SlideShare uma empresa Scribd logo
'PRIMEIRO LIVRO ANALÍTICA DO BELO' Analítica da Faculdade de Juízo Estética Universidade Estadual do Centro-Oeste - Unicentro Comunicadores: João, Ana Carolina, Jean Alex, Carlos Faria Disciplina: Estética  Prof. Ms.: Evandro Barbosa
Sumário 1) Introdução 2) Primeiro momento do juízo de gosto, segundo a qualidade 3) Segundo momento do juízo de gosto, segundo a quantidade 4) Considerações finais
Michelangelo,Pietá
Boticelli (1445-1510), Pietá
Van Gogh, Pietá
>>> Observação das obras de arte: •  Qual é o tema?  •  Que tipo de sentimentos exprimem as figuras?  •  Que elementos da composição justificam esses sentimentos?  (dar atenção ao material, à proporcionalidade e expressividade das figuras, à postura, aos pormenores).
Caracterização da experiência estética  Apesar de se tratar de uma obra de arte sacra, e representar a morte de Cristo (um momento importante do Cristianismo), a  Pietá  pode ser interpretada como uma representação simbólica do sofrimento de todas as mães perante a morte de um filho. A beleza formal da escultura estimula a nossa sensibilidade, provocando um estado afetivo paradoxal: somos ao mesmo tempo tocados pela dor e atraídos pela beleza da obra. A este tipo de experiência chamamos experiência estética
Experiência estética É um estado afetivo de agrado e de prazer suscitado pela apropriação subjetiva de um objeto, seja à contemplação da natureza, seja à criação ou a contemplação de uma obra de arte.
 
Objeto estético O termo usa-se em dois sentidos: •  Em sentido objetivo designa as obras de arte ou elementos da natureza capazes de provocarem uma experiência estética; •  Em sentido subjetivo (no contexto da linguagem estética), designa as representações mentais dessas obras de arte ou desses objetos naturais. Míron(escultor grego,século V a.C.) - Discóbolo(cópia)
Tipos de Atitudes  Quando nos colocamos perante os objetos podemos assumir: Uma atitude técnica, quando os “olhamos” como algo útil; Uma atitude teórica, quando procuramos compreender; Uma atitude religiosa quando os “olhamos” como sinais ou  símbolos de uma outra realidade;  Uma atitude estética, quando os “olhamos” para sentir simplesmente o prazer do ato de observar sem qualquer outra finalidade.
Atitude estética: é a atitude desinteressada, fixada apenas no sentimento de prazer proporcionado pela percepção do objeto. Alexander Calder, Lithograph Skybird -1974
Experiência estética: texto de Kant  “ Apreender pela sua faculdade de conhecimento (…) um edifício regular e conforme a fins, é algo totalmente diverso do que ser consciente desta representação com a sensação de comprazimento.  Aqui a representação é referida inteiramente ao sujeito e na verdade ao seu sentimento de prazer ou desprazer. (…) A cor verde dos prados pertence à sensação objetiva, como percepção de um objeto dos sentidos; o seu agrado, porém, pertence à sensação subjetiva, ao sentimento (…) do comprazimento”.
Pela contemplação da natureza, da sua beleza, do seu poder, grandiosidade e magnificência. Pela contemplação de objetos estéticos, especialmente pela contemplação da arte. A Pietá é um objeto estético porque a sua contemplação provoca uma emoção estética: um sentimento de prazer que está para além do dramatismo da situação
Sensibilidade estética Se nos colocarmos numa atitude estética, perceberemos os objetos como algo de que se gosta ou não se gosta. Sensibilidade estética é a capacidade de perceber e apreciar as formas, em termos de um sentimento de agrado ou desagrado. Embora, seja uma capacidade natural, a sensibilidade estética precisa de ser educada e desenvolvida. Ouvir música desenvolve a sensibilidade estética?
Em síntese 1) Se adotarmos uma atitude estética, olharmos os objetos desinteressadamente, fixando-nos no sentimento de agrado que o objeto nos dá, acedemos a uma experiência afetiva: a experiência estética. 2) Segundo Kant, a experiência estética não se centra no objeto, nas suas características ou utilidade, nem tem qualquer preocupação prática. Refere-se aosentimento de prazer ou de desprazer vivido pelo sujeito. 3) Se educarmos a nossa sensibilidade estética, poderemos aceder a experiências estéticas de grau mais elevado.
Uma experiência estética
§ 4. A complacência  no bom  é ligada a interesse Para considerar algo bom, preciso saber sempre que tipo de coisa o objeto deva ser, isto é, ter um conceito do mesmo. O agradável parece ser em muitos casos, idêntico ao bom. O bom é o objeto da vontade (isto é, de uma faculdade da apetição determinada pela razão).
§ 5. Comparação dos três modos especificamente diversos de complacência   O agradável e o bom têm ambos uma referência à faculdade da apetição... O agradável, o belo e o bom, designam três relações ao sentimento de prazer e desprazer, com referência ao qual distinguimos entre si objetos ou modos de representação.
§ 6. O belo é o que é representado sem conceitos como objeto de uma complacência  universal .   Aquilo a respeito de cuja complacência alguém é consciente de que ela é nele próprio independente de todo interesse, isso ele não pode ajuizar de outro modo, senão de que tenha de conter um fundamento da complacência de qualquer um. Falará do belo como se a beleza fosse uma quantidade do objeto e o juízo fosse lógico...
§ 7. Comparação do belo com o agradável e o bom através da característica acima.   Com respeito ao agradável, cada um resigna-se com o fato de que seu juízo, que ele funda sobre um sentimento privado e mediante o qual ele diz de um objeto que ele lhe apraz, limita-se também simplesmente a sua pessoa.
Juízos estéticos Ao fazermos apreciações dos objetos em termos de beleza estamos a exprimir um juízo estético. Juízo estético é a expressão da apreciação dos objetos em termos de beleza. Dali, Mulher nua ao espelho
Convencer-se de que pelo juízo de gosto (sobre o belo) imputa-se a qualquer uma complacência no objeto, sem contudo se fundar sobre um conceito (pois, então se trataria do bom); e que esta reivindicação da validade universal pertence tão somente a um juízo pelo qual declaramos algo belo, que sem pensar essa universalidade ninguém teria ideia de usar essa expessão... § 8. A universalidade da complacência é representada em um juízo de gosto somente como subjetiva
Nada pode ser comunicado universalmente, a não ser conhecimento e representação, na medida em que ela pertence ao conhecimento. Se o fundamento determinante do juízo sobre esta comunicabilidade universal da representação deve ser pensado antes subjetivamente, ou seja, sem um conceito do objeto, então ele não pode ser nenhum outro senão o estado de ânimo... § 9. Investigação da questão, se no juízo de gosto o sentimento de prazer parece o ajuizamento do objeto ou se prazer precede o ajuizamento precede o prazer.
A cada uma destas alternativas corresponde uma concepção acerca da natureza dos juízos estéticos: subjetivismo ou objetivismo estético? Em que nos baseamos para dizer «A Vénus de Milo é uma escultura magnífica!», na emoção que sentimos ou nas suas características? Qual o fundamento do juízo estético?
Subjetivismo estético Os juízos estéticos são subjetivos ▼ A beleza depende dos sentimentos de prazer provocados pela contemplação desinteressada do objeto estético. Objetivismo estético  Os juízos estéticos são Objetivos ▼  A beleza depende das propriedades dos objetos independentemente do que sente o observador. Subjetivismo e objetivismo estético
Gosto é a capacidade de julgar o sentimento de prazer ou desprazer que acompanha a representação de um objeto. Ora, se o gosto é que julga com base no sentimento de prazer ou desprazer, então, o juízo estético é determinado por um sentimento subjetivo desinteressado de belo ou de sublime. O juízo estético é singular, pois refere-se apenas ao sujeito que ajuíza. Universalmente subjetivo, pois deve ser válido para todos os sujeitos que julgam desinteressadamente. Tese de Kant: o juízo estético é subjetivo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cap 15 Filosofia Estética
Cap 15  Filosofia EstéticaCap 15  Filosofia Estética
Cap 15 Filosofia Estética
José Ferreira Júnior
 
Ensaio arte
Ensaio arteEnsaio arte
Ensaio arte
João Martins
 
O belo e o feio
O belo e o feioO belo e o feio
O belo e o feio
Aline Corso
 
Arte e estética
Arte e estéticaArte e estética
Arte e estética
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
Edirlene Fraga
 
A arte
A arteA arte
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofia
Solange Ferreira de Paula
 
Filosofia estética
Filosofia   estéticaFilosofia   estética
Filosofia estética
ミゲル ソレッス
 
A filosofia moral de kant
A filosofia moral de kantA filosofia moral de kant
A filosofia moral de kant
Filazambuja
 
Estética slide
Estética slideEstética slide
Estética slide
Solange Ferreira de Paula
 
Introdução à Estética - 1
Introdução à Estética  - 1Introdução à Estética  - 1
Introdução à Estética - 1
Marcos Ramon
 
Estética
Estética Estética
Estética
geehrodrigues
 
Ceticismo
CeticismoCeticismo
História do conceito de arte
História do conceito de arteHistória do conceito de arte
História do conceito de arte
Cristiano Canguçu
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
Elisama Lopes
 
O que é a arte (1)
O que é a arte (1)O que é a arte (1)
O que é a arte (1)
Vasco L
 
Filosofia uel (3)
Filosofia uel (3)Filosofia uel (3)
Filosofia uel (3)
Thiago Castro Bueno
 
Estética 4
Estética 4Estética 4
O que é conhecimento - filosofia
O que é conhecimento - filosofiaO que é conhecimento - filosofia
O que é conhecimento - filosofia
Marcelo Avila
 
A teoria ética de kant
A teoria ética de kantA teoria ética de kant
A teoria ética de kant
Luis De Sousa Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Cap 15 Filosofia Estética
Cap 15  Filosofia EstéticaCap 15  Filosofia Estética
Cap 15 Filosofia Estética
 
Ensaio arte
Ensaio arteEnsaio arte
Ensaio arte
 
O belo e o feio
O belo e o feioO belo e o feio
O belo e o feio
 
Arte e estética
Arte e estéticaArte e estética
Arte e estética
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
 
A arte
A arteA arte
A arte
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofia
 
Filosofia estética
Filosofia   estéticaFilosofia   estética
Filosofia estética
 
A filosofia moral de kant
A filosofia moral de kantA filosofia moral de kant
A filosofia moral de kant
 
Estética slide
Estética slideEstética slide
Estética slide
 
Introdução à Estética - 1
Introdução à Estética  - 1Introdução à Estética  - 1
Introdução à Estética - 1
 
Estética
Estética Estética
Estética
 
Ceticismo
CeticismoCeticismo
Ceticismo
 
História do conceito de arte
História do conceito de arteHistória do conceito de arte
História do conceito de arte
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
 
O que é a arte (1)
O que é a arte (1)O que é a arte (1)
O que é a arte (1)
 
Filosofia uel (3)
Filosofia uel (3)Filosofia uel (3)
Filosofia uel (3)
 
Estética 4
Estética 4Estética 4
Estética 4
 
O que é conhecimento - filosofia
O que é conhecimento - filosofiaO que é conhecimento - filosofia
O que é conhecimento - filosofia
 
A teoria ética de kant
A teoria ética de kantA teoria ética de kant
A teoria ética de kant
 

Destaque

Teorias Explicativas do Conhecimento - Kant
Teorias Explicativas do Conhecimento - KantTeorias Explicativas do Conhecimento - Kant
Teorias Explicativas do Conhecimento - Kant
Jorge Barbosa
 
Truísmos à volta da beleza
Truísmos à volta da belezaTruísmos à volta da beleza
Truísmos à volta da beleza
António Daniel
 
Design Afetivo e Reificação
Design Afetivo e ReificaçãoDesign Afetivo e Reificação
Design Afetivo e Reificação
UTFPR
 
Violência Escolar
Violência Escolar Violência Escolar
Uma QuestãO De Escolha
Uma QuestãO De EscolhaUma QuestãO De Escolha
Uma QuestãO De Escolha
Bre_msmd
 
FILOSOFIA DE KANT
FILOSOFIA DE KANTFILOSOFIA DE KANT
FILOSOFIA DE KANT
Victor França
 
O que import é o motivo - Immanuel Kant
O que import é o motivo - Immanuel KantO que import é o motivo - Immanuel Kant
O que import é o motivo - Immanuel Kant
League of Legends Society
 
Exame de filosofia critérios
Exame de filosofia   critériosExame de filosofia   critérios
Exame de filosofia critérios
António Daniel
 
Teoria da justiça como equidade em kant
Teoria da justiça como equidade em kantTeoria da justiça como equidade em kant
Teoria da justiça como equidade em kant
Escadufax81
 
Design Afetivo e Estética da Interação
Design Afetivo e Estética da InteraçãoDesign Afetivo e Estética da Interação
Design Afetivo e Estética da Interação
UTFPR
 
Estética2
Estética2Estética2
Estética2
Jorge Barbosa
 
Immanuel Kant
Immanuel KantImmanuel Kant
Immanuel Kant
LuisMagina
 
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Julia Martins
 
Lógica do Juízo
Lógica do JuízoLógica do Juízo
Lógica do Juízo
Paulo Gomes
 
Filosofia do direito Immanuel kant (slides)
Filosofia do direito   Immanuel kant (slides)Filosofia do direito   Immanuel kant (slides)
Filosofia do direito Immanuel kant (slides)
Jacqueline Matilde
 
120095526 3-as-relacoes-entre-subjetividade-e-objetividade
120095526 3-as-relacoes-entre-subjetividade-e-objetividade120095526 3-as-relacoes-entre-subjetividade-e-objetividade
120095526 3-as-relacoes-entre-subjetividade-e-objetividade
Eduardo Lopes
 
Resumo kant
Resumo kantResumo kant
Resumo kant
historiapsi
 
Immanuel kant
Immanuel kantImmanuel kant
Immanuel kant
Douglas Barreto
 
Valores subjetivos objetivos
Valores subjetivos objetivosValores subjetivos objetivos
Valores subjetivos objetivos
Pedro Mota
 
O problema da justiça distributiva
O problema da justiça distributivaO problema da justiça distributiva
O problema da justiça distributiva
Luis De Sousa Rodrigues
 

Destaque (20)

Teorias Explicativas do Conhecimento - Kant
Teorias Explicativas do Conhecimento - KantTeorias Explicativas do Conhecimento - Kant
Teorias Explicativas do Conhecimento - Kant
 
Truísmos à volta da beleza
Truísmos à volta da belezaTruísmos à volta da beleza
Truísmos à volta da beleza
 
Design Afetivo e Reificação
Design Afetivo e ReificaçãoDesign Afetivo e Reificação
Design Afetivo e Reificação
 
Violência Escolar
Violência Escolar Violência Escolar
Violência Escolar
 
Uma QuestãO De Escolha
Uma QuestãO De EscolhaUma QuestãO De Escolha
Uma QuestãO De Escolha
 
FILOSOFIA DE KANT
FILOSOFIA DE KANTFILOSOFIA DE KANT
FILOSOFIA DE KANT
 
O que import é o motivo - Immanuel Kant
O que import é o motivo - Immanuel KantO que import é o motivo - Immanuel Kant
O que import é o motivo - Immanuel Kant
 
Exame de filosofia critérios
Exame de filosofia   critériosExame de filosofia   critérios
Exame de filosofia critérios
 
Teoria da justiça como equidade em kant
Teoria da justiça como equidade em kantTeoria da justiça como equidade em kant
Teoria da justiça como equidade em kant
 
Design Afetivo e Estética da Interação
Design Afetivo e Estética da InteraçãoDesign Afetivo e Estética da Interação
Design Afetivo e Estética da Interação
 
Estética2
Estética2Estética2
Estética2
 
Immanuel Kant
Immanuel KantImmanuel Kant
Immanuel Kant
 
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
 
Lógica do Juízo
Lógica do JuízoLógica do Juízo
Lógica do Juízo
 
Filosofia do direito Immanuel kant (slides)
Filosofia do direito   Immanuel kant (slides)Filosofia do direito   Immanuel kant (slides)
Filosofia do direito Immanuel kant (slides)
 
120095526 3-as-relacoes-entre-subjetividade-e-objetividade
120095526 3-as-relacoes-entre-subjetividade-e-objetividade120095526 3-as-relacoes-entre-subjetividade-e-objetividade
120095526 3-as-relacoes-entre-subjetividade-e-objetividade
 
Resumo kant
Resumo kantResumo kant
Resumo kant
 
Immanuel kant
Immanuel kantImmanuel kant
Immanuel kant
 
Valores subjetivos objetivos
Valores subjetivos objetivosValores subjetivos objetivos
Valores subjetivos objetivos
 
O problema da justiça distributiva
O problema da justiça distributivaO problema da justiça distributiva
O problema da justiça distributiva
 

Semelhante a Apresentação estética Analítica Juízos de Kant

Moral Utilitarista VersãO Final
Moral Utilitarista VersãO FinalMoral Utilitarista VersãO Final
Moral Utilitarista VersãO Final
Helena Serrão
 
A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2
Helena Serrão
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
Helena Serrão
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
Keila Schons
 
Vamos falar de arte(1)
Vamos falar de arte(1)Vamos falar de arte(1)
Vamos falar de arte(1)
Luis Silva
 
A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2
Helena Serrão
 
Entendendo a arte
Entendendo a arteEntendendo a arte
Entendendo a arte
Aurimar Bianchi Júnior
 
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
fernandobueno774792
 
Estetica
Estetica   Estetica
Estetica
Mary Alvarenga
 
9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx
9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx
9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx
Iuri Ribeiro
 
3 fil prov. bimestral 2 cham bc 3bi
3 fil    prov. bimestral  2 cham bc 3bi3 fil    prov. bimestral  2 cham bc 3bi
3 fil prov. bimestral 2 cham bc 3bi
Felipe Serra
 
Estetica (atividade II)
Estetica   (atividade II)Estetica   (atividade II)
Estetica (atividade II)
Mary Alvarenga
 
A Estética
A EstéticaA Estética
A Estética
3000zxsc
 
Resenha Kant
Resenha KantResenha Kant
Resenha Kant
Pedro Correia
 
Arte
ArteArte
Textos e Comentários
Textos e ComentáriosTextos e Comentários
Textos e Comentários
Jorge Barbosa
 
3 fil prov. bimestral bc 3bi
3 fil    prov. bimestral  bc 3bi3 fil    prov. bimestral  bc 3bi
3 fil prov. bimestral bc 3bi
Felipe Serra
 
3º estética (hegel)
3º   estética (hegel)3º   estética (hegel)
3º estética (hegel)
Caio Cæsar
 
Documento
DocumentoDocumento
Documento
Milena Marelli
 
Curso introdu o_educa_o__77366 (1)
Curso introdu o_educa_o__77366 (1)Curso introdu o_educa_o__77366 (1)
Curso introdu o_educa_o__77366 (1)
julianabtu2017
 

Semelhante a Apresentação estética Analítica Juízos de Kant (20)

Moral Utilitarista VersãO Final
Moral Utilitarista VersãO FinalMoral Utilitarista VersãO Final
Moral Utilitarista VersãO Final
 
A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
 
Vamos falar de arte(1)
Vamos falar de arte(1)Vamos falar de arte(1)
Vamos falar de arte(1)
 
A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2
 
Entendendo a arte
Entendendo a arteEntendendo a arte
Entendendo a arte
 
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
 
Estetica
Estetica   Estetica
Estetica
 
9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx
9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx
9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx
 
3 fil prov. bimestral 2 cham bc 3bi
3 fil    prov. bimestral  2 cham bc 3bi3 fil    prov. bimestral  2 cham bc 3bi
3 fil prov. bimestral 2 cham bc 3bi
 
Estetica (atividade II)
Estetica   (atividade II)Estetica   (atividade II)
Estetica (atividade II)
 
A Estética
A EstéticaA Estética
A Estética
 
Resenha Kant
Resenha KantResenha Kant
Resenha Kant
 
Arte
ArteArte
Arte
 
Textos e Comentários
Textos e ComentáriosTextos e Comentários
Textos e Comentários
 
3 fil prov. bimestral bc 3bi
3 fil    prov. bimestral  bc 3bi3 fil    prov. bimestral  bc 3bi
3 fil prov. bimestral bc 3bi
 
3º estética (hegel)
3º   estética (hegel)3º   estética (hegel)
3º estética (hegel)
 
Documento
DocumentoDocumento
Documento
 
Curso introdu o_educa_o__77366 (1)
Curso introdu o_educa_o__77366 (1)Curso introdu o_educa_o__77366 (1)
Curso introdu o_educa_o__77366 (1)
 

Mais de Carlos Faria

Apresentação Manifesto Comunista Marx
Apresentação Manifesto Comunista MarxApresentação Manifesto Comunista Marx
Apresentação Manifesto Comunista Marx
Carlos Faria
 
Willian killpatrick
Willian killpatrickWillian killpatrick
Willian killpatrick
Carlos Faria
 
Apresentação Nietzsche
Apresentação Nietzsche Apresentação Nietzsche
Apresentação Nietzsche
Carlos Faria
 
Apresentação demo
Apresentação demoApresentação demo
Apresentação demo
Carlos Faria
 
Apresentação demo
Apresentação demoApresentação demo
Apresentação demo
Carlos Faria
 
Apresentação Nietzsche
Apresentação NietzscheApresentação Nietzsche
Apresentação Nietzsche
Carlos Faria
 

Mais de Carlos Faria (6)

Apresentação Manifesto Comunista Marx
Apresentação Manifesto Comunista MarxApresentação Manifesto Comunista Marx
Apresentação Manifesto Comunista Marx
 
Willian killpatrick
Willian killpatrickWillian killpatrick
Willian killpatrick
 
Apresentação Nietzsche
Apresentação Nietzsche Apresentação Nietzsche
Apresentação Nietzsche
 
Apresentação demo
Apresentação demoApresentação demo
Apresentação demo
 
Apresentação demo
Apresentação demoApresentação demo
Apresentação demo
 
Apresentação Nietzsche
Apresentação NietzscheApresentação Nietzsche
Apresentação Nietzsche
 

Último

Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 

Último (20)

Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 

Apresentação estética Analítica Juízos de Kant

  • 1. 'PRIMEIRO LIVRO ANALÍTICA DO BELO' Analítica da Faculdade de Juízo Estética Universidade Estadual do Centro-Oeste - Unicentro Comunicadores: João, Ana Carolina, Jean Alex, Carlos Faria Disciplina: Estética Prof. Ms.: Evandro Barbosa
  • 2. Sumário 1) Introdução 2) Primeiro momento do juízo de gosto, segundo a qualidade 3) Segundo momento do juízo de gosto, segundo a quantidade 4) Considerações finais
  • 6. >>> Observação das obras de arte: • Qual é o tema? • Que tipo de sentimentos exprimem as figuras? • Que elementos da composição justificam esses sentimentos? (dar atenção ao material, à proporcionalidade e expressividade das figuras, à postura, aos pormenores).
  • 7. Caracterização da experiência estética Apesar de se tratar de uma obra de arte sacra, e representar a morte de Cristo (um momento importante do Cristianismo), a Pietá pode ser interpretada como uma representação simbólica do sofrimento de todas as mães perante a morte de um filho. A beleza formal da escultura estimula a nossa sensibilidade, provocando um estado afetivo paradoxal: somos ao mesmo tempo tocados pela dor e atraídos pela beleza da obra. A este tipo de experiência chamamos experiência estética
  • 8. Experiência estética É um estado afetivo de agrado e de prazer suscitado pela apropriação subjetiva de um objeto, seja à contemplação da natureza, seja à criação ou a contemplação de uma obra de arte.
  • 9.  
  • 10. Objeto estético O termo usa-se em dois sentidos: • Em sentido objetivo designa as obras de arte ou elementos da natureza capazes de provocarem uma experiência estética; • Em sentido subjetivo (no contexto da linguagem estética), designa as representações mentais dessas obras de arte ou desses objetos naturais. Míron(escultor grego,século V a.C.) - Discóbolo(cópia)
  • 11. Tipos de Atitudes Quando nos colocamos perante os objetos podemos assumir: Uma atitude técnica, quando os “olhamos” como algo útil; Uma atitude teórica, quando procuramos compreender; Uma atitude religiosa quando os “olhamos” como sinais ou símbolos de uma outra realidade; Uma atitude estética, quando os “olhamos” para sentir simplesmente o prazer do ato de observar sem qualquer outra finalidade.
  • 12. Atitude estética: é a atitude desinteressada, fixada apenas no sentimento de prazer proporcionado pela percepção do objeto. Alexander Calder, Lithograph Skybird -1974
  • 13. Experiência estética: texto de Kant “ Apreender pela sua faculdade de conhecimento (…) um edifício regular e conforme a fins, é algo totalmente diverso do que ser consciente desta representação com a sensação de comprazimento. Aqui a representação é referida inteiramente ao sujeito e na verdade ao seu sentimento de prazer ou desprazer. (…) A cor verde dos prados pertence à sensação objetiva, como percepção de um objeto dos sentidos; o seu agrado, porém, pertence à sensação subjetiva, ao sentimento (…) do comprazimento”.
  • 14. Pela contemplação da natureza, da sua beleza, do seu poder, grandiosidade e magnificência. Pela contemplação de objetos estéticos, especialmente pela contemplação da arte. A Pietá é um objeto estético porque a sua contemplação provoca uma emoção estética: um sentimento de prazer que está para além do dramatismo da situação
  • 15. Sensibilidade estética Se nos colocarmos numa atitude estética, perceberemos os objetos como algo de que se gosta ou não se gosta. Sensibilidade estética é a capacidade de perceber e apreciar as formas, em termos de um sentimento de agrado ou desagrado. Embora, seja uma capacidade natural, a sensibilidade estética precisa de ser educada e desenvolvida. Ouvir música desenvolve a sensibilidade estética?
  • 16. Em síntese 1) Se adotarmos uma atitude estética, olharmos os objetos desinteressadamente, fixando-nos no sentimento de agrado que o objeto nos dá, acedemos a uma experiência afetiva: a experiência estética. 2) Segundo Kant, a experiência estética não se centra no objeto, nas suas características ou utilidade, nem tem qualquer preocupação prática. Refere-se aosentimento de prazer ou de desprazer vivido pelo sujeito. 3) Se educarmos a nossa sensibilidade estética, poderemos aceder a experiências estéticas de grau mais elevado.
  • 18. § 4. A complacência no bom é ligada a interesse Para considerar algo bom, preciso saber sempre que tipo de coisa o objeto deva ser, isto é, ter um conceito do mesmo. O agradável parece ser em muitos casos, idêntico ao bom. O bom é o objeto da vontade (isto é, de uma faculdade da apetição determinada pela razão).
  • 19. § 5. Comparação dos três modos especificamente diversos de complacência O agradável e o bom têm ambos uma referência à faculdade da apetição... O agradável, o belo e o bom, designam três relações ao sentimento de prazer e desprazer, com referência ao qual distinguimos entre si objetos ou modos de representação.
  • 20. § 6. O belo é o que é representado sem conceitos como objeto de uma complacência universal . Aquilo a respeito de cuja complacência alguém é consciente de que ela é nele próprio independente de todo interesse, isso ele não pode ajuizar de outro modo, senão de que tenha de conter um fundamento da complacência de qualquer um. Falará do belo como se a beleza fosse uma quantidade do objeto e o juízo fosse lógico...
  • 21. § 7. Comparação do belo com o agradável e o bom através da característica acima. Com respeito ao agradável, cada um resigna-se com o fato de que seu juízo, que ele funda sobre um sentimento privado e mediante o qual ele diz de um objeto que ele lhe apraz, limita-se também simplesmente a sua pessoa.
  • 22. Juízos estéticos Ao fazermos apreciações dos objetos em termos de beleza estamos a exprimir um juízo estético. Juízo estético é a expressão da apreciação dos objetos em termos de beleza. Dali, Mulher nua ao espelho
  • 23. Convencer-se de que pelo juízo de gosto (sobre o belo) imputa-se a qualquer uma complacência no objeto, sem contudo se fundar sobre um conceito (pois, então se trataria do bom); e que esta reivindicação da validade universal pertence tão somente a um juízo pelo qual declaramos algo belo, que sem pensar essa universalidade ninguém teria ideia de usar essa expessão... § 8. A universalidade da complacência é representada em um juízo de gosto somente como subjetiva
  • 24. Nada pode ser comunicado universalmente, a não ser conhecimento e representação, na medida em que ela pertence ao conhecimento. Se o fundamento determinante do juízo sobre esta comunicabilidade universal da representação deve ser pensado antes subjetivamente, ou seja, sem um conceito do objeto, então ele não pode ser nenhum outro senão o estado de ânimo... § 9. Investigação da questão, se no juízo de gosto o sentimento de prazer parece o ajuizamento do objeto ou se prazer precede o ajuizamento precede o prazer.
  • 25. A cada uma destas alternativas corresponde uma concepção acerca da natureza dos juízos estéticos: subjetivismo ou objetivismo estético? Em que nos baseamos para dizer «A Vénus de Milo é uma escultura magnífica!», na emoção que sentimos ou nas suas características? Qual o fundamento do juízo estético?
  • 26. Subjetivismo estético Os juízos estéticos são subjetivos ▼ A beleza depende dos sentimentos de prazer provocados pela contemplação desinteressada do objeto estético. Objetivismo estético Os juízos estéticos são Objetivos ▼ A beleza depende das propriedades dos objetos independentemente do que sente o observador. Subjetivismo e objetivismo estético
  • 27. Gosto é a capacidade de julgar o sentimento de prazer ou desprazer que acompanha a representação de um objeto. Ora, se o gosto é que julga com base no sentimento de prazer ou desprazer, então, o juízo estético é determinado por um sentimento subjetivo desinteressado de belo ou de sublime. O juízo estético é singular, pois refere-se apenas ao sujeito que ajuíza. Universalmente subjetivo, pois deve ser válido para todos os sujeitos que julgam desinteressadamente. Tese de Kant: o juízo estético é subjetivo.