SlideShare uma empresa Scribd logo
1- A Experiência Estética e o Juízo Estético
1.1 O que é a Estética? Termo inventado em 1750 por Baumgarten. Este filósofo considera a estética uma forma de analisar como os sentidos são afectados por determinados objectos, quer artísticos quer naturais. O termo “estética” deriva da palavra grega aesthesis, que significa “percepção.”  As perguntas fundamentais são: O que é o Belo? Como justificamos os nossos gostos? O que é a arte?
Hípias Maior, Platão O problema: O que é o Belo? Estrutura do argumento: O que é o bem? O que é a justiça? O que é o Belo? O bem existe  pelo Bem O justo é justo pela justiça O belo existe pelo Belo O Belo é real A Justiça é real O Bem é real Para Platão, só a Ideia de Beleza é realmente bela, dado que tudo o mais é apenas belo num aspecto ou num dado momento e não noutro, ou por comparação com uma coisa e não com outra. As pessoas e as coisas belas só podem aproximar-se da Forma da Beleza.
Objecções Todas as crenças acerca da realidade são justificadas pelas noções de verdade ou de bem: Por que acredito em P? Porque é verdadeiro. Por que quero X? Porque é bom. Porque estás interessado em Y? Porque é belo. Qual das proposições é mais discutível? A beleza tem uma natureza subversiva: A beleza é, por vezes, inimiga da verdade e da bondade.
A beleza é inimiga da verdade e da bondade. Porque: Uma pessoa seduzida por um mito pode ser tentada a acreditar nele. Por isso, a beleza é inimiga da verdade. Um homem atraído por uma mulher pode ser tentado a fechar os olhos aos vícios desta. Por isso, a beleza é, por vezes, inimiga da bondade.
Não há juízos de gosto em segunda mão A beleza é objecto de um juízo de gosto A beleza traz-nos comprazimento Truísmos à volta da Beleza O juízo de gosto faz-se sobre o objecto belo e não sobre o estado de espírito do sujeito A beleza é sempre uma razão para prestarmos atenção às coisas que a possui Há coisas mais belas do que outras
O Juízo de Gosto Acto mediante o qual formulamos uma proposição que atribui determinada qualidade estética (beleza, sublimidade, fealdade) a um objecto.
O que justifica estes juízos? O Objectivismo Tese: Dizemos que um objecto é belo em virtude das suas propriedades intrínsecas e independentemente do que sentimos quando o observamos. Dizer «a catedral de Milão é bela» é diferente de dizer «gosto da catedral de Milão» Argumento: Se não houvesse características objectivas não era possível qualquer consenso alargado acerca da beleza ou fealdade de um objecto.
Objecções e virtudes Então por que razão discordam as pessoas em relação à beleza ou ausência dela de muitas outras coisas? Esta posição objectivista tem a virtude de difundir a ideia de que não vale tudo.
Principal representante Segundo Beardsley, as características estéticas são objectivas e são de um tipo: 1- Intensidade, Unidade e Complexidade Estas características promovem a estética do objecto.
B- O Subjectivismo Tese: Dizemos que um objecto é belo em virtude do que sentimos quando o observamos. O juízo estético depende exclusivamente do sujeito. Argumento: A beleza decorre de um juízo de gosto, isto é, depende dos sentimentos de prazer do observador. Dizer «x é belo» é o mesmo que dizer «gosto de x»
Objecções e Virtudes Se assim for, é verdadeiro um sujeito dizer «gosto de x», tal como é verdadeiro dizer «não gosto de X». Gostar é uma condição necessária da beleza mas não suficiente. Posso gostar de coisas feias.
E agora…? David Hume Segundo David Hume existe um padrão de gosto: qualquer pessoa atenta sabe distinguir uma obra de Eça de Queirós de uma obra de José Saramago. Assim, de acordo com Hume, dizer que «x é belo» é o mesmo que dizer que «gosto de X» porque está de acordo com o padrão de gosto.
Somos todos constituídos de um modo que sentimos deleite com os mesmos géneros de objectos da natureza e das obras de arte, mas não temos todos a mesma experiência de fundo, delicadeza de gosto, bom senso, capacidade para fazer comparações e ausência de preconceito que idealmente poderíamos e deveríamos ter.
Francisco de Goya. O Fuzilamento de 3 de Maio
VanGogh – As Botas
Como se caracteriza o padrão de gosto? O padrão de gosto é formado ao longo do tempo. Há características que são naturalmente percebidas como agradáveis.  Para compreender o padrão de gosto é necessário treino. A sensibilidade pelo belo varia consoante a delicadeza com que certos objectos são apreciados. O estético é indissociável do padrão de gosto e este é algo que se mantém ao longo do tempo. Tal com há odores a que o nosso olfacto reage naturalmente mal, Há características dos objectos que são naturalmente percebidas como agradáveis.
O Juízo de gosto é subjectivo  I. Kant Quando digo «este objecto é belo», esta apreciação não diz respeito a inclinações ou a desejos. Quando assim afirmo estou a ter um juízo de gosto subjectivo e, simultaneamente universal. Não podemos dizer por que razão algo é belo, mas também não podemos dizer que as nossas avaliações sejam meras expressões de gosto.
1.2 A Experiência Estética Estas diferentes formas como os sentidos são afectados remete-nos para a Experiência Estética. O tipo deexperiência depende do objecto a que se refere. Assim…
Distinção entre experiência estética da não estética A questão é, pois, quando temos uma experiência estética? Como se caracteriza? Perante uma apreciação do estético existem duas posições: contemplativa e desinteressada. Mesmo esta contemplação é relativa ao objecto que está diante de nós. De qualquer forma, a experiência estética é contemplativa porque nos entregamos à percepção e  isso  dá--nos prazer. É desinteressada porque o prazer esgota-se nessa situação.
Obra de arte
Imagem da natureza
Um objecto do quotidiano
Universalidade da expressão estética Simetria Ordem Proporção Novidade Excitação Factores objectivos que desencadeiam juízos subjectivos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ceticismo
CeticismoCeticismo
A teoria ética de kant
A teoria ética de kantA teoria ética de kant
A teoria ética de kant
Luis De Sousa Rodrigues
 
Teorias do conhecimento
Teorias do conhecimentoTeorias do conhecimento
Teorias do conhecimento
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
Elisama Lopes
 
David hume
David humeDavid hume
David hume
Douglas Barreto
 
Kant
KantKant
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
norberto faria
 
Filosofia da Arte
Filosofia da Arte Filosofia da Arte
Filosofia da Arte
VeraJesus14
 
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de Descartes
Elisabete Silva
 
2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento 2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento
Erica Frau
 
A arte
A arteA arte
Filosofia Estética
Filosofia EstéticaFilosofia Estética
Filosofia Estética
Kely Cristina Metzker
 
Ética Aristóteles
Ética AristótelesÉtica Aristóteles
Ética Aristóteles
João Paulo Rodrigues
 
Ceticismo slides
Ceticismo slidesCeticismo slides
Ceticismo slides
Alexandre Misturini
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
j_sdias
 
Estética slide
Estética slideEstética slide
Estética slide
Solange Ferreira de Paula
 
Teoria Do Conhecimento
Teoria Do ConhecimentoTeoria Do Conhecimento
Teoria Do Conhecimento
rodrigomagarinus
 
A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2
Helena Serrão
 
Cógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de DescartesCógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de Descartes
Joana Filipa Rodrigues
 
A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2
Helena Serrão
 

Mais procurados (20)

Ceticismo
CeticismoCeticismo
Ceticismo
 
A teoria ética de kant
A teoria ética de kantA teoria ética de kant
A teoria ética de kant
 
Teorias do conhecimento
Teorias do conhecimentoTeorias do conhecimento
Teorias do conhecimento
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
 
David hume
David humeDavid hume
David hume
 
Kant
KantKant
Kant
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 
Filosofia da Arte
Filosofia da Arte Filosofia da Arte
Filosofia da Arte
 
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de Descartes
 
2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento 2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento
 
A arte
A arteA arte
A arte
 
Filosofia Estética
Filosofia EstéticaFilosofia Estética
Filosofia Estética
 
Ética Aristóteles
Ética AristótelesÉtica Aristóteles
Ética Aristóteles
 
Ceticismo slides
Ceticismo slidesCeticismo slides
Ceticismo slides
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
 
Estética slide
Estética slideEstética slide
Estética slide
 
Teoria Do Conhecimento
Teoria Do ConhecimentoTeoria Do Conhecimento
Teoria Do Conhecimento
 
A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2
 
Cógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de DescartesCógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de Descartes
 
A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2
 

Destaque

Estética - Estudo do Belo
Estética - Estudo do BeloEstética - Estudo do Belo
Estética - Estudo do Belo
Silmara Nogueira
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
Edirlene Fraga
 
Cap 15 Filosofia Estética
Cap 15  Filosofia EstéticaCap 15  Filosofia Estética
Cap 15 Filosofia Estética
José Ferreira Júnior
 
AINT - Trabalho
AINT - TrabalhoAINT - Trabalho
AINT - Trabalho
Daniela Ramalho
 
Estética
Estética Estética
Estética
geehrodrigues
 
Estética conceito de arte e obra de arte
Estética conceito de arte e obra de arteEstética conceito de arte e obra de arte
Estética conceito de arte e obra de arte
Julia Martins
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
Ana Barreiros
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
IF - Baiano
 
Estética e Imagem Pessoal
Estética e Imagem PessoalEstética e Imagem Pessoal
Estética e Imagem Pessoal
João Victor Oliveira
 
História da Arte - Concepções Estéticas
História da Arte - Concepções EstéticasHistória da Arte - Concepções Estéticas
História da Arte - Concepções Estéticas
Elan Lopes
 
DEFINIÇÕES DE ARTE
DEFINIÇÕES DE ARTEDEFINIÇÕES DE ARTE
DEFINIÇÕES DE ARTE
Aclecio Dantas
 
Capitulo 12 filosofia
Capitulo 12 filosofiaCapitulo 12 filosofia
Capitulo 12 filosofia
Paulo Olli
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofia
Solange Ferreira de Paula
 
Filosofia clássica 2
Filosofia clássica 2Filosofia clássica 2
Filosofia clássica 2
Douglas Gregorio
 
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Julia Martins
 
Apresentação Estética
Apresentação EstéticaApresentação Estética
Apresentação Estética
Auriene
 
Código de ética do profissional esteticista
Código de ética do profissional esteticistaCódigo de ética do profissional esteticista
Código de ética do profissional esteticista
Docente Ilen Marzocca
 
Valores eticos
Valores eticosValores eticos
Valores eticos
Manuel Ensastegui
 
Estetica Aplicada ao Design - Aula 2
Estetica Aplicada ao Design - Aula 2Estetica Aplicada ao Design - Aula 2
Estetica Aplicada ao Design - Aula 2
José Pirauá
 
trabalho sobre Estética
trabalho sobre Estéticatrabalho sobre Estética
trabalho sobre Estética
tatizinhateixeira
 

Destaque (20)

Estética - Estudo do Belo
Estética - Estudo do BeloEstética - Estudo do Belo
Estética - Estudo do Belo
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
 
Cap 15 Filosofia Estética
Cap 15  Filosofia EstéticaCap 15  Filosofia Estética
Cap 15 Filosofia Estética
 
AINT - Trabalho
AINT - TrabalhoAINT - Trabalho
AINT - Trabalho
 
Estética
Estética Estética
Estética
 
Estética conceito de arte e obra de arte
Estética conceito de arte e obra de arteEstética conceito de arte e obra de arte
Estética conceito de arte e obra de arte
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
 
Estética e Imagem Pessoal
Estética e Imagem PessoalEstética e Imagem Pessoal
Estética e Imagem Pessoal
 
História da Arte - Concepções Estéticas
História da Arte - Concepções EstéticasHistória da Arte - Concepções Estéticas
História da Arte - Concepções Estéticas
 
DEFINIÇÕES DE ARTE
DEFINIÇÕES DE ARTEDEFINIÇÕES DE ARTE
DEFINIÇÕES DE ARTE
 
Capitulo 12 filosofia
Capitulo 12 filosofiaCapitulo 12 filosofia
Capitulo 12 filosofia
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofia
 
Filosofia clássica 2
Filosofia clássica 2Filosofia clássica 2
Filosofia clássica 2
 
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
 
Apresentação Estética
Apresentação EstéticaApresentação Estética
Apresentação Estética
 
Código de ética do profissional esteticista
Código de ética do profissional esteticistaCódigo de ética do profissional esteticista
Código de ética do profissional esteticista
 
Valores eticos
Valores eticosValores eticos
Valores eticos
 
Estetica Aplicada ao Design - Aula 2
Estetica Aplicada ao Design - Aula 2Estetica Aplicada ao Design - Aula 2
Estetica Aplicada ao Design - Aula 2
 
trabalho sobre Estética
trabalho sobre Estéticatrabalho sobre Estética
trabalho sobre Estética
 

Semelhante a Estética

Moral Utilitarista VersãO Final
Moral Utilitarista VersãO FinalMoral Utilitarista VersãO Final
Moral Utilitarista VersãO Final
Helena Serrão
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
Helena Serrão
 
Estetica
Estetica   Estetica
Estetica
Mary Alvarenga
 
O belo e o feio
O belo e o feioO belo e o feio
O belo e o feio
Aline Corso
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
Keila Schons
 
Roger Scruton - Livro Beleza A beleza pode ser reconfortante, perturbadora, s...
Roger Scruton - Livro Beleza A beleza pode ser reconfortante, perturbadora, s...Roger Scruton - Livro Beleza A beleza pode ser reconfortante, perturbadora, s...
Roger Scruton - Livro Beleza A beleza pode ser reconfortante, perturbadora, s...
irneponuceno
 
Gumbrecht - Pequenas Crises
Gumbrecht - Pequenas CrisesGumbrecht - Pequenas Crises
Gumbrecht - Pequenas Crises
carolinaloch
 
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
fernandobueno774792
 
Resumos valores e_valoração
Resumos valores e_valoraçãoResumos valores e_valoração
Resumos valores e_valoração
AidaCunha73
 
a arte como fenomeno social
a arte como fenomeno  social a arte como fenomeno  social
O que podemos conhecer teoria do conhecimento
O que podemos conhecer teoria do conhecimentoO que podemos conhecer teoria do conhecimento
O que podemos conhecer teoria do conhecimento
LucianaCosta9469
 
9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx
9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx
9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx
Iuri Ribeiro
 
Filosofia, comunicação e ética unip
Filosofia, comunicação e ética unipFilosofia, comunicação e ética unip
Filosofia, comunicação e ética unip
Arte de Lorena
 
Estética 4
Estética 4Estética 4
Situação de Aprendizagem Filosofia
Situação de Aprendizagem Filosofia Situação de Aprendizagem Filosofia
Situação de Aprendizagem Filosofia
Erica Frau
 
Valor
ValorValor
Estética 31
Estética 31Estética 31
Estética 31
Alexandre Misturini
 
Do padrão do gosto - David Hume
Do padrão do gosto - David HumeDo padrão do gosto - David Hume
Do padrão do gosto - David Hume
Elisama Lopes
 
eticadekant.pdf
eticadekant.pdfeticadekant.pdf
eticadekant.pdf
CarolinaEsteves22
 
A beleza segundo a estética idealista alemã
A beleza segundo a estética idealista alemãA beleza segundo a estética idealista alemã
A beleza segundo a estética idealista alemã
Juliana Miriane Stürmer
 

Semelhante a Estética (20)

Moral Utilitarista VersãO Final
Moral Utilitarista VersãO FinalMoral Utilitarista VersãO Final
Moral Utilitarista VersãO Final
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
Estetica
Estetica   Estetica
Estetica
 
O belo e o feio
O belo e o feioO belo e o feio
O belo e o feio
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
 
Roger Scruton - Livro Beleza A beleza pode ser reconfortante, perturbadora, s...
Roger Scruton - Livro Beleza A beleza pode ser reconfortante, perturbadora, s...Roger Scruton - Livro Beleza A beleza pode ser reconfortante, perturbadora, s...
Roger Scruton - Livro Beleza A beleza pode ser reconfortante, perturbadora, s...
 
Gumbrecht - Pequenas Crises
Gumbrecht - Pequenas CrisesGumbrecht - Pequenas Crises
Gumbrecht - Pequenas Crises
 
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
 
Resumos valores e_valoração
Resumos valores e_valoraçãoResumos valores e_valoração
Resumos valores e_valoração
 
a arte como fenomeno social
a arte como fenomeno  social a arte como fenomeno  social
a arte como fenomeno social
 
O que podemos conhecer teoria do conhecimento
O que podemos conhecer teoria do conhecimentoO que podemos conhecer teoria do conhecimento
O que podemos conhecer teoria do conhecimento
 
9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx
9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx
9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx
 
Filosofia, comunicação e ética unip
Filosofia, comunicação e ética unipFilosofia, comunicação e ética unip
Filosofia, comunicação e ética unip
 
Estética 4
Estética 4Estética 4
Estética 4
 
Situação de Aprendizagem Filosofia
Situação de Aprendizagem Filosofia Situação de Aprendizagem Filosofia
Situação de Aprendizagem Filosofia
 
Valor
ValorValor
Valor
 
Estética 31
Estética 31Estética 31
Estética 31
 
Do padrão do gosto - David Hume
Do padrão do gosto - David HumeDo padrão do gosto - David Hume
Do padrão do gosto - David Hume
 
eticadekant.pdf
eticadekant.pdfeticadekant.pdf
eticadekant.pdf
 
A beleza segundo a estética idealista alemã
A beleza segundo a estética idealista alemãA beleza segundo a estética idealista alemã
A beleza segundo a estética idealista alemã
 

Mais de António Daniel

Exame de filosofia critérios
Exame de filosofia   critériosExame de filosofia   critérios
Exame de filosofia critérios
António Daniel
 
Exame filosofia 2ª fase
Exame filosofia 2ª faseExame filosofia 2ª fase
Exame filosofia 2ª fase
António Daniel
 
A aprendizagem
A aprendizagemA aprendizagem
A aprendizagem
António Daniel
 
Thomas kuhn
Thomas kuhnThomas kuhn
Thomas kuhn
António Daniel
 
Kant. Conhecimento.
Kant. Conhecimento.Kant. Conhecimento.
Kant. Conhecimento.
António Daniel
 
Fundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumesFundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumes
António Daniel
 
Fundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumesFundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumes
António Daniel
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
António Daniel
 
Mente corpo
Mente corpoMente corpo
Mente corpo
António Daniel
 
Utilitarismo
UtilitarismoUtilitarismo
Utilitarismo
António Daniel
 
Thomas hobbes
Thomas hobbesThomas hobbes
Thomas hobbes
António Daniel
 
John locke
John lockeJohn locke
John locke
António Daniel
 
Truísmos à volta da beleza
Truísmos à volta da belezaTruísmos à volta da beleza
Truísmos à volta da beleza
António Daniel
 
Fundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumesFundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumes
António Daniel
 
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoDeterminismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
António Daniel
 
Concepções de justiça e john rawls
Concepções de justiça e john rawlsConcepções de justiça e john rawls
Concepções de justiça e john rawls
António Daniel
 

Mais de António Daniel (16)

Exame de filosofia critérios
Exame de filosofia   critériosExame de filosofia   critérios
Exame de filosofia critérios
 
Exame filosofia 2ª fase
Exame filosofia 2ª faseExame filosofia 2ª fase
Exame filosofia 2ª fase
 
A aprendizagem
A aprendizagemA aprendizagem
A aprendizagem
 
Thomas kuhn
Thomas kuhnThomas kuhn
Thomas kuhn
 
Kant. Conhecimento.
Kant. Conhecimento.Kant. Conhecimento.
Kant. Conhecimento.
 
Fundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumesFundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumes
 
Fundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumesFundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumes
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
 
Mente corpo
Mente corpoMente corpo
Mente corpo
 
Utilitarismo
UtilitarismoUtilitarismo
Utilitarismo
 
Thomas hobbes
Thomas hobbesThomas hobbes
Thomas hobbes
 
John locke
John lockeJohn locke
John locke
 
Truísmos à volta da beleza
Truísmos à volta da belezaTruísmos à volta da beleza
Truísmos à volta da beleza
 
Fundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumesFundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumes
 
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoDeterminismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
 
Concepções de justiça e john rawls
Concepções de justiça e john rawlsConcepções de justiça e john rawls
Concepções de justiça e john rawls
 

Último

Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 

Último (20)

Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 

Estética

  • 1. 1- A Experiência Estética e o Juízo Estético
  • 2. 1.1 O que é a Estética? Termo inventado em 1750 por Baumgarten. Este filósofo considera a estética uma forma de analisar como os sentidos são afectados por determinados objectos, quer artísticos quer naturais. O termo “estética” deriva da palavra grega aesthesis, que significa “percepção.” As perguntas fundamentais são: O que é o Belo? Como justificamos os nossos gostos? O que é a arte?
  • 3. Hípias Maior, Platão O problema: O que é o Belo? Estrutura do argumento: O que é o bem? O que é a justiça? O que é o Belo? O bem existe pelo Bem O justo é justo pela justiça O belo existe pelo Belo O Belo é real A Justiça é real O Bem é real Para Platão, só a Ideia de Beleza é realmente bela, dado que tudo o mais é apenas belo num aspecto ou num dado momento e não noutro, ou por comparação com uma coisa e não com outra. As pessoas e as coisas belas só podem aproximar-se da Forma da Beleza.
  • 4. Objecções Todas as crenças acerca da realidade são justificadas pelas noções de verdade ou de bem: Por que acredito em P? Porque é verdadeiro. Por que quero X? Porque é bom. Porque estás interessado em Y? Porque é belo. Qual das proposições é mais discutível? A beleza tem uma natureza subversiva: A beleza é, por vezes, inimiga da verdade e da bondade.
  • 5. A beleza é inimiga da verdade e da bondade. Porque: Uma pessoa seduzida por um mito pode ser tentada a acreditar nele. Por isso, a beleza é inimiga da verdade. Um homem atraído por uma mulher pode ser tentado a fechar os olhos aos vícios desta. Por isso, a beleza é, por vezes, inimiga da bondade.
  • 6. Não há juízos de gosto em segunda mão A beleza é objecto de um juízo de gosto A beleza traz-nos comprazimento Truísmos à volta da Beleza O juízo de gosto faz-se sobre o objecto belo e não sobre o estado de espírito do sujeito A beleza é sempre uma razão para prestarmos atenção às coisas que a possui Há coisas mais belas do que outras
  • 7. O Juízo de Gosto Acto mediante o qual formulamos uma proposição que atribui determinada qualidade estética (beleza, sublimidade, fealdade) a um objecto.
  • 8. O que justifica estes juízos? O Objectivismo Tese: Dizemos que um objecto é belo em virtude das suas propriedades intrínsecas e independentemente do que sentimos quando o observamos. Dizer «a catedral de Milão é bela» é diferente de dizer «gosto da catedral de Milão» Argumento: Se não houvesse características objectivas não era possível qualquer consenso alargado acerca da beleza ou fealdade de um objecto.
  • 9. Objecções e virtudes Então por que razão discordam as pessoas em relação à beleza ou ausência dela de muitas outras coisas? Esta posição objectivista tem a virtude de difundir a ideia de que não vale tudo.
  • 10. Principal representante Segundo Beardsley, as características estéticas são objectivas e são de um tipo: 1- Intensidade, Unidade e Complexidade Estas características promovem a estética do objecto.
  • 11. B- O Subjectivismo Tese: Dizemos que um objecto é belo em virtude do que sentimos quando o observamos. O juízo estético depende exclusivamente do sujeito. Argumento: A beleza decorre de um juízo de gosto, isto é, depende dos sentimentos de prazer do observador. Dizer «x é belo» é o mesmo que dizer «gosto de x»
  • 12. Objecções e Virtudes Se assim for, é verdadeiro um sujeito dizer «gosto de x», tal como é verdadeiro dizer «não gosto de X». Gostar é uma condição necessária da beleza mas não suficiente. Posso gostar de coisas feias.
  • 13. E agora…? David Hume Segundo David Hume existe um padrão de gosto: qualquer pessoa atenta sabe distinguir uma obra de Eça de Queirós de uma obra de José Saramago. Assim, de acordo com Hume, dizer que «x é belo» é o mesmo que dizer que «gosto de X» porque está de acordo com o padrão de gosto.
  • 14. Somos todos constituídos de um modo que sentimos deleite com os mesmos géneros de objectos da natureza e das obras de arte, mas não temos todos a mesma experiência de fundo, delicadeza de gosto, bom senso, capacidade para fazer comparações e ausência de preconceito que idealmente poderíamos e deveríamos ter.
  • 15. Francisco de Goya. O Fuzilamento de 3 de Maio
  • 16. VanGogh – As Botas
  • 17.
  • 18.
  • 19. Como se caracteriza o padrão de gosto? O padrão de gosto é formado ao longo do tempo. Há características que são naturalmente percebidas como agradáveis. Para compreender o padrão de gosto é necessário treino. A sensibilidade pelo belo varia consoante a delicadeza com que certos objectos são apreciados. O estético é indissociável do padrão de gosto e este é algo que se mantém ao longo do tempo. Tal com há odores a que o nosso olfacto reage naturalmente mal, Há características dos objectos que são naturalmente percebidas como agradáveis.
  • 20. O Juízo de gosto é subjectivo I. Kant Quando digo «este objecto é belo», esta apreciação não diz respeito a inclinações ou a desejos. Quando assim afirmo estou a ter um juízo de gosto subjectivo e, simultaneamente universal. Não podemos dizer por que razão algo é belo, mas também não podemos dizer que as nossas avaliações sejam meras expressões de gosto.
  • 21. 1.2 A Experiência Estética Estas diferentes formas como os sentidos são afectados remete-nos para a Experiência Estética. O tipo deexperiência depende do objecto a que se refere. Assim…
  • 22. Distinção entre experiência estética da não estética A questão é, pois, quando temos uma experiência estética? Como se caracteriza? Perante uma apreciação do estético existem duas posições: contemplativa e desinteressada. Mesmo esta contemplação é relativa ao objecto que está diante de nós. De qualquer forma, a experiência estética é contemplativa porque nos entregamos à percepção e isso dá--nos prazer. É desinteressada porque o prazer esgota-se nessa situação.
  • 25. Um objecto do quotidiano
  • 26. Universalidade da expressão estética Simetria Ordem Proporção Novidade Excitação Factores objectivos que desencadeiam juízos subjectivos