SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 48
Baixar para ler offline
GUYLHERME HENRIQUE CORDEIRO SILVA
SIQUEIRA
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA
CULTURA DA SOJA
2
• Estrutura da planta;
• Hormônios;
• Exigência hídrica;
• Exigência climática;
• Relação fonte-dreno;
• Estádios fenológicos.
Sumário
Fonte: CANVA, acesso 2022
3
• Estrutura aérea parte 1;
• Estrutura aérea parte 2;
• Raízes e nodulos pivotantes.
Estrutura da planta
Folha unifoliada
Trifólio
Gema apical
Cáule
Fonte: thumbs.dreamstime, acesso 2022
4
• Estrutura aérea parte 1;
• Estrutura aérea parte 2;
• Raízes e nodulos pivotantes.
Estrutura da planta
Grão
Vagem
cotilédone
Flores
Fonte: AgroLink, acesso 2022
Fonte: Canva, acesso 2022
Fonte: MaisSoja, acesso 2022
5
• Estrutura aérea parte 1;
• Estrutura aérea parte 2;
• Raízes e nodulos pivotantes.
Estrutura da planta
Raíz principal
Raízes laterais
Nódulos ativos
Fonte: Static. Biologia, acesso 2022
6
Hormônios
Fonte: GEAGRA, 2021
• Auxinas;
• Existem 6 tipos;
• Crescimento de caule e raizes;
• Ápice do caule, folhas jovens, sementes.
7
Hormônios
Fonte: CANVA, acesso 2022
• Etileno;
• Existem 2 tipos;
• Amadurecimento de frutos;
• Técidos de frutos e nódulos foliares.
8
Hormônios
Fonte: GEAGRA, 2021
• Giberelinas;
• Germinação de sementes;
• Folhas jovens, raízes e embrião.
9
Hormônios
Fonte: Mais Soja, acesso 2022
• Citocininas;
• Existem 6 tipos;
• Estimula divisão celular;
• Raízes;
10
Hormônios
Fonte: CANVA, acesso 2022
• Ácido Abscísico;
• Inibição do crescimento das
gemas apicais;
• Caule e folhas velhas.
11
• A soja necessita de 450 a 800 mm de água durante todo o seu ciclo;
• Variação de acordo com a cultivar;
• Necessidade em cada estádio.
Exigência hídrica
Fonte: CANVA, acesso 2022
12
• A soja necessita de 450 a 800 mm de água durante todo o seu ciclo;
• Variação de acordo com a cultivar;
• Necessidade em cada estádio.
Exigência hídrica
Dados: Professor Edemar Moro UNOESTE, 2020
13
Exigência climática
Fonte: CANVA, acesso 2022
• Melhor faixa de adaptação
entre 20°c e 30°c;
• Região edafoclimática;
• Fotoperiodo.
14
• Melhor faixa de adaptação
entre 20°c e 30°c;
• Região edafoclimática;
• Fotoperiodo.
Exigência climática
Fonte: Fundação Meridional, acesso 2022
15
Exigência climática
Fonte: Researchgate 2009
• Melhor faixa de adaptação
entre 20°c e 30°c;
• Região edafoclimática;
• Fotoperiodo.
16
• Fontes;
• Drenos;
• Relação;
• Ciclo C3.
Relação fonte dreno e ciclo C3
Fonte: CANVA, acesso 2022
Fonte: Static. Biologia, acesso 2022
Fonte: thumbs.dreamstime, acesso
2022
Fonte: CANVA, acesso 2022
17
• Fontes;
• Drenos;
• Relação;
• Ciclo C3.
Relação fonte dreno e ciclo C3
Fonte
Fonte
Dreno
Dreno
Dreno
Xilema
Floema
Elaboração: Guylherme H Cordeiro
18
• Fonte;
• Dreno;
• Relação;
• Ciclo C3.
Relação fonte dreno e ciclo C3
Fonte: Wikipedia, acesso 2022
19
• Emergência;
• Profundidade;
• Doenças;
• Insetos;
• Temperatura do solo.
Estádios fenológicos
20
• Emergência ;
• Profundidade;
• Doenças;
• Insetos;
• Temperatura do solo.
Estádios fenológicos
Fonte: Aegro, acesso 2022
21
• Emergencia;
• Profundidade;
• Doenças;
• Insetos;
• Temperatura do solo.
Estádios fenológicos
Fonte: iStock, acesso 2022
Fonte: pioneersementes, acesso 2022
Fonte: agricultura.rs, acesso 2022
22
Estádios fenológicos
• Cotiledonar;
• Estudar em um controle de daninhas;
• Verificar estande.
23
• Cotiledonar;
• Estudar em um controle de daninhas;
• Verificar estande.
Estádios fenológicos
Fonte: GEAGRA, 2021
Fonte: GEAGRA, 2021
24
• Primeiro trifólio;
• Insetos;
• Doenças.
Estádios fenológicos
25
• Segundo trifólio;
• Verificar nodulação;
• Não aplicar altas doses de N;
Estádios fenológicos
26
• Segundo trifólio;
• Verificar nodulação;
• Não aplicar altas doses de N;
Estádios fenológicos
Fonte: blogspot, acesso 2022
Fonte: revista campo e negocios, acesso 2022
27
• Estádios até o reprodutivo;
• Habito de crescimento determinado;
• Habito de crescimento indeterminado.
Estádios fenológicos
LG 60174 IPRO BRS 232 96R90IPRO232
28
• Estádios até o reprodutivo;
• Habito de crescimento determinado;
• Habito de crescimento indeterminado.
Estádios fenológicos
LG 60174 IPRO BRS 232 96R90IPRO232
29
• Estádios até o reprodutivo;
• Habito de crescimento determinado;
• Habito de crescimento indeterminado;
Estádios fenológicos
LG 60174 IPRO BRS 232 96R90IPRO232
30
• Início do florescimento;
• Atenção aos insetos;
• Aplicações de fungicidas.
Estádios fenológicos
31
• Início do florescimento;
• Atenção aos insetos;
• Aplicações de fungicidas.
Estádios fenológicos
4x no vegetativo
2x no vegetativo
Nível de controle
Nível de controle
Fonte: mediasyg, acesso 2022
Fonte: pragas.wp, acesso 2022
32
• Início do florescimento;
• Atenção aos insetos;
• Aplicações de fungicidas.
Estádios fenológicos
33
• Florescimento pleno;
• Atenção aos insetos;
• Aplicações de fungicidas.
Estádios fenológicos
Fonte: nação agro, acesso 2022
34
• Florescimento pleno;
• Atenção aos insetos;
• Aplicações de fungicidas.
Estádios fenológicos
35
• Início da formação de vagens;
• Identificar estresse hídrico.
Estádios fenológicos
Fonte: O presente rural, acesso 2022
36
• Vagens completamente desenvolvidas;
• +50% do N absorvido;
• Demanda hidrica acentuada.
Estádios fenológicos
37
• Início do enchimento de grãos;
• Fim do crescimento vegetativo
em cultivares de ciclo indeterminado.
Estádios fenológicos
R5.3 R5.4 R5.5 R6
R5.2
R5.1
38
• Grão cheio;
• Alerta com as DFCs.
Estádios fenológicos
39
• Grão cheio;
• Alerta com as DFCs.
Estádios fenológicos
Fonte: blogspot, acesso 2022
40
• Início da maturação;
• Preparo para a colheita;
• Síndrome da haste verde.
Estádios fenológicos
41
• Início da maturação;
• Preparo para a colheita;
• Síndrome da haste verde.
Estádios fenológicos
42
• Início da maturação;
• Preparo para a colheita;
• Síndrome da haste verde.
Estádios fenológicos
Fonte:
Mais
Soja,
acesso
2022
Fonte:
Mais
Soja,
acesso
2022
43
• Maturação plena;
• 95% das vagens maduras;
• Operação de colheita.
Estádios fenológicos
44
• Maturação plena;
• 95% das vagens maduras;
• Operação de colheita.
Estádios fenológicos
Fonte: Compre Rural, acesso 2022
45
• Maturação plena;
• 95% das vagens maduras;
• Operação de colheita.
Estádios fenológicos
Fonte: MF rural, acesso 2022
46
47
Entre em contato conosco:
www.geagra.com
geagracontato@gmail.com
GEAGRA UFG
@geagraufg
UNINDO CONHECIMENTO EM PROL DA AGRICULTURA!
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
henrique.guylherme@discente.ufg.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milhoFenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milhoGeagra UFG
 
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRONUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIROGeagra UFG
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIROFENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIROGeagra UFG
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoGeagra UFG
 
Manejo de plantio do algodão.
Manejo de plantio do algodão.Manejo de plantio do algodão.
Manejo de plantio do algodão.Geagra UFG
 
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDASMECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDASGeagra UFG
 
Grupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Grupo de Maturação e Posicionamento de CultivaresGrupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Grupo de Maturação e Posicionamento de CultivaresGeagra UFG
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAINTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAGeagra UFG
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoKiller Max
 
Mecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidasMecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidasGeagra UFG
 
Mecanismo de Ação dos Fungicidas .pptx
Mecanismo de Ação dos Fungicidas .pptxMecanismo de Ação dos Fungicidas .pptx
Mecanismo de Ação dos Fungicidas .pptxGeagra UFG
 
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no MilhoManejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no MilhoGeagra UFG
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseGeagra UFG
 
Biotecnologia do algodoeiro.
Biotecnologia do algodoeiro.Biotecnologia do algodoeiro.
Biotecnologia do algodoeiro.Geagra UFG
 
Biotecnologias e posicionamento de cultivares de soja
Biotecnologias e posicionamento de cultivares de soja Biotecnologias e posicionamento de cultivares de soja
Biotecnologias e posicionamento de cultivares de soja Geagra UFG
 
Nutrição e adubação do algodoeiro
Nutrição e adubação do algodoeiroNutrição e adubação do algodoeiro
Nutrição e adubação do algodoeiroGeagra UFG
 
Posicionamento de inseticidas na cultura da soja
Posicionamento de inseticidas na cultura da sojaPosicionamento de inseticidas na cultura da soja
Posicionamento de inseticidas na cultura da sojaGeagra UFG
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO Geagra UFG
 
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.Geagra UFG
 
Adubação de Cobertura e Foliar
Adubação de Cobertura e FoliarAdubação de Cobertura e Foliar
Adubação de Cobertura e FoliarGeagra UFG
 

Mais procurados (20)

Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milhoFenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
 
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRONUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIROFENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodão
 
Manejo de plantio do algodão.
Manejo de plantio do algodão.Manejo de plantio do algodão.
Manejo de plantio do algodão.
 
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDASMECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
 
Grupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Grupo de Maturação e Posicionamento de CultivaresGrupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Grupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAINTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
 
Mecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidasMecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidas
 
Mecanismo de Ação dos Fungicidas .pptx
Mecanismo de Ação dos Fungicidas .pptxMecanismo de Ação dos Fungicidas .pptx
Mecanismo de Ação dos Fungicidas .pptx
 
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no MilhoManejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
 
Biotecnologia do algodoeiro.
Biotecnologia do algodoeiro.Biotecnologia do algodoeiro.
Biotecnologia do algodoeiro.
 
Biotecnologias e posicionamento de cultivares de soja
Biotecnologias e posicionamento de cultivares de soja Biotecnologias e posicionamento de cultivares de soja
Biotecnologias e posicionamento de cultivares de soja
 
Nutrição e adubação do algodoeiro
Nutrição e adubação do algodoeiroNutrição e adubação do algodoeiro
Nutrição e adubação do algodoeiro
 
Posicionamento de inseticidas na cultura da soja
Posicionamento de inseticidas na cultura da sojaPosicionamento de inseticidas na cultura da soja
Posicionamento de inseticidas na cultura da soja
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
 
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
 
Adubação de Cobertura e Foliar
Adubação de Cobertura e FoliarAdubação de Cobertura e Foliar
Adubação de Cobertura e Foliar
 

Semelhante a Soja estrutura,hormônios,exigências,estádios

Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Geagra UFG
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxGeagra UFG
 
CANA DE AÇÚCAR Plantio à Colheita
CANA DE AÇÚCAR Plantio à ColheitaCANA DE AÇÚCAR Plantio à Colheita
CANA DE AÇÚCAR Plantio à ColheitaGETA - UFG
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxFENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxGeagra UFG
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxFENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxGeagra UFG
 
Plantas de cobertura
Plantas de coberturaPlantas de cobertura
Plantas de coberturaGeagra UFG
 
Manejo de doenças no sorgo e milheto
Manejo de doenças no sorgo e milhetoManejo de doenças no sorgo e milheto
Manejo de doenças no sorgo e milhetoGeagra UFG
 
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e MilhetoFenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e MilhetoGeagra UFG
 

Semelhante a Soja estrutura,hormônios,exigências,estádios (8)

Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
 
CANA DE AÇÚCAR Plantio à Colheita
CANA DE AÇÚCAR Plantio à ColheitaCANA DE AÇÚCAR Plantio à Colheita
CANA DE AÇÚCAR Plantio à Colheita
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxFENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxFENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
 
Plantas de cobertura
Plantas de coberturaPlantas de cobertura
Plantas de cobertura
 
Manejo de doenças no sorgo e milheto
Manejo de doenças no sorgo e milhetoManejo de doenças no sorgo e milheto
Manejo de doenças no sorgo e milheto
 
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e MilhetoFenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
 

Mais de Geagra UFG

Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxGeagra UFG
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfGeagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxGeagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxGeagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaGeagra UFG
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoGeagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaGeagra UFG
 
Correção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaCorreção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaGeagra UFG
 
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptxSLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptxGeagra UFG
 
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA Geagra UFG
 
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil. Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil. Geagra UFG
 
Colheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milhoColheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milhoGeagra UFG
 
Mecanismo de ação de fungicidas
Mecanismo de ação de fungicidasMecanismo de ação de fungicidas
Mecanismo de ação de fungicidasGeagra UFG
 
Manejo de Cigarrinha-do-milho
Manejo de Cigarrinha-do-milhoManejo de Cigarrinha-do-milho
Manejo de Cigarrinha-do-milhoGeagra UFG
 
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milhoManejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milhoGeagra UFG
 
Mecanismo de ação de inseticidas
Mecanismo de ação de inseticidasMecanismo de ação de inseticidas
Mecanismo de ação de inseticidasGeagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO.pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO.pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO.pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO.pptxGeagra UFG
 

Mais de Geagra UFG (20)

Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
Correção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaCorreção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na soja
 
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptxSLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
 
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
 
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil. Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
 
Colheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milhoColheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milho
 
Mecanismo de ação de fungicidas
Mecanismo de ação de fungicidasMecanismo de ação de fungicidas
Mecanismo de ação de fungicidas
 
Manejo de Cigarrinha-do-milho
Manejo de Cigarrinha-do-milhoManejo de Cigarrinha-do-milho
Manejo de Cigarrinha-do-milho
 
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milhoManejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
 
Mecanismo de ação de inseticidas
Mecanismo de ação de inseticidasMecanismo de ação de inseticidas
Mecanismo de ação de inseticidas
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO.pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO.pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO.pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO.pptx
 

Soja estrutura,hormônios,exigências,estádios

  • 1. GUYLHERME HENRIQUE CORDEIRO SILVA SIQUEIRA FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
  • 2. 2 • Estrutura da planta; • Hormônios; • Exigência hídrica; • Exigência climática; • Relação fonte-dreno; • Estádios fenológicos. Sumário Fonte: CANVA, acesso 2022
  • 3. 3 • Estrutura aérea parte 1; • Estrutura aérea parte 2; • Raízes e nodulos pivotantes. Estrutura da planta Folha unifoliada Trifólio Gema apical Cáule Fonte: thumbs.dreamstime, acesso 2022
  • 4. 4 • Estrutura aérea parte 1; • Estrutura aérea parte 2; • Raízes e nodulos pivotantes. Estrutura da planta Grão Vagem cotilédone Flores Fonte: AgroLink, acesso 2022 Fonte: Canva, acesso 2022 Fonte: MaisSoja, acesso 2022
  • 5. 5 • Estrutura aérea parte 1; • Estrutura aérea parte 2; • Raízes e nodulos pivotantes. Estrutura da planta Raíz principal Raízes laterais Nódulos ativos Fonte: Static. Biologia, acesso 2022
  • 6. 6 Hormônios Fonte: GEAGRA, 2021 • Auxinas; • Existem 6 tipos; • Crescimento de caule e raizes; • Ápice do caule, folhas jovens, sementes.
  • 7. 7 Hormônios Fonte: CANVA, acesso 2022 • Etileno; • Existem 2 tipos; • Amadurecimento de frutos; • Técidos de frutos e nódulos foliares.
  • 8. 8 Hormônios Fonte: GEAGRA, 2021 • Giberelinas; • Germinação de sementes; • Folhas jovens, raízes e embrião.
  • 9. 9 Hormônios Fonte: Mais Soja, acesso 2022 • Citocininas; • Existem 6 tipos; • Estimula divisão celular; • Raízes;
  • 10. 10 Hormônios Fonte: CANVA, acesso 2022 • Ácido Abscísico; • Inibição do crescimento das gemas apicais; • Caule e folhas velhas.
  • 11. 11 • A soja necessita de 450 a 800 mm de água durante todo o seu ciclo; • Variação de acordo com a cultivar; • Necessidade em cada estádio. Exigência hídrica Fonte: CANVA, acesso 2022
  • 12. 12 • A soja necessita de 450 a 800 mm de água durante todo o seu ciclo; • Variação de acordo com a cultivar; • Necessidade em cada estádio. Exigência hídrica Dados: Professor Edemar Moro UNOESTE, 2020
  • 13. 13 Exigência climática Fonte: CANVA, acesso 2022 • Melhor faixa de adaptação entre 20°c e 30°c; • Região edafoclimática; • Fotoperiodo.
  • 14. 14 • Melhor faixa de adaptação entre 20°c e 30°c; • Região edafoclimática; • Fotoperiodo. Exigência climática Fonte: Fundação Meridional, acesso 2022
  • 15. 15 Exigência climática Fonte: Researchgate 2009 • Melhor faixa de adaptação entre 20°c e 30°c; • Região edafoclimática; • Fotoperiodo.
  • 16. 16 • Fontes; • Drenos; • Relação; • Ciclo C3. Relação fonte dreno e ciclo C3 Fonte: CANVA, acesso 2022 Fonte: Static. Biologia, acesso 2022 Fonte: thumbs.dreamstime, acesso 2022 Fonte: CANVA, acesso 2022
  • 17. 17 • Fontes; • Drenos; • Relação; • Ciclo C3. Relação fonte dreno e ciclo C3 Fonte Fonte Dreno Dreno Dreno Xilema Floema Elaboração: Guylherme H Cordeiro
  • 18. 18 • Fonte; • Dreno; • Relação; • Ciclo C3. Relação fonte dreno e ciclo C3 Fonte: Wikipedia, acesso 2022
  • 19. 19 • Emergência; • Profundidade; • Doenças; • Insetos; • Temperatura do solo. Estádios fenológicos
  • 20. 20 • Emergência ; • Profundidade; • Doenças; • Insetos; • Temperatura do solo. Estádios fenológicos Fonte: Aegro, acesso 2022
  • 21. 21 • Emergencia; • Profundidade; • Doenças; • Insetos; • Temperatura do solo. Estádios fenológicos Fonte: iStock, acesso 2022 Fonte: pioneersementes, acesso 2022 Fonte: agricultura.rs, acesso 2022
  • 22. 22 Estádios fenológicos • Cotiledonar; • Estudar em um controle de daninhas; • Verificar estande.
  • 23. 23 • Cotiledonar; • Estudar em um controle de daninhas; • Verificar estande. Estádios fenológicos Fonte: GEAGRA, 2021 Fonte: GEAGRA, 2021
  • 24. 24 • Primeiro trifólio; • Insetos; • Doenças. Estádios fenológicos
  • 25. 25 • Segundo trifólio; • Verificar nodulação; • Não aplicar altas doses de N; Estádios fenológicos
  • 26. 26 • Segundo trifólio; • Verificar nodulação; • Não aplicar altas doses de N; Estádios fenológicos Fonte: blogspot, acesso 2022 Fonte: revista campo e negocios, acesso 2022
  • 27. 27 • Estádios até o reprodutivo; • Habito de crescimento determinado; • Habito de crescimento indeterminado. Estádios fenológicos LG 60174 IPRO BRS 232 96R90IPRO232
  • 28. 28 • Estádios até o reprodutivo; • Habito de crescimento determinado; • Habito de crescimento indeterminado. Estádios fenológicos LG 60174 IPRO BRS 232 96R90IPRO232
  • 29. 29 • Estádios até o reprodutivo; • Habito de crescimento determinado; • Habito de crescimento indeterminado; Estádios fenológicos LG 60174 IPRO BRS 232 96R90IPRO232
  • 30. 30 • Início do florescimento; • Atenção aos insetos; • Aplicações de fungicidas. Estádios fenológicos
  • 31. 31 • Início do florescimento; • Atenção aos insetos; • Aplicações de fungicidas. Estádios fenológicos 4x no vegetativo 2x no vegetativo Nível de controle Nível de controle Fonte: mediasyg, acesso 2022 Fonte: pragas.wp, acesso 2022
  • 32. 32 • Início do florescimento; • Atenção aos insetos; • Aplicações de fungicidas. Estádios fenológicos
  • 33. 33 • Florescimento pleno; • Atenção aos insetos; • Aplicações de fungicidas. Estádios fenológicos Fonte: nação agro, acesso 2022
  • 34. 34 • Florescimento pleno; • Atenção aos insetos; • Aplicações de fungicidas. Estádios fenológicos
  • 35. 35 • Início da formação de vagens; • Identificar estresse hídrico. Estádios fenológicos Fonte: O presente rural, acesso 2022
  • 36. 36 • Vagens completamente desenvolvidas; • +50% do N absorvido; • Demanda hidrica acentuada. Estádios fenológicos
  • 37. 37 • Início do enchimento de grãos; • Fim do crescimento vegetativo em cultivares de ciclo indeterminado. Estádios fenológicos R5.3 R5.4 R5.5 R6 R5.2 R5.1
  • 38. 38 • Grão cheio; • Alerta com as DFCs. Estádios fenológicos
  • 39. 39 • Grão cheio; • Alerta com as DFCs. Estádios fenológicos Fonte: blogspot, acesso 2022
  • 40. 40 • Início da maturação; • Preparo para a colheita; • Síndrome da haste verde. Estádios fenológicos
  • 41. 41 • Início da maturação; • Preparo para a colheita; • Síndrome da haste verde. Estádios fenológicos
  • 42. 42 • Início da maturação; • Preparo para a colheita; • Síndrome da haste verde. Estádios fenológicos Fonte: Mais Soja, acesso 2022 Fonte: Mais Soja, acesso 2022
  • 43. 43 • Maturação plena; • 95% das vagens maduras; • Operação de colheita. Estádios fenológicos
  • 44. 44 • Maturação plena; • 95% das vagens maduras; • Operação de colheita. Estádios fenológicos Fonte: Compre Rural, acesso 2022
  • 45. 45 • Maturação plena; • 95% das vagens maduras; • Operação de colheita. Estádios fenológicos Fonte: MF rural, acesso 2022
  • 46. 46
  • 47. 47
  • 48. Entre em contato conosco: www.geagra.com geagracontato@gmail.com GEAGRA UFG @geagraufg UNINDO CONHECIMENTO EM PROL DA AGRICULTURA! FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA CULTURA DA SOJA henrique.guylherme@discente.ufg.br