SlideShare uma empresa Scribd logo
A experiência e a atitudeA experiência e a atitude
estéticaestética
O que define a experiência estética? O que faz daO que define a experiência estética? O que faz da
experiência estética uma experiênciaexperiência estética uma experiência
diferente?diferente?
 A resposta sobre a qual todos os filósofosA resposta sobre a qual todos os filósofos
estão de acordo é a seguinte:estão de acordo é a seguinte:
 A EXPERIÊNCIA ESTÉTICA É UMAA EXPERIÊNCIA ESTÉTICA É UMA
EXPERIÊNCIA DESINTERESSADAEXPERIÊNCIA DESINTERESSADA
 Isto é, não temos qualquer interesse prático,Isto é, não temos qualquer interesse prático,
ela não é um meio para satisfazer umaela não é um meio para satisfazer uma
necessidade mas vale por si.necessidade mas vale por si.
Ver um desafio de futebol também éVer um desafio de futebol também é
uma experiência desinteressada euma experiência desinteressada e
não é uma experiência estética:não é uma experiência estética:
 A experiência estética produz-se com objectosA experiência estética produz-se com objectos
estéticos.estéticos.
 São os objectos encarados na sua forma, harmonia,São os objectos encarados na sua forma, harmonia,
cor que afectam a nossa sensibilidade estéticacor que afectam a nossa sensibilidade estética
 Exemplo: Um concerto, Uma dança, uma peça, umExemplo: Um concerto, Uma dança, uma peça, um
filme, um pôr do sol.filme, um pôr do sol.
 Objectos sobre os quais podemos emitir juízosObjectos sobre os quais podemos emitir juízos
estéticos como:estéticos como:
 ““É Belo!”, “Emocionou-me!”, “ A 9ª sinfonia éÉ Belo!”, “Emocionou-me!”, “ A 9ª sinfonia é
uma obra-prima!”uma obra-prima!”
Noite estrelada de Van GoghNoite estrelada de Van Gogh
A experiência estética pode decorrer daA experiência estética pode decorrer da
contemplaçãocontemplação
ou da produção/criação de um objecto.ou da produção/criação de um objecto.
 1. O artista cria a obra e transfigura a realidade, tem1. O artista cria a obra e transfigura a realidade, tem
portanto a experiência dessa transfiguração.portanto a experiência dessa transfiguração.
 2. O receptor, aquele que é surpreendido no seu2. O receptor, aquele que é surpreendido no seu
quotidiano pela forma de determinado objecto que lhequotidiano pela forma de determinado objecto que lhe
provoca admiração e emoção.provoca admiração e emoção.
 3. O crítico de arte que vai ao encontro do objecto3. O crítico de arte que vai ao encontro do objecto
artístico para o avaliar, segundo o seu gosto masartístico para o avaliar, segundo o seu gosto mas
também segundo determinado conhecimento.também segundo determinado conhecimento.
Artista, espectador, críticoArtista, espectador, crítico
Estético: produção da obra,Estético: produção da obra,
avaliação.avaliação.
Duas teorias sobre o juízo estético:Duas teorias sobre o juízo estético:
1. O objectivismo estético1. O objectivismo estético
2. O subjectivismo estético2. O subjectivismo estético
 Estas teorias pretendem responder à questão:Estas teorias pretendem responder à questão:
 Quando emitimos um juízo estético “É Belo” falamosQuando emitimos um juízo estético “É Belo” falamos
de uma qualidade que está no objecto? Falamos dede uma qualidade que está no objecto? Falamos de
uma emoção ou sentimento que surge em nós pelauma emoção ou sentimento que surge em nós pela
presença do objecto?presença do objecto?
 O Objectivismo atribui ao objecto uma determinadaO Objectivismo atribui ao objecto uma determinada
qualidade estéticaqualidade estética
 O Subjectivismo atribui ao sujeito a capacidade deO Subjectivismo atribui ao sujeito a capacidade de
avaliar, de acordo com o seu gosto, o objecto.avaliar, de acordo com o seu gosto, o objecto.
A teoria objectivista na estética:A teoria objectivista na estética:
 TESE: Um objecto é belo em virtude das suas qualidades e não em virtudeTESE: Um objecto é belo em virtude das suas qualidades e não em virtude
do que sentimos quando o observamos.do que sentimos quando o observamos.
 Argumento:Argumento: As propriedades da beleza (ou outro valor estético) existemAs propriedades da beleza (ou outro valor estético) existem
mesmo no objecto e são independentes dos sujeitos que os observam. Quermesmo no objecto e são independentes dos sujeitos que os observam. Quer
o sujeito veja a beleza do objecto ou não, esta não depende do seu juízo,o sujeito veja a beleza do objecto ou não, esta não depende do seu juízo,
existe por si no objecto. A beleza está nas coisas e não nos olhos de quemexiste por si no objecto. A beleza está nas coisas e não nos olhos de quem
vê.vê.
 Se nem todos gostam do “David” de Miguel Ângelo, não é por não ser beloSe nem todos gostam do “David” de Miguel Ângelo, não é por não ser belo
mas porque não conseguem descobrir na sua forma a beleza. O problemamas porque não conseguem descobrir na sua forma a beleza. O problema
está então no sujeito e não no relativismo do juízo de gosto.está então no sujeito e não no relativismo do juízo de gosto.
 Se há desacordo estético, isso não quer dizer que o gosto estético sejaSe há desacordo estético, isso não quer dizer que o gosto estético seja
subjectivo mas apenas que os diferentes sujeitos não se apercebem, porsubjectivo mas apenas que os diferentes sujeitos não se apercebem, por
dificuldades culturais, intelectuais ou de sensibilidade das qualidades reaisdificuldades culturais, intelectuais ou de sensibilidade das qualidades reais
do objecto e por isso ajuízam erradamente.do objecto e por isso ajuízam erradamente.
 O juízo estético será semelhante a um juízo científico. Há juízosO juízo estético será semelhante a um juízo científico. Há juízos
verdadeiros e falsos. Caso descrevam ou não as qualidades intrínsecas doverdadeiros e falsos. Caso descrevam ou não as qualidades intrínsecas do
objecto.objecto.
Estas obras terão terá um valorEstas obras terão terá um valor
estético intrínsecoestético intrínseco
Para um objectivista:Para um objectivista:
 O Belo distingue-se por uma série de qualidadesO Belo distingue-se por uma série de qualidades
estéticas tais como:estéticas tais como:
 A proporçãoA proporção das partes que compõem o tododas partes que compõem o todo
 O EquilíbrioO Equilíbrio da formada forma
 A unidade do todo e das partesA unidade do todo e das partes
 A HarmoniaA Harmonia da figurada figura
 PerfeiçãoPerfeição
 DiversidadeDiversidade (Exotismo?)(Exotismo?)
 Há características específicas (dependendo dasHá características específicas (dependendo das
formas de arte) e características gerais: Unidadeformas de arte) e características gerais: Unidade
Complexidade e IntensidadeComplexidade e Intensidade
O David será belo? IntrinsecamenteO David será belo? Intrinsecamente
belo?belo?
Intuicionista: (outra forma deIntuicionista: (outra forma de
objectivismo)objectivismo)
 As propriedades do Belo não são empíricasAs propriedades do Belo não são empíricas
por isso não podem ser apercebidas pelospor isso não podem ser apercebidas pelos
sentidos (Platão)sentidos (Platão)
 O Belo não se pode definir, tão pouco se podeO Belo não se pode definir, tão pouco se pode
descrever.descrever.
 Sabemos que é Belo por uma intuição. UmSabemos que é Belo por uma intuição. Um
dom natural para ter a percepção do Belo, sódom natural para ter a percepção do Belo, só
alguns o têm. Teoria das almas.alguns o têm. Teoria das almas.
O Belo é dado numa intuiçãoO Belo é dado numa intuição
Subjectivismo estético:Subjectivismo estético:
 Tese: Dizemos que um objecto é belo em virtude do queTese: Dizemos que um objecto é belo em virtude do que
sentimos quando o observamos.sentimos quando o observamos.
 A beleza não existe, é o nome que se dá às coisas que nosA beleza não existe, é o nome que se dá às coisas que nos
produzem agrado.produzem agrado.
 Assim, o belo depende do nosso gosto, depende do modoAssim, o belo depende do nosso gosto, depende do modo
como a nossa sensibilidade se deixa afectar pelos objectos. Ocomo a nossa sensibilidade se deixa afectar pelos objectos. O
mesmo objecto afecta duas pessoas de diferentes modosmesmo objecto afecta duas pessoas de diferentes modos
porque elas têm diferentes sensibilidades.porque elas têm diferentes sensibilidades.
 É Belo, porque gosto, porque me causa prazer ouvir ouÉ Belo, porque gosto, porque me causa prazer ouvir ou
contemplar um determinado objecto, daí que esse objecto, pelocontemplar um determinado objecto, daí que esse objecto, pelo
facto de me agradar, seja considerado um objecto estético.facto de me agradar, seja considerado um objecto estético.
Francis Bacon e Paul Klee: São belosFrancis Bacon e Paul Klee: São belos
estes quadros?estes quadros?
O Padrão de gostoO Padrão de gosto
 Apesar de diferentes gostos é possível haver um padrão deApesar de diferentes gostos é possível haver um padrão de
gosto, esses padrões resumem-se a certos valores culturaisgosto, esses padrões resumem-se a certos valores culturais
assumidos por todos.assumidos por todos.
 Isso permite ultrapassar o relativismo resultante da plenaIsso permite ultrapassar o relativismo resultante da plena
subjectividade dos valores, a tese de que: “gostos não sesubjectividade dos valores, a tese de que: “gostos não se
discutem”discutem”
 O gosto também pode ser treinado e educado pela experiênciaO gosto também pode ser treinado e educado pela experiência
e pela discussão. Comparar e conhecer várias obras diferentese pela discussão. Comparar e conhecer várias obras diferentes
permite educar a sensibilidade.permite educar a sensibilidade.
 Preconceitos e modas também influenciam os juízos de gosto.Preconceitos e modas também influenciam os juízos de gosto.
 Podemos justificar racionalmente os nossos juízos estéticos.Podemos justificar racionalmente os nossos juízos estéticos.
O gosto será relativo?O gosto será relativo?
Haverá bom e mau gosto?Haverá bom e mau gosto?
Conclusão:Conclusão:
 A estética estuda os objectos e juízos estéticos.A estética estuda os objectos e juízos estéticos.
 Podem ser objectos naturais ou artefactos.Podem ser objectos naturais ou artefactos.
 Objectos que têm características ou que sãoObjectos que têm características ou que são
usados de um determinado modo.usados de um determinado modo.
 Para seremPara serem contempladoscontemplados. Por eles mesmos,. Por eles mesmos,
na sua forma, naquilo que neles nos causana sua forma, naquilo que neles nos causa
emoções estéticas.emoções estéticas.
O que é a arte
O que é a arte

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cap 15 Filosofia Estética
Cap 15  Filosofia EstéticaCap 15  Filosofia Estética
Cap 15 Filosofia Estética
José Ferreira Júnior
 
ATITUDE ESTÉTICA
ATITUDE ESTÉTICA ATITUDE ESTÉTICA
3º estética (hegel)
3º   estética (hegel)3º   estética (hegel)
3º estética (hegel)
Caio Cæsar
 
Capitulo 12 filosofia
Capitulo 12 filosofiaCapitulo 12 filosofia
Capitulo 12 filosofia
Paulo Olli
 
Feio ou bonito
Feio ou bonitoFeio ou bonito
Feio ou bonito
Italo Colares
 
Estética - Artes Visuais
Estética - Artes VisuaisEstética - Artes Visuais
Estética - Artes Visuais
Guilherme Lopes
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
Edirlene Fraga
 
Estética 31
Estética 31Estética 31
Estética 31
Alexandre Misturini
 
A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2
Helena Serrão
 
Apresentação Estética
Apresentação EstéticaApresentação Estética
Apresentação Estética
Auriene
 
Estética - Estudo do Belo
Estética - Estudo do BeloEstética - Estudo do Belo
Estética - Estudo do Belo
Silmara Nogueira
 
Estética na filosofia laura 31 m
Estética na filosofia laura 31 mEstética na filosofia laura 31 m
Estética na filosofia laura 31 m
alemisturini
 
a arte como fenomeno social
a arte como fenomeno  social a arte como fenomeno  social
Estética e ensino de arte
Estética e ensino de arteEstética e ensino de arte
Estética e ensino de arte
Marcos Santos
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
Keila Schons
 
Estetica belo beleza 1ª serie _menor
Estetica   belo   beleza 1ª serie _menorEstetica   belo   beleza 1ª serie _menor
Estetica belo beleza 1ª serie _menor
Arteduka Arte E Educação
 
Moral Utilitarista VersãO Final
Moral Utilitarista VersãO FinalMoral Utilitarista VersãO Final
Moral Utilitarista VersãO Final
Helena Serrão
 
Estética slide
Estética slideEstética slide
Estética slide
Solange Ferreira de Paula
 
Artes
ArtesArtes
A estética do belo
A estética do beloA estética do belo
A estética do belo
Adriana Martins Christianini
 

Mais procurados (20)

Cap 15 Filosofia Estética
Cap 15  Filosofia EstéticaCap 15  Filosofia Estética
Cap 15 Filosofia Estética
 
ATITUDE ESTÉTICA
ATITUDE ESTÉTICA ATITUDE ESTÉTICA
ATITUDE ESTÉTICA
 
3º estética (hegel)
3º   estética (hegel)3º   estética (hegel)
3º estética (hegel)
 
Capitulo 12 filosofia
Capitulo 12 filosofiaCapitulo 12 filosofia
Capitulo 12 filosofia
 
Feio ou bonito
Feio ou bonitoFeio ou bonito
Feio ou bonito
 
Estética - Artes Visuais
Estética - Artes VisuaisEstética - Artes Visuais
Estética - Artes Visuais
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
 
Estética 31
Estética 31Estética 31
Estética 31
 
A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2
 
Apresentação Estética
Apresentação EstéticaApresentação Estética
Apresentação Estética
 
Estética - Estudo do Belo
Estética - Estudo do BeloEstética - Estudo do Belo
Estética - Estudo do Belo
 
Estética na filosofia laura 31 m
Estética na filosofia laura 31 mEstética na filosofia laura 31 m
Estética na filosofia laura 31 m
 
a arte como fenomeno social
a arte como fenomeno  social a arte como fenomeno  social
a arte como fenomeno social
 
Estética e ensino de arte
Estética e ensino de arteEstética e ensino de arte
Estética e ensino de arte
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
 
Estetica belo beleza 1ª serie _menor
Estetica   belo   beleza 1ª serie _menorEstetica   belo   beleza 1ª serie _menor
Estetica belo beleza 1ª serie _menor
 
Moral Utilitarista VersãO Final
Moral Utilitarista VersãO FinalMoral Utilitarista VersãO Final
Moral Utilitarista VersãO Final
 
Estética slide
Estética slideEstética slide
Estética slide
 
Artes
ArtesArtes
Artes
 
A estética do belo
A estética do beloA estética do belo
A estética do belo
 

Destaque

O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
IF - Baiano
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
Ana Barreiros
 
AINT - Trabalho
AINT - TrabalhoAINT - Trabalho
AINT - Trabalho
Daniela Ramalho
 
Introducao arte
Introducao arteIntroducao arte
Introducao arte
Over Lane
 
A função da arte slide
A função da arte   slideA função da arte   slide
A função da arte slide
2011saletekm
 
DEFINIÇÕES DE ARTE
DEFINIÇÕES DE ARTEDEFINIÇÕES DE ARTE
DEFINIÇÕES DE ARTE
Aclecio Dantas
 
Trabalho Estética
Trabalho EstéticaTrabalho Estética
Trabalho Estética
anabornickel
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
camillaekarin
 
Arte de ver a arte
Arte de ver a arteArte de ver a arte
Arte de ver a arte
João Carlos Nara Júnior
 
Arte como forma de pensamento
Arte como forma de pensamentoArte como forma de pensamento
Arte como forma de pensamento
Arianny Anghel
 
A significação na arte
A significação na arteA significação na arte
A significação na arte
Ivan Rodrigues
 
A complicada arte de ver!
A complicada arte de ver!A complicada arte de ver!
A complicada arte de ver!
Aristides Monteiro
 
120095526 3-as-relacoes-entre-subjetividade-e-objetividade
120095526 3-as-relacoes-entre-subjetividade-e-objetividade120095526 3-as-relacoes-entre-subjetividade-e-objetividade
120095526 3-as-relacoes-entre-subjetividade-e-objetividade
Eduardo Lopes
 
Apresentação estética Analítica Juízos de Kant
Apresentação estética Analítica Juízos de KantApresentação estética Analítica Juízos de Kant
Apresentação estética Analítica Juízos de Kant
Carlos Faria
 
Primeiro segundo e terc planos
Primeiro segundo e terc planosPrimeiro segundo e terc planos
Primeiro segundo e terc planos
Ipsun
 
Linha do Tempo da Arquitetura Egípcia à Gótica
Linha do Tempo da Arquitetura Egípcia à GóticaLinha do Tempo da Arquitetura Egípcia à Gótica
Linha do Tempo da Arquitetura Egípcia à Gótica
Gabriel Felix
 
Introdução à História da Arte aula 1
Introdução à História da Arte   aula 1Introdução à História da Arte   aula 1
Introdução à História da Arte aula 1
VIVIAN TROMBINI
 
Valores subjetivos objetivos
Valores subjetivos objetivosValores subjetivos objetivos
Valores subjetivos objetivos
Pedro Mota
 
A subjetividade dos planos na composição da imagem & Fotografia para document...
A subjetividade dos planos na composição da imagem & Fotografia para document...A subjetividade dos planos na composição da imagem & Fotografia para document...
A subjetividade dos planos na composição da imagem & Fotografia para document...
Ipsun
 
Aula 1 - Fundamentos de Psicologia
Aula 1 -  Fundamentos de Psicologia Aula 1 -  Fundamentos de Psicologia
Aula 1 - Fundamentos de Psicologia
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 

Destaque (20)

O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
AINT - Trabalho
AINT - TrabalhoAINT - Trabalho
AINT - Trabalho
 
Introducao arte
Introducao arteIntroducao arte
Introducao arte
 
A função da arte slide
A função da arte   slideA função da arte   slide
A função da arte slide
 
DEFINIÇÕES DE ARTE
DEFINIÇÕES DE ARTEDEFINIÇÕES DE ARTE
DEFINIÇÕES DE ARTE
 
Trabalho Estética
Trabalho EstéticaTrabalho Estética
Trabalho Estética
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
 
Arte de ver a arte
Arte de ver a arteArte de ver a arte
Arte de ver a arte
 
Arte como forma de pensamento
Arte como forma de pensamentoArte como forma de pensamento
Arte como forma de pensamento
 
A significação na arte
A significação na arteA significação na arte
A significação na arte
 
A complicada arte de ver!
A complicada arte de ver!A complicada arte de ver!
A complicada arte de ver!
 
120095526 3-as-relacoes-entre-subjetividade-e-objetividade
120095526 3-as-relacoes-entre-subjetividade-e-objetividade120095526 3-as-relacoes-entre-subjetividade-e-objetividade
120095526 3-as-relacoes-entre-subjetividade-e-objetividade
 
Apresentação estética Analítica Juízos de Kant
Apresentação estética Analítica Juízos de KantApresentação estética Analítica Juízos de Kant
Apresentação estética Analítica Juízos de Kant
 
Primeiro segundo e terc planos
Primeiro segundo e terc planosPrimeiro segundo e terc planos
Primeiro segundo e terc planos
 
Linha do Tempo da Arquitetura Egípcia à Gótica
Linha do Tempo da Arquitetura Egípcia à GóticaLinha do Tempo da Arquitetura Egípcia à Gótica
Linha do Tempo da Arquitetura Egípcia à Gótica
 
Introdução à História da Arte aula 1
Introdução à História da Arte   aula 1Introdução à História da Arte   aula 1
Introdução à História da Arte aula 1
 
Valores subjetivos objetivos
Valores subjetivos objetivosValores subjetivos objetivos
Valores subjetivos objetivos
 
A subjetividade dos planos na composição da imagem & Fotografia para document...
A subjetividade dos planos na composição da imagem & Fotografia para document...A subjetividade dos planos na composição da imagem & Fotografia para document...
A subjetividade dos planos na composição da imagem & Fotografia para document...
 
Aula 1 - Fundamentos de Psicologia
Aula 1 -  Fundamentos de Psicologia Aula 1 -  Fundamentos de Psicologia
Aula 1 - Fundamentos de Psicologia
 

Semelhante a O que é a arte

Estetica
Estetica   Estetica
Estetica
Mary Alvarenga
 
Gumbrecht - Pequenas Crises
Gumbrecht - Pequenas CrisesGumbrecht - Pequenas Crises
Gumbrecht - Pequenas Crises
carolinaloch
 
Resumos valores e_valoração
Resumos valores e_valoraçãoResumos valores e_valoração
Resumos valores e_valoração
AidaCunha73
 
Entendendo a arte
Entendendo a arteEntendendo a arte
Entendendo a arte
Aurimar Bianchi Júnior
 
3 fil prov. esp. 2 cham bc 3bi
3 fil    prov. esp. 2 cham bc 3bi3 fil    prov. esp. 2 cham bc 3bi
3 fil prov. esp. 2 cham bc 3bi
Felipe Serra
 
Vamos falar de arte(1)
Vamos falar de arte(1)Vamos falar de arte(1)
Vamos falar de arte(1)
Luis Silva
 
3 fil prov. bimestral 2 cham bc 3bi
3 fil    prov. bimestral  2 cham bc 3bi3 fil    prov. bimestral  2 cham bc 3bi
3 fil prov. bimestral 2 cham bc 3bi
Felipe Serra
 
A Estética
A EstéticaA Estética
A Estética
3000zxsc
 
Situação de Aprendizagem Filosofia
Situação de Aprendizagem Filosofia Situação de Aprendizagem Filosofia
Situação de Aprendizagem Filosofia
Erica Frau
 
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
fernandobueno774792
 
9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx
9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx
9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx
Iuri Ribeiro
 
3 fil prov. esp. bc 3bi
3 fil prov. esp. bc 3bi 3 fil prov. esp. bc 3bi
3 fil prov. esp. bc 3bi
Felipe Serra
 
Simulado de filosofia dezembro/2015
Simulado  de filosofia  dezembro/2015Simulado  de filosofia  dezembro/2015
Simulado de filosofia dezembro/2015
Mary Alvarenga
 
Textos e Comentários
Textos e ComentáriosTextos e Comentários
Textos e Comentários
Jorge Barbosa
 
Filosofia estética
Filosofia   estéticaFilosofia   estética
Filosofia estética
ミゲル ソレッス
 
Curso introdu o_educa_o__77366 (1)
Curso introdu o_educa_o__77366 (1)Curso introdu o_educa_o__77366 (1)
Curso introdu o_educa_o__77366 (1)
julianabtu2017
 
Cap 7 (completo)
Cap 7 (completo)Cap 7 (completo)
Cap 7 (completo)
Aires Almeida
 
O que podemos conhecer teoria do conhecimento
O que podemos conhecer teoria do conhecimentoO que podemos conhecer teoria do conhecimento
O que podemos conhecer teoria do conhecimento
LucianaCosta9469
 
Estética.
Estética.Estética.
Estética.
Damisa
 

Semelhante a O que é a arte (19)

Estetica
Estetica   Estetica
Estetica
 
Gumbrecht - Pequenas Crises
Gumbrecht - Pequenas CrisesGumbrecht - Pequenas Crises
Gumbrecht - Pequenas Crises
 
Resumos valores e_valoração
Resumos valores e_valoraçãoResumos valores e_valoração
Resumos valores e_valoração
 
Entendendo a arte
Entendendo a arteEntendendo a arte
Entendendo a arte
 
3 fil prov. esp. 2 cham bc 3bi
3 fil    prov. esp. 2 cham bc 3bi3 fil    prov. esp. 2 cham bc 3bi
3 fil prov. esp. 2 cham bc 3bi
 
Vamos falar de arte(1)
Vamos falar de arte(1)Vamos falar de arte(1)
Vamos falar de arte(1)
 
3 fil prov. bimestral 2 cham bc 3bi
3 fil    prov. bimestral  2 cham bc 3bi3 fil    prov. bimestral  2 cham bc 3bi
3 fil prov. bimestral 2 cham bc 3bi
 
A Estética
A EstéticaA Estética
A Estética
 
Situação de Aprendizagem Filosofia
Situação de Aprendizagem Filosofia Situação de Aprendizagem Filosofia
Situação de Aprendizagem Filosofia
 
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
 
9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx
9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx
9 - ESTÉTICA - Gilberto Coutrim.pptx
 
3 fil prov. esp. bc 3bi
3 fil prov. esp. bc 3bi 3 fil prov. esp. bc 3bi
3 fil prov. esp. bc 3bi
 
Simulado de filosofia dezembro/2015
Simulado  de filosofia  dezembro/2015Simulado  de filosofia  dezembro/2015
Simulado de filosofia dezembro/2015
 
Textos e Comentários
Textos e ComentáriosTextos e Comentários
Textos e Comentários
 
Filosofia estética
Filosofia   estéticaFilosofia   estética
Filosofia estética
 
Curso introdu o_educa_o__77366 (1)
Curso introdu o_educa_o__77366 (1)Curso introdu o_educa_o__77366 (1)
Curso introdu o_educa_o__77366 (1)
 
Cap 7 (completo)
Cap 7 (completo)Cap 7 (completo)
Cap 7 (completo)
 
O que podemos conhecer teoria do conhecimento
O que podemos conhecer teoria do conhecimentoO que podemos conhecer teoria do conhecimento
O que podemos conhecer teoria do conhecimento
 
Estética.
Estética.Estética.
Estética.
 

Mais de Helena Serrão

Descartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptxDescartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptx
Helena Serrão
 
Ceticismo.pptx
Ceticismo.pptxCeticismo.pptx
Ceticismo.pptx
Helena Serrão
 
O discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptxO discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptx
Helena Serrão
 
A estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptxA estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptx
Helena Serrão
 
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptxCríticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Helena Serrão
 
Representações da pieta
Representações da pietaRepresentações da pieta
Representações da pieta
Helena Serrão
 
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Helena Serrão
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
Helena Serrão
 
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Helena Serrão
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
Helena Serrão
 
Revisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartesRevisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartes
Helena Serrão
 
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humanaDeterminismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
Helena Serrão
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
Helena Serrão
 
Pp4
Pp4Pp4
Inteligencia artificial
Inteligencia artificialInteligencia artificial
Inteligencia artificial
Helena Serrão
 
Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01
Helena Serrão
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
Helena Serrão
 
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca daComo vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Helena Serrão
 
Stuart mill
Stuart millStuart mill
Stuart mill
Helena Serrão
 
Falácias2
Falácias2Falácias2
Falácias2
Helena Serrão
 

Mais de Helena Serrão (20)

Descartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptxDescartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptx
 
Ceticismo.pptx
Ceticismo.pptxCeticismo.pptx
Ceticismo.pptx
 
O discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptxO discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptx
 
A estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptxA estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptx
 
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptxCríticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
 
Representações da pieta
Representações da pietaRepresentações da pieta
Representações da pieta
 
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
Revisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartesRevisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartes
 
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humanaDeterminismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
Pp4
Pp4Pp4
Pp4
 
Inteligencia artificial
Inteligencia artificialInteligencia artificial
Inteligencia artificial
 
Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca daComo vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
 
Stuart mill
Stuart millStuart mill
Stuart mill
 
Falácias2
Falácias2Falácias2
Falácias2
 

Último

Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 

Último (20)

Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 

O que é a arte

  • 1. A experiência e a atitudeA experiência e a atitude estéticaestética O que define a experiência estética? O que faz daO que define a experiência estética? O que faz da experiência estética uma experiênciaexperiência estética uma experiência diferente?diferente?  A resposta sobre a qual todos os filósofosA resposta sobre a qual todos os filósofos estão de acordo é a seguinte:estão de acordo é a seguinte:  A EXPERIÊNCIA ESTÉTICA É UMAA EXPERIÊNCIA ESTÉTICA É UMA EXPERIÊNCIA DESINTERESSADAEXPERIÊNCIA DESINTERESSADA  Isto é, não temos qualquer interesse prático,Isto é, não temos qualquer interesse prático, ela não é um meio para satisfazer umaela não é um meio para satisfazer uma necessidade mas vale por si.necessidade mas vale por si.
  • 2. Ver um desafio de futebol também éVer um desafio de futebol também é uma experiência desinteressada euma experiência desinteressada e não é uma experiência estética:não é uma experiência estética:  A experiência estética produz-se com objectosA experiência estética produz-se com objectos estéticos.estéticos.  São os objectos encarados na sua forma, harmonia,São os objectos encarados na sua forma, harmonia, cor que afectam a nossa sensibilidade estéticacor que afectam a nossa sensibilidade estética  Exemplo: Um concerto, Uma dança, uma peça, umExemplo: Um concerto, Uma dança, uma peça, um filme, um pôr do sol.filme, um pôr do sol.  Objectos sobre os quais podemos emitir juízosObjectos sobre os quais podemos emitir juízos estéticos como:estéticos como:  ““É Belo!”, “Emocionou-me!”, “ A 9ª sinfonia éÉ Belo!”, “Emocionou-me!”, “ A 9ª sinfonia é uma obra-prima!”uma obra-prima!”
  • 3. Noite estrelada de Van GoghNoite estrelada de Van Gogh
  • 4. A experiência estética pode decorrer daA experiência estética pode decorrer da contemplaçãocontemplação ou da produção/criação de um objecto.ou da produção/criação de um objecto.  1. O artista cria a obra e transfigura a realidade, tem1. O artista cria a obra e transfigura a realidade, tem portanto a experiência dessa transfiguração.portanto a experiência dessa transfiguração.  2. O receptor, aquele que é surpreendido no seu2. O receptor, aquele que é surpreendido no seu quotidiano pela forma de determinado objecto que lhequotidiano pela forma de determinado objecto que lhe provoca admiração e emoção.provoca admiração e emoção.  3. O crítico de arte que vai ao encontro do objecto3. O crítico de arte que vai ao encontro do objecto artístico para o avaliar, segundo o seu gosto masartístico para o avaliar, segundo o seu gosto mas também segundo determinado conhecimento.também segundo determinado conhecimento.
  • 6. Estético: produção da obra,Estético: produção da obra, avaliação.avaliação.
  • 7. Duas teorias sobre o juízo estético:Duas teorias sobre o juízo estético: 1. O objectivismo estético1. O objectivismo estético 2. O subjectivismo estético2. O subjectivismo estético  Estas teorias pretendem responder à questão:Estas teorias pretendem responder à questão:  Quando emitimos um juízo estético “É Belo” falamosQuando emitimos um juízo estético “É Belo” falamos de uma qualidade que está no objecto? Falamos dede uma qualidade que está no objecto? Falamos de uma emoção ou sentimento que surge em nós pelauma emoção ou sentimento que surge em nós pela presença do objecto?presença do objecto?  O Objectivismo atribui ao objecto uma determinadaO Objectivismo atribui ao objecto uma determinada qualidade estéticaqualidade estética  O Subjectivismo atribui ao sujeito a capacidade deO Subjectivismo atribui ao sujeito a capacidade de avaliar, de acordo com o seu gosto, o objecto.avaliar, de acordo com o seu gosto, o objecto.
  • 8. A teoria objectivista na estética:A teoria objectivista na estética:  TESE: Um objecto é belo em virtude das suas qualidades e não em virtudeTESE: Um objecto é belo em virtude das suas qualidades e não em virtude do que sentimos quando o observamos.do que sentimos quando o observamos.  Argumento:Argumento: As propriedades da beleza (ou outro valor estético) existemAs propriedades da beleza (ou outro valor estético) existem mesmo no objecto e são independentes dos sujeitos que os observam. Quermesmo no objecto e são independentes dos sujeitos que os observam. Quer o sujeito veja a beleza do objecto ou não, esta não depende do seu juízo,o sujeito veja a beleza do objecto ou não, esta não depende do seu juízo, existe por si no objecto. A beleza está nas coisas e não nos olhos de quemexiste por si no objecto. A beleza está nas coisas e não nos olhos de quem vê.vê.  Se nem todos gostam do “David” de Miguel Ângelo, não é por não ser beloSe nem todos gostam do “David” de Miguel Ângelo, não é por não ser belo mas porque não conseguem descobrir na sua forma a beleza. O problemamas porque não conseguem descobrir na sua forma a beleza. O problema está então no sujeito e não no relativismo do juízo de gosto.está então no sujeito e não no relativismo do juízo de gosto.  Se há desacordo estético, isso não quer dizer que o gosto estético sejaSe há desacordo estético, isso não quer dizer que o gosto estético seja subjectivo mas apenas que os diferentes sujeitos não se apercebem, porsubjectivo mas apenas que os diferentes sujeitos não se apercebem, por dificuldades culturais, intelectuais ou de sensibilidade das qualidades reaisdificuldades culturais, intelectuais ou de sensibilidade das qualidades reais do objecto e por isso ajuízam erradamente.do objecto e por isso ajuízam erradamente.  O juízo estético será semelhante a um juízo científico. Há juízosO juízo estético será semelhante a um juízo científico. Há juízos verdadeiros e falsos. Caso descrevam ou não as qualidades intrínsecas doverdadeiros e falsos. Caso descrevam ou não as qualidades intrínsecas do objecto.objecto.
  • 9. Estas obras terão terá um valorEstas obras terão terá um valor estético intrínsecoestético intrínseco
  • 10. Para um objectivista:Para um objectivista:  O Belo distingue-se por uma série de qualidadesO Belo distingue-se por uma série de qualidades estéticas tais como:estéticas tais como:  A proporçãoA proporção das partes que compõem o tododas partes que compõem o todo  O EquilíbrioO Equilíbrio da formada forma  A unidade do todo e das partesA unidade do todo e das partes  A HarmoniaA Harmonia da figurada figura  PerfeiçãoPerfeição  DiversidadeDiversidade (Exotismo?)(Exotismo?)  Há características específicas (dependendo dasHá características específicas (dependendo das formas de arte) e características gerais: Unidadeformas de arte) e características gerais: Unidade Complexidade e IntensidadeComplexidade e Intensidade
  • 11. O David será belo? IntrinsecamenteO David será belo? Intrinsecamente belo?belo?
  • 12. Intuicionista: (outra forma deIntuicionista: (outra forma de objectivismo)objectivismo)  As propriedades do Belo não são empíricasAs propriedades do Belo não são empíricas por isso não podem ser apercebidas pelospor isso não podem ser apercebidas pelos sentidos (Platão)sentidos (Platão)  O Belo não se pode definir, tão pouco se podeO Belo não se pode definir, tão pouco se pode descrever.descrever.  Sabemos que é Belo por uma intuição. UmSabemos que é Belo por uma intuição. Um dom natural para ter a percepção do Belo, sódom natural para ter a percepção do Belo, só alguns o têm. Teoria das almas.alguns o têm. Teoria das almas.
  • 13. O Belo é dado numa intuiçãoO Belo é dado numa intuição
  • 14. Subjectivismo estético:Subjectivismo estético:  Tese: Dizemos que um objecto é belo em virtude do queTese: Dizemos que um objecto é belo em virtude do que sentimos quando o observamos.sentimos quando o observamos.  A beleza não existe, é o nome que se dá às coisas que nosA beleza não existe, é o nome que se dá às coisas que nos produzem agrado.produzem agrado.  Assim, o belo depende do nosso gosto, depende do modoAssim, o belo depende do nosso gosto, depende do modo como a nossa sensibilidade se deixa afectar pelos objectos. Ocomo a nossa sensibilidade se deixa afectar pelos objectos. O mesmo objecto afecta duas pessoas de diferentes modosmesmo objecto afecta duas pessoas de diferentes modos porque elas têm diferentes sensibilidades.porque elas têm diferentes sensibilidades.  É Belo, porque gosto, porque me causa prazer ouvir ouÉ Belo, porque gosto, porque me causa prazer ouvir ou contemplar um determinado objecto, daí que esse objecto, pelocontemplar um determinado objecto, daí que esse objecto, pelo facto de me agradar, seja considerado um objecto estético.facto de me agradar, seja considerado um objecto estético.
  • 15. Francis Bacon e Paul Klee: São belosFrancis Bacon e Paul Klee: São belos estes quadros?estes quadros?
  • 16. O Padrão de gostoO Padrão de gosto  Apesar de diferentes gostos é possível haver um padrão deApesar de diferentes gostos é possível haver um padrão de gosto, esses padrões resumem-se a certos valores culturaisgosto, esses padrões resumem-se a certos valores culturais assumidos por todos.assumidos por todos.  Isso permite ultrapassar o relativismo resultante da plenaIsso permite ultrapassar o relativismo resultante da plena subjectividade dos valores, a tese de que: “gostos não sesubjectividade dos valores, a tese de que: “gostos não se discutem”discutem”  O gosto também pode ser treinado e educado pela experiênciaO gosto também pode ser treinado e educado pela experiência e pela discussão. Comparar e conhecer várias obras diferentese pela discussão. Comparar e conhecer várias obras diferentes permite educar a sensibilidade.permite educar a sensibilidade.  Preconceitos e modas também influenciam os juízos de gosto.Preconceitos e modas também influenciam os juízos de gosto.  Podemos justificar racionalmente os nossos juízos estéticos.Podemos justificar racionalmente os nossos juízos estéticos.
  • 17. O gosto será relativo?O gosto será relativo? Haverá bom e mau gosto?Haverá bom e mau gosto?
  • 18. Conclusão:Conclusão:  A estética estuda os objectos e juízos estéticos.A estética estuda os objectos e juízos estéticos.  Podem ser objectos naturais ou artefactos.Podem ser objectos naturais ou artefactos.  Objectos que têm características ou que sãoObjectos que têm características ou que são usados de um determinado modo.usados de um determinado modo.  Para seremPara serem contempladoscontemplados. Por eles mesmos,. Por eles mesmos, na sua forma, naquilo que neles nos causana sua forma, naquilo que neles nos causa emoções estéticas.emoções estéticas.