIS HORMÔNIOS
Fonte: Ana Flávia, 2022.
44
ECOFISIOLOGIA
45
• Temperaturas (<10 oC), causam no sorgo:
- Redução na área foliar;
- Perfilhamento;
- Altura;
- Atraso na data de floração;
- Desenvolvimento da panícula.
• O desenvolvimento dos grãos podem ocorrer até com a temperatura de 40 °C a
43°C, 15 a 30% de umidade relativa.
ECOFISIOLOGIA
46
• Temperaturas (entre 13-16°), causam no milheto:
- Aparecimento de folhas estéreis;
- Baixa produtividade.
ECOFISIOLOGIA
47
ÉPOCA DE COLHEITA
48
• Umidade ideal para colheita de grãos:
- 12 a 14%;
• Silagem matéria seca: 30%
• Cobertura: altura 1,5 m;
• Estádio fenológico:
- E9 (maturidade fisiológica);
• Sendo necessário o uso de dessecantes;
• Colheita mecanizada:
- É usado a mesma colhedora e plataforma da cultura da soja.
COLHEITA SORGO
Fonte: Notícias agrícolas, 2021.
49
• Umidade ideal para colheita dos grãos:
- 19 e 22%.
• Estádio fenológico: ED9;
- Sendo necessário o uso de dessecantes.
• Colheita mecanizada:
- É usado a mesma colhedora e plataforma da cultura da soja
com as devidas regulagens necessárias.
COLHEITA MILHETO
Fonte: Massey Ferguson, 2017.
Entre em contato conosco:
geagraufg.wordpress.com
geagracontato@gmail.com
GEAGRA UFG
@geagraufg
UNINDO CONHECIMENTO EM PROL DA AGRICULTURA!
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO SORGO E MILHETO
marlisonalves@discente.ufg.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução e merdado do sorgo e milheto
Introdução e merdado do sorgo e milhetoIntrodução e merdado do sorgo e milheto
Introdução e merdado do sorgo e milheto
Geagra UFG
 
Manejo de plantio do algodão.
Manejo de plantio do algodão.Manejo de plantio do algodão.
Manejo de plantio do algodão.
Geagra UFG
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAINTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
Nutrição mineral da soja
Nutrição mineral da sojaNutrição mineral da soja
Nutrição mineral da soja
Geagra UFG
 
Nutrição mineral e adubação do milho
Nutrição mineral e adubação do milhoNutrição mineral e adubação do milho
Nutrição mineral e adubação do milho
Geagra UFG
 
Manejo de doenças no algodoeiro
Manejo de doenças no algodoeiroManejo de doenças no algodoeiro
Manejo de doenças no algodoeiro
Geagra UFG
 
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE SORGO E MILHETO.pptx
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE SORGO E MILHETO.pptxNUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE SORGO E MILHETO.pptx
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE SORGO E MILHETO.pptx
Geagra UFG
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controle
Geagra UFG
 
Nutrição mineral na cultura do milho
Nutrição mineral na cultura do milhoNutrição mineral na cultura do milho
Nutrição mineral na cultura do milho
Geagra UFG
 
INTRODUÇÃO A COTONICULTURA
INTRODUÇÃO A COTONICULTURAINTRODUÇÃO A COTONICULTURA
INTRODUÇÃO A COTONICULTURA
Geagra UFG
 
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDASMECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
Geagra UFG
 
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
AM Placas Ltda. Placas
 
NUTRIÇÃO MINERAL DA SOJA
NUTRIÇÃO MINERAL DA SOJANUTRIÇÃO MINERAL DA SOJA
NUTRIÇÃO MINERAL DA SOJA
Geagra UFG
 
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no MilhoManejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Geagra UFG
 
Nutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoNutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milho
Geagra UFG
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃOINTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
Geagra UFG
 
Colheita, armazenamento e comercialização de feijão.pptx
Colheita, armazenamento e comercialização de feijão.pptxColheita, armazenamento e comercialização de feijão.pptx
Colheita, armazenamento e comercialização de feijão.pptx
Geagra UFG
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Killer Max
 
Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologia
Geagra UFG
 
Nutrição e adubação do algodoeiro
Nutrição e adubação do algodoeiroNutrição e adubação do algodoeiro
Nutrição e adubação do algodoeiro
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

Introdução e merdado do sorgo e milheto
Introdução e merdado do sorgo e milhetoIntrodução e merdado do sorgo e milheto
Introdução e merdado do sorgo e milheto
 
Manejo de plantio do algodão.
Manejo de plantio do algodão.Manejo de plantio do algodão.
Manejo de plantio do algodão.
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAINTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
 
Nutrição mineral da soja
Nutrição mineral da sojaNutrição mineral da soja
Nutrição mineral da soja
 
Nutrição mineral e adubação do milho
Nutrição mineral e adubação do milhoNutrição mineral e adubação do milho
Nutrição mineral e adubação do milho
 
Manejo de doenças no algodoeiro
Manejo de doenças no algodoeiroManejo de doenças no algodoeiro
Manejo de doenças no algodoeiro
 
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE SORGO E MILHETO.pptx
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE SORGO E MILHETO.pptxNUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE SORGO E MILHETO.pptx
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE SORGO E MILHETO.pptx
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controle
 
Nutrição mineral na cultura do milho
Nutrição mineral na cultura do milhoNutrição mineral na cultura do milho
Nutrição mineral na cultura do milho
 
INTRODUÇÃO A COTONICULTURA
INTRODUÇÃO A COTONICULTURAINTRODUÇÃO A COTONICULTURA
INTRODUÇÃO A COTONICULTURA
 
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDASMECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
 
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
 
NUTRIÇÃO MINERAL DA SOJA
NUTRIÇÃO MINERAL DA SOJANUTRIÇÃO MINERAL DA SOJA
NUTRIÇÃO MINERAL DA SOJA
 
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no MilhoManejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
 
Nutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoNutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milho
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃOINTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
 
Colheita, armazenamento e comercialização de feijão.pptx
Colheita, armazenamento e comercialização de feijão.pptxColheita, armazenamento e comercialização de feijão.pptx
Colheita, armazenamento e comercialização de feijão.pptx
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
 
Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologia
 
Nutrição e adubação do algodoeiro
Nutrição e adubação do algodoeiroNutrição e adubação do algodoeiro
Nutrição e adubação do algodoeiro
 

Semelhante a Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto

Morfologia e fisiologia algodão
Morfologia e fisiologia algodãoMorfologia e fisiologia algodão
Morfologia e fisiologia algodão
Geagra UFG
 
INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A ESTRESSE SALINO EM SEMENTES DE ARROZ COM O USO DE MOL...
INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A ESTRESSE SALINO EM SEMENTES DE ARROZ COM O USO DE MOL...INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A ESTRESSE SALINO EM SEMENTES DE ARROZ COM O USO DE MOL...
INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A ESTRESSE SALINO EM SEMENTES DE ARROZ COM O USO DE MOL...
HeribertoRodrigues2
 
CULTURA DO CENTEIO. 2 UFPI-CPCE
CULTURA DO CENTEIO. 2 UFPI-CPCECULTURA DO CENTEIO. 2 UFPI-CPCE
CULTURA DO CENTEIO. 2 UFPI-CPCE
João vittor Avelino
 
CULTURA DO CENTEIO
CULTURA DO CENTEIOCULTURA DO CENTEIO
CULTURA DO CENTEIO
EduardaAmaral11
 
Palestra: Floração do Cafeeiro – Grande Problema, Difícil Solução - Alemar Br...
Palestra: Floração do Cafeeiro – Grande Problema, Difícil Solução - Alemar Br...Palestra: Floração do Cafeeiro – Grande Problema, Difícil Solução - Alemar Br...
Palestra: Floração do Cafeeiro – Grande Problema, Difícil Solução - Alemar Br...
Revista Cafeicultura
 
Relatório Técnico - Projeto Soja Brasil 2015/2016
Relatório Técnico - Projeto Soja Brasil 2015/2016Relatório Técnico - Projeto Soja Brasil 2015/2016
Relatório Técnico - Projeto Soja Brasil 2015/2016
Rikardy Tooge
 
Thiago M. Pinheiro - Painel Congresso Brasileiro de Fitopatologia 2010 - final
Thiago M. Pinheiro - Painel Congresso Brasileiro de Fitopatologia 2010 - finalThiago M. Pinheiro - Painel Congresso Brasileiro de Fitopatologia 2010 - final
Thiago M. Pinheiro - Painel Congresso Brasileiro de Fitopatologia 2010 - final
Thiago Pinheiro
 
APRESENTAÇÃO Feijão.pptx feijão de vagem e corredor
APRESENTAÇÃO Feijão.pptx feijão de vagem e corredorAPRESENTAÇÃO Feijão.pptx feijão de vagem e corredor
APRESENTAÇÃO Feijão.pptx feijão de vagem e corredor
RayaneReis14
 
aspectosmorfologicosefisiologicosdoalgodo-170914215756.pdf
aspectosmorfologicosefisiologicosdoalgodo-170914215756.pdfaspectosmorfologicosefisiologicosdoalgodo-170914215756.pdf
aspectosmorfologicosefisiologicosdoalgodo-170914215756.pdf
FabrizioAranha2
 
Aplicações Complementares na cultura do Milho
Aplicações Complementares na cultura do MilhoAplicações Complementares na cultura do Milho
Aplicações Complementares na cultura do Milho
Geagra UFG
 
ABACATE COMO FRUTO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA E AGROPECUÁRIA.
ABACATE COMO FRUTO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA E AGROPECUÁRIA.ABACATE COMO FRUTO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA E AGROPECUÁRIA.
ABACATE COMO FRUTO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA E AGROPECUÁRIA.
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Seminario micro solo_fixacao_n_feijao
Seminario micro solo_fixacao_n_feijaoSeminario micro solo_fixacao_n_feijao
Seminario micro solo_fixacao_n_feijao
MICROBIOLOGIA-CSL-UFSJ
 
Cultura do coqueiro
Cultura do coqueiroCultura do coqueiro
Cultura do coqueiro
Rogerio de Souza Souza
 
1 a planta_de_framboesa_morfologia_e_fisiologia_1369128264
1 a planta_de_framboesa_morfologia_e_fisiologia_13691282641 a planta_de_framboesa_morfologia_e_fisiologia_1369128264
1 a planta_de_framboesa_morfologia_e_fisiologia_1369128264
Peças E Minas
 
Posicionamento de fungicidas no milho
Posicionamento de fungicidas no milhoPosicionamento de fungicidas no milho
Posicionamento de fungicidas no milho
Geagra UFG
 
Colecção de Figueiras do Algarve
Colecção de Figueiras do AlgarveColecção de Figueiras do Algarve
Colecção de Figueiras do Algarve
Armindo Rosa
 
Implantação de um pomar
Implantação de um pomarImplantação de um pomar
Implantação de um pomar
Sabrina Nascimento
 
1 - A planta de Framboesa - Morfologia e fisiologia.pdf
1 - A planta de  Framboesa - Morfologia e fisiologia.pdf1 - A planta de  Framboesa - Morfologia e fisiologia.pdf
1 - A planta de Framboesa - Morfologia e fisiologia.pdf
PedroSilva845276
 
Apresentação sobre a cultura do algodoeiro
Apresentação sobre a cultura do algodoeiroApresentação sobre a cultura do algodoeiro
Apresentação sobre a cultura do algodoeiro
marcosgambini1
 
Palestra CAFEICULTOR: SAIBA COMO CONVIVER COM A BROCA-DO-CAFÉ SEM O INSETICID...
Palestra CAFEICULTOR: SAIBA COMO CONVIVER COM A BROCA-DO-CAFÉ SEM O INSETICID...Palestra CAFEICULTOR: SAIBA COMO CONVIVER COM A BROCA-DO-CAFÉ SEM O INSETICID...
Palestra CAFEICULTOR: SAIBA COMO CONVIVER COM A BROCA-DO-CAFÉ SEM O INSETICID...
Revista Cafeicultura
 

Semelhante a Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto (20)

Morfologia e fisiologia algodão
Morfologia e fisiologia algodãoMorfologia e fisiologia algodão
Morfologia e fisiologia algodão
 
INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A ESTRESSE SALINO EM SEMENTES DE ARROZ COM O USO DE MOL...
INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A ESTRESSE SALINO EM SEMENTES DE ARROZ COM O USO DE MOL...INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A ESTRESSE SALINO EM SEMENTES DE ARROZ COM O USO DE MOL...
INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A ESTRESSE SALINO EM SEMENTES DE ARROZ COM O USO DE MOL...
 
CULTURA DO CENTEIO. 2 UFPI-CPCE
CULTURA DO CENTEIO. 2 UFPI-CPCECULTURA DO CENTEIO. 2 UFPI-CPCE
CULTURA DO CENTEIO. 2 UFPI-CPCE
 
CULTURA DO CENTEIO
CULTURA DO CENTEIOCULTURA DO CENTEIO
CULTURA DO CENTEIO
 
Palestra: Floração do Cafeeiro – Grande Problema, Difícil Solução - Alemar Br...
Palestra: Floração do Cafeeiro – Grande Problema, Difícil Solução - Alemar Br...Palestra: Floração do Cafeeiro – Grande Problema, Difícil Solução - Alemar Br...
Palestra: Floração do Cafeeiro – Grande Problema, Difícil Solução - Alemar Br...
 
Relatório Técnico - Projeto Soja Brasil 2015/2016
Relatório Técnico - Projeto Soja Brasil 2015/2016Relatório Técnico - Projeto Soja Brasil 2015/2016
Relatório Técnico - Projeto Soja Brasil 2015/2016
 
Thiago M. Pinheiro - Painel Congresso Brasileiro de Fitopatologia 2010 - final
Thiago M. Pinheiro - Painel Congresso Brasileiro de Fitopatologia 2010 - finalThiago M. Pinheiro - Painel Congresso Brasileiro de Fitopatologia 2010 - final
Thiago M. Pinheiro - Painel Congresso Brasileiro de Fitopatologia 2010 - final
 
APRESENTAÇÃO Feijão.pptx feijão de vagem e corredor
APRESENTAÇÃO Feijão.pptx feijão de vagem e corredorAPRESENTAÇÃO Feijão.pptx feijão de vagem e corredor
APRESENTAÇÃO Feijão.pptx feijão de vagem e corredor
 
aspectosmorfologicosefisiologicosdoalgodo-170914215756.pdf
aspectosmorfologicosefisiologicosdoalgodo-170914215756.pdfaspectosmorfologicosefisiologicosdoalgodo-170914215756.pdf
aspectosmorfologicosefisiologicosdoalgodo-170914215756.pdf
 
Aplicações Complementares na cultura do Milho
Aplicações Complementares na cultura do MilhoAplicações Complementares na cultura do Milho
Aplicações Complementares na cultura do Milho
 
ABACATE COMO FRUTO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA E AGROPECUÁRIA.
ABACATE COMO FRUTO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA E AGROPECUÁRIA.ABACATE COMO FRUTO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA E AGROPECUÁRIA.
ABACATE COMO FRUTO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA E AGROPECUÁRIA.
 
Seminario micro solo_fixacao_n_feijao
Seminario micro solo_fixacao_n_feijaoSeminario micro solo_fixacao_n_feijao
Seminario micro solo_fixacao_n_feijao
 
Cultura do coqueiro
Cultura do coqueiroCultura do coqueiro
Cultura do coqueiro
 
1 a planta_de_framboesa_morfologia_e_fisiologia_1369128264
1 a planta_de_framboesa_morfologia_e_fisiologia_13691282641 a planta_de_framboesa_morfologia_e_fisiologia_1369128264
1 a planta_de_framboesa_morfologia_e_fisiologia_1369128264
 
Posicionamento de fungicidas no milho
Posicionamento de fungicidas no milhoPosicionamento de fungicidas no milho
Posicionamento de fungicidas no milho
 
Colecção de Figueiras do Algarve
Colecção de Figueiras do AlgarveColecção de Figueiras do Algarve
Colecção de Figueiras do Algarve
 
Implantação de um pomar
Implantação de um pomarImplantação de um pomar
Implantação de um pomar
 
1 - A planta de Framboesa - Morfologia e fisiologia.pdf
1 - A planta de  Framboesa - Morfologia e fisiologia.pdf1 - A planta de  Framboesa - Morfologia e fisiologia.pdf
1 - A planta de Framboesa - Morfologia e fisiologia.pdf
 
Apresentação sobre a cultura do algodoeiro
Apresentação sobre a cultura do algodoeiroApresentação sobre a cultura do algodoeiro
Apresentação sobre a cultura do algodoeiro
 
Palestra CAFEICULTOR: SAIBA COMO CONVIVER COM A BROCA-DO-CAFÉ SEM O INSETICID...
Palestra CAFEICULTOR: SAIBA COMO CONVIVER COM A BROCA-DO-CAFÉ SEM O INSETICID...Palestra CAFEICULTOR: SAIBA COMO CONVIVER COM A BROCA-DO-CAFÉ SEM O INSETICID...
Palestra CAFEICULTOR: SAIBA COMO CONVIVER COM A BROCA-DO-CAFÉ SEM O INSETICID...
 

Mais de Geagra UFG

Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptxManejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Geagra UFG
 
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison TeixeiraMecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Geagra UFG
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação dos herbicidas slide.pptx
Mecanismo de ação dos herbicidas slide.pptxMecanismo de ação dos herbicidas slide.pptx
Mecanismo de ação dos herbicidas slide.pptx
Geagra UFG
 
APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptxAPRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
Geagra UFG
 
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptxApresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Geagra UFG
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
Geagra UFG
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
Geagra UFG
 
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARESBIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
Geagra UFG
 
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptxMACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
Geagra UFG
 
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Geagra UFG
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
Geagra UFG
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
Geagra UFG
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
Geagra UFG
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
Geagra UFG
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
Geagra UFG
 

Mais de Geagra UFG (20)

Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptxManejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
 
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison TeixeiraMecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Mecanismo de ação dos herbicidas slide.pptx
Mecanismo de ação dos herbicidas slide.pptxMecanismo de ação dos herbicidas slide.pptx
Mecanismo de ação dos herbicidas slide.pptx
 
APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptxAPRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
 
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptxApresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
 
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARESBIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
 
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptxMACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
 
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
 

Último

Melhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatísticaMelhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatística
tyciavilela
 
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdfMuro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Marco Zero Conteúdo
 
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdfMuro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Marco Zero Conteúdo
 
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdfApostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Ademir36
 
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdfCIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
viictorrkk
 
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdfEconomia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
DeboraGomes73
 

Último (6)

Melhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatísticaMelhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatística
 
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdfMuro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
 
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdfMuro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
 
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdfApostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
 
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdfCIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
 
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdfEconomia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
 

Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto

  • 1. MARLISON ALVES TEIXEIRA FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO SORGO E MILHETO
  • 2. 2 • Morfologia; • Estádios fenológicos; • Exigência climática; • Ciclo C4; • Principais hormônios; • Ecofisiologia; • Época de colheita. SUMÁRIO
  • 3. 3 - Originário da África e parte da Ásia; - Sorghum bicolor (L) moench; - Pertencente a família Poaceae; - Planta autógama; - Metabolismo C4; - 5º cereal mais importante do mundo. CARACTERÍSTICAS DO SORGO Fonte: Ana Flávia, 2021.
  • 4. 4 • Raiz: - Raízes podem chegar até 1,30m; - Tipo fasciculada; • Caule: Tipo colmo; - Sorgo granífero altura varia até 1,50m. MORFOLOGIA Fonte: Costa et al, 1990.
  • 5. 5 • Folhas: - Pode possuir de 7 a 24 folhas; - Dependendo da cultivar pode chegar a 1,30m de comprimento e 15 cm de largura. MORFOLOGIA Fonte: dreamstime, 2022. Folha tipo bandeira
  • 6. 6 • Inflorescência e Fruto: MORFOLOGIA Fonte: dreamstime, 2022. Panícula • Fruto: contém a presença de tanino. Fonte: dreamstime, 2022. Fruto
  • 8. 8 Ciclo do Sorgo Etapas de crescimento 1 (EC1) Reprodutivo e maturação Formação Panícula e Florescimento Vegetativo Etapa de crescimento 3 (EC3) Etapa de crescimento 2 (EC2)
  • 9. 9 ESTÁDIOS FENOLÓGICOS ESTÁDIOS VEGETATIVOS E0 EMERGÊNCIA • Ocorre da semeadura ao surgimento do coleóptilo na superfície do solo. • Pode ser realizada a primeira adubação P. Fonte: Ana Flávia, 2022. Fonte: dreamstime, 2022.
  • 10. 10 ESTÁDIOS FENOLÓGICOS ESTÁDIOS VEGETATIVOS E1 3 FOLHAS • O déficit hídrico em E1, provoca menos danos comparado ao E2. Fonte: Ana Flávia, 2022. Fonte: dreamstime, 2022.
  • 11. 11 ESTÁDIOS FENOLÓGICOS ESTÁDIOS VEGETATIVOS E2 5 folhas • É recomendável adubação N em cobertura; Fonte: dreamstime, 2022. Fonte: Ana Flávia, 2022. • A escassez de água, resultará na redução da taxa de crescimento e no número de sementes por panícula.
  • 12. 12 ESTÁDIOS FENOLÓGICOS ESTÁDIOS VEGETATIVOS E3 Diferenciação do ponto de crescimento • Mudança do estádio vegetativo para o reprodutivo; • Alongamento rápido do colmo; • Falta de H2O, resultará na senescência das folhas inferiores. Fonte: Corteva Agrisciense, 2022. Fonte: Ana Flávia, 2022.
  • 13. 13 ESTÁDIOS FENOLÓGICOS ESTÁDIOS DE FLORESCIMENTO E4 10 a 12 folhas • Todas as folhas estão completamente desenvolvidas, com exceção das últimas três ou quatro. Fonte: Corteva Agrisciense, 2022. Fonte: Ana Flávia, 2021. • Rápido crescimento do colmo.
  • 14. 14 ESTÁDIOS FENOLÓGICOS ESTÁDIOS DE FLORESCIMENTO E5 Emborrachamento • Recomendável a terceira aplicação nitrogenada. Fonte: Corteva Agrisciense, 2022. Fonte: Ana Flávia, 2021. • Todas as folhas estão completamente desenvolvidas, resultando na máxima área foliar; • A panícula alcança seu tamanho máxima dentro da bainha;
  • 15. 15 ESTÁDIOS FENOLÓGICOS ESTÁDIOS DE FLORESCIMENTO E6 Florescimento • 50% de floração Fonte: Corteva Agrisciense, 2022. Fonte: Ana Flávia, 2021.
  • 16. 16 ESTÁDIOS FENOLÓGICOS ESTÁDIOS ENCHIMENTO DE GRÃOS E7 Grão leitoso • Cerca de 50% da matéria seca do grão foi acumulada. • O peso do colmo diminuiu. Fonte: Corteva Agrisciense, 2022. Fonte: Ana Flávia, 2021.
  • 17. 17 ESTÁDIOS FENOLÓGICOS ESTÁDIOS ENCHIMENTO DE GRÃOS E8 Grão pastoso/duro • Cerca de 3/4 da matéria seca do grão foi acumulada. Fonte: Corteva Agrisciense, 2022. Fonte: Ana Flávia, 2021.
  • 18. 18 ESTÁDIOS FENOLÓGICOS ESTÁDIOS ENCHIMENTO DE GRÃOS E9 Camada preta • Recomendável o uso de dessecante, sendo uma alternativa para acelerar a colheita. Grão maduro Maturidade Fisiológica Fonte: Corteva Agrisciense, 2022. Fonte: Corteva Agrisciense, 2022. Fonte: Ana Flávia, 2021.
  • 19. 19 DINÂMICA E3 Diferenciação do ponto de crescimento Grão pastoso/duro E8 Maturidade Fisiológica E9
  • 21. 21 • Originário da África e Índia; • Pennisetum glaucum ssp; • Pertencente à família Poaceae; • Metabolismo C4; • Capacidade de produção em condições adversas; • Superior ao milho em proteína. CARACTERÍSTICAS DO MILHETO Fonte: Nutrinews, 2022.
  • 22. 22 • Folhas: - Longas, lisas ou de superfície pilosa; - Formato lanceolado; - Comprimento 90-100 cm; - Largura entre 5- 8 cm. MORFOLOGIA Fonte: dreamstime, 2022.
  • 23. 23 • Raízes: - Raízes típicas de monocotiledôneas; - Apenas uma raiz seminal; - Podem chegar até 5m de profundidade. MORFOLOGIA Fonte: dreamstime, 2022.
  • 24. 24 • Colmo: - Densamente lisos, normalmente entre 1-2 cm de espessura; - Podem apresentar ramificações secundárias e terciárias; - Perfilhamento pode ser primário, basal, secundário ou nodal. MORFOLOGIA Fonte: dreamstime, 2022
  • 25. 25 • Panícula e frutos: - Panícula apresenta 2-3 cm de diâmetro e 15-45 cm de comprimento; - Cariopse pesam de 3-15g. MORFOLOGIA Fonte: dreamstime, 2022.
  • 27. 27 FENOLOGIA Ciclo do Milheto Fase de crescimento 1 (FC1) Enchimento de grãos Formação da Panícula Vegetativo Fase de crescimento 3 (FC3) Fase de crescimento 2 (FC2)
  • 30. 30 • Recomendação de adubação: - EM ED0: adubação NPK se necessário; -A falta de N na semeadura atrasa levemente o tempo de florescimento; • Milheto para forragem (pastejo ou silagem) : - Além da aplicação de N em ED0, recomenda-se a aplicação de cobertura no início do perfilhamento. • Em ED5: A aplicação de N, causa maior taxa de produção de espigueta. ESTÁDIOS FENOLÓGICOS
  • 32. 32 EXIGÊNCIA HÍDRICA O sorgo/milheto tem uma menor exigência hídrica comparado aos outros cereais. O sorgo necessita no seu ciclo em média 350 mm de água O milheto é até 35% mais eficiente que o sorgo no uso de água. Fonte: Embrapa, 2018. O milheto necessita em média 300 ml de água para cada grama de matéria seca.
  • 34. 34 EXIGÊNCIA CLIMÁTICA Fonte: Ana Flávia, 2022. Temperatura ótima Sorgo : 33-34 °C; Temperatura ótima Milheto: 20-35°C . Fonte: Aegro, 2019.
  • 35. 35 • Fotoperíodo; - O sorgo/milheto são plantas de dia curto. EXIGÊNCIA CLIMÁTICA Plantas de dia curto Fonte: ResearchGate, 2022.
  • 37. 37 - Plantas com metabolismo C4. FISIOLOGIA DO SORGO E MILHETO Fonte: Kerbauy, 2004. Fonte: Kerbauy, 2004.
  • 39. 39 • Auxinas: - Contribuição para o crescimento; - Ácido-3-Indolacético (AIA); - Alongamento celular; - Dominância apical; - Hormônio fotofóbico. PRINCIPAIS HORMÔNIOS Fonte: Ana Flávia, 2022.
  • 40. 40 • Giberelina: - Ácido giberélico; - Induz a germinação; - Induz o crescimento e o desenvolvimento da planta; - Faz parte do processo de floração. PRINCIPAIS HORMÔNIOS Fonte: Ana Flávia, 2022.
  • 41. 41 • Citocininas: - Esta ligada ao processo de divisão celular; - Função: multiplicação celular; - Diferenciação de brotos; - Evita a senescência da planta. PRINCIPAIS HORMÔNIOS Fonte: mundo educação, 2019.
  • 42. 42 • Ácido abscísico (ABA): - Função: inibe o crescimento da planta; - Dormência das sementes e gemas; - Fechamento estomático; - ABA não promove abscisão. PRINCIPAIS HORMÔNIOS Fonte: Preparaenem, 2021.
  • 43. 43 • Etileno: - Hormônio gasoso; - Amadurecimento dos grãos; - Estimula a degradação da clorofila; - Senescência. PRINCIPAIS HORMÔNIOS Fonte: Ana Flávia, 2022.
  • 45. 45 • Temperaturas (<10 oC), causam no sorgo: - Redução na área foliar; - Perfilhamento; - Altura; - Atraso na data de floração; - Desenvolvimento da panícula. • O desenvolvimento dos grãos podem ocorrer até com a temperatura de 40 °C a 43°C, 15 a 30% de umidade relativa. ECOFISIOLOGIA
  • 46. 46 • Temperaturas (entre 13-16°), causam no milheto: - Aparecimento de folhas estéreis; - Baixa produtividade. ECOFISIOLOGIA
  • 48. 48 • Umidade ideal para colheita de grãos: - 12 a 14%; • Silagem matéria seca: 30% • Cobertura: altura 1,5 m; • Estádio fenológico: - E9 (maturidade fisiológica); • Sendo necessário o uso de dessecantes; • Colheita mecanizada: - É usado a mesma colhedora e plataforma da cultura da soja. COLHEITA SORGO Fonte: Notícias agrícolas, 2021.
  • 49. 49 • Umidade ideal para colheita dos grãos: - 19 e 22%. • Estádio fenológico: ED9; - Sendo necessário o uso de dessecantes. • Colheita mecanizada: - É usado a mesma colhedora e plataforma da cultura da soja com as devidas regulagens necessárias. COLHEITA MILHETO Fonte: Massey Ferguson, 2017.
  • 50. Entre em contato conosco: geagraufg.wordpress.com geagracontato@gmail.com GEAGRA UFG @geagraufg UNINDO CONHECIMENTO EM PROL DA AGRICULTURA! FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO SORGO E MILHETO marlisonalves@discente.ufg.br