SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Aula da disciplina Introdução a Filosofia -
UEFS
CONTEXTO HISTÓRICO
AMBIENTE POLITICO E CULTURAL DA INGLATERRA NO SÉCULO
XVII
“SÉCULO DE OURO”
POLITICA : AFIRMAÇÃO DO SISTEMA DEMOCRATICO-
PARLAMENTAR E A DERROTA DO ABSOLUTISMO; IMPERIALISMO
LITERATURA: EXPOENTES COMO SHAKESPEARE, BEM JONSON E
MILTON
FILOSOFIA: EPISTEMOLÓGICA POIS, SE PREOCUPA COM A
INVESTIGAÇÃO SOBRE COMO AS IDEIAS SE FORMAM E COMO É
POSSIVEL O CONHECIMENTO HUMANO E EMPIRISTA, POIS
ENFATIZA O PAPEL DA EXPERIÊNCIA METOLOGICAMENTE
ORIENTADA
Fruto da filosofia clássica grega, o empirismo não nasceu no século
XVII
Ideia Chave
“Não há nada no intelecto que já não estivesse primeiro
nos sentidos.” ARISTÓTELES
OS EMPIRISTAS NÃO ACREDITAVAM QUE O HOMEM POSSUIA IDEIAS
INATAS, PARA ELES A MENTE HUMANA É UM RECIPIENTE PRONTO A SER
PREEENCHIDO COM AQUILO QUE NOSSOS SENTIDOS CAPTAM DO
EXTERIOR.
“A EXPERIÊNCIA É UM GUIA E CRITÉRIO PARA CONHECER A VERDADE
DE UMA AFIRMAÇÃO, MEDIANTE A DESCOBERTA DE RELAÇÕES
CONSTANTES, DE LEIS ESTÁVEIS TORNANDO POSSIVEL A ANTECIPAÇÃO
DE OUTRAS EXPERIÊNCIAS.” (MONDIN, p.113. 2006.)
1739-40: Tratado da natureza humana
1748: Investigação sobre o entendimento humano
Nasceu em Edimburgo em 1711. Após frequentar estudos
literários ainda na adolescência, foi para França, onde
escreveu o seu Investigação sobre a Natureza Humana.
Quando nomeado bibliotecário do colégio de advogados de
Edimburgo, escreve uma História de Inglaterra que vai
publicando pouco a pouco o que lhe proporciona alguma
fortuna e fama.
Viaja para França como secretário do embaixador inglês e
antes de se retirar para Edimburgo, é subsecretário de
Estado. Devido à sua reputação, exerce grande influência
sobre os estudiosos e pensadores de França e Inglaterra.
Hume se propõe a elaborar um
sistema que servirá como base para
todas as ciências de sua época, para
que tal sistema funcione, Hume analisa
a formação da mente humana e seus
respectivos objetos de estudo.
No “Investigação acerca do entendimento
humano”, Hume classifica tudo que é possível
conhecer em dois tipos:
“Podemos, por conseguinte, dividir todas as percepções
do espírito em duas classes ou espécies, que se
distinguem por seus diferentes graus de força e de
vivacidade. As menos fortes e menos vivas são
geralmente denominadas pensamentos ou ideias. (...)
Pelo termo impressão entendo, pois, todas as nossas
percepções mais vivas, quando
ouvimos, vemos, sentimos, amamos, odiamos, desejamos
ou queremos.” HUME. Investigação acerca do entendimento humano.
P.35-36
Desta forma, segundo Hume, todos os conteúdos da
consciência, constituem percepções e estas se
subdividem em impressões e ideias (pensamentos) .
Impressões
* atos originários do nosso conhecimento
*imagens ou sentimentos que derivam imediatamente da
realidade, vivas e fortes
* correspondem a dados da experiência *presente/atual
*sensações, paixões e emoções...etc.
· Ideias
* representações ou imagens debilitadas, enfraquecidas,
das impressões no pensamento, cópias que remetem aos
originais
* marcas deixadas pelas impressões, uma vez estas
desaparecidas
Na analise da formação das ideias é preciso decompor uma ideia complexa
em ideias simples para então verificar quais são as impressões simples e
complexas.
Desta forma, a partir das impressões, formamos as ideias simples, que podem
ser combinadas pelo entendimento.
“As ideias são cópias pálidas e sem vivacidade
das impressões diretas; a crença na
continuidade da realidade se funda nessa
capacidade de reproduzir as impressões vividas
e criar um mundo de representações.” MARIAS,
op.cit. p281
Ideia complexa de sereia= ideia
complexa de peixe + ideia
complexa de mulher
É assim que se constroem as
fantasias, ficções e sonhos.
Processo cognitivo ocorre quando a
mente conecta mais de uma ideia,
simples ou complexa.
“É evidente que há um princípio de conexão entre os
diferentes pensamentos ou ideias do espírito humano e
que, ao se apresentarem à memória ou à imaginação, se
introduzem mutuamente com certo método e
regularidade. E isto é tão visível em nossos pensamentos
ou conversas mais sérias que qualquer pensamento
particular que in-terrompe a sequencia regular ou o
encadeamento das ideias é ime-diatamente notado e
rejeitado. Até mesmo em nossos mais desorde-nados e
errantes devaneios, como também em nossos
sonhos, nota-remos, se refletimos, que a imaginação não
vagou inteiramente a esmo, porém havia sempre uma
conexão entre as diferentes ideias que se sucediam.”
HUME, op.cit. p.39
PRINCIPIO ASSOCIATIVO
Entre as impressões e ideias existem relações:
*semelhança= unir as ideias por meio de
características comuns
*contiguidade espacial e temporal= liga uma ideia
a outra pela proximidade no espaço e no tempo
* causalidade= une as ideias através de sucessões
repetidas criando assim uma conexão entre as
ideias.
Semelhança Contiguidade Causalidade
Principio da Unidade
“A metafísica estava equivocada ao
considerar causa e efeito uma relação
necessária independente da
experiência, sem qualquer impressão
corresponde na realidade. A relação não se
submete aos princípios racionais a
priori, pois carrega consigo, na sua
essência, a natureza de uma necessidade
absoluta, de um mundo perfeito.”
Domingues, op.cit. p.14
Antes de adentrarmos na critica que Hume faz ao conceito
de causalidade, é preciso ter em mente os objetos da
investigação humana e como eles se relacionam. Hume
faz a distinção em dois gêneros: as relações de ideias e
as relações de fato.
*RELAÇÕES DE IDEIAS: operam com conteúdos ideais,
possibilita o conhecimento demonstrativo.
Ex: 3x5=15
*RELAÇÕES DE FATO: operam a partir de fatos ou
fenômenos reais, necessitam da experiência para validar
suas conclusões.
A critica ao principio da causalidade
“a pedra esquenta porque os raios do sol
incidem sobre ela.”
“porque” Conexão causal
“Supondo que um homem, dotado das
mais poderosas faculdades racionais, seja
repentinamente transportado para este
mundo; certamente, notaria de imediato a
existência de uma continua sucessão de
objetos e um evento acompanhado por
outro, mas seria incapaz de descobrir algo
a mais. De inicio, não seria capaz,
mediante nenhum raciocínio, de chegar à
ideia de causa e efeito, visto que os
poderes particulares que realizam todas
as operações naturais jamais se revelam
aos sentidos.” (HUME, 2004, p.60).
A crença e o hábito
O hábito origina das várias repetições de um ato sem
ser impelida por algum raciocínio ou processo do
entendimento.
A impossibilidade do conhecimento
cientifico
O conhecimento dos fatos reduz-se
às impressões atuais e passadas.
A operação causal funciona por
conjunção constante, produzindo a
expectativa da repetição de fatos ainda
não observados. Portanto, o último
fundamento possível causal é o hábito,
isto é, um princípio da natureza humana,
que não é um raciocínio .
A crença é que dirige a probabilidade da
ocorrência de eventos futuros associados a
eventos do passado.
Útil para a vida quotidiana , aplicável a vários
campos de conhecimento.
* Base das ciências naturais ou experimentais
* Os raciocínios causais não são demonstrativos
•Tem um fundamento não racional (não deriva da
razão, mas de fatores psicológicos – vontade de que
o futuro seja previsível e, logo, controlável)
•*O empirismo de Hume surge como um ceticismo
ou experimentalismo?
Conclusões
David hume e a critica à causalidade

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusHume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusIsabel Moura
 
Hume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimentoHume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimentoIsabel Moura
 
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesAntónio Fernandes
 
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesElisabete Silva
 
Sermao de S. Antonio aos peixes - Capítulo v
Sermao de S. Antonio aos peixes - Capítulo vSermao de S. Antonio aos peixes - Capítulo v
Sermao de S. Antonio aos peixes - Capítulo vRita Magalhães
 
Objectividade científica e racionalidade científica
Objectividade científica e racionalidade científicaObjectividade científica e racionalidade científica
Objectividade científica e racionalidade científicaAMLDRP
 
Filosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresFilosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresInesTeixeiraDuarte
 
falácias informais
falácias informaisfalácias informais
falácias informaisIsabel Moura
 
3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvjIsabel Moura
 

Mais procurados (20)

Hume
HumeHume
Hume
 
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusHume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
 
Comparação descartes hume
Comparação descartes   humeComparação descartes   hume
Comparação descartes hume
 
Popper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcaçãoPopper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcação
 
Hume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimentoHume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimento
 
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
 
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de Descartes
 
Popper contra o indutivismo
Popper contra o indutivismoPopper contra o indutivismo
Popper contra o indutivismo
 
Sermao de S. Antonio aos peixes - Capítulo v
Sermao de S. Antonio aos peixes - Capítulo vSermao de S. Antonio aos peixes - Capítulo v
Sermao de S. Antonio aos peixes - Capítulo v
 
Tipos de conhecimento
Tipos de conhecimentoTipos de conhecimento
Tipos de conhecimento
 
O problema da indução
O problema da induçãoO problema da indução
O problema da indução
 
DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
 
Objectividade científica e racionalidade científica
Objectividade científica e racionalidade científicaObjectividade científica e racionalidade científica
Objectividade científica e racionalidade científica
 
Popper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcaçãoPopper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcação
 
Filosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresFilosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os Valores
 
falácias informais
falácias informaisfalácias informais
falácias informais
 
O racionalismo de Descartes
O racionalismo de DescartesO racionalismo de Descartes
O racionalismo de Descartes
 
Da dúvida ao cogito
Da dúvida ao cogitoDa dúvida ao cogito
Da dúvida ao cogito
 
3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 

Destaque

O emprismo de David Hume
O emprismo de David HumeO emprismo de David Hume
O emprismo de David Humeguest9578d1
 
O empirismo de David Hume PTT
O empirismo de David Hume PTTO empirismo de David Hume PTT
O empirismo de David Hume PTTJoaquim Melro
 
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo   a uniformidade da naturezaO conhecimento do mundo   a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo a uniformidade da naturezaLuis De Sousa Rodrigues
 
A CAUSALIDADE NATURAL EM DAVID HUME
A CAUSALIDADE NATURAL EM DAVID HUMEA CAUSALIDADE NATURAL EM DAVID HUME
A CAUSALIDADE NATURAL EM DAVID HUMENilton Domingues
 
Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Dylan Bonnet
 
A Causalidade Natural em David Hume
A Causalidade Natural em David HumeA Causalidade Natural em David Hume
A Causalidade Natural em David HumeNilton Domingues
 
David Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VIDavid Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VImluisavalente
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Kant
Teorias Explicativas do Conhecimento - KantTeorias Explicativas do Conhecimento - Kant
Teorias Explicativas do Conhecimento - KantJorge Barbosa
 
O empirismo de David Hume (Doc, 3) Problema da causalidade
O empirismo de David Hume (Doc, 3) Problema da causalidadeO empirismo de David Hume (Doc, 3) Problema da causalidade
O empirismo de David Hume (Doc, 3) Problema da causalidadeJoaquim Melro
 
Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e EmpirismoResumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e EmpirismoAna Catarina
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesJoana Filipa Rodrigues
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesTeorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesJorge Barbosa
 
O cogito cartesiano
O cogito cartesianoO cogito cartesiano
O cogito cartesianoLídia Neves
 

Destaque (19)

O emprismo de David Hume
O emprismo de David HumeO emprismo de David Hume
O emprismo de David Hume
 
David hume
David humeDavid hume
David hume
 
O empirismo de David Hume PTT
O empirismo de David Hume PTTO empirismo de David Hume PTT
O empirismo de David Hume PTT
 
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo   a uniformidade da naturezaO conhecimento do mundo   a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
 
Empirismo
EmpirismoEmpirismo
Empirismo
 
A CAUSALIDADE NATURAL EM DAVID HUME
A CAUSALIDADE NATURAL EM DAVID HUMEA CAUSALIDADE NATURAL EM DAVID HUME
A CAUSALIDADE NATURAL EM DAVID HUME
 
Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11
 
As relações de ideias
As relações de ideiasAs relações de ideias
As relações de ideias
 
A Causalidade Natural em David Hume
A Causalidade Natural em David HumeA Causalidade Natural em David Hume
A Causalidade Natural em David Hume
 
David Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VIDavid Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VI
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Kant
Teorias Explicativas do Conhecimento - KantTeorias Explicativas do Conhecimento - Kant
Teorias Explicativas do Conhecimento - Kant
 
David Hume
David HumeDavid Hume
David Hume
 
O empirismo de David Hume (Doc, 3) Problema da causalidade
O empirismo de David Hume (Doc, 3) Problema da causalidadeO empirismo de David Hume (Doc, 3) Problema da causalidade
O empirismo de David Hume (Doc, 3) Problema da causalidade
 
Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e EmpirismoResumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesTeorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
 
Empirismo de Hume
Empirismo de HumeEmpirismo de Hume
Empirismo de Hume
 
O ceticismo de hume
O ceticismo de humeO ceticismo de hume
O ceticismo de hume
 
O cogito cartesiano
O cogito cartesianoO cogito cartesiano
O cogito cartesiano
 

Semelhante a David hume e a critica à causalidade

FILOSOFIA EMPIRISMO MÉTODO DE ANÁLISE FILOSÓFICA
FILOSOFIA EMPIRISMO MÉTODO DE ANÁLISE FILOSÓFICAFILOSOFIA EMPIRISMO MÉTODO DE ANÁLISE FILOSÓFICA
FILOSOFIA EMPIRISMO MÉTODO DE ANÁLISE FILOSÓFICAAurelianoFerreirades2
 
A teoria do conhecimento
A teoria do conhecimentoA teoria do conhecimento
A teoria do conhecimentoPaulo Gama
 
Trabalho de Filosofia
Trabalho de Filosofia Trabalho de Filosofia
Trabalho de Filosofia Laguat
 
Estudo dirigido (3) de ética e filosofia na ci
Estudo dirigido (3) de ética e filosofia na ciEstudo dirigido (3) de ética e filosofia na ci
Estudo dirigido (3) de ética e filosofia na ciRita Gonçalves
 
Psicologia, uma (nova) introdução
Psicologia, uma (nova) introduçãoPsicologia, uma (nova) introdução
Psicologia, uma (nova) introduçãoBruno Carrasco
 
Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.
Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.
Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.Rita Gonçalves
 
Professora Vanúcia: Hume e os empiristas
Professora Vanúcia: Hume e os empiristasProfessora Vanúcia: Hume e os empiristas
Professora Vanúcia: Hume e os empiristasVanúcia Moreira
 
Filosofia Geral e do Direito Aula 07.pptx
Filosofia Geral e do Direito Aula 07.pptxFilosofia Geral e do Direito Aula 07.pptx
Filosofia Geral e do Direito Aula 07.pptxProfLucianaZanotelli
 
Importancia da cultura
Importancia da culturaImportancia da cultura
Importancia da culturaRicardo Lima
 
A crise da metafísica com hume.
A crise da metafísica com hume.A crise da metafísica com hume.
A crise da metafísica com hume.Paloma Meneses
 
Filosofia aula 7
Filosofia aula 7Filosofia aula 7
Filosofia aula 7Erica Frau
 
Filosofia 2º bimestre -1ª série - o conhecimento
Filosofia   2º bimestre -1ª série - o conhecimentoFilosofia   2º bimestre -1ª série - o conhecimento
Filosofia 2º bimestre -1ª série - o conhecimentomtolentino1507
 
O empirismo e o racionalismo (doc.1)
O empirismo e o racionalismo (doc.1)O empirismo e o racionalismo (doc.1)
O empirismo e o racionalismo (doc.1)Joaquim Melro
 
O emprismo de David Hume (doc. 1)
O emprismo de David Hume (doc. 1)O emprismo de David Hume (doc. 1)
O emprismo de David Hume (doc. 1)Joaquim Melro
 

Semelhante a David hume e a critica à causalidade (20)

FILOSOFIA EMPIRISMO MÉTODO DE ANÁLISE FILOSÓFICA
FILOSOFIA EMPIRISMO MÉTODO DE ANÁLISE FILOSÓFICAFILOSOFIA EMPIRISMO MÉTODO DE ANÁLISE FILOSÓFICA
FILOSOFIA EMPIRISMO MÉTODO DE ANÁLISE FILOSÓFICA
 
Aula 08 - O Empirismo
Aula 08 - O EmpirismoAula 08 - O Empirismo
Aula 08 - O Empirismo
 
Francis bacon
Francis baconFrancis bacon
Francis bacon
 
A teoria do conhecimento
A teoria do conhecimentoA teoria do conhecimento
A teoria do conhecimento
 
Trabalho de Filosofia
Trabalho de Filosofia Trabalho de Filosofia
Trabalho de Filosofia
 
Estudo dirigido (3) de ética e filosofia na ci
Estudo dirigido (3) de ética e filosofia na ciEstudo dirigido (3) de ética e filosofia na ci
Estudo dirigido (3) de ética e filosofia na ci
 
Psicologia, uma (nova) introdução
Psicologia, uma (nova) introduçãoPsicologia, uma (nova) introdução
Psicologia, uma (nova) introdução
 
Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.
Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.
Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.
 
Aula 07 filosofia os modernos i
Aula 07   filosofia os modernos iAula 07   filosofia os modernos i
Aula 07 filosofia os modernos i
 
Professora Vanúcia: Hume e os empiristas
Professora Vanúcia: Hume e os empiristasProfessora Vanúcia: Hume e os empiristas
Professora Vanúcia: Hume e os empiristas
 
Filosofia Geral e do Direito Aula 07.pptx
Filosofia Geral e do Direito Aula 07.pptxFilosofia Geral e do Direito Aula 07.pptx
Filosofia Geral e do Direito Aula 07.pptx
 
David hume
David humeDavid hume
David hume
 
Importancia da cultura
Importancia da culturaImportancia da cultura
Importancia da cultura
 
A crise da metafísica com hume.
A crise da metafísica com hume.A crise da metafísica com hume.
A crise da metafísica com hume.
 
Filosofia aula 7
Filosofia aula 7Filosofia aula 7
Filosofia aula 7
 
Filosofia 2º bimestre -1ª série - o conhecimento
Filosofia   2º bimestre -1ª série - o conhecimentoFilosofia   2º bimestre -1ª série - o conhecimento
Filosofia 2º bimestre -1ª série - o conhecimento
 
Hume descartes e_locke
Hume descartes e_lockeHume descartes e_locke
Hume descartes e_locke
 
O empirismo e o racionalismo (doc.1)
O empirismo e o racionalismo (doc.1)O empirismo e o racionalismo (doc.1)
O empirismo e o racionalismo (doc.1)
 
O emprismo de David Hume (doc. 1)
O emprismo de David Hume (doc. 1)O emprismo de David Hume (doc. 1)
O emprismo de David Hume (doc. 1)
 
Epistemologia
Epistemologia Epistemologia
Epistemologia
 

Mais de Francis Mary Rosa

Mais de Francis Mary Rosa (10)

John cottingham dicionário de descartes [doc]
John cottingham   dicionário de descartes [doc]John cottingham   dicionário de descartes [doc]
John cottingham dicionário de descartes [doc]
 
Analyse du discours
Analyse du discoursAnalyse du discours
Analyse du discours
 
ANÁLISE DO DISCURSO: UM ITINERÁRIO HISTÓRICO
ANÁLISE DO DISCURSO: UM ITINERÁRIO HISTÓRICOANÁLISE DO DISCURSO: UM ITINERÁRIO HISTÓRICO
ANÁLISE DO DISCURSO: UM ITINERÁRIO HISTÓRICO
 
A Ordem discurso
A Ordem discursoA Ordem discurso
A Ordem discurso
 
Senso comum e ciência
Senso comum e ciênciaSenso comum e ciência
Senso comum e ciência
 
Senso comum e ciência
Senso comum e ciênciaSenso comum e ciência
Senso comum e ciência
 
Generos alemao
Generos alemaoGeneros alemao
Generos alemao
 
Generos alemao
Generos alemaoGeneros alemao
Generos alemao
 
Orthographe
OrthographeOrthographe
Orthographe
 
Aparelho locomotor articulacoes
Aparelho locomotor articulacoesAparelho locomotor articulacoes
Aparelho locomotor articulacoes
 

Último

CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanomarla71199
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfprofesfrancleite
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioWyngDaFelyzitahLamba
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaANNAPAULAAIRESDESOUZ
 
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoQuestões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoCelimaraTiski
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaCentro Jacques Delors
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfFbioFerreira207918
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................mariagrave
 

Último (20)

CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
 
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoQuestões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................
 

David hume e a critica à causalidade

  • 1. Aula da disciplina Introdução a Filosofia - UEFS
  • 2. CONTEXTO HISTÓRICO AMBIENTE POLITICO E CULTURAL DA INGLATERRA NO SÉCULO XVII “SÉCULO DE OURO” POLITICA : AFIRMAÇÃO DO SISTEMA DEMOCRATICO- PARLAMENTAR E A DERROTA DO ABSOLUTISMO; IMPERIALISMO LITERATURA: EXPOENTES COMO SHAKESPEARE, BEM JONSON E MILTON FILOSOFIA: EPISTEMOLÓGICA POIS, SE PREOCUPA COM A INVESTIGAÇÃO SOBRE COMO AS IDEIAS SE FORMAM E COMO É POSSIVEL O CONHECIMENTO HUMANO E EMPIRISTA, POIS ENFATIZA O PAPEL DA EXPERIÊNCIA METOLOGICAMENTE ORIENTADA
  • 3. Fruto da filosofia clássica grega, o empirismo não nasceu no século XVII Ideia Chave “Não há nada no intelecto que já não estivesse primeiro nos sentidos.” ARISTÓTELES OS EMPIRISTAS NÃO ACREDITAVAM QUE O HOMEM POSSUIA IDEIAS INATAS, PARA ELES A MENTE HUMANA É UM RECIPIENTE PRONTO A SER PREEENCHIDO COM AQUILO QUE NOSSOS SENTIDOS CAPTAM DO EXTERIOR. “A EXPERIÊNCIA É UM GUIA E CRITÉRIO PARA CONHECER A VERDADE DE UMA AFIRMAÇÃO, MEDIANTE A DESCOBERTA DE RELAÇÕES CONSTANTES, DE LEIS ESTÁVEIS TORNANDO POSSIVEL A ANTECIPAÇÃO DE OUTRAS EXPERIÊNCIAS.” (MONDIN, p.113. 2006.)
  • 4. 1739-40: Tratado da natureza humana 1748: Investigação sobre o entendimento humano Nasceu em Edimburgo em 1711. Após frequentar estudos literários ainda na adolescência, foi para França, onde escreveu o seu Investigação sobre a Natureza Humana. Quando nomeado bibliotecário do colégio de advogados de Edimburgo, escreve uma História de Inglaterra que vai publicando pouco a pouco o que lhe proporciona alguma fortuna e fama. Viaja para França como secretário do embaixador inglês e antes de se retirar para Edimburgo, é subsecretário de Estado. Devido à sua reputação, exerce grande influência sobre os estudiosos e pensadores de França e Inglaterra.
  • 5. Hume se propõe a elaborar um sistema que servirá como base para todas as ciências de sua época, para que tal sistema funcione, Hume analisa a formação da mente humana e seus respectivos objetos de estudo.
  • 6. No “Investigação acerca do entendimento humano”, Hume classifica tudo que é possível conhecer em dois tipos: “Podemos, por conseguinte, dividir todas as percepções do espírito em duas classes ou espécies, que se distinguem por seus diferentes graus de força e de vivacidade. As menos fortes e menos vivas são geralmente denominadas pensamentos ou ideias. (...) Pelo termo impressão entendo, pois, todas as nossas percepções mais vivas, quando ouvimos, vemos, sentimos, amamos, odiamos, desejamos ou queremos.” HUME. Investigação acerca do entendimento humano. P.35-36
  • 7. Desta forma, segundo Hume, todos os conteúdos da consciência, constituem percepções e estas se subdividem em impressões e ideias (pensamentos) . Impressões * atos originários do nosso conhecimento *imagens ou sentimentos que derivam imediatamente da realidade, vivas e fortes * correspondem a dados da experiência *presente/atual *sensações, paixões e emoções...etc. · Ideias * representações ou imagens debilitadas, enfraquecidas, das impressões no pensamento, cópias que remetem aos originais * marcas deixadas pelas impressões, uma vez estas desaparecidas
  • 8. Na analise da formação das ideias é preciso decompor uma ideia complexa em ideias simples para então verificar quais são as impressões simples e complexas. Desta forma, a partir das impressões, formamos as ideias simples, que podem ser combinadas pelo entendimento.
  • 9. “As ideias são cópias pálidas e sem vivacidade das impressões diretas; a crença na continuidade da realidade se funda nessa capacidade de reproduzir as impressões vividas e criar um mundo de representações.” MARIAS, op.cit. p281
  • 10. Ideia complexa de sereia= ideia complexa de peixe + ideia complexa de mulher É assim que se constroem as fantasias, ficções e sonhos. Processo cognitivo ocorre quando a mente conecta mais de uma ideia, simples ou complexa.
  • 11. “É evidente que há um princípio de conexão entre os diferentes pensamentos ou ideias do espírito humano e que, ao se apresentarem à memória ou à imaginação, se introduzem mutuamente com certo método e regularidade. E isto é tão visível em nossos pensamentos ou conversas mais sérias que qualquer pensamento particular que in-terrompe a sequencia regular ou o encadeamento das ideias é ime-diatamente notado e rejeitado. Até mesmo em nossos mais desorde-nados e errantes devaneios, como também em nossos sonhos, nota-remos, se refletimos, que a imaginação não vagou inteiramente a esmo, porém havia sempre uma conexão entre as diferentes ideias que se sucediam.” HUME, op.cit. p.39
  • 12. PRINCIPIO ASSOCIATIVO Entre as impressões e ideias existem relações: *semelhança= unir as ideias por meio de características comuns *contiguidade espacial e temporal= liga uma ideia a outra pela proximidade no espaço e no tempo * causalidade= une as ideias através de sucessões repetidas criando assim uma conexão entre as ideias.
  • 14. “A metafísica estava equivocada ao considerar causa e efeito uma relação necessária independente da experiência, sem qualquer impressão corresponde na realidade. A relação não se submete aos princípios racionais a priori, pois carrega consigo, na sua essência, a natureza de uma necessidade absoluta, de um mundo perfeito.” Domingues, op.cit. p.14
  • 15. Antes de adentrarmos na critica que Hume faz ao conceito de causalidade, é preciso ter em mente os objetos da investigação humana e como eles se relacionam. Hume faz a distinção em dois gêneros: as relações de ideias e as relações de fato. *RELAÇÕES DE IDEIAS: operam com conteúdos ideais, possibilita o conhecimento demonstrativo. Ex: 3x5=15 *RELAÇÕES DE FATO: operam a partir de fatos ou fenômenos reais, necessitam da experiência para validar suas conclusões.
  • 16. A critica ao principio da causalidade “a pedra esquenta porque os raios do sol incidem sobre ela.”
  • 18. “Supondo que um homem, dotado das mais poderosas faculdades racionais, seja repentinamente transportado para este mundo; certamente, notaria de imediato a existência de uma continua sucessão de objetos e um evento acompanhado por outro, mas seria incapaz de descobrir algo a mais. De inicio, não seria capaz, mediante nenhum raciocínio, de chegar à ideia de causa e efeito, visto que os poderes particulares que realizam todas as operações naturais jamais se revelam aos sentidos.” (HUME, 2004, p.60).
  • 19. A crença e o hábito O hábito origina das várias repetições de um ato sem ser impelida por algum raciocínio ou processo do entendimento. A impossibilidade do conhecimento cientifico O conhecimento dos fatos reduz-se às impressões atuais e passadas.
  • 20. A operação causal funciona por conjunção constante, produzindo a expectativa da repetição de fatos ainda não observados. Portanto, o último fundamento possível causal é o hábito, isto é, um princípio da natureza humana, que não é um raciocínio .
  • 21. A crença é que dirige a probabilidade da ocorrência de eventos futuros associados a eventos do passado.
  • 22. Útil para a vida quotidiana , aplicável a vários campos de conhecimento. * Base das ciências naturais ou experimentais * Os raciocínios causais não são demonstrativos •Tem um fundamento não racional (não deriva da razão, mas de fatores psicológicos – vontade de que o futuro seja previsível e, logo, controlável) •*O empirismo de Hume surge como um ceticismo ou experimentalismo? Conclusões