SlideShare uma empresa Scribd logo
Rm vs objetivismo moral
Rm vs objetivismo moral
Rm vs objetivismo moral
Rm vs objetivismo moral
Rm vs objetivismo moral
Rm vs objetivismo moral
Rm vs objetivismo moral
Rm vs objetivismo moral
A cada cultura, a sua verdade. O certo e o errado é
relativo à sociedade e à cultura que nela existe. O certo
e o errado variam de sociedade para sociedade.
Para um RC afirmar que “Roubar é errado”
significa dizer “A sociedade X considera que
roubar é moralmente incorreto”.
Rm vs objetivismo moral
Como existem culturas com códigos morais
diferentes, então as verdades morais são
relativas a cada cultura. Os juízos de valor
são “verdades” relativas a uma cultura ou
sociedade.
1. ARGUMENTO DA DIVERSIDADE CULTURAL
Poliginia
Em muitos países de África, por
exemplo, os homens podem casar com
mais do que uma mulher.
Nas sociedades europeias, pelo contrário,
esta prática não é permitida.
Infanticídio
Os esquimós, como os
antigos romanos,
consideravam
moralmente permissível
pôr fim à vida dos
recém-nascidos.
Na nossa cultura, o
infanticídio é proibido.
O relativismo cultural promove a coesão
social, pois esta coesão é fundamental para a
sobrevivência da sociedade e assim para o
nosso bem-estar.
2. ARGUMENTODA COESÃO SOCIAL E DA
TOLERÂNCIA
O relativismo cultural promove também a
tolerância entre sociedades diferentes.
Leva-nos a não ter uma atitude
destrutiva em relação aos outros povos e
culturas, pois não impomos aos outros os
valores da nossa comunidade.
1.O RC conduz ao
conformismo.
O RM parece apelar à passividade
perante os valores de uma
cultura, anulando qualquer
espírito crítico e evolução.
EXEMPLO: “discriminação contra
as mulheres”, temos de aceitar
essa prática sem pensar por nós
próprios?
2. A maioria pode estar
enganada.
Acontece que a maioria
das pessoas numa dada
cultura pode estar errada
e que, muitas vezes, os
valores defendidos por
elas não sejam os mais
corretos.
3. O RC cai numa contradição.
Esta teoria defende que não
há valores e normas morais
absolutas, universais, por isso
não pode defender a tolerância
como valor universal: isso é
uma contradição.
4. A tolerância nem sempre é desejável.
O RC promove a tolerância mesmo para as práticas que
nos parecem moralmente erradas, alegando que não
podemos impor aos outros a nossa forma de viver. Sendo
assim, estamos condenados a aceitar atos monstruosos.
5. O RC torna incompreensível
a noção de direitos humanos
universais.
Declaração Universal dos Direitos
humanos, 1948 - 30 direitos e
liberdades que pertencem a todos
nós.
Rm vs objetivismo moral
Rm vs objetivismo moral
Rm vs objetivismo moral
X é bom ou x é moralmente
correto independentemente do
que a sociedade ou um
indivíduo considera bom ou
correto.
Declaração universal
dos Direitos humanos
(1948)– 30 direitos
Rm vs objetivismo moral
Para o objetivismo, um juízo moral tem
de ser apoiado em boas razões que são
imparciais.
1. ARGUMENTO DAS BOAS RAZÕES
Por exemplo, “X é um homem mau” é um
juízo moral verdadeiro se for sustentado por
razões melhores que os juízos alternativos.
Os juízos morais precisam de ser avaliados de
forma racional e imparcial, por isso devem
utilizar-se critérios transubjetivos de valoração,
isto é, critérios que possam ser aceites por
qualquer indivíduo racional e que ultrapassam a
perspetiva de cada um.
Se o SM ou o RM estivessem corretos
teríamos de aceitar perspetivas morais
consideradas inaceitáveis, como a escravatura, o
racismo, etc. Estas perspetivas conduzem a
consequências sociais e culturais indesejáveis,
pelo que não temos boas razões para o aceitar.
2. Argumento das consequências indesejáveis
Se analisarmos várias culturas, encontramos
uma grande coincidência em algumas crenças
fundamentais acerca de valores.
Exemplo: a interdição de matar, etc.
3. Argumento da coincidência dos valores
Declaração universal
dos Direitos humanos
1. A ideia de que todos
reconhecemos de igual modo o
que é correto ou incorreto não
se verifica na prática.
2. Não reconhece que factos e
valores são coisas distintas.
Rm vs objetivismo moral

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relativismo Cultural
Relativismo CulturalRelativismo Cultural
Relativismo Cultural
Bruno Pedro
 
Determinismo_moderado
Determinismo_moderadoDeterminismo_moderado
Determinismo_moderado
Isabel Moura
 
A teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de millA teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de mill
Luis De Sousa Rodrigues
 
Libertismo
Libertismo Libertismo
Libertismo
Isabel Moura
 
Kant e Stuart Mill
Kant e Stuart MillKant e Stuart Mill
Kant e Stuart Mill
Joana Filipa Rodrigues
 
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
Isabel Moura
 
Determinismo_radical
Determinismo_radicalDeterminismo_radical
Determinismo_radical
Isabel Moura
 
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
InesTeixeiraDuarte
 
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
InesTeixeiraDuarte
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
Paulo Gomes
 
Teoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsTeoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawls
Filazambuja
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 
David hume e o Empirismo
David hume e o EmpirismoDavid hume e o Empirismo
David hume e o Empirismo
Joana Filipa Rodrigues
 
A teoria ética de kant
A teoria ética de kantA teoria ética de kant
A teoria ética de kant
Luis De Sousa Rodrigues
 
Popper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcaçãoPopper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Contributo de Descartes
Contributo de DescartesContributo de Descartes
Contributo de Descartes
Jorge Barbosa
 
3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj
Isabel Moura
 
DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
Beatriz Cruz
 
Determinismo Radical
Determinismo RadicalDeterminismo Radical
Determinismo Radical
pauloricardom
 

Mais procurados (20)

Relativismo Cultural
Relativismo CulturalRelativismo Cultural
Relativismo Cultural
 
Determinismo_moderado
Determinismo_moderadoDeterminismo_moderado
Determinismo_moderado
 
A teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de millA teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de mill
 
Libertismo
Libertismo Libertismo
Libertismo
 
Kant e Stuart Mill
Kant e Stuart MillKant e Stuart Mill
Kant e Stuart Mill
 
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
 
Determinismo_radical
Determinismo_radicalDeterminismo_radical
Determinismo_radical
 
Tipos de conhecimento
Tipos de conhecimentoTipos de conhecimento
Tipos de conhecimento
 
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
 
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
 
Teoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsTeoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawls
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
David hume e o Empirismo
David hume e o EmpirismoDavid hume e o Empirismo
David hume e o Empirismo
 
A teoria ética de kant
A teoria ética de kantA teoria ética de kant
A teoria ética de kant
 
Popper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcaçãoPopper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcação
 
Contributo de Descartes
Contributo de DescartesContributo de Descartes
Contributo de Descartes
 
3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj
 
DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
 
Determinismo Radical
Determinismo RadicalDeterminismo Radical
Determinismo Radical
 

Destaque

Os valores e a acção a questão da objectividade e verdade das normas e do...
Os valores e a acção   a questão da objectividade  e verdade das normas  e do...Os valores e a acção   a questão da objectividade  e verdade das normas  e do...
Os valores e a acção a questão da objectividade e verdade das normas e do...
Luis De Sousa Rodrigues
 
Relativismo cultural
Relativismo culturalRelativismo cultural
Relativismo cultural
Andrea Suarez
 
O subjectivismo moral
O subjectivismo moralO subjectivismo moral
O subjectivismo moral
Luis De Sousa Rodrigues
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
Bruno Pedro
 
Filosofia: Quem precisa dela? - O Objetivismo de Ayn Rand
Filosofia: Quem precisa dela? - O Objetivismo de Ayn RandFilosofia: Quem precisa dela? - O Objetivismo de Ayn Rand
Filosofia: Quem precisa dela? - O Objetivismo de Ayn Rand
Breno Brito
 
Mandamentos Divinos
Mandamentos DivinosMandamentos Divinos
Mandamentos Divinos
Bruno Pedro
 
Emotivismo
EmotivismoEmotivismo
Emotivismo
Bruno Pedro
 
A ética objetivista
A ética objetivistaA ética objetivista
A ética objetivista
Fênix Felipe
 
O relativismo cultural exposição extensa
O relativismo cultural   exposição extensaO relativismo cultural   exposição extensa
O relativismo cultural exposição extensa
Luis De Sousa Rodrigues
 
Relativismo cultural
Relativismo culturalRelativismo cultural
Relativismo cultural
Alba Liliana Prada
 
Valores subjetivos objetivos
Valores subjetivos objetivosValores subjetivos objetivos
Valores subjetivos objetivos
Pedro Mota
 
que es objetivismo
que es objetivismoque es objetivismo
que es objetivismo
Karin Meglioli
 
Moral Utilitarista VersãO Final
Moral Utilitarista VersãO FinalMoral Utilitarista VersãO Final
Moral Utilitarista VersãO Final
Helena Serrão
 
Relativismo cultural e diversidade cultural
Relativismo cultural e diversidade culturalRelativismo cultural e diversidade cultural
Relativismo cultural e diversidade cultural
Celso Firmino Sociologia/Filosofia
 

Destaque (14)

Os valores e a acção a questão da objectividade e verdade das normas e do...
Os valores e a acção   a questão da objectividade  e verdade das normas  e do...Os valores e a acção   a questão da objectividade  e verdade das normas  e do...
Os valores e a acção a questão da objectividade e verdade das normas e do...
 
Relativismo cultural
Relativismo culturalRelativismo cultural
Relativismo cultural
 
O subjectivismo moral
O subjectivismo moralO subjectivismo moral
O subjectivismo moral
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
Filosofia: Quem precisa dela? - O Objetivismo de Ayn Rand
Filosofia: Quem precisa dela? - O Objetivismo de Ayn RandFilosofia: Quem precisa dela? - O Objetivismo de Ayn Rand
Filosofia: Quem precisa dela? - O Objetivismo de Ayn Rand
 
Mandamentos Divinos
Mandamentos DivinosMandamentos Divinos
Mandamentos Divinos
 
Emotivismo
EmotivismoEmotivismo
Emotivismo
 
A ética objetivista
A ética objetivistaA ética objetivista
A ética objetivista
 
O relativismo cultural exposição extensa
O relativismo cultural   exposição extensaO relativismo cultural   exposição extensa
O relativismo cultural exposição extensa
 
Relativismo cultural
Relativismo culturalRelativismo cultural
Relativismo cultural
 
Valores subjetivos objetivos
Valores subjetivos objetivosValores subjetivos objetivos
Valores subjetivos objetivos
 
que es objetivismo
que es objetivismoque es objetivismo
que es objetivismo
 
Moral Utilitarista VersãO Final
Moral Utilitarista VersãO FinalMoral Utilitarista VersãO Final
Moral Utilitarista VersãO Final
 
Relativismo cultural e diversidade cultural
Relativismo cultural e diversidade culturalRelativismo cultural e diversidade cultural
Relativismo cultural e diversidade cultural
 

Semelhante a Rm vs objetivismo moral

Relativiso Moral
Relativiso MoralRelativiso Moral
Relativiso Moral
Marta Caregnato
 
Será a ética relativa algumas actividades (2)
Será a ética relativa   algumas actividades (2)Será a ética relativa   algumas actividades (2)
Será a ética relativa algumas actividades (2)
Luis De Sousa Rodrigues
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
Helena Serrão
 
Diversas respostas ao problema da objectividade da ética actividades
Diversas respostas ao problema da objectividade da ética    actividadesDiversas respostas ao problema da objectividade da ética    actividades
Diversas respostas ao problema da objectividade da ética actividades
Luis De Sousa Rodrigues
 
Mesa redonda ética e cidadania
Mesa redonda   ética e cidadaniaMesa redonda   ética e cidadania
Mesa redonda ética e cidadania
Canício Scherer
 
A ética será relativa
A ética será relativaA ética será relativa
A ética será relativa
Luis De Sousa Rodrigues
 
E book trânsito escola - ética na Administração Pública 2
E book trânsito escola - ética na Administração Pública 2E book trânsito escola - ética na Administração Pública 2
E book trânsito escola - ética na Administração Pública 2
Sérgio Henrique da Silva Pereira
 
Relativismo desafio do relativismo cultural - rachels
Relativismo   desafio do relativismo cultural - rachelsRelativismo   desafio do relativismo cultural - rachels
Relativismo desafio do relativismo cultural - rachels
Leandro Klineyder
 
Relativismo e direitos humanos 1
Relativismo  e direitos humanos 1Relativismo  e direitos humanos 1
Relativismo e direitos humanos 1
Luis De Sousa Rodrigues
 
Texto 1 -_o_que_é_ética
Texto 1 -_o_que_é_éticaTexto 1 -_o_que_é_ética
Texto 1 -_o_que_é_ética
vanessaemarcelo
 
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANOÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
Diego Bian Filo Moreira
 
Serão os valores morais relativos?
Serão os valores morais relativos?Serão os valores morais relativos?
Serão os valores morais relativos?
Helena Serrão
 
Resumodefilo6
Resumodefilo6Resumodefilo6
Resumodefilo6
Natan Camacho
 
Aula 3 normas e regras
Aula 3   normas e regrasAula 3   normas e regras
Aula 3 normas e regras
Fábio Nogueira, PhD
 
ética e moral introdução
ética e moral introdução ética e moral introdução
ética e moral introdução
João Paulo Rodrigues
 
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humanaBioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Família Cristã
 
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humanaBioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Família Cristã
 
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humanaBioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Família Cristã
 
Aula 3 [1-2022-filo] - Ethos e Moralis
Aula 3 [1-2022-filo] - Ethos e MoralisAula 3 [1-2022-filo] - Ethos e Moralis
Aula 3 [1-2022-filo] - Ethos e Moralis
Gerson Coppes
 
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo culturalA diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
Marcos Barros de Miranda
 

Semelhante a Rm vs objetivismo moral (20)

Relativiso Moral
Relativiso MoralRelativiso Moral
Relativiso Moral
 
Será a ética relativa algumas actividades (2)
Será a ética relativa   algumas actividades (2)Será a ética relativa   algumas actividades (2)
Será a ética relativa algumas actividades (2)
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
Diversas respostas ao problema da objectividade da ética actividades
Diversas respostas ao problema da objectividade da ética    actividadesDiversas respostas ao problema da objectividade da ética    actividades
Diversas respostas ao problema da objectividade da ética actividades
 
Mesa redonda ética e cidadania
Mesa redonda   ética e cidadaniaMesa redonda   ética e cidadania
Mesa redonda ética e cidadania
 
A ética será relativa
A ética será relativaA ética será relativa
A ética será relativa
 
E book trânsito escola - ética na Administração Pública 2
E book trânsito escola - ética na Administração Pública 2E book trânsito escola - ética na Administração Pública 2
E book trânsito escola - ética na Administração Pública 2
 
Relativismo desafio do relativismo cultural - rachels
Relativismo   desafio do relativismo cultural - rachelsRelativismo   desafio do relativismo cultural - rachels
Relativismo desafio do relativismo cultural - rachels
 
Relativismo e direitos humanos 1
Relativismo  e direitos humanos 1Relativismo  e direitos humanos 1
Relativismo e direitos humanos 1
 
Texto 1 -_o_que_é_ética
Texto 1 -_o_que_é_éticaTexto 1 -_o_que_é_ética
Texto 1 -_o_que_é_ética
 
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANOÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
 
Serão os valores morais relativos?
Serão os valores morais relativos?Serão os valores morais relativos?
Serão os valores morais relativos?
 
Resumodefilo6
Resumodefilo6Resumodefilo6
Resumodefilo6
 
Aula 3 normas e regras
Aula 3   normas e regrasAula 3   normas e regras
Aula 3 normas e regras
 
ética e moral introdução
ética e moral introdução ética e moral introdução
ética e moral introdução
 
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humanaBioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humana
 
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humanaBioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humana
 
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humanaBioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humana
 
Aula 3 [1-2022-filo] - Ethos e Moralis
Aula 3 [1-2022-filo] - Ethos e MoralisAula 3 [1-2022-filo] - Ethos e Moralis
Aula 3 [1-2022-filo] - Ethos e Moralis
 
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo culturalA diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
A diversidade cultural etnocentrismo e relativismo cultural
 

Mais de Isabel Moura

O POTENCIAL PEDAGÓGICO DAS FERRAMENTAS DA WEB.pdf
O POTENCIAL PEDAGÓGICO DAS FERRAMENTAS DA WEB.pdfO POTENCIAL PEDAGÓGICO DAS FERRAMENTAS DA WEB.pdf
O POTENCIAL PEDAGÓGICO DAS FERRAMENTAS DA WEB.pdf
Isabel Moura
 
Plano de aula_31_05_2021_Isabel Duarte.docx
Plano de aula_31_05_2021_Isabel Duarte.docxPlano de aula_31_05_2021_Isabel Duarte.docx
Plano de aula_31_05_2021_Isabel Duarte.docx
Isabel Moura
 
Plano de aula_11_01_2021_Isabel Duarte.docx
Plano de aula_11_01_2021_Isabel Duarte.docxPlano de aula_11_01_2021_Isabel Duarte.docx
Plano de aula_11_01_2021_Isabel Duarte.docx
Isabel Moura
 
TeresaMorais_Guião_filosofiadaarte.docx.pdf
TeresaMorais_Guião_filosofiadaarte.docx.pdfTeresaMorais_Guião_filosofiadaarte.docx.pdf
TeresaMorais_Guião_filosofiadaarte.docx.pdf
Isabel Moura
 
Grelha_planificacao_Aprender_com_a_BE__Grupo_E_final.pdf
Grelha_planificacao_Aprender_com_a_BE__Grupo_E_final.pdfGrelha_planificacao_Aprender_com_a_BE__Grupo_E_final.pdf
Grelha_planificacao_Aprender_com_a_BE__Grupo_E_final.pdf
Isabel Moura
 
Doc4. super book of_web_tools_for_educators
Doc4. super book of_web_tools_for_educatorsDoc4. super book of_web_tools_for_educators
Doc4. super book of_web_tools_for_educators
Isabel Moura
 
Matriz 4 teste 10 d
Matriz 4 teste 10 dMatriz 4 teste 10 d
Matriz 4 teste 10 d
Isabel Moura
 
Quiz descartes
Quiz descartesQuiz descartes
Quiz descartes
Isabel Moura
 
Ae sec filosofia
Ae sec filosofiaAe sec filosofia
Ae sec filosofia
Isabel Moura
 
Programa psicologia cursos profissionais
Programa psicologia cursos profissionaisPrograma psicologia cursos profissionais
Programa psicologia cursos profissionais
Isabel Moura
 
Ex fil714-f2-2017-cc-vt
Ex fil714-f2-2017-cc-vtEx fil714-f2-2017-cc-vt
Ex fil714-f2-2017-cc-vt
Isabel Moura
 
Ex fil714-f2-2017-v2
Ex fil714-f2-2017-v2Ex fil714-f2-2017-v2
Ex fil714-f2-2017-v2
Isabel Moura
 
Ex fil714-f2-2017-v1
Ex fil714-f2-2017-v1Ex fil714-f2-2017-v1
Ex fil714-f2-2017-v1
Isabel Moura
 
Estudo de um caso concreto truman
Estudo de um caso concreto trumanEstudo de um caso concreto truman
Estudo de um caso concreto truman
Isabel Moura
 
Ética deontológica vs ética teleológica
Ética deontológica vs ética teleológicaÉtica deontológica vs ética teleológica
Ética deontológica vs ética teleológica
Isabel Moura
 
Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Isabel Moura
 
Ficha de revisões 2 teste 11
Ficha de revisões 2 teste 11Ficha de revisões 2 teste 11
Ficha de revisões 2 teste 11
Isabel Moura
 
Argumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivosArgumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivos
Isabel Moura
 
Matriz do 2 teste de filosofia 11º ano
Matriz do 2 teste de filosofia 11º anoMatriz do 2 teste de filosofia 11º ano
Matriz do 2 teste de filosofia 11º ano
Isabel Moura
 
A retórica
A retóricaA retórica
A retórica
Isabel Moura
 

Mais de Isabel Moura (20)

O POTENCIAL PEDAGÓGICO DAS FERRAMENTAS DA WEB.pdf
O POTENCIAL PEDAGÓGICO DAS FERRAMENTAS DA WEB.pdfO POTENCIAL PEDAGÓGICO DAS FERRAMENTAS DA WEB.pdf
O POTENCIAL PEDAGÓGICO DAS FERRAMENTAS DA WEB.pdf
 
Plano de aula_31_05_2021_Isabel Duarte.docx
Plano de aula_31_05_2021_Isabel Duarte.docxPlano de aula_31_05_2021_Isabel Duarte.docx
Plano de aula_31_05_2021_Isabel Duarte.docx
 
Plano de aula_11_01_2021_Isabel Duarte.docx
Plano de aula_11_01_2021_Isabel Duarte.docxPlano de aula_11_01_2021_Isabel Duarte.docx
Plano de aula_11_01_2021_Isabel Duarte.docx
 
TeresaMorais_Guião_filosofiadaarte.docx.pdf
TeresaMorais_Guião_filosofiadaarte.docx.pdfTeresaMorais_Guião_filosofiadaarte.docx.pdf
TeresaMorais_Guião_filosofiadaarte.docx.pdf
 
Grelha_planificacao_Aprender_com_a_BE__Grupo_E_final.pdf
Grelha_planificacao_Aprender_com_a_BE__Grupo_E_final.pdfGrelha_planificacao_Aprender_com_a_BE__Grupo_E_final.pdf
Grelha_planificacao_Aprender_com_a_BE__Grupo_E_final.pdf
 
Doc4. super book of_web_tools_for_educators
Doc4. super book of_web_tools_for_educatorsDoc4. super book of_web_tools_for_educators
Doc4. super book of_web_tools_for_educators
 
Matriz 4 teste 10 d
Matriz 4 teste 10 dMatriz 4 teste 10 d
Matriz 4 teste 10 d
 
Quiz descartes
Quiz descartesQuiz descartes
Quiz descartes
 
Ae sec filosofia
Ae sec filosofiaAe sec filosofia
Ae sec filosofia
 
Programa psicologia cursos profissionais
Programa psicologia cursos profissionaisPrograma psicologia cursos profissionais
Programa psicologia cursos profissionais
 
Ex fil714-f2-2017-cc-vt
Ex fil714-f2-2017-cc-vtEx fil714-f2-2017-cc-vt
Ex fil714-f2-2017-cc-vt
 
Ex fil714-f2-2017-v2
Ex fil714-f2-2017-v2Ex fil714-f2-2017-v2
Ex fil714-f2-2017-v2
 
Ex fil714-f2-2017-v1
Ex fil714-f2-2017-v1Ex fil714-f2-2017-v1
Ex fil714-f2-2017-v1
 
Estudo de um caso concreto truman
Estudo de um caso concreto trumanEstudo de um caso concreto truman
Estudo de um caso concreto truman
 
Ética deontológica vs ética teleológica
Ética deontológica vs ética teleológicaÉtica deontológica vs ética teleológica
Ética deontológica vs ética teleológica
 
Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11
 
Ficha de revisões 2 teste 11
Ficha de revisões 2 teste 11Ficha de revisões 2 teste 11
Ficha de revisões 2 teste 11
 
Argumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivosArgumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivos
 
Matriz do 2 teste de filosofia 11º ano
Matriz do 2 teste de filosofia 11º anoMatriz do 2 teste de filosofia 11º ano
Matriz do 2 teste de filosofia 11º ano
 
A retórica
A retóricaA retórica
A retórica
 

Último

Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 

Último (20)

Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 

Rm vs objetivismo moral

  • 9. A cada cultura, a sua verdade. O certo e o errado é relativo à sociedade e à cultura que nela existe. O certo e o errado variam de sociedade para sociedade. Para um RC afirmar que “Roubar é errado” significa dizer “A sociedade X considera que roubar é moralmente incorreto”.
  • 11. Como existem culturas com códigos morais diferentes, então as verdades morais são relativas a cada cultura. Os juízos de valor são “verdades” relativas a uma cultura ou sociedade. 1. ARGUMENTO DA DIVERSIDADE CULTURAL
  • 12. Poliginia Em muitos países de África, por exemplo, os homens podem casar com mais do que uma mulher. Nas sociedades europeias, pelo contrário, esta prática não é permitida.
  • 13. Infanticídio Os esquimós, como os antigos romanos, consideravam moralmente permissível pôr fim à vida dos recém-nascidos. Na nossa cultura, o infanticídio é proibido.
  • 14. O relativismo cultural promove a coesão social, pois esta coesão é fundamental para a sobrevivência da sociedade e assim para o nosso bem-estar. 2. ARGUMENTODA COESÃO SOCIAL E DA TOLERÂNCIA
  • 15. O relativismo cultural promove também a tolerância entre sociedades diferentes. Leva-nos a não ter uma atitude destrutiva em relação aos outros povos e culturas, pois não impomos aos outros os valores da nossa comunidade.
  • 16. 1.O RC conduz ao conformismo. O RM parece apelar à passividade perante os valores de uma cultura, anulando qualquer espírito crítico e evolução. EXEMPLO: “discriminação contra as mulheres”, temos de aceitar essa prática sem pensar por nós próprios? 2. A maioria pode estar enganada. Acontece que a maioria das pessoas numa dada cultura pode estar errada e que, muitas vezes, os valores defendidos por elas não sejam os mais corretos. 3. O RC cai numa contradição. Esta teoria defende que não há valores e normas morais absolutas, universais, por isso não pode defender a tolerância como valor universal: isso é uma contradição.
  • 17. 4. A tolerância nem sempre é desejável. O RC promove a tolerância mesmo para as práticas que nos parecem moralmente erradas, alegando que não podemos impor aos outros a nossa forma de viver. Sendo assim, estamos condenados a aceitar atos monstruosos. 5. O RC torna incompreensível a noção de direitos humanos universais. Declaração Universal dos Direitos humanos, 1948 - 30 direitos e liberdades que pertencem a todos nós.
  • 21. X é bom ou x é moralmente correto independentemente do que a sociedade ou um indivíduo considera bom ou correto.
  • 22. Declaração universal dos Direitos humanos (1948)– 30 direitos
  • 24. Para o objetivismo, um juízo moral tem de ser apoiado em boas razões que são imparciais. 1. ARGUMENTO DAS BOAS RAZÕES
  • 25. Por exemplo, “X é um homem mau” é um juízo moral verdadeiro se for sustentado por razões melhores que os juízos alternativos.
  • 26. Os juízos morais precisam de ser avaliados de forma racional e imparcial, por isso devem utilizar-se critérios transubjetivos de valoração, isto é, critérios que possam ser aceites por qualquer indivíduo racional e que ultrapassam a perspetiva de cada um.
  • 27. Se o SM ou o RM estivessem corretos teríamos de aceitar perspetivas morais consideradas inaceitáveis, como a escravatura, o racismo, etc. Estas perspetivas conduzem a consequências sociais e culturais indesejáveis, pelo que não temos boas razões para o aceitar. 2. Argumento das consequências indesejáveis
  • 28. Se analisarmos várias culturas, encontramos uma grande coincidência em algumas crenças fundamentais acerca de valores. Exemplo: a interdição de matar, etc. 3. Argumento da coincidência dos valores
  • 30. 1. A ideia de que todos reconhecemos de igual modo o que é correto ou incorreto não se verifica na prática. 2. Não reconhece que factos e valores são coisas distintas.