SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Baixar para ler offline
Centro de Ensino Urbano Rocha
Professora: Mary Alvarenga
Tema: Estética
Atividade de Filosofia
1. Por que tradicionalmente, a estética está ligada a questão do belo?
Porque o uso da palavra estética, seja no cotidiano (como tratamento estético,
senso estético, decoração estética etc.), seja em filosofia da arte, desde a Grécia
Antiga , implica um único valor: a beleza.
2. Explique o conceito objetivo e o conceito subjetivo de beleza.
O conceito objetivo afirma que a beleza é uma qualidade dos objetos, que os
torna agradáveis e independe do sujeito, o qual só percebe ou registra na mente essa
qualidade. O conceito subjetivo defende que a beleza é apenas o sentimento de
prazer da mente de quem contempla um objeto belo
3. O que diferencia fundamentalmente o conhecimento que a estética pretende
atingir do conhecimento lógico-matemático?
Como teoria do belo e de suas manifestações através da arte, a estética pretende
alcançar um conhecimento que vem basicamente do sentir (sensação e sentimento)
tendo como principal objeto de investigação a obra de arte. Nesse sentido, ela difere
e contrapõe-se à lógica e à matemática, cujo conhecimento está fundado de modo
geral na razão.
4. “Gosto não se discute.” O que você acha que opinariam sobre essa máxima uma
pessoa que sustenta uma posição idealista e outra que defende uma concepção
empirista a respeito da beleza? Estariam de acordo com a frase? Por quê?
Idealistas e empiristas estariam em desacordo. O idealista diria que “gosto se
discute, sim”, pois concebe que a beleza é algo que existe em si mesmo, como ideia;
a ideia de beleza que trazemos guardada em nossa alma, conforme entendia Platão.
Para os empiristas, porém o conceito de beleza se formaria pela experiência concreta,
sensível de cada um. Então o empirista tenderia considerar, como fez Hume, que o
gosto é formado em grande parte pela cultura em que vive cada pessoa, sendo,
portanto, subjetiva.
5. Analisando o relativo consenso entre as pessoas acerca de quais são as coisas ou
pessoas belas, Kant, Hegel e Schopenhauer chegaram a conclusões distintas.
Discorra sobre elas.
Kant considerava que o belo era definido pelo jogo entre entendimento e
imaginação, que eram faculdades do conhecimento. Como estavam ligados à
estrutura do pensamento, o belo seria semelhante para todos os seres humanos. Já
para Hegel , o entendimento do que é o belo depende do momento histórico e do
desenvolvimento cultural da sociedade. Esses dois fatores determinariam certa visão
de mundo, a partir da qual algumas coisas seriam consideradas belas, e outras, não.
Schopenhauer, por outro lado, diz que o belo é eterno porque não se submete às
imposições do conhecimento e do mundo empírico. Por isso, o prazer estético alivia
o sofrimento humano, provocado pela insatisfação da vontade, na medida em que nos
permite vislumbrar - ainda que momentaneamente – o mundo em sua plenitude, para
além da transitoriedade dos fenômenos.
6. Analise o conceito de Arte por Susanne Langer.
Para Susanne Langer, a arte é a prática de criar formas perceptíveis expressivas
do sentimento humano. Analisando resumidamente esses termos podemos entender
que:
 1 - a arte é uma atividade humana que combina a habilidade (a prática) com
imaginação (a criação)
 2 – A arte busca formas capazes de serem percebidas por nossa mente ou
sistema nervoso, seja elas musicais, gestuais, arquitetônicas, verbais etc.
 4 – A arte pretende expressar a experiência interior do ser humano.
7. Comente esta afirmação de Lukács: “ O artista vive em sociedade e – queira ou
não – existe uma influencia reciproca entre ele e a sociedade.”
O artista é um ser social: como ser social, o artista reflete na obra de arte sua
própria maneira de sentir o mundo em que vive, as alegrias e angústias, os problemas
e as esperanças de seu momento histórico.
8. O ensino da arte, ao educar os sentidos e a sensibilidade, pode tornar o ser humano
melhor. Fundamente essa afirmação.
Através do belo, o mundo material de reconciliaria com uma forma superior de
moralidade. Assim, se o belo pode despertar o bom no indivíduo , deve fazer parte de
sua educação. Assim, além da educação ética, o escritor e pensador alemão Schiller
(1759-1805) propôs a educação estética como forma de harmonizar e aperfeiçoar o
mundo e de o indivíduo alcançar a sua liberdade.
9. Qual é a diferença entre cultura de massa e cultura popular?
A cultura popular é aquela que se produz de forma espontânea e autêntica por
um povo, refletindo suas particularidades, suas tradições e seus valores. Por sua vez,
a cultura de massa (cultura destinada às multidões) é aquela que homogeneíza as
manifestações artísticas ao oferecer a exaustão um determinado fenômeno de venda
veicular sempre o mesmo, o que desestimula o espirito inovador e empobrece o
cenário cultural.
10. Como você explica a possibilidade de existirem várias culturas que coexistem em um mesmo
espeço?
Existirem várias culturas que coexistem em um mesmo espaço porque elas respondem às
necessidades (físicas, afetivas, cognitivas, econômicas, sociais) e desejos diferentes de cada grupo.
A arte é a contemplação, é o prazer do espírito que penetra a Natureza e descobre que ela também tem uma
alma. É a missão mais sublime do Homem, pois é o exercício do pensamento que busca compreender o
Universo e fazer com que os outros o compreendam.
Auguste Rodin

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Avaliação de filosofia 2 b
Avaliação de filosofia 2 bAvaliação de filosofia 2 b
Avaliação de filosofia 2 b
Marcia Oliveira
 
Questoes de filosofia com descritores ensino médio (1)
Questoes de filosofia  com descritores   ensino médio (1)Questoes de filosofia  com descritores   ensino médio (1)
Questoes de filosofia com descritores ensino médio (1)
Atividades Diversas Cláudia
 
Exercicio de filosofia
Exercicio de filosofiaExercicio de filosofia
Exercicio de filosofia
Marcio
 
Apostila do 1º ano 3º e 4º bimestre
Apostila do 1º ano   3º e 4º bimestreApostila do 1º ano   3º e 4º bimestre
Apostila do 1º ano 3º e 4º bimestre
Duzg
 

Mais procurados (20)

Apostila de filosofia_1ºano_eja
Apostila de filosofia_1ºano_ejaApostila de filosofia_1ºano_eja
Apostila de filosofia_1ºano_eja
 
Avaliação de filosofia 2 b
Avaliação de filosofia 2 bAvaliação de filosofia 2 b
Avaliação de filosofia 2 b
 
Atividades de Filosofia - III bimestre - 2014
Atividades de Filosofia - III bimestre - 2014Atividades de Filosofia - III bimestre - 2014
Atividades de Filosofia - III bimestre - 2014
 
Texto filosofia - Indagar
Texto filosofia - Indagar Texto filosofia - Indagar
Texto filosofia - Indagar
 
Material impresso filosofia 2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia   2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe AssunçãoMaterial impresso filosofia   2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia 2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
 
Questoes de filosofia com descritores ensino médio (1)
Questoes de filosofia  com descritores   ensino médio (1)Questoes de filosofia  com descritores   ensino médio (1)
Questoes de filosofia com descritores ensino médio (1)
 
Atividades filosofia mito
Atividades filosofia mitoAtividades filosofia mito
Atividades filosofia mito
 
Aula 3 a felicidade é coletiva - texto e atividade - Prof. Noe Assunção
Aula 3   a felicidade é coletiva - texto e atividade - Prof. Noe AssunçãoAula 3   a felicidade é coletiva - texto e atividade - Prof. Noe Assunção
Aula 3 a felicidade é coletiva - texto e atividade - Prof. Noe Assunção
 
Filosofia 7º ano o conhecimento
Filosofia 7º ano o conhecimentoFilosofia 7º ano o conhecimento
Filosofia 7º ano o conhecimento
 
Simulado de Filosofia 2º ano / 2015
Simulado de Filosofia 2º ano / 2015Simulado de Filosofia 2º ano / 2015
Simulado de Filosofia 2º ano / 2015
 
Plano de Ensino de Filosofia - Ensino Médio - 3º ano
Plano de Ensino de Filosofia - Ensino Médio - 3º ano Plano de Ensino de Filosofia - Ensino Médio - 3º ano
Plano de Ensino de Filosofia - Ensino Médio - 3º ano
 
A lenda da filosofia
A lenda da filosofia   A lenda da filosofia
A lenda da filosofia
 
Cruzadinha de Filosofia - Política, poder e Estado
Cruzadinha de Filosofia -  Política, poder e EstadoCruzadinha de Filosofia -  Política, poder e Estado
Cruzadinha de Filosofia - Política, poder e Estado
 
A ética e a moral – o problema da ação e dos valores
A ética e a moral – o problema da ação e dos valores   A ética e a moral – o problema da ação e dos valores
A ética e a moral – o problema da ação e dos valores
 
Exercicio de filosofia
Exercicio de filosofiaExercicio de filosofia
Exercicio de filosofia
 
Atividades de filosofia
Atividades de filosofiaAtividades de filosofia
Atividades de filosofia
 
Apostila do 1º ano 3º e 4º bimestre
Apostila do 1º ano   3º e 4º bimestreApostila do 1º ano   3º e 4º bimestre
Apostila do 1º ano 3º e 4º bimestre
 
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe AssunçãoATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
 
Prova de sociologia eo gabarito (1)
Prova de sociologia eo gabarito (1)Prova de sociologia eo gabarito (1)
Prova de sociologia eo gabarito (1)
 
Simulado de Filosofia 3º ano / 2015
Simulado de Filosofia  3º ano  / 2015Simulado de Filosofia  3º ano  / 2015
Simulado de Filosofia 3º ano / 2015
 

Destaque (7)

Filosofia I - 3º ano
Filosofia I -   3º anoFilosofia I -   3º ano
Filosofia I - 3º ano
 
Cruzadinha de Filosofia - estética
Cruzadinha de Filosofia  - estética    Cruzadinha de Filosofia  - estética
Cruzadinha de Filosofia - estética
 
Cruzadinha de filosofia (Ética e moral – O problema da ação e dos valores)
Cruzadinha de filosofia  (Ética e moral – O problema da ação e dos valores)Cruzadinha de filosofia  (Ética e moral – O problema da ação e dos valores)
Cruzadinha de filosofia (Ética e moral – O problema da ação e dos valores)
 
Caça palavra de Filosofia - A ciência
Caça palavra  de Filosofia - A  ciênciaCaça palavra  de Filosofia - A  ciência
Caça palavra de Filosofia - A ciência
 
Atividades filosofia mito, senso comum e pensamento filosófico e científico
Atividades filosofia mito, senso comum e pensamento filosófico e científicoAtividades filosofia mito, senso comum e pensamento filosófico e científico
Atividades filosofia mito, senso comum e pensamento filosófico e científico
 
Ética e Moral
Ética e Moral   Ética e Moral
Ética e Moral
 
Texto excelente para refletir
Texto excelente para refletirTexto excelente para refletir
Texto excelente para refletir
 

Semelhante a Estetica (atividade II)

Apostila do 2º ano 3º e 4º bi
Apostila do 2º ano   3º e 4º biApostila do 2º ano   3º e 4º bi
Apostila do 2º ano 3º e 4º bi
Duzg
 
Vamos falar de arte(1)
Vamos falar de arte(1)Vamos falar de arte(1)
Vamos falar de arte(1)
Luis Silva
 
3 fil prov. bimestral 2 cham bc 3bi
3 fil    prov. bimestral  2 cham bc 3bi3 fil    prov. bimestral  2 cham bc 3bi
3 fil prov. bimestral 2 cham bc 3bi
Felipe Serra
 
Estética e ensino de arte
Estética e ensino de arteEstética e ensino de arte
Estética e ensino de arte
Marcos Santos
 
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Julia Martins
 
3 fil prov. bimestral bc 3bi
3 fil    prov. bimestral  bc 3bi3 fil    prov. bimestral  bc 3bi
3 fil prov. bimestral bc 3bi
Felipe Serra
 

Semelhante a Estetica (atividade II) (20)

Cap 15 Filosofia Estética
Cap 15  Filosofia EstéticaCap 15  Filosofia Estética
Cap 15 Filosofia Estética
 
9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx
9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx
9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx
 
Apostila do 2º ano 3º e 4º bi
Apostila do 2º ano   3º e 4º biApostila do 2º ano   3º e 4º bi
Apostila do 2º ano 3º e 4º bi
 
Estética 31
Estética 31Estética 31
Estética 31
 
Arte
ArteArte
Arte
 
Vamos falar de arte(1)
Vamos falar de arte(1)Vamos falar de arte(1)
Vamos falar de arte(1)
 
3 fil prov. bimestral 2 cham bc 3bi
3 fil    prov. bimestral  2 cham bc 3bi3 fil    prov. bimestral  2 cham bc 3bi
3 fil prov. bimestral 2 cham bc 3bi
 
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
 
4166 11585-1-pb
4166 11585-1-pb4166 11585-1-pb
4166 11585-1-pb
 
Estética e ensino de arte
Estética e ensino de arteEstética e ensino de arte
Estética e ensino de arte
 
O belo e o feio
O belo e o feioO belo e o feio
O belo e o feio
 
a arte como fenomeno social
a arte como fenomeno  social a arte como fenomeno  social
a arte como fenomeno social
 
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
 
Entendendo a arte
Entendendo a arteEntendendo a arte
Entendendo a arte
 
3 fil prov. bimestral bc 3bi
3 fil    prov. bimestral  bc 3bi3 fil    prov. bimestral  bc 3bi
3 fil prov. bimestral bc 3bi
 
Filosofia estética
Filosofia   estéticaFilosofia   estética
Filosofia estética
 
Fund. filosóficos e sociológicos da arte nota 10,0
Fund. filosóficos e sociológicos da arte   nota 10,0Fund. filosóficos e sociológicos da arte   nota 10,0
Fund. filosóficos e sociológicos da arte nota 10,0
 
Seminário sobre Arte e Educação
Seminário sobre Arte e Educação Seminário sobre Arte e Educação
Seminário sobre Arte e Educação
 
Estética na filosofia laura 31 m
Estética na filosofia laura 31 mEstética na filosofia laura 31 m
Estética na filosofia laura 31 m
 
Ensaio estética
Ensaio estéticaEnsaio estética
Ensaio estética
 

Mais de Mary Alvarenga

Mais de Mary Alvarenga (20)

Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Atividade - Letra da música Esperando na Janela.
Atividade -  Letra da música Esperando na Janela.Atividade -  Letra da música Esperando na Janela.
Atividade - Letra da música Esperando na Janela.
 
CRUZADINHA - Leitura e escrita dos números
CRUZADINHA   -   Leitura e escrita dos números CRUZADINHA   -   Leitura e escrita dos números
CRUZADINHA - Leitura e escrita dos números
 
Música Meu Abrigo - Texto e atividade
Música   Meu   Abrigo  -   Texto e atividadeMúsica   Meu   Abrigo  -   Texto e atividade
Música Meu Abrigo - Texto e atividade
 
Bullying, sai pra lá
Bullying,  sai pra láBullying,  sai pra lá
Bullying, sai pra lá
 
Bullying - Atividade com caça- palavras
Bullying   - Atividade com  caça- palavrasBullying   - Atividade com  caça- palavras
Bullying - Atividade com caça- palavras
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinha
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
Ciclo de vida do mosquito Aedes aegypti e cruzadinha
Ciclo de vida do mosquito Aedes aegypti  e cruzadinhaCiclo de vida do mosquito Aedes aegypti  e cruzadinha
Ciclo de vida do mosquito Aedes aegypti e cruzadinha
 

Último

Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 

Último (20)

ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 

Estetica (atividade II)

  • 1. Centro de Ensino Urbano Rocha Professora: Mary Alvarenga Tema: Estética Atividade de Filosofia 1. Por que tradicionalmente, a estética está ligada a questão do belo? Porque o uso da palavra estética, seja no cotidiano (como tratamento estético, senso estético, decoração estética etc.), seja em filosofia da arte, desde a Grécia Antiga , implica um único valor: a beleza. 2. Explique o conceito objetivo e o conceito subjetivo de beleza. O conceito objetivo afirma que a beleza é uma qualidade dos objetos, que os torna agradáveis e independe do sujeito, o qual só percebe ou registra na mente essa qualidade. O conceito subjetivo defende que a beleza é apenas o sentimento de prazer da mente de quem contempla um objeto belo 3. O que diferencia fundamentalmente o conhecimento que a estética pretende atingir do conhecimento lógico-matemático? Como teoria do belo e de suas manifestações através da arte, a estética pretende alcançar um conhecimento que vem basicamente do sentir (sensação e sentimento) tendo como principal objeto de investigação a obra de arte. Nesse sentido, ela difere e contrapõe-se à lógica e à matemática, cujo conhecimento está fundado de modo geral na razão. 4. “Gosto não se discute.” O que você acha que opinariam sobre essa máxima uma pessoa que sustenta uma posição idealista e outra que defende uma concepção empirista a respeito da beleza? Estariam de acordo com a frase? Por quê? Idealistas e empiristas estariam em desacordo. O idealista diria que “gosto se discute, sim”, pois concebe que a beleza é algo que existe em si mesmo, como ideia; a ideia de beleza que trazemos guardada em nossa alma, conforme entendia Platão. Para os empiristas, porém o conceito de beleza se formaria pela experiência concreta, sensível de cada um. Então o empirista tenderia considerar, como fez Hume, que o gosto é formado em grande parte pela cultura em que vive cada pessoa, sendo, portanto, subjetiva. 5. Analisando o relativo consenso entre as pessoas acerca de quais são as coisas ou pessoas belas, Kant, Hegel e Schopenhauer chegaram a conclusões distintas. Discorra sobre elas. Kant considerava que o belo era definido pelo jogo entre entendimento e imaginação, que eram faculdades do conhecimento. Como estavam ligados à estrutura do pensamento, o belo seria semelhante para todos os seres humanos. Já para Hegel , o entendimento do que é o belo depende do momento histórico e do desenvolvimento cultural da sociedade. Esses dois fatores determinariam certa visão de mundo, a partir da qual algumas coisas seriam consideradas belas, e outras, não. Schopenhauer, por outro lado, diz que o belo é eterno porque não se submete às
  • 2. imposições do conhecimento e do mundo empírico. Por isso, o prazer estético alivia o sofrimento humano, provocado pela insatisfação da vontade, na medida em que nos permite vislumbrar - ainda que momentaneamente – o mundo em sua plenitude, para além da transitoriedade dos fenômenos. 6. Analise o conceito de Arte por Susanne Langer. Para Susanne Langer, a arte é a prática de criar formas perceptíveis expressivas do sentimento humano. Analisando resumidamente esses termos podemos entender que:  1 - a arte é uma atividade humana que combina a habilidade (a prática) com imaginação (a criação)  2 – A arte busca formas capazes de serem percebidas por nossa mente ou sistema nervoso, seja elas musicais, gestuais, arquitetônicas, verbais etc.  4 – A arte pretende expressar a experiência interior do ser humano. 7. Comente esta afirmação de Lukács: “ O artista vive em sociedade e – queira ou não – existe uma influencia reciproca entre ele e a sociedade.” O artista é um ser social: como ser social, o artista reflete na obra de arte sua própria maneira de sentir o mundo em que vive, as alegrias e angústias, os problemas e as esperanças de seu momento histórico. 8. O ensino da arte, ao educar os sentidos e a sensibilidade, pode tornar o ser humano melhor. Fundamente essa afirmação. Através do belo, o mundo material de reconciliaria com uma forma superior de moralidade. Assim, se o belo pode despertar o bom no indivíduo , deve fazer parte de sua educação. Assim, além da educação ética, o escritor e pensador alemão Schiller (1759-1805) propôs a educação estética como forma de harmonizar e aperfeiçoar o mundo e de o indivíduo alcançar a sua liberdade. 9. Qual é a diferença entre cultura de massa e cultura popular? A cultura popular é aquela que se produz de forma espontânea e autêntica por um povo, refletindo suas particularidades, suas tradições e seus valores. Por sua vez, a cultura de massa (cultura destinada às multidões) é aquela que homogeneíza as manifestações artísticas ao oferecer a exaustão um determinado fenômeno de venda veicular sempre o mesmo, o que desestimula o espirito inovador e empobrece o cenário cultural. 10. Como você explica a possibilidade de existirem várias culturas que coexistem em um mesmo espeço? Existirem várias culturas que coexistem em um mesmo espaço porque elas respondem às necessidades (físicas, afetivas, cognitivas, econômicas, sociais) e desejos diferentes de cada grupo. A arte é a contemplação, é o prazer do espírito que penetra a Natureza e descobre que ela também tem uma alma. É a missão mais sublime do Homem, pois é o exercício do pensamento que busca compreender o Universo e fazer com que os outros o compreendam. Auguste Rodin