SlideShare uma empresa Scribd logo
INTRODUÇÃO CONCEITUAL
ESTÉTICA:
ROCHELLE COSTI
• Originária de Caxias do Sul, onde nasceu em 1961,
estudou Comunicação Social na Pontifícia
Universidade Católica de Porto Alegre, tendo se
formado em 1981. Pouco depois começou a se
dedicar à fotografia de expressão pessoal,
caracterizada pela acumulação de objetos e pelas
composições em série, em trabalhos que
extrapolam os limites da linguagem estritamente
fotográfica para dialogar com outros meios de
expressão artística.
ROCHELLE
COSTI
TOALHAS-
FRUTAS
PODRES.
(1996-1997)
CONCEITO E HISTÓRIA DO TERMO ESTÉTICA
• Estética: Do grego aisthesis, significa
´´faculdade de sentir``, ``compreensão pelos
sentidos``, ``percepção totalizante``.
• A palavra estética foi introduzida no
vocabulário filosófico em 1750 pelo filósofo
alemão Alexander Baumgarten, nascido em
1714. Deu o primeiro curso de estética em
1742, que constituiu a base do livro Aesthetica
e que ficaria inacabado até sua morte, em
1762. Graças a ele, a filosofia foi enriquecida
com essa nova área do conhecimento.
A ESTÉTICA SEGUNDO BAUMGARTEN
• Para Baumgarten, a estética tem exigências próprias em termos
de verdade, pois alia a sensação e o sentimento a
racionalidade.
• O mesmo define a beleza estética como ´´a perfeição- à medida
que é observável como fenômeno do que é chamado, em
sentido amplo, gosto- é a beleza``.
• Baumgarten utilizou o termo estética pela primeira vez no
sentido de teoria do belo e das suas manifestações através da
arte.
A ESTÉTICA SEGUNDO KANT
• Kant daria continuidade a esse uso, utilizando a palavra
``estética`` para designar os julgamentos de beleza, tanto na
arte quanto na natureza.
• Mais tarde no século XX, a constatação da existência de muitos
valores estéticos além da beleza levou o objeto da estética a
deixar de ser ``a produção voluntária do belo.``
A ESTÉTICA SEGUNDO KANT
• Mais importante do que tudo, o estético passou a denominar
outros valores artísticos, que não só a beleza no sentido
tradicional. Para ele a estética era sentir prazer nas coisas
belas.
A ESTÉTICA
• Aprofundando um pouco mais na história das artes, entretanto,
podemos encontrar expressões como: estética renascentista,
estética realista, estética socialista etc. Nesses casos, a palavra
``estética``, usada como substantivo, designa um conjunto de
características formais que a arte assume em determinado
período, que, no entanto, chamamos de estilo.
O BELO E O FEIO: A QUESTÃO DO GOSTO.
• O que é beleza? Será possível defini-la objetivamente? Ou será
uma noção eminentemente subjetiva, isto é, que depende de
cada um?
A BELEZA SEGUNDO PLATÃO
• Para ele a beleza é a única ideia que
resplandece no mundo. Somos
obrigados a admitir a existência do
``belo em si`` independentemente das
obras individuais que, na medida do
possível, devem se aproximar desse
ideal universal.
A BELEZA SEGUNDO O CLASSICISMO
• O Classicismo deduz que regras para o fazer artístico a partir
do belo ideal, fundando assim a Estética Normativa. É o objeto
que passa a ter qualidades que o tornam mais ou menos
agradável, independentemente do sujeito que as percebe.
A BELEZA PARA LOCKE E HUME
• Locke e Hume relativizavam a beleza, uma vez que ela não é
uma qualidade das coisas, mas só o sentimento na mente de
quem as contempla. O belo não esta no objeto, mas nas
condições de recepção do sujeito.
• Portanto, todos os julgamentos de beleza são verdadeiros, e
todos os gostos são igualmente válidos.
O BELO PARA KANT
• Kant: para ele o objeto belo é uma ocasião de prazer, cuja
causa reside no sujeito. O princípio do juízo estético, portanto,
é o sentimento do sujeito, e não o conceito do objeto.
• Belo, portanto, é uma qualidade que atribuímos aos objetos
para exprimir certo estado de nossa subjetividade.
O FEIO
• Há dois modos de representação do feio:
• No momento em que a arte rompe com a ideia de ser copia do
real para ser considerada criação autônoma que tem a função
de revelar as possibilidades do real, ela passa a ser avaliada de
acordo com sua autenticidade da sua proposta e sua
capacidade de falar ao sentimento.
• Trata- se de percebermos que o problema do belo e do feio foi
deslocado do assunto para o modo de representação. Só
haverá obras feias na medida em que forem malfeitas, isto é,
que não correspondam plenamente com sua proposta.
GOSTO E SUBJETIVIDADE
• A subjetividade em relação ao objeto estético está em conhecer
as particularidades de cada objeto. É a própria presença da
obra de arte que forma o gosto: torna-nos disponíveis, supera
as particularidades da subjetividade, converte o particular em
universal.
A ATITUDE ESTÉTICA
• A atitude estética é desinteressada, não visa a um interesse imediato,
responde a uma necessidade humana e social. Pode se ressaltar:
 Não visa ao conhecimento lógico medindo em termos de verdade;
 Não tem como alvo a ação imediata;
 E não pode ser julgada em termos de utilidade e para determinado
fim.
• Algumas vezes essa atitude é chamada de contemplativa. Não se
opondo a ação, pois é a percepção ativa que envolve a antecipação e
a reconstrução. É o que se verifica na experiência musical, artes
visuais e literatura.
A RECEPÇÃO ESTÉTICA
• A obra de arte pede uma recepção justa, que se abra para ela e
ao mesmo tempo não lhe imponha normas externas. Essa
recepção tem por finalidade o desvelamento do objeto, por meio
de um sentimento que o acolhe que lhe é solidário.
• O espectador ao acolher a obra de arte atualiza as
possibilidades de significado da arte e testemunha o surgimento
de algumas significações contidas na obra.
COMPREENSÃO PELOS SENTIDOS
• Quando nos expomos a uma obra de arte, sem preconceitos e
sem impor limites à experiência, todo o nosso ser se faz
presente e contribui para o surgimento de um sentido no
sensível. A o mesmo tempo cada experiência estética educa o
nosso gosto, torna a nossa sensibilidade mais aguda, nos
enriquece emocional e intelectualmente.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estética
EstéticaEstética
Estética
Edirlene Fraga
 
Estética
Estética Estética
Estética
geehrodrigues
 
Estética slide
Estética slideEstética slide
Estética slide
Solange Ferreira de Paula
 
Apresentação Estética
Apresentação EstéticaApresentação Estética
Apresentação Estética
Auriene
 
Introdução à Estética - 1
Introdução à Estética  - 1Introdução à Estética  - 1
Introdução à Estética - 1
Marcos Ramon
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
José Aristides Silva Gamito
 
A teoria estética de Aristoteles
A teoria estética de AristotelesA teoria estética de Aristoteles
A teoria estética de Aristoteles
Felipe Barros
 
Aula 01 filosofia mito, natureza e razão
Aula 01   filosofia mito, natureza e razãoAula 01   filosofia mito, natureza e razão
Aula 01 filosofia mito, natureza e razão
Elizeu Nascimento Silva
 
Aula de filosofia
Aula de filosofia Aula de filosofia
Aula de filosofia
Ricardogomes123
 
3 ética em aristóteles
3 ética em aristóteles3 ética em aristóteles
3 ética em aristóteles
Erica Frau
 
3º - Estética (Ala 01)
3º - Estética (Ala 01)3º - Estética (Ala 01)
3º - Estética (Ala 01)
Caio Cæsar
 
apresentação sobre ética
apresentação sobre ética apresentação sobre ética
apresentação sobre ética
Silvio Mmax
 
1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento
Erica Frau
 
ética aristotélica
ética aristotélicaética aristotélica
ética aristotélica
marifonseca
 
O que é conhecimento - filosofia
O que é conhecimento - filosofiaO que é conhecimento - filosofia
O que é conhecimento - filosofia
Marcelo Avila
 
Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e ética
Marcela Marangon Ribeiro
 
O que são valores?
O que são valores?O que são valores?
O que são valores?
Italo Colares
 
3 Filosofia mito e religiao
3 Filosofia mito e religiao 3 Filosofia mito e religiao
3 Filosofia mito e religiao
Erica Frau
 
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Julia Martins
 
Filosofia, Política e Ética
Filosofia, Política e ÉticaFilosofia, Política e Ética
Filosofia, Política e Ética
Carson Souza
 

Mais procurados (20)

Estética
EstéticaEstética
Estética
 
Estética
Estética Estética
Estética
 
Estética slide
Estética slideEstética slide
Estética slide
 
Apresentação Estética
Apresentação EstéticaApresentação Estética
Apresentação Estética
 
Introdução à Estética - 1
Introdução à Estética  - 1Introdução à Estética  - 1
Introdução à Estética - 1
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
A teoria estética de Aristoteles
A teoria estética de AristotelesA teoria estética de Aristoteles
A teoria estética de Aristoteles
 
Aula 01 filosofia mito, natureza e razão
Aula 01   filosofia mito, natureza e razãoAula 01   filosofia mito, natureza e razão
Aula 01 filosofia mito, natureza e razão
 
Aula de filosofia
Aula de filosofia Aula de filosofia
Aula de filosofia
 
3 ética em aristóteles
3 ética em aristóteles3 ética em aristóteles
3 ética em aristóteles
 
3º - Estética (Ala 01)
3º - Estética (Ala 01)3º - Estética (Ala 01)
3º - Estética (Ala 01)
 
apresentação sobre ética
apresentação sobre ética apresentação sobre ética
apresentação sobre ética
 
1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento
 
ética aristotélica
ética aristotélicaética aristotélica
ética aristotélica
 
O que é conhecimento - filosofia
O que é conhecimento - filosofiaO que é conhecimento - filosofia
O que é conhecimento - filosofia
 
Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e ética
 
O que são valores?
O que são valores?O que são valores?
O que são valores?
 
3 Filosofia mito e religiao
3 Filosofia mito e religiao 3 Filosofia mito e religiao
3 Filosofia mito e religiao
 
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
 
Filosofia, Política e Ética
Filosofia, Política e ÉticaFilosofia, Política e Ética
Filosofia, Política e Ética
 

Destaque

Estética 31
Estética 31Estética 31
Estética 31
Alexandre Misturini
 
Filosofia em fotos
Filosofia em fotosFilosofia em fotos
Filosofia em fotos
João Lopes
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofia
Solange Ferreira de Paula
 
O discurso do belo e do feio em reportagem do Bom Dia Brasil
O discurso do belo e do feio em reportagem do Bom Dia BrasilO discurso do belo e do feio em reportagem do Bom Dia Brasil
O discurso do belo e do feio em reportagem do Bom Dia Brasil
Izaíra Thalita
 
Feio ou bonito
Feio ou bonitoFeio ou bonito
Feio ou bonito
Italo Colares
 
Estética e Arte - Abordagem histórica
Estética e Arte - Abordagem históricaEstética e Arte - Abordagem histórica
Estética e Arte - Abordagem histórica
Ariana Moreira Anacleto
 
Critica textual
Critica textualCritica textual
Critica textual
Otavio Calegari
 
Algumas reflexões
Algumas reflexõesAlgumas reflexões
Algumas reflexões
MAIRY RIBEIRO Maíre
 
Cinema
CinemaCinema
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
EMEF Tranquillo Pissetti
 
Curso Gestão Cultural - Aula 01/01
Curso Gestão Cultural - Aula 01/01Curso Gestão Cultural - Aula 01/01
Curso Gestão Cultural - Aula 01/01
Quixote Art & Eventos
 
Pensar e agir com a cultura: Desafios da gestão cultural
Pensar e agir com a cultura: Desafios da gestão culturalPensar e agir com a cultura: Desafios da gestão cultural
Pensar e agir com a cultura: Desafios da gestão cultural
Mais Por Arte
 
Teoria literária 2013
Teoria literária 2013Teoria literária 2013
Gestão cultural: construindo uma identidade profissional
Gestão cultural: construindo uma identidade profissionalGestão cultural: construindo uma identidade profissional
Gestão cultural: construindo uma identidade profissional
Valdivino Grasselli
 
Gestão Cultural
Gestão CulturalGestão Cultural
Gestão Cultural
Flavia Amorim
 
A influência da globalização na paisagem final
A influência da globalização na paisagem finalA influência da globalização na paisagem final
A influência da globalização na paisagem final
Universidad de León/ Universidade de Coimbra
 
Crítica literár ii
Crítica literár iiCrítica literár ii
Crítica literár ii
Eneida da Rosa
 
Reflexões preliminares sobre o estruturalismo em linguística. In: BORGES NET...
Reflexões preliminares sobre o estruturalismo em  linguística. In: BORGES NET...Reflexões preliminares sobre o estruturalismo em  linguística. In: BORGES NET...
Reflexões preliminares sobre o estruturalismo em linguística. In: BORGES NET...
Raquel Salcedo Gomes
 
Aula06 designculturaesociedade
Aula06 designculturaesociedadeAula06 designculturaesociedade
Aula06 designculturaesociedade
Izabel Meister
 
A Crítica Psicanalítica
A Crítica PsicanalíticaA Crítica Psicanalítica
A Crítica Psicanalítica
Sobre Letras
 

Destaque (20)

Estética 31
Estética 31Estética 31
Estética 31
 
Filosofia em fotos
Filosofia em fotosFilosofia em fotos
Filosofia em fotos
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofia
 
O discurso do belo e do feio em reportagem do Bom Dia Brasil
O discurso do belo e do feio em reportagem do Bom Dia BrasilO discurso do belo e do feio em reportagem do Bom Dia Brasil
O discurso do belo e do feio em reportagem do Bom Dia Brasil
 
Feio ou bonito
Feio ou bonitoFeio ou bonito
Feio ou bonito
 
Estética e Arte - Abordagem histórica
Estética e Arte - Abordagem históricaEstética e Arte - Abordagem histórica
Estética e Arte - Abordagem histórica
 
Critica textual
Critica textualCritica textual
Critica textual
 
Algumas reflexões
Algumas reflexõesAlgumas reflexões
Algumas reflexões
 
Cinema
CinemaCinema
Cinema
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Curso Gestão Cultural - Aula 01/01
Curso Gestão Cultural - Aula 01/01Curso Gestão Cultural - Aula 01/01
Curso Gestão Cultural - Aula 01/01
 
Pensar e agir com a cultura: Desafios da gestão cultural
Pensar e agir com a cultura: Desafios da gestão culturalPensar e agir com a cultura: Desafios da gestão cultural
Pensar e agir com a cultura: Desafios da gestão cultural
 
Teoria literária 2013
Teoria literária 2013Teoria literária 2013
Teoria literária 2013
 
Gestão cultural: construindo uma identidade profissional
Gestão cultural: construindo uma identidade profissionalGestão cultural: construindo uma identidade profissional
Gestão cultural: construindo uma identidade profissional
 
Gestão Cultural
Gestão CulturalGestão Cultural
Gestão Cultural
 
A influência da globalização na paisagem final
A influência da globalização na paisagem finalA influência da globalização na paisagem final
A influência da globalização na paisagem final
 
Crítica literár ii
Crítica literár iiCrítica literár ii
Crítica literár ii
 
Reflexões preliminares sobre o estruturalismo em linguística. In: BORGES NET...
Reflexões preliminares sobre o estruturalismo em  linguística. In: BORGES NET...Reflexões preliminares sobre o estruturalismo em  linguística. In: BORGES NET...
Reflexões preliminares sobre o estruturalismo em linguística. In: BORGES NET...
 
Aula06 designculturaesociedade
Aula06 designculturaesociedadeAula06 designculturaesociedade
Aula06 designculturaesociedade
 
A Crítica Psicanalítica
A Crítica PsicanalíticaA Crítica Psicanalítica
A Crítica Psicanalítica
 

Semelhante a Estética 4

9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx
9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx
9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx
Iuri Ribeiro
 
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
fernandobueno774792
 
Entendendo a arte
Entendendo a arteEntendendo a arte
Entendendo a arte
Aurimar Bianchi Júnior
 
Vamos falar de arte(1)
Vamos falar de arte(1)Vamos falar de arte(1)
Vamos falar de arte(1)
Luis Silva
 
A Estética
A EstéticaA Estética
A Estética
3000zxsc
 
Apostila do 2º ano 3º e 4º bi
Apostila do 2º ano   3º e 4º biApostila do 2º ano   3º e 4º bi
Apostila do 2º ano 3º e 4º bi
Duzg
 
Arte 1 médio slide
Arte 1 médio slideArte 1 médio slide
Arte 1 médio slide
Eponina Alencar
 
Arte
ArteArte
Textos e Comentários
Textos e ComentáriosTextos e Comentários
Textos e Comentários
Jorge Barbosa
 
Apostila de-artes-visuais (1)
Apostila de-artes-visuais (1)Apostila de-artes-visuais (1)
Apostila de-artes-visuais (1)
Fábia Michelle Pereira
 
Filosofia estética
Filosofia   estéticaFilosofia   estética
Filosofia estética
ミゲル ソレッス
 
Estetica (atividade II)
Estetica   (atividade II)Estetica   (atividade II)
Estetica (atividade II)
Mary Alvarenga
 
Filosofia da Arte
Filosofia da Arte Filosofia da Arte
Filosofia da Arte
VeraJesus14
 
O que é a arte filosofia 11º ano ensino secundário
O que é a arte filosofia 11º ano ensino secundárioO que é a arte filosofia 11º ano ensino secundário
O que é a arte filosofia 11º ano ensino secundário
animarescue
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
Aline Corso
 
Arte e estética
Arte e estéticaArte e estética
Arte e estética
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Apresentação estética Analítica Juízos de Kant
Apresentação estética Analítica Juízos de KantApresentação estética Analítica Juízos de Kant
Apresentação estética Analítica Juízos de Kant
Carlos Faria
 
Entenda a arte 2013
Entenda a arte 2013Entenda a arte 2013
Entenda a arte 2013
graduartes
 
a arte como fenomeno social
a arte como fenomeno  social a arte como fenomeno  social
Fund. filosóficos e sociológicos da arte nota 10,0
Fund. filosóficos e sociológicos da arte   nota 10,0Fund. filosóficos e sociológicos da arte   nota 10,0
Fund. filosóficos e sociológicos da arte nota 10,0
HENRIQUE GOMES DE LIMA
 

Semelhante a Estética 4 (20)

9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx
9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx
9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx
 
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
 
Entendendo a arte
Entendendo a arteEntendendo a arte
Entendendo a arte
 
Vamos falar de arte(1)
Vamos falar de arte(1)Vamos falar de arte(1)
Vamos falar de arte(1)
 
A Estética
A EstéticaA Estética
A Estética
 
Apostila do 2º ano 3º e 4º bi
Apostila do 2º ano   3º e 4º biApostila do 2º ano   3º e 4º bi
Apostila do 2º ano 3º e 4º bi
 
Arte 1 médio slide
Arte 1 médio slideArte 1 médio slide
Arte 1 médio slide
 
Arte
ArteArte
Arte
 
Textos e Comentários
Textos e ComentáriosTextos e Comentários
Textos e Comentários
 
Apostila de-artes-visuais (1)
Apostila de-artes-visuais (1)Apostila de-artes-visuais (1)
Apostila de-artes-visuais (1)
 
Filosofia estética
Filosofia   estéticaFilosofia   estética
Filosofia estética
 
Estetica (atividade II)
Estetica   (atividade II)Estetica   (atividade II)
Estetica (atividade II)
 
Filosofia da Arte
Filosofia da Arte Filosofia da Arte
Filosofia da Arte
 
O que é a arte filosofia 11º ano ensino secundário
O que é a arte filosofia 11º ano ensino secundárioO que é a arte filosofia 11º ano ensino secundário
O que é a arte filosofia 11º ano ensino secundário
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
 
Arte e estética
Arte e estéticaArte e estética
Arte e estética
 
Apresentação estética Analítica Juízos de Kant
Apresentação estética Analítica Juízos de KantApresentação estética Analítica Juízos de Kant
Apresentação estética Analítica Juízos de Kant
 
Entenda a arte 2013
Entenda a arte 2013Entenda a arte 2013
Entenda a arte 2013
 
a arte como fenomeno social
a arte como fenomeno  social a arte como fenomeno  social
a arte como fenomeno social
 
Fund. filosóficos e sociológicos da arte nota 10,0
Fund. filosóficos e sociológicos da arte   nota 10,0Fund. filosóficos e sociológicos da arte   nota 10,0
Fund. filosóficos e sociológicos da arte nota 10,0
 

Último

Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 

Último (20)

Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 

Estética 4

  • 2. ROCHELLE COSTI • Originária de Caxias do Sul, onde nasceu em 1961, estudou Comunicação Social na Pontifícia Universidade Católica de Porto Alegre, tendo se formado em 1981. Pouco depois começou a se dedicar à fotografia de expressão pessoal, caracterizada pela acumulação de objetos e pelas composições em série, em trabalhos que extrapolam os limites da linguagem estritamente fotográfica para dialogar com outros meios de expressão artística.
  • 4. CONCEITO E HISTÓRIA DO TERMO ESTÉTICA • Estética: Do grego aisthesis, significa ´´faculdade de sentir``, ``compreensão pelos sentidos``, ``percepção totalizante``. • A palavra estética foi introduzida no vocabulário filosófico em 1750 pelo filósofo alemão Alexander Baumgarten, nascido em 1714. Deu o primeiro curso de estética em 1742, que constituiu a base do livro Aesthetica e que ficaria inacabado até sua morte, em 1762. Graças a ele, a filosofia foi enriquecida com essa nova área do conhecimento.
  • 5. A ESTÉTICA SEGUNDO BAUMGARTEN • Para Baumgarten, a estética tem exigências próprias em termos de verdade, pois alia a sensação e o sentimento a racionalidade. • O mesmo define a beleza estética como ´´a perfeição- à medida que é observável como fenômeno do que é chamado, em sentido amplo, gosto- é a beleza``. • Baumgarten utilizou o termo estética pela primeira vez no sentido de teoria do belo e das suas manifestações através da arte.
  • 6. A ESTÉTICA SEGUNDO KANT • Kant daria continuidade a esse uso, utilizando a palavra ``estética`` para designar os julgamentos de beleza, tanto na arte quanto na natureza. • Mais tarde no século XX, a constatação da existência de muitos valores estéticos além da beleza levou o objeto da estética a deixar de ser ``a produção voluntária do belo.``
  • 7. A ESTÉTICA SEGUNDO KANT • Mais importante do que tudo, o estético passou a denominar outros valores artísticos, que não só a beleza no sentido tradicional. Para ele a estética era sentir prazer nas coisas belas.
  • 8. A ESTÉTICA • Aprofundando um pouco mais na história das artes, entretanto, podemos encontrar expressões como: estética renascentista, estética realista, estética socialista etc. Nesses casos, a palavra ``estética``, usada como substantivo, designa um conjunto de características formais que a arte assume em determinado período, que, no entanto, chamamos de estilo.
  • 9. O BELO E O FEIO: A QUESTÃO DO GOSTO. • O que é beleza? Será possível defini-la objetivamente? Ou será uma noção eminentemente subjetiva, isto é, que depende de cada um?
  • 10. A BELEZA SEGUNDO PLATÃO • Para ele a beleza é a única ideia que resplandece no mundo. Somos obrigados a admitir a existência do ``belo em si`` independentemente das obras individuais que, na medida do possível, devem se aproximar desse ideal universal.
  • 11. A BELEZA SEGUNDO O CLASSICISMO • O Classicismo deduz que regras para o fazer artístico a partir do belo ideal, fundando assim a Estética Normativa. É o objeto que passa a ter qualidades que o tornam mais ou menos agradável, independentemente do sujeito que as percebe.
  • 12. A BELEZA PARA LOCKE E HUME • Locke e Hume relativizavam a beleza, uma vez que ela não é uma qualidade das coisas, mas só o sentimento na mente de quem as contempla. O belo não esta no objeto, mas nas condições de recepção do sujeito. • Portanto, todos os julgamentos de beleza são verdadeiros, e todos os gostos são igualmente válidos.
  • 13. O BELO PARA KANT • Kant: para ele o objeto belo é uma ocasião de prazer, cuja causa reside no sujeito. O princípio do juízo estético, portanto, é o sentimento do sujeito, e não o conceito do objeto. • Belo, portanto, é uma qualidade que atribuímos aos objetos para exprimir certo estado de nossa subjetividade.
  • 14. O FEIO • Há dois modos de representação do feio: • No momento em que a arte rompe com a ideia de ser copia do real para ser considerada criação autônoma que tem a função de revelar as possibilidades do real, ela passa a ser avaliada de acordo com sua autenticidade da sua proposta e sua capacidade de falar ao sentimento. • Trata- se de percebermos que o problema do belo e do feio foi deslocado do assunto para o modo de representação. Só haverá obras feias na medida em que forem malfeitas, isto é, que não correspondam plenamente com sua proposta.
  • 15. GOSTO E SUBJETIVIDADE • A subjetividade em relação ao objeto estético está em conhecer as particularidades de cada objeto. É a própria presença da obra de arte que forma o gosto: torna-nos disponíveis, supera as particularidades da subjetividade, converte o particular em universal.
  • 16. A ATITUDE ESTÉTICA • A atitude estética é desinteressada, não visa a um interesse imediato, responde a uma necessidade humana e social. Pode se ressaltar:  Não visa ao conhecimento lógico medindo em termos de verdade;  Não tem como alvo a ação imediata;  E não pode ser julgada em termos de utilidade e para determinado fim. • Algumas vezes essa atitude é chamada de contemplativa. Não se opondo a ação, pois é a percepção ativa que envolve a antecipação e a reconstrução. É o que se verifica na experiência musical, artes visuais e literatura.
  • 17. A RECEPÇÃO ESTÉTICA • A obra de arte pede uma recepção justa, que se abra para ela e ao mesmo tempo não lhe imponha normas externas. Essa recepção tem por finalidade o desvelamento do objeto, por meio de um sentimento que o acolhe que lhe é solidário. • O espectador ao acolher a obra de arte atualiza as possibilidades de significado da arte e testemunha o surgimento de algumas significações contidas na obra.
  • 18. COMPREENSÃO PELOS SENTIDOS • Quando nos expomos a uma obra de arte, sem preconceitos e sem impor limites à experiência, todo o nosso ser se faz presente e contribui para o surgimento de um sentido no sensível. A o mesmo tempo cada experiência estética educa o nosso gosto, torna a nossa sensibilidade mais aguda, nos enriquece emocional e intelectualmente.