SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 49
Professor: Daniel Moura
Disciplina: Higiene e Segurança do Trabalho
Curso: Graduação em Engenharia de Produção
Perigo: Risco?Perigo: Risco?
Risco:
“Perigo ou possibilidade de perigo”.
Perigo:
“Estado ou situação que inspira cuidado”.
Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa, 2000.
Introdução
“TODA E QUALQUER POSSIBILIDADE DE
QUE ALGUM ELEMENTO OU
CIRCUNSTÂNCIA EXISTENTE NUM DADO
PROCESSO E AMBIENTE DE TRABALHO
POSSA CAUSAR DANO À SAÚDE, SEJA
ATRAVÉS DE ACIDENTES, DOENÇAS OU
DO SOFRIMENTO DOS
TRABALHADORES, OU AINDA ATRAVÉS
DA POLUIÇÃO AMBIENTAL”.
Conceito de Risco
Riscos Ocupacionais
 Riscos Físicos;
 Riscos Químicos;
 Riscos Biológicos;
 Riscos Ergonômicos;
 Riscos De Acidentes.
RUÍDO: é definido como um som indesejável,
produto das atividades diárias da comunidade.
O som representa as vibrações mecânicas da
matéria através do qual ocorre o fluxo de
energia na forma de ondas sonoras.
VIBRAÇÃO: é qualquer movimento que o corpo
executa em torno de um ponto fixo. Esse movimento
pode ser regular, ou irregular, quando não segue um
padrão determinado.
RADIAÇÃO IONIZANTE: São emissões de energia
em diversos níveis, ultra-violeta, raio-X, raio gama
e partículas alfa e beta, capazes de contato com
elétrons de um átomo, provocando a ionização dos
mesmos.
RISCOS FÍSICORISCOS FÍSICO
RADIAÇÃO NÃO-IONIZANTE: Ao contrário da
anterior, não tem poder de ionização pode causar
contrações cardíacas, debilitação do sistema
nervoso central, catarata ou até mesmo a morte.
Fator determinante é o tempo de exposição.
PRESSÕES ANORMAIS
Hipobárica:Hipobárica: elevadas altitudes, (coceira na
pele, dores musculares, vômitos, hemorragias
pelo ouvido e ruptura do tímpano).
Hiperbárica:Hiperbárica: mergulho e uso de ar comprimido
FRIO
CALOR
UMIDADE
RISCOS FÍSICOS EFEITOS PARA SAÚDE SETORES OU CATEGORIAS
Temperaturas extremas:
Calor, frio e umidade
Fadiga, gripes e resfriados Trabalho a céu aberto;
ambientes fechados com ar
condicionado; trabalho
junto a fornos, caldeiras e
outras fontes de calor, como
siderúrgicas e fundições.
Ruído Surdez, nervosismo
(estresse)
Trabalhos com máquinas
barulhentas e outras fontes
de ruído.
Pressões anormais Afogamentos, distúrbios
neurológicos, embolia
Pulmonar
Mergulhadores sub-
aquáticos
Vibrações Distúrbios ósteomusculares Operadores de máquinas
pneumáticas,motoristas de
ônibus e tratores.
Umidade Metabólicos e
endocrinológicos
Exemplos de riscos nos locais de trabalho
RISCOS FÍSICOS EFEITOS PARA
SAÚDE
SETORES OU
CATEGORIAS
Radiações Ionizantes Câncer de vários tipos Indústrias nucleares,
trabalhadores de saúde
(raio X), ou que lidam
com material radioativo
Radiações Não
Ionizantes
(como ondas
eletromagnéticas e
ondas de rádio) bem
como o infra-som e o
ultra-som
Problemas neurológicos Eletricitários e
trabalhadores próximos
a sub-estações de
eletricidade e estações
de transmissão
Anexo 4 da NR – 15
foi REVOGADO!
RISCOS QUÍMICOS EFEITOS PARA
SAÚDE
SETORES OU
CATEGORIAS
Substâncias, compostos
ou produtos que possam
penetrar no organismo,
por exposição crônica ou
acidental, pela via
respiratória, nas formas
de poeiras, fumos,
névoas, neblinas, gases
ou vapores, ou que, pela
natureza da atividade ou
da exposição, possam ter
contato ou serem
absorvidos pelo
organismo através da pele
ou por ingestão. Também
incluem os riscos
químicos
desencadeadores de
explosões e incêndios.
Efeitos decorrentes de
acidentes químicos, como
explosões e incêndios.
Contaminações químicas
gerando efeitos
carcinogênicos,
teratogênicos,
Sistêmicos (como os
neurotóxicos), irritantes,
asfixiantes,
anestésicos, alergizantes,
entre outros.
.Indústria química,
petroquímica e de
petróleo (solventes
orgânicos como o
benzeno, riscos químicos
diversos)
.Garimpo de ouro e
Indústria de cloro-soda
com tecnologia de
amálgama (mercúrio);
.Fábrica de baterias
(chumbo);
.Minas de amianto e setor
de Fibrocimento (amianto)
.Jateadores de areia no
setor metalúrgico e naval
(sílica)
.Trabalhadores em geral
Ác. Nítrico + solvente orgânico
RISCOS QUÍMICOS
Pó
Névoa
Fumo
Gás
Vapor
AGENTES AGRESSIVOSAGENTES AGRESSIVOS
Neblinas (é a condensação que ocorre junto à superfície)
Névoas (quando há a condensação de vapor d`água, porém em associação com
a poeira, fumaça e outros poluentes)
RISCOS BIOLÓGICOS EFEITOS PARA
SAÚDE
SETORES OU
CATEGORIAS
Microorganismos
patogênicos (bactérias,
fungos, bacilos, parasitas,
protozoários, vírus, entre
outros)
Doenças contagiosas
diversas, inclusive gripes e
resfria-dos;
Trabalhadores em
ambientes
fechados com ar
condicionado;
Profissionais de saúde;
Laboratórios de pesquisa
em saúde pública e
análises clínicas;
Animais peçonhentos Envenenamento por picada
de
cobra ou escorpião
Trabalhadores agrícolas
(mordidas de cobra);
Presença de vetores
(mosquitos, ratos...) e
outras mordidas de
animais
Doenças contagiosas e
feri-das
por mordidas
Carteiros (mordidas de
cães) e trabalhadores em
geral
RISCOS BIOLÓGICOS
RISCOS
ERGONÔMICOS
EFEITOS PARA
SAÚDE
SETORES OU
CATEGORIAS
Esforços Físicos
Posturas Forçadas
Movimentos Repetitivos
Problemas na coluna,
dores
musculares,
Estivadores; carregadores;
trabalhadores de linha de
montagem; Postos de
trabalho mal projetados em
geral e com trabalho
estático ou repetitivo;
RISCOS MECÂNICOS EFEITOS PARA
SAÚDE
SETORES OU
CATEGORIAS
Acidentes com quedas
Acidentes com veículos
Acidentes com máquinas
Traumatismos diversos até
a morte.
Trabalhadores da ind. da
construção civil;
motoristas de transportes
coletivos;
operadores de máquinas
em vários setores, como o
metalúrgico e agricultura;
trabalhadores em geral.
• CUTÂNEA
• DIGESTIVA
• RESPIRATÓRIA
Vias de penetração dos agentes
agressores
TEMPO
DE
EXPOSIÇÃO
SENSIBILIDADE INDIVIDUALSENSIBILIDADE INDIVIDUAL
 CONCENTRAÇÃO
 INTENSIDADE
 NATUREZA DO RISCO
Fatores que influenciam na
agressividade do agente
São valores definidos em razão da natureza,São valores definidos em razão da natureza,
concentração ou intensidade e o tempo de exposiçãoconcentração ou intensidade e o tempo de exposição
ao agente, onde a grande maioria das pessoasao agente, onde a grande maioria das pessoas
expostas a estes limites não sofrerão nenhum dano àexpostas a estes limites não sofrerão nenhum dano à
saúde durante toda sua vida laboral.saúde durante toda sua vida laboral.
Limites de tolerância
RUÍDO:RUÍDO:
O ruído elevado poderá produzir uma reduçãoO ruído elevado poderá produzir uma redução
na capacidade auditiva do trabalhador. Quantona capacidade auditiva do trabalhador. Quanto
mais alto os níveis encontrados, maior o númeromais alto os níveis encontrados, maior o número
de trabalhadores que apresentarão início dede trabalhadores que apresentarão início de
surdez profissional e menor o tempo que estesurdez profissional e menor o tempo que este
e/ou outros problemas aparecerão.e/ou outros problemas aparecerão.
O agente ruído, é dividido em dois critérios:O agente ruído, é dividido em dois critérios:
Ruído Contínuo ou Intermitente e Ruído deRuído Contínuo ou Intermitente e Ruído de
Impacto.Impacto.
RUÍDORUÍDO::
Ruído contínuo ou intermitenteRuído contínuo ou intermitente éé
considerado o ruído que de acordo com oconsiderado o ruído que de acordo com o
processo produtivo, exponha o trabalhador aprocesso produtivo, exponha o trabalhador a
níveis de pressões sonoras durante todo o seuníveis de pressões sonoras durante todo o seu
ciclo de trabalho, sem grandes interrupções.ciclo de trabalho, sem grandes interrupções.
O ruído de impactoO ruído de impacto é definido como um picoé definido como um pico
de energia com duração inferior a 1 (um) segundode energia com duração inferior a 1 (um) segundo
e cuja repetição se dá a intervalos superiores a 1e cuja repetição se dá a intervalos superiores a 1
(um) segundo.(um) segundo.
RUÍDO - LIMITE DE TOLERANCIARUÍDO - LIMITE DE TOLERANCIA::
Ruído contínuo e intermitente.Ruído contínuo e intermitente.
Níveis de Ruído dB(A) Máxima exposição (t)
85 8 horas
90 4 horas
95 2 horas
100 1 hora
105 30 minutos
110 15 minutos
*115 7 minutos
* Não é permitida exposição à níveis de ruído acima de 115 dB(A).
RUÍDO - LIMITE DE TOLERÂNCIARUÍDO - LIMITE DE TOLERÂNCIA::
Ruído de impacto.Ruído de impacto.
Limites de Tolerância Medidos Operando em
130 dB(C) Circuito linear
Circuito de reposta para
impacto
120 dB (C) Circuito de compensação
C
Circuito de resposta
rápida (Fast)
RUÍDO – Leitura – Tipos de avaliaçõesRUÍDO – Leitura – Tipos de avaliações::
Os equipamentos usados para as avaliaçõesOs equipamentos usados para as avaliações
do ruído são o Decibelímetro e o Audiodosímetro.do ruído são o Decibelímetro e o Audiodosímetro.
As formas de operação desses equipamentosAs formas de operação desses equipamentos
para as análises de ruído contínuo oupara as análises de ruído contínuo ou
intermitente e de impacto e feito de duas formas:intermitente e de impacto e feito de duas formas:
Circuito de compensação “A” e circuito deCircuito de compensação “A” e circuito de
resposta lenta (slow)resposta lenta (slow) – usado para avaliação do– usado para avaliação do
ruído contínuo ou intermitenteruído contínuo ou intermitente
Circuito de compensação “B” e circuito deCircuito de compensação “B” e circuito de
resposta rápida (fast)resposta rápida (fast) – usado para avaliação do– usado para avaliação do
ruído de impacto.ruído de impacto.
VIBRAÇÃOVIBRAÇÃO
As vibrações podem afetar o conforto e aAs vibrações podem afetar o conforto e a
eficiência, com conseqüência a redução doeficiência, com conseqüência a redução do
rendimento do trabalho e causar efeitos adversos àrendimento do trabalho e causar efeitos adversos à
saúde. Podem, ainda, progressivamente causarsaúde. Podem, ainda, progressivamente causar
desordem irreversível das funções fisiológicas,desordem irreversível das funções fisiológicas,
quando de exposição intensa as mesmas. Existemquando de exposição intensa as mesmas. Existem
dois tipos de vibraçõesdois tipos de vibrações::
Vibração de corpo inteiroVibração de corpo inteiro
Vibração localizadaVibração localizada
VIBRAÇÃO - LIMITES DE TOLERÂNCIAVIBRAÇÃO - LIMITES DE TOLERÂNCIA
Os Limites de Tolerância definidos têm por baseOs Limites de Tolerância definidos têm por base
os limites de exposição elaborados pelaos limites de exposição elaborados pela
Organização Internacional para a Normalização emOrganização Internacional para a Normalização em
suas Normas ISO 2631 (vibração de corpo inteiro) esuas Normas ISO 2631 (vibração de corpo inteiro) e
ISO 5349 (vibração localizada).ISO 5349 (vibração localizada).
RADIAÇÃO IONIZANTE E NÃO-IONIZANTERADIAÇÃO IONIZANTE E NÃO-IONIZANTE
Radiação ionizante:Radiação ionizante: São provenientes de fontesSão provenientes de fontes
radioativas naturais e artificiais, tais como: Raio X,radioativas naturais e artificiais, tais como: Raio X,
Gama, Beta, urânio, polônio, césio, etc.Gama, Beta, urânio, polônio, césio, etc.
Radiação não-ionizante:Radiação não-ionizante: São os de naturezaSão os de natureza
eletromagnética, tais como: Rádio freqüência,eletromagnética, tais como: Rádio freqüência,
microondas, infravermelha, ultravioleta e laser.microondas, infravermelha, ultravioleta e laser.
Seus principais efeitos no corpo humano causam diversos tiposSeus principais efeitos no corpo humano causam diversos tipos
de câncer, queimaduras na pele ou nos olhos.de câncer, queimaduras na pele ou nos olhos.
RADIAÇÃO IONIZANTE - LIMITES DE TOLERÂNCIA.RADIAÇÃO IONIZANTE - LIMITES DE TOLERÂNCIA.
Radiação ionizante:Radiação ionizante: Conforme Portaria 3214,Conforme Portaria 3214,
determina-se que a CNEN (Comissão Nacional dedetermina-se que a CNEN (Comissão Nacional de
Energia Nuclear), é o órgão que estabelece os limitesEnergia Nuclear), é o órgão que estabelece os limites
de Tolerância, medidas de controle e registros quede Tolerância, medidas de controle e registros que
envolvam energia nuclearenvolvam energia nuclear..
Existem alguns tipos de limites de tolerância, queExistem alguns tipos de limites de tolerância, que
variam de acordo com a parte do corpo atingida: paravariam de acordo com a parte do corpo atingida: para
exposição do corpo inteiro determina-se que o seuexposição do corpo inteiro determina-se que o seu
limite é de 2,5 mR/h.limite é de 2,5 mR/h.
RADIAÇÃO NÃO-IONIZANTE - LIMITES DERADIAÇÃO NÃO-IONIZANTE - LIMITES DE
TOLERÂNCIA.TOLERÂNCIA.
Radiação não-ionizante:Radiação não-ionizante: A legislação brasileira nãoA legislação brasileira não
estabelece limites de tolerância.estabelece limites de tolerância.
Utilizamos então as normas americanas - ACGIH.Utilizamos então as normas americanas - ACGIH.
FRIOFRIO
EmEm atividades que trabalhadores estão expostosatividades que trabalhadores estão expostos
ao frio, não existe índices que determinam aao frio, não existe índices que determinam a
quantificação de exposição ao agente, maisquantificação de exposição ao agente, mais
consideram-se atividade, em ou similar a câmarasconsideram-se atividade, em ou similar a câmaras
frigorificas.frigorificas.
Ex.: Açougues e câmaras frias de supermercados.Ex.: Açougues e câmaras frias de supermercados.
UMIDADEUMIDADE
Também não existe limites de tolerância para aTambém não existe limites de tolerância para a
exposição ao agente umidade, mas atividades emexposição ao agente umidade, mas atividades em
locais alagados e/ou atividades em que trabalhadoreslocais alagados e/ou atividades em que trabalhadores
estejam sempre encharcados, tem-se a necessidadeestejam sempre encharcados, tem-se a necessidade
de implantar medidas que minimizam a exposição dode implantar medidas que minimizam a exposição do
trabalhador.trabalhador.
Ex.:Ex.: Galerias de águas fluviais e lavadores de carros.Galerias de águas fluviais e lavadores de carros.
CALORCALOR
É responsável por uma série de problemas queÉ responsável por uma série de problemas que
afetam a saúde e o rendimento do trabalhador.afetam a saúde e o rendimento do trabalhador.
Limites de TolerânciaLimites de Tolerância: A legislação brasileira estabelece: A legislação brasileira estabelece
que exposição ao calor deve ser avaliada através doque exposição ao calor deve ser avaliada através do
Índice de Bulbo Úmido Termômetro de Globo (IBUTG). AÍndice de Bulbo Úmido Termômetro de Globo (IBUTG). A
interpretação desses valores dependerá das condições dointerpretação desses valores dependerá das condições do
ambiente de trabalho e a carga térmica no momento daambiente de trabalho e a carga térmica no momento da
avaliação.avaliação.
PRESSÕES ANORMAISPRESSÕES ANORMAIS
Há uma série de atividades em que os trabalhadoresHá uma série de atividades em que os trabalhadores
ficam sujeitos a pressões anormais, isto é, pressõesficam sujeitos a pressões anormais, isto é, pressões
ambientes acima e abaixo do normal. Quando asambientes acima e abaixo do normal. Quando as
pressões situam-se acima da pressão atmosféricapressões situam-se acima da pressão atmosférica
normal, são chamadas de altas pressões e quandonormal, são chamadas de altas pressões e quando
baixa, são chamadas baixa pressãobaixa, são chamadas baixa pressão
PRESSÕES ANORMAISPRESSÕES ANORMAIS
Baixa pressãoBaixa pressão: atividades realizadas em grandes: atividades realizadas em grandes
altitudes.altitudes.
Alta PressãoAlta Pressão: Atividades realizadas em tubulações: Atividades realizadas em tubulações
de ar comprimido, máquinas de perfuração, caixõesde ar comprimido, máquinas de perfuração, caixões
pneumáticos e trabalhos executados porpneumáticos e trabalhos executados por
mergulhadores.mergulhadores.
PRESSÕES ANORMAISPRESSÕES ANORMAIS
Medidas de Controle:Medidas de Controle:
Controle da compressão;Controle da compressão;
Controle da descompressão;Controle da descompressão;
Medidas de controle na câmara de trabalho;Medidas de controle na câmara de trabalho;
Medidas de controle nas instalações do canteiro deMedidas de controle nas instalações do canteiro de
trabalho;trabalho;
Medidas de controle relativas ao pessoal.Medidas de controle relativas ao pessoal.
RISCOS QUÍMICOSRISCOS QUÍMICOS
São considerados os riscos químicos osSão considerados os riscos químicos os
seguintes agentes:seguintes agentes:
PoeirasPoeiras
NévoasNévoas
FumosFumos
GasesGases
VaporesVapores
Outras substâncias compostas ou produtosOutras substâncias compostas ou produtos
químicos em geral.químicos em geral.
POEIRASPOEIRAS
São formadas quando um material sólido é quebrado,São formadas quando um material sólido é quebrado,
moído ou triturado. Quanto menor a partícula, maismoído ou triturado. Quanto menor a partícula, mais
tempo ela ficará suspensa no ar, sendo maior a chancetempo ela ficará suspensa no ar, sendo maior a chance
de ser inalada. Tipos de poeiras:de ser inalada. Tipos de poeiras:
Poeira mineral:Poeira mineral: sílica, asbesto, carvão mineralsílica, asbesto, carvão mineral
Poeiras vegetais:Poeiras vegetais: algodão, bagaço de cana dealgodão, bagaço de cana de
açúcar.açúcar.
Poeiras alcalinas:Poeiras alcalinas: calcáriocalcário
As avaliações quantitativas da poeira, dependerá de dois itens: Tamanho (µ -
micra) e pela quantidade (f/cm3 -
mg/m3
)
NÉVOASNÉVOAS
São encontrados quando líquidos são pulverizados, comoSão encontrados quando líquidos são pulverizados, como
em operações de pinturas. São formadas geralmenteem operações de pinturas. São formadas geralmente
quando há utilização de spray.quando há utilização de spray.
Aplicação de defensivos agrícolas.Aplicação de defensivos agrícolas.
FUMOSFUMOS
Ocorre quando um metal ou plásticos é fundidoOcorre quando um metal ou plásticos é fundido
(aquecido), vaporizado e resfriado rapidamente, formando(aquecido), vaporizado e resfriado rapidamente, formando
partículas sólidas muito finas e também gases que ficampartículas sólidas muito finas e também gases que ficam
suspensos no ar.suspensos no ar.
Soldagem, fundição, extrusão de plásticos, etc.Soldagem, fundição, extrusão de plásticos, etc.
GASESGASES
São substâncias não liquidas ou sólidas, que estão nasSão substâncias não liquidas ou sólidas, que estão nas
condições normais de temperatura e pressão, tais comocondições normais de temperatura e pressão, tais como
oxigênio, nitrogênio, gás carbônico, monóxido de carbono,oxigênio, nitrogênio, gás carbônico, monóxido de carbono,
etc.etc.
VAPORESVAPORES
Ocorrem através da evaporação de líquidos ou sólidos.Ocorrem através da evaporação de líquidos ou sólidos.
Geralmente são caracterizados pelos odores, tais como aGeralmente são caracterizados pelos odores, tais como a
gasolina, solventes, etc.gasolina, solventes, etc.
Substância compostas ou produtos químicos emSubstância compostas ou produtos químicos em
geralgeral
São as substâncias utilizadas em diversos tipos de
atividades, tais como em limpeza de peças,
lubrificação de motores e limpeza domésticas. Essas
substância podem ser as seguintes:
Graxas.Graxas.
Óleos minerais.Óleos minerais.
Utilização de produtos químicos para limpezasUtilização de produtos químicos para limpezas
leves ou pesadas.leves ou pesadas.
Etc.Etc.
LIMITES DE TOLERÂNCIALIMITES DE TOLERÂNCIA
A maioria dos agentes químicos possuí LT, veja algunsA maioria dos agentes químicos possuí LT, veja alguns
deles:deles:
Agente LT
Monóxido de carbono 39 ppm ou 43 mg/m3
Benzeno 2.5 ppm
Tolueno 78 ppm ou 290 mg/m3
Poeira – Asbesto 2,0 f/cm3
Poeira – Manganês 5 mg/m3
Alcool Etílico 780 ppm ou 1480 mg/m3
Instrumentos utilizados
R$881,07R$166,28 R$1.676,78
R$316,50
R$1.928,41 R$1.932,00 R$535,05
R$230,00
R$3.025,50
R$762,17
R$27.074,78
R$347,67
R$361,65
R$150,005
“ Os riscos nos locais de trabalho estão relacionados
às características do processo de trabalho, seu
ambiente e organização”
“ Cada categoria vivencia situações particulares, e
um trabalho fundamental é a identificação das
prioridades de cada momento”
Exemplos:
1. Setor bancário e de processamento de dados
(lesões por esforços repetitivos)
2. Construção civil
(acidente por queda de altura)
3. Trabalhadores rurais
(contaminação por agrotóxicos)
Reconhecimento de riscos
Exemplos:
4. Setor siderúrgico
(contaminação por benzeno)
5. Setor moveleiro
(acidentes com máquinas)
6. Mergulhadores subaquáticos na prospecção de
petróleo
(acidentes de mergulho em águas profundas)
7. Trabalhadores químicos e petroleiros
(contaminação com substâncias químicas e os
acidentes químicos)
8. Motorista de ônibus
(acidentes com veículos)
9. Profissionais de saúde de hospitais
(estresse ocupacional)
E ASSIM POR DIANTE
Adotar medidas de controle dos riscos existentes ou que possam originar-
se no ambiente de trabalho.
Adotar medidas de controle da saúde dos trabalhadores.
Elaborar Ordens de Serviço sobre Segurança e Saúde no Trabalho para
informar os trabalhadores sobre os riscos existentes ou que possam
originar-se no local de trabalho e sobre os meios disponíveis para prevenir
ou limitar tais riscos e para proteger-se dos mesmos.
Treinar os trabalhadores sobre os procedimentos que assegurem a
eficiência dos equipamentos de controle coletivo e dos EPI's e sobre as
eventuais limitações de proteção que oferecem.
Determinar os procedimentos que deverão ser adotados em caso de
emergência. Cumprir e fazer cumprir as disposições legais sobre
Segurança e Medicina do Trabalho do MTb.
Aspectos relacionados à prevenção

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Medidas para prevenção de acidentes no trabalho
Medidas para prevenção de acidentes no trabalhoMedidas para prevenção de acidentes no trabalho
Medidas para prevenção de acidentes no trabalho
Thaysa Brito
 

Mais procurados (20)

riscos ambientais
 riscos ambientais riscos ambientais
riscos ambientais
 
Aula 3 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 3 - Higiene e Segurança do Trabalho Aula 3 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 3 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
4 higiene ocupacional
4   higiene ocupacional4   higiene ocupacional
4 higiene ocupacional
 
Segurança e higiene do trabalho - Aula 1
Segurança e higiene do trabalho - Aula 1Segurança e higiene do trabalho - Aula 1
Segurança e higiene do trabalho - Aula 1
 
Risco Fisico : Umidade
Risco Fisico : UmidadeRisco Fisico : Umidade
Risco Fisico : Umidade
 
Aula 2 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 2 - Higiene e Segurança do Trabalho Aula 2 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 2 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Riscos físicos
Riscos físicosRiscos físicos
Riscos físicos
 
Treinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratóriaTreinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratória
 
Atos inseguros
Atos insegurosAtos inseguros
Atos inseguros
 
Acidente de trabalho
Acidente de trabalhoAcidente de trabalho
Acidente de trabalho
 
Acidentes de trabalho
Acidentes de trabalhoAcidentes de trabalho
Acidentes de trabalho
 
Prevenção de Acidentes de Trabalho
Prevenção de Acidentes de TrabalhoPrevenção de Acidentes de Trabalho
Prevenção de Acidentes de Trabalho
 
Higiene e Segurança no Trabalho
Higiene e Segurança no TrabalhoHigiene e Segurança no Trabalho
Higiene e Segurança no Trabalho
 
Calor apresentacao
Calor apresentacaoCalor apresentacao
Calor apresentacao
 
Acidentes de trabalho (causas e consequências)
Acidentes de trabalho   (causas e consequências)Acidentes de trabalho   (causas e consequências)
Acidentes de trabalho (causas e consequências)
 
Segurança do Trabalho aula 2.pptx
Segurança do Trabalho aula 2.pptxSegurança do Trabalho aula 2.pptx
Segurança do Trabalho aula 2.pptx
 
Doença Profissional e Doença do Trabalho
Doença Profissional e Doença do TrabalhoDoença Profissional e Doença do Trabalho
Doença Profissional e Doença do Trabalho
 
Medidas para prevenção de acidentes no trabalho
Medidas para prevenção de acidentes no trabalhoMedidas para prevenção de acidentes no trabalho
Medidas para prevenção de acidentes no trabalho
 
Aula 04 - Mapa de Risco
Aula 04 - Mapa de RiscoAula 04 - Mapa de Risco
Aula 04 - Mapa de Risco
 
Segurança do trabalho
Segurança do trabalhoSegurança do trabalho
Segurança do trabalho
 

Destaque

Cartilhasegurancatrabalhofinal 120501145752-phpapp01
Cartilhasegurancatrabalhofinal 120501145752-phpapp01Cartilhasegurancatrabalhofinal 120501145752-phpapp01
Cartilhasegurancatrabalhofinal 120501145752-phpapp01
Diego Sampaio
 
Tecnicas de construção civil i
Tecnicas de construção civil iTecnicas de construção civil i
Tecnicas de construção civil i
Bowman Guimaraes
 
Cartilha seguranca trabalho final
Cartilha seguranca trabalho finalCartilha seguranca trabalho final
Cartilha seguranca trabalho final
Tiago Kikuchi
 

Destaque (20)

Ergonomia e Segurança no Trabalho
Ergonomia e Segurança no Trabalho Ergonomia e Segurança no Trabalho
Ergonomia e Segurança no Trabalho
 
Aula 5 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 5 - Higiene e Segurança do TrabalhoAula 5 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 5 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 1 - Ergonomia
Aula 1 - ErgonomiaAula 1 - Ergonomia
Aula 1 - Ergonomia
 
Ergonomia ambiental
Ergonomia ambientalErgonomia ambiental
Ergonomia ambiental
 
Aula 2 - Gestão da Qualidade
Aula 2 - Gestão da QualidadeAula 2 - Gestão da Qualidade
Aula 2 - Gestão da Qualidade
 
Cartilhasegurancatrabalhofinal 120501145752-phpapp01
Cartilhasegurancatrabalhofinal 120501145752-phpapp01Cartilhasegurancatrabalhofinal 120501145752-phpapp01
Cartilhasegurancatrabalhofinal 120501145752-phpapp01
 
Aula 4 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 4 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 4 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 4 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Aula 3 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 3 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 3 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 3 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Tecnicas de construção civil i
Tecnicas de construção civil iTecnicas de construção civil i
Tecnicas de construção civil i
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Ergonomia e Gestão de Design
Ergonomia e Gestão de DesignErgonomia e Gestão de Design
Ergonomia e Gestão de Design
 
Cartilha seguranca trabalho final
Cartilha seguranca trabalho finalCartilha seguranca trabalho final
Cartilha seguranca trabalho final
 
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Ergonomia
 
Aula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da QualidadeAula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da Qualidade
 
Curso pedreiro parte 2
Curso pedreiro   parte 2Curso pedreiro   parte 2
Curso pedreiro parte 2
 
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Ergonomia
 
Ergonomia (40h)
Ergonomia (40h)Ergonomia (40h)
Ergonomia (40h)
 

Semelhante a Aula 4 - Higiene e Segurança do Trabalho

5. hst riscos num postbalhoo de tra
5. hst riscos num postbalhoo de tra5. hst riscos num postbalhoo de tra
5. hst riscos num postbalhoo de tra
Gilson Adao
 
Aula riscoocupacional
Aula riscoocupacionalAula riscoocupacional
Aula riscoocupacional
Montacon
 
Apostila sobre higiene ocupacional
Apostila sobre higiene ocupacionalApostila sobre higiene ocupacional
Apostila sobre higiene ocupacional
Nayara Mendes Neves
 

Semelhante a Aula 4 - Higiene e Segurança do Trabalho (20)

aula4-riscosocupacionais-120514080610-phpapp01.ppt
aula4-riscosocupacionais-120514080610-phpapp01.pptaula4-riscosocupacionais-120514080610-phpapp01.ppt
aula4-riscosocupacionais-120514080610-phpapp01.ppt
 
agente-fc3adsico-ruido-introduc3a7c3a3o-a-sms.ppt
agente-fc3adsico-ruido-introduc3a7c3a3o-a-sms.pptagente-fc3adsico-ruido-introduc3a7c3a3o-a-sms.ppt
agente-fc3adsico-ruido-introduc3a7c3a3o-a-sms.ppt
 
5. hst riscos num postbalhoo de tra
5. hst riscos num postbalhoo de tra5. hst riscos num postbalhoo de tra
5. hst riscos num postbalhoo de tra
 
PPRA2008081407081210
PPRA2008081407081210PPRA2008081407081210
PPRA2008081407081210
 
riscos ocupacionais
 riscos ocupacionais riscos ocupacionais
riscos ocupacionais
 
Aula riscoocupacional
Aula riscoocupacionalAula riscoocupacional
Aula riscoocupacional
 
Caderno 7 ruido
Caderno 7 ruidoCaderno 7 ruido
Caderno 7 ruido
 
AULA 13 segurança do trabalho do trabalho.ppt
AULA 13 segurança do trabalho do trabalho.pptAULA 13 segurança do trabalho do trabalho.ppt
AULA 13 segurança do trabalho do trabalho.ppt
 
agente-fc3adsico-ruido.ppt
agente-fc3adsico-ruido.pptagente-fc3adsico-ruido.ppt
agente-fc3adsico-ruido.ppt
 
504
504504
504
 
Segurança e medicina do trabalho aula3
Segurança e medicina do trabalho aula3Segurança e medicina do trabalho aula3
Segurança e medicina do trabalho aula3
 
Visa com12
Visa com12Visa com12
Visa com12
 
Nr 33 16h completo
Nr 33 16h completoNr 33 16h completo
Nr 33 16h completo
 
aula1a.pdf
aula1a.pdfaula1a.pdf
aula1a.pdf
 
riscos físicos
riscos físicosriscos físicos
riscos físicos
 
Apostila sobre higiene ocupacional
Apostila sobre higiene ocupacionalApostila sobre higiene ocupacional
Apostila sobre higiene ocupacional
 
Efeitos da exposição ao ruido
Efeitos da exposição ao ruidoEfeitos da exposição ao ruido
Efeitos da exposição ao ruido
 
Aula de PPRA Prof. Felipe Voga
Aula de PPRA   Prof. Felipe VogaAula de PPRA   Prof. Felipe Voga
Aula de PPRA Prof. Felipe Voga
 
MODELO Inventário Riscos PGR - REFERENCIAS.docx
MODELO  Inventário Riscos PGR - REFERENCIAS.docxMODELO  Inventário Riscos PGR - REFERENCIAS.docx
MODELO Inventário Riscos PGR - REFERENCIAS.docx
 
Vibrações
VibraçõesVibrações
Vibrações
 

Mais de Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção

Mais de Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção (18)

Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Aula 6 - Gestão da Qualidade
Aula 6 - Gestão da QualidadeAula 6 - Gestão da Qualidade
Aula 6 - Gestão da Qualidade
 
Aula 3 - Gestão da Qualidade
Aula 3 - Gestão da QualidadeAula 3 - Gestão da Qualidade
Aula 3 - Gestão da Qualidade
 
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 2 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 2 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 1 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 1 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 9 - Sistemas de Produção
Aula 9 - Sistemas de ProduçãoAula 9 - Sistemas de Produção
Aula 9 - Sistemas de Produção
 
Aula 8 - Sistemas de Produção
Aula 8 - Sistemas de ProduçãoAula 8 - Sistemas de Produção
Aula 8 - Sistemas de Produção
 
Aula 7 - Sistemas de Produção
Aula 7 - Sistemas de ProduçãoAula 7 - Sistemas de Produção
Aula 7 - Sistemas de Produção
 
Aula 6 - Sistemas de Produção
Aula 6 - Sistemas de ProduçãoAula 6 - Sistemas de Produção
Aula 6 - Sistemas de Produção
 
Aula 5 - Sistemas de Produção
Aula 5 - Sistemas de ProduçãoAula 5 - Sistemas de Produção
Aula 5 - Sistemas de Produção
 
Aula 4 - Sistemas de Produção
Aula 4 - Sistemas de ProduçãoAula 4 - Sistemas de Produção
Aula 4 - Sistemas de Produção
 
Aula 3 - Sistemas de Produção
Aula 3 - Sistemas de ProduçãoAula 3 - Sistemas de Produção
Aula 3 - Sistemas de Produção
 
Aula 2 - Sistemas de Produção
Aula 2 - Sistemas de ProduçãoAula 2 - Sistemas de Produção
Aula 2 - Sistemas de Produção
 
Aula 1 - Sistemas de Produção
Aula 1 - Sistemas de ProduçãoAula 1 - Sistemas de Produção
Aula 1 - Sistemas de Produção
 
Aula 5.1 - Ergonomia
Aula 5.1 - ErgonomiaAula 5.1 - Ergonomia
Aula 5.1 - Ergonomia
 
Aula 5 - Ergonomia
Aula 5 - ErgonomiaAula 5 - Ergonomia
Aula 5 - Ergonomia
 

Último

Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 

Último (20)

QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfO que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
 

Aula 4 - Higiene e Segurança do Trabalho

  • 1. Professor: Daniel Moura Disciplina: Higiene e Segurança do Trabalho Curso: Graduação em Engenharia de Produção
  • 2. Perigo: Risco?Perigo: Risco? Risco: “Perigo ou possibilidade de perigo”. Perigo: “Estado ou situação que inspira cuidado”. Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa, 2000. Introdução
  • 3. “TODA E QUALQUER POSSIBILIDADE DE QUE ALGUM ELEMENTO OU CIRCUNSTÂNCIA EXISTENTE NUM DADO PROCESSO E AMBIENTE DE TRABALHO POSSA CAUSAR DANO À SAÚDE, SEJA ATRAVÉS DE ACIDENTES, DOENÇAS OU DO SOFRIMENTO DOS TRABALHADORES, OU AINDA ATRAVÉS DA POLUIÇÃO AMBIENTAL”. Conceito de Risco
  • 4. Riscos Ocupacionais  Riscos Físicos;  Riscos Químicos;  Riscos Biológicos;  Riscos Ergonômicos;  Riscos De Acidentes.
  • 5. RUÍDO: é definido como um som indesejável, produto das atividades diárias da comunidade. O som representa as vibrações mecânicas da matéria através do qual ocorre o fluxo de energia na forma de ondas sonoras. VIBRAÇÃO: é qualquer movimento que o corpo executa em torno de um ponto fixo. Esse movimento pode ser regular, ou irregular, quando não segue um padrão determinado. RADIAÇÃO IONIZANTE: São emissões de energia em diversos níveis, ultra-violeta, raio-X, raio gama e partículas alfa e beta, capazes de contato com elétrons de um átomo, provocando a ionização dos mesmos. RISCOS FÍSICORISCOS FÍSICO
  • 6. RADIAÇÃO NÃO-IONIZANTE: Ao contrário da anterior, não tem poder de ionização pode causar contrações cardíacas, debilitação do sistema nervoso central, catarata ou até mesmo a morte. Fator determinante é o tempo de exposição. PRESSÕES ANORMAIS Hipobárica:Hipobárica: elevadas altitudes, (coceira na pele, dores musculares, vômitos, hemorragias pelo ouvido e ruptura do tímpano). Hiperbárica:Hiperbárica: mergulho e uso de ar comprimido FRIO CALOR UMIDADE
  • 7. RISCOS FÍSICOS EFEITOS PARA SAÚDE SETORES OU CATEGORIAS Temperaturas extremas: Calor, frio e umidade Fadiga, gripes e resfriados Trabalho a céu aberto; ambientes fechados com ar condicionado; trabalho junto a fornos, caldeiras e outras fontes de calor, como siderúrgicas e fundições. Ruído Surdez, nervosismo (estresse) Trabalhos com máquinas barulhentas e outras fontes de ruído. Pressões anormais Afogamentos, distúrbios neurológicos, embolia Pulmonar Mergulhadores sub- aquáticos Vibrações Distúrbios ósteomusculares Operadores de máquinas pneumáticas,motoristas de ônibus e tratores. Umidade Metabólicos e endocrinológicos Exemplos de riscos nos locais de trabalho
  • 8. RISCOS FÍSICOS EFEITOS PARA SAÚDE SETORES OU CATEGORIAS Radiações Ionizantes Câncer de vários tipos Indústrias nucleares, trabalhadores de saúde (raio X), ou que lidam com material radioativo Radiações Não Ionizantes (como ondas eletromagnéticas e ondas de rádio) bem como o infra-som e o ultra-som Problemas neurológicos Eletricitários e trabalhadores próximos a sub-estações de eletricidade e estações de transmissão
  • 9. Anexo 4 da NR – 15 foi REVOGADO!
  • 10. RISCOS QUÍMICOS EFEITOS PARA SAÚDE SETORES OU CATEGORIAS Substâncias, compostos ou produtos que possam penetrar no organismo, por exposição crônica ou acidental, pela via respiratória, nas formas de poeiras, fumos, névoas, neblinas, gases ou vapores, ou que, pela natureza da atividade ou da exposição, possam ter contato ou serem absorvidos pelo organismo através da pele ou por ingestão. Também incluem os riscos químicos desencadeadores de explosões e incêndios. Efeitos decorrentes de acidentes químicos, como explosões e incêndios. Contaminações químicas gerando efeitos carcinogênicos, teratogênicos, Sistêmicos (como os neurotóxicos), irritantes, asfixiantes, anestésicos, alergizantes, entre outros. .Indústria química, petroquímica e de petróleo (solventes orgânicos como o benzeno, riscos químicos diversos) .Garimpo de ouro e Indústria de cloro-soda com tecnologia de amálgama (mercúrio); .Fábrica de baterias (chumbo); .Minas de amianto e setor de Fibrocimento (amianto) .Jateadores de areia no setor metalúrgico e naval (sílica) .Trabalhadores em geral
  • 11. Ác. Nítrico + solvente orgânico RISCOS QUÍMICOS
  • 12. Pó Névoa Fumo Gás Vapor AGENTES AGRESSIVOSAGENTES AGRESSIVOS Neblinas (é a condensação que ocorre junto à superfície) Névoas (quando há a condensação de vapor d`água, porém em associação com a poeira, fumaça e outros poluentes)
  • 13. RISCOS BIOLÓGICOS EFEITOS PARA SAÚDE SETORES OU CATEGORIAS Microorganismos patogênicos (bactérias, fungos, bacilos, parasitas, protozoários, vírus, entre outros) Doenças contagiosas diversas, inclusive gripes e resfria-dos; Trabalhadores em ambientes fechados com ar condicionado; Profissionais de saúde; Laboratórios de pesquisa em saúde pública e análises clínicas; Animais peçonhentos Envenenamento por picada de cobra ou escorpião Trabalhadores agrícolas (mordidas de cobra); Presença de vetores (mosquitos, ratos...) e outras mordidas de animais Doenças contagiosas e feri-das por mordidas Carteiros (mordidas de cães) e trabalhadores em geral
  • 14.
  • 16. RISCOS ERGONÔMICOS EFEITOS PARA SAÚDE SETORES OU CATEGORIAS Esforços Físicos Posturas Forçadas Movimentos Repetitivos Problemas na coluna, dores musculares, Estivadores; carregadores; trabalhadores de linha de montagem; Postos de trabalho mal projetados em geral e com trabalho estático ou repetitivo;
  • 17.
  • 18. RISCOS MECÂNICOS EFEITOS PARA SAÚDE SETORES OU CATEGORIAS Acidentes com quedas Acidentes com veículos Acidentes com máquinas Traumatismos diversos até a morte. Trabalhadores da ind. da construção civil; motoristas de transportes coletivos; operadores de máquinas em vários setores, como o metalúrgico e agricultura; trabalhadores em geral.
  • 19.
  • 20. • CUTÂNEA • DIGESTIVA • RESPIRATÓRIA Vias de penetração dos agentes agressores
  • 21. TEMPO DE EXPOSIÇÃO SENSIBILIDADE INDIVIDUALSENSIBILIDADE INDIVIDUAL  CONCENTRAÇÃO  INTENSIDADE  NATUREZA DO RISCO Fatores que influenciam na agressividade do agente
  • 22. São valores definidos em razão da natureza,São valores definidos em razão da natureza, concentração ou intensidade e o tempo de exposiçãoconcentração ou intensidade e o tempo de exposição ao agente, onde a grande maioria das pessoasao agente, onde a grande maioria das pessoas expostas a estes limites não sofrerão nenhum dano àexpostas a estes limites não sofrerão nenhum dano à saúde durante toda sua vida laboral.saúde durante toda sua vida laboral. Limites de tolerância
  • 23. RUÍDO:RUÍDO: O ruído elevado poderá produzir uma reduçãoO ruído elevado poderá produzir uma redução na capacidade auditiva do trabalhador. Quantona capacidade auditiva do trabalhador. Quanto mais alto os níveis encontrados, maior o númeromais alto os níveis encontrados, maior o número de trabalhadores que apresentarão início dede trabalhadores que apresentarão início de surdez profissional e menor o tempo que estesurdez profissional e menor o tempo que este e/ou outros problemas aparecerão.e/ou outros problemas aparecerão. O agente ruído, é dividido em dois critérios:O agente ruído, é dividido em dois critérios: Ruído Contínuo ou Intermitente e Ruído deRuído Contínuo ou Intermitente e Ruído de Impacto.Impacto.
  • 24. RUÍDORUÍDO:: Ruído contínuo ou intermitenteRuído contínuo ou intermitente éé considerado o ruído que de acordo com oconsiderado o ruído que de acordo com o processo produtivo, exponha o trabalhador aprocesso produtivo, exponha o trabalhador a níveis de pressões sonoras durante todo o seuníveis de pressões sonoras durante todo o seu ciclo de trabalho, sem grandes interrupções.ciclo de trabalho, sem grandes interrupções. O ruído de impactoO ruído de impacto é definido como um picoé definido como um pico de energia com duração inferior a 1 (um) segundode energia com duração inferior a 1 (um) segundo e cuja repetição se dá a intervalos superiores a 1e cuja repetição se dá a intervalos superiores a 1 (um) segundo.(um) segundo.
  • 25. RUÍDO - LIMITE DE TOLERANCIARUÍDO - LIMITE DE TOLERANCIA:: Ruído contínuo e intermitente.Ruído contínuo e intermitente. Níveis de Ruído dB(A) Máxima exposição (t) 85 8 horas 90 4 horas 95 2 horas 100 1 hora 105 30 minutos 110 15 minutos *115 7 minutos * Não é permitida exposição à níveis de ruído acima de 115 dB(A).
  • 26. RUÍDO - LIMITE DE TOLERÂNCIARUÍDO - LIMITE DE TOLERÂNCIA:: Ruído de impacto.Ruído de impacto. Limites de Tolerância Medidos Operando em 130 dB(C) Circuito linear Circuito de reposta para impacto 120 dB (C) Circuito de compensação C Circuito de resposta rápida (Fast)
  • 27. RUÍDO – Leitura – Tipos de avaliaçõesRUÍDO – Leitura – Tipos de avaliações:: Os equipamentos usados para as avaliaçõesOs equipamentos usados para as avaliações do ruído são o Decibelímetro e o Audiodosímetro.do ruído são o Decibelímetro e o Audiodosímetro. As formas de operação desses equipamentosAs formas de operação desses equipamentos para as análises de ruído contínuo oupara as análises de ruído contínuo ou intermitente e de impacto e feito de duas formas:intermitente e de impacto e feito de duas formas: Circuito de compensação “A” e circuito deCircuito de compensação “A” e circuito de resposta lenta (slow)resposta lenta (slow) – usado para avaliação do– usado para avaliação do ruído contínuo ou intermitenteruído contínuo ou intermitente Circuito de compensação “B” e circuito deCircuito de compensação “B” e circuito de resposta rápida (fast)resposta rápida (fast) – usado para avaliação do– usado para avaliação do ruído de impacto.ruído de impacto.
  • 28. VIBRAÇÃOVIBRAÇÃO As vibrações podem afetar o conforto e aAs vibrações podem afetar o conforto e a eficiência, com conseqüência a redução doeficiência, com conseqüência a redução do rendimento do trabalho e causar efeitos adversos àrendimento do trabalho e causar efeitos adversos à saúde. Podem, ainda, progressivamente causarsaúde. Podem, ainda, progressivamente causar desordem irreversível das funções fisiológicas,desordem irreversível das funções fisiológicas, quando de exposição intensa as mesmas. Existemquando de exposição intensa as mesmas. Existem dois tipos de vibraçõesdois tipos de vibrações:: Vibração de corpo inteiroVibração de corpo inteiro Vibração localizadaVibração localizada
  • 29. VIBRAÇÃO - LIMITES DE TOLERÂNCIAVIBRAÇÃO - LIMITES DE TOLERÂNCIA Os Limites de Tolerância definidos têm por baseOs Limites de Tolerância definidos têm por base os limites de exposição elaborados pelaos limites de exposição elaborados pela Organização Internacional para a Normalização emOrganização Internacional para a Normalização em suas Normas ISO 2631 (vibração de corpo inteiro) esuas Normas ISO 2631 (vibração de corpo inteiro) e ISO 5349 (vibração localizada).ISO 5349 (vibração localizada).
  • 30. RADIAÇÃO IONIZANTE E NÃO-IONIZANTERADIAÇÃO IONIZANTE E NÃO-IONIZANTE Radiação ionizante:Radiação ionizante: São provenientes de fontesSão provenientes de fontes radioativas naturais e artificiais, tais como: Raio X,radioativas naturais e artificiais, tais como: Raio X, Gama, Beta, urânio, polônio, césio, etc.Gama, Beta, urânio, polônio, césio, etc. Radiação não-ionizante:Radiação não-ionizante: São os de naturezaSão os de natureza eletromagnética, tais como: Rádio freqüência,eletromagnética, tais como: Rádio freqüência, microondas, infravermelha, ultravioleta e laser.microondas, infravermelha, ultravioleta e laser. Seus principais efeitos no corpo humano causam diversos tiposSeus principais efeitos no corpo humano causam diversos tipos de câncer, queimaduras na pele ou nos olhos.de câncer, queimaduras na pele ou nos olhos.
  • 31. RADIAÇÃO IONIZANTE - LIMITES DE TOLERÂNCIA.RADIAÇÃO IONIZANTE - LIMITES DE TOLERÂNCIA. Radiação ionizante:Radiação ionizante: Conforme Portaria 3214,Conforme Portaria 3214, determina-se que a CNEN (Comissão Nacional dedetermina-se que a CNEN (Comissão Nacional de Energia Nuclear), é o órgão que estabelece os limitesEnergia Nuclear), é o órgão que estabelece os limites de Tolerância, medidas de controle e registros quede Tolerância, medidas de controle e registros que envolvam energia nuclearenvolvam energia nuclear.. Existem alguns tipos de limites de tolerância, queExistem alguns tipos de limites de tolerância, que variam de acordo com a parte do corpo atingida: paravariam de acordo com a parte do corpo atingida: para exposição do corpo inteiro determina-se que o seuexposição do corpo inteiro determina-se que o seu limite é de 2,5 mR/h.limite é de 2,5 mR/h.
  • 32. RADIAÇÃO NÃO-IONIZANTE - LIMITES DERADIAÇÃO NÃO-IONIZANTE - LIMITES DE TOLERÂNCIA.TOLERÂNCIA. Radiação não-ionizante:Radiação não-ionizante: A legislação brasileira nãoA legislação brasileira não estabelece limites de tolerância.estabelece limites de tolerância. Utilizamos então as normas americanas - ACGIH.Utilizamos então as normas americanas - ACGIH.
  • 33. FRIOFRIO EmEm atividades que trabalhadores estão expostosatividades que trabalhadores estão expostos ao frio, não existe índices que determinam aao frio, não existe índices que determinam a quantificação de exposição ao agente, maisquantificação de exposição ao agente, mais consideram-se atividade, em ou similar a câmarasconsideram-se atividade, em ou similar a câmaras frigorificas.frigorificas. Ex.: Açougues e câmaras frias de supermercados.Ex.: Açougues e câmaras frias de supermercados.
  • 34. UMIDADEUMIDADE Também não existe limites de tolerância para aTambém não existe limites de tolerância para a exposição ao agente umidade, mas atividades emexposição ao agente umidade, mas atividades em locais alagados e/ou atividades em que trabalhadoreslocais alagados e/ou atividades em que trabalhadores estejam sempre encharcados, tem-se a necessidadeestejam sempre encharcados, tem-se a necessidade de implantar medidas que minimizam a exposição dode implantar medidas que minimizam a exposição do trabalhador.trabalhador. Ex.:Ex.: Galerias de águas fluviais e lavadores de carros.Galerias de águas fluviais e lavadores de carros.
  • 35. CALORCALOR É responsável por uma série de problemas queÉ responsável por uma série de problemas que afetam a saúde e o rendimento do trabalhador.afetam a saúde e o rendimento do trabalhador. Limites de TolerânciaLimites de Tolerância: A legislação brasileira estabelece: A legislação brasileira estabelece que exposição ao calor deve ser avaliada através doque exposição ao calor deve ser avaliada através do Índice de Bulbo Úmido Termômetro de Globo (IBUTG). AÍndice de Bulbo Úmido Termômetro de Globo (IBUTG). A interpretação desses valores dependerá das condições dointerpretação desses valores dependerá das condições do ambiente de trabalho e a carga térmica no momento daambiente de trabalho e a carga térmica no momento da avaliação.avaliação.
  • 36. PRESSÕES ANORMAISPRESSÕES ANORMAIS Há uma série de atividades em que os trabalhadoresHá uma série de atividades em que os trabalhadores ficam sujeitos a pressões anormais, isto é, pressõesficam sujeitos a pressões anormais, isto é, pressões ambientes acima e abaixo do normal. Quando asambientes acima e abaixo do normal. Quando as pressões situam-se acima da pressão atmosféricapressões situam-se acima da pressão atmosférica normal, são chamadas de altas pressões e quandonormal, são chamadas de altas pressões e quando baixa, são chamadas baixa pressãobaixa, são chamadas baixa pressão
  • 37. PRESSÕES ANORMAISPRESSÕES ANORMAIS Baixa pressãoBaixa pressão: atividades realizadas em grandes: atividades realizadas em grandes altitudes.altitudes. Alta PressãoAlta Pressão: Atividades realizadas em tubulações: Atividades realizadas em tubulações de ar comprimido, máquinas de perfuração, caixõesde ar comprimido, máquinas de perfuração, caixões pneumáticos e trabalhos executados porpneumáticos e trabalhos executados por mergulhadores.mergulhadores.
  • 38. PRESSÕES ANORMAISPRESSÕES ANORMAIS Medidas de Controle:Medidas de Controle: Controle da compressão;Controle da compressão; Controle da descompressão;Controle da descompressão; Medidas de controle na câmara de trabalho;Medidas de controle na câmara de trabalho; Medidas de controle nas instalações do canteiro deMedidas de controle nas instalações do canteiro de trabalho;trabalho; Medidas de controle relativas ao pessoal.Medidas de controle relativas ao pessoal.
  • 39. RISCOS QUÍMICOSRISCOS QUÍMICOS São considerados os riscos químicos osSão considerados os riscos químicos os seguintes agentes:seguintes agentes: PoeirasPoeiras NévoasNévoas FumosFumos GasesGases VaporesVapores Outras substâncias compostas ou produtosOutras substâncias compostas ou produtos químicos em geral.químicos em geral.
  • 40. POEIRASPOEIRAS São formadas quando um material sólido é quebrado,São formadas quando um material sólido é quebrado, moído ou triturado. Quanto menor a partícula, maismoído ou triturado. Quanto menor a partícula, mais tempo ela ficará suspensa no ar, sendo maior a chancetempo ela ficará suspensa no ar, sendo maior a chance de ser inalada. Tipos de poeiras:de ser inalada. Tipos de poeiras: Poeira mineral:Poeira mineral: sílica, asbesto, carvão mineralsílica, asbesto, carvão mineral Poeiras vegetais:Poeiras vegetais: algodão, bagaço de cana dealgodão, bagaço de cana de açúcar.açúcar. Poeiras alcalinas:Poeiras alcalinas: calcáriocalcário As avaliações quantitativas da poeira, dependerá de dois itens: Tamanho (µ - micra) e pela quantidade (f/cm3 - mg/m3 )
  • 41. NÉVOASNÉVOAS São encontrados quando líquidos são pulverizados, comoSão encontrados quando líquidos são pulverizados, como em operações de pinturas. São formadas geralmenteem operações de pinturas. São formadas geralmente quando há utilização de spray.quando há utilização de spray. Aplicação de defensivos agrícolas.Aplicação de defensivos agrícolas. FUMOSFUMOS Ocorre quando um metal ou plásticos é fundidoOcorre quando um metal ou plásticos é fundido (aquecido), vaporizado e resfriado rapidamente, formando(aquecido), vaporizado e resfriado rapidamente, formando partículas sólidas muito finas e também gases que ficampartículas sólidas muito finas e também gases que ficam suspensos no ar.suspensos no ar. Soldagem, fundição, extrusão de plásticos, etc.Soldagem, fundição, extrusão de plásticos, etc.
  • 42. GASESGASES São substâncias não liquidas ou sólidas, que estão nasSão substâncias não liquidas ou sólidas, que estão nas condições normais de temperatura e pressão, tais comocondições normais de temperatura e pressão, tais como oxigênio, nitrogênio, gás carbônico, monóxido de carbono,oxigênio, nitrogênio, gás carbônico, monóxido de carbono, etc.etc. VAPORESVAPORES Ocorrem através da evaporação de líquidos ou sólidos.Ocorrem através da evaporação de líquidos ou sólidos. Geralmente são caracterizados pelos odores, tais como aGeralmente são caracterizados pelos odores, tais como a gasolina, solventes, etc.gasolina, solventes, etc.
  • 43. Substância compostas ou produtos químicos emSubstância compostas ou produtos químicos em geralgeral São as substâncias utilizadas em diversos tipos de atividades, tais como em limpeza de peças, lubrificação de motores e limpeza domésticas. Essas substância podem ser as seguintes: Graxas.Graxas. Óleos minerais.Óleos minerais. Utilização de produtos químicos para limpezasUtilização de produtos químicos para limpezas leves ou pesadas.leves ou pesadas. Etc.Etc.
  • 44. LIMITES DE TOLERÂNCIALIMITES DE TOLERÂNCIA A maioria dos agentes químicos possuí LT, veja algunsA maioria dos agentes químicos possuí LT, veja alguns deles:deles: Agente LT Monóxido de carbono 39 ppm ou 43 mg/m3 Benzeno 2.5 ppm Tolueno 78 ppm ou 290 mg/m3 Poeira – Asbesto 2,0 f/cm3 Poeira – Manganês 5 mg/m3 Alcool Etílico 780 ppm ou 1480 mg/m3
  • 47. “ Os riscos nos locais de trabalho estão relacionados às características do processo de trabalho, seu ambiente e organização” “ Cada categoria vivencia situações particulares, e um trabalho fundamental é a identificação das prioridades de cada momento” Exemplos: 1. Setor bancário e de processamento de dados (lesões por esforços repetitivos) 2. Construção civil (acidente por queda de altura) 3. Trabalhadores rurais (contaminação por agrotóxicos) Reconhecimento de riscos
  • 48. Exemplos: 4. Setor siderúrgico (contaminação por benzeno) 5. Setor moveleiro (acidentes com máquinas) 6. Mergulhadores subaquáticos na prospecção de petróleo (acidentes de mergulho em águas profundas) 7. Trabalhadores químicos e petroleiros (contaminação com substâncias químicas e os acidentes químicos) 8. Motorista de ônibus (acidentes com veículos) 9. Profissionais de saúde de hospitais (estresse ocupacional) E ASSIM POR DIANTE
  • 49. Adotar medidas de controle dos riscos existentes ou que possam originar- se no ambiente de trabalho. Adotar medidas de controle da saúde dos trabalhadores. Elaborar Ordens de Serviço sobre Segurança e Saúde no Trabalho para informar os trabalhadores sobre os riscos existentes ou que possam originar-se no local de trabalho e sobre os meios disponíveis para prevenir ou limitar tais riscos e para proteger-se dos mesmos. Treinar os trabalhadores sobre os procedimentos que assegurem a eficiência dos equipamentos de controle coletivo e dos EPI's e sobre as eventuais limitações de proteção que oferecem. Determinar os procedimentos que deverão ser adotados em caso de emergência. Cumprir e fazer cumprir as disposições legais sobre Segurança e Medicina do Trabalho do MTb. Aspectos relacionados à prevenção