O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
Dormência de Sementes
Matéria Seca
da Planta
Sementes
ABA
Acúmulo de
Reservas
Seringueira
Dormência
• Dormência não é um defeito da semente
• Falta de germinação não é sinônimo de
dormência
• Dormência é ausência...
Dormência de Sementes
Fisiológico
Vantagens
Preservação da continuidade da
espécie;
Distribuição da germinação no
tempo;...
Dormência de Sementes
Desvantagens
Redução da percentagem de emergência;
Longos períodos para superação;
Longevidade de...
Fatores Genéticos Indução
Influência do ambiente de
maturação
Diferenças na germinabilidade
(heteroblastia)
Indução da Dor...
Afetada pelas
condições do
ambiente externo
Microambiente
imposto a semente
pela planta-mãe
Água;
Temperatura;
Fotoperí...
Dormência de Sementes
Germinabilidade
Efeito da temperatura sobre a manifestação da dormência em sementes de
cevada e de a...
Dormência de Sementes
Germinabilidade
Germinação de sementes de Chenopodium album, após a maturação sob
dias-longos e dias...
Dormência de Sementes
Germinabilidade
Efeitos da qualidade da luz durante a intensidade
da dormência de sementes de
Dormência de Sementes
Posição da Semente na Planta
Figura 8.2
Fonte: Carvalho;Nakagawa,2000
Tipos de Dormência
Dormência
Primária
Secundária
Dormência de Sementes
Gramíneas,
leguminosas
forrageiras,
trigo,cevada
So...
Tipos de Dormência
Dormência
Primária
Dormência
superada
Ciclos de
dormência
Dormência de Sementes
Germinação
Dormência
se...
Processos para quebra de dormência das
sementes:
• Escarificação química: método químico, feito geralmente com ácidos
(sul...
Calor
• Coletor solar - Superar dormência em TECA
(Tectona grandis)
• germinação normal:
– 25% a 35% no período de 10 a 90...
Diferentes tipos de escarificação
mecânica – Sesbania virgata
Buckeridge, 2008
Tratamentos recomendados para quebrar a
dormência das sementes em algumas espécies
arbóreas.
Instituto de Pesquisas e Estu...
OBRIGADA!
Unidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementes
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Unidade 05 dormência de sementes

2.228 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Unidade 05 dormência de sementes

  1. 1. Dormência de Sementes
  2. 2. Matéria Seca da Planta Sementes ABA Acúmulo de Reservas Seringueira
  3. 3. Dormência • Dormência não é um defeito da semente • Falta de germinação não é sinônimo de dormência • Dormência é ausência de germinação de uma semente intacta, viável, sob condições favoráveis, durante determinado período de tempo. Hilhorst, 1995
  4. 4. Dormência de Sementes Fisiológico Vantagens Preservação da continuidade da espécie; Distribuição da germinação no tempo; Adaptação da germinação às variações ambientais; Impede a germinação na planta- mãe.
  5. 5. Dormência de Sementes Desvantagens Redução da percentagem de emergência; Longos períodos para superação; Longevidade de plantas invasoras; Interferência no programa de plantio; Problemas na avaliação da qualidade da semente
  6. 6. Fatores Genéticos Indução Influência do ambiente de maturação Diferenças na germinabilidade (heteroblastia) Indução da Dormência Dormência de Sementes Moringa oleifera
  7. 7. Afetada pelas condições do ambiente externo Microambiente imposto a semente pela planta-mãe Água; Temperatura; Fotoperído/Luminosidade; Dormência de Sementes Germinabilidade
  8. 8. Dormência de Sementes Germinabilidade Efeito da temperatura sobre a manifestação da dormência em sementes de cevada e de alface (Bewley & Black, 1935)
  9. 9. Dormência de Sementes Germinabilidade Germinação de sementes de Chenopodium album, após a maturação sob dias-longos e dias curtos (Karssen, 1970)
  10. 10. Dormência de Sementes Germinabilidade Efeitos da qualidade da luz durante a intensidade da dormência de sementes de
  11. 11. Dormência de Sementes Posição da Semente na Planta Figura 8.2 Fonte: Carvalho;Nakagawa,2000
  12. 12. Tipos de Dormência Dormência Primária Secundária Dormência de Sementes Gramíneas, leguminosas forrageiras, trigo,cevada Sorgo Arroz
  13. 13. Tipos de Dormência Dormência Primária Dormência superada Ciclos de dormência Dormência de Sementes Germinação Dormência secundária
  14. 14. Processos para quebra de dormência das sementes: • Escarificação química: método químico, feito geralmente com ácidos (sulfúrico, clorídrico etc.), que possibilita os sementes executar trocas com o meio, água e/ou gases. • Escarificação mecânica: abrasão das sementes sobre uma superfície áspera (lixa, piso áspero etc). É utilizado para facilitar a absorção de água pela semente. • Estratificação: consiste num tratamento úmido à baixa temperatura, auxiliando as sementes na maturação do embrião, trocas gasosas e embebição por água. • Choque de temperatura: é feito com alternância de temperaturas variando em aproximadamente 20ºC, em períodos de 8 a 12 horas. • Água quente: é utilizado em sementes que apresentam impermeabilidade do tegumento e consiste em imersão das sementes em água na temperatura de 76 a 100ºC, com um tempo de tratamento específico para cada espécie. IPEF 2012
  15. 15. Calor • Coletor solar - Superar dormência em TECA (Tectona grandis) • germinação normal: – 25% a 35% no período de 10 a 90 dias • tratamento no coletor solar : – 80% ao final da segunda semana. Embrapa RO - 2008
  16. 16. Diferentes tipos de escarificação mecânica – Sesbania virgata Buckeridge, 2008
  17. 17. Tratamentos recomendados para quebrar a dormência das sementes em algumas espécies arbóreas. Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais – IPEF
  18. 18. OBRIGADA!

×