SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Podridões de órgãos de reserva 
Grupo:Antonio Augusto 
Jessica Cardoso 
Nubia Santos 
Thais Anselmo 
Rafael Martins
Introdução 
 Ocorrem em sementes,frutos e órgãos de reservas 
 Podendo ser secas(podridões duras)-tecidos atacados 
perdem água ,provocando a mumificação do órgãos 
 Moles(aquosa)-levam a decomposição total de órgãos 
suculentos. 
 Agentes causais: os fungos e bactérias saprófitas. 
 Podendo os órgãos de reserva ser contaminados no 
campo,antes ou durante a colheita,no transporte ou na 
estocagem.
 A ocorrem sobe condições de alta U.R e altas 
temperaturas 
 Podem ser interpretada de duas maneiras de acordo com 
sua importância. 
1. Ponto de vista botânico 
2. Econômico
Sintomatologia 
Podridão seca: 
 Manifestam-se na forma de deterioração do órgãos 
 A formação de micotoxinas 
 Além das sementes podem ocorrer em diversos tipos de 
frutos carnosos 
 Na fase inicial os sintomas manifestam-se em frutos 
maduros através de aparecimento de pequenas manchas 
circundadas por tecidos encharcado.
 Na fase mais avançada as manchas toma grande parte do 
fruto ou no fruto todo provocando a desidratação. 
Podridão Mole: 
 Esta associadas a orgãos suculentos, como: 
I. tubérculos(batata), 
II. frutos (tomate, pimentão,abobrinha,berinjela,mamão) 
III. Bulbos(cebola) e 
IV. Raízes(cenouras,mandiocas)
 Tem inicio com aparecimento de pequenas manchas de 
aspecto encharcado,deprimido e descolorido 
 Quando provocadas por fungos,nota-se uma massa 
cotonosa na superfície da lesão 
 Envolve produção de enzimas pectolíticas e toxinas por 
parte do patógeno desorganizando e matando os tecidos 
do hospedeiro. 
 Esta desorganização a nível celular corresponde as 
manchas encharcados. 
 Enquanto a morte da células revela-se na forma escurecida
Etiologia 
 Os fungos que causam as podridões pertencem a 
diferentes gêneros. 
 Entre os patógenos de sementes predominam os 
Deuteromicetos: Aspergillus , Penicillium , Fusarium, 
Alternarium, Diplodia e Cladosporium.
 são favorecidos quando o teor de umidade da semente esta 
em torno de 25%. 
 Podendo haver formação de diversas micotoxinas 
 As podridões moles de origem fúngicas podem ser do 
gêneros:Pinicillium e Botrytis
 Os mais típicos agentes causais da podridão 
aquosa:Rhizopus da classe dos Zigomicetos. 
 São considerados parasitas fracos 
 Apresentam alta capacidade saprofítica 
 Os principais agentes bacterianos de podridões pertencem 
ao gênero Erwinia destacando a especie Erwinia 
carotovora.
Ciclo da relação patógeno-hospedeiro 
 A uma sequencia de etapas leva ao desenvolvimento das 
doenças do tipo podridão 
 Podridão mole 
Eventos causando por fungos : 
 Tem inicio a partir de estruturas do patógeno presentes 
em órgão vegetais atacados
 Infecção- germinação dos aplanósporos 
 Colonização- hinfas 
 Reprodução do patógenos- através dos ferimentos
Podridões moles de causa bacteriana: 
 Tem semelhança com a fúngica com diferença apenas nos 
agentes causais 
 Sobrevivência – órgãos de reserva infectados 
 Disseminação – através de tratos culturais , colheita
 Infecção- através de ferimentos provocados por insetos 
 Reprodução- ocorre simultaneamente ao apodrecimento 
 Exala um odor fétido
Controle 
 Visam alterar os fatores ambientais que propiciam rápido 
desenvolvimento da doença e evitar a ocorrência de 
ferimentos 
 Deve ser iniciado no campo antes da colheita 
 Escolher terrenos com solo de boa drenagem 
 Promover rotação de cultura
 Fazer uso de espaçamento adequado 
 Aplicação de insumos agrícolas 
 Evitar contado do fruto com o solo 
 Durante a colheita evitar ferimentos nos produtos 
 No caso de raízes e tubérculos fazer uma secagem natural 
 A estocagem do produto deve ser feita em locais bem 
arejados.
 Quanto a podridão da semente recomenda-se a colhita 
quando as mesmas apresentarem um teor de umidade 
adequado. 
 É indicado também a pratica de fumigação
Doença tipo 
 Podridão seca(dura)-sementes: 
Milho 
Podridão dos grãos armazenados 
 Fungo:Aspergillus flavus 
 Ocorre com alternância de temperatura 
Fonte:google imagem
 Banana 
Moko 
 Doença bacteriana 
 Causadapor-Ralstonia solanacearum 
 veículo importante de transmissão são os insetos visitadores de 
inflorescências, tais como as abelhas , vespas, mosca das frutas 
Fonte:google imagem
 Podridão mole(aquosa)-frutas,tubérculos ,bulbos,raízes 
Tomate 
Podridão de esclerócio 
 Fungo - Sclerotium rolfsii 
 Maior incidência em períodos quentes(30 a 35°) e chuvosos 
Fonte:google imagem
Cenoura 
Podridão das raízes 
 Bactéria-Erwinia carotovora 
 expandem sob condições de altas temperatura e umidade 
Fonte:google imagem
Morango 
 Fungo-Rhizopus stolonifer 
 Tem inicio quando os plasnósporos caem sobre o fruto 
 Expande com altas temperaturas e alta umidade 
Fonte:google imagem
Fonte:google imagem
Referencias 
 Embrapa, sistema de produção 2 
Disponível em :http://www.cnph.embrapa.br/sistprod/cenoura/autores.htm. 
Acesso:07abr2012 
 Frutas Brasil.9 de jun-2009.Disponível 
em:http://www.cnph.embrapa.br/sistprod/cenoura/autores.htm 
Acesso:06abr 2012 
 Agrolink. Dispoíivel 
em:http://www.agrolink.com.br/culturas/milho/ProblemaDetalhe.aspx?p= 
2137 
 Manual de fitopatologia.Filho.A.B et al.Editora Agronômica Ceres Ltda.São 
Paulo-SP 1995.
OBRIGADO!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja
Geagra UFG
 
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDASMECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
Geagra UFG
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
Geagra UFG
 
Fungos fitopatogenicos
Fungos fitopatogenicosFungos fitopatogenicos
Fungos fitopatogenicos
Rogger Wins
 
Movimentação de vírus em plantas
Movimentação de vírus em plantasMovimentação de vírus em plantas
Movimentação de vírus em plantas
Marcelo Feitosa
 
Virus como agentes de doencas de plantas em pdf
Virus como agentes de doencas de plantas em pdfVirus como agentes de doencas de plantas em pdf
Virus como agentes de doencas de plantas em pdf
Rogger Wins
 

Mais procurados (20)

FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
 
Fiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementesFiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementes
 
Banana Doenças
Banana DoençasBanana Doenças
Banana Doenças
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
 
Seminario doenças pós colheita
Seminario doenças pós colheitaSeminario doenças pós colheita
Seminario doenças pós colheita
 
Fitopatologia estudo de fungos
Fitopatologia estudo de fungosFitopatologia estudo de fungos
Fitopatologia estudo de fungos
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja
 
Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da soja
 
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDASMECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
 
Manual de identificacao das doencas da soja
Manual de identificacao das doencas da sojaManual de identificacao das doencas da soja
Manual de identificacao das doencas da soja
 
Fatores que dificultam ou impendem o desenvolvimento de plantas .
Fatores que dificultam ou impendem o desenvolvimento de plantas .Fatores que dificultam ou impendem o desenvolvimento de plantas .
Fatores que dificultam ou impendem o desenvolvimento de plantas .
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
 
Fungos fitopatogenicos
Fungos fitopatogenicosFungos fitopatogenicos
Fungos fitopatogenicos
 
Grupo 6 fitopatologia
Grupo 6 fitopatologiaGrupo 6 fitopatologia
Grupo 6 fitopatologia
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
 
Movimentação de vírus em plantas
Movimentação de vírus em plantasMovimentação de vírus em plantas
Movimentação de vírus em plantas
 
Mecanismo de ação de fungicidas
Mecanismo de ação de fungicidasMecanismo de ação de fungicidas
Mecanismo de ação de fungicidas
 
Virus como agentes de doencas de plantas em pdf
Virus como agentes de doencas de plantas em pdfVirus como agentes de doencas de plantas em pdf
Virus como agentes de doencas de plantas em pdf
 
Pragas da cana
Pragas da canaPragas da cana
Pragas da cana
 

Destaque

Brassinosteroides poliaminas acido jasmonico e acido salicilico
Brassinosteroides poliaminas acido jasmonico e acido salicilicoBrassinosteroides poliaminas acido jasmonico e acido salicilico
Brassinosteroides poliaminas acido jasmonico e acido salicilico
Jociane Melo
 

Destaque (8)

Poluiçao
PoluiçaoPoluiçao
Poluiçao
 
Slide tanielia - acido jasmonico
Slide  tanielia - acido jasmonicoSlide  tanielia - acido jasmonico
Slide tanielia - acido jasmonico
 
Brassinosteroides poliaminas acido jasmonico e acido salicilico
Brassinosteroides poliaminas acido jasmonico e acido salicilicoBrassinosteroides poliaminas acido jasmonico e acido salicilico
Brassinosteroides poliaminas acido jasmonico e acido salicilico
 
Trabalho Brassinosteroides
Trabalho BrassinosteroidesTrabalho Brassinosteroides
Trabalho Brassinosteroides
 
Pessegueiro
PessegueiroPessegueiro
Pessegueiro
 
Produção de sementes hibridas de milho
Produção de sementes hibridas de milhoProdução de sementes hibridas de milho
Produção de sementes hibridas de milho
 
Sistemas agroflorestais
Sistemas agroflorestaisSistemas agroflorestais
Sistemas agroflorestais
 
Instalações para eqüinos
Instalações para eqüinosInstalações para eqüinos
Instalações para eqüinos
 

Semelhante a Podridões de órgãos de reserva

Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
Isabella Silva
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
Isabella Silva
 
Aula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino FungiAula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino Fungi
Leonardo Kaplan
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
Isabella Silva
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
Isabella Silva
 
Avaliação parcial de biologia ii
Avaliação parcial de biologia iiAvaliação parcial de biologia ii
Avaliação parcial de biologia ii
Isabella Silva
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
Isabella Silva
 

Semelhante a Podridões de órgãos de reserva (20)

Plantas
PlantasPlantas
Plantas
 
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
 
Doenças tomateiro
Doenças tomateiroDoenças tomateiro
Doenças tomateiro
 
Reino dos fungos
Reino dos fungosReino dos fungos
Reino dos fungos
 
Doenças do tomate em estufa
Doenças do tomate em estufaDoenças do tomate em estufa
Doenças do tomate em estufa
 
Manejo Integrado de Doenças no Arroz
Manejo Integrado de Doenças no ArrozManejo Integrado de Doenças no Arroz
Manejo Integrado de Doenças no Arroz
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
 
Aula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino FungiAula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino Fungi
 
Fungos nas Plantas - Oídio e Míldio
Fungos nas Plantas - Oídio e MíldioFungos nas Plantas - Oídio e Míldio
Fungos nas Plantas - Oídio e Míldio
 
Ciperaceas.pptx
Ciperaceas.pptxCiperaceas.pptx
Ciperaceas.pptx
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
 
Reino plantae
Reino plantaeReino plantae
Reino plantae
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
 
Avaliação parcial de biologia ii
Avaliação parcial de biologia iiAvaliação parcial de biologia ii
Avaliação parcial de biologia ii
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
 
Doenças fúngicas na melancia
Doenças fúngicas na melancia Doenças fúngicas na melancia
Doenças fúngicas na melancia
 
Aula Micologia.pptx
Aula Micologia.pptxAula Micologia.pptx
Aula Micologia.pptx
 
manejo das principais doenças do tomate industrial
manejo das principais doenças do tomate industrialmanejo das principais doenças do tomate industrial
manejo das principais doenças do tomate industrial
 
Os Fungos
Os FungosOs Fungos
Os Fungos
 

Mais de UFVJM - Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (6)

Blackcurrant
BlackcurrantBlackcurrant
Blackcurrant
 
Propagação de plantas ornamentais
Propagação  de plantas ornamentaisPropagação  de plantas ornamentais
Propagação de plantas ornamentais
 
Aplicativo android –cálculo de fim de escala
Aplicativo android –cálculo de  fim de escalaAplicativo android –cálculo de  fim de escala
Aplicativo android –cálculo de fim de escala
 
Lutas e desafios quilombolas no brasil
Lutas e desafios quilombolas no brasilLutas e desafios quilombolas no brasil
Lutas e desafios quilombolas no brasil
 
Analise do mercado de citrus no utimos 4 anos e mercado futuro
Analise do mercado de citrus no utimos 4 anos e mercado  futuroAnalise do mercado de citrus no utimos 4 anos e mercado  futuro
Analise do mercado de citrus no utimos 4 anos e mercado futuro
 
Propagação de rosas
Propagação de rosasPropagação de rosas
Propagação de rosas
 

Podridões de órgãos de reserva

  • 1. Podridões de órgãos de reserva Grupo:Antonio Augusto Jessica Cardoso Nubia Santos Thais Anselmo Rafael Martins
  • 2. Introdução  Ocorrem em sementes,frutos e órgãos de reservas  Podendo ser secas(podridões duras)-tecidos atacados perdem água ,provocando a mumificação do órgãos  Moles(aquosa)-levam a decomposição total de órgãos suculentos.  Agentes causais: os fungos e bactérias saprófitas.  Podendo os órgãos de reserva ser contaminados no campo,antes ou durante a colheita,no transporte ou na estocagem.
  • 3.  A ocorrem sobe condições de alta U.R e altas temperaturas  Podem ser interpretada de duas maneiras de acordo com sua importância. 1. Ponto de vista botânico 2. Econômico
  • 4. Sintomatologia Podridão seca:  Manifestam-se na forma de deterioração do órgãos  A formação de micotoxinas  Além das sementes podem ocorrer em diversos tipos de frutos carnosos  Na fase inicial os sintomas manifestam-se em frutos maduros através de aparecimento de pequenas manchas circundadas por tecidos encharcado.
  • 5.  Na fase mais avançada as manchas toma grande parte do fruto ou no fruto todo provocando a desidratação. Podridão Mole:  Esta associadas a orgãos suculentos, como: I. tubérculos(batata), II. frutos (tomate, pimentão,abobrinha,berinjela,mamão) III. Bulbos(cebola) e IV. Raízes(cenouras,mandiocas)
  • 6.  Tem inicio com aparecimento de pequenas manchas de aspecto encharcado,deprimido e descolorido  Quando provocadas por fungos,nota-se uma massa cotonosa na superfície da lesão  Envolve produção de enzimas pectolíticas e toxinas por parte do patógeno desorganizando e matando os tecidos do hospedeiro.  Esta desorganização a nível celular corresponde as manchas encharcados.  Enquanto a morte da células revela-se na forma escurecida
  • 7. Etiologia  Os fungos que causam as podridões pertencem a diferentes gêneros.  Entre os patógenos de sementes predominam os Deuteromicetos: Aspergillus , Penicillium , Fusarium, Alternarium, Diplodia e Cladosporium.
  • 8.  são favorecidos quando o teor de umidade da semente esta em torno de 25%.  Podendo haver formação de diversas micotoxinas  As podridões moles de origem fúngicas podem ser do gêneros:Pinicillium e Botrytis
  • 9.  Os mais típicos agentes causais da podridão aquosa:Rhizopus da classe dos Zigomicetos.  São considerados parasitas fracos  Apresentam alta capacidade saprofítica  Os principais agentes bacterianos de podridões pertencem ao gênero Erwinia destacando a especie Erwinia carotovora.
  • 10. Ciclo da relação patógeno-hospedeiro  A uma sequencia de etapas leva ao desenvolvimento das doenças do tipo podridão  Podridão mole Eventos causando por fungos :  Tem inicio a partir de estruturas do patógeno presentes em órgão vegetais atacados
  • 11.  Infecção- germinação dos aplanósporos  Colonização- hinfas  Reprodução do patógenos- através dos ferimentos
  • 12. Podridões moles de causa bacteriana:  Tem semelhança com a fúngica com diferença apenas nos agentes causais  Sobrevivência – órgãos de reserva infectados  Disseminação – através de tratos culturais , colheita
  • 13.  Infecção- através de ferimentos provocados por insetos  Reprodução- ocorre simultaneamente ao apodrecimento  Exala um odor fétido
  • 14. Controle  Visam alterar os fatores ambientais que propiciam rápido desenvolvimento da doença e evitar a ocorrência de ferimentos  Deve ser iniciado no campo antes da colheita  Escolher terrenos com solo de boa drenagem  Promover rotação de cultura
  • 15.  Fazer uso de espaçamento adequado  Aplicação de insumos agrícolas  Evitar contado do fruto com o solo  Durante a colheita evitar ferimentos nos produtos  No caso de raízes e tubérculos fazer uma secagem natural  A estocagem do produto deve ser feita em locais bem arejados.
  • 16.  Quanto a podridão da semente recomenda-se a colhita quando as mesmas apresentarem um teor de umidade adequado.  É indicado também a pratica de fumigação
  • 17. Doença tipo  Podridão seca(dura)-sementes: Milho Podridão dos grãos armazenados  Fungo:Aspergillus flavus  Ocorre com alternância de temperatura Fonte:google imagem
  • 18.  Banana Moko  Doença bacteriana  Causadapor-Ralstonia solanacearum  veículo importante de transmissão são os insetos visitadores de inflorescências, tais como as abelhas , vespas, mosca das frutas Fonte:google imagem
  • 19.  Podridão mole(aquosa)-frutas,tubérculos ,bulbos,raízes Tomate Podridão de esclerócio  Fungo - Sclerotium rolfsii  Maior incidência em períodos quentes(30 a 35°) e chuvosos Fonte:google imagem
  • 20. Cenoura Podridão das raízes  Bactéria-Erwinia carotovora  expandem sob condições de altas temperatura e umidade Fonte:google imagem
  • 21. Morango  Fungo-Rhizopus stolonifer  Tem inicio quando os plasnósporos caem sobre o fruto  Expande com altas temperaturas e alta umidade Fonte:google imagem
  • 23. Referencias  Embrapa, sistema de produção 2 Disponível em :http://www.cnph.embrapa.br/sistprod/cenoura/autores.htm. Acesso:07abr2012  Frutas Brasil.9 de jun-2009.Disponível em:http://www.cnph.embrapa.br/sistprod/cenoura/autores.htm Acesso:06abr 2012  Agrolink. Dispoíivel em:http://www.agrolink.com.br/culturas/milho/ProblemaDetalhe.aspx?p= 2137  Manual de fitopatologia.Filho.A.B et al.Editora Agronômica Ceres Ltda.São Paulo-SP 1995.