SlideShare uma empresa Scribd logo
Arte
Arte
Arte
Arte
Arte
Escultura
Vênus de Milo Arquitetura
Catedral Metropolitana de
Brasília, exemplar da arquitetura
moderna brasileira, em Brasília,
Brasil.
Literatura
Fernando Pessoa
“Quem não vê uma palavra não vê
uma alma”Machado de Assis
“Esquecer é uma necessidade. A vida é uma
lousa, em que o destino, para escrever um novo
caso, precisa de apagar o caso escrito.”
Clarice Lispector
“Renda-se, como eu me rendi. Mergulhe no que
você não conhece como eu mergulhei. Não se
preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer
entendimento.
Carlos Drummond de Andrade
“Tenho apenas duas mãos e o sentimento
do mundo.”
 Arte (do Latim Ars, significando técnica
e/ou habilidade)
 Técnica (do Grego antigo τέχνη, technê,
que significa arte, ofício) –(que também
compõe a palavra tecnologia)
 (ou "knowhow") refere-se às aplicações da
ciência, do conhecimento científico ou
teórico, nas realizações práticas e nas
produções industriais e econômicas do
homem.
Arte também é um conhecimento
 Como ato de conhecimento, a arte é
uma ponte entre a percepção do
sujeito e a realidade externa. Cada
artista, em cada época, desenvolve
uma técnica de representação da
realidade, ainda que possa ser um
fenômeno interior (arte abstrata).
 o homem primitivo não se via distinto da
natureza, tinha uma integração cósmica com o
universo.
 Mas, desde que tomou consciência de si, teve
necessidade de transcendência
 Num sentido mais amplo, o homem observava
os ciclos da vida e das coisas que desafiavam
sua curiosidade infinita. Ele fez associações,
verificou certas constâncias que pareciam
apontar para regras e sistemas, e, embriagado
de razão, tem caminhado no eterno desvendar
do cada vez mais amplo mundo da matéria.
 Mas há uma parte da natureza humana que
não se alimenta apenas da interação com o
mundo concreto. Há caminhos mais abstratos a
percorrer, sentimentos e necessidades que
nem sempre são objetivos equacionáveis. A
arte procura expressar essas necessidades e
sentimentos.
 A arte é a manifestação humana plena de
transcendência. É a sublimação do espírito
humano no seu mais alto grau de efusão e
mistério. É a eternidade conquistada por uma
sensibilidade através do eco provocado noutras
sensibilidades pelo seu espelho de infinitas
dimensões.
 A arte é a mais alta manifestação do espírito e
da inteligência humanos. É o espírito recortado
pela racional idade dos códigos.
 São muitos os códigos possíveis: a música, a
pintura, a escultura, o teatro, a dança, a
arquitetura, a literatura são alguns deles. Em
cada um podemos recolher exemplos
magníficos do potencial, inato ao homem, de
gerar emoção e beleza.
 Algumas pessoas dominam ativamente esses
códigos e conseguem conceber, criar a obra de
arte. Outras, apesar de não serem criadoras,
interagem com ela por meio de sua apreciação,
descobrindo-lhe novas dimensões e sentidos.
O artista conta com a cumplicidade do
apreciador da arte.
 A Literatura é uma das artes mais complexas.
Seu instrumento, a palavra, gera possibilidades
infinitas de expressão, já que cada uma delas
admite várias flexões e sentidos.
 A linguagem é o ponto mais sofisticado de um
processo que custou muito tempo a se
consumar na evolução da humanidade.
 Por meio da palavra escrita o homem fez
registros de ordem documental e prática,
firmou acordos e contratos, enviou mensagens
etc. Porém, um dia usou graficamente a
palavra, como expressão de suas ideias e
sentimentos mais profundos, como a
formalização de seu olhar subjetivo sobre o
mundo ... e a Literatura se fez.
Arte
A experiência estética
 A experiência estética decorre numa
atmosfera afetiva, pois o ser humano é um ser
sensível,captando cognitivamente os objetos que
o rodeia através dos seus sentidos,
manifestando sentimentos de alegria, de júbilo,
de prazer face a estes, quer sejam de origem
humana ou natural. Valorizando-os afetivamente,
atribuindo-lhes valor estético, elevando-os do
plano da utilidade para o plano da contemplação
estética.
 Através da contemplação estética o sujeito
participa ativamente na contemplação do
objeto: interpretando-o subjetivamente,
criando ou recriando o objeto na sua psique,
experimentando, enfim, o prazer estético, e,
às vezes, de tal forma intensa, que
transcende para um outro “cosmos”
(subjetivo) - criado pela sua mente, pelos
seus sentimentos face ao objeto
permanecendo alheio e alterno ao mundo
real, no seu heterocosmos.
 Estética é um ramo da Filosofia que se
ocupa das teorias, problemas e argumentos
acerca da arte. Estética é, portanto, o
mesmo que Filosofia da Arte.
 A Estética se preocupa com o objeto
estético. Mas o que vem a ser um objeto
estético? Objeto estético é aquilo que
provoca em nós uma experiência estética
 Podemos, então, concluir três coisas:
1) a estética é a teoria do belo, aquilo que define o que
é bonito e o que não é bonito.
2) a estética é a teoria do gosto, aquilo que explica o
que nos agrada e o que não nos agrada.
3) a estética é a filosofia da arte, que consiste em
avaliar o que é e o que não é uma obra de arte.
 Não devemos confundir teoria do belo, teoria do
gosto e filosofia da arte. Há obras de arte que não
são belas ou que não gostamos
 Isso significa que os objetos belos, aqueles de que
gostamos e as peças de arte, não são iguais e,
quando falamos de cada um deles, estamos,
evidentemente, falando de situações diferentes.
 A Estética passou a ser entendida como filosofia da
arte pelo seguinte:
1) a teoria do belo e a teoria do gosto não dão conta de
explicar aquilo que é considerado obra de arte e que
não é nem belo e nem nos provoca prazer;
2) a própria arte e os artistas, em épocas diferentes,
questionam o que é o belo e o que é o gosto. Logo, a
teoria do belo e a teoria do gosto se deparam com
problemas que não conseguem resolver, como o que é
bonito em uma determinada época e, em outra, é
considerado feio.
 A filosofia da arte, com suas diversas teorias, é o
campo do conhecimento que procura definir o que é
uma obra de arte, o que é o Belo e o que é o Gosto.
 Em linhas gerais, a filosofia da arte estuda os
seguintes conceitos de arte:
 é imitação que tem como ideia central o
seguinte: uma obra é arte se, e somente se,
for produzida pelo homem e imitar algo;
 é expressão que tem como ideia central o
seguinte: uma obra de arte é arte se, e
somente se, expressar emoções e
sentimentos do artista;
 é forma significante que tem como ideia
central o seguinte: uma obra de arte é arte
se, e somente se, provocar nas pessoas
emoções estéticas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estética na filosofia gabriel goulart 32 mp
Estética na filosofia gabriel goulart 32 mpEstética na filosofia gabriel goulart 32 mp
Estética na filosofia gabriel goulart 32 mp
alemisturini
 
3º estética (hegel)
3º   estética (hegel)3º   estética (hegel)
3º estética (hegel)
Caio Cæsar
 
Estética
Estética Estética
Estética
geehrodrigues
 
Introdução à Estética - 1
Introdução à Estética  - 1Introdução à Estética  - 1
Introdução à Estética - 1
Marcos Ramon
 
Estética em Schiller
Estética em SchillerEstética em Schiller
Estética em Schiller
Marcos Ramon
 
a arte como fenomeno social
a arte como fenomeno  social a arte como fenomeno  social
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Julia Martins
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
Edirlene Fraga
 
Filosofia estética
Filosofia   estéticaFilosofia   estética
Filosofia estética
ミゲル ソレッス
 
Capitulo 12 filosofia
Capitulo 12 filosofiaCapitulo 12 filosofia
Capitulo 12 filosofia
Paulo Olli
 
3º - Estética (Ala 01)
3º - Estética (Ala 01)3º - Estética (Ala 01)
3º - Estética (Ala 01)
Caio Cæsar
 
Aula 2 arte - 2º ano
Aula 2   arte - 2º anoAula 2   arte - 2º ano
Aula 2 arte - 2º ano
VIVIAN TROMBINI
 
Apresentação Estética
Apresentação EstéticaApresentação Estética
Apresentação Estética
Auriene
 
Estética na filosofia laura 31 m
Estética na filosofia laura 31 mEstética na filosofia laura 31 m
Estética na filosofia laura 31 m
alemisturini
 
Feio ou bonito
Feio ou bonitoFeio ou bonito
Feio ou bonito
Italo Colares
 
Estética 4
Estética 4Estética 4
Ensaio estética
Ensaio estéticaEnsaio estética
Ensaio estética
barbarasm1
 
Kathrin Rosenfield Resumão
Kathrin Rosenfield ResumãoKathrin Rosenfield Resumão
Kathrin Rosenfield Resumão
Carlos Elson Cunha
 
História da Arte - Concepções Estéticas
História da Arte - Concepções EstéticasHistória da Arte - Concepções Estéticas
História da Arte - Concepções Estéticas
Elan Lopes
 
Filosofia da Arte: Arte e estética
Filosofia da Arte: Arte e estéticaFilosofia da Arte: Arte e estética
Filosofia da Arte: Arte e estética
Raphael Lanzillotte
 

Mais procurados (20)

Estética na filosofia gabriel goulart 32 mp
Estética na filosofia gabriel goulart 32 mpEstética na filosofia gabriel goulart 32 mp
Estética na filosofia gabriel goulart 32 mp
 
3º estética (hegel)
3º   estética (hegel)3º   estética (hegel)
3º estética (hegel)
 
Estética
Estética Estética
Estética
 
Introdução à Estética - 1
Introdução à Estética  - 1Introdução à Estética  - 1
Introdução à Estética - 1
 
Estética em Schiller
Estética em SchillerEstética em Schiller
Estética em Schiller
 
a arte como fenomeno social
a arte como fenomeno  social a arte como fenomeno  social
a arte como fenomeno social
 
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
Experi%c3%a ancia%20est%c3%a9tica[1]
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
 
Filosofia estética
Filosofia   estéticaFilosofia   estética
Filosofia estética
 
Capitulo 12 filosofia
Capitulo 12 filosofiaCapitulo 12 filosofia
Capitulo 12 filosofia
 
3º - Estética (Ala 01)
3º - Estética (Ala 01)3º - Estética (Ala 01)
3º - Estética (Ala 01)
 
Aula 2 arte - 2º ano
Aula 2   arte - 2º anoAula 2   arte - 2º ano
Aula 2 arte - 2º ano
 
Apresentação Estética
Apresentação EstéticaApresentação Estética
Apresentação Estética
 
Estética na filosofia laura 31 m
Estética na filosofia laura 31 mEstética na filosofia laura 31 m
Estética na filosofia laura 31 m
 
Feio ou bonito
Feio ou bonitoFeio ou bonito
Feio ou bonito
 
Estética 4
Estética 4Estética 4
Estética 4
 
Ensaio estética
Ensaio estéticaEnsaio estética
Ensaio estética
 
Kathrin Rosenfield Resumão
Kathrin Rosenfield ResumãoKathrin Rosenfield Resumão
Kathrin Rosenfield Resumão
 
História da Arte - Concepções Estéticas
História da Arte - Concepções EstéticasHistória da Arte - Concepções Estéticas
História da Arte - Concepções Estéticas
 
Filosofia da Arte: Arte e estética
Filosofia da Arte: Arte e estéticaFilosofia da Arte: Arte e estética
Filosofia da Arte: Arte e estética
 

Semelhante a Arte

Vamos falar de arte(1)
Vamos falar de arte(1)Vamos falar de arte(1)
Vamos falar de arte(1)
Luis Silva
 
Entendendo a arte
Entendendo a arteEntendendo a arte
Entendendo a arte
Aurimar Bianchi Júnior
 
Arte e sua função - Alexandre Linares e Ana Paula Dibbern
Arte e sua função - Alexandre Linares e Ana Paula DibbernArte e sua função - Alexandre Linares e Ana Paula Dibbern
Arte e sua função - Alexandre Linares e Ana Paula Dibbern
Alexandre Linares
 
Arte Educao
Arte EducaoArte Educao
Arte Educao
ednacaroni
 
Arte Ricardo E Duarte
Arte Ricardo E DuarteArte Ricardo E Duarte
Arte Ricardo E Duarte
elvira.sequeira
 
A arte
A arteA arte
Arte 1 médio slide
Arte 1 médio slideArte 1 médio slide
Arte 1 médio slide
Eponina Alencar
 
Seminário sobre Arte e Educação
Seminário sobre Arte e Educação Seminário sobre Arte e Educação
Seminário sobre Arte e Educação
EducadorCriativo
 
3 fil prov. bimestral 2 cham bc 3bi
3 fil    prov. bimestral  2 cham bc 3bi3 fil    prov. bimestral  2 cham bc 3bi
3 fil prov. bimestral 2 cham bc 3bi
Felipe Serra
 
O que e Arte.pptx
O que e Arte.pptxO que e Arte.pptx
O que e Arte.pptx
KelLemos
 
Arte e Estética na Filosofia.docx
Arte e Estética na Filosofia.docxArte e Estética na Filosofia.docx
Arte e Estética na Filosofia.docx
Clodoaldo Rodrigues Farias
 
Arte (2)
Arte (2)Arte (2)
Arte (1)
Arte (1)Arte (1)
Arte (1)
Arte (1)Arte (1)
AULA 2 - ARTE - 1º E.M
AULA 2 - ARTE - 1º E.MAULA 2 - ARTE - 1º E.M
AULA 2 - ARTE - 1º E.M
VIVIAN TROMBINI
 
A arte
A arteA arte
Arte
ArteArte
Arte
ArteArte
Conhecimento pela arte.
Conhecimento pela arte.Conhecimento pela arte.
Conhecimento pela arte.
Italo Colares
 
Entenda a arte 2013
Entenda a arte 2013Entenda a arte 2013
Entenda a arte 2013
graduartes
 

Semelhante a Arte (20)

Vamos falar de arte(1)
Vamos falar de arte(1)Vamos falar de arte(1)
Vamos falar de arte(1)
 
Entendendo a arte
Entendendo a arteEntendendo a arte
Entendendo a arte
 
Arte e sua função - Alexandre Linares e Ana Paula Dibbern
Arte e sua função - Alexandre Linares e Ana Paula DibbernArte e sua função - Alexandre Linares e Ana Paula Dibbern
Arte e sua função - Alexandre Linares e Ana Paula Dibbern
 
Arte Educao
Arte EducaoArte Educao
Arte Educao
 
Arte Ricardo E Duarte
Arte Ricardo E DuarteArte Ricardo E Duarte
Arte Ricardo E Duarte
 
A arte
A arteA arte
A arte
 
Arte 1 médio slide
Arte 1 médio slideArte 1 médio slide
Arte 1 médio slide
 
Seminário sobre Arte e Educação
Seminário sobre Arte e Educação Seminário sobre Arte e Educação
Seminário sobre Arte e Educação
 
3 fil prov. bimestral 2 cham bc 3bi
3 fil    prov. bimestral  2 cham bc 3bi3 fil    prov. bimestral  2 cham bc 3bi
3 fil prov. bimestral 2 cham bc 3bi
 
O que e Arte.pptx
O que e Arte.pptxO que e Arte.pptx
O que e Arte.pptx
 
Arte e Estética na Filosofia.docx
Arte e Estética na Filosofia.docxArte e Estética na Filosofia.docx
Arte e Estética na Filosofia.docx
 
Arte (2)
Arte (2)Arte (2)
Arte (2)
 
Arte (1)
Arte (1)Arte (1)
Arte (1)
 
Arte (1)
Arte (1)Arte (1)
Arte (1)
 
AULA 2 - ARTE - 1º E.M
AULA 2 - ARTE - 1º E.MAULA 2 - ARTE - 1º E.M
AULA 2 - ARTE - 1º E.M
 
A arte
A arteA arte
A arte
 
Arte
ArteArte
Arte
 
Arte
ArteArte
Arte
 
Conhecimento pela arte.
Conhecimento pela arte.Conhecimento pela arte.
Conhecimento pela arte.
 
Entenda a arte 2013
Entenda a arte 2013Entenda a arte 2013
Entenda a arte 2013
 

Mais de Claudia Ribeiro

Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]
Claudia Ribeiro
 
Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]
Claudia Ribeiro
 
Realismo e Naturalismo Brasil e Portugal
Realismo e Naturalismo Brasil e PortugalRealismo e Naturalismo Brasil e Portugal
Realismo e Naturalismo Brasil e Portugal
Claudia Ribeiro
 
Realismo em Portugal
Realismo em PortugalRealismo em Portugal
Realismo em Portugal
Claudia Ribeiro
 
Orações coodenadas 2016
Orações coodenadas 2016Orações coodenadas 2016
Orações coodenadas 2016
Claudia Ribeiro
 
A geração de 45
A geração de 45A geração de 45
A geração de 45
Claudia Ribeiro
 
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Claudia Ribeiro
 
Teoria literária
Teoria literáriaTeoria literária
Teoria literária
Claudia Ribeiro
 
Adjunto adnominal e adjunto adverbial
Adjunto adnominal e adjunto adverbialAdjunto adnominal e adjunto adverbial
Adjunto adnominal e adjunto adverbial
Claudia Ribeiro
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Claudia Ribeiro
 

Mais de Claudia Ribeiro (10)

Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]
 
Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]
 
Realismo e Naturalismo Brasil e Portugal
Realismo e Naturalismo Brasil e PortugalRealismo e Naturalismo Brasil e Portugal
Realismo e Naturalismo Brasil e Portugal
 
Realismo em Portugal
Realismo em PortugalRealismo em Portugal
Realismo em Portugal
 
Orações coodenadas 2016
Orações coodenadas 2016Orações coodenadas 2016
Orações coodenadas 2016
 
A geração de 45
A geração de 45A geração de 45
A geração de 45
 
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
 
Teoria literária
Teoria literáriaTeoria literária
Teoria literária
 
Adjunto adnominal e adjunto adverbial
Adjunto adnominal e adjunto adverbialAdjunto adnominal e adjunto adverbial
Adjunto adnominal e adjunto adverbial
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 

Último

UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdfConstrução Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptx
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptxQualidade do Ar interior nas escolas.pptx
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptx
MariaJooSilva58
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdfEsquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdfConstrução Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptx
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptxQualidade do Ar interior nas escolas.pptx
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptx
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdfEsquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 

Arte

  • 6. Escultura Vênus de Milo Arquitetura Catedral Metropolitana de Brasília, exemplar da arquitetura moderna brasileira, em Brasília, Brasil.
  • 7. Literatura Fernando Pessoa “Quem não vê uma palavra não vê uma alma”Machado de Assis “Esquecer é uma necessidade. A vida é uma lousa, em que o destino, para escrever um novo caso, precisa de apagar o caso escrito.”
  • 8. Clarice Lispector “Renda-se, como eu me rendi. Mergulhe no que você não conhece como eu mergulhei. Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento. Carlos Drummond de Andrade “Tenho apenas duas mãos e o sentimento do mundo.”
  • 9.  Arte (do Latim Ars, significando técnica e/ou habilidade)  Técnica (do Grego antigo τέχνη, technê, que significa arte, ofício) –(que também compõe a palavra tecnologia)  (ou "knowhow") refere-se às aplicações da ciência, do conhecimento científico ou teórico, nas realizações práticas e nas produções industriais e econômicas do homem.
  • 10. Arte também é um conhecimento  Como ato de conhecimento, a arte é uma ponte entre a percepção do sujeito e a realidade externa. Cada artista, em cada época, desenvolve uma técnica de representação da realidade, ainda que possa ser um fenômeno interior (arte abstrata).
  • 11.  o homem primitivo não se via distinto da natureza, tinha uma integração cósmica com o universo.  Mas, desde que tomou consciência de si, teve necessidade de transcendência  Num sentido mais amplo, o homem observava os ciclos da vida e das coisas que desafiavam sua curiosidade infinita. Ele fez associações, verificou certas constâncias que pareciam apontar para regras e sistemas, e, embriagado de razão, tem caminhado no eterno desvendar do cada vez mais amplo mundo da matéria.
  • 12.  Mas há uma parte da natureza humana que não se alimenta apenas da interação com o mundo concreto. Há caminhos mais abstratos a percorrer, sentimentos e necessidades que nem sempre são objetivos equacionáveis. A arte procura expressar essas necessidades e sentimentos.  A arte é a manifestação humana plena de transcendência. É a sublimação do espírito humano no seu mais alto grau de efusão e mistério. É a eternidade conquistada por uma sensibilidade através do eco provocado noutras sensibilidades pelo seu espelho de infinitas dimensões.
  • 13.  A arte é a mais alta manifestação do espírito e da inteligência humanos. É o espírito recortado pela racional idade dos códigos.  São muitos os códigos possíveis: a música, a pintura, a escultura, o teatro, a dança, a arquitetura, a literatura são alguns deles. Em cada um podemos recolher exemplos magníficos do potencial, inato ao homem, de gerar emoção e beleza.  Algumas pessoas dominam ativamente esses códigos e conseguem conceber, criar a obra de arte. Outras, apesar de não serem criadoras, interagem com ela por meio de sua apreciação, descobrindo-lhe novas dimensões e sentidos. O artista conta com a cumplicidade do apreciador da arte.
  • 14.  A Literatura é uma das artes mais complexas. Seu instrumento, a palavra, gera possibilidades infinitas de expressão, já que cada uma delas admite várias flexões e sentidos.  A linguagem é o ponto mais sofisticado de um processo que custou muito tempo a se consumar na evolução da humanidade.  Por meio da palavra escrita o homem fez registros de ordem documental e prática, firmou acordos e contratos, enviou mensagens etc. Porém, um dia usou graficamente a palavra, como expressão de suas ideias e sentimentos mais profundos, como a formalização de seu olhar subjetivo sobre o mundo ... e a Literatura se fez.
  • 16. A experiência estética  A experiência estética decorre numa atmosfera afetiva, pois o ser humano é um ser sensível,captando cognitivamente os objetos que o rodeia através dos seus sentidos, manifestando sentimentos de alegria, de júbilo, de prazer face a estes, quer sejam de origem humana ou natural. Valorizando-os afetivamente, atribuindo-lhes valor estético, elevando-os do plano da utilidade para o plano da contemplação estética.
  • 17.  Através da contemplação estética o sujeito participa ativamente na contemplação do objeto: interpretando-o subjetivamente, criando ou recriando o objeto na sua psique, experimentando, enfim, o prazer estético, e, às vezes, de tal forma intensa, que transcende para um outro “cosmos” (subjetivo) - criado pela sua mente, pelos seus sentimentos face ao objeto permanecendo alheio e alterno ao mundo real, no seu heterocosmos.
  • 18.  Estética é um ramo da Filosofia que se ocupa das teorias, problemas e argumentos acerca da arte. Estética é, portanto, o mesmo que Filosofia da Arte.  A Estética se preocupa com o objeto estético. Mas o que vem a ser um objeto estético? Objeto estético é aquilo que provoca em nós uma experiência estética
  • 19.  Podemos, então, concluir três coisas: 1) a estética é a teoria do belo, aquilo que define o que é bonito e o que não é bonito. 2) a estética é a teoria do gosto, aquilo que explica o que nos agrada e o que não nos agrada. 3) a estética é a filosofia da arte, que consiste em avaliar o que é e o que não é uma obra de arte.  Não devemos confundir teoria do belo, teoria do gosto e filosofia da arte. Há obras de arte que não são belas ou que não gostamos  Isso significa que os objetos belos, aqueles de que gostamos e as peças de arte, não são iguais e, quando falamos de cada um deles, estamos, evidentemente, falando de situações diferentes.
  • 20.  A Estética passou a ser entendida como filosofia da arte pelo seguinte: 1) a teoria do belo e a teoria do gosto não dão conta de explicar aquilo que é considerado obra de arte e que não é nem belo e nem nos provoca prazer; 2) a própria arte e os artistas, em épocas diferentes, questionam o que é o belo e o que é o gosto. Logo, a teoria do belo e a teoria do gosto se deparam com problemas que não conseguem resolver, como o que é bonito em uma determinada época e, em outra, é considerado feio.  A filosofia da arte, com suas diversas teorias, é o campo do conhecimento que procura definir o que é uma obra de arte, o que é o Belo e o que é o Gosto.
  • 21.  Em linhas gerais, a filosofia da arte estuda os seguintes conceitos de arte:  é imitação que tem como ideia central o seguinte: uma obra é arte se, e somente se, for produzida pelo homem e imitar algo;  é expressão que tem como ideia central o seguinte: uma obra de arte é arte se, e somente se, expressar emoções e sentimentos do artista;  é forma significante que tem como ideia central o seguinte: uma obra de arte é arte se, e somente se, provocar nas pessoas emoções estéticas.