SlideShare uma empresa Scribd logo
Projeto 2013
Autor: Rafael Santos Adriano – Março/2013
Quanto
produzir e
comprar?
O que
produzir e
comprar?
Com
quem
produzir?
Como
produzir?
Quando
produzir e
comprar?
Com o
que
produzir?
Onde
produzir?
• É o departamento responsável pela continuação do processo,
controlando as atividades de decidir visando assim o melhor
emprego dos recursos da produção, para que o produto seja feito
no prazo e na quantidade certa, utilizando os recursos corretos.
O primeiro e principal objetivo do PCP é o tratamento adequado de dados,
para a geração de informações relevantes à tomada racional e inteligente
de decisões (Gestão), visando tornar os sistemas produtivos, eficazes e
eficientes.
 Outra questão chave é a necessidade de recolher e utilizar informações
 relevantes de diversos setores para a tomada inteligente de decisões.
Engenharia de Processo
•Manuais de Fabricação
•Lead Time de Fabricação
Engenharia de Produtos
•Lista de Materiais
•Desenhos
•Modificações do Produto
Compras/Suprimentos
•Lead Time dos fornecedores
Marketing
Infra estrutura Fabril
Qualidade
A tomada de decisões em um sistema PCP ocorre em três níveis de abrangência:
Nível Estratégico:
> Decisões da alta gerência que abrangem toda a organização, referentes a horizontes
de planejamento de longo prazo, com altos graus de incerteza. Ex: definição da
linhas de produtos, mercados de atuação, localização da unidade fabril, seleção de
opções tecnológicas e projeto dos processos de manufatura, etc.
Nível Tático:
> Decisões da média gerência que abrangem unidades (fábrica) dentro da
organização, referentes a horizontes de planejamento de médio prazo, com
moderado grau de incerteza. Envolve basicamente decisões relativas à alocação e
utilização de recursos de produção. Ex: planejamento de utilização da capacidade
produtiva (planejamento Agregado), gestão de estoques, etc.
Nível Operacional:
> Decisões da gerência operacional, que abrangem operações produtivas, referentes a
horizontes de planejamento de curto prazo, com baixo grau de incerteza. Ex:
supervisão de funcionários e de atividades, controle de metas e resultados, etc.
Projeto ou Planejamento do sistema de produção:
 Planejamento da Capacidade;
 Localização das instalações;
 Projeto do produto e do processo;
 Arranjo físico e instalações;
 Projeto e medida do trabalho.
Operação do sistema de produção:
 Gestão da Demanda;
 Planejamento agregado;
 Programação e controle da produção;
 Administração de projetos.
Controle do sistema de produção:
 Controle de estoques (PCM);
 Sistema para MRP ( Material Requirement Planning);
 Controle da qualidade;
 Medida da produtividade.
 Planejar as necessidades futuras da capacidade produtiva;
 Planejar os materiais comprados;
 Planejar os níveis de estoques;
 Programar as atividades da produção;
 Ser capaz de saber e informar a respeito dos recursos e das ordens de
fabricação;
 Prever os menores prazos possíveis aos clientes e cumpri-los;
 Ser capaz de reagir eficazmente.
Atividades sob responsabilidade do
PCM – Planejamento Controle de Materiais:
Curva ABC;
Conceito de Pareto;
KanBan por lote,
Tabela de Criticidade de Materiais,
Estoque mínio de mínimo de insumos, Etc.
 Sob Encomenda:
 > Os sistemas sob encomenda, compostos pelos processos por projeto e por tarefa (ou jobbing), tem como
finalidade o atendimento de necessidades específicas dos clientes, com demandas baixas, tendendo par a
unidade;
 > O produto tem uma data específica negociada com o cliente para ser concluído, o sistema produtivo se
volta para novo projeto;
 > Os produtos são concebidos em estreita ligação com os clientes, de modo que suas especificações
impõem uma organização dedicada ao projeto, que não pode ser preparada com
antecedência, principalmente com a geração de supermercados de estoque intermediários para acelerar o
leadtime produtivo.
 > Eventualmente, a compra de matérias-primas e componentes podem ser feitas com antecedência.

O que é KANBAN?
A palavra Kanban vem do Japonês e quer dizer registro ou cartão
visual. Embora esteja sendo difundido em outras áreas empresariais
são mais aplicados no chão de fábrica, para gestão e controle da
produção e de materiais.
Kanban Vs Just in Time
Ao contrario do que muitas pessoas pensam Just in Time e Kanban
são diferentes: De maneira bem simples, podemos dizer que Just in
Time é o conceito no qual ter o material correto, no tempo e lugar
correto e na quantidade exata necessária, e o que possibilita disso
acontecer é o KANBAN. Então podemos dizer que o Kanban é um
meio de poder atingir o Just in Time.
Colaboradores
Células
Concluídos:
Observações no verso se
necessário
Caneta e
prancheta
para
anotações
Normal Urgente
Cartões
Autor da Imagem: Raphael Silva
 É um complemento do KANBAN;
 Tem o intuito de registrar as atividades que os colaboradores da produção estão
fazendo diariamente, como se fosse um caderno de anotações, porém, em um
quadro onde fica visível os superiores.
 Diariamente estas informações são lançadas em uma planilha para
periodicamente poder fazer levantamentos gerenciais (gráficos, sínteses de
informações); “Só é possível ser avaliado, aquilo que é mensurado.”
Fornecedor Estoque Produção Estoque Cliente
Fluxo de Informação
Origem Fim
Entrega
Cliente Produção Fornecedor
Utilizada pela Specto
Empurrar
 Produzir o máximo que puder;
 O mais Rápido que puder;
 Enviar ao próximo processo mesmo que:
 Ele ainda não esteja pronto para isso;
 Ele não precise disso;
 Ele não queira isso.
Puxar
 Produzir somente o que o processo seguinte precisar;
 Somente quando ele precisar.
Eficiência foco na maximização da utilização dos recursos
Só o material necessário foco no valor agregado
 Horizonte de Planejamento


Prazo de efetivação
das decisões
Um período de replanejamento Horizonte
de informações úteis
Curto Longo
AMBIENTES DINÂMICOS
• LeadTimes Curtos
• Demanda Instável
• Processo Pouco Confiável
• Fornecedores pouco Confiáveis.
AMBIENTES ESTÁVEIS
 LeadTimes Longos
 Demanda Estável
 Processo Confiável
 Fornecedores Confiáveis.
Utilizado pela Specto
Com Reuniões diárias com a produção, e periódicas com a Diretoria.
PERÍODO DE PLANEJAMENTO
 Programação para Frente (forward)
Datas
Prometidas
Parte da data mais
cedo possível.
Acresce, para frente, a duração da atividade Define data de Término
Atividade A
Atividade B
Atividade C
Atividade D
Semana 1 Semana 2 Semana 3 Semana 4 Semana 5
B, C A D
1
Duração 3 semanas
2 Semanas
1 Semana
2 Semanas
“folga”
2
3
 Define os rítmos de trabalho e o tempo esperado das
operações que precisam ser balanceadas. Caso a distribuição
atual das tarefas não suportem esse tempo de ciclo projetado
algumas alternativas podem ser implementadas:
 Horas-extras (pontual e temporário);
 Realocação de mão de obra (polivalência);
 Atendimento antecipado da demanda (estoque de acabados);
 Uso de mão de obra temporárias (tarefas simples).
Autor da Imagem: Raphael Silva
Autor da Imagem: Raphael Silva
> É utilizado em projetos grandes, onde as entregas
da produção são feitas parciais. Exemplo: Santander
 > A codificação é feita da seguinte maneira:
 * ANO VIGENTE;
 * Área Responsável;
 * Numeração sequencial;
 Exemplo: 2013PCP001
 2013PCP002
 ....
 Essas informações são registradas na Ferramenta
C2M, juntamente com o registro do produto.

Estoque Supermercado Produção Supermercado Embalagem Cliente
Material Material
Indicação com Indicação
Cartão por célula Conclusão tarefa
 Auxiliar na comunicação entre operador da célula e controle da produção:
 Produtos Padronizados: São aqueles bens ou
serviços que apresentam alto grau de uniformidade.
 Estoque mínimo de componentes: Este estoque
facilita fabricação externa e montagem
interna, consequentemente agilizará os prazos de
entregas.
Utilização da “cultura enxuta” na empresa.
Exemplo de utilização: Modelo Toyota de Produção.
A avaliação de Fornecedor será composta por 3 (três) índices:
IAA (Índice de Auto Avaliação):
 O fornecedor que prestará serviços e/ou produtos para a Specto irá se auto avaliar
em 10 ou mais perguntas comuns ou específicas de acordo com o ramo de atuação
e atividades do fornecedor. Ex.: Importações, Materiais Eletrônicos, compras
comuns, etc.
IDF (Índice de Desempenho do Fornecedor):
• De acordo com a tabela de criticidade dos produtos e serviços que será
estabelecida, o setor de compras, após o recebimento da nota fiscal, irá avaliar o
fornecedor com 10 ou mais perguntas comuns para avaliar o serviço prestado ou
bem adquirido.
IGAF (Índice Geral de Avaliação do Fornecedor):
• O IGAF é composto pelos índices IAA e IDF na proporção 30% e 70%
respectivamente, de acordo com a seguinte formula: IAF = (IAA*0,3) +
(IDF*0,70), formando assim o terceiro índice, e portanto surgindo um gráfico com
uma direção positiva, imparcial ou negativa dos serviços e bens adquiridos.
 A avaliação de fornecedores possibilita verificar a capacidade de um determinado
fornecedor de prover insumos e serviços, dentro dos requisitos de qualidade exigidos pela
Specto.
 Os fornecedores serão avaliados, de acordo com os critérios estabelecidos pela
Specto, conforme suas respostas no questionário de cadastramento, que possuirá pesos
individuais para cada pergunta e as opções de respostas: Atende
Completamente, Parcialmente, Não Atende.
 EXEMPLO DE QUESTIONÁRIO A SER APLICADO:
1. 1. Certificação da Qualidade? Quais? _______________________________________
2. 2. Ferramentas da Qualidade? Quais? ______________________________________
3. 3. Normas e/ou procedimentos relativos aos processos internos?
4. 4. Política de treinamento para os colaboradores?
5. 5. Sistemática de tratamento de reclamações e sugestões?
6. 6. Sistemática de tratamento de não-conformidades e ações preventivas e corretivas?
7. 7. Programar a produção/serviço, de modo a permitir o atendimento ao cronograma de
entrega previamente estabelecido?
8. 8. Selecionar e qualificar os seus fornecedores?
9. 9. Definir o armazenamento, manuseio e preservação do material recebido e
aprovado, para prevenir danos ou deteriorações?
10. 10. Realizar a manutenção preventiva dos seus equipamentos?
11. 11. Entregar seus produtos e/ou serviços no prazo solicitado garantindo o pleno
atendimento das especificações?
12. 12. Realizar Assistência Técnica (pós-venda)? Incluindo treinamento quando aplicável?
13. 13. Tratar eventuais produtos não-conformes fornecidos ao cliente?
 O IDF será disponibilizado para o Fornecedor, após cada compra, avaliando o
fornecedor com os critérios comuns, pesos individuais e com o seu Nível de
Desempenho, onde opções terá resposta: : Atende Completamente, Parcialmente, Não
Atende. conforme descrito abaixo:
 Critérios para avaliação do IDF:
 > Conformidade do produto;
 > Flexibilidade na negociações;
 > Conhecimento técnico;
 > Relacionamento interpessoal;
 > Agilidade / Disponibilidade;
 > Pós venda;
 > Pontualidade;
 > Documentação;
 > Quantidade.
• O IGAF (Índice Geral de Avaliação do Fornecedor) será apresentado
por fim, como análise total e individual do fornecedor, conforme dito
anteriormente.
• Inicialmente a avaliação do fornecedor poderá ser feito via intranet da
Specto como um projeto BETA, para teste e aperfeiçoamento desta
ferramenta.
ETAPAS para:
Elaboração do Manual de Compras;
Elaboração do Manual do Fornecedor;
Elaboração da Carta advertência ou Carta suspensão;
Implantação das Informações na Intranet da Specto.
PRAZO DE CONCLUSÃO:
(com 70% do tempo dedicado ao projeto de Avaliação e Qualificação de Fornecedores.)
4 MESES.
 Para que um sistema produtivo transforme
insumos em produtos, ele precisa ser pensado em
termos das inércias decisórias envolvidas, onde planos
são feitos e ações são disparadas com base neste
planos para que dentro deste horizonte, os eventos
planejados pelas empresas venham a se tornar
realidade.
Autor: Rafael Santos Adriano.
Cargo: Analista de PCP
Empresa: Specto Painéis Eletrônicos Ltda.
Formação: Administração de Empresas.]
Contato: +55 (48) 8458.7653
E-mail: rafael.adriano@specto.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Administração de Produção II
Administração de Produção IIAdministração de Produção II
Administração de Produção II
Romilson Cesar
 
Princípios da Filosofia Lean - Slides - Profª Silene Seibel
Princípios da Filosofia Lean - Slides - Profª Silene SeibelPrincípios da Filosofia Lean - Slides - Profª Silene Seibel
Princípios da Filosofia Lean - Slides - Profª Silene Seibel
Sustentare Escola de Negócios
 
Manufatura Enxuta (Lean) - Slides - Profª Silene Seibel
Manufatura Enxuta (Lean) - Slides - Profª Silene SeibelManufatura Enxuta (Lean) - Slides - Profª Silene Seibel
Manufatura Enxuta (Lean) - Slides - Profª Silene Seibel
Sustentare Escola de Negócios
 
Mapeamento de Processos
Mapeamento de ProcessosMapeamento de Processos

Mais procurados (20)

Administração de materiais
Administração de materiaisAdministração de materiais
Administração de materiais
 
Administração de Produção II
Administração de Produção IIAdministração de Produção II
Administração de Produção II
 
Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção
 
Sistemas de producao
Sistemas de producaoSistemas de producao
Sistemas de producao
 
Logística - princípios básicos
Logística - princípios básicosLogística - princípios básicos
Logística - princípios básicos
 
Princípios da Filosofia Lean - Slides - Profª Silene Seibel
Princípios da Filosofia Lean - Slides - Profª Silene SeibelPrincípios da Filosofia Lean - Slides - Profª Silene Seibel
Princípios da Filosofia Lean - Slides - Profª Silene Seibel
 
Apresentação do ERP
Apresentação do ERPApresentação do ERP
Apresentação do ERP
 
Gestão da Produção
Gestão da ProduçãoGestão da Produção
Gestão da Produção
 
Estoque e Armazenagem
Estoque e ArmazenagemEstoque e Armazenagem
Estoque e Armazenagem
 
Sistemas de Produção
Sistemas de ProduçãoSistemas de Produção
Sistemas de Produção
 
Kanban
KanbanKanban
Kanban
 
Lean Manufacturing 1
Lean Manufacturing 1Lean Manufacturing 1
Lean Manufacturing 1
 
Planejamento agregado 2018
Planejamento agregado   2018Planejamento agregado   2018
Planejamento agregado 2018
 
Kanban
KanbanKanban
Kanban
 
Manufatura Enxuta (Lean) - Slides - Profª Silene Seibel
Manufatura Enxuta (Lean) - Slides - Profª Silene SeibelManufatura Enxuta (Lean) - Slides - Profª Silene Seibel
Manufatura Enxuta (Lean) - Slides - Profª Silene Seibel
 
Lean Manufacturing
Lean ManufacturingLean Manufacturing
Lean Manufacturing
 
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
 
3 slides - planejamento mestre da produção (mps)
3   slides - planejamento mestre da produção (mps)3   slides - planejamento mestre da produção (mps)
3 slides - planejamento mestre da produção (mps)
 
Balanceamento de linhas
Balanceamento de linhasBalanceamento de linhas
Balanceamento de linhas
 
Mapeamento de Processos
Mapeamento de ProcessosMapeamento de Processos
Mapeamento de Processos
 

Destaque

Planejemanto e controle da produção
Planejemanto e controle da produçãoPlanejemanto e controle da produção
Planejemanto e controle da produção
Adriana Marques
 
Gestão 3 - Mecânica - Aula 02
Gestão 3 - Mecânica - Aula 02Gestão 3 - Mecânica - Aula 02
Gestão 3 - Mecânica - Aula 02
Anderson Pontes
 
Classificação e dimensionamento de estoques - MBA em Logística e Supply Chai...
Classificação e dimensionamento de estoques - MBA em Logística e Supply Chai...Classificação e dimensionamento de estoques - MBA em Logística e Supply Chai...
Classificação e dimensionamento de estoques - MBA em Logística e Supply Chai...
GlaucoVelosodosSantos
 
Curso estoque e_custos
Curso estoque e_custosCurso estoque e_custos
Curso estoque e_custos
Gilmar Mathes
 

Destaque (20)

Sistema de Produção Puxada
Sistema de Produção PuxadaSistema de Produção Puxada
Sistema de Produção Puxada
 
PPCP13 Cap05 Parte B
PPCP13 Cap05 Parte BPPCP13 Cap05 Parte B
PPCP13 Cap05 Parte B
 
Introdução ao PPCP
Introdução ao PPCPIntrodução ao PPCP
Introdução ao PPCP
 
Planejemanto e controle da produção
Planejemanto e controle da produçãoPlanejemanto e controle da produção
Planejemanto e controle da produção
 
Processos de Produção
Processos de ProduçãoProcessos de Produção
Processos de Produção
 
TOTVS Planejamento e Controle da Produção - Novidades 11.40
TOTVS Planejamento e Controle da Produção - Novidades 11.40TOTVS Planejamento e Controle da Produção - Novidades 11.40
TOTVS Planejamento e Controle da Produção - Novidades 11.40
 
Carregamento, Sequenciamento e Programação da produção
Carregamento, Sequenciamento e Programação da produçãoCarregamento, Sequenciamento e Programação da produção
Carregamento, Sequenciamento e Programação da produção
 
Gestão e Produção de Materiais
Gestão e Produção de MateriaisGestão e Produção de Materiais
Gestão e Produção de Materiais
 
Gestão 3 - Mecânica - Aula 02
Gestão 3 - Mecânica - Aula 02Gestão 3 - Mecânica - Aula 02
Gestão 3 - Mecânica - Aula 02
 
Trabalho sobre a anglo gold ashanti
Trabalho sobre a anglo gold ashantiTrabalho sobre a anglo gold ashanti
Trabalho sobre a anglo gold ashanti
 
Classificação e dimensionamento de estoques - MBA em Logística e Supply Chai...
Classificação e dimensionamento de estoques - MBA em Logística e Supply Chai...Classificação e dimensionamento de estoques - MBA em Logística e Supply Chai...
Classificação e dimensionamento de estoques - MBA em Logística e Supply Chai...
 
Apresentacao ctoc
Apresentacao ctocApresentacao ctoc
Apresentacao ctoc
 
Pcp1
Pcp1 Pcp1
Pcp1
 
Mrp1
Mrp1Mrp1
Mrp1
 
Treinamento em Programação de Nível Básico para o Controlador DX-100
Treinamento em Programação de Nível Básico para o Controlador DX-100Treinamento em Programação de Nível Básico para o Controlador DX-100
Treinamento em Programação de Nível Básico para o Controlador DX-100
 
Treinamento em Programação de Nível Avançado para o Controlador NX-100
Treinamento  em Programação de  Nível Avançado  para o Controlador  NX-100 Treinamento  em Programação de  Nível Avançado  para o Controlador  NX-100
Treinamento em Programação de Nível Avançado para o Controlador NX-100
 
Curso estoque e_custos
Curso estoque e_custosCurso estoque e_custos
Curso estoque e_custos
 
Planejamento, Execução e Controle: A importância de simulações baseados em um...
Planejamento, Execução e Controle: A importância de simulações baseados em um...Planejamento, Execução e Controle: A importância de simulações baseados em um...
Planejamento, Execução e Controle: A importância de simulações baseados em um...
 
PPCP03 Cap01 parte B
PPCP03 Cap01 parte BPPCP03 Cap01 parte B
PPCP03 Cap01 parte B
 
Plano mestre de produção
Plano mestre de produçãoPlano mestre de produção
Plano mestre de produção
 

Semelhante a Apresentação PCP - Produção Puxada - Manufatura Enxuta ( Lean Manufacturing )

Gestão dinâmica planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...
Gestão dinâmica   planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...Gestão dinâmica   planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...
Gestão dinâmica planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...
Lucas Braga
 
Planejamento e controle da produção – wikipédia, a enciclopédia livre
Planejamento e controle da produção – wikipédia, a enciclopédia livre Planejamento e controle da produção – wikipédia, a enciclopédia livre
Planejamento e controle da produção – wikipédia, a enciclopédia livre
Lucas Braga
 
[Planejamento e controle da produ -o - tubino] lista de exerc-cios resolvidos
[Planejamento e controle da produ -o - tubino]  lista de exerc-cios resolvidos[Planejamento e controle da produ -o - tubino]  lista de exerc-cios resolvidos
[Planejamento e controle da produ -o - tubino] lista de exerc-cios resolvidos
Luiz Fabiano Bonetti
 
Engenharia de Produção
Engenharia de ProduçãoEngenharia de Produção
Engenharia de Produção
Đean Moore
 
06 administração (planejamento da produção)
06   administração (planejamento da produção)06   administração (planejamento da produção)
06 administração (planejamento da produção)
Elizeu Ferro
 

Semelhante a Apresentação PCP - Produção Puxada - Manufatura Enxuta ( Lean Manufacturing ) (17)

Gestão dinâmica planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...
Gestão dinâmica   planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...Gestão dinâmica   planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...
Gestão dinâmica planejamento e controle de produção - suporte microsiga ,cr...
 
Aulas - Gestão da Produção II_sala.pdf
Aulas - Gestão da Produção II_sala.pdfAulas - Gestão da Produção II_sala.pdf
Aulas - Gestão da Produção II_sala.pdf
 
Planejamento de-controle-da-producao p10
Planejamento de-controle-da-producao p10Planejamento de-controle-da-producao p10
Planejamento de-controle-da-producao p10
 
Logística Aula 2
Logística Aula 2Logística Aula 2
Logística Aula 2
 
Planejamento e controle
Planejamento e controlePlanejamento e controle
Planejamento e controle
 
Planejamento e controle da produção – wikipédia, a enciclopédia livre
Planejamento e controle da produção – wikipédia, a enciclopédia livre Planejamento e controle da produção – wikipédia, a enciclopédia livre
Planejamento e controle da produção – wikipédia, a enciclopédia livre
 
Porque devo devo ter um setor de ppcp
Porque devo devo ter um setor de ppcpPorque devo devo ter um setor de ppcp
Porque devo devo ter um setor de ppcp
 
Mrp lucas
Mrp lucasMrp lucas
Mrp lucas
 
Mrp
MrpMrp
Mrp
 
Producao.pdf
Producao.pdfProducao.pdf
Producao.pdf
 
[Planejamento e controle da produ -o - tubino] lista de exerc-cios resolvidos
[Planejamento e controle da produ -o - tubino]  lista de exerc-cios resolvidos[Planejamento e controle da produ -o - tubino]  lista de exerc-cios resolvidos
[Planejamento e controle da produ -o - tubino] lista de exerc-cios resolvidos
 
Atps pcp esta
Atps   pcp estaAtps   pcp esta
Atps pcp esta
 
ERP E MRP.pptx
ERP E MRP.pptxERP E MRP.pptx
ERP E MRP.pptx
 
Engenharia de Produção
Engenharia de ProduçãoEngenharia de Produção
Engenharia de Produção
 
Tecnicas de previsões v.4
Tecnicas de previsões v.4Tecnicas de previsões v.4
Tecnicas de previsões v.4
 
06 administração (planejamento da produção)
06   administração (planejamento da produção)06   administração (planejamento da produção)
06 administração (planejamento da produção)
 
(ConSePS) PMD _ Dia 05
(ConSePS) PMD _ Dia 05(ConSePS) PMD _ Dia 05
(ConSePS) PMD _ Dia 05
 

Último

CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdfCRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
Senior Consultoria em Gestão e Marketing
 
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
Renandantas16
 

Último (6)

CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdfCRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
 
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
 
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptxProfissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
 
GLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto Economico
GLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto EconomicoGLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto Economico
GLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto Economico
 
7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf
7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf
7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf
 
Opções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdfOpções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdf
 

Apresentação PCP - Produção Puxada - Manufatura Enxuta ( Lean Manufacturing )

  • 1. Projeto 2013 Autor: Rafael Santos Adriano – Março/2013 Quanto produzir e comprar? O que produzir e comprar? Com quem produzir? Como produzir? Quando produzir e comprar? Com o que produzir? Onde produzir?
  • 2. • É o departamento responsável pela continuação do processo, controlando as atividades de decidir visando assim o melhor emprego dos recursos da produção, para que o produto seja feito no prazo e na quantidade certa, utilizando os recursos corretos.
  • 3. O primeiro e principal objetivo do PCP é o tratamento adequado de dados, para a geração de informações relevantes à tomada racional e inteligente de decisões (Gestão), visando tornar os sistemas produtivos, eficazes e eficientes.  Outra questão chave é a necessidade de recolher e utilizar informações  relevantes de diversos setores para a tomada inteligente de decisões.
  • 4. Engenharia de Processo •Manuais de Fabricação •Lead Time de Fabricação Engenharia de Produtos •Lista de Materiais •Desenhos •Modificações do Produto Compras/Suprimentos •Lead Time dos fornecedores Marketing Infra estrutura Fabril Qualidade
  • 5. A tomada de decisões em um sistema PCP ocorre em três níveis de abrangência: Nível Estratégico: > Decisões da alta gerência que abrangem toda a organização, referentes a horizontes de planejamento de longo prazo, com altos graus de incerteza. Ex: definição da linhas de produtos, mercados de atuação, localização da unidade fabril, seleção de opções tecnológicas e projeto dos processos de manufatura, etc. Nível Tático: > Decisões da média gerência que abrangem unidades (fábrica) dentro da organização, referentes a horizontes de planejamento de médio prazo, com moderado grau de incerteza. Envolve basicamente decisões relativas à alocação e utilização de recursos de produção. Ex: planejamento de utilização da capacidade produtiva (planejamento Agregado), gestão de estoques, etc. Nível Operacional: > Decisões da gerência operacional, que abrangem operações produtivas, referentes a horizontes de planejamento de curto prazo, com baixo grau de incerteza. Ex: supervisão de funcionários e de atividades, controle de metas e resultados, etc.
  • 6. Projeto ou Planejamento do sistema de produção:  Planejamento da Capacidade;  Localização das instalações;  Projeto do produto e do processo;  Arranjo físico e instalações;  Projeto e medida do trabalho. Operação do sistema de produção:  Gestão da Demanda;  Planejamento agregado;  Programação e controle da produção;  Administração de projetos. Controle do sistema de produção:  Controle de estoques (PCM);  Sistema para MRP ( Material Requirement Planning);  Controle da qualidade;  Medida da produtividade.
  • 7.  Planejar as necessidades futuras da capacidade produtiva;  Planejar os materiais comprados;  Planejar os níveis de estoques;  Programar as atividades da produção;  Ser capaz de saber e informar a respeito dos recursos e das ordens de fabricação;  Prever os menores prazos possíveis aos clientes e cumpri-los;  Ser capaz de reagir eficazmente. Atividades sob responsabilidade do PCM – Planejamento Controle de Materiais: Curva ABC; Conceito de Pareto; KanBan por lote, Tabela de Criticidade de Materiais, Estoque mínio de mínimo de insumos, Etc.
  • 8.  Sob Encomenda:  > Os sistemas sob encomenda, compostos pelos processos por projeto e por tarefa (ou jobbing), tem como finalidade o atendimento de necessidades específicas dos clientes, com demandas baixas, tendendo par a unidade;  > O produto tem uma data específica negociada com o cliente para ser concluído, o sistema produtivo se volta para novo projeto;  > Os produtos são concebidos em estreita ligação com os clientes, de modo que suas especificações impõem uma organização dedicada ao projeto, que não pode ser preparada com antecedência, principalmente com a geração de supermercados de estoque intermediários para acelerar o leadtime produtivo.  > Eventualmente, a compra de matérias-primas e componentes podem ser feitas com antecedência. 
  • 9. O que é KANBAN? A palavra Kanban vem do Japonês e quer dizer registro ou cartão visual. Embora esteja sendo difundido em outras áreas empresariais são mais aplicados no chão de fábrica, para gestão e controle da produção e de materiais. Kanban Vs Just in Time Ao contrario do que muitas pessoas pensam Just in Time e Kanban são diferentes: De maneira bem simples, podemos dizer que Just in Time é o conceito no qual ter o material correto, no tempo e lugar correto e na quantidade exata necessária, e o que possibilita disso acontecer é o KANBAN. Então podemos dizer que o Kanban é um meio de poder atingir o Just in Time.
  • 10. Colaboradores Células Concluídos: Observações no verso se necessário Caneta e prancheta para anotações Normal Urgente Cartões
  • 11. Autor da Imagem: Raphael Silva
  • 12.  É um complemento do KANBAN;  Tem o intuito de registrar as atividades que os colaboradores da produção estão fazendo diariamente, como se fosse um caderno de anotações, porém, em um quadro onde fica visível os superiores.  Diariamente estas informações são lançadas em uma planilha para periodicamente poder fazer levantamentos gerenciais (gráficos, sínteses de informações); “Só é possível ser avaliado, aquilo que é mensurado.”
  • 13. Fornecedor Estoque Produção Estoque Cliente Fluxo de Informação Origem Fim Entrega Cliente Produção Fornecedor Utilizada pela Specto
  • 14. Empurrar  Produzir o máximo que puder;  O mais Rápido que puder;  Enviar ao próximo processo mesmo que:  Ele ainda não esteja pronto para isso;  Ele não precise disso;  Ele não queira isso. Puxar  Produzir somente o que o processo seguinte precisar;  Somente quando ele precisar. Eficiência foco na maximização da utilização dos recursos Só o material necessário foco no valor agregado
  • 15.  Horizonte de Planejamento   Prazo de efetivação das decisões Um período de replanejamento Horizonte de informações úteis Curto Longo AMBIENTES DINÂMICOS • LeadTimes Curtos • Demanda Instável • Processo Pouco Confiável • Fornecedores pouco Confiáveis. AMBIENTES ESTÁVEIS  LeadTimes Longos  Demanda Estável  Processo Confiável  Fornecedores Confiáveis. Utilizado pela Specto Com Reuniões diárias com a produção, e periódicas com a Diretoria. PERÍODO DE PLANEJAMENTO
  • 16.  Programação para Frente (forward) Datas Prometidas Parte da data mais cedo possível. Acresce, para frente, a duração da atividade Define data de Término Atividade A Atividade B Atividade C Atividade D Semana 1 Semana 2 Semana 3 Semana 4 Semana 5 B, C A D 1 Duração 3 semanas 2 Semanas 1 Semana 2 Semanas “folga” 2 3
  • 17.  Define os rítmos de trabalho e o tempo esperado das operações que precisam ser balanceadas. Caso a distribuição atual das tarefas não suportem esse tempo de ciclo projetado algumas alternativas podem ser implementadas:  Horas-extras (pontual e temporário);  Realocação de mão de obra (polivalência);  Atendimento antecipado da demanda (estoque de acabados);  Uso de mão de obra temporárias (tarefas simples).
  • 18. Autor da Imagem: Raphael Silva
  • 19. Autor da Imagem: Raphael Silva
  • 20. > É utilizado em projetos grandes, onde as entregas da produção são feitas parciais. Exemplo: Santander  > A codificação é feita da seguinte maneira:  * ANO VIGENTE;  * Área Responsável;  * Numeração sequencial;  Exemplo: 2013PCP001  2013PCP002  ....  Essas informações são registradas na Ferramenta C2M, juntamente com o registro do produto. 
  • 21. Estoque Supermercado Produção Supermercado Embalagem Cliente Material Material Indicação com Indicação Cartão por célula Conclusão tarefa
  • 22.  Auxiliar na comunicação entre operador da célula e controle da produção:
  • 23.  Produtos Padronizados: São aqueles bens ou serviços que apresentam alto grau de uniformidade.  Estoque mínimo de componentes: Este estoque facilita fabricação externa e montagem interna, consequentemente agilizará os prazos de entregas. Utilização da “cultura enxuta” na empresa. Exemplo de utilização: Modelo Toyota de Produção.
  • 24.
  • 25. A avaliação de Fornecedor será composta por 3 (três) índices: IAA (Índice de Auto Avaliação):  O fornecedor que prestará serviços e/ou produtos para a Specto irá se auto avaliar em 10 ou mais perguntas comuns ou específicas de acordo com o ramo de atuação e atividades do fornecedor. Ex.: Importações, Materiais Eletrônicos, compras comuns, etc. IDF (Índice de Desempenho do Fornecedor): • De acordo com a tabela de criticidade dos produtos e serviços que será estabelecida, o setor de compras, após o recebimento da nota fiscal, irá avaliar o fornecedor com 10 ou mais perguntas comuns para avaliar o serviço prestado ou bem adquirido. IGAF (Índice Geral de Avaliação do Fornecedor): • O IGAF é composto pelos índices IAA e IDF na proporção 30% e 70% respectivamente, de acordo com a seguinte formula: IAF = (IAA*0,3) + (IDF*0,70), formando assim o terceiro índice, e portanto surgindo um gráfico com uma direção positiva, imparcial ou negativa dos serviços e bens adquiridos.
  • 26.  A avaliação de fornecedores possibilita verificar a capacidade de um determinado fornecedor de prover insumos e serviços, dentro dos requisitos de qualidade exigidos pela Specto.  Os fornecedores serão avaliados, de acordo com os critérios estabelecidos pela Specto, conforme suas respostas no questionário de cadastramento, que possuirá pesos individuais para cada pergunta e as opções de respostas: Atende Completamente, Parcialmente, Não Atende.  EXEMPLO DE QUESTIONÁRIO A SER APLICADO: 1. 1. Certificação da Qualidade? Quais? _______________________________________ 2. 2. Ferramentas da Qualidade? Quais? ______________________________________ 3. 3. Normas e/ou procedimentos relativos aos processos internos? 4. 4. Política de treinamento para os colaboradores? 5. 5. Sistemática de tratamento de reclamações e sugestões? 6. 6. Sistemática de tratamento de não-conformidades e ações preventivas e corretivas? 7. 7. Programar a produção/serviço, de modo a permitir o atendimento ao cronograma de entrega previamente estabelecido? 8. 8. Selecionar e qualificar os seus fornecedores? 9. 9. Definir o armazenamento, manuseio e preservação do material recebido e aprovado, para prevenir danos ou deteriorações? 10. 10. Realizar a manutenção preventiva dos seus equipamentos? 11. 11. Entregar seus produtos e/ou serviços no prazo solicitado garantindo o pleno atendimento das especificações? 12. 12. Realizar Assistência Técnica (pós-venda)? Incluindo treinamento quando aplicável? 13. 13. Tratar eventuais produtos não-conformes fornecidos ao cliente?
  • 27.  O IDF será disponibilizado para o Fornecedor, após cada compra, avaliando o fornecedor com os critérios comuns, pesos individuais e com o seu Nível de Desempenho, onde opções terá resposta: : Atende Completamente, Parcialmente, Não Atende. conforme descrito abaixo:  Critérios para avaliação do IDF:  > Conformidade do produto;  > Flexibilidade na negociações;  > Conhecimento técnico;  > Relacionamento interpessoal;  > Agilidade / Disponibilidade;  > Pós venda;  > Pontualidade;  > Documentação;  > Quantidade.
  • 28. • O IGAF (Índice Geral de Avaliação do Fornecedor) será apresentado por fim, como análise total e individual do fornecedor, conforme dito anteriormente. • Inicialmente a avaliação do fornecedor poderá ser feito via intranet da Specto como um projeto BETA, para teste e aperfeiçoamento desta ferramenta. ETAPAS para: Elaboração do Manual de Compras; Elaboração do Manual do Fornecedor; Elaboração da Carta advertência ou Carta suspensão; Implantação das Informações na Intranet da Specto. PRAZO DE CONCLUSÃO: (com 70% do tempo dedicado ao projeto de Avaliação e Qualificação de Fornecedores.) 4 MESES.
  • 29.  Para que um sistema produtivo transforme insumos em produtos, ele precisa ser pensado em termos das inércias decisórias envolvidas, onde planos são feitos e ações são disparadas com base neste planos para que dentro deste horizonte, os eventos planejados pelas empresas venham a se tornar realidade.
  • 30. Autor: Rafael Santos Adriano. Cargo: Analista de PCP Empresa: Specto Painéis Eletrônicos Ltda. Formação: Administração de Empresas.] Contato: +55 (48) 8458.7653 E-mail: rafael.adriano@specto.com.br